Issuu on Google+

Banda Marcial abre inscrições

Arquivo

Eduardo Gouvea

Cana Brava se consagra campeão do varzeano página 11 Equipe campeã posa para foto antes da final

Inscrições vão até 04/01 no Departamento de Cultura

página 2

Natal Iluminado 2009

Presépio em tamanho natural está concluído Fotos: Pedro Carlos Leite

Os garotos do Poas (Projeto Oficina da Artes Sacras) concluíram a confecção do presépio em tamanho natural, esculpido em argila. A obra está está exposta no Polo Cultural, com entrada franca. O Poas apresenta um conjunto de 10 peças que chegam a medir 1,90m e pesar 150 quilos. O nascimento de Jesus é assistido pelos reis magos e alguns

Avaliação do Saresp é aplicada em Iperó Em destaque, peças finalizadas do presépio feito pelos alunos do Projeto Oficina de Artes Sacras; abaixo, detalhes da exposição de natal no Pólo Cultural

animais. O projeto é uma parceria entre Prefeitura de Iperó e Fundação Educacional Ipanema e além da escultura, ensina desenho, português, matemática e cidadania a jovens da cidade. Está recebendo apoio do Criança Esperança em 2009. Leia mais na página 3.

Alunos arrecadam mais de 600kg de alimentos página 2

MAIS EXPOSIÇÕES

A prova anual do Saresp (Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Estado de São Paulo) foi realizada entre os dias 17 e 18 de novembro a todos os alunos do 3º, 5º, 7º e 9º ano do ensino fundamental de Iperó. As disciplinas avaliadas são português e matemática.


123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Ajudante Geral (1º grau completo) 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 Masculino ; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Ajudante de Obras (com 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 experiência) – Masculino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Almoxarife (com experiência, 2º 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 grau completo) – Masculino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Auxiliar de Acabamento (com 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 experiência) - Masculino ; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Auxiliar de Almoxarifado (com 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 experiência e 2º grau) – Masculino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Auxiliar Contábil (com experiência) 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 – Feminino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Auxiliar de Custos e Orçamento 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 (experiência e cursando ciências 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 contábeis) Masculino/ Feminino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Auxiliar de Departamento Pessoal 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 (com experiência) – Masculino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Auxiliar de Laminação ( 2º grau 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 completo, experiência) - Masculino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Auxiliar de Manutenção ( 2º grau, 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 experiência) - Masculino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Auxiliar de Marcenaria ( com 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 experiência) 0 Masculino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Auxiliar de Pintura ( 2º grau 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 completo, experiência) - Masculino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Auxiliar Produção (com 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 experiência) – Masculino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Conferente ( com experiência ) – 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 Masculino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Costureira ( com experiência) – 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 Feminino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Encarregado de Produção (com 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 experiência, 2º Grau completo) 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 Masculino/ Feminino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Estagiário de RH ou ADM 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 (Cursando ensino superior, com 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 experiência) – Feminino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Operador de Extrusoras (com 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 experiência) – Masculino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Operador de Fresa (com 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 experiência) – Masculino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Operador de Maquina CNC (com 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 experiência) – Masculino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Operador de Serra (com 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 experiência em serrar madeiras) – 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 Masculino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Operador de Torcedeiras (com 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 experiência) – Masculino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Operador de Trefilas (Com 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 experiência) – Masculino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Porteiro ( com experiência, carta 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 de moto) – Masculino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Preparador de Injetora (com 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 experiência) – Masculino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Repositor (com experiência) – 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 Masculino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 - Serviços Gerais ( temporário) – 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 Masculino; 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 Mais serviços 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 O PAT convoca todos os usuários a 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 recadastrarem seus dados. O Posto 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 fica no Centro da Cidadania, à rua Dr. 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 Gaspar Ricardo Júnior, n°10. O horário 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 para recadastramento é das 08:00 às 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 11:00 e das 13:00 às 16:00. 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 Veja os documentos necessários: 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 Carteira profissional, RG, CPF, 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 Cartão do PIS, Título de Eleitor, 123456789012345678901234567890121234567890123456789 123456789012345678901234567890121234567890123456789 Seguro Desemprego; 123456789012345678901234567890121234567890123456789

Vagas Iperó se antecipa com Ensino PAT

Fundamental de 9 anos

A partir de 2010, passa a valer o Ensino Fundamental de nove anos em todo o Brasil. Pelo novo sistema a criança começa o 1º ano com 6 anos e termina o 9º ano com a idade de 14 anos. A mudança não será novidade para Iperó, já que a cidade saiu na frente e, em 2008, as escolas funcionaram no novo sistema. O motivo da mudança é fortalecer a alfabetização, que começa a ser trabalhada com o aluno mais cedo. Iperó antecipou a mudança por sua vocação em potencializar a educação de crianças no início na vida escolar. “Trabalhamos para ampliar o número de crianças alfabetizadas ao máximo, e com mais

alunos de 6 anos entrando no Ensino Fundamental, mais vagas são abertas para as crianças de 4 e 5 anos nas escolas de Educação Infantil”, explica a secretária de Educação Cultura Esportes. Atualmente a rede municipal de ensino atende 5 mil alunos. Os resultados da mudança já são perceptíveis, segundo a secretária. A secretaria de Educação aplicou neste mês a Avaliação Institucional, prova usada para medir o desempenho dos alunos dos 5º e 9º anos de todas as escolas. Todos os alunos do 5º ano tiveram mais de 50% de acerto na prova, que avaliou Português, Matemática e Redação.

Inovação Os bons resultados no aprendizado das crianças, continua a secretária, é resultado de outras ações tomadas na área do ensino nos últimos anos, como a parceria com o Sesi, que trouxe seu sistema de ensino e avaliação para escolas da cidade, num movimento que vem realizando encontros e discussões com professores e diretores das escolas. Outra iniciativa inovadora foi a parceria com a empresa de brinquedos Lego, que implantou o ensino de robótica num projeto que trabalha o espírito de equipe, criatividade e raciocínio lógico.

CULTURA

Abertas as inscrições para Banda Marcial

Arquivo

Estão abertas até o dia 4 de janeiro as inscrições para a Banda Marcial de Iperó. Podem participar alunos a partir do sexto ano da rede de ensino de Iperó. As inscrições estão sendo feitas no Polo Cultural das 8 às 11 e das 13 às 16 horas.A Banda Marcial está surgindo a partir do trabalho desenvolvido há dois anos com as fanfarras das escolas. “A Banda Marcial é uma evolução da fanfarra, pois além dos tradicionais

instrumentos de percussão também há os de sopro e o corpo coreográfico”, explica o diretor de cultura. Devido às comemorações de final de ano os interessados deverão seguir ao Polo apenas nos seguintes dias: 23, 28, 29, 30 e 4. Mais informações podem ser obtidas no Departamento de Cultura através do telefone 3266-2383. O Polo Cultural fica à rua Luiz Rossi, 107, no Jardim Irene.

Inscrições vão até dia 4


9 999 99 99 99 99 9 99 99 99 99 99 99 9 99 99 99 99 99 99 99 99 99 9 99 99 99 99 99 99 9 99 99 99 99 99 99 99 99 99 9 99 99 9 99 99 9 99 9 99 99 99 99 99 99 99 99 99 99 99 9 Foram montadas mais de quarentas cestas básicas para a comunidade 99 99 99 99 99 99 9 99 99 99 99 99 99 99 99 99 9 99 99 99 99 99 99 9 99 99 Os garotos do Poas (Projeto Oficina bom, diferente”, diz Bruno Soares, 99 999 da Artes Sacras) concluíram a aluno e instrutor do projeto. 99 confecção do presépio em tamanho O projeto é uma parceria entre 9 99 Prefeitura de Iperó e Fundação 99 natural, esculpido em argila. A obra está 99 está exposta no Polo Cultural, com Educacional Ipanema e além da 9 99 escultura, ensina desenho, português, 99 entrada franca. 99 O Poas apresenta um conjunto de matemática e cidadania a jovens da 99 cidade. Está recebendo apoio do 99 10 peças que chegam a medir 1,90m e 99 pesar 150 quilos. O nascimento de Criança Esperança em 2009. 99 99 Jesus é assistido pelos reis magos e A parceria estabelecida com o 99 animais como vacas, ovelhas, jumentos Criança Esperança vai possibilitar a 99 99 e galos. compra de dois fornos, um elétrico e 9 99 As peças surpreendem pela outro a gás, que vão ser usados na 99 99 qualidade e complexidade. Há queima das peças, melhorando sua 9 9 esculturas em pé e ajoelhadas, todas resistência. 99 99 pintadas à mão e com detalhes em Neste ano o projeto já instalou um 99 9 ouro. Elas foram revestidas com uma forno a lenha na sua sede no Centro, o 99 99 substância que leva gema de ovo em prédio do Pernoite (construção histórica 99 da época da ferrovia). O projeto tem 99 sua composição. “Trabalhamos o ano 9 inteiro nessas peças, as conhecemos 99 outros dois núcleos nos bairros de 99 Bacaetava e George Oetterer, onde 99 bem. Mas é ótimo ver as pessoas 9 surpresas com elas. Muita gente vem realizaram uma exposição de suas 99 99 comentar que acha o trabalho muito obras em julho.

NATAL SOLIDÁRIO

Famílias recebem alimentos doados por alunos da rede municipal A solidariedade dos alunos da rede municipal de ensino vai melhorar o Natal de famílias carentes de Iperó. Durante o mês de novembro, os alunos arrecadaram mais de 630 quilos de alimentos não perecíveis que foram organizados em cestas de Natal. A entrega das 44 cestas começou na segunda-feira (21) no bairro de Bacaetava. Chamado de “Natal Solidário” o projeto é uma parceria das Secretarias de Educação, Cultura e Esportes e de Assistência e Desenvolvimento Social. A iniciativa também arrecadou brinquedos usados, que estão sendo estregues às crianças carentes das localidades que estão

ESCULTURA

Presépio em tamanho natural está pronto e e xposto no Polo Cultural

Peças que chegam a medir 1,90m e pesar 150 quilos

recebendo as cestas. Recebidos pela secretaria de Educação, os alimentos foram divididos pela equipe da secretaria de Assistência Social, que tem uma relação das famílias socialmente em risco da cidade. Ontem as cestas foram entregues no bairro Bela Vista e hoje as últimas serão doadas às famílias da olaria do Bela Vista e no Creas (Centro de Referência Especializado em Assistência Social) na Vila Santo Antônio. “É com a ajuda de cada um doando um pouco de si, que com pequenas ações vamos juntos construir um Natal feliz para todos” afirmou o secretário de Assistência e Desenvolvimento Social.

