Page 1

LUPA

EDIÇÃO

NOV/2014

#4

facebook.com/lupajornal

PUBLICAÇÃO EXPERIMENTAL DO CURSO DE JORNALISMO DA UNISINOS PORTO ALEGRE

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////// LUIS FELIPE MATOS

A RUA QUE É A PRAIA DOS ARTISTAS

As calçadas de uma das vias mais populares da Capital abrem portas para quem busca viver do seu talento. Páginas 4 e 5

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

MULTIPLICIDADE NA METRÓPOLE QUE CRESCE, EXPANDEM-SE TAMBÉM AS FORMAS DE VIVER, PENSAR, AGIR E CONSUMIR. SER PORTO-ALEGRENSE É, CADA VEZ MAIS, CONVIVER COM A DIVERSIDADE

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////// THALLES CAMPOS

ESCOLA REGULAR INCLUI TODOS

DÉBORA VASZELEWSKI

Alunos com necessidades especiais recebem atendimento especial para desenvolver autonomia. Página 7

FUTEBOL MAIS SIMPÁTICO

ALMOÇO A R$ 4,50

Cerca de 60 estabelecimentos oferecem doces e salgados a baixo custo no Centro Histórico. Página 6

E.C. São José é terceira força em Porto Alegre e atrai torcedores e atletas iniciantes na Zona Norte. Página 6

AMAR SEM DIFERENÇA

Fabiana se assumiu Felipe. Léo se descobriu gay. Juntos, eles decidiram vencer o preconceito. Página 3


///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

SEM PRESSA PARA EXPERIMENTAR

NA CORRERIA DA CIDADE, NOVAS OPÇÕES TORNAM OS RESTAURANTES FAST-FOOD MENOS PREVISÍVEIS ////////////////////////// POR CINTIA FERNANDES E LEONARDO STÜRMER FOTO LEONARDO STÜRMER //////////////////////////

P

ão, carne, queijo, tomate, alface e molho especial. Imagine tudo isso, só que sem o queijo e com carne de soja. Ou um restaurante em que o atendente monta seu pedido, passando por países desde o México até a Tailândia. Hambúrgueres sem a carne bovina – marca do gaúcho –, comidas mexicanas, podendo ser bastante apimentadas, comidas de diversos lugares do mundo, de preparo rápido e que não pesam no bolso. Fazendo os próprios hambúrgueres de soja, vegetais e falafel – grão de bico –, o fotógrafo Rodrigo Bragagglia criou os seis itens do cardápio. Com o aumento dos adeptos ao veganismo, ele supriu a falta de um fast-food vegano. Chegamos e fizemos o pedido diretamente no balcão. Assim como nós, muitos perguntam quais os hambúrgueres que mais saem, e raramente os clientes se decepcionam. E o mesmo acontece com o tamanho, pois é preciso estar com bastante fome para comer o hambúrguer e as batatas – assadas – inteiros. Livre de refrigerantes, livre de queijos e livre de qualquer derivado animal.

Paredes de cores fortes, decoradas com trepadeiras unhas-de-gato artificiais que sobem até o teto. O B Burger é assim, numa parte tranquila da Rua 24 de Outubro. Clientes comem seus hambúrgueres na parte externa, muitos acompanhados de seus animais de estimação. Dentro, o local é pequeno, inclusive a cozinha. Enquanto tirávamos as fotos, Bragagglia cuidava da preparação de um dos pedidos. “Não falta o molho aí por cima?”, perguntou para a funcionária. “Esse pediu sem o molho especial”, responde ela. Novas aventuras gastronômicas também passam por culinárias internacionais. E a possibilidade de escolher o que irá compor o seu lanche, montado pelo funcionário, dá água na boca. No restaurante mexicano Oak’s California Burritos, as massas de tacos e burritos, junto com as carnes e molhos, nos deixam na dúvida do que pedir. Os principiantes podem escolher o que já conhecem, sem precisar apimentar nada. Uma seleção de sabores estudados com muita atenção para atender um público ainda resistente e conservador, mas que aos poucos se rende a novas iguarias. “A população de Porto Alegre é muito tradicional, não sabe o que é burrito”, diz Fabrício Leite, um dos donos do estabelecimento. E isso faz com que o público vá conhecer o restaurante pelo boca a boca. Quem não sabe o que é burrito pode estranhar na hora de comer. Uma tortilla de trigo, com carne e outros

condimentos à escolha do cliente, que é enrolada para se comer. No final, é uma experiência deliciosa e saborosa, onde diferentes ingredientes se misturam e não causam uma sensação de estranheza no paladar. Outra proposta é o Woking Thai in Box, que tem o mesmo sistema de montagem do Oak’s, e a comida vem dentro de uma caixinha. A base vai da massa tradicional até a massa de arroz, para os que não podem comer glúten. Acompanhado de carnes, vegetais, molhos e outras opções, o prato é preparado na hora, espalhando um delicioso cheiro pelo ambiente. A ideia dos proprietários Gabriel Gandolfi e Marcelo Mancuso foi de servir esse tipo de

gastronomia, conhecida por alguns, mas que não era acessível na cidade. Ainda mais diferente é um caminhão de comida, que pode ser encontrado pelas ruas do bairro Bom Fim. Mas ele também tem um ponto fixo, na rua João Telles. É o Sim Sala Bim. O kebab, típica comida turca, foi a ideia inicial. Com carne de ovelha, tem um sabor muito forte. Por isso, o restaurante começou a contar com comidas mais tradicionais, como tacos mexicanos e até hambúrgueres. Assim, ninguém fica com medo de comer na primeira vez que vai, podendo deixar para experimentar a comida mediterrânea quando for visitar o local novamente. Desde a pimenta

Com decoração rústica e ambiente aconchegante, o B Burger é livre de refrigerantes e carnes

mexicana até as carnes de ovelha. Do verde até comidas na caixa. A culinária internacional chegando ao estilo de comida rápida. Tudo isso com o cliente podendo experimentar sem ficar com dúvidas se realmente irá gostar. Os fast-foods diversificados estão crescendo em Porto Alegre, e quem quiser fugir da rotina poderá encontrar facilmente uma nova opção.

LUPA / PORTO ALEGRE / NOVEMBRO DE 2014

2

EDITORIAL

CIDADE DE NUANCES

A

experiência do jornalismo exige um olhar que, para além do óbvio, perceba o invisível e o traga à luz. O desafio, então, é vislumbrar diferença onde só há a repetição sem que isso implique em juízo de valor. Quando se trata de uma experiência pedagógica como esta do Lupa, o exercício é ainda mais intenso: consiste em fazer com que os estudantes sejam capazes de ver o diverso em todas as suas possíveis manifestações. É preciso fazer com que esses repór-

teres em formação levem o fazer jornalístico para além dos temas e abordagens com os quais estão acostumados a se deparar na mídia consagrada. Assuntos como gastronomia, escolha profissional, arte, educação, espaço urbano, moda, sexualidade e mesmo o futebol servem para pensar o quanto Porto Alegre – apesar de ser cidade de dualidades que se contrapõem – é capaz de abrigar nuances e, assim, diversidade.

//////////////////////////////////////////////////////

//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

EXPEDIENTE

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS. Av. Luiz Manoel Gonzaga, 744, Bairro Três Figueiras - Porto Alegre/RS. Telefone: (51) 3591 1122. E-mail: unisinos@unisinos.br. Reitor: Marcelo Fernandes de Aquino. Vice-reitor: José Ivo Follmann. Pró-reitor Acadêmi-

co: Pedro Gilberto Gomes. Pró-reitor de Administração: João Zani. Diretor da Unidade de Graduação: Gustavo Borba. Gerente de Bacharelados: Gustavo Fischer. Coordenadora do Curso de Jornalismo: Thaís Furtado. REDAÇÃO – O Lupa é um jornal produzido por alunos do Curso de Jornalismo da Unisinos Porto Alegre. TEXTOS e FOTOS: produção dos alunos das disciplinas de Jornalismo Impresso I e II. Orientação: Felipe Boff e Everton Cardoso. ARTE – Projeto gráfico: produção dos alunos da disciplina de Planejamento Gráfico. Orientação: Carlos Jahn. Criação: Laíse Feijó e Matheus Cesar Fernandes. Diagramação: produção da Agência Experimental de Comunicação (Agexcom). Adaptação do projeto gráfico, arte-finalização e diagramação: Marcelo Garcia. Impressão: Grupo RBS. Tiragem: 1.000 exemplares.


/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////// IMAGINE SE OLHAR NO ESPELHO E NÃO VER REFLETIDO O QUE VOCÊ VERDADEIRAMENTE É ////////////////////////// POR DÉBORA VASZELEWSKI E VANESSA VARGAS FOTO DÉBORA VASZELEWSKI //////////////////////////

“F

az muitos anos que tenho vivido uma experiência claustrofóbica e nauseante como outros milhares de seres humanos do mundo todo, que batalham todos os dias para seguir com suas vidas. Eu, assim como eles, ‘sofro’ de uma condição que a ciência chama de transtorno de personalidade ou disforia de gênero. Basicamente, nós, ditos doentes, nascemos com um sexo biológico que não condiz com nosso sexo de identidade. Sim, quando você vive no meu mundo você passa a entender que a identidade é uma construção que vai além do biológico. Nós aprendemos a ser homens e a ser mulheres. Desempenhamos papéis sociais que nem sempre estão de acordo com o nosso ‘eu’.” O trecho acima é parte da carta aberta publicada no Facebook em maio de 2014. Aos 33 anos, a pessoa antes conhecida por amigos e parentes como Fabiana ou simplesmente “a Z” se apresentou como realmente se reconhece: um homem trans, chamado Felipe Lima Gonçalves. Belisa Cassel, amiga de Felipe desde 2008, quando ambos cursavam História, elogiou a postura do colega: “Achei que o Z teve muita coragem para expor isso no Facebook, que é o lugar onde as pessoas mais te julgam e rotulam. É legal

“ME CHAMO

FELIPE, PRAZER A TODOS”

que ele poste bastante informação sobre a transexualidade, leio tudo e aprendi muito com ele”. Felipe usa a rede social para disseminar informação sobre disforia de gênero, pois a falta dela tornou sua adolescência muito difícil. Buscava se espelhar nos adultos, mas não encontrava essa inspiração. “Na adolescência tu procura referências e vai te montando, e aí barra no momento em que percebe que as pessoas em torno de ti não são parecidas contigo. Eu achava que era lésbica, não fazia a mínima ideia.” Assim, só entendeu de fato o que se passava com ele aos vinte e poucos anos. Era com os meninos que se sentia confortável. Interesses em comum, como ouvir Pink Floyd e jogar videogame, o aproximaram de Leonardo Coutinho. Eles cresceram juntos, se apaixonaram e viveram o amor de infância. Léo com seu blusão colorido e Felipe com seu Adidas falsificado, cheio de bolinhas e remendado. Entre altos e baixos, estão juntos há mais de vinte anos, lutando contra os preconceitos. Se Felipe tem o corpo feminino e Leonardo masculino, eles são um casal heterossexual, correto? Errado. Mas era isso que eles

aparentavam fora de seu apartamento – que tem a cara dos dois, com direito a cartoons desenhados por eles nas paredes. Era um constrangimento sempre que Léo ia apresentar “sua esposa” para familiares e amigos. “Em casa, eu era o Felipe sempre, e na rua tinha que ser a Fabiana. Cara, aquilo, meu Deus, era um soco no estômago, porque não faz sentido”, explica Felipe. Léo também teve o momento de se compreender: na verdade, é casado com um homem trans e, portanto, é homossexual. Embora ainda seja complicado para as pessoas entenderem, eles não se reconhecem como um casal hétero, mas sim como um casal gay. Quanto a sexualidade e gênero, nossa sociedade é o que o jornalista, doutorando da Unisinos e pesquisador de mídia e sexualidade Felipe Kolinski descreve como “sociedade cis/heteronormativa”. Isto é, normas sociais associam o comportamento heterossexual e cisgênero – pessoas que se identificam com o gênero atribuído a elas no nascimento – como os únicos aceitáveis. Kolinski observa que a mídia dá pouca visibilidade aos transexuais e de forma pejorativa em programas de humor ou em noticiários

