Issuu on Google+

Reproduçaõ

.: SE LIGA AÍ iBabel faz tradução simultânea de conversas em idiomas diferentes

Saiba mais sobre a 4ª Peregrinação Nacional da Família 5

10

J O R N A L

Eduardo Gois /JS

ANO 111 • Nº 5.585 • 25 DE MARÇO DE 2012 • WWW.JORNALSANTUARIO.COM.BR

D E

A PA R E C I D A

NOVA MISSÃO A Congregação do Santíssimo Redentor acaba de chegar a Sorocaba. A formação de irmãos religiosos e a celebração da Palavra de Deus em comunidade são as marcas principais do trabalho que começa a ser desenvolvido na cidade do interior paulista. 6e7 DIALOGANDO E ESCLARECENDO

FÓRUM MUNDIAL

Ataques contra cristãos aumentaram mais de 300%

“O diácono permanente pode celebrar um casamento?” Padre Cido responde Divulgação

Vinienco.com

Água, bem vital para o planeta, é tema central de discussões

4

9

Rafael Felix

PERSEGUIÇÃO

8


2

DA REDAÇÃO

JORNAL SANTUÁRIO DE APARECIDA • 25 DE MARÇO DE 2012

.: Editorial

.: Espaço do leitor

Que acordo é esse?

25% – De acordo

Aniversariantes O JS parabeniza os aniversariantes de abril, pedindo que Nossa Senhora Aparecida estenda seu manto sobre todos. Na última edição do mês, nosso jornal sempre conta com este espaço, que escolhe um aniversariante para receber um brinde da Editora Santuário na sua casa. Entre em contato conosco e atualize seu cadastro! Neste mês, a leitora Cristiane Lira Guzela é a agraciada com uma “Bíblia de Aparecida”. Parabéns!

75% – Não concordo

* a opção “Concordaria se ele não fosse norte-americano” não obteve nenhum voto. Acesse nossa página e participe das enquetes!

Confira a lista completa. Acesse http://bit.ly/aniversario_abril2012

.: Contatos

twitter.com/ santuariojornal

Boa leitura!

ISSN - 1980-3192

Verba pública financia carreira na Fórmula Nascar (EUA) de neto norte-americano de Emerson Fittipaldi. Foram mais de R$ 1 milhão liberados para financiar a carreira do garoto de 15 anos, dinheiro da Lei de Incentivo ao Esporte. Qual a sua opinião sobre o assunto? Confira o resultado:

facebook.com/ jornalsantuario

O Jornal Santuário de Aparecida é uma publicação semanal dos Missionários Redentoristas

O JS perguntou aos curtidores de nossa página no Facebook:

Deniele Simões/JS

O secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, recentemente achincalhou o desempenho do Brasil no que diz respeito à organização da Copa do Mundo de 2014. “A kick up the backside”, disse ele. Literalmente, que nosso país, a dois anos do Mundial, mereceria ganhar “um chute no traseiro” e acelerar o ritmo das construções de estádios e das outras exigências da controladora do futebol mundial. Orgulhos feridos não faltaram do lado de cá. O governo brasileiro declarou que não aceita mais Valcke como intermediário das negociações. Mas, pensando bem, o xingamento pode ter lá sua utilidade. Basta ver que a liberação da venda de bebidas alcoólicas nos estádios é o imbróglio da vez quando o assunto é o torneio. A aprovação da Lei Geral da Copa sempre acaba batendo na trave, e um dos principais motivos é porque o Estatuto do Torcedor proíbe esse tipo de comércio. É sabido que o consumo de álcool em situações passionais, como partidas de futebol, torna-se catalisador para a agressividade. Tanto é que a legislação brasileira o vetou das arquibancadas. No entanto, o Ministério do Esporte foi rápido para esclarecer, em nota oficial, que a venda de bebidas alcoólicas está entre as garantias acordadas entre o governo brasileiro e a FIFA, em 2007. O motivo? “Proteção e exploração de direitos comerciais.” Cabe perguntar: qual é o tipo de acordo que realmente interessa ao país? Bem que o insulto de Valcke poderia ser direcionado a muitos mandatários que parecem colocar em segundo plano o “acordo” feito com os brasileiros, que os elegeram como representantes. Garantir a plena segurança dos torcedores: esse sim é o acordo soberano.

.: Expediente

ENQUETE

Motorromaria O motociclista Nélio Amador Bueno, de Caraguatatuba (SP), esteve em visita à Redação do JS para divulgar a 30ª edição da Motorromaria ao Santuário Nacional, que acontece no dia 20 de maio. A Motorromaria começou em 1983, reunindo participantes de cidades no Litoral Norte de São Paulo, e no ano 2000 chegou a contar com 243 mil participantes, vindos de todo o Brasil. Para essa edição, espera-se 45 mil motociclistas.

DIRETOR-GERAL: Pe. Marcelo Conceição Araújo, C.Ss.R. CONSELHO EDITORIAL: Pe. Jorge P. S. Sampaio, C.Ss.R. Pe. José Uilson Inácio Soares Júnior, C.Ss.R.

EDITOR: Leonardo Meira - MTB 14261/RS REVISÃO: Ana Lúcia de C. Leite Leila Cristina Dinis Fernandes Lessandra Muniz de Carvalho Camila de Castro Sanches dos Santos

Redação (12) 3104.2019 Assinaturas (12) 3104.2040 0800 16 00 04

Jornal www.jornalsantuario.com.br Santuário de Aparecida jornalsantuario@ Rua Pe. Claro Monteiro, 342 editorasantuario.com.br

REDAÇÃO: Deniele Simões - MTB 26435/SP Eduardo Gois - MTB 57928/SP DIAGRAMAÇÃO: Rafael Felix Simone Godoy

Centro – Aparecida (SP) Cx. Postal 4 – 12.570-000

Assinatura anual: R$ 81,00 (parcelados em até 3x) Semestral: R$ 50,00 (parcelados em até 2x) Nº avulso: R$ 2,00

Notícias da Igreja, debates, fatos relevantes do Brasil, do mundo e muito mais. ASSINATURA SEMESTRAL 2x

* R$ 25,00 no cartão ou no boleto*

ASSINE AGORA e receba toda semana o Jornal Santuário em sua casa!

0800 16 00 04

www.editorasantuario.com.br

*Valor total da assinatura semestral: R$ 50,00. Assinatura anual R$ 81,00 nas mesmas condições. Preços válidos até dezembro de 2012.


OPINIÃO / DEBATE

JORNAL SANTUÁRIO DE APARECIDA •25 DE MARÇO DE 2012

3

SÉRIE CF 2012 | ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR REQUER COMPETÊNCIA, CONHECIMENTO E BUSCA DE PARCERIAS

Pe. Justino Scatolin imprensa@saocamilo.br

CNBB

A São Camilo, presente em 13 estados brasileiros, comemora a cada ano seu papel de Entidade Beneficente de Assistência Social na área da saúde, que presta relevantes serviços de forma universal. Nos 50 hospitais que administra, coloca em prática os ideais de atendimento que não distingue nacionalidade, raça, credo ou opinião política, mas a necessidade de atenção ao enfermo. O crescente e louvável trabalho desenvolvido por esses hospitais tem despertado o interesse de governos que, cada vez mais, solicitam à São Camilo a gestão administrativa dos hospitais brasileiros, tendo em vista os bons resultados colhidos quando a gestão camiliana assume essas instituições. A partir de um trabalho competente de administração hospitalar, as instituições camilianas consideram os princípios de São Camilo de Lellis, que tem a concepção íntegra do ser humano, ao considerar a saúde não somente como um bem-estar físico, mas psíquico, social e espiritual. Com uma política administrativa séria e transparente, a São Camilo obtém a credibilidade, fruto de um trabalho diário desenvolvido em suas unidades que acreditam em seus profissionais, colaboradores e gestores. Essa confiança é o que tem tornado a entidade uma referência nacional que busca uma sociedade mais igual e humanizada e direciona seus

