Issuu on Google+

DEZEMBRO/2009 | 1 a A notíci a que faz a diferenç

Ganhadora do “Miss Baixada 2009” é de Seropédica PÁGINA 11

JORNAL POPULAR DO BRASIL | 8ª EDIÇÃO | ANO 1 | DEZEMBRO DE 2009 | R$0,50

Nenhuma das UPAs da Baixada possui pediatra

Unidade só Para Adultos ALBERTO ELLOBO

n Apesar de contar com quatro unidades, o projeto Unidade de Pronto-Atendimento 24 Horas (UPA) apresenta problemas que vêm causando insatisfação em muitos moradores da região. O maior deles, constatado pelo Jornal Popular, é a falta de médicos para as crianças, como Brayan, de dez meses (no colo do pai Edivan Vieira). Não há pediatra em Nova Iguaçu, Belford Roxo e Duque de Caxias. A demorada espera pela consulta também tem sido outro motivo de indignação e muitas pessoas acabam desistindo. PÁGINAS 6 e 7

n Durante a confraternização do Conselho Comunitário de Segurança Pública, o vereador e presidente da Câmara, Mazinho, aproveitou para reivindicar uma Unidade de Policia Pacificadora para o município. PÁGINA 10

n O Centro Tecnológico de Educação Profissionalizante (Cetep) também funciona agora em Japeri. Uma unidade do projeto, ligado à Faetec, foi inaugurada no município pelo governador Sérgio Cabral, no mês de dezembro. Nesse início, são oferecidas 790 vagas para vários cursos gratuitos. PÁGINA 3

CALOTE

Revitalização do Centro de Caxias já começou n A revitalização do Centro de Caxias já foi inaugurada em sua primeira etapa. Após dois meses de obras, dezenas de palmeiras imperiais e um chafariz dão uma nova aparência à região comercial da cidade. Apesar da bela paisagem, muitos moradores criticam o investimento feito pela prefeitura. PÁGINAS 8 e 9

ALBERTO ELLOBO

Caxias quer Polícia Pacificadora

Japeri ganha núcleo do CETEP

Rio Pax dá “cano” em clientes da Afeto PÁGINA 10

Mc DONALD’s

Mau cheiro incomoda clientes em Caxias PÁGINA 12


2 | DEZEMBRO/2009

DEZEMBRO/2009 | 3

n O Livro Nossa Gente, idealizado pela Prefeitura de Mesquita, através da Coordenadoria de Gestão Participativa e escrito pela jornalista Bianca Vitória, guarda o relato de 26 moradores do município. Ele também traz elogios deixados pelo jornalista Maurício Kubrusly, que na televisão mostra histórias interessantes de pessoas anônimas, conhecidas em suas viagens pelo Brasil.

Os livros serão distribuídos para escolas e bibliotecas públicas, onde ficarão disponíveis para leitura. Quem tiver interesse de adquirir um exemplar poderá procurar a Coordenadoria de Gestão Participativa na prefeitura. O livro custa R$ 10,00. A renda obtida será destinada para o Fundo Municipal de Assistência Social – FMAS (Banco do Brasil, conta corrente no 17165-4, agência 4689-2).

Biblioteca é reaberta com novo acervo e arquivo digitalizado n Após passar por modernizações e reformas estruturais, a Biblioteca Municipal Cial Brito, que funciona no Espaço Cultural Sylvio Monteiro, foi reaberta ao público. Além dos novos computadores, mil livros atualizados e mobiliário, doados pelo Ministério da Cultura, poderão ser utilizados gratuitamente pelos usuários cadastrados. Outra novidade que promete transformar o local em espaço de convivência é a sala de Diversidade Étnica, do programa Mais Cultura. A Biblioteca Municipal Cial

Brito foi inaugurada em 1976 e reúne hoje o maior acervo de livros da Baixada. Ao todo, são 45 mil exemplares que atendem a moradores de diversos municípios, entre eles Paracambi, Nilópolis e São João de Meriti. Para fazer empréstimos na Cial Brito basta levar comprovante de residência, identidade e uma foto 3X4 e fazer o cadastro de usuário. A biblioteca funciona de segunda-feira a sexta-feira, das 9h às 17h, na Rua Getúlio Vargas 51, no Centro de Nova Iguaçu. Mais informações pelo telefone 2667-2631.

Queimados, B. Roxo e Caxias ganharão novos pólos para o Pré-Vestibular-Social n A Baixada Fluminense vai ganhar mais três polos para o curso Pré-Vestibular-Social (PVS). Ele é direcionado aos interessados que já concluíram ou que estão frequentando o último ano do Ensino Médio ou equivalente e que desejam realizar as provas de acesso às universidades, mas que não têm condições de arcar com os custos dos cursos preparatórios particulares. O Pré-Vestibular é totalmente gratuito e não tem limite de idade. As inscrições serão realizadas apenas pela internet até o

dia 02/03/10, através do site www.pvs.cederj.edu.br/alunos. Os novos pólos na Baixada serão em Queimados, na E. M. Prof. Leopoldo Machado, em Beford Roxo, no C. E. Pres. Kennedy e em Duque de Caxias, no C. E. Círculo Operário. O PVS também tem outras unidades em Caxias, São João de Meriti, Nova Iguaçu, Mesquita, Magé e Itaguaí. O Pré-Vestibular-Social é uma iniciativa do Governo do Estado do Rio de Janeiro, através de sua Secretaria de Ciência e Tecnologia e da Fundação CECIERJ.

Cabral assina convênio em Duque de Caxias n O governador do Rio de Janeiro, Sergio Cabral (PMDB), estará na Câmara de Vereadores de Duque de Caxias na segunda-feira (21/12), às 10 horas, para assinar o convênio de integração do Vale Social. A cidade será a primeira do Estado a ter o Vale Social Integrado. Antes, ele somente de âmbito estadual. Com a parceria municipal diminuirá o tempo de elaboração dos vales, uma vez que os funcionários do município serão treinados para acelerar o processo. A vitória é fruto de uma luta iniciada na Câmara de

ALBERTO ELLOBO

Mesquita lança livro com história da população

Vereadores, em setembro, e beneficiará diretamente pelo menos 30 mil pessoas.

