Page 1

www.jornalpoiesis.com

Liberdade religiosa terá caminhada dia 18

Literatura, Pensamento & Arte

Página 3

Saquarema realizou conferência da Mulher Página 5

Ano XVIII- nº 186 - setembro de 2011 - Saquarema, Araruama, Cabo Frio, Arraial do Cabo, S. Pedro da Aldeia e Petrópolis Camilo Mota / 08-09-2010

Devoção e Cultura em Saquarema

Confira a programação religiosa e os shows musicais na Festa de N.S. de Nazareth Os 381 anos da aparição da imagem da Virgem dia 1º de setembro, pela terceira vez, a visita da de Nazareth serão comemorados com mais uma imagem da Virgem vinda de Belém do Pará. E até grande festa em Saquarema. A cidade recebe no o dia 10, haverá uma série de shows, barracas de Divulgação / Paulo Porto

produtos e alimentos, e uma rica e profunda programação religiosa. Confira a programação completa na página 3.

Camilo Mota

Alexandre Rivero

Deputado Miguel Jeovani participou da vistoria na UPA

Pedro Paulo Bravo assina as coreografias

Para Tolstoi, a obra shakespeareana reflete uma sociedade injusta

Comissão da Alerj encontra irregularidades em Araruama

Espetáculo de dança revela as muitas faces do amor

A crítica de Leon Tolstoi ao teatro de Shakespeare

As unidades de saúde do município de Araruama receberam em agosto a visita da comissão de saúde da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), contando com a presença do deputado

estadual Miguel Jeovani (PR). Irregularidades foram encontradas na UPA 24 horas, na Secretaria Municipal de Saúde, Cozinha do Refeitório Municipal, entre outros locais visitados. Página 4.

O talento do jovem bailarino Pedro Paulo Bravo estará de volta ao Teatro Municipal Mario Lago, em Saquarema, em setembro. À frente da Faces Cia de Dança, ele assina as coreografias do espetáculo “Amor, Dança e

Gênero”, que traz várias um repertório que inclui canções de Tom Jobim e Elis Regina, além de artistas internacionais. Efeitos visuais e música ao vivo estão entre os destaques da nova apresentação. Página 3.

As reflexões do escritor russo Leon Tolstoi continuam motivando reflexões. E uma delas é sua posição altamente crítica em relação ao teatro de William Shakespeare, contido em ensaio que

faz parte do recém lançado “Liev Tolstoi - Os últimos Dias” (Companhia das Letras), e que é analisado nesta edição do Jornal Poiésis pelo escritor e poeta Gerson Valle. Página 5.

Fotografia

Música

Psicanálise

Livro é lançado no RJ com fotos de Wolney Teixeira

Michel Teló e Zé Ramalho farão show em Araruama

Congresso Mundial de Terapia Regressiva será em novembro

Página 4

Página 4

Página 6

FILMAGEM E FOTOGRAFIA

Casamentos, aniversários, inaugurações, shows, espetáculos, empresas e produtos.

( (22)2653.3597 / 9982.4039 / 9201.3349

www.poiesisfotografia.com.br


2

nº 186 - setembro de 2011

POESIA

ESPORTE O Uruguai venceu. E o Futebol agradece. Leonardo Soares dos Santos Não, esse Uruguai que acaba de vencer com plena justiça e sobras a Copa América que acaba de ser realizada na Argentina está longe de ser uma reedição da mítica Celeste Olímpica, o selecionado charrua que ganhou dois ouros olímpicos, em 1924 (Paris) e em 1928 (Amsterdã) - daí o nome-emblema que a Seleção carrega até hoje - e que de quebra conquistou a primeira Copa do Mundo, realizada no próprio país em 1930. Este Uruguai atual de Forlán, de Suarez e de Muslera tampouco pode ser comparado com a valorosa seleção bicampeã de 50, aquela do maracanazo, ou mesmo com a excelente seleção de 70. Não podemos dizer nem mesmo que o triunfo da Celeste em Buenos Aires represente, ao menos de maneira definitiva, que o futebol uruguaio esteja retomando a qualidade de jogo que também era cultivado nos gramados do mundo afora pelos seus times – mais especificamente pelos seus mais importantes: Nacional e Peñarol. Uma boa geração de amantes do bom futebol (uruguaios ou não) ainda estão vivos e com uma memória mais do que saudável para lembrar os feitos do Peñarol nos anos de 1960. Equipe esta que encantava o continente europeu nas suas excursões de meio do ano e que simplesmente botou a magnífica equipe do Real Madrid na roda, em uma decisão de Mundial de Clubes em meados daquela década. Em tempos menos remotos, muitos ainda se lembram do que talvez tenha sido o último suspiro do clássico e vistoso futebol uruguaio: a equipe do Nacional de 1988, comandada pelo trio Vargas, De León e Ostolaza. E que era uma delícia ver jogar. Que o diga a torcida do Flamengo, que viu o seu time naquele mesmo ano, ainda comandado por Zico, tomar um verdadeiro chocolate do time de Montevidéu em pleno Maracanã. Essa equipe que acabou de vencer a Copa América ainda tem que jogar muita bola (mas muita mesmo) para poder ser comparada às equipes da chamada época de ouro do futebol do país. Pois se a seleção têm alguns jogadores talentosos, ela ainda padece com seus limitados (embora valentes) Arévalos, Perez, Loco Abreu e Lugano. Talvez ainda seja cedo para afirmar que o futebol uruguaio voltou a ser a potência de antes. Mas duas lições (ou exemplos) nos foram legados por essa campanha do Uruguai em campos argentinos. O triunfo do Uruguai se deu justamente sobre um time que naquela fria tarde de Buenos Aires morreu abraçado a um esquema de jogo absolutamente atrasado, insosso e canhestro. Falo do Paraguai com sua fracassada estratégia da retranca, do “chuta pra frente pra ver no quê que dá”. Estilo

A LUTA MAIOR

A MINHA UTOPIA

esse que exatamente foi o que quase matou o futebol uruguaio e que o levou a praticamente sumir do cenário mundial por mais de duas décadas. E como diria um famoso narrador de futebol, quiseram os deuses do esporte bretão que o Uruguai conquistasse a sua 15ª Copa América diante de um rival que chegou a final sem ter vencido uma única partida. Cujos jogadores nos dias que antecederam a final se vangloriavam por chegar à final “jogando feio”, mas “vencendo”. E venceram o quê? Ou quem? Não. Qualquer resultado que não uma vitória do Uruguai representaria a derrota do futebol. Ou melhor: da linda história do futebol sul-americano. Mas essa começou a respirar aliviado quando numa jogada de autêntico craque, o ponta Suárez marcou o primeiro dos três gols da Celeste. Começava a desmoronar a tática guarani, de conquistar um título a qualquer preço, mesmo que este implicasse em praticar algo que nada tivesse a ver com esse esporte de nome futebol. A segunda lição veio no terceiro gol. Um tanto favorecido pelas circunstâncias do jogo, com um Paraguai totalmente entregue. Num contra-ataque rápido, os jogadores uruguaios não deram mais do que dois toques na bola para deixar Forlán cara a cara com Justo Villar para sacramentar a goleada da Celeste. Uma jogada coletiva. A meu ver esta sua principal virtude em todo o campeonato: o resgate do jogo coletivo. E do jogo coletivo ofensivo, de toque de bola, envolvendo o time todo. Onde o jogo flui mais por meio da equipe do que por um só jogador, mesmo que genial. Onde o que se idolatrava eram as equipes e não um jogador em particular. Esse foi o grande legado desse futebol para o mundo. Um legado cuja razão se assenta na cultura operária de seus primeiros adeptos e foi aperfeiçoada pelos argentinos. Que soube conjugar como poucos talento e espírito solidário. E só essa conjugação é capaz de explicar como um minúsculo país de pouco mais de 3 milhões de habitantes pode ter se tornado uma potência futebolística, detendo títulos que o Brasil com seus quase 200 milhões de habitantes persegue até hoje, caso do ouro olímpico. Se a seleção uruguaia prosseguirá jogando um futebol de alto nível só o tempo dirá. Penso até que dificilmente será a campeã da Copa de 2014. Mas como é bom ver uma seleção que ao menos procura manter viva a chama da tradição que fez dela uma instituição mundial. Que uma outra Seleção – que vem se notabilizando isso sim pela absoluta falta de compromisso com suas tradições, além dos cortes de cabelo... - pense ao menos a respeito. Leonardo Soares dos Santos é Historiador, professor da UFF e flamenguista

Gerson Valle

Utopia? Eu não desisto se tão mais difícil foi a Voz de Jesus Cristo no amor às faces desiguais e tudo o mais. A coexistência pacífica seria possível se não comprássemos e abusássemos no eterno inferno das razões da Economia e regras da Advocacia. Não se forjam verdades desequilibrando a Humanidade. Não se pesam valores nas necessidades comuns de todos.

JCEL EMPRÉSTIMOS Você, aposentado e pensionista, precisa de dinheiro?

