Page 1

PUB

PUB

QUARTA-FEIRA, 2 DE JANEIRO DE 2013 . 0,50€. ANO 13 . Nº 624 QUINZENÁRIO DO CONCELHO DE OVAR . Diretora: SOFIA STOFFEL

WWW.PRACAPUBLICA.COM

Inauguração do Parque Urbano acontece no próximo sábado A Câmara Municipal vai proceder à inauguração do Parque Urbano, no centro da Cidade. A infraestrutura está implantada em 7,5 hectares e que é composta por espaços livres, relvados e arborizados, que permitem a prática de atividades lúdicas e recreativas, físicas e desportivas, custou 4 milhões de euros

Pág. 3

PUB

DESTAQUE

Junta de Freguesia de Ovar anuncia atendimentos médios mensais de cinco mil fregueses

INICIATIVAS

Eficácia da proteção, disponibilização de atividades especializadas e garantia do anonimato são as prioridades de ação do Comandante da PSP de Ovar

Pág. 4

TERRA-A-TERRA

Carnaval de Ovar 2013 já tem programa definido Pág. 6 TERRA-A-TERRA

Pág. 2

INICIATIVAS

Centro e Arte recebe tradição do “Cantar dos Reis” Pág. 2

Requalificação da frente lagunar de Ovar vai avançar este ano

Pág. 6


2

“CANTAR OS REIS”

praçapública

DESTAQUE

Quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

OVAR

DR

Troupes de Reis voltam Parque Urbano é inaugurado sábado ao Centro de Arte O Centro de Arte de Ovar vai acolher o espetáculo “Cantar os Reis”. A iniciativa promovida pela Câmara Municipal de Ovar vai realizar-se já no próximo domingo. Miúdos e graúdos vão ‘invadir’ o auditório para mais uma vez cumprirem a tradição secular. Com os seus cachecóis e boinas, os grupos, compostos por várias gerações, vão dar a conhecer os temas que vão ‘aquecer’, durante estes dias, os vareiros. Atuação das Troupes de Reis no Centro de Arte de Ovar 1ª sessão 15h30 – Troupe de Reis Infantil do ATL da Ribeira 15h45 – Troupe de Reis Infantil da EB da Oliveirinha 16h00 – Troupe de Reis Infantil da EB da Habitovar 16h15 – Troupe de Reis Infantil da EB dos Combatentes 2ª sessão 16h30 – Troupe de Reis Infantil da EB da Ponte Nova 16h45 – Troupe de Reis Infantil do Grupo Coral Infantil e Juvenil de Maceda 17h00 – Troupe de Reis Infantil da EB do Furadouro 17h45 – Troupe de Reis Infantil da EB da Santa Casa da Misericórdia de Ovar

SANDRINE OLIVEIRA

A Câmara Municipal de Ovar vai inaugurar, no próximo sábado, pelas 16h30, o Parque Urbano do centro da cidade. Com uma área de 7,5 hectares de natureza, o espaço, que foi pensado ao pormenor pelo arquiteto Sidónio Pardal, é composto por espaços livres, relvados e arborizados, que permitem a prática de atividades físicas, desportivas, lúdicas e recreativas. Para Manuel Oliveira, a obra, que representou um investimento global de quatro milhões de euros e contou com financiamento no âmbito do QREN 2007/2013 - MaisCentro e do Turismo de Portugal, “veio dar uma nova dinâmica e um novo olhar à cidade de Ovar”. O autarca não tem dúvidas que este “é um projeto estrutural de valorização ambiental e de requalificação de uma zona ‘ignorada’, que se integra numa estratégia que valoriza as pessoas e o território”, referindo que o Parque Urbano “é mais um exemplo do cumprimento do plano de ação delineado para o presente mandato, que promove o desenvolvimento do território do concelho, e que se traduz em mais qualidade de vida para os nossos munícipes e para quem nos visita”.

JOSÉ AMÉRICO GARANTE QUE INTERVENÇÃO FOI FUNDAMENTAL PARA EVITAR CENÁRIO PIOR Relembre-se que, no passado dia 14, o mau tempo que se fez sentir originou a subida do Rio Cáster e consequentemente a inundação do Parque Urbano e de garagens contíguas. Na altura, como o PRAÇA PÚBLICA noticiou, José Américo sublinhou o lado positivo do alagamento e das obras que decorreram, afirmando: “Ainda bem que estamos a investir no Parque Urbano”, pois, segundo o edil, “a maneira como a obra está projetada ajuda a criar um leito de cheia favorável, porque espraia a água e faz diminuir a força da corrente do rio”. No passado dia 20, José Américo levou o assunto a reunião de Câmara, voltando a reforçar o que já havia dito. “O Parque Urbano teve um papel fundamental na proteção e minimização do risco de cheia no centro da cidade de Ovar, funcionando como uma bacia de retenção do fluxo de águas”, disse, relembrando que “a empreitada do Parque Urbano contemplou um meticuloso estudo hidrográfico, com retorno de 100 anos, o que permitiu formular um conjunto de diretrizes para a

construção e uma delas foi a possibilidade dos terrenos do Parque Urbano servirem de leito de cheia”. Segundo o edil, “o Parque Urbano foi pensado para funcionar exatamente assim, ou seja, quando chove muito a montante, em combinação com maré cheia na Ria, todo o parque fica alagado, evitando correntes muito fortes e subidas repentinas do nível da água que provocariam i-

nundações na cidade”. Para o José Américo, de acordo com a nota enviada pelo Município de Ovar, o que preveniu a situação potencialmente idêntica à das cheias de 21 de março de 2001, “foi precisamente a obra do Parque Urbano da cidade de Ovar que funcionou como uma bacia de retenção e amorteceu o fluxo de água que chegaria ao centro da cidade”. Publicidade

3ª sessão 21h00 – Troupe de Reis da Associação Fraterna de Prevenção e Ajuda 21h15 – Troupe de Reis Tradição e Juventude 21h30 – Troupe de Reis do Grupo Foclórico “Os Moliceiros de Ovar” 21h45 – Troupe de Reis da Associação Desportiva da Ovarense Futebol 22h00 – Troupe de Reis da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Ovar 22h15 – Troupe de Reis da Casa da Amizade 22h30 – Troupe de Reis do Grupo Folclórico “Os Fogueteiros de Arada” 22h45 – Troupe de Reis da Associação Cultural e Atlética de Guilhovai 23h00 – Troupe de Reis da Associação Cultural e Recreativa da Ribeira 23h15 – Troupe de Reis da Música Nova 23h30 – Troupe de Reis da Associação dos Antigos Alunos da Escola Oliveira Lopes 23h45 – Troupe de Reis da JOC/LOC 00H00 – Troupe de Reis do Orfeão de Ovar 00h15 – Troupe de Reis da Associação Cultural e Recreativa de Sande, Salgueiral e Cimo de Vila 00h30 – Troupe de Reis da Associação Cultural e Recreativa e Valdágua

A autarquia garante que o Parque Urbano “veio dar uma nova dinâmica e um novo olhar à cidade de Ovar”


praçapública

DESTAQUE

Quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

3

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE OVAR

DINIS AMARAL DINISAMARAL@PRACAPUBLICA.COM

O anúncio foi feito por Joaquim Barbosa, na última Assembleia de Freguesia de Ovar. O autarca levou os números à última reunião do ano e revelou que “gostaria de ver estes números comparados com os números de algumas freguesias do concelho”, porque, disse “quando, por vezes, se discutem, em conjunto, na esfera política, apoios ou benefícios em função dos serviços que se prestam, era interessante perceber o que realmente cada junta faz”, afirmou. Num quadro de síntese das atividades de atendimento a fregueses, Joaquim Barbosa deu particular importância a setores como a emissão de atestados, certidões, confirmações ou licenças, às fotocópias, ao Espaço Net, a telefones, a assuntos relacionados com o Instituto de Emprego, onde os números revelaram, por exemplo, 1216 atendimentos em dezembro de 2012, com o IRS ou com assuntos eleitorais, entre outros. Joaquim Barbosa salientou que este balanço só é possível porque resulta de uma “estratégia de controlo” implementada pelo seu executivo “que reflete o trabalho da Junta de Freguesia” nas instalações da sede, no centro da cidade, e do posto de correios do Furadouro, onde a Junta de Freguesia presta o mesmo tipo de serviços, a um número semelhante de fregueses, com o mesmo tipo de eficácia. ORÇAMENTO MAIS BAIXO Joaquim Barbosa anunciou, no passado dia 27 de

DR

Junta de Freguesia de Ovar efetua mais de cinco mil atendimentos médios mensais

Joaquim Barbosa, presidente da Junta de Freguesia de Ovar

dezembro, que a Junta de Freguesia de Ovar vai continuar a apostar, em 2013, em ações de trabalho a

desenvolver “preferencialmente” nas zonas rurais da freguesia, com particular destaque para as intervenções

de limpeza e reparação de caminhos e valetas. A estratégia de intervenção para o ano que agora se inicia

assenta no plano de opções apresentado na última Assembleia de Freguesia, de onde se destacam preocu-

pações com a educação, com o ambiente ou com a recreação e lazer, que voltará a contemplar os projetos “Junta-te a Nós”, a “Feira do Pão”, a “Festa dos Talentos”. O presidente da Junta de Freguesia de Ovar anunciou ainda que a autarquia está a planear, em parceria com a Câmara Municipal, a criação de uma nova infra-estrutura no espaço do antigo Polidesportivo de S. Miguel, e destacou que a Junta de Freguesia pretende, no decorrer de 2013, proceder à concretização da remodelação da sinalização nos lugares da Marinha, Torrão do Lameiro e Carregal, à aquisição de mesas e bancos para o lugar da Azurreira, a pavimentações definitivas no lugar da Marinha e à construção de dois parques infantis na freguesia de Ovar, em sítios ainda não definidos. Para o efeito, Joaquim Barbosa colocou à votação um Plano de Atividades e Orçamento mais baixo do que o do ano 2012, no valor de 383.837,08 euros, que acabou aprovado, por maioria, com os votos contra da bancada socialista, que assumiu igual posição aquando da discussão e votação do Protocolo a estabelecer entre esta autarquia e a Câmara Municipal de Ovar. Joaquim Barbosa disse não estar plenamente satisfeito com o protocolo a estabelecer com a Câmara Municipal, contudo destacou que sem este seria impossível apresentar obra feita. “Só com as transferências do Estado não haveria lugar à execução de obras”, disse, ainda assim, o presidente da Junta de Freguesia de Ovar garantiu que “quem vier pode não encontrar muito dinheiro, mas também não vai herdar dívidas”.


