Issuu on Google+

Bento Gonçalves :: Sábado :: 10 de agosto de 2013

Emagrecer x perder peso Aprenda a emagrecer com saúde

Páginas 4

Motivação Especialista ensina maneiras de se motivar Página 3

REPRODUÇÃO


2

Sábado | 10 de agosto de 2013

Entenda o que é a coqueluche

A

doença atinge o sistema respiratório e é causada pela bactéria bordetella pertussis. Os principais sintomas nos recém-nascidos são tosse agressiva - que pode fazer a criança perder o ar - e vômitos. Segundo o Ministério da Saúde, crianças com menos de um ano são as principais vítimas da doença no Brasil. Em 2012, foram registrados quase 3.000 casos e 74 mortes. De acordo com o pediatra Renato Kfouri, presidente da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações), os principais transmissores são os adultos mais próximos do bebê, como pais, irmãos, avós e principalmente as mães. As pessoas mais próximas podem, sem saber, passar a bactéria para o bebê, pois no organismo adulto ela causa leves reações, que podem passar despercebidas. Mães, pais, avós e outras pessoas que tenham contato repetitivo com o recém-nascido devem se vacinar. Por ser muito próxima aos sintomas de um resfriado, a coqueluche ainda é pouco diagnosticada. Além disso, a manifestação da doença em jovens e adultos é bem diferente do que em bebês. Quando há uma tosse prolongada por mais de três semanas, pode ser coqueluche, porém ela é confundida com um resfriado mal curado, o que acarreta no não diagnóstico. Sinais de atenção Além de vômitos e dificul-

REPRODUÇÃO

A vacina contra coqueluche só protege da doença depois da terceira aplicação dades para respirar, a coqueluche pode causar febre, avisa o pediatra. Embora rara, a febre pode ocorrer. No entanto, o que deve chamar a atenção da mãe é o tipo de tosse do bebê. Para o pediatra, a fragilidade do bebê é um dos fatores que provoca a coqueluche, já que a vacina só protege da doença depois da terceira aplicação, que ocorre no sexto mês de vida. A imunidade do bebê é muito baixa nos primeiros meses e suas vias áreas ainda estão estreitas, o que torna a doença muito mais grave do que em jovens e adultos, podendo o levar à morte. Vacina A vacina DTP (Vacina Tríplice Bacteriana Acelular) contra difteria, tétano e coqueluche é dada aos bebês no segundo, quarto e sexto mês. Essas são as doses essenciais. Depois é preciso fazer dois outros reforços, sendo o primeiro aos 15 meses e o segundo entre quatro e seis anos.

Após os dez anos, é aconselhável outro reforço com a DTPA (Vacina Tríplice Bacteriana Acelular do Tipo Adulto) que imuniza contra difteria, tétano e coqueluche. Neste caso, ela não é fornecida pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Para Kfouri, o número de casos aumenta por conta da falta do reforço da vacina. Muitas crianças foram imunizadas na década de 70 e 80 com as vacinações em massa, o que diminui o número de casos, porém elas não tomaram o reforço depois dos dez anos e isso faz com que os números cresçam. O Ministério da Saúde estuda a inclusão da vacina para gestantes nas unidades de saúde pública no segundo semestre deste ano, o que, na opinião do pediatra é aconselhável. Ela protege a mãe e também passa anticorpos para o feto, por isso é aconselhável que a grávida tome a DTPA no final da gravidez, período que ela mais transmite imunidade para o bebê. Fonte: noticias.r7.com


