Issuu on Google+

Ano XXVI - nº 252 - setembro de 2012

Juca Post - Franco da Rocha - SP.

Entrevista com o Kiko O Juca Post entrevistou Kiko (PT) e Pinduca (PSDB), candidatos a prefeito de Franco da Rocha nas eleições de 2012. O jornal seguindo sua linha editorial, com a imparcialidade de sempre, elaborou algumas questões relativas ao futuro da cidade que foram respondidas pelos dois candidatos. As perguntas são idênticas e cada um respondeu de acordo com a sua ótica e o seu plano de governo.

EDUCAÇÃO JUCA POST — Além da construção da FATEC na cidade (Faculdade de Tecnologia) há alguma outra em vista? KIKO — Nosso compromisso é com a recuperação do Complexo do Juquery, antes de tudo. A Fatec é muito bem vinda, é uma grande conquista para a cidade, mas será um prédio novo, fora do Complexo. Acho que não podemos deixar de lado este magnífico patrimônio que temos aqui. Não é fácil recuperar, pode ser um projeto ambicioso, caro, ainda mais depois de tanto tempo de abandono, mas eu acredito sinceramente que não podemos desistir. Temos que estar prontos para atingir grandes objetivos, Franco da Rocha merece. JP — Como caminha o projeto de Implantação do Campus Universitário na área pertencente ao antigo Hospital do Juquery? KIKO —Estive em junho com o Ministro da Educação, Aloízio Mercadante, e ele reafirmou o interesse do governo Federal no projeto. Ele me disse que apresentou ao Governo do Estado uma proposta para implantação, que está sob análise. Também temos verba aprovada no orçamento federal para o projeto, apresentada pelas bancadas do PT e do PSD. Importante destacar que este projeto, até por sua grandeza, não é meu, não é do meu partido. Ele necessita e exige comprometimento de todos, de todas as forças políticas da cidade. O secretário Edson Aparecido, quando esteve aqui, fez uma bela fala para reforçar esse compromisso, esse bipartidarismo, que inclusive a Dilma e o governador Alckmin têm reforçado. É com esse espírito que vamos concretizar o nosso sonho.

JP — Na sua administração haverá investimento em construção de mais creches e escolas para a cidade? KIKO —Pretendo construir novas salas e

Kiko Celeguim, candidato a prefeito pelo PT

ampliar as creches municipais para conseguirmos 1500 novas vagas em quatro anos. No ensino municipal, de 1 a 4ª série, vamos oferecer 100% de atendimento, para que nenhuma criança esteja fora da escola. Também pretendo implantar o terceiro turno nas creches municipais, para mães que trabalham à noite, e introduzir o ensino integral nas escolas, com as crianças cursando o programa regular em um período e praticando esportes, aulas de dança, teatro, música e idiomas no outro período.

JP — A escola estadual Adamastor Baptista sucumbiu após as enchentes de 2006. Tornou-se inviável seu uso. Seus alunos foram removidos para um prédio cedido pela prefeitura no bairro vizinho do Pouso Alegre. Os moradores clamam pelo retorno da escola ao seu bairro de origem. O senhor tem conhecimento de algum projeto para que essa reivindicação da população do bairro

de Vila Ramos se concretize? KIKO —Em primeiro lugar, quero devolver o Adamastor à população. Se não serve mais para ser escola, quero readaptar o espaço e transformá-lo em um parque, o que seria muito interessante, até pela proximidade com o Parque Estadual do Juquery. Quanto à escola, a Vila Ramos têm dois grandes espaços sem destinação que podem perfeitamente receber a nova escola: a área da antiga garagem da Lago Azul e a Francovel, agora retomada pelo município. Vamos aproveitar essas duas áreas e em uma delas certamente teremos uma escola, ou até nas duas, porque a demanda da região é grande e o Adamastor era estadual, atendia até ensino médio, o que exige participação do Governo Estadual. AÇÃO SOCIAL JP — O senhor tem algum projeto para evitar que a cidade deixe de ter moradores de

9

rua? KIKO — Acho um tremendo desgosto para uma cidade e para um prefeito governar uma cidade que tem gente morando na rua. Meu compromisso é simples: não vamos ter moradores de rua. Desde o primeiro dia de governo quero colocar gente para cadastrar essas pessoas, verificar como elas vivem, porque fizeram essa opção e encontrar rapidamente alternativas para que elas possam viver com mais dignidade.

JP — Com relação ao idoso. Há algum projeto para atividades, entretenimento com essa camada da população? KIKO — Quero trazer um projeto de sucesso em diversas cidades, que são as academias da saúde, aqueles equipamentos para prática de exercícios ao ar livre, em espaços públicos da cidade. Aliás, este é um projeto que não serve apenas aos idosos, mas a toda a sociedade: a recuperação de praças e jardins, para que Franco da Rocha possa se apropriar e aproveitar melhor esses espaços, não só com os equipamentos, mas também com atividades, com professores e instrutores. Também queremos criar um Centro de Referência do Idoso. JP — O que a sua administração poderia proporcionar para a juventude e as mulheres da cidade? KIKO — Temos um compromisso com a instalação de um Centro de Referência de Saúde da Mulher, na Praça da Saúde. Aliás, nosso mais importante compromisso na saúde também envolve a mulher, que é a volta da maternidade para a cidade. Desde 2008 que nenhuma criança nasce mais aqui. Vamos instalar uma maternidade nos padrões da Rede Cegonha do Governo Federal. Para a juventude, vamos criar o Conselho Municipal de Juventude, para atuar em conjunto com a Prefeitura na formulação das políticas públicas, e atuar para oferecer mais vagas no ensino profissionalizante, ampliando a Etec e trazendo um campus avançado do futuro Instituto Federal de Francisco Morato, já anunciado.

SAÚDE JP — Embora a Praça da Saúde tenha melhorado o atendimento na área da Saúde ainda se ouve reclamações de parte da população. Faltam médicos, demora no atendimento e muitos ainda questionam por que o Hospital da Santa Casa, construído na área pertencente ao Juquery, não está aberto á População. O que mudaria no seu governo? KIKO — Em primeiro lugar, discordo que a Praça da Saúde tenha melhorado o atendimento. É um equipamento confuso, tem problemas de organização e definição de seu papel. Na prática, signi-


Juca Post - pagina 9 - edição nº 252 - setembro de 2012