4

praçapública

TERRA-A-TERRA

Quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

4º DEBATE DO CICLO DE TERTÚLIAS DA JS DE OVAR

André Fonseca, Luís González Vieira e Frederico de Sousa Lemos

peito à Câmara Municipal e às juntas de freguesia, o responsável pelo comando da Esquadra de Ovar da PSP sublinhou a importância de existir um trabalho “muito próximo”, referindo a propósito: “Tenho sentido vontade e abertura para solucionarmos os problemas em conjunto”. No final da sua

intervenção, o subcomissário Luís González Vieira deixou aos cidadãos de Ovar a garantia de que “não irá baixar os braços”, frisando que “a falta de meios não pode ser um pretexto para que a polícia não realize a sua missão primária de controlar e prevenir os ilícitos”. Entre os desafios para o futuro, o

FEDERAÇÃO DAS COLETIVIDADES DO DISTRITO DE AVEIRO

Ovar está bem representado nesta estrutura FERNANDO SOUTEIRO E PAULO SANTOS

O Grupo Desportivo e Cultural de Guilhovai, a Banda Filarmónica Ovarense, a Crecor – Solidariedade, Cultura, Recreio e Desporto de Cortegaça e a Associação Recreativa e Cultural da Ponte Nova integram a Federação das Coletividades do Distrito de Aveiro. A curto ou médio prazo, outras coletividades ovarenses poderão engrossar este lote. Presentemente, o GDC Guilhovai está bem representado no elenco diretivo por Rogério Rocha que ocupa o cargo de vice-pre-

sidente. Já o responsável máximo da Federação é Severiano Tavares, que está ligado à Associação Cultural e Recreativa dos Amigos das Póvoas (Estarreja). De destacar que este elenco diretivo vai exercer funções até 2014 e tem como principais pressupostos “Tradição, Inovação e Qualificação”. Rogério Rocha salientou à reportagem do PRAÇA PÚBLICA que existem “protocolos, vantagens jurídicas, divulgação dos eventos no sítio e uma redução de cinquenta por cento na Sociedade Portuguesa de Autores”, isto para além de outros benefícios que as associações

têm ao fazerem parte da Federação das Coletividades do Distrito de Aveiro, que é uma estrutura descentralizada da Confederação Portuguesa das Coletividades de Cultura, Recreio e Desporto. Esta federação foi constituída por escritura notarial em 14 de outubro de 2011, havendo a pretensão de acompanhar a realidade associativa, sensibilizar as autarquias para atribuição do estatuto de utilidade pública municipal, de modo a isentar as instituições de taxas e licenças municipais, “desde que os eventos a realizar sejam de interesse público”, argumenta a atual direção.

comandante destacou a necessidade de reativar a Comissão Municipal de Trânsito, fiscalizar os estabelecimentos que causam transtornos e investir em campanhas de sensibilização da população. Por sua vez, Frederico de Sousa Lemos, coordenador Concelhio da JS/Ovar, que deu início ao debate, realçou “que o imprescindível papel das forças de segurança na manutenção da paz social enfrenta, não raras vezes, obstáculos na falta de meios que permitam o eficiente exercício da atividade dos profissionais”, mencionando que com o evento “pretendiase debater a influência do atual contexto de crise económica e

social na segurança de pessoas e bens, tendo especialmente em conta que o atual contexto económico-social pode ter impacto no aumento da criminalidade e do sentimento de insegurança das populações”. José Fragateiro, representante da Comissão Política Concelhia de Ovar do Partido Socialista, destacou a “pertinência do tema” e a “excelência do convidado, que fizeram desta mais uma tertúlia altamente conseguida”, salientando ainda que o “comandante pretende uma prevenção forte e inteligente e, de facto, a população sente-se mais segura vendo a polícia na rua”. Publicidade

Mais de 30 pessoas marcaram presença no quarto debate do Ciclo de Tertúlias da JS de Ovar, que se realizou, no passado dia 15, no auditório da Junta de Freguesia ovarense. Sob o tema “Políticas de Segurança Pública”, o evento contou com a participação especial do comandante da Esquadra de Ovar da PSP, subcomissário Luís González Vieira. Há três meses à frente do comando da Esquadra de Ovar da PSP, o comandante iniciou a exposição do tema em análise apresentando as suas prioridades de ação para o exercício das funções que assumiu, priorizando como fundamental a eficácia da proteção, a disponibilização de atividades especializadas e a garantia do anonimato na denúncia. Luís González Vieira falou nas parcerias com a população, realçando “dar muita importância” à relação com a comunidade, pois, na sua opinião, “se trabalharmos juntos os problemas são resolvidos”. No que diz res-

DR

Novo comandante da PSP garante que não vai baixar os braços


praçapública

praçapública Quinzenário Vareiro

Diretor a : Sofia Stoffel (director@pracapublica.com) D i r e t o rr-- a d j u n t o de informação: Dinis Amaral (CP n.º 6198) Redação: Fernando Souteiro, Sandrine Oliveira (CP 9636) Colaborador e s Aníbal Gomes Colaboradores Fotográficos: Tiago Carriola Assinaturas: (assinaturas@pracapublica.com) Propriedade Propriedade:: Globinóplia, Unipessoal, Lda Edição: Notícias Amplas, Unipessoal, Lda, Contribuinte nº 509 158 692 Capital Social: 1 000 Euros Administração Administração: Manuel Domingos da Silva Moreira Detentores de mais de 10% do Capital Social: Gadgetresult SGPS. S.A. Contribuinte n.º 508 950 520 Reg. DGCS nº 123740 Dep. Legal nº 159271/00 Redação: Rua Antero de Quental, nº 17, 3880-148 OVAR Tel: 256 753 044 TM: 917 489 469 e-mail: geral@pracapublica.com Impressão: Coraze - Oliveira de Azeméis Telm.: 910252676 / 910253116 / 914602969 Tiragem média: 3.000 exemplares Assinatura anual: 22,50 euros (nacional); 62,50 euros (estrangeiro).

As opiniões publicadas neste semanário, podem não refletir a linha editorial do PRAÇA PÚBLICA. Por isso, os textos de opinião assinados são da inteira responsabilidade dos seus autores, não cabendo qualquer responsabilidade à direção e administração deste jornal.

HALL DE ENTRADA

Quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

editorial

COMUNICADO Caros Leitores, assinantes e anunciantes: O jornal PRAÇA PÚBLICA assinalou, no passado dia 6 de dezembro, o seu 12º aniversário. São 12 anos na presença da comunidade do concelho de Ovar, através de uma prestação de serviço que se tem pautado por princípios de rigor, qualidade e isenção informativos, e que pretende manter. Contudo, como qualquer outra empresa, o jornal PRAÇA PÚBLICA não está imune à atual conjuntura económica que tem ‘varrido’ o país, particularmente os seus cidadãos e as suas empresas, e encontra-se num quadro de grandes dificuldades estruturais, que nos obrigará a efetuar uma profunda reforma ao nível da gestão dos nossos recursos. Assim, uma das medidas a tomar, passará, inevitavelmente, pela política de publicação. Neste sentido, por imperativos legais, deixaremos de poder continuar com as publicações semanais, passando para publicação quinzenal, a partir deste número. A gerência, direção, redação e restantes colaboradores do jornal PRAÇA PÚBLICA acreditam que esta é a única saída que poderá viabilizar a continuidade daquele que tem sido, ao longo dos últimos anos, apesar de todas as limitações, o único jornal semanal do concelho. Estamos, por isso, a fazer um apelo aos nossos assinantes, leitores e anunciantes, no sentido de não deixarem de estar connosco, para que, em conjunto, possamos reerguer o jornal PRAÇA PÚBLICA. Só com a vossa continuidade como assinantes, leitores e anunciantes poderemos assegurar a viabilidade do projeto. Porque a perca de assinantes, leitores e anunciantes poderá condicionar este caminho, e porque vos devemos a lealdade de tantos e tantos anos, gostaríamos de poder continuar a contar convosco. CONTINUE A COLABORAR COM O PRAÇA PÚBLICA P’la gerência, direção, redação e restantes colaboradores

O início de um novo ciclo

DINIS AMARAL*

O Jornal PRAÇA PÚBLICA arranca, esta semana, para um novo ciclo. Como anunciámos, passaremos, a partir desta edição, a fazer-vos chegar o que de mais importante se passa no concelho de Ovar, em períodos quinzenais. Entramos, por isso, em 2013, com a esperança renovada de que esta nova realidade nos conduzirá a um futuro mais assertivo, que pretendemos aproveitar para nos reforçarmos com o objetivo de melhor vos servir. Ao nosso apelo, lançado ainda no decorrer de dezembro de 2012, os nossos assinantes, leitores e anunciantes têm respondido de forma construtiva, manifestando-nos, de várias formas, total apoio, transmitindo-nos quererem continuar connosco nesta nova fase. Sabemos que não vai ser fácil, mas também temos a certeza de que convosco ao nosso lado tudo será mais seguro e tranquilo. É por isso que hoje, desta forma, vos agradecemos todo o apoio demonstrado. A todos. Aos que connosco continuam e aos que, apesar de nos deixarem, connosco estiveram ao logo de tantos anos. Entrámos em 2013 de forma diferente, mas o que vos desejamos mantém-se. Tenham, por isso, um ano de 2013 repleto de êxitos!