Polo recebe workshop sobre pais e filhos

Relações familiares foi o tema do bate papo conduzido por Jairo de Paula educador e escritor, ontem no Polo Cultural Com o nome de “Os Seus, os Meus, os Nossos Filhos – Uma Oportunidade Para Recomeçar”, o palestrante falou sobre as relações às vezes complicadas entre os membros da família, especialmente pais e filhos. Gratuito, o debate teve formato de workshop – com dinâmicas de grupo para estimular a reflexão por meio da experiência prática. Jairo falou sobre a importância de estabelecer o diálogo aberto com os filhos e sobre os benefícios que os laços familiares fortalecidos trazem para todos Após o debate, houve apresentação musical da banda Estação Geral, de Cerquilho. Organizado pela Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social, po meio do Creas (Centro de Referência Especializado em Assistência Social), o evento faz da série de workshops deste gênero que vêm sendo promovidos para a comunidade.


ATOS OFICIAIS RETIFICAÇÃO DECRETO Nº 969 , DE 07 DE DEZEMBRO DE 2.009. Dispõe sobre a 1ª Conferência Municipal de Defesa Civil a ser realizada no Município MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS, Prefeito Município de Iperó, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: ARTIGO 1º - Fica convocada a 1ª Conferência Municipal Defesa Civil, a realizarse neste município no dia 18 de dezembro de 2009 das 14h às 15h30 na sede da Fundação Pátria localizada na Rua José Antônio Scaciota, nº 165, Portal do Cedro.

MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS Prefeito Municipal Publicado nesta Secretaria, em 07 de dezembro de 2.009. MÁRIO SÉRGIO NICOLAU Secretário de Administração e Finanças DECRETO Nº 974, DE 07 DE DEZEMBRO DE 2.009. Altera o Decreto nº 915, de 25 de maio de 2.009 que Nomeia Membros do Conselho Municipal de Alimentação Escolar – CAE para a Gestão 2009/2011. MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS, Prefeito Município de Iperó, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, e

§ 1º - O Sr. Comandante Emanuel Severino de Souza, Coordenador Municipal de Defesa Civil será o Presidente da 1ª Conferência Municipal de Defesa Civil e em sua ausência ou impedimento, a Presidência da Conferência caberá a pessoa que este designar.

CONSIDERANDO a alteração dos membros do Conselho de Alimentação Escolar procedida pelo artigo 18 da Lei Federal nº 11.947/2009 que substituiu os membros do Poder Legislativo por mais um membro da sociedade civil; e

§ 2º - A realização da 1ª Conferência Municipal de Defesa Civil será coordenada por uma Comissão Organizadora Municipal, a ser instituída por ato do Prefeito Municipal.

CONSIDERANDO a necessidade de adequar o mencionado Conselho conforme determinado no Comunicado nº 39 428/CGPAE/ DIRAE/FNDE do Programa Nacional de Alimentaç ã o Escolar

§ 3º - A 1ª Conferência Municipal de Defesa Civil atenderá ao estabelecido em regimento interno, aprovado pela Comissão Organizadora Estadual ou pela Comissão Organizadora Nacional, em consonância com o regimento interno da Conferência Nacional de Defesa Civil, dispondo sobre organização, funcionamento e processo de escolha dos delegados. ARTIGO 2º - A 1ª Conferência Municipal de Defesa Civil terá como objetivo: I - Realizar a análise das ações de Defesa Civil no nível municipal e demais organismos do Sistema Nacional de Defesa Civil - SINDEC, previstos no Decreto Presidencial nº 5376 de 17 de fevereiro de 2005; II - Definir diretrizes para a reorganização do SINDEC a nível municipal, estadual e nacional, e das ações de Defesa Civil com ênfase nos princípios da Prevenção e Assistência Humanitária, como política de Estado para a garantia de desenvolvimento social; e III - Definir diretrizes que possibilitem o fortalecimento da participação social no planejamento, gestão e operacionalização do SINDEC. PARÁGRAFO ÚNICO - O tema da 1ª Conferência Municipal de Defesa Civil será “Defesa Civil: Prevenção e Assistência Humanitária Por uma ação integral e contínua. ARTIGO 3º - As despesas com a realização da 1ª Conferência Municipal de Defesa Civil correrão à conta de recursos orçamentários deste Município. ARTIGO 4º - Este Decreto entrará em vigor nesta data. PREFEITURA MUNICIPAL DE IPERÓ, EM 07 DE DEZEMBRO DE 2.009.

RESOLVE: ARTIGO 1º - O Conselho Municipal de Alimentaç ã o Esc olar, de acordo com a Lei Municipal nº 308 de 18 de abril de 2001, passa a ser constituído dos seguintes Membros: I - Representante do Poder Executivo: Titular: SAMYRA PIMENTA PEREIRA FRANKLIN FERRARI Suplente: LUIZA MONISE DOS ANJOS MENDES II - Representante dos Professores: Titular: WILES RENATO DA SILVA Suplente: SANDRA BATISTA Titular: JULIANA APARECIDA DE PAULA Suplente: EDUARDO SANCHEZ ALBANEZ III - Representante dos Pais e Alunos: Titular: CAROLINA APARECIDA DOS SANTOS BORGES Suplente: ANDRÉIA DE OLIVEIRA Titular: AMÉLIA PRESTES DOS SANTOS Suplente: ELISABETE APARECIDA CARDOSO ROCHA IV - Representantes da Sociedade Civil: Titular: VALDIR NUNES BOTECHIA Suplente: IRADES APARECIDA ALBIERI Titular: ARACY CARDOSO ROCHA Suplente: SANDRA REGINA VIEIRA DE CAMPOS ARTIGO 2º – Este Decreto retroagirá seus efeitos à data de 25/05/2009, revogando as disposições em contrário, em especial o Decreto n° 915, de 25/05/2009. PREFEITURA MUNICIPAL DE IPERÓ, EM 07 DE DEZEMBRO DE 2.009. MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS Prefeito Municipal

Publicado nesta Secretaria, em 07 de dezembro de 2.009. MÁRIO SÉRGIO NICOLAU Secretário de Administração e Finanças RETIFICAÇÃO LEI Nº 693, DE 06 DE JULHO DE 2009. “Estabelece as diretrizes a serem observadas na elaboração da Lei Orçamentária do Município de Iperó para o exercício de 2010 e dá outras providências” VANDERLEI POLIZELI, Prefeito em Exercício do Município de Iperó, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, FAZ SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL APROVOU E ELE SANCIONA E PROMULGA A SEGUINTE LEI: Artigo 1º - Esta Lei orienta a elaboração da Lei Orçamentária para o exercício de 2010 e dispõe sobre as alterações na legislação tributária. §1º – Dispõe esta Lei, dentre outras matérias, também sobre o equilíbrio das finanças públicas e critérios e forma de limitação de empenho, sobre o controle de custo e avaliação dos resultados dos programas, sobre condições e exigências para transferências de recursos para entidades públicas e privadas, sobre a autorização referida no artigo 169, §1º, da Constituição e compreende os anexos de que tratam os §§ 1º a 3º, do artigo 4º, da Lei Complementar nº 101, de 04 de maio de 2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal). §2 º – As categorias econômicas e de programação correspondem, respectivamente, ao nível superior das classificações econômica (Receita e Despesas Correntes e de Capital) e programática.

Demonstrativo VII - Estimativa e compensação da renúncia de receita;

Demonstrativo VIII - Margem de expansão das despesas obrigatórias de caráter continuado.

Artigo 3º - Os passivos contingentes e outros riscos capazes de afetar as contas públicas estão avaliados no Anexo II (Demonstrativo de Riscos Fiscais e Providências), onde são informadas as medidas a serem adotadas pelo Poder Executivo caso venham a se concretizar.

Parágrafo único - Para os fins deste artigo consideram-se passivos contingentes e outros riscos fiscais, possíveis obrigações presentes cuja existência será confirmada somente pela ocorrência ou não de um ou mais eventos futuros, que não estejam totalmente sob controle do Município.

Artigo 4º - A Câmara Municipal elaborará sua proposta orçamentária e a remeterá ao Executivo até o dia 31 de agosto de 2009.

§ 1º - O Executivo encaminhará à Câmara Municipal, até 30 (trinta) dias antes do prazo fixado no “caput”, os estudos e estimativas das receitas para o exercício de 2010, inclusive da receita corrente líquida.

§ 2º - Os créditos adicionais suplementares de dotações do Legislativo, serão abertos por Decreto do Executivo, se houver autorização legislativa, no prazo de até 02 (dois) dias úteis contados da solicitação daquele poder.

Artigo 5º - Na elaboração da lei orçamentária e em sua execução, a Administração buscará o equilíbrio das finanças públicas considerando, sempre, ao lado da situação financeira, o cumprimento das vinculações constitucionais e legais e a imperiosa necessidade de prestação adequada de serviços públicos.

§3º – As informações gerenciais e as fontes financeiras agregadas nos créditos orçamentários serão desdobradas e ajustadas diretamente pelos órgãos contábeis do Executivo e do Legislativo para atender as necessidades da execução orçamentária.

Parágrafo único - São vedados aos ordenadores de despesa quaisquer procedimentos que viabilizem a execução de despesas sem suficiente disponibilidade de dotação orçamentária.

Artigo 2º - As metas de resultados fiscais do Município para o exercício de 2010 são as estabelecidas no Anexo 1 (Metas Fiscais), integrante desta Lei, desdobrado em:

Artigo 6º - A lei orçamentária não consignará recursos para início de novos projetos se não estiverem adequadamente atendidos os em andamento e contempladas as despesas de conservação do patrimônio público.

Demonstrativo I - Metas anuais; Demonstrativo II - Avaliação do cumprimento das metas fiscais do exercício anterior; Demonstrativo III - Metas fiscais atuais comparadas com as fixadas nos três exercícios anteriores; Demonstrativo IV - Evolução do patrimônio líquido;

§ 1º - A regra constante do “caput” deste artigo aplica-se no âmbito de cada fonte de recursos, conforme vinculações legalmente estabelecidas.

