Page 14

14

mh

quinta-feira 24 de Março, 2005

Expo-FFeira “Ambialimentar” para comprar e informar O ambiente e alimentação tocaram-se na EB 2,3 de Águas Santas. A presença dos pais não foi a desejada. JM

Com o segundo período de aulas a terminar, o estabelecimento escolar de Águas Santas (EB 2,3) levou a efeito, durante três dias, a Ambialimentar, com o propósito de elucidar as novas gerações acerca do desenvolvimento sustentável e de conceitos como a agricultura biológica, transgénicos, produtos naturais, entre outros. Inserido no projecto europeu Eco-Escolas, o Conselho Executivo, que todos os anos costuma organizar uma “semana verde”, promoveu a expo-feira acerca de um assunto que está na moda. «Pode-se comprar produtos, todavia a principal finalidade é informar os nossos alunos. Eles ouvem falar de agricultura biológica, mas os conhecimentos são muito vagos. Pensam que se trata de comida sem sabor, vegetariana, macrobiótica... e não é nada disso», afirmou Manuela Barbosa, membro do Conselho Executivo e coordenadora da escola para a educação ambiental. A presença dos pais e encarregados de educação, segundo Manuela Barbosa, é que poderia ter sido melhor, tendo-se inclusive escolhido uma noite de abertura, com o conjunto de música popular “Os Amigos da Tocata”. «Ficamos um pouco frustrados com a pouca afluência», lamentou. Sara Fonseca, Funcionária da Quercus, do centro de Educação Ambiental de Matosinhos, notou que existe uma falta de conhecimento muito grande entre os jovens quanto às instituições dedicadas ao ambiente; «A maioria não conhecia a Quercus, que é só a maior instituição ambiental de Portugal». Até por isso mesmo, a presença na escola foi profícua; «Se numa turma, um ou dois alunos ficarem sensibilizados para a matéria já é uma vitória». Entre as instituições presentes estiveram: LIPOR, Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica, Campo Aberto (Associação dedicada à defesa do ambiente urbano), Plataforma Transgénicos Fora do Prato, Quercus, Empresa de Têxteis Ecológicos, Empresa de Tintas Naturais, Associação Reviravolta (promoção do conceito de comércio justo), Cantinho das Aromáticas, Naturocoop (dedicada à agricultura biológica), DECO, GAIA (Grupo de Acção e Intervenção Ambiental) e Câmara Municipal da Maia.

FREGUESIAS

Sensibilização ambiental para os mais novos “Águas do Douro e Paiva” promovem programa e concurso de Educação Ambiental. Escola EB1 de Gestalinho foi uma das seis vencedoras, entre cerca de 900 concorrentes. ANTÓNIO MANUEL MARQUES

Responsável pelo Sistema Intermunicipal de Abastecimento de Água ao Grande Porto e Vale do Sousa, as Águas do Douro e Paiva implementou um projecto piloto de Educação Ambiental, intitulado “A Água e os nossos Rios” em nove escolas do ensino básico do Grande Porto. Entre as escolhidas esteve a EB1 de Gestalinho, onde à semelhança das outras instituições, foram levadas a cabo actividades de sensibilização ambiental junto de alunos e professores. Assim, enquanto os professores incorreram numa acção de formação, os mais novos participaram num jogo lúdicopedagógico, numa oficina de escrita criativa para além de um teatro de fantoches. Quanto ao concurso, teve como participantes as escolas do ensino básico da área do Grande Porto, cerca de nove centenas, sendo que no final saíram vencedoras apenas seis, entre as quais a EB1 do Gestalinho. O prémio servirá para implementar o projecto apresentado a concurso pela escola, como explicou ao MaiaHoje, a professora Célia Ribeiro, «recebemos dois computadores e um prémio monetário de 500 euros que permitirão o desenvolvimento do projecto. Pretendemos criar uma página Internet e boletins informativos, realizar visitas de