DINISAMARAL@PRACAPUBLICA.COM

*CHEFE DE REDAÇÃO

“... os nossos assinantes, leitores e anunciantes têm respondido de forma construtiva, manifestandonos, de várias formas, total apoio, transmitindonos quererem continuar connosco nesta nova fase fase””

5


praçapública

TERRA-A-TERRA

Quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

OVAR

Tiago Carriola: Foto de Arquivo

6

Foto de Arquivo

Requalificação da frente lagunar de Ovar avança este ano

A grande festa tem início no próximo dia 19

OVAR

Carnaval 2013 com programa definido Já está definido o programa para o Carnaval de Ovar 2013. A “mais louca e criativa festa popular do país” arranca já no próximo dia 19, com a inauguração do “Monumento”. No dia 27, pelas 15h00, a cidade vareira recebe o desfile da chegada do reis D. Ronca, o Urtiga, e D. Ana, a Divertida. Acompanhada por vários foliões, a realeza percorrerá as ruas do centro da cidade. Já no dia 31, pelas 14h30, o Espaço Tenda acolhe o Carnaval Sénior. Três

dias depois é a vez dos mais novos celebrarem esta grande festa. Por volta das 15h00, as crianças vareiras vão exibir, pelas ruas do centro da freguesia de Ovar, as fantasias que elas próprias ajudaram a criar. A Noite do Dominó, que mais uma vez vai ser animada pelo cantor Quim Barreiros, vai ser festejada no dia 7 de fevereiro. Por sua vez, no dia 8 está programada a Grande Noite de Reis (Axu Mal). No dia seguinte, pelas 22h00, a avenida Sá Carneiro recebe

o desfile noturno das Escolas de Samba. No dia 10, por volta das 14h30, a mesma avenida vai acolher os figurantes desta grandiosa festa que vão apresentar o resultado de meses de preparação e trabalho. Já na noite de segunda-feira (dia 11) são esperadas milhares de pessoas, vindas de vários pontos do país, para a grande Noite Mágica. O desfile do Grande Corso Carnavalesco volta a sair à avenida Sá Carneiro, no dia 12, às 14h30.

OVAR

Autarquia investe 15.786,00 euros no Carvaval das Crianças A Câmara Municipal vai atribuir um apoio financeiro de 15.786,00 euros, destinado à preparação e participação no “Carnaval das Crianças”. Foi com o intuito de garantir a continuidade das tradições e da riqueza cultura e social do Carnaval que o executivo camarário aprovou, na última reunião de Câmara, atribuir um apoio financeiro no valor de nove euros por crianças. Registe-se que este ano são esperadas nas ruas do centro da cidade de Ovar 1754 crianças, de 23 estruturas associativas, entidades e instituições de todo o concelho.

As duas empreitadas devem ter início no decorrer do primeiro trimestre do ano

O conselho de administração da Polis Litoral – Ria de Aveiro aprovou o lançamento de concursos públicos para dez empreitadas, orçadas em 10 423 000 euros. Entre as obras previstas estão contempladas o reordenamento e qualificação da frente lagunar de Ovar, com intervenções no Cais da Ribeira, na Foz do Rio Cáster e na Praia do Areínho – Veiros, e o reordenamento e qualificação da frente lagunar de Ovar, com intervenção na Azurreira, que pode-

rão “ter início no decorrer do primeiro trimestre deste ano”. A deliberação surge após negociação de financiamento com os gestores dos Fundos Comunitários do Programa Operacional da Valorização do Território (POVT) e do Programa Operacional da Região Centro (PORCentro), bem como da negociação de viabilização do Polis da Ria de Aveiro entre os Municípios e o Governo (Ministério da Agricultura, Mar, Ambiente e Ordenamento do Território, MAMAOT).

No concelho de Ovar serão investidos 888 mil euros – 492 mil euros no reordenamento e qualificação da frente lagunar de Ovar, com intervenções previstas no Cais da Ribeira, Foz do Rio Cáster e Praia do Areínho, e 396 mil euros no reordenamento e qualificação da frente lagunar de Ovar, com intervenção na Azurreira. Registe-se que as duas empreitadas, ambas com um prazo de execução de 120 dias, vão ser cofinanciadas pelo POVT (a 70%).

CENTRO DE PROMOÇÃO SOCIAL DO FURADOURO

Sorteio das rifas 1º Prémio (Mochila para computador “Soltech” e Pen internet Vodafone Connect Box 3.6 mbps) - rifa sorteada nº 0303 - vencedor: Ana Paula S. Pedro 2º Prémio (Sanduicheira “Clatronic” e Relógio “tennis”) - rifa sorteada nº0755 - vencedor: Sara Maia 3º Prémio (Jogo “Puzzle ABC - Majora”) - rifa nº 0441 - vencedor: José Simões


praçapública

INICIATIVAS

ESCOLA DE MÚSICA E BALLET DE VALDÁGUA

O auditório da Escola de Música e Ballet de Valdágua esteve lotado, no penúltimo sábado, para assistir a um concerto de Natal de grande qualidade. Coube a Diana Couteiro, professora, e a Miguel Cunha, coordenador da escola, darem as boas-vindas aos presentes. O espetáculo começou com a classe de ballet que presenteou o público com um pequeno grande bailado chamado “Preparando o Natal”. Seguiu-se a classe das oficinas instrumentais, que apresentou a

DR

Lotação esgotada para assistir à festa de Natal

preparado com todas as classes do estabelecimento no qual resultou uma orquestra, dirigida por Miguel Cunha. No final o coordenador

mostrou-se satisfeito, realçando o trabalho e empenho de toda a equipa de professores, bem como de todos os alunos.

ACR SANDE, SALGUEIRAL E CIMO DE VILA

A Associação Cultural e Recreativa de Sande, Salgueiral e Cimo de Vila organizou, no penúltimo sábado, uma Noite de Fados. Com o seu salão polivalente devidamente decorado para receber este tipo de espetáculo (uma casa tipicamente portuguesa, onde não faltava o fontanário, as mesas e as velas), a coletividade proporcionou uma noite agradável a quem se dirigiu ao local para ouvir os fadistas Joana Silva, Carlos Baldaia, Carlos Campos e Inês Gonçalves, que foram acompanhados à viola por José Gonçalves e por Manuel Pereira, na guitarra. Esta noite de fados teve três partes. Coube a Joana Silva, uma jovem da casa, abrir o evento. A fadista pre-

Fernando Souteiro

Noite de Fados encantou os presentes FERNANDO SOUTEIRO E PAULO SANTOS

A noite contou com a presença de quatro fadistas

senteou o público presente com temas conhecidos. Apesar de jovem, Joana Silva fez questão de realçar à reportagem do PRAÇA PÚBLICA que tudo começou “depois de ouvir uma cassete que tinha lá em casa” e que o momento mais marcante nestas andanças foi quando atuou na “Tasca do Chico”, no Bairro, em Lisboa. Carlos Baldaia, um ‘habitué’ destas noites de fado, brindou a plateia com fados de antigamente. O também

vareiro Carlos Campos, que já canta fado há muitos anos e que atualmente fá-lo com menor regularidade, escolheu para este serão temas como ‘Lisboa, menina e moça’ e ‘O embossado”. ‘É um mal de família’, disse Carlos Campos, referindo que tem um irmão no Brasil que é fadista e já escreveu temas para a Carminho, Tony de Matos, Carlos do Carmo, entre outros. Já Inês Gonçalves cantou e encantou, tal como os

7

“OS ARAUTOS” – GRUPO D`ARTE E CULTURA

Novos rostos e ideias inovadoras para colocar em prática FERNANDO SOUTEIRO E PAULO SANTOS

A plateia ficou rendida ao talento dos alunos

“Magia do Natal” com as mascotes da escola. Depois de um intervalo, e quando as cortinas se abriram assistiu-se a um concerto

Quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

demais. A fadista, que já está ligada ao fado há mais de duas décadas, interpretou “Carmensita”, “O xaile de minha mãe”, dedicado a todas as mães presentes, “Que Deus me perdoe”, “Júlia florista”. De salientar que durante os intervalos foram apresentadas imagens de espetáculos de fado com Ana Moura, Carminho, entre outras personalidades marcantes do fado. Manuel Ribeiro, presidente da Associação Cultural e Recreativa de Sande, Salgueiral e Cimo de Vila, destacou que “esperava mais gente”, mencionando, contudo, que “foi uma noite animada” e que “quem veio foi porque gosta”. O representante máximo da coletividade frisou que está previsto a realização de uma nova noite de fados para o início do segundo trimestre de 2013.

