Page 1

PUB

praçapública RUA ANTERO DE QUENTAL, Nº 17 - 3880-146 OVAR

PUB

QUARTA-FEIRA, 27 DE MARÇO DE 2013 . 0,80€. ANO 13 . Nº 630 QUINZENÁRIO DO CONCELHO DE OVAR . Diretora: SOFIA STOFFEL

Apostador de São João de Ovar ganhou 10 mil euros na raspadinha

Pág. 10

POLÍTICA

Concelhia do PCP de Ovar assinala 92º aniversário do partido Pág. 11

Pág. 2

TERRA-A-TERRA

Ciência Viva chega a 800 alunos do concelho de Ovar Pág. 6

TERRA-A-TERRA

II Rastreio de Retinopatia Diabética com objetivo cumprido Pág. 9

PUB

Comissão de trabalhadores rejeita transferência do Hospital de Ovar para a alçada da Misericórdia

PUB

POLÍTICA

Cães e gatos envenenados na via pública

Págs. 2 e 3

Salários em atraso colocam mais 21 Pág. 2 trabalhadores da Fapral para o desemprego Publicidade Publicidade


2

praçapública

DESTAQUE

Quarta-feira, 27 de março de 2013

SÃO JOÃO DE OVAR

AUTARQUIA ENVIOU CASO PARA A GNR

Ganhou 10 mil euros na raspadinha

Cães e gatos envenena

DR

DINIS AMARAL DINISAMARAL@PRACAPUBLICA.COM

Inácio Barros, o proprietário do estabelecimento comercial onde saíu o prémio

Um apostador anónimo, natural de São João de Ovar mas a residir em Arada, ganhou, na última semana, 10 mil euros na raspadinha. A raspadinha “Ano da Serpente” dos jogos da Santa

Casa foi adquirida no passado dia 19, no Mini Mercado Glorinha, em São João de Ovar, e o destaque vai para o facto de esta ter sido a primeira raspadinha a nível nacional a atribuir o maior

prémio da série. O PRAÇA PÚBLICA sabe que o feliz contemplado apostou os cinco euros que lhe tinham saído na raspadinha anterior, onde terá investido apenas um euro.

OVAR

DR

Fapral: mais 21 trabalhadores no desemprego

Pode chegar a uma dezena o número de animais que, desde o início do ano, têm vindo a morrer, no centro da cidade, por envenenamento, “de forma lenta e dolorosa, e que acaba por provocar doenças graves e por rebentar os órgãos internos dos animais”. As denúncias partiram de um casal morador na Rua Jorge Barradas, na zona do Bairro da antiga Cadeia, que garantiu ao PRAÇA PÚBLICA tratar-se de um caso que teve os primeiros desenvolvimentos no início de janeiro, quando “de repente, começaram a desaparecer cães e gatos que andavam pelo bairro”. A moradora contou que “na época, existiam na zona do bairro cinco gatinhos pequeninos e que as pessoas começaram a dar-lhes de comer”, contudo, foi “pelos Reis apareceram os primeiros dois animais mortos debaixo de carros estacionados”. A moradora afirma que “os gatos estavam com o ânus e as pupilas dilatados, que é um sinal claro de envenenamento” e que desde

essa altura lá em casa ficaram “todos alerta”, tendo recolhido “os restantes três animais para casa”. Contudo, diz a moradora, “poucas semanas depois um deles ficou muito doente, com uma série de problemas e, apesar da ida ao veterinário, acabou por morrer”. O casal afirma que pouco tempo depois foi contactado “por um veterinário que nos alertou para mais dez casos registados, de animais daquela zona, com o mesmo tipo de sintomas, desta vez incluindo cães”. A situação agravou-se desde essa data “altura em que começaram a aparecer mais animais mortos, pensamos que, por envenenamento”. O casal diz que as suspeitas “aumentaram há uma ou duas semanas”, depois de verificarem “a existência de dois pedaços de carne, colocados estrategicamente em dois sítios do bairro, onde não é usual vermos as pessoas deixar-lhes alimentos”. Curioso, dizem ainda, “foi ainda o facto de ao lado destes pedaços de carne, termos visto um rato já moribundo”. Os autores da denúncia ao nosso jornal destacam que “para além de pensar no que

A empresa situa-se na EN109, em São João de Ovar FERNANDO SOUTEIRO

21 trabalhadores da Fapral decidiram rescindir os respetivos contratos de trabalho, em virtude de já não receberem o ordenado a que tinham direito desde o passado mês de novembro, bem como os Subsídios de Férias e de Natal do ano transato,

com o objetivo de acederem ao Subsídio de Desemprego. Como revelou ao PRAÇA PÚBLICA um destes funcionários, que solicitou o anonimato, “o patrão dizia constantemente que as coisas iam melhorar” e que, “mesmo quando assinou as rescisões de trabalho chegou a afirmar que estávamos a fa-

zer mal”. O PRAÇA PÚBLICA sabe que uma parte dos funcionários já procedeu à requisição do subsídio junto da Segurança Social. O PRAÇA PÚBLICA tentou contactar a administração da empresa até ao fecho desta edição, mas sem sucesso.

Os autores da denúncia ao nosso jornal destaca m que destacam “para além de pensar no que estão a fazer aos animais”, preocupa-os “o facto de estes alimentos, supostamente en ve nenados, enve venenados, estarem a ser dei xados em deixados locais onde passea mos os passeamos nossos animais e onde brincam crianças que, por qual quer motivo, podem qualquer tocar nesses alimentos”. Por esse motivo, frisam “pensa mos que a saúde “pensamos pública no nosso bairro está ameaçada”

estão a fazer aos animais”, preocupa-os “o facto de estes alimentos, supostamente envenenados, estarem a ser deixados em locais onde passeamos os nossos animais e onde brincam crianças que, por qualquer motivo, podem tocar nesses alimentos”. Por esse motivo, frisam “pensamos que a saúde pública no nosso bairro está ameaçada”. O morador referiu ainda que têm “vindo a alertar as pessoas e entidades como a APADO, com o objetivo de divulgar o que está a acontecer”, e os veterinários que consultaram “disseram que pode estar a ser usado um tipo de veneno que só produz efeitos semanas depois, de forma lenta e dolorosa, e que acaba por provocar doenças graves e por rebentar os órgãos internos dos animais”. O casal afirma desconhecer quem anda a cometer “estes crimes”, mas adianta que “no bairro as opiniões das pessoas apontam quase todas no sentido do mesmo suspeito”.

Partido pelos Animais e pela Natureza diz que Ovar é um território dramático O Conselho Local de Aveiro do PAN – Partido pelos Animais e pela Natureza reagiu às notícias divulgadas nas redes sociais e emitiu um comunicado onde manifesta “o total repúdio e indignação” pelos acontecimentos que classifica de “vergonhosos”. O PAN assegura que estes “atos de barbárie” contra os animais são próprios de “países de terceiro mundo”, e acusa Ovar de ser um município “reincidente neste tipo de ações, sendo porventura um dos mais dramáticos territórios do país em termos de abandonos e maus tratos a animais domésticos”. Os dirigentes do PAN afirmam que “esse estatuto advém da inércia irresponsável dos seus órgãos de poder autárquico e da Guarda Nacional Republicana”, que “nunca acionam os mecanismos legais que têm


praçapública

DESTAQUE

Quarta-feira, 27 de março de 2013

3

dos em vários pontos da cidade DR

à sua disposição”, acusam.

Autarquia diz tratarse de “um caso de polícia” Em resposta às acusações feitas pelo PAN – Partido pelos Animais e pela Natureza, José Américo, vereador da Câmara Municipal de Ovar, afirmou que a autarquia “fez tudo o que lhe competia”. O autarca adiantou que “assim que teve conhecimento do que estava a acontecer, comunicou à GNR” por se tratar “de um caso de polícia”, e destacou ainda não compreender “por que razão o PAN quis responsabilizar a Câmara Municipal por atos loucos de autênticos assassinos”.

Queixas chegaram à APADO

As denúncias apontam para casos na Rua Jorge Barradas, na zona do Bairro da antiga Cadeia de Ovar

Contactada pelo nosso jornal, a presidente da Associação Protectora dos Animais Domésticos de Ovar (APADO) revelou ter conhecimento “de alguns casos que ocorreram em Ovar”. Num deles, que aconteceu à três semanas, referiu Irene Malheiro, “tratou-se da morte de dois cães, sendo um de grande porte, que morreram durante um passeio com o seu dono”. Os animais “terão ingerido alimentos envenenados durante o passeio” e acabaram por “morrer de forma fulminante, às mãos do seu dono”, disse. Nos últimos dias outro caso chegou ao conhecimento da APADO. Tratou-se de “mais uma morte de um animal, por envenenamento”. A queixa chegou à associação através de uma sócia, que viveu “pessoalmente o drama de perder uma cadela”, ao que tudo indica, “pelos mesmos motivos”. Irene Malheiro diz que a APADO está a usar as redes sociais “para sensibilizar a população”, e alerta para “a gravidade da situação”, aconselhando as pessoas a “terem muitos cuidados com os animais, enquanto os passeiam”, nomeadamente no

que diz respeito “ao cuidado que as pessoas devem ter, por exemplo, com o que os animais cheiram ou tocam durante os passeios”. A presidente da APADO refere não saber “quem pode andar a fazer uma coisa destas”, e salienta que este “será mais um caso que se vai ficar pelas perdas dos animais”.

Irene Malheiro diz que a AP ADO APADO está a usar as re des sociais redes “para sensibilizar a população”, e alerta para “a gravidade da situação”, acon selhando aconselhando as pessoas a “te rem muitos “terem cuidados com os animais, enquanto os pas seiam”, passeiam”, nomeadamente no que diz respeito “ao cuidado que as pessoas devem ter ter,, por exemplo, com o que os ani mais animais cheiram ou tocam du rante os durante passeios”.


4

praçapública

TERRA-A-TERRA

Quarta-feira, 27 de março de 2013

CAPELA DO PRETÓRIO NA IGREJA MATRIZ DE OVAR

O artista, Marcos Muge e o pároco de Ovar, Manuel Pires Bastos DINIS AMARAL DINISAMARAL@PRACAPUBLICA.COM

A Tribuna do Senhor

dos Passos, na Capela do Pretório, está a ser alvo de uma profunda intervenção de restauro, nomeadamente a pare-

FESTA SÃO LÁZARO

DR

Uma tradição que se mantém, mesmo em tempos difíceis

A festa contou com a presenças de muitos romeiros FERNANDO SOUTEIRO

Tal como é tradição, teve lugar no Largo do Calvário, a festa em honra de São Lázaro que, à semelhança dos anos anteriores juntou largas centenas de pessoas. Da parte da manhã foi celebrada uma missa e o respetivo sermão, seguindo-se a procissão, que foi acompanhada pela banda de música de Arrifana e pela fanfarra dos Bombeiros Voluntários de Ovar. O agrupamento musical “Nelly Correia”, fundado em 1971, brindou os presentes com uma tarde de música alegre e bem mexida, para contrastar com o frio que se

fazia sentir. Algumas pessoas aproveitaram para dar um pezinho de dança, ao ritmo de temas deste conjunto do concelho de Santa Maria da Feira, como “Oiça lá ó senhor vinho”, “Solidão” e de muitos outros sucessos. Registe-se que alguns elementos do conjunto “Nelly Correia” residem na freguesia de Arada, o que despertou ainda uma maior curiosidade, especialmente por parte dos aradenses. De salientar que estiveram presentes nestas festividades, pessoas oriundas de Ovar, Válega, Maceda, Espargo, Mosteirô, Avanca, São João de Ver e de outras localidades.

de onde foi descoberto um fresco datado de 1727, bem como toda a abóbada de madeira com talha e folha de ouro. A intervenção, que está a cargo do artista Marcos Muge, há cerca de um ano, tem passado pelo “tratamento, desinfestação e recuperação” das obras, sempre “de acordo com as técnicas clássicas praticadas nos séculos XVII e XVIII”, como destacou o artista. Marcos Muge salientou aoPRAÇA PÚBLICA que esta intervenção se tem revestido de grande interesse e que têm sido encontrados “dados novos, de grande valor”, como foi o caso da descoberta “do fresco, datado de 1727”, bem como “das rubricas dos três filhos de German Iglésias, datadas de 1943”, altura em que o artista espanhol esteve em Ovar a realizar uma grande campanha de restauro das Capelas dos Passos. O Percurso Turístico dos Passos tem-se afirmado, de facto, um dos principais atrativos turísticos da cidade. Como destacou o pároco de Ovar, “a Igreja e os Passos de Ovar fazem parte da rede museológica” e, nesse sentido “têm necessidade de abrir as portas destes locais aos turistas e a todas as pessoas que visitam Ovar”, disse Manuel Pires Bastos. Por isso, “estes locais têm de ter um mínimo de qualidade para poderem ser visitados”, referiu.