Colégio em B. Roxo mudará de nome n O colégio estadual Bairro Jardim América, localizado em Belford Roxo, mudará de nome. Dentro de alguns dias, ele passará a chamar-se Colégio Estadual Professora Alda Regina Viana de Souza, em atendimento ao que determina o projeto de lei 1.418/08, cujo veto foi derrubado pela Assembleia Legislativa do Rio. O tributo, idealizado pela deputada Sula do Carmo (PMDB), será transformado em lei em alguns dias, quando for promulgado o teor do projeto avalizado pelo Legislativo. De acordo com a autora, a alteração homenageia uma professora que trabalhou no local por 20 anos até sua morte, em 2006.

Estado e Prefeitura promovem parcerias pela qualificação profissional

Inaugurado CETEP em Japeri ALBERTO ELLOBO

Eleições no PT podem ser anuladas n A Justiça de Duque de Caxias poderá suspender as eleições para o Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores (PT) no município, por falta de prestação de contas. O pedido foi feito pela advogada Célia Cristina Diniz da Silva no dia 24 de novembro, em nome do filiado Edson de Sá Nunes. A ação foi distribuída à 4ª Vara Cível da Comarca. O pedido de anulação tem como base a denúncia feita no Ministério Pú-

blico no dia 13 de outubro, no processo n° 250710, de que não há prestação de contas desde 1998. Por isso, os nomes dos titulares das chapas concorrentes são contestados. A ação, além das contas não aprovadas, denuncia ainda a existência de “indícios de Caixa 2” no Partido. A eleição aconteceu no último dia 22, quando foi reeleito Manoel Ramos da Silva, o Black, com 829 votos dos 1.613 filiados que compareceram.

Do Brasil

A6 Organizações Jornalísticas Ltda CNPJ:10902731/0001-86 CONTATO: E-mail: jornalpopularbr@gmail.com Diretora executiva: Anne Moreira Contatos: 21 8698-0804 anne_moreira@hotmail.com JORNALISTA RESPONSÁVEL: Glauco Rangel (RJ 22774 JP) Contatos: 21 9485-0045 gcorangel@yahoo.com.br REPORTAGENS: Anne Moreira Glauco Rangel FOTOGRAFIAS: Alberto Ellobo PROJETO GRÁFICO: Admilson Trajano Alberto Ellobo DIAGRAMAÇÃO: Alberto Ellobo Contatos: 21 93201379 albertoellobo@yahoo.com.br COLABORADORES: Alberto Marques Patrícia Nascimento PUBLICITÁRIO RESPONSÁVEL: Alexandre Freire Contatos: 21 7877-8873 IMPRESSÃO: Areté Editorial S/A Colunas e artigos assinados, de responsabilidade de seus autores, não representam necessariamente a opinião do jornal. O Jornal Popular, de publicação mensal, circula em municípios da Baixada Fluminense, Rio e Grande Rio

Cabral, Alexandre Cardoso, Timor e o vereador Kerly Gustavo nas dependências do Centro Profissionalizante n Japeri recebeu no dia 15/12 mais uma visita do governador Sérgio Cabral. Desta vez para a inauguração do Centro de Educação Tecnológica e Profissionalizante (Cetep), uma nova unidade da Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec) que oferece gratuitamente 790 vagas em vários cursos. O prefeito Ivaldo Barbosa dos Santos, o Timor, aproveitou a oportunidade para ressaltar as inúmeras melhorias que a cidade vem recebendo do governo do Estado como ampliação da rede de abastecimento de água, estação de tratamento de esgoto do bairro Belo Ho-

Como se inscrever n As matrículas começam a ser realizadas na primeira semana de fevereiro. As aulas do novo Cetep serão iniciadas no dia 22 de fevereiro. A unidade disponibilizará 2.378 oportunidades anualmente.

rizonte, onde fica o complexo prisional, e obras de drenagem, saneamento e pavimentação de 17 ruas, incluindo a Estrada Ari Schiavo. “Conseguimos firmar vários convênios como o do Padem, que prevê R$ 5 milhões para obras do projeto Bairro Beleza, no Alecrim. Teremos mais R$ 3 milhões para obras no Santa Amélia. Cabral também conseguiu travar a construção de mais três presídios em Japeri, sem falar na construção do viaduto de Engenheiro Pedreira e de uma UPA 24h no município”, enumerou Timor, ressaltando também a preocu-

pação do governo do Estado em investir na educação e na formação técnica profissional. Entre os cursos oferecidos pelo Cetep estão Informática (240), Montagem e Manutenção de Micro (120), Telemarketing (48), Bombeiro Hidráulico (40), Eletricista Predial (30), Inglês (132), Espanhol (132), Cabeleireiro (24) e Manicure e Pedicure (24). Durante a inauguração Cabral anunciou que o Governo do Estado vai implantar, a partir de fevereiro em 2010, o bilhete único no transporte intermunicipal, inicialmente, na Região Metropolitana.

No momento, os técnicos da Secretaria de Transportes estudam com os operadores de transporte coletivo os detalhes técnicos do projeto, que deve ficar pronto até o fim deste mês. Cabral informou que o valor ainda não está definido, mas garantiu que o Estado vai subsidiar parte dos custos. Segundo ele, o subsídio público é comum em todo mundo quando há a implantação do bilhete único nos transportes. “Será um ganho extraordinário. Uma verdadeira carta de alforria para a população da Região Metropolitana”, enfatizou o governador.

Requisitos para os cursos disponíveis n Inglês, Espanhol e Informática - 6º ano do Ensino Fundamental e idade mínima de 12 anos. Telemarketing - Ensino Fundamental concluído e idade mínima de 16 anos. Eletricista Predial e Bombeiro Hidráulico - 5º ano do Ensino Fundamental e 18 anos. Montagem e Manutenção de Micros - 8º ano do Ensino Fundamental e os módulos I e II do curso de Informática. É preciso ter idade mínima de 16 anos. Cabeleireiro - 6º ano do Ensino Fundamental e 18 anos. Manicure e Pedicure - 6º ano do Ensino Fundamental e 16 anos.

