Page 1

Ano I ● Edição 0 ● Dezembro de 2011

R$ 6,00

Rio Araguaia

bem natural sofre com a falta de atenção

Dicas Conscientes

Reaproveitando o Lixo

Natureza pede Respeito

Meio ambiente sofre com o lixo

Bicho Bom de Papo

Arara Canindé


O Viveiro de Mudas Recanto Verde é especialista no comércio e produção de mudas.

Para quem gosta do verde ou aprecia à natureza, vale a pena visitar o Viveiro de Mudas Recanto Verde.

2


Índice

Expediente Reportagem, Redação, Entrevista, Foto, Pesquisa e Edição: Alvarina Patrícia B. dos Santos Áthila Chaves Rezende Diagramação e Design Gráfico: Roni Pess Revisão e Orientação: Professor Mestre Thiago Cury Luiz Artigo: Alvarina Patrícia B. dos Santos Nelsoney da Costa Marques Roni Pess Crônica: Rubem Alves Circulação: Alto Araguaia/MT Santa Rita do Araguaia/GO Periodicidade: Mensal Tiragem: 10 exemplares Impressão: Gráfica Atena

7

Matéria de Capa

Rio Araguaia sofre com a falta de atenção

11

Entrevista especial

16

Bicho bom de Papo

20

Repensando o Lixo

Adevaldo Lima Prefeito Alcides

Arara Canindé

Diminuindo a quantidade de lixo

26

Natureza pede Respeito

33

Dicas Conscientes

38 44

Meio ambiente é depósito de lixo

Maneiras de reaproveitar o lixo

Queimando Vidas

As conseqüências das queimadas

Em Foco

Espécies do Cerrado

Publicidade e Assinatura: Patrícia Barcelos (patycelos@gmail.com) (66) 9603 – 2416 Áthila Chaves (atila_crezende@hotmail.com) (66) 9624 - 4776

3


Carta ao Leitor

Ação Consciente:

Preservação, Conscientização, Reutilização

A

ção consciente. Duas palavras que se completam e dão nome a esta revista. Nome que define bem a nossa preocupação. Um veículo de comunicação repleto de informações jornalísticas voltadas para todas as pessoas que se interessam pelo assunto meio ambiente. Espaço para informação, entretenimento e atividades práticas para toda a família. Ação Consciente foi uma idéia que amadureceu aos poucos, partindo principalmente da preocupação com a degradação do meio ambiente presente na nossa comunidade, bem como a necessidade de compartilhar com o público leitor a nossa ansiedade em fazer algo em prol daquele que há tanto tempo tem nos servido. E o que a gente tem dado em troca? Precisamos repensar nossos atos. Todas as nossas escolhas têm reflexo no futuro. Pense um pouco, será que daqui a alguns anos você não vai olhar para trás e lamentar não ter planejado melhor suas ações? Imprevistos acontecem, mas, quando temos controle sobre a própria vida, eles ajudam nas correções de rumo, estimulam a enxergar as oportunidades. Prepare hoje o seu amanhã. Sonhos se realizam com escolhas e atos conscientes. Foi fazendo essa reflexão que surgiu Ação Consciente. Colocar em prática aquilo que estava ao nosso alcance, mostrar às pessoas o quanto é necessária a conscientização da sociedade em preservar e conservar a natureza presente na sua comunidade, contribuindo para a vida do Planeta Terra, incentivando a prática de algumas possíveis ações para manter o meio ambiente vivo e livre da destruição. A revista irá informar, colaborar para a conscientização das pessoas, evidenciar a nossa preocupação e a que cada ser humano deve ter e colaborar para que esse problema não aumente a cada dia. No decorrer das páginas você vai se identificar com o que está sendo dito, vai encontrar aquilo que acontece na sua comunidade. Textos que registram a sua realidade, com abordagens de pessoas que vivem na mesma sociedade que você. Talvez você pense: “nossa, mas aqui acontece tudo isso mesmo?”. E nós respondemos: “acontece, sim”. Para mudar essa situação, nós precisamos contar com cada um de vocês, nosso leitor. Aceite lutar nessa causa conosco. Todos nós, juntos, podemos mudar a realidade do meio ambiente.

4

Seja bem-vindo a Ação Consciente. Esperamos que goste e curta a leitura.


Crônica

Sobre rosas, formigas e tamanduás Por Rubem Alves

O

seu nome era Brasilino Jardim. Brasilino Jardim tinha jardim no nome e jardim no coração. Ele amava todas as coisas vivas, de plantas a urubus. A vida, para ele, era sagrada. Brasilino Jardim não ia à igreja. As pessoas religiosas temiam por sua alma e se perguntavam: “Ele não sabe que é preciso ir à igreja para estar bem com Deus? Quem não está bem com Deus corre perigo! Deus castiga!” Brasilino sorria um sorriso manso e perguntava: “Onde está dito, nas Sagradas Escrituras, que Deus fez uma igreja? Todo Poderoso, se quisesse igrejas teria feito igrejas. Todo Poderoso, ele fez o que queria. E o que é que ele fez? Plantou um jardim. E está dito que ele ‘andava pelo jardim ao vento fresco da tarde!’ Quando estou no jardim sei que estou andando no lugar que Deus ama. Deus ama a vida, o vento, o sol, a terra, a água – coisas que estão no jardim. Mas as igrejas são lugares fechados, abafados. Bichos e plantas não se sentem felizes lá dentro...” Não frequentava igrejas mas amava um santo: São Francisco. Porque São Francisco foi o homem que via Deus nas coisas da natureza. São Francisco amava tudo o que vivia e, segundo a lenda, as coisas que viviam o entendiam, tanto que ele pregava sermões aos peixes e aos pássaros. Frequentemente os animais ouvem melhor que os seres humanos... Foi então que o Brasilino Jardim resolveu plantar um jardim em homenagem a São Francisco. Te-

ria de ser um lindo jardim, com um canteiro de rosas no meio. E assim foi. Vendo as folhas viçosas das roseiras, a primeira rosa que se abrira e os botões que se abririam no dia seguinte, Brasilino foi dormir contente. Ao acordar pensou logo no jardim. Queria ver se os botões já estavam abertos. Mas, decepção! O que ele encontrou foi devastação. Durante a noite as formigas saúvas haviam cortado todas as folhas e todas as flores das roseiras. Brasilino ficou muito triste. Resolveu aconselhar-se com um vizinho que tinha um lindo canteiro de rosas floridas. “O jeito é matar as formigas”, disse o vizinho. “Formigas e jardins não combinam. Para as formigas jardins são hortas, coisas para serem comidas.” “Matar as formigas? De jeito nenhum. São criaturas de Deus, como todos nós. Se foi Deus quem as fez, elas têm o direito de viver. Formigas têm direitos...” E com essas palavras deixou o vizinho falando sozinho. “Onde já se viu matar as formigas? São criaturas de Deus. Tem de haver outro jeito...” Pensou: “Se as formigas comeram as roseiras, comeram porque estavam com fome. Não foi por maldade. Se eu der comida às formigas elas deixarão de ter fome e não comerão as rosas”. Dito isso plantou, à volta do jardim de rosas, um anel de cenouras tenras e doces que seriam o deleite alimentar das formigas. Mas as formigas ignoraram as cenouras. Continuaram a comer as roseiras.

“Talvez elas não tenham entendido”, ele pensou. “Não perceberam nem que as cenouras são deliciosas e nem que são para elas. Ainda não foram educadas. Se forem educadas para gostos mais refinados não comerão as rosas. Serei um educador de formigas.” E como sabia que a noite é o tempo preferido pelas formigas para cortar roseiras, Brasilino passou a dar aulas às formigas durante a noite, peripateticamente, no seu jardim. Queria que as formigas aprendessem a gostar gastronomicamente de cenouras e plasticamente de rosas. O vizinho ficou incomodado com aquele falatório noturno. Foi ver do que se tratava. E se espantou. “Brasilino, você endoidou? Pregando às formigas?” Brasilino respondeu: “São Francisco pregou aos pássaros e aos peixes. E eles entenderam. Pois eu vou pregar às formigas e elas haverão de entender.” Mas as formigas não ligavam para a aula do Brasilino. Não aprenderam a lição nova. Formiga continua a ser formiga. Continuaram a cortar as roseiras. Diante do fracasso da pedagogia, Brasilino se lembrou de um recurso inventado pelos humanos chamado “condomínio”. O que é um condomínio? São casas cercadas de muros de todos os lados, com o objetivo de impedir a entrada dos criminosos, que ficam do lado de fora. “Farei o mesmo com as minhas roseiras”, ele disse triunfante. Ato contínuo tomou garrafas de coca litro, cortou bicos e fundos, fez um corte vertical ao lado e usou esses ci-

5


lindros ocos como cintas protetoras para os caules das roseiras. “Agora minhas roseiras estão protegidas! As formigas não entrarão!” Pobre Brasilino! Ele não conhecia a esperteza das formigas. Elas sabem fazer túneis, escalar muralhas, passar por frestas, fazer pontes. E quando ele foi ao jardim, pela manhã, viu que as formigas haviam devorado de novo suas roseiras. Lembrou-se então Brasilino de uma velha estória que relata o feito de um flautista que livrou uma cidade de uma praga de ratos que a infestava. O que foi que o flautista fez? Simplesmente tocou sua flauta! “Ah! A música tem poderes mágicos! Claro, as formigas não entendem a linguagem pedagógica dos argumentos. Haverão de ser sensíveis à magia da música.” Comprou uma flauta e pôs-se a tocar o Bolero de Ravel. As formigas reagiram imediatamente. Sentiram o poder da música. Até os bichos têm música na alma. Começaram a mastigar folhas e rosas ao ritmo da música encantadora. Com o fracasso da música, veio-lhe, então, uma nova idéia: “Se as formigas não podem ser nem conscientizadas pela palavra e nem sensibilizadas pela música, as rosas podem ser. Assim, vou despertar nas minhas rosas o sentimento da nãoviolência, da beleza da paz. O pensamento tem poder. Se todas as rosas fizerem juntas uma corrente de pensamentos de paz a energia positiva no ar será tão forte que as formigas se converterão...” Espalhou, pelo jardim, imagens coloridas de paz. Flores sorridentes. Pôs CDs com música sobre rosas, Strauss, Vandré e Caymi. Tudo, no espaço do jardim, sugeria paz e não violência. Quem visitasse o seu jardim sentia a energia positiva no ar. Mas parece que as formigas não eram sensíveis à energia positiva de paz. Continuaram a cortar as

6

rosas. Aí ele começou a ter raiva das rosas. “Não compreendo a passividade das rosas! Elas não se defendem! Tinham de se defender! Pois Deus não dotou as criaturas com o direito de defender a sua vida?” Cobriu então os galhos das roseiras com espinhos pontudos e afiados, facas e espadas que as rosas deveriam usar para se defender das formigas. Mas as rosas não sabiam se defender. Não sabiam usar armas. Eram mansas e desajeitadas por natureza. As formigas continuaram a subir pelos seus galhos sem ligar para os espinhos. No desespero, Brasilino resolveu tomar uma atitude mais radical, que mesmo contrariava seu sentimento de reverência pela vida: foi para o jardim munido de um martelo e pôs-se a martelar as formigas que se aproximavam das suas roseiras. Mas o número das formigas era imenso. Não paravam de chegar. Matou muitas formigas a marteladas, o que não as perturbou. E havia também o fato de que Brasilino não podia ficar martelando formigas o tempo todo. Precisava dormir. Dormindo, o martelo descansava. E as formigas trabalhavam. “Já sei!”, ele disse. “Apelarei para o Papa. O Papa tem reza forte. Pedirei que ele ore para que as formigas parem de comer minhas rosas”. Escreveu então uma carta para o Papa, expondo o seu sofrimento, e pedindo que ele intercedesse junto aos santos, junto à virgem, junto a Deus... Afinal de contas, as hostes celestiais deviam ter um interesse especial na preservação do jardim, aperitivo do Paraíso. As autoridades eclesiásticas, de posse da carta de Brasilino, deram a ela a maior consideração, e a colocaram na lista das orações pela paz que o Papa rezava diariamente: paz entre judeus e palestinos, paz entre russos e chechênios, paz entre pro-

testantes e católicos, paz na Espanha, paz na Colômbia, paz no Peru, paz na África... Era uma lista enorme. O Papa orou mas nada mudou. Os homens continuaram a se matar e as formigas continuaram a cortar suas roseiras. De repente ele ouviu uma voz que o chamava. Era a voz do seu vizinho, que contemplava tudo em silêncio. “Eu tenho uma solução para o seu problema com as formigas, sem que você tenha de matar as formigas.” Brasilino se espantou: “Como?” O vizinho explicou: “Você acha que as formigas são criaturas de Deus. Sendo criaturas de Deus têm direito a viver. Você está em boa companhia espiritual. Homens como São Francisco, Gandhi e Schweitzer também sentiam reverência pela vida.” Brasilino ficou feliz ao se ver colocado ao lado desses santos. Seu vizinho continuou: “Mas isso que você diz para as formigas deve valer para todas as criaturas. Certo?” “Certo”, concordou Brasilino. “Então, por que você não traz um tamanduá para morar no seu jardim? Tamanduás também são criaturas de Deus. E adoram comer formigas! Para isso têm uma língua fina e comprida, que entra até o fundo dos formigueiros! Para o tamanduá, comer formiga não é pecado; é virtude!” E foi assim que o Brasilino, sem desrespeitar suas convicções espirituais, trouxe um tamanduá para viver no seu jardim. E o tamanduá engordou, as formigas sumiram, o jardim floresceu e o Brasilino sorriu... Moral da estória: Quem quiser se livrar das formigas e manter uma consciência tranquila, que compre um tamanduá...


Materia de capa

Rio Araguaia precisa de ATENÇÃO! Nosso bem natural está sendo usado como depósito de lixo e esgoto Foto: Patrícia Barcelos

O

rio Araguaia (em dialeto tupi, possui várias expressões: Rio do Vale dos Papagaios, rio das Araras, rio dos Papagaios Mansos) tem duas das principais nascentes em Goiás, nas formações elevadas existentes no Parque Nacional das Emas, reserva ecológica (área de proteção ambiental) situada na divisa dos estados de Goiás e Mato Grosso, próximo à cidade de Mineiros, e uma terceira nascente no município de Alto Taquari no estado de Mato grosso. Segundo informações do geógrafo Neilon Vilela, a principal nascente do rio Araguaia, que está localizada no município de Mineiros, já sofreu muito com a falta de preservação. Ele aborda sobre o assunto: “Há mais ou menos uns dez anos atrás a nascente estava toda ‘arrebentada’, tinha uma voçoroca enorme ali (é um fenômeno geológico que consiste na formação de grandes buracos de erosão causado pelas chuvas, em solos onde a vegetação é escassa e não protege mais o solo). Só para se ter uma idéia do tamanho, cabia um helicóptero inteiro dentro dela de tão grande que era. Mas com o trabalho desenvolvido pela Fimes de Mineiros (Faculdades Integradas de Mineiros), através dos cursos de Agronomia e Engenharia Florestal em parceria com o Governo estadual e os produtores, eles conseguiram recuperar toda essa área degradada. E o Ministério do Meio Ambiente, como forma de manter a preservação

Por Patrícia Barcelos e Áthila Chaves

Cachoeira do rio Araguaia perto do Bilinão

das nascentes, fez com que os agricultores da região tomassem conta daquela área, porque tudo foi provocado pela falta de cuidados com as margens da nascente do rio Araguaia, devido a agricultura ser muito forte, pesada nessa região a qual

acaba destruindo toda a mata ciliar do rio” lembra Neilon. Em quase toda a extensão de seu curso, apresenta, no período que vai de maio a outubro, praias de areias brancas e limpas, o que, aliado a uma fauna e flora bastante rica em

7


8

das lavouras, com o assoreamento. E os animais, pássaros que dependem dessa mata ciliar para viver na natureza, de onde tiram seu alimento, estão vindo para a cidade em busca da sua sobrevivência” enfatiza. A respeito do esgoto que cai dentro do Rio Araguaia, existe um projeto sobre uma estação de tratamento de esgoto feio pela Prefeitura de Alto Araguaia, que segundo o Se-

de Alto Araguaia no que diz respeito ao meio ambiente, inclusive o projeto de tirar os esgotos do rio é um projeto das duas cidades, “pois se as duas cidades não trabalharem juntas, de nada adianta”, afirma. Apesar de toda essa sujeira que é jogada no Rio Araguaia, ainda há aqueles que se arriscam a tomar banho nessas águas. Inclusive, tem um bando bem grande de capivaras

Foto: Patrícia Barcelos

espécies e volume, vem despertando a atenção do turista e dos amantes da natureza no mundo inteiro. A atividade da pesca amadora reforça o poder de atração de toda a região. De acordo com a Associação Civil Cidadania DF (ACC – DF), “para proteger esse tesouro brasileiro, existe um projeto de lei que tem o objetivo de transformar o rio Araguaia num parque de preservação ambiental, o primeiro do Brasil”. Isso fará com que todas as comunidades assumam a responsabilidade em cuidar e preservar o rio Araguaia. E como é de conhecimento de todos, o Rio Araguaia faz parte do meio ambiente de Alto Araguaia (MT) e de Santa Rita do Araguaia (GO), e ainda mais, o esgoto do córrego “Mané Falado” e o de muitas casas de ambas as cidades caem direto no rio. Para aumentar também a falta de cuidados, lixos são jogados às margens e dentro do Araguaia, sujam a água e poluem o meio ambiente, ficando impróprio para banho e para a sobrevivência dos animais que dele precisam. A moradora de Santa Rita do Araguaia, Edite Teles, nos relata a sua preocupação a respeito da falta de ações em prol do rio Araguaia: “Se você olhar as margens do Araguaia vai ver que está toda desprovida de árvores, tanto do lado de Mato Grosso quanto de Goiás, e isso é algo que os governantes já deveriam ter tomado providências há muito tempo. Principalmente arborizar, porque a mata ciliar acabou, e eu não vejo nada ser feito para isso” afirma. Outro relato feito por dona Edite é de como o rio Araguaia era limpo e conservado na época de sua infância e adolescência: “O rio Araguaia era tão limpo, que agente conseguia ver as pedrinhas lá no fundo, hoje está isso ai que estamos vendo, não podemos tomar banho no rio. Eu só o vejo ser destruído, está sofrendo as conseqüências do desmatamento,

“Esgoto” Mané Falado

cretário de Meio Ambiente Jefferson Berigo, “vai tratar o esgoto de toda a cidade, tirando de vez o esgoto de dentro do Rio Araguaia e que segundo informações trazidas pelo Prefeito, após sua ida à Brasília, pode sair ano que vem através do PAC (Programa de Aceleração de Crescimento)”. Jefferson ainda ressalta que Santa Rita também é parceira

que vive próximo ao rio Araguaia e, com certeza, sofre com os lixos que são jogados na água. Esses animais, segundo o Secretário Berigo, são cuidados pelas pessoas que moram próximas da região onde elas vivem, podendo dessa forma preservar a espécie. Também é possível enxergálas no início da noite quando saem para pastar todas juntas à beira do


rio. O armazenamento incorreto do lixo feito pela população de Santa Rita do Araguaia e Alto Araguaia, principalmente aquelas que residem próximas ao Araguaia, mesmo sem intenção acabam levando poluição para o rio. Basta dar uma pequena olhada para dentro do Araguaia que a gente enxerga sacos plásticos, garrafas pet, potes plásticos.

Santa Rita do Araguaia, falando com a Fiscal de Meio Ambiente do município, Niulane Rodrigues Carrijo, ela lembra alguns pontos importantes na pouca atuação da secretaria até o momento: “Nós ainda não estamos muito atuantes quando o assunto é meio ambiente, porque o município não tem secretaria formada, como se pode ver estamos utilizando uma sala dentro do

que cai no rio Araguaia

Inclusive no município de Santa Rita do Araguaia, próximo à captação de água, na popular “bica”, havia pedaços de roupa, calçados velhos jogados, e o mais impressionante foi encontrar os restos do que parecia ser uma ema, jogada nas proximidades do rio. No que diz respeito à Secretaria de Meio Ambiente de

Hospital. Enquanto não estivermos instalados adequadamente, nós ficamos de ‘mãos e pés atados’ porque a secretaria também não possui fundo municipal, tudo vem através da prefeitura. Portanto, fica um pouco complicado de desenvolver mais ações, pois não podemos receber auxilio do governo sem antes estar com a Secretaria de Meio Ambiente

devidamente formada e instalada em sua sede própria”. Mas Niulane ressalta que a secretaria procura desenvolver atividades em Santa Rita do Araguaia, que não necessitam de maiores investimentos, ou seja, com poucos recursos. Como ela exemplifica, algumas das ações já realizadas em prol da preservação do rio Araguaia “foram desenvolvidas palestras nas escolas do município em parceria com a Fundação Nacional de Saúde (Funasa) , visando à conscientização dos alunos sobre a importância da água, da não poluição do rio Araguaia e do meio ambiente como um todo. Outras ações com maior investimento só poderemos fazer quando a secretaria já estiver instalada na sua sede” reafirma a Fiscal. Algumas ações já foram desenvolvidas no município de Alto Araguaia em prol da preservação e conservação do rio Araguaia. Como palestras nas escolas no sentido do esclarecer a importância do papel de cada cidadão, foram plantadas mudas de árvores às margens do rio Araguaia envolvendo algumas instituições como os Sindicatos, o Rotary Club, o Rotaract, a população e os funcionários da Prefeitura. Algumas poucas ações na tentativa salvar o rio Araguaia, sabemos que são poucas, é preciso fazer bem mais, e trabalhando nesse sentido que é possível avançar para que esse bem natural esteja sempre presente em nossas vidas. É necessário, para que se tenha um maior cuidado, que as secretarias dos dois municípios desenvolvam campanhas de conscientização e preservação do Rio Araguaia, orientando a população de que forma ela deve agir, o que cada um pode fazer para que o rio não sofra mais com tanta falta de atenção. Esse é um rio que contempla quatro estados (Mato Grosso, Goiás, Tocantins e Pará), é uma beleza natural tão rica

9


e que está presente na vida de cada morador, seja de Santa Rita (GO) ou de Alto Araguaia (MT). É possível que cada cidadão dessas duas cidades tenha uma história, ou algo que aconteceu na sua vida que está ligado ao Rio Araguaia. Custa tanto assim cuidar um pouco mais desse bem tão precioso que está presente em nossas vidas e que proporciona belos momentos na vida dessas duas comunidades? A exemplo disso, temos o Bóia Cross, o Festival de Canoagem, que é realizado pelo município de Santa Rita do Araguaia. Não podemos esquecer também do Festival Náutico e do Carnaia, que acontecem em Alto Araguaia todos os anos. Estes não estão diretamente ligados com atividades na água, mas muita gente aproveita esses eventos para tomar banho nas águas do Araguaia. É possível que ninguém goste de entrar no rio e dividir espaço com garrafas pet, sacolas plástica e até mesmo com o esgoto que é jogado. O vereador de Alto Araguaia, Vanderalques de Castro, coloca a sua posição quanto ao que precisa ser feito para que o rio Araguaia seja preservado e conservado: “É preciso que haja

10

uma política voltada para o rio Araguaia, e hoje isso não existe. As áreas de preservação permanente que existem ao longo do rio Araguaia já foram destruídas, o produtor desmatou para criar gado, para fazer lavouras ou desmatou para tirar a madeira. Para o rio Araguaia se manter vivo é necessário recuperar toda a mata ciliar ao longo de seu curso, retirar os esgotos que são jogados no rio a céu aberto tanto em Alto Araguaia (MT) quanto em Santa Rita (GO), essas são as primeiras ações a serem feitas”, destaca o vereador.

Ondino Lima, cidadão araguaiense, aponta outra solução possível para a conservação do rio Araguaia e deixa clara a sua preocupação sobre esse assunto: “Eu acredito que falta é a consciência do cidadão. Eu vejo que é obrigação educar os mais jovens, para que eles cresçam preocupados com a preservação do rio Araguaia. Cabe ao cidadão fazer a sua parte, não só cobrar dos nossos governantes, mas também dar a sua contribuição para a preservação e conservação do meio ambiente. Para isso a comunicação é fundamental, a informação, a cobrança dos veículos de comunicação, realização de gincanas, palestras, concursos, que despertem a idéia de preservação e conscientização do jovem e também do adulto”. Há possibilidade de se evitar toda essa poluição através da ação humana, colocando o lixo no lugar mais adequado, ajudando a fiscalizar para ver se outras pessoas também estão colaborando, fazendo a sua parte e cobrando cada vez mais das nossas autoridades a limpeza do Rio Araguaia com a retirada dos esgotos que caem direto na água. Fotos: Patrícia Barcelos

Lixos encontrados no rio Araguaia


Foto: Patrícia Barcelos

Por Patrícia Barcelos

A

devaldo Rosa Lima, cidadão Araguaiense, Sociólogo, possui hoje o título de Mestre em Ciências da Religião. É professor efetivo da Universidade do Estado de Mato Grosso, Campus de Alto Araguaia. E além de professor é também um incentivador de causas voltadas aos interesses da sua comunidade. Ação Consciente o questionou sobre a realidade ambiental de Alto Araguaia/ MT, ações políticas voltadas para preservação e conscientização do meio ambiente local, focando principalmente no rio Araguaia. Acompanhe: 1. Qual é a sua posição quando o assunto é meio ambiente? Quando se fala em meio ambiente, é bom lembrar que essa discussão está sendo bastante polêmica no mundo todo, e o interesse também passa a ser local, onde a população deve de certa forma não ser

conscientizada apenas. Mais do que isso: o povo deve ser o sujeito desse processo. Quando falamos em meio ambiente no sentido mais amplo, é preciso esclarecer o sentido da palavra ecologia, que é um termo mais amplo que meio ambiente. A palavra ecologia vem do grego “oikos” que significa casa, ou seja, habitat, e “logos” significa estudo, conhecimento. Então, a população que habita esta casa deve estar ciente, do ponto de vista do meio ambiente local, de cuidar daquilo ao qual pertence, daquele habitat, porque a natureza pode reagir contra o próprio homem. Como, por exemplo, a gente vê muito nos meios de comunicação, nos noticiários, como o aquecimento global e outros sucessivos fenômenos causados pela natureza como tsunamis, terremotos, deslizamentos, temporais, alagamentos, que estão acontecendo no mundo todo. Isso é reflexo do mau cuidado ou falta de planejamento humano na quietação da ecologia, do meio ambiente enquanto tal. É muito sério quando se discute a respeito do meio ambiente, porque o homem utiliza a natureza como fornecedora de material, como o que ele precisa para construir uma casa, por exemplo, pois necessita de terra, areia, madeira, isso para citar alguns. Basta olharmos ao nosso redor pra vermos o quanto a natureza está transformada, e o homem não se preocupa com essa transformação porque o que está por trás, levando a essa devastação, é o poder econô-

mico, sendo ele o que orienta esse “telos” que a gente chama no sentido moral na ação da conduta humana, em devastar a natureza, onde o homem baseado nas necessidades materiais e na busca pelo poder econômico vai usar a terra, o solo, os minerais, os vegetais. E, assim, cada vez que o homem busca produzir alguma coisa através das riquezas, das fontes naturais e de forma desentendida nessa exploração da natureza, não sabe qual a resposta que o meio ambiente vai dar. Em termos de Alto Araguaia, em específico, não é diferente. Basta minuciosamente observarmos ao nosso redor para vermos que tem muita coisa a cobrar dos governantes, do Executivo local e suas secretarias para que as ações sejam mais planejadas, para que a natureza não venha entornar contra o homem, contra nós. 2. Sendo morador, cidadão de Alto Araguaia, como você vê as ações ou falta delas, por parte do Governo Municipal, quando o assunto é a preservação do Rio Araguaia? Eu até vejo uma polêmica muito grande porque isso advém de uma falta de planejamento, falta de estrutura. Por exemplo, o rio Araguaia passa por dentro da cidade, então ele passa a ser o esgoto da cidade, a água corrente conduz esse esgoto e estão resolvidas as questões, e não é bem assim. A maior polêmica que eu vejo em Alto Araguaia é a falta de ação política por parte da Secretaria de Meio Ambiente em relação a planejar ou preocu-