SALA DE EXPOSIÇÕES PODE

DR

O pároco de Ovar destacou que “em virtude das capelas estarem um pouco deterioradas se tornou necessário fazer alguma coisa”, e que foi Marcos Muge, “que sempre se mostrou interessado em que os Passos se apresentassem de uma maneira perfeita”, quem, como perito em restauros, foi olhando e percebendo que haviam muitas coisas que ele podia melhorar”, referiu Manuel Pires Bastos. Embora o artista esteja focado na intervenção na Capela do Pretório, o pároco de Ovar salientou que ele “tem vindo a efetuar outras pequenas intervenções, noutras capelas”, contudo “apenas se avança naquilo que é possível fazer, com o mínimo de gastos”, advertiu. Manuel Pires Bastos destacou que “já se viu também que há necessidade absoluta de intervir em outras capelas”, mas alertou para o facto da Igreja “não ter capacidades monetárias para fazer tudo”. Nesse sentido, o pároco de Ovar disse “continuar à espera que as entidades locais”, nomeadamente a Câmara Municipal, os “ajudem a encontrar uma solução, para que as coisas se apresentem, dentro de algum tempo, mais perfeitas”, para que os visitantes levem de Ovar “a perceção positiva de que na nossa terra se estima e preza os valores que existem”, lembrando ainda que “os nossos Passos são, praticamente, únicos no país”.

Ao fundo, em cima, a data 1727 a descoberto

NASCER NA TORRE NORTE DA IGREJA Outros dos objetivos que Manuel Pires Bastos gostaria de ver concretizado é a obtenção de uma sala de exposições. O pároco de Ovar relembrou que a Igreja e os Passos pertencem à Rede Museológica de Ovar motivo pelo qual disse justificarse “a existência de uma sala de exposição”, que está a ser programada para “a torre da Igreja, do lado norte”, onde se poderão “colocar as obras que, de alguma forma, se en-

DR

DR

Restauro da tribuna do Senhor dos Passos coloca a nú fresco datado de 1727

As rubricas dos filhos do espanhol German Iglésias

contram agora dispersas em vários sítios”, disse. Manuel Pires Bastos apelou, por isso, “à participação voluntária das pessoas”, a quem solicita ajuda para que se torne possível “reconstruir essas mesmas obras, para concretizar esta campanha”. O pároco lembrou que “já foram encontradas muitas coisas novas durante estas obras” e que as mesmas “merecem a nossa atenção”. Por isso, disse Manuel Pires Bastos, “para esta campanha, que é especial e urgente, necessitamos de muito mais apoio da Câmara Municipal, no sentido de procurar encontrar outras formas de financiamento, tanto a nível nacional como internacional”. O pároco lembrou que “Ovar merece que esta campanha de restauro das Capelas dos Passos e de diversas obras se concretize”, justificando que se está a falar “de obras históricas”, que contam já mais de 300 anos, e que nós temos “a obrigação de deixar como riqueza patrimonial às gerações vindouras”, disse.


praçapública

praçapública

HALL DE ENTRADA

POSTAL DA SEMANA

D i r e t o rr-- a d j u n t o de informação: Dinis Amaral (CP n.º 6198) Redação: Fernando Souteiro

EDUARDO COSTA

5

editorial

Quinzenário Vareiro

Diretor a : Sofia Stoffel (director@pracapublica.com)

Quarta-feira, 27 de março de 2013

Um caso de saúde pública

Colaborador e s Aníbal Gomes Colaboradores Fotográficos: Tiago Carriola

SOFIA STOFFEL

CR7

Assinaturas: (assinaturas@pracapublica.com) Propriedade Propriedade:: Globinóplia, Unipessoal, Lda Edição: Notícias Amplas, Unipessoal, Lda, Contribuinte nº 509 158 692 Capital Social: 1 000 Euros Detentores de mais de 10% do Capital Social: Gadgetresult SGPS. S.A. Contribuinte n.º 508 950 520 Reg. DGCS nº 123740 Dep. Legal nº 159271/00 Redação: Rua Antero de Quental, nº 17, 3880-148 OVAR Tel: 256 753 044 TM: 917 489 469 e-mail: geral@pracapublica.com Impressão: Coraze - Oliveira de Azeméis Telm.: 910252676 / 910253116 / 914602969 Tiragem média: 3.000 exemplares Assinatura anual: 22,50 euros (nacional); 62,50 euros (estrangeiro). As opiniões publicadas neste semanário, podem não refletir a linha editorial do PRAÇA PÚBLICA. Por isso, os textos de opinião assinados são da inteira responsabilidade dos seus autores, não cabendo qualquer responsabilidade à direção e administração deste jornal.

“Boas notícias para a sua mulher! Vai ser possível garantir o seu emprego, com o apoio do Estado, nestes novos incentivos!” Ao entusiasmo desta informação, a resposta não foi muito animadora: “Parece que não tem ouvido as notícias, a Troika vai obrigar a mais cortes, a maiores dificuldades!” “Sim, é verdade, mas este nosso país ainda vai tendo soluções que permitem diminuir as dificuldades! Anime-se! O seu grande problema - o desemprego prolongado da sua mulher - fica resolvido! Durante ano e meio, o Estado vai apoiar com metade do ordenado!” “O Estado não tem dinheiro, sabe-se lá se vai pagar, se calhar promete pagar e depois não paga” Agindo como Tomé (“ver para crer”), do outro lado da chamada telefónica não chegou qualquer sinal de maior esperança, contrariamente ao que era suposto. Este diálogo real, espelha um estado de descrença total, em tudo, como se o barco estivesse a afundar-se rapidamente e não fosse possível salvá-lo! A pouca esperança que ainda existe, está a morrer! Espelho disso, a recente sondagem da “Católica” revela que a grande maioria dos portugueses, acha que não há alternativa ao Governo, apesar de entenderem que este não tem soluções para a devastadora crise. Haja quem nos dê esperança e faça acreditar que há luz ao fundo do túnel! Sem mentiras, sem nos venderem sonhos que sabem impossíveis. Aconselho a ver o vídeo motivador de Cristiano (Ronaldo), que explica a atitude de levantar cada vez que caímos, ainda com maior determinação: garante Cristiano que é assim que marca tantos golos! Vamos imitar o nosso “CR7”!

Esta semana é notícia em Ovar o envenenamento de mais duma dezena de cães e gatos que, desde o início do ano, têm vindo a morrer, no centro da cidade. A notícia é cruel e dolorosa tanto mais que se sabe que a morte dos animais é lenta e dolorosa, e que o envenenamento pode também provocar doenças graves e rebentar os órgãos internos dos bichos. Estas situações de maus-tratos a animais, maus-tratos gratuitos e desumanos são, infelizmente, recorrentes na nossa sociedade, que não tem qualquer respeito pelas outras espécies, que continua a tratar de forma indigna e desumana. E se é verdade que algumas melhorias têm sido sentidas naquilo que à proteção e ao bem-estar dos animais respeita, assim como a tornar cada vez mais efetivo um compromisso permanente entre o homem e o bem-estar animal, continuamos a receber notícias em que isso não se verifica. No caso que noticiamos esta semana a causa da morte dos referidos animais são alegadamente bocados de carne envenenada que são espalhados por vários pontos da cidade. Para além dos comentários que nos merece esta atitude lamentável e vergonhosa, e de verdadeira barbárie contra animais indefesos, é necessário também considerar que ao serem deixados na via pública os alimentos envenenados, são também de fácil acesso a crianças que, por qualquer motivo, podem tocar nos mesmos, e sofrer as mesmas consequências. A situação que é, assim, também uma ameaça à saúde pública, já foi denunciada à GNR, e configura um verdadeiro caso de responsabilidade civil e criminal, razão acrescida pela qual a responsabilização e punição dos seus responsáveis se impõe. DIRECTOR@PRACAPUBLICA.COM

Estatuto Editorial PRAÇA PÚBLICA é um jornal de periodicidade quinzenal de todo o concelho de Ovar. PRAÇA PÚBLICA é orientado por princípios de rigor, qualidade e isenção. Este é um quinzenário independente em termos ideológicos, políticos e económicos. PRAÇA PÚBLICA aposta numa informação diversificada, destinada a um público geral. Este quinzenário acredita num jornalismo atraente, dinâmico e criativo. PRAÇA PÚBLICA acredita que a objetividade, em estado puro, não existe. Por isso, investe em critérios de honestidade intelectual. Este quinzenário pretende contribuir para a existência de uma opinião pública informada, ativa e interveniente, condição fundamental da democracia e da dinâmica de uma sociedade aberta. Publicidade


ARADA

Anabela Ribeiro vence Festa do Chapéu

POSTO DE ATENDIMENTO TURÍSTICO DO FURADOURO ACOLHE EXPOSIÇÃO

“Mostra Coletiva de Pintura de Artistas do Concelho de Ovar”

O projeto educativo “Ciência em Movimento” contemplará 800 alunos de todo o concelho

A BRINCAR TAMBÉM SE APRENDE!

“Ciência em Movimento” chega a 800 alunos do concelho de Ovar Já arrancou em Ovar o projeto educativo “Ciência em Movimento” que, durante o ano de 2013 e início de 2014, contemplará 800 alunos de todo o concelho. “Ciência em Movimento” é mais um projeto apoiado pela Câmara Municipal de Ovar, desenvolvido pela Fábrica – Centro Ciência Viva de Aveiro nos Municípios da Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro. Trata-se de uma iniciativa que contempla um conjunto de atividades nas áreas da robótica, da química, da física, da biologia e da geologia e ainda espetáculos de ciência. Com este projeto, cerca de 800 alunos do 1º ciclo de todo o concelho participarão em diversas atividades lúdico-educativas. A brincar também se aprende! No Município de Ovar o projeto teve início no passado dia 13 de março, no

Centro Escolar de Maceda, com a Oficina Experimental “Sítio dos Robôs”, tendo participado cerca de 97 alunos do 1º ciclo do ensino básico (CE Maceda; EB/JI do Campo Grande; EB/JI Gondesende e EB Gavinho). No âmbito deste projeto educativo o programa de atividades já calendarizadas para o território de Ovar contempla diversas oficinas experimentais em várias áreas: “Sítio dos Robôs” (robótica), “Faz a tua pasta de dentes” (biologia), “Há invertebrados à nossa volta!” (biologia), “Criar dunas” (geologia), “Faz o teu creme de mãos” (química), “Atração fatal” (física), “Gomas, gelatinas e proteínas (química), “Bola saltitona” (química); espetáculos de ciência “Química por Tabela” e “Física Viva”; uma exposição sob o lema “Perspetivas Arte e Ciência”; e uma atividade de outdoor (animação

“Ciência em Movimento” Investimento municipal: 15 Mil Euros; transporte e apoio logístico. Atividades a desenvolver: 8 oficinas experimentais; 2 espetáculos de ciência; 1 exposição; 1 atividade de outdoor. Destinatários: alunos do 1º ciclo do ensino básico. N.º alunos contemplados: 800. Objetivo: a promoção da cultura científica e do espírito empreendedor nos mais jovens.

de verão para o público em geral).

O Clube Recreativo de Arada levou a efeito, no início do mês de março, a “Festa do Chapéu”. Com a sala decorada com muitos tipos de chapéu e com todos os presentes a aderirem ao tema, o ambiente foi divertido havendo mesmo prémio para o melhor chapéu, que coube à criadora Anabela Ribeiro, que caracterizou o momento atual do nosso país. Nesta mesma festa, a direção aproveitou para entregar os prémios aos três primeiros classificados do campeonato de matraquilhos

realizado pelo clube. Foi um campeonato que começou em novembro de 2012 e que terminou em fevereiro de 2013. Estavam inscritas oito equipes o que proporcionou um campeonato muito competitivo com constantes variações na classificação geral. De salientar e louvar ainda, o fair-play entre todos os participantes. A classificação geral ficou assim ordenada: 3º lugar, a dupla Zé Carlos/Pedro, 2º lugar, a dupla Igor/Marco e em 1º lugar, os grandes campeões, a dupla Mix/Jó. Publicidade

A galeria do Posto de Atendimento Turístico do Furadouro, em Ovar, está a acolher a exposição “Mostra Coletiva de Pintura de Artistas do Concelho de Ovar”, desde o dia 22 de março até o dia 2 de junho. Paralelamente à inauguração desta exposição, foi apresentada a mostra “Crescer com Arte” do Centro Promocional do Furadouro, que estará patente no átrio do Posto de Atendimento Turístico até 28 de abril. De referir que esta Mostra Coletiva de Pintura conta com a participação de alguns dos maiores nomes da pintura de Ovar, designadamente: Américo Gonzalez, Ana Rosa, António Carvalho, Elvira Gonçalves, Fernando Azevedo, Francisco Pinho, Hipólito Andrade, Isa Santos, João Azevedo, M. Carmo Diogo, Margarida Andrade, Maria Ramalhete, Otília Neto, Rui Fernandes, Sara Uva, Susana Lopes, Teresa Peralta e Zélia Merêncio. Uma exposição a não perder!

