Page 1


2// EDITORIAL

dizCURSO • número 22• dezembro de 2013

EDITORIAL O ano civil está a chegar ao fim e consigo chega também a derradeira edição de 2013 do dizCURSO, repleta de temas atuais e relevantes para a comunidade dequiana. Um semestre tão intenso, recheado de aulas, avaliações, trabalhos, frequências, não poderia terminar sem o aval do nosso jornal, que se apresenta com um rosto modificado a propósito da época festiva que se avizinha. No seguimento das edições transatas, além de se recordar e relatar as atividades levadas a cabo no departamento de Engenharia Química (e não só), é importante dar a conhecer os locais emblemáticos, as histórias e as tradições desta cidade, que é tão nossa. Sendo que o grau de Mestre em Engenharia Química apenas é atribuído mediante a aprovação da dissertação final do curso, é de valor realçar alguns dos temas e trabalhos desenvolvidos pelos nossos colegas. Para comemorar esta quadra natalícia marcada pela fraternidade e solidariedade, contamos com a vossa presença (alunos, professores, investigadores e funcionários) no Jantar de Natal, a realizar no Bar do DEQ às 19h30m do dia 19 de Dezembro (5ª feira).

Em nome do núcleo, votos de um Bom Natal e um Ótimo Ano Novo 2014, não descuidando os estudos porque a tarefa mais árdua ainda está para chegar. BOA SORTE PARA OS EXAMES!

Sónia Mendes (Coordenadora do Pelouro de Informação e Divulgação do NEDEQ/AAC)

ÍNDICE

> ACADEMIA página 3. > COIMBRA páginas 4, 5 e 6. > FCTUC página 7. > DEPARTAMENTO página 8, 9 e 10.

> NÚCLEO páginas 11 e 12.

> ERASMUS páginas 13 e 14.

> HUMOR E PASSATEMPOS página 15.


dizCURSO • número 22• dezembro de 2013

ACADEMIA \\ 3

ELEIÇÕES DOS CORPOS GERENTES DA AAC Desde o início do projeto “Tu Tens Académica” passaram-se alguns meses com muito trabalho, dedicação, muitas noites com poucas horas de sono, mas por todos os momentos valeu a pena. Para além de uma equipa consistente e dedicada, constituímos um grupo de amigos com um objetivo comum, uma Académica unida, uma Académica melhor! Pela primeira vez, nos últimos anos, poderia haver uma pessoa de Engenharia Química a efetivo numa direção-geral, quer ganhasse a lista T, quer ganhasse a lista A. Há que frisar que nunca houve eleições no DEQ tão votadas, o que significa que cada vez mais as pessoas se consciencializam de que é necessário votar. E também podemos dizer que nunca houve duas listas com tantas pessoas do DEQ, desde efetivos a colaboradores. Numa primeira volta a lista T ganhou o conselho fiscal metendo 4 elementos neste, e a lista A, como segunda lista mais votada meteu 3, isto seguindo o método de Hondt. Já na eleição para a DG/AAC e Mesa da Assembleia Magna, a lista A venceu com mais 254 votos que a lista T. Sendo que esta primeira volta não teve maioria absoluta (> 50%), teve que se ir a uma segunda volta.

Não foi fácil a transição da primeira para a segunda volta, mas fizemos a nossa campanha, promovemos o nosso projeto e conseguimos superar a lista A, vencendo por 347 votos. Assim a lista T, após esta segunda volta, torna-se DG/AAC 2014. Daqui para a frente, haverá muito trabalho! Toda a equipa DG/AAC 2014 já está a preparar o trabalho pois não se pode, após o mandato começar, perder muito tempo a planear o que vamos fazer. Acima de tudo temos uma equipa unida para mostrar que merecemos o voto de quem acreditou neste projeto. Do que se encontra planeado para este ano de 2014, é de salientar a divulgação e acompanhamento do Programa de Apoio Social a Estudantes através de atividades de tempo Parcial (PASEP), a elaboração de um plano de sustentabilidade a médio prazo para a Associação Académica de Coimbra, a oferta de atividades gratuitas de diversas áreas desportivas aos estudantes da UC, a reativação do GAPE no piso 0 da AAC com horário de atendimento fixo permitindo um apoio individualizado, a promoção da melhoria das linhas de autocarros essenciais aos estudantes da UC através da colaboração com as respetivas entidades municipais, a promo-

Presidente da Lista T: Bruno Matias

ção de melhorias no acesso por parte de indivíduos com mobilidade reduzida a todos os polos da UC, a organização do I Fórum Pedagógico Nacional e a melhoria da bolsa de emprego AAC, em novos moldes, tendo uma plataforma própria. É também de salientar que contamos com todos os estudantes da UC para que possamos fazer o nosso trabalho o melhor possível neste ano de 2014. Apelamos a que não se inibam de se dirigirem à AAC, seja presencialmente, seja via e-mail, e deixem as vossas sugestões: refiram o que está bem, refiram o que está menos bem... Envolvam-se! As nossas portas estarão abertas para vos receber e nós estaremos cá para vos ouvir. Tu Tens Lugar! Tu Tens Académica! João Santos


