Issuu on Google+

Novembro 2013 • Edição 05

GRUPO IMPACTO

CARROS ANTIGOS Homens, histórias e relíquias

JOSÉ MARIA HADDAD Da pequena floricultura, ao grupo com 14 empresas

RODEIO O boiadeiro que conquistou o mundo

TURISMO Um setor a ser explorado na Alta Paulista

MIYAMURA A paixão pela música japonesa por gerações

JOÃO

FURLAN Ele quer mudar o conceito de medicina na região. E, aos poucos, vem conseguindo


FAI - FACULDADES

Agência FAI

Eu escolho

Estude na FAI com

FIES


ADAMANTINENSES INTEGRADAS ORGULHO DE ADAMANTINA E REGIテグ


Marte


EDITORIAL

Ciclos que se fecham Chegamos ao fim de mais um ano. 2013. E assim, o fechamento de mais um ciclo em nossas vidas. Um ano de desafios, altos e baixos em nossa economia e de crescimento para aqueles que acreditaram, arregaçaram as mangas e foram à luta. Para muitos prefeitos e vereadores o primeiro ano de gestão foi conturbado, apresentando inúmeros problemas a serem encarados de frente. A região da Nova Alta Paulista busca alternativas econômicas viáveis e rentáveis para que sua população tenha um lugar melhor para se viver. Um setor adormecido e a ser explorado na região é o turismo, assunto debatido nesta edição da VOX.

Autoridades falam do assunto e mostram que a região pode sim encontrar mecanismos e meios para o seu desenvolvimento. Basta começar. E a exemplo de nossas edições anteriores mostramos pessoas, empresários e profissionais liberais que fazem desta região um lugar bom para se viver. Gente que acorda cedo, trabalha incansavelmente, gera empregos e quer sim ver nossas autoridades buscando os caminhos para que mais e mais recursos sejam aplicados nesta região. Que 2014 possa chegar com a promessa de novas conquistas. Iniciando assim um novo ciclo. Um ciclo de vitórias e progresso para a Nova Alta Paulista.


REVISTA

VOX

GRUPO IMPACTO - Comunicação, Eventos e Assessoria Silva & Monarin Editora Ltda ME. CNPJ - 02.463.047/0001-17

Rua Deputado Salles Filho, 117 - Centro Adamantina-SP - CEP 17800-000 Telefone/Fax: (18) 3522-1199 www.ginoticias.com.br

========================================================

========================================================

RESERVADOS TODOS OS DIREITOS DE REPRODUÇÃO JORNALISTA RESPONSÁVEL E EