Page 6

Pág | 06

CULTURA

EM JUNHO REINAM OS SANTOS POPULARES

MANJERICO CHEIRA A NAMORICO

Festas e arraiais acontecem por todo o país, animando as noites de Santo António, de São João e de São Pedro. A música popular está garantida, bem como a sardinha assada, as febras e o caldo verde. As comemorações que têm maior destaque são as de Lisboa, de 12 para 13, dia de Santo António, e as do Porto, na noite de 23 para 24, quando se celebra o S. João. São festas de grande animação, em que o povo se con-

centra em praças, ruas e vielas, devidamente enfeitadas com arcos, balões coloridos e cheiro a manjerico. Em Lisboa, cada bairro empenha-se na preparação da “sua” marcha. Durante meses, centenas de foliões ensaiam músicas e danças, para que no dia do grande desfile pela Avenida da Liberdade apareçam o melhor possível e conquistem o júri. É histórica a rivalidade saudável que há entre bairros por causa das

marchas populares. No Porto, a festa é idêntica em cor e alegria pelos bairros mais tradicionais, como Miragaia, Fontaínhas, Ribeira ou Massarelos. E não faltam os alhos-porros, para bater nas cabeças de quem passa. A noite fica completa com a largada de fogo de artifício sobre o Rio Douro e a largada de balões de ar quente. por Sandra Simões

Conhecida como “erva dos namorados”, o manjerico é a planta popular das festas de São João, no Porto, e de Santo António, em Lisboa. Segundo a tradição, na altura das festas populares, os namorados oferecem às namoradas um manjerico num vaso, acompanhado por um cravo feito em papel colorido e uma pequena bandeira com um verso popular alusivo ao amor. Oferecer um manjerico é quase como fazer um voto ou um pedido de namoro. As moças que o recebem devem tratar deles por um ano, até que o substituam nas festas do ano seguinte. por Sandra Simões

SABIAS QUE… Dizem os mais velhos que não se deve cheirar a planta diretamente, pois isto faz com que ela seque rapidamente. Sendo assim, a maneira correta de sentir a sua fragrância é passar a mão suavemente sobre a planta e depois cheirar a mão.

“OLHA A SARDINHA! FRESCA E CHEIA DE ARTE!” Já estão escolhidas as sardinhas vencedoras no Concurso das Festas de Lisboa 2016, que vão decorar as ruas da capital durante este mês. Este ano, entre 8.897 sardinhas candidatas, provenientes de 70 países, o júri escolheu cinco sardinhas, onde há um marinheiro que brinca com as espinhas de uma sardinha, uma dança animada sobre a calçada portuguesa, uma sardinha que mais parece um ramo de cravos vermelhos e ainda mais duas que juntam elementos típicos de Lisboa e das festas dos Santos Populares. Das cinco vencedoras, duas são de autores portu-

gueses: Diogo Matos e Clara Leitão, a que se juntam sardinhas do Brasil (Alessandra Cavalcanti), da Grécia (Olga Shtonda) e da Ucrânia (Natalie Mavrota). Cada um recebe um prémio no valor de 2.000 euros. A organização não resistiu a muitos dos trabalhos criativos apresentados e decidiu imprimir mais duas dezenas de sardinhas, que irão também estar espalhadas por Lisboa. Do júri fizeram parte nomes bem conhecidos: Gisela João, Rita Blanco, Vhils, Nuno Markl e Rui Unas. por Sandra Simões

Edição 10 de junho de 2016 | JORNALIX  

todas as notícias em www.jornalix.pt

Edição 10 de junho de 2016 | JORNALIX  

todas as notícias em www.jornalix.pt

Advertisement