Golpe assusta quem viaja nas estradas do Rio n Um golpe bem elaborado está aterrorizando motoristas que trafegam pelas rodovias do estado do Rio de Janeiro. Uma quadrilha muito bem organizada, que se divide em dois - ou até em três carros - escolhem suas vítimas nos postos de pedágio e então passam a segui-las, discretamente. Num determinado momento do percurso um dos carros do grupo criminoso emparelha o veículo com o da vítima escolhida, sinaliza algo como se houvesse algum problema no carro, depois acelera e vai embora. O motorista, acreditando ser alguém bem intencionado, para e verifica seu veículo. Nesse momento, outro carro - que vinha seguindo a vítima sem ser notado, também para e seus ocupantes anunciam o assalto. A Polícia Rodoviária Federal informa que trata-se de uma quadrilha bem articulada, que conhece muit o bem as estradas da região onde atua, por isso tem sido difícil pegá-los. Esse grupo de criminosos já vêm agindo há um certo tempo, segundo a PRF, que aconselha aos motoristas, caso isso aconteça, a não pararem em hipótese alguma antes de chegar em algum posto, restaurante ou pedágio.


4 | DEZEMBRO/2009

DEZEMBRO/2009 | 5

PAPO DO CAFEZINHO

Arte: Alberto Ellobo (9320-1379)

BRONCA POPULAR Mande sua “bronca” para nossa redação: broncapopular@gmail.com

Com Alberto Marques albertojornal@yahoo.com.br

MAIS EDUCACÃO OU MAIS PROPAGANDA? n Como 2010 é um ano eleitoral, o prefeito Zito tratou de reforçar a verba da Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Duque de Caxias, utilizada basicamente na montagem de showmícios realizados durante as inaugurações e na publicação de matérias pagas em grandes jornais, revistas e até em emissoras de rádio e TV do Rio. Então, por que os jornais da Baixada só recebem uns trocados para não atrapalharem o governo com cobranças do tipo “o povo quer saber”. No orçamento para o próximo ano, aprovado no último dia 15 pela Câmara, sem qualquer emenda dos zelosos edis, com previsão de receita de R$ 1,598 bilhão de reais, a Assessoria de Comunicação foi aquinhoada n A festa do Conselho Comunitário de Segurança Pública foi um festival de rasgação de seda, mas alguns dos nomes escolhidos para receber o diploma de “Destaque de 2009” pela colaboração com as atividades da entidade são mais do que merecidos. Estão nesse rol dos grandes destaques o empresário Ronaldo de Lima, ex-venerável da Loja 18 (Praça da Maçonaria) e presidente da ONG Viva a Vida, a senhora Eunice Matino, presidente do Lion’s Club de Duque de Caxias, e o vice-presidente do Conselho, Osmar de Paiva. Outro destaque foi a intervenção de Osmar de Paiva, que reclamou da transformação do comando do 15º Batalhão (D. Caxias) numa “passarela para o desfile de oficiais que perderam outros comandos”, através de um intenso troca-troca. Seria uma espécie de prêmio de consolação e uma falta de respeito aos oficiais designados para o comando do 15º Batalhão da PM. O tenente-coronel Sérgio Luiz Mendes Afonso, sentado ao seu lado, diplomaticamente não contestou os números da violência em Duque de Caxias, mas revelou que, recentemente, com apoio do pessoal do BOPE e o auxílio de dois caminhões da Prefeitura, conseguira retirar quatro toneladas de material que serviam de barreira à entrada não só da Polícia, mas também de ambulâncias e de carros do Corpo n No final de 2008, os funcionários da Câmara de Caxias viveram momentos de grande frustração ao serem informados pelo diretor Sérgio Locatel de que não havia dinheiro para o pagamento do 13º salário. E a pergunta que todos hoje fazem é: o 13º salário será pago antes do Natal? Mazinho demonstrou que é rápido no gatilho. Na festa de confraternização do Conselho Comunitário de Seguran-

com nada menos do que R$ 8,95 milhões. Para efeito de avaliação sobre os critérios do governo para fixar as suas despesas, o Sepe/Caxias calculou que, se o prefeito cumprisse o acordo firmado em setembro – de dar mais 1% no salário dos professores municipais, que só receberam 5% de reajuste em maio –, a despesa com o magistério aumentaria cerca de R$ 5 milhões por ano. Isto é, a prefeitura gastaria algo em torno de 55,75% da verba que foi destinada à propaganda das obras que o governo ainda não fez, nem irá fazer, por absoluta ineficiência do atual secretariado. Mas, se todas elas fossem feitas, alavancariam a campanha eleitoral do time do prefeito Zito.

de Bombeiros na Favela da Mangueirinha, no Centenário. Aproveitando o tema, o cel. Afonso avisou que este fora apenas o primeiro passo para o projeto de sufocamento dos traficantes, que fugiram do Rio para se esconderem em comunidades carentes da Baixada, como Favela do Lixão, no Centro de Caxias, e as favelas Santa Lúcia e Getúlio Brasil, em Imbariê. Em meio à discussão sobre a pobreza franciscana da nossa Polícia, o cel. Afonso confirmou que o contingente do 15º BPM equivale hoje a um terço do que havia há 10 anos. Para demonstrar o descaso de sucessivos governos com a Segurança Pública, estudos da Secretaria de Segurança Pública do antigo Estado do Rio (antes da fusão GB-RJ) projetavam um contingente de 1,6 mil homens no então 6º Batalhão da PM. Hoje, o total de homens naquela unidade não chega a 600, isto é, cerca de 10,43 homens para cada dez mil habitantes da cidade. Se o comando da PM chamar de volta aos quartéis os policiais, inclusive graduados, que estão à disposição de prefeituras e câmaras de vereadores, atuando como seguranças pessoais das autoridades, o policiamento ostensivo, a cargo da PM, seria muito mais visível e eficiente. O governador terá coragem de determinar a volta desses policiais em um ano de eleição?

Ditadura voltou n Teve grande e negativa repercussão o escandaloso comportamento de uma assessora de Sérgio Cabral (Ana Paula - foto), que mandou os seguranças retirarem do palanque o fotógrafo George Fant, que faz parte da Assessoria de Comunicação da prefeitura. Comunicada do ocorrido, a Associação Brasileira de Jornalistas (ABJ) informou que estaria em recesso até o dia 5 de janeiro, quando só então responderia sobre a denúncia feita pelos jornalistas da Baixada Fluminense. Por mera coincidência, a visita do governador era para inaugurar, pela segunda vez em menos de um mês, o projeto “Baixada Digital”, comandado pelo deputado federal licenciado e secretário de Ciência e Tecnologia do Estado, Alexandre Cardoso, que, recentemente, declarou que não existe Imprensa na Baixada.