policiais, em virtude da violência e crimes de ódio que sofrem. “Claro que não se pode atribuir toda a violência à mídia, mas com uma produção de conteúdos mais abrangentes e com mais responsabilidade, a população em geral teria mais acesso às questões de gênero e de sexualidade, o que contribuiria para a diminuição do preconceito e da violência”, conclui. Por causa do preconceito, Felipe tentou se adequar ao papel de mulher. Mas ir contra si mesmo interferiu na sua saúde. Surgiram crises depressivas e bipolaridade. Desenvolveu síndrome do pânico e está até hoje em tratamento. Em virtude dos problemas emocionais, recusou propostas de emprego e de dar aulas de desenho e se refugiou em casa. Por se sentir mentindo para as pessoas e para si mesmo, decidiu assumir o gênero com o qual se identifica: o masculino. Léo lembra que essa decisão foi tomada há aproximadamente três anos. Juntos eles buscaram no Programa de Transtorno de Identidade de Gênero (Protig) do Hospital de Clínicas, de Porto Alegre, a readequação de sexo de Felipe. Mas esse é um processo lento, e Felipe ainda não foi chamado para a

primeira fase do procedimento, que é o acompanhamento psicológico. Continuar com aspectos femininos é, para ele, uma tortura. O período da menstruação é sinônimo de dor, sofrimento, febre e dias de cama. Como se fosse uma doença, uma deformidade. Por isso buscou o acompanhamento psicológico fora do Sistema Único de Saúde (SUS) e já pretende iniciar o tratamento hormonal, que lhe dará mais características masculinas. A readequação de sexo é a forma de reduzir o abismo entre o físico e o psicológico. Vai trazer mais confiança para fazer, em sociedade, o que já realizou nas redes sociais. No trecho final de sua carta aberta publicada no Facebook, Felipe se apresenta como se reconhece: “Tudo o que sei sobre mim até agora é que sou um desenhista. Gosto de quadrinhos e vivo casado com outro nerd como eu. Minha família é desestruturada e sei que não sou amado por grande parte deles, mas tenho os primos mais legais que alguém poderia ter. Sou bipolar, fumante e adoro uma conversa alterada. Tenho um gato que se chama Drako, uma melhor amiga que eu sei que vai mudar o mundo um dia, cunhadas gatinhas pelas quais sou simplesmente louco e um irmão. Tudo o que me restou. O suficiente pela grandiosidade do seu caráter e coração. Escolhi esse nome depois de pensar sobre muitas coisas, sobre a minha vida, as nossas num geral. Estou começando a lutar da maneira como acredito que seja a mais certa, sem me esconder, sem medo. Me chamo Felipe, prazer a todos”.

LUPA / PORTO ALEGRE / NOVEMBRO DE 2014

Felipe (esquerda) e Leonardo (direita) se conhecem há mais de 20 anos. Vivem em São Leopoldo e aguardam juntos o início do procedimento de readequação de sexo de Felipe

3


////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////// ////////////////////////// POR JOAQUIM ORESKO FOTOS LUIS FELIPE MATOS E JOAQUIM ORESKO //////////////////////////

N

a Rua da Praia não é possível sentir a brisa do Guaíba. Os 500 metros da Rua dos Andradas, seu nome oficial, entre a Praça da Alfândega e a antiga Livraria do Globo não são palco de mulheres desfilando de biquíni, mas têm lá suas atrações. Entre ambulantes, agiotas e pedestres, artistas de rua procuram seu espaço. Alguns, como a estátua viva, já são quase figuras históricas do local. Outros estão somente de passagem. Caso de Gaston Gruat, argentino de Entre Ríos, que ganha a vida fazendo pinturas com spray. Seu ateliê é a rua – por pouco mais de dois meses, a Rua da Praia. Com agilidade impressionante, faz de borrões paisagens marcantes, dignas de exposição. Porto Alegre foi a primeira parada de Gaston, que veio ao Brasil dias antes de a Copa do Mundo começar, e, depois de passar por nove estados, será a última. “Entrei pelo Rio Grande do Sul e fui até o Espírito Santo, depois voltei”, explica com sotaque castelhano. Também alongou a estada em solo capixaba, foram mais de 60 dias. Já viajou toda a América do Sul sobrevivendo da arte. Na Capital, tornou suas performances conhecidas em frente às Lojas Americanas. O público parava em círculos para admirar o desenvolvimento das obras, vendidas a R$ 20. Até que a fiscalização da Secretaria Municipal da Produção, Indústria e Comércio (SMIC) o retirou dali, o que o fez se mudar para a Praça da Alfândega. Segundo a assessoria de comunicação da Secretaria, qualquer tipo de comércio é proi-

A ARTE DE

SER LIVRE NA RUA DA PRAIA A CALÇADA, QUE PARA A MAIORIA É APENAS PASSAGEM, PARA ALGUNS É ATELIÊ OU PALCO. TORNA-SE UM MEIO DE VIDA bido sem alvará. Porém, Gaston defende o bom senso: “Sou um artista, e não um comerciante”. É um típico hermano, de cabelo loiro escuro longo apenas na parte de trás, ao estilo “chitão”, barba comprida e olhos azuis compenetrados. O chinelo não combina com a jaqueta e a calça de sarja, ou com a temperatura de 14ºC e a chuva ameaçando cair. Com as mãos sujas de tinta depois de uma tarde de trabalho, prepara-se para ir embora. O movimento é fraco em frente à praça. Gaston é mais abordado por artesãos pedindo dicas de lugar para se posicionar do

A riqueza do artista é a liberdade. Fazer o que gosta é o maior prazer que você pode ter no mundo”

que por interessados nas pinturas. Algumas pessoas perguntam sobre os quadros, outras apenas o cumprimentam. “Parabéns pelo trabalho, eu admiro muito”, elogia uma garota, apertando a mão do argentino. Para Gaston, sua vida é normal. “Tenho casa, família e uma filha. Mando grana pra ela. Vida comum, trabalho diferente”, resume, olhando para os lados. “Sou mestre de obras. Minha família, quase toda, é artista. Gosto mesmo de pintar e viajar”, explica. Recolhendo seu material, o viajante responde a dois homens que lhe pedem para fazer uma pintura: “Já guardei tudo, vou embora amanhã”. A placa em meio aos quadros no chão, informando o valor, já avisava: “ÚLTIMO DIA”. Gaston pretendia deixar a cidade no dia seguinte. “Preciso de um espaço amplo. Aqui tem políticos de um lado, artesãos do outro e todos os artistas numa só rua”, justifica, queixando-se ainda de um certo preconceito: “Em alguns lugares por onde eu passo me tratam feito morador de rua”. Gaston vive com pouco, do dinheiro que ganha com as pinturas. “A riqueza do artista é a liberdade. Fazer o que

