Festival de Música SONS COM HISTÓRIA

Page 1

SONS COM HISTÓRIA

FESTIVAL DE MÚSICA

27A30

JUN

2019

CASTELO DE VIDE


organização

Câmara Municipal de Castelo de Vide direcção

Nuno Velez coordenação e programação

Ana Paula Russo design gráfico

José M. Russo

apoios

CMYK 0.94.84.0

RGB 248.115.7 #5C4495


Sons com História, o festival de Música que nasce de um sonho. O sonho de divulgar e projectar cantores, músicos e performers da região e do país, trazendo-os ao interior, onde as populações estão ávidas de cultura. Do encontro de almas sonhadoras, Nuno Velez, Ana Paula Russo e o presidente da Câmara de Castelo de Vide, António Pita, tomou vida aquela que será a primeira edição do Sons com História. Queremos criar um Festival de Música que se torne referência nacional e até mesmo internacional, na promoção e divulgação de intérpretes e que sirva de plataforma interdisciplinar de cultura musical. Castelo de Vide espera pela sua visita nestes quatro dias de concertos. Venha descobrir-nos! Nuno Velez

director do festival Sons com História


Rua da Fonte


Valorizar o Concelho com música de qualidade. Num momento em que Castelo de Vide e o território envolvente recebem, de forma crescente e entusiasmante, visitantes com elevados padrões de exigência é, pois, fundamental que consigamos responder com uma oferta cultural de superior qualidade e de modo estimulante. Por outro lado, também assistimos a um bom momento da economia local, graças ao dinamismo do investimento privado que está a proporcionar a gradual qualificação e modernização dos serviços e equipamentos, sobretudo os vocacionados para a atividade turística. A Agenda do nosso Concelho é já bastante extensa e diversificada, bem o sabemos. Contudo, deverá ambicionar ir mais longe procurando corresponder às expetativas de novos segmentos, e de modo a que continue a subsidiar positivamente a nossa economia local. Neste contexto, a Autarquia deve não só acompanhar estes evidentes sinais do tempo que vivemos, como igualmente consolidar a sua imagem enquanto Vila que alicerça o seu desenvolvimento tendo como pilar a Cultura nas suas múltiplas dimensões. Assim, queremos que o Festival de Música Sons com História seja a realização do sonho em que Castelo de Vide se assuma como referência nacional por ter anualmente em palco a música erudita interpretada pelos nomes mais sonantes que orgulham Portugal. Cumprir este objetivo, trazendo a música às nossas igrejas, aos edifícios históricos, aos monumentos, às praças e jardins, resultará certamente numa evidente valorização do património, mas, acima de tudo, importa relevar o contributo deste processo para a revitalização do próprio centro-histórico. Sons Com História será, pois, mais um projeto de afirmação de Castelo de Vide enquanto Vila de Excelência Cultural.

António Pita

presidente da C.M. de Castelo de Vide


Fonte do Ourives (pormenor)


FESTIVAL DE MÚSICA

CASTELO DE VIDE

SONS COM

HISTÓRIA

Alfonsinas 27 Vozes De Amores e Devoções

JUN

21:30

Convento de S. Francisco

auditório da Fundação N.ª S.ª da Esperança

World Project 28 Guitolão Música baseada na literatura musical ibérica

JUN

21:30

Fonte da Vila

* com a cantora convidada Vera Soldado

29 Voice’n’Combo Standards do século xx

JUN

21:30

Cine-Teatro

Mouzinho da Silveira

S.Tomás de Aquino 30 Ensemble Missa Grande cantada

JUN ENTRADA LIVRE

12:00

Igreja Matriz

de Santa Maria da Devesa


27

JUN 21:30 ENTRADA LIVRE

CONVENTO DE S. FRANCISCO Auditório da Fundação N.ª S.ª da Esperança


Vozes Alfonsinas De Amores e Devoções música medieval e sefardita


Susana Conde Teixeira, meio-soprano Gonçalo Pinto Gonçalves, tenor, percussão, leituras João Pedro Sebastião, tenor Victor Gaspar, barítono Madalena Cabral, rabeque Nuno Torka Miranda, alaúde e voz Manuel Pedro Ferreira, direcção e apresentação