4 //COIMBRA

dizCURSO • número 22• dezembro de 2013

TUNAS DA TUA CIDADE AS FANS Em Fevereiro de 1989 nasceram As Fans, a partir da Falange de Apoio Negro – FANS (claque de apoio à Académica Organismo Autónomo de Futebol). Duas amigas, estudantes da Faculdade de Letras e também frequentadoras da sede da Flange de Apoio Negro, decidiram então fundar a primeira Tuna Feminina da história da Universidade de Coimbra, segunda em Portugal. A estas duas jovens juntaram-se quatro amigas formando, então, “AS Fans dos FANS”. As Fans festejaram, este ano, o seu 24º aniversário e delas fazem parte cerca 100 de raparigas. Durante este quase quarto de século As Fans marcaram presença em todas as atividades de índole musical da Associação Académica de Coimbra (Saraus e Encontros de Tunas, Latadas e Queima das

Fitas), em festivais realizados de Norte a Sul do país, assim como Açores e Madeira. Marcaram também presença em festivais internacionais (Alemanha, Espanha e Itália), arraiais e romarias, jantares importantes, receções oficiais e honrosos espetáculos de solidariedade. Trazem na bagagem participações em Festivas de Tunas Nacionais e Internacionais, onde foram distinguidas com diversos prémios (Melhor Tuna, Tuna mais Tuna, Melhor Solista, Melhor

Instrumental, Melhor Passe Callas e Menção Honrosa), que não só as orgulham como as impelem a mais e melhor fazer. Fruto de um sonho e de todas estas vivências, gravaram o primeiro CD de originais “Sonho a Preto e Branco”, em 1998. Em 2004 organizaram o seu primeiro festival de tunas femininas (TUNALIDADES) que já conta, até ao momento, com 8 edições. A mais recente participação d’As Fans num Festival foi no XX Canto da Sereia (festival organizado pelas Mondeguinas - Tuna Feminina da Universidade de Coimbra), trazendo consigo os prémios de Melhor Original, Melhor Instrumental e Melhor Tuna. Em todas elas vive o amor e orgulho pela Academia, pela qualidade, pela tradição Coimbrã e também um espírito de união e amizade, tornando-as assim uma grande família.

Priscila Martins


dizCURSO • número 22• dezembro de 2013

COIMBRA\\ 5

ESTUDANTINA FEMININA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA A Estudantina Feminina de Coimbra da Secção de Fado da Associação Académica de Coimbra nasceu a 14 de Setembro de 2010. No entanto, só após um ano árduo de esforço e dedicação, a 20 de Setembro de 2011, se apresentou ao público de Coimbra. Esse foi um dia histórico, no qual surgiu o primeiro convite para abrir o XXI FESTUNA. Foi assim que, aos vinte e oito dias do mês de Setembro de 2011, um grupo de 27 mulheres viu o sonho cumprir-se, levar até à SF/AAC um grupo composto única e exclusivamente pelo seu género. O repertório da Estudantina Feminina de Coimbra pauta-se pela música Tradicional, música Portuguesa, entre outros. Quando me surgiu o convite para integrar a Estudantina, não fazia a mais pequena ideia do que me esperava e nunca me tinha imaginado num grupo tão tradicionalmente universitário. No entanto, decidi experimentar e após assistir aos primeiros ensaios decidi que queria ficar. Os

primeiros tempos foram fáceis, divertia-me, cantava e aprendia. Até ao dia em que passei a ser oficialmente caloira da EFC. Nesse dia caiu sobre mim uma responsabilidade, de tal tamanho que ainda hoje penso não conseguir atingir. Desde ser responsável por instrumentos, organizar ensaios, criar uma música original (a nossa mais recente missão), é inimaginável o trabalho que dá pertencer a um grupo destes. Não vou negar que já houve alturas em que pareceu que todo o esforço não reconhecido nem valorizado… Mas, sempre que subimos a palco apercebo-me que todo esse trabalho é recompensado pelo

sorriso estampado na cara das pessoas que nos aplaudem. De entre os momentos mais marcantes que já passei com a Estudantina, destaco as atuações no Parque da Canção, na Festa das Latas e Imposição das Insígnias, por ter sido a primeira vez que, de verdade, me senti parte da AAC e senti contribuir para a tradição de Coimbra. Gostava também de referir o III Tej&Tunas, festival organizado pela Est’Es La Tuna Feminina (da Escola Superior de Tecnologia de Saúde de Lisboa), do qual saímos com os prémios de “Melhor Tuna”, “Melhor Pandeireta”, “Melhor Solista” e “Melhor Instrumental”. Por fim, a última atuação em que participei, dia 12 de Dezembro, no hospital Pediátrico de Coimbra, foi marcante pois conseguimos animar o dia de crianças que vivem numa constante luta contra doenças terminais. Posto isto, aconselho todas as pessoas interessadas a experimentarem uma tuna (seja ela qual for). É uma maneira fantástica de contribuir para o enriquecimento e dinamização da cultura da Academia de Coimbra, é “Viver Coimbra no seu todo”.