ça Pública, anunciou que a Câmara iria propor ao Governo do Estado a instalação de UPPs – Unidades de Polícia Pacificadora – em Duque de Caxias. Por razões óbvias, os locais escolhidos para as duas primeiras não poderiam deixar de ser as favelas da Mangueirinha, no Centenário, e do Lixão, no centro do município e a cerca de um quilômetro da sede do Legislativo.

Esta coluna, em sua maioria, é um resumo mensal do conteúdo postado no Blog Alberto Marques. Estes e outros artigos podem ser acompanhados diariamente, acessando o link http://albertomarques.blogspot.com

Crianças Falta de uniformes sem lazer n A cidade de Duque de Caxias está, agora, bem enfeitada com palmeiras e linda. Pena que, enquanto isso, muitas crianças da escolinha de futsal e de outras modalidades esportivas são obrigadas a treinar, na Vila Olímpica, com a camisa pelo avesso, por causa da falta de uniforme novo. E, em muitas escolas da rede pública municipal, o uniforme dos alunos também não foi entregue. – Cássia Alcântara, 25 de Agosto, Duque de Caxias.

n Até hoje, as crianças do bairro Marapicu estão sem área de lazer. A prefeitura prometeu construir uma praça com brinquedos e um campo de futebol, em frente ao Conjunto Habitacional Dom Bosco, e começou a fazer a obra. Mas, há muito tempo, ela está parada. Colocaram uns tapumes e não passou disso. É lamentável. – Ana Cláudia de Oliveira Luiz, Marapicu, Nova Iguaçu.

Desrespeito aos pedestres

n Andar ou aguardar ônibus no Centro de Caxias em dias de chuva virou um grande desafio para nós, pedestres. Um exemplo disso é a Avenida Doutor Manoel Teles, onde se formam grandes poças de água. O comércio é obrigado a colocar cones para evitar que seus estabelecimentos sejam “banhados” pela água suja jogada pelos ônibus que fazem ponto no local. Fica aqui a pergunta: por que o “choque de ordem” da prefeitura é cega diante desse problema, que acontece também na Avenida Presidente Kennedy e em outros pontos da cidade? – Laurindo Aguiar, Bar dos Cavaleiros, Duque de Caxias

n

BRONCAS DE MESQUITA

n Muitos moradores e comerciantes da Avenida Coelho da Rocha, em Mesquita, reclamam da falta de educação da população que joga lixo no terreno baldio ao lado da Igreja Nova Vida. Membros da igreja pintaram o muro com a intenção de dar uma melhor aparência ao terreno, mas, pouco tempo depois, jogaram um sofá velho fora e atearam fogo, deixando o muro manchado. Pedimos que a população tenha um pouco mais de educação.- Josilene Costa Santana, Rocha Sobrinho.

n Um enorme buraco na calçada da Avenida Getúlio de Moura, em frente à empresa de ônibus Nossa Senhora da Penha, é um perigo para os pedestres. Por desconhecerem o problema, muitas pessoas já caíram ali, principalmente à noite, indo parar num valão. Também é comum ônibus passarem bem perto de algum pedestre e ele acabar caindo. – Manoel Pereira da Silva, Vila Emil.


6 | DEZEMBRO/2009

DEZEMBRO/2009 | 7

Unidades da região só tem atendimento pediátrico em extrema emergência

Criança não tem vez nas UPAs da Baixada “Temos que ir para longe e pagar mais passagem”

anne_moreira@hotmail.com

Glauco Rangel

gcorangel@yahoo.com.br

Patrícia Nascimento

patijornalismo@hotmail.com

n As Unidades de ProntoAtendimento 24 Horas (UPAs) foram criadas em maio de 2007 no Estado do Rio, com o principal objetivo de desafogar os setores de emergência dos hospitais públicos, oferecendo atendimento nas especialidades de clínica geral, pediatria, odontologia e ortopedia. Cerca de dois anos e meio após seu lançamento, o projeto já apresenta problemas, como acontece na Baixada Fluminense, onde faltam médicos e a espera por uma consulta chega a demorar horas. Ao percorrer as quatro UPAs 24 Horas da região – de Cabuçu, em Nova Iguaçu, do Jardim Bom Pastor, em Belford Roxo, e dos bairros Sarapuí e Parque Lafaiete, em Duque de Caxias –, nossa equipe de reportagem constatou que havia apenas clínicos gerais e dentistas. Faltavam pediatras e ortopedistas e, por outro lado, sobravam reclamações, principalmente em relação à pediatria. Na unidade do Sarapuí, encontramos o pequeno Brayan, de apenas dez meses, no colo do pai, o motorista Edivan Vieira Bezerra. Com sintomas de resfriado, o bebê aguardava cerca de uma hora para ser consultado pelo clínico geral: “Estamos decepcionados porque ficamos sabendo que aqui não tem pediatra. Deviam avisar. Só o adulto pode ser atendido, a criança é exceção. Tem que ter atendimento para todos. Se cabe ao Governo do Estado, é problema deles. Não adian-

ta a UPA se não tem atendimento para as crianças. É uma falha gravíssima. Um absurdo!” – desabafou Edivan, indignado com a situação, a exemplo de outras pessoas ouvidas nas demais unidades da Baixada. O coordenador do projeto UPA 24 Horas, Ricardo Bruno, reconheceu a carência de

pediatras e informou que o Governo do Estado está se empenhando para contratar profissionais, para reforçar o quadro de pediatras das 22 unidades da rede. Segundo informações da Secretaria Estadual de Saúde, o reforço no número de pediatras poderá ser solucionado com a contratação de médicos aprovados

nos dois últimos concursos públicos. Além disso, o Estado vem buscando auxílio junto a entidades da classe e está oferecendo uma gratificação diferenciada para aqueles que queiram trabalhar nos finais de semana. Mas, até o momento, de acordo com a secretaria, não foi possível a aquisição de novos profissionais.

Lula considera UPAs modelo de sucesso n O presidente Luiz Inácio Lula da Silva considera as Unidades de Pronto-Atendimento 24 Horas (UPAs) um projeto de sucesso. Em 2010, o Ministério da Saúde pretende construir em todo o Brasil 500 UPAs, seguindo o modelo do Estado do Rio. Para a ministra interina da Saúde, Márcia Bassit, o País só tem a ganhar com a cópia do projeto.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde e Defesa Civil, até o fim de 2010, o número de Unidades de ProntoAtendimento 24 Horas vai ser bem maior. Nos próximos anos, o Estado do Rio terá outras 65 unidades, sendo 46 resultantes da parceria entre o governo estadual e o Ministério da Saúde e outras 19 de uma parceria do estado com a

prefeitura do Rio. Para construção e manutenção dessas UPAs, a previsão anunciada é de R$ 223,1 milhões. Dessas novas expansões, nove serão na Baixada Fluminense e estão previstas para serem inauguradas nos municípios de Japeri, Queimados, Mesquita, Nova Iguaçu, São João de Meriti, Nilópolis, Magé e Itaguaí.