a

Vozes Alfonsinas

O grupo tem actuado em Portugal, para diversas entidades, destacando-se cinco gravações ao vivo para a Ant 2, uma gravação para a RTP (programa “Percursos da música portuguesa”), a sua participação no Festival de Música de Leiria, nas Festas de Lisboa, no Festival “Música em S. Roque”, no Festival do Atlântico (Açores), no Festival de Música Medieval de Sesimbra, no Festival de Música de Alcobaça, no Festival do Estoril, no Festival “Terras sem sombra” e nos “Dias da Música” no CCB. O grupo teve uma calorosa estreia internacional em Pesaro, Itália, no Festival “Sipario Ducale”. Apresentou-se com êxito em Amesterdão num concerto integrado no ciclo “De zuilen van Hercules”. Apresentou-se na Smithsonian Institution, em Washington, D.C., com grande sucesso, em cinco actuações com música do Renascimento; também actuou no Festival de Música Antiga e Iberoamericana de Cáceres, o que motivou o convite para uma actuação em Valencia de Alcántara, igualmente bem acolhida. Foi na Galiza que publicou o primeiro CD das “Vozes Alfonsinas”, com as melodias de Martin Codax. Seguiram-se outras gravações do grupo em CD, como: 1997. Vilancicos renascentistas - EMI-Classics; 1999. “O Tempo dos Trovadores” (cantigas de D. Dinis, Cantigas de Santa Maria, canções árabo-andaluzas) - Strauss/ PortugalSom, considerado “um marco na discografia portuguesa”, evidenciando “grande consciência estilística” (Público), uma “sonoridade de grande clareza” (Expresso) e “it’s a fine bit of work, recommended for anyone interested in medieval music - or just looking for something very old and different” (Classics Today); 2000. Música da liturgia bracarense a propósito do qual a revista Plainsong & Medieval Music afirmou: “the singing is of exquisite purity” ( (J. F. Weber), destacando-se “the beauty of the voices” (E. Hornby); 2002. “Mon seul plaisir”, baseado no códice 714 da Biblioteca Pública do Porto (inédito); 2008. “Dos Visigodos a Dom Sebastião”, para uma Antologia de música em Portugal na Idade Média e no Renascimento. Estes CD foram comentados por António Marujo (Além-Mar): “Com momentos de uma grande comoção e intensidade, estes discos mostram também a maturidade e ineditismo do trabalho feito por Manuel Pedro Ferreira e pelas Vozes Alfonsinas. Uma obra incontornável para saber de onde vimos.”


PROGRAMA música medieval e sefardita

a

a De Amores e Devoções

I Em maneira de proençal 1. Peire Vidal: Pos tornatz sui en Proensa (versão instrumental) 2. Dom Dinis, cantiga d’amor: Amor fez a mim amar (mús.: Peire Vidal) 3. Anónimo: Estampie royale nº 3 4. Martin Moxa, cantiga de maldizer: Maestr’Acenço, dereito faria (mús.: Arnault de Maruelh) 5. Osoiro Anes, cantiga d’amor: Sazom é já de me partir (mús.: Peire Vidal) 6. Anónimo: Estampie royale nº 5 7. Pero Garcia de Ambroa, cantiga de maldizer: Pero d’Armea, quando composestes (mús.: Peire Vidal) 8. Vidal, judeu de Elvas, cantiga d’amor: Moir, e faço dereito (mús.: Peire Vidal) 9. Peire Vidal: Anc no moril (versão instrumental)

II Intermezzo devocional 10. Lamento pela destruição do Templo (rito sefardita de Roma): Belèl ze yivkayun 11. Oração pascal (tradição sefardita, Saloniki): Quien supiese las palabras [1,2,10] 12. Hino de Laudes (melodia sefardita portuguesa): Adonai melech

III Trovadores contra jograis 13. Lopo, cantiga d’amigo: Disserom-m’agora do meu namorado (mús.: MPF) 14. Martim Soarez, cantiga de maldizer: Foi um dia Lopo jograr (mús.: CSM 87) 15. Anónimo italiano: I’ senti’ matutino (versão instrumental) 16. João Peres d’Aboim e Lourenço, tenção: Lourenço, soías tu guarecer (mús.: Thibaut de Navarre) 17. Lourenço, cantiga d’amigo: Assaz é meu amigo trovador

IV Coda devocional 18. Cantiga de Santa Maria 346 (milagre de Estremoz): Com’ a grand’ enfermidade


28

JUN 21:30 ENTRADA LIVRE

FONTE DA VILA Largo do Dr. Frederico Laranjo


Guitolão World Project Os Sons da Música

baseada na Literatura Musical Ibérica


World Project

Vera Soldado, voz (cantora convidada) António Eustáquio, guitolão * Victor Miranda, contrabaixo Miguel Monteiro, saxofone tenor Samuel Lupi, cajón

a

Guitolão

* Ano de construção: 2004; Construtor: Gilberto Grácio; Local de construção: Agualva-Cacém; Proprietário: António Eustáquio

Guitolão World Project é a materialização de um conjunto de memórias e de saberes transformados em música. A sonoridade antiga de um instrumento novo, o Guitolão, na companhia do contrabaixo, do Saxofone Soprano, do Cajón e da Voz, trazem imagens do sul, do seu calor e das suas sonoridades. Musicalidade actual de um povo de descontração e fraternidades, de azul e terra, de vinho e pão. O sangue e a dor. O Sul. António Eustáquio, Victor Miranda, Miguel Monteiro, Samuel Lupi e Vera Soldado, utilizam a rígida formação superior na execução instrumental virtuosa e criativa. Como resultado, uma viajem às memórias e aos afectos que ainda ecoam nas ruas caiadas de ocre e cal.

a

Guitolão – Este instrumento nasceu de uma sugestão de Carlos Paredes ao construtor Gilberto Grácio, que de imediato a concretizou fazendo um protótipo que se assemelhava a uma guitarra de Coimbra com um braço mais longo e com o qual, Carlos Paredes, chegou ainda a gravar com a cantora Cecília de Melo e com o poeta Manuel Alegre. Depois de doença prolongada, Carlos Paredes acabou por falecer sem nunca ter experimentado o modelo definitivo a que Gilberto Grácio, seu criador, deu o nome de Guitolão e decidiu entregá-lo a António Eustáquio, afim de ser tocado e divulgado. O Guitolão é um cordofone baseado na guitarra portuguesa mas de maior volume e afinado a uma 5ª inferior, resultando numa sonoridade mais grave e de menor estridência tímbrica. Possui uma caixa harmónica periforme, a aguçar para o braço, e de fundo e tampo ligeiramente abaulados. A sua boca é redonda com embutidos em madre pérola e rosácea. Arma com seis ordens de cordas todas metálicas. As três primeiras com cordas de aço lisas em uníssono (Mi, Ré Lá), as três últimas com corda lisa e bordão em oitava (Mi, Ré, Sol). O comprimento total deste instrumento é de 1,02 m, com braço em Mogno (andiroba) e tampo, em Cedro do Canadá, com um comprimento de 47 cm e 41,5 cm de largura. As Ilhargas e o fundo são em Pau Santo. A Escala, em Ébano, tem um tiro de corda de 85 cm.


PROGRAMA Os Sons da Música

baseada na Literatura Musical Ibérica

1. Raiando

de António Eustáquio

2. Kashf

de Anouar Brahem

3. À la Una Yo Naci

tradicional Sefardita

4. A Veces las Palabras nada Significan

de António Eustáquio

5. Cada Ausência

de António Eustáquio

6. Una Tarde de Verano

tradicional Sefardita

7. Pas de Deux

de António Eustáquio

8. Lamma bada

Muwashah da tradição árabe-andaluz

9. Marwan

de António Eustáquio

10. Guitolão

de António Eustáquio

11. Abenamar

tradicional Sefardita

12. Fiz um Poema

de António Eustáquio

a

a


29

JUN 21:30 ENTRADA LIVRE

CINE-TEATRO Mouzinho da Silveira Avenida da Aramenha


Voice ’n’ Combo Standards do século xx uma viagem pela história do jazz


Ariana Moutinho-Russo, soprano Rita Morão Tavares, meio-soprano Frederico Projecto, tenor Pedro Casanova, barítono Ricardo Correia, saxofone João Nogueira, contrabaixo Samuel Dias, bateria Vladimiro Hipólito, piano

a

Voice‘n’Combo

O Voice’n’Combo é um grupo especializado na interpretação de standards de jazz com o objectivo de divulgar o repertório de jazz vocal e instrumental do século XX. É formado por quatro instrumentistas (piano contrabaixo, bateria e saxofone) e quatro intérpretes vocais (soprano, contralto, tenor e baixo). Apresentam conhecidos temas do cancioneiro americano em polifonia com uma visão da música jazz diferente do habitual, assente na valorização desta herança do pensamento musical americano do séc. XX. As longínquas origens do jazz cantam a dor do homem prisioneiro e a sua esperança de libertação. Nasce nos campos de algodão e nas igrejas, celebra os funerais, difunde-se num vasto território, mas é em New Orleans que encontra o terreno mais fértil para crescer e ser uma arte relevante. Este género musical surge das inúmeras diferenças americanas: entre pobres e ricos, felizes e infelizes, o campo e a cidade, negros e brancos, homens e mulheres, entre a velha África e a velha Europa. É a arte de improvisação que se actualiza a cada improvisação e que nunca perdeu as suas raízes. É uma música da memória. Uma mistura explosiva de ritmos africanos e de elementos melódicos, harmónicos e formais da tradição europeia. Nesta identidade musical ressoam as relações de raça e o preconceito, o lamento e o protesto contra a opressão, a luta pelos direitos civis, uma mensagem de esperança e afirmação perante as adversidades. Ecoam duas guerras mundiais a depressão económica e ao mesmo tempo a encarnação do drama da história americana. O programa deste concerto permite fazer uma pequena viagem pela história do jazz, evidenciando as diferenças entre várias épocas, valorizando as suas especificidades, revelando as permutas e influências que estas estabeleceram entre si.

Divirta-se com o Voice’n’Combo numa das possíveis viagens pela história do Jazz!


PROGRAMA Standards do século xx uma viagem pela história do jazz

a

a

1. Mississipi Mud

Música e letra: James Cavanaugh & Arry Barris || Arr. Kirby Shaw

2. Take the “A” Train

Música e letra: Billy Strayhorn & Duke Ellington

3. Night an Day

Música e letra: Cole Porter || Arr. Gwyn Arch

4. Summertime

Música e letra: Ira & George Gershwin

5. Foggy Day

Música e letra: Ira & George Gershwin || Arr. Russ Robinson

6. Hit That Jive Jack

Música e letra: John Aston & C. Skeets Tolbert || Arr.: Kirby Shaw

7. Billie’s Bounce

Música: Charlie Parker

8. Blue Skies

Música e letra: Irving Berlin || Arr. Alan Woods

9. Unforgettable

Música e letra: Irving Gordon || Arr.: Kirby Shaw

10. Take Five

Música e letra: Paul Desmond & Dave Brubeck || Arr.: Kirby Shaw

11. Song for my Father

Música e letra: Horace Silver || Arr.: Raymond Roberts

12. I Got Rhythm

Música e letra: Ira & George Gershwin || Arr.: Mark Hayes


30

JUN 12:00 ENTRADA LIVRE

IGREJA MATRIZ de Santa Maria da Devesa


Ensemble Sรฃo Tomรกs de Aquino Grande Missa cantada


a

Ensemble

São Tomás de Aquino Ariana M-Russo e Inês Pimentel, sopranos Rita Tavares e Mariana Cardoso, meio-sopranos João Custódio e João Pedro Afonso, tenores Pedro Morgado e David Cunha, baixos André Ferreira, órgão João Andrade Nunes, direcção

O Ensemble São Tomás de Aquino constitui-se como um grupo de composição variável formado por jovens músicos profissionais. Criado em Setembro de 2015, tem apresentado – em concerto e no âmbito litúrgico – repertório verdadeiramente exigente e diferenciado. Entre as obras executadas em concerto incluem-se o Kyrie e Gloria da Missa em Si menor, BWV 232, e o Magnificat, BWV 243, de Johann Sebastian Bach, Gloria, RV589, de Antonio Vivaldi, Messiah, H 56, de Georg Friedrich Handel, bem como numerosas obras de polifonia sacra antiga e contemporânea. Tem vindo a apresentar-se em diversos festivais de música: Festival Internacional de Órgão da Madeira em 2017, II Festival Internacional de Órgão de Mafra em 2018, e agora no Festival de Música “Sons com História” de Castelo de Vide em 2019.


PROGRAMA XIII Domingo do tempo comum - Ano C

a

a Grande Missa cantada

Entrada: Laudate dominum | Taize

Acto penitencial: Kyrie | Messe ad majorem, Campra

Gloria: Missa Orbis factor

Salmo: O Senhor é a minha herança | João Andrade Nunes

Aclamação ao Evangelho: Aleluia Falai, Senhor, que o vosso servo escuta, Vós tendes palavras de vida eterna.

Ofertório: Pulchra es | Ola Gjeilo

Santo: Santo | João Andrade Nunes

Cordeiro: Agnus Dei, Messe ad majorem | Campra

Comunhão: Quem come a minha carne | João Andrade Nunes

Pós-comunhão: As sombras não assombram | Alfredo Teixeira

Final: Órgão ad libitum


Convite Castelo de Vide fica à sua espera! Em 2020, de 25 a 28 de Junho, venha assistir à 2ª edição de

Sons com História

edição Câmara Municipal de Castelo de Vide