Page 1

junho de 2012 o ano V o número 16

edição: NEDEQ/AAC

Novo Mandato NEDEQ/AAC

O novo Presidente que, recentemente, tomou posse, prestou declarações ao dizCURSO

> página 10

I Gala Reatores de Ouro

Perdeste a Gala? Fica a par de tudo o que se passou com o update que o dizCURSO te faz

O dizCURSO relata-te o evento mais

nesta edição!

emblemático do DEQ > páginas 3 a 5

Outros destaques > I Visita ao Museu Machado de Castro

Não devias ter perdido esta tarde de cultura que o NEDEQ proporcionou ao DEQ

página 6

> Engenharia Química ganha Beer Olympics do Pólo II > página 8


//2

dizCURSO • número 16• junho de 2012

INÍCIO

EDITORIAL E assim chega o fim… Há que dizer que o feedback deste mandato do do NEDEQ/ AAC foi óptimo. Tudo o queriamos fazer, fizemos e ainda

ÍNDICE

mais. Este ano o núcleo trabalhou muito bem embora, por vezes, não tenha sido fácil. Isso conseguiu-se pois existe uma equipa muito unida. Agora toma posse os novos corpos gerentes do NEDEQ/ AAC, uma equipa nova, que de certeza que também trará novidades, pois é uma equipa muito boa. Por isso peço a todos os que me apoiaram neste mandato, participem nas

> DEPARTAMENTO páginas 3 a 5.

> NÚCLEO páginas 6 e 8.

actividades do NEDEQ/AAC, pois elas são para vocês. Tirem todas as vantagens que este órgão vos pode dar! Mas para mim este mandato ainda não acabou! Acabará

> ACADEMIA páginas 7 e 9.

com o ENEEQ! Eu prometi que o ia realizar e está a começar a ganhar dimensões! É algo trabalhoso, mas acredito que todos os que estão na equipa são competentes para levar isto para a frente! Não me estendendo mais, deixo agradecimento a toda a equipa que trabalhou comigo! Pois por bons ou maus, foi graças a eles que este mandato se realizou de uma forma tão pacata e completa. E agradeço também a todos os alunos do DEQ que não votaram em mim, mas que se deram ao trabalho de ir as nossas actividades, pois isso é muito importante! Foi um prazer trabalhar com esta equipa, neste núcleo e neste departamento! CONTIGO! PARA TI! COM O CURSO!

Saudações Académicas, João Santos (Presidente Cessante do NEDEQ/AAC)

> HUMOR E PASSATEMPOS páginas 10 e 11.


dizCURSO • número 16• junho de 2012

DEPARTAMENTO

//3

Cerimónia inovadora no Departamento de Engenharia Química

I Gala de Reatores de Ouro O Núcleo de Estudantes dinamizou, pela primeira vez, uma cerimónia emblemática que distinguiu Professores, Investigadores, Alunos e Funcionários do Departamento de Engenharia Química (DEQ)! Uma cerimónia cheia de

glamour que ficará na memória de toda a comunidade do DEQ para sempre!

O Núcleo de Estudantes do Departa-

Engenharia Química (DEQ) que se

nhia que surpreendeu, tanto na en-

mento de Engenharia Química da

distinguiram nas mais diversas cate-

trega de prémios, como nos magnífi-

Associação Académica de Coimbra

gorias.

cos trajes que o DEQ, esmeradamente,

(NEDEQ/AAC) realizou uma Gala de

Depois da abertura em grande com a

vestiu.

entrega de prémios que contou com a

atuação da Secção de Ginástica da

Para os mais resistentes, a festa conti-

participação de Professores, Investiga-

AAC, João Costa e Ana Bento entraram

nuou até de madrugada com o Conví-

dores, Alunos e Funcionários do De-

em palco, tendo sido fantásticos apre-

vio no Molhe Club CHEMISTRY

partamento.

sentadores deste evento que fez histó-

NIGHT - VEM PROVAR A QUÍMICA

A Gala teve lugar no auditório do Ins-

ria no DEQ.

DA TUA ACADEMIA! que reúniu os

tituto Português da Juventude (IPJ) no

Depois da entrega de vários prémios, a

cursos de Química e Engenharia Quí-

dia 24 de Abril.

Quantunna veio preencher ainda mais

mica numa noite cheia de animação.

Este evento homenageou com uma

a o serão da plateia animada que en-

O NEDEQ agradece a presença de

entrega de prémios simbólicos algu-

chia o anfiteatro do IPJ .

todos neste evento.

mas entidades do Departamento de

Foi uma noite única em boa compa-

Está atento às publicações do NEDEQ no facebook! Já

viste

as

fotografias

da

Gala?

Clica “Gosto” em Afonso Bastos Photographer e acede ao álbum “I Gala de Reatores de Ouro”!


