Page 1

paraná – abr./2016 – ed. viii – ano vi


4 júlia c. hansen

14 vinicius a. do amaral

10 rico

9 victor hugo turezo

Pequena lista de justificativas para produzir um impresso mensal de literatura que não dá lucro (ou pouco) e ainda faz perder amigos:

11 ana rüsche 15 marília garcia

19 jacques fux

16 lilian aquino

18 joana l. hime 17 marcelo wilinski

24 edison veiga 22 victoria b. miranda

expediente

errata

Fundado em setembro de 2010. Editor Daniel Zanella Editor-Assistente Ricardo Pozzo Ombudsman Ben-Hur Demeneck Revisão Sim Projeto Gráfico Também Impressão Gráfica Exceuni Tiragem 3500 Edição finalizada em 4/4/2016.

Adiantamos que a justificativa n. 6 do Editorial desse mês é uma mentira, pois é preciso fazer reuniões, sim (explica-se por que, inclusive, na justificativa n. 10).

Editorial

ilustrações Todas as ilustrações dessa edição são de Luiz Otávio Prendin Costa. <facebook.com/luizotavioprendin> quer ilustrar para o RelevO? escreva para jornalrelevo@gmail.com

1. Integração (um tanto ilusória) a uma certa comunidade cultural que publica, divulga financia e lê o material produzido em seu próprio circuito; 2. Criação de uma certa identidade contrária a respeitar chefes, anunciantes, escritores, editores, vernissages e ideologias. Ninguém é inzoável. Os assinantes, não, os assinantes nós respeitamos muito, contanto que não queiram pressionar nossa linha editorial por interesses menores; 3. Não dar lucro como promessa de outros prazeres, já que somos obrigados (equipe envolvida) a viver de outras coisas, a desrespeitar o próprio jornal, a ridicularizar contemporâneos em páginas centrais e a buscar divertimento nos processos de feitura; 4. Transar; 5. Não precisar preencher planilhas; 6. Não precisar fazer reuniões; 7. Não respeitar ideologias, novamente; 8. Entregar jornal na madrugada aos (poucos) amigos que bebem e perturbam a ordem; 9. Receber boas cartas dos leitores pelas mais diferentes motivações. Receber cartas que falam mal dos textos publicados e repassar imediatamente aos autores; 10. Beber com os integrantes do jornal depois que a edição fica pronta; 11. Desconfiar de quem se julga contemporâneo; 12. Não há maiores justificativas, de fato.


interwebs /jornalrelevo /jornal.relevo /jornalrelevo

@ jornalrelevo@gmail.com

Enclave, a newsletter Enclave é a nossa newsletter quinzenal editada por Mateus Ribeirete, o atleta menos enganado pela linha de impedimento. Em linhas gerais, é uma turnê de força por assuntos ocasionais do meio cultural, com apelo ao hipertexto: em um clique você pode ir de Jota Questa aka Maroon 5 a guerras nucleares (não temos certeza disso). Para assiná-la, basta acessar:

http://jornalrelevo.tumblr.com

prestação de contas mar/15 ANUNCIANTES R$ 50 Loteria Avenida; Avon; Ehlkefarma; Fisk; Joaquim; Torto Bar; Toda Letra; Obscenidade Digital; R$ 100 Editora Penalux; R$ 120 Escola de Escrita (total R$ 620). ASSINANTES R$ 50 Munique Duarte; Daniel Babalin; Alexandre Mussiat; Alanna Ajzental; Guilherme Bucco; Matheus Lara; Adriana Aleixo; Thiago Lisarte; Jeferson Torres; Otto Winck; Giovani Kurz; Rodrigo Madeira; Alisson Morais; Dagmar Spring; Andreia Porto; Stefano Calgaro R$ 100 Alexandre Guarnieri; Consolação Buzelin; Cel Bentin; Paulo Bearzoti Filho (total R$ 1.200). CUSTOS Assinaturas: R$ 350 Distribuição: R$ 150 Papelaria: R$ 100 Impressão: R$ 1.050 Receita total: R$ 1.820 Custo total: R$ 1.650 Balanço: R$ 170

Assine O RelevO nunca foi reconhecido por ser bom na arte de fazer negócios. Por isso, nós dependemos tanto do apoio dos assinantes. O que fazem os assinantes? Por R$ 50 ao ano, recebem os exemplares no conforto de suas humildes residências. E é bem simples: basta enviar um email dizendo: “Como faiz?”. Nós damos as coordenadas e a mágica acontece.

da Enclave #31: LISTA: MELHORES LISTAS DA ENCLAVE, ANO 1

Livro de Cortázar com nome de posição sexual; Relações entre David Bowie e ficção científica; Belos chiliques nacionais; Ex-integrante do Steppenwolf ou ________?; Jogadores de futebol com nome de dramaturgo; Coisas e pessoas que confundimos; Disco do Iron Maiden ou livro de Nicholas Sparks?; Jogadores de futebol com nome de Pokémon; Peculiaridades de Arnold Schwarzenegger; Frase do Augusto Cury ou invenção nossa?; Melhores frases atribuídas a Bob Marley ao digitar ‘frase Bob Marley’ no Google Imagens;