Joana Lima


6 //COIMBRA

dizCURSO • número 22• dezembro de 2013

RÚBRICA: CONHECER COIMBRA

RAPOSA DE COIMBRA

A famosa "raposa" de que já tantos estudantes de Coimbra ouviram falar é uma figura matreira e esperta que simboliza o insucesso escolar/ chumbo. Quando se vai da Via Latina para os Gerais, existia, e ainda existe, um espaço onde antigamente os estudantes aguardavam para serem chamados a realizar os exames orais. Esse espaço possui um painel de azulejos pintados onde num dos azulejos está representada uma raposa, precisamente junto à porta onde os alunos

SE

ESTAS EM

QUE

COIMBRA,

TAMBÉM

É BOM

APROVEITES

TUDO O QUE DE BELO TEM ESTA CIDADE PARA OFERECER.

Jardim Botânico: Junto ao departamento de Botânica da Universidade de Coimbra, este espaço com mais de 13 hectares possui mais de 1 milhão de espécies herbárias e 120 mil volumes de livros na sua biblioteca. Ótimo para passear num dia de sol.

Sé Velha: O coração da alta de

Coimbra, onde todos os anos é reali-

acediam à sala dos exames. Como em qualquer sítio, qualquer parede era e é um bom encosto para (des)esperar, enquanto aguardavam a vez para prestarem provas. Claro que todos os que chumbavam atribuíam a "má sorte" ao facto de se terem encostado à

"raposa" ou estado perto dela. Então, surgiu a superstição que acabou por ganhar raízes e que, porventura, é uma das poucas que continua a ser tradição e memória coletiva de muitos estudantes de Coimbra. Numa famosa canção "O Afonso", de António Vicente, cantada pela Estudantina Universitária de Coimbra surge: "Andava tão comprimido Mal podia respirar O ano estava perdido E a raposa a espreitar (...)"

Alexandra Pinho

zada a mítica Serenata Monumental, ao abrir da Queima das Fitas. Durante o dia é de aproveitar e fazer uma visita à igreja e ao claustro (2€), possível entre as 10h e as 18h. Penedo da Saudade: Jardim cujo nome advém da tradição, segundo a qual D. Pedro ia frequentemente ao

este é um dos mais importantes museus de belas artes e arqueologia de Portugal. Foi classificado como monumento nacional em 1910. Museu da Ciência/Chimico: O berço do nosso curso, o antigo laboratório Chimico da Universidade de Coimbra, é agora um museu inteiramente dedicado à ciência. O edifício, datado de 1772, foi o primeiro laboratório para o ensino da química em Portugal.

local chorar a perda da sua amada Inês de Castro. Bom sítio para passear durante o dia e apreciar a maravilhosa vista da cidade. Museu Nacional Machado de

Castro: Situado junto à sé Nova,

Sejas novo em Coimbra, ou mesmo já estando cá há alguns anos, aproveita tudo o que esta cidade tem para te dar, pois quando a hora de partir chegar, vais sentir saudade do que viste e do que não viste. Joana Lima


dizCURSO • número 22• dezembro de 2013

FCTUC \\ 7

RÚBRICA: INVESTIGAÇÃO NA FCTUC INVESTIGADORES

DA

UC

VOLVEM ESTUDO PARA A

AÉREA

AMERICANA

DESEN-

FORÇA

SOBRE

O

IMPACTO DA EXPOSIÇÃO A NANOPARTÍCULAS DE PRATA NA SAÚDE HUMANA

Investigadores da Universidade de Coimbra, avaliaram se a exposição continuada a nanopartículas de prata, muito presentes em equipamentos militares, seria prejudicial à saúde humana. Este estudo foi solicitado pelo Departamento de Investigação Científica da Força Aérea Americana, financiado pelo European Office of Aerospace Research and Development – EOARD. O estudo decorre no Mitolab de for-

ma a analisar a evolução do nível de toxicidade no interior das células, através da exposição de um conjunto de ratinhos a diferentes concentrações de nanopartículas de prata, num período de 10 semanas. A partir deste método consegue-se «apurar se há bioacumulação e quais os seus efeitos junto das células de órgãos vitais do organismo como os rins, coração, fígado e pulmão. Queremos perceber quais as células afetadas (se há algum tipo de especificidade), e em que medida, por forma a estudar medidas profiláticas», esclarece o coordenador. Esta investigação surge no âmbito de um anterior estudo realizado entre 2008 e 2009, em linhas celulares,

após um rigoroso processo de verificação das condições técnicas e de segurança do Mitolab por parte dos cientistas do US Air Force Office of Scientific Research, concluindo-se que o contacto continuado com nanocompostos de prata afeta a capacidade da mitocôndria de executar a sua função de produção de energia, necessária para a manutenção das funções vitais celulares. Perante os resultados obtidos na altura, foi pedida esta nova investigação, agora em modelos animais, para que com essa informação fosse possível acautelar os cuidados necessários ao uso deste tipo de material na construção de equipamentos. Carolina Valente

