Page 9

Geral

Sábado, 1º de março de 2014

9

Vitivinícola

Setor debate políticas e ações Entre os itens abordados em encontro esteve a definição da tabela de preços da uva e leilões para o escoamento epresentantes de entidades do setor vitivinícola se reuniram com dirigentes dos governos federal e estadual para alinhar as políticas e ações em 2014. O encontro ocorreu na quinta-feira, 27 de fevereiro, em Caxias. Entre os itens da pauta, esteve a definição do percentual de 10% de ágio e deságio para cada grau glucométrico (índice de açúcar) que compõe a tabela do Manual de Operação Comercial (MOC), que deve ser publicada na próxima semana em consequência da portaria que estabeleceu o preço mínimo da uva para a safra. Outros temas abordados foram os leilões para o escoamento da produção, os programas de compras governamentais e as políticas de qualificação da produção como assistência técnica e o programa de Modernização da Vitivinicultura (Modervitis).

CASSIANO FARINA, DIVULGAÇÃO

R

Representantes do governo federal e estadual participaram do encontro Os representantes dos ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e do Desenvolvimento Agrário (MDA), da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e das secretarias da Agricultura, Pecuária e Agronegócio (Seapa/RS) e de De-

senvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR/RS), ouviram lideranças das entidades e apontaram algumas alternativas práticas para viabilizar a comercialização e qualificar a produção. Sobre as políticas de escoamento da produção, os diri-

gentes do setor mostraram que é preciso que as operações (leilões) ocorram durante a safra, incluir a indústria e pagar um prêmio mais atrativo a quem participa. Uma das alternativas, que deve ser atendida em portaria publicada ainda em março pelo Mapa e MDA, é a realização de leilão de Prêmio de Escoamento da Produção (PEP), em conjunto com o Prêmio Equalizador pago ao Produtor Rural (Pepro). Segundo os representantes do governo, os ministérios disponibilizarão R$ 30 milhões para as operações que devem escoar cerca de 50 milhões de litros. “O PEP atende à reivindicação do setor por possibilitar que as indústrias também participem e aumente os volumes arrematados”, entende o diretor executivo da Associação Gaúcha de Vinicultores (Agavi), Darci Dani.

O coordenador geral para Pecuária e Culturas Permanentes do Mapa, João Salomão, reforçou que as políticas de escoamento precisam ser complementares. “Precisamos aliar a necessidade de pagamento do preço mínimo ao produtor com a redução dos estoques excedentes, sempre levando em consideração que não deve ser uma política permanente”, avaliou. A opinião foi corroborada pelo superintendente de Gestão da Oferta da Conab, Paulo Morceli. O dirigente destacou que é preciso desatrelar o preço de mercado do preço mínimo. Entre os encaminhamentos da reunião, ficou definido que as entidades do setor definirão os volumes que necessitam escoar de cada produto por meio dos leilões e informações sobre a demanda pela chamada pública de assistência técnica que deve ser concretizada até o mês de maio.

01/03/2014 - Jornal Semanário - Edição 3006  

Bento Gonçalves/RS

01/03/2014 - Jornal Semanário - Edição 3006  

Bento Gonçalves/RS

Advertisement