Cartas do Leitor TRETAS NAS CENTRAIS Sandra Andréia: Acabo de receber o RelevO mar/16. Como é inesperado esse momento, imagino qual seria a forma mesma outra, surpreendendome ao recebê-la numa próxima edição antes que minha assinatura se encerre. RelevO edição em braile, penso eu. Ignorante dessa escrita, tanto quanto da linguagem de sinais, e do espaço para o lançamento (ré) das obras do “nazilíder”? – um encarceramento

da linguagem numa manifestação de crítica envergada ao abismo da decifração. É possível pela linguagem (o)cultar o cadáver… Voltando ao braile. Eu, de olhos fechados (receando cegueira, pelo falseamento do ato. Um pecado?), percorreria o O em relev_. Talvez me viesse um sorriso ao pensar que, analfabeta, entendendo nada, a sensação tátil de seu O revelasse a circularidade e a abertura do (respeitável) periódico independente. Afinal, uma edição (de março também) sobre Mulheres da Geração Beat. Adequado encaixe. Aplausos! Não a recebi, mas fui em busca. E no sarau em que se leu, pondo-se em pé tão significativa edição, descubro que Memórias de uma beatnik foi leitura na adolescência. E não me contaram na escola que uma “beat” eram essas mulheres…PS: que alegria que jamais começo pelo meio a leitura para não seguir a manada. Pelo fim é sempre melhor. Na edição de março, em seu centro, ideo-estilisticamente, a merda da avaliação redunda um recalque estético. Quem terá atingido o “alvO”? Intrigas, fofocas, grampos?... Fedeu mesmo! E tapei o nariz. E desconsiderei a perda de tempo de minha leitura. Esquecia-me, ao longo dela, do que se tratava. Era isto. Alexandre Vergueiro: Vocês são muito confiantes em relação à boa literatura mesmo para se colocarem, assim, na condição de dizer o que é e o que não é boa literatura. Precisava mesmo da idiotice das páginas centrais de março? DA REDAÇÃO: Ainda não sabemos, Alexandre. BORUSSIA’S INCIDENT Wesley Bueno: Li a discórdia do leitor Alessandro Tavares na edição de março, logo abaixo do meu comentário. Sim, falamos de gente que acha o futebol europeu o futebol de verdade. Ou vai dizer que bom é esse nosso futebol? DA REDAÇÃO: O Operário de Ponta Grossa caiu, Wesley. Não estamos em condições para responder seu questionamento. É PAU! É PEDRA! Jeverson Nascimento: Excelente o RelevO. Só não entendo por que um

jornal como o RelevO precisa de um Ombudsman. Completamente insignificante e desnecessário. A página perdida com o Ombudsman seria melhor aproveitada com um poema ruim de duas linhas, por exemplo. Abraços.

3

Marco Antonio Santos: Gostei muito do texto do Ben-Hur Demeneck no RelevO de março. Me fez lembrar de como é importante ler gente mais inteligente para aprender a pensar melhor. Marcos Monteiro: Jornalzinho top. Márcia Pfleger: Todas as edições do RelevO são top! JOGA 10 Mateus Senna: AÊ. Fevereiro: melhor edição do RelevO do ano. Tem um texto meu na página 10, número que coincidentemente também me representa nas peladas. Lucas Gomes: Não adianta nada usar a camisa 10 se o futebol é 5. Mateus Senna: Antes de me criticar, conheça minha história Mateus Senna: Antes de me criticar, tente fazer melhor Mateus Senna: Quem critica, quer comprar Lucas Gomes: Piá, para! Sabe que tô fazendo isso só pra aparecer nas cartas do RelevO. Não precisa humilhar. DA REDAÇÃO: Dislike. Ê, MINAS! Joseani Netto: Com muita alegria irei presentear uma amiga que mora em Valparaíso (SP) com uma assinatura desse adorável jornal e o farei também na próxima terça, por motivos astrais. Agradeço a atenção e peço, por favor, não parem!!! Abraços com gostinho de pão de queijo e leitinho tirado hoje cedinho da vaquinha Lisbela.

próxima edição Aborto Elétrico Coletivo de Problematizadores Jogo de Totó Aninha


4

x

júlia de carvalho hansen de alforria blues ou Poemas do Destino do Mar (Chão da Feira, 2013).

O amor gasta ilharga, rumo porque inventa de novo, amor. Suor, fruto rosto nítido paira um ritmo na gruta, silêncio. Mas se o amor gasta temerosos, teus receios e se o amor cria o dia de chegarmos numa praça em que fumo feito o amor desfolhe nicotina amarelando os batentes das portas o outono também pode entrar, amor. Amor pode pôr altifalantes não adianta, não avisam o caminho, a enxurrada. Bicicleta. Mas se bem amadurece água com açúcar, dá papaia e o amor no máximo gasta cáries nos dentes dos miúdos. Sabe bem, alisar demais nunca fez gastar o viço nem dos pelos do gato que te oferto no Natal e em seu salto matutino sobre nossos corpos desconhece o puído da vida. O amor nos lambe áspero constrói-nos olhos, digo para ver pontes o amor

abre as portas. Cria. O imaginário é meu armário. Onde encontro os potes de massa ao redor das pilhas enferrujando na caixa de sapatos junto das fotografias enrolado numa manta o amor, raro. O amor tira o cavalo da naftalina gira e grita grita e guia.


ombudsman

5

Ben-Hur Demeneck 1. OS SATÉLITES Além da edição de março, dois outros objetos voadores foram identificados na órbita do RelevO: a newsletter Enclave, que chega a seu número 31, e o especial “Escritoras da Geração Beat”. Ou seja, a crise criativa passa longe daqui. Sem contar as atividades que surgem por iniciativa ou por inspiração do periódico, como oficinas e saraus. RelevO está deixando de ser um jornal para virar uma “jointventure” que divulga o WikiLeaks.

2. NÚMEROS Em 2016, o jornal publicou 25 páginas de poesia e 14 de literatura em prosa. Comparando com janeiro e fevereiro, a edição de março teve 35% menos poesia e o dobro de anúncios de página inteira. Os gêneros mais estáveis (e os menos presentes) seguem sendo a crítica literária e o humor, que recebem, respectivamente, uma e duas páginas só para eles.