ATIVIDADES QUE SE REALIZAM NA TUA CIDADE TEATRO Viagem à casa dos meus avós

O Lago dos Cisnes

Aproximamo-nos a passos largos do Natal, época da família e de tradições, e como tal não há melhor altura para nos questionarmos à cerca das nossas origens.

O Lago dos Cisnes é um espetáculo de ballet clássico

Neste contexto, o 'DizCurso' vem informar que peça de teatro Viagem à casa dos meus avós se realiza de 14 de novembro a 28 de dezembro, n'O Teatrão.

Trata-se da história bailada de um príncipe que procura a mulher dos seus sonhos e vê na figura do cisne os traços femininos de suavidade, beleza e encanto.

Esta peça é um espetáculo que invoca as memórias da nossa infância, levando-nos para um espaço de ternura característico das relações entre avós e netos.

São estas características que fazem o príncipe apaixonar -se intensamente. Contudo, o cisne surge apenas como uma personificação de uma bela princesa.

Este espetáculo é uma viagem a aldeias e a cidades, ao presente e ao passado e, é nesta viagem que percebemos o que distingue gerações, histórias, brincadeiras e sorrisos que em tanto são semelhantes.

O Lago dos Cisnes é constituído por dois atos e quatro

bastante conceituado, caracterizado pelo seu romantismo e beleza.

cenas e será apresentado ao público dia 18 de dezembro no Teatro Académico Gil Vicente.

Liliana Pedrosa


8 //DEPARTAMENTO

EXAMES DO MIEQ 2013-2014 ÉPOCA NORMAL

ÉPOCA DE RECURSO

dizCURSO • número 22• dezembro de 2013


dizCURSO • número 22• dezembro de 2013

DEPARTAMENTO\ \9

TESES

PREPARAÇÃO DE BIOADESIVOS A PARTIR DE ÁCIDO LÁTICO De forte componente experimental, o tema que irei desenvolver/estudar no 2º semestre, no âmbito da Dissertação de Mestrado em Engenharia Química, tem como título: “Preparação de Bioadesivos a partir de ácido lático”, com orientação da Prof. Dr.ª Cristina Gaudêncio. Com este, pretende-se aprofundar conhecimentos já disponíveis relativos à preparação dos bioadesivos de base ácido lático e explorar potenciais aplicações nas áreas biomédicas e farmacêuticas. O trabalho laboratorial passará essencialmente por ensaios de polimerização para obtenção dos bioadesivos e caracterização dos produtos finais, com particular relevância para avaliação da viabilidade da utilização, ou seja, para o tipo de aplicações a que se destinam, podendo ser necessário recorrer a laboratórios exteriores ao Departamento de Engenharia Química da FCTUC para efetuar inúmeros testes que sejam necessários. Este trabalho suscitou-me particular interesse exatamente por se enquadrar nas áreas de estudo em que sempre me identifiquei mais e por considerar que o estudo destes novos materiais representa, claramente, um avanço importante no mundo da biotecnologia, explorando-se um caminho de soluções que se pretende que seja cada vez mais fácil, confortável e prático. O polímero inicial que se pretende obter é conhecido comercialmente por PLA, mais concretamente poli (ácido lático). O poli(ácido láctico) é

um polímero sintético, biodegradável, obtido a partir de matéria 100% renovável (o ácido láctico), sendo um dos materiais mais promissores atualmente. As aplicações do PLA são inúmeras: biomédicas, farmacêuticas, ou mesmo convencionais. Existe um crescente interesse comercial de PLA, pelo que este tem sido alvo de inúmeros estudos científicos. No mercado dos adesivos sintéticos, ao longo dos anos, tem sido clara a necessidade de desenvolver e formular bioadesivos com boas propriedades mecânicas e, claro, que sejam amigos do ambiente, sendo biodegradáveis e não-tóxicos. Como tal, vários têm sidos os polímeros biodegradáveis naturais e sintéticos desenvolvidos nas últimas duas décadas (como é o caso do PLA). Estes polímeros biodegradáveis servem de “espinha dorsal” para a formulação dos bioadesivos. Adesivos de PLA têm sido largamente utilizados na indústria das embalagens, nomeadamente na produção de embalagens de conservação de alimentos. Contudo, o PLA revela-se também importante e com grande potencial para utilização como adesivo com outros objetivos e fins, por exemplo em aplicações biomédicas, nomeadamente no desenvolvimento de suturas cirúrgicas, sistemas de libertação controlada de fármaco, próteses, dispositivos de fixação interna, entre outros. O trabalho a realizar nesta dissertação de Mestrado pretende explorar exatamente esta via, ou seja, pretende-se explorar