11


par-se com a devastação, poluição, e uma discussão para intervir de forma todo em Alto Araguaia, eu diria que aí toda a população sofre com isso. imediata, em que se faz necessária está caótico. Não está havendo um Um exemplo disso, onde a afetação a junção das secretarias de meio planejamento, têm lixos jogados a do rio Araguaia está presente no mu- ambiente dos dois municípios, dos céu aberto, não há um local propínicípio, são os encanamentos irregu- poderes públicos e discutir como cio para depositar esse lixo, porque lares de muitas casas que deságuam fazer. Não é difícil, é possível manter tem objetos que precisam ter certo os dejetos poluentes dentro do rio. esse rio preservado, o que resta é cuidado para que não contamine a Em Alto Araguaia é preciso a vontade política, porque é mais natureza. O poder público municipal que haja uma ação política planeja- fácil culpar a população do que ter é responsável por isso, a secretaria da para reconstruir o meio ambiente, um planejamento de ação diante da de meio ambiente deve se preocupar principalmente a conservação com isso, tudo através de um do rio Araguaia que é uma “O rio Araguaia está sendo pre- trabalho ambiental planejado, grande riqueza que nós teoferecendo um local adequajudicado e se não houver uma mos aqui, e isso não pode ser do para o lixo, como o aterro forma de controle, uma ação desconsiderado. A população sanitário. O que na verdade é deve cobrar da instância políti- política para impedir essas ações uma falha na ação política em ca local para que realmente ve- que vêm afetando o rio, ele pode relação ao meio ambiente. nha efetivar essa preservação. não ter uma vida longa. É preciso encontrar uma maneira de sensi- 5. Como você deve enxergar 3. Qual a sua opinião a resao andar pelas ruas de Alto bilizar a população, mostrando Araguaia a quantidade expeito dos esgotos que são jogados dentro do Rio Araas áreas afetadas para que ela pressiva de lixos jogados, e guaia tanto do lado de Santa reaja contra aqueles que estão não só nas ruas, mas também Rita, quanto do lado de Alto dentro e às margens do Rio prejudicando o rio Araguaia, bem Araguaia. Qual a sua preoAraguaia, e a impossibilicomo cobrar do poder público cupação a respeito disso? dade da população dos dois municípios tomarem banho ações mais eficazes” nas águas do rio, apesar de “O lixo deve ser jogado no existirem aqueles que se arlixo”. A minha preocupação é riscam na realização dessa práti- situação. O rio Araguaia está sendo saber quando a população vai ficar ca? prejudicado e se não houver uma ciente da relevância do seu papel na forma de controle, uma ação política conservação do meio ambiente, pois Eu vejo que o que resolveria para impedir essas ações que vêm quem vai sofrer as conseqüências é a em grande parte esse problema seria afetando o rio, ele pode não ter uma natureza, e aqui em Alto Araguaia o construção das fossas sépticas com vida longa. É preciso encontrar uma rio também sofre, onde é possível a sumidouro em todas as casas. Com maneira de sensibilizar a população, gente presenciar garrafas pet, sacoisso, os dejetos não seriam jogados mostrando as áreas afetadas para que las plásticas grudadas nos galhos das diretamente no rio. Mas o que deve- ela reaja contra aqueles que estão árvores, e muitos outros tipos de lixo ria mesmo ser feito é a construção de prejudicando o rio Araguaia, bem que podem ser vistos dentro do Aracaixas sépticas de areia onde a água como cobrar do poder público ações guaia. Eu acredito que se a comunido esgoto seria tratada antes de cair mais eficazes. dade souber das conseqüências que no rio, diminuindo os dejetos que o lixo pode trazer, talvez sirva de licontaminam a água. Outra forma se- 4. Você como cidadão Araguaiense ção e conscientização da população. ria a canalização de todo o esgoto da e preocupado com a preservação É preciso fazer alguma coisa. Pra cidade sendo depositado em um lu- do meio ambiente local, qual a sua mim, a forma mais viável de atingir gar apropriado para tratamento que visão a respeito da administração a população é através dos meios de não fosse o rio. Acredito que esse atual em relação a ações voltadas comunicação, mostrando a realidaprojeto teria que ser uma preocupa- para a preservação e conservação de impactante do meio ambiente de ção tanto de Alto Araguaia quanto de do meio ambiente dentro e no en- Alto Araguaia. Santa Rita do Araguaia, pelo fato do torno da cidade? rio fazer parte dos dois municípios. 6. Algumas ações já foram feitas O rio Araguaia passa a ser O meio ambiente, como um em prol da limpeza e conservação

12


do Rio Araguaia, mas ainda falta muito para se alcançar o ideal, e um ponto primordial no auxílio desse tipo de ação é a conscientização da população, mas infelizmente muito pouco é feito com relação a isso. Como você vê essa falta de ações voltadas para a orientação da comunidade local, não só de Alto Araguaia, mas de Santa Rita também para que se tenha não só o Rio Araguaia preservado, mas o meio ambiente como um todo? É preciso ter representantes no governo engajados com programas de causas ambientais, para que todo e qualquer município possa contar com o apoio financeiro voltado para projetos ambientais na sua localidade. Falar da preservação e da conservação do meio ambiente sem recursos fica praticamente impossível qualquer ação, seja ela estadual ou municipal. 7. Você pode nos dizer de que for-

No turismo, pescarias, apesar de ser um rio com água de correnteza muito forte, lazer, promover esporte apropriado às características do rio, que não afete o curso do rio. Com o turismo vai trazer maior rentabilidade ao mercado local. Mas para isso ser possível é preciso antes fazer a conservação e preservação do rio Araguaia, porque sem um meio ambiente limpo e cuidado é impossível desenvolver o turismo. 8. Você como cidadão Araguaiense e principal interessado em manter o meio ambiente local limpo e preservado, pode nos relatar de que forma tem contribuído para a preservação do rio, já que essa função não cabe apenas à política? Quando eu dava aula na rede pública, propus uma mobilização aos alunos para que cobrássemos

das autoridades locais a preservação e conservação do meio ambiente, mas infelizmente foi barrada prela direção da escola. Isso já tem alguns anos, para se ter uma idéia de que há algum tempo eu já estava querendo atuar, levantando essa questão ligada ao meio ambiente. Agora, ações, atividades voltadas à proteção e conservação do meio ambiente não tenho feito. Um trabalho coletivo a gente pensou. É muito difícil essa questão que envolve conscientização e prática, pois conscientizar leva a refletir sobre os atos de cada um, e a população no geral não tem essa conscientização. E a prática é essa que estamos vendo, de lixos nas ruas, jogados em qualquer lugar. Está havendo uma falta de conscientização por parte da população inclusive do poder público municipal, por permitir esses atos. O importante é haver uma sensibilização da comunidade no sentido de mostrar que isso tudo afeta o meio ambiente, o rio, a natureza, os animais, até mesmo o homem.

s a h

n

i ir

T

ma um rio preservado pode auxiliar a população?

13


enquanto prefeito de Alto Araguaia ,em relação a essa questão?

Foto: Internet

A

lcides Batista Filho, Prefeito do município de Alto Araguaia/ MT, gestão 2009/2012 pelo PT (partido dos Trabalhadores). Também já foi vereador por cinco mandatos, foi funcionário da Educação no Estado de Mato Grosso, e Secretário de Esportes de Alto Araguaia/MT. E hoje na função de Prefeito da cidade, Ação Consciente o questionou a respeito de ações que já foram feitas, estão sendo feitas, e ainda serão feitas até o final do seu mandato, voltadas para a preservação e conservação do rio Araguaia. Confira: 1. Como se sabe o Rio Araguaia aqui nas nossas cidades, Alto Araguaia/MT e Santa Rita do Araguaia/GO, é palco de três eventos durante o ano. O Carnaia e o Festival Náutico em Alto Araguaia, e o Bóia Cross/Festival de Canoagem em Santa Rita. Em Santa Rita do Araguaia, no local do evento anual, ainda é possível as pessoas tomarem banho no rio, mas aqui do lado de Alto Araguaia não é aconselhável, apesar de existirem aqueles que se arriscam a entrar na água, pois como podemos ver em vários pontos do rio, esgoto e lixos são jogados dentro da água. Qual a preocupação do senhor,

14

Desde quando assumimos o Governo Municipal, uma das nossas grandes preocupações é o rio Araguaia, e infelizmente sabemos que nós somos os maiores poluidores do rio, pois jogamos grande parte do esgoto doméstico no seu leito. Assim que assumi, nos primeiros meses de governo, eu pedi para que fosse elaborado um projeto para que assim pudéssemos lutar por uma verba que possibilitasse sanear o rio Araguaia. E, felizmente, no início deste ano fomos chamados a Cuiabá, onde foi aberta a proposta para o tratamento do esgoto de Alto Araguaia. O nosso projeto foi cadastrado no PAC 2 (Programa de Aceleração do Crescimento) e recomendado para Brasília. Estamos muito animados e confiantes de que esse projeto será aprovado e nós poderemos tratar uma boa parte do esgoto jogado no rio Araguaia. Queremos, até o fim do mandato, diminuir cerca de 70 a 80% da poluição do rio. É um investimento que fará um grande bem para o rio Araguaia. 2. Desde o início da sua administração, o que o senhor juntamente com a Secretaria de Meio Ambiente, órgão que está diretamente ligado a assuntos relacionados à ação ambiental, já fizeram com a finalidade de preservar o Rio Araguaia? Fizemos diversas ações no sentido do esclarecimento, fizemos plantações de árvores às margens do rio Araguaia envolvendo algumas instituições como os Sindicatos, o Rotary Club, o Rotaract, a população, os funcionários da Prefeitura. Fizemos boas ações para tentar sal-

var o rio Araguaia. Sabemos que são poucas, precisamos fazer mais, e trabalhando nesse sentido nós conseguimos avançar cada vez mais. 3. O senhor deve se lembrar que, no ano de 2009, durante o Festival Náutico, Alto Araguaia contou com a participação do Rally Berohokã, evento esportivo que tem como missão chamar a atenção das autoridades para a preservação do rio Araguaia, bem como às suas belezas. E na oportunidade foi debatido em um seminário sobre a grande quantidade de esgoto que é jogado diariamente no rio. Eu me lembro que estiveram presentes autoridades Estaduais, Federais e Municipais, da qual o senhor fez parte. Lembrando uma parte da sua fala, o senhor disse que acreditava que a saída para o problema seria incluir obras de saneamento básico da região no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e também esperava que o seminário pudesse exercer uma pressão no Governo Federal para que essa medida fosse implementada. Gostaria que o senhor relatasse o que foi feito a respeito de lá pra cá. Aquela foi a primeira ação do nosso governo realizada nesse sentido. Na oportunidade, eu falei do auxilio do PAC porque o município não tem dinheiro suficiente para investir. E agora, como esperamos que o nosso projeto seja aprovado pelo PAC para tratamento do esgoto do rio Araguaia, a ação do ano de 2009 vai render os primeiros frutos. E não vamos parar por aí: precisamos desenvolver muitas ações, principalmente aquelas que envolvam a comunidade, que é a parte maior interessada na luta pela preservação do rio Araguaia. 4. Outro ponto que precisa ser abordado é a questão dos lixos


existentes tanto nas margens quanto dentro do rio Araguaia. Não estão em toda parte, mas se sabe que na época das chuvas o volume de água do rio aumenta consideravelmente, e esses lixos acabam sendo distribuídos por outros pontos e poluindo o meio ambiente em torno da cidade. O que já está sendo feito no sentido de tirar os lixos que estão jogados no rio Araguaia?

no Mané Falado, além de uma estação compacta de tratamento logo em seguida. Vai ser lançado no rio, mas após ser tratado, porque não outro jeito, precisa ser jogado em algum lugar. Agora, outra coisa que acontece é de muitos munícipes jogarem animais mortos lá dentro do Mané Falado, o que contribui muito mais para o mau odor e poluição do meio ambiente. Esperamos que com esse dinheiro do projeto através do PAC possamos fazer o tratamento do esgoto de Alto Araguaia. Caso a gente não alcance êxito com esse projeto,

Araguaia, fazendo uma limpeza coletiva. 7. Além de limpar e preservar o rio Araguaia é preciso desenvolver projetos voltados para a conscientização da comunidade araguaiense, senão todo trabalho feito será em vão. O que a prefeitura tem feito e ainda vai fazer em relação a atividades ambientais que visem conscientizar a população em cuidar de todo o meio ambiente do município, principalmente do Rio Araguaia?