3. OMBUDSMAN BOM Falta fazer uma consulta aos ombudsmen na Suécia, na Noruega e na Dinamarca. Diante do impulso da globalização em transformar tudo em espetáculo, tudo em mercadoria, talvez mesmo por lá ser “representante dos leitores” seja uma causa perdida, seja também considerado algo semelhante a espetar um tridente em colaboradores e concorrentes. Para resumir a recepção da ouvidoria na “República de Curitiba”: a cada coluna que publicamos, alguém pede para pregar nossa cabeça numa estaca.

4. LEITOR CONSUMIDOR? Dando mais um motivo para pedirem minha cabeça: não concordo que assinante cobre uma regularidade típica de grande imprensa para

o RelevO. É quando faço duas perguntas: A edição não chegou até a primeira semana do mês? O conteúdo do jornal lhe decepcionou depois que chegou? Só vejo motivos para o assinante reclamar aos editores quando as duas respostas forem “sim”. Imprensa alternativa já faz muito em circular. Perdão pela franqueza.

5. ISSN, A LENDA Há quem idealize a volta da Colônia Cecília. Há quem fantasie com a utopia medieval do “País de Cocanha”, pintada em tela por Pieter Bruegel. Lá, o vinho jamais terminava, ninguém envelhecia e tudo era de graça – sexo, doces e refeições sem glúten. Eu, entretanto, não tenho tantas ambições. Meu sonho é bem singelo, prático. Ele é quase patético – eu só quero que o RelevO tenha um ISSN! Afinal, se até o Charlie Hebdo tem um código de identificação – logo uma publicação que se arrisca por ignorar as convenções –, por que nós, “os diferentões”, não podemos ter? É só para dizer que somos alternativos ao mundo dos adultos? Que traumas cultivamos contra os bibliotecários e arquivistas para dificultar tanto o seu trabalho? Devido ao fato de eu já ter entrado na fila três vezes para cobrar o ISSN, eu mesmo me disponho a dar entrada na papelada. É só me passarem a procuração – juro que essa será a penúltima vez que vou cobrar.

6. PRECISA-SE DE CRÍTICOS Nós precisamos de você, crítico literário inédito, no RelevO. Para começar, procure estar habilitado para descrever, comparar e interpretar sua leitura. Se você já faz isso, compartilhe conosco seus artigos. Se você souber relacionar publicações ao ambiente cultural em que elas surgem, saia da inércia: o Brasil precisa de você. É sério mesmo.

7. A RECUSA Os desaforos mais típicos contra a redação (comentam os editores) surgem diante do adiamento ou recusa de publicação. Caro e sensato leitor, conte para todos como você reagiria numa situação típica às vésperas da publicação – ter 30 poemas para dividir em 8 páginas e dispor de outros 15 contos para encaixar em 6 páginas? Resolva esse teorema. Você tem um mês para dar a resposta.

8. BARRIL DE PÓLVORA Por ser uma questão delicada, aviso que não estou dando recado a ninguém e nem endossando a crítica originária de setor limitado dos leitores. De um lado, um dos editores explica que desde 2014 o jornal tem forçado a mão para equilibrar a representatividade de mulheres neste tabloide. Ou seja, se um editor tiver de escolher seis poesias para publicar, tenderá a escolher aquelas que considera as três melhores escritas por homens e outras três que sejam assinadas por mulheres. De outro lado, alguns leitores homens têm reclamado com frequência do nível de poesias criadas por mulheres. Alguns deles acrescentam que haviam enviado material, mas acabaram preteridos por conteúdos que julgam menos interessantes. Questões estéticas à parte, que sempre merecem discussão, devemos evitar tentativas de desqualificação de pontos de vista legítimos – e que pode ser o caso. Diante de tais objeções, lançamos duas perguntas: (1) Se as mulheres são mais assíduas na leitura que os homens, segundo indicam as estatísticas de “Retratos da Leitura do Brasil” (Instituto Pró-Livro), por que as leitoras do RelevO não estão se queixando das autoras publicadas? (2) Será que homens ilustrados

(assim como eu) têm problemas em reconhecer que há uma “perspectiva feminina”, igualmente importante tanto quanto é a nossa? Em outras palavras: Seja lá o que signifiquem “perspectiva masculina”, “perspectiva feminina” e “perspectivas etc”, é fato que há nuances entre os gêneros e que cada um deles merece visibilidade.

9. SERVIÇO? A constelação de atividades e de publicações do RelevO favorece a emergência de uma “agenda cultural” que nos conte onde é que o Paraná está mais literário mês a mês. Não seria tal localismo que desacreditaria nosso título de publicação nacional. Pelo contrário, pois todo jornal possui o seu entorno imediato – é claro que ninguém aqui defenderia aquele provincianismo característico dos jornalões paulistanos, onde jornalistas costumam ficar com saudades de São Paulo quando saem do “centro expandido”. Em nosso caso, convenhamos: Curitiba já merece o reconhecimento de metrópole literária – mesmo contra a nossa vontade.

10. FORMA COMO CONTEÚDO Para descomemorar tamanha fragmentação do conhecimento de nossa era digital, também fatiei minhas colaborações em várias lâminas de presunto. Desejo aos convivas uma boa digestão dos frios.

11. A PENÚLTIMA Tal como o boêmio em mesa de bar solicitando sua “penúltima”, anuncio à roda de conversa que escrevo minha “penúltima”. Depois de um ombudsmanato e de sua prorrogação, minhas críticas findam na edição de maio. Depois, o RelevO só terá notícias minhas a partir dos sinais enviados por minha caneleira eletrônica.