estudo aos rios locais. Vamos também tentar criar uma Associação Ambiental em conjunto com a Junta de Freguesia». O objectivo global desta iniciativa passa por “reforçar as competências pedagógicas e científicas dos professores e a mudança de comportamentos dos alunos e de toda a comunidade escolar, no sentido da preservação da água e dos ecossistemas ribeirinhos”, já que como referiu João Roseira,

responsável das Águas do Douro e Paiva, «somos uma empresa de Ambiente e portanto não temos como única preocupação produzir um produto de qualidade. Como empresa desta área, queremos ser um parceiro na mensagem para um melhor Ambiente». Em caso de balanço positivo, este projecto piloto será para o ano alargado às restantes escolas do Ensino Básico do Grande Porto.

“Topas” é o rosto desta campanha de sensibilização

A qualquer hora do dia... ou da noite A disponibilidade de 24 horas por dia e o serviço ao domicílio são as grandes apostas da nova Clínica SOS Saúde. A estrutura disponibiliza todo o serviço de enfermagem para além de várias especialidades médicas.

José Araújo e Vítor Hugo são os responsáveis pelo novo espaço dedicado aos cuidados de Saúde, localizado em Gemunde. A ideia para criar a Clínica SOS Saúde surgiu porque «tínhamos o sonho de ter um espaço nosso. Também porque há certas carências no atendimento e tentamos fazer qualquer coisa de melhor. Na área dos cuidados paliativos, dos doentes em fim de vida, ainda há pouca coisa. Vamos então investir, então, nessa área e nos serviços ao domicílio», explicou José Araújo. A Clínica SOS Saúde disponibiliza todos os serviços de enfermagem, como a aplicação de injectáveis ou a colocação de um

penso. Para além disto, uma equipa médica fornece assistência tanto em medicina geral, como em diversas especialidades como a Pediatria, Ginecologia, Cardiologia, Nutricionismo, entre outras. Está também prevista a inclusão de serviços na área da reflexologia e das massagens terapêuticas. Todos estes serviços são disponibilizados 24 horas por dia, tanto na clínica como no domicílio, «as pessoas ainda têm dificuldade em encontrar uma clínica aberta ou um enfermeiro que aplique um injectável ou faça a colocação de um soro de noite. O funcionamento em 24 horas é uma aposta para nos distanciarmos do que já existe.

Conseguimos isso mantendo-nos sempre abertos e disponíveis para atender as pessoas», afirmou ao MaiaHoje, Vítor Hugo. Quanto à área de actuação será principalmente no Concelho da Maia, embora esta este factor não seja restritivo. Em termos de preços, existe uma preocupação em criar uma tabela acessível, embora os serviços ao domicílio tenham, como é óbvio, um custo mais elevado, «vamos seguir uma tabela de preços bastante acessíveis, sendo que os serviços ao domicílio ficam obrigatoriamente mais caros. Um factor que as pessoas muitas vezes não percebem, é que não se paga a deslocação mas o tempo da deslocação. Por exemplo, daqui a S. Romão do Coronado, o enfermeiro poderá demorar uma hora, com o tratamento incluído. Enquanto o preço do tratamento seria 10 euros, o custo de uma hora de enfermagem mais o tratamento, ficará por exemplo, por 20 euros», referiu o mesmo responsável. Para breve, estão previstas também convenções com diversas entidades como a ADSE, empresas de seguros, entre outros, de modo a baixar os preços para o utente. Em funcionamento desde o dia 15, a Clínica SOS Saúde fica situada junto ao vulgarmente designado cruzamento do Castêlo da Maia, mais precisamente no princípio da Via Eng. Belmiro de Azevedo.

pub

Junta de Freguesia da Maia A Junta de Freguesia da Maia, deseja a todos os maiatos e em particular à população da freguesia da Maia, uma Santa Páscoa.

126  
126  
Advertisement