-§ 2º- Entende-se por adequadamente atendidos os projetos cuja alocação de recursos orçamentários esteja compatível com os respectivos cronogramas físico-financeiros pactuados e em vigência.

Demonstrativo V - Origem e aplicação dos recursos obtidos com a alienação de ativos;

Artigo 7º - A lei orçamentária conterá reserva de contingência para atender passivos contingentes e outros riscos e eventos fiscais imprevistos.

Demonstrativo VI - Receitas e despesas previdenciárias do RPPS e Projeção atuarial do RPPS;

§ 1º - A reserva de contingência será fixada em no máximo 01% (um por cento) da


receita total e sua utilização dar-se-á mediante créditos adicionais abertos à sua conta.

§ 2º - Na hipótese de ficar demonstrado que a reserva de contingência não precisará ser utilizada para sua finalidade, o saldo e poderá ser utilizado para amparar a abertura de créditos adicionais para outros fins, observado o disposto no artigo 42 da Lei nº e 4320/64. e Artigo 8º - Fica o Executivo autorizado a arcar com as despesas de responsabilidade e de outras esferas do Poder Público, desde que s haja recursos orçamentários disponíveis, lei I autorizadora e estejam firmados os e respectivos convênios, termos de acordo, s ajuste ou congêneres.

r

e s s a s e

Artigo 9º - Para os fins do disposto no artigo 16, § 3º, da Lei de Responsabilidade Fiscal, consideram-se irrelevantes as despesas com aquisição de bens ou de serviços e com a realização de obras e serviços de engenharia, até os valores de dispensa de licitação estabelecidos respectivamente, nos incisos I e II do artigo 24, da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Artigo 10 - Até 30 (trinta) dias após a l a publicação da Lei Orçamentária para 2010, o o Poder Executivo estabelecerá a programação financeira e o cronograma mensal de desembolso, de modo a compatibilizar a à realização de despesas ao efetivo ingresso o das receitas municipais.

e e

§1º - Integrarão a programação financeira as transferências financeiras do tesouro municipal para os órgãos da s administração indireta e destes para o tesouro , municipal. e § 2º - O repasse de recursos financeiros e o do Executivo para o Legislativo fará parte da programação financeira e do cronograma de que trata este artigo, devendo ocorrer na forma i de duodécimos a serem pagos até o dia 20 de a cada mês.

s Artigo 11 - No mesmo prazo previsto o s no “caput” do artigo anterior, o Poder Executivo a Municipal estabelecerá metas bimestrais para o a realização das receitas estimadas.

s r e e

o s e s o

§ 1º - Na hipótese de ser constatada, após o encerramento de cada bimestre, frustração na arrecadação de receitas, capaz de comprometer a obtenção dos resultados nominal e primário fixados no Anexo de Metas Fiscais, por atos a serem adotados nos trinta dias subseqüentes, a Prefeitura limitará o empenho e movimentação financeira, em montantes necessários à preservação dos resultados almejados, devendo comunicar o fato ao poder legislativo, para conhecimento. § 2º – Fica suprimida a Redação do Parágrafo 2º do Artigo 11.

e § 3º - Na limitação de empenho e e e movimentação financeira, serão adotados critérios que produzam o menor impacto possível nas ações de caráter social, e particularmente nas de educação, saúde e e assistência social, e na compatibilização dos m recursos vinculados.

s

§ 4º - Não serão objeto de limitação de empenho e movimentação financeira as á despesas que constituam obrigações r constitucionais e legais do Município, inclusive e as destinadas ao pagamento do serviço da dívida e precatórios judiciais.

§ 5º - A limitação de empenho e á a movimentação financeira também será adotada na hipótese de ser necessária a redução de

eventual excesso da dívida consolidada, obedecendo-se ao que dispõe o artigo 31 da Lei Complementar nº 101/00. § 6º - Na ocorrência de calamidade publica, serão dispensadas a obtenção dos resultados fiscais programados e a limitação de empenho enquanto perdurar essa situação, nos termos do disposto no artigo 65 da Lei Complementar nº 101/00. § 7º - A limitação de empenho e movimentação financeira poderá ser suspensa, no todo ou em parte, caso a situação de frustração na arrecadação de receitas se reverta nos bimestres seguintes. Artigo 12 - Desde que respeitados os limites e vedações previstos nos artigos 20 e 22, parágrafo único, da Lei Complementar nº 101/00, e cumpridas as exigências previstas nos artigos 16 e 17 do referido diploma legal, fica autorizado o aumento da despesa com pessoal para: I – A concessão de vantagem ou aumento de remuneração, criação de cargos, empregos e funções ou alteração de estrutura de carreira, desde que o Processo seja enviado à Câmara Municipal de Iperó e esta o autorize; II - Admissão de pessoal ou contratação a qualquer título. § 1º - Os aumentos de despesa de que trata este artigo somente poderão ocorrer se houver: I - Prévia dotação orçamentária suficiente para atender às projeções de despesa de pessoal e aos acréscimos dela decorrentes; II - Lei específica para as hipóteses previstas no inciso I, do caput; III - No caso do Poder Legislativo, observância aos limites fixados nos artigos 29 e 29-A da Constituição Federal. § 2º - Na hipótese de ser atingido o limite prudencial de que trata o artigo 22 da Lei Complementar nº 101, de 04 de maio de 2000, a contratação de horas extras somente poderá ocorrer nos casos de calamidade pública, na execução de programas emergenciais de saúde pública ou em situações de extrema gravidade, devidamente reconhecidas pelo respectivo Chefe do Poder. Artigo 13 - Fica autorizada a revisão geral anual de que trata o artigo 37, inciso X, da Constituição, cujo percentual será definido em lei específica. Artigo 14 -- Para atender o disposto no artigo 4º, I, “e”, da Lei Complementar nº 101/ 00, os chefes dos Poderes Executivo e Legislativo adotarão providências junto aos respectivos setores de contabilidade e orçamento para, com base nas despesas liquidadas, apurarem os custos e resultados das ações e programas estabelecidos. Artigo 15 – As transferências de que trata o artigo 26 da Lei de Responsabilidade Fiscal, somente serão feitas sob a condição de que haja crédito orçamentário e disponibilidade na programanção financeira. §1º – É vedada a destinação de recursos a entidade privada em que agente político de Poder ou do Ministério Público, tanto quanto dirigente de órgão ou entidade da administração pública, de qualquer esfera governamental, ou respectivo cônjuge ou companheiro, bem como parente em linha reta,

colateral ou por afinidade, até o segundo grau, seja dirigente.

de engenharia e de educação de trânsito na vias terrestres municipais.

§2º – Observado o disposto no caput, ficam autorizadas as destinações diretas e indiretas de recursos a pessoas físicas desde que em atendimento à recomendação expressa de unidade competente da Administração.

Artigo 2º - Fica o Poder Executivo Municipal autorizado a celebrar Convênio com o Governo do Estado de São Paulo, atravé da Secretaria da Segurança Pública e outro Órgãos, necessários a implantação da municipalização do trânsito, sua manutenção bem como sua operacionalização, atendendo ao que preceituam os artigos 19 e 320 da Le nº 9.503/97 e a Resolução 263/07 do CONTRAN.

Artigo 16 - A concessão ou ampliação de incentivo ou benefício de natureza tributária da qual decorra renúncia de receita só será promovida se atendidas as exigências do artigo 14 da Lei de Responsabilidade Fiscal e após publicados os elementos de que tratam os respecitos incisos I e II. Artigo 17 - Até o momento da publicação da Lei Orçamentária, se esta ocorrer depois de encerrado o exercício de 2009, ficam os Poderes Executivo e Legislativo autorizados a realizar despesas observado o limite mensal de 1/12 (um doze avos) de cada programa da proposta original encaminhada ao Legislativo.

Artigo 3º - As receitas e despesas do FUMTRAN serão gerenciadas pela Secretaria de Administração e Finanças e administrada pela Secretaria de Governo.

Parágrafo único - O órgão arrecadado enviará trimestralmente a esta câmara, para a Comissão de Finanças e Orçamentos, relação de todos os valores recebidos, em matéria de multa e outras entradas financeiras. Artigo 4º- São receitas do FUMTRAN:

Parágrafo único - Ocorrendo a hipótese deste artigo as providências de que tratam os caputs dos artigos 12 e 13 serão efetivadas no mês de janeiro de 2010.

I - A arrecadação do valor das multa previstas na legislação de trânsito, po infrações praticadas no uso das via terrestres municipais;

Artigo 18 – Fica o Executivo autorizado a efetuar durante o exercício de 2010 transferências de recursos de uma categoria de programação para outra ou de um órgão para outro, quando necessárias em função de reorganização administrativa, desde que o Processo seja enviado à Câmara Municipal de Iperó e essa o autorize.

II - Os rendimentos e os juros proveniente das aplicações financeiras;

Artigo 19 – O estabelecimento das metas e prioridades da administração municipal para o exercício de 2010, de acordo com o disposto no artigo 165, §2º, da Constituição, far-se-á, excepcionalmente, no âmbito da Lei do Plano Plurianual do período 2010/2013. Artigo 20 – Esta Lei entrará em vigor na data da sua publicação. PREFEITURA MUNICIPAL DE IPERÓ, 06 DE JULHO DE 2009. VANDERLEI POLIZELI Prefeito Municipal em Exercício Publicada nesta Secretaria, em 06 de julho de 2009. MÁRIO SÉRGIO NICOLAU Secretário de Administração e Finanças Lei Municipal n° 693, de 06 de julho de 2009 Página 07/07. LEI Nº 709, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2.009. Dispõe sobre a criação do Fundo Municipal do Trânsito de Iperó FUMTRAN e dá outras providências. MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS, Prefeito Municipal de Iperó, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, FAZ SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL APROVOU E ELE SANCIONA E PROMULGA A SEGUINTE LEI: Artigo 1º - Fica criado o Fundo Municipal de Trânsito de Iperó FUMTRAN, que tem por finalidade administrar e criar condições financeiras e de gerenciamento dos recursos destinados ao desenvolvimento das ações de controle, fiscalização, policiamento, serviços

III - Os valores deduzidos de Hasta Pública de veículos e animais apreendidos na forma da lei;

IV - A arrecadação das multas aplicada relativas a legislação municipal que dispõe sobre caçambas de recolhimento de entulhos

V - A arrecadação resultante da utilização de serviços de guinchos e estadias;

VI - A arrecadação proveniente da exploração do espaço urbano público, com equipamento de utilidade pública, pela iniciativa privada;

VII - A arrecadação proveniente da exploração publicitária utilizando-se de sistemas de sinalização vertical ou horizonta concedidas à iniciativa privada;

VIII - Doações feitas diretamente para o FUMTRAN; IX - Dotações orçamentárias; X - Créditos suplementares especiais;

XI - Outras receitas que estejam ou venham a ser legalmente constituídas.