Nós temos trabalhado através da mídia pedindo à população para não jogar lixos em lugares inadequados, pois se não É preciso, com certeza, “A nossa cidade só será uma houver a conscientização da desenvolver mais ações no cidade limpa no dia em que a comunidade de nada adianta sentido de preservar o meio população entender que é precia Prefeitura coletar os lixos de ambiente como um todo. Nós manhã e à tarde já estar tudo so ela fazer a sua parte também. temos, todo ano, as caminhaacumulado novamente. A nos- E em relação ao rio Araguaia é das ecológicas que podem ser sa cidade só será uma cidade existem reunipreciso que as pessoas nos aju- intensificadas, limpa no dia em que a popuões, palestras, feitas com um lação entender que é preciso dem, não joguem lixo as margens Gestor Ambiental, funcionário fazer a sua parte também. E da Secretaria de Meio Ambiendo rio.” em relação ao rio Araguaia, é te do município, que desenvolpreciso que as pessoas nos ajuve, está à frente de todos esses dem, não joguem lixo às margens do nós vamos trabalhar dando o primei- projetos. Principalmente as palestras rio. ro passo para a cobertura do Mané nas escolas, pois é através das crianFalado, diminuindo o mau cheiro, ças que esses projetos podem seguir 5. Não podemos deixar de falar mas não vai resolver o problema do adiante. sobre o esgoto “Mané Falado”, rio Araguaia. que infelizmente é mais um problema causador de poluição ao rio 6. Algumas mudas de árvores foAragauaia. Por muitas vezes a co- ram plantadas nas margens do munidade, principalmente aque- Rio Araguaia com o intuito de relas pessoas que moram próximas florestar a flora degradada. Mas a ele, reclamou através da mídia sabemos que muito ainda neceslocal do mau cheiro, dos lixos que sita ser feito para ajudar na presão jogados lá dentro, afinal ele servação do rio. Existem projetos está a céu aberto. Essas pessoas no sentido de limpar e preservar o exigem providências por parte do Rio Araguaia? poder público, pois como todos sabem o “Mané Falado” é uma O outro projeto que nós poagressividade ao meio ambiente. deríamos fazer é dar continuidade à O que vai ser feito para tirar esse plantação de mudas, o que vai garanPRESERVAR O esgoto do Rio Araguaia e para ta- tir o não assoreamento do rio, fazenMEIO AMBIENTE: pa-lo evitando o odor e o depósito do com que ele pare de desbarrancar UM COMPROMISSO de lixo? que é uma parte bem grave também. DE TODOS ! Outra coisa que podemos fazer é re Será feita uma canalização tirar os lixos que estão dentro do rio

15


Arara Canindé Por Áthila Chaves

Bicho bom de papo Foto: Internet

A

16

s Araras, papagaios, periquitos, jandaias e maracanãs são representantes da família Psittacidae, que tornam o Brasil o maior país representante dessa família. Nosso país é denominado desde a época do descobrimento como a “Terra dos Papagaios”. As araras possuem um bico grande, forte e curvo para conseguirem cortar sementes duras. De acordo com o site do Zoológico de São Paulo, as araras possuem “línguas grossas, sensíveis e repletas de papilas gustativas que funcionam como um órgão táctil. Costumam ingerir pedrinhas para auxiliar na trituração das sementes de Buriti, Tucum, Bocaiúva, Carandá e Acuri, palmeiras

Arara Canindé no seu habitat que fazem parte de suas dietas. Estas aves não contribuem para a dispersão destas plantas, sendo consideradas “predadoras”, pois trituram os caroços dos cocos, destruindo as sementes”. A mais conhecida dessa espécie é a Arara Canindé, ou cientificamente Ara ararauna, podendo atingir um tamanho que varia entre 75 e 86 cm, pesando cerca de 995g a 1, 3 kg. É admirável a beleza dessa arara, com cores fortes em que predomina o azul e o amarelo, mas ela também tem plumagens em verde e branco, tornando-a representante das cores da nossa bandeira, chamando a atenção por onde vai. A Ara ararauna voa em pares ou em até trio, em que possivel-

mente este terceiro pode ser um filhote. Dormem num bando em torno de 30 aves, que durante o dia, fazem grandes deslocamentos entre a área de alimentação até o local onde dormem. Fazem seus ninhos em ocos de árvores, como palmeiras mortas, várzeas com buritizais, babaçuais, beira de mata, matas úmidas e na copa das árvores altas. Quando é época de reprodução costumam se separar do bando, formam apenas um casal permanecendo juntos e fiéis até o fim da vida. Põem em media dois ovos ao final da primavera que são chocados por aproximadamente trinta dias e só reproduzem a espécie a cada dois anos. Seus filhotes ficam no ninho até estarem perto de completar cem dias de vida, e durante esse tempo são alimentados pelos seus pais que regurgitam a comida em seus bicos. Para proteção de seus ovos e de seus filhotes, as araras constroem seus ninhos em buracos bem profundos, para protegê-los dos possíveis predadores, como o tucano, por exemplo, que costuma se alimentar de aves recém-nascidas e desprotegidas. A respeito dos ninhos das araras, o site do Zoológico de São Paulo destaca a preocupação dos futuros pais: “Quando os pais encontram um ninho potencial, eles afofam o fundo do mesmo com a madeira triturada, que raspam das laterais da árvore, facilitando a secagem do fundo que ficará repleto de fezes dos filhotes. Os ovos postos são choca-


dos principalmente pela fêmea que é visitada e alimentada pelo macho”. A Arara Canindé é uma espécie que apresenta uma ampla distribuição, fazendo-se presente no Brasil, podendo ser vista no Cerrado, Pantanal e também Amazônia, além de outros países como Colômbia, Venezuela, Peru, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa. Segundo o Médico Veterinário Leonardo Fraga, apesar dessa espécie estar presente em regiões específicas do Brasil, assim como em outros países, não é em toda parte que elas se apresentam em grande quantidade. “Arara Canindé é uma espécie que é abundante em alguns locais e outros não. O fato de muitas saírem do seu habitat natural é devido ao desmatamento de florestas da região, isso faz com que muitas se desloquem para a zona urbana à procura de alimentos, atrapalhando também o ciclo de vida desses Foto: Patrícia Barcelos animais”, afirma o veterinário. A partir do Instituto Canindé, a maior preocupação com a Arara Canindé é o tráfico ilegal, como eles relatam: “Atualmente esta espécie é classificada como uma espécie pouco relevante em relação à extinção de espécies, porém, esta arara é muito visada pelo comércio ilegal de espécies e pela perda de hábitat, e a população desta espécie em algumas localidades do Bioma Cerrado está em declínio”. Esta espécie, a dos psitacídeos, são as que mais sofrem com o tráfico de fauna silvestre, pois

possuem uma diversidade de belas cores, são capazes de imitar a voz humana quando treinadas para isso, despertando o interesse de pessoas em toda parte do muno, além é claro de movimentar muito dinheiro. Primeiro que esses animais não deveriam ser caçados, mas quando ocorre essa prática ilegal, o responsável por esse crime, além de levar esses bichos, derruba as árvores onde se encontram os ninhos, o que implica a redução dos locais disponíveis e adequados para sua reprodução, tendo em vista seu hábito especializado na utilização de ocos

Ela também se faz presente no cerrado de Santa Rita do Araguaia (GO) e Alto Araguaia (MT). Suas visitas a árvores frutíferas presentes na cidade se tornaram rotineiras. Isso se dá pela interferência do homem no seu habitat natural. Elas não encontram o alimento na sua “casa”, vêm até onde o homem habita para poder se alimentar. Roni Márcio, morador de Santa Rita do Araguaia (GO), dá sua opinião a respeito do assunto: “Devido existir muitas árvores frutíferas e uma diversidade farta de alimento, é o que acaba chamando o interesse desse tipo de ave para os quintais das casas. Acredito também que não são elas que vêm em busca de alimentos na cidade, mas o contrário, foram sim as cidades e as construções que invadiram o seu espaço. E a presença das araras são tão rotineiras que já é encarada com certa normalidade pelas pessoas, pois é uma espécie típica da região. Eu Arara Canindé - nome científico: Ara Ararauna particularmente encaro também com de buritis como ninhos, prejudican- um certo ar de liberdade, pois não é do a reprodução de várias outras es- em todo lugar que se pode presenciar pécies de aves que reproduzem em uma ave como a Arara Canindé que épocas diferentes e também utilizam vive na natureza e ao mesmo tempo o mesmo ninho. Além de serem ca- é tão presente em nossas vidas, moçadas para comercialização, acabam radores da cidade” declara Roni. sofrendo com a destruição do seu ha- São aves extremamente desbitat. confiadas e ariscas, ficando alertas A Arara Canindé é umas das quando notam a presença de alguém. marcas registradas do cerrado, assim Dão seus gritos estrondosos avisancomo o Tamanduá Bandeira, o Lobo do o restante do grupo alçando vôo Guará, o Tatu Canastra, entre outras conforme a aproximação. espécies que também precisam que É comum vê-las várias horas olhemos com maior atenção e cuida- do dia pousadas em galhos comendo. do frutos. O mais impressionante,

17


Foto: Patrícia Barcelos

quando elas deixam recuperadas para chegar um pouco que possam voltar mais próximo, é ficar à natureza. Nós observando a agilidaficamos muito de que elas possuem. contentes quando Colhem a fruta com conseguimos salo bico e com um pé var os animais que se firmam no galho chegam machucae com o outro segudos até nós. Mas o ram o fruto para enideal seria se isso tão com o bico tirar a não acontecesse” casca chegando finalenfatiza Nelsoney. mente ao recheio do A captura qual elas se alimenda arara é bastante tam. fácil em função de Quando é seu vôo ser curto, Arara Canindé vem até o meio urbano em busca de alimento tempo de caju, muipois esta ave tem tas vêm até os quinpouco fôlego. A tais das casas para comer. Só que que têm uma coloração muito boni- natureza é perfeita em sua criação dessa fruta elas comem apenas a ta, e também refletem o quão bonita e na diversidade de espécies, mas castanha, o restante é jogado fora. a natureza pode ser. Agora já estou infelizmente a mão do homem tem Enfim, elas precisam se alimentar, e acostumado com a sua presença, causado sérios danos a este equilícomo o seu espaço na natureza foi mas quando elas vêm para a cidade brio natural. A arara é freqüentemeninvadido, em bando elas “invadem” nos alertam com os seus gritos anun- te mantida em cativeiro e neste caso o espaço humano para poderem so- ciando a sua chegada, o qual torna necessita de uma alimentação basebreviver. impossível ignorá-las. Só não nota ada em grãos, pois está impossibili A maioria das pessoas não quem não dá o devido valor, pois tada de ir em busca de sua própria se dá conta que a presença dessa ave quem entende o significado destas alimentação. no meio urbano não ocorre apenas aves, admira-as”, ressalta Lavousier. Por isso, precisamos ficar o por esses dois municípios estarem É gratificante poder mais distante possível de seu habitat rodeado de natureza, e sim porque conhecer, ver de perto uma ave como natural para que lá elas tenham trana sociedade não está preocupada em essa, de presença forte e marcante. É qüilidade para viver e possam tirar manter o meio ambiente da região possível escutá-las de longe, pois seu todas as substâncias necessárias para onde ela vive conservado, preserva- grito de comunicação com as outras a sua existência. São aves belas, que do e livre da degradação. Como a na- é um tanto quanto alto. O correto e o chamam a nossa atenção, mas o lutureza por interferência humana não ideal seria que nós, seres humanos, gar delas é na natureza para que posé mais capaz de oferecer o que preci- quando quiséssemos observá-las, sam reproduzir e sua vida não seja sam para sua sobrevivência, a Arara fôssemos até o local onde elas ameaçada. Canindé, assim como muitas outras habitam, ou seja, na natureza. Mas Não há dúvidas quanto espécies, entre elas, os Tucanos, Pa- hoje em dia a sua presença se tornou à beleza de uma arara, mas para pagaios, Tatu e muitos outros, procu- tão comum em nossas vidas que admirá-la não é necessário que ram no meio urbano o que lhes falta na maioria das vezes elas passam ela esteja em cativeiro. Isto pode no meio ambiente. ser visto na própria natureza. desapercebidas. Lavousier Machry, estudan- Segundo o gestor ambiental Quem gosta de estar em contato te de Jornalismo e recente morador Nelsoney da Costa Marques, muitas permanente com os animais deve de Alto Araguaia, se encanta com a araras chegam à Secretária de Meio procurar por outro tipo de bicho de beleza da Arara Canindé e principal- Ambiente machucadas. “A maioria estimação, principalmente aqueles mente com a sua constante presença nós conseguimos salvar, mas têm que são destinados a isso. Os que diária na cidade. “Quando cheguei a outras que por estarem muito debili- são da natureza, vamos deixar lá, Alto Araguaia era uma novidade, e tadas não há muito que fazer. Elas re- quietinhos no “canto” deles. elas chamavam muito a minha aten- cebem tratamento veterinário e ficam ção, principalmente pelas suas penas sob cuidados até estarem totalmente

18


Tirinhas

19


Reduzir, Reutilizar, Reciclar

é necessário e evita a degradação ambiental

O

lixo tem se tornado cada vez mais preocupante, pois ele aumenta assustadoramente em todo o planeta. Cada brasileiro produz em média um quilo de lixo por dia, uma quantidade pequena quando comparada com os três quilos produzidos por cada americano. Somando o lixo descartado por todos os cidadãos brasileiros, por dia, dá um montante de 170.000 toneladas, e de toda essa sujeira o país reaproveita apenas 11%. Esse acúmulo de lixo vem aumentando e trazendo conseqüências cada vez mais desastrosas ao meio ambiente e à saúde pública. Isso porque a vida moderna, que é marcada pelo crescimento industrial e a enorme concentração de pessoas principalmente em grandes cidades, trazendo junto a produção de lixo, que de tão constante e desenfreada se tornou um problema. Acostumados a ter o serviço da prefeitura retirando o lixo ou limpando a cidade, grande parte da população não preocupa em jogar lixo na lixeira, pois sabe que terá alguém que o faça, como neste caso, os garis. Esse é o tipo de pensamento que permeia a cabeça de muitas pessoas de vários países. A questão do lixo não diz respeito somente ao gari, que, apesar de ser pago para isso, tem o direito de trabalhar dignamente, mas a toda população. Esta deve exercer diariamente um comportamento ecologicamente correto, ou seja, dar preferência a produtos cujas

20

Por Patrícia Barcelos

embalagens não agridam o meio ambiente e também exijam que suas comunidades façam a sua arte. Mas, para que isso ocorra, deve-se ter uma política de educação ambiental através da mídia. Por influenciar o comportamento da população, artistas, a própria publicidade e a presidenta do país podem dar o exemplo de boa cidadania. A moradora de Alto Araguaia e também proprietária de uma locadora de vídeos, Sueila Moreira, fala da importância da coleta seletiva e da reciclagem para o meio ambiente, e também nos relata sobre a iniciativa de aderir ao uso das sacolas retornáveis em seu estabelecimento: “A coleta seletiva é um passo importantíssimo para a reciclagem e para nossa qualidade de vida, pois consta na separação do lixo (papéis, vidros, plásticos e metais) que podem ser reaproveitados. Se todos fizessem isso seria muito mais fácil aos catadores e ajudaria ainda mais o meio ambiente. Afinal, o meio ambiente e nós só teríamos a ganhar com a coleta seletiva, pois assim não poluiria tanto o nosso planeta. Porém ainda é preciso um grande trabalho com toda a população, para que as pessoas se conscientizem a respeito desse assunto tão importante que é a preservação ambiental. A meu ver, um meio muito eficaz de diminuir a poluição e ajudar a natureza seria a diminuição de matéria prima, ou seja, evitando o consu-

mismo e reutilizando materiais que podem ser reaproveitado mais vezes. Por essa razão resolvemos aderir às sacolas retornáveis. Também temos em mente alguns projetos como, por exemplo, separar o lixo da nossa casa e da locadora para a coleta seletiva bem como a pretensão em um futuro próximo abrirmos uma empresa de reciclagem em Alto Araguaia”, destaca Sueila. Aderir a práticas de consumo mais sustentáveis do que as convencionais é fundamental para qualquer sociedade que reconheça a importância do desenvolvimento sustentável. Nesse sentido, algumas iniciativas começaram a ser tomadas para tentar controlar os prejuízos, e muitos documentos ambientais apontam três passos básicos, batizados de 3 R’s (Reduzir, Reutilizar, Reciclar), que devem ser seguidos na seguinte ordem: a redução da produção de lixo implica consumir menos e melhor. Exemplos: comprar produtos cuja embalagem é feita de material reciclável ou que pode ter outra função em casa; o segundo é reutilizar, explorar os vários usos de um produto antes de descartá-lo. Exemplo: doar brinquedos e roupas, em vez de jogar fora; O terceiro é a reciclagem, um método alternativo de tratamento do lixo e último ponto do ciclo da produção.