gosta é o maior prazer que você pode ter no mundo”, declama com um ar de felicidade. Apesar de deixar a Capital pelo que chama de inconstitucionalidade, a proibição da expressão de seu pensamento através da arte, declara-se: “Porto Alegre é um lugar bom para trabalhar, e lindo. A gente daqui aprecia arte”. Seu sonho é se tornar cidadão do mundo. Quer ir à Europa espalhar seu trabalho, mas antes irá matar a saudade da família, na Argentina. Outro argentino, outra história. Pietro Sérgio Noronha Martins, o Loko Vato, faz da Esquina Democrática seu estúdio de ensaio. Chama atenção por seu estilo hardcore: alargadores brancos nas orelhas, cabelo crespo e preto escondido sob o chapéu de mesmo tom e tatuagens – nas mãos, no pescoço e até na face – que as roupas não escondem. Depois de “almoçar”, às 17h, Loko posiciona o equipamento em frente à porta de um banco em greve. Duas caixas de som a postos, ambas de meio metro de altura, nas quais pluga também um celular. Senta-se sobre uma delas e pega a guitarra comprada há duas semanas de dentro da maleta. Tira uma

LUPA / PORTO ALEGRE / NOVEMBRO DE 2014

JOAQUIM ORESKO

4

Depois de dois meses em Porto Alegre, Gaston, que chegou a ser proibido de trabalhar na rua pela SMIC, decide partir. Mas deixa um elogio à cidade: “A gente daqui aprecia arte”

nota de R$ 5 e uma de R$ 2 da carteira e joga sobre a maleta, agora aberta no chão. É o chamariz para gorjetas. Mexe no celular, ajusta a guitarra e faz barulho! André Silveira – cuja aparência de rapper não entrega a idade, 39 anos – para ao lado de Loko. “A gente se conhece de outras vidas”, fala André sorrindo, antes de explicar que conheceu Loko há menos de um mês, quando estava de passagem na Rua da Praia, vindo de Florianópolis. Simpático, de olhos verdes e dreads curtos abaixo do capuz, confessa: “Tô querendo fazer um som com ele”. E explica por que Loko mexe no celular entre as canções: “Ele cria a batida musical no computador e joga o som da guitarra em cima”. Enquanto Loko dedilha tranquilamente, poucos observam. Um homem negro, calvo, acima do peso, dança aparente-

Eu go porq meu Traba setor d muit só as docume é minha

mente emb aproxima d que assiste tação e faz entregam u maconha p que contin som. Outro jovem, de m uma mulhe lata de cer de bolacha


////////////////////////////////////////////////////////////

briagado. Ele se de dois rapazes em à apresenz sinal. Eles um cigarro de para o senhor, nua curtindo o o homem, mais mãos dadas com er, deixa uma veja, um pacote as e um maço de

Loko Vato, que já foi “convidado” a deixar seu ponto muitas vezes, hoje é protegido pela Lei do Artista de Rua. Toca a duas quadras de onde mora: “Tô no pátio de casa”

#partiucb

PONTO DE ENCONTRO DA NOITE NA CAPITAL, A CIDADE BAIXA OFERECE AMBIENTES QUE AGRADAM A TODOS ////////////////////////// POR GUILHERME ENGELKE E JOÃO DANIEL AITA //////////////////////////

cigarros para o músico. “É nós, irmão”, grita, enquanto Loko bebe a cerveja com uma das mãos e segue tocando com a outra. Nascido em Buenos Aires, Loko veio para Porto Alegre aos seis anos, e aos 20 voltou à capital argentina. “Lá todo mundo toca na rua”, explica. “Na moral, já tomei várias multas tocando na baia, daí vim pra cá. Não é um bagulho que levo a sério. Eu fico ensaiando, tô nem aí”, diverte-se. Há dois dos seus 27 anos propaga o chiado de sua guitarra no palco imaginário da Rua da Praia. A razão de tocar ali: “Moro aqui do lado, tô no pátio de casa. Não tem nada especial”, diz, acrescentando que vive num apartamento a duas quadras, na Rua Jerônimo Coelho, com um amigo e uma amiga. Loko conta que já foi “convidado” umas dez vezes pela polícia a sair da rua, mas esse problema foi extinto. Protegido pela Lei do Artista

de Rua de Porto Alegre, em vigor desde março de 2014, não pode mais ser proibido de se apresentar, a não ser que deixe de cumprir algumas exigências. Por exemplo: a fonte de energia para alimentação de som deve ter potência máxima de 30 kVA. As notas que tira do violão elétrico soam como liberdade. E quem avista a figura de Loko não imagina que seja a de um funcionário público. Ele passou no concurso para o Departamento Municipal de Água e Esgotos (DMAE) e foi transferido para a Fundação de Assistência Social e Cidadania (Fasc). “Eu tô de licença porque tava estressado”, justifica. Também abandonou dois anos de graduação em Administração. Rindo, parece não se importar em não ter mais contato com a família. Loko mal sabe quanto ganha na rua: “Acho que uns mil pilas por mês”. Uma senhora na casa dos 40 anos, de camiseta apertada salientando a barriga redonda, rebola como se estivesse fazendo a dança do ventre. Um rapaz conversa com André enquanto consome uma lata de cerveja. Mais conhecidos se aproximam. O “ensaio” de Loko se transformou em reunião de amigos. O ambiente do escritório em que Loko trabalhava nem se compara ao de tocar para o público. “Eu gosto daqui porque sou meu chefe. Trabalhava no setor de contas, muito chato, só assinando documentos”, gargalha. E define: “Aqui é minha empresa”. Apesar de transmitir felicidade ao viver de sua paixão, decreta contraditoriamente: “Acho que ainda volto (ao emprego). Consigo viver de música, mas lá eu ganho bem mais”. A necessidade de dinheiro pode afastá-lo, mas, no momento, nem a chuva ou o anoitecer o tiram da rua. Se Gaston não sabe o que é viver fora da arte, Loko procura um jeito de não voltar para a prisão da sociedade. É como diz o primeiro: “Neste mundo de escravidão, a arte é a libertação”.