§ 1º - A receita do FUMTRAN será depositada, recolhida ou transferida para conta única exclusiva do Fundo, em estabelecimento bancário oficial, gerida pela Secretaria de Administração e Finanças.

§ 2º - O saldo porventura existente ao término de um exercício financeiro, constituirá parcela de receita do exercício subseqüente até sua integral aplicação.

Artigo 5º - Constituem despesas do FUMTRAN:

I - Financiamento total ou parcial de despesas com custeio ou capital de programa integrados de educação para o trânsito desenvolvidos pela Secretaria de Educação Cultura e Esporte e pelo Departamento Municipa de Trânsito DEMUTRAN.


II - Pagamento de despesas, em razão de convênios necessários à implantação da estrutura da municipalização do trânsito, consoante a legislação em vigor;

III - Aquisição de material permanente e de consumo, e de outros produtos necessários à implantação e manutenção da malha viária, bem como dos dispositivos de controle e de sinalização;

IV - Pagamento pela prestação de serviços e contratação de empresas ou entidades para estudos, projetos e implantação específicos dos setores de trânsito e pedestres.

Artigo 6º- Fica o Poder Executivo autorizado a suplementar as dotações do FUMTRAN, sempre que houver necessidade.

Artigo 7º - As despesas com a execução da presente Lei correrão por conta de dotações orçamentárias próprias, através da Secretaria de Governo e Departamentos, suplementadas se necessário.

Artigo 8º - Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. PREFEITURA MUNICIPAL DE IPERÓ, 11 DE DEZEMBRO DE 2.009. MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS Prefeito Municipal Publicada nesta Secretaria, em 11 de dezembro de 2.009.

100,00m até o ponto 4, confrontando do ponto 3 ao 4 com o remanescente da Fazenda São Jorge de propriedade de George Augusto Nascimento Oetterer e s/m Cecy Monterio Oetterer; daí deflete à direita e segue em linha reta com azimute de 42º36’33" a distância de 50,00m até o ponto 5, confrontando do ponto 4 ao 5 com Gleba “A”; daí deflete à direita e segue em linha reta com azimute de 132º36’33" a distância de 133,55m até o ponto 1, ponto de início desta descrição, confrontando do ponto 5 ao 1com a rua Projetada, encerrando a área de 5.862,51m2. Artigo 2º - A área de 5.862,51m², descritiva no artigo anterior e objeto desta doação destinar-se-á a construção escolar em atendimento ao Convênio Programa de Ação Cooperativa Estado-Município para Construções Escolares.

Da Estimativa da Receita Artigo 2º – A receita orçamentária é estimada na forma dos anexos a esta Lei em R$ 42.481.000,00 (Quarenta e dois milhões, quatrocentos e oitenta e um mil reais) e se desdobra em:

I – R$ 40.371.500,00 (quarenta milhões, trezentos e setenta e um mil e quinhentos reais) do orçamento fiscal; e

II – R$ 2.109.500,00 (dois milhões, cento e nove mil e quinhentos reais) do orçamento da seguridade social. Artigo 3º – A receita será arrecadada na forma da legislação em vigor, com estimativa constante no seguinte desdobramento: ESPECIFICAÇÃO 1ͲADMINISTRAÇÃODIRETA RECEITASCORRENTES receitatributária receitadecontribuições

FISCAL

SEGURIDADESOCIAL

 

 

TOTAL  

R$5.088.200,00 R$360.000,00

R$50.000,00 R$Ͳ

R$5.138.200,00 R$360.000,00

MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS Prefeito Municipal

receitapatrimonial receitadeserviços transferênciascorrentes outrasreceitascorrentes fundeb  subtotal

R$361.800,00 R$463.000,00 R$35.396.500,00 R$990.000,00 R$(4.188.000,00)  R$38.471.500,00

R$60.000,00 R$Ͳ R$1.765.000,00 R$34.500,00 R$Ͳ  R$1.909.500,00

R$421.800,00 R$463.000,00 R$37.161.500,00 R$1.024.500,00 R$(4.188.000,00)  R$40.381.000,00

Publicada nesta Secretaria, em 21 de dezembro de 2.009.

 RECEITASDECAPITAL alienaçãodebens

  R$470.000,00

 R$Ͳ

  R$470.000,00

transferênciasdecapital  subtotal

R$1.430.000,00  R$1.900.000,00

R$200.000,00  R$200.000,00

R$1.630.000,00  R$2.100.000,00

Artigo 3º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. PREFEITURA MUNICIPAL DE IPERÓ, 21 DE DEZEMBRO DE 2.009.

MÁRIO SÉRGIO NICOLAU Secretário de Administração e Finanças

MÁRIO SÉRGIO NICOLAU Secretário de Administração e Finanças

 TOTALDAADMINISTRAÇÃO DIRETA







R$40.371.500,00

 R$2.109.500,00

R$42.481.000,00

SEÇÃO II LEI Nº 711, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2.009. LEI Nº 715, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2.009. “Dispõe sobre a autorização para doação de terreno da Municipalidade para a Fazenda Pública do Estado de São Paulo e dá outras providências.”

MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS, Prefeito Municipal de Iperó, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, FAZ SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL APROVOU E ELE SANCIONA E PROMULGA A SEGUINTE LEI:

Artigo 1º - Fica o Chefe do Poder Executivo Municipal autorizado a doar a Fazenda Pública do Estado de São Paulo a área declarada de utilidade pública pela Municipalidade em 11 de agosto de 2009, através do Decreto nº 939/ 2009 e na qual foi imitida na posse em 22/09/ 2009 através do competente processo de desapropriação, parte do imóvel constante da matrícula nº 5.469 do Cartório de Registro de Imóveis da Comarca de Porto Feliz/SP e localizado no Prolongamento da Avenida Augusta na Fazenda São Jorge. Bairro de George Oetter neste Município, com a seguinte descrição:

Inicia-se no ponto 1 na esquina das ruas Projetada e Prolongamento da Avenida Augusta, daí segue em linha reta com azimute de 248º37’22" a distância de 5,77m até o ponto 2; daí deflete à direita e segue em linha reta com azimute de 257º18’01" a distância de 54,51m, até o ponto 3, confrontando do ponto 1 ao 3 com a Prolongamento da Av. Augusta; daí deflete à direita e segue em linha reta com azimute de 312º36’33" a distância de

“Estima a Receita e Fixa a Despesa do Município de Iperó, para o Exercício de 2010, e dá outras providências.” MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS, Prefeito Municipal de Iperó, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, FAZ SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL APROVOU E ELE SANCIONA E PROMULGA A SEGUINTE LEI: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º – Esta Lei estima a receita e fixa a despesa do município para o exercício financeiro de 2010, compreendendo: I – O orçamento fiscal referente aos Poderes do Município, seus fundos especiais, órgãos e entidades da administração direta. II – O orçamento da seguridade social, abrangendo entidades e órgãos a ela vinculados, da administração direta, bem como os fundos instituídos e mantidos pelo Poder Público. Parágrafo único – As categorias econômica e de programação correspondem, respectivamente, ao nível superior das classificações econômica (Receitas e Despesas Correntes e de Capital) e programática (Programas). CAPÍTULO II DOS ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL SEÇÃO I

Da Fixação da Despesa Artigo 4º – A despesa do Município é fixada na forma dos anexos a esta Lei em R$ 42.481.000,00 (quarenta e dois milhões, quatrocentos e oitenta e um mil reais), na seguinte conformidade: I – R$ 32.838.300,00 (trinta e dois milhões, oitocentos e trinta e oito mil e trezentos reais) do orçamento fiscal; e II – R$ 9.642.700,00 (nove milhões, seiscentos e quarenta e dois mil e setecentos reais) do orçamento da seguridade social. Artigo 5º - A despesa fixada está assim desdobrada: I – Por categoria econômica:  ESPECIFICAÇÃO 1ͲADMINISTRAÇÃODIRETA

FISCAL

SEGURIDADESOCIAL

TOTAL







DESPESASCORRENTES

R$23.523.500,00

R$8.423.700,00

R$31.947.200,00

DESPESASDECAPITAL

R$8.957.800,00

R$1.219.000,00

R$10.176.800,00

RESERVADECONTINGÊNCIA

R$357.000,00

R$Ͳ

R$357.000,00









TotaldaAdministraçãoDireta

R$32.838.300,00

R$9.642.700,00

R$42.481.000,00

II – Por órgãos de governo:

ESPECIFICAÇÃO

FISCAL

SEGURIDADESOCIAL

TOTAL

1ͲADMINISTRAÇÃODIRETA







câmaramunicipal chefiadopoderexecutivo secretariadegoverno secretariadeplanej.desenvolvimento secretariadeadm.finanças secretariadeeducação,culturaeesportes

R$1.384.000,00 R$355.000,00 R$1.684.000,00 R$298.000,00 R$3.081.000,00 R$19.289.500,00

R$Ͳ R$38.000,00 R$Ͳ R$Ͳ R$557.000,00 R$120.000,00

R$1.384.000,00 R$393.000,00 R$1.684.000,00 R$298.000,00 R$3.638.000,00 R$19.409.500,00

secretariadeobraseengenharia secretariadasaúde

R$3.102.000,00 R$Ͳ

R$579.000,00 R$7.080.700,00

R$3.681.000,00 R$7.080.700,00

Lei nº 711, de 21 de dezembro de 2009 – Pág. 03/06.


secretariadeassist.desenv.social secretariameiorural,ambienteeturismo secretariadetransporteseserv.municipais  TotaldaAdministraçãoDireta

o 2ͲRESERVADECONTINGENCIA reservadecontingencia 

a Totaldomunicípio

R$Ͳ R$671.000,00 R$2.616.800,00  R$32.481.300,00

R$1.268.000,00 R$Ͳ R$Ͳ  R$9.642.700,00

R$1.268.000,00 R$671.000,00 R$2.616.800,00  R$42.124.000,00







R$357.000,00 

R$Ͳ 

R$357.000,00 

R$32.838.300,00

R$9.642.700,00

R$42.481.000,00

a III – Por funções:

