Issuu on Google+

EDIÇÃO ESPECIAL 20 de Abril de 2011 Jornal da EPADRV

EPAV

25 DE ABRIL PÁGINA 20

DESPORTO PÁGINA 14

Comemorou-se “A Revolução dos Cravos” com a presença do Capitão de Abril, o coronel Vasco Lourenço.

A primeira concentração oficial decorreu em Sever do Vouga, no dia 25 de Fevereiro, para uma prova de Downhill.

Vasco Lourenço na EPADRV

Clube BTT Downschool

EMPREENDEDORISMO PÁGINA 16 e 17

CIÊNCIAS PÁGINA 18

III Jornadas Técnicas da EPADRV

Há Matemática na EPADRV

CULTURA PÁGINA 19

Semana da Leitura

Palestras e Workshops marcaram as III Jornadas Técnicas da EPADRV

Eco Arte Floral

Pneumática

Eco Arte Floral

Alunos, professores e assistentes operacionais da EPADRV fizeram uma deambulação poética por espaços comerciais e instituições da Gafanha da Boa-Hora e Vagueira

Inovação na Agricultura

Coordenação: Fernando Santos Equipa EPAVê!: Enzo Squilacce, Fátima Laouini, Helena Abrantes, Liliana Simões .::. Colaboração: Órgão de Gestão, Adriano Santos .::. Edição Gráfica: Adriano Santos

I

11/


EPAVê  20 de Abril de 2011

Desporto Escolar

Ao longo do ano lectivo a EPADRV tem promovido, juntamente com o Clube do Desporto Escolar, uma série de iniciativas que visam fomentar a prática desportiva. Com entusiasmo crescente, os alunos têm-se envolvido nas diversas competições.

Desporto na EPADRV - Mente sã em corpo são Liliana Simões

O corta-mato escolar e o apuramento para a Fase Nacional Depois de realizada a fase de escola (no fim do primeiro período), no dia no dia 14 de Fevereiro os alunos apurados compareceram à fase distrital que teve lugar em Vagos. Numa prova renhida, onde participaram cerca de 1800 alunos de todas as escolas do distrito, a EPADRV obteve uma óptima prestação, tendo o aluno José Sousa (10º Técnico de Restauração) alcançado o pódio com um 2ª lugar, no escalão de Juvenis Masculinos, conseguindo o apuramento para a Fase Nacional.

Clube BTT - Downschool O privilegiado espaço envolvente em que se situa a EPADRV levou o Clube do Desporto Escolar a optar por oferecer aos alunos, para o próximo triénio, a possibilidade de poderem usufruir de um Clube de BTT. Os treinos realizaram-se às quartas e quintas-feiras à tarde, com saídas para diversas zonas propícias à prática da modalidade. A primeira concentração oficial decorreu em Sever do Vouga, no dia 25 de Fevereiro, para uma prova de Downhill. Nesta primeira concentração, que contou com a presença de várias escolas do distrito de Aveiro, os alunos estreantes em competições oficiais saíram desta prova com uma honrosa classificação. Classificação: Juvenis Masculinos 2º Classificado Marco Pereira – 1º ano - Tratamento e Desbaste de Equinos 5º Classificado

João Prina – 11º ano - Técnico de Manutenção Industrial

10º Classificado

Sandro Maia – 1º ano - Tratamento e Desbaste de Equinos

Classificação: Juniores Masculinos 4º Classificado Filipe Coelho – 12º ano - Técnico de Produção Agrária

Ténis de mesa

Compal Air 3x3

O ténis de mesa constitui, para além do Clube de BTT, outra das ofertas promovidas pelo Clube do Desporto Escolar. Com cerca de 12 alunos inscritos têm sido várias as participações em competições com escolas da região. No decorrer do ano lectivo 2010/2011, houve quatro concentrações de ténis de mesa.

No dia 7 de Fevereiro, a EPADRV concretizou mais uma prova de Compal Air 3X3 – fase de escola. Esta actividade mobilizou alunos dos diferentes cursos, tendo sido apurados 24 alunos, divididos por 6 equipas para representarem a escola na fase EAE. Nesta fase, realizada em Calvão, a EPADRV conseguiu obter um brilhante 2º lugar, no escalão Júnior, com a prestação dos alunos: Nelson Campos – 11º de Técnico de Restauração; Emanuel Lopes – 10º de Técnico de Restauração e Gabriel Neves – 10º Técnico de Energias Renováveis.