//4

dizCURSO • número 16• junho de 2012

DEPARTAMENTO

Cerimónia inovadora no Departamento de Engenharia Química

I Gala de Reatores de Ouro Depois da Cerimónia, fomos ao encontro de alguns dos vencedores que trabalham diariamente para que o DEQ seja uma casa tão acolhedora com o objetivo de saber o que sentiram ao receber esta homenagem por parte do NEDEQ... Professor do Ano e Melhor disciplina - Fenómenos de Transferência II Ter recebido estes prémios proporcionou em mim um sentimento misto de surpresa e de dever cumprido; como referi na Gala, significou para mim o reconhecimento do trabalho, gosto e empenho diário. Foi um momento especial pelo simbolismo e pela satisfa-

E os nomeados eram…

ção proporcionada que se tornou num inesquecível incentivo para atingir as melhores práticas pedagógicas no contexto de uma disciplina cujos conceitos leccionados não são facilmente entendidos nem apreendidos pelos alunos. Agradeço a todos aqueles alunos (passados e presentes) que, também com o seu trabalho, gosto e empenho, fizeram manter acesa a chama quando o desalento me invade ao ser confrontada com o (in)sucesso escolar.

Professora Maria da Graça Carvalho

Funcionário do Ano Lamentavelmente não pude estar presente na Gala dos Reactores de Ouro mas chegaram-me ecos de uma boa organização, que reuniu a comunidade do DEQ em extraordinário convívio, vestido de gala e vivido em ambiente de sarau cultural. Novidade no DEQ, este tipo de gala é uma iniciativa merecedora do nosso aplauso, que vai em particular para o núcleo organizador (NEDEQ). Sobre a distinção de que fui alvo - funcionário do ano - recebi-a naturalmente com simpatia. Como sabem, os prémios ou distinções valem o que valem. Eu tenho gosto e brio no meu trabalho e, por isso, a maior satisfação resulta de um trabalho bem feito. Não vivo para ouvir palavras de apreço (as Críticas são bem mais necessárias) mas por vezes algum reconhecimento cai bem e por essa razão aqui vos deixo o meu sincero agradecimento! Espero que reeditem a gala! Eu cá estarei para açambarcar mais Reactores de Ouro nas categorias de esponja, vitesse, lambão, ou outras assim! Bem-hajam e, apesar das minhas limitações, contem sempre comigo pois o meu lema continua a ser: «Não quero que vos falte nada!».

Adamo Caetano

Melhor direcção A 1ª Gala dos Reactores de Ouro, organizada pelo NEDEQ, foi um evento com pompa e circunstância que fez história no nosso Departamento. O glamour deste espectáculo ultrapassou as ex-

pectativas, com a elegância dos rapazes e o encanto das meninas, com indumentária de cerimónia que embelezou a noite e extravasou a alma de satisfação. Foram revelados talentos artísticos, o que confirmou a diversidade de capacidades adquiridas pelos estudantes de engenharia química. A Gala representou um momento solene de partilha entre estudantes e professores, entre funcionários e investigadores. O meu “Reactor de Ouro” será guardado com carinho e dedicado a todos os estudantes, a favor dos quais me empenho diariamente com todas as minhas forças. Bem hajam.

Professor Jorge Rocha


dizCURSO • número 16• junho de 2012

DEPARTAMENTO

//5

Cerimónia inovadora no Departamento de Engenharia Química

I Gala de Reatores de Ouro O dizCURSO foi também de encontro aos alunos vencedores das categorias desta Gala única e constatou que as emoções estão à flor da pele... Aluno do ano O reactor de ouro que me foi entregue representa, para mim, o culminar de um longo ano de trabalho e, como tal, foi um grande prazer poder ver o meu esforço ser premiado e poder partilhar esse momento com as pessoas que o apoiam diariamente. Naturalmente que estava nervoso mas foi uma boa surpresa e gostei bastante de todo o espetáculo. Espero que estas cerimónias continuem a ser realizadas, pois estes prémios são não só um motivo de orgulho mas também algo que nos motiva a continuar o nosso trabalho.

Pedro Maximiano

Mais Pro/reativo

Foi com enorme alegria que recebi o Reactor de Ouro na categoria de Mais PróReactivo, uma vez que os concorrentes eram todos eles merecedores do prémio e porque também procuro diariamente fomentar toda uma dinâmica associativa e não só,

entre os meus colegas no DEQ. Considerei o Reactor de Ouro como uma recompensa pelo meu inconformismo em relação a todo um conjunto de situações das mais variadas áreas, que penso que se podem melhorar bastante no nosso Departamento. Dedico o prémio a todas as pessoas que me têm apoiado e ajudado na procura da melhoria contínua do DEQ e espero contar com todos os meus colegas, uma vez que me encontro em final do meu percurso académico, para que mantenham sempre uma atitude de vigilância e de intervenção construtiva em relação ao prisma DEQuiano e porque não, também à sociedade em geral. Um grande bemhaja ao NEDEQ/AAC e a toda a organização da I Gala Reactores de Ouro.