Luiz Otávio Prendin Costa Alan Amorim

PRAÇA VICENTE MACHADO, 188, CENTRO ARAUCÁRIA-PR

(41) 3552-5895

CONTATO@KOTTER.COM.BR (41) 3585-5161

(41) 3552-1542

6

R. JOÃO PESSOA, 35 – ARAUCÁRIA/PR

A editora completa 3 anos de atividades, contando com mais de 230 títulos no catálogo – livros publicados em praticamente todo o território nacional (presença autoral em 21 estados, mais o Distrito Federal).


Fábio Tokumoto/Carol Zanelatto

Luiz Otávio Prendin Costa

AVENIDA MANOEL RIBAS, 2532 ARAUCÁRIA PR I (41) 3643-4881

(41) 3031-2357

(41) 9663-7557

APRESENTAÇÃO ARLINDO MAGRÃO E-PARANÁ AM 630 I DOMINGO – 13H

7


8


9

victor hugo turezo do livro inédito ‘minha massa encefálica despenca como se de um desfiladeiro’

meu corpo é uma cordilheira cretina e reacionária duas placas tectônicas que regressam do encontro um avião voando a oitenta mil pés sem o teto a estrutura de um prédio em decomposição um pedaço enorme de terra urrando por reforma agrária crise hídrica nas zonas industriais do peito um pássaro com duas pedras cravadas na asa direita cinco mendigos pedindo esmola na pedro ivo chacina numa tarde de verão na monsenhor celso hecatombe de sóis envelhecidos cardume que se perde dentro duma cachalote um funeral de artistas de rua irène jacob fumando um cigarro em a dupla vida de véronique deleuze sentado discutindo com foucault numa sauna a possibilidade do suicídio na lituânia três tristes tigres devorando guillermo cabrera infante a disposição histórica em destruir amores silenciosos uma fronteira de dez mil quilômetros entre a minha incapacidade de compreender silogismos e a sua maneira de interpretar o existencialismo em kierkegaard.


10

rico

Locação Aluga-se casa na Rua das Camélias, na Campina da Barra. Com 2 quartos, sendo uma suíte, semimobiliada. Exige-se silêncio, sem bagunça, som alto, churrasco, festa, convidados, visitas, sexo barulhento. Sem roupas escandalosas no varal. Tratar: (41) 3642-XXX com Cláudio apenas durante o dia.


11

ana rüsche

lugar-comum 36: maquiagem poema integrante de Furiosa (2016), livro que celebra dez anos de produção poética da autora

poesia se limita a melancolia dominós fatalmente errados reservatório de glitter e monstruosidades alunizando algo entre punk pônei da meia-noite perigótica do meio-dia a porra da pena é minha é de lua, é de sangue meus rostos minha regra um borrão de sol delineia minha sina


12

CLASSIFICADOS RELEVO

Loja de haicais. Na compra de duas estações, o cliente ganha um papagaio que repete apenas os temas dos haicais. Vende-se poemas inéditos, escritos no Largo da Ordem numa noite de luar. Troco por Velho Barreiro. Rehab de escritores experimentalistas. Cada um traz a sua bebida. Troco carro por um escritor não medíocre com vaidade controlada.


13

Procuro editora que revise os livros antes de publicar. MINDSET EMPREENDEDOR: Quem acredita sempre alcança.

Colaboro com jornais que não remuneram seus colaboradores. aceito amor. amor como quem nunca amou. amor que desça suave e reanime. amor. elefantes. trovão. água de coco. escherichia coli.

Este jornal não segue o novo Acordo Ortográfico, pois sequer seguia o antigo. Quem define se limita. Qualquer coisa, a culpa é do revisor.


14

A Dama do Reflexo Pontiagudo ou Introdução a um Thriller Ribeirinho vinicius alves do amaral

Bebida. Conversa. Família. Na verdade, quase toda. Bernardo não sai da Vivenda do Lago. Dilsinho dá a ideia: pique-esconde. Na água, ela completa. Pobre de Rita que desconhece o rio. Mais pobre ainda do irmão que foi levado pelo tronco-jacaré. A lapada da cauda do bicho machucou, mas ela vai sobreviver. Só se sabe quantos dentes tem a boca do rio quando é tarde demais, minha filha. Nem a boneca nova ajudou: o tempo continua desbotado. Bebida. Conversa. Família. Bernardo estranha. Logo quando todos estão reunidos, a prosa fica rasteira? Contam sobre o menino, mas ele fica olhando a prainha. Foi na prainha que ela fez as pazes com o rio. Minha filha, esse aqui é o seu tio sumido. Não fossem os olhos vermelhos, seria apenas mais um. Papai vai ter de substituir o tio Maneco que se machucou. Eu vou para Tefé, mas tio Bernardo vai tomar conta de vocês. No mesmo dia, a mãe guardou um terçado atrás do sofá.

Uma vez por dia ele saía. Voltava com paca e cutia. Tirava a pele da caça no alto do barranco. Dormia na sala e elas no quarto, debaixo o mosquiteiro. Nada de ficar desenhando no chão da sala! Por quê? Sempre fez isso. Vai usar só essas roupas aqui, ouviu? São muito largas. E nem pense em entrar sozinha no mato. No terceiro dia, mãe preparou o peixe. Pai estava para chegar. Meio-dia e nada do barco dele. Rita tirou as roupas do varal e sentiu o convite do rio. Banho antes do almoço não faz mal mesmo. A camiseta molhada esculpe seus contornos de quase-mulher. Ouviu alguma coisa. Uma garça decolou. No alto do barranco, lá estava ele. Sem paca, nem cutia. Só olhos vermelhos. Que momento chato! Retorna para casa. Deita no sofá. Mãe deve estar lá fora estendendo mais roupa no varal. O peixe está cheirando. Mas ele não veio pelo peixe. Pobre de Rita que desconhece seu tio. A vista estava embaçada ainda pela água, mas reconhece aquela