Demora no atendimento revolta população FOTOS: ALBERTO ELLOBO

FOTOS: ALBERTO ELLOBO

Anne Moreira

Muitas queixas na UPA do Parque Lafaiete (Duque de Caxias)

n “Aqui, o tratamento para o adulto é muito bom, mas para as crianças não. A região está precisando de pediatra. Essa situação é péssima... horrível, temos que ir para um lugar longe e pagar mais passagem. Tenho um filho de nove anos, um de cinco e um de quatro anos. Já vim várias vezes procurar pediatra, mas desisti. Não venho mais aqui para isso. É um desgaste. Já o atendimento dentário é muito bom.” – Elisabeth Souza do Nascimento.

n Quem procura a UPA do Parque Lafaiete, em Caxias, logo é avisado que o tempo de espera pode chegar a mais de cinco horas. Essa demora excessiva tem sido motivo de insatisfação e revolta de muitas pessoas que procuram a unidade em busca de atendimento. No dia em que esteve no local, nossa reportagem constatou que a situação era bastante complicada. Vários pacientes, alguns inclusive com fortes dores, esperavam pela consulta há muito tempo. O curioso é que a própria UPA informa, através de um quadro, que o tempo máximo de espera é de quatro horas. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, o tempo de espera varia muito de unidade para unidade, dependendo de dia e hora. De acordo com o projeto, se for um caso grave, o paciente entrará direto na “sala vermelha”, onde receberá o atendimento necessário até que seu quadro clínico seja estabilizado e ele

n“Trouxe minha mãe (Carmen dos Santos Pessoa, de 75 anos), que está com diarréia e vômito. Mas me arrependi de ter vindo aqui. Já reclamei da demora no atendimento (ela havia chegado às 17h20m e esperava há uma hora) e informaram que só tem dois médicos atendendo.” – Vilma dos Santos, moradora do Jardim Metrópole.

possa ser removido para um hospital por uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel

de Urgência (SAMU). Todos os demais pacientes deverão se dirigir à recepção da UPA 24

horas, onde serão atendidos não por ordem de chegada, e sim conforme a gravidade do caso.

“Foi uma obra eleitoreira. Passou as eleições e ficou o caos” n “Dei entrada há meia hora com pressão alta e me avisaram que eu poderia esperar de duas a cinco horas para ser atendida, por causa do número de pacientes. O atendimento está péssimo. Estou passando por isso há três semanas. Venho aqui e nunca consigo ser atendida. Cheguei às 18h e encontrei pessoas que estavam há mais de três horas aguardando o atendimento. Só tem um clínico geral para atender todo mundo. Sempre encontro a UPA muito cheia e acabo indo embora. Fico indignada com vejo em qualquer propaganda que o Governo do Estado criou a UPA para desafogar os hospitais. O projeto é um fracasso. Quando inauguraram, o atendimento era ótimo. Havia clínicos gerais, pediatras e dentistas. Mas agora não tem mais pediatra. Foi uma obra eleitoreira. Passou a eleição e ficou um caos.” – Joyce Silva de Souza, promotora de vendas e moradora do Parque Araruama. n “Parece que os profissionais daqui são principiantes. Eles não têm a noção do risco de cada paciente. Aqui, é necessário um médico experiente para observar isso.” – Luiz Carlos Trindade de Souza, motorista e pai da Joyce.

n “Minha esposa (Maria de Souza, 77 anos) está com problemas de intestino e chegou aqui há mais de uma hora. O atendimento está péssimo porque tem poucos médicos. Esse hospital é do estado, mas parece que é municipal. Há duas semanas, passei mal e fiquei quase três horas aqui. Às vezes, falta medicamento e temos que ir buscar em outro hospital.” – Carlos de Souza, 80 anos, aposentado e morador do Centro de Duque de Caxias.


8 | DEZEMBRO/2009

DEZEMBRO/2009 | 9

Obras de revitalização dão novo visual às ruas do Centro de Duque de Caxias

Cara nova para as festas de fim de ano

FOTOS: ALBERTO ELLOBO

Anne Moreira

População pede investimentos também para os bairros carentes n Integrando pela primeira vez a urbanização de Duque de Caxias, as palmeiras imperiais provocam grande repercussão na população desde que começaram a ser plantadas, especialmente no que diz respeito ao preço pago por cada árvore. Baseado nessa repercussão, o Jornal Popular foi às ruas do Centro e ouviu a opinião de algumas

anne_moreira@hotmail.com

Glauco Rangel

pessoas. A grande maioria delas criticou o investimento, apesar de considerar que, com as palmeiras e a Praça do Chafariz, a região ficou mais bonita. Nossa reportagem também procurou saber, junto à prefeitura e à Sanerio Engenharia Ltda., o custo detalhado da obra de revitalização, com ênfase no valor pago por cada palmeira e pelo cha-

Morador do Grande Rio pretende gastar mais no Natal ALBERTO ELOBO

fariz. No entanto, não conseguimos obter essa informação. O governo municipal divulgou apenas o valor total a ser empregado no projeto – em torno de R$ 49 milhões – e a construtora alegou não poder passar esses dados, orientando que qualquer interessado no assunto deve entrar em contato com a prefeitura. Leia, a seguir, a opinião popular:

FOTOS: ALBERTO ELLOBO

gcorangel@yahoo.com.br

n O Centro de Duque de Caxias começou a ganhar um visual diferente. Palmeiras imperiais plantadas em um trecho de meio quilômetro da Avenida Presidente Kennedy, iluminação artística e um chafariz construído na parte baixa do Viaduto Paulo Lins dão, agora, um charme e uma valorização maior à região. A novidade corresponde à primeira etapa da obra de revitalização do Centro, inaugurada na sexta-feira (18/11). Destaque da fase inicial do projeto, um conjunto de 59 palmeiras foi colocado entre uma das entradas da cidade, na divisa com Vigário Geral, subúrbio do Rio, e as imediações da Praça do Pacificador – onde fica o Centro Cultural Oscar Niemeyer. Com aproximadamente 12 metros, as árvores, cuja espécie é encontrada em poucos lugares - como o Palácio Guanabara, o Jardim Botânico e a Quinta da Boa Vista -, representam uma paisagem nunca vista no

Afinal, quanto custou cada palmeira imperial?