Robert Baden Powell disse um dia: “Tentem deixar este mundo um pouco melhor do que o encontraram”

Anselmo Nunes

Caloiro do ano Eu encaro ter ganho o prémio como um momento bastante importante, ao ser reconhecido por muitas pessoas que estão no nosso departamento, até porque foi a 1ª gala realizada e bastante dinâmica e divertida. Na minha opinião é de continuar a realizar eventos como este porque consegue juntar todas as pessoas que existem no nosso departamento e estamos todos com um comportamento mais descontraído. Já agora, quero agradecer às pessoas por me escolheram para caloiro do ano e dar os parabéns às pessoas que organizaram a gala. Erasmus do Ano

André Simões

When I first heard about the upcoming Gala I didn’t know what to expect, all I know was that it will be something “like Oscars”. What really struck me when it started was how professional it looked. Looking back I remember one of such events in my school, like when “DJ” had to put his microphone against his laptop to play music because he didn’t know how to connect cables... Here on contrary everything looked well prepared. Even the presenters seemed to be straight out TV, I mean just hair on João, I just wonder how long it took to fashion that one. Ha ha. Gymnastics girls bought me completely. On more serious note the whole Gala was great, I really regret not being able to understand everything. Maybe because of that the award was quite a surprise, since there were some Brazilian Erasmus who people might have talked more often. I guess being the sole reason for whole year to endure lectures in English makes you somewhat famous. Luckily I wasn’t hated for that as much as I expected and it was great honour to receive this award (it looks cool too, a reactor! Yeah!). Esponja do ano

Witold Waliszewsky

Ter ganho o reator de ouro foi, sem dúvida, uma grande surpresa para mim, pois com nomeações tão fortes e outros que mesmo não sendo nomeados são verdadeiros campeões do levantamento do copo. Foi grande o espanto quando lá foi dito o meu nome… Mas, como disse o Professor Abel e como ate vem agora a época de exames, espero ser digno agora de mais outro tipo de esponja desta vez não de teor alcoólico, mas de matéria leccionada nas cadeiras ao longo do semestre.

João Miranda

E os nomeados eram…


//6

dizCURSO • número 16• junho de 2012

NÚCLEO

Mais uma fantástica tarde ao encargo do NEDEQ

1 ª Visita ao Museu Nacional Machado de Castro Foi a 11 de Outubro de 1913 que o famo-

cer o Núcleo de Estudantes de Engenharia

tempo passámos a conhecer, e até a saber

so Museu Nacional Machado de Castro

Química da Associação académica de

que ainda hoje muito do que usamos no

abriu ao público, edifício este que se es-

Coimbra decidiu levar todos os estudantes

nosso dia-a-dia provém de invenções dos

tendia sobre o espaço usado para uma

interessados a desfrutar, conhecer e

romanos tal como algumas unidades de

residência episcopal durante o século XII e

aprender um pouco mais sobre o que

medidas tal como o palmo e a polegada.

até ao século XVIII e, a meio do século XX

existe no mundo subterrâneo numa das

começou então a sua função enquanto

zonas mais antigas da cidade e assim se

museu. O nome desta magnífica constru-

realizou a primeira visita ao Museu Naci-

ção situada na Alta de Coimbra deve-se a

onal Machado de Castro no dia 23 de

uma homenagem a Joaquim Machado de

Maio pelas 14.00 horas para conhecer o

Castro, nascido na cidade do estudante a

famoso criptopórtico romano. Foi uma

19 de Junho de 1731, o mais notável es-

viajem incessante nas profundezas do

cultor português do século XVIII que re-

museu que nos levou a recuar até ao tem-

pôs a tradição da escultura em pedra nu-

po dos romanos e tratando-se de um crip-

ma altura em que em abundava a escultu-

topórtico que em meados do século I foi

Esta construção foi também um meio de elevar a renovação arquitetónica e urbanística do primeiro imperador e pacificador da Península Ibérica, pelo que prima por uma imensa simbologia que por vezes nos foi desmistificada pelas explicações do guia. Foi uma tarde cultural de convívio e co-

ra na madeira sendo o primeiro português a escrever sobre escultura e a traçar os passos essenciais de uma metodologia. Este museu é uma relíquia cultural pois contém variadas coleções nomeadamente de arqueologia, escultura, ourivesaria, joalharia entre outros. Mas a sua grande atração reside nos notáveis vestígios do

onde se erigiu a administração romana

claustro do período “condal” e o cripto-

que passou posteriormente a constituir a

nhecimento que nos levou a sair também

pórtico com origens datadas no século I,

sede da vida política, religiosa bem como

um pouco da rotina e a adquirir bons

esta é a mais relevante construção romana

administrativa de Aeminium- a Coimbra

hábitos culturais, tanto que no fim da

preservada em Portugal. Com tanta rique-

Romana (daí advém o nome do criptopór-

visita ao museu ainda um grupo mais

za cultural que Coimbra tem para ofere-

tico-Aeminium), muitos aspetos desse

pequeno de alunos entusiasmados acabaram por passar também por outros locais

Queres saber mais sobre este Museu?