Representamos vários bancos: BMG, PINE, BGN, BIC... Compramos dívida da Marinha. Atendemos a servidores da Prefeitura de Saquarema e TJ.

Compramos dívida do GE e PINE. Não precisa pegar boleto. Fazemos empréstimos sem margem.

Financiamento de veículo. Financiamentos no cheque ou em débito em conta.

Desconto em folha de pagamento sem SPC e sem avalista.

FALE COM LÉA SAQUAREMA

R. Domingos da Fonseca, 5 - Bacaxá - ( 2653-4544 (ao lado do depósito de doces, perto do Itaú)

CHOVEM POETAS NO QUINTAL José Lúcio de Souza Chovem poetas no quintal, mas não são poetas... são pessoas sedentas da emoção, que perderam na frente da televisão.

Gerson Valle é poeta e escritor, membro da Academia Brasileira de Poesia

É a poesia que irriga este solo sagrado : Coração! E pelas veias do passado, permeia lembranças que te fazem são! Mão no arado...

NOITE

Este quintal que trazes no peito da infância é uma fragrância que alegra a vida e ampara a lida, feito o trabalho das ondas na praia, a levar as areias do dia a dia... Chovem poetas que já não são e os meus versos correm soltos, um salvamar para os absortos, trapos abstratos e novos tratos não ortográficos, porém resolutos.

Andityas Soares de Moura Teu corpo nasceu para o amor, para estar aqui agora, para indicar-me o antigo caminho da Musa.

Quisera eu, quimera querida, cantar a vida ! E esses poetas que todos são e despertá-los na madrugada, sem dizer nada – Grande farol, como é calada e tão dourada: A luz do sol....

É noite, mas lá fora brilha um sol novo e inteiro. E uma vez mais eu sei que não é tolice escrever poemas. Andityas Soares de Moura é poeta, tradutor e ensaísta. Mora em Belo HorizonteMG. É autor de “Auroras consurgem” (7 Letras), de onde extraímos o poema acima.

José Lúcio de Souza é escritor e ator, dirige o Grupo de Teatro Educativo Marinheiros do Sol. Reside em Saquarema-RJ.

Melo Imóveis Dra. Emygdia Melo

Av. Saquarema, 3663 Loja D - Porto da Roça Aberta de 2ª a sábado de 8 às 20h e domingo de 8h às 13h

Um lutador que desconhece glória que lhe sirva de abrigo, que sabe que a luta maior se dá em seu corpo, consigo. Iacyr Anderson Freitas é autor de “Viavária” (Nankin/Funalfa, 2010), de onde recolhemos o poema acima.

A utopia já está pronta e meu dedo a aponta se nos olharmos nas caras sem intenções avaras.

CRECI/RJ 30.201 / OAB-RJ 38.046

Medicamentos, Perfumaria e Variedades

E é de vidro também o incêndio da mesma falta de sentido que me torna um lutador até por seus mortos vencido.

Quando todos se trocarem hábitos e sapatos sem a coceira do dinheiro, e se olharem nas íris como se fossem seus brilhos solidários, sem vantagens, invejas, volúpias idiossincráticas...

Aceitamos cartões de crédito

(22) 2655-3115 (22) 2655-3220

Mesmo o minuto que me vence em si já estava vencido: contra suas próprias vitórias vibram velhas contas de vidro.

Vai que o mundo desista da Economia e desapareça a Advocacia!

ENTREGA GRÁTIS EM DOMICÍLIO

(

Iacyr Anderson Freitas

Administração, Venda e Locação de Imóveis Advocacia em Geral

( (22) 2653-5427 e (22) 2031-0838 R. Professor Souza, 34 loja 5 - Bacaxá (subida do Brizolão)

CDF

Pré-Vestibular e Concursos

em novo endereço

AGRIJAR BACAXÁ

Rações nacionais e importadas Medicamentos e Sementes

Av. Saquarema, 5320 Bacaxá

agrijar@hotmail.com

( (22) 2653-3114

Cia Intercap de Dança Direção: Ricardo Coelho

Direção: Profa. Franciete

PRÉ-VESTIBULAR tarde e noite ( (22) 2031-0034 PRÉ-MILITAR turmas aos sábados (22) 9989-0840 CONCURSOS PÚBLICOS à noite PROJETOS Específicas - ENEM, UERJ, UFF, UFRJ aos sábados

Avenida Saquarema, 5285 - Bacaxá (em cima da Padaria Marocas)

( (22) 2651-2648 ciaintercap@hotmail.com

EXPEDIENTE O Jornal Poiésis - Literatura, Pensamento & Arte é uma publicação da Mota e Marin Editora e Comunicação Ltda. Editor: Camilo Mota. Diretora Comercial: Regina Mota. Conselho Editorial: Camilo Mota, Regina Mota, Fernando Py, Sylvio Adalberto, Gerson Valle, Marcelo J. Fernandes, Marco Aureh, Celso Caciano Brito, Francisco Pontes de Miranda Ferreira, Charles O. Soares. Jornalista Responsável: Francisco Pontes de Miranda Ferreira, Reg. Prof. 18.152 MTb. Diagramação: Camilo Mota. CAIXA POSTAL 110.912 BACAXÁ - SAQUAREMA - RJ CEP 28993-970 ( (22) 2653-3597 ( (22) 9201-3349 ( (22) 8818-6164 ( (22) 9982-4039 E-mail: jornalpoiesis@gmail.com Site: www.jornalpoiesis.com.

Distribuição dirigida em: Saquarema, Araruama, São Pedro da Aldeia, Iguaba Grande, Cabo Frio, Arraial do Cabo e Petrópolis. Fotolito e Impressão: Tribuna de Petrópolis. Colaborações devem ser enviadas preferencialmente digitalizadas, em formato A4, espaço simples, fonte Times New Roman ou Arial, com dados sobre vida e obra do autor. Os originais serão avaliados pelo conselho editorial e não serão devolvidos. Colaborações enviadas por e-mail devem ser anexadas como arquivo do Word (.doc ou .docx). Os textos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal Poiésis.


3

nº 186 - setembro de 2011

MÚSICA E FÉ

Festa de Nossa Senhora de Nazareth valoriza artistas locais Programação religiosa inclui a visita de N.S. de Nazaré de Belém do Pará, Círio das Águas e show com a banda católica Vida Reluz O mais antigo Círio de Nazareth do país acontece em Saquarema em setembro, sob a coordenação da Irmandade de Nossa Senhora de Nazareh e apoio da Secretaria Municipal de Turismo. As comemorações começam já no dia 1º com a chegada da imagem da Virgem de Nazaré de Belém do Pará, que ficará no município durante algumas horas, propiciando aos fieis externar sua devoção. As festividades deste ano se prolongarão até o dia 10, com as tradicionais barraquinhas de produtos e alimentos, vasta programação religiosa e shows, incluindo vários estilos, como MPB, forró, rock e blues, além da abertura, no dia 3, com a banda católica Vida Reluz, de São José dos Campos-SP. Nos demais dias, grupos locais animarão as noites com muita música de boa qualidade. Confira abaixo a programação completa dos shows e dos eventos religiosos. Programação de shows Início às 21 horas Dia 3 – Banda Vida Reluz (música católica) Dia 4 – Banda das Irmãs Dias (MPB) e Banda Fugga (MPB e pop) Dia 6 – Érica Vidal e Banda (MPB e pop) e Xamego Bom (Forró) Dia 7 – Banda Protocolo (Todos os estilos) e Epidemia Rock Band (Rock) Dia 8 – FESTA DE N.SRA. DE NAZARETH Dia 9 – Pablo Reis e Banda (MPB e outros) e Banda

Fotos: Arquivo Jornal Poiésis

Tripse (Estilo Malhação) Dia 10 – Banda Natus (Rock e Rock Melody) e Rock N Road Band (Blues e Rock) PROGRAMAÇÃO RELIGIOSA 01/09 – Visita da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré - Belém/PA 11:00h- Chegada da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré de Belém/ PA à Igreja Matriz. 12:10h- Santa Missa, presidida pelo Exmº Revmº Dom Orani João Tempesta, Arcebispo Metropolitano do Rio de Janeiro. 19h- Exposição do Santíssimo Sacramento, Recitação do Terço, Ladainha de Nossa Senhora e Benção do Santíssimo Sacramento. 20h- Celebração da Santa Missa. 02/09 - (sexta-feira) 19h- Exposição do Santíssimo Sacramento, Recitação do Terço, Ladainha de Nossa Senhora e Benção do Santíssimo Sacramento. 20h- Celebração da Santa Missa. 03/09 - (sábado) 19h- Exposição do Santíssimo Sacramento, Recitação do Terço, Ladainha de Nossa Senhora e Benção do Santíssimo Sacramento. 20h- Celebração da Santa Missa. 21h- Show católico com a Banda Vida Reluz na Praça Oscar de Macedo Soares. 04/09 - (domingo) 8h- Círio das Rodas saindo

da Igreja Matriz de Nossa Senhora de Nazareth, em Saquarema, passando pelos bairros do Boqueirão, Barra Nova, Jaconé, Sampaio Correia e Bacaxá. Na chegada, na Praça de Nossa Senhora de Nazareth, haverá benção dos veículos. 15h- Retreta com a Banda do Colégio Plínio Leite, na Praça Oscar de Macedo Soares. 17:30h- Celebração da Santa Missa na Igreja Matriz. 19h- Exposição do Santíssimo Sacramento, Recitação do Terço, Ladainha de Nossa Senhora e Benção do Santíssimo Sacramento. 05/09 - (segunda-feira) 19h- Exposição do Santíssimo Sacramento, Recitação do Terço, Ladainha de Nossa Senhora e Benção do Santíssimo Sacramento. 20h- Celebração da Santa Missa.

06/09 - (terça-feira) 19h- Exposição do Santíssimo Sacramento, Recitação do Terço, Ladainha de Nossa Senhora e Benção do Santíssimo Sacramento. 20h- Celebração da Santa Missa. 07/09 – Dia da Pátria (quarta-feira) 6h - Alvorada com repicar de sinos e queima de fogos em homenagem ao Dia da Pátria. 10h- Missa Solene pela Pátria na Matriz, com participação especial dos Corais Rainha Assunta e Cantavento-Ferlagos, sob a regência do Maestro Ruy Capdeville. 12h- Descida da Milagrosa Imagem da Padroeira Nossa Senhora de Nazareth para a visitação e veneração dos fiéis com a Recitação do Santo Rosário até as 18h. 14h- Círio das Águas, saindo da Capela de São Judas Tadeu, no Jardim até a

DANÇA

Para dançar ao ritmo do amor Espetáculo traz coreografias assinadas por Pedro Paulo Bravo O amor promete estar bailando no palco do Teatro Mario Lago no mês de setembro. Trata-se do espetáculo ‘’Amor,Dança e Gênero’’ coreografado pelo bailarino e ator saquaremense Pedro Paulo Bravo. O espetáculo conta com um repertório variado e emocionante, com canções de artistas internacionais e nacionais como Tom Jobim e Elis Regina, músicas instrumentais, efeitos especiais e belíssimas coreografias acompanhadas ao vivo por violão e flauta, entre outras surpresas. A proposta principal do ballet são os sentimentos do ser humano em função das diferentes formas de amar

através da dança. Encontros e desencontros, despedidas, a paixão, preconceito e a plenitude do amor são alguns temas que serão desenvolvidos ao longo da trama através de coreografias de ballet moderno, dança contemporânea, jazz e sapateado. Os bailarinos participantes são Alexandra Azevedo, Christal Bravo, Daisy Spinelli, Erick Almeida, Jeferson Oliveira, Natália Bravo, Pedro Paulo Bravo e participação especial de Erick Soares e Felipe Bahiense, que juntos formam a ‘’Faces Cia. de Dança.’’ A apresentação será realizada do Teatro Mário Lago, no dia 24 de Setembro às 19h e

BAILE

Os bons tempos estão de volta Uma noite para dançar aos som do melhor flash back dos anos 60, 70 e 80. É o que promete a festa “Bons Tempos”, que será realizada dia 23 de setembro, a partir das 21 horas, na Cinéia House Fest, em Saquarema. A música ao vivo fica

por conta da Banda Protocolo. O evento contará ainda com participação de vários DJs, além de sortear vários brindes. O ingresso individual custa R$ 10 e pode ser adquirido no Show das Plantas (ao lado das Casas Bahia, em Bacaxá).

Regina Mota

às 20h30. “AMOR, DANÇA E GÊNERO’’ será sem dúvidas mais um trabalho

emocionante, fruto exclusivamente de artistas de Saquarema.

FOTOGRAFIA Sebastian Rojas promove curso de fotografia de surfe O fotógrafo Sebastian Rojas realiza seu 5º Curso de Fotografia de Surf em Saquarema entre os dias 30/09 e 02/10/11. Com vasta experiência internacional, o fotógrafo é exclusivo da revista Fluir, tendo seu trabalho reproduzido em mais de cem capas da publicação. O curso oferece aulas práticas, teóricas, hospedagem, transporte exclusivo e transporte.

Divulgação / Sebastian Rojas

Igreja Matriz. 16h- Passeata da Banda Lira N. Sra. de Nazareth pelas principais ruas da cidade em comemoração ao Dia da Pátria. 18:30h-Exposição do Santíssimo Sacramento, Recitação do Terço, Ladainha de Nossa Senhora e Benção do Santíssimo Sacramento. (Último dia da Novena). 20h- Santa Missa Vespertina da Natividade da Virgem Maria, na Igreja Matriz. 21h - Eleição da Nova Mesa Administrativa da Venerável Irmandade de Nossa Senhora de Nazareth e da nova Juíza para o período compromissal 2011/2012. 08/09 – Grande dia da Natividade de Maria Santíssima - (quintafeira). 5h- Grande Alvorada, repicar de sinos, queima de fogos, com a Banda de Música percorrendo as principais ruas da cidade, anun-

ciando as festividades do Dia da Padroeira. Missas: 6h, 7h, 8h e 9h. 10h- Missa Presidida por Dom Frei Alano Maria Pena OP. Arcebispo Metropolitano de Niterói. 12h- Missa Solene em honra da Natividade da Mãe de Deus, celebrada pelo Revmº Padre Ademar Ermelindo Pimenta, Vigário Episcopal de São Gonçalo. Após a Santa Missa, descida da Imagem e Solene Coroação de Nossa Senhora de Nazareth. 13:30h - Exposição da Milagrosa Imagem para visitação e veneração dos fiéis com a Recitação do Santo Rosário até as 18h. 14h- Grandioso Leilão de prendas e animais de várias espécies na Praça Oscar de Macedo Soares. 18h- Missa dos Romeiros da Virgem de Nazareth, na Igreja Matriz. 20h- Procissão luminosa Descerá de seu santuário em imponente e majestosa procissão a bela, a rica e histórica imagem da milagrosa padroeira N. Sra. de Nazareth, em andor ricamente ornamentado, percorrendo, assim, o suntuoso préstito religioso, as principais ruas da cidade que estará nessa hora de excepcional vibração, extraordinariamente engalanada para prestar as suas homenagens à excelsa Padroeira. Tomarão parte a Venerável Irmandade e Associações Religiosas com suas insígnias e estandartes. 21h- Grande Queima de fogos, vibrante demonstração de fé e devoção a Nossa Senhora de Nazareth.

ESPIRITUALIDADE Caminhada defende no Rio a liberdade religiosa Com apoio da Rede Globo de Televisão e realização predominante da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR), a Praia de Copacabana será palco da 4ª Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa. O evento acontece no dia 18 de setembro às 11 horas e é aberto a todos que acreditem no ideal de que nascemos e vivemos em um lugar repleto de pluralidade, e que a diversidade deve ser valorizada. Segundo os organizadores, é preciso respeitar inclusive os que defendem seu direito de não ter fé. A CCIR é formada por umbantistas, candomblecistas, espíritas, judeus, bahá’ís, católicos, muçulmanos, evangélicos, hare

krishnas, budistas, ciganos, wiccanos e agnósticos. Na manifestação do ano passado, houve participação de cerca de 120 mil pessoas. A expectativa para 2011 é que mais de 200 mil compareçam para participar. Ato semelhante de defesa da liberdade religiosa aconteceu no mesmo local em 19 de junho passado, quando bahá’ís de todo o país receberam apoio da CCIR e de várias lideranças religiosas numa manifestação em apoio à mobilização pela libertação de lideranças da Fé Bahá’í no Irã. Para mais informações sobre este e outros movimentos relacionados à liberdade religiosa e aos direitos humanos, acesse o site www.eutenhofe.org.br.

Fotografia e Filmagem www.poiesisfotografia.com.br

Mais informações podem ser obtidas através do fone (21) 8211-4411 ou pelo e-mail alansimas@ gmail.com.

Casamentos, aniversários, inaugurações, shows, espetáculos, empresas e fotos de família. ( (22)2653.3597 / 9982.4039


4

nº 186 - setembro de 2011

SAÚDE

TEATRO

Deputado Miguel Jeovani esclarece sobre a vistoria nas unidades de saúde de Araruama O deputado estadual Miguel Jeovani (PR) é membro da Comissão de Saúde da ALERJ e participou no dia 15 de agosto da fiscalização nas unidades de saúde do município de Araruama, ao lado da deputada Enfermeira Rejane (PC do B), militante há 18 anos na área, e do presidente Bruno Corrêa (PDT), acompanhados de dois médicos, dois farmacêuticos e um acadêmico de medicina. Em primeiro lugar, a vistoria foi respaldada em denúncias e reclamações da população. Em nenhum momento, os parlamentares se prevaleceram de constatações, como retratam as imagens feitas pela Comissão, para fazer política pessoal. Contra fatos não há argumentos: A UPA 24 horas de Araruama recebe recursos do governo estadual e o repasse é de 500 mil reais por mês; o Posto de Saúde da Família recebe subvenções federais e também estaduais, conforme Resolução da CIB nº 1275 de 15 de abril de 2011, no valor de R$ 1.250,00, por equipe, ou seja, cada PSF tem uma equipe. A Constituição Estadual assegu-

Divulgação / Paulo Porto

Miguel Jeovani vistoria estoque de medicamentos ra através de seu artigo 109: “Confere as comissões permanentes: IV - receber petições, reclamações, representações ou queixas contra atos ou omissões das autoridades ou entidades públicas; V - solicitar depoimento de qualquer autoridade ou cidadão; VI - apreciar programas de obras, planos estaduais, regio-

nais e setoriais de desenvolvimento e sobre eles emitir parecer”. O Regimento Interno, além dos incisos acima, diz: “As comissões permanentes e temporárias, constituídas na forma e com as atribuições previstas nos respectivos Regimento ou Ato Legislativo de sua criação (...) - Inciso VII - converter, se con-

FOTOGRAFIA

Filmagem de Eventos

( (22) 2653-3597 (22) 9982-4039

Com direção geral de Eliandro Martins, o espetáculo “Humor à Francesa” está em cartaz no Teatro Municipal de Araruama durante todo o mês de setembro. A peça pode ser assistida às terçasfeiras, sempre às 20 horas, com ingresso a R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia). O espetáculo faz parte do projeto “Temporada Popular de Comédia”, criado pela Quarto 5 Cia de Teatro. No elenco estão Eliandro Martins, Andrea Tinoco, Christiane Moreira e Lucia Valentin. A classificação é de 14 anos.

MÚSICA

Livro com fotos antigas da Região dos Lagos é lançado no Rio de Janeiro Aconteceu no dia 23 de agosto, no Teatro Nelson Rodrigues, do Centro Cultural da Caixa Econômica Federal, o lançamento do livro catálogo da exposição “Wolney Teixeira: o Sal da Terra – Fotografias da Região dos Lagos 1930-1970”. Com organização de Mauro Trindade, curador da mostra, o livro conta com 120 páginas, sendo que 40 são dedicadas a artigos a respeito de Wolney, escritos pelo professor João Henrique Cristóvão, Yone Nogueira e Mauro Trindade. Na ocasião, foi realizada uma palestra com Warley Sobroza, um dos filhos de Wolney; com os historiadores Yone Nogueira e João Henrique de Oliveira Christóvão, além dos professores e críticos Tadeu Messias Capistrano, da pós-graduação da Escola de Belas Artes da UFRJ, e Mauro Trindade, curador da mostra: — Esta exposição é só o primeiro passo de tudo que ainda pode ser visto. A quantidade estimada de negativos é de dez mil. Ainda há muito o que se ver da obra de Wolney – disse Mauro. Warley Sobrosa falou um pouco sobre a história de algumas fotografias que estão no livro, como a de Pixinguinha tocando com Benedito Lacerda em 1963, e da maior “obsessão” de seu pai na fotografia, a

siderar necessário, em diligência qualquer proposição, para comprovação ou juntada de requisitos legais”. O parágrafo 8º salienta que “À Comissão de Saúde compete se manifestar sobre todas as proposições relacionadas com a saúde pública, educação sanitária, atividades e paramédicas, ação preventiva em geral, controle de drogas e medicamentos, exercício de medicina e profissões afins, e, ainda acompanhar os programas, projetos e ações governamentais na área de segurança alimentar”. “Sempre irei investigar as denúncias que me forem apresentadas, em qualquer parte do Estado, pois o meu mandato pertence ao povo e somente a ele devo meus esforços”, afirmou Miguel Jeovani. As irregularidades foram identificadas na UPA 24 horas, na Secretaria Municipal de Saúde, Cozinha do Refeitório Municipal, Posto de Saúde de Sobradinho e Hospital Municipal Prefeito Armando Carvalho, em São Vicente de Paulo. (Arlindo Júnior)

Humor à Francesa em Araruama

Divulgação

As fotografias de Wolney Teixeira foram feitas no período entre 1930 e 1970

ponte Feliciano Sodré, que ele fotografou de todos os ângulos possíveis: — Meu pai tinha loucura pelo Canal Itajuru e pela ponte Feliciano Sodré. É um dos assuntos que temos em grande quantidade em nossos arquivos. Esta exposição e este livro são dois presentes para o povo de Cabo Frio, que sempre tiveram um carinho enorme pela memória do meu pai; e isto faz o povo merecedor destes dois presentes – disse Warley. Mauro Trindade ainda falou um pouco sobre a história da fotografia de Wolney e da transformação de cidade interiorana a balneário frequentado por turistas: — Até os anos 1950, Cabo Frio era uma cidade colonial. E mesmo depois das transformações pelas quais o Brasil foi passando, alguns hábitos de cidade colonial se mantiveram na cidade. É isto o que faz a foto de Wolney ser um tanto atemporal

e que nos coloca diante de um impasse cronológico, o que é um charme na obra dele. Wolney pertenceu a uma tradição que vem antes mesmo da fotografia, vem da pintura, uma tradição em que os fotógrafos começam a usar as técnicas da pintura na fotografia; e Wolney dominava todas essas técnicas dos pintores, os chamados fotógrafos pictorialistas – explicou. O secretário de Cultura, José Correia, que foi ao lançamento acompanhado de membros de sua equipe, afirmou que este é o momento de dar visibilidade à obra de Wolney: — A exposição de Wolney no Rio de Janeiro é o momento certo de dar visibilidade a tudo que ele fez e também dar um destino adequado ao que nos angustia: o futuro do acervo. Nossa esperança é que, com as portas abertas no Rio, o acervo possa ter um destino apropriado – disse. Mauro Trindade agradeceu ao patrocínio e apoio da Auto Viação Salineira, da Secretaria de Cultura de Cabo Frio e da Caixa Econômica Federal, que viabilizaram o projeto. — Em contrapartida a esse patrocínio, a Secretaria de Cultura distribuirá os livros por todas as bibliotecas das escolas municipais e estaduais de Cabo Frio – disse o secretário José Correia.

QUEM SÃO OS ROSACRUZES? A Ordem Rosacruz - AMORC é uma organização fraternal de caráter cultural e místico-filosófico, que congrega homens e mulheres devotados à prática das leis naturais e espirituais. Ela não é religiosa e ajuda a transformar a vida mediante o conhecimento. Solicite gratuitamente o livreto “O Domínio da Vida”, escrevendo ou ligando para: Ordem Rosacruz, AMORC: Rua Nicarágua, 2620 - 82515-260 – Curitiba –PR. Tel:(41)3351-3000 Internet: www.amorc.org.br / E-mail: rosacruz@amorc.org.br Para mais informações, entre em contato com o Grupo Rosacruz de Divulgação Saquarema - AMORC em Saquarema escreva para o e-mail gdamorcsaquarema@gmail.com ou acesse o blog http://gdamorcsaquarema.blogspot.com. Contatos pelos telefones (22) 8123-4199 / 9989-6594 / 2651-8888

Sarita MADEIREIRA E MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

Tudo para sua casa, do alicerce ao telhado. ((22) 2031-0788 2653-3574 9228-1015

R. Alcipio Vidal - Bacaxá (asfalto velho) (MATRIZ) Rod. Amaral Peixoto, Km 70, nº 1999 - Bacaxá

ENTREGA EM DOMICÍLIO

Zé Ramalho, Michel Teló, Pixote e Arca são as atrações da XXI Expolagos Araruama Quem gosta de música e está em busca de um agito, não pode perder a XXI Expolagos Araruama, evento organizado pela Prefeitura Municipal, e que acontecerá entre os dias 15 e 18 de setembro, no Parque de Exposições Manoel Marinho Leão, em Araruama. A programação reserva espaço para todo tipo de público, com música gospel, pagode, sertanejo e MPB com grandes nomes no palco principal, além de shows diversos no palco alternativo, e exposições agropecuárias. A abertura oficial do evento será no dia 15 (quinta-feira), com show do grupo gospel Trazendo a Arca. No mesmo dia acontece a final do Festival de Música Gospel de Araruama. Ao todo, 20 artistas locais participam da competição, que tem representantes de todos os cinco distritos da cidade: 10 na categoria música inédita (com gravação de um CD pela gravadora Line Records para o campeão) e 10 na categoria música consagrada (com uma moto 0km para o primeiro colocado), além de muitos outros prêmios como notebooks e projetores.

Na sexta-feira (16) quem sobe ao palco principal é grupo Pixote, que promete esquentar a festa com muito pagode. No sábado (17) é a vez do sertanejo, com o cantor Michel Teló, e no domingo, encerrando a programação, o melhor do MPB com Zé Ramalho. Todos os shows são gratuitos. Além de música, o público da XXI Expolagos também terá acesso à exposição de ovinos e gados Tabapuã (espécie sem chifres e que é considerado um dos gados mais mansos), de cavalos Manga Larga Marchador, de aves exóticas, além de provas de hipismo rural, quarto de milha, concurso leiteiro, julgamento de gado argola e rodeios. Mas estas não são as únicas atrações do evento. - Quem gosta de adrenalina, poderá assistir a uma prova de supercross com os melhores pilotos. Também teremos praça de alimentação, feira de artesanato e uma série de outras atrações – explicou o secretário municipal de Agricultura, Abastecimento e Pesca, Francisco José Ferreira de Mello, Zeco. (ASCOM/Araruama)

Dê plantas a quem você ama! SHOW DAS PLANTAS A maior variedade com beleza e qualidade você encontra aqui! Av. Saquarema, 5442 - Bacaxá

( (22) 2653-2744

Vidraçaria Recanto do Sol NA COMPRA DE UM BOX CONCORRA A ESTA MOTO 0KM

Aceitamos

Box - Vidro Temperado Espelho Fechamento - Vidro Importado Vidros coloridos, lisos e canelados ( (22) 2653-4190 / 9262-6507 Av. Saquarema, 5170 - Bacaxá - Saquarema


5

nº 186 - setembro de 2011

LITERATURA Gerson Valle As posturas e convicções de León Tolstói (1828-1910) na velhice continuam incitando reflexões, pedindo atitudes fora dos padrões usuais: o vegetarianismo com abstinência total do álcool, o combate à hipocrisia das religiões cristãs ante os princípios verdadeiramente cristãos (como o de só desejar ao próximo o mesmo que a si), a não-violência como afirmação política, a não admissão do militarismo face ao princípio de não matar, a inteira liberdade para o educando na Educação, a discordância ao poder do Estado e governos, a convicção de que só se é maduro se não se depende dos serviços de empregados, devendo o ser humano exercer as mais humildes funções no dia a dia para manutenção de sua limpeza, alimentação, vestuário, etc. Porém, há um ponto em que é dificilmente aceito. No seu desagrado à obra de William Shakespeare. Sua posição a respeito está contida no texto de 1906 “Sobre Shakespeare e o teatro (Um ensaio crítico)”, incluído no livro “Liev Tolstói – Os últimos dias” (Companhia das Letras, 2011), sob a tradução de Anastassia Bytsenko, da página 259 a 331. Em toda a exposição demonstra familiaridade tanto com a obra de Shakespeare, tendo-a lido toda algumas vezes, quanto com a postura sempre laudatória de ilustres figuras de todos os tempos, que cita, criticando o que considera um erro que cresceu em bola de neve pelos séculos. Sua primeira crítica é a de que há um “hipnotismo” do público nos tempos modernos, quando a consagração imposta pela “mídia” (ele se refere a livros e jornais) em decorrência de alguns “mitos” criados, mesmo equivocadamente, não há como ser contestada. Critica pormenorizadamente “O Rei Lear”, peça considerada por muitos como o melhor Shakespeare. Fere-lhe a sensibilidade que uma história passada 800 anos antes de

Tolstói X Shakespeare

Cristo tenha personagens medievais como “reis, duques, exércitos, filhos ilegítimos, cavalheiros, cortesãos, médicos, agricultores, oficiais, soldados, cavaleiros com viseiras e assim por diante”. Observa que em todas as peças de Shakespeare, os personagens “vivem, pensam, falam e agem de modo completamente impróprio à época e ao espaço determinados”. Além disto, “Todos os seus heróis falam sempre a mesma linguagem shakespeareana exagerada e insólita, com a qual não só esses personagens como nenhuma pessoa real em nenhum lugar se expressaria”. Achava que Shakespeare construía todos os personagens, fossem bons ou maus, sob o mesmo estilo, como sendo sempre o próprio Shakespeare que estivesse discursando e não seus personagens, como preferia em teatro. Encontra incongruências e armações mal construídas em todas as peças. Acha-o sempre verborrágico. No seu entender, algumas cenas que deveriam ter uma ação condensada se dispersam com falas que considera tolas (e aí ironiza as piadas que muitas vezes ocorrem em meio às tragédias, chamando as dos bobos da corte, por exemplo, quando aparecem, de péssimo gosto...). Desconsidera sua face poética: “As falas de todos os personagens de Shakespeare estão repletas de frases insólitas”. No “Rei Lear”, mostra que a peça de onde Shakespeare se baseou, tinha maior coerência narrativa que seu texto. O personagem, de todas as peças, mais natural e bem caracterizado, para ele, é sir John Falstaff “porque, entre todos os personagens de Shakespeare, é o único que fala com linguagem própria à sua natureza... porque utiliza exatamente aquela linguagem shakespeareana cheia de infinitos chistes e trocadilhos sem graça que são inapropriados para os outros personagens de Shakespeare, mas se adaptam à perfeição ao caráter jactancioso, distorcido e pervertido do beberrão Falstaff”. Tolstói não critica apenas Shakespeare, mas todo Teatro

após Shakespeare. Para ele, a obra shakespereana representa uma visão de mundo mais baixa e trivial, refletindo uma sociedade injusta, defendendo os poderosos da corte, inteiramente imorais, onde o fim justifica os meios (a ação custe o que custar, a ausência de todos os ideais, a manutenção de formas de vida estabelecidas...), além dele ser um “chauvinista patriota inglês”. Apesar disto, aliás, seu prestígio, na Inglaterra, não teria sido maior que de outros dramaturgos elizabethanos representantes também desse teatro que ele considera “decadente”, até fins do século XVIII. Sua glória, segundo Tolstói, se inicia com os alemães do Romantismo, sobretudo com Goethe, que o consagra em elogios extremos (E tudo que diz respeito a Goethe passa a ser mundialmente referência como da melhor qualidade intelectual). A razão estaria na velha rivalidade entre alemães e franceses, quando o teatro francês predominava no mundo há quase dois séculos, e, pela sua maçante frieza formal, vai esbarrar na necessidade romântica de algo mais vivo e livre. Para Tolstói, “quanto mais importante para a vida humana, maior a obra” de arte. A beleza externa de uma obra dramática depende

de um “senso de medida em toda a representação”. É sempre essencial a sinceridade: “Se o autor não sentiu aquilo que representa, o receptor não experimenta nenhum sentimento do autor, e a obra já não pode ser considerada uma criação artística”; “Abram Shakespeare onde quiserem ou ao acaso, e irão certificar-se de que jamais encontrarão sucessivamente dez linhas claras, naturais, à feição do personagem que as fala e que produzem uma impressão artística”; “.......só pode escrever teatro alguém que possui algo extremamente importante para dizer às pessoas sobre a relação dos homens com Deus, com o mundo e com tudo o que é eterno e infinito”. A razão principal da fama de Shakespeare seria a de que suas peças “correspondiam àquela atitude antirreligiosa e amoral das pessoas da alta sociedade de nosso mundo”... E, já no século XX, quando os “jovens ingressam na vida, não são apresentados a mestres religiosos e morais da humanidade como exemplos de perfeição, mas, antes de qualquer outro, a Shakespeare, sobre o qual já foi determinado e transmitido como verdade incontestável por pessoas estudiosas de uma geração para outra que é um grande poeta e mestre da humanidade; portanto, um jovem não pode ficar livre dessa influência nociva”. O teatro, como um todo, para Tolstói, com a falta de preocupação das relações sinceras com o humanismo que ele via do ponto de vista cristão do respeito ao outro e a Deus (e ele considerava todas as religiões com igual sentido), tornouse numa “diversão vulgar e imoral para uma multidão vulgar e imoral”. Compreendem-se melhor tais posicionamentos de Tolstói ao se ler seus escritos sobre Educação. Em carta a seu biógrafo e discípulo Pável Biriukov (que se encontra no mesmo livro acima citado) ele considera mais importante que os estudos sistemáticos o exemplo prático da conduta de vida dos mais velhos (que chama de “sugestão moral inconsciente”). Da mesma maneira, ao colocar a predominância em seu

tempo de uma “multidão vulgar e imoral” ele a vê como integrada nos exemplos de arte que não procuram mais princípios, mas composições que buscam diversão e formas desligadas de questões éticas. Tolstói não era ingênuo, sabendo que, já no seu tempo, sua posição anti-shakespeareana era contra a unanimidade que o consagrava. Entretanto, se por um lado pode-se questionar sua posição extremada de fé em Deus contra a perplexidade e dúvida tão nítidas nos personagens do bardo inglês, e que continua refletindo as limitações humanas de sempre, por outro lado merece alguma atenção sua observação sobre uma crescente vulgaridade decorrente de formações influenciadas por posturas inconsequentes, vulgares, niilistas do teatro e da literatura modernos. Sem se cogitar em qualquer espécie de censura, evidentemente, não seria o caso de escritores e críticos refletirem sobre o fenômeno global, por exemplo, de uma crescente violência no mundo de hoje, que parece seguir comportamentos nítidos da individualidade com culto à vitória do mais forte, tão típicos da sociedade competitiva norteamericana? Isto se evidencia em sua cinematografia, e, pelo fenômeno mesmo da globalização, atinge todos nós em nossas casas nas telinhas de nossas salas e quartos, sendo-se difícil, tal a amplitude do fenômeno, dizer até que ponto filmes e programas locais têm autonomia na responsabilidade de seu teor ou são simples cópias do modelo da “bemsucedida” civilização do norte, sob a rubrica de “entretenimento”, como se não fossem também objetos de “formação” e reflexão? E, sem dúvida, tal comportamento egoísta, vulgar, obsceno mesmo, atendendo somente à satisfação individual, é responsável pela agressividade não dos pobres que se tornam marginais, mas da crescente “anti-sociabilidade” de toda parte... Não há uma “responsabilidade” nas obras de arte?