3

Sábado | 10 de agosto de 2013

Dicas para melhorar sua motivação

Veja alguns segredos para não ficar doente

C

Precisamos fornecer o melhor para a nutrição dos ‘soldados’ do nosso sistema imunológico Já reparou que, às vezes, todas as pessoas ao seu redor estão resfriadas, mas você se mantém ilesa? Em outras épocas, no entanto, não pode ver alguém espirrando a quilômetros de distância que, pronto... a doença te pegou. Saiba que essas desventuras do nosso corpo não são uma questão de sorte ou azar, mas, sim, de defesa! “O sistema imunológico está constantemente em combate contra ameaças internas e externas”, define Danielle Santos Especialistas ensinam os alguns passos que você deve seguir em busca de uma saúde de ferro. Confira! Alimente-se bem “Precisamos fornecer o melhor para a nutrição dos ‘soldados’ do nosso sistema imunológico: os anticorpos”, adverte a nutricionista. Vitamina A: é importante na manutenção da integridade das membranas mucosas, as primeiras a serem prejudicadas em gripes e resfriados. Esse nutriente está presente em alimentos como cenoura, abóbora, fígado, batata-doce, damasco seco, brócolis e melão. Vitamina C: componente de frutas cítricas, caju, tomates, vegetais folhosos crus, repolho e pimentão verde, é antioxidante e melhora a resistência do corpo às infecções. Vitamina E: gérmen de trigo, óleos, amêndoas, nozes,

castanha-do-pará, gema de ovo, vegetais folhosos e legumes possuem essa vitamina, que protege o organismo contra substâncias tóxicas, radiação e radicais livres. Ácido fólico: estimula a formação dos leucócitos, que são as células de defesa do corpo. O nutriente é adquirido quando você come fígado, feijão, brócolis, couve e espinafre. Zinco: auxilia na reparação dos tecidos e cicatrização de ferimentos. Por isso, mantenha uma alimentação rica em carnes, peixes, ostras, crustáceos, aves, leite, cereais integrais, feijão e nozes. Selênio: castanha-do-pará, frutos do mar, fígado, carne e aves são fontes desse nutriente, que possui grande capacidade antioxidante. Hidrate-se Beber água e sucos naturais é essencial para manter o metabolismo funcionando a todo vapor. Além disso, mucosas ressecadas são a principal porta de entrada para os vírus causadores de gripes e resfriados. Mantenha um estilo de vida saudável “É importante não fumar e, se beber, que seja moderadamente. Durma de sete a oito horas por dia e controle o estresse”, aconselha o oftalmologista Francisco de Paula Leite Ferreira Neto. Fonte: saude.ig.com

ertamente, você é uma pessoa que tem muitos sonhos. E agora chegou o momento para uma reflexão bem sincera: o que está fazendo para que os seus desejos se realizem? Você conseguiria afirmar que fez tudo o que estava ao seu alcance para conquistar o que queria? Se esses questionamentos lhe trouxeram a impressão de que a sua determinação está insuficiente, não se culpe. Talvez o que esteja faltando não seja vontade, mas, sim, um pouco mais de comprometimento. “Motivação é o modo como eu faço algo para cumprir um objetivo estabelecido a despeito do cansaço, do sono, da fome...”, define o Dr. Jô Furlan, autor do livro Inteligência do sucesso. Qualquer coisa pode se tornar uma razão na sua busca pelas metas: um filho, um curso, uma música ou até mesmo o medo. “Às vezes, a preocupação de não entregar um projeto dentro do prazo e levar uma bronca do chefe podem me dar energia para concluí-lo”, exemplifica o especialista. Ter garra é ser responsável Para o médico, o que torna uma pessoa motivada ou não são as escolhas que ela faz na vida. Por exemplo, quando você pensa em seus problemas, sente-se paralisado ou desafiado a resolvê-los? “Dependendo da minha resposta, os meus neurotransmissores liberarão substân-

