Issuu on Google+

01

Quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

10 20 OS

fatos do ano

Nesta edição, o Semanário apresenta em dez casos uma síntese do que foi o ano de 2010 em Bento Gonçalves. A retrospectiva aponta as principais notícias publicadas no jornal ao longo do ano, que montam um mosaico dos principais fatos que marcaram o município TOMAZ DOS SANTOS E ROGÉRIO COSTA ARANTES

Os postos O ANO DO EMPREGO

O ANO C FOTOS ARQUIVO/SEMANÁRIO

Veja a comparação entre a geração de empregos formais em Bento desde o ano 2000:

2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010*

1.240 275 1.182 788 2.070 209 630 2.330 1.837 1.357 3.246 *até novembro Fonte: Caged/MTE

2.000 empregos com carteira assinada foram criados pela indústria bento-gonçalvense até novembro de 2010

Geração de emprego em 2010 bateu recordes históricos desde que Caged avalia setor

Recorde na criação de vagas Como uma resposta fulminante aos efeitos da crise econômica mundial de 2009, o ano que encerrou na sexta-feira registrou o maior número de empregos com carteira assinada da primeira década do terceiro milênio. De acordo com os dados do cadastro geal de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), entre janeiro e novembro de 2010

foram criados em Bento Gonçalves 3.246 novos empregos com carteira assinada. O número representa um crescimento de 139,2% em relação a todo o ano anterior e supera em mais de 900 vagas o ano de 2007 – até então o melhor desde que o Caged começou a medir a variação do emprego na cidade, no ano 2000. O ano do pleno emprego atingiu todos os setores da economia,

mas foi positivamente influenciado pela retomada da produção industrial. Ao todo, o setor industrial de Bento criou 2 mil novas vagas de emprego formal no município. O maior empregador foi o setor moveleiro, o que demonstra a superação da crise e a retomada do crecimento: foram 776 novas vagas até novembro. Juntas, as indústrias do setor metalmecânico fo-

ram responsáveis pela criação de 442 novas vagas com carteira assinada. Logo depois aparece o setor industrial de limentos e bebidas, onde as vinícolas, estimuladas pelo aumento das vendas de espumantes e de sucos naturais empregaram 156 novos funcionários até novembro do ano passado. Catapultado pelo incremento da construção civil em Bento ocasionado em

grande parte pelas facilidades de crédito e pelos programas habitacionais do governo federal, o setor também foi um dos que mais empregou na cidade em 2010, com 312 novas admissões. Tantas vagas geraram um problema adicional: a falta de mão de obra qualificada foi apontada como um dos entraves para a geração de empregos ser ainda maior em Bento.

Consumo, casa nova e crescimento O impulso à economia registrado em 2010 apresentou um novo protagonista: o consumidor da Classe C. É dele a principal responsabilidade pelo crescimento de setores como a construção civil e pela retomada do setor moveleiro. Estimulado por programas como o Minha Casa Minha Vida, a construção civil explodiu em 2010: mais de 200 novos alvarás para construções foram expedidos ao longo do ano. O impulso também fortaleceu o setor moveleiro: o período de isenção do Imposto sobre Produtos industrializados (IPI) e a posterior redução da alíquota fizeram com que o setor retomasse o crescimento estagnado com a crise de 2009.

Estímulo natural Incrementado pelo aumento nas vendas de suco natural de uva (14%) e dos espumantes (15%), o setor vitivinícola contabiliza resultados positivos em 2010. Apesar da quebra da safra e do congelamento do preo mínimo em R$ 0,46 (para este ano, o preço subiu 13%), foi o aumento do consumo das bebidas o motivo para o brinde do setor em 2010.