Algumas formas de consumo consciente seguindo os Três R’s:

R

eduzir - economizar de todas as formas possíveis.

O primeiro passo para diminuir a quantidade de lixo é sem dúvida reduzir o que consumimos. Consumir não é necessariamente adquirir alimentos, e sim produtos para qualquer finalidade. Muitas vezes compramos coisas das quais não precisamos, e ficamos dias, meses e anos acumulando “coisas” dentro de casa, quando um belo dia decidimos renovar tudo e jogamos todas as nossas “coisas” fora. Então por que não pensamos um pouquinho mais quando fazemos compras, se realmente precisamos

das coisas que compramos, pois além de diminuir o lixo, muitas vezes estaremos economizando. Vejamos alguns exemplos: ● Procurar sempre produtos mais duráveis; ● Comprar o suficiente para consumo, evitando desperdício de produtos e alimentos; ● Por no prato só o que realmente for comer; ● Reduzir os supérfluos; ● Reformar e conservar as coisas ao invés de substituí-las por outras; ● Doar os objetos e roupas que não são mais necessários para quem precisa; ● Evitar comprar legumes, frios e carnes em bandejas de isopor, que não é reciclável. ● Procurar produtos que tenham menos embalagens ou utilize aqueles que tenham embalagem reciclável; ● Quando for comprar presentes, evitar a utilização de embalagens em excesso; ● Controlar o uso da água: não deixar a torneira aberta à toa, abrir e fechar várias vezes é melhor do que deixar a água correr sem necessidade; ● Desligar a TV se não estiver realmente assistindo e a luz do lugar onde não houver alguém.

mostram alguns exemplos: ● Reaproveitar vidros de geléia, maionese, massa de tomate, que podem servir para armazenar alimentos ou outros objetos; ● Utilizar a frente e o verso do papel para escrever; ● Oficinas de arte e artesanato com restos dos mais variados materiais podem ser feitas muitas coisas lindas e criativas, como por exemplo, utilizar garrafas pet para fazer sofás, puffs, camas.

R

eutilizar - é uma forma de evitar que vá para o lixo aquilo que não é lixo. É ser criativo, inovador, usar um produto de várias maneiras. Após pensarmos em reduzir o que consumimos podemos agora procurar reutilizar as coisas antes de jogá-las fora. Imagine se conseguirmos usar pelo menos mais uma vez as coisas que consumimos, o quanto estaríamos diminuindo o lixo. Como

21


R

eciclar - significa enviar novamente para o ciclo de vida útil, isto é, transformar o material reciclável em produto útil através de processos industriais. Após evitar consumir coisas desnecessárias, reaproveitar outras, agora é hora de pensar em reciclar. Muitos materiais podem ser reciclados e cada um por uma técnica diferente. A reciclagem permite uma diminuição da exploração dos recursos naturais e muitas vezes é um processo mais barato do que a produção de um material a partir da matéria-prima bruta. Se objetos como garrafas de vidro, latas, jornais e plásticos não puderem ser reutilizados, talvez seja possível reciclá-los, como por exemplo, o vidro é lavado em fábricas especiais, quebrado em pedacinhos e, então, derretido para fazer vidro “novo”, pronto para a fabricação de alguma outra coisa. A partir do Portal São Francisco, com a reciclagem pode-se obter alguns resultados importantes como: 1º. Ambiental: a reciclagem sugere uma redução significativa dos níveis de poluição ambiental e do desperdício de recursos naturais, através da economia de energia e matérias-primas. Os maiores beneficiados por esse sistema são o meio ambiente e a saúde da população. A reciclagem de papéis, vidros, plásticos e metais, reduzem a utilização dos aterros sanitários, prolongando sua vida útil. 2º. Econômico: A coleta seletiva e reciclagem do lixo doméstico apresentam, normalmente, um custo mais elevado do que os métodos convencionais. Iniciativas comunitárias ou empresariais podem reduzir a zero os custos da prefeitura e mesmo produzir benefícios para as entidades ou empresas. De qualquer

22

forma, é importante notar que o objetivo da coleta seletiva não é gerar recursos, mas reduzir o volume de lixo, gerando ganhos ambientais. É um investimento no meio ambiente e na qualidade de vida. Não cabe apenas uma avaliação baseada unicamente na equação financeira dos gastos da prefeitura com o lixo, que despreze os futuros ganhos ambientais, sociais e econômicos da coletividade. A curto prazo, a reciclagem permite a aplicação dos recursos obtidos com a venda dos materiais em benefícios sociais e melhorias de infra-estrutura na comunidade que participa do programa. Também pode gerar empregos e integrar na economia formal trabalhadores que estavam desempregados. 3º. Políticos: Além de contribuir positivamente para a imagem do governo e da cidade, a coleta seletiva exige um exercício de cidadania, no qual os cidadãos assumem um papel ativo em relação à administração da cidade. Além das pos-

sibilidades de aproximação entre o poder público e a população, a coleta seletiva pode estimular a organização da sociedade civil. A Secretaria de Meio Ambiente de Alto Araguaia ainda não trabalha com reciclagem e nem reutilização do lixo. Mas em parceria com o Sindicato Rural e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR), realizou cursos voltados para a área ambiental, como educação ambiental, manejo florestal, recuperação de áreas degradas. E para o ano de 2012, será implantado no município, através desses cursos, atividades voltadas para a reciclagem e reutilização de resíduos sólidos que podem servir muitas vezes como fonte de renda para famílias carentes do município. Max Fábio, também cidadão Araguaiense, fala da necessidade de o município incluir nas atividades educativas, trabalhos voltados para a preservação ambiental: “Se forem feitos trabalhos principalmente envolvendo a reciclagem e a reutilização de materiais que são descartados diariamente pela população, que podem ganhar outra utilidade pelas mãos dos alunos, com certeza o meio ambiente do nosso município não terá tanta poluição. E com isso mostrar não só aos alunos, mas também à comunidade escolar, e à sociedade como um todo, que muitas coisas podem ser reaproveitadas na criação de objetos úteis no nosso dia-a-dia, que hoje são jogados fora e ajudam na degradação do meio ambiente”, enfatiza Max. Existe, ainda, um caminho longo para resolver essa questão do lixo e depende da iniciativa de muitos, pois são várias as dificuldades ao se lidar com o lixo. Mas é preciso que alguém dê o primeiro passo para que essas mudanças aconteçam.


Artigo

Por Patrícia Barcelos

Foto: Patrícia Barcelos

S

egundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o cerrado é uma vegetação bem característica da região central do Brasil e constitui o segundo maior bioma do país, (ficando a Amazônia em primeiro lugar com 49,29% do bioma brasileiro), ocupando cerca de 2 milhões de km², alcançando dez estados: da região Centro-Oeste (Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal), além do sul do Pará e Maranhão, interior de Tocantins, oeste da Bahia e Minas Gerais e norte de São Paulo. O clima típico dessa região se apresenta com duas estações bem definidas e marcantes que melhor apresentam o cerrado: uma época chuvosa, que fica entre outubro e abril, e a outra seca, entre maio e setembro, quando faz frio também, que podemos assim chamar essas estações de Cerrado Seco e Cerrado Verde, caracterizando essa típica vegetação.

23


O mais interessante que pode ser enfatizado a respeito dessas duas estações climáticas, é a vida que se faz presente em cada uma delas. Apesar do período de forte seca, é visível o quanto a natureza é sábia e produtiva, pois é possível visualizar o colorido das flores, os animais que se divertem ao se deliciarem com os

dado frutos, agora dividem espaço com aquelas que com o outro clima vão produzir os seus e servir de alimento para aqueles que buscam na natureza seu sustento diário. A fauna e a flora do cerrado são bem diversificadas e resistentes ao clima da região. A vegetação predominante se constitui de espécies

Cerrado no período da seca

frutos que carregam os galhos das árvores que resistem ao forte calor da estação e dão alimento, conservando a vida presente na natureza do cerrado. Quando é chegado o período das chuvas, tudo o que estava seco começa a se esverdear, dando vida para a vegetação que parecia estar adormecida. O cerrado com os dias chuvosos ganham outro formato. A fauna e a flora comemoram um novo período que chega. As árvores que já tinham

24

do tipo tropófilas (Carvalho, Nogueira, Castanheiro, Faia, Vidoeiro, Choupo, Olmo, Tília), adaptáveis às duas estações distintas. Além disso, com características caducifólias, as quais derrubam as folhas na época da seca para dar lugar aos novos brotos quando se aproxima o tempo da chuva. Toda essa vida, essa beleza da sábia natureza, como as árvores do cerrado, as aves, as flores, os frutos, toda a vida existente nas duas estações climáticas do ano precisam

ser preservadas, cuidadas e mantidas para que sempre haja vida, uma complemente a outra e a história possa ser comemorada e vislumbrada por todos. Um depende do outro para poder existir: a natureza, o meio ambiente, o cerrado seco, o cerrado verde e também os seres humanos. É uma troca mútua e constante.

Foto: Patrícia Barcelos


que precisam e devem ser mantidas para que não se perca a identidade de cada região do país. Todos possuem suas distinções e riquezas que necessitam de cuidadas para que possam ser admiradas e lembradas por todos, todos os dias. A vegetação do cerrado se apresenta de várias formas em toda sua extensão. Desde formações campestres, que são os campos limpos, até a parte florestal conhecida como cerradão. Algo que nos entristece muito é o sofrimento do cerrado durante a época da seca. Infelizmente são causadas muitas queimadas que destroem toda a vegetação a qual pode alcançar. Apesar de todo o sofrimento causado pelo fogo, a natureza consegue reviver aos poucos e tornar viva as suas formas, com algumas conseqüências que não se pode evitar. Como tem a natureza que sabiamente sobrevive à destruição, também há aquelas que não conseguem resistir à força impactante, e adormece para sempre. O que falta no cerrado seco, sobra no cerrado verde que é o tem-

Foto: Patrícia Barcelos

O cerrado suporta uma enorme diversidade de espécies de plantas e animais. São árvores muito peculiares, com troncos tortos, cobertos por uma camada de casca bem grossa, com folhas grandes, rígidas e resistentes, já que o solo é pobre em nutrientes, constituído por argilas e areias. Mas quando bem preparado, torna-se fértil para qualquer tipo de plantação. A preocupação com a degradação da natureza no Brasil precisa ser unânime entre as pessoas, independente de nível sócio-econômico, partido político, religião e nível de escolaridade. É necessário que haja cada vez mais campanhas de conscientização desenvolvidas desde clubes de bairros, até organizações governamentais. É preciso ter um envolvimento e preocupação de todos. O cerrado é um bem ambiental que deve estar inserido nessas campanhas de proteção, pois é uma região rica por suas espécies, árvores nativas, belezas naturais, sem contar na estação climática que se destaca fortemente. São essas diversidades

po de muita chuva. Chuva esta que vem quase todos os dias dando vida em abundância para o cerrado que, havia alguns meses, estava adormecido. Entre essas vidas estão os pássaros que cantam muito, comemorando entusiasmados. Têm os filhotes que saem do seu casulo de proteção e abrem os olhos para um novo mundo, o qual para alguns é um tanto quanto cruel, mas é a lei da vida e da sobrevivência natural. Existem muitas árvores que dão frutos e também os rios que enchem, extrapolam suas bordas, criam pequenos lagos ao seu redor. Então por que a sociedade não colabora para que esses bens naturais estejam sempre presentes em nossas vidas? É muito importante e necessário o envolvimento de todos os setores da sociedade, inclusive do setor produtivo, na preservação do cerrado. Deve-se fazer o que é correto para que esse cerrado e toda a vida que se faz presente continuem a existir por muito tempo e futuras gerações também possam contemplar e usufruir de todo bem natural existente. É necessário levar em consideração todas as espécies, habitat e o funcionamento do ecossistema, pois uma vez interferido nas áreas remanescentes do cerrado a sua diversidade não será mais a mesma.