IMAGENS REPRODUÇÃO

Segundo Furlan, motivação é o modo de fazer algo para cumprir um objetivo estabelecido cias distintas no corpo, o que determinará todas as minhas reações às coisas que acontecem”, explica o Dr. Jô. Outro grande inimigo da pessoa determinada é “ligar o piloto automático” e deixar as coisas acontecerem. É extremamente prejudicial, porque, ao agir dessa forma, você não se responsabiliza pelo próprio futuro. “Quem tem menos turbulências tem poucos resultados”, alerta o médico. Tudo é questão de treino Se você está se sentindo desanimado com as suas ações, o jeito é reverter a situação. Porém, não há fórmula mágica: será necessário traçar metas e se comprometer com elas. “A motivação é o combustível: se eu não tiver um objetivo, não sairei do lugar”, completa o Dr. Jô. É claro que não precisa sair por aí inventando mil planos

para os próximos 30 anos. Se estiver difícil, comece com coisas simples que você curtiria fazer. “Nem que seja comprar flores e ter que acordar cedo todos os dias para regá-las”, brinca o médico. Mas, penas a motivação garante que os seus sonhos sejam alcançados? Infelizmente, não! Pode ser que, por mais que você lute, não consiga chegar aonde queria. Então, a solução é fazer uma retrospectiva para detectar os seus erros, mudar de estratégia e tentar de novo. Afinal, você quer vencer? Começamos a matéria perguntando como está a sua motivação. Se você ainda não conseguiu chegar a uma conclusão, aproveite o teste a seguir para ter uma ideia sobre as suas reações diante dos seus sonhos. Fonte: portalvital.com


4

Sábado | 10 de agosto de 2013

Artigo | Estética

Saiba a diferença entre emagrecer e perder peso Dr. Cezar de Moura Médico

E

REPRODUÇÃO

magrecer significa única e exclusivamente perder gordura e ganhar saúde! Ou seja, estou dizendo que é diferente de perder peso, pois neste caso pode sim acontecer de perder peso e ficar com a saúde debilitada. Quando o assunto é emagrecimento você irá se deparar com uma série de informações que aparentam contrariedade, pois dizem que: - “basta fechar a boca” para emagrecer; - quanto mais exercícios, mais fácil de emagrecer; - dieta com poucas calorias emagrece; - pessoa obesa é “relaxada”, pois come demais e não faz exercícios, enfim, “N” justificativas para culpar o obeso pelo seu problema, de forma errada, pois isso é como dizer: “você está doente e a culpa é sua”. Obesidade é um problema onde interage uma série de alterações e nunca uma única causa, logo, obesidade requer uma visão do doente como um todo e não simplesmente ver a obesidade, com isso entenda que se pensares em “fechar a boca e fazer exercícios” você poderá comprometer a sua saúde.

Vamos analisar algumas causas: Peso: número da balança referente ao pesos da água, ossos, músculos, órgãos, gordura, etc, ou seja peso é número referente a soma do peso de todas as suas estruturas corporais, então como acreditar que a única variação do peso, para mais ou para menos é de gordura? Saiba que cada 1000 ml de água pesa 1Kg, seu corpo é feito basicamente de água, logo a principal variação do peso, especialmente em curtos espaços de tempo, é no conteúdo de água corporal e não de gordura. Fazer dieta e exercícios emagrece, porque você não emagrece, e ainda fica com mais fome, quando faz isso? Fazer abdominal reduz a barriga, por que a sua barriga não reduz? Se determinados exercícios na academia reduzem a celulite, por que a sua celulite não reduz? Resposta é que todas estas alterações acontecem por múltiplas causas, como você está abordando apenas parte delas, seu proble-