trabalhos de forma a reinvestir todo o resultado obtido em seus hospitais. Além da gestão competente, os hospitais camilianos investem e praticam projetos de humanização, programas de relacionamento interpessoal e atenção ao enfermo que acolhem os pacientes e contribuem para sua recuperação. Esses projetos sociais complementam a assistência médica por meio do amor, do carinho e da solidariedade. A legislação que trata da certificação das entidades beneficentes de assistência social que atuam na área da saúde no Brasil é clara quando da exigência da disponibilização de 60% dos seus serviços ao Sistema Único de Saúde (SUS). Mas, aos olhos da São Camilo, praticar a prestação de contas ao governo não basta – é preciso disponibilizar essa assistência com condições dignas de um atendimento humanizado e de respeito. Até porque os hospitais camilianos sempre superam essa porcentagem do SUS e a prestação de contas vai além da exigência e perpassa todo um levantamento que considera a necessidade da região em que um hospital camiliano está inserido. Ao olharmos para nosso país, percebemos que vivemos um caos na saúde pública e a ausência de uma Atenção Primária reforçada na maioria das cidades recai sobre os hospitais, que têm de assumir o papel das Unidades Básicas ao atenderem casos que não se enquadram na necessidade de internação ou de intervenção cirúrgica. Com a sobrecarga desses casos, somados às urgências e emergências, a capacidade de atendimento pode ficar comprometida, não somente por exigir estrutura física e humana dos hospitais, mas por todos os gastos com materiais e medicamentos para os devidos atendimentos. Recursos esses que, na maioria das vezes, não são previstos e acabam colocando as instituições em déficit por assumirem por conta própria a obrigação do Estado. São nesses casos que as entidades de saúde têm de entrar com o potencial máximo de gestão para conseguir equilibrar esse déficit em decorrência do cenário brasileiro de falta de leitos, de Unidades de Pronto Atendimento e de hospitais estruturados para atender pacientes com dignidade. Entidades como a São Camilo acabam tendo de cumprir aquilo que fora

assegurado pelo Estado como inviolável: o direito à saúde. A São Camilo e muitas entidades sérias que administram hospitais no Brasil acabam preenchendo as lacunas deixadas pelo poder público, a partir de uma gestão de referência. Com seu mérito próprio, administra os recursos disponíveis de forma a trazer resultados favoráveis à manutenção das atividades desses hospitais. Diante do cenário preocupante na área da saúde, a São Camilo vai contra a regra vivida pelo país: enquanto muitos hospitais fecham as portas por dificuldades de se manter e oferecer assistência em saúde, os camilianos aumentam consideravelmente a sua participação na gestão dos hospitais brasileiros. Com princípios e valores de seus antepassados e de seu máximo inspirador, São Camilo de Lellis, a entidade se reafirma por alcançar o objetivo de elevar a qualidade no atendimento médico e administrar os recursos recebidos pelo SUS, em sua maioria defasados em todos os estados, de forma a manter esses hospitais em pleno exercício. A arte dessa administração hospitalar requer competência, conhecimento e busca constante de parcerias. Os gestores camilianos tomam para si a responsabilidade compartilhada com seus líderes e administram os orçamentos disponíveis, para que, no fim, seja suficiente para atender a comunidade. Os programas padronizados de compras, os protocolos assistenciais, o acompanhamento conjunto e outras metodologias administrativas próprias que preveem aplicação de recurso em necessidades maiores são alguns dos instrumentos da administração camiliana que visa primeiro a demanda do doente, condição que nos coloca em profunda igualdade e sem discriminação. Em 2012, completamos 90 anos de atuação dos camilianos no Brasil. Exatamente no ano em que a Campanha da Fraternidade discute a Fraternidade e Saúde Pública. Mais um motivo para os camilianos intensificarem sua missão de promoverem a saúde em todos os âmbitos. Num cenário em que a realidade brasileira prevê para os próximos anos um aumento considerável da população idosa, há muito para se refletir em termos de estrutura capaz de atender essas pessoas que, pela própria necessidade etária, precisam contar com hospitais humanizados para se tratar. Governo, igreja e entidades de classe devem pensar, em médio e longo prazo, políticas de prevenção de doenças e promoção da vida, uma vez que as enfermidades podem ser desencadeadas não somente pelas doenças crônicas ou

Divulgação / Comunicação São Camilo

Entidades Camilianas, Filantropia e o SUS

Pe. Justino é superintendente da Sociedade Beneficente São Camilo e Associação Beneficente Hospitalar Peritiba transmissíveis, mas também pela falta de estrutura domiciliar, orientação sobre os hábitos de vida e condição adequada para as pessoas. Nos hospitais camilianos, os projetos sociais e de humanização desenvolvidos preveem essas orientações não somente aos idosos, mas às gestantes e aos grupos de pessoas consideradas excluídas pela sociedade ou de baixa produtividade. Entendemos que, quando há prevenção e orientação, a chance das enfermidades são menores, e das complicações também. Com o apoio de seus inúmeros voluntários e profissionais, os hospitais camilianos contribuem para a formação de pessoas mais bem capacitadas também para lidar com o enfermo. Enquanto os hospitais oferecem a estrutura necessária para receber pacientes que necessitam do atendimento médico, a conscientização social oferece um melhor acompanhamento para prevenção de doenças. A humanização e a atenção diária de enfermeiros, médicos e gestores são ingredientes fundamentais para abastecer a alma do doente de esperança, para que seu tratamento seja mais eficaz, como prevê essa Campanha da Fraternidade e seu texto-base. Enfim, em 2012, a São Camilo apresenta e disponibiliza, a quem interessar, seus trabalhos na área da saúde. E mostra por que é capaz de se manter, em quase um século, como entidade referência e modelo de administração hospitalar e de confiança dos poderes públicos, da comunidade e de seus colaboradores.

Este é o último da série de artigos exclusivos, de autoria de padres camilianos, que o JS publicou por ocasião da CF 2012. Você pode conferir todos os textos na internet. Acesse http://bit.ly/artigosjs_cf2012


4

ATUALIDADES

JORNAL SANTUÁRIO DE APARECIDA • 25 DE MARÇO DE 2012

EXTREMISMO | ATAQUES CONTRA CRISTÃOS AUMENTARAM MAIS DE 300%, DIZ ARCEBISPO

Leonardo Meira leonardo.jornal@editorasantuario.com.br

“Os ataques terroristas contra os cristãos na África, Oriente Médio e Ásia aumentaram 309% entre 2003 e 2010. Quase 70% da população mundial vive em países com graves limitações à prática religiosa, e as minorias religiosas são as que pagam o preço”, indicou o Observador permanente da Santa Sé na ONU, Arcebispo Silvano Maria Tomasi, durante sessão ordinária do Conselho de Direitos Humanos da entidade. As crescentes medidas restritivas contra a religião atingem mais de 2,2

milhões de pessoas. São cidadãos que perderam a proteção da sociedade, experimentam restrições injustas impostas pelo governo ou são vítimas da violência ocasionada por um fanatismo impulsivo. Os principais fatores são a mudança na situação política e concepções equivocadas sobre o papel da religião e o secularismo. O Observador da Santa Sé destacou que a liberdade religiosa não é um direito concedido, mas “um direito fundamental e inalienável da pessoa humana. A tarefa do governo não é definir a religião, mas conferir às comunidades de fé uma personalidade jurídica para que possam atuar pacificamente dentro de uma estrutura legal”.

Dom Tomasi destacou ainda que a intolerância desemboca na violência e no assassinato de pessoas inocentes, pura e simplesmente por suas convicções religiosas. “As religiões não são uma ameaça, mas um recurso. Elas contribuem para o desenvolvimento das civilizações e isso supõe um benefício para todos.” Nesse sentido, o sistema educativo e os meios de comunicação desempenham um papel importante ao excluir os preconceitos e ódios dos livros escolares, noticiários e periódicos. “A comunidade internacional tem a responsabilidade, urgente e benéfica, de contrariar a tendência à violência crescente contra os grupos religiosos e

Observador permanente da Santa Sé na ONU, Arcebispo Silvano Maria Tomasi

Arquivo Pessoal

70% vive em países que limitam liberdade religiosa

17,5% da população mundial é católica, revela Anuário

a enganosa neutralidade que, de fato, busca neutralizar a religião”, conclui o arcebispo.