MULHER

Saquarema elege representantes para Conferência Estadual da Mulher Regina Mota Cerca de 200 mulheres estiveram presentes na III Conferência Municipal de Políticas para Mulheres de Saquarema, realizada no dia 31 de agosto no salão paroquial da Igreja Santo Antônio, em Bacaxá, numa iniciativa da Secretaria Municipal da Mulher, com o tema “Extrema pobreza X Violência X Inclusão Produtiva”. A prefeita Franciane Motta esteve presente na cerimônia de abertura do evento e falou de como iniciou o movimento para a criação da Secretaria da Mulher no município. “Me lembro de quando fui procurada pelas participantes do MAMAS (Movimento Articulado de Mulheres e Amigas de Saquarema), que se demonstraram preocupadas com os assuntos pertinentes à mulher”,

disse. A prefeita falou ainda sobre as inúmeras mulheres que são diariamente violentadas, mas que se calam por medo. A mesa foi formada por membros da comissão organizadora, composta pela secretária municipal da Mulher, Rosangela Mendonça, Neuza Maria Alves Vignoli, Terezinha Ruade, Sandra Renault, Luciana Ferreira e Edna Calheiros. Gleide Selma da Hora foi a mediadora. Estiveram presentes também a delegada de Polícia do Rio de Janeiro, Walesca Garcez, e a coordenadora executiva do Sudim, Adriana Valle Mota. Após a leitura e aprovação do regimento interno da conferência realizaram-se as palestras, que foram proferidas por Adriana Valle Mota, com o tema: “Feminização da Pobreza e a Construção da Igualdade de Gênero”; e por Waleska dos

Fotos: Regina Mota

Santos Garcez, que falou sobre “Violência Contra as Mulheres e Suas Consequências na Sociedade”. Trabalhos manuais foram expostos durante a conferência, como crochê, artesanatos confeccionados com taboa, folhas de coqueiro, papiro, cipó e outros produtos. O grupo MAMAS distribuiu lembrançinhas confeccionadas por elas mesmas às participantes. As delegadas eleitas para a Conferência Estadual, que acontecerá nos dias 7, 8 e 9 de outubro foram Edna Calheiros, Luciana Ferreira, Telma Guedes, Nilce Machado e Laila Garrido. As suplentes escolhidas foram Luisa Capecchi, Lucia Duarte e Maria Angela Machado Pagy. A III Conferência Nacional de Políticas Para as Mulheres será realizada em Brasília, de 12 a 14 de dezembro.

Acima: A prefeita Franciane Motta apreciou a exposição de artesanato. Abaixo e ao lado: As delegadas eleitas e suas suplentes.

REVELAÇÃO DIGITAL A PARTIR DE R$ 0,49 Fotografias

acima de 100 fotos

Revelação em 1 hora ( (22) 2653-3376 "O homem deve desligarse de todo preconceito e do resultado de sua própria imaginação, a fim de que possa buscar a Verdade sem empecilho algum. A Verdade é uma só em todas as religiões, e pode servir de instrumento para realizar a unidade do mundo". 'Abdu'l-Bahá

www.bahai.org.br

Cobertura fotográfica de eventos, câmeras digitais, plotagem e revelação.

R. Prof. Francisco Fonseca, 49 - Bacaxá - Saquarema

Dr. Cid Magioli Clínico Geral / Homeopatia Medicina do Trabalho Medicina do Esporte

Porto dos Descartáveis

Trazendo este anúncio você ganha 30% de desconto na consulta em Araruama (Centro)

Araruama: R. Comendador Bento José Martins Soares, 297 Sala 50 Edifício Tina Raposo - Centro - Tel. (22) 2655-6320 São Vicente: R. Farmacêutico Faria, 20 - Tel. (22) 2666-4576 (consulta popular às segundas-feiras)

Artigos para festas - Marmitex Sacolas - Copos Formas - Potes Bobinas gelo filtrado Embalagens de pizza E muito mais... TEMOS CAIXAS DE ISOPOR DE VARIOS TAMANHOS

( (22) 2655-3155

Av. Saquarema, 3608 - Porto da Roça - Saquarema - RJ


6

nº 186 - setembro de 2011

EDUCAÇÃO

PSICANÁLISE

Motivar do Castelo será dia 16 de setembro O Colégio Municipal Presidente Castelo Branco, no Boqueirão, realiza no dia 16 de setembro o Motivar, atividade em que se pretende resgatar a importância do papel social do professor, proporcionando um dia de reflexões acerca de questões pertinentes à prática pedagógica. Palestras e oficinas ao longo do dia trabalharão questões como a consciência do professor enquanto agente transformador da sociedade além de fortalecer o vínculo entre professor e aluno. Entre os palestrantes e oficineiros estão José Lúcio

Regina Mota

Atividades interativas são realizadas pelos professores durante a programação, que inclui palestras e oficinas

de Souza, Rodrigo Santiago, Ronald Carvalho, Hélder Oliveira, Bruno Montt, Geovane Amaro, Moisés Santos, Alex Belmont, Luis Inácio e Fernando Prado.

CME Menaldo Magalhães realizou Dia D Contra a Violência O Centro Municipal de Educação Menaldo Carlos de Magalhães, em Saquarema, realizou no dia 23 de agosto o Dia D Contra a Violência. Segundo a diretora, Cilda Regina Ferreira da Silva, o evento foi criado por orientação da Secretaria Municipal de Educação, que está incentivando o projeto em todas as escolas da rede municipal. No Menaldo, os alunos e seus pais assistiram a filmes e palestras. Foram abordados temas como a inclusão de portadores de necessidades especiais, drogas e violência. O problema da gravidez na adolescência e as orientações necessárias para o desenvolvimento de uma sexualidade saudável também foram temas abordados. O coral de libras da escola fez ao longo do dia

REIKI Cursos e Terapia

Atendimento com hora marcada. Cursos individuais ou em turma. Camilo de Lélis M. Mota Terapeuta Holístico, CRT 42617

( (22)2653-3087

Novos tempos para a Terapia Regressiva

Camilo Mota

Alunos manifestam carinho ao abraçar a jornalista Regina Mota

apresentações especiais com a canção “Imagine”, de John Lennon, reforçando a ideia da paz e da igualdade de direitos e oportunidades para todos. Assista ao vídeo do evento no site www. youtube.com/poiesistv.

João Carvalho Neto Novos tempos são chegados para a interpretação e compreensão dos transtornos mentais que afligem nossa humanidade. Desde os anos oitenta do século passado que as ciências psicológicas, de todas as linhas, vêm ganhando popularidade para a busca de solução das aflições emocionais. Todo este caminho foi preparado por pioneiros que iniciaram diversas áreas de pesquisa, não se podendo deixar de citar a significativa contribuição de Sigmund Freud para a compreensão mais profunda da estruturação da mente. Contudo, mesmo com tantos avanços, diversas questões permaneciam sem respostas, especialmente no que toca à etiologia mais remota desses transtornos. Paralelamente a esses avanços, crescia uma linha terapêutica, baseada nas técnicas de hipnose, que foi se deparando com conteúdos psíquicos não pertencentes à história pessoal dos pacientes. Estavam sendo descerrados os arcanos das vidas passadas, que passaram a desfilar pelos olhares atônitos de terapeutas e pesquisadores ditos materialistas. Brian Weiss, que acabou lançando o best-seller “Muitas vidas, muitos mestres”, é um dos exemplos mais notórios dessa realidade. As diversas linhas de Terapia Regressiva passaram, então, a apontar na direção de causas construídas em traumas do passado, inclusive de vidas passadas onde todos já vivemos experiên-

ELABORAÇÃO

cias diversas. As mentes abertas e livres de preconceitos enraizados passaram a estar mais atentas às novas perspectivas desses saberes, que ajudavam e continuam ajudando a alcançar curas antes tidas como inacessíveis. Hoje, com uma maior flexibilização da ortodoxia acadêmica, estamos vendo a Terapia Regressiva avançar para degraus de valorização e respeito, sendo instrumento terapêutico de profissionais renomados e comprometidos com o bem comum. Além disso, um maior número de pessoas, estimuladas pelos resultados que vão percebendo em familiares e conhecidos, sentemse mais seguras em procurar esse tipo de atendimento, sem os medos e fantasias que as crendices estabeleceram. A Terapia Regressiva, como qualquer terapia, quando conduzida por profissionais devidamente qualificados e éticos, é segura e eficiente, sem qualquer tipo de consequências adversas. Medos como de não se voltar de uma regressão são injustificáveis, já que não se vai a lugar algum, mas são as memórias que voltam para a catarse das emoções reprimidas e libertação dos traumas fixados. Estamos chegando neste ano de 2011 ao 3º Congresso Nacional de Terapia Regressiva, que acontecerá na cidade de São Luiz, na certeza de que fazemos história divulgando as bases teóricas desse trabalho e reunindo cada vez mais terapeutas que buscam alargar seus conhecimentos para melhor realizarem suas tarefas.