ma pode melhorar muito pouco. Sabendo que a principal fonte de variação do peso corporal em curtos períodos de tempo é a água, dietas simplesmente hipocalóricas e exercícios lhe fazem reduzir inicialmente o peso, porém se isso acontecer por desidratação celular, sua saúde estará se debilitando. Caso você perca massa muscular, principal fonte do consumo energético corporal, seu metabolismo basal se reduz e passará a dificultar a sua perda de gordura, logo seu peso está menor, mas com mais gordura. Como a perda de água tem limite, você passará a ter dificuldade de perder peso e com mais facilidade em engordar (efeito sanfona). Quando o assunto é apenas gordura localizada, saiba que a alteração também é localizada, não resolvendo perder peso para isso. Alterações localizadas de volume corporal referem-se sempre, esteja onde estiver, a alteração na pele, gordura e músculo no local, ou seja, o tratamento deve envolver todas as estruturas se possível. “Gordura localizada” pode ser tratada com lipoaspiração (com cirurgia) e também pode ser tratada sem cortes, sem cicatrizes, sem anestesia e sem lhe afastar do trabalho, usando para isso tecnologias liberadas pela ANVISA para esta finalidade. Nos tratamento sem cortes, o tratamento deve envolver sempre a pele, gordura e músculo de forma associada. Assim, tratar a obesidade requer uma mudança de paradigma pessoal, onde a alimentação, e não simplesmente cálculos de calorias, é importante, assim como exercícios realizados de maneira não excessiva. Entretanto, como sabemos que a autoestima pode melhorar sua qualidade de vida, reduzir a liberação de hormônios relacionados ao estresse e melhorar sua saúde, podemos pensar que o uso de tecnologia, no caso os tratamentos sem cortes para gordura, podem ser úteis e decisivos no sucesso de seu tratamento para a obesidade. Para mais informações busque um profissional da saúde, que pode ser médico, nutricionista, biomédico, fisioterapeuta, etc, alguém capaz de melhorar sua saúde.


5

Sábado | 10 de agosto de 2013

Trocas e combinações inteligentes para sua saúde

A

escolha ideal de alimentos para deixar sua dieta muito mais nutritiva e saudável. Por que não beliscar uma azeitona verde, em vez da preta, se houver as duas opções na sua frente? E por que não comer um pimentão vermelho, em vez do verde, e temperar a salada com uma cebola bem roxa, no lugar da branca? O que reunimos é uma série de escolhas que, por um motivo ou outro, apresentam alguma vantagem ao consumidor, sem apontar alimentos proibidos. Mesmo assim, por favor, não deixe nada de fora do cardápio. Fazer boas escolhas no dia a dia é o que abre a possibilidade para se permitir devorar itens, digamos, mais pesados nesse ou naquele componente. Mamão formosa x papaia Mamão formosa - por que maneirar? A cor desbotada do mamão formosa denuncia uma de suas defi ciências: a falta de licopeno. Esse pigmento, da família dos carotenoides, tinge os vegetais de laranja-forte ou vermelho. Uma pena essa ausência, já que a substância protege a próstata.

REPRODUÇÃO

Mamão papaia - por que aproveitar? Entre os mamões, ele é campeão em fibras. Para quem precisa dar um empurrão ao trânsito intestinal, vale começar o dia com 1/2 unidade da fruta, que oferece 2,5 g da substância. Sem contar as boas doses de vitamina C, o nutriente que blinda o sistema imune.

Leite integral x Desnatado Leite integral - veja por que maneirar? A resposta está no teor gorduroso. Embora a gordura seja essencial ao organismo, exagerar na quantidade serve de estopim para o acúmulo de tecido adiposo, ou seja, para o ganho de quilos extras. E a obesidade está por trás de doenças como a hipertensão e o diabete. Lembre: quanto mais engordurado, mais calórico. Afinal, para cada grama de gordura do alimento, somam-se 9 cal. Leite desnatado - por que aproveitar? Primeiro, porque ele está livre de gordura saturada e as artérias não vão correr perigo. Segundo, porque ainda assim o leite continua supernutritivo. Para começar, seus teores de proteína são idênticos ao tipo integral, ou seja, 6 g em 1 copo. Já em relação ao cálcio, existem algumas bebidas desnatadas que até superam as versões engorduradas. Observe os rótulos e faça sua escolha. E saiba: ao garantir sua dose diária de cálcio, não é só o esqueleto que ganha. Estudos mostram que o mineral ajuda a controlar a pressão e afasta a obesidade. Com 1 copo de 200 ml de leite desnatado, você alcança 250 mg de cálcio, o que equivale a 25% da recomendação diária para o mineral dos ossos Pão francês - por que maneirar no consumo? O que depõe contra o tradicional pãozinho é o índice glicêmico (IG). Esse indicador, que tem sido muito badalado e já aparece em rótulos de produtos em países como a Austrália, é uma classifi cação para alimentos cheios de carboidrato e está relacionado com a velocidade da digestão e com a entrada do açúcar nas células. Existem dois