sombra sobre si. Grita o quanto pode. Na luta, um dos pulsos se soltou. Desesperada, a mão encontrou algo. Um reflexo pontiagudo e um gemido abafado. A mãe chega. Não houve uma pergunta sequer. Ela apenas escondeu a lâmina e enxugou o rosto da filha. Com as pedras que pegou pelo caminho, mãe recheou o saco-caixão antes de costurá-lo. A boca do rio comeu os olhos vermelhos. A história podia parar aqui, mas ela continua algum tempo depois numa das muitas ruas mal iluminadas de Manaus. Ela desce do ônibus e segue o caminho para casa. A aula na faculdade não foi muito boa. Os amigos só falam nos assassinatos do último final de semana. A mochila pesa demais: é o “presente” da mãe. Leva sempre, mas não o amola muito. Há alguma movimentação nas sombras. Ei, gatinha, passou da hora do toque de recolher tem que pagar pedágio, em! Pobre do rapaz que desconhece Rita...


15

Plano B

marília garcia

hola, spleen, disse. nos cruzamos em uma lagoa de atol. sentada no banco de trás olhava pelo vidro azul cobalto a 3000 quilômetros do ponto em que o deixara. hola, spleen, disse. você ainda vai me ver três vezes antes do fim. uma linha esconde outra linha, a voz esconde o que préexiste entre os dois. pensava na carta sem remetente em alguma maneira de dizer pensava nas esculturas sonoras (não havia um plano c? para onde seguia) era como descobrir o sulco fechado de um disco e ficar rodando no loop daquela melodia circular. precisa de uma língua que defina isso hola, spleen, disse. mas não falava da latitude no mapa, eram peixes no fundo do oceano com a cartilagem luminosa derretendo nos olhos e a única preocupação quando entrou era o som por detrás da voz dela: saber se está triste há um ano ou há 24 horas. (na volta, passa a colecionar objetos. a vingança começa num aquário: é como furar a realidade com a realidade, ele dizia, ficar no quarto medindo o nível do mar para descobrir onde pôr os peixes)


16

lilian aquino

Um ou mais tempos O teu rosto agridoce é jardim-de-inverno no meu apartamento é bala de canela Na varanda enquanto fuma cigarros de cravo está em pé e cultiva cravos brancos nas pontas dos dedos – para aliviar o hálito desfolha o plástico da bala a bochecha infla com a esfera vermelha – O teu rosto jardineiro madressilva-cacto é onde passeio em dias de sol. pai, meu pão de cada dia eu não como faz tempo mesmo que eu viva a perdoar ofensas, dívidas – é esta talvez a tentação em que caio toda vez.


17

marcelo wilinski

elísio pereira alves filho lembranças de para-brisas para-rachados mortes na curva olho pelo vidro a cada 5 minutos para ver a pista contrária os gastrocnêmios rígidos a sola pressionando o solo petrolífero e olho novamente e se algum distraído se distrai e perde o controle homicídio culposo e, como uma luz divina a placa no alto avisa pedágio a 1km relaxa a musculatura solta o trapézio um alívio tirou das costas um mundo um mastodonte um pneu de caminhão é curitiba no horizonte


18

moletom (uma despedida) joana leuenroth hime na mala arrumada a memória do nome agasalha o retrato um moletom entardecido aconchega-se árido nas lãs moles talhadas cujas gravuras adormecem crispadas do tempo a manhã acolchoada alinha os fios fugidos do tecido ido escapulindo o doce ardil do escuro dia uma camiseta esquecida desabotoa as sobras dos verões arrepiados de frios recobrindo mãos que outrora aqueciam invernos das vilezas que cobrem o manto da vila dos amados uma manta aperta delicadamente os espaços da mala puída removendo passados afogados de hoje um carinho anoitecido acasala o casario da dor pequenices amortecem esses velhos montinhos novinha em folha verde deu uma volta em cada nota que mais parecia uma anedota talvez nunca existiu e seu melhor se esvaiu deitando-se num solo vazio


19

Tentativa de esgotamento do motivo das brochadas masculinas

Mau hálito; chulé; perfume; fedor na xoxota; fedor no bumbum; seios murchos; seios caolhos; bunda murcha; bunda flácida; bunda caída; bunda grande demais; excesso de pentelhos; pouco pentelho; cabelo debaixo do braço; cabelo no bico do peito; excesso de álcool; ansiedade; obrigação; pensar na mãe; pensar na ex; amadorismo; demorar para achar a camisinha; mulher que fala “não” para tudo; mulher que não quer te chupar; excesso de trabalho; amor demais; já ter transado com a mesma mulher muitas vezes; já ter transado com a mesma mulher muitas vezes no mesmo dia; ouvir a música que ouvia com a ex; pinto esfolado; mulher que não

sabe chupar direito; mulher que te bate demais; mulher que te arranha demais; trair a mulher que ama; camisinha apertada; ter se masturbado antes; dor de barriga; quando apaixonado, a primeira vez com a mulher; a primeira vez com alguma mulher; preliminares demais; ter brochado antes com a mesma mulher; ter brochado antes com outra mulher; mulher importante demais; mulher mandona demais; mulher que ganha mais dinheiro que o homem; mulher menstruada; dar um apelido ao pênis que o homem não gosta; quando descobre que a mulher é virgem e ele só queria dar uma rapidinha; arrependimento; melancolia; depressão; tudo isso junto.

