Issuu on Google+

Página 20

www.pagina20.com.br

Rio Branco – Acre, DOMINGO, 6, e SEGUNDA-FEIRA, 7 de fevereiro de 2011

1

ENCARTE ESPECIAL

Governador discursa na abertura do ano legislativo da Aleac Confira na íntegra a mensagem lida por Tião Viana na quarta-feira (2) aos deputados empossados

Fotos: Sérgio Vale

Governo do Estado do Acre Mensagem Nº 001/2011 Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa do Acre, Senhoras Deputadas e Senhores Deputados.

N

o início do mandato, que me foi concedido por decisão democrática do povo acreano, atendo com prazer o estabelecido dança profunda na formação na Constituição do Estado do econômica e social do Acre. Acre, e me dirijo a esta Casa na Estiveram sempre atentos às oportunidade da abertura dos manifestações e aspirações da trabalhos legislativos da 13ª sociedade, refletidas nas Associações de Bairros, Legislatura da nas Associações Assembleia Le“O projeto da de Trabalhadores gislativa do Estado do Acre. Frente Popular do Rurais, nas Organizações Não GoO projeto da Frente Po- Acre (FPA) tem vernamentais, nos pular do Acre raízes na história, sindicatos urbanos e rurais, nas Câma(FPA) tem raízes na histó- cultura e identidade ras Municipais, na Assembleia Legisria, cultura e lativa e, de modo identidade do do povo acreano” geral, em todas orpovo acreano. Esta combinação marca ganizações civis e comunidades a construção de um modelo da cidade e do campo. E inaucivilizatório singular. A mata, guraram um período de equilía água, a terra são elementos brio político e postura ética na indissociáveis da feição espi- relação com o poder legislativo. ritual, sociocultural e territo- O Acre tornou-se exemplo de diálogo entre governo e as orrial do Acre. É na relação primordial e ganizações da sociedade. No nosso plano de goveríntima do homem com a floresta, a terra cultivada, os rios no, manifestamos esse sentie os lagos que se encontra a mento: “O final da década de noventa foi um período de innossa origem. O conceito de floresta tro- tensas e importantes mudanpical amazônica funde todos ças na história do Acre. Viuesses objetos, vivências e ex- -se o desabrochar vigoroso de periências. A vida material, o forças políticas portadoras de imaginário, os valores, os so- ímpeto renovador e progresnhos e as práticas sociais do sista; e o encerramento de nosso povo são frutos desse uma década de violência, tragédias e descaminhos na vida universo complexo. Nesse ambiente natural e social e política do Estado. Foi o limiar de uma era sociocultural foi construído o projeto da FPA. Os governos de transformação, de busca da Frente Popular, em 12 anos de novos valores e práticas de gestão, fizeram uma mu- criadoras. Um novo tempo

carregado de fé, esperança e sonhos. Vivia-se sob o signo de um horizonte de mudanças profundas e alvissareiras na vida do Acre.” Os governos Jorge Viana e Binho Marques criaram as condições de um novo modelo de desenvolvimento, fundado em crescimento econômico, inclusão social e conservação do ambiente natural. Tiraram o Acre da estagnação, do desencanto, do medo, da desesperança e da falta absoluta de infraestrutura para decolagem do desenvolvimento. Realizaram passos fundamentais para o desenvolvimento econômico e avanços indiscutíveis na questão social. A partir de 1999, a economia do Acre mostrou uma grande vitalidade. Entre 1999 e 2008, um período de baixo crescimento da economia nacional, o PIB do Estado cresceu a uma taxa média anual de 5,4%. A economia, no período, alcançou a taxa de crescimento acumulada de 69,2%, contribuindo para elevar a renda per-capita de R$ 3.334, em 1999, para R$ 9.896, em 2008. A receita total do Estado, em 1998, foi de R$ 499 milhões e 439 mil reais, passando, em 2010, a R$ 3 bilhões e 803 milhões de reais, o que representa um crescimento de 662% no período. A relação entre a arrecada-

ção própria e as transferências em uma trajetória sustentável, constitucionais passou de 14%, a adimplência das obrigações em 1998, para 19%, em 2010, tributárias, previdenciárias e ou seja, o esforço de arrecada- salariais, sendo decisivo para ção de base tributária própria que o Estado do Acre possa, apresentou um crescimento de forma permanente, realizar real de 37%, representando expressivo volume de invessignificativo avanço na redução timentos através de recursos da dependência do Estado em próprios do tesouro estadual, relação aos recursos da União. por captação de recursos junto E o montante de transferências ao Governo Federal, através de constitucionais que perfaziam transferências voluntárias, bem 6 vezes a arrecadação própria, como, através de financiamenem 1998, em 2010, perfazem tos junto a organismos internacionais e nacionais de crédito. apenas 4 vezes. Os Estados com baixa parA capacidade de alavancar recursos para financiar os inves- ticipação da receita própria no timentos por meio de convênios orçamento geral têm a necessidade de moe operações de crédito apresen- “A capacidade de bilizar recursos tou o expressivo alavancar recursos de transferência voluntárias fecrescimento de 141% no perí- para financiar os derais e recorrer a empréstimos odo de 2007 a 2010. Esse cres- investimentos por para financiar os cimento reflete o meio de convênios investimentos. O BNDES saneamento das (Banco Nacional contas públicas e e operações de de Desenvolvia credibilidade do crédito apresentou mento EconôEstado que viamico e Social) é bilizaram a capo expressivo o mais importação dos recursos da ordem de crescimento de tante agente de financiamento 10%, em relação a receita total de 141% no período do desenvolvi2007, e 20%, em de 2007 a 2010” mento do Brasil e da América relação a 2010. É nosso compromisso for- Latina e tem sido o parceiro talecer o equilíbrio fiscal que, ao por excelência dos estados longo do período da gestão da brasileiros no financiamento Frente Popular, tem garantido a de grandes projetos industriais manutenção da dívida fundada e de infraestrutura.


www.pagina20.com.br

Página 20

Rio Branco – Acre, DOMINGO, 6, e SEGUNDA-FEIRA, 7 de fevereiro de 2011

2

ENCARTE ESPECIAL

A parceria do Governo do mica e mobilidade social. Por Estado com o BNDES iniciou- este caminho, o governo poderá -se em 2002 através do finan- fomentar o emprego, a renda, ciamento da Primeira Fase (I) reduzir a desigualdade social e do Programa Integrado de De- retirar da pobreza grandes consenvolvimento Sustentável do tingentes de pessoas, ampliando Estado do Acre - PIDS. Atual- a ascensão na estrutura social mente esta parceria encontra-se dos segmentos mais excluídos que passarão a integrar uma amna Quarta Fase do Programa. Por meio do PIDS foram pla e fortalecida classe média, aplicados recursos em diversas uma característica fundamental áreas como Infraestrutura urba- de uma sociedade desenvolvida na, Habitação de Interesse So- com indicadores que denotam cial, Saúde e Saneamento, Edu- dignidade humana. Para alcançar esse resulcação, Segurança; Comunicação e Desenvolvimento Social, De- tado, atribuiremos a mais senvolvimento Econômico, alta prioridade ao cresciFortalecimento do Turismo e mento da produção em escala empresarial, para gerar Modernização da Gestão. A parceria com o BNDES empregos formais e aos pevem contribuindo decisivamen- quenos negócios, visando te para fortalecer a economia criar ocupações produtivas do Acre no contexto regional e para trabalhadores em situnacional e promover benefícios ação de desemprego ou emsociais nos territórios de maior prego precário. Enfrentaremos o desafio da prevalência de pobreza. O valor total dos em- industrialização do Acre porque préstimos contratados pe- só haverá desenvolvimento ecolos governos da FPA, com nômico sustentado se a estrutuBNDES, foi da ordem de ra produtiva contar com imporR$ 1 bilhão e 153 milhões. tante participação da indústria. Os investimentos reali- A participação da indústria no zados por meio das opera- valor adicionado elevou-se de 10,6%, em 2002, ções de crédito para 12,4%, com o BNDES “O nosso em 2008. Esta propiciaram governo será, a evolução esboao Estado um ça tendência de incremento na um só tempo, a transformação ordem de 24% de recursos continuidade e a da economia na direção da indusexternos, desprojeção para o trialização. De tinados à cona indústria solidação das futuro da síntese fato, teve, no períopolíticas de dedo 2000 a 2008, senvolvimento civilizatória um crescimento socioeconômisingular do Acre. médio anual de co da região, 8,6% e um cresno período de cimento acumulado, no mesmo 1999 a 2009. O nosso governo será, a período, de 116,9%. O nosso propósito é elevar um só tempo, a continuidade e a projeção para o futuro da significativamente a participasíntese civilizatória singular do ção relativa da produção indusAcre. Vamos fazer avançar o trial na economia, por meio do desenvolvimento econômico estímulo ao crescimento diverpara promover inclusão econô- sificado da indústria florestal,

da agroindústria e da implantação da Zona de Processamento de Exportação (ZPE). O instrumento principal para essa estratégia será justamente a gestão adequada da política de investimentos e a consolidação da ZPE. O Distrito Industrial de Rio Branco e o Pólo Industrial do Alto Acre serão fortalecidos. O Parque Industrial de Cruzeiro do Sul será ampliado, diversificado e consolidado. Na segunda semana de governo, foi dada a ordem de serviço para construção de 14 galpões industriais do pólo moveleiro e anunciada a implantação da fábrica de lâminas faqueadas em Cruzeiro do Sul. Também foi anunciada a fábrica de compensado de Tarauacá. Estas ações do governo no Vale do Juruá vão operar uma importante mudança na economia regional na direção da industrialização, totalizando um investimento de R$ 42,0 milhões de reais e geração de 940 empregos diretos e indiretos. O atual estágio desenvolvimento urbano e as oportunidades criadas pela diversidade

A meta do programa de do ambiente natural e cultural do Acre justificam a ênfase que reflorestamento é implantar atribuímos, no Plano de Go- 80 mil hectares. O programa, verno, ao desenvolvimento do nos próximos quatro anos, setor serviços com destaque implantará 32 mil hectares em para o turismo que se constitui, quatro projetos específicos: hoje, uma alternativa econômica Fruticultura – 2 mil promissora em virtude das possibilidades da integração regio- hectares de fruticultura canal com os países andinos. No paz de abastecer uma inAcre, há oportunidades para dústria de sucos; exploração de diversas modaliSeringueira – 10 mil hecdades turísticas, desde o turismo tares de seringa ecológico, o de aventura, o arvo“Enfrentaremos capaz de abastecer uma indúsrismo, o baloniso desafio da tria de artefatos mo e o científico. de borracha; A pequena e industrialização média produção Dendê – 5 rural terão atendo Acre porque mil hectares de ção específica só haverá dendê capaz de com o propósito uma de incrementar desenvolvimento abastecer unidade de beo valor agregado neficiamento; dos produtos e econômico aumentar a escasustentado se Espécies la de produção para fins mapara viabilizar a estrutura deireiros – 15 a sua inserção no mercado. A produtiva contar mil hectares de reflorestamenagricultura famicom importante to para fins liar merecerá do adeireiros nosso governo participação da m capaz de gaum olhar esperantir a o mescial, em vista da indústria” mo volume de sua reconhecida função no abastecimento de madeira hoje ofertada pelas alimentos e do imperativo de florestas nativas. inclusão social dos agricultores. As atividades de reflorestaNosso governo vai estimular, com alta prioridade, a mento são intensivas em mão piscicultura empresarial e fa- de obra em todo o processo da miliar, a criação de pequenos cadeia produtiva. A geração de animais, especialmente ovinos, trabalho incide nas atividades de suínos e aves. A piscicultura plantio, manutenção e colheita tornou-se a oportunidade eco- das florestas. Na industrializanômica de maior rentabilidade ção das diversas matérias primas dos diferentes reflorestamentos da produção rural. Como forma de complemen- estima-se a geração de cerca de tar a política florestal e fazer um 600 postos de trabalho diretos. O envolvimento da pequeuso mais racional das florestas naturais, o programa de reflores- na produção familiar poderá tamento possibilitará ampliar o incorporar 10 mil unidades abastecimento de matéria prima produtivas. Vale destacar que às indústrias florestais e a geração para a produção familiar o reflorestamento caracteriza-se de novos postos de trabalho.