Palmeiras imperiais e um chafariz embelezam uma das entradas de Duque de Caxias município e serão fundamentais para uma melhor arborização do ambiente. Investimento de R$ 49 milhões, segundo a prefeitura, a revitalização, iniciada em setembro, terá outras etapas. De acordo com a Sanerio Engenharia Ltda., responsável por toda execução da obra, a par-

tir de janeiro serão feitas as outras intervenções que fazem parte do projeto. Os calçadões da Praça do Relógio, da Rua José de Alvarenga e da Avenida Nilo Peçanha vão ganhar blocos intertravados, em substituição às pedras portuguesas, módulos com coberturas metálicas e siste-

ma de climatização, câmeras de segurança, quiosques, novos bancos, nova iluminação e arborização. Além disso, as redes aéreas de fios elétricos e cabos telefônicos passarão a ser subterrâneas e será feita uma expansão do sistema de drenagem. Novas gale-

rias de águas pluviais serão construídas entre a Presidente Kennedy e a Avenida Nilo Peçanha, com o objetivo de pôr fim às inundações causadas pelas fortes chuvas. A previsão é de que toda a revitalização do Centro de Caxias esteja concluída em um total de 18 meses.

Estátua de Zumbi dará lugar a chafariz n Um dos responsáveis pela execução do projeto, o engenheiro Gabriel Brito informou que a Praça do Relógio ganhará um monumento de aço que vai simbolizar a “árvore da fé”. Enquanto isso, no calçadão da Nilo Peçanha, que fica em frente, o local onde se encontra o tradicional monumento em

homenagem ao líder negro Zumbi dos Palmares será ocupado por um chafariz. Gestora da obra, a engenheira Raquel Rojo afirmou que, com a revitalização, o prefeito José Camilo Zito pretende levar modernidade e dar à região onde os investimentos estão sendo feitos uma nova identi-

dade: “Com as obras, vai melhorar o aspecto visual do Centro e a população terá mais conforto.” – garantiu Raquel. Ainda segundo a gestora, não está prevista no projeto qualquer reforma das calçadas da Avenida Nilo Peçanha, nem mudanças na rede de luz e telefone da área.

n “Está bonito, mas isso não é a solução para os problemas de Caxias. As palmeiras só enfeitam e foi uma perda de tempo e de dinheiro fazer isso aí. Moro na cidade há quase cinqüenta anos e vejo que existem necessidades muito maiores. O trânsito daqui é um funil e vive apertado, e poderia ser construída uma rodoviária descente. A população está necessitando muito mais de investimentos em educação e saúde.” – Nélson Vieira de Carvalho, morador da Paulicéia. n “Acho essa obra desnecessária. Existem coisas muito mais importantes para serem feitas. Não sabia que são palmeiras imperiais. Enquanto estão irrigando as palmeiras aqui, falta água na minha casa. Por causa das últimas chuvas, muitos moradores tiveram suas casas alagadas. A prefeitura deveria investir em melhorias para esses lugares, saneamento básico, asfaltamento, habitação, educação e saúde.” – Jaqueline da Costa, psicóloga, moradora do Gramacho. n “É legal. Na cidade, quase não tem verde e acho que deveria ter mais verde. Isso é natureza e a natureza é tudo.” – Josefa Melo, dona de casa, moradora da Vila Rosário.

n “O dinheiro que foi investido nessas palmeiras poderia ser usado para outras coisas. Há menos de um ano, a prefeitura já tinha feito uma obra no mesmo lugar onde construiu o chafariz. Só embelezamento não traz benefícios para a população.” – Cariane da Costa Silva, estudante do Centro de Duque de Caxias. n “Acho essa obra desnecessária. Existem coisas muito mais importantes para serem feitas. Não sabia que são palmeiras imperiais. Enquanto estão irrigando as palmeiras aqui, falta água na minha casa. Por causa das últimas chuvas, muitos moradores tiveram suas casas alagadas. A prefeitura deveria investir em melhorias para esses lugares, saneamento básico, asfaltamento, habitação, educação e saúde.” – Jaqueline da Costa, psicóloga, moradora do Gramacho. n “As palmeiras são bonitas, mas acho que é dinheiro jogado fora. Onde eu moro não tem nada.” – Tereza Cristina Pereira, moradora do Parque Fluminense n “Para mim, essa obra não serve, não tem utilidade nenhuma. É só para dizer que a cidade está bonita. Estão dizendo que cada palmeira custou R$ 18 mil. Mas a prefeitura tem que fazer hospitais, escolas e outros investimentos mais importantes.” – Aílson de Oliveira, servente de obras, morador do Parque Lafaiete.

n “As palmeiras deixaram o Centro bonito, mas foi dinheiro desperdiçado, um investimento desnecessário. Soube que cada uma custou R$ 7 mil. Mas a prefeitura poderia deixar o lugar bonito com bem menos gasto. É mais necessário investir em educação, saúde, saneamento básico, calçamento e alimentação, por exemplo. E os bairros de Caxias que estão esquecidos? E as pessoas sem moradia e sem emprego? E os moradores de rua? Na minha casa só entra água uma vez por semana. O prefeito não vê isso? Sou contra o gasto sem necessidade.” – Washington de Oliveira, operador de máquinas, morador da Vila São Luiz n “Sou da área de meio ambiente e acho que o caminho é esse. É necessário investir no verde, com a plantação de árvores, por exemplo. Pode-se fazer outras coisas, mas sem deixar de investir no meio ambiente. O verde faz com que respiremos um ar mais puro e a palmeira vai contribuir para isso. O que adianta uma escola sem professor e um hospital sem médico? – Nilson Lopes, técnico de segurança do trabalho, morador de Magé.