“Os Arautos” – Grupo D`Arte e Cultura está a ganhar uma nova dinâmica. O grupo tem agora uma nova direção, que pretende enriquecer a cidade de Esmoriz com “mais cultura”. “Retomámos este projeto porque o grupo estava meio parado, sem fazer teatro e como todos nós gostamos de teatro, dança e música assumimos para ver se isto vai para a frente, com outro tipo de pessoas”, afirmou Silvino Gomes, novo presidente desta coletividade esmorizense, que adiantou que têm bastantes projetos. O também diretor Nelson Silva referiu à reportagem do PRAÇA PÚBLICA que cerca de uma dezena de pessoas estão ligadas à arte de Talma. No entanto, o facto de muitos jovens estudantes integrarem o grupo “dá confiança de fazerem um bom trabalho”. De momento, a instituição sediada no Palácio dos Castanheiros está a ensaiar a peça intitulada “O Auto da Joaninha da fonte” que vai estrear em finais de maio. Para além do teatro, o jovem Nelson Silva assegurou que o grupo “também tem projetos a nível da música, da dança e outros ainda podem aparecer”. Segundo conseguimos apurar, o grupo mantém um bom relacionamento com algumas companhias teatrais ovarenses, como, por exemplo, a Contacto, bem como outras dos distritos de Aveiro e Porto. Neste momento, “Os Arautos” – Grupo d`Arte e Cultura comporta quatro dezenas de elementos, entre os seis e os 52 anos. A direção da coletividade esmorizense pretende levar a efeito um workshop com vista ao recrutamento de novos valores e produzir uma peça de teatro para a infância. Nelson Silva admitiu ao nosso jornal que já fizeram uma abordagem à população da cidade de Esmoriz e o ressurgimento desta instituição “é bem vista pelos habitantes. É mais cultura para a cidade. Enriquece as pessoas”. Quanto ao futuro dos Arautos, Silvino Gomes disse categoricamente: “Isto está a ser trabalhado com pés, cabeça, tronco e membros, devagarinho”. Publicidade


8

praçapública

INICIATIVAS

Quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

ELEIÇÕES INTERCALARES EM ESMORIZ

BE visitou Praia de Esmoriz e diz que os esmorizenses estão cansados

CDU aponta indignação e frustração da população de Esmoriz

DR

DR

ELEIÇÕES INTERCALARES EM ESMORIZ

Albino Silva ouviu as preocupações da população esmorizense

Carlos Ferreira e a sua equipa percorreram as ruas da praia de Esmoriz

Carlos Ferreira, candidato do Bloco de Esquerda às eleições intercalares de Esmoriz, esteve, no passado domingo, junto dos residentes e visitantes da praia de Esmoriz e ouviu os seus problemas. De acordo com os bloquistas esmorizenses, “é evidente o grau de interesse por esta eleição, mas também é verdade que as pessoas estão cansadas dos últimos anos não terem trazido melhorias substanciais na praia de Esmoriz”, contando que “os problemas e queixas são de vária ordem”. Em nota enviada à nossa redação, os elementos referem que a população falou no “tema recorrente da Barrinha que

continua por resolver, na promessa de construção da habitação social no bairro piscatório, nas inundações de algumas ruas quando chove um pouco mais, nas raízes das árvores que estão na ruas e que destroem os passeios, nas canalizações dos residentes e até na questão do avanço do mar”, destacando ainda que “a falta de ecopontos é gritante” e que os mais novos “continuam a não ter nem um parque infantil condigno, nem o tão desejado skatepark”, tema que “foi abordado pelos mais pequenos”, que o grupo encontrou com skates e bicicletas. “Outro fator que foi digno de registo foi a presen-

ça de emigrantes portugueses”, disseram, salientando que foram vários os que afirmaram que na sua família “são os únicos empregados”. Frisando que “algumas daquelas famílias são compostas por sete e oito membros, que se encontram na situação de desemprego”, os bloquistas lamentaram a situação, garantindo que “falta de esperança é notória e a resignação àquela condição é uma desgraça”. Para a equipa liderada por Carlos Ferreira não há dúvidas que “é necessário um programa de emergência social para este tipo de agregados” e é por isso que os bloquistas o decidiram incluir no seu programa eleitoral.

A Coligação Democrática Unitária (CDU) realizou, no passado sábado, uma nova ação com a população de Esmoriz. Ao longo do dia os comunistas distribuíram a Carta-Apelo ao Povo de Esmoriz de Albino Silva, candidato a presidente de Junta de Freguesia pela CDU, nas eleições intercalares de 13 janeiro. Os elementos do grupo liderado por Albino Silva iniciaram a jornada no mercado local, seguindo à tarde para o lugar da praia e para os bairros sociais. “Nestas trocas de opiniões foi visível a profunda indignação e frustração que os esmorizenses sentem pelos impactos que estão a sofrer com as desgraçadas medidas do governo do PSD/CDS-PP, pelo constante incumprimento das promessas e da palavra pelos

partidos que têm rodado no governo e na autarquia, os referidos e o PS, essencialmente, e pelo acumular dos problemas locais que aguardam há muito pela resolução devida”, contaram, garantindo que “o corte nos apoios sociais a famílias com grande necessidade dos mesmos foi das queixas mais escutadas”, assim como “as deploráveis condições de habitação”, situação que, segundo os comunistas, “já poderia estar resolvida, não fosse a recusa desumana da Câmara PS e do Governo do PSD/CDSPP em concretizar o que há muito prometido está: a construção do Bairro Piscatório na Praia da Esmoriz”. O desemprego e a degradação da rede viária também não foram esquecidos pelos moradores. Preocupados com “a abstenção eleitoral que se

pode registar em função das pessoas não compreenderem a razão de ser destas eleições intercalares”, os elementos da CDU, que referem que “se estes receios se vierem a confirmar, a responsabilidade será dos candidatos do GIPE, PS, PSD e CDS-PP que, enquanto eleitos na Junta e Assembleia de Freguesia anteriores, não se empenharam de forma suficiente para encontrar uma solução que evitasse o ato eleitoral presente”, passaram uma mensagem de “confiança”, assegurando que “é possível iniciar outro caminho, que responda aos anseios das pessoas, estando nas suas mãos a possibilidade de o encetar, mudando o seu sentido de voto, não se abstendo, nem repetindo o voto nas velhas forças que sempre dominaram a autarquia, antes apoiando e votando na CDU”.


praçapública

Opinião O Natal, visto pela Misericórdia de São Thomé Há temas que por estes dias evitamos falar, é uma altura do ano de encontros com aqueles que já não vemos há muito ou simplesmente podemos dedicar mais de tempo para estar com aqueles de quem mais gostamos. As angústias que passaram a povoar os nossos dias, são, nesta época, relativizadas pela força de uma conversa amiga ou trivializadas para não estragar o espírito festivo. Enfim, o que todos queremos é passar bons momentos, não para esquecer os problemas, mas para procurar reencontrar o sentido da vida. No entanto, a realidade impõe-se. É crua e choca contra nós, não escolhe a hora e, nem por uma vez, a altura do ano. Foi isso que me aconteceu em mais um encontro de amigos este Natal. O dia 23 dezembro de 2012 não foi muito diferente do que qualquer outro dia de novembro ou de outubro, apesar da minha enorme vontade em que fosse efetivamente Natal. Pois a história é esta. No passado dia 19 de dezembro realizou-se uma reunião com todas e todos os trabalhadores da Casa de São Thomé, e da Santa Casa da Misericórdia de Ovar, responsáveis pelos cuidados de idosos, onde estavam também presentes o provedor Adelino Almeida e o administrador Eduardo Pereira. O motivo poderia ser um qualquer, mas o óbvio e provável nesta época do ano seria talvez um encontro de Natal entre os trabalhadores e a administração. Não, não foi isso que se passou, e o Natal voltou a não acontecer. O encontro serviu, ao invés, para comunicar às trabalhadoras e aos trabalhadores da Casa de São Thomé e da Santa Casa que em 2013 não haveria aumento de salários, pelo terceiro ano consecutivo, seria cortado o prémio de assiduidade (criado à cerca de quinze anos por iniciativa da Santa Casa às pessoas que trabalham ao fim de semana, uma vez que não ganham mais por isso) e parte do subsídio noturno

(onde ainda por cima vai-se trabalhar mais por menos). O argumento invocado foi “é a crise, isto está difícil”. Trocando este argumento por miúdos, a realidade é que em 2013 os trabalhadores e as trabalhadoras irão ver o seu rendimento cortado em 29 euros (no caso do prémio de assiduidade) e em 10% no pagamento de horas noturnas. Os números têm a vantagem ou desvantagem, depende dos pontos de vista, de dizerem pouco sobre a vida concreta de cada um e cada uma. Para que se perceba melhor o desastre desta decisão, importa referir que estamos a falar de salários médios de cerca de 560 euros, depois de somados todos os prémios e a majoração do trabalho noturno. Além do mais, estamos a falar de pessoas que desempenham uma das mais importantes funções sociais: cuidar dos mais velhos, alimentá-los, acompanhá-los na doença e ajudá-los a vencer a solidão e por vezes o abandono. Muitas destas trabalhadoras e trabalhadores são por vezes o último rosto que estes idosos veem e a mão amiga que lhes dá a serenidade que precisam para partir. É, pois, destas pessoas que estamos a falar, aquelas que trabalham de noite e dia porque neste trabalho todas as horas são horas de trabalho e aquilo que guardaram para lhes dizerem neste Natal é que em 2013 valerão menos cinquenta, sessenta ou setenta euros por mês. Eles e elas, que põem todos os dias aquela residência a funcionar, não têm direito a ser tratados com dignidade, isto é, a receberem o salário pelo qual foram contratados para exatamente conferir dignidade e conforto à vida de cada um e cada uma. Não havendo diminuição da taxa de ocupação da Casa de São Thomé e da Santa Casa da Misericórdia, o que autoriza a deduzir que a receita se mantém, não se compreende a necessidade invocada de baixar salários. Por exemplo, a Santa Casa da Misericórdia de Barcelos, com uma situação semelhante, aumentou os salários,

usando precisamente os argumentos que em Ovar serviram para os baixar: as dificuldades acrescidas trazidas pela crise e a necessidade de instituições desta natureza responderem com sensibilidade social. Tudo isto me faz recordar as recentes palavras do Presidente da União das Misericórdias quando disse que “enquanto existirem Misericórdias não haverá razão para haver fome”. É pois caso para perguntar: prefere a Misericórdia de Ovar transformar os seus trabalhadores e trabalhadoras em utentes da ajuda que presta ao invés de os tratar com a dignidade que merecem, através do salário a que têm direito? Quero crer que isto foi um ato irrefletido de alguém que não mediu as consequências da sua ação: a conta da água que ficará por pagar, um filho que ficará sem a explicação, um reformado que deixará de tomar os medicamentos pagos pela filha, a comida que começará a faltar à mesa. É, pois, minha intenção, com este artigo, apelar à administração da Misericórdia de Ovar que reconsidere a sua decisão. Se é necessário poupar, que se poupe, mas que não seja precisamente naquilo que neste momento particularmente difícil para todos é fundamental: o salário e sobretudo nos salários mais baixos. Quando a jornada de trabalho já começa a não valer quinhentos euros e é necessários receber menos e menos sempre que alguém diz que é “inevitável”, é altura para começarmos a perguntar se tivemos Natal. Alguns de nós por certo ainda o teve mas, para muitos e muitas que por estes dias passam e pensam com dor pelo futuro, este Natal era bom que não tivesse acontecido. Depois do exposto, será a administração capaz de emendar a mão? Não sei . Como diria São Tomé, é ver para crer. 28/12/2012 PEDRO RODRIGUES

CORREIO DO LEITOR

Quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

9

Psicologia à Conversa

Os gestos *NUNO CRAVO BARATA

O

s gestos de carinho são interpretados como imediatos e que dificilmente se repetem, tanto na ocasião como na certeza do momento. O facto de serem imediatos tornam-nos inquestionáveis no seu acto e belos no sentimento que transportam, que acalmam e protegem quem deles precisa ou quem apenas os recebe. Todos os gestos são únicos nunca se repetindo um mesmo gesto. Podem-se repetir no sentimento que se transmite, ainda que, o sentimento possa variar consoante a situação ou mesmo pela pessoa a quem o gesto é direccionado. Os gestos nem sempre são fáceis de se identificarem nem de fácil sentir, pois o ser humano coloca alguns entraves, quer por questões morais, religiosas, sociais ou mesmo pessoais. Quero com isto dizer, que um forte abraço poderá ser interpretado como um conforto para alguém que necessita ou por um simples cumprimento amistoso. Mas noutras culturas civilizacionais, o mesmo poderá ser interpretado como uma falta de respeito para com o próximo. A proximidade do gesto expresso no simples acto de beijar ou de cumprimentar com um beijo, em determinada situação, poderá ser sinónimo de felicidade, de protecção e de pertença, que nós, enquanto seres humanos necessitamos para uma plena integração das nossas capacidades, que nos permitem ser psico-afectivamente

mais resilientes. Quantos de nós desejamos, por vezes, alguma coisa mas não sabemos o quê e que um simples gesto nos deixa mais contentes e quem sabe mais fascinados com a nossa pessoa. É desta forma, que a acção dirigida para connosco nos deixa com expectativas mais consistentes e com outro poder emocional, que nos dirige eloquentemente para a certeza do bem e da alegria escondida em certos momentos. Assim sendo, é desde a nossa infância que desejamos alguma coisa mas não sabemos como satisfazê-la, mas que a presença dos pais colmata de forma inequívoca e nos transporta para uma segurança amorosa, transmitida através de gestos afectuosamente activos e persistentes. É por tudo isto, que nós dependemos dos nossos gestos mas dependemos bem mais do carinho, que recebemos pelos gestos dos outros. É na leveza indubitável que o gesto acarreta, que nós vivemos para os receber e para os merecer, pois só dessa forma nos interpretamos como potenciáveis do recebimento carinhoso, amistoso, amoroso, protector e unificador do GESTO ÚNICO E IMEDIATO.

*PROF. DOUTOR/PROF. ASSISTENTE E PSICÓLOGO CLÍNICO


10

praçapública

CULTURA

Quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

continuação...

F

FORMIGAL E COSTA, Dinocrato Funcionário da EFACEC – Empresa Fabril de Máquinas Eléctricas, SARL –, que comprou a Rabor à ITT, filho de João Fernandes Arada e Costa e de Manuela Rodrigues Formigal, Dinocrato Formigal e Costa nasceu em Ovar, a 11 de Outubro de 1943, tendo casado (1964) com Maria Fernanda de Sousa Pires, de Espinho. Foi vereador (socialista) na câmara democrática (1977-1980) presidida pelo social-democrata dr. Fernando Raimundo Rodrigues. Em Janeiro de 1995 tomou posse de presidente da Assembleia Geral da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Ovar, e, em Janeiro de 2001, de presidente da sua direcção. Bibliografia -Alberto Sousa Lamy, M. O., 2.ª edição, 4.º volume, 240.

FORNO DA CAL DA PONTE READA O Foral de Ovar, de 1514, menciona a Ponte de Reada e o Forno da Cal da Ponte Reada.

FOTOGRAFIA E FOTÓGRAFOS

Publicidade

Só em 1892 é que Ovar teve o seu primeiro estabelecimento de fotografia. Foi Ricardo Ribeiro, natural (1866) de Pinheiro de Bemposta, freguesia do concelho vizinho de Oliveira de Azeméis, que abriu, os 26 anos, no início da Rua Direita das Figueiras (actual Rua dr. José Falcão), nesse ano de 1892, o 1.º estabelecimento de fotografia, a sua Photo Amador. À sua morte (1938), sucederam-lhe (na Fotografia Lisboa) sua filha Matilde Ribeiro da Graça (1894-1971), sua neta Matilde Ribeiro da Graça Varanda (1929), seu bisneto David Ribeiro Lisboa Varanda (1953-1990), e a mulher deste último, Maria Manuela Carvas da Silva Varanda. A 2 de Dezembro de 1894 abriu a Fotografia Alves Martins, de Agostinho Alves Martins, na Rua de S. Bartolomeu; e, em 1907, fazia publicidade o Atelier Fotográfico de Manuel Joaquim & C.ª (Manuel Joaquim Rodrigues Baldaia Zagalo), na Rua do Outeiro, números 24/25. Mário da Cruz Almeida (1911- falecido em 1984, com 72 anos), natural de Ovar, dedicou-se também à fotografia, cuja actividade já exercia aos 25 anos, na Rua Padre Ferrer. Habilíssimo fotógrafo, ficou incumbido da parte artística do Ideal Vareiro (1933), inaugurando as suas novas instalações - do Studio Almeida - a 19 Março de 1939. Com o patrocínio da Câmara Municipal e da

Junta de Turismo do Furadouro, em Dezembro de 1951, foi inaugurada na sala da Biblioteca Municipal, no edifício dos Paços do Concelho, uma exposição fotográfica de assuntos respeitantes à Ria e à praia do Furadouro, do fotógrafo amador de S. João da Madeira, Carlos Alberto da Costa. Em 1958 (de 28/9 a 5/10) teve lugar no Salão Nobre da Câmara Municipal o 1.º concurso fotográfico de Ovar. Entre os fotógrafos amadores relacionaremos o eng.º Joaquim Aurélio da Silva Rodrigues, o dr. José Manuel Carvalho Tigre, o dr. Jorge Manuel Andrade da Silva, o dr. Eduardo Verde Pinho (com o curso superior de Fotografia da Escola Artística do Porto - cfr. Público, de 22/4/2003), e o arquitecto Hélder José de Almeida Ventura. O eng.º Aurélio (Ovar, 1944), colaborador fotográfico inestimável deste Dicionário de Ovar, filho de João Maria Rodrigues e de Maria da Silva Farraia, casou (1973) com Maria da Conceição Pereira da Silva Rodrigues. O dr. José Manuel Carvalho Tigre, digno Procuradorgeral da República Adjunto na Relação do Porto, nasceu na Campanhã, Porto, a 27 de Abril de 1950, filho de Fernando Francisco Til e de lrene Teixeira de Carvalho Tigre, casou com Maria Lúcia Cerqueira Com de Almeida, natural de Capêlos, Amarante, tendo sido delegado do procurador República da comarca de Ovar (desde 1980). O dr. Jorge Manuel Andrade da Silva, distinto advogado na cidade do Porto, natural (1937) da freguesia de S. Vicente de Pereira, durante cerca de três dezenas anos praticou intensamente a fotografia e organizou cinco edições da Bienal Fotográfica do Porto. Bibliografia - Alberto Sousa Lamy, M. O., 2ª edição, 2.º volume, 197/199.