Fraternidade São Pio X e Vaticano O prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, órgão do Vaticano, Cardeal William Levada, e o Superior-Geral da Fraternidade Sacerdotal São Pio X (FSSPX), Dom Bernard Fellay, reuniram-se para debater sobre a plena reconciliação da Fraternidade com a Sé Apostólica. Em 14 de setembro do ano passado, o Vaticano entregou à FSSPX um

Preâmbulo Doutrinal, que enuncia alguns pontos e critérios de interpretação da doutrina católica, necessários para garantir a fidelidade ao Magistério da Igreja, mantendo como legítimas as discussões, o estudo e a explicação teológica de expressões particulares ou formulações presentes nos documentos do Concílio Vaticano II e do Magistério

sucessivo. A aceitação do texto é tida como base fundamental para se alcançar a plena reconciliação. A resposta da FSSPX foi enviada ao Vaticano em janeiro deste ano e submetida ao exame da Congregação e ao juízo do Papa. No último encontro entre Fellay e Levada, fez-se a avaliação de que a resposta não é suficiente para superar os problemas que estão nas

bases da fratura entre a Santa Sé e a Fraternidade. Ao término do encontro, o Superior da Fraternidade foi convidado a esclarecer sua posição, o que deve ser feito em abril, a fim de se chegar à reconciliação, conforme desejado pelo Papa, e se evitar uma ruptura eclesial de consequências dolorosas e incalculáveis.

• Vaticano lança concurso internacional de música sacra. O Pontifício Conselho para a Cultura é o organizador da iniciativa, que tem como tema um dos textos-chave da tradição cristã, o Símbolo dos apóstolos. “Precisamos conversar com o homem de hoje em todos os campos, mas principalmente no da arte”, afirma o maestro da Capela Sistina, monsenhor Massimo Palombella. • “A tragédia fez-nos redescobrir o valor do amor recíproco e incentivou-nos a atitudes de solidariedade”, afirma o presidente da Conferência Episcopal Japonesa, Dom Leo Jun Ikenaga. Um ano após o tsunami, ocorrido em 11 de março de 2011 e que atingiu as regiões norte-ocidentais do país, Dom Leo enviou uma mensagem a todos os fiéis do país. • A visita do Papa ao México já tem música oficial. A canção intitula-se “Mensageiro da Paz” e foi composta especialmente para acolher Bento XVI, que visita a terra de Nossa Senhora de Guadalupe entre os dias 23 e 26 de março. A letra diz: “Quando tudo está cinza e escuro, quando já não encontro o rumo e no meu mundo existe só solidão, você aparece em minha vida, como um farol que guia, ilumina todo meu interior”. • O governo cubano cedeu espaço para um site sobre a visita de Bento XVI ao país. No endereço benedictocuba.

cubaminrex.cu, é possível encontrar notícias, artigos, agenda, informações sobre a religião em Cuba, um guia sobre o país, perguntas frequentes e uma seção sobre a memória da visita do João Paulo II em 1998. Além disso, há conexões para as contas no twitter, facebook, youtube, flickr e vimeo. • Governo Federal cria Comissão Especial para organização da JMJ Rio2013. As atribuições da comissão estão descritas em decreto assinado pela presidente -Dilma Rousseff e publicado no Diário Oficial da União. “A comissão especial tem a tarefa de promover a articulação da União com os órgãos federais, estaduais e municipais, a Nunciatura Apostólica, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e a Arquidiocese do Rio de Janeiro, a fim de que sejam

adotadas todas as medidas necessárias para o êxito da visita do pontífice.” A próxima Jornada Mundial da Juventude será realizada entre os dias 23 e 28 de julho do próximo ano. • O Papa Bento XVI nomeou três novos Bispos para o Brasil. Dois são Auxiliares: o padre José Luiz Gomes de Vasconcelos, do clero da Diocese de Garanhuns, vai para a Arquidiocese de Fortaleza (CE); já a Arquidiocese de Salvador (BA) recebe o padre Giovanni Crippa, que trabalhava na Arquidiocese de Feira de Santana. Po sua vez, a Prelazia de São Félix (MT) recebe Dom Adriano Ciocca Vasino, até então Bispo de Floresta (PE).

Curtas • A Congregação para a Doutrina da Fé reorganiza seu site na internet. Os principais documentos estão disponíveis em oito línguas. Além da versão latina, há também em francês, inglês, italiano, português, espanhol, alemão e polonês. Confira as novidades em www.doctrinafidei.va. • A Arquidiocese de Aparecida inaugurou a Pousada do Bom Jesus, no dia 19. O empreendimento funciona em algumas alas do Seminário Missionário Bom Jesus. A pousada conta com 74 apartamentos e é a terceira e última etapa das obras de revitalização do Seminário. • O Papa Bento XVI afirmou que “a nova evangelização começa também no confessionário”. Durante encontro com os 1.300 sacerdotes e diáconos que participaram do curso promovido anualmente pela Penitenciaria Apostólica, o Santo Padre destacou a importância de uma adequada preparação teológica, espiritual e canônica para ser confessor. Bento XVI recordou também que os sacerdotes, por meio do Sacramento da Reconciliação, são instrumentos para o encontro entre os homens e Deus. • Dom Lorenzo Baldisseri é o novo secretário do Colégio Cardinalício. Ele também é secretário da Congregação para os Bispos e foi Núncio Apostólico no Brasil durante nove anos, até o último mês de fevereiro.


4ª Peregrinação Nacional da Família

Confira a programação completa. Acesse www.a12.com

Bastam-nos o poder e a sabedoria de Deus. A Ele devemos entregar o nosso coração Padre Darci Nicioli, Reitor do Santuário Nacional

Formspring: Santuário esclarece dúvidas sobre Semana Santa

O Santuário Nacional está utilizando uma nova ferramenta para interagir com os devotos no mundo digital durante a Quaresma. É o Formspring, uma rede social que permite que os usuários recebam perguntas uns dos outros sobre assuntos variados. No blog oficial da Semana Santa, há um link que leva o internauta para a rede social. As perguntas são respondidas por diferentes Missionários Redentoristas e também pelos irmãos da Comunidade Sodálite, com linguagem de fácil compreensão.

Contate o Santuário e saiba mais sobre o assunto. Acesse www.a12.com/semanasanta

FIQUE LIGADO Imprensa Santuário Nacional

Famílias de todo o Brasil estão convidadas para participar do 2º Simpósio e 4ª Peregrinação Nacional da Família, que acontecem nos dias 28 e 29 de abril, no Santuário Nacional. O Simpósio será realizado no sábado, 28, no Centro de Eventos Padre Vítor Coelho de Almeida. A atividade tem como tema A Família: o Trabalho e a Festa e conta com palestras, reflexões e show. No domingo, 29, todas as celebrações do Santuário Nacional serão presididas por bispos convidados que farão menção ao evento e ao tema da peregrinação.

Haverá também atividades paralelas para a juventude, no Auditório Padre Noé Sotillo, no subsolo da Basílica.

Romarias visitam o Santuário no domingo Cerca de 100 mil pessoas devem visitar o Santuário Nacional no final de semana. No sábado, 24, a Romaria dos Padres Teatinos é acolhida para a Missa das 9h, presidida pelo Bispo da Diocese de Itapetininga (SP), Dom Gorgônio Alves da Encarnação Neto. Já no domingo, 25, a Romaria da Diocese de Valença (RJ) visita a Casa da Mãe Aparecida com 2 mil romeiros e 25 sacerdotes e participa da missa das 12h. O grupo visita o Santuário uma vez ao ano e é acompanhado do Bispo Diocesano, Dom Frei James Manning. A Romaria da Associação dos Investigadores do Estado de São Paulo (Aipespe) também marca presença. Agende sua Romaria na Secretaria de Pastoral! Informações através do telefone (12) 3104-1694