Tentativa de esgotamento do motivo das brochadas femininas

Mau hálito; fedor; pinto fedido; chulé; pinto pequeno demais; pinto grande demais; pinto meia bomba; muito pentelho; pouco cabelo; muito cabelo; carência; estupidez; carinho demais; zelo demais; falta de criatividade; desconhecimento do corpo feminino; egoísmo; narcisismo; não ligar no dia seguinte; sentir perfume de outra; ser chamada por outro nome; homem que não quer te beijar depois de feito sexo oral nele; homem que não faz sexo oral; homem que esquece totalmente dos seios; erros de português nas mensagens; cueca furada; dar apelido à vagina; homem que dispara a rir no meio do sexo; homem que dispara a chorar no meio do sexo; homem que troca toda hora de posição; cueca com

‘freio’; cueca relaxada; homem que não te envolve sentimentalmente; homem que fica se olhando demais no espelho; beijinho sem volúpia; falar da mãe; falar da ex; homem que solta pum na hora; homem que fala igual a neném; homem que chama de puta, putinha, vadia; homem que não xinga; homem que bate forte demais; homem que não bate; excesso de cuidado; ouvir choro do seu filho; filho batendo na porta; homem gozar na cara; homem que goza, levanta e vai embora; muita perversão; pouca perversão; homem que goza rápido demais; homem que demora demais; homem que só fala de outras mulheres; homem muito insistente; machismo; ficar insistindo para tirar foto e filmar; nada disso.

Eu

Antes de tudo, tenho que fazer uma confissão: nunca brochei. (Nem eu nem o famigerado Ziraldo!) Nunquinha! Mas uma retificação, infelizmente, deve ser feita: eu nunca brochei comigo mesmo. Sim. Claro. Eu, vivendo o rico imaginário das minhas coleções de imagens, sonhos, desejos e idealizações fantásticas nunca deixei de dar no couro apenas virtualmente falando. Assim, diante de musas (nem sempre tão belas), exposto a

cheiros (de que tanto temos lutado para nos livrar), alcoolizado, ansioso, alucinado, vendo neuroticamente minha mãe me censurando, idealizando um amor inter, sanguis, urinas et faeces, e também por outras loucuras mais tenho muito orgulho em admitir que sim, já brochei. Foram várias vezes! E me lembro de todas. Sigo vivendo a angústia dessa sensação dúbia do desejo da conquista e do medo do fracasso.

jacques fux trecho de Brochadas (Ed. Rocco, 2016)


20

A fusão na ladeira do Operários DUB da redação

O vocalista PH Soares, de 25 anos, é enfático: “A nossa música é diferente”. Um samba do crioulo doido na periferia, o Operários DUB tem uma linguagem rápida, sem fronteiras, do rap ao pop, do surfe rock ao funk, do reggae ao baião, tudo numa pegada só: “Fugimos da tendência ao uniforme”, define. A banda, surgida em novembro de 2013, passou a ter esse nome a partir de um dia em que Cleverson Antoniacomi, o Possa, antigo baterista da banda, chegou a um ensaio com um capacete de operário. De fato, a musicalidade do grupo impressiona pela linguagem vigorosa, de subúrbio, como em “Sua Prece”. Ela é capaz também de transitar por um certo ar litorâneo sem abdicar de um tom mais crítico, quase universalista. “Nós agradamos a mãe e o filho”, completa Soares. Atualmente, o Operários DUB é formado por Dyan Lohan (guitarra e backvocal), Teklaus (teclado), Fabio Farina (contrabaixo), Welton do Amaral (guitarra e backvocal), Christian Becker (bateria), e Paulo Henrique Soares (vocalista). Para Welton, 23, o som produzido pela banda transmite um sentimento de honestidade musical. “Quem ouve uma música nossa já consegue sacar a nossa vibe: é energia, é contagiante, é fazer o público sentir que ali, em cima do palco, estamos entregando tudo o que conseguimos em matéria de musicalidade”.

Todos os membros da banda compõem e colocam para ensaiar ideias que remetem a um mundo definido pelos integrantes como vibe positiva. Dyan, 22, reconhece, contudo, as dificuldades de solidificar carreira com música própria. “É muito complicado viver de música autoral. A cidade ainda é muito fechada e a galera ainda vai atrás do que vem de São Paulo e Rio de Janeiro. Por outro lado, há quem aposte nos novos artistas, como o Bardo Tatára, com sua Segunda Autoral, e patrocinadores como a Cobra D’Água, ambos essenciais para conseguirmos nos estruturar. O público, geralmente muito crítico, também serve como parâmetro, treino, bagagem”, avalia. Apresentando-se regularmente na Segunda Autoral do Bardo Tatára, a Operários DUB tem planejamento para lançar seu primeiro disco em meados de abril de 2016. Soares acredita que, quanto mais espaços se propuserem a experimentar música própria de qualidade, mais a música curitibana se fortalece e se torna propícia ao surgimento de bons trabalhos. “A Segunda Autoral, por exemplo, é uma escola pra gente, onde tudo o que somos começou. A partir dali, conseguimos conhecer muitos músicos, desenvolver relações de trabalho. Conhecemos nosso atual empresário por lá”, enfatiza. Em abril, a banda também lançará dois vídeos.