100% Seres Humanos Andreia Silva Foi no decorrer do tema Discriminação e Racismo: todos diferentes, todos iguais, que no âmbito da disciplina de Cidadania e Mundo Actual, os alunos do 2º ano do CEF de Tratamento e Desbaste de Equinos tiveram a ideia: “vamos comemorar o Dia Mundial da Luta contra a Discriminação Racial, vestindo-nos todos de igual em nome desta causa.” Rapidamente todas as turmas se envolveram, passando a ser um projecto e um desafio que envolveu toda a comunidade escolar. Numa escola marcada pela heterogeneidade étnica, foi nos alunos que nasceu a vontade de mostrar que estão dispostos a uma postura mais tolerante, disponível à partilha e

II/12

aprendizagem com a diferença. Era impossível não os apoiar e auxiliar na actividade que propunham. O objectivo era o de sensibilizar para esta temática e envolver a comunidade escolar nesta luta. Pusemos mãos à obra e trabalhámos juntos para conseguir que no dia 21 de Março fôssemos pelo menos 80 a usar a t-shirt que estes alunos tinham projectado. Pelo caminho chegámos a temer não atingir o número a que nos havíamos proposto, mas a persistência permitiu que a adesão fosse aumentando. E nessa bela segunda-feira de sol, Dia da Primavera e da Floresta, fomos 83 na EPADRV a afirmar que mais do que branco ou preto, vermelho ou amarelo, grande ou pequeno, gordo ou magro... somos e seremos todos, sempre, apenas, 100% Seres Humanos.


EPAVê  20 de Abril de 2011

Dia Mundial da Floresta e Dia da Árvore Dina Ribau e Filomena Martins

Na passada segunda-feira, dia 21 de Março, a EPADRV assinalou mais um Dia Mundial da Floresta. Houve a apresentação dos resultados da Auditoria Ambiental Eco-Escolas, com brigadas de limpeza em acção, com a construção do espantalho “O Abelharuco”, com a fixação do painel de azulejo - prémio atribuído à escola pela ABAE, como resultado do trabalho desenvolvido na EPADRV pelo Clube do Ambiente desde 2005. A manhã foi ainda enriquecida com a recepção de um grupo de crianças provenientes do ABC de Bustos; as visitas tiveram à

Parlamento dos Jovens: A Palavra ao Poder

disposição as actividades “Floresta-das-Adivinhas” e “Código Secreto”, que decorreram no átrio exterior do Auditório, junto ao jardim dos amores-perfeitos, espaço exterior dinamizado pelos 10º e 11º anos do curso de Produção Agrária nas comemorações do Dia de S. Valentim, tendo sido construído à data um coração com cerca de uma centena de plantas amoresperfeitos. No tratamento dos dados relativos à auditoria ambiental, os temas “Resíduos” e “Água” são aqueles que carecem de uma acção mais interventiva. Continua-se a não

fazer a separação de lixo, mesmo existindo ecopontos em diferentes espaços da escola, ainda se deitam papéis para o chão, mesmo com os caixotes ao lado … Neste dia Mundial da Floresta as brigadas de limpeza puseram mãos à obra e, eis que, entre as 10h30minutos e 12h10minutos, as cinco turmas sorteadas: 12ºTPA, 12ºAnimador, 11ºTTAR, 11ºTMI, 10ºTRBar, recolheram uma grande diversidade de lixo, desde sacos plásticos, garrafas de vidro, maços de tabaco, pacotes de pastilhas elásticas tendo-se enchido um saco “big-bag” e vários sacos de 100 litros.

“A sensibilização nunca é demais”… como referem os colegas, a ideia de que devemos ter um caixote do lixo em cada esquina está ainda presente na mente de muitos dos nossos alunos. No tema da Água, foram ainda levantadas algumas questões pertinentes por parte dos nossos alunos; a monitorização dos sistemas de rega existente na EPADRV deverá ser uma prática corrente na manutenção dos espaços verdes.