www.pagina20.com.br

Página 20

Rio Branco – Acre, DOMINGO, 6, e SEGUNDA-FEIRA, 7 de fevereiro de 2011

3

ENCARTE ESPECIAL Os investimentos em educomo uma espécie de poupança do produtor já que ren- cação cresceram de R$ 200,8 tabilidade das atividades de milhões, em 2002, para R$ reflorestamento garantem um 628,1 milhões, em 2010, o que forte retorno de investimento. representa um incremento de A implantação das atividades 212,8% no período. A folha de pagamento da de reflorestamento está baseada também em cenários interna- educação cresceu 183%, no mesmo período, cionais e nacio“A taxa de saindo de R$ nais de deman143,9 milhões, da das referidas matérias primas. mortalidade infantil em 2002, para A demanda por declinou de 31,2 por R$ 414,5 milhões, em 2010. látex, dendê e mil nascidos vivos, Tivemos promadeira de regressos imporflorestamento em 2000, para tantes na saúde. é crescente em função das pro19,9, em 2009” A estrutura de serviços de saújeções de crescimento mundial e nacional, onde de de alta e média complexidaa indústria automobilística puxa de teve substancial ampliação a cadeia de látex, a indústria ali- e melhoria da resolutividade. A taxa de mortalidade inmentícia e cosmética a cadeia do dendê e a construção civil e mó- fantil declinou de 31,2 por mil veis domésticos a indústria flo- nascidos vivos, em 2000, para restal. Nos cenários desenvol- 19,9, em 2009. A cobertura do vidos por estudos das diversas Programa Saúde da Família organizações dos respectivos setores de produção indicam o Brasil e as regiões centro oeste e norte como as mais aptas para a expansão em curto espaço de tempo. No dendê, por exemplo, o Acre possuí umas das melhores regiões para o cultivo, indicado pelo zoneamento do dendê feito pelo governo federal. A educação, a saúde e a segurança são fatores decisivos de desenvolvimento. Trabalharemos para manter a excelente evolução dos indicadores educacionais com a contínua melhoria da qualidade de ensino e a eficácia do esforço de alfabetização. Nos governos da FPA, o Estado do Acre saiu das últimas posições nas avaliações do MEC para ser o décimo no ranking do IDEB, de 1a a 4a série, em 2009, o quarto lugar, de 5a a 8a série, cresceu de 27,0% para 63,3% e o sétimo no ensino médio, no mesmo período. O númesuperando estados como Rio ro de leitos por mil habitantes de Janeiro. A taxa de evasão, no foi ampliado em 47% em cinensino fundamental, reduziu-se co anos, passando de 1,99, em de 17,10%, em 1999, para 4,1%, 2005, para 2,17, em 2009. Os investimentos em saúem 2009. No ensino médio, a redução, no mesmo período, foi de evoluíram de R$ 135 mide 21,7% para 13,1%. A taxa lhões, em 2002, para R$ 522,9 de analfabetismo da população milhões, em 2010, o que rede 15 a 64 anos teve uma que- presenta um crescimento de 287,33%. da de 24,5% para A folha de 12,7% entre 1999 O nosso governo pagamento dos e 2009. E a taxa se empenhará servidores cresde analfabetismo ceu 169% no funcional decresna ampliação do mesmo período, ceu de 16,5 em 2004, para 11%, sistema de saúde atingindo R$ 236 milhões, em em 2009. Os bons re- para dar conta das 2010. O nosso gosultados da educarências ainda verno se empecação, nos gonhará na ampliavernos da FPA, existentes ção do sistema resultam da qualidade da gestão, da dedicação de saúde para dar conta das e competência dos profissio- carências ainda existentes. Sonais de educação e da priorida- bretudo é preciso melhorar a qualidade do atendimento. A de na alocação de recursos.