<facebook.com/OperáriosDUB-1467927783449236> <soundcloud.com/oper-rios-dub> <operariosdub@gmail.com> Assista ao clipe da música Sua Prece: <youtube.com/watch?v=XA2P1lPiHG4> Divulgação


21

A psicotropia acústica de Ni Salles e Rafael Mello

Divulgação

oficialmente) no antigo Original Bar, na Westphalen. “Foi lá onde entendi como funciona a vida de músico. Cantar é mais do que simplesmente dizer uma sequência de palavras. É interpretação, é coração”, diz. Ni Salles começou a se apresentar mais regularmente nos bares de Curitiba a partir de 2011. A compositora tem mais de 70 músicas registradas, algumas já integrantes do imaginário musical da Segunda Autoral, onde se apresenta regularmente, como “Anfetaminada” e “De Pernas pro Ar”, sempre ao lado de Rafael Mello. No projeto idealizado pelo músico e compositor João Gilberto Tatára, proprietário do Bardo Tatára, no Água Verde, ela

interpreta canções marcadas pelo rock, blues e MPB. “Reparo que aparece a palavra louca em diversas das minhas composições, assim como algumas temáticas relacionadas à alucinação”, diz a cantora. O curitibano Rafael Mello, seu companheiro de palco e de vida, começou a carreira tocando guitarra, há dez anos. Antes, uma pequena passagem pelo violão. “Fiz apenas três meses de aula, partindo, depois, para o autodidatismo mesmo”, afirma. A parceria entre Ni e Rafael se consolidou no Bardo Tatára, no fim de 2011. No repertório da dupla, Amy Winehouse, CCR, The Beatles, Rita Lee, Janis Joplin, Raul Seixas, The Doors, Queen e Elis Regina. “O Tatára foi fundamental. Ele é como um segundo pai, importantíssimo no processo de consolidação do nosso trabalho. Ele é uma espécie de psicólogo, mentor, nos dá segurança e, principalmente, espaço para desenvolvermos nossa música”, alega Rafael. Para músicos com carreira em desenvolvimento, a música autoral é turnê de força. “Estamos, aos poucos, consolidando uma agenda e aprendendo como caminhar no circuito. No começo, quando estávamos ‘abrindo’ lugares, tocar três horas seguidas era difícil. Atualmente, contamos com algumas vantagens, como já ter tocado em lugares mais prestigiados, o tempo de afinidade da parceria e ter recebido muitos

feedbacks positivos. Isso vai facilitando a entrada em novos locais e possibilitando, aos poucos, viver de música“, define Mello. O último projeto da dupla é o Bela Coragem, parceria com o escritor Felipe Belão, autor de “No Lugar do Meu Pai, Eu". O projeto reúne músicos de diferentes vertentes para tocar rock, principalmente Led Zeppelin, com elementos da música brasileira. Além de Ni e Rafael, o grupo também conta com Vinícius Vianna (baixo) e Shardie Casagrande (bateria). A primeira apresentação aconteceu em 11 de março, no Auditório Brasílio Itiberê, em Curitiba. O espetáculo, dividido em dois atos, contou com a participação de Tatára. “Curitiba tem muito espaço para a música autoral de qualidade. É pegar Divulgação

Nascida em Francisco Beltrão, Ni Salles começou a cantar no coral da pré-escola do Colégio Adventista do Boqueirão, em Curitiba, onde passou a morar a partir de um ano. Também estudou no Colégio da Polícia Militar, fazendo participações no coral do CPMPR e nas solenidades da PM e do Corpo de Bombeiros. “Eu cantei todos os hinos, da Bandeira à República”. Já aos 14 anos, se apresentava (não

da redação

o carro e o violão, ir de bar em bar, apresentar o próprio trabalho”, completa Ni. Em abril, a dupla se apresentará 17 vezes.

<facebook.com/nisalles> <facebook.com/rafael.mello> <soundcloud.com/ni-salles> <youtube.com/user/niisalles>


22

A Leprosa victoria baldani miranda

A pele se solta e cai Como os lenços das damas de outrora: Ninguém a apanha. Meus pés, carne de sol esburacada Erupção, e meus pulsos, pétalas de papier-maché Voando pela brisa de Hiroshima. -- A guerra acabou e nós vencemos, disse a criança. Nós vencemos? (A guerra nunca acaba na fronteira) E eu, feita pra vencer. Prodígio recolhida à quarentena nervos expostos, elétrica, eu me arrasto. Te suplico uma moeda faixas me envolvem, braços de amantes Da silhueta vazia Corroída pelo bacilo eu te enojo? E quando o Homem chama deixo a caverna Pois amei e odiei em carne viva.


cinerário

Mortes nas letras Ademir Demarchi Ao que tudo indica, o Paraná, que sempre esteve para o crime próprio das lutas de classes, de lutas por propriedade de terra e sanguinolências urbanas, dadas suas características, agora está para o relato policial, fazendo mais barulho que gralha azul. Um exemplo deles é O Trovador, de Rodrigo Garcia Lopes, inspirado na formação de Londrina, escrito com rigor e pesquisa histórica e ambicionando ser muito mais que um romance policial, sendo leitura obrigatória, mas que comentarei em outra ocasião. Interessa-me, neste momento, O assassino que mutilava Leminski, romance leve, ambientado em Curitiba, escrito por Anísio Homem, que, por ser menos ambicioso que aquele, tem um tom brincalhão, a começar pelo jogo feito com a poesia de Leminski. Anísio cria um detetive de origem polonesa, repórter aposentado e amante de romances policiais que ecoa todos os detetives dos conhecidos romances de crime que infestam as prateleiras das livrarias. Seu modelo preferido, porém, é o inspetor Montalbano, criado pelo italiano Andrea Camilleri, que é um “bon vivant” na Sicília, mais preocupado com os quitutes de peixes e frutos do mar que possa devorar que com os numerosos cadáveres produzidos pela máfia. Assim, o ora nascituro detetive paranaense Igor Makoviec procura ser um Montalbano dos pinheirais e alterna idas aos restaurantes típicos do submundo curitibano com investigações estapafúrdias, mais engraçadas que críveis. Uma das evidências em duas cenas de crime, a apontar o assassino, são marcas iguais de pneus de motocicleta. Seria crível se estivéssemos lá na Londrina de Garcia Lopes, pisando chão de terra, porém, estamos em plena cidade recoberta de asfalto, daí a acreditar que possamos distinguir alguma marca de pneu nesses asfaltos,