grupos de comida nessa história: aqueles de baixo IG (< 55) e os de alto (> 75), do qual o pão branco faz parte. Acontece que a turma mais elevada é capaz de provocar o rápido aumento da glicemia, o que faz com que a fome venha ligeira, favorecendo a subida no ponteiro da balança. Pão integral com linhaça por que aproveitar? Este tipo de pão é preparado com a farinha de trigo integral. Além de contribuir com as fi bras, o que aumenta a saciedade, o ingrediente oferece vitaminas do complexo B e por isso dá mais pique e colabora para melhorar o humor. Uma única fatia de pão integral de linhaça pode conter até 2 g de fibras, que atuam no combate à obesidade Manteiga x Margarina Manteiga - por que maneirar? O problema atende pelo nome de saturada. Esse tipo de gordura tem uma textura mais consistente do que as outras, na cozinha, por exemplo, é a última a ficar mole, já que precisa de temperaturas altas para liquefazer. E no nosso organismo se comporta de maneira parecida, daí estar associada ao entupimento de artérias. Justamente pela fama, a recomendação dos especialistas é de não ultrapassar 7% do total de calorias diárias, ou seja, são cerca de 15,5 g de saturadas, para uma dieta de 2 000. O pior é que em apenas 1 colher de sopa de manteiga é possível encontrar mais da metade desse valor. 1 colher de sopa de manteiga soma 8 g de gordura saturada e essa substância pode contribuir para a elevação do colesterol ruim, o LDL. Margarina - veja por que aproveitar? Aqui é o arranjo de gorduras que faz a diferença. Boas margarinas costumam oferecer um mix de mono e poli-insaturadas, e essa dupla tem grande afinidade com assuntos do coração. Basta lembrar que, do grupo das poli, faz parte o ômega 3, um aliado na redução do colesterol ruim. Fonte: saude.abril.com.br


6

Sábado | 10 de agosto de 2013

Esclareça dúvidas sobre o câncer de estômago

O

câncer de estômago, ou câncer gástrico, acomete duas vezes mais os homens do que as mulheres. Sua incidência é mais alta entre os 50 e 70 anos e rara antes dos 40 anos. Em geral, neste último caso, a doença está associada a fatores genéticos predisponentes. Chile, Colômbia, Costa Rica e Japão concentram o maior número de tumores malignos no estômago. Dados apontam que, felizmente, a incidência vem caindo, fato atribuído em parte às melhores condições atuais de preparo e estocagem dos alimentos. Os tumores de estômago podem ser de três tipos diferentes. O mais comum é o adenocarcinoma (95% dos casos), seguido dos linfomas (3%) e do leiomiossarcoma. Fatores de risco Predisposição genética, histórico familiar e idade mais avançada; Dieta baseada no consumo de alimentos embutidos, defumados, conservados em sal, com altas doses de substâncias cancerígenas (nitritos, nitratos e nitrosaminas) e pobre em produtos naturais e frescos, como frutas e verduras, carnes e peixes; Infecção por Helicobacter pylori – essa bactéria que se aloja no estômago pode estar associada a quadros de gastrite crônica e úlceras gastroduodenais, assim como ao risco maior de desenvolver lesões pré-malignas e linfomas gástricos nos indivíduos geneticamente predispostos. Estudos mostram, porém, que menos de 1% das pessoas infectadas por essa bactéria irá desenvolver lesões malignas; Pólipos gástricos adenomatosos, maiores do que 2 cm, originalmente benignos, mas com potencial de malignidade; Anemia perniciosa (carência ou dificuldade de absorção da vitamina B12) e gastrite atrófica (doença autoimune); Fumo: o risco de os fumantes desenvolverem a doença é duas vezes maior do que o dos não fumantes. Consumo excessivo de bebidas alcoólicas. Sintomas Nas fases iniciais, a doença pode ser assintomática ou apresentar sintomas semelhantes