O desafio maior para o governo federal para combate à pobreza conforme as dire- Acre, nesse campo, é ampliar trizes já anunciadas pela presi- a escala de produção, principalmente no setor florestal, e denta Dilma Rousseff. estabelecer relaO grandioções comerciais so esforço feito nos governos “O nosso governo e culturais com a China que repreda FPA para concluirá e senta uma granconstruir a infraestrutura de entregará ao povo de oportunidade de negócios e suporte ao deacreano a BR-364 de intercâmsenvolvimento pode ser ilustra- pavimentada, com bio científico e tecnológico. O do na construtodas as pontes e nosso governo ção das BR-317 dar passos e BR-364 que outras obras de vai importantes constituem os dois grandes arte totalmente para essa aproximação. eixos de desenacabadas” O Estado do volvimento do Acre conta com Estado. O nosso governo concluirá alta diversidade biológica e éte entregará ao povo acreano a nica. Vivem no território acreBR-364 pavimentada, com to- ano 15 povos indígenas, falandas as pontes e outras obras de tes de idiomas de três troncos linguísticos, uma população de arte totalmente acabadas. Cuidaremos, com destaca- pouco mais de 16 mil pessoas (cerca de 2% da população do estado). Suas 36 terras indígenas reconhecidas pelo governo federal ocupam 14,6% da extensão do Acre. Outros quatro povos indígenas considerados “isolados”, cerca de 600 pessoas, habitam e têm áreas de uso no território acreano, e constituem um patrimônio da humanidade da qual o Acre tem muito para se orgulhar. Desde 1999, os três governos da Frente Popular têm incorporado as demandas dos povos indígenas ao planejamento e execução de programas que conciliam o desenvolvimento sustentável do Estado com melhoria das condições de vida nas terras indígenas e a valorização cultural dos povos que nelas vivem. Desde 2003, a criação da A ampliação das atividades da prioridade, da infraestrutuculturais, esportivas e de lazer, ra urbana. Dirigiremos atenção Secretaria dos Povos Indígeprincipalmente nos bairros especial para o saneamento in- nas (SEPI), transformada, em mais carentes, contribuirá para tegral e a pavimentação de vias 2007, em Assessoria Especial, proteção dos jovens vulnerá- urbanas em todas as cidades ligada diretamente ao Gabinete do Governador, possibilitou veis à marginalidade e ao cri- do Estado. No âmbito da Amazônia uma progressiva articulação me. A política de segurança vai continental, cuidaremos de dos programas destinados aos exigir também uma vigorosa avançar na política de inte- povos indígenas, executados ação contra o tráfico de dro- gração econômica, cultural, por várias secretarias e um gas, em estreita articulação científica e tecnológica com constante diálogo com as orcom os órgãos de segurança os países andinos, sobretudo o ganizações de representação Peru e a Bolívia. federais. dos povos indíO profundo conhecimento Na continuida- “O desafio maior genas. da realidade do País permitiu de das relações Com base ao presidente Lula ver com construídas pe- para o Acre, nesse no Zoneamengovernos campo, é ampliar a to clareza que o desenvolvimen- los Ecológicoto econômico, em países com Jorge Viana e -Econômico, o grandes desigualdades, precisa Binho Marques, escala de produção, governo pretenvir acompanhado de ampla será preciso inde apoiar as coproteção social para tornar tensificar o co- principalmente no munidades nas efetiva a inclusão social e re- mércio, eliminar setor florestal” ações de etnorestrições dução da pobreza. No nosso as zoneamento de governo, o desenvolvimento burocráticas para facilitar o suas terras, bem como a implesocial terá especial destaque fluxo de pessoas e de merca- mentação dos planos de gestão como eixo estratégico da ges- dorias. Também, promover o das terras indígenas, fomentantão. Nessa questão será feita intercâmbio cultural, partilhar do atividades que promovam a mais ampla parceria com o a pesquisa e o conhecimento. o fortalecimento das atividades humanização do atendimento terá prioridade plena do governo. Os governos da FPA fortaleceram e modernizaram a estrutura do aparelho de segurança, ampliaram o quadro de policiais, melhoraram os vencimentos, investiram em capacitação, fizeram reaparelhamento da PM, melhoraram a estrutura física das delegacias de polícia e de modo geral implantaram um novo modelo de gestão de segurança pública. Na continuidade desse esforço, o nosso propósito é fortalecer a inteligência, atuar com firmeza no policiamento ostensivo e, ao mesmo tempo, ter uma forte ação preventiva. Especialmente, vamos trabalhar nas comunidades em inclusão socioprodutiva, visando a sua emancipação econômica por meio da geração de trabalho e renda.


www.pagina20.com.br

Página 20

Rio Branco – Acre, DOMINGO, 6, e SEGUNDA-FEIRA, 7 de fevereiro de 2011

4

ENCARTE ESPECIAL

É pretensão ainda do goprodutivas, com sistemas agroflorestais, criação e manejo de verno, por meio de parcerias animais e a piscicultura, bem e agendas conjuntas com os como o fortalecimento institu- órgãos federais, promover a cional de suas organizações de melhoria dos serviços de asrepresentação. Essas ações con- sistência aos índios no estado, tarão com assistência técnica especialmente na área do atenespecífica, por meio do apoio à dimento básico à saúde. Mecanismos específicos formação dos agentes agroflorestais e às suas atividades nas serão utilizados para a valorização, o fomenterras indígenas, visando assegu- “É pretensão ainda to e a divulgação das manifestarar a segurança do governo, por ções culturais alimentar das povos incomunidades, a meio de parcerias e dos dígenas, para o abertura de novos canais para a agendas conjuntas apoio à produção artesanal e o comercialização. com os órgãos intercâmbio culÉ comproentre os dimisso de gofederais, promover tural ferentes povos. verno dar conAlém da tinuidade aos a melhoria gestão territoavanços logrados serviços de rial, dos servidos nos últimos básicos de anos pela polítiassistência aos ços qualidade e da ca de educação escolar indígena índios no estado” valorização cultural, é nosso diferenciada, bilíngue e intercultural, por compromisso manter instânmeio da formação de profes- cias de diálogos abertas com sores indígenas, a edição de as organizações de base e as materiais didáticos específicos, comunidades indígenas, com a assessoria aos professores e vistas a garantir sua particia melhoria à infraestrutura es- pação na definição, execução e avaliação das ações promocolar nas aldeias.