Missas Sábado: 6h30 - 9h (TV) - 10h30 - 12h - 16h - 18h (TV) Segunda à sexta: 7h - 9h (TV) - 10h30 - 12h - 16h Domingo: 5h30 - 8h (TV) - 10h - 12h - 14h - 16h - 18h (TV) Bênçãos (ao final de todas as missas) Confissões Segunda à sexta: 7h30 às 11h - 14h às 16h Sábado: 6h30 às 11h15 - 13h30 às 16h45 Domingo: 6h30 às 11h15 - 13h30 às 16h Batismo Segunda à sexta: 10h e 15h Sábado: 9h - 10h - 11h - 14h - 15h Domingo: 8h - 9h - 10h - 11h - 14h - 15h Piedade Popular Consagração a Nossa Senhora Segunda à sexta: 11h (TV) e 15h - Sábado: 15h Hora Mariana (Terço) - Segunda a sábado: 14h Novena Perpétua - Quarta: 15h15 e 19h30 Procissão Eucarística - Quinta: 10h Procissão Luminosa do Terço - Sábado: 19h Procissão Mariana - Domingo: 6h30 Encontros Especiais Coordenadores de Romarias: Sábado: após missa das 9h Domingo: após missa das 8h Local: Sala dos Coordenadores de Romarias (ao lado da Sala de Confissões) Plantão Religioso Segunda à sexta: das 17h às 18h Telefone para informações: (12) 3104 1000 Horários de Missa - Matriz Basílica Horário das Missas Segunda, Quarta e Quinta: 7h e 18h (TV) Terça: 7h, 16h (missa dos doentes) e 18h (TV) Sexta: 7h, 18h (TV) e 19h30 Sábado: 15h e 19h Domingo: 19h30 Bênçãos (ao final de todas as missas) Telefone para informações: (12) 3105 1517

Orientações para Batismos no Santuário Nacional Confira as orientações e documentos necessários para celebrar o Sacramento do Batismo no Santuário Nacional. • Batismo de crianças – Autorização (transferência) por escrito do pároco responsável pela paróquia dos pais da criança para que ela seja batizada no Santuário Nacional. Deve conter o nome dos pais, assinatura do pároco e carimbo da paróquia. – Atestado do curso de preparação para o batismo dos pais e padrinhos, que deve ser feito em suas respectivas cidades. – Certidão de nascimento da criança.

• Batismo de adultos (É considerado adulto quem já possui idade superior a 7 anos de idade) – A própria pessoa que será batizada deverá apresentar comprovante de participação na Catequese para o Batismo, a 1ª Comunhão e o Crisma. Essa preparação deve ser realizada em sua cidade, com o catequista responsável. – Autorização (transferência) por escrito do pároco, contendo a assinatura e o carimbo da paróquia a que pertence, constando que o interessado está devidamente preparado. – Certidão de nascimento ou o documento de identidade (RG).

``

– Atestado dos padrinhos do curso de preparação para o batismo, que deve ser feito em suas respectivas cidades. No Santuário Nacional não é realizado curso de batismo. • Orientações Gerais Não é necessário marcar o batismo. Basta chegar uma hora antes do horário escolhido, trazendo os documentos necessários, e se dirigir ao Setor de Batismo, localizado no subsolo do Santuário. Informações através do telefone (12) 3104-1560


6

Jornal Santuário de Aparecida • 25 DE março DE 2012

Vida Comunitária

FORMAÇÃO | ESPAÇO É DESTINADO À PREPARAÇÃO DE IRMÃOS REDENTORISTAS E PROMOÇÃO DO LAICATO

Deniele Simões deniele.jornal@editorasantuario.com.br

Maria Cícera de Lima é um exemplo de participação na vida comunitária da Igreja. Ao longo da semana, a dona de casa tem uma presença atuante e colabora limpando a paróquia que frequenta, tomando conta das toalhas, acolhendo novos fiéis e, na parte litúrgica, é leitora há quase 20 anos. Dona Cícera é moradora do Bairro Lopes de Oliveira, em Sorocaba, interior de São Paulo, e tem um motivo a mais para aumentar a sua presença na vida religiosa, enquanto leiga. A dona de casa, que frequenta uma comunidade distante, agora tem a opção de professar sua fé bem pertinho de casa, na igreja dedicada a São Geraldo Majella. O novo templo, sob os cuidados da Congregação do Santíssimo Redentor (C.Ss.R.), foi inaugurado oficialmente no dia 15 de março, juntamente com um seminário destinado à formação de irmãos religiosos. Cícera cumpriu uma função importante na missa que celebrou a inauguração da igreja e soltou a voz no coral. Bastante emocionada com a oportunidade de cantar junto aos demais fiéis que lotaram a igreja, ela já dá como certa sua presença constante na nova comunidade. “Gostei demais, estou feliz da vida e venho participar com muita honra”, disse. O coral em que Dona Cícera atuou foi apenas um dos detalhes marcantes da celebração de inauguração da igreja e do seminário dedicados ao santo redentorista. Tanto a comunidade religiosa da região quanto missionários redentoristas vindos de várias localidades marcaram presença na cerimônia, presidida pelo Arcebispo de Sorocaba, Dom Eduardo Benes Sales Rodrigues.

Ele destacou que a instalação da igreja e do seminário significa um momento de alegria e de esperança para o clero sorocabano e também para os missionários redentoristas, que são muito bem vindos à região. Segundo o Arcebispo, a presença de uma comunidade com padres, irmãos e seminaristas chamados à vida religiosa como irmãos revela o amor de Deus. “Onde há uma comunidade que vive o Evangelho, ela é uma luz no coração da cidade.” Dom Eduardo acredita que a implantação do complexo na cidade terá uma influência muito grande no povo de Deus, em função do trabalho que já começa a ser promovido. “Uma repercussão em toda a população que vive em volta, que receberá os efeitos do testemunho de fé que darão os redentoristas”, completa. Já Ivanil Cicarelli Gallano, moradora da Vila Assis – bairro próximo ao Lopes de Oliveira –, é uma das pessoas que reconhece o trabalho dos missionários redentoristas, seja visitando os santuários de Aparecida (SP) e Trindade (GO), seja acompanhando a programação pela Rede Vida e TV Aparecida. A aposentada frequenta a Paróquia São Luiz Gonzaga, a 7km de seu bairro, e acredita que a nova igreja e o seminário irão atrair pessoas das comunidades próximas, principalmente por causa das novenas. Como devota de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, ela recebeu com alegria a notícia das novenas que serão celebradas no novo espaço. Para o marido de Ivanil, Luiz Gallano, a nova igreja significa também oportunidade de aprendizado e fortalecimento na fé. “Acredito que aqui seja um ponto a mais para se apegar e

Fotos: Eduardo Gois / JS

Sorocaba ganha igreja e seminário dedicados a São Geraldo Majella Dom Eduardo Benes preside Missa de inauguração da igreja e seminário São Geraldo Majella

ter onde aprender mais, porque, em se tratando de Deus, a gente tem que estar sempre presente.” Marcando presença A instalação do templo e do seminário marca o início da presença dos Missionários Redentoristas em Sorocaba – cidade localizada em uma região que reúne muitas congregações religiosas. A igreja tem capacidade para acolher cerca de 500 pessoas e, de acordo com o superior da Província Redentorista de São Paulo, padre Luís Rodrigues Batista, a obra foi executada para ser um espaço de catequese e assistência religiosa, onde as pessoas possam sentir-se acolhidas. O Seminário São Geraldo Majella tem capacidade para receber até 20 seminaristas e mais 10 religiosos, oferecendo toda a estrutura necessária à formação de novos irmãos redentoristas. O complexo está instalado na região norte da cidade, e a escolha da localização deve-se ao fato de o Lopes de Oliveira ser um bairro populoso e popular, o que vai ao encontro do caris-

ma da Congregação, focado no trabalho missionário junto às populações mais carentes. “Esperamos que o povo sinta-se bem com essa nova igreja e o seminário”, diz padre Luís Rodrigues. O Superior da nova comunidade religiosa e Reitor da igreja de São Geraldo Majella, padre José de Vilas Boas, reforça ainda que o espaço está de portas abertas para a participação da sociedade, privilegiando a formação não só de novos irmãos consagrados como também de leigos, homens, mulheres, crianças e jovens. “Além disso, teremos aconselhamento espiritual, confissões, celebração da eucaristia, de novenas, orações; enfim, uma atividade voltada para a prática espiritual e religiosa bastante intensa.” A ideia é fazer com que todo esse trabalho de portas abertas faça do povo de Deus o fio condutor da atuação missionária redentorista naquela região. “A missão vai ser a nossa presença contínua. E, para isso, vamos precisar de muitas lideranças leigas, porque não queremos centralizar tudo em nossas mãos”, conclui padre Vilas Boas. Igreja e seminário estão instalados no bairro Lopes de Oliveira, na região norte da cidade

Local foi criado como espaço de comunhão, aconselhamento espiritual, orações, celebrações e formação

Dona Maria Cícera participou do coral e pretende intensificar presença na nova igreja


Jornal Santuário de aparecida • 25 de março de 2012

7

Seminário prepara irmãos para a vida religiosa O seminário recém-inaugurado tem como missão a formação de irmãos consagrados para atuar nas várias frentes de trabalho da Congregação do Santíssimo Redentor. A transferência da casa de formação de Potim (SP) para Sorocaba marca uma nova fase nos trabalhos, que vem a somar com outros espaços redentoristas localizados na região. “Já temos em Campinas a formação em Filosofia, o propedêutico em Santa Bárbara D’Oeste, o noviciado em Tietê e a formação em Teologia, em São Paulo”, explica padre Vilas Boas. A Congregação do Santíssimo Redentor é um instituto de vida consagrada e religiosa, atuando na formação de padres e irmãos. Esses religiosos são preparados para trabalhar nas santas missões, nos santuários, nas paróquias e nos meios de comunicação redentoristas. Com quatro anos de estudos, o seminarista Sabino Gino da Silva prepara-se para ser um irmão redentorista no Seminário São Geraldo, onde recebe toda a formação espi-

ritual e psicológica para desempenhar a função. De olho no futuro, Sabino também cursa a faculdade de administração. “Eu estarei nas missões e também cuidando de algum empreendimento da congregação”, conta. Já Isaías Alves Rodrigues é outro que se prepara para seguir a função de irmão. Novo no seminário, o jovem do interior do Ceará estava em Fortaleza e vê na transferência para o estado de São Paulo uma oportunidade de crescimento. “Tem sido uma experiência muito importante para mim, estar em contato com essa nova realidade. Agora, eu espero aprender cada vez mais”, conta o seminarista, que pretende atuar no setor pastoral quando for consagrado irmão.

Sabino prepara-se para ser irmão redentorista e estuda administração

Formação continuada O diretor do Seminário São Geraldo, irmão Cláudio Aparecido Teixeira, ressalta que a função do centro de formação é acolher jovens de várias unidades redentoristas do país. “Este ano nós temos um da Bahia, dois de Fortaleza e sete são da nossa província de São Paulo.” A nova casa traz também uma nova realidade para o Seminário, focada na formação integral dos candidatos, para que eles possam escolher entre o campo de evangelização ou o trabalho como profissional especializado. O trabalho de formação acontece em três fases distintas. A primeira é o aspirantado, ou seja, quando o jovem entra para o seminário. Dois anos depois, começa o apostulantado, em que o jovem tem a oportunidade de, juntamente com os conhecimentos de espiritualidade, fazer um curso profissionalizante ou faculdade. A fase seguinte é o noviciado. Há também o chamado juniorato, quando os candidatos desejam estudar teologia, o que pode acontecer junto com os postulantes ao sacerdócio.

pessoas que auxiliam no processo de formação é fazer com que o candidato encontre-se como pessoa humana. “Isso para que ele seja primeiramente um bom cristão, depois um bom religioso e esteja a serviço da evangelização e de tantas outras coisas mais que, por ventura, serão exigidas dele quando se tornar um redentorista.” O seminário é justamente o lugar onde os formadores vão ajudar o jovem a encontrar-se e a descobrir sua vocação. “Então se torna também um grande desafio para os formadores entender, acompanhar e corresponder aos anseios do jovem que está longe do pai, da mãe, da família”, acrescenta padre Vilas Boas.

desafios De acordo com irmão Cláudio, o grande desafio dos formadores e das

Isaías saiu de Fortaleza para estudar em Sorocaba

pode iniciar os estudos sem ter o nível fundamental, bastando apenas que tenha vocação e força de vontade. “Ele pode, depois, fazer o noviciado e, depois do noviciado, ele tem de fazer uma faculdade.” A diferença básica é que o candidato a irmão não precisa passar pelos cursos de filosofia e teologia. Na vida religiosa, o irmão não pode celebrar sacramentos como a eucaristia e o

casamento, por exemplo. Não pode atender confissões, mas tem um campo mais vasto para a atuação pastoral. Não há impedimento para que um irmão se torne um profissional liberal, por exemplo, e utilize o ofício que escolheu para ajudar a evangelizar o povo de Deus, vivendo o carisma da Congregação.

Apesar de irmãos e padres terem a vida consagrada a Deus, cada um desses religiosos exerce uma função diferente dentro da Igreja Católica. As diferenças já começam na formação, conforme aponta padre

Vilas Boas. “O candidato a sacerdote tem de passar pelo período do propedêutico. Depois, tem uma faculdade de filosofia e, então, o noviciado. Depois são mais quatro anos de teologia e depois mais um período entre a ordenação diaconal e a sacerdotal.” Enquanto o candidato a padre entra para o seminário cursando o ensino médio, o postulante a irmão

Fotos: Eduardo Gois / JS

diferenças entre padres e irmãos

Conheça São Geraldo majella São Geraldo Majella, o padroeiro da igreja e do seminário construídos em Sorocaba, foi um irmão redentorista italiano que viveu no século XVIII e reconhecido como santo em função da grande devoção que tinha. Homem simples, Geraldo Majella serviu a Igreja como sacristão, jardineiro, porteiro, enfermeiro e alfaiate. Em 1754, foi acusado falsamente de ser o pai do filho de uma gestante, Néria Caggiano, que

acabou retratando-se. É daí que vem a ligação do santo com todos os aspectos que envolvem gravidez. Na nova igreja, São Geraldo será lembrado todo dia 16 de cada mês. “Isso levando-o a ser conhecido como padroeiro das mães que esperam seus filhos e também das criancinhas”, explica padre Luís Rodrigues Batista. De acordo com o superior redentorista, São Geraldo é sempre lembrado por muitos devotos que a ele recorrem em situações de gravidez de risco.

Veja outras fotos da inauguração do seminário e da igreja. acesse http://bit.ly/cssrsorocaba


8

ARTIGOS

JORNAL SANTUÁRIO DE APARECIDA • 25 DE MARÇO DE 2012

DIALOGANDO E ESCLARECENDO

VIDA EM FAMÍLIA

(Pe. CIDO PEREIRA)

(ROBERTO GIROLA – PSICANALISTA)

“Eu assisti a um casamento celebrado por um diácono permanente que é casado. O diácono pode celebrar um casamento?” (Ângela Novita, São Paulo-SP)

Quanto ao mais importante, sabemos muito pouco Tenho medo de morrer jovem. (Anônimo)

Ângela, sua pergunta é importante porque nos faz lembrar os três graus do sacramento da Ordem que são: o Diaconato, o Presbiterato e o Episcopado. O Concílio Vaticano II restabeleceu o diaconato permanente deixando aos bispos de cada país a decisão de estabelecer esse diaconato ou não. Lembre-se, Ângela, que o diaconato nasceu na Igreja primitiva. Os apóstolos viram que estava ficando difícil evangelizar e ao mesmo tempo cuidar de coisas da vida da comunidade como, por exemplo, o atendimento aos pobres. Então eles invocaram o Espírito Santo e elegeram sete homens para exercerem alguns serviços dentro da comunidade. O diácono está a serviço dos pobres mas também da evangelização. Leia, para você ver, a história do diácono Santo Estevão no livro dos Atos dos Apóstolos. O diácono é também evangelizador e colabora na santificação do povo de Deus e na construção do Reino. Como eu disse a você, o diaconato durante muito tempo na Igreja foi apenas um serviço provisório daqueles que logo seriam ordenados padres. O Concílio Vaticano II restabeleceu o diaconato permanente. Na arquidiocese de São Paulo, onde eu exerço o ministério, o candidato ao diaconato deve ser

casado, economicamente estável e estudar teologia. Além do serviço aos pobres, cabe ao diácono permanente, segundo o Concílio Vaticano II, administrar solenemente o Batismo, conservar e distribuir a Eucaristia, assistir ao casamento em nome da Igreja e abençoá-lo, levar o viático aos moribundos, proclamar a Sagrada Escritura, instruir e exortar o povo, presidir ao culto e à oração dos fiéis, aos ritos fúnebres e ao sepultamento. Como você está vendo, Ângela, o diaconato permanente é uma bênção para a nossa diocese. É uma grande força para a Igreja de São Paulo na grande obra de evangelizar essa cidade imensa. Fique com Deus, Ângela.