ESPECIFICAÇÃO

FISCAL

SEGURIDADESOCIAL

TOTAL

01ͲLEGISLATIVA 02ͲJUDICIÁRIA 03ͲESSENCIALAJUSTIÇA 04ͲADMINISTRAÇÃO 06ͲSEGURANÇAPÚBLICA 08ͲASSISTÊNCIASOCIAL 09ͲPREVIDÊNCIASOCIAL 10ͲSAÚDE

R$1.391.000,00 R$245.000,00 R$350.000,00 R$3.629.000,00 R$755.000,00 R$Ͳ R$Ͳ R$Ͳ

R$Ͳ R$Ͳ R$Ͳ R$Ͳ R$Ͳ R$1.561.000,00 R$477.000,00 R$7.604.700,00

R$1.391.000,00 R$245.000,00 R$350.000,00 R$3.629.000,00 R$755.000,00 R$1.561.000,00 R$477.000,00 R$7.604.700,00

11ͲTRABALHO 12ͲEDUCAÇÃO 13ͲCULTURA 15ͲURBANISMO 16ͲHABITAÇÃO 17ͲSANEAMENTO 18ͲGESTÃOAMBIENTAL 20ͲAGRICULTURA

R$18.000,00 R$18.352.500,00 R$622.000,00 R$3.664.800,00 R$580.000,00 R$460.000,00 R$210.000,00 R$208.000,00

R$Ͳ R$Ͳ R$Ͳ R$Ͳ R$Ͳ R$Ͳ R$Ͳ R$Ͳ

R$18.000,00 R$18.352.500,00 R$622.000,00 R$3.664.800,00 R$580.000,00 R$460.000,00 R$210.000,00 R$208.000,00

22ͲINDÚSTRIA 23ͲCOMÉRCIOESERVIÇOS 26ͲTRANSPORTES 27ͲDESPORTOELAZER 28ͲENCARGOSESPECIAIS 99ͲRESERVADECONTINGENCIA

R$680.000,00 R$15.000,00 R$170.000,00 R$568.000,00 R$570.000,00 R$350.000,00

R$Ͳ R$Ͳ R$Ͳ R$Ͳ R$Ͳ R$Ͳ

R$680.000,00 R$15.000,00 R$170.000,00 R$568.000,00 R$570.000,00 R$350.000,00









TOTALDOMUNICÍPIO

R$32.838.300,00

R$9.642.700,00

R$42.481.000,00

0

Lei nº 711, de 21 de dezembro de 2009 – Pág. 04/06.

CAPITULO III DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E FINAIS Artigo 6º – Fica o chefe do Executivo autorizado a abrir créditos suplementares às dotações dos orçamentos contidos nesta Lei: I – até o limite de 25% (vinte e cinco por cento) da despesa total fixada no artigo 4º; e II – até o limite da dotação consignada como Reserva de Contingência. Artigo 7º – No decurso da execução orçamentária fica o Chefe do Executivo autorizado a abrir créditos suplementares: I – necessários ao cumprimento de vinculações constitucionais, legais e de convênios ou congêneres, até o limite das sobras de exercícios anteriores desses recursos e do seu excesso de arrecadação em 2010; II – vinculados a operações de crédito, até o limite dos valores contratados, desde que não incluídos na estimativa de receita constante desta Lei; III – destinados a cobrir insuficiências nas dotações orçamentárias dos grupos de natureza de despesa “Pessoal e Encargos Sociais”, “Juros e Encargos da Dívida” e “Amortização da Dívida” até o limite da soma dos valores atribuídos a esses grupos; IV – destinados ao reforço de dotações de ações utilizando a anulação de outras dotações nos termos do artigo 43, § 1º, inciso III, da Lei nº 4.320/64, até o limite de ¼ (um quarto) da receita  prevista para o exercício; 

 Artigo 8º – Fica o Executivo autorizado a realizar, no curso da execução orçamentária,  operações de crédito nas espécies, limites e condições estabelecidas em Resolução do Senado

Federal e na legislação federal pertinente, especialmente na Lei Complementar nº 101, de 04 de maio de 2000.

Artigo 9º – As metas fiscais de receita, despesa, resultados primário e nominal, apurados segundo esta Lei, constantes do Demonstrativo da Compatibilidade da Programação do Orçamento com as Metas de Resultados Fiscais, atualizam as metas fixadas na Lei de Diretrizes Orçamentárias do exercício de 2010.

Parágrafo Único - O conteúdo do Plano Plurianual das Diretrizes Orçamentárias considera-se modificado por esta Lei Orçamentária e pelas alterações desta efetivadas mediante créditos adicionais.

MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS Prefeito Municipal

Artigo 10º – As despesas empenhadas e não pagas até o final do exercício de 2010 serão inscritas em restos a pagar e terão validade até 31 de dezembro do ano subsequente, inclusive para efeito de comprovação dos limites constitucionais de aplicação de recursos na áreas da educação e da saúde.

MÁRIO SÉRGIO NICOLAU Secretário de Administração e Finanças

Art. 10 – A - O poder Executivo procederá as adequações necessárias para efetivar as alterações aos anexos desta Lei, oriundas das emendas parlamentares de número 01 ao 28 do PPA, aprovadas pelo plenário desta casa de Leis. Artigo 11º – Esta Lei entrará em vigor em 1º de janeiro de 2010. PREFEITURA MUNICIPAL DE IPERÓ, 21 DE DEZEMBRO DE 2.009. MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS Prefeito Municipal Publicada nesta Secretaria, em 21 de dezembro de 2.009. MÁRIO SÉRGIO NICOLAU Secretário de Administração e Finanças

LEI Nº 712, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2.009. (Autoria dos Vereadores: Francisco Antonio Coutinho, Joel Francisco de Almeida, Ivo Paula Leite, Sergio Antonio Nery, Fabiano Cardoso Boa Sorte, Alysson Alessandro de Barros, Luis Fernando Paula Leite e José Amilton de Camargo) “Denominação de Logradouro Público” MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS, Prefeito Municipal de Iperó, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, FAZ SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL APROVOU E ELE SANCIONA E PROMULGA A SEGUINTE LEI: Artigo 1º – Fica denominado a Escola localizada na Rua Soares, Bairro Villeta em George Oetterer de “E.M. FRANCISCO ADOLFO DE VARNHAGEM” (Visconde de Porto Seguro). Artigo 2º – A Câmara Municipal fará a divulgação desta Lei às concessionárias de serviços públicos (SABESP, CPFL, Correios, Auto Viação São Jorge, DER, Etc.) Artigo 3º - As despesas decorrentes desta Lei serão atendidas pelo Orçamento Vigente, suplementadas se necessário. Artigo 4º - Esta Lei entrará em vigor a partir da data da sua publicação, revogadas as disposições disposições em contrário. PREFEITURA MUNICIPAL DE IPERÓ, 21 DE DEZEMBRO DE 2.009.

Publicada nesta Secretaria, em 21 de dezembro de 2.009.

LEI Nº 713, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2.009.

“Reverte parcialmente ao Patrimônio Público Municipal o Imóvel Doado pela Lei nº 172, de 03 de dezembro de 1997.”

MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS, Prefeito Municipal de Iperó, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, FAZ SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL APROVOU E ELE SANCIONA E PROMULGA A SEGUINTE LEI:

Artigo 1º - Fica revertido parcialmente ao Patrimônio Público Municipal, o imóvel doado pel Lei nº 172, de 03 de dezembro de 1997, que autorizou o Executivo a doar o imóvel nela descrito para a empresa J.G. MORIYA REPRESENTAÇÃO IMPORTADORA E EXPORTADORA COMERCIAL LTDA com área total de 21.570,81 m², conforme memorial descritivo que segue. MEMORIAL DESCRITIVO DA ÁREA TOTAL

Um terreno com área de 21.570,81m², localizado no Distrito Industrial, com frente para a Avenida José Pedro da Silva, lado par, neste Município de Iperó, Comarca de Porto Feliz, com a seguinte descrição:

Inicia-se no ponto 1, localizado na Avenida José Pedro da Silva, lado par, a 217,00 metros, da Avenida Paulo Antunes Moreira, onde segue em linha reta a distância de 130,00 metros, até encontrar com o ponto 2, onde deflete à direita e segue por curvatura, confrontando com a Avenida José Pedro da Silva a distância de 10,00 metros até encontrar o ponto 3, onde segue em linha reta a distância de 149,00 metros, confrontando ainda com a Avenida José Pedro da Silva até encontrar o ponto 4, onde deflete à direita e segue em linha reta à distância de 240,00 metros, confrontando com propriedade de Petrowax até encontrar o ponto 5, onde deflete à direita e segue em linha reta à distância de 116,00 metros, confrontando com propriedade de Estação Madeira, até encontrar o ponto 1, marco inicial desta descrição, fechando o perímetro.

Artigo 2º - A área a ser revertida totalizará 8.134,75m², conforme segue: MEMORIAL DESCRITIVO

Um terreno com área de 8.134,75m², localizado do Distrito Industrial, com frente para a Avenida José Pedro da Silva, lado par, neste Município de Iperó, Comarca de Porto Feliz, com as seguintes medidas e confrontações:

Inicia-se no ponto 1-A, localizado na Avenida José Pedro da Silva, lado par, a 335,00 metros da Avenida Paulo Antunes Moreira, onde segue em linha reta a distância de 12,00 metros, até encontrar o ponto 2, onde deflete à direita e segue em curvatura, confrontando com a Avenida José Pedro da Silva a distância de 10,00 metros até encontrar


o ponto 3, onde segue em linha reta na distância de 149,00 metros, confrontando com o terreno adjunto propriedade da Prefeitura Municipal de Iperó até encontrar o ponto 4, onde deflete à direita e segue em linha reta a distância de 120,08 metros confrontando com propriedade de Petrowax até encontrar o ponto 1-B, onde deflete à direita e segue em linha reta a distância de 115,96 metros, confrontando com a área remanescente propriedade de J.G. Moriya Representação Importadora e Exportadora Comercial Ltda, até encontrar o ponto 1-A, ponto inicial desta descrição, fechando o perímetro.