Mnmachadodecastro.imc.ip.pt

emblemáticos como a Biblioteca Joanina, prisão académica, Capela de S. Miguel e sala dos Capelinhos culminando este passeio com um excelente sarau cultural.


dizCURSO • número 16• junho de 2012

ACADEMIA

//7

Queima das Fitas De 3 a 12 de Maio realizou-se em Coimbra mais uma Queima das Fitas. Para os novos alunos, esta festa é marcante por ser a primeira vez que envergam a capa e batina; para os que já estão perto do final do percurso académico, a festa pauta-se da nostalgia de levar bengaladas na cartola...

A alegria da Primeira…

Ao longo da minha vida, nunca imaginei que Coimbra ainda tivesse tanto para me dar, deixando-me pensativo e consciente de que também eu ainda tenho muito que dar a esta cidade a que eu chamo Casa! Não há palavras que descrevam, o orgasmo de emoções experimentado. É impossível dizer o que se sente quando, de capa e batina, nos contemplamos ao espelho, e quando de capa aos ombros saímos à rua pela primeira vez, como que a abraçar um novo mundo por descobrir. É impossível, não nos rendermos à beleza de Coimbra, quando nos olham nos olhos e damos connosco de capa traçada, ou até mesmo quando seguimos nos cortejo e no meio do nada soa o grito, e nos apercebemos de que não estamos sozinhos, elevando as vozes aos céus. No Cortejo, milhões de pessoas, de olhos postos em nós, esperançosos de que um dia consumaremos o futuro de Portugal, depositando em nós o sonho de um dia ouvirem, o canto do nosso peito ilustre lusitano. Debaixo do olhar atento daqueles que vêm em nós o futuro desta Nação, sentimos o peso das espectativas, que com muito orgulho, trabalharemos afincadamente por as atingir! Toda a minha vida foi vivida em Coimbra, via o Cortejo da Queima, ia às noites no Parque da Canção, mas não era a mesma coisa… Agora sinto que faço parte de algo, faço parte de Coimbra! Só agora ao fim de dezoito anos, e após ter saboreado por meros instantes, um vislumbre da sua verdadeira essência, é que ganhei consciência do que realmente Coimbra é!... É sabedoria, é genialidade, é cultura, é tradição, é sonho, é beleza, é amor… Nunca imaginei viver Coimbra desta maneira, e sentir este calor, sentir este carinho…

Miguel Martins

...e a saudade da Última

Decorreram entre os dias quatro e onze de Maio a tão afamadas Noites de Parque da Queima das Fitas de Coimbra. Para alguns foi apenas isso, mas não para mim. A Queima das Fitas de Coimbra, mais comummente conhecida só por “Queima”, é muito mais do que meia dúzia de concertos, com bandas mais conhecidas ou menos conhecidas, com bons ou

maus cartazes para as “Noites do Parque”. A “Queima” é sim a mais antiga festa académica do país (alicerçou-se a partir de 1899), e tendo em conta que está inserida numa Academia de tradições e costumes, também centenária, fazem dela muitos mais eventos do que por e simplesmente as “Noites do Parque”.

Confesso que também já pensei na “Queima” desta maneira, mas a tradição coimbrã e o associativismo ensinou-me o que era a Queima das Fitas na sua verdadeira essência. Ao longo destes últimos seis anos apercebi-me porque é que Coimbra é Coimbra e por que é que a Queima é de Coimbra.

Não querendo fazer deste texto uma resenha histórica muito massuda, vou apenas enumeras o que para mim deveria ser considerada a Queima das Fitas: tudo começa com as já habituais actividades de índole lúdica, desportiva e cultural que se realizam antes da Serenata Monumental.

Ora a Serenata Monumental constituiu o primeiro evento mais “tradicional” da Queima das Fitas de Coimbra e realiza-se na Sé Velha, pelas 00h00 da sexta-feira em que se inicia-

ram os festejos. Esta é das noites com mais significado para mim, visto que é nesta noite que se traçam as Capas e que se ouve a “Balada do 5º ano jurídico”, com todas as emoção que estes dois eventos podem causar à flor da pele e nos canais lacrimais. Ainda neste dia realizou-se o Sarau de Gala que é um evento ao qual não pude infelizmente ir, mas que é das mais antigas e tradicionais actividades da Queima das Fitas de Coimbra.

Posteriormente realizou-se o Baile de Gala das Faculdades na noite do sábado imediatamente a seguir com o todo o glamour que uma Gala deve ter. Tive o prazer de ir neste ano e sem dúvida alguma será algo para recordar tanto pela companhia que tive o prazer de ter, tanto pelo facto de ter sido a primeira, e à partida única, à qual irei como estudante.

No domingo teve lugar a Queima do Grelo e o Cortejo dos Novos Fitados. Neste Cortejo tive o prazer de verificar que o espírito académico esteve bastante presente, lá para os lados do

carro 14, com muito boa sátira, cartolados na sua maioria de grande qualidade (permitam-me a presunção), e que cumpriu o objectivo previamente definido de não “dar banho” aos “futricas” que pretendiam disfrutar do evento académico que dá mais à cidade no ano inteiro.

Terça - feira teve lugar o evento com o cariz mais social da Queima das Fitas - a Venda das Pastas. Este evento que já se realiza em Coimbra há setenta e seis anos e este ano e as

verbas resultantes desta actividade tradicional foram para as meninas da Casa de Infância Dr. Elysio de Moura. Neste dia ainda realizou-se a Verbena com um lanche entre as meni-

nas e os novos Quarta-feira foi a noite do Chá Dançante, evento onde pela módica quantia de 5 euros se pode levar um ou vários souvenirs do Baile de Gala das Faculdades e ouvir um pouco das Tunas Academicas como é o caso da Estudantina, ou da Universidade, como é o caso da TMUC.

A Garraiada veio no dia a seguir, e tem a meu ver, como ponto alto o desfilar dos novos fitados da nossa Academia no Coliseu Figueirense na Figueira da Foz. Só os mais “fortes”

conseguem embarcar na aventura de ir para este evento na manhã seguinte a uma noite de parque, mas quem consegue certamente que acha esta experiência algo que não esquecerá nunca. A Garraiada marcou o último grande evento que constituí a Queima das Fitas de Coimbra a não ser que sejam Católicos, para os quais ainda existe a Bênção das Pastas, que se realiza na Sé Nova dia 3 de Junho com uma cerimónia religiosa.

Feita que está a descrição detalhada te todos os eventos que eu considero Queima das Fitas de Coimbra, resta-me dizer que Coimbra sem Queima das Fitas é como um pão sem conduto e que, sem dúvida alguma, esta foi das “Queimas” que mais me marcou, tanto pelo facto de ter sido a última como estudante, tanto pelo facto de a ter passado, na sua grande

generalidade, na melhor das companhias. A “Queima” não é só os eventos e os costumes, são também as pessoas com quem partilhamos as tradições que dela fazem parte. Apesar de haver tradições que não se podem deixar morrer, o que levo para a vida são algumas das amizades que fui fazendo nesta magnífica cidade a e que nesta Queima das Fitas de Coimbra tive a oportunidade de me começar a “despedir”. Não vou para já especificar nomes, até porque as pessoas a que me refiro deverão saber quem são naturalmente!

Por fim queria agradecer aos novos fitados de Engenharia Química por terem feito um magnífico trabalho na construção do seu carro e por terem encarado esta Queima das Fitas de Coimbra com todo o espírito académico que esta deve ter. Vocês são sem dúvida dos anos dos quais eu tenho mais orgulho de ter no meu curso e se se mantiverem assim só são suplantados pelo meu ano que na sua maioria cartolaram nesta “Queima”, modéstia à parte. E acabando este texto com todo o espírito académico: Então malta, e para Engenharia Química não vai nada nada nada?

Anselmo Nunes


//8

dizCURSO • número 16• junho de 2012

NÚCLEO

Digo Jordão e Nuno Forte trouxeram a vitória ao DEQ

Engenharia Química ganha BeerOlympics Polo II 2012

No dia 2 de Abril ocorreu, no Departamento de Engenharia Mecânica (DEM), a Final do BeerOlympics. A acompanhar este evento organizado por todos os Núcleos do Polo II, à semelhança das diferentes eliminatórias que foram ocorrendo no mês de Abril em cada departamento deste campus universitário, estava a decorrer uma febrada que bem acompanhou os “finos” bebidos. Quanto às Olimpíadas, estas consistiram, tal como nas diferentes eliminató-

rias, em cinco jogos: Corrida de Sacos,

constituiu o clímax da tarde chuvosa

Prova de Velocidade, Prova dos Cubos

que o DEM tratou de animar. Durante

de Cerveja, Moeda no Copo-”El Duro” e

mais de meia hora, entre uma equipa

BeerPong. Para além disso, foram ain-

de Engenharia Ambiente e Engenharia

da organizados mini-jogos em que se

Química, foi disputado um jogo que

podia ganhar uma t-shirt do evento em

parecia não ter fim. Já era noite cerra-

que todos, incluindo os concorrentes,

da quando, após muito apoio por parte

podiam participar.

dos alunos do curso que lá se encon-

Nesta final marcaram posição duas

travam, Ambiente ganhou o BeerPong

equipas do DEQ: Diogo Jordão & Nuno

por apenas uma bola.

Forte e João Miranda & Rui Santos..

Ainda assim, rapidamente se seguiram

O desempenho da equipa de Diogo e

as celebrações de todos os elementos do

Nuno foi tão bom ao longo das provas

DEQ ali presentes, com grande orgulho

que, antes da final do jogo, já tinham

na equipa que mudou a visão de Enge-

ganho o Beer Olympics. Ainda assim, o

nharia Química no Pólo II.

jogo do BeerPong, cujo objetivo é acer-

O NEDEQ felicita os vencedores e

tar com bolas de ping-pong nos copos

agradece a tão boa representação feita.


dizCURSO • número 16• junho de 2012

ACADEMIA

//9

Conhecer….