02

Quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

FOTOS ARQUIVO/SEMANÁRIO

O ANO DO DISSENSO

20 milhões

R$

Polêmicas, manobras e falta de representantes

Este é o valor anunciado como investimento total para a construção do CST

80 milhões

R$

Este é o valor que será investimento nas obras de saneamento das bacias do Barracão e do Burati

Programas de habitação fazem parte das promessas para 2011

O ANO DAS PROMESSAS

Infraestrutura à vista Apesar de muitas obras prometidas não terem saído do papel em 2010, como a construção do presídio e a duplicação das rodovias estaduais, o ano passado foi marcado por dois anúncios importantes para a infraestrutura de Bento que estão prestes a virar realidade. Com o início das obras previsto para os primeiros meses do ano, a construção do Complexo de Saúde do Trabalhador (CST) e a canalização e tratamento do esgoto cloacal do município tra-

rão uma melhoria significativa na qualidade de vida dos bento-gonçalvenses. No dia 30 de janeiro, a então governadora Yeda Crusius assinou o repasse do terreno onde será instalado o CST, durante evento que foi classificado pelo prefeito Roberto Lunelli como “Yedaço”. Entretanto, a Assembleia Legislativa aprovou a doação do terreno apenas em dezembro e, logo em seguida, a prefeitura apresentou o projeto do CST para a população. A construção

do hospital será realizada em cinco etapas, o custo total deverá atingir os R$ 20 milhões e o complexo prevê 108 leitos para internação e um bloco cirúrgico. Ainda em janeiro, no mesmo ato, Yeda confirmou o investimento de aproximadamente R$ 80 milhões para as obras de saneamento no município e o presidente da Corsan, Luiz Zaffalon, afirmou que Lunelli havia arrancado “à unha” tudo o que ele tinha. Os projetos de captação encaminhados a

Brasília para realizar as obras de saneamento foram aprovados praticamente ao mesmo tempo. Desta forma, a primeira e a segunda fases das obras serão iniciadas ainda este ano, assim que for lançado e concluído o processo licitatório que irá determinar a empresa ou as empresas que irão tocar as obras. Assim que completas – a previsão é para o ano de 2014 – cerca de 65% do esgoto do município será canalizado e tratado. Hoje, Bento não possui tratamento de esgoto.

Na política, 2010 foi marcado por mais uma tentativa frustrada de construir candidaturas de consenso às eleições proporcionais para tentar reconduzir Bento Gonçalves à representação parlamentar tanto na Assembleia Legislativa quanto para a Câmara Federal. Não deu certo. Ao fim das eleições que elegeram pela primeira vez uma mulher à presidência, Dilma Rousseff (PT), e reconduziram o PT ao governo do Estado com Tarso Genro, Bento apresentou oito candidatos e não elegeu representantes. Mesmo assim, as eleições trouxeram um elemento novo para a política bento-gonçalvense: pela primeira vez na re-

cente história democrática do país, há um alinhamento entre os governos municipal, estadual e federal: todos encabeçados pelo PT. O ano político encerrou com polêmica: o aumento de 73% concedido aos agentes políticos para 2011, fruto de uma lei que estabelece relação entre os subsídios de vereadores, secretários municipais, prefeito e vice com os ganhos dos deputados estaduais, gerou uma polêmica que não tem data para terminar. Outro fato que pautou o debate foi a manobra que alterou o regulamento interno da câmara para permitir a reeleição de Valdecir Rubbo (PDT) à presidência do Legislativo.

Ainda que tardia A retomada da autonomia do distrito de Pinto Bandeira marcou o início do segundo semestre de 2010. Uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) revalidou a lei que criou o município há 15 anos. Houve festa e manifestações contrárias, mas a decisão foi mantida. Mesmo assim, a festa não foi inteira: é que a definição do comando do município ficará para mais tarde: o STF decidiu que eleições municipais, só em 2012.