praçapública

TERRA-A-TERRA

Quarta-feira, 27 de março de 2013 DR

6


praçapública

TERRA-A-TERRA

Quarta-feira, 27 de março de 2013

7

DR

OVAR

Escritora Anabela Mimoso voltou à Escola António Dias Simões

A ecritora, Anabela Mimoso

testemunho pessoal da vivência partilhada no seu livro, “Aquela palavra Mar” que saltita de sala em sala, numa leitura leve e agradável, que a escritora logo identifica geograficamente como se referindo aos Açores e à relação das suas gentes, os personagens, com o mar, “…aquele mar grande que abraçava a ilha com um abraço azul”. No encontro que a escritora, que deixou de exercer a profissão de professora para se dedicar exclusivamente à escrita, manteve com os alunos dos 6º anos, mais uma vez reafirmou a sua perspetiva sobre a questão da inspiração ou da criatividade, com base na experiência muito pessoal da literatura infantil que produz. Pergunta habitual dos jovens alunos, à qual responde, por entre passagens pela sua infância, o gosto pela culinária e pelas viagens para conhecer, viver, sentir e escrever, que se insere na abordagem da “realidade e ficção” que, como concluiu, “é muito complicada”. Para sustentar tal afirmação e critério na construção das suas histórias, Mimoso, acrescenta, “se nunca conheci, não posso escrever! Tenho que conhecer

contato em meio escolar, “as memórias em cada pessoa, não são as mesmas, não são iguais! Cada pessoa tem as suas memórias”. Uma abordagem em forma de revisão de matéria, para insistir, que, “são várias as realidades”, e por isso afirma, “quando escrevo, é sobre a minha realidade”. Ou seja, para Anabela Mimoso, autora de livros, entre os quais, “Foz Côa entre o céu e o rio” com ilustrações

de João Caetano, “Búzios”, “Dona Bruxa Gorducha”, “Quando nos Matam os Sonhos” ou “O último Período”, “a criatividade não existe, tudo o que se escreve é real, até fadas e bruxas” e adianta, com base na sua forma de estar na escrita, mesmo produzida ao computador e na comodidade da cama, como confessou gostar de experimentar a mistura das palavras ao jeito da culinária. “O que o escritor escreve são

as imagens (daí a imaginação), que tem na cabeça, fruto do que vê à sua volta, logo tudo é real”, disse. Uma visão e uma prática muito própria de escrita, que esta autora sustenta de forma acessível junto dos seus leitores, mesmo, considerando-se outros diferentes tipos de escrita, como a própria chamada escrita criativa, que segundo especialistas, se pretende distinguir, por exemplo, da escrita jornalística ou escrita técnica. Publicidade

Dois anos depois, a escritora Anabela Mimoso voltou à Escola EB 2,3 António Dias Simões, do Agrupamento de Escolas de Ovar, no passado dia 12 de março, para participar nas atividades inseridas na Semana da Leitura que, em articulação entre a disciplina da Língua Portuguesa e a Biblioteca Escolar deste estabelecimento de ensino, envolveram os alunos das turmas do 6º ano, que se mostraram familiarizados com a obra da escritora residente em Vila Nova de Gaia, nomeadamente o livro integrado no Plano Nacional de Leitura “Aquela palavra Mar”. Com o espaço da Biblioteca devidamente decorado por trabalhos dos alunos, que corresponderam com muita imaginação ao tema do Mar e da história escrita e contada por Anabela Mimoso, que começa por afirmar, “Que bom morar numa ilha pequenina, ver o sol nascer no mar, erguer-se devagarinho, banhá-la todo o dia e mergulhar, de mansinho, outra vez no mar, no outro lado!”. Uma entrada que apaixona e desperta os pequenos e grandes leitores para absorverem um

as pessoas para escrever!”. E é de pessoas e lugares em concreto, que muito conversa com os alunos neste tipo de encontros nas escolas, mesmo num tempo demasiadamente influenciado pelo poder virtual. Para esta autora, que nasceu em Lisboa e escreveu o seu primeiro livro aos 16 anos de idade, escrevendo regularmente para os mais novos com quem mantém com muita regularidade,


8

praçapública

TERRA-A-TERRA

Quarta-feira, 27 de março de 2013

GRANDE ENTREVISTA COM MÁRIO REIS

FERNANDO SOUTEIRO E PAULO SANTOS

O que é que o levou a ser presidente do CCR de Maceda? Isso nunca passou pelos meus horizontes. Eu fui convidado pelo anterior presidente para fazer parte da estrutura dele, mas passado pouco tempo, talvez por as coisas não terem corrido tão bem como ele esperava, pediu a demissão. Entretanto, um grupo de pessoas, do qual eu fiz parte, ficou a dirigir o clube, e eles entenderam que eu deveria assumir a presidência. Foi nesse contexto que assumi aqui cheguei.

Está à frente do Centro Cultural e Recreativo (CCR) de Maceda há mais de seis anos e é uma pessoa frontal, dedicada, com grande espírito de sacrifício. Mário Reis ‘pegou’ na instituição num período menos bom, contudo, nos dias que correm e com o novo pavilhão gimnodesportivo, a coletividade poderá dar um ‘salto’ com a introdução de modalidades como o futsal, voleibol e badminton, apostando fortemente na formação para poder direito a mais apoios. Ao longo desta entrevista conheça a realidade atual do clube e o que poderá vir a ser o seu futuro.

Como é que encontrou a coletividade? Encontrei a coletividade um pouco mal, na parte de organização, na parte financeira. Nessa altura, para agravar a situação, o clube tinha o voleibol. Isso acarretou uma responsabilidade muito grande, não só nos diretores, mas também em termos financeiros. Ficámos com alguns problemas de tesouraria, nessa altura. Felizmente, conseguimos controlar as situações com a ajuda da Junta de Freguesia e de apoios diversos. Hoje não sei se seria possível conseguirmos isso, mas naquela altura foi possível. Trabalhámos, lutámos por isso e conseguimos equilibrar as contas do clube. Isto não quer dizer que o clube esteja a viver sem dificuldades. Foi um trabalho que se deve a uma equipa? Claro, os louros não podem ser só para o presidente. Costumo dizer que o presidente é só mais um. Está à frente de uma lista e tem um grupo de pessoas atrás dele que deve conseguir colocar a funcionar. É isso que eu tenho feito e eles têm contribuído. Como estão as finanças do CCR de Maceda?

Fernando Souteiro

“As pessoas de Maceda deviam ter orgulho da

Mário Reis, presidente do Centro Cultural e Recreativo (CCR) de Maceda

O clube não respira saúde financeira e não sei qual é a associação que respire saúde financeira. Neste momento, como é sabido, o clube perdeu praticamente os apoios que tinha por Lei. Aqui não há que esconder as coisas. O CCR de Maceda tem as modalidades que são o ciclismo, as setas e alguns torneios de futebol de salão, mas isso não quer dizer que temos direito a qualquer apoio, porque a Lei que está em vigor apenas permite apoios à formação. A Junta de Freguesia tem-nos ajudado conforme pode e pronto, temos aqueles apoios de um patrocinador ou outro que nos tem ajudado, mas neste momento, o CCR de Maceda vive um pouco apertado financeiramente. Qual é o orçamento para este ano? O orçamento para este ano foi reduzido substancialmente. Estamos a falar em despesas de sede, a prestação da carrinha incluída, que rondam os oito mil euros.

Como é que a direção liderada por si consegue fazer face a esse volume de despesas? Como receitas temos o que o bar dá, mas fica um pouco aquém do esperado, a quotização de sócios e alguns apoios que ainda vamos conseguindo ter, para atenuar as despesas. Quantos sócios é que possui a coletividade? Neste momento, e ainda bem que me dá esta oportunidade, estamos a fazer um trabalho de revisão total da situação dos associados, ou seja, estamos a fazer um apanhado de tudo o que é sócio. Estamos já a emitir nova quota e, muito em breve, haverão duas pessoas na rua, em Maceda, devidamente identificadas, não só para receber quotas, mas também para angariar novos sócios. Lá para o final do ano iremos emitir um novo cartão de sócio, já com um novo nú-

“Nós, CCR de Maceda, não somos ninguém sem a po pulaç ã o. populaç pulaçã Nós precisamos de uma retaguarda boa que é a populaç ã o” populaçã mero. Temos sócios que pagam quotas e temos outros que não pagam e nós entendemos que devemos abordar as pessoas para saber se querem ou não continuar. Temos que fazer alguma coisa e é a Sofia Reis que está encarregue de desenvolver esse trabalho, juntamente com o professor João Moutinho, que se prontificou a fazer isso. Está praticamente tudo feito. Dentro em breve eles irão para a rua. É um trabalho difícil, mas foi uma forma que a direção encontrou para tentar aumentar as receitas.

O que é que é necessário para ser associado? Muito simples. É preciso duas fotografias, o seu nome, a morada, o número da porta e o seu contacto. O custo anual é de dez euros. Na última assembleia-geral que tivemos aumentámos as quotas de seis para dez euros. Podemos dizer que também vamos dar contrapartidas a esses sócios. Hoje temos alguma coisa para dar que, enfim, podemos oferecer, que é o caso do gimnodesportivo. Uma quotização para um sócio que queira lá ir para um jogo de futebol. Logo que sejam dez sócios, não pagam o valor que outra equipa qualquer paga, mas pagam o valor como sócios. Só espero que as pessoas compreendam isso. O pavilhão gimnodesportivo ajudou a dar uma nova dinâmica à instituição? Sim. Sempre disse


praçapública

Quarta-feira, 27 de março de 2013

9

DR

TERRA-A-TERRA

aquilo que têm” isso nas várias intervenções que tive. O CCR de Maceda só poderia dar o salto com uma infraestrutura, que é o gimnodesportivo. Não só pela formação que é necessária e que preciso na vila, mas também para tentar mobilizar tudo o que é população de Maceda, de modo a saberem que têm coisas diferentes na terra. É preciso que as pessoas, no geral, participem. Nós, CCR de Maceda, não somos ninguém sem a população. Nós precisamos de uma retaguarda boa que é a população. As pessoas têm que participar, saber aquilo que tem. Senão não vale a pena estarmos a trabalhar. Estamos a dedicar-nos afincadamente à formação CCR de Maceda, porque é a coletividade na freguesia que está destinada ao desporto. Assim, foi falado com todo o rigor e transparência, entre o CCR de Maceda e a Junta de Freguesia de Maceda, com as outras coletividades, também presentes. O CCR de Maceda está, de facto, a utilizar o pavilhão para a formação. Temos o futsal, traquinas e benjamins, o voleibol e o badminton adulto. Não há ainda nesta modalidade, formação. Nunca esperei este sucesso. Temos as pessoas certas nos lugares certos. Já o disse publicamente e repito. Temos um homem no pavilhão que é extraordinário, que é o professor João Moutinho. É um homem com muita experiência nessa área, não só de pavilhão, mas também na área desportiva. É uma pessoa que sabe o que é preciso de uma instituição para uma Federação. É uma pessoa que vai à escola cativar, tem o poder e sabedoria naquilo que faz. Esteve 21 anos na Nave de Espinho. Foi sempre professor, ligado à educação física. Para nós foi uma maisvalia, porque também é verdade, sem ele não saberia como é que deveria pôr aquilo a funcionar, da forma que está. A curto ou médio prazo, o CCRM poderá vir a competir nos campeonatos distritais de

futsal, voleibol e badminton? O badminton, neste momento já tem atletas inscritos. O voleibol também. É nesse âmbito que este ano vamos começar a inscrever as equipas para competir. Que tipo de relacionamento é que mantêm com as outras coletividades da vila? O meu relacionamento com as outras coletividades da vila foi e será ótimo. Nunca tive problemas. É verdade que, por vezes, discordamos de alguma coisa, mas dentro disso, sempre me dei bem com todos presidentes das outras coletividades e eles igualmente. Há um espírito saudável entre as coletividades e penso que isso é muito bom para Maceda e para o sistema associativo. A médio/longo prazo poderão vir a ser introduzidas novas modalidades no CCR de Maceda? Bom. Eu costumo dizer que quero começar por baixo. Quero fazer a casa do alicerce e não pelo telhado. Foi sempre essa a minha ideia e foi isso que transmiti não só à minha equipa, mas também nas reuniões, antes do CCR de Maceda avançar com a formação. Neste momento, uma das coisas que gostaria que voltasse novamente ao CCR de Maceda era o atletismo. Irei fazer os possíveis, dentro do meu mandato, para ver se consigo formar uma equipa de

“ Gostava que os só cios sócios participassem mais ati vamente na ativamente vida do CCR de Maceda Maceda””

atletismo. O restante não me passa, neste momento, pela cabeça, até porque nós também temos de ter cuidado com os custos. Hoje não está fácil para ninguém e não é só o CCR de Maceda que tem dificuldades. É verdade que eu defendi sempre a formação do futsal e felizmente consegui. Também sonho, poderá não ser comigo, que o CCR de Maceda possa vir ter uma equipa feminina a competir nos campeonatos nacionais de voleibol, juntamente com a equipa do futsal. Até quando é que teremos o Mário Reis à frente dos destinos da coletividade? Para ser franco e direto, hoje estou aqui, mas tinha dito que não me voltava mais a candidatar. Estou aqui por uma razão muito objetiva, quando entendi e vi que havia interesse em continuar, de andar sempre mais para a frente, mas que não havia ninguém que quisesse assumir o cargo de presidente. Falei com várias pessoas que estão atualmente na direção e toda a gente dizia que não queria aceitar. Acabei por ficar, mas sinceramente, se me perguntar qual é a minha ideia, eu digo que no final do meu mandato me vou embora. Espero bem que apareça gente. É bom que apareçam pessoas, não quer dizer que dêem continuidade, mas pelo menos que venham e façam melhor do aquilo que eu fiz. Que mensagem gostaria de deixar aos sócios do CCR de Maceda e à população da vila? Gostava que os sócios participassem mais ativamente na vida do CCR de Maceda. À população digo o mesmo. Acho que as pessoas de Maceda deviam ter orgulho daquilo que têm na terra e daquilo que as associações, não estou a falar em particular do CCR de Maceda, e as outras instituições em geral fazem para o bem-estar da população. As pessoas têm de compreender isso.