Nem tudo que é torto é errado: vide pernas do garRincha e as árvores do cerrado. Nikolaus Von Behr

Cerrado no período chuvoso

25


Natureza pede respeito O Meio Ambiente virou depósito de lixo Precisamos reverter essa situação e respeitar a natureza

C

hamamos “lixo” uma grande diversidade de resíduos sólidos de diferentes procedências, dentre eles o resíduo sólido urbano gerado em nossas residências. O lixo faz parte da história do homem, já que a sua produção é inevitável. O LIXO tem se tornado uma preocupação crescente nos últimos anos, e como decorrência disso fala-se muito mais em conscientização e educação ambiental, justamente porque o acúmulo de lixo vem aumentando e trazendo conseqüências cada vez mais desastrosas ao meio ambiente e à saúde pública. O lixo também é um grande problema no meio ambiente de Alto Araguaia. São sacos cheios de garrafa pet, roupas, calçados, fios de energia, vasilhas plásticas, carcaças de vaca, latas de refrigerante, sacolas plásticas, papel, entulhos de construção, garrafas de vidro. Isso pra citar apenas alguns dos objetos que são descartados por pessoas que, infelizmente, não devem ter preocupação alguma em preservar

26

Por Patrícia Barcelos o meio ambiente do município, sem contar que a maioria desses lixos são depósitos de água que podem criar mosquito transmissor de dengue. Nas ruas da cidade por onde passamos é possível observar, na frente de algumas casas, comércio, a presença de latões que podem ser usados pelas pessoas para se colocar o lixo, lugar mais adequado na verdade. Só que muitas pessoas não têm essa preocupação, ou até mesmo por um descuido acabam largando papéis, sacolas, latas de refrigerante, tocos de cigarro, uma infinidade de lixo, nas ruas, calçadas, em terrenos baldios, deixando aquele rastro de sujeira por onde passam. Ai é preciso o serviço dos garis, os varredores de rua limpar a sujeira deixada por outras pessoas. De acordo com o gari Antônio Batista, integrante da equipe que cuida da limpeza da Avenida Carlos Hugueney de Alto Araguaia, eles fazem a limpeza todos os dias, e nesFoto: Patrícia Barcelos

sa época de chuva a sujeira aumenta. “Como nós varremos todo dia não dá tempo de acumular muito lixo, mais é terra, mas sempre tem uma lata jogada, garrafa pet, sacola plástica, mas não é muito. Nessa época de chuva a sujeira aumenta porque


a água da chuva acaba trazendo lixos de outros lugares, e também na segunda-feira encontramos um número maior de sujeira e lixo na avenida, porque fica o final de semana sem limpar, ai acaba acumulando um pouco mais, mas cuidando e limpando todos os dias fica fácil de manter as ruas limpas”. Não custa nada largar o seu lixo dentro de um latão ou de uma lixeira. Não custa nada para aquelas pessoas, que vão até as estradas de terra descartar o seu lixo no meio ambiente, irem até o lixão, que, claro, também não está adequado como a lei exige, mas é o mais certo a se fazer, pelo fato de lá ser um depósito de lixo de toda a cidade. Meio ambiente não é local de jogar lixo, lá vivem animais, pássaros que necessitam de uma natureza limpa e bem cuidada para poderem sobreviver, tirar o seu alimento que satisfaz a sua fome, e a água que sacia a sua sede precisa estar limpa. O lixo jogado lá no seu habitat contamina o seu meio

de sobrevivência. Outra coisa que contribui para sujeira nas ruas é que as pessoas não colocam o lixo na porta de casa, só no dia em que o caminhão recolhe. Assim, o lixo vai acumulando. E quanto mais consumimos, mais lixo produzimos. Em conversa com o Secretário de Meio Ambiente de Alto Araguaia, Jefferson Berigo, ele afirmou que, a respeito desses lixos jogados dentro da cidade, a secretaria tem uma parceria com a Vigilância Ambiental e a Vigilância Sanitária. É um trabalho desenvolvido em conjunto, inclusive com a secretaria de Infra-Estrutura do município. “Quando nos deparamos com esses lixos, nós notificamos os proprietários dos terrenos. Isso quando a gente acha, porque o maior problema desses terrenos baldios é o de não achar os donos, aí a própria prefeitura acaba fazendo a limpeza. Quando achamos, nós notificamos e damos um prazo curto para que faça a limpeza do terreno e a prefeitura possa recolher o lixo, para evitar problemas com o meio ambiente, também evitar problemas de saúde, como a dengue. Quando o dono não limpa, acionamos o Ministério Público que, num prazo de cinco dias, notifica a pessoa para limpar o terreno sob pena de R$ 100,00 de multa por dia”. A respeito dos lixos jogados nas estradas de terra, aos arredores da cidade, a secretaria precisa do apoio da população, da denúncia daqueles que por acaso vêem as pessoas que naquele local descartam o seu lixo. Se não for dessa forma não tem como a secretaria ficar sabendo ou conseguir identificar quem usa o meio ambiente Lixo doméstico descartado próximo ao rio Araguaia

como depósito de lixo. Na sua fala, o secretário aborda a questão da seguinte forma: “Isso é um problema sério porque a gente já tem o lixão, que também é bastante agressivo ao meio ambiente, é conveniente jogar somente naquele lugar. Com isso, nós propusemos para algumas pessoas, que flagramos jogando lixo na beira dessas estradas, que levassem o seu lixo para o lixão. E com a ajuda de outras pessoas, através da denúncia conseguimos identificar outras que estavam descartando lixo no meio ambiente. Fomos lá, notificamos, dando um prazo para a limpeza do local e, posteriormente, respondeu por crime ambiental perante a justiça”. Quando não é possível identificar aqueles que jogam lixo nas estradas, o caminhão da prefeitura, além de fazer a coleta do lixo dentro da cidade, precisa se deslocar aos arredores do município juntando uma grande quantidade de lixo que fica depositada nas beiras de estradas. Isso ocorre, segundo Berigo, de dois em dois meses. Enquanto isso, a natureza fica sofrendo com a degradação, afinal, lá é descartado, como foi dito antes, todo e qualquer tipo de lixo. Os restos de ossadas de vaca servem de alimento para muitos outros animais, os quais podem acabar morrendo contaminados. Essas carcaças ficam lá, jogadas, vários e vários dias debaixo de sol, apodrecendo, e o animal que comer esses restos estragados pode passar mal e não resistir. Se o lixo fosse jogado no lugar mais apropriado, porque infelizmente ainda não temos no município um local adequado para isso, os outros bichos que vivem no meio ambiente não precisariam conviver com o descaso e tantos restos do homem. Realizar campanhas de conscientização da população é

27


Foto: Patrícia Barcelos

Lixo de todo tipo jogado nas estradas periféricas de Alto Araguaia imprescindível para que muitos tenham noção do mal que fazem ao meio ambiente se não cuidarem dele como deve ser cuidado. Campanhas nas escolas, como foi citado pelo secretário, ajudam, mas o mais importante é mobilizar toda a comunidade araguaiense. Para isso, é preciso usar todos os meios de comunicação a que se possa ter acesso. E como sabemos, Alto Araguaia tem muitos meios que podem ser utilizados como a TV, o rádio, sites, jornais. Então, por que não buscar o apoio de todos esses veículos? Afinal, essa é uma causa e um dever de todo e qualquer cidadão: lutar pela preservação e conservação do meio ambiente. No entanto, a grande quantidade de lixo prejudica o meio ambiente, porque dependendo do objeto, a decomposição pode demorar muitos anos. O vidro, por exemplo,

28

demora um milhão de anos. Temos de prestar atenção se jogamos lixo no chão no nosso dia a dia. Se fazemos isso, precisamos parar. É melhor segurarmos o lixo até acharmos uma lixeira. O morador de Alto Araguaia, José Carlos F. Bueno, nos relata a sua preocupação a respeito dos lixos em Alto Araguaia: “Se o lixo é tudo aquilo que não nos serve mais, não tem mais utilidade, é preciso ter muito cuidado, pois tudo o que fizermos hoje irá refletir no nosso futuro. E se não tivermos a preocupação com o nosso lixo doméstico, em separá-lo para ser coletado e levado para o lugar mais adequado que é o lixão, e ao invés disso jogarmos em qualquer lugar, esse lixo vai parar no meio ambiente, muitas vezes no rio Araguaia, prejudicando a natureza do nosso município”. José Carlos ainda ressalta

que só a educação pode reverter essa situação: “A educação familiar, ou a educação de ‘berço’, aquilo que é passado e ensinado pelos pais é o que faz a diferença na vida de qualquer cidadão. Mas inicialmente essa mudança deve acontecer no âmbito familiar, a conscientização dos pais, desde que esses pais também pratiquem essa ação de mudar o seu modo de viver para poder ensinar os seus filhos, porque não irá resolver nada se os pais não agirem corretamente, conscientemente e quiserem ensinar aos seus filhos a prática correta. É preciso ter educação de preservação, de como se deve tratar o meio ambiente para que tenhamos um mundo melhor, mais limpo para oferecer aos nossos filhos e aos nossos netos”. A natureza vem sendo transformada pelo homem que destrói e contribui, na maioria das vezes, com a extinção de espécies animais e vegetais existentes no planeta. Também colabora através de práticas inconseqüentes para a poluição do ar, do solo e principalmente da água. Nossa saúde está integrada ao meio ambiente, por isso se este estiver sendo negligenciado, pense que com ele está sendo destruída principalmente a vida que inclui o nosso bem estar e o de todos os seres vivos, conseqüentemente, o futuro deste planeta. Há milhares de anos o homem vem degradando a natureza, passo a passo, através de agressões como as queimadas, as derrubadas de florestas, o desenvolvimento industrial que se tornou o principal responsável pela degradação da natureza e do meio ambiente. É importante mencionar que toda a população tem direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, que contribui em muito na qualidade de vida. Além disso, o poder público tem como obri-


Foto: Patrícia Barcelos

gação proteger o meio ambiente. A população deve cobrar dos agentes públicos, mas também fazer a sua parte para a preservação do meio ambiente. A preocupação com o meio ambiente deve fazer parte da vida de cada cidadão e dos governantes. Todos devem tornar as cidades em que vivemos lugares prazerosos e saudáveis. O tratamento de esgoto, a fiscalização das indústrias, a criação de parques e praças com muito verde, a fiscalização das áreas de preservação ambiental são algumas das atribuições que os governantes e cidadãos têm por obrigação zelar. Devemos contribuir para diminuir a poluição fazendo a nossa parte, depositando o lixo em lugares adequados, não sujando as ruas e lugares públicos, não jogando lixo nas encostas e rios, evitando usar materiais que agridem o meio ambiente.

Acostamentos de estradas de terra são usados como depósito de lixo

Lixos descartados sem nenhum controle

O radialista de Alto Araguaia Carlos André coloca a sua opinião sobre ações que devem ser praticadas pela população araguaiense: “Eu acredito que é preciso desenvolver um trabalho de conscientização com a população, mostrando a realidade do nosso município e as conseqüências que esses lixos podem trazer para o meio ambiente. Também é necessário que o cidadão contriUm crime a céu aberto

bua fazendo a sua parte. Deve sim cobrar do poder público, mas deve também contribuir para a preservação do meio ambiente, e dessa forma os mais jovens, as crianças não venham sofrer com as conseqüências dos nossos atos”. Para cada problema existe uma solução possível, o ideal é evitar que os problemas aconteçam. É melhor agirmos com precaução em todas as nossas ações. Devemos nos conscientizar de que fazemos parte da natureza assim, quando a desrespeitamos, estamos nos desrespeitando também.

29


SUPERMERCADO SUPER PONTO

BOM RETIRO

Taí um jeito fácil de economizar!

30


Sacolas Retornรกveis Preserve a Natureza

31


Artigo

O Preço a ser Pago

O

desmatamentos desordenados chegam às margens dos referidos rios, tornando-os vulneráveis à ação predatória do homem. Como se não bastasse, as águas diminuem sensivelmente a cada ano que passa, afetando seu curso normal, impedindo o processo natural da piracema. A biodiversidade aquática é dizimada em função da diminuição do volume de água. Mesmo porque a falta de mata ciliar compromete a cadeia alimentar dos peixes e animais aquáticos. O que mais prejudica a vida animal e vegetal de nossa região é o planFoto: Patrícia Barcelos

desenvolvimento econômico da região sul de Mato Grosso, especificamente de Alto Araguaia, se deu por volta dos anos 70, com a influência da produção de arroz, milho e soja. A pecuária cresceu rapidamente acompanhando a agricultura no alavancamento definitivo na economia da região. Hoje, já se pode afirmar que esta região é definitivamente reconhecida como grande produtora na produção agrícola e pecuária. Vale salientar que onde o desenvolvimento se estabelece, junto vem as conse-

gião do bioma cerrado, predomina em grande maioria a terra arenosa, facilitando a formação de erosões e voçorocas (formação de grandes buracos de erosão causados pela chuva e intempéries, em solos onde a vegetação é escassa e não mais protege o solo, que fica cascalhento e suscetível de carregamento por enxurradas), conseqüentemente assoreando nossos rios. O córrego Boiadeiro é quem mais vem sofrendo agressões por parte do descarte final dos resíduos sólidos urbano, que estão sendo jogados próximos à sua cabeceira. Sem contar que o lençol freático ao seu entorno certamente está contaminado. É bom que as autoridades araguaienses fiquem alerta quanto à nascente do córrego Gordura. O proprietário das terras onde o mesmo é formado já apresentou indícios de degradação. Por se tratar do córrego que nos fornece água pura, temos o dever e obrigação de mantê-lo conservado para essas e futuras gerações.

Dia D “amigos do rio Boiadeiro”

qüências, danos e prejuízos ao meio ambiente. Estou me referindo às nascentes do rio Araguaia, Boiadeiro, Gordura, Sapo- Ariranha, Taquari, Garças, Itiquira, Ribeirão Claro e Araguainha. Todos estão comprometidos em função da produção agrícola, garimpo e pecuária. Os

32

tio de algodão e cana-de-açúcar, devido ao grande volume dos biocidas que são diariamente pulverizados. Como se trata de reEncontro do córrego Gordura e do córrego Boiadeiro

Foto: Patrícia Barcelos

Por Nelsoney da Costa Marques/Gestor Ambiental


Por Patrícia Barcelos e Áthila Chaves

Bolsa de papel reciclado

Foto: Patrícia Barcelos

Fazer uma bolsa de papel reciclado tem custo quase que nulo, e dependendo de sua criatividade poderá ficar muito bonita. É preciso usar páginas com tamanhos iguais. Portanto opte por usar as páginas de um único livro, ou somente páginas de uma revista. Materiais:

► Livros, revistas antigas ► Tesoura ► Fita adesiva ► Durex

Passo-a-passo:

Retire as páginas da revista. Dobre-as em três, seguindo a altura ou o padrão vertical. Cole ao longo da dobra que ficar solta, de maneira a conseguir uma tira de papel. Faça sete tiras. Numa superfície, cole um pedaço de fita-cola ou durex, seguindo uma linha horizontal maior que o tamanho de todas as tiras juntas. Faça a colagem de uma pequena borda das tiras nesta linha horizontal de durex, mas organizando-as de maneira que fiquem bem certinhas uma ao lado da outra e na mesma altura. Confeccione outro conjunto de sete tiras. Agora comece a tecer o papel. Vai entrelaçar as tiras, seguindo uma linha horizontal nas que estão coladas de forma vertical. Para

entrelaçar, siga a seqüência, enfiando por cima e por baixo das que estão presas. Depois que entrelaçar tudo, cubra toda a tecelagem com fita adesiva transparente. Cole uma fita ao lado da outra, formando uma capa. Vire e cole-a nas costas também. Corte os pedaços de fita adesiva que excedem o papel e encape as bordas com a fita adesiva também, para que fique com um acabamento bem feito. Repita o procedimento até que tenha feito os cinco lados da bolsa. Não esqueça que o fundo e as laterais são menores. Junte as tiras de papel para identificar qual o tamanho que quer. Normalmente usa-se três tiras para o fundo e para as laterais. Reúna os cinco lados em cima de uma superfície, formando

um sinal de mais. Ainda com a fita adesiva, cole todas as bordas que se encontram com a tecelagem que está no centro. Dobre os lados para cima, dando o formato de bolsa, sendo que a colagem das dobras fica no interior. Verifique se os tamanhos e a altura estão corretos. Em seguida, cole todos os lados, mas pela parte de dentro. Para fazer a alça, faça mais três tiras, cole uma contra a outra e encape com a fita transparente. Com um estilete, faça um corte central próximo às bordas superiores da sacola. Passe as pontas da tira de fora para dentro até alcançar um tamanho suficiente para passar a fita adesiva colando as pontas da tira pela parte interna da alça. Cole pela parte de dentro nas laterais.