O ANO DAS FRUSTRAÇÕES

Promessas não cumpridas

Duplicação das RSC não saiu do papel e fica para novo governo

A comunidade local e regional ainda espera pela duplicação da RSC470 e da RSC-453, sem falar na construção do presídio regional. A burocracia tem emperrado os processos licitatórios, cancelados ou impugnados na mesma medida em que são lançados. No caso do presídio, ainda em janeiro foi solucionado o maior impasse: a definição de medidas mitigatórias para a liberação do terreno no lote 44

da linha Palmeiro. O Estado promete cumprir as medidas para amenizar os impactos no local e a prefeitura liberou a área para a construção da penitenciária, que deverá ter mais de 300 vagas e custará em torno de R$ 14 milhões. Ainda em janeiro, a então secretária de Governo do Estado, Ana Pelini, afirmou que o presídio estaria pronto em 2011. Ledo engano. O edital foi suspenso duas vezes, pois a empresa desclassificada

no processo licitatório entrou com liminar contra o processo. Agora, caberá ao governo de Tarso Genro a abertura de novo processo para licitar a obra. No caso da duplicação das rodovias a história é parecida. O primeiro edital de licitação foi cancelado pelo próprio Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer), pois houve um desentendimento sobre a cobrança de responsabilidade da obra. O Daer fez exigên-

cias para garantir que a empresa a ser contratada tivesse capacidade para gerir obra de tamanho porte. Em seguida, um novo processo foi aberto, mas houve também a impugnação por parte de uma empresa que perdeu a licitação. Nova licitação seria lançada ao apagar das luzes do atual governo, mas em um entendimento entre as equipes de transição o futuro da obra ficará para o governador Tarso Genro decidir.


03

Quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

O ANO DO CERCO

Mais polícia nas ruas, menos crime Os criminosos estavam à solta, a onda de violência se transformava em um tsunami e 2010 prometia ser um dos anos mais violentos em Bento Gonçalves. Já em janeiro os índices de criminalidade pareciam superar anos anteriores. No meio do ano, um levantamento do jornal Semanário estimava um crescimento na violência. Mas as polícias civil e militar reagiram para reduzir o avanço da criminalidade e combater o tráfico de drogas no município, fazendo com que os números não superassem os registros do ano anterior. Os números alarmantes do ano em que foram registrados dez homicídios e dois latrocínios poderiam ter sido maiores se não fosse a atuação das polícias. A Brigada Militar recebeu reforço de 35 brigadianos novos, além de viaturas e armamentos, e lançou a operação Força Tarefa, coibindo a enxurrada de assaltos a estabelecimentos

FOTOS ARQUIVO/SEMANÁRIO

Os casos Confira a estatística do crime em Bento Gonçalves em 2010: Homicídios 10 Furtos 1.678 Furto de veículos 178 Roubo de veículos 65 Extorsão 10 Posse de drogas 95 Tráfico de drogas 26 Estelionato 117 Fonte: SSP/RS

Compare os números dos principais índices da segurança em Bento Gonçalves em 2009: Diminuição da criminalidade está ligada ao aumento do número de policiais nas ruas e à estratégia das forças de segurança

comerciais. A Polícia Civil também teve o reforço de mais quatro delegados plantonistas, que irão agilizar e qualificar o atendimento às ocorrências. Os principais índices que

marcaram redução foram os furtos, que somavam 2.337 no ano anterior e ficaram em torno de 1,6 mil em 2010. Os furtos e roubos de veículos também tiveram uma significativa baixa. Neste ano

foram quase 180 furtos de veículos e 65 roubos de veículos. No ano anterior, 186 veículos foram furtados e 369 roubados, segundo dados oficiais da Secretaria de Segurança Pública do esta-

do. A ação das polícias também fecharam o cerco contra o tráfico e posse de entorpecentes. Através de ações certeiras, traficantes foram presos e muita droga foi apreendida.

Homicídios 10 Furtos 2.337 Furto de veículos 186 Roubo de veículos 369 Posse de drogas 91 Tráfico de drogas 37 Fonte: SSP/RS

As mortes 30/3: Jean Andre Schubert, 27, RSC-470. 1°/5: Rafael Lavandoski Piva, 24, RSC-470. 29/5: Valdecir Lorence Pereira, 28, RSC-470. 25/9: Adílio Goulart, 32, Lorici Fátima dos Santos, 37, Vitória Goulart, 4, e Paulo Bruxel, 22, na Linha Alcântara. 26/9: Darci Rodrigues, 37, RSC-470. 2/10: Alan Carini, 20, na avenida Planalto. 15/10: Igor Mateus Censi, 31, RSC-470, em Tuiuty. 22/10: Gilberto Julkoski, 27, na Linha Alcântara. 30/10: Fábio Valeriano, 23, no Maria Goretti. 5/11: Cladis Ferri, 55, e Jatir Masutti, 69, RSC-446. 14/11: Márcia Schenatto, 37, RSC-453. 7/12: Serafin Zaffari, 64, RSC470. 13/12: Welinton Torres Silva, 19, no São Francisco. 15/12: Rafael Landal, 26, RSC-470. 30/12: Lauri dos Santos Lima, 46, RSC-470.

Estradas da fatalidade

Acidentes violentos marcaram o ano de 2010 nas rodovias estaduais

Se fosse possível apagar as estatísticas registradas em 2010, certamente uma delas seria a que mostrou um recorde fatal construído ao longo do ano: mais de duas dezenas de mortes foram registradas nas rodovias estaduais que cortam Bento Gonçalves e a região, muitas envolvendo famílias locais. As campeãs de mortes foram as principais rodovias estaduais (RSC-470 e RSC-453), mas o conjunto de estradas regionais matou mais que em 2009 e serviu de local para acidentes violentos, como o que vitimou três adultos e uma criança de quatro anos em 25 de setembro ou o que matou empresários

na RSC-446, em Carlos Barbosa. Entre janeiro e dezembro, mais de 200 mortes foram registradas em acidentes de trânsito em ruas e estradas da região. O número de vítimas representa um aumento de cerca de 15% na comparação com 2009, enquanto o número de acidentes com morte cresceu quase 20%. O excesso de velocidade e a imprudência, associados à mistura fatal entre consumo de bebidas alcoólicas e direção continuam sendo o grande causador das tragédias. O ano passado não foi positivo para as duas rodovias: com duplicação anunciada com pompa e circunstância em janeiro

pela então governadora Yeda Crusius, até agora ela não saiu do papel, depois da suspensão de dois processos para licitar as obras. Mesmo com operações paliativas de recuperação e obras que melhoraram acessos (trevo na RSC-453) e contribuíram com o turismo (pavimentação do Caminhos de Pedra), as rodovias pediram socorro. Em geral, o trânsito foi inclemente. Só em outubro, foram registradas quatro mortes. Apenas no perímetro de Bento, pelo menos 11 pessoas perderam a vida em acidentes de trânsito, muitas em acidentes envolvendo o trânsito da cidade.


04

Quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

FOTOS ARQUIVO/SEMANÁRIO

O ANO DO NOVO ESPORTE

Rugby do Farrapos se destaca no Brasil Fogos e carreata marcaram a chegada da equipe do Farrapos em Bento Gonçalves, em outubro de 2011. E foi por um bom motivo: o time conquistou o título inédito da Copa do Brasil de Rugby, derrotando o Fe-

deral na casa do adversário, em Vinhedos (SP). Superior durante toda a partida, o time de Bento confirmou a preferência e marcou 30 a 0, obrigando os paulistas a ouvirem em alto e bom som, na própria casa, o hino rio-gran-

Campeões foram recepcionados na chegada da Pipa Pórtico

dense. A vitória garantiu mais uma estrela na camisa - além do estadual, a Copa do Brasil. A conquista não passou despercebida na Serra Gaúcha. Na chegada a Bento Gonçalves, a equipe foi recebida por torcedores eufóricos, já na Pipa Pórtico. O Farrapos foi o primeiro time gaúcho a vencer a Copa do Brasil de Rugby e vem se destacando a cada ano. Uma equipe jovem e tão jovem quanto o próprio rugby no Brasil. Assim é o Farrapos, que vem mostrando que com organização, força, raça e competência é possível atingir os mais altos lugares do esporte.