Estava assistindo ontem a um documentário sobre a Origem do Universo, focado em particular sobre a teoria de Stephen Hawking, um dos estudiosos mais destacados na área. Publicada em seu novo livro O grande projeto, sua tese se baseia na chamada Teoria Total (Teoria-M), uma tentativa de associar os conhecimentos da Mecânica Quântica e da Teoria da Relatividade. A genial teoria de Einstein sobre a relatividade sozinha não dá conta dos fenômenos que acontecem no Universo. Embora seja útil para entender sua expansão, não consegue explicar o Big Bang, ou seja, o momento em que deu-se o início do Universo e outros fenômenos descobertos mais recentemente. A teoria de Hawking tenta juntar visões opostas e contraditórias. Enquanto a Teoria da Relatividade se baseia sobre uma ordem que ainda é explicada a partir da física tradicional, na qual existem leis fixas e previsíveis, a Física Quântica se baseia no estudo do complexo mundo das partículas subatômicas, ou seja, no estudo da estrutura mais elementar da matéria, a que está por trás de tudo. A surpresa é que no mundo das partículas subatômicas o comportamento é caótico, impossibilitando a previsibilidade e portanto o estabelecimento de leis fixas, como pretende a física tradicional que estudamos na escola. A física quântica aponta para uma matéria feita de partículas que a partir de um estado de vácuo se produzem e se movimentam de forma caótica, aparecendo e desaparecendo aleatoriamente. A matéria que é percebida pela nossa mente como sendo consistente e fixa, é na realidade um vácuo no qual se produzem partículas instáveis em contínuo movimento.

Mas isso não diz respeito apenas à matéria e à origem do Universo que habitamos. Se olharmos para o nosso destino último, a morte, também nos deparamos com um grande mistério. O que vai ser de nós a partir do momento em que o nosso cérebro parar de funcionar? Sabemos que existem diversas crenças, algumas de caráter religioso, outras de caráter filosófico, algumas com a pretensão de serem científicas. A verdade é que não sabemos nada de certo. Nem sabemos ao certo se ainda haverá um eu após a morte. Daí o seu caráter assustador. Os mistérios não são menos desafiadores se olharmos para o nosso cérebro, que regula as funções básicas do nosso corpo e preside à atividade sensorial e emocional, a partir da qual se origina o pensamento e, consequentemente, a fala. Sabemos ainda muito pouco sobre o funcionamento do cérebro, apesar das afirmações bombásticas de alguns neurocientistas. Apesar disso tudo, somos convencidos de que temos o controle sobre a nossa vida e o mundo que nos rodeia. Frases como “Aprenda a dirigir sua vida e seus pensamentos”, ou então: “Vamos salvar o planeta”, ilustram claramente a nossa ilusão de controle onipotente. O mistério nos rodeia por todo lado, mas a nossa mente produz visões distorcidas e reducionistas da realidade, para fugir da angústia do “não saber”, do imprevisível e da sensação do caos. Tudo isso soa bastante assustador, mas é extremamente real. Não deveria portanto nos supreender o medo da morte e a sensação de estarmos à mercê de forças sobre as quais temos apenas pálidas tentativas de explicação. O que deveria mudar, uma vez que nos tornamos conscientes disso tudo, é a nossa atitude diante das coisas e dos outros.


VIDA NO PLANETA

JORNAL SANTUÁRIO DE APARECIDA • 25 DE MARÇO DE 2012

9

FÓRUM MUNDIAL | EVENTO REUNIU REPRESENTANTES DE MAIS DE 180 PAÍSES

Divulgação

Água é bem comum da humanidade

Leonardo Meira leonardo.jornal@editorasantuario.com.br

worldwaterforum6.org / Edição de Leonardo Meira

Encontrar soluções eficazes para defender um bem vital para o planeta. Foi com esse propósito que cerca de 25 mil pessoas reuniram-se para mais de 400 horas de debates na sexta edição

do Fórum Mundial da Água. O evento acontece a cada três anos e, desta vez, foi sediado na cidade francesa de Marselha, entre os dias 12 e 17 de março. Segundo o quarto Relatório Mundial sobre o Desenvolvimento da Água, divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU) na abertura do Fórum, o crescimento vertiginoso da demanda alimentícia, as mudanças climáticas e o rápido processo de urbanização ameaçam significativamente o abastecimento global de água. Para se ter uma ideia, a utilização de recursos hídricos na agricultura deve aumentar em 19% até 2050. Caso não haja a implementação de novas tecnologias e se tomem firmes decisões políticas sobre o assunto, as disparidades econômicas entre os países vão se agravar ainda mais. “A água doce não está sendo usada de forma sustentável, de acordo com as necessidades e demandas”, indica a

diretora-geral da Unesco, Irina Bokova, no início do relatório. O Pontifício Conselho Justiça e Paz, órgão do Vaticano, elaborou um documento em virtude do evento, intitulado Água, um elemento essencial para a vida. O texto recorda que o acesso adequado à água potável ainda não foi garantido à boa parte da população mundial, apontando também a necessidade de uma melhor gestão da água por parte das autoridades públicas, iniciativa privada e sociedade civil. Esses sujeitos devem agir com responsabilidade, sobriedade e solidariedade, à luz dos princípios de justiça e subsidiariedade. De acordo com o secretário do Pontifício Conselho, Dom Mario Toso, a água não pode ser tratada como uma mercadoria entre outras. “Tal abordagem mercantilista predispõe a fornecer água somente a quem está apto a pagar, bem como a proteger o meio ambiente apenas quando é economicamente conveniente. É hora de passar das palavras aos fatos”, adverte. Segundo o diretor da Inter-Islamic Network on Water Resources Development and Management (Inwrdam), Murad Jabay Bino, a religião desempenha um papel proeminente na cultura das comunidades. “A religião guia e encoraja seus seguidores a ter certas condutas. Por isso, os líderes religiosos deveriam dar mais atenção à necessidade de educar os fiéis a trabalhar coletivamente para proteger a natureza e seus recursos finitos.” E por que a água é tão importante assim? Além de ter o poder simbólico de representar a origem da vida e a permanente evolução que define a atividade humana, “é o fermento, o sopro vital de toda cultura”, conforme destaca o consultor em gestão intercultural da Université Paul Cézanne, da França, Alain Cabras. Por isso, não é exagero dizer que a água é o fundamento de todas as civilizações. Dos quatro elementos da natureza – ar, terra, fogo e água –, este último possui como que o poder de alimentar e semear. “Dos quatro, a água é o que mais influencia a humanidade em seus símbolos, rituais e valores metafísicos”, avalia Alain. Brasil No Brasil, a água é um dos eixos de ação da Comissão Pastoral da Terra (CPT), organismo vinculado à CNBB. Segundo o integrante da Equipe CPT do São Fran-