Terapias e Cursos

Tive a grata oportunidade de participar do I e II Congressos em Salvador e São Paulo, apresentando o tema “Psicanálise Transpessoal”, e reafirmo que estamos fazendo história, pela certeza de que a Terapia Regressiva, nas diversas formas em que ela vem sendo utilizada como estratégia terapêutica, é uma chave de extremo significado, tanto para a erradicação de diversos transtornos físicos e emocionais que afligem o ser humano, como pela comprovação que traz a respeito do fenômeno reencarnatório, estabelecendo novos referenciais de vida para que a humanidade alcance tempos de mais paz, saúde e justiça. Em novembro, entre os dias 12, 13 e 14, diversos terapeutas de reconhecido valor no Brasil e no Mundo estarão apresentando o fruto de seus trabalhos e pesquisas na capital maranhense. Na oportunidade, estarei mais uma vez desenvolvendo reflexões construídas a partir de minhas experiências pessoais. Farei a palestra de abertura do congresso abordando o tema “Transformações humanas”, pois são esses os tempos que vivemos; tempos de muitas transformações em que o ser humano, ápice da cadeia evolutiva no planeta, precisa encontrar formas mais estáveis e seguras para sua plena felicidade. João Carvalho Neto é psicanalista, autor dos livros “Psicanálise da alma” e “Casos de um divã transpessoal” www.joaocarvalho.com.br

Sala de Lu

doterapia

Direção Técnica: João Carvalho Neto

Psicanálise, Psicologia, Terapia Floral, Terapia Regressiva, Psicopedagogia, Ludoterapia, Acupuntura, Massagem Terapêutica, Shiatsu, Pilates, Massagem Linfática, Reiki, EFT, Cromoterapia, Nosodioterapia, Terapia Biomolecular, Terapia Holística, Fonoaudiologia, Cursos e Grupos de Estudo.

www.elaboracao.org TRAVESSA 1, esquina com a Rua James Ward (rua em frente ao Mercado Gomes - Porto da Roça)

Coordenaç

ão: Regina

Alves

( ( 2 2 ) 2 6 5 3 - 3 0 87


7

nº 186 - setembro de 2011

CONTO LITERATURA Escritor cabofriense Fernando Py é incluído em Ainda não são livro da Alerj horas da manhã. O

O Livro dos Heróis, que terá como conteúdo as biografias de personalidades importantes para o estado, contará com o perfil do escritor cabofriense Antônio Gonçalves Teixeira de Souza. A Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) aprovou nesta terça-feira (16/08), em segunda discussão, o projeto de lei 199/11, que considera Teixeira herói do estado, habilitando sua inscrição no livro, que ficará disponível para a consulta na Alerj. “Ele foi uma homem negro que venceu todos os desafios de sua época e tornou-se o primeiro romancista brasileiro”, diz o autor da proposta, deputado Janio Mendes (PDT). Nascido em Cabo Frio em 1861, Teixeira de Souza é autor do primeiro romance em estilo romântico no Brasil, O Filho do Pescador (1843). Além dele, a Casa já aprovou a inclusão dos perfis dos escravos Manuel Congo e de Marianna Crioula no livro. A proposta será enviada à sanção do governador. (Pedro Motta Lima / Alerj)

sete velho Antônio abre os olhos, boceja estremunhado e se espreguiça. Só então parece acordar de fato. Vira o rosto e observa a mulher que dorme encolhida a seu lado. Aquela velha, já bem estragada pela vida, foi sua grande paixão na juventude. Loura, de belo corpo e olhos castanhos luminosos, era invejada pelas amigas e cobiçada pelos rapazes daquele tempo. Como se sonhasse, o velho recorda onde a conheceu: na praia, ele, com outros rapazes, viu de repente aquela garota linda, pele queimada de sol, a cabeleira solta pelas costas que parecia o próprio sol em fios sobre a cabeça. Ficou olhando, olhando, enquanto ela passava com um grupo de moças, todas sorrindo em seus maiôs. Eram maiôs de duas peças, mas não biquínis. A garota passa e nem olha para ele, mas me viu sim, elas fazem que não estão nem aí mas observam tudo. Seu sorriso se perde sem resposta. No dia seguinte, domingo, ele a vê de novo: sorri e ela corresponde. Ele toma coragem e se apresenta. A moça gosta do seu atrevimento, conversam rapidamente, trocam nomes e telefones. Chamava-se Vera Lúcia, 22 anos, morava com os pais em Botafogo, ia à praia de Copacabana desde pequena. No primeiro encontro, conversaram bastante. Estavam aprendendo a se conhecer melhor. Ele, encantado com aquela loura - “lourona” como

Um casal de velhos passou a chamá-la, mais tarde “minha lourona” quando o namoro se tornou mais sério e o noivado era questão de dias ou semanas. Ela também interessada nele, rapaz estudioso, 24 anos, no terceiro ano de Letras. Muito culto, sabia conversar com critério, sem ênfase nos conhecimentos, sem arrogância, explicando as coisas de maneira simples. Vera Lúcia não demorou a sentirse enfeitiçada por Antônio, principalmente porque o rapaz era uma pessoa do seu tipo: bem educado, respeitando as opiniões alheias, ouvindo primeiro para comentar depois, essas pequenas coisas que tanto contam numa relação que principia. E o namorado rapidamente conquistou seu coração com seis meses de namoro, Vera Lúcia confidenciava às amigas que julgava não poder viver mais sem a presença de Antônio: - Sinto que não poderei mais viver sem o Toninho. - E Antônio sentia que Verinha era a mulher ideal: - Não por ser a lindeza que é - dizia -, mas por ter sido muito bem educada. É o retrato moral da mãe, a Dona Eulália; até as três irmãs e o irmão único são pessoas ótimas, de um caráter a toda prova. Cheguei a cantá-la para uma transa e ela recusou sem escândalo, recusou com delicadeza, e até com um certo carinho. - Um dia, quem sabe? Quando a gente casar, se chegar lá. E chegamos lá, pensa o velho Antônio. Dois anos e meio depois se casaram. Recorda com emoção o dia do casamento, a entrada no quarto na noite de núpcias.

Tomou-a no colo, entrou com ela e fez questão de despila todinha antes de deitar na cama, vestido de noiva e sua cauda, grinalda, sapatos e meias, calcinha, tudo. Com amor e carinho deitou aquele monumento louro nos lençóis, ela inteiramente nua sorrindo para ele, o seu homem. A emoção de levar nos braços aquela deusa deslumbrante que não fora para qualquer um. Ela sorria quando disse “vem Toninho, meu amor, meu querido, vem entrar na tua Verinha, na tua “lourona” - e ele se despiu às pressas, deitou-se ao lado daquele corpo adorável, abraçou-a, beijou seus lábios deliciosos e transaram (era virgem!) com amor e alegria. Depois foram nascendo os filhos, recorda o velho Antônio: três, um menino, Arnaldo, que hoje tem 50 anos, é casado, mora e trabalha nos Estados Unidos e lhe deu dois netos; a Vanda, de 46 anos, pálida e loura feito a mãe, muito parecida com ela mas não tão bonita. Não casou mas vive com um rapaz um pouco mais jovem, nunca pensou em ter filhos. E a caçula, Lucíola, morena, cabelos castanhos claros, agora com 42 anos, que é gerente de uma firma industrial. Vive com um sujeito muito bom, o Dilermando, infelizmente desempregado, mas são felizes - é o que importa. Têm um filho, o Julinho, de dezoito anos, e uma filha, a Vera Regina, de quinze anos, lourinha como a avó. Verinha sempre foi muito apegada aos filhos, recorda