Artigo 3º – Em virtude da reversão parcial prevista no artigo 1º desta Lei, à empresa J.G. MORIYA REPRESENTAÇÃO IMPORTADORA E EXPORTADORA COMERCIAL LTDA ficará com a área remanescente de 13.436,06m², conforme memorial descritivo abaixo transcrito: MEMORIAL DESCRITIVO

Um terreno com área de 13.436,06m², localizado no Distrito Industrial, com frente para a Avenida José Pedro da Silva, lado par, neste Município de Iperó, Comarca de Porto Feliz, com as seguintes medidas e confrontações:

Inicia-se no ponto1, localizada na Avenida José Pedro da Silva, lado par, a 217,00 metros da Avenida Paulo Antunes Moreira, onde segue em linha reta na distância de 118,00 metros, até encontrar o ponto 1-A, onde deflete à direita e segue em linha reta, confrontando com o terreno desmembrado a distância de 115,96 metros até encontrar o ponto 1-B; deflete à direita e segue em linha reta, a distância de 119,92 metros, confrontando com propriedade de Petrowax até encontrar o ponto 5, onde deflete à direita e segue em linha reta a distância de 116,00 metros, confrontando com propriedade de Estação Madeira até encontrar o ponto 1, marco inicial desta descrição, fechando o perímetro.

Artigo 4º - A reversão constante desta Lei baseia-se no não cumprimento total pela empresa J.G. MORIYA REPRESENTAÇÃO IMPORTADORA E EXPORTADORA COMERCIAL LTDA das condições previstas no artigo 2º da Lei 172/97, de 03 de dezembro de 1997.

Artigo 5º - Com a presente Reversão, e de acordo com o artigo 2º da Lei nº 172/1997, o imóvel fica parcialmente reintegrado ao Patrimônio Público Municipal, com as benfeitorias nele introduzidas, sem direito de retenção ou qualquer indenização, ficando a Prefeitura Municipal de Iperó, autorizada a tomar posse imediata do imóvel descrito no memorial descritivo previsto no artigo 2º desta Lei. ”Artigo 6º - Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogando as disposições em contrário, especialmente a Lei nº 172/97 no que se refere a área dela constante. PREFEITURA MUNICIPAL DE IPERÓ, 21 DE DEZEMBRO DE 2.009. MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS Prefeito Municipal Publicada nesta Secretaria, em 21 de dezembro de 2.009. MÁRIO SÉRGIO NICOLAU Secretário de Administração e Finanças

LEI Nº 714, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2.009. “Dispõe sobre a constituição do serviço de inspeção municipal e dos procedimentos de inspeção sanitária de estabelecimentos que produzam bebidas e alimentos de consumo humano de origem animal e vegetal e dá outras providências.” MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS, Prefeito Municipal de Iperó, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, FAZ SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL APROVOU E ELE SANCIONA E PROMULGA A SEGUINTE LEI: Artigo 1º - Esta Lei fixa normas de inspeção e de fiscalização sanitária, no Município de Iperó, para a industrialização, o beneficiamento e a comercialização de bebidas e alimentos de consumo humano de origem animal e/ou vegetal, cria o Serviço de Inspeção Municipal - SIM e dá outras providências. Parágrafo único - Esta Lei está em conformidade com a Lei Federal nº 9.712/1998 e o Decreto Federal nº 5.741/2006, que constituiu o Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária (Suasa). Artigo 2º - A inspeção sanitária das bebidas e alimentos de consumo humano de origem animal e/ou vegetal refere-se ao processo sistemático de acompanhamento, avaliação e controle sanitário, compreendido da matéria-prima até a elaboração do produto final e será de responsabilidade da Secretaria de Meio Ambiente, Rural e Turismo. §1º - A presença do inspetor nos estabelecimentos é obrigatória no momento de abate de animais, quando se tratar de abatedouro, para a inspeção ante e pós morten dos animais e das carcaças. §2º- Não será necessária a presença permanente do inspetor nos estabelecimentos, sendo que a inspeção se dará através de visitas rotineiras ou eventuais dos inspetores, exceto nos momentos de abate de animais, previsto no §1º deste mesmo artigo. §3º - A inspeção sanitária se dará: I - Nos estabelecimentos que recebem animais, matérias-primas, produtos, subprodutos e seus derivados, de origem animal e/ou vegetal para beneficiamento ou industrialização, com o objetivo de obtenção de bebidas e alimentos de consumo humano, excluídos restaurantes, padarias, pizzarias, bares e similares; II - Nas propriedades rurais fornecedoras de matérias-primas de origem animal e/ou vegetal, em caráter complementar e com a parceria da defesa sanitária animal e vegetal, para identificar as causas de problemas sanitários apurados na matéria-prima e/ou nos produtos no estabelecimento industrial. Artigo 3º - A Secretaria de Meio Ambiente, Rural e Turismo de Iperó, estabelecerá parceria e cooperação técnica com municípios, com o Estado de São Paulo e a União, além de participar de consórcio de municípios para facilitar o desenvolvimento de atividades relativas à inspeção sanitária, em consonância ao Suasa. §1º - Caberá ao Serviço de Inspeção do Município de Iperó a responsabilidade das atividades de inspeção sanitária.

§2º - Após a adesão do SIM ao Suasa, os produtos inspecionados poderão ser comercializados em todo o território nacional. Artigo 4º - A fiscalização sanitária referese ao controle sanitário das bebidas e produtos alimentícios de origem animal e/ou vegetal após a etapa de elaboração, compreendido na armazenagem, no transporte, na distribuição e na comercialização até o consumo final e será de responsabilidade da Secretaria Municipal de Saúde. Artigo 5º - Todas as ações da inspeção e da fiscalização sanitária serão executadas visando um processo de educação sanitária. Artigo 6º - A inspeção e a fiscalização sanitária serão desenvolvidas em sintonia, evitando-se superposições, paralelismos e duplicidade de inspeção e fiscalização sanitária. Artigo 7º - Será constituído um Conselho de Inspeção Sanitária formado por membros da Secretaria Meio Ambiente, Rural e Turismo e da Secretaria Municipal de Saúde, dos agricultores e dos consumidores para aconselhar, sugerir, debater e definir assuntos ligados a execução dos serviços de inspeção e de fiscalização sanitária e sobre criação de regulamentos, normas, portarias e outros. Artigo 8º - Será criado um sistema único de informações sobre todo o trabalho e procedimentos de inspeção e de fiscalização sanitária. Parágrafo único Será de responsabilidade da Secretaria de Meio Ambiente, Rural e Turismo e da Secretaria Municipal de Saúde a alimentação e manutenção do sistema único de informações sobre a inspeção e a fiscalização sanitária do respectivo município. Artigo 9º - Para obter o registro no serviço de inspeção o estabelecimento deverá apresentar o pedido instruído pelos seguintes documentos: I - Requerimento simples dirigido ao responsável pelo serviço de inspeção, indicando a adoção de Boas Práticas de Fabricação; II - CNPJ ou a inscrição do produtor rural na Secretaria da Fazenda Estadual; III - Planta baixa ou croquis das instalações, com lay-out dos equipamentos e memorial descritivo simples e sucinto da obra, com destaque para a fonte e a forma de abastecimento de água, sistema de escoamento e de tratamento do esgoto e resíduos industriais e proteção empregada contra insetos; IV - Memorial descritivo simplificado dos procedimentos e padrão de higiene a serem adotados; V - Descrição dos dizeres de rotulagem para cada produto; e VI - Boletim oficial de exame da água de abastecimento, caso não disponha de água tratada, cujas características devem se enquadrar nos padrões microbiológicos e químicos oficiais. Parágrafo único - É legítima a limitação de acesso ao registro sanitário e à comercialização das bebidas e alimentos de consumo humano de origem animal e/ou vegetal em função do caráter estrutural, incluindo escalas das construções, instalações, máquinas e equipamentos, mesmo que

asseguradas a higiene, sanidade e inocuidade das bebidas e alimentos de consumo humano. Artigo 10 - O estabelecimento pode trabalhar com mais de um tipo de atividade, devendo, para isso, prever os equipamentos de acordo com a necessidade para tal e, no caso de empregar a mesma linha de processamento, deverá ser concluída uma atividade para depois iniciar a outra. Artigo 11 - A embalagem das bebidas e alimentos de consumo humano de origem animal e vegetal deverá obedecer às condições de higiene necessárias à boa conservação do produto, sem colocar em risco a saúde do consumidor, obedecendo às normas estipuladas em legislação pertinente. Parágrafo Único - Quando a granel, os produtos serão expostos ao consumo acompanhados de folhetos ou cartazes de forma bem visível, contendo informações previstas no caput deste artigo. Artigo 12 - Os produtos deverão ser transportados e armazenados em condições adequadas para a preservação de sua sanidade e inocuidade. Artigo 13 - A matéria-prima, os animais, os produtos, os sub-produtos e os insumos deverão seguir padrões de sanidade definidos em regulamento e portarias específicas. Artigo 14 - Os recursos financeiros necessários à implementação da presente Lei e do Serviço de Inspeção Municipal serão alocadas por verbas inclusas na Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Rural e Turismo, constantes no Orçamento do Município. Artigo 15 - Os casos omissos ou de dúvidas que surgirem na execução da presente Lei, bem como a sua regulamentação, se darão por decretos expedidos pelo Poder Executivo. Artigo 16 - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação. PREFEITURA MUNICIPAL DE IPERÓ, 21 DE DEZEMBRO DE 2.009. MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS Prefeito Municipal Publicada nesta Secretaria, em 21 de dezembro de 2.009. MÁRIO SÉRGIO NICOLAU Secretário de Administração e Finanças

PORTARIA Nº 464, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2.009. APLICA PENALIDADE DE REPREENSÃO A FUNCIONÁRIO MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS, Prefeito do Município de Iperó, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, com fundamento na Lei Muncipal nº 19 de 29/05/ 1992, e CONSIDERANDO o disposto no artigo 165, inciso I, da Lei Municipal nº 19, de 29/05/1992 e o que consta do termo circunstanciado. RESOLVE: ARTIGO 1º - Repreender o servidor S. M. R., Serviços Gerais, matrícula nº 7192, por infringir a norma de ausentar-se do serviço


durante o expediente sem prévia autorização do chefe imediato.

DECRETO Nº 977, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2.009.