FRADES Nas suas Memórias e Datas (1868), o dr. João Frederico Teixeira de Pinho refere, desde 1700, cinquenta frades naturais de Ovar, entre os quais fr. Francisco Brandão Pinto Baldaia, crúzio, Arcebispo de Braga, que faleceu em Ovar antes de tomar posse. Entre os frades naturais de Ovar que mais se notabilizaram arrolaremos os seguintes: - Frei Lampreia, religioso dominicano, que viveu nos fins do século XIX e princípios do século XV, e que foi um dos priores, senão o primeiro, da Batalha e confessor de D. João I. - Frei Faustino da Madre de Deus, que nasceu

DR. ALBERTO DE SOUSA LAMY

provavelmente na última década do século XVI, tendo professado no Convento de Cristo, de Bragança, em 1613. Publicou (1656) a Primeira Parte do Florilégio Espiritual. - Frei Gabriel da Anunciação, que nasceu cerca de 1681, professou no Convento de S. Francisco, da cidade do Porto, e faleceu nesta cidade em 1706. É o músico ovarense mais antigo de que temos notícia, autor da Arte de Cantochão (1735). - Irmão Luís da Silva «Brasileiro», que deve ter nascido por cerca de 1681, foi prior (eleito em 1739) da Ordem Terceira de N.ª Sr.ª do Carmo, e faleceu em 1741. - Frei Tomás Pereira Campos, religioso da Ordem de Cristo, prior do Colégio de Coirnbra, que foi qualificador (provisão de 1745) do Santo Oficio. - Frei João de S. Tomás, religioso da província de Santo António de Portugal, que foi qualificador (provisão de 1751) do Santo Oficio. - Frei Manuel de S. Tomás, religioso da Sagrada Ordem dos Pregadores, que foi qualificador (provisão de 1751) do Santo Oficio. - Frei Bernardo de N.ª Sr.ª Brandão, que foi qualificador (provisão de 1762) do Santo Oficio. - Frei Bernardino do Espírito Santo, o frade da Aninhas, que deve ter nascido no 3.º quartel do século XVII e falecido nos fins do 1.º quartel seguinte. Autor das Saudades de Belmiro (1804). - Frei Francisco de Oliveira Gomes, também conhecido por Frei Francisco de Ovar ou por Frei Francisco Cigano, liberal, que nasceu em 1779 e faleceu em 1841. - Frei Gabriel de Oliveira Gomes, também conhecido por Frei Gabriel da Conceição, o Frade Cigano, irmão do anterior. - Frei Luís de Santana Zagalo (1778-1855), liberal homiziado, que foi Abade de Esmoriz (1837-1851). - Frei João Ferraz de Abreu, que deve ter nascido em 1803 e faleceu em 1871. Padre liberal, esteve homiziado e preso, e foi capelão do hospital (1838-1847). - Frei Manuel Eliano Gomes Ferrer (1825-1878), benemérito. - Manuel Baptista Ramos (1866-1925), que tomou o hábito de monge aos 16 anos (1892), e foi Superior (desde 1897) e 1.º Prior (1922-1925) de Singeverga. Bibliografia - João Frederico, M D., 301/303 (frades desde 1700 a 1868).

continua...


praçapública

DESPORTO

Quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Cortegaça 0 – 2 Argoncilhe

Esmoriz 3 – 1 Lobão Fernando Souteiro

FUTEBOL – SÉRIE A - 13ª JORNADA

Fernando Souteiro

FUTEBOL – SÉRIE A - 13ª JORNADA

11

II Divisão - Série A CLASSIFICAÇÃO J V E Esmoriz 12 10 1 Soutense 12 8 1 Caldas S. Jorge 12 7 2 Real Nogueirense 12 7 1 Macieirense 12 6 3 Argoncilhe 12 5 2 Rio Meão 12 4 4 Lobão 11 5 1 Alvarenga 11 5 1 Sanguêdo 12 3 4 Mosteirô 12 3 3 ACRD Mosteirô 12 2 1 Cortegaça 12 0 0

D 1 3 3 4 3 5 4 5 5 5 6 9 12

P 31 25 23 22 21 17 16 16 16 13 12 07 00

II Divisão - Série B

O Cortegaça ainda não venceu nesta temporada FERNANDO SOUTEIRO E PAULO SANTOS

Publicidade

O Cortegaça perdeu, no passado domingo, em casa, frente ao Argoncilhe, por dois golos sem resposta. A turma do Buçaquinho, que tem vivido uma época para ‘esquecer’, demonstrou nesta partida que os maus momentos também podem ser ultrapassados. Apesar de a formação de Santa Maria da Feira ter tido mais posse de bola, raramente criou oportunidades flagrantes de golo, junto da baliza defendida por Nuno. Aos 25 minutos, através de um livre em posição frontal, o capitão Edson levou o esférico acima do travessão. Aliás, este atleta foi um verdadeiro “pulmão”, tanto a defender como a atacar. Dez minutos volvidos, a bola foi à mão de um jogador da casa e o árbitro, depois de hesitar, apontou para a marca da

grande penalidade. O Argoncilhe adiantou-se no marcador através do castigo máximo. Na segunda parte, os cortegacenses, agora comandados por Manuel Cruz, estiveram mais perto da baliza contrária, mas uma confusão dentro da área do Buçaquinho permitiu que os forasteiros aumentassem a contagem. Depois de um curto período de algum desnorte, o Cortegaça esteve perto de marcar, mas no capítulo da finalização os donos da casa pecaram redondamente. Neste desafio ficou provado que o Cortegaça precisa de um resultado positivo para ganhar mais ânimo e ter outra postura competitiva. Os visitantes foram uns justos vencedores, porque foram eficazes no último terço do terreno. Manuel Cruz, treinador do Cortegaça, admitiu à reportagem do PRAÇA PÚ-

O Esmoriz continua líder isolado

BLICA que “foi um bom jogo”, adiantando que “o Cortegaça teve várias oportunidades para marcar, dominou, mas não conseguiu concretizar”. Contudo, este jovem técnico acredita num futuro mais risonho, afirmando mesmo: “Vamos tentar dar a volta à situação”. De momento, a turma do Buçaquinho continua sem pontuar, tendo marcado cinco golos e consentido 48. Na próxima jornada o Cortegaça recebe a visita do Lobão.

Cortegaça: Nuno, Ruben (André), Valter, Pereira, China, Edson, Cláudio, João (Marcelo), Soares, Vítor (Ricardo) e Eduardo.

FERNANDO SOUTEIRO E PAULO SANTOS

O Esmoriz venceu, no passado domingo, o Lobão por 3-1, em jogo a contar para a 13ª jornada. A equipa da casa entrou praticamente a vencer. Logo nos instantes iniciais abriu o ativo, por intermédio de Nuno Godinho. No entanto, o Lobão, treinado por Beto, não baixou os braços e acabou por chegar à igualdade. O jogo desenrolou-se numa toada de parada e resposta, com os donos da casa, comandados por Amadeu Rocha, a mandarem mais no encontro e provarem que não estão na liderança por mero acaso. Já perto de um intervalo, o Sporting Clube de Esmoriz beneficiou de um autogolo e foi para o descanso em vantagem. Aos 50 minutos Pinho

“embrulhou-se” com um adversário e Carriça apontou o terceiro golo, através de uma grande penalidade algo duvidosa. Desde os 56 minutos, a turma da Barrinha ficou reduzida a dez unidades. Pouco depois, o Lobão esteve perto de marcar. Por sua vez, a 20 minutos do final, Carriça cruzou rasteiro e Pinho apareceu de rompante, mas a bola passou ligeiramente acima do travessão. O Sporting Clube de Esmoriz está no primeiro lugar com 31 pontos, consequência de uma dezena de vitórias um empate. Os esmorizenses detêm o ataque mais produtivo da série A, com 36 golos apontados e a defesa menos batida com quatro tentos sofridos. No próximo domingo, os pupilos de Amadeu Rocha jogam novamente em casa, desta feita frente ao Rio Meão.

CLASSIFICAÇÃO J V E Ovarense 12 9 2 SV Pereira 12 9 1 Beira-Vouga 12 8 1 AD Valonguense 12 7 3 Avanca B 12 8 0 M. Cambra 12 7 2 Pinheirense 12 5 1 Bom-Sucesso 12 3 4 Rocas do Vouga 12 3 4 Gafanha 12 2 4 Macinhatense 12 2 1 Santiais 12 1 2 Palmaz 12 1 1

Palmaz Ovarense

SV Pereira Pinheirense

D 1 2 3 2 4 3 6 5 5 6 9 9 10

P 29 28 25 24 24 23 16 13 13 10 07 05 04

0 7 2 0

Esmoriz: Ricardo Sá Pereira, Russo, Zeca, Rui Sousa, Fábio Silva, Nuno Godinho, Diogo, Fred (André Lima), Pinho (Ribeiro), Pedro Godinho e Tozé (Carriça).


12

Quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

praçapública

DESPORTO

TORNEIO DE FUTEBOL DE CINCO DOS BV OVAR

Fernando Souteiro

Ponte Nova na liderança

A ARC da Ponte Nova é lider, com 13 pontos

FERNANDO SOUTEIRO E PAULO SANTOS

O Torneio de Futebol de Cinco da secção desportiva dos Bombeiros Voluntários de Ovar continua a decorrer em bom ritmo e sem grandes surpresas em termos de resultados. No passado sábado, o Estrela Azul/Café Lampião/Pasmóvel derrotou o All Night Long por seis bolas a três. Jogo bem equilibrado foi o que colocou frente a frente o Evolution e o Centro de Pneus Ocasião, tendo o triunfo sorrido a esta última equipa por quatro a três. Já

no último desafio da tarde, a turma dos Curtumes Aveneda venceu o Grupo Desportivo e Cultural de Guilhovai por quatro bolas a duas. Na manhã de domingo disputaram-se apenas dois jogos. Os Pescados Paiva venceram as Flores de Estufa por quatro a um. Já a equipa dos Bombeiros Voluntários de Ovar, onde pontifica Beta, uma jovem e antiga praticante de futsal, que representou a Afptad de Esmoriz e a Crecor, dificultou ao máximo a tarefa da formação dos Xaxas/Stand Paulino Monteiro, perdendo, no entanto, por

farmáciasdeserviço Ovar

Hoje, dia 2 Farmácia Central ............................... 256 572 145 Amanhã, dia 3 Farmácia Rodrigues .................... 256 572 226 Sexta, dia 4 Instituto Pereira Zagalo ................... 256 574 606 Sábado, dia 5 Farmácia Manuela Castro ............ 256 572 185 Domingo, dia 6 Farmácia Lamy .......................... 256 572 594 Segunda, dia 7 Farmácia Central ........................ 256 572 145 Terça, dia 8 Farmácia Rodrigues ........................ 256 572 226