cisco, Roberto Malvezzi, o foco central do trabalho da Igreja no Brasil está na busca por garantir o acesso das populações à água potável. “A Campanha da Fraternidade de 2004 ressaltou a defesa da água como direito humano, bem público, não sujeita a qualquer tipo de privatização”, recorda. Por sua vez, o sociólogo Ruben Siqueira, da CPT Bahia, destaca que a Igreja questiona o eixo da política hídrica brasileira e mundial, centrado no valor econômico da água e na sua mercantilização. “Uma das maiores contribuições está na mudança de concepção da água como ‘recurso’ para a água como ‘patrimônio hídrico’, bem essencial, vital para a humanidade e os seres vivos”, enfatiza. Os dois integrantes da CPT acreditam que a abordagem destacadamente mercantilista é um dos problemas centrais da política mundial da água, o chamado “hidronegócio”. Além disso, a fase de grande desenvolvimento e expansão pela qual passa o Brasil exige a produção de muita energia. Nesse contexto, é preciso lidar com questões emblemáticas, como a Usina de Belo Monte ou Angra 3. “O Brasil tem um leque enorme de opções para gerar energia limpa. Agora, especialistas já falam que até 2100 o topo da energia estará vindo dos ventos (eólica). A segunda fonte que tem enorme potencial é a solar. Energias sujas estarão em decadência, como petróleo, gás e carvão, e o potencial hidráulico brasileiro está esgotando-se. Só temos possibilidades na Amazônia, cada vez mais longe, cada vez mais cara. Belo Monte impacta rios, florestas e populações tradicionais, as grandes vítimas do modelo energético em questão. E estão tentando ainda ressuscitar a energia atômica. Uma loucura!”, avalia Roberto. E, por sua vez, Ruben destaca: “Só a presença ativa da cidadania nos espaços de decisões que implicam as águas pode bloquear os processos mercantilizantes, degradantes e excludentes”. Segundo o estudo Conjuntura dos Recursos Hídricos no Brasil, promovido pela Agência Nacional das Águas (ANA), cerca de 80% dos recursos hídricos brasileiros estão concentrados na Região Hidrográfica Amazônica, onde se encontra o menor contingente populacional. O país produz cerca de 12% da água doce superficial do planeta e é por aqui, segundo dados da ANA, que circulam 18% de toda a água doce superficial da Terra. No Brasil também está localizada grande parte da maior bacia hidrográfica do mundo, a Amazônica.

Confira entrevistas na íntegra e saiba mais sobre o tema. Acesse http://bit.ly/forumagua


10

SE LIGA AÍ

JORNAL SANTUÁRIO DE APARECIDA • 25 DE MARÇO DE 2012

IBABEL | SITE CRIADO POR PUBLICITÁRIOS BRASILEIROS DERRUBA BARREIRAS LINGUÍSTICAS

Converse com o mundo “falando” português para o projeto. No novo formato, será possível traduzir todas as outras redes sociais. Também haverá espaços temáticos para que as pessoas tenham assuntos em comum para conversar. “Estamos trabalhando dentro das nossas possibilidades e acredito que em maio já estaremos com a nova fase no ar”, explica o publicitário. A jovem Ana Clara Lima, de 19 anos, faz parte do leque de usuários do iBabel. Ainda novata no site, ela recebeu a indicação do serviço por meio de uma amiga. “A facilidade de se conectar e comunicar com outras pessoas é uma das características que mais chamam minha atenção”, relata.

‫ﺍﺏﺡﺭﻡ‬, Прывітаньне, Saluton, Salam, �����, ��. Não, você não está com os olhos embaralhados, nem o teclado aqui da redação está com problema de configuração. Se você pensa que é impossível compreender a primeira frase deste texto sem antes estudar meses a fio idiomas complicados e aparentemente indecifráveis, é melhor rever seus conceitos. Mas, como assim?! É isso mesmo: agora você pode conversar em árabe, búlgaro, tcheco e mais de trinta outras línguas usando o seu bom e velho português. Essa história toda, que mais parece ficção científica, é “culpa” de um grupo de publicitários brasileiros. Eles desenvolveram uma plataforma on-line, chamada iBabel, que traduz simultaneamente conversas entre usuários de idiomas distintos. Tudo começou quando Sandro Rosa, David Romanetto e Eduardo

Rebelo pensaram em aplicar a funcionalidade dos tradutores existentes para que, em um chat, as pessoas conseguissem se comunicar em qualquer idioma. “Quando a ideia surgiu nós pensamos: ‘Mas como as pessoas vão se falar, se ninguém tem amigos que não falem o mesmo idioma?’. Aí nós criamos um tipo de roleta em que os usuários que estejam on-line podem se comunicar. O iBabel é uma rede social para pessoas que ainda não se conheceram”, explica Eduardo. O site ainda está na versão beta e foi colocado no ar em 11 de novembro do ano passado. Ele está disponível em seis idiomas e possui opção de mais de 35 línguas entre as opções durante o cadastramento do usuário. O Brasil é o país com o maior número de cadastros. Logo depois vem a Índia, Colômbia, Rússia, México, Estados Unidos, Espanha, Venezuela, Canadá e China. A partir do aprendizado dessa fase beta, já há novas etapas previstas

Fotos: Arquivo Pessoal

Leonardo Meira leonardo.jornal@editorasantuario.com.br

Conversação O funcionamento do sistema que faz a tradução automática durante as conversações é simples. Após se cadastrar, você entra numa “roleta” em que os outros usuários aparecem. De acordo com a foto e um pequeno descritivo, você decide se quer falar com a pessoa

Publicitário Eduardo Rebelo: nova versão do iBabel deve ser lançada em maio

ou não. Caso não queira, você pula e vai para a próxima. Caso queira, é só clicar em um botão e começar a escrever. “Se a pessoa for de outro país, a tradução é feita automaticamente. Para que a tradução seja a melhor possível, é necessário escrever corretamente, sem abreviações ou gírias. Eu mesmo fico surpreendido quando consigo conversar com um indiano ou um chinês”, testemunha Eduardo. A comunicação via web permite a quebra das barreiras geográficas, mas as diferenças culturais continuam a existir. Nesse sentido, iniciativas como o iBabel ajudam a derrubar também essas limitações. Logo que a ideia do projeto surgiu, o grupo de amigos precursor da empreitada percebeu que estava com algo importante nas mãos. Geralmente, todas as grandes iniciativas na rede nascem em celeiros acadêmicos do exterior, como Stanford, Cambridge e Harvard, por exemplo. Como nesses lugares todos falam inglês, um projeto como o iBabel só poderia ser criado em um país com necessidade de comunicação internacional. “Quem é nativo da língua inglesa ou estudou e fala fluentemente não necessita de um site assim. E a necessidade é a mãe da invenção. O mundo tem 7 bilhões de habitantes e 2,7 bilhões falam inglês. O iBabel foi pensado para o restante da população mundial. E olha que é um montão de gente”, brinca Eduardo.

A jovem Ana Clara Lima destaca facilidade de comunicação

Saiba mais sobre o iBabel. Acesse http://bit.ly/js_ibabel


#

2a

JORNAL SANTUÁRIO DE APARECIDA • 25 de março de 2012

LITURGIA 29.04.2012 – Ano B

4º DOMINGO DA PÁSCOA

Fazendo-nos bons pastores, nós nos salvamos PRIMEIRA LEITURA (At 4,8-12) Leitura dos Atos dos Apóstolos: Naqueles dias, 8Pedro, cheio do Espírito Santo, disse: “Chefes do povo e anciãos: 9 hoje estamos sendo interrogados por termos feito o bem a um enfermo e pelo modo como foi curado. 10 Ficai, pois, sabendo todos vós e todo o povo de Israel: é pelo nome de Jesus Cristo, de Nazaré — aquele que vós crucificastes e que Deus ressuscitou dos mortos —, que este homem está curado, diante de vós. 11 Jesus é a pedra, que vós, os construtores, desprezastes, e que se tornou a pedra angular. 12Em nenhum outro há salvação, pois não existe debaixo do céu outro nome dado aos homens, pelo qual possamos ser salvos”. — Palavra do Senhor. — Graças a Deus!

porque me ouvistes/ e vos tornastes para mim o salvador!/ A pedra que os pedreiros rejeitaram/ tornou-se agora a pedra angular./ Pelo Senhor é que foi feito tudo isso;/ que maravilhas ele fez a nossos olhos! — Bendito seja, em nome do Senhor,/ aquele que em seus átrios vai entrando!/ Vós sois meu Deus, eu vos bendigo e agradeço!/ Vós sois meu Deus, eu vos exalto com louvores!/ Dai graças ao Senhor, porque ele é bom!/ “Eterna é a sua misericórdia!” SEGUNDA LEITURA (1Jo 3,1-2) Leitura da Primeira Carta de São João: Caríssimos: 1Vede que grande presente de amor o Pai nos deu: de sermos chamados filhos de Deus! E nós o somos! Se o mundo não nos conhece, é porque não conheceu o Pai. 2 Caríssimos, desde já somos filhos de Deus, mas nem sequer se manifestou o que seremos! Sabemos que, quando Jesus se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque o veremos tal como ele é. — Palavra do Senhor. — Graças a Deus! EVANGELHO (Jo 10,11-18) — O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós. — PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo † segundo João. — Glória a vós, Senhor!