ARTIGO 2º As medidas necessárias a aplicação da penalidade serão adotadas pelo Departamento competente.

Decreta Ponto Facultativo e dá outras providências

ARTIGO 3º - Esta portaria entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. PREFEITURA MUNICIPAL DE IPERÓ, EM 14 DE DEZEMBRO DE 2.009. MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS Prefeito Municipal Publicada nesta Secretaria, em 14 de Dezembro de 2.009. MÁRIO SÉRGIO NICOLAU Secretário de Administração e Finanças DECRETO Nº 975, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2.009. (Resolução do Legislativo n° 11/ 2009) Dispõe sobre a Abertura de Crédito Adicional Suplementar no Orçamento do Poder Legislativo Municipal e dá outras providências MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS, Prefeito Município de Iperó, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, CONSIDERANDO a Resolução do Legislativo nº 11/2009, e CONSIDERANDO o §2º do artigo 6º da Lei Municipal nº 645, de 04/06/2008 DECRETA: Artigo 1º - Fica alterada a programação da despesa do Legislativo, relativas as dotações orçamentárias a serem suplementadas conforme o quadro abaixo: Funcional Programática Categoria Econômica Valor R$ 01.031.0001.2.001 33.90.39.00.00 Outros serviços de terceiros pessoa jurídica 10.000,00 TOTAL 10.000,00 Artigo 2º - Os recursos para abertura dos créditos adicionais suplementares que trata o artigo 1° deste Decreto, serão oriundos da anulação de dotações orçamentais, nos termos do artigo 43, parágrafo 1°, Inciso III da Lei Federal 4.320/64 a saber: Funcional Programática Categoria Econômica Valor R$ 01.031.0001.2.001 33.90.30.00.00 Material de Consumo 5.000,00 01.031.0001.2.001 44.90.51.00.00 Obras e instalações 5.000,00 TOTAL 10.000,00 Artigo 3º Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação, retroagindo seus efeitos à data de 04/11/2009, revogadas as disposições em contrário. PREFEITURA MUNICIPAL DE IPERÓ, EM 16 DE DEZEMBRO DE 2.009. MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS Prefeito Municipal Publicado nesta Secretaria, em 16 de dezembro de 2.009. MÁRIO SÉRGIO NICOLAU Secretário de Administração e Finanças

MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS, Prefeito do Município de Iperó, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, CONSIDERANDO as Festividades Natalinas e de Fim de Ano; DECRETA: Artigo 1º Fica decretado PONTO FACULTATIVO o expediente nos dias 24 e 25 de dezembro de 2009 (quinta-feira), nas repartições públicas municipais. Artigo 2º - O disposto neste Decreto não se aplica às repartições públicas que prestam serviços essenciais e de interesse público, que tenham seu funcionamento ininterrupto. Artigo 3º - Este Decreto entrará em vigor na data da sua publicação, revogando as eventuais disposições em contrário. PREFEITURA MUNICIPAL DE IPERÓ, EM 22 DE DEZEMBRO DE 2.009. MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS Prefeito Municipal Publicado nesta Secretaria, em 22 de dezembro de 2.009. MÁRIO SÉRGIO NICOLAU Secretário de Administração e Finanças

LEI Nº 716, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2.009. “Dispõe sobre a autorização de empresa pública com o objetivo de planejar, executar e operar os serviços de saneamento básico no Município de Iperó e dá providências correlatas.” MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS, Prefeito Municipal de Iperó, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, FAZ SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL APROVOU E ELE SANCIONA E PROMULGA A SEGUINTE LEI: Artigo 1º - Fica o Poder executivo autorizado a constituir empresa pública sob a denominação de SEAMA (Serviço de Água e Meio Ambiente) com o objetivo de planejar, executar e operar os serviços públicos de saneamento básico no município de Iperó. § 1º - A empresa pública municipal, com personalidade jurídica própria e sede na cidade de Iperó, disporá de autonomia econômicofinanceira e administrativa dentro dos limites traçados na presente Lei. Artigo 2º - A empresa pública municipal exercerá sua ação em todo o Município de Iperó, competindo-lhe com exclusividade: I - Estudar, planejar, projetar, executar e operar, diretamente ou mediante contrato com organizações especializadas em engenharia, as obras relativas à construção, ampliação ou remodelação dos sistemas públicos de abastecimento de água potável, de esgotamento sanitário, limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos de drenagem e manejo de águas pluviais que não forem objeto de convênio entre a Prefeitura e os órgãos federais ou estaduais específicos;

II - Atuar como órgão coordenador e fiscalizador da execução dos convênios firmados entre o Município e os órgãos federais ou estaduais para estudos, projetos e obras de construção, ampliação ou remodelação dos serviços de abastecimento de água potável, de esgotamento sanitário, limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos de drenagem e manejo de águas pluviais;

drenagem e manejo de resíduos sólidos instalação, reparo, aferição, aluguel e conservação de hidrômetros, serviços referentes a ligações de água e de esgoto prolongamento de redes por conta de terceiros, multas, etc;

III - Operar, manter, conservar e explorar, diretamente ou mediante contrato os serviços de abastecimento de água potável, de esgotamento sanitário, limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos de drenagem e manejo de águas pluviais;

III Do produto da venda, dos resíduos sólidos obtidos após tratamento;

IV - Lançar, fiscalizar e arrecadar as tarifas dos serviços de água, esgoto, drenagem, limpeza urbana, manejo de resíduos sólidos e as taxas de contribuição que incidirem sobre os terrenos beneficiados com tais serviços; V Coordenar, projetar e executar os serviços públicos relacionados a roçagem, desassoreamento e urbanização dos córregos e canais, bem como à construção, manutenção e limpeza dos sistemas de escoamento de águas pluviais; VI Examinar os planos de loteamentos, desmembramentos, condomínios e fracionamentos, rejeitando, alterando ou aprovando os projetos pertinentes ao sistema de escoamento de águas, esgoto, drenagem e zelando pela observância das restrições relativas à legislação ambiental; e V - Exercer quaisquer outras atividades relacionadas com os sistemas públicos de água, esgoto, drenagem, limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos, compatíveis com leis gerais e especiais. Parágrafo único - As atividades de gerenciamento dos serviços públicos relativos aos córregos e canais abrangem os veios dágua e fundos de vales situados apenas nas áreas públicas circunscritas no território do Município de Iperó, as quais estarão sempre alinhadas à legislação federal e estadual pertinentes à matéria. Artigo 3° - A empresa pública, será administrada por um Diretor Geral, nomeado pelo Prefeito Municipal e demissível “adnutum”. §1° - Poderá a Prefeitura, entretanto, contratar a administração da empresa pública com uma organização oficial especializada em engenharia sanitária, como a SABESP ou órgão similar. §2º - Incumbe ao Diretor Geral ou, no caso do parágrafo anterior, à entidade administradora representar a empresa pública ou promover-lhe a representação, em juízo ou fora dele. Artigo 4º - O patrimônio inicial da empresa pública será constituído de todos os bens móveis, imóveis, instalações, títulos, materiais e outros valores próprios do Município, a serem destinados, empregados e utilizados nos sistemas públicos de água, esgoto, drenagem e manejo de resíduos sólidos, os quais lhe serão entregues sem qualquer ônus ou compensações pecuniárias.

II Do produto de quaisquer tarifas resultantes do acondicionamento de resíduos

IV - Das taxas de contribuição que incidirem sobre terrenos beneficiados com os serviços de água, esgoto, drenagem e manejo de resíduos sólidos;

V - Da subvenção que lhe for anualmente consignada no orçamento da Prefeitura;

VI - Dos auxílios, subvenções e créditos especiais ou adicionais que lhe forem concedidos, inclusive para obras novas, pelos governos federal, estadual e municipal ou po organismos de cooperação internacional;

VII - Do produto dos juros sobre depósitos bancários e outras rendas patrimoniais;

VIII - Do produto da venda de materiais inservíveis e da alienação de bens patrimoniais que se tornem desnecessários aos seus serviços;

IX - Do produto de cauções ou depósitos que reverterem aos seus cofres po inadimplemento contratual; e

X - De doações, legados e outras rendas que, por sua natureza ou finalidade, lhe devam caber.

Parágrafo único - Mediante prévia autorização legislativa poderá a empresa pública, realizar operações de crédito para antecipação de receita ou para obtenção de recursos necessários à execução de obras de ampliação ou remodelação dos sistemas de água, esgoto, drenagem e manejo de resíduos sólidos.

Artigo 6º - A classificação dos serviços de água, esgoto, drenagem, limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos, os tributos (taxa de contribuição de melhoria) e os preços públicos respectivos e as condições para sua concessão serão estabelecidas em atos normativos do Diretor Geral da empresa pública

§ 1º - Os preços públicos serão calculados e fixados mediante Ato Normativo do Direto Geral e autorização expressa do Prefeito Municipal mediante edição de decreto, de modo a assegurar, em conjunto com outras rendas a auto-suficiência econômico-financeira da empresa pública.

§ 2º - Os preços públicos de saneamento básico devem adotar estrutura estratificada por categorias de usuários e tipos de progressividade dos valores com o aumento de quantidades fruídas, como instrumento de

I - Acesso dos cidadãos de baixa renda aos serviços;

II - Gestão da demanda em situação de escassez dos recursos hídricos; e

Artigo 5º - A receita da empresa pública provirá dos seguintes recursos:

III - Medida compensatória ou de contenção de agravos ambientais.

I - Do produto de quaisquer tarifas e remunerações decorrentes diretamente dos serviços de água, esgoto, drenagem, limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos, tais como, preços públicos de água, esgoto,

§ 3º - Toda ligação de água será obrigatoriamente dotada do respectivo hidrômetro.