33


Foto: Patrícia Barcelos

1.4 Encaixe a peça “c” dentro da peça “b”: Dica: use uma chave de fenda para ajudar a encaixar as peças. Material necessário: ► Garrafas plásticas de dois litros (85 a 100 para a cadeira) ► Tesoura ► Fita adesiva larga 1.5 Encaixe a peça “a” dentro da peça “b+c”: Etapas:

Cadeira com garrafas PET

1

– Montando a peça de resistência: 1.1 Separe uma garrafa limpa, vazia e sem rótulo. Vamos chamá-la de peça “a”: 1.6 Encaixe a peça “d” por cima da peça “a+b+c”: 1.2 Pegue uma garrafa e corte-a ao meio. Vamos chamar a parte de baixo de peça “b” e a de cima de peça “c”: – Montando o assento da cadeira:

2

1.3 Corte outra garrafa ao meio. Vamos chamar a parte de baixo de peça “d” e a de cima de peça “e”:

2-1. Faça 16 peças de resistência e prenda-as, duas a duas, com fita adesiva, formando oito duplas: 2-2. Junte novamente os

conjuntos de dois em dois, formando quatro grupos de quatro peças de re-

34

sistência: 2-3. Mais uma vez, amarre

de dois em dois, formando dois grupos de oito peças de resistência: 2-4. Amarre os dois grupos

de oito peças de resistência para formar o assento da cadeira:

3

– Montando o encosto da cadeira: 3-1. Encaixe três peças “b+c” por cima da peça de resistên-


va para ficar bem firme.

Está pronta a cadeira!

Vaso de flores feito com latinhas Foto: Patrícia Barcelos

cia, formando um tubo. Faça dois tubos dessa maneira.

3-2. Faça mais dois tubos, dessa vez encaixando quatro peças “b+c” sobre a peça de resistência. Amarre os quatro tubos com fita adesiva para formar o encosto da cadeira:

Latas e potes de plásticos podem servir como portatreco

Veja como reciclar uma lata e fazer um vaso de flores, ideal para enfeitar qualquer espaço da sua casa. Materiais: ► 1 lata de alumínio ► 1 martelo e 1 prego ► Pincel ► Cola ► Papel colorido ► Terra e uma planta

3-3. Faça mais dois tubos, dessa vez encaixando quatro peças “b+c” sobre a peça de resistência. Amarre os quatro tubos com fita adesiva para formar o encosto da cadeira 3-4. Junte o encosto ao assento com várias voltas de fita adesi-

Foto: Patrícia Barcelos

É só usar um papel colorido, passar cola no frasco e colar o papel. Se preferir, pode usar papel contact (que já é um tipo de adesivo colorido), colar no pote ou na lata e decorar como quiser. É só usar a criatividade.

Passo-a-passo: Coloque a lata virada para baixo, e com o martelo e o prego faça alguns furos na parte de baixo da lata, pois é por eles que a água irá escoar depois. Agora, coloque a lata sobre o papel, para medir quanto papel você vai precisar para cobrir toda a lata. Recorte o papel. Usando o pincel, unte toda a lata com cola, e com muito cuidado, cole o papel na lata. Cuide para cobrir bem toda a superfície exterior da lata. Deixe que a cola seque e depois coloque um pouco de terra dentro da lata. Plante o que você desejar. Neste caso, temos belas flores.

35


Garrafas de vidro recicladas

Horta Suspensa

Foto: Internet

Se você gosta de reciclagem, certamente despertará interesse pela oportunidade de reciclar uma garrafa de vidro, pois saberá que o tempo de deterioração do vidro, na natureza, pode chegar a milhares de anos. Este é um artesanato que permitirá que você ajude a natureza e enfeite elegantemente a sua sala. Trata-se de um lindo centro de mesa que é muito simples de fazer. Materiais necessários: ► Uma corda fina ► Álcool ► Uma garrafa de vidro ► Um balde com água. Passo-a-passo: Por baixo do bico da garrafa enrole a corda várias vezes; feito isso, molhe-a com álcool e acenda-a com um isqueiro. Muito cuidado! Deixe que a corda queime por um espaço de 20 ou 30 segundos e depois, rapidamente e sem vacilar, enfie-a no balde com água. Com este processo você poderá quebrar o bico com um golpe leve. O corte será completamente limpo, sem pontas nem partes afiadas. Você poderá brincar com os tipos de garrafas, com as cores e com todas as variantes que quiser, e enfeitar muito bem a sua casa.

36

Foto: Internet

Materiais: ► Garrafas PET de dois litros (vazias e limpas); ► Tesoura; ► Corda de varal, cordoalha, barbante ou arame; ► Arruelas (somente para quem optar por cordoalhas ou arames); ► Terra e muda de planta. Como fazer: A primeira tarefa a ser realizada é o corte das garrafas. Todas elas devem ser cortadas da mesma forma, com uma espécie de janela, que será a abertura por onde a planta irá crescer. A distância entre a parte debaixo da garrafa e a abertura pode ser de “três dedos”; na parte de cima pode ser contado um palmo até o corte. Dois furos devem ser feitos na garrafa na região próxima às aberturas, superior e inferior. Será por este espaço que o cordão que segura as garrafas irá passar. O ideal é que todas tenham marcações em distâncias equivalentes, para manter a simetria quando forem penduradas na parede. O fundo de todas as garrafas deve ter furos, que permita a saída do excesso de água na terra.

Dois fios, que passam pelas extremidades das garrafas, as mantêm presas. Por isso, as arruelas são utilizadas. Quem optar pelo uso dos arames deve colocar as arruelas logo abaixo das garrafas, para servirem como “calço”, para que elas não escorreguem. O barbante e a corda de varal não precisam disso. Nesses casos, basta dar um nó na altura em que a garrafa deverá ficar.

Com as garrafas devidamente presas e alinhadas, basta colocar a terra, a semente e cuidar para que as plantas cresçam saudáveis.

Foto: Internet


Potes e garrafas de vidro reutilizados como vasos de flores

Bloco de notas

Foto: Patrícia Barcelos

Foto: Internet

Potes de vidro podem ser reutilizados como porta retratos e como enfeites. Divertido e original

Foto: Patrícia Barcelos

Se você é dessas pessoas que gosta de levar tudo anotadinho, é preciso ter sempre por perto lápis e papel. O que você acha de criar seu próprio bloco de notas? Este artesanato com papel é muito simples de fazer e você poderá deixá-lo muito legal, usando fotos. Veja só o passo-a-passo. Materiais: ► 2 fotos de 10x15cm ► Papel ► Estilete ► Dois grampos de papel ► Cola ► Livros pesados (opcional) Passo-a-passo: Pegue seus papeis e corteos na medida das suas fotografias (10x15cm). Corte a quantidade de papeis necessários para que a grossura do bloco fique do seu agrado. Arrume os papeis bem alinhados. Use os grampos de papel para deixá-los no seu lugar. Cubra com cola a borda que os une. Dei-

xe que a cola seque durante uns 15 minutos. Depois dê uma segunda camada de cola na mesma borda. Deixe pousar até que a cola volte a secar. Coloque uma fotografia por cima dos papeis e outra por trás e segure-as com os grampos de papel. Agora, recorte uma tira de papel decorativo de 10x2cm de largura. Aplique-lhe uma camada bem fina de cola, cobrindo toda a superfície. Depois cole a tira de papel sobre a borda dos papeis, alisando com seus dedos. Se houver algum excesso de cola, retire-o com um paninho. Coloque vários livros pesados por cima do bloco e deixe-o secar completamente. Se ao invés de usar cola para unir os papéis, você pode levar o bloquinho até um local que faça encardenações e pedir para colocar um espiral.

CUIDADO... Óleo de cozinha Muitas pessoas ainda jogam os óleos de cozinha na pia, em terrenos baldios ou no lixo, sem se darem conta do quanto é prejudicial ao meio ambiente. A sensibilização da população quanto ao destino adequado do óleo usado é muito importante, pois é uma questão de cidadania. Existem algumas possibilidades de reciclagem do óleo vegetal, dentre elas: biodisel, resinas para tintas, ração para animais, glicerina, sabão e detergente. Saiba como fazer: Sabão

http://issuu.com/prefeituradelorena/docs/como_ aproveitar_o__leo_de_cozinha_ usado

37


Queimando

Realizar queimadas é prejudicial ao Fazer queimada també

A

cabamos de sair de uma época bem crítica para quem vive na região Centro-Oeste (maio a setembro), que são as queimadas, um grave crime ambiental, de acordo com a Lei Federal n° 9.605, de 12/02/1998, que afirma, no artigo 54, ser crime “causar poluição de qualquer natureza, em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa”. Isso acontece por estarmos num período de seca e de altas temperaturas, com baixa umidade do ar, o que acaba tornando comum ocorrer muitos focos de incêndio nessa região. Este hábito tão rotineiro acaba causando enormes impactos negativos ao meio ambiente e à saúde das pessoas. Muitos ainda consideram o fogo como uma solução rápida e eficiente para a limpeza de pastos, quintais e até mesmo lixo. Infelizmente, por falta de informação, as queimadas ainda estão presentes em nossas vidas. Em Alto Araguaia/MT, de acordo com informações da Secretaria de Meio Ambiente, a média diária de queimadas durante o período de estiagem (maio a setembro), saltou de 35 em 2010, para 106 em 2011, ou seja, um salto três vezes maior que no ano anterior. Um dado preocupante que chama a atenção. Ainda com informações obtidas através da Secretaria de Meio Ambiente de Alto Araguaia, aqui no município os processos envolvendo queimadas normalmente passam num primeiro momento pela Fundação

38

Estadual de Meio Ambiente (FEMA) e pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). Só depois de ser feito o processo por um destes dois órgãos, e a pessoa notificada não cumprir com o que foi proposto pelos órgãos competentes, aí sim, o processo é passado para o Ministério Público. Além disso, o Ministério Público só trabalha em cima de denúncias que tenham total fundamentação. “Você pode queimar o mundo, não tendo prova que te condene, não tem como o Ministério agir”, enfatiza o Gestor Ambiental Nelsoney da Costa Marques. Segundo a Divisão de Processamento de Imagens (DPI), que faz parte da Coordenação Geral de Observação da Terra (OBT) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), “a queima da vegetação no cerrado, principalmente como prática de manejo para a criação de gado, é a principal atividade associada ao fogo nesta região. Ela faz uso de extensas áreas para pastagem natural nas formas de cerrado mais abertas, como campo limpo e campo sujo. No período seco, que se estende por três a cinco meses (maio a setembro), na região central do cerrado brasileiro, o gado sofre com a falta de palatabilidade da vegetação, ocorrendo, neste período, perda de peso e redução na produção de leite. Por isto, a queima do cerrado, na segunda metade do período seco (agosto-setembro), constitui-se na prática de manejo mais econômica utilizada pelos fazendeiros, uma vez que, poucos dias após ter sido queimada, a vegetação


vidas

o meio ambiente e ao ser humano. ém é crime, vamos apagar essa idéia

Por Patrícia Barcelos e Áthila Chaves

Foto: Patrícia Barcelos

rebrota, tornando-se mais palatável para os animais, além de rica em proteínas, celulose e sais minerais”. O Pecuarista de Alto Araguaia/MT, Heraido R. de Rezende, diz nunca ter feito queimadas por ser um crime ambiental e por medo das conseqüências que poderia sofrer por praticar esse tipo de crime. Mesmo sabendo que queimada é um crime ambiental e pode ocasionar danos para quem pratica, e também para o meio ambiente, ele não se posiciona contra essa ação. “A queimada praticada com responsabilidade é útil e necessária, até porque melhora o solo que servirá de alimento para o gado, pois o boi só come o capim se ele estiver novinho. Na pastagem nativa, que serve de pasto para a criação de bovinos, deveria ser queimada uma vez a cada dois anos, pois se um dia vier a acontecer um incêndio criminoso a destruição poderá ser bem maior. Agora aquelas pessoas que provocam queimadas na época da seca e sem necessidade, principalmente sem autorização dos órgãos competentes, devem ser punidas

e pagarem pelo crime cometido” declara seu Heraido. Outro ponto que justifica a prática de queimadas está relacionada à expansão agrícola, devido às terras do cerrado ter um baixo custo, oferecendo assim condições bem mais favoráveis à produção de cereais. Com isso, grandes extensões de vegetação do cerrado são roçadas e queimadas ao final do período seco, que vai de agosto a setembro, e transformadas em novas áreas agrícolas. Além disso, há também o descaso e o descuido que provocam queimadas, como um simples cigarro aceso jogado da janela de um automóvel na beira de uma estrada ou, ainda, a criminosa prática de “soltar balões”, principalmente durante a época das secas. Existe um dado preocupante ligado ao estado de Mato Grosso em relação às queimadas. A Editora Envolverde publicou no seu site uma nota, no dia 13 de setembro de 2011, que deve colocar os nossos governantes em alerta para que seja possível evitar que mais