REPRODUÇÃO

O câncer de estômago acomete duas vezes mais os homens do que as mulheres aos da gastrite ou de outros distúrbios estomacais, o que pode retardar o diagnóstico. Quando esses sinais aparecem, os sintomas mais frequentes são dor abdominal, queimação ou azia, náusea, vômitos, sensação de estômago sempre cheio, porque o tumor ocupa parte do espaço destinado aos alimentos, perda de peso e de apetite, cansaço, sangramento digestivo. A presença de massa palpável na parte superior do abdômen, de nódulos no pescoço e umbilicais e de sangramento são sinais de doença avançada. Diagnóstico O diagnóstico do câncer de estômago leva em conta os sintomas e os possíveis fatores de risco. Alguns exames, como o hemograma, o de sangue oculto nas fezes, a ressonância magnética, a tomografia computadorizada e a ultrassonografia endoscópica também podem ser úteis. No entanto, a endoscopia digestiva alta é o exame que faz diferença para o diagnóstico precoce da doença, haja vista que permite não só observar as lesões, como colher material e realizar a biópsia imediatamente. Desde que diagnosticado precocemente, o câncer de estômago tem bom prognóstico e muitos são os casos de cura. Tratamento É preciso determinar o tamanho e a localização do tumor, se está ou não circunscrito no estômago e se há focos da doença em órgãos, como linfonodos, fígado, peritônio e pulmões. O tratamento é sempre cirúr-

gico. Dependendo do estágio da doença, pode ser necessário retirar parte do estômago ou o órgão inteiro (gastrectomia radical) e remover um número maior ou menor de linfonodos. Aplicações de quimioterapia e radioterapia podem representar estratégias terapêuticas importantes no tratamento. Recomendações Lembre que o corpo quase sempre dá sinais de que algo não vai bem com ele. Por isso, procure um médico se apresentar distúrbios estomacais, como dor logo após as refeições e sensação de estômago cheio, mesmo que eles melhorem com o uso de remédios simples para controlar a má digestão; muitas vezes, a pessoa só descobre um tumor no estômago, quando os primeiros sintomas aparecem; Siga a orientação de nutricionistas para compor uma dieta saudável e equilibrada, especialmente se passou por cirurgia para remoção total ou parcial do estômago; Inclua frutas e verduras frescas no cardápio de todos os dias; Consuma com parcimônia embutidos e alimentos muito salgados; Faça refeições menores a cada três horas aproximadamente; Mastigue bem os alimentos, pois o processo de digestão começa na boca; Não fume; Prefira sucos naturais ao consumo de bebidas alcoólicas; Pratique exercícios físicos sempre que possível. Fonte: drauziovarella.com.br


7

Sábado | 10 de agosto de 2013

Saiba mais sobre a fobia de dirigir T

er o carro e não usá-lo. Ou então nem chegar perto de comprar um, mesmo tendo condições financeiras para tal. Isso, claro, pode ser uma opção (privilegiar o transporte público realmente é uma ótima ideia) ou então a doce sensação do status ao afirmar que “só anda de táxi” (e é uma pena que eles não sejam amarelos e charmosos como em Nova York). Mas se você sente certo temor, percebe um suor brotando na palma das mãos, um frio na espinha ou aquelas tremedeiras nas pernas, você, no íntimo, sabe: é fobia de dirigir. Isso só acontece com pessoas que sofreram um acidente e desenvolveram um estresse pós-traumático, certo? Erradíssimo. Em praticamente 97% dos casos de fobia de dirigir, as pessoas nem sequer passaram perto de algo perigoso. No máximo, uma raspadela do carro no portão ao sair da garagem. “A grande maioria das pessoas que atendemos, e que possuem fobia de dirigir, ou nunca tentou dirigir ou desistiu após algumas tentativas”, afirma Cláudia Ballestero, psicóloga clínica, presidente da Associação dos Portadores de Transtorno de Ansiedade (Aporta) e que também coordena e supervisiona uma clínica especializada em fobias para dirigir. “Claro que temos casos daqueles que passaram por algum episódio traumático, mas eles são exceção, ao contrário do que as pessoas