A iniciativa decorreu na Clínica Oftalmológica Dr. Rui Avelino Resende

II RASTREIO DE RETINOPATIA DIABÉTICA

“Na Retinopatia Diabética o diagnóstico precoce é muito importante” Decorreu, no passado dia 23, na Clínica Oftalmológica Dr. Rui Avelino Resende, com a colaboração da Associação dos Diabéticos do concelho de Ovar, o II Rastreio de Retinopatia Diabética. Os utentes foram observados com vista à deteção de lesões a serem tratadas atempadamente, identificando os diabéticos em risco. Em jeito de balanço da iniciativa, o especialista Rui Avelino Resende destacou ao PRAÇA PÚBLICA que “houve necessidade de orientar dois utentes para o serviço de oftalmologia da área, para posterior tratamento”, em virtude do rastreio “ter traduzido um resultado positivo”, disse. Para Rui Avelino Resende, “estes rastreios são muito

importantes, uma vez que, com o seu diagnóstico precoce, podemos identificar e orientar os utentes para tratamento, evitando complicações mais graves como a cegueira”. O especialista alerta que “estas lesões, não sendo tratadas a tempo, obrigam os utentes a serem submetidos a tratamentos difíceis e dispendiosos, como laser ou cirurgia”, daí a importância destes rastreios “onde tentamos chegar a todas as pessoas, sobretudo às mais carenciadas, pois são estas que, muitas vezes, sem saberem, são diabéticos de risco”, referiu. Rui Avelino Resende destacou ainda que a todos os utentes que participaram no rastreio “foi entregue uma carta com informação anexa

do resultado, a ser posteriormente entregue no seu médico de medicina geral e familiar e outra na Associação dos Diabéticos”. Por último, o especialista referiu que “todas as pessoas com diabetes tipo 1 e 2 podem desenvolver retinopatia diabética após o início da doença, daí ser de grande importância a realização de uma retinografia anual”. Para Rui Avelino Resende “a Associação dos Diabéticos de Ovar veio trazer, mais uma vez, uma mais-valia ao rastreio, na preocupação com os seus associados e não só, promovendo e divulgando os seus objetivos, atividades e programas que visem uma melhoria na qualidade de vida dos diabéticos do concelho de Ovar”, finalizou.


10 Quarta-feira, 27 de março de 2013

praçapública

POLÍTICA

MÉDICOS, ENFERMEIROS, TÉCNICAS E ADMINISTRATIVOS ESTIVERAM REPRESENTADOS

DR

Comissão de representantes dos trabalhadores do Hospital de Ovar rejeita transferência da unidade de saúde para a alçada da Misericórdia

A comissão de representantes dos trabalhadores do Hospital de Ovar reivindica a manutenção do Hospital no setor público

O Bloco de Esquerda em Ovar e o deputado Pedro Filipe Soares tornaram público que estiveram reunidos, no passado dia 16, com uma comissão de representantes dos trabalhadores do Hospital Francisco Zagalo (Hospital de Ovar), cuja principal “reivindicação apresentada foi a manutenção do Hospital no setor público”, argumentando que “nada justifica uma possível transferência”, assegura

o BE de Ovar. Os bloquistas adiantam que “esta reunião, pedida pelos trabalhadores do Hospital de Ovar, surge num momento em que o Ministério da Saúde já comunicou que pretende transferir os Hospitais de Anadia, Ovar e Cantanhede para a alçada das Misericórdias”, estando, dizem os bloquistas “a ser negociados os termos dessa passagem com a União das Misericórdias”. Num extenso comunicado enviado à nossa redação,

o BE de Ovar esclarece que do ponto de vista clínico, “o Hospital de Ovar encontrase bem equipado e com os recursos humanos suficientes para poder ser um Hospital de proximidade e complementar na rede hospitalar, em plena articulação com as unidades de saúde familiar existentes no concelho”, tendo ainda “uma valência importante na componente cirúrgica, onde tem contribuído para a recuperação das listas de espera de algumas especialidades”, asseguram. O

mente aqueles doentes que dão despesa (nomeadamente os que apresentam dificuldades financeiras e problemas sócio-económicos) e portanto não interessa ter”, dizem. Os bloquistas asseguram que “do ponto de vista da sustentabilidade financeira, o Hospital não possui dívidas e apresenta prazos médios de pagamentos a fornecedores de 17 dias”, salientado que “o orçamento está equilibrado com as transferências do Orçamento de Estado e com as receitas próprias do próprio Hospital”, considerando ainda “esta vontade incompreensível de transferir a tutela do Hospital quando este está a ser alvo de investimentos e melhoramentos no seu edifício”. O Bloco de Esquerda de Ovar já na anterior Assembleia Municipal tinha sido o único partido a levantar a questão do Hospital de Ovar e da sua possível privatização, apresentando uma moção para ser votada e levada à Assembleia da República. Pedro Filipe Soares solidarizou-se e prontificou-se a levar um projecto de resolução sobre o Hospital de Ovar para ser votado no plenário da Assembleia da República, “obrigando o Governo a explicar as suas verdadeiras intenções e os partidos políticos a pronunciarem-se sobre esta questão”, dizem os bloquistas. Publicidade

DINIS AMARAL DINISAMARAL@PRACAPUBLICA.COM

BE de Ovar salienta ainda “as potencialidades que o Hospital tem revelado na sua especialização, como tem acontecido nas especialidades de pediatria e dermatologia”, onde garante oferecer “serviços clínicos em áreas com imensa procura e onde a oferta é diminuta no SNS”, justificam. Ainda assim, dizem os bloquistas, a comissão, composta por médicos, enfermeiros, técnicas e administrativos, com quem estiveram reunidos “revela que muito mais poderia ser feito caso o Hospital de Ovar fosse realmente articulado com as USF’s e com o próprio Hospital de São Sebastião”. Neste caso em particular, refere o BE de Ovar, “foi salientado que o Hospital de São Sebastião está a pôr em causa o normal funcionamento de alguns serviços clínicos do Hospital de Ovar ao transferir para o Hospital de Ovar doentes sem aviso prévio”, justificando que “a ocupação das enfermarias com doentes transferidos do Hospital São Sebastião obriga à paragem dos Blocos de cirurgia, por falta de camas, e aumenta o risco de infeção hospitalar”. Por outro lado, a comissão de trabalhadores, diz o BE de Ovar, “assegurou ser possível verificar-se que os doentes transferidos pelo Hospital São Sebastião são notoria-


praçapública

POLÍTICA

Quarta-feira, 27 de março de 2013

11

COMUNISTAS APONTAM ‘BATERIAS’ ÀS ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS

A Organização Concelhia de Ovar do PCP assinalou as comemorações do 92º aniversário do partido, no passado dia 6, com um jantarconvívio que reuniu mais de 80 militantes e amigos do partido. A iniciativa contou ainda com a presença e intervenção de Mafalda Guerreiro, membro do Comité Central e da Direcção da Organização Regional de Aveiro (DORAV) do PCP. Num comunicado enviado à nossa redação, os comunistas asseguram que Óscar

Oliveira “realçou, em primeiro lugar, as comemorações do Dia Internacional da Mulher”, colocando a tónica no “importante papel das mulheres comunistas no trabalho político e organizativo nesta organização concelhia”. O PCP de Ovar destaca que Mafalda Guerreiro direcionou o discurso para “a história ímpar de luta e coragem do PCP”, destacando “o passado de dedicação sem limites pela causa emancipadora da classe operária e dos

trabalhadores, do nosso povo, à causa do socialismo e do comunismo”. Mafalda Guerreiro salientou ainda que “o PCP não é apenas um partido de passado” e apontou para o facto do PCP ser, atualmente, “portador de um projecto de futuro, afirmando-se hoje como uma força viva, actuante, combativa, ligada à vida, capaz de ombrear com as mais exigentes tarefas e desafios”, como disse ter ficado patente no XIX Congresso sob o lema “Democracia e Socialismo -

DR

PCP de Ovar assinala 92º aniversário do partido

A iniciativa contou com cerca de 80 militantes e amigos do PCP

os valores de Abril no Futuro de Portugal”. Os comunistas não esqueceram as eleições autárquicas que decorrerão já no final de este ano, onde “uma vez mais o PCP, os Verdes e muitos independentes estarão juntos nesta batalha eleitoral”,

dizem, através da Coligação Democrática Unitária, uma força que asseguram ser “de reconhecido trabalho, honestidade e competência nas autarquias onde está representada”. O PCP garante, por isso, que “colocará todas as suas forças na campanha de

esclarecimento que se impõe, tendo em conta que todo e qualquer avanço da CDU nas eleições autárquicas servirá não apenas os interesses das populações, mas também criará melhores condições para a rutura nacional com a política de direita”. Publicidade


praçapública

CÂMARA MUNICIPAL ASSINALA DIA MUNDIAL DA ÁRVORE

DR

Alunos das escolas do concelho plantam árvores

Fernando Souteiro

INICIATIVAS

12 Quarta-feira, 27 de março de 2013

A iniciativa decorreu no Centro Cívico de Arada

GRUPO FOLCLÓRICO “OS FOGUETEIROS ARADA”

Noite de Fados juntou 130 pessoas FERNANDO SOUTEIRO

Publicidade

No passado dia 21 de março, celebrou-se o Dia Mundial da Árvore. Tendo em vista assinalar a efeméride, a Câmara Municipal de Ovar distribuiu, na semana anterior, cerca de três dezenas de árvores e arbustos, que foram plantados pelos alunos das escolas concelho. Este ano, a celebração do Dia Mundial da Árvore foi antecipada, devido ao período

de pausa das atividades letivas da Páscoa, que teve início a 18 de março. De realçar que, as cerca de 30 árvores e arbustos foram plantadas nos espaços escolares, pelos alunos das escolas e jardins-deinfância do concelho de Ovar, que contaram com o apoio dos serviços camarários e das Juntas de Freguesia de Ovar, S. João de Ovar, Esmoriz e Válega.

Para o presidente da Câmara Municipal de Ovar, Manuel Alves de Oliveira, “trata-se de uma iniciativa relevante no âmbito da preservação ambiental e consequente incremento da qualidade de vida da população, para além de contemplar uma vertente de educação ambiental fulcral, através do envolvimento de centenas de crianças do nosso município”.

Fernando Souteiro

A autarquia distribuiu cerca de três dezenas de árvores e arbustos

O Centro Cívico de Arada acolheu mais uma espetacular noite de fados, organizada Grupo Folclórico “Os Fogueteiros Arada”. A iniciativa decorreu no denominado “Largo do Fado” e contou com a presença de 130 pessoas que se juntaram para ouvir os fadistas Miguel Cardoso, Isabel Maria, Hilário Alves e Mariana Oliveira, acompanhados musicalmente por Mário Almeida, na guitarra portuguesa, e Celso Ribeiro, na viola de fado. O conceituado fadista Miguel Cardoso, que já canta há mais de 25 anos, com especial incidência em dois restaurantes da cidade de Espinho, optou por cantar “Maria de Alfama”, “Ai se eu pudesse”, “Bairro Alto” e “ Trigueirinha”, entre outros. Já

Isabel Maria, que também tem um CD gravado, encantou os presentes com um conjunto de fados, uns mais conhecidos do que outros. Por sua vez, a jovem aradense Mariana Oliveira brindou a plateia com alguns fados bem marcantes, tais como “Por vontade Deus”, “Meu amor marinheiro”, “Eu queria cantar-te um fado”, “Ai Mouraria” e “Lágrima”. Uma presença já habitual nesta noite de fados é a de um homem da terra, Hilário Alves que, com o seu timbre peculiar, cantou “Senhora do Livramento”, “Igreja de Santo Estêvão”, “Carmensita”, “Vielas de Alfama”, “Quadras Soltas”, entre outros. De realçar que Sara Inês, filha de Isabel Maria, provou que “quem sai aos seus não degenera” e cantou alguns fados, isto apesar da sua tenra