N

ormalmente, grupos distintos com gostos diferentes não costumam dividir o mesmo espaço por diversos motivos, sejam eles sociais ou pessoais. Mas Porto Alegre apresenta certa peculiaridade em relação a isso. A Capital é uma cidade que possui muitas tribos com características bem distintas. É nas noites de final de semana que as calçadas da Rua General Lima e Silva se enchem de pessoas procurando diversão, novas amizades e histórias para contar. Os bares lotam, as fachadas das casas noturnas têm filas e a diversidade toma conta das ruas. É sempre assim. O lugar mais boêmio da capital, a Cidade Baixa, oferece aos seus frequentadores tudo que eles precisam: bares, festas, bebidas, comidas e um ambiente agradável para quem gosta de movimento. Isso atrai todo tipo de pessoas para o bairro. Traçando uma rota, podemos identificar os pontos em que as tribos se encontram e mostramos por que a Cidade Baixa, ou a “CB”, como é popularmente conhecida, é um exemplo de diversidade em Porto Alegre. Saindo do Largo da Epatur, na Avenida Loureiro da Silva, entramos na Rua José do Patrocínio e logo identificamos um grupo de roqueiros que costuma ir àquela região. Mais precisamente, em frente ao bar Bell’s. São oito homens, todos de preto, cabelos compridos, pulseiras de couro e camisetas de banda. Entre eles, Thalles Freitas, estudante de análise de sistemas, que vai à Cidade Baixa há anos e raramente muda o local onde fica. “Gosto daqui por causa do ambiente boêmio, da descontração. Acho que isso atrai a maioria das pessoas para cá, já que a CB é o único lugar em Porto Alegre onde há um grande fluxo de pessoas bebendo, se divertindo”, explica Thalles. Os clientes daquele espaço são mais conservadores, se reúnem naquele local justamente por ser mais afastado do centro do bairro, porque não gostam da mistura que há mais para frente. Seguindo pela José do Patrocínio, na esquina com a Rua da República encontramos um grupo que se denomina mais “alternativo” que os demais. Ali, no bar João de Barro e em outros estabelecimentos que preen-

chem a calçada com mesas, as pessoas sentam e seguem até o “toque de recolher” dos bares, que atualmente é às 2h. A comerciária Ana Dutra conta que gosta daquele ponto pelo movimento. “É legal porque tu nem precisas combinar com ninguém onde se encontrar, todo mundo acaba vindo para cá, ou ao menos passando por aqui. Gosto de ver gente, encontrar os amigos, sentar e tomar uma cerveja. É o meu programa de quase todo final de semana.” Apesar de não se considerar de tribo nenhuma, Ana reconhece, com um sorriso: “Acho que pessoas como nós são chamadas de hipsters pelos outros”. Os hipsters de Porto Alegre costumam usar roupas discretas, calças jeans, camisas justas de estampas xadrez ou até algumas mais exóticas. O cabelo dos homens é mais curto dos lados e volumoso em cima, e o das mulheres geralmente é mais curto e repicado. Também é raro encontrar um homem hipster que não tenha barba. Mas a diversidade de estilo dos estabelecimentos surpreende. Tem opções para todos os gostos e bolsos. Para quem só quer tomar uma cerveja, passando pela happy hour do fim de expediente, até aqueles que estão no ‘aquece’ para a festa de logo mais. Mais adiante, a diversidade da Cidade Baixa fica mais nítida quando chegamos ao Bar Passefica, na Rua da República. O lugar é geralmente frequentado por homossexuais, que mesmo estando em todos os lugares costumam se reunir ali. O casal Pedro de Lima, 23 anos, e Fábio Souza, 25, ambos estudantes de Publicidade e Propaganda, gosta do Passefica porque se sente acolhido. “Mesmo nos dias de hoje, é inegável o preconceito. Até quando estamos aqui ainda tem gente que passa e olha torto para nós, mas pelo menos nos sentimos mais à vontade”, explica Pedro. Voltando à José do Patrocínio, encontramos o Bar Opinião. Tradicional ponto de encontro de todas as tribos, a casa de festas atrai pessoas de todos os lugares da Capital e região. No local vemos os estilos extremos dividindo o mesmo espaço. A casa ganhou fama pelo número de shows de rock que já recebeu. Mas agora, em um final de semana, a programação é festa de pagode na sexta-feira e de pop no sábado. O rock não foi deixado de lado, mas abriu espaço para a diversidade, que é característica do bairro Cidade Baixa. É claro que a “CB” não é o único lugar em Porto Alegre em que nos deparamos com estilos diferentes, mas o bairro tem como identidade a harmonia de todas as tribos, com cada uma ocupando o seu espaço com um objetivo em comum: diversão.

LUPA / PORTO ALEGRE / NOVEMBRO DE 2014

osto daqui que sou u chefe. alhava no de contas, to chato, ssinando entos. Aqui a empresa”

LUIS FELIPE MATOS

/////////////////////////////////////////////////

5


///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

LANCHES PARA TODOS OS BOLSOS

ESTABELECIMENTOS DA REGIÃO CENTRAL SE DESTACAM PELO BAIXO PREÇO

custam menos de R$3,00, e ainda os pães de queijo em tamanho médio, que custam menos de R$2,00. A fórmula para o preço baixo é reduzir o lucro, diz o dono de dois estabelecimentos de comida barata, Mario Barros. “Lucramos na quantidade e reduzimos o custo, já que poucas pessoas comem no local”, explica. Com um preço popular, as lancherias são opção pra comerciários e funcionários de lojas da região central. É o caso da vendedora Andreza Viana, que afirma frequentar principalmente em razão do baixo custo. “Geralmente no final do mês, quando o dinheiro já

N

o centro da capital, R$4,50 são suficientes para um lanche: R$ 2,50 de um pastel e R$2,00 do refrigerante. Porém, o conforto não está incluído no preço; para manter o baixo custo desses alimentos, as lojas de comida barata contrastam com outros estabelecimentos da região central; lugares como cafés e bares mais confortáveis. As lanchonetes de comida barata geralmente possuem poucos lugares para sentar, ou pequenos balcões de granito.

Nas cerca de sessenta lojas desse ramo, existentes da Praça XV até a Av. Independência, é possível encontrar pastéis, pães de queijo, rissoles ou enroladinhos de salsicha, que

Mais de 60 estabelecimentos oferecem doces e salgados a preços populares no Centro Histórico de Porto Alegre

está pouco, é uma baita solução, porque os lanches são grandes e bem baratos. Eu como por aqui direto”, conta. Para os que gostam de uma sobremesa depois do almoço, há também: a maioria desses lugares, já ostenta em suas vitrines alguns doces, como bolos de chocolate e mil-folhas. Os doces, porém, são um pouco mais caros que os salgados: custam uma média de R$5,00 a fatia, mas ainda sim, um baixo preço se comparado aos praticados por outros estabelecimentos.