REPRODUÇÃO

Em praticamente 97% dos casos de fobia de dirigir, as pessoas não sofreram acidentes, nem sequer passaram perto de algo perigoso normalmente acreditam.” A especialista lembra que a principal diferença entre medo e fobia de dirigir é a sensação paralisante enfrentada pelos fóbicos. “Quem tem medo pode ficar nervoso. Já a fobia é impeditiva, deixa a pessoa em uma situação de paralisia, congelada. Quem tem fobia de dirigir tem problemas até mesmo para entrar no carro”, explica Cláudia. Perfeccionistas são as grandes vítimas A principal característica observada nessas pessoas que não chegam nem perto do carro, por uma questão fóbica, é o perfeccionismo. “O que mais ouvimos das pessoas com medo de dirigir é a afirmação: ‘se é pra fazer malfeito, eu não faço’”,

diz Cláudia. Para a psicóloga, o ato de dirigir é um aprendizado calcado no erro e que expõe demais as pessoas. Algumas, como aquelas com o perfil perfeccionista, não conseguem lidar com a crítica, de nenhuma forma. Isso contribui para a paralisia do ato de dirigir. A fuga de uma situação que é social – dirigir envolve relacionar-se com pessoas, mesmo que através da lógica do trânsito –, em que é preciso errar e na qual a flexibilização da personalidade é imprescindível para lidar com as situações, como aquelas mais constrangedoras, quando o carro “morre” após o semáforo abrir, o que poderia ser resolvido com um movimento de ombros e um sorri-

so amarelo se transforma em um drama, em um palco onde o perfeccionista acredita ser a estrela principal. Outra coisa, explica Cláudia, é o excesso de planejamento que os perfeccionistas se infringem. “A fantasia do controle completo dos afazeres diários é o calcanhar de aquiles dos perfeccionistas: se algo dá errado, eles têm grandes problemas para contornar o acontecido. Imagine no trânsito, em uma cidade minimamente movimentada, não dá para ter controle”, diz a especialista. Para Cláudia, quando se fala em trânsito, não é possível falar de caminho, mas de percurso, e é preciso jogo de cintura e adaptações de momento para vencer certos obstáculos indesejáveis.

“E isso é inexplicável para alguém perfeccionista e ansioso, para quem o planejamento antecipatório é hábito corrente.” Terapia de enfrentamento “Nessa fobia específica, não há como fugir: a terapia pode começar no consultório, mas é no enfrentamento que ela vai produzir resultados”, afirma Cláudia, explicando que entrar no carro e sair dirigindo faz parte do tratamento. Enfrentar o batalhão de “críticos” e aprender a lidar com os outros dentro de um contexto social chamado trânsito é um passo importantíssimo para esses pacientes. Também, é preciso compreender que dirigir é realmente difícil. A pessoa precisa se convencer de que o ato de dirigir é uma superação diária. Para quem já adquiriu o hábito, pode parecer algo fluido, mas não é: dirigir se baseia em uma série de movimentos fragmentados, sequenciais e ritmados do corpo. Os pacientes que passam para a fase de enfrentamento dentro do carro, claro, contam com apoio psicológico e mesmo técnico, de instrutores, também especializados. De todo modo, o tratamento no consultório para tratar a ansiedade e outros transtornos relacionados com o problema é imprescindível, e o ambiente do automóvel é o passo final para acabar de vez com a fobia de dirigir. Fonte: oqueeutenho.com.br


8

Sábado | 10 de agosto de 2013

Quanto exercício as crianças precisam fazer

U

m estudo com 3 mil crianças feito por pesquisadores europeus descobriu que 15% delas tinham níveis de pressão arterial, colesterol e dobras cutâneas que indicavam risco futuro de doenças cardiovasculares. Diretrizes do Serviço Nacional de Saúde Americano atualmente recomendam que, para manter uma vida saudável, as crianças se exercitem por cerca de 60 minutos por dia. Eles calcularam que os meninos com idades entre 2 e 5 anos precisavam fazer pelo menos 70 minutos de exercícios diariamente, e as crianças entre seis e nove anos deveriam realizar 80 minutos de atividades físicas. Os pesquisadores ainda ressaltam que, dentro desse tempo, 20 minutos devem ser de exercício vigoroso. Meninas em ambos os grupos etários podem se manter saudáveis com 60 minutos de atividade por dia, como recomendado pelas diretrizes atuais, mas isso também deve incluir 20 minutos de exercício vigoroso.

Exame de sangue para detectar pressão alta

IMAGENS REPRODUÇÃO

Um exame simples e barato pode detectar a forma mais perigosa da doença e previnir

Meninos entre 2 e 5 anos precisam fazer, pelo menos, 70 minutos de exercícios diariamente O estudo demonstra que algumas crianças podem estar em risco de desenvolver “fatores de risco” para doenças cardiovasculares, apesar de realizarem a quantidade indicada de exercício, disseram os pesquisadores. Em um estudo separado, pesquisadores norte-americanos desenvolveram um modelo matemático que pode distinguir as crianças com alguma gordura de pessoas em risco futuro de obesidade. O modelo, com base na diferença entre o montante que

uma criança come e a energia que utiliza no dia-a-dia, explica que algumas crianças podem “superar” o ganho de peso na infância, mas outros devem comer menos para evitar tornar-se obesos. Ele prevê, por exemplo, que uma menina de dez anos que está 10 kg acima do peso, mas que até os cinco anos tinha um peso normal, está comendo cerca de 400 calorias a mais por dia do que o recomendado para uma vida saudável. Fonte: hypescience.com.br

A pressão alta afeta cerca de 35% dos adultos brasileiros, mas a necessidade de tomar remédios para controlar o problema durante toda a vida pode estar com os dias contados. De acordo com estudo da Universidade de Cambridge, um exame de sangue simples e barato pode detectar a forma mais perigosa da doença e prevenir o desenvolvimento de complicações que podem ser fatais, como derrames e problemas cardíacos. O exame de sangue é capaz de verificar a presença de pequenos tumores benignos na glândula suprarrenal, órgão localizado no rim responsável pela produção de hormônios. Pacientes que apresentam estes tumores são cinco vezes mais propensos a ter um ataque cardíaco quando comparados a pessoas que apresentam elevação da pressão causada por outros fatores, como estresse ou fumo. Os pesquisadores estimam que um em cada dez casos de hipertensão seja causado por tumores adrenais. Entre os motivos que podem elevar a pressão arterial, os tumores da glân-

dula suprarrenal são considerados os mais graves, mas também estão entre os mais fáceis de resolver. A boa notícia é que, quando detectado precocemente através de um exame de sangue simples e barato, os tumores podem ser retirados com uma cirurgia pouco invasiva, o que elimina a necessidade de tomar medicamentos para controle da pressão ao longo de toda a vida. Ataques cardíacos, derrames e outras doenças potencialmente fatais também deixam de ser um risco, já que estão associadas ao aumento da pressão arterial. Para os cientistas, o exame de sangue deve ser feito sempre que uma consulta médica de rotina detectar a elevação da alta, especialmente em pacientes com idade entre 30 e 40 anos. Eles recomendam que o exame seja repetido a cada cinco anos, já que a pressão alta é uma doença silenciosa, que só apresenta sintomas quando em estágio grave, como na ocorrência de derrames e infartos. Fonte: gnt.globo.com


10/08/2013 - Saúde & Beleza - Edição 2950