… a Secção de Fado da AAC

O dizCURSO foi bater à porta da Secção de Fado e descobrir a paixão intensa pela música que lá se vive... Já lá vai o mês de Abril, o tão falado mês do Fado, e por isso

mesmo vamos então contar um pouco da história desta grande secção da Associação

Académica de Coimbra e também conhecer um pouco mais da sua intervenção na

vida dos estudantes nos dias de hoje. E, para isso, fomos até à Secção de Fado (SF/AAC) falar com a presidente desta: Alice Lopes.

A Secção de Fado tem vindo ao longo dos anos a revelar uma

grande história de vida pela Academia de Coimbra. A ideia da sua criação surgiu em 1979, numa altura agitada em que se vivia o Movimento de Pró-Organização e Restauração da Praxe

Académica de Coimbra que contribuiu também no lançamento desta iniciativa. Grupos de estudantes começaram por apresentar este projecto às várias Direcções Gerais mas não conseguiram

obter o espaço continuando no impasse, até que se tomou esta ideia como uma exigência da Academia e se reuniram 800

assinaturas de estudantes que apoiaram e tornaram mais sólida a necessidade e o desejo de tal criação colmatando então no resultado espectado: dia 25 de Junho de 1980 era entregue uma sala para a instalação da tão esperada Secção de Fado da Associação Académica de Coimbra!

sem saber quando vamos embora e o que vai acontecer mas já

dos grupos actuais, o fado costuma também ser utilizado como

noite é usual dizer, entre outras coisas, “ que à noite todos os

é necessário que agora, embora não nos esqueçamos dos fados

R: São muitas horas dedicadas a esta causa. Obviamente que a

faz falta e agora até foi dos grandes pontos do mês do fado em

P: O pessoal do fado é considerado uma figura da noite, e da gatos são pardos”, será?

tes que temos. E lá está também é muito engraçado porque não

das grandes apostas é isso, produzir originais e que consigamos neste estilo mostrar a situação que vivemos. Nenhum fado até

Mas não, não são pardos (Risos).

actual. Se bem que a Orxestra Pitagórica também faz ver bem

R: Falta… acho que… iniciativa por parte dos estudantes, a

P:Qual é a sua visão do reconhecimento nacional acerca da sua

não hajam pessoas a usar os instrumentos e animar as pessoas. P: O que acha que falta para que o fado seja ainda melhor?

ponto em que efectivamente toda a gente que passe por Coim-

este estilo musical é totalmente diferente do fado habitual, do fado de Lisboa, podería ter muito mais destaque porque embora,

P: A Secção de Fado é das mais importantes desta academia, qual

projecção e gostaría que a nivel nacional, principalmente,

aos estudantes?

muito diferente, as pessoas associam-na pela sonoridade carac-

Associação Académica de Coimbra.

é o peso da grande responsabilidade na imagem que transmite

R: Na Secção de Fado todos os seus elementos quando entram e

saber um pouco mais das pessoas que dela fazem parte, o Dizcurso foi ouvir um fadinho e dialogar com Alice Lopes, Presidente da Secção de Fado.

P: Como o Fado é também um emblema de Coimbra, e esta a nossa cidade, para si Coimbra é…? R: É uma pergunta um bocado complicada ( risos). Coimbra acho

que é uma cidade muito especial, é única. E temos estado a passar também muito essa imagem que é a única cidade e universidade do Mundo com um estilo musical próprio. E também relativa-

mente à tradição da Praxe e obviamente que a canção de Coimbra é a massa principal e é a bandeira que nós temos mais forte. P: E para si ser do Fado é…?

R:É um modo de vida. É muito diferente de todas as experiências. No primeiro ano que estive em Coimbra não me envolvi em

nada da Secção de Fado nem em grupos Académicos e realmente é uma experiência que aconselho para a vida.

P: O que é que sentiu quando ouviu pela primeira vez um bravo num calor de um espectáculo? R:Acho que Coimbra é muito pautada por um sentimento muito especial que mesmo no primeiro ano toda a gente, uns mais

outros menos, mas toda gente mesmo no seu primeiro ano consegue sentir saudade, o que é uma coisa fantástica, mesmo

e há essa comparação óbvia pelo nome e acho que à falta de

mostrar dentro do estilo e dentro da guitarra, a própria guitarra é terística, que sim que existen dois tipos de fado completamente

distintos, que têm origens diferentes até

“Faço um apelo para que haja interacção dos

nas temáticas. Gostaría que as pessoas soubessem que o fado em Coimbra é

exactamente para fazer estes tipos de críticas, expressar o estudante e é tão legítmo quanto o outro e merece o seu

pela música que venham, apareçam e que não

destaque.

tenham medo porque não é difícil e as pessoas

P:Portanto acha que é essa diferença

estão dispostas a ajudar e efectivamente é uma

que faz prevalecer o Fado de Coimbra

experiência única.”

relativamente ao Fado de Lisboa, o sentido crítico?

humana! A verdade é que, a Secção de Fado da Associação Para conhecer um pouco mais desta grande secção e também

R: Neste momento acho que à falta de empenho em mostrar que

bra saiba o que é passar por Coimbra e o que representa a

tes e obviamente que se tiverem algum interesse

Académica de Coimbra enche de alegria a vida dos estudantes.

estes pontos. secçao?

Associação Académica de Coimbra. Para que cheguemos a um

nome da nossa Associação Académica de Coimbra pelo País e

antiga Associação Estudantil nesta missão cultural, social e

agora poderá representar tão bem quanto os novos a situação

vontade de se integrarem, efectivamente conhecerem o que é a

Académica de Coimbra nas suas várias verten-

todos os dias a Capa e a Batina e a bandeira da maior e mais

é um estilo musical estático serve exactamente para isso e uma

há nenhum sítio, não há nenhuma actividade da secção em que

grupos, tem vindo a crescer levando a alma do estudante e o

prima pela diferença, e a cultura da vida Coimbrã, sublimando

antigos continuarão sempre a ser emblemáticos, mas também

Abril, conseguir que os grupos actuais façam músicas, o fado não

e é um escape obviamente como para todos os outros estudan-

estudantes e que se integrem na Associação

lhando na sua função de divulgar o fado de Coimbra, que tanto

um grito, uma forma de expressão da situação política do país e

noite também é uma parte muito integrante da vida académica

Desde então esta secção, composta actualmente por vários

Mundo através de espectáculos e vários eventos. E, nunca fa-

R:Acho que será um dos fados novos que poderão surgir agora

se consegue sentir pena só em se saber.

quando estão cá prezam muito por tentar fazer um bom traba-

R: Sim é toda uma envolvência, o sentido crítico, o facto de ser

lho. A nível de Fado, a imagem que nós tentamos passar para

tocado e cantado pelos estudantes e obviamente assim sendo tem

tentamos passar a imagem de que somos a única secção praxís-

são muito conhecidos também pela sua actividade e intervenção

além da parte artística que está inerente ao nosso trabalho

sempre um cariz muito crítico porque estudantes de Coimbra

tica o que é efectivamente a Praxe em Coimbra e o que é que nos

política e social. Por isso, acho que sim é aqui que reside a grande

tão diferente.

P: Para terminar, tendo em conta que o fado foi considerado

diferencia, porque é que a Praxe em Coimbra é tão importante e

diferença.

P: Existe um combate por parte dos elementos da secção por

como Património Imaterial da Humanidade, espera agora

musical.

R: O fado de coimbra não esta comtemplado nessa candidatura

aqui mas goste ou não se goste a grande caracterítica é que não

a candidatura da Canção de Coimbra juntamente com a Uni-

vezes a algum desprezo pelos mais jovens perante este estilo

R: Sim, é um estilo musical muito próprio mas como já foi dito

que…?

exactamente pela diferença entre os dois estilos. Mas agora com

se consegue ficar indiferente.

versidade de Coimbra a Património Imaterial, espero agora,

qual é o truque para conseguir organizar todos os eventos com

consiga dar e agora num panorama completamente diferente

P: Visto que esta secção é dividida em muitos grupos, para si

principalmente nesta fase de divulgação de candidatura, que se

todos os grupos?

pois é uma candidatura importantíssima e totalmente apoiada

nenhum truque especial. No fundo nós funcionamos muito

as diferentes entidades mostar e aproveitar exactamente esta

estarem todos integrados na mesma secçao e há muita entreaju-

mais a par do que se passa a nível artístico em Coimbra.

R: São muitos grupos e muitos grupos diferentes mas não há como um todo também e por isso é que faz sentido os grupos da por parte dos elementos dos diferentes grupos que estão centralizados na direcção e um pouco também o desporto.

P:Qual é que acha que é o fado que melhor cantará o destino de Portugal tendo em conta a crisa e a situação actual que se vive?

pela Reitoria da universidade, que consigamos em conjunto com

candidatura como um meio para que as pessoas possam estar O dizCURSO agradece a disponibilidade de Alice Lopes.


//10

dizCURSO • número 16• junho de 2012

NÚCLEO

O dizCURSO foi ver quais as surpresas reservadas para este mandato

Novo Mandato do NEDEQ AAC Daniel Marcos, a Lista A foi a única a concorrer aos órgãos do NEDEQ/AAC para o próximo mandato. O que te levou a assumir o cargo de presidente? Desde que entrei para o DEQ, o associativismo e a ligação com os estudantes do curso foram temas que sempre me despertaram atenção, gosto e interesse. Tive a sorte de no início do meu 2º ano ser convidado a pertencer a uma equipa do NEDEQ/

estadias dos estudantes no DEQ? Encaro um núcleo de estudantes, e principalmente o nosso, da seguinte forma: deve ser capaz de guiar uma melhoria contínua da qualidade de ensino, dotar os estudantes de outras capacidades que o curso não confere e promover o convívio e a ligação entre os estudantes. Assim, as áreas da Pedagogia e do Apoio às Saídas Profissionais e ao Estudante devem ser classificadas como priori-

AAC e este foi o começo do meu contacto

tárias na actuação do NEDEQ/AAC.

de saber o que é pertencer ao NEDEQ/AAC

para os direitos dos estudantes, informando

‘por dentro’ com o núcleo. A partir daí pue acompanhar os projectos, quer na sua preparação, quer na sua execução. Após dois anos sinto-me capaz de continuar o excelente trabalho que até aqui se tem feito. Mas há ainda mais a fazer. É necessário tornar os estudantes de Eng. Química mais próximos do NEDEQ/AAC, passando a mensagem de que o nosso trabalho se faz à volta deles e que eles também são

Pela Pedagogia deve passar a sensibilização -os e alertando-os para minimizar ou eliminar danos, bem como a cooperação com os Representantes na Comissão Pedagógica a fim de resolver problemas pontuais ou de fundo relacionados com o MIEQ. Para tal é necessário estar atento às dúvidas e problemas dos alunos; assunto com o qual nos comprometemos. O NEDEQ/AAC deve ainda sentir-se res-

chamados a intervir.

ponsável por possibilitar que os estudantes

O que pensas desta oportunidade neste

tências, aumentando a sua qualificação. O

cargo trabalhoso? É, antes de mais, uma oportunidade de trabalhar em prol do DEQ: dos seus alunos e do seu enriquecimento nesta casa. Ao longo dos tempos fui conhecendo diferentes valências do núcleo, nomeadamente nos diferentes pelouros que ocupei: inicial-

de Eng. Química adquiram outras compeNEDEQ/AAC compromete-se a desenvolver acções que visem isso mesmo, desde o enriquecimento extracurricular à divulgação de programas de mobilidade, bem como fornecer meios de preparação para encarar o mercado de trabalho. Contudo, a acção do NEDEQ/AAC não fica-

mente o pelouro do Jornal e depois o pelou-

rá, nem pode estar, limitada a estas áreas. A

é completamente diferente: uma represen-

ressalvada e a promoção da prática despor-

ro da Pedagogia. O que me é exigido agora

tação dos estudantes de Eng. Química e uma coordenação de uma equipa com vontade de trabalhar. Penso que o NEDEQ/AAC e os seus alunos têm bastante potencial e é isso que quero desenvolver ao longo deste ano. Durante a campanha fizemos uma proposta que queremos vê-la continuada: (re)Age com o

envolvência com a cultura coimbrã será tiva também. Não serão esquecidos os momentos lúdicos e de convívio que servirão de suporte a toda a actividade no NEDEQ/ AAC, possibilitando uma maior união entre os estudantes de Eng. Química. Retomarás alguma ou mais medidas de mandatos anteriores e lhes darás segui-

NEDEQ!

mento?

Que medidas tomarás a fim de melhorar a

algumas.

Seria um erro não o fazer. Posso assinalar Sempre me foi passada a ideia da ‘família

DEQ’ e sempre tentei promove-la. Um dos melhores momentos onde tal se sente é no Jantar de Natal. Ficou por aplicar, neste mandato, o projecto ‘Dentro de um reactor’ que possibilita a participação de alunos em projectos de investigação. Este propósito de implementação será continuado. Pela primeira vez realizou-se uma gala no DEQ. Será, pois, uma ideia a continuar, devido aos vários elogios que existiram de várias partes.

Na generalidade, o que foi feito de bom não será esquecido e será implementado. O que pode ser melhorado, pois bem, assim será. No último mandato o número de elementos foram 21. O que podemos esperar do aumento de membros para 28 com a tua lista? Desde a sua génese o NEDEQ/AAC tem-se fortalecido e aumentado as suas capacidades, valências e competências, algumas atribuídas pela última revisão dos estatutos da AAC. Creio que não passa despercebido o trabalho que tem sido feito ao longo dos anos e a sua evolução. Partindo da afirmação anterior e respondendo objectivamente à pergunta: os alunos representados pelo NEDEQ/AAC podem esperar trabalho a favor deles. Claro que 28 farão mais e melhor que 21. É necessário aumentar a acção do NEDEQ/AAC e só um aumento de elementos possibilita isso.

Não tenho dúvidas das capacidades desta equipa e naquilo que pode fazer. Mas voltando a pegar no lema usado durante a campanha, não gostaria de pensar num núcleo de 28 elementos, mas sim dos 250 alunos do MIEQ que Agem com o NEDEQ/ AAC.

.


dizCURSO • número 16• junho de 2012

HUMOR E PASSATEMPOS

RiaGente!

Preenche a grelha ao lado com as indicações dadas em baixo.

Assinala as 10 diferenças entre os dois desenhos.

//11


dizCURSO #16  

Edição do novo dizCURSO que saiu para as bancas do DEQ em Junho de 2012!

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you