Projecto Escolhas

A Minha Rádio: A Voz dos Meus Sonhos

Liliana Simões

Solange Ventura

No dia 15 de Março, em Anadia, a EPADRV esteve novamente presente na sessão distrital do Parlamento dos Jovens - Secundário. Esta sessão, subordinada ao tema “Que futuro para a educação?”, contou com a presença de 90 deputados eleitos pelas 29 escolas do distrito de Aveiro. Na cerimónia de abertura foi dada a palavra a vários representantes de diversas instituições que apoiam esta iniciativa da Assembleia da República: Litério Marques – Presidente da Câmara Municipal de Anadia; a deputada da Assembleia da República, Marisa Macedo; Fernando Mendonça - Representante do Governo Civil de Aveiro; Joaquim Morais - Director Regional do Instituto Português da Juventude e Ana Covas - Representante do Ministério da Educação. Neste discurso inaugural os intervenientes enalteceram o trabalho e dedicação dos deputados e afirmaram a necessidade dos jovens contribuírem com novas propostas para o nosso sistema educativo. Após um período de questões colocadas pelos jovens deputados à deputada Marisa Macedo, deu-se início ao período de debate propriamente dito, em que os deputados eleitos na sessão escolar esgrimiram os seus argumentos e contra-argumentos para defenderem as suas medidas relativas ao tema proposto. Os representantes da EPADRV Alexandre Pereira - 12º ano de Técnico de Restauração; Daniel Santos – 11º ano de Técnico de Restauração e Susana Gonçalves – 12º Animador Sociocultural – deram o seu contributo exibindo os seus dotes oratórios no sentido de fazerem valer o Projecto de Recomendação à Assembleia da República da EPADRV. Depois de um dia pleno de salutar discussão, em que os alunos assumiram a postura de deputados, procedeu-se à eleição dos representantes à sessão nacional e à votação do Projecto de Recomendação do distrito de Aveiro.

A minha rádio: a Voz dos Meus Sonhos é uma actividade que procura dinamizar as Rádios da EPADRV e da Escola Básica 2,3 Dr. João Rocha (Pai), realizada com e pelos alun@s, contando sempre com a monitorização dos técnicos do projecto. Um dos principais objectivos é aumentar a actuação das duas associações de estudantes através de actividades lúdico - pedagógicas que favoreçam o seu poder de iniciativa, dentro e fora do espaço escolar. Pretendemos, por um lado, dar voz às duas associações de estudantes (das duas Escolas onde intervimos) e sustentabilidade aos seus projectos e, por outro lado, promover a responsabilização de outros jovens na Rádio, sensibilizando-os para o associativismo. Actualmente, contamos com a participação semanal de um grupo de 30 alunos que prepara a locução das emissões da Rádio escolar. Na preparação de uma locução de Rádio várias tarefas são desenvolvidas, desde a pesquisa e recolha de conteúdos, à divulgação de notícias das Escolas, a criação de rubricas, a selecção de músicas de acordo com uma programação previamente estabelecida, entre várias outras que os participantes vão considerando importantes. É de salientar que se trata de uma actividade que exige um grande envolvimento dos seus participantes, resultado que a equipa tem vindo a verificar com grande satisfação.

Do forte empenho dos participantes já resultou a criação de dois blogues que orientam e alimentam a dinamização das Rádios. Visite em:  www.radioescolarvagos.blogspot.com  www.radioepadrv.blogspot.com No início do 3º período, e resultado de uma parceria com a Rádio Vagos FM, iremos promover uma formação para todos os participantes deste projecto com o objectivo de dotá-los de mais competências técnicas na área, aperfeiçoando cada vez mais a sua actuação nas Rádios escolares. A equipa do projecto acredita que o investimento nesta área poderá também revelar-se numa experiência marcante no processo de orientação profissional de alguns dos jovens participantes. O projecto da Rádio encerra várias vantagens para a comunidade escolar, uma delas a oportunidade d@s alun@s revelarem a sua capacidade criativa, de trabalho em equipa e o seu talento. Se pensarmos um pouco, temos tão perto o exemplo do 25 de Abril de 1974 em que foi a Rádio que ajudou na revolução que mudou a vida de muitos portugueses. Podem vir novas tecnologias, televisores ou jornais, mas nenhum meio de comunicação consegue abalar o poder da Rádio. É o nosso meio de comunicação do passado, do presente e do futuro!