Marco Funchal

SALMO RESPONSORIAL (Sl 117) — A pedra que os pedreiros rejeitaram/ tornou-se agora a pedra angular. — A pedra que os pedreiros rejeitaram/ tornou-se agora a pedra angular. — Dai graças ao Senhor, porque ele é bom!/ “Eterna é a sua misericórdia!”/ É melhor buscar refúgio no Senhor/ do que pôr no ser humano a esperança;/ é melhor buscar refúgio no Senhor/ do que contar com os poderosos deste mundo! — Dou-vos graças, ó Senhor,

JORNAL SANTUÁRIO DE APARECIDA • 25 de março de 2012

Naquele tempo, disse Jesus: 11“Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida por suas ovelhas. 12 O mercenário, que não é pastor e não é dono das ovelhas, vê o lobo chegar, abandona as ovelhas e foge, e o lobo as ataca e dispersa. 13Pois ele é apenas um mercenário que não se importa com as ovellhas. 14 Eu sou o bom pastor. Conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem, 15 assim como o Pai me conhece e eu conheço o Pai. Eu dou minha vida pelas ovelhas. 16 Tenho ainda outras ovelhas que não são deste redil: também a elas devo conduzir; elas escutarão a minha voz, e

3a

haverá um só rebanho e um só pastor. É por isso que meu Pai me ama, porque dou a minha vida, para depois recebê-la novamente. 18Ninguém tira a minha vida, eu a dou por mim mesmo; tenho poder de entregá-la e tenho poder de recebê-la novamente; esta é a ordem que recebi de meu Pai”. — Palavra da Salvação. — Glória a vós, Senhor! 17

ORAÇÃO DA COMUNIDADE (*) — Pai bondoso, celebrando a vida nova da Páscoa, hoje rezamos pelo chamado vocacional que vós fazeis a todos e cada um de nós, vossos filhos. Dai-nos vós mesmo força para uma resposta generosa. — Senhor, atendei-nos. 1. PARA QUE a Igreja viva sua vocação de ser vosso povo no meio das nações a levar-lhes vosso Evangelho de justiça, de solidariedade e de paz, rezemos. 2. PARA QUE, seguindo a Jesus, nosso Bom Pastor, passemos a vida buscando o bem e a paz, principalmente para os mais necessitados, rezemos. 3. PARA QUE a fidelidade até o fim, vivida por Jesus, encoraje a cada um de nós para uma resposta generosa à vocação e missão que recebemos de vós, rezemos. 4. “NINGUÉM tira a minha vida”: que a ressurreição de Jesus nos garanta que nenhuma violência, nem mesmo a morte nos roube a vida, que é vos seguir com fidelidade até o fim, rezemos. (Intenções próprias da Comunidade.) — Pai bondoso, atendei nossos pedidos e dai-nos acolher a vida nova de esperança, de paz e de solidariedade que vosso Filho ressuscitado conquistou para nós. Pelo mesmo Cristo, Senhor nosso.

LEITURAS DA SEMANA: Segunda: At 11,1-18 / Sl 41 / Jo 10,1-10. Terça: At 11,19-26 / Sl 86 / Jo 10,22-30 ou próprias de S. José: Gn 1,26–2,3 ou Cl 3,1415.17.23-24. Quarta: At 12,24–13,5a/ Sl 66 / Jo 12,44-50. Quinta: Ss. Filipe e Tiago Menor 1Cor 15,1-8 / Sl 18 / Jo 14,6-14. Sexta: At 13,26-33 / Sl 2 / Jo 14,1-6. Sábado: At 13,44-52 / Sl 97 / Jo 14,7-14. Domingo: At 9,26-31 / Sl 21 / 1Jo 3,18-24 / Jo 15,1-8.


#

4a

JORNAL SANTUÁRIO DE APARECIDA • 25 DE março de 2012

LITURGIA

LITURGIA

1a

ano 111 • nº 5.585 • 25 de março DE 2012

JORNAL SANTUÁRIO DE APARECIDA • 1º DE MAIO de 2011

Refletindo a Palavra (Pe. marcelo c. araújo, C.Ss.R.)

A Palavra

As três leituras do dia fazem referência a uma oposição entre o conhecer e o desconhecer. Conhecer comporta uma dimensão de aprendizado e, ao mesmo tempo, de reconhecimento, isto é, a capacidade de identificar aquilo que aparece a nossa frente como algo conhecido. Com efeito, a leitura dos Atos dos Apóstolos fala do desprezo, ou seja, do não reconhecimento como atitude de rejeição, de não aceitação. Essa, segundo 1Jo 3,1-2, é a atitude do mundo, aí identificado como toda realidade que rejeita a revelação de Deus em Jesus Cristo e, consequentemente, nossa adoção filial nele. Contrariando o fechamento humano, a atitude de Deus, manifestada em Jesus, é de conheci-

mento. “O bom pastor conhece suas ovelhas” (Jo 10,11b). Deus se aproxima do ser humano como o amante que dá sua vida pelo ser amado. Em contrapartida, o ser amado identifica, reconhece o amor do amante e nele sente segurança. A relação pastor-ovelha sustenta-se no amor, que gera confiança e, por conseguinte, reconhecimento recíproco. O fato inédito é que a ovelha aqui é também sujeito. Jesus não se impõe à mesma, deixando-a livre para dar sua resposta de amor.

A Comunidade hoje

A relação pastoral dos diversos ministérios entre si e destes com os destinatários da missão eclesial deve ser de confiança e reciprocidade. Evangelizar significa comunicar a vida nova que brota na ressurreição do Senhor. Nenhuma atitude que se impõe ao outro pode ser reconhecida como pastoral, porque ignora a realidade do outro. Jesus salva porque conhece, isto é, ama suas ovelhas como são e nelas gera confiança. Pastoral é relação entre sujeitos que, em Cristo, buscam e encontram as respostas fundamentais para suas vidas.

GENTE SANTA (Pe. Eugênio Antônio Bisinoto, C.Ss.R.)

São Francisco de Paula foi uma grande figura espiritual da Igreja. Viveu na Itália, no século XV e inícios do século XVI. Francisco nasceu em 1416, em Paula, na Calábria, pertencente ao Reino de Nápoles, Itália. Por causa de um voto dos pais, Francisco, aos 13 anos, vestiu o hábito franciscano. Posteriormente, retirou-se para a vida eremita. Francisco tornou-se eremita porque tinha uma sede de íntima comunhão com o Cristo crucificado. Viveu na solidão e entregou-se totalmente a Deus na simplicidade, na austeridade, na oração e na penitência. Em 1452, Francisco fundou a Ordem dos Eremitas de São Francisco de Assis, também chamados

Míninos. Para estabelecer bem a Ordem, prescreveu uma regra cheia de sabedoria evangélica. A Igreja aprovou definitivamente a Ordem dos Mínimos em 1506. Por determinação do Papa Sisto IV, Francisco foi para a França, a fim de assistir o rei Luís e prepará-lo para a morte. Depois do falecimento do rei, assumiu a direção espiritual do filho dele, Carlos VIII, continuando seus serviços também com Luís XII. Francisco passou na França durante 25 anos. Construiu muitos conventos. Francisco morreu aos 2 de abril de 1507, em Plessis-les-Tours, França. Foi canonizado em 1519. Sua festa é comemorada no dia 2 de abril.

Reprodução

São Francisco de Paula

sUPLEMENTO LITÚRGICO-PASTORAL

Arquivo Editora Santuário

O Quarto Domingo de Páscoa é conhecido como o Domingo do Bom Pastor, em função do Evangelho do dia que apresenta Jesus como o verdadeiro Pastor. As primeiras comunidades cristãs, ao usarem tal palavra em relação a Jesus, queriam vê-lo como centro e referência de sua existência, tendo-o como fonte de vida e esperança.


Jornal Santuário de Aparecida [Ed. 5585 - 25 mar 2012]