Calçadões como o da José de Alvarenga (Centro de Caxias) ficam lotados nos dias que antecedem as festa de fim de ano

n A população das cidades da Região Metropolitana vai comemorar o Natal com a tradicional troca de presentes, só que este ano ainda mais generosa. O gasto médio por consumidor será o maior desde 2000: R$ 370,26, número 8,29% maior do que o do ano passado. É o que revela uma pesquisa da Fecomércio-RJ realizada com 630 consumidores dia 7 de dezembro. Dos entrevistados, 74,29% pretendem presentear alguém contra os 73,63%, em 2008. A parcela de pessoas que vai dar mais de um presente subiu de 74,46% para 75,64%. Cada entrevistado vai presentear, em média, 5 pessoas, uma a mais do que no ano anterior. - O morador desses municípios viu a crise passar sem perder o emprego. Além disso, está com mais dinheiro no bolso. Mais confiante, o consumidor se

permite ser mais generoso afirma Orlando Diniz, presidente da Fecomércio-RJ. Os presentes que lideram o ranking de preferência dos consumidores são os seguintes: artigos de vestuário (roupa, acessórios e calçados), brinquedos e lembrancinhas. Mesmo com o grande movimento observado no comércio, os consumidores vão deixar as compras para a última hora, tendo em vista, que apenas 28,21% já compraram os presentes. Apesar desse percentual ser baixo, ele é maior do que o do ano passado, o que demonstra que parte dos consumidores anteciparam suas compras. Quanto à forma de pagamento, a grande maioria (77,08%) informou que vai pagar à vista. Dentre os que escolherão o parcelamento, a preferência é por dividir a conta em cinco vezes no cartão de crédito.


10 | DEZEMBRO/2009

DEZEMBRO/2009 | 11

Clientes de plano funerário ficam na mão n As famílias de pessoas moradoras de Duque de Caxias, beneficiárias do plano funerário Afeto, criado há alguns anos pela Funerária Duque de Caxias, que está fechada por ordem judicial, não estão conseguindo fazer sepultamentos nos cemitérios da cidade. Eles também enfrentam outras dificuldades para utilizar o benefício, como fazer o pagamento das prestações ou retirar o carnê para pagamento. Isso porque, com a decisão da justiça de lacrar o prédio onde a empresa funcionava, no Centro de Duque de Caxias, no final de outubro, os beneficiários descobriram que seus planos estavam vinculados à Rio Pax Assistência Funeral, cuja sede é no Rio de Janeiro. O direito de escolha para sepultamento, garantido pelo

contrato da Afeto, parece não valer mais. Quando a família insiste em sepultar o parente em Duque de Caxias, sob ameaça de contestar a empresa no Procon e na Justiça, aí, nesse momento, é oferecido um reembolso de, no máximo, três salários mínimos. Quem gastar mais pelo sepultamento, fica, portanto, com parte do prejuízo. O desrespeito da empresa carioca começa pela forma como trata os clientes que ainda procuram o plano no endereço original, na Avenida Duque de Caxias, n° 276. Somente quando chegam ao endereço, descobrem que a empresa não funciona mais no local. Por um cartaz feito a mão, são informados que devem entrar em contato com a Rio Pax, pelos telefones 21871100 ou 0800-6261100.

Na porta da antiga funerária, um cartaz feito a mão informa que os usuários do plano Afeto devem procurar a Rio Pax A reportagem do Jornal Popular, através de e-mail, tentou marcar uma entrevista com representantes da Rio Pax para falar sobre o assun-

to. Isto, porém, não aconteceu, nem as perguntas encaminhadas foram respondidas pela empresa. A funcionária Rosangela Mariano informou

que a diretoria seria consultada e, depois, enviaria as respostas para “o próximo exemplar”, referindo-se à edição seguinte do jornal.

Vereador Mazinho reivindica UPP para ocupar complexo de favelas da Mangueirinha

Duque de Caxias quer Polícia Pacificadora n Durante a confraternização do Conselho Comunitário de Segurança Pública, realizada no dia 9 de dezembro, no plenário da Câmara de Duque de Caxias, para homenagear personalidades que se destacaram em 2009, o vereador e presidente da Casa, Dalmar Lírio Mazinho de Almeida Filho, aproveitou a oportunidade para reivindicar, em nome do Poder Legislativo, uma Unidade de Polícia Pacificadora para Duque de Caxias, especificamente para a região conhecida como Mangueirinha, no bairro Centenário. Segundo Mazinho, segurança pública é um problema de todo o Estado do Rio de Janeiro e Duque de Caxias não pode ficar com sua segurança

comprometida. “Sabemos, que quanto mais se aperta o cerco aos criminosos no Rio de Janeiro, mais as cidades da Baixada ficam vulneráveis. Duque de Caxias precisa com urgência, de Unidade de Polícia Pacificadora, especialmente lá na comunidade da Magueirinha”. O vereador destacou, ainda, que segurança pública é hoje uma questão de enfrentamento conjunto, onde gestores públicos e sociedade precisam unir esforços em prol do bem comum e elogiou a iniciativa da deputada federal Andreia Zito, membro da Comissão que vem lutando pela PEC-300, Proposta de Emenda à Constituição que visa equiparar os salários da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros aos salários pra-

ALBERTO ELLOBO

Várias autoridades prestigiaram o evento na Câmara Municipal ticados no Distrito Federal. “O Rio de Janeiro pratica o segundo pior salário para as categorias. Isso é impraticável e desumano”, defendeu Mazinho. O vice-presidente do Conselho Comunitário de Segurança, Osmar de Paiva, colocou em pauta dados importantes como o déficit de policiais e a falta de estrutura

que a corporação enfrenta. Segundo ele, hoje a corporação tem menos de um terço do efetivo que tinha há 10 anos. “Estamos propondo uma reunião com os deputados para que apóiem a categoria e a ideia é pedir apoio estrutural ao Ministério do Planejamento. Nossa polícia está encarando armamento de

guerra”, concluiu Osmar. Aproximadamente 70 personalidades que contribuíram com o Conselho de Segurança foram homenageadas. Mazinho entregou o prêmio Destaque 2009 à primeira dama e secretária de Assistência Social de Duque de Caxias, Claise Zito e ao exvereador Laury Villar.

Morena de 17 anos se destaca entre outras 12 concorrentes e fatura o título

Luz na passarela: Miss Baixada 2009 é de Seropédica! n A Miss Seropédica, Adriana Marquesine (de vestido vermelho), conquistou o título de Miss Baixada 2009. A morena, de 17 anos, venceu outras 12 concorrentes e agradou o júri formado por Roger Gobeth, Gracyanne, Andressa de Oliveira, Jairzinho Furacão e pelo historiador Gênesis Torres. Emocionada, a nova Miss Baixada acredita que agradou porque não entrou na personagem, preferindo se mostrar de verdade ou, como ela prefere, “ser a mais Adriana possível”. O segundo lugar coube à Miss Magé e o terceiro à representante de Belford Roxo. A final do concurso aconteceu no dia 18/12, no programa Balanço Geral, da Rede Record.