III

13/


EPAVê  20 de Abril de 2011

III Jornadas Técnicas

Conversa com a organizadora do encontro, Joanna Skubisz Qual a importância de se assinalar o Dia da Europa na escola? Joanna: Não somos só parte da Europa, somos a Europa. Neste momento o futuro da Europa está nas mãos dos jovens e é extremamente importante tomar consciência disso e que os alunos, eles próprios se apercebam disso. Eles têm de entender que já não há fronteiras e que a isso se têm de habituar, doutra forma sentir-se-ão perdidos. Têm de ter a noção de que se querem alcançar algo irão fazê-lo no contexto Europa, não só dentro do seu próprio país. Portanto, um evento como o Dia da Europa na escola promove essas ideias. Daí a sua importância. Como descreve esta experiência internacional? Joanna: Absolutamente fantástica. Conhecer e partilhar com os assistentes a minha experiência, a “minha escola”, e o quão orgulhosa estou da escola e dos alunos, foi um fabuloso sentimento. A razão pela qual organizei o encontro foi mostrar aos alunos que o mundo não se cinge a Vagos e à EPADRV, que há oportunidades noutros países, que há belos países e lugares dos quais eles não ouviram falar. Só espero que pelo menos alguns alunos tenham apreciado e usufruído da experiência porque para mim foi um orgulho proporcioná-la! Qual a melhor parte da comemoração do Dia da Europa, da forma como foi vivido na escola? Joanna: Hmmm… Acho que a melhor parte foi a tarde de apresentações, quando os alunos puderam aprender alguma coisa nova sobre os países europeus representados e acerca da experiência pessoal dos assistentes. Considero que o encontro foi muito bem-sucedido, tanto na perspectiva da escola como na minha. Exigiu algum trabalho a organizar mas as memórias são compensadoras.

IV/14

Era uma vez na Eur

Assistentes Comenius espalhados p visitaram a EPADRV durante dois dias. mais ocidental do continente europe qualquer margem para dúvida, uma in construção de um animado e enriqueced intercultural na EPADRV Fátima Laouini A EPADRV assinalou o Dia da Europa festejando a Comunidade Europeia com a presença de assistentes Comenius espalhados pelo país. Tratou-se de um encontro organizado pela assistente Comenius na Epadrv, Joanna Skubisz, e teve lugar no dia 11 de Março, primordialmente, e também no dia seguinte. Estiveram presentes na escola catorze assistentes Comenius e dois estudantes Erasmus da Universidade de Aveiro. Os países representados foram Polónia, Espanha, Alemanha, Reino Unido, República Checa, .

Eslovénia, Finlândia, Itália, Grécia e Hungria. O grupo foi recebido na sexta-feira de manhã e imediatamente foi feito um passeio de reconhecimento pelos vários espaços da escola. O aluno David Moço, do 12º ano de Energias Renováveis serviu de guia ao grupo durante todo o dia. Após o almoço, seguiu-se a tarde de apresentações no Auditório da EPADRV. Todos os assistentes mostraram verdadeiros cartões de visita dos seus países, tendo para isso recorrido a exibições em powerpoint, aliando fotos e imagens a vídeos e música. A plateia


Palestras e Workshops marcaram as III Jornadas Técnicas da EPADRV vocacionadas essencialmente para o “Empreendedorismo na Agricultura”, que decorreram entre os dias 21 e 22 de Março. Filipe Ribeiro e Maria Augusta Vieira Conscientes dos constrangimentos e desafios que o sector agrícola atravessa, as III – Jornadas Técnicas vieram ao encontro da necessidade de repensar as políticas a adoptar para este sector, proporcionando aos jovens que frequentam os Cursos Profissionais de Técnico de Produção Agrária, assim como aos formandos dos Cursos de Educação e Formação de Adultos - Operadores de Bovinos de Leite e Higiene e Segurança no Trabalho – um conjunto de palestras e workshops vocacionados para o empreendedorismo na Agricultura, tendo sido convidados um conjunto de Jovens Agricultores e empreendedores de sucesso, convictos de que a aposta na agricultura é viável desde que os projectos sejam bem delineados, competitivos e sustentáveis. Neste contexto, no dia 21 de Março, no período da tarde, foi organizada uma palestra subordinada ao tema “Empreendedorismo na Agricultura”, moderada pelos professores Filipe Ribeiro e Maria Augusta Vieira, com a presença de dois empresários agrícolas de sucesso, um na área de Exploração de Bovinos de Leite e Horticultura, na pessoa do Sr. José Marques, sócio-gerente da Sociedade Agrícola Vale Marques e o outro na área da Apicultura, na pessoa da Dr.ª Sandra Barbosa, do projecto apícola “Montesino”.