Péssima campanha frustrou torcedor e fez Esportivo cair para a segunda divisão do futebol gaúcho

O ANO DO FRACASSO

A queda livre do O ANO DA CULTURA Secretaria, shows Zebrão no Gauchão e investimentos Um brinde à cultura. Bento Gonçalves, em 2010, investiu na cultura. Foi concluído o anfiteatro da Casa das Artes, criada a secretaria da Cultura e realizados muitos investimentos em oficinas e shows. Com isso, o município poderá candidatar-se à Capital Brasileira da Cultura em 2012. Entre os investimentos, Bento contou com shows nacionais como o excêntrico Tom Zé, o gauchesco Renato Borghetti, o popular Oswaldo Montenegro, além de inúmeras outras atrações. A criação do fundo e do conselho de cultura também são expoentes que determinarão investimentos para as artes, a música e qualquer outra

Show de Tom Zé marcou a diversidade cultural em Bento

manifestação que fomente a cena cultural da cidade que já teve a Semana da Música, com sucesso de público. Os avanços não param e prometem continuar com a restauração do Museu do Imigrante, a instalação dos Pontos de Cultura, do programa Cine

Mais Cultura, entre outros. Para uma cidade conhecida por seus habitantes por não apresentar muitas opções, basta esperar para que mais show, eventos e investimento culturais tomem conta dos olhos, do coração e da mente dos bento-gonçalvenses.

Um ano para ser esquecido pelos bento-gonçalvenses torcedores do Esportivo. O alviazul amargou a queda para a segunda divisão do gauchão. Erros de estratégia, falta de investimento e um time desqualificado podem ter sido as principais causas para o rebaixamento. Desde o início do ano, a tragédia era anunciada. Depois de quatro derrotas em cinco jogos, jogadores que estariam fazendo “corpo mole”, como destacou o então técnico Paulo Turra, foram demitidos. Mas as novas contratações não foram suficientes e a equipe sofreu a quinta derrota. O sexto vexame e a terceira goleada seguida também não foram contidos e o Zebrão iniciou a queda livre na tabela, e apenas uma

vitória contra o Inter poderia garantir a classificação para a próxima fase, uma tarefa difícil. O jogo contra o colorado foi a melhor atuação da equipe, mas não o necessário para evitar mais uma derrota. Os 2 a 1 a favor do Inter deixaram o alviazul com sete derrotas em oito jogos, um saldo negativo de 15 gols e na linha do rebaixamento, apenas à frente do Avenida. O resultado melhor deixou o Tivo animado para o segundo tuno, mas já na primeira partida mais uma derrota – a sétima seguida e oitava em nove jogos –, contra o Ypiranga e botou o alviazul na obrigação de vencer o Avenida, o que não ocorreu. Já estava demorando para Paulo Turra deixar o

comando e Leandro Machado assumir como treinador do time. A mudança trouxe um empate nos acréscimos do “clássico da polenta” com o Juventude e obrigou a equipe a vencer os próximos quatro jogos. A reação no jogo contra o Porto Alegre, fora de casa, deu esperança para fugir do rebaixamento. Mais uma derrota contra o Inter de Santa Maria por 3 a 1 deixou o time dependendo de resultados paralelos. Apenas um milagre poderia salvar o time, diziam os especialistas. Com a derrota para o Grêmio, nem mesmo a vitória contra o Novo Hamburgo salvou a equipe, que dependia do empate no jogo entre Porto Alegre e Avenida. Com 10 pontos tabela, o alviazul caía mais uma vez.


05/01/2011 -Jornal Semanário