A fadista Mariana Oliveira

idade. Foi um dos momentos mais bonitos da noite. Nuno Sousa, presidente do Grupo Folclórico “Os Fogueteiros de Arada” referiu que o espetáculo “decorreu dentro daquilo que era esperado” e mostrou-se “contente com a adesão das pessoas”, tendo em conta a situação do país. O PRAÇA PÚBLICA está em condições de adiantar que o grupo folclórico irá participar na Peregrinação Nacional dos grupos folclóricos a Fátima e que, no próximo dia 20 de abril, levará a efeito a 3ª edição dos “Talentos em Linha”, em que todos podem participar. Para o efeito, basta que se dirijam à sede do Grupo Folclórico “Os Fogueteiros de Arada”, às sextas-feiras, a partir das 14h00, com vista à obtenção da respetiva ficha de inscrição.


praçapública

INICIATIVAS

Quarta-feira, 27 de março de 2013

13

VÁLEGA

A artista Quina Barreiros animou a tarde FERNANDO SOUTEIRO E PAULO SANTOS

A Associação de Emigrantes de Santa Maria de Válega levou a efeito mais um almoço-convívio que desta vez contou com a presença de cerca de 80 pessoas. A tarde foi animada pela conhecida Quina Barreiros e por

Elísio Batista. Ele cantou alguns temas portugueses e alguns internacionais, tais como “Carocha do amor”, “Burrito”, “Bacalhau à portuguesa”, entre outros e, como já é habitual nas suas atuações, também realizou imitações de Alberto João Jardim, Pinto da Costa, Valentim Loureiro e José Sócrates. Mas a grande

estrela da tarde foi, sem sombra de dúvidas, Quina Barreiros, uma jovem cantora, natural de Aguiar da Beira, mas que agora se encontra a residir em Lisboa. O vento que se fazia sentir obrigou a que o espetáculo fosse bem animado e houvesse uma interação perfeita com o público. “Deixa que eu Kurrijo”, “Lavar a ferramenta”, “Pilotar a fundo”, “Pintar cabelos”, foram alguns dos temas com que a conhecida Quina Barreiros presenteou o público. Desta feita acompanharam-na durante a sua atuação, as jovens bailarinas Liliana, Beta e Sara. O presidente da Associação de Emigrantes de Santa Maria de Válega, Armando Valente realçou ao PRAÇA PÚBLICA que o espetáculo “foi muito bonito, embora tenho que destacar que

Fernando Souteiro

Fernando Souteiro

Associação de Emigrantes promove festa em tarde bastante animada

Armando Valente, presidente da Associação de Emigrantes de Santa Maria de Válega

contava ter mais pessoas a participar na iniciativa”. Foi uma tarde muito animada, em que alguns ca-

sais aproveitaram para dar um pezinho de dança. No ar ficou a promessa de que, no próximo dia 28 de abril, esta

instituição valeguense voltará a estar em festa, com as comemorações de mais um aniversário. Publicidade


praçapública

CORREIO DO LEITOR

14 Quarta-feira, 27 de março de 2013

opinião DICIONÁRIO DA HISTÓRIA DE OVAR A inauguração do Parque Urbano

F continuação...

JOAQUIM SANTOS TORRÃO DO LAMEIRO DR. ALBERTO DE SOUSA LAMY

Filhos do casal José/Maria Rosa: - Arnaldo, que nasceu a 23 de Maio de 1867. - Arnaldo, que nasceu a 18 de Fevereiro de 1869. - Emília dos Santos Fragateiro (1874-falecido em 1924, com 62 anos), que, formando-se em direito (1885), foi um brilhante advogado na comarca. Fundou (1886) O Povo de Ovar, e neste ano, com seu pai e o dr. Manuel Arala, outorgou o Pacto de Cabanões. Em 1892, com outros, formou o partido denominado dos incolores, que governou o concelho de 1893 a 1895. Foi vice-presidente nesta câmara, de tendência progressista, da qual foi o seu verdadeiro condutor. Os novos Paços do Concelho e a venda da mata e terrenos municipais foram da sua responsabilidade. Dirigiu o semanário local O Ovarense (desde 1893 ou 1894), teve o seu escritório atacado à pedrada e a tiro (18/4/1894), e, em 1900, tomou posse do cargo de notário de Ovar. A sua única filha, Manuela Fragateiro de Pinho Branco (falecida em 1948, com 51 anos), casou (1916) com Francisco de Oliveira Belo. - Maria Augusta dos Santos Fragateiro (que nasceu a 25 de Agosto de 1861 e faleceu em 1930, com 68 anos). - Rosa, que nasceu a 5/9/1865. - Rosa dos Santos Fragateiro (1871- falecida a 1949, com 78 anos), que casou (1900) com Francisco de Matos (1869- falecido a 1962, com 92 anos), filho de José de Matos e de Margarida Correia dos Santos. O casal Francisco/Rosa teve três filhos: José Fragateiro Matos (1907-falecido em 1953, com 45 anos); Maria Celeste Fragateiro Matos ou Maria Celeste Matos de Sousa Lamy (1905- falecida a 1969, com 64 anos), que casou (1926) com o médico dr. José Eduardo de Sousa Lamy, que foi Presidente da Câmara Municipal (1954-1959); e Maria Fausta Fragateiro Matos (1916-1991), que casou (1945) com Carlos Soares Ferreira Malaquias. - Dr. Arnaldo Fragateiro de Pinho Branco, que nasceu a 3 de Novembro de 1872, se formou em direito (1897) e, colocado (1911) em Portel como juiz de direito, casou com Romana Perpétua Macedo Fragateiro (faleceu no Porto, 1952, com 56 anos), falecendo em Santarém, a 24 de Março de 1942. Filhos do casal dr. Arnaldo/Romana: - Engenheiro Técnico Agrário Arnaldo Macedo Fragateiro (Portel, 1913 – faleceu no Porto, 1987), que casou (1950, Vermoim, Vila Nova de Famalicão) com Ana da Clória Aguiar Branco dos Santos Nogueira (Montalegre, 1924), filha do dr. Bento dos Santos Nogueira e de Ana da Glória Aguiar Branco. Este casal teve 3 filhos: - doutor Carlos Manuel Branco Nogueira Fragateiro (Porto, Santo Ildefonso, 1951), doutorado em Ciências e Tecnologias da Comunicação, e professor na Universidade de Aveiro, que foi (Janeiro de 2006 / Julho de 2008) director do Teatro Nacional D. Maria II; drª Maria Eduarda Nogueira Macedo Fragateiro de Oliveira (Montalegre, 1953), licenciada em Educação Visual e Tecnológica, professora do 2ª ciclo do Ensino Básico, que casou (1976, igreja românica da Cedofeita, Porto) com o engº António Sérgio Lopes de Oliveira (Cedofeita, Porto, 1949), filho de António Augusto Pedro de Oliveira e Dinah Lopes de Oliveira; e drª Maria de Lourdes Nogueira Macedo Fragateiro (Montalegre, 1957), licenciada em Psicologia, professora do 1º ciclo do Ensino Básico.

Em 5 de janeiro de 2013 a Câmara Municipal de Ovar procedeu à inauguração do Parque Urbano no centro da cidade, com uma área de 7,5 hectares, que é composto por espaços livre, relvados e urbanizados que permitem a prática de atividades lúdicas e recreativas, físicas e desportivas. Custo das obras 4 milhões de euros. Como não assisti a essa inauguração, resolvi fazer uma visita ao parque e vi tudo com os meus próprios olhos e vi que realmente esses espaços faziam falta à cidade de Ovar e à população. Por vezes, aquilo que parece bem feito não agrada a todos, e eu sou da mesma opinião, mas mesmo assim não deixo de dar os meus parabéns aos responsáveis dessa iniciativa, pelas obras feitas nesse local. Como operário da construção civil, com quase 60 anos de atividade, penso que o trabalho que lá está feito em rústico, as rachas nas juntas das pedras deviam ter ficado todas assentes com massa, porque umas têm massa, outras não têm nenhuma, originando que, qualquer pessoa, ou outros infelizes, que só pensam em fazer mal, venham destruir o trabalho dos outros, como eu e outras pessoas já viram, lá no parque, passados uns dias da inauguração um conjunto de jovens e alguns deles a tirar as rachas das juntas das pedras, para depois atirar aos

patos e para o fundo do rio, como se tratasse de uma prova desportiva. Sr. arquiteto, Sr. Presidente da Câmara Municipal de Ovar, Sr. Responsáveis por essas obras no parque, isto não é uma crítica dirigida aos senhores, mas sim um alerta que vos faço, se os senhores não puserem no parque, homens de pulso e competentes a fiscalizar essa “canalhada”, eles continuarão a tirar essas rachas até que as pedras fiquem soltas, sujeitas a cair, com prejuízos para a autarquia e para os contribuintes. Com respeito à remodelação, na casa velha que a Câmara Municipal adquiriu ao proprietário, dizem os senhores, que vai nascer um projeto para novas obras. Será que desta vez vão nascer casas de banho e balneários para os idosos e outros se banharem quando terminarem as provas desportivas como eles falam nos seus escritos. Neste sentido, faço a pergunta: Se falam em provas desportivas, porque razão não mandaram construir as pistas alcatroadas, com a largura suficiente para se poder realizar as corridas – da légua, meia-maratona, e outras, e outras provas para facilitar o trânsito no centro e fora da cidade. Quanto aos acessos, que dão ligação para dentro e fora do parque, vieram melhorar a situação dos habitantes destas redondezas e outros, mas aqui, os responsáveis pelas obras esqueceram-se de mandar o empreiteiro colocar um resguardo em volta da ‘fonte da vila’ e para evitar qualquer acidente com crianças, e mesmo com adultos. Com respeito à estacaria que resguarda os relvados e outros, também, nos dias que

chove mais um pouco do que é normal, esse escoramento não livra da corrente da água tirar aterro debaixo da pista do alcatrão. O trabalho nos açudes no meio do rio, está bem feito e faz-me lembrar o tempo de miúdo, quando eu e outros íamos tomar banho perto do açude que havia junto à fábrica do papel, no lugar do Casal, onde, as lavadeiras da roupa faziam este trabalho para particulares e para os seus familiares desde manhã cedo ao pôr-do-sol. Como vêm, falo do que sinto e penso ter esse direito como contribuinte da Câmara Municipal de Ovar, da Junta de Freguesia de Ovar, das Finanças, entre outros. Ao longo de vários anos, fui e continuo a ser colaborador naquilo que posso, em benefício do concelho de Ovar. Há quem diga que, em Ovar, em relação a outras localidades, pouco se tem desenvolvido. Eu, como vareiro de gema, não sou da mesma opinião. Há 30 ou 40 anos atrás, eu corria os cantos da vila de Ovar e via dunas de areia e pinhais ao lado de certas avenidas e ruas, e hoje, nesses espaços, vêm-se habitações, parques de jardim e arruamentos. Mesmo assim, Ovar precisa de mais investidores na construção civil e noutras empresas, mas também precisa de bons autarcas, mas também é necessário que eles facilitem a vida a esses investidores, para bem dos nossos filhos e netos, do nosso concelho e do nosso país. Com respeito às obras no parque, envolveram-se técnicos, empreiteiros e outros, e ninguém notou as falhas que mais tarde terão de ser corrigidas. Como diz o ditado: Só não erra quem não está metido nessas andanças.

continua...

Agradecimento aos Bombeiros Voluntários de Ovar Na passada quinta-feira, 13 de março, ao sair de casa e ao bater a porta, verifiquei que as chaves tinham ficado no hall de entrada. Pensei logo que só os Bombeiros me resolveriam esta tragédia. Lá fui visitar os meus amigos. O comandante deles falou-me no Mário Miranda, de quem sou viúva. Ora, o senhor Borges chamou dois bombeiros para ir a minha casa e já me trouxeram na ambulância. O que mais admirei, ao tirarem-me, foi o facto de me pegarem ao colo para não cair. Não foi possível abrir a porta, mas colocaram a escada pela rua, e entraram pela sala de jantar. Tudo ficou impecável. Eu, que em Ovar nunca fui tratada assim, recebi tanto carinho que achei por bem divulgar através do jornal. Meus bons amigos: Desejo muito saúde e longos anos de vida para esta gente da Paz. E longos anos ao Praça Pública.

Júlia Silva Coutinho M. Miranda


praçadesportiva LIGA PORTUGUESA DE BASQUETEBOL – 15ª JORNADA

Segunda parte tamanho M/M fez a diferença

15ª JORNADA

19ª JORNADA

DINIS AMARAL DINISAMARAL@PRACAPUBLICA.COM

supremacia dos vareiros, que aproveitaram para abrandar o ritmo do jogo, apostando na gestão do esforço físico (a Ovarense só teve três dias para descansar de dois jogos consecutivos a contar para a Taça de Portugal) e do marcador, acabando por assegurar o regresso aos triunfos em jogos a contar para esta competição.