Válega

De 2 a 6 Farmácia Lopes Rodrigues .................. 256 502 215 De 7 a 8 Farmácia Resende ............................... 256 502 152

Esmoriz

dois golos sem resposta. Ao fim de jornadas, na liderança está a Associação Recreativa e Cultural da Ponte Nova com 13 pontos. Segue-se os Curtumes Aveneda com 12. Na terceira posição surge o Evolution com uma dezena de pontos. O Grupo Desportivo e Cultural de Guilhovai ocupa a quarta posição com nove pontos. O Centro de Pneus Ocasião está no quinto posto, contabilizando sete pontos. Repartem o sexto lugar, o Estrela Azul/ Café Lampião/Pasmóvel e os Pescados Paiva com seis, enquanto os Xaxas/Stand Paulino Monteiro está logo a seguir com três. Na décima posição encontram-se os Bombeiros Voluntários de Ovar e o All Night Long, ambos com três pontos, mas com menos um jogo. Como curiosidade, a Ponte Nove é a equipa com mais golos marcados, quatro dezenas, enquanto o GDC Guilhovai só sofreu dois até à 5ª jornada. Por sua vez, as equipas dos Bombeiros Voluntários de Ovar e o Centro de Pneus Ocasião são as únicas que ainda não têm cartões.

De 2 a 6 Farmácia Central ................................... 256 758 117 De 7 a 8 Farmácia Barbosa ................................. 256 751 090

telefonesúteis

Hospital de Ovar ............................................. 256 579 200 Unidade de Saúde Familiar João Semana ........ 256 590 050 Unidade de Saúde Familiar da Barrinha ........... 256 785 170 Unidade de Saúde Familiar de S. João ............. 256 509 060 Extensão de Saúde Furadouro ......................... 256 591 114 Extensão de Saúde Maceda ............................. 256 791 351 Extensão de Saúde Arada ................................ 256 793 440 Extensão de Saúde Cortegaça ......................... 256 752 233 USF Alpha - Pólo de S. Vicente de Pereira ....... 256 890 406 USF Alpha - Pólo de Válega ............................. 256 502 260 Bombeiros Voluntários de Ovar ....................... 256 572 122 Bombeiros Voluntários de Esmoriz .................. 256 752 122 Segurança Social de Ovar ............................... 256 572 031 Serviço Social ................................................. 256 573 240 PSP ................................................................. 256 580 890 GNR Ovar ....................................................... 256 572 629 GNR Esmoriz .................................................. 256 750 240 Central Táxis ................................................... 256 573 369 Táxis Ovar ....................................................... 256 573 111 Táxis S. João de Ovar ...................................... 964 220 615 Táxi Carlos da Ponte ........................................ 917 571 909 Táxis Esmoriz .................................................. 256 754 650 Táxis Cortegaça .............................................. 256 753 305 Táxis S. Vicente de Pereira .............................. 256 890 657 Táxis Maceda .................................................. 917 540 236 CP Informações .............................................. 808 208 208 CP de Esmoriz ................................................. 256 752 999

ASSOCIAÇÃO DE DIABÉTICOS DO CONCELHO DE OVAR Assembleia Geral Ordinária Convocatória

Praça Pública N.º 624, 2 de janeiro de 2013

APADO Associação Protetora dos Animais Domésticos de Ovar Convocatória Nos termos do Artigo 35º, convoco a Assembleia-Geral Ordinária da Associação Protetora dos Animais Domésticos de Ovar (APAD), a realizar no próximo dia 18-01-2013, pelas 21h00, na sua sede à Rua Abel Salazar, nº 10, em Ovar, com a seguinte Ordem de Trabalhos: Ponto 1: Eleição dos Órgãos Sociais, para o biénio 2013-2014; Ponto 2: Meia hora para apresentação de assuntos de interesse para a Associação. A Assembleia-Geral funcionará em primeira convocação, à hora acima estabelecida, com a presença da maioria absoluta dos seus membros e, meia hora depois, com qualquer número (Artigo 37º, parágrafo segundo). Ovar, 28 de Dezembro de 2012 Praça Pública N.º 624, 2 de janeiro de 2013

O presidente da Mesa da Assembleia-Geral (José António Ferreira Guimarães Correia)

Nos termos legais e estatutários, convoco, os sócios da ASSOCIAÇÃO DE DIABÉTICOS DO CONCELHO DE OVAR, para reunirem, em assembleia Geral Ordinária, no dia 22 de janeiro, pelas 17.30 horas, na sede desta Associação, com a seguinte ordem de trabalhos: ORDEM DE TRABALHOS 1. Eleição dos corpos gerentes para o biénio 2013/ 2014 2. Meia hora para tratar de assuntos de interesse para a Instituição Se à hora marcada para o início da reunião não se encontrar presente o número legal de sócios, a Assembleia reunirá, com qualquer número, meia hora depois. Praça Pública N.º 624, 2 de janeiro de 2013


praçapública

FUTEBOL FORMAÇÃO - JUNIORES

AFIS marca presença no Grande Prémio de Natal

Valecambrense 0 – 2 Ovarense

Classificação: Seniores Femininos 87ª - Mafalda Carvalho (247ª da geral) Veteranos C Femininos 66ª - Lina Cruz (248ª da geral) Veteranos C Masculinos 259º - Severino Cruz (721º da geral)

FERNANDO SOUTEIRO

A Ovarense foi, no passado sábado, ao reduto do Valecambrense vencer por dois golos sem resposta. A equipa da casa, que não tinha nada a perder, quis contribuir para que o jogo fosse um excelente espetáculo desportivo e entrou determinada neste desafio, criando algumas oportunidades de golo. Contudo, a Ovarense, que durante esta etapa inicial não esteve ao seu melhor nível, acabou por marcar, por intermédio de Cris. Nos primeiros 45 minutos, a turma alvi-negra, comandada por António Tavares e César, acabou por ficar reduzida a dez unidades, o que, de certa forma, complicou a sua ação ofensiva. Já no segundo tempo, a Ovarense reapareceu muito melhor, preenchendo todos os espaços e trocando o esférico com mais precisão. Aos 56 minutos, na sequência de um canto, Cris cabeceou, mas o guardião do

Foto de arquivo

ATLETISMO

A Associação de Atletismo de Lisboa organizou no passado dia 16, a 55ª Edição do Grande Prémio de Natal, que contou com a participação de três atletas do AFIS/Ovar. A prova principal teve a distância de nove quilómetros, tendo percorrido algumas praças e avenidas da capital.

Publicidade

DESPORTO

Quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

13

ATLETISMO – 19ª S. SILVESTRE DO PORTO - 2012

João Pereira arrecadou terceiro lugar ANÍBAL GOMES

A 19ª corrida S. Silvestre do Porto , que se realizou, no passado dia 16 de dezembro, contou com a presença de 26 atletas vareiros. Destaque para a subida ao pódio de João Pereira. Classificação

A Ovarense justificou o triunfo na segunda parte

Valecambrense não segurou o esférico e na recarga, o central Samuel dilatou a vantagem. A turma da casa dispôs de uma boa ocasião para diminuir a diferença, através de um livre apontado pelo capitão Bruno, mas a bola passou ao lado da baliza defendida por Miguel Resende. Na parte final do encontro registaram-se mais duas expulsões, por acumulação

de amarelos, uma para cada lado. A Ovarense acabou por justificar o triunfo mercê daquilo que fez na segunda parte e conseguiu o mais importante, que eram os três pontos, somando agora 29 pontos, resultantes de nove triunfos e dois empates. Quanto a golos, os jovens alvi-negros já apontaram 39 tentos e sofreram 9. Ovarense: Miguel Resende, Trabuca, Marco Rodrigues, Pedro Martins, Ruben Silva, Samuel Silva, Borges, Manaka, Cris, João Valente e Portugal. Jogaram ainda: Américo, Malhão e Samuel Oliveira.

Seniores 27º – Helder Pires (CAO) 32º – Hugo Soares (CAO) 138º – Rui Martins (CAO) Mais de 35 anos 21º – Rui Costa (CAO) 22º – Marco Costa (ARVOR-Veteranos d’Ovar) 37º – Alberto Valente (CAO) 64º – Mário Gonçalves (AFIS) Mais de 40 anos 179º – Paulo Fernandes (AFIS) Mais de 45 anos 95º – Paulo Oliveira (AFIS) 105º – Manuel Silva (CAO) 122º – Luís Osório (AFIS) 130º – Mário Costa (AFIS) 189º – Luís Gama (AFIS) Mais de 50 anos 3º – João Pereira (AFIS) 57º – José Sousa (AFIS) 88º – José Amaro (AFIS) Mais de 55 anos 69º – José André (AFIS) 70º – Mário Conde (AFIS) 80º António Santos (AFIS) Mais de 60 anos 13º – Manuel Ramos (AFIS) 23º – Fernando Santos (AFIS) 85º - Jorge Pina Santos (AFIS) 104º – Manuel Quintino (AFIS)

Publicidade


14

Quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

praçapública

DIVERSOS Cartório Notarial Margarida Maria Rodrigues Gago da Câmara Notária Extracto de Justificação

Laura de Oliveira 81 anos Rua Beco Cal de Pedra - Ovar A Família agradece a todos os que acompanharam a cerimónia fúnebre, e que de alguma forma manifestaram o seu pesar.