aplicações específicas nas áreas biomédicas/farmacêuticas para adesivos de PLA. É importante mencionar que o uso de bioadesivos como uma alternativa de sutura na regeneração de tecidos humanos tem aumentado significativamente, e vários têm sido os estudos realizados, neste sentido, com outros polímeros. Explorar esta área e descobrir novos materiais torna -se por isso essencial. Como vantagens face aos processos convencionais, os bioadesivos representam uma alternativa muito mais rápida e menos invasiva na regeneração de tecidos, assim como podem ser concebidos para libertarem controladamente um determinado fármaco. Antibióticos e anti-inflamatórios, por sua vez, poderão ser incorporados na formulação dos adesivos. De referir ainda que um bioadesivo adequado deverá, obviamente, apresentar uma adequada viscosidade antes da aplicação, aderir facilmente aos tecidos, curar rapidamente, apresentar boas propriedades mecânicas e não dar origem a produtos tóxicos quando terminada a sua função. Por estudos


10 //DEPARTAMENTO

dizCURSO • número 22• dezembro de 2013

já realizados, os bioadesivos de base ácido lático mostraram ser biocompatíveis e bioreabsorvíveis, podendo por isso ser potencialmente utilizados na regeneração de tecidos, apresentando claras vantagens face aos processos tradicionais de sutura. No entanto, há um longo caminho a per-

correr nesta área: só depois de conhecer bem estes materiais, dominar a sua preparação/formulação, perceber como funcionam, como se comportam e quais os resultados que eles proporcionam, nomeadamente na cicatrização das suturas, por exemplo, é que se poderá eventualmente

POLÍMEROS INTELIGENTES:

que apresenta resposta a variações do pH (P4VP). O PEG direciona a P4VP a formar nano ambientes hidrofóbicos para se manter estabilizada em solução. Verifiquei que a P4VP promove três comportamentos diferentes: a pH inferior ao pKa, apresenta uma viscosidade inicial associada a uma estrutura distendida, devido às interações das cargas positivas do polímero com a água (segmento hidrofilico); a pH perto do valor de pKa, a viscosidade aumenta, o que se associa à formação micelar (segmento hidrofóbico); e a pH superior ao pKa apresenta uma viscosidade constante, associada à existência estável das estruturas micelares. Foi possível através do ajuste da composição e do peso molecular do copolímero obter estruturas diferentes, desde estruturas com alto grau de instabilidade, estruturas de transição não esféricas mas estáveis e estruturas micelares de diferentes dimensões e estáveis numa vasta gama de pH. Verifiquei que a utilização de copolímeros de bloco com maior equilíbrio entre os segmentos hidrofílicos e hidrofóbicos e de menor peso molecular favorece a formação de nanoestruturas micelares esféricas e estáveis por self-assembly.

RELAÇÃO

ENTRE

NANOESTRUTURAS

REOLOGIA

E

O crescimento do conhecimento acerca dos polímeros inteligentes tem aberto novas portas na biotecnologia, medicina e engenharia, razão pela qual escolhi este tema para a realização da minha dissertação. Estes polímeros são formalmente conhecidos pela sua capacidade de responder, de uma forma reversível, a estímulos provocados no meio ambiente, como mudanças de temperatura e de pH. Os objetivos deste estudo passaram pela determinação da relação da estrutura que os polímeros inteligentes formam com as suas propriedades físicas e químicas quando estimulados através da variação do pH do meio e encontrar um equilíbrio e polaridade adequados para o self-assembly, através da utilização de copolímeros, pois na resposta a uma variação do meio, as macromoléculas podem formar nanoestruturas estáveis e bem definidas. O copolímero de bloco utilizado como caso de estudo foi preparado com segmentos, com diferentes comprimentos, de um polímero hidrofílico (PEG) e de um polímero

chegar a um (ou vários) produtos finais específicos, a curto/médio prazo, capazes de vingar no mercado dos biomateriais. João Miguel Santos

Numa perspetiva de utilização destes materiais em aplicações convencionais, tal como a aplicação em formulações de revestimento e tintas, deverá ser explorado os comportamentos dos copolímeros a diferentes gamas de valores de pH. Uma vez que verifiquei que a presença de um segmento hidrofílico pode influenciar parâmetros físicos da P4VP, tal como o seu valor de pKa, a influência do componente hidrofílico neste tipo de parâmetros relacionada com o tipo de estruturação em meio aquoso, deverá ser explorada. Engenheira Patrícia Castro


dizCURSO • número 22• dezembro de 2013

NÚCLEO\\ 11

ATIVIDADES REALIZADAS PELO TEU NÚCLEO BANCA DO DESABAFO

No passado dia 12 de Novembro, o pelouro da pedagogia realizou a primeira banca do desabafo deste ano letivo. Para todos os que ainda desconhecem o conceito desta atividade, a banca do desabafo foi criada para que todos os alunos pudessem expressar as suas opiniões e descontentamentos, livremente e de forma anónima, para com isto podermos compilar um conjunto de problemas, tendo como finalidade a sua resolução. Todos os assuntos, nomeadamente, considerações gerais MAPA DAS ZONAS No passado dia 11 de Novembro de 2013, foi colocado um mapa de Portugal e um mapa-mundo, à entrada do DEQ, com o objetivo de que todos os dequinianos deixassem a sua marca, colocando um pionés no distrito/país de onde são naturais. Esta atividade, realizada pelo pelouro

acerca do curso, problemas ao nível das unidades curriculares e problemas com docentes são exemplos daquilo que podem falar connosco. Posto isto, gostaria de agradecer, em nome do pelouro, a participação de todos os estudantes do MIEQ que contribuíram para o sucesso desta ativdade. O pelouro da pedagogia garante que será uma atividade a repetir no próximo semestre e esperamos contar uma vez mais com a vossa participação.

Teresa Cernadas

da cultura do NEDEQ, decorreu durante duas a três semanas. Terminado este período, foi efetuada uma análise quantitativa a partir dos mapas: Coimbra, Aveiro, Viseu, Leiria, Santarém e Vila Real são os distritos de onde provém mais estudantes, embora tenhamos estudantes de norte a sul de Portugal. No nosso

departamento temos também alunos das ilhas da Madeira e de São Miguel, nos Açores. Relativamente ao mapa-mundo, apercebemo-nos da internacionalização do nosso DEQ, com alunos de todos os continentes, apesar da grande maioria ser europeia. Ana Rita Lopes


12 //NÚCLEO

MAGUSTO No passado dia 11 de novembro, dia de S. Martinho, o NEDEQ/ AAC não quis ficar indiferente à tradição e realizou um Magusto, com a ajuda dos responsáveis do Bar do DEQ e da Dona Dulce. Este foi um momento repleto de castanhas bem quentinhas, de boa jeropiga e de uma boa conversa.

FEIRA DO LIVRO Este ano, nos dias 4 e 5 de Dezembro, realizou-se na entrada do Departamento de Engenharia Química uma Feira do Livro, com a colaboração da Livraria Almedina. Esta iniciativa, por parte do NEDEQ/ ACC, teve como principais objetivos o contacto direto dos alunos com livros que podem ser úteis ao longo do curso, sem terem que se deslocar

dizCURSO • número 22• dezembro de 2013

Como é costume uma parte das castanhas foi confecionada nas estufas existentes no laboratório, deixando muitos dos estudantes do MIEQ surpreendidos e entusiasmados em prová-las. Esperemos que esta tradição não se perca e que as castanhas do nosso laboratório continuem a ser as melhores. Stacy Morgado diretamente à livraria e também poderem trocar ideias de qual/quais os livros mais adequados a cada unidade curricular. Tudo correu como previsto e esperamos que os alunos tenham aproveitado esta oportunidade. Os nossos sinceros agradecimentos à Livraria Almedina pela disponibilidade e atenção oferecidas. Kevin Neves

AGENDA CULTURAL

NÃO PERCAS O JANTAR DE NATAL NO DIA 19 DE DEZEMBRO!!!


dizCURSO • número 22• dezembro de 2013

ERASMUS \\ 13

ERASMUS Experiência vital na formação da alma e direção do espírito, dando quer faculdade académica como ampliação do horizonte, aumentando as dimensões espirituais (nos tempos vagos). Exploração do inédito para extensão da sua compreensão e recolha minuciosa da parcela de verdade. Esta introdução serve para tornar o meu artigo mais interessante mas foi roubada a um qualquer escritor que possivelmente já passou à história e agora posso prestar-lhe homenagem. Vou relatar o que a minha memória me permita por entre aqueles dias ou noites, de peripécias (quase nenhumas) e confusão (constante). Aterrei em Praga derrubado pelo cansaço que uma viagem de 3 horas pode oferecer a quem já apreciou mais viagens aéreas. O cansaço ganhou vantagem ao interesse pela maravilhosa capital. No entanto dei umas hipóteses à paisagem noturna que pude espreitar pelo vidro do autocarro mas fui derrotado pelas luzes e deixei-me disso. Do que me lembro, os espaços que percorri na minha viagem tanto podiam ter sido construídos na República Checa como no Vietname. Eram estradas, carros, prédios como os outros. Quis assustar-vos com esta primeira impressão mas não passa de uma picardia. No dia seguinte, pus-me a pé para ir ao centro e aí a história era outra; a fisionomia das igrejas, museus e toda a obra de construção civil era banhada de detalhe e apetite pelo belo. Não quero destacar a estátua de Franz Kafka,

o museu nacional, a rua mais estreita do mundo com semáforos para peões, teatros megalómanos ou o centro comercial de nome Palladium, pois parece-me injusto para o resto dos intervenientes irreverentes que tornam esta cidade especial. Há uma noção de civismo extraordinária; os carros foram proibidos de passar pela famosa ponte Carlos, local de eleição para os milhares de turistas. A título de curiosidade deixo-vos a informação que a torre do relógio astronómico é local de passagem para cerca de 2 mil pessoas num mau dia e 20 mil pessoas num bom dia. No que diz respeito à maltinha de ERASMUS, talvez haja um certo padrão, não que o tenha estudado com especial atenção, mas reparei que existe uma proximidade, talvez natural, entre Espanhóis, Italianos, Gregos e Portugueses. Leva-me a pensar que o latim é o nosso pai, o grego, aquele tio que nos dá apenas prendas no natal e a gastronomia nossa mãe. Bom azeite faz-nos ficar para trás nos índices económicos mas apelidam-nos “carinhosamente” de pigs (portugal, italy, greece, spain). Parece então que deslizamos desafortunadamente para o mesmo caldeirão. Finalizo este raciocínio com a ressalva que para toda a regra há sempre uma reserva de exceções e como tal, nutro admiração pelos Franceses que têm energia para dar e vender. A gastronomia ainda não me deixou água na boca, tentei deixar-me seduzir pelos pratos típicos mas fica a ideia que os ovos estrelados que fazia

quando tinha 13 anos deixavam-me mais satisfeito. Como bom filho à sua casa regressa, já pude provar e aprovar uma mão cheia de petiscos de todo o género no famoso (entre portugueses) Café Oliveira, na companhia da famosa (para portugueses) Super Bock enquanto assistia de perto ao jogo do meu Sporting, do qual a fama não conhece fronteiras. Estes momentos acrescentaram alguma paz de espírito e fomentaram a necessidade pela comida lá de casa. Percorre-me a impressão de que este país se dá a conhecer por certas medidas e movimentos liberais. É de relevante interesse a última tomada deste movimento. Eis que que no rio Vltava flutua num pequeno barco uma escultura do famoso Cerny, o qual nos presenteia a sua obra um tanto ou quanto controversa. Pois bem, trata-se de uma mão ereta, a qual exibe sem qualquer pudor o dedo do meio apontado à residência presidencial em tempo de eleições. Certamente obra de mau gosto pois em Belém não se consegue avistar nem uma unha. Outro assunto de que vos quero falar prende-se com o aparente culto ultra religioso. Podem avistar-se igrejas em qualquer virar de esquina, mas por de trás desta imagem, descobre-se que a realidade é outra. A República Checa é o segundo país mais ateu, sendo apenas ultrapassada pela Estónia. Dá-me a impressão que sou um convidado nesta cidade, mas daqueles que bate à porta sem convite. Li, que em tempos idos, os anfitriões eram o alvo da atenção dos convidados, e estes,


14 // ERASMUS

teriam que lhes agradar ou então não voltariam a entrar. Aqui a história é bem diferente, os estudantes que incorporam o Erasmus Students Network acolheram-nos como se fossemos criancinhas. Fizeram-nos a papinha toda, desde segurar um papel com o meu nome inscrito a saída do aeroporto, à disponibilidade incansável para dialogar com os praguenses (tarefa quase impossível sem tradutor), ao peddy paper com o intuito de beber a história que esta cidade transpira. Talvez carregue esta dívida ad eternum e sem possibilidades financeiras para pagar. Passaram-se quase 2 meses em que a noção temporal deixou de me ser fiel. É curioso e ao mesmo tempo interessante que nos meus tempos em Coimbra, fugia sempre que podia da casa dos meus pais. Agora, são eles e o meu irmão que mais peso fazem nas mais diversas formas de saudade. A roupa lavada, as refeições, o quarto sem quaisquer vestígios de pó (porque o menino é alérgico) afinal não aparecem por magia. Por de trás disto à esforço e carinho. Mentiria se dissesse que aqui alguém realmente sabe quem sou. Primeiro porque falo numa língua que me é estranha e segundo, ainda está para vir a primeira pessoa que me chame pelo meu nome. Tenho que fazer um esforço para aceitar o Juau ou o Joao mal ditos. Feitas as contas, houve razões mais que suficientes para me fazerem sentir que vivia um sonho (daqueles impossivelmente bons), mas apenas até ao dia que tirei uma negativa afastando por completo essa

dizCURSO • número 22• dezembro de 2013

hipótese.

me fazem sentir em casa emprestada.