Tiago Carriola

A Ovarense bateu o Barcelos (80-75), no passado dia 20, em jogo de acerto de calendário a contar para a jornada 15 da Liga Portuguesa de Basquetebol. Os vareiros não entraram bem na partida, mas na segunda parte ‘cilindraram’ um adversário que

não mais conseguiu ultrapassar a bem estruturada defesa alvi-negra. A Ovarense protagonizou uma primeira parte amorfa e demonstrou grandes fragilidades defensivas, que permitiram ao Barcelos amealhar os 17 pontos que equilibraram o marcador ao final do primeiro ‘quarto’. A equipa de Carlos Pinto, que nos dez minutos iniciais ‘sobreviveu’ à custa da eficiência ofensiva de Sergi Cool (10 pontos), saiu na frente do marcador para o segundo período, mas a vantagem dos vareiros voltou a ficar condicionada pela prestação defensiva da equipa. A Ovarense nunca conseguiu opor-se ao eficiente ataque dos visitantes, e acabou por sofrer um parcial de 19-23, que ao intervalo dava quatro pontos vantagem ao Barcelos (3640). No regresso dos balneá-

Vareiros regressam aos triunfos caseiros com ‘exibição a dois tempos’. Barcelos saiu na frente para o intervalo, mas no regresso dos balneários Miguel Miranda apontou o ‘norte’ ofensivo, para na defesa o coletivo fazer o resto.

Classificação Equipa Benfica Ovarense CAB Madeira Académica Sampaense Guimarães Barcelos Lusitânia Física Algés Galitos

J 17 18 17 17 17 17 17 17 17 17 17

V 16 13 13 12 9 9 7 5 5 2 2

D 1 5 4 5 8 8 10 12 12 15 15

P 33 31 30 29 26 26 24 22 22 19 19

BASQUETEBOL Resultados da Formação

Ovarense 80 Ovarense 92 Barcelos 75 Galitos 83

Seniores Fem. Ovarense 63 LAC 76

Gonçalo Stringfellow nj Cristóvão Cordeiro 03 José Barbosa 08 Júlio Silva 02 Sergi Coll 19 Nuno Morais 09 Fernando Neves 15 Miguel Miranda 20 Mário Gonçalves 04 Pedro Costa nj Renato Fião nj Emanuel Sá nj Treinador: Carlos Pinto

Torres Novas Ovarense

Gonçalo Stringfellow 00 Cristóvão Cordeiro 03 José Barbosa 11 Júlio Silva nj Sergi Coll 15 Nuno Morais 17 Fernando Neves 26 Miguel Miranda 14 Mário Gonçalves 05 Pedro Costa 01 Renato Fião nj João Ribeiro nj Treinador: Carlos Pinto

Miguel Miranda (20 pts ,11 ress e 7 ass) foi decisivo frente ao Barcelos

rios os alvi-negros surgiram mais aguerridos a defender e desde cedo traçaram o destino do jogo, primeiro condicionando o Barcelos a uns escassos 12 pontos em dez

minutos, e depois, fruto da excelente prestação no ataque de Miguel Miranda e Fernando Neves (dois triplos cada) e de José Barbosa e Nuno Morais (1 triplo cada), casti-

gando-o ofensivamente com um parcial de 31-12, que praticamente arrumou a questão (67-52). Os últimos dez minutos serviram para confirmar a

68 58

Sub 16 M (B) Ovarense 49 Beira-Mar 32 Infantis Illiabum 0 Ovarense 6 Ovarense GICA

5 1 Publicidade


Leonel Fernandes é campeão distrital de corta mato

Fernando Souteiro

ATLETISMO

praçapública

DESPORTO

16 Quarta-feira, 27 de março de 2013

ATLETISMO

IV Trail de Conímbriga – Terras de Sicó

FERNANDO SOUTEIRO E PAULO SANTOS

Publicidade

O Parque Municipal da Quinta do Ega, em Vagos, foi o palco escolhido pela Associação de Atletismo de Aveiro e pelo Grecas para a realização do Campeonato Distrital Longo de corta mato, que teve como grande vencedor, no setor masculino, o ovarense Leonel Fernandes, que representa o Clube de Campismo de São João da Madeira, que repetiu o triunfo conseguido no ano passado. O atleta vareiro percorreu os 11 mil metros da prova em 34 minutos e 33 segundos. Já Carla Martinho (Adercus) venceu a prova feminina, ao realizar os sete mil metros, em pouco mais de 23 minutos. Já outro atleta do concelho de Ovar, Adrião Rodrigues, que representa o Sport Lisboa e Benfica, venceu a categoria de sub-23, com o tempo de 35 minutos e 40 segundos. De salientar que este 44º Campeonato das Beiras e Coimbra englobou 12 provas, destinadas às diferentes escalões etários. Por sua vez, o Grupo Desportivo e Cultural de Guilhovai sagrou-se vice-campeão na categoria de veteranos (+35 Anos). Esta coletividade da vila de São João de Ovar não pôde contar nesta competição com Manuel Urbano, que se encontrava lesionado. O GDC de Guilhovai colocou dois atletas nos dez primeiros lugares, Alexandre Silva (6º) e Manuel Pereira (9º). Por sua vez, os seus colegas Benjamim Soares e Manuel Ferreira obtiveram o 12º e 19º lugares. Já no Grande Prémio de César (Oliveira Azeméis), Benjamim Soares conquistou a terceira posição, em veteranos III. No Campeonato Distrital Longo de corta mato, o AFIS/ OVAR obteve as seguintes classificações: Iniciados Masculinos 3000m 5 º - Tomás Silva

Juniores Femininos 5000m 11ª - Maria Pinto

Juvenis Masculinos 5000m 32º - João Carvalho

Juniores Masculinos 7000m 19º - Filipe Leite

O encontro entre o Estrela Azul e o Evolution terminou com um empate a um golo

13º TORNEIO FUTEBOL SEIS GDC DE GUILHOVAI

Jornada inaugural muito equilibrada FERNANDO SOUTEIRO E PAULO SANTOS

A secção desportiva do Grupo Desportivo e Cultural de Guilhovai está a levar a efeito o 13º torneio de futebol de seis, que esta edição conta com a participação de uma dúzia de equipas e que será disputado no sistema de campeonato. As formações envolvidas são a Associação Atlética e Cultural de Guilhovai, Gru-

po Desportivo e Cultural de Guilhovai (A), All Night Long, SC Carochada, Café Príncipe, Associação Recreativa e Cultural da Ponte Nova, Systatus, Centro Pneus Ocasião, Associação Cultural e Recreativa de São Vicente Pereira, Grupo Desportivo e Cultural de Guilhovai (B), Estrela Azul e Evolution. Registe-se que a equipa do Estrela Azul participou em todas as edições do torneio. A jornada inaugural pau-

tou-se pelo equilíbrio, tendo o All Night Long goleado o SC Carochada, por sete bolas a quatro, enquanto que o encontro entre o Café Príncipe e a ARC Ponte Nova terminou com uma igualdade a dois golos. A partida entre o Systatus e o Centro Pneus Ocasião terminou com o triunfo da primeira equipa por 5-2, mas o desafio entre a ACR São Vicente Pereira e o GDC Guilhovai B foi bem mais equilibrado, tendo o triunfo sorrido à formação vicentina, por 3-2. O último desafio desta jornada, entre o Estrela Azul/Café Lampião e o Evolution, terminou com um empate a uma bola. Fazem parte da secção desportiva, Maurício Gomes, António Dias, Diogo Maurício, José Oliveira e Tiago Das. De salientar que esta iniciativa terá, igualmente, a disputa da Taça António Andrade . O PRAÇA PÚBLICA esteve à conversa com Maurício Gomes e António Dias que realçaram que o fundamental “é a obtenção do sucesso, tal como nas edições anteriores, de uma competição saudável e convívio”. Por outro lado, estes dois elementos foram unânimes em destacar que é “sempre bom recordar com eterna saudade António Andrade”, garantindo que continuam empenhados e com a mesma ambição da primeira edição.

A Associação Despor tiva OMundodaCorrida.com, APD levou a efeito o “Ultra Trail de Conímbriga/Terras de Sicó”, num percurso por trilhos na Serra de Sicó, na distância de 45 quilómetros. Em simultâneo realizou-se um “Trail de Conímbriga/ Terras de Sicó”, na distância de 22 quilómetros e uma caminhada pedestre denominada “Caminhada de Conímbriga/Terras de Sicó”, com cerca de 18 quilómetros. O AFIS/OVAR esteve presente nas três iniciativas, tendo os seus atletas obtido as seguintes classificações: Ultra Trail de Conímbriga/Terras de Sicó - 45km Escalão M60 4º - Fernando Paiva Santos Trail de Conímbriga/ Terras de Sicó - 22km Classificação Masculina 506º - Severino Cruz Classificação Feminina 90ª - Mafalda Carvalho A atleta Lina Cruz participou na caminhada

DUATLO

Carlos Leite arranca segundo lugar nas Penhas Douradas No passado dia 10 de março a Associação Cultural e Recreativa da Ribeira fez-se representar pelo atleta Carlos Leite na XXXI Corrida de Montanha, Manteigas Penhas Douradas, que, na categoria de mais de 60 anos obteve um excelente segundo lugar.


praçapública

DESPORTO

Quarta-feira, 27 de março de 2013

CANOAGEM

TÉNIS

Igor Pinho e Manuel Cunha vencem categorias

Francisco Horta e Pedro Sousa sagram-se campeões regionais

para os seus participantes, pelo que a organização decidiu adiar para o dia seguinte, o que se revelou acertado. Pelo CC de Ovar participaram 21 atletas, num recorde de presenças a nível regional nesta especialidade e que contribuíram para garantir o 6º lugar coletivo. Realçam-se as vitórias de Igor Pinho e Manuel Cunha, o 2º lugar de Liliana Resende, Pedro Costa e Rui Romão e

a medalha de bronze de André Dias. Igor Pinho e Rui Romão protagonizaram as provas mais emotivas da tarde com os resultados finais apenas resolvidos ao sprint até à linha da meta, contando com um forte apoio na margem de muitos espetadores que se deslocaram à praia do Areinho. Todos os resultados dos canoístas do CC de Ovar:

Tiago Carriola

O Clube de Canoagem (CC) de Ovar levou a efeito o Campeonato Regional de Fundo/Centro, que contou com a presença de cerca de 150 atletas, oriundos de oito clubes dos distritos de Aveiro e Coimbra. A prova estava inicialmente marcada para o dia anterior, no entanto, a chuva, vento e ondulação fortes não permitiram realizar em plenas condições de segurança

Os atletas do Clube de Ténis de Ovar, Francisco Horta (20º da classificação nacional) e Pedro Sousa (49º da classificação nacional) sagraram-se campeões regionais Sub-18, em pares, depois vencerem uma final muito

equilibrada, contra dois atletas do Clube de Ténis de Águeda. Recorde-se que o Clube de Ténis de Ovar ultrapassou recentemente os 100 atletas federados, tornando-se num dos três clubes mais represen-

17

tativos da Associação de Ténis de Aveiro. A escola de ténis do Clube de Ténis de Ovar funciona sete dias por semana e tem dois treinadores credenciados pela Federação Portuguesa de Ténis.

ATLETISMO JOGANDO

Crianças divertiram-se praticando diversos jogos FERNANDO SOUTEIRO E PAULO SANTOS

O Clube de Canoagem de Ovar esteve representado na prova com 21 atletas

K1 Infantil 14º Hugo Silva

K1 Cadete 1º Igor Pinho 13º David Moço 16º Pedro Morais 18º Tiago Marques

K1 Júnior: 10º Vitor Oliveira 14º David Lopes 16º Bernardo Silva 17º Pedro Martins 18º Pedro Rodrigues 19º Fábio Bastos K1 Júnior Feminino 2º Liliana Resende

C1 Júnior 2º Pedro Costa 4º Kevin Rocha C1 Sénior 3º André Dias K1 Sénior 2º Rui Romão 19º Daniel Silva Veterano B 1º Manuel Cunha

CANOAGEM

Juliana Lopes, Igor Pinho e Liliana Resende em estágios da seleção nacional Ryszard Hoppe, selecionador nacional de canoagem, divulgou as listas dos atletas convocados para os estágios das seleções nacionais de velocidade de Sub-23, Juniores e Cadetes que voltam ao Centro de Alto Rendimento de Montemor-o-Velho (Juniores e Sub-23) e Vila Nova de Gaia (Cadetes) para mais um estágio de preparação para as competições internacionais da época 2013. Aproveitando as férias da Páscoa, estão em estágio, desde o dia 18 até ao dia 29 de março, um total de 48 atletas, de diversos clubes, de praticamente todo o país. No caso dos atletas cadetes o estágio realiza-se de 23 a 29 do mesmo mês. Do Clube de Canoagem de Ovar, a grande novidade é de Juliana Lopes que integrará o estágio de cadetes, para além de Igor Pinho. Nos juniores, Liliana Resende volta a ser uma das eleitas. Com esta nova convocatória, passam a ser quatro os atletas do clube ovarense já convocados esta época para estágios das Seleções Nacionais Cadetes e Juniores.