Enquanto decorria no auditório a palestra “Empreendedorismo na Agricultura”, no Pólo Tecnológico da Escola os alunos dos cursos de Manutenção Industrial e Energias Renováveis participavam em diferentes workshops. Assim, e sob a batuta dos Engenheiros Pedro Carreto e Nuno Ferreira, foram montados três workshops, sendo um na área da Pneumática, outro na área da Hidráulica e outro na área da Maquinação. No dia 22 de Março continuaram ao longo de todo o dia as III - Jornadas Técnicas com a presença de um conjunto de oradores especialistas em diversas áreas. O Eng.º João Amílcar, Coordenador do Gabinete de Desenvolvimento Rural da Câmara Municipal de Penela, coube desenvolver a temática “ Desenvolvimento Rural/Inovação na Agricultura”, tema este bastante interessante e que cativou toda a comunidade escolar presente, dando a conhecer um conjunto de produtos de origem vegetal e animal, extraídos directamente da natureza e que harmoniosamente conjugados proporcionam experiências gastronómicas para nós desconhecidas e que despertam sensações sápidas e aromáticas agradáveis. O Eng.º Albano Moreira abordou a temática Plantas Ornamentais, tendo referido todo o processo de produção e comercialização de plantas ornamentais de grande porte.

O Eng.º António Mata abordou a temática “Ajudas à Agricultura e Formalização de Candidaturas” destinada aos Jovens Agricultores referindo os procedimentos que são necessários adoptar para formalização destas. Aquando dos workshops do Eng.º André Santos e da Maria Luís, os alunos/formandos foram distribuídos por dois grupos, que passaram alternadamente pelos workshops seguintes: Floricultura (Cultivo de rosas em Hidropenia) e Eco Arte Floral. Um dos grupos ficou no Auditório com o Engenheiro André Santos, jovem agricultor de sucesso, cuja exploração se situa em SepinsCantanhede. O outro grupo teve como palestrante e dinamizadora a Maria Luís, da Arte Floral. Esta dinamizou um Workshop versando a temática “ Eco Arte Floral”. Alunos, professores e pessoal não docente recolheram materiais no pinhal e flores das estufas da Escola, tendo posteriormente procedido à elaboração de um arranjo. No final surgiram os arranjos das mãos dos “artistas”, tendo sido a imaginação muito fértil. É de salientar a disponibilidade dos oradores convidados e de todos os docentes, que directa e indirectamente, deram o seu contributo para que as III Jornadas Técnicas fossem coroadas de êxito.

ropa

pelo país No ponto eu, e sem nteressante dor mosaico mostrou-se entusiasta, reagindo às galerias de fotos exibidas, sobretudo àquelas que já conheciam, como aconteceu com o caso da apresentação italiana. Os assistentes expressaram-se quer em inglês, quer em português, dependendo do seu grau de domínio da língua portuguesa. Atracções turísticas, nomes, rostos e figuras famosas, ex-libris, música, gastronomia, história, desporto, geografia, cidades de reconhecida importância e outros aspectos que foram sendo apresentados, variavelmente, dando um cunho próprio a cada “viagem” e ilustrando a especificidade única de cada país. No final do desfile

europeu, teve lugar um agradável lanche recheado de doçaria típica das nações representadas, o que permitiu também um convívio mais próximo entre o grupo Comenius e o público presente. O serão foi dedicado a troca de experiências na biblioteca escolar, espaço privilegiado da escola. Tendo pernoitado na residência da escola, no segundo dia, os assistentes tiveram a oportunidade de visitar a igreja e o museu da Vista Alegre, tendo a elucidá-los um guia local. O grupo Comenius deixou transparecer claramente a sua surpresa perante uma escola com estas características. Deveras