vidas pelo governo nas terras indígenas. A ação do governo Lula nos últimos sete anos tem demonstrado que o Estado pode cumprir um importante papel na formulação e implantação de políticas públicas para mulheres, demonstrando o compromisso ideológico e cultural do governo democrático popular com a luta das mulheres. Nesse sentido, construiu de forma democrática o Plano Nacional de Políticas para as Mulheres, que tem norteado o Governo Federal, Estados e Municípios no desenvolvimento de ações de promoção da cidadania das mulheres brasileiras. Coube ao Acre o desafio de executar, em âmbito local, as propostas contidas no Plano Nacional de Políticas para as Mulheres, considerando as especificidades da problemática de gênero no Estado. O mandato da Frente Popular, eleito para os anos de 2011 a 2014, tem como desafio inovar a implementação dessa política, ampliando a participação social e o pro-

cesso de construção das ações todos os atos, o brilho e a voltadas para o atendimen- singularidade de sua históto das mulheres. Essas ações ria, cultura e modo de vida devem alterar de forma sig- próprio, fundado na relação nificativa as desigualdades de intima com a floresta. Foram feitos investimengênero, raça, etnia e exclusão social das mulheres, partin- tos importantes nas artes, na do da compreensão de que é cultura e no patrimônio hispreciso respeitar as especifici- tórico cultural em particular, dentre os quais dades políticas, culturais, gera- “A lei de incentivo d e s t a c a m - s e : a restauração cionais e sociais de cada municía Cultura gerou da Tentamen, pio e a realidade Cine Teatro mais R$ 5 de quem vive na Recreio, O Cazona urbana e Mercado milhões e 789 sarão, na zona rural. Novo, Sborba, Dada a im- mil, destinados ao Colégio Acreaportância que o no, Palácio Rio apoio de projetos nosso governo Branco, Rua conferirá à po- em diversas áreas Eurico Dutra, lítica de gêneTeatrão, Teatro ro, tomamos a dos Náuas e artísticas” decisão de criar Museu-Memoa Secretaria de Estado para rial José Augusto. a Política de Mulheres como O hábito de leitura foi esuma estratégia de fortalecer as timulado com o Sistema de ações transversais nesse setor. Bibliotecas Públicas e mais de Os governos da FPA for- 240 pontos de leitura. taleceram a autoestima e a A música, o teatro, cinema identidade do povo acreano, e exposições foram incentiressaltando e evocando em, vadas, estabelecendo-se uma

agenda permanente na capital e nos municípios do interior. Os Governos da FPA implantaram ou revitalizaram a Biblioteca da Floresta, a Biblioteca Pública Estadual, a Usina de Arte, a Escola Acreana de Música, o Memorial dos Autonomistas, o Galpão de Cultura de Tarauacá e o Parque Wilson Pinheiro em Brasileia. A lei de incentivo a Cultura gerou mais R$ 5 milhões e 789 mil, destinados ao apoio de projetos em diversas áreas artísticas. Quinze Pontos de Cultura foram criados e implantados nos municípios do interior, nos quais foram investidos mais de R$ 2,0 milhões. A política de recursos humanos dos governos da Frente Popular do Acre pautou-se pela valorização do servidor público, a capacitação profissional, a melhoria das condições de trabalho e dos salários. O custo geral de pessoal que era, em 2002, R$ 273 milhões, atingiu R$ 1 bilhão e 400

milhões, em 2010, perfazendo um crescimento de 193%. Senhoras e senhores, deputadas e deputados. O Acre, construídas as condições normativas e infraestruturais do desenvolvimento, está diante da possibilidade de empreender o grande salto para o futuro na direção do desenvolvimento econômico com equidade social e conservação dos recursos ambientais. Cabe a esta geração de mulheres e homens de bem, empresários, políticos, intelectuais, trabalhadores, religiosos e jovens serem protagonistas dessa grandiosa e instigante missão. Não é uma tarefa pequena nem em curto tempo, mas precisamos e vamos todos continuar e intensificá-la. Convido-os à união, acima das diferenças, na busca desse objetivo. Ao Senhor Presidente, às Senhoras Deputadas, aos Senhores Deputados e a todos, muito obrigado.


MENSAGEM DO GOVERNADOR