Cerrado queimado

39


Foto: Patrícia Barcelos

atos como este aconteçam. “O Mato Grosso junta ao seu título de o maior desmatador do país o de recordista em número de queimadas, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O monitoramento mostra que dos 59.757 focos registrados de 1º de janeiro a 12 de setembro no país, 8.348 estavam nesse Estado. Apesar da liderança do Mato Grosso em 2011, dados oficiais apontam uma redução de 64% nos focos registrados de janeiro a setembro, em comparação com igual período do ano anterior” (13/09/2011, site http:// envolverde.com.br/rse/campeao-em-incendios/ ). Para que esses atos criminosos diminuam é preciso convencer as pessoas dos inúmeros malefícios que essa prática causa para muitas espécies e principalmente para nós, seres humanos. Para isso, são necessárias muitas mudanças de atitudes e consciência ambiental. Pois são os próprios donos de terrenos, de campos, os responsáveis por colocar fogo em seu patrimônio, cometendo um erro atrás do outro. Eles são responsáveis civil e criminalmente por colocarem em risco a integridade física e o patrimônio público e privado. As pessoas vizinhas a esses locais incendiados respiram fumaça e partículas que podem causar câncer, asma, bronquite. Elas têm seus gastos aumentados com consultas, medicamentos, internações e são obrigadas a faltar no trabalho, sem contar no cheiro de queimado que persiste por vários dias. Uma queimada fora de controle transforma-se em incêndio catastrófico, atingindo o patrimônio público e privado como cercas, linhas de transmissão de energia e telefonia, casas, indústrias,

40

Após queimadas o cerrado começa a se regenerar galpões. Em busca dessa mudança a Secretaria de Meio Ambiente de Santa Rita do Araguaia/GO, através do Secretário Raimundo Miranda, realizou uma palestra tratando da prevenção de queimadas em comunidades rurais do município. O secretário busca orientar os moradores a respeito de técnicas para proteger o local de queimadas, assim como formas para amenizar o alastramento do fogo em casos de queimadas já existentes, além de destacar os efeitos para a saúde e do prejuízo para o meio ambiente. É necessário ressaltar a importância da responsabilidade de cada produtor rural, individualmente, policiar sua propriedade e região. Isto é fundamental, pois sem a ajuda deles, as autoridades pouco podem fazer para conter o avanço da devastação. Existem algumas providências simples que podem ajudar na prevenção de acidentes que acarretem grandes queimadas e incêndios. Há uma crença de que as queimadas são boas para o solo, isso porque o produtor realmente tem um ou dois anos de boa produtividade, já que o processo acaba concentrando alguns nutrientes importantes para a plantação, como o fósforo. Mas nos anos seguintes fica constatada uma perda excessiva dos nutrientes. Uma pesquisa da Embrapa Amazônia Oriental mostra que em sete anos são perdidos 96% de nitrogênio, 76% de enxofre, 47% de fósforo, 48% de potássio, 35% de cálcio e 40% de magnésio. E devido a essa perda de nutrientes, com o pas-


urbanas, queimadas rurais, mas felizmente não foram alarmantes, foram focos bem aleatórios, até porque, como nós vivenciamos, o período de seca este ano foi bem menor em relação ao ano passado” afirma o vereador. Diante de tantos impactos é preciso pensar bem antes de fazer uso dessa prática tão perigosa. A conscientização das pessoas é um importante passo à prevenção e pode ser feita nas escolas, imprensa, instituições sociais. Para isso, é importante aproveitar cada oportunidade e prejuízos causados pelo fogo para desenvolver projetos em prol da conscientização. Os danos causados pelas queimadas são infinitos. Por isso, a forma de evitar que esta prática ocorra é tomando atitudes básicas, mas que fazem toda a diferença como, por exemplo: não queimar lixo em locais onde haja uma área de vegetação perto, não jogar “bitucas” de cigarro em áreas secas, não soltar balões com fogo, não acender fogueiras durante a época de estiagem, utilizar formas alternativas de manejo de pastagens evitando colocar fogo, e, em caso de dúvidas, o mais correto a se fazer é procurar informações nos órgãos da sua cidade, entre muitas outras formas de evitar maiores danos. Medidas que estão ao nosso alcance e que ajudam a preservar esse bioma tão rico da nossa região que é o cerrado.

Foto: Patrícia Barcelos

sar dos anos, o produtor tem que utilizar mais adubos e fertilizantes, aumentando o custo da produção, sem contar que o uso indiscriminado de fertilizantes contribui muito para o desequilíbrio ambiental. Além de tudo isso, as queimadas podem provocar prejuízos à fauna e à flora, fugir do controle e destruir casas e instalações, matar animais e gerar desequilíbrios ambientais. Elas também constituem um fator de mortes para os animais silvestres. Muitos morrem carbonizados, sufocados pela fumaça, ou por atropelamento nas rodovias tentando fugir do fogo. Apesar de ser uma prática comum que é exercida por pessoas conscientes e inconscientes, portanto, orientar e informar sobre as conseqüências aos desconhecedores do assunto e impor práticas mais duras para os criminosos conscientes, que

Queimadas urbanas

queimada é crime. FISCALIZE!

estão afetando a vida da natureza e como conseqüência a de todos os seres vivos. Em Santa Rita do Araguaia/GO, segundo o vereador João Batista Gomes, o Poder Legislativo tem feito cobranças no sentido de se aplicar no município o Código de Postura, o qual proíbe as queimadas tanto urbanas quanto rurais. Para conter essa ação é preciso agir aplicando multas que venham coibir a prática desse crime ambiental em Santa Rita. Ele destaca essa ação durante o ano de 2011: “Este ano tivemos queimadas

41


QUEIMADAS URBANAS Por Nelsoney da Costa Marques/Gestor Ambiental Queimadas urbanas são um problema crônico, em inúmeras cidades brasileiras. Em Alto Araguaia - MT, tais queimadas são endêmicas e representam importante fonte antrópica da poluição atmosférica e do solo urbano e suburbano (ação do homem na poluição do ar, e também das cidades, bairros e periferias). Na área urbana de Alto Araguaia, a média diária de queimadas, durante o período de estiagem (maio a setembro), saltou de 35 em 2010, para 106 em 2011. Não obstante, as queimadas são executadas em número absurdo nas quatro estações do ano. Queima-se de tudo, em todos os quadrantes da cidade (inclusive na área central), por pessoas de todos os extratos socioeconômicos e culturais, em propriedades públicas ou privadas (terrenos, quintais, hortas, chácaras, fazendas urbanas, áreas abandonadas, pátios/garagens, caçambas, tambores, churrasqueiras, praças, ruas, calçadas, sarjetas, bueiros, canteiros centrais e acostamentos de vias públicas, encostas, pastos, margens de córregos, lixões e lixinhos clandestinos, ferro, recicladores, sucatões, etc). Considerando que a poluição gerada pelas queimadas é o componente de mais fácil controle pela população, podendo repercutir de imediato na saúde e bem estar geral, decidimos, há cerca de sete anos, empreender ações legais e legítimas, visando reduzir e/ou coibir essa prática nociva e criminosa, em diversas áreas de Alto Araguaia. A Associação Cultural Ecológica Nascentes do Araguaia e Taquari (ACENA) tem feito trabalho em todos os bairros da cidade, escolas da rede municipal e estadual, falando com o objetivo de mostrar os danos que a queimada pode provocar à saúde das pessoas. Esperamos, com este trabalho, que as queimadas cessem e que resultados positivos aconteçam e que os infratores percebam que alguém está exercendo vigilância, aliada à conscientização.

42 42

Foto: Patrícia Barcelos

Artigo


43

Foto: Internet


44

9

7

5

1

m

FOCO

10

11

12

8

6

Por Patrícia Barcelos

4

3

”A vida é valor absoluto. Não existe vida menor ou maior, inferior ou superior. Engana-se quem mata ou subjuga um animal por julgá-lo um ser inferior. Diante da consciência que abriga a essência da vida, o crime é o mesmo.” Olympia Salete

2

E


45

14

18

22

7 - Mutum Macho (Internet) 8 - Capivara (Internet) 9 - Mutum Fêmea (Internet) 10- Lagarto (Patrícia) 11- Canário da Terra (Net) 12- Tuiuiu (Internet)

13

17

21

1 - Arara Azul (Internet) 2 - Anta (Internet) 3 - Arara Canindé (Patrícia) 4 - Curicaca (Internet) 5 - João de Barro (Internet) 6 - Coruja (Emprestada)

13- Tucano (Patrícia) 14- Gavião Carijó (Internet) 15- Quero-Quero (Internet) 16- Seriema (Internet) 17- Tamanduá Bandeira (Net) 18- Udu-de-Coroa-Azul (Net)

23

19

15

19- Alma de Gato (Internet) 20- Papagaio Grego (Net) 21- Anu Branco (Internet) 22- Araçari Castanho (P B.) 23- Tico - Tico (Internet) 24- Tatu Peba (Internet)

24

20

16


Artigo

Um grave problema ambiental de

E

em casa como um “elefante branco” até descartar como lixo comum. Outros fazem o pior: descartam na natureza, mal eles sabem o prejuízo que isso causará ao meio ambiente e a saúde pública. Esse mal tem nome, é o lixo eletrônico, também chamado de e-lixo. Quando descartamos aparelhos como celulares, lâmpadas florescentes, TVs, equipamentos de informática, baterias, pilhas, entre outros eletrônicos, estamos jogando resíduos altamente tóxicos no meio ambiente. Esses resíduos contaminam os recursos hídricos, o ar, a atmosfera e o Foto: Internet

m pouco menos de uma década a evolução tecnológica da microeletrônica entrou nas nossas vidas para mudar nosso cotidiano. São tantos aparelhos eletrônicos que nos dão comodidade e segurança que não podemos imaginar a vida moderna sem esses equipamentos. No entanto, quando vamos às lojas e compramos um novo eletroeletrônico para nossa casa a fim de substituirmos um com defeito ou mesmo velho, é quando aparece o problema. O que fazer com esse equipamento velho? Alguns vão guardar

Por Roni Pess - Eletrotécnico/Computação

46


ecorrente da evolução tecnológica Foto: Patrícia Barcelos

Foto: Internet

Cabos elétricos descartados em estrada secundária em Alto Araguaia/MT

solo. Com um melhor poder aquisitivo dos brasileiros e o capitalismo induzindo ao consumo exacerbado de novos produtos, que muitas vezes é por um simples novo designer ou então alguma nova funcionalidade, faz com que a produção de lixo eletrônico tenha um crescimento acelerado. Entretanto, não estamos aqui debatendo para frearmos o desenvolvimento e a evolução tecnológica, mas sim usar desse próprio avanço da tecnologia para dar o fim correto aos resíduos de sua fabricação e seus produtos, assim como conscientizar os consumidores sobre o destino apropriado do e-lixo. Estimativas apontam que 50 milhões de toneladas de lixo eletrônico são descartados anualmente em todo mundo. No Brasil, de acordo com relatório do Programa da Organização das Nações Unidas (ONU) para o Meio Ambiente (Pnuma), só em computadores são abandonados 96 mil toneladas por ano, o que leva o país ao topo do índice

Placas de equipamentos eletrônicos

de produção desse resíduo entre nações em desenvolvimento. Parece distante da realidade de Alto Araguaia/MT e Santa Rita do Araguaia/GO o problema do lixo eletrônico, que, sim, tem outros problemas mais urgentes para resolver, mas com planejamento e ação antecipadas vão amenizar um problema que está muito perto. Nos dois municípios as Secretarias de Meio Ambiente não possuem estatísticas relacionadas ao problema do e-lixo. Mas andando pelas ruas das cidades nos deparamos com descartes desses resíduos em locais inapropriados, o que torna mais crítica a situação, pois as cidades são ribeirinhas ao rio Araguaia onde todas as águas das chuvas levam até ele. E sabe-se que o descarte inapropriado de lixo eletrônico como em lixões e arroios vai levar elementos contaminados (metais pesados) para rios e lagos de onde é captada a água para o consumo local. Por isso, além desse grave problema ambiental, gera também grande

47


parte dos casos de saúde pública. Na tabela a seguir podemos ver os elementos presentes no e-lixo e suas conseqüências a saúde humana.

Em nível nacional um passo importante para o problema do e-lixo é o Projeto de Lei nº 203/1991 sancionada pelo então Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em agosto de 2010. Essa lei institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) que estabelece a “responsabilidade compartilhada” entre governo, indústria, comércio e consumidor final, no gerenciamento e na gestão dos resíduos sólidos e institui a “logística reversa”,

48

obrigando fabricantes, importadores, distribuidores de eletroeletrônicos a coletar e descartar corretamente os seus produtos, uma vez rejeitados pelos consumidores. A meta é de que até 2014 todos esses resíduos tenham sua destinação corretamente realizada, mas na prática vai depender de Acordos Setoriais que começaram ser elaborados no início deste ano.


Tirinhas

49


Para RefLetir Wilson Paim

Quando não ouvirmos mais o cantar de um passarinho. Por não encontrar sementes, nem galhos pra fazer ninhos. Quando silenciarem os rios, mortos pela poluição A própria raça humana estará em extinção! O homem não se dá conta dos males que causa a terra Em plena era 2000 ainda fazemos guerra. O amor pelo semelhante está cada vez mais raro Pela ganância e cobiça vamos pagar muito caro!

A natureza pergunta enquanto o óleo derrama, Quem pagará pelas mortes causadas pelo Bahamas? Agonizando suplica a Baía da Guanabara Na esperança que alguns homens tenham idéias mais claras! Quisera eu, nestes versos, falar só de coisas boas Mas, como vou navegar se está furada a canoa? Precisamos acordar, fruto não dá sem raiz Zelar por nosso planeta para um futuro feliz!

50


Aqui tem tudo: Sacolas verdes e recicladas Sacolas brancas de todos os tamanhos Embalagens para tortas e bolos Embalagens para pizza Itens para aniversรกrios infantil e muito mais.

Venha conferir...

(66) 3481 - 2895 Rua: Severino Botelho de Mello, 299, Centro

51


Serviรงo de maior confianรงa e credibilidade

Revista ação consciente  

Ação Consciente - Projeto experimental de Jornalismo Ambiental em Revista - Alvarina Patrícia Barcelos dos Santos e Áthila Chaves Rezende -...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you