agradados, foi notório o prazer que tiveram na interacção com os animais, no contacto que puderam estabelecer com os alunos e ainda no facto de, na sua expressa opinião, terem sido muito bem recebidos. A organizadora, Joanna Skubisz, que naturalmente registou estas e outras impressões do grupo face à sua estada na EPADRV, afirmou ainda que todos ficaram muito contentes com a disponibilidade das pessoas em ajudar e que não podiam ter tido uma melhor experiência na escola. Desta forma, tanto a organizadora como os visitantes consideraram o encontro como um claro sucesso, já que pela sua excelente

organização e rica troca cultural se tratou de um rendez-vous que excedeu as expectativas. Aconteceu, nestes dois dias, no ponto mais ocidental do continente europeu, e sem qualquer margem para dúvida, uma interessante construção de um animado e enriquecedor mosaico intercultural na EPADRV

V

15/


EPAVê  20 de Abril de 2011

A MATEMÁTICA PODE SER FIXE, IÔ… Helena Abrantes Durante a semana de 14 a 18 de Março a Matemática foi palco das mais diversas acções, todas elas direccionadas para a comunidade escolar. Não faltaram os desafios, a animação, os campeonatos, e, como não podia faltar, a matemática gastronómica. Enfim, o infinito é uma coisa fantástica!!! Fazendo um breve apanhado da semana, na 2ª feira, dia 14, os nossos colegas matemáticos laçaram um desafio denominado: “Bem -vindo ao mundo do Pi” e o que é o Pi?- perguntam vocês. Pois bem, meus amigos, nem eu sei bem o que isso é! Desculpem, sou de letras! A verdade é que eu não era boa a Matemática, mas fui investigar e, resultados…  O Pi é igual a 3,14;  O Pi é a razão entre o perímetro e o diâmetro de qualquer círculo; o valor dessa constante é sempre o Pi;  P sobre D = valor do Pi; Fiquei mais ou menos satisfeita com a minha investigação. Menos mal… Na 3ª feira, dia 15, o lema era “Matemática em toda a parte” e foi uma excelente ideia as sessões no Auditório, com o objectivo de visualizar um filme com esse mesmo título, que tinha tudo a ver com a nossa escola. Para além disso, propunha-se também calcular o Pi. De notar, que esta mega actividade incluiu uma Visita de Estudo à Fabrica da Ciência, a Aveiro, 4ª feira, dia 16- visita inteligente, eu própria já constatei! Interessa salientar que o processo de motivação da Matemática está a mudar. Viva a revolução! Ao aproximarmo-nos do final da semana, 5ª feira, dia 17, fiquei muito bem impressionada com o Campeonato SuperTmatik e com a quantidade de pessoas participantes e envolvidas. Faço igualmente um destaque para os Balões do Pi, da responsabilidade do 12º TAS. A password era “Matemática para animar”. Para terminar em beleza, nada como distribuir prémios e felicitar toda a comunidade escolar. Então, na 6ª feira, dia 18, decorreu o Encerramento dos trabalhos com direito a tudo: sessão fotográfica e discurso do Director da Escola. O melhor mesmo, foi um magnífico e gigantesco bolo que por ali apareceu e desapareceu num abrir e fechar de olhos. Uma incógnita! Por fim, devo salientar o esforço dos alunos do 10º e 11º TR que confeccionaram os Biscoitos do Pi e o famoso bolo, demonstrando que sabem multiplicar por muitos e dividir por outros tantos. O total foi igual a zero fatias! Só fiquei com dúvidas acerca da música do Pi… o que deu para perceber, foi que a famosa cantora dos anos 80 Kate Bush já tinha uma música dedicada ao Pi e, para meu espanto, ainda se descobriu um Pi Rap Battle- Lose Yourself (In the Digits). Não há dois sem três, iô…! Estou mesmo a precisar de Explicações, não acham?! Um bem haja ao Grupo Disciplinar de Matemática.