Artigo 7º - É vedado à empresa pública conceder isenção ou redução de tarifas dos serviços de água, esgotos, drenagem e manejo de resíduos sólidos, exceto aquelas previstos em lei. Parágrafo único - Somente os próprios municipais serão isentados dos tributos e preços públicos cujos lançamentos sejam de competência da empresa pública. Artigo 8º - O regime jurídico dos empregados da empresa pública será obrigatoriamente o da legislação trabalhista. Parágrafo único - Compete à administração da empresa pública admitir mediante concurso público. Artigo 9º - Aplica-se à empresa pública, naquilo que se referir aos seus bens, rendas e serviços, todas as prerrogativas, isenções, favores fiscais e demais vantagens que os serviços municipais gozem e que lhes caibam por Lei. Artigo 10 - A empresa pública fica autorizada a promover, amigável ou judicialmente, desapropriações de bens necessários ao atendimento de suas finalidades, previamente declaradas de utilidade pública pelo Prefeito Municipal. Artigo 11 - A empresa pública submeterá, anualmente, à aprovação do Prefeito Municipal, o relatório de suas atividades e a prestação de contas do exercício. Artigo 12 - Fica aberto o crédito especial de até R$ 700.000,00 (setecentos mil reais) destinado a atender as despesas com a instalação da empresa pública. Parágrafo único - O presente crédito será coberto com o produto da arrecadação das taxas de água e esgoto do exercício referente ao ano de 2010. Artigo 13 - Dentro do prazo de 60 (sessenta) dias da aprovação desta Lei, o Prefeito Municipal expedirá o Estatuto Jurídico Constitutivo da Empresa Pública com a sua respectiva denominação, conforme denominada no artigo 1º desta lei, bem como o regulamento dos serviços de água, esgotos, drenagem de manejo de resíduos sólidos e das taxas de contribuição de melhoria. Artigo 14 - As despesas com a execução desta Lei, correrão por conta das dotações orçamentárias próprias, remanejadas e suplementadas, se necessário. Artigo 15 - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. PREFEITURA MUNICIPAL DE IPERÓ, 21 DE DEZEMBRO DE 2.009. MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS Prefeito Municipal Publicada nesta Secretaria, em 21 de dezembro de 2.009. MÁRIO SÉRGIO NICOLAU Secretário de Administração e Finanças

Conselho Municipal dos Direitos da Criança Adolescente Rua Costa e Silva, nº 175 -Centro– Iperó-SP. Fone:(15)– 3266-1198 Prefeitura Municipal de Iperó – CNPJ-46.634.085/0001-60 Lei Municipal Nº 357 de 04 de Outubro de 2001 EDITAL Nº 002/2009 VALDIR NUNES BOTECHIA, Presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Iperó, no uso de suas atribuições legais, torna a público que com base na Lei Federal nº 8069 de 13 de Julho de 1990 do Estatuto da criança e do adolescente e na Lei Municipal 357 de outubro de 2001; CONVOCAÇÃO DE CONSELHEIRO TUTELAR SUPLENTE 2ª SUPLENTE: CLEIDE DE JESUS SANTOS ALMEIDA A mesma deverá a partir de 04 de janeiro de 2010 encaminhar ao RH da Prefeitura Municipal de Iperó, no horário previsto de atendimento da repartiçã, para tomar as devidas providências das documentações necessárias para ocupar o Cargo de Conselheira Tutelar temporariamente. Artigo 17º parágrafo 5º O suplente será convocado pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente a assumir temporariamente a função de Conselheiro Tutelar nos casos de vacância de cargo, férias ou licença para tratamento. Revogam se todas as disposições em contrário Iperó, 22 de Dezembro de 2009 Valdir Nunes Botechia Presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente

consideradas para todos os efeitos desta Lei como zonas de expansão urbana. §1º Essas áreas deverão ser identificadas, indicadas e declaradas como zonas de expansão urbana por Decreto Municipal.

“Dispõe sobre a tributação de imóveis inseridos fora da zona urbana do Município, para fins residenciais, industriais ou comerciais e dá outras providências.” MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS, Prefeito Municipal de Iperó, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, FAZ SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL APROVOU E ELE SANCIONA E PROMULGA A SEGUINTE LEI: Artigo 1º O parcelamento do solo municipal em área urbana, de expansão urbana e rural, na forma de loteamento ou remanejamento de loteamentos existentes, ou ainda de desmembramentos constituídos fora da zona urbana do Município e áreas remanescentes, para fins residenciais, industriais ou comerciais, aprovados, são considerados para efeito de tributação municipal sobre a propriedade predial ou territorial inseridos na zona urbana, nos termos do artigo 32, §2º do Código Tributário Nacional. Artigo 2º As áreas territoriais de loteamentos ou desmembramentos existentes, com fins residenciais, industriais ou comerciais, fora de zona urbana são

de falhas subsistentes nos seguintes itens: “Planejamento e Execução Física”, “Fiscalização das Receitas”, “Divida Ativa”, “Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico- CIDE”, “Despesas com Saúde”, “Evolução da Divida”, “Licitação”, “Contratos remetidos ao Tribunal de Contas do Estado de São Paulo”, “Pessoal” e “Atendimento a Lei Orgânica, Instruções e Recomendações do Tribunal”, cuja efetiva regularização

§2º São considerados para fins urbanos os parcelamentos que não apresentem características de exploração agropecuária ou extrativista e assim a comprovem. §3º Quando se tratar de desmembramentos destinados à implantação de residências, indústrias ou comércio, desde que a gleba faça frente para rodovia oficial, mesmo que situada fora dos perímetros aludidos nos parágrafos anteriores, tomadas às garantias necessárias no ato da aprovação do desmembramento, a porção destinada às finalidades descritas no presente parágrafo será automaticamente declarada integrante da zona urbana, para efeitos tributários, à exceção do remanescente, que continuará na condição de imóvel rural. Artigo 3º - Os loteamentos clandestinos deverão ser regularizados pelos responsáveis por suas implantações ou pelo Condomínio ou Associação dos moradores num prazo máximo de 18 (dezoito) meses. §1º - Esgotado o prazo e sem manifestação da parte, esses loteamentos serão considerados para efeito tributário, independentemente das ações de responsabilidade, como inseridos na zona de expansão urbana. §2º - Essas áreas deverão ser identificadas, indicadas e declaradas como zonas de expansão urbana por Decreto Municipal. Artigo 4º As despesas com a execução desta Lei, correrão por conta de verbas orçamentárias próprias, remanejadas ou suplementadas, se necessário. Artigo 5º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

LEI Nº 717, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2.009.

Considerando a analise feita pelo R. Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, ensejou parecer favorável, com ressalva

PREFEITURA MUNICIPAL DE IPERÓ, 22 DE DEZEMBRO DE 2.009. MARCO ANTONIO VIEIRA DE CAMPOS Prefeito Municipal Publicada nesta Secretaria, em 22 de dezembro de 2.009. MÁRIO SÉRGIO NICOLAU Secretário de Administração Finanças

e

DECRETO LEGISLATIVO Nº 13/2.009 – 18/11/2009 Sergio Antonio Nery, Faço saber que a Câmara Municipal Aprovou, e eu Promulgo o seguinte Decreto Legislativo “Dispõe sobre a aprovação das Contas da Prefeitura Municipal de Iperó, referente ao Exercício de 2.007”. Analisando o Processo TC-002266/126/07, TC002266/226/07 e TC- 002266/326/07, que tramitou pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, referente as contas do Município de Iperó, Estado de São Paulo, concernente ao exercício de 2.007, sendo o administrador público o Senhor Prefeito Marco Antônio Vieira de Campos, temos o seguinte posicionamento.

recomenda, assim, entendemos que as Contas do Exercício em crivo devem ser aprovadas pelo Egrégio Plenário.

A Câmara Municipal de Iperó decreta:

Art.1°- Ficam APROVADAS as Contas da Prefeitura Municipal de Iperó, referente ao exercício financeiro de 2.007. Art. 2°- Este Decreto Legislativo entrara em vigor na data de sua publicação , revogadas as disposições em contrario. CÂMARA MUNICIPAL SERGIO ANTONIO NERY Presidente

Oficio 413/2009 Iperó, 14 de dezembro de 2009. Prezado Senhor

Venho pelo presente comunicar Vossa Senhoria que revendo o Processo onde consta a publicação da Lei nº 693 datada em 10/07/2009, no Jornal Oficial do Município constatamos o equívoco abaixo.

Parágrafo 2º do Artigo 4º - Os créditos adicionais suplementares que envolvam só anulação de Dotações do Legislativo serão abertos por Decreto do Executivo se houver autorização legislativa no prazo de 02 ( dois ) dias úteis contados da solicitação daquele poder. CORRETO

• Os créditos adicionais suplementares de dotações do Legislativo, serão abertos por Decreto do Executivo, se houver autorização legislativa,no prazo de até 02 ( dois ) dias úteis contados da solicitação daquele poder. Atenciosamente Sergio Antonio Nery Presidente _______________________________


a

ESPORTES

Cana Brava conquista o título do Campeonato Varzeano

Com um gol marcado pelo artilheiro Cirilo o Cana Brava venceu a equipe do Bela Vista por 1 a 0 e conquistou pela primeira vez em sua história o título do Campeonato Varzeano de Iperó. A partida foi realizada na manhã deste domingo (20), no Estádio Praxedão. O Bela Vista iniciou o confronto pressionando o adversário, criando as melhores oportunidades, mas pecando na hora da finalização, fato que seria a tônica da partida. Já o Cana Brava, explora as jogadas de contra-ataque e foi dessa forma que aos 32 minutos de jogo, Cirilo dividiu a bola com o goleiro do Bela Vista, no rebote e mesmo caído, ele mesmo empurrou para o fundo das redes para anotar o único gol da partida. Em desvantagem, o Bela Vista voltou para a segunda etapa ainda mais ofensivo, mas assim como na primeira metade do jogo, o time não era bem sucedido na conclusão das jogadas. Para piorar a situação, faltando pouco mais de quinze minutos, a equipe ainda teve Jair expulso. Mesmo com um homem a menos, o Bela Vista seguiu no ataque, buscando de todas as formas levar a decisão pelo menos para as cobranças de penalidades, enquanto que Cana Brava, rem dois lances de contragolpe, por muito pouco que não ampliou oo marcador. º Após o apito final do arbitro, houve muita festa por parte dos jogadores do Cana Brava, que após cinco anos de fundação lcomemoram seu primeiro título varzeano. O time ainda teve Cirilo ocomo artilheiro da competição com 11 gols marcados e goleiro menos vazado. Já os Invisíveis levou o troféu de equipe mais disciplinada do torneio. O vice-prefeito esteve no Praxedão acompanhando a grande sfinal e fez a entrega das medalhas e também do troféu aos capitães das equipes.

m o o o s

s o r r e a

Fotos: Eduardo Gouvêa

A equipe do Cana Brava venceu com o gol do artilheiro Cirilo (à direita)



JIpero_ed124_pg1_12