somente fazendo um pacto com a ficção. E é aí que reside a graça desse detetive que tem tudo para ser um trapalhão, como se comprova ao se meter com o assassino num ambiente completamente propício para ser morto, como o Bosque Polonês. Tal como em Camilleri, ainda que os crimes sejam desvendados, isso é o que menos importa, pois falam mais alto personagens, lugares, conversas fiadas em busca de pistas, relacionamentos e até um bicho de estimação, como também em Edgar Allan Poe. Ele, como escritor, assim como o conto policial, surgiram com a constituição mesma do capitalismo, com a formação das cidades e seus grandes aglomerados urbanos em que os homens se confundem na multidão, praticam crimes e tentam se safar da culpabilização tentada pela sociedade. Havendo crime, logo haverá investigador, jornalista e uma gama de curiosos. Poe é, aliás, inspirador de outra novela de Anísio, O homem que não podia se mover, que tematiza justamente como funciona esse sistema capitalista pródigo em produzir cadáveres. Nela, o homem imóvel é o presidente norte-americano, transformado numa espécie de múmia para que o jogo financeiro se dê a contento, como uma banca de cassino. Poe entra com o relato Os crimes da Rua Morgue, por sua clássica descrição sobre como se comportam os jogadores de poker, transposto por Anísio para a economia mundial, vista como banca de jogo ordenada não pela política, mas pela irracionalidade, essa mesma que produz cadáveres e gera detetives e escritores de novelas policiais. Por isso, é certo que Makoviec em breve voltará em nova estória, como constância desse gênero e da sociedade de ficar produzindo assassinos e crimes que nós querermos saber quem foi e como se deu.

terra incógnita

23

Belle Époque – Celso Borges e a brevidade pictórica Daniel Osiecki

Quando iniciei esta coluna, em 2013, tinha o objetivo de resenhar escritores curitibanos que não fossem tão reconhecidos pela grande mídia. Por isso, Terra Incógnita. Porém, aos poucos fui abrangendo meu corpus de pesquisa para escritores igualmente não canônicos de outras paragens, desde São Luís do Maranhão a Portugal; do interior de Minas a Maputo. Meu primeiro contato com um escritor maranhense se deu no Ensino Médio, quando li (escondido!) o Poema Sujo, do Ferreira Gullar. Que revelação naquele momento. Depois Aluísio Azevedo, o grande poeta José Chagas, Bandeira Tribuzi, até o Sarney (coisa da qual não me orgulho!). Mais recentemente, tive contato, através do grande amigo e doutorando em filosofia pela UFPR, Anderson Bogéa (natural de São Luís), com alguns poetas do grupo Pitomba, revista literária de uma relevância ímpar e também selo editorial. Numa das viagens de Anderson a São Luís, ele me perguntou se queria algo de sua terra natal. Disse para trazer algo típico de lá. Me trouxe uma lata de Guaraná Jesus e um exemplar da revista homônima, um belo exemplar com poemas, contos e colagens ao estilo de um Valêncio Xavier. Destaco três autores: Bruno Azevêdo, Reuben da Cunha Rocha e Celso Borges. Todos têm seus trabalhos próprios publicados separadamente. Bruno Azevêdo tem um belo livro intitulado O monstro Souza, Reuben da Cunha Rocha – seu pseudônimo é Cavalodada – publicou +Realidades

Q canais de TV, e Celso Borges é prolífico na poesia e na música. Celso Borges nasceu em São Luís. É autor de obras de poesia, entre eles os livros CD XXI (2000), Música (2006) e Belle Époque (2010), com participação de mais de 50 poetas e compositores de várias cidades brasileiras. Tem parceria com Zeca Baleiro, Fagner, Chico César, Nosly, Gerson da Conceição, entre outros. Publicou a peça Rimbaudemonio: traições, colagens e iluminações no inferno (2014). Belle Époque segue as características experimentais dos trabalhos que Borges desenvolve na Revista Pitomba, ou seja, nada de versos tradicionais, retos, caretas. Nota-se um cuidado especial com a imagem durante todo o livro. Seu formato remete àqueles álbuns de vernissage. Em seus versos, aliados a cores, ora fortes, ora obscuras, há claras alusões à desumanização, à banalização da violência, da sexualidade e tabus cotidianos há muito arraigados na sociedade. O livro, ao mesmo tempo em que é bastante denso de ideias, é pictórico, e isso já se evidencia nas primeiras páginas, no próprio prefácio (prefácionão) de Reuben da Cunha Rocha. Certos poemas flertam com os barrocos, alguns com os concretistas, outros com os poetas da Geração de 45. Determinados poemas se aproximam muito do estilo de Leminski ao se autoanularem como forma tradicional e se aproximarem do texto publicitário. O leitor deve permanecer atento durante toda leitura, e mesmo assim, uma leitura nunca é suficiente.


24

edison veiga

Receita poema integrante de O Titereiro (Patuá, 2014)

Extrair da dobra o nada da obra o cada do cadarço o ranço. Depois perder tudo. Perder-se agulha na palha cachorro louco caminhão. Depois prender tudo. Com um clipe especial tamanho GG prender: caminhão dobra cadarço cada obra nada ranço louco palha agulha cão. Prender-se a chaves, muitas.

Profile for Jornal RelevO

RelevO - Abril de 2016  

Edição de abril de 2016 do RelevO, impresso mensal de literatura editado em Curitiba desde 2010.

RelevO - Abril de 2016  

Edição de abril de 2016 do RelevO, impresso mensal de literatura editado em Curitiba desde 2010.

Advertisement