Antônio. Era um exemplo de mãe: desvelava-se por eles, cuidava para que nada lhes faltasse, estimulava seus estudos e tomava as lições, estava sempre à cabeceira deles quando doentinhos. O velho relembra um rasgo de humor da Verinha: quando os filhos ainda eram pequenos, a mãe, um dia, sorrindo, disse que o Arnaldo era o seu tesouro; eu achei graça, lembra o velho. E ela acrescentou: - Vanda é a minha tesoura e Lucíola a minha tesourinha - e deu uma risada de mãe feliz. Não ria só pela piada, era também por sentir a felicidade da família, que decerto dependia muito dela. Nós dois sempre juntos, sempre unidos, aquilo é que era vida... Os anos foram passando vagarosamente e o casamento continuava: dez, vinte, vinte e cinco (bodas de prata!), trinta, quarenta, quarenta e cinco, cinqüenta (bodas de ouro no ano passado!), cinqüenta e um. É uma bela pedida, como naquele anúncio... Sorriu, a boca de poucos dentes (ele e Verinha tiravam as próteses ao dormir); estavam bem velhos mas sempre foram unidos, tinham envelhecido querendo-se muito como no começo. Era bom viver amado assim. Sua Verinha já perdera a “lourice” - os cabelos tinham embranquecido e ela disfarçava as cãs tingindo-as com um colorido levemente azulado, violáceo. Era um tributo à vaidade e que nela parecia bem natural, nada extravagante. Os dois compensavam a velhice devastadora, principalmente com a noção de que tinham,

aos poucos, construído uma família, estavam certos de haver cumprido o seu papel. A velha acorda. Dá bom dia com um sorriso. Sorriso de poucos dentes na boca de lábios murchos, lábios que ele tem beijado tanto, tanto, desde a juventude. Lembrou os dentes maravilhosos dela. A velha ergueu o rosto para o seu velho, beijou-lhe a boca. O velho apreciou esse beijo, sua vida ganha novo sentido com os lábios daquela mulher grudados nos seus. De certo modo era a mesma jovem, era o mesmo amor de antigamente. Retribuiu o beijo com carinho e ternura. Verinha (para mim será sempre Verinha, meu amor, pensou) levantou-se da cama, foi ao banheiro, se arrumou e dirigiu-se à cozinha para fazer café. Antônio viu que estavam bem velhos, mas não acabados. Colocou um chambre e foi atrás dela. Beijou sua velha nos beiços enrugados e deu graças aos céus por ela estar ainda ali junto dele. Riu: - Ainda somos namorados como antigamente. - A velha concordou e sorriu: - O café está pronto, venha meu velho, meu querido, meu amor de sempre. - E, para ele, era como se estivesse vendo o sorriso daquela moça antiga, a “lourona”, escondido sob as rugas dessa velha amorosa e encarquilhada, a cabeça toda branca. Fernando Py é natural do Rio de Janeiro (1935), reside em Petrópolis, é membro do conselho editorial do Jornal Poiésis.


8

nº 186 - setembro de 2011

Em Foco regina@netterra.com.br

Poesia - O poeta e médico Cid Magioli, na foto com o também poeta e advogado Luiz Vidal, de Arraial do Cabo, realizou o I Sarau Itinerante da Academia Brasileira de Médicos Escritores. O evento aconteceu no Teatro Municipal de Araruama e reuniu escritores de várias partes da Região dos Lagos. Numa organização impecável, poetas e outros artistas levaram ao palco vários números de pura cultura, demonstrando que sempre vale muito a pena celebrar a vida em palavras e poesia.

com Regina Mota

Ópera italiana em Araruama - O Gruppo Amacord, após passar por vários países, trouxe o Palco Itália Itininerante para Araruama. O Espetáculo composto por árias de óperas e canções tradicionais italianas aconteceu na Praça Antonio Raposo, numa parceria da Via Lagos e da Prefeitura Municipal de Araruama. As canções receberam um toque de humor, com encenações que arrancaram risos e aplausos da platéia.

REIKI, FLORAIS e EFT Mais saúde, equilibrio emocional equalidade de vida. Curso de Reiki Nível 1 no dia 17 de setembro. Reserve já sua vaga! Atendimento com Psicoterapia Holística, Florais de Bach, Reiki e EFT (Acupuntura Emocional Sem Agulhas) Camilo de Lélis Mendonça Mota Terapeuta Holístico, CRT 42617

Claudia Telles em Copacabana - “Quando eu me chamar saudade”. Com esse título, o show da cantora Claudia Telles fez lotar o Centro Cultural IBEU, em Copacabana, no dia 11 de agosto. Muito extrovertida, Claudinha fez uma homenagem ao centenário de Nelson Cavaquinho, cantando músicas como “Juizo Final”, “Luz Negra”, entre outras. Foi um show para ficar na memória de todos que puderam assistir. Encontro de Bahá’ís - Sempre que os Bahá’ís se encontram é uma verdadeira festa. Na sede de Niterói (foto) sempre acontecem reuniões devocionais e de estudos. Todos estão mobilizados para participarem da 4ª Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa que acontecerá dia 18 de setembro, a partir das 11h, na Orla de Copacabana. A Comunidade Bahá’í trabalha em prol da paz no mundo. Agosto Cultural - O evento, que foi uma realização do CACS, reuniu artistas de toda a Região dos Lagos numa união das artes como pinturas em tela, esculturas, fotografia e música, entre outras. Na foto as artistas plásticas Odete Figueiredo (centro) e Edmygdia Gomes de Melo (direita) na vernissage de abertura, no Lake’s Shopping, em Saquarema. Parabéns aos organizadores! Show de Talentos - O CIEP 258 Astrogildo Pereira, de Bacaxá, encerrou suas atividades da Semana Cultural com um festival de músicas. Graziele Gonçalves, na foto com a diretora da escola, Maria Santa, sagrou-se vencedora. Incentivar os artistas e encontrar novos talentos tem sido um dos trabalhos que a escola tem procurado desenvolver durante o ano letivo. A noite de 26 de agosto ficará para a história do CIEP 258, quando 20 inscritos soltaram a voz no palco, onde a Banda Tripse fez o encerramento.

Tel. (22) 8102-0959 / 2653-3087 (Elaboração) www.reikiadistancia.com.br

POESIA

De sete em sete e outros sets Camilo Mota Paulo Luiz Barata é um poeta do avesso. Quis escrever essa frase mais pelo que pode ampliar de significados do que propriamente explicar alguma coisa ou definir o indefinível impulso da escrita deste poeta singular. Quando ele me pediu para escrever o prefácio ou a orelha de seu novo livro de poemas, confesso que hesitei. E fiquei ali, no meio de tantos afazeres cotidianos, alheio aos versos que, sabia eu, eram fortes e sinceros. Também fui sincero com o Paulo. E isso é algo que define bem nossa amizade, que nasceu assim, de graça. Era eu, então, que estava do avesso. Ou seria um espelho que refletisse comunhão? Encontro agora o “Escola do Trovão” (Rio de Janeiro, Ibis Libris, 2011) e não me furto do direito de falar do livro. Acho que eu precisava justamente disso: ver o livro pronto. Porque, assim como em seus livros anteriores, Paulo Barata é um escultor que acompanha passo a passo cada uma das etapas de sua obra. Ler o livro antes é não ter lido o livro inteiro. Pois enfim o faço, e pergunto ao leitor mais atento: sabes o que é um trovão? Sim, é isso mesmo. É aquele estron-

do que segue logo após a lâmina de luz que corta o céu em diasnoites de tempestade. Um bom nome para indicar também o significado de sua poesia em essência: um estrondo que acompanha esses raios que são seus versos, às vezes claros, às vezes assustadores. Trovão também é uma trova grande. Assim, os versos de sete sílabas compostos pelo poeta vão se tecendo em trovas que podem ser lidas como um só conjunto, formando um só poema (um trovão). Ou lidas como pequenas cintilâncias na página. E cada leitura resulta em surpresas que tocam fundo na alma: “Quando o tempo vira espaço / É sinal de um mundo findo. / Quando pega no com-

passo / E lá vem outro Sol vindo”. Ou, como afirmei antes, assustam os desavisados: “Pisou, viajou na rosa, / O xamã ofereceu / Um peixe que Sara goza, / Na cara de Prometeu.” Ler Paulo Luiz Barata é sempre uma descoberta. Quando ele me disse que estava escrevendo trovas, eu já aguardava algo novo. Pois que não é de seu feitio ser igual ou repetitivo. Faz parte de sua configuração expandir os significados. Em sua “escola” há algo de universal que faz tudo que passa por seus olhos se transformar em nova realidade. Uma estranha realidade, à La Castaneda, vai se construindo nas palavras deste xamã poético de cabelos cor de prata. E ele diz: “Minha escola é perene. / Depois de mim vai ficar. / Após o EME vem o ENE. / Faz das cinzas o próprio lar”. Ao leitor que deseja um bom mergulho neste mar sem fim que é a alma poética de Paulo Luiz Barata um conselho: esqueça as regras, desate o nó da gravata e simplesmente saboreie uma fruta fresca enquanto lê. Pois a trova, tem hora, que troveja diferente de nosso ouvir. Camilo Mota é poeta, editor do Jornal Poiésis (camilomota. blogspot.com)

VEROLOGIA

Anuncie no Poiésis!

EVOLUÇÃO PSICOLÓGICA

Aumente sua autoestima, vença o medo, a timidez, resolva bem os seus problemas, reduza ou elimine seus sofrimentos, preencha o vazio de teu interior. ( (22) 2664-0794 / (21) 9590-4827 Inscrições aos sábados de 8h às 11h R. Major Félix Moreira, 39 sala 211 - Centro - Araruama (Prédio da UNIMED)

Explicadora de 1ª a 8ª série

2653-3597 9982-4039

( 2651-9665

R. Beatriz Campos, 14 Porto da Roça Saquarema (próximo ao Bassamar)

Restaurante Salesdique Comida caseira a quilo. Aberto diariamente para almoço. ( (22) 2651-4622 R. Cel. Madureira, 112 - Centro - Saquarema - RJ

Jornal Poiésis 186  

Edição 186, de setembro de 2011

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you