PÚBLICA que os objetivos da iniciativa são “cativar mais jovens para a prática do atletismo”. Por outro lado, o responsável máximo da instituição valeguense frisou que este tipo de jogo serve para que os jovens de tenra idade “se iniciem no atletismo e numa

formação para o futuro”. De salientar que, presentemente, uma dezena de atletas representa a Associação Atlética do Seixo Branco, participando em diversas provas pedestres que se realizam nas mais diversas localidades do distrito. Publicidade

K1 Infantil Feminino 6º Rafaela Valente 8º Beatriz Silva

K1 Cadete Feminino 5º Juliana Lopes

Esta iniciativa, levada a cabo pela Associação Amigos do Seixo Branco (Válega) e pela própria Associação de Atletismo de Aveiro, teve como palco o pavilhão gimnodesportivo daquela vila. Participaram neste evento desportivo mais de 40 crianças, representando os serviços sociais da Câmara Municipal de São João da Madeira, GJ Pinheiro da Bemposta (Oliveira Azeméis), Mosteirô, Escapães, Associação Cultural e Recreativa de Valdágua e a própria associação organizadora. Cada equipa era constituída por quatro elementos, com idades compreendidas entre os cinco e os 11 anos. A iniciativa constou de corrida de estafetas, lançamentos do dardo e do peso, salto em comprimento, corridas com barreiras, entre outras, ainda que utilizando objetos diferentes daqueles que são habitualmente utilizados neste tipo de provas. Aqui, o fundamental é que as crianças se divirtam de uma forma lúdica por forma a ficarem com a noção de que o atletismo não é só correr. Para além das crianças se terem divertido nos diversos jogos em que participaram, pode dizer-se que um dos momentos mais do agrado das crianças foi o saco oferecido pela organização, que continha diversos produtos, uma medalha e um diploma. Domingos Vítor, presidente da coletividade organizadora destacou ao PRAÇA


praçapública

DESPORTO DR

18 Quarta-feira, 27 de março de 2013

10ª CAMINHADA ACR DE VALDÁGUA

Participantes caminharam com alegria e boa disposição

Equipa vencedora da edição 26 das Férias Desportivas da Páscoa

A final da prova foi muito disputada

INICIATIVA JÁ CONTA 26 EDIÇÕES

DR

250 crianças ‘curtiram’ as Férias Desportivas da Páscoa

FERNANDO SOUTEIRO E PAULO SANTOS

Equipa classificada na segunda posição DINIS AMARAL DINISAMARAL@PRACAPUBLICA.COM

A ADO Basquetebol, a Câmara Municipal e a EB 2,3 António Dias Simões levaram a efeito, entre 19 e 22 de março, a

26ª edição das Férias Desportivas da Páscoa, que este ano contou “com a participação de 250 crianças, mais cerca de 20 monitores e ajudantes”, um número que ficou “dentro do que se registou no último ano”, referiu Álvaro Ribeiro.

Em nome da organização, Álvaro Ribeiro aproveitou para agradecer outros apoios, nomeadamente “da Junta de Freguesia de Ovar, do e do Dolce Vita, sem os quais seria impossível organizar o evento” e salientou, em jeito de balanço, que,

DR

Como forma de assinalar o Dia Internacional da Mulher, a secção de atletismo da Associação Cultural e Recreativa de Valdágua levou a efeito mais uma caminhada pelas ruas da vila de Válega. Participaram nesta iniciativa mais de duas dezenas de pessoas, oriundas da própria vila, de Ovar, São Martinho da Gândara (Oliveira de Azeméis) e do Furadouro. Segundo o principal responsável da secção de atletismo da coletividade valeguense, José Eduardo Pinho, os principais objetivos deste evento desportivo são “a divulgação da secção, do atletismo, da prática de exercício físico e o convívio”. O atual treinador da associação realçou que o facto das condições climatéricas estarem um pouco adversas contribuiu para que a adesão não fosse maior. De salientar que as pessoas do sexo feminino tiveram direito a uns “miminhos”, tais como uma flor e um poema. Todos os participantes tiveram direito a uma garrafa de água e a um lanche. Os participantes saíram da sede da instituição, tendo passado pelo Cruzeiro da Virgem, da senhora de Entráguas, São João e o regresso ao local da partida. Ao longo da 10ª caminhada prevaleceu a alegria, a boa disposição e o convívio.

“tendo em conta o momento de crise que se vive, a edição de 2013 acabou por superar as expetativas”. Durante quatro dias, as crianças desenvolveram diversas atividades nas instalações da EB 2,3 António Dias Simões, onde não faltou a vertente desportiva ligada ao basquetebol, e o grande encontro de encerramento, onde se disputaram os jogos de atribuição dos primeiros lugares e onde teve lugar a tradicional entrega prémios, teve lugar no Pavilhão João Gonçalves, onde marcaram presença, entre outros, Márcia Valinho, vereadora da Câmara Municipal de Ovar, Joaquim Barbosa, presidente da Junta de Freguesia de Ovar, e a equipa sénior de basquetebol da Ovarense.

Equipa vencedora da prova de estafeta

Márcia Valinho, vereadora da CMO

Joaquim Barbosa, presidente da JFO

Américo Oliveira (ADO Basquetebol)

Ricardo Barros, diretor do Continente

Álvaro Leite, secretário da JFO


praçapública

Esmoriz sobe à primeira divisão distrital FERNANDO SOUTEIRO E PAULO SANTOS

Publicidade

Com duas vitórias e um empate nas últimas três jornadas, o Sporting Clube de Esmoriz garantiu o acesso à I Divisão Distrital. Depois da vitória caseira frente ao Real Nogueirense (2-1), a meio da semana, numa partida de acerto do calendário que marcou a inauguração do novo sistema de iluminação do Estádio da Barrinha, os esmorizenses receberam e venceram o Sanguedo (3-1) e, no último fim de semana, deslocaram-se ao Soutense onde arrancaram um precioso empate (1-1) que valeu o título da série. Frente ao Real Nogueirense o Esmoriz entrou mais forte e precisou de apenas 20 minutos para se adiantar no marcador, por intermédio de Samu, contudo, os visitantes reagiram e ainda antes do intervalo recolocaram a igualdade no marcador. No regresso dos balneários Pedro Godinho deu vantagem ao Esmorizenses e fixou o resultado final. No próximo dia 7 de abril o Esmoriz recebe, no Estádio da Barrinha, pelas 16h00, a visita do Argoncilhe.

Daniel, Vitinha (Fernando, 61’), Nuno, China, Fábio, Borges (Rúben, 71’), Tiago Barroqueiro, Muge (Rui Leite, 65’), David Joel, Jony e Joca. Treinador: João Rodrigues. Golos: Jony (15’), Joca (20’ e 31’), Borges (28’), David Joel (48’ e 76’), Muge (51’) e Rúben (82’). Disciplina: Vitinha (40’), Fábio Tavares (75’).

Quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Ovarense Gafanha Aquém

8 0

CAMPEONATO DISTRITAL 2ª DIVISÃO

Ovarense ascende ao primeiro lugar com goleada à moda antiga Vareiros constroem resultado histórico e adiantam-se na corrida à subida de divisão. Últimas jornadas do campeonato vão ser decisivas. Tiago Carriola

CAMPEONATO DISTRITAL II DIVISÃO

DESPORTO

Os vareiros carregaram no ataque durante toda a partida DINIS AMARAL DINISAMARAL@PRACAPUBLICA.COM

A Ovarense goleou o Gafanha Aquém (8-0), no passado dia 24, e mantém-se na perseguição ao primeiro lugar da tabela classificativa. Os vareiros dominaram o encontro a seu bel-prazer e acabaram por construir um resultado ‘gordo’ que abre exce-

lentes perspetivas para a ponta final do campeonato. Frente a um adversário frágil, não foi preciso esperar muito tempo para os alvi-negros se colocarem na frente do marcador. Jony abriu o ativo aos 15 minutos e a partir daqui não mais abrandou o ritmo da partida, de tal forma que, em mais 15 minutos, com três

golos de Joca (2) e Borges (1) acabou com as esperanças dos visitantes e traçou o destino do jogo. Na segunda parte assistiu-se novamente ao completo domínio dos vareiros, que voltaram a ‘faturar’ em mais quatro ocasiões, por intermédio de David Joel (2), Muge (1) e Rúben (1), fixando o resultado final.

19

23ª JORNADA VICENTINOS AINDA SONHAM COM A SUBIDA

Avanca B 1 SV Pereira 3

Cortegaça Mosteirô

Santiais Ovarense

FERNANDO SOUTEIRO E PAULO SANTOS

O São Vicente de Pereira venceu o Avanca (1-3) e mantém acesa a chama da, ainda possível, subida de divisão. Os vicentinos entraram na partida a todo o gás e nos primeiros 45 minutos fizeram dois golos, o primeiro por intermédio de Cris e o segundo por Paivinha. O São Vicente de Pereira voltou a entrar melhor na segunda parte e Túlio deixou o primeiro aviso aos 59 minutos, contudo só mais tarde viria a dilatar a vantagem, com um golo apontado por Diogo. Com o vencedor encontrado, coube ao Avanca procurar reduzir a desvantagem, algo que conseguiu por intermédio de Parreira, que fixou o resultado final. SV Pereira: André, Fonseca, Toninho, Mendes, Cris, Wilson, Diogo, Paivinha, Fábio Costa (Teco), Túlio e Samuel (Toni).

SV Pereira Rocas Vouga

1 3 0 8 2 0

24ª JORNADA Sanguêdo Cortegaça

2 1

CLASSIFICAÇÕES DISTRITAL - 2ª DIVISÃO SÉRIE B Equipa J V E D P Ovarense 22 16 3 3 51 Beira-Vouga AD Valonguense SV Pereira M. Cambra Avanca B Pinheirense

23 22 22 22 22 22

15 15 15 11 10 9

4 4 49 4 3 49 2 5 47 4 7 37 2 10 32 4 9 31

Bom-Sucesso

22 8

6

8 30

Macinhatense Gafanha Rocas do Vouga Santiais Palmaz

22 22 23 22 22

4 7 6 2 2

11 10 12 18 19

7 5 5 2 1

25 22 21 08 05

DISTRITAL - 2ª DIVISÃO SÉRIE A Equipa J V E D P Esmoriz 22 17 3 2 54 Soutense 22 15 2 5 47 Caldas S. Jorge 22 14 4 4 46 Real Nogueirense 22 14 1 7 43 Alvarenga 23 10 4 9 34 Macieirense 22 9 6 7 33 Lobão 22 10 3 9 33 Argoncilhe 22 9 4 9 31 Rio Meão Sanguêdo Mosteirô ACRD Mosteirô Cortegaça

22 22 22 23 22

8 5 4 3 0

6 6 8 4 1

8 11 10 16 21

30 21 20 13 01


Fernando Souteiro

JUNIORES

O Furadouro venceu o LAAC (3-2) num encontro marcado por duas partes distintas. A primeira, onde se registou o domínio absoluto dos donos da casa, que desperdiçaram diversas ocasiões para marcar, e a segunda, onde o equilíbrio foi a nota dominante e onde aconteceram cinco golos. O Furadouro, comandado por Ângelo Resende, entrou melhor no encontro e poderia ter-se adiantado no marcador, contudo a ineficácia do setor atacante acabou por condicionar a prestação da equipa, que recolheu aos balneários com uma igualdade a zero no marcador. A segunda parte foi mais animada e logo aos 48 minutos o Furadouro adiantou-se no marcador, fruto de um autogolo, contudo os visitantes reagiram e chegaram à igualdade pouco depois. O

Fernando Souteiro

Furadouro 3 - 2 Laac FERNANDO SOUTEIRO E PAULO SANTOS

Os golos só apareceram na segunda parte

LACC, contra a corrente do jogo, chegou à vantagem e o jogo ganhou uma nova dinâmica, com as duas equipas a ficarem reduzidas a dez jogadores. O Furadouro aproveitou o desnorte do adversário e Rendilheiro fez a diferença, recolocando a igualdade no marcador para, pouco depois, Óscar fixar o resultado final. Ângelo Resende admitiu que a sua equipa “dominou por completo a primeira parte”, onde “teve oportuni-

dades suficientes para construir outro resultado”, disse. Ainda assim, o treinador do Furadouro frisou que a equipa “acabou por vencer com toda a justiça”. Furadouro: Ruben, Areias, Micael, Resende, Pardal, Hugo, Miguel, Fabinho, Óscar, Micas e Fred. Jogaram ainda: Rendelheiro, Luís Carlos e Daniel.

JUVENIS

Clube Desportivo do Furadouro

TRAQUINAS

Ovarense 1 – 3 Furadouro FERNANDO SOUTEIRO E PAULO SANTOS

O Furadouro bateu a Ovarense num encontro emotivo e presenciado por muito público que marcou presença no complexo desportivo alvi-negro. A primeira parte foi dominada pelo Furadouro e Vilas aproveitou para abrir o marcador. O Furadouro continuou a impor o ritmo do jogo e pouco depois foi a vez de Rodrigo Malheiro aumentar a contagem. Contudo, os alvi-negros reagiram positivamente à desvantagem e ainda antes do intervalo reduziram, por intermédio de Filipe Oliveira.