Maria de Jesus Gomes 87 anos Rua Dr. Pedro Chaves - Ovar A Família agradece a todos os que acompanharam a cerimónia fúnebre, e que de alguma forma manifestaram o seu pesar.

Alberto Fernando Oliveira Martins 79 anos Rua António Bernardino de Carvalho - Ovar A Família agradece a todos os que acompanharam a cerimónia fúnebre, e que de alguma forma manifestaram o seu pesar.

Certifico que no dia vinte e um de Dezembro de dois mil e doze, no Cartório Notarial de Margarida Maria Rodrigues Gago Câmara, sito na Av. Dr. António José de Almeida, foi lavrada uma escritura de Justificação Notarial, no livro de escrituras diversas número 85 de folhas 29 a folhas 31 verso por: MARIA ALICE PINHO DOS REIS e marido ANTÓNIO DE SOUSA JORGE casados no regime da comunhão geral de bens, naturais, ela da freguesia de S. Martinho da Gandara e ele da de Fajões, ambas deste concelho de Oliveira de Azeméis, residentes na Travessa do Cruzeiro, 243, desta cidade, NF 163 853 223 e 173 044 123. Declararam os outorgantes: Que são donos com exclusão de outrém, dos seguintes prédios: 1 - Rústico composto de terreno a pinhal, com a área de três mil e quinhentos metros quadrados, sito na Quinta dos Arames, freguesia de S. Martinho da Gandara, concelho de Oliveira de Azeméis, a confrontar do norte com Maria Alice Pinho dos Reis, sul e nascente com caminho e do poente com Joaquim Alves dos Reis, omisso no registo predial, inscrito sob o artigo 1 327. 2 - Rústico composto de terreno a pinhal, com a área de quatro mil novecentos e cinquenta metros quadrados, sito no lugar do Val da Cepa, freguesia de S. Vicente Pereira de Jusã, concelho de Ovar, a confrontar do norte com Francisco Jesus Andrade, sul com Manuel Marques de Pinho, nascente com Junta de Freguesia e do poente com Serafim Pinto dos Reis, omisso no registo predial, inscrito na matriz sob o artigo 1 900. 3 - Rústico composto de terreno a pinhal, com a área de três mil e duzentos metros quadrados, sito no lugar da Quinta Nova, freguesia de S. Vicente Pereira de Jusã, concelho de Ovar, a confrontar do norte com caminho, sul com o rio, nascente com José Zacarias Ferreira de Pinho e do poente com Manuel Correia Soares, omisso no registo predial, inscrito na matriz sob o artigo 448. Que os identificados prédios lhes foram adjudicados em partilha por óbito de Margarida Rocha de Pinho e marido Joaquim Alves dos Reis, que foram residentes no lugar de Porto de Carro, freguesia de S. Marinho da Gandara, concelho de Oliveira de Azeméis, partilha esta meramente verbal por volta do ano de mil novecentos e setenta e cinco, que não chegou a ser formalizada por escritura pública, pelo que não possuem título formal que legitime o domínio dos mesmos prédios. Que, não obstante isso, eles têm usufruído os mesmos prédios, colhendo os correspondentes frutos, gozando todas as utilidades por eles proporcionadas, pagando os respectivos impostos com ânimo de quem exercita direito próprio, sendo reconhecidos como seus donos por toda a gente, fazendo-o de boa fé por ignorarem lesar direito alheio, pacificamente, porque sem violência, continua e publicamente, à vista e com o conhecimento de toda a gente, sem oposição de ninguém – e tudo isto por lapso de tempo superior a vinte anos. Que, dadas as enunciadas características de tal posse, eles adquiriram, os identificados prédios, por usucapião – título este que, por natureza, não é susceptível de ser comprovado pelos meios normais. Está conforme o original para efeitos de publicação. Cartório Notarial de Margarida Maria Rodrigues Gago da Câmara Oliveira de Azeméis, 27 de Dezembro de 2012

Palmira de Jesus Oliveira Mariano 78 anos Rua Capitão Leitão - Ovar A Família agradece a todos os que acompanharam a cerimónia fúnebre, e que de alguma forma manifestaram o seu pesar.

Américo da Silva Murteira 81 anos Rua da Associação Desportiva Ovarense - Ovar A Família agradece a todos os que acompanharam a cerimónia fúnebre, e que de alguma forma manifestaram o seu pesar.

O Colaborador autorizado, (João Filipe Tavares Fernandes) Conta registada sob o nº 1706 Registado na Ordem dos Notários sob o nº 223/5 de 07-02-2012

Praça Pública N.º 624, 2 de janeiro de 2013

Mariana Bessa Martins Notária em Ovar Nif.: 228 311 489 Rua Engº Adelino Amaro da Costa, n.º 252, r/ch esq. 3880-214 OVAR Tel e Fax. 256589112 e-mail: notariamarianamartins@hotmail.com EXTRATO

Belmira de Almeida 79 anos Estrada da Floresta - Furadouro - Ovar A Família agradece a todos os que acompanharam a cerimónia fúnebre, e que de alguma forma manifestaram o seu pesar.

Maria Amélia Duarte Costa 87 anos Rua de Cimo de Vila - Guilhovai - S.J. de Ovar A Família agradece a todos os que acompanharam a cerimónia fúnebre, e que de alguma forma manifestaram o seu pesar.

António Pinto Lopes Palavra 85 anos Rua Marechal Zagalo - Ovar A Família agradece a todos os que acompanharam a cerimónia fúnebre, e que de alguma forma manifestaram o seu pesar.

Isménia Oliveira da Silva 75 anos Rua de Sande - São João de Ovar A Família agradece a todos os que acompanharam a cerimónia fúnebre, e que de alguma forma manifestaram o seu pesar.

CERTIFICO narrativamente, para efeitos de publicação, que neste Cartório, no dia 27 de Dezembro de 2012, iniciada a fls. 137, do livro de escrituras diversas n° 24 - A, foi celebrada escritura de Justificação na qual Amílcar Manuel Dias Pereira e mulher Maria do Rosário Oliveira Leite, casados sob o regime da comunhão de adquiridos, naturais, ele da freguesia Arada, concelho de Ovar, ela da freguesia de Esmoriz, concelho de Ovar, residentes na Rua do Corgo, n° 8, freguesia de Maceda, concelho de Ovar, declararam: Que, com exclusão de outrem, são donos e legítimos possuidores do prédio rústico, composto de terreno a cultura, sito na Rua do Corgo, freguesia de Maceda, concelho de Ovar, com a área de cento e vinte virgula sessenta e um metros quadrados, a confrontar, do norte com Anacleto da Silva Pereira, do sul com António Dias de Oliveira, do nascente com Américo Dias da Silva Pereira e do poente com Rua do Cargo, inscrito na matriz, em nome do justificante marido, sob o artigo 2685, omisso no Registo Predial. O certo porém é que os justificantes não possuem título formal que legitime o seu domínio sobre o referido prédio, o qual veio à sua posse por doação não titulada feita aos justificantes, pelos pais do justificante marido, Anacleto da Silva Pereira e mulher Maria de Lurdes de Pinho Dias, residentes que foram na mencionada Rua do Corgo, n° 32, já falecidos, em data que não podem precisar do ano de mil novecentos e oitenta e sete. Que, não obstante isso, os justificantes têm usufruído o mencionado prédio, usando todas as utilidades por ele proporcionadas, pagando os respectivos impostos, com ânimo de quem exerce direito próprio, sendo reconhecidos como seus donos por toda a gente, fazendo-o de boa fé por ignorarem lesar direito alheio, pacificamente porque sem violência, contínua e publicamente à vista e com conhecimento de toda a gente, sem oposição de ninguém, tudo isto há mais de vinte anos. Que, dadas as enunciadas características de tal posse, eles justificantes adquiriram o citado prédio por usucapião, titulo este que, por natureza, não é susceptível de ser comprovado pelos meios normais. Está conforme ao original. Ovar, 27 de Dezembro de 2012 Praça Pública N.º 624, 2 de janeiro de 2013

A Notária (Mariana Bessa Martins)


praçapública

CLASSIFICADOS

Quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

15


praçapública DR

HOTEL NOVA CRUZ

Fotos: DR

Inovação valeu 4 estrelas

O Turismo de Portugal atribuiu a categoria de quatro estrelas ao Hotel Nova Cruz (NC), situado em Santa Maria da Feira, reconhecendo assim a sua apos-

ta nos elevados padrões de qualidade. A modernização do Hotel NC implicou algumas adaptações e intervenções, permitindo um ‘upgrade’ de

serviços e comodidades, onde se incluem um novo espaço de ginásio e novos quartos, mais confortáveis e modernos. Os serviços da unidade

hospitaleira assentam em “compromisso, excelência, inovação e comunicação com o desígnio no bemestar, conforto e tranquilidade dos seus clientes”, refere, em comunicado enviado. De salientar que a nova imagem do Hotel NC foi também objeto de intervenção passando agora a dispor de novos processos de comunicação e presença nas redes sociais, através do blog novacruzhotel.blogspot.pt/, do sítio www.novacruzhotel.com, e do facebook www.facebook.com/ novacruzhotel.

OVAR

Contacto apresenta “Play outra vez” A Contacto vai voltar a apresentar, no próximo dia 13, pelas 16h00, a sua 50ª produção de teatro, uma peça para o público infanto-juvenil intitulada “Play outra vez”. A peça, escrita e encenada por Manuel Ramos Costa, conta as “aventuras dos habitantes da Floresta do Castelo, animais, bichos e pássaros, que lá viviam em perfeita harmonia, ou talvez não”. Os interessados devem fazer as reservas em www.contactovar.com ou através de contacto.corrente@gmail.com. Publicidade

02-01-2013  

Edição 624

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you