Tento, sempre que posso, dar vida aos tempos mortos dando hipóteses tanto aos livros como a variadíssimos álbuns. Desde a minha chegada já li 2 livros e nenhum deles continha equações. Faz-me crer que é um esforço em vão pois pouco já sei dizer na “língua de Pessoa(s)”. Sempre que saio de casa e vou dar uma volta pelo que há de interesse ou algo menos interessante como ir às aulas, despendo 35 minutos do meu tempo no metro. Dá-me comichão ser aquele gajo no meio de um magote com direção às saídas ou entradas onde por vezes sou atropelado por indivíduos que pensam que se ganharem 5 segundos o dia vai ser mais produtivo. Deste tipo de seleção natural, Darwin não estudou. Eu tenho a minha receita onde o jogo segue as minhas regras: sintonizar a frequência ideal do velho iPod e afastar o olhar da pessoa da frente ou então entrar no mundo dos livros, esticando os pés para um maior conforto. Aqueles minutos debaixo de terra que já me dei ao luxo de contar são terríveis na companhia de luz artificial, pessoas estranhas sem poder soltar uma olhadela para as formas que dão corpo a uma cidade. À parte disto, tudo é perfeito.

Dei uma olhadela na atualidade Portuguesa, em geral, e na da minha cidade, em particular, onde pude assistir ao resumo jornalístico (que nem sempre conta toda a verdade) da Festa das Latas. Gostei do que vi, pois foi palco para manifestações por parte dos estudantes, um pouco mais enfraquecidas pelos efeitos do álcool mas com responsabilidade civil. Ainda bem que mostraram o descontentamento pelo atual governo, pois o futuro avista-se de negro e ao longe. Foi com muita pena que li algumas medidas para o Orçamento de Estado 2014. Não me importo de empobrecer, agora ficar com menos dinheiro e não haver uma solução é outra história. Quero abrir-vos o apetite com uma estupenda frase de João Quadros: “A crise está para os portugueses como a virose para os médicos”. Caso alguém esteja a pensar que por aqui as coisas economica e politicamente estão de feição, engana-se. Mas, se de alguma maneira vos passar pela cabeça emigrarem para Praga, fiquem a saber que há um barco no rio onde os sem-abrigos podem passar as noites do rigoroso inverno que aqui se vive.

Por vezes acontece que se misturam em pensamento dois estados: Mudança e Saudade; música carregada de nostalgia onde algo deixou de ser para dar vida à experiência. Para mim, Coimbra vai ter mais encanto na hora do regresso, no entanto, até lá espero que o tempo dilate para me dar oportunidade de me despedir das pessoas e dos espaços. Bons ingredientes que

Em jeito de conclusão, queria dizer que vos escrevo porque me distraí umas horitas ao dar testemunho às vicissitudes de um dia-a-dia. No papel, palavra após palavra, não retrata as imagens ou os sons, mas deixovos este quadro em forma de esboço que criei. Até… João Miguel


dizCURSO • número 22• dezembro de 2013

HUMOR E PASSATEMPOS \\ 15

ANEDOTAS - Porque é que beber água durante as aulas dificulta a aprendizagem? - Por que a água diminui a concentração. -Porque é que o feijão ateu não combate a anemia? -Porque não tem Fe - O metil e o metano foram saltar de parquedas. Quem saltou primeiro? - O metil, porque ele é radical!

PALAVRAS CRUZADAS

Horizontal 1- Base para os hidrocarbonetos aromáticos. 4- Cada uma das 7 linhas da tabela periódica. 5- É a menor partícula que caracteriza um elemento químico. 7- Operação unitária na qual se separa uma mistura sólido-fluída em suspensão. 8- Método de “dar o nome” a certos elementos químicos. Vertical 2- Partícula fundamental carregada de eletricidade negativa. 3-Trocador de calor que gera a transferência de energia térmica contida no meio ambiente até um gás refrigerante a baixa temperatura, é o processo de evaporação. 6-O mais abundante dos elementos químicos.

SUDOKU


PARTICIPA NO JORNAL DO TEU CURSO!! Envia as tuas opiniões, ideias e sugestões para jornalnedeq@gmail.comcom

> acompanha todas as actividades: - https://www.facebook.com/ NEDEQAAC

> todas as edições do dizCURSO: http://issuu.com/jornalnedeq

> visita-nos: - http://www.academica.pt

diz

CURSO

FICHA TÉCNICA Edição, redação e propriedade: Núcleo de Estudantes do Departamento de Engenharia Química da Associação Académica de Coimbra

Departamento de Engenharia Química Pólo II – Pinhal de Marrocos 3030-290 Coimbra

Tiragem: 90 exemplares

Jornal dizcurso #22  

Jornal de Dezembro do Núcleo de Estudantes de Engenharia Química

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you