VI/16

Feira das Novidades: da Teoria à Prática Cristina Cardoso Somos a turma Efa do Curso Técnico de Higiene e Segurança no Trabalho. No passado dia 17 de Março, realizámos uma visita de estudo à Feira Internacional de Lisboa: Segurex: Salão Internacional de Protecção e Segurança, com o professor Filipe Ribeiro. Saímos da Epadrv às 7 e 30m da manhã, chegámos a Lisboa às 10h e alguns minutos. A Segurex é o único evento do género a ser realizado em Portugal de dois em dois anos, onde os profissionais da área exibem uma amostra do que se vai fazendo entre nós, para além de algumas novidades em termos tecnológicos. A feira tem vários stands de equipamentos de protecção, onde a variedade é imensa e os produtos expostos são bastantes interessantes. Com cerca de 250 empresas participantes, oriundas de 30 países, o evento ocupa os pavilhões 3 e 4 da FIL, bem como a área exterior e a praça Sony, onde serão pela primeira vez realizados simulacros de treino e demonstrações. Conta também com a presença das principais empresas em sectores como a Segurança de Pessoas e Bens, Segurança no Trabalho, Protecção e Combate a Incêndios, Socorro e Salvamento, Segurança na Circulação e nos Transportes, Informática e Comunicações, Entidades e Organismos Públicos, bem como com o envolvimento da Comissão Organizadora, composta por entidades representativas do sector. Para além da área de exposição, contempla também um vasto programa de conferências, seminários e acções de formação sobre temáticas actuais, simulacros, demonstrações e ainda apresentações de produtos inovadores.

Com o objectivo de dar a conhecer as mais recentes novidades no campo da segurança e protecção, na Segurex, várias empresas e entidades vão levar a cabo apresentações técnicas de serviços, lançamento de novos produtos, divulgação de livros, entre outras inovações. Desde os alarmes, câmaras, equipamento para viaturas, PSP, GNR, Exército, Marinha, FAP, etc. Consideramos este tipo de eventos deveras importante. Tratouse de uma visita entusiasmante, que nos colocou em contacto com uma realidade onde começamos a dar os primeiros passos, sendo, por essa razão, uma maisvalia para nós como futuros técnicos.


EPAVê  20 de Abril de 2011

Semana da Leitura

Num projecto conjunto que reuniu a Biblioteca Escolar e o Departamento de Línguas decorreu entre 18 e 24 de Março a Semana da Leitura que mobilizou a comunidade educativa da EPADRV e a comunidade local para uma diversidade de actividades de sensibilização para o lugar central que a leitura ocupa na formação integral do indivíduo e de partilha de experiências do prazer da leitura por parte de alunos, professores e outros intervenientes.

O poder encantatório das palavras marcou a Semana da Leitura na EPADRV Valdemar Silva A tarde primaveril de 3ª feira, dia 22 de Março, foi um dos dias mais emblemáticos da Semana da Leitura, que decorreu entre os dias 18 e 24 de Março e que foi organizada num trabalho de parceria entre a Biblioteca Escolar (BE) e o Departamento de Línguas da EPADRV. Cerca de dezena e meia de alunos, professores e assistentes operacionais da EPADRV fizeram uma deambulação poética por alguns espaços comerciais e instituições de solidariedade social da Gafanha da Boa-Hora e Vagueira com o intuito de levar a poesia onde a vida acontece, numa jornada de sensibilização da comunidade local para o gosto pela leitura. Em cada um desses espaços escutou-se poesia, que compreendeu a recitação de poemas inéditos de

alunos e professores e de autores do cânon literário português, subordinados à temática da Portugalidade, seguida de um momento musical, em que os sons e as vozes da comunidade educativa da EPADRV conferiram novas expressividades aos poemas musicados. Outra iniciativa marcante da Semana da Leitura aconteceu com uma sessão de leitura para crianças entre os 3 e 5 anos que frequentam os Jardins de Infância da Vagueira e da Gafanha da BoaHora, dinamizada por quatro alunas do Curso de Animador Sociocultural e pelo Professorbibliotecário, Valdemar Silva, que prepararam uma leitura dramatizada de um conto tradicional. O poder encantatório das palavras magnetizou o olhar atento e curioso das crianças, que se deixaram enlear pela Sandra,

que desfiava uma história de cabritinhos e lobos, enquanto Raquel, Tânia e Susana vão entrando e saindo dum recanto da BE, procurando mimar as mil e uma peripécias da acção. Para além destas actividades, a Semana da Leitura mobilizou outras iniciativas, que passaram por sessões diárias de leitura na sala de aula, em que pequenos grupos de alunos iam de sala em sala surpreender os seus colegas com pequenos textos que queriam partilhar com eles; por um Concurso de Leitura em que participaram cerca de três dezenas de alunos dos Cursos de Educação e Formação e Cursos Profissionais, pondo à prova as suas competências de leitura; por uma exposição designada Viagem à Volta do Meu Livro, patente na BE, com cartazes que ilustravam os livros que mais marcaram os