Além da finalíssima, o programa contou ainda com a participação de Belo, que homenageou as candidatas cantando o sucesso “Reinventar”. Enquanto as meninas se apresentavam no estúdio da Record Rio, shows com MC Sapão, Disfarce, Tchakabum e MC Marcinho eram transmitidos ao vivo, direto da quadra da Acadêmicos do Grande Rio. O apresentador Wagner Montes, que nasceu e passou a infância em Duque de Caxias, estava emocionado: - “Sou da Baixada e adorei poder mostrar a graça e a elegância das moças de lá. O povo da Baixada é forte e a região não para de crescer em qualidade, mesmo diante de tantas dificuldades” – destaca o apresentador.

FOTOS; DIVULÇGAÇÃO

Rio Pax não respeita contrato de quem paga o plano Afeto

Adriana (de vestido vermelho) ao lado da Miss Magé (E) e da Miss Belford Roxo (D)


12 | DEZEMBRO/2009

Consumidores reclamam do Mc Donald’s do Centro de Caxias

Mau cheiro na hora do lanche n Mundialmente conhecida por seus famosos lanches “fastfood”, a rede de lanchonetes Mc Donald´s está deixando a desejar no Centro de Duque de Caxias. Mas nada tem haver com a comida. Infiltrações no teto, mau cheiro, abafamento e falta de limpeza adequada nos banheiros são algumas das queixas de clientes da unidade que funciona na Avenida Presidente Kennedy. Incomodados com a situação, alguns deles entraram em contato com o Jornal Popular e, há poucos dias, nossa reportagem esteve no local. Bastaram aproximadamente 30 minutos para constatarmos a existência desses e de outros problemas que vêm desagradando os freqüentadores. Em alguns pontos, como na entrada e na parte dos fundos, há sinais da infiltração que vem do teto. Nos fundos, onde ficam uma pequena área de lazer para crianças e uma área para festas, logo é possível sentir o abafamento e o cheiro desagradável. Fazer o lanche naquele ponto também significa dividir espaço com muitas pessoas que apenas utilizam a lanchonete para cortar caminho entre o calçadão da Rua José de Alvarenga e a Presidente Kennedy. Isso é possível devido a uma porta ligando o Mc Donald´s a uma loja de roupas. Constatamos ainda que é grande a rotatividade nos dois banheiros, principalmente o feminino, com filas se formando na porta, e a presença de vendedores ambulantes, engraxates e pedintes.

ALBERTO ELLOBO

FOCO RÁPIDO Luto no samba n O samba de Duque de Caxias está de luto. Foi sepultado na tarde de sábado (19), no Cemitério do Corte Oito, o corpo do sambista Osmar Pereira Dantas, presidente da Associação Carnavalesca de Duque de Caxias. Além da luta contra um câncer, Dantas mantinha uma longa campanha para que a Prefeitura voltasse a apoiar o Carnaval de rua da Cidade. Na campanha eleitoral, Zito prometera restabelecer a ajuda financeira aos blocos, mas nada aconteceu no primeiro Carnaval do novo mandato do prefeito, mesmo tendo um compositor da Grande Rio na Secretaria de Cultura, um órgão avesso à cultura popular.

Fora da disputa n O mundo político foi abalado nos últimos dias, com a desistência de dois candidatos que poderiam mudar o panorama das eleições de 2010. A primeira baixa foi na sucessão presidencial, com a decisão do governador Aécio Neves de sair da disputa, dentro do PSDB, pela indicação do candidato tucano, deixando o caminho livre para o paulista José Serra.

Reclamações contra a unidade se acumulam “Há muito tempo não vinha lanchar aqui. Mas é a última vez. Já reclamei com a gerência sobre o odor desagradável que não sei se vem do banheiro ou da saída de ar. Fiquei com nojo. Só pedi minha promoção porque sei que o padrão de qualidade dos alimentos é o mesmo para todas as lojas. – disse, quando estava indo embora, a universitária Cíntia Alvarenga. Outra cliente que saiu reclamando foi a dona de casa Marlene Vieira: “Isso aqui está pior do que banheiro público. Venho lanchar e tenho que entrar na fila com gente que só está de passagem?!

Tenho certeza que, quando chegar a minha vez, o banheiro não vai estar lá essas coisas. É uma situação muito desagradável.” – reclamou Marlene. Morador da região, o funcionário público Sebastião Figueiredo considera a existência das infiltrações e do ambiente abafado um grande desrespeito: “Essa lanchonete do Mc Donald’s é muito antiga e está precisando de uma reforma urgentemente. Na Zona Sul do Rio, isso não iria acontecer.” – comparou ele. Procurada pela reportagem, a rede Mc Donald´s respondeu sobre as reclamações dos clientes,

através da Publicom Assessoria de Comunicação. De acordo com a empresa, a filial do Centro de Caxias já possui condicionadores de ar de última geração e estão sendo tomadas providências, que incluem a criação de um sistema de vedação, para que a lanchonete não seja afetada por qualquer fonte de mau cheiro. O Mc Donald´s informou ainda que, na limpeza dos banheiros, são empregados os mesmos procedimentos e número de funcionários que nas outras filiais, para garantir o padrão da rede, e que está à disposição dos clientes e leitores para quaisquer esclarecimentos.

Lindberg desiste

n A segunda renúncia, que poderá resultar na eleição do próximo governador ainda no primeiro turno, foi do prefeito Lindberg Farias, de Nova Iguaçu (PT), que não resistiu à pressão do comando do partido e do Palácio do Planalto e jogou a toalha. Derrotado nas eleições internas do PT por uma diferença de um milhar de votos, o prefeito iguaçuano esteve no Palácio Guanabara, onde comunicou ao governador Sérgio Cabral que deixaria o caminho livre para a coligação PMDB-PT. Agora, Lindberg enfrentará a ex-senadora Benedita da Silva pela indicação a uma cadeira no senado, já que a segunda vaga deverá ser preenchida pelo presidente da Assembléia Legislativa, deputado Jorge Picciani, que controla o PMDB.

Por Alberto Marques


Edição nº 08 (DEZEMBRO/2009)