A segunda parte teve início com nota positiva para os donos da casa, contudo o Furadouro voltou a ser mais forte e Gabi acabou por marcar o terceiro golo, fixando o resultado final. Até ao final da partida as duas equipas repartiram as oportunidades de golo, só que a ineficácia ofensiva impediu que o resultado de alterasse. Daniel Cruz, técnico da Ovarense admitiu que o “Furadouro em dois ou três lances conseguiu marcar”, tendo destacado que a sua equipa “cometeu alguns erros”. Por sua vez, Hugo Malheiro, treinador do Furadouro, reconheceu que as equipas “estavam equilibradas, mas os

Fernando Souteiro

A Ovarense perdeu 3-2 frente ao Avanca, num encontro onde os vareiros entraram praticamente a perder, já que os donos da casa se colocaram em vantagem logo no primeiro minuto do jogo. Os vareiros reagiram e equilibraram a partida, contudo foi o Avanca quem voltou a marcar, fixando o resultado ao intervalo (2-0). Na segunda parte, a Ovarense, comandada por André Matias e Eduardo Lopes, apareceu mais rápida sobre a bola e criou algumas ocasiões de golo, particularmente por intermédio de Zé Miguel, que acabou por reduzir a desvantagem. Os alvinegros carregaram no ataque, mas foi novamente o Avanca quem aproveitou para dilatar a vantagem (3-1). Os vareiros não baixaram os braços e acabaram por conseguir a reduzir na sequência de um canto apontado por Balreira a que

Fernando Souteiro

Avanca 3 - 2 Ovarense FERNANDO SOUTEIRO E PAULO SANTOS

praçapública

DESPORTO

20 Quarta-feira, 27 de março de 2013

O golo sofrido no primeiro minuto fez a diferença

Américo correspondeu da melhor forma. A Ovarense terminou o jogo a carregar sobre o adversário e Teles ainda teve uma grande oportunidade, quando cabeceou acima do travessão, contudo o resultado não sofreu mais alterações. No final da partida, André Matias admitiu que a sua equipa “deu 40 minutos de avanço ao adversário em virtude dos seus jogadores terem entrado “muito nervosos e

pouco agressivos”, salientando que “o golo sofrido, logo no primeiro minuto do jogo, deitou por terra toda a estratégia” vareira. Ovarense: João, André Pinho, Filipe, Nuno, Geovanni, Teles, Aleixo, Amaro, Rafael, Ricardo e Américo. Jogaram ainda: Gaspar, Zé Miguel e Carlos.

Associação Desportiva Ovarense

lances individuais protagonizadas por Gabi e André desequilibraram o jogo”, salientando não ter havido dúvidas “da supremacia evidenciada pelo Furadouro”. Ovarense: João Paulo, Pedro Teles, João Graça, Pedro Oliveira, Rodrigo, João Pedro, Filipe, Tomás, Jorginho e Carolina. Furadouro: Jorginho, André, Renato, Pedro, Rodrigo Malheiro, Gabi, Vilas, Telmo, Miguel, Alexandre e Tomás.


Quarta-feira, 27 de março de 2013

21

DR

PRAÇA DE ÓPTICA - SAÚDE E BELEZA praçapública COM LOJAS EM OVAR, CESAR E SANTA MARIA DA FEIRA

Centro Óptico

O Centro Óptico tem lojas em Ovar, Oliveira de Azeméis e Santa Maria da Feira

atualmente em mais dois concelhos - Oliveira de Azeméis e Santa Maria da Feira, com lojas em Cesar, desde 2006, na Praça da Liberdade (Edifício Casarão) e no Centro Comercial Pingo Doce, desde 2012, respetivamente. A matriz do serviço que pode encontrar no Centro Óptico baseia-se no atendimento personalizado, eficien-

DR

O Centro Óptico continua a afirmar-se como uma das poucas empresas da região que se encontra em contra-ciclo. Prova disso é o crescimento sustentado que tem marcado a sua história. O Centro Óptico nasceu em Ovar, em outubro de 1999, mas rapidamente se expandiu para os mercados vizinhos, encontrando-se

A simpatia é a imagem de marca no serviço de atendimento

te e altamente qualificado, desenvolvidos em três espaços dinâmicos e modernos, que colocam ao seu dispor a mais moderna tecnologia de apoio a um serviço inovador, com as melhores marcas do mercado. Como afirma Rui Ferreira, proprietário do grupo, “este crescimento sustentado” só acontece porque é fruto de uma “estratégia, que tem passado por uma visão inovadora, centrada na aposta da prestação de um serviço personalizado, de grande qualidade, e prestado por profissionais altamente qualificados, que se apoiam nas mais modernas tecnologias”. Rui Ferreira refere ainda que “outro fator que nos tem permitido fazer a diferença e que nos tem garantido sucesso, prende-se com a aposta na venda das novas marcas e dos novos produtos”, mas destaca que o verdadeiro fator diferenciador do grupo “é a assistência que prestamos pós-venda”. De facto, diz Rui Ferreira, “o nosso sucesso deve-se, em grande parte, à satisfação completa dos nossos clientes, pois é neles que centramos todos os nossos recursos, desde a venda, passando pelas consultas, até ao serviço pós-venda”. Com sete profissionais

prontos a servi-lo, o Centro Óptico disponibiliza serviços de consultas de optometria, mediço da tensão ocular, terapias visuais, rastreios visuais e audiometria, e a venda de lentes oftálmicas, lentes de contacto, para entrega imediata, óculos de sol, armações, soluções de manutenção, entre muitas outras coisas. No Centro Óptico pode encontrar os melhores preços, das melhores marcas, com destaque para a Police, Silhouette, Hugo Boss, RayBan, Gucci, Carrera, Prada, Guess, Roberto Cavalli, Calvin Klein, Gant, Oakley, Lacoste, entre outras. O Centro Óptico ofere-

No Centro Óptico pode encontrar produtos de alta qualidade

ce-lhe ainda aconselhamento personalizado com vista à resolução de problemas relacionados com a sua visão, assim como soluções económicas com vista a encontrar a melhor solução para si. Durante os meses de março e abril o Centro Óptico tem em marcha duas campanhas promocionais. A pri-

meira, “pague um, leve dois”, isto é, na compra de um par de lentes progressivas poderá usufruir de um segundo par gratuito, e, uma segunda, a decorrer no mesmo período, onde poderá fazer as suas compras e beneficiar do pagamento faseado em dez leves mensalidades, sem juros. A não perder!

DR

DR

é aposta segura para os seus olhos

Rui Ferreira, o proprietário do grupo de lojas Centro Óptico


22 Quarta-feira, 27 de março de 2013

praçapública

DIVERSOS Comarca do Baixo Vouga Ovar Juízo de Média e Peq. Instância Cível Rua Alexandre Herculano -3880 -146 Ovar telef.: 256100730 Fax 256100759 Mail ovarsj@tribunais.org.pt ANÚNCIO Processo: 880/13.0T20VR

Maria Celeste Rodrigues 85 anos Rua dos Fragateiros, Ponte NOva - Ovar A Família agradece a todos os que acompanharam a cerimónia fúnebre, e que de alguma forma manifestaram o seu pesar.

Maria do Céu Valente Lopes 74 anos Rua Ferreira de Castro - Ovar

Faz-se saber que foi distribuída neste tribunal, a ação de Interdição/Inabilitação em que é requerido António Pinho Silva, com residência em domicílio: Rua de Pintim, N° 82, 3880-511 VáIega, para efeito de ser decretada a sua interdição por. O Juiz de Direito, Dr(a). José Miguel Moreira

A Família agradece a todos os que acompanharam a cerimónia fúnebre, e que de alguma forma manifestaram o seu pesar.

Margarida de Jesus Gomes 92 anos Rua Visconde de Ovar - Ovar A Família agradece a todos os que acompanharam a cerimónia fúnebre, e que de alguma forma manifestaram o seu pesar.

Arménio Manuel dos Santos Leite 59 anos Rua Fernandes Tomás - Ovar A Família agradece a todos os que acompanharam a cerimónia fúnebre, e que de alguma forma manifestaram o seu pesar.

Mário Jorge dos Santos Ferreira 52 anos Rua Licínio de Carvalho - Ovar A Família agradece a todos os que acompanharam a cerimónia fúnebre, e que de alguma forma manifestaram o seu pesar.

ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E CULTURAL DA PONTE NOVA CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA-GERAL EXTRAORDINÁRIA Ao abrigo do capítulo V, secção B artº 23, parágrafo 7º, convoco todos os Associados da A. R. C. da Ponte Nova em pleno uso dos seus direitos para uma assembleia geral extraordinária a realizar dia 20 de abril de 2013 na sua sede sita na rua 12 de fevereiro nº 77-81 em Ovar pelas 21 horas, com a seguinte ordem de trabalhos: Ponto único: Discussão, alteração e aprovação dos novos estatutos que irão reger de futuro a A. R. C. da Ponte Nova. Se há hora acima mencionada não estiverem presentes a maioria dos Associados, a Assembleia começará meia hora mais tarde com o nº de Associados presentes. S. João de Ovar, 16 de março de 2013 O Presidente da Mesa da Assembleia-geral Praça Pública N.º 630, 27 de março de 2013 José Oliveira Ferreira da Silva

O Oficial de Justiça, António de Jesus Pires

Praça Pública N.º 630, 27 de março de 2013

Comarca do Baixo Vouga Ovar Juízo de Execução Rua Alexandre Herculano -3880-146 Ovar Telef: 256100730 Fax: 256100759 Mail: ovar.sj@tribunais.org.pt

Maria José da Silva 87 anos Rua Pedro Chaves, Ribeira - Ovar

Alfredo António Figueiredo Valente 92 anos Rua dr José Falcão - Ovar

N/Referência: 17917850 Data: 19-03-2013

Requerente: Ministério Público Requerido: António Pinho Silva

A Família agradece a todos os que acompanharam a cerimónia fúnebre, e que de alguma forma manifestaram o seu pesar.

A Família agradece a todos os que acompanharam a cerimónia fúnebre, e que de alguma forma manifestaram o seu pesar.

Interdição / Inabilitação

1ª Publicação ANÚNCIO Processo: 1830/09.3T2OVR

Execução Ordinária

N/Referência: 17761830 Data: 07-03-2013

Exequente: Caixa Geral de Depósitos, S.A. Executado: Aires Silva Alves Marques e outro(s).. Correm éditos de 20 dias para citação dos credores desconhecidos que gozem de garantia real sobre os bens penhorados ao(s) executado(s) abaixo indicados, para reclamarem o pagamento dos respetivos créditos pelo produto de tais bens, no prazo de 15 dias, findo o dos éditos, que se começará a contar da segunda e última publicação do presente anúncio. Bens penhorados: TIPO DE BEM: Imóvel REGISTO: Comarca do Baixo Vouga ART .MATRICIAL: 122, Ovar -Serviço de Finanças-1 DESCRIÇÃO: Penhora do Usufruto da Casa térrea para habitação, sita no Lugar de Pedras de Cima, freguesia de Arada, Concelho de Ovar, com àrea coberta de 40m2, a confrontar de Norte com Manuel José de Oliveira Malicia, Sul com Manuel Francisco Soares Gomes, nascente próprio e poente c/ caminho. PENHORADO EM: 07-06-2011 00:00:00 PENHORADO A: EXECUTADO: Manuel da Silva Rodrigues. Documentos de identificação: BI -3030278, NIF - 135078164. Endereço: Arada, Ovar, 3880-000 Ovar

Praça Pública N.º 630, 27 de março de 2013

O Juiz de Direito Dr(a). José Henrique Delgado Carvalho O Oficial de Justiça Estrela Simões

farmáciasdeserviço Ovar

Hoje, dia 27 Farmácia Lamy .............................. 256 572 185 Amanhã, dia 28Farmácia Central ........................ 256 572 594 Sexta, dia 29Farmácia Rodrigues ...................... 256 572 145 Sábado, dia 30 Instituto Pereira Zagalo .............. 256 572 226 Domingo, dia 31 Farmácia Manuel Castro .........256 574 606 Segunda, dia 1 abr Farmácia Lamy .................... 256 572 185 Terça, dia 2 Farmácia Central ............................. 256 572 594 Quarta, dia 3Farmácia Rodrigues ...................... 256 572 145 Quinta, dia 4 Instituto Pereira Zagalo ................. 256 572 226 Sexta, dia 5 Farmácia Manuel Castro ................ 256 574 606 Sábado, dia 6 Farmácia Lamy ............................ 256 572 185 Domingo, dia 7 Farmácia Central ....................... 256 572 594 Segunda, dia 8Farmácia Rodrigues ................... 256 572 145 Terça, dia 9 Instituto Pereira Zagalo ................... 256 572 226

Válega

De 27mar a 1 abr Farmácia Lopes Rodrigues.... 256 502 215 De 2 a 6 Farmácia Resende ................................ 256 502 152 De 7 a 11 Farmácia Lopes Rodrigues............... 256 502 215

Esmoriz

De 27mar a 1 abr Farmácia Farmácia Central ... 256 758 117 De 2 a 6 Farmácia Barbosa ................................. 256 751 090 De 7 a 11 Farmácia Moderna ............................. 256 752 150


praçapública

CLASSIFICADOS

Quarta-feira, 27 de março de 2013

23


Publicidade

praçapública

27-03-2013  

jornalpracapublica

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you