////////////////////////// TEXTO E FOTO THALLES CAMPOS

CANHOTOS SE ADAPTAM A INSTRUMENTOS DESTROS

A

LUPA / PORTO ALEGRE / NOVEMBRO DE 2014

vida de um canhoto já é complicada, então imagine-se a vida de um musicista. O longo prazo de entrega e a pouca diversidade de modelos incentiva esquerdinos a comprarem instrumentos comuns, segundo o funcionário da loja Mil Sons Rafael Siqueira: “Normalmente, compram instrumentos de destro, pois há uma diversidade de modelos maior, e normalmente os modelos adaptados são mais básicos. Também, muitas vezes a compra dos instrumentos é feita por encomenda, e em muitas delas há uma demora na chegada, principalmente em se tratando de modelos mais caros”, justifica. Além disso, Rafael toca com a mão direita: “Eu não consigo tocar como canhoto, meu cérebro não assimila.”. Já o baixista canhoto Lucas Torres (foto), que toca em um coral evangélico, acha que foi natural o seu processo adaptação ao baixo destro. “Para mim, foi normal tocar com instrumento comum”, esclarece. Tanto o baixista quanto o guitarrista conhecem instrumentistas hábeis com a mão esquerda

6

que adaptaram os instrumentos pela falta de modelos. “Eu tenho um amigo que toca violão usual com a mão esquerda, ele toca com as graves em cima e as agudas em baixo”, explica o músico evangélico. Outro modo de adaptar instrumentos para mão direta é trocando as cordas. “Muitos compradores da loja, para terem modelos melhores, compram instrumentos e, em casa mesmo, mudam as cordas” , diz o funcionário da Mil Sons. ////////////////////////// TEXTO E FOTO ULISSES MACHADO

////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

N

SÃO JOSÉ AINDA TEM LUGAR NO FUTEBOL

a contramão da projeção internacional e da dualidade de Grêmio e Inter, o Esporte Clube São José é o time mais simpático de Porto Alegre. Torcedor da zona norte há mais de meio século, Reinaldo Alves não titubeia ao falar do que o clube representa para a capital: “O Zequinha é a terceira força da cidade, já revelou jogadores importantes como Walter, e está há dez anos na primeira divisão do Gauchão. Eu tenho muito orgulho desse time e sei que muito mais gente tem”, afirma. Reinaldo diz que seu pai foi a grande influência que o fez torcer pelo clube: “Ele sempre foi São José também. Morávamos perto do Zequinha, e ele costumava me levar para ver os jogos”, relembra. O jovem Lucas Dalamaria, que já jogou na base de times como Cruzeiro (MG) e Grêmio, conta o porquê da escolha pelo São José: “Depois de sair do time mineiro, eu estava com vontade de largar o futebol. Mas quando voltei para o Rio Grande do Sul, decidi retomar a carreira, logo pensei no São José como alternativa para ficar em destaque outra vez”. Lucas também

avalia o quanto a estrutura não é um empecilho para a formação de novos talentos na equipe. “No Grêmio, era incomparável. Tinha muito material, muito apoio, muita local para treinamento, mas o São José, apesar de ser mais humilde, também é um bom clube nas categorias de base, tem atletas de outros lugares do Brasil e disputa campeonatos importantes. Não é um grande clube no profissional, mas uma boa vitrine para atletas jovens”, analisa. ////////////////////////// TEXTO LUCAS PROENÇA FOTO THALLES CAMPOS

//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

E

m meio à atual discussão sobre religião e homossexualidade, os cultos de origem africana aceitam e já ministram casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Para a yalorixá Lisandra de Odé do Ylé Imó Oxum, de Viamão, os homossexuais se sentem acolhidos nesse contexto. “Nós acreditamos no amor, independentemente de qual seja. Casamento gay nunca foi um problema, somos uma

CASAIS GAYS TÊM BENÇÃO NO YLÉ das raras religiões, assim como o budismo, que celebra casamento entre pessoas do mesmo sexo”, esclarece. Algumas religiões asseguram poder curar a homossexualidade, mas na prática afro isso não acontece. “As pessoas são como são, e a religião tem que encorajá-las a serem assim. Quem consegue ser feliz fingindo ser o que não é? Ninguém”, pondera. Umbanda e Candomblé

não possuem uma bíblia ou um livro específico com doutrinas e regras, o ensinamento vem da prática, aprende-se dentro do terreiro. Por esse motivo, não existem restrições para homossexuais adeptos, e também não se precisa ser batizado para ter o casamento ministrado por um mestre religioso. Leandro de Oliveira é seguidor da religião afro desde criança e conta que, quando se desco-

briu gay, não teve problemas com a religião. “Quando contei para a minha Yá [mãe de santo] que eu sou gay, ela me apoiou, disse que eu deveria ser o que sou. O que importa é o bem-estar da gente, independentemente da sexualidade”, relata. Leandro quase se casou na Umbanda no ano passado. “O casamento já estava marcado, mas meu relacionamento não foi para frente. O problema não

foi na cerimônia, foi com os noivos”. Conforme o dono de uma pequena empresa de eventos Caio Santos, a abertura das religiões afro para homossexuais criou novas oportunidades para prestadores de serviço como ele. “Às vezes não basta ter o papel, os casais querem a benção religiosa também”, diz. ////////////////////////// TEXTO NATHALIA AMARAL


///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

INCLUSÃO É REALIDADE NA EDUCAÇÃO REGULAR ESCOLAS ADEQUAMSE PARA ATENDER NECESSIDADES ESPECIAIS

N

o Brasil, todos devem frequentar a mesma escola, independentemente das particularidades de cada aluno. A política de inclusão adotada pelo Ministério da Educação (MEC) inclui programas de implantação de salas de recursos multifuncionais, de adequação de prédios escolares para a acessibilidade e de formação continuada de professores da educação especial para auxiliar os estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação que frequentam a escola regular. Além da inclusão no ensino regular, todas as escolas devem oferecer o serviço de atendimento educacional especializado (AEE) para os alunos com deficiência que necessitarem dessa complementação. A professora de AEE Cristina Dalla Zen explica que o atendimen-

to educacional especializado deve ser oferecido em horários distintos das salas de aulas comuns. “É um serviço que não substitui a escolarização, ele é suplementar, com vistas à autonomia do estudante”, explana. Cristina também destaca que atendimento especializado trabalha com outros objetivos, metas e procedimentos educacionais: “É um trabalho específico para a complementação das necessidades do aluno, por exemplo, ensinando a trabalhar com texto digitalizado e a trabalhar com mobilidade”. O ex-aluno de escola regular Jorge Antunes, de 23 anos, conta que a sua deficiência motora nunca foi empecilho. “Eu estudei a minha vida toda em escola regular e mesmo tendo uma deficiência motora nunca tive problemas com professores e com outros colegas. Eu usava um computador para escrever e era tranquilo”, conta. Jorge aponta a escola como um direito de todos e também como um exemplo para as demais situações