CACILDA MARADO À CONVERSA COM A ESCRITORA A escritora Cacilda Marado, autora de obras de ficção e memorialistas, veio até ao auditório EPADRV na tarde de 24 de Março para encerrar a Semana da Leitura, partilhando a sua experiência como professora e como escritora. A sua alocução focou-se numa longa experiência de trabalho no ensino, desde a antiga escola primária, passando pelo 2º e 3º ciclo e ensino secundário e terminando no ensino universitário. Não faltou também a sua mais recente experiência como escritora, e como o acto de criação literária foi germinando ao longo da sua vida, culminando com a publicação dos seus trabalhos. A sua prelecção foi pontuada com a leitura de pequenos excertos dos seus livros, que procuravam ilustrar situações que ia apresentando. Cacilda Marado não se cansou de realçar o enorme poder encantatório da leitura e o seu papel crucial na sua formação enquanto pessoa, professora e escritora. Depois deste contacto directo com os alunos e professores, Cacilda Marado teve a oportunidade de fazer uma visita rápida à BE e à Feira do Livro e conhecer melhor as especificidades da EPADRV, sempre acompanhada pelo professor-bibliotecário e pela coordenadora do Departamento de Língua, professora professora Paula Sousa. .

alunos de diversas turmas; por uma Feira do Livro, que decorreu durante esta semana na Loja de Produtos Regionais da EPADRV e, portanto, com acesso à comunidade educativa e aos clientes externos da loja; pela atribuição de um nome de um escritor de língua portuguesa a cada uma das 22 salas de aula da escola, com um pequeno cartaz à

entrada da sala e com um B.I. do autor no interior da mesma; por um dia dedicado às línguas estrangeiras, com diversas actividades em torno das línguas inglesa, francesa e espanhola; pelo envolvimento do clube da rádio.

VIAGEM À VOLTA DO MEU LIVRO Fátima Laouini

Com este sugestivo e aliciante nome, foi levada a cabo uma actividade que muito apraz registar, inserida na Semana da Leitura (realizada pelo Departamento de Línguas da EPADRV). Tratou-se de fazer pensar os alunos em literatura e levá-los, depois, a uma escolha referente a um livro que tenham lido e que os tenha especialmente marcado. Numa época em que o visual impera, em que o tecnológico domina, em que se perderam hábitos de leitura e em que não se cultiva o acto de pensar, foi com grande satisfação que se verificou uma iniciativa deste tipo e a derivante adesão dos alunos de Português. A escolha foi ilustrada com passagens do título seleccionado, com imagens referentes ao autor, à capa da edição e com impressões pessoais dos alunos sobre a leitura referente, em trabalhos que se pautaram por uma considerável criatividade. Apareceram nomes de livros muito diversos. Géneros, autores, conteúdos, perspectivas diferentes, ao sabor de gostos individuais e igualmente válidos. Algumas obras escolhidas foram Alice no País das Maravilhas, Meu Pé de Laranja Lima, O Triunfo dos Porcos, A Lua de Joana, Soul Surfer (da surfista acidentada, Bethany Hamilton), Marley e Eu, O Perfume, Um Amor em Tempos de Guerra, O Velho e o Mar e Falar Verdade a Mentir. Os trabalhos (onde se destacou a turma do 10º ano TPA) foram expostos na biblioteca da escola e constituíram, também eles, um breve prazer de leitura ao estilo “wall newspaper” para quem se deteve a observá-los. Estão de parabéns os alunos que participaram por saberem escolher livremente e os professores organizadores por despertarem o gosto pela leitura e a partilha de opiniões sobre a mesma. Concluindo, esta pequena grande actividade foi das que mais contribuíram, decerto, para fomentar o gosto pelos livros, pelo toque e cheiro do papel, e pelas maravilhosas viagens que só os livros às vezes nos podem trazer. É só querer embarcar…

VII

17/


  



                                                                             

                                                                                    

                                                                                                                                                                                                                                 

                 

VIII/18

                                                                                                                                                                                                               

                            

              


Epavê