Exercícios são realizados na sala de atendimento educacional especializado

do cotidiano. “Eu não percebia no meu dia a dia escolar que era diferente. Eu fui conhecer o preconceito e a exclusão no mercado de trabalho, o que não deixa de ser frustrante”, relata o jovem que hoje auxilia o pai na

propriedade rural em que vivem em Antônio Prado. O professor de matemática Fernando Oliveira afirma que, para trabalhar em sala de aula com a inclusão, é preciso sempre buscar novas dinâmicas. “A inclusão não é somente colocar o aluno na escola, não. Ele tem que participar e, é claro, no ritmo dele, aprender. Eu faço bastantes atividades em grupos porque eu sei que os alunos aprendem em um ambiente

de cooperação, ou seja, um ajudando o outro”, conta a partir de sua experiência. “Quando vou trabalhar com o Teorema de Pitágoras”, exemplifica, “separo a turma em pequenos agrupamentos; cada um desenvolve uma parte do trabalho; e, no final, nos reunimos e discutimos em conjunto. Assim, conseguimos incluir todos. O importante é que eles participem, tem de haver uma troca de informações.” E conclui: “É um direito do aluno. A inclusão faz parte de um momento político, de uma história que está sendo construída. Nós, professores, também temos um papel fundamental nisso tudo”. Na opinião do docente, é fundamental que o conhecimento sirva para a vida das pessoas e não que seja visto como algo que se encerra na escola. “Não há mais espaço para indiferença e exclusão. Fico feliz que isso esteja se modificando”, comemora. ////////////////////////// TEXTO AMANDA BICCA FOTO CRISTINA DALLA ZEN

D

DIREITO POSSIBILITA DIFERENTES CARREIRAS

“Estou estudando para alcançar o meu sonho de tornar-me um juiz de Direito.” Por outro lado, mesmo com a figura de dois advogados em casa desde criança, a estudante de Direito da Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Letícia Comparsi está indecisa sobre qual caminho seguir. “Não tenho grandes pretensões para o ano seguinte à formatura”, explica, “além de me preparar para a aprovação em algum concurso público e, talvez, exercer a advocacia.” ////////////////////////// TEXTO GABRIELA GONÇALVES FOTO THALLES CAMPOS

C

KUNA LIBERTÁRIA OFERECE OFICINAS GRATUITAS

ansados de ver espaços ociosos nos grandes centros urbanos, um grupo de jovens une suas forças e vontades de mudança para ocupar, no início de setembro, o prédio número 418 da Avenida Osvaldo Aranha, em Porto Alegre. Assim foi que surgiu a Kuna Libertária. “O que diferencia a casa das outras ocupações é que nós aproveitamos o lugar não só para moradia, mas também para que funcione como um espaço cultural. A maior marca disso são as oficinas gratuitas que nós oferecemos”, relata um ocupante. Costura, fotografia, audiovisual, teatro, dança experimental e malabares estão entre as oficinas realizadas diariamente de acordo com um calendário pré-definido no começo de cada semana. Além disso, a Kuna realiza semanalmente o Sarau Poetikaos, o Circo Improvável, aulas de francês, guarani e espanhol, sessões de meditação e massoterapia. “As atividades são divulgadas na página da Kuna e no boca a boca”, diz outros dos moradores do lugar. Diariamente acontece o Recicle, quando os moradores vão à busca do alimento da casa. “Fazemos isso em restaurantes que servem

comidas vegetarianas ou veganas, assim eles evitam desperdício e matam a fome da galera”, explica uma jovem habitante. A maior parte dos moradores vivia na casa dos pais. Cansados das pressões familiares, resolveram sair dos seus lares para viver num espaço mais libertário. “Somos vários em corpos de alguns”, dizem sobre o quanto não importa o número de ocupantes. O prédio, onde antes funcionava uma escola de dança flamenca, foi abandonado e estava em desuso há mais de um ano. Segundo vizinhos, o prédio será derrubado para a ampliação de um estacionamento que fica ao lado da ocupação. O proprietário do imóvel já está ciente da ocupação e moveu uma ação judicial de desalojamento dos ocupantes. Segundo uma moradora vizinha, que preferiu não de identificar, não vale a pena arrendar o prédio. “Quem alugar, vai gastar muito com as reformas e daqui um ano ele será derrubado para a construção do prédio novo. Por isso, vão fazer o estacionamento, que é só derrubar e pronto”. ////////////////////////// TEXTO LUA KLIAR

LUPA / PORTO ALEGRE / NOVEMBRO DE 2014

elegado de polícia, promotor de justiça, juiz, procurador e desembargador estão entre os cargos mais concorridos no que se conhece como carreira jurídica, ou seja, a possibilidade profissional que vai além da atuação como advogado. Tanto é que, entre os 1,5 milhão de bacharéis em Direito no país, apenas metade são advogados regulamentados, segundo a Ordem de Advogados do Brasil (OAB). O assessor de desembargador Marcelo Antônio Giotto conta que precisou de dois anos de faculdade para descobrir qual área seria ideal para o seu futuro. “Percebi que, tendo perfil ponderado, pouco bélico e valorizador da justiça, minha vocação estava desvinculada da advocacia e ligada intimamente à magistratura”, explica. Formado em Direito pela PUCRS em 2012, Marcelo revela estar satisfeito com o seu cargo atual, apesar de que este não lhe transmite estabilidade, uma vez que é um cargo de confiança plenamente vinculado à posição do desembargador para quem trabalha. Com esta perspectiva, ele revela:

////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

7


///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

ATENÇÃO: CURVAS

ACENTUADAS

MULHERES SE RECUSAM A ESTACIONAR NO TEMPO EM QUE SÓ UM IDEAL DE BELEZA ERA PERMITIDO ////////////////////////// POR REBECCA ROSA E LUCIANO DEL SENT FOTO REBECCA ROSA //////////////////////////

LUPA / PORTO ALEGRE / NOVEMBRO DE 2014

“E

8

u sempre fui gorda”, diz logo de cara. Johanne Richter Gomes, 31 anos, abandonou uma carreira de analista de recursos humanos para viver um sonho: fazer os olhos de mulheres acima do peso brilharem ao se ver em uma foto, como os dela também brilharam. Ela e a sócia, Camila Borges Goettems, criaram um lugar que transmite autoestima desde a entrada, com as paredes tomadas por fotos de mulheres reais, sem retoques. Em destaque estão vários pôsteres de princesas da Disney com gordurinhas e cheias de curvas. “Eu percebia que todas as mulheres que chegavam aqui tinham algo a resolver em suas vidas, ou consigo mesmas”, diz. Entretanto as fotos expostas pareciam contradizê-la: mulheres lindas, praticamente todas com quilos a mais e transbordando confiança. Considerada uma perigosa tendência mundial, a obesidade mórbida no Brasil já atinge cerca de 3% da população, de acordo com o Ministério da Saúde. Ela ocorre quando o índice de massa corporal (IMC) está acima de 40 kg/m² – para fazer a conta, divide-se o peso pela altura multiplicada por ela mesma. Segundo pesquisa da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, 25,4% das mulheres brasileiras apresentam sobrepeso entre 18 e 24 anos; 39,9% entre 25 e 34 anos; e, entre 45 e 54 anos, 55,9%. É preciso saber como conviver com esses quilinhos extras e ao mesmo tempo se manter saudável. Consultar um nutricionista está no topo da lista de primeiros passos. A reeducação alimentar, aliada a exercícios físicos regulares e orientados, vem em seguida. Sentada no modesto sofá de casa, Carine Liciane Jacobus de Jesus sorri como se estivesse assistindo a um stand-up comedy. Logo, a modelo plus size gaúcha de

32 anos parece estar bem à vontade com a exposição de sua imagem e a vida sobre as passarelas. Contudo, nem sempre foi assim. Quando trabalhava numa empresa de manutenção de frigoríficos, como vendedora, não se sentia conformada com o emprego. Estava estressada devido às cobranças de uma rotina desgastante e ao pouco reconhecimento. Tal fato iniciou um processo de degradação física, através do qual ela atingiu o peso de 143 quilos. “Larguei o serviço e procurei ajuda de uma nutricionista para cuidar da minha saúde”, relata Carine, com a voz firme, mostrando orgulho da decisão tomada. A necessidade de um auxílio profissional era iminente. “O que eu colocar na minha cabeça eu faço, mas não consigo perder peso”, revelou à época para a nutricionista. Com os lábios pintados de batom vermelho-escuro e os gestos exorbitantemente acelerados, Carine revela que a profissional de saúde lhe indicou realizar exercícios físicos. Determinada, logo entrou na academia. Com contrato mensal assinado, estava em busca de uma melhora na saúde física e mental, mas, além disso, encontrou algo que não esperava – amigos que a apoiaram na dura rotina de exercícios aeróbicos. “O mestre de boxe e o professor de zumba (um ritmo de dança latino) me deram

Aos poucos aprendi que precisamos gostar de como somos, e não de como os outros querem que sejamos” CARINE JACOBUS, MODELO PLUS SIZE

o apoio necessário para vencer algo que para mim era um tabu”, diz Carine, que perdeu 23 quilos já nos primeiros meses. Ela revela um trauma de infância: o preconceito e o bullying cometidos pelos colegas de escola. De acordo com um levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o peso é um fator predominante para a ocorrência de agressões físicas e psíquicas entre estudantes. A análise destaca que 54% dos alunos entrevistados afirmam sofrer algum tipo de bullying devido ao sobrepeso. “Aos poucos aprendi que precisamos gostar de como somos, e não de como os outros querem que sejamos”, diz Carine, que salienta: “a autoestima é a defesa

para tudo”. O incentivo dos colegas de musculação deu início a uma reviravolta na vida de Carine, que entrou no concurso Plus da Copa, patrocinado pela Bless Tamanhos Grandes, empresa do ramo de confecções. O ensaio fotográfico gratuito realizado pela amiga e fotógrafa Letícia Almeida a fim de ingressar na competição alcançou, em um final de semana, 11.925 compartilhamentos no Facebook. Casada há 12 anos com Júlio César da Silva Gonçalves, 31 anos, Carine conta como é a aceitação do marido devido à exposição que ela conquistou: “Sempre rola um ciuminho, mas nada além do básico”. Quando fez ensaios que tinham um apelo mais sensual, Júlio a acompanhou nas fotos. “Enquanto acontecia a competição, ele, de férias do trabalho, ficava o dia todo no Facebook promovendo o evento e a minha foto para que votassem em mim”. Hoje, ela é capa de várias páginas da rede social voltadas a modelos plus size, como Musa BBW Brasil e Linda G+ Lingeries. A evolução da Medicina,

Carine aderiu a exercícios físicos e reeducação alimentar para melhorar a saúde física e psicológica

desde os anos 60, centralizou o culto à saúde e o desejo de se manter jovem, colocando o sobrepeso num lugar menos belo. Segundo a mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Denise Mairesse, foi criado um conceito de saúde relacionado à magreza. Dessa maneira, a maior dificuldade de aceitação da obesidade se relaciona à imagem que o indivíduo constrói sobre si diante de um ideal social. De acordo com a psicanalista, quando as mulheres realizam o ensaio fotográfico a exposição surge como um reconhecimento social. Antes dos ensaios ocorre o medo de se sentirem menosprezadas pelo próprio pensamento, que já existe como uma instância julgadora, desde o seu olhar. “A determinação dessas modelos se destaca e ressalta certo brilho, o qual confere uma espécie de beleza singular”, diz Denise. A autoestima de modelos acima do peso como Johanne e Carine é melhor do que a de mulheres magras. Se uma pessoa com sobrepeso se sente feliz, é por sua relação à vida de modo geral e não somente àquilo no seu corpo que não corresponde a um ideal social. “A partir do momento em que tu te aceita como é, tudo fica mais fácil”, já diria Carine Jacobus. A confiança dessas mulheres é proporcional às suas curvas.

Lupa 4  

Jornal experimental produzido por alunos do Curso de Jornalismo da Unisinos (Porto Alegre/RS). Edição 4. Novembro de 2014.

Lupa 4  

Jornal experimental produzido por alunos do Curso de Jornalismo da Unisinos (Porto Alegre/RS). Edição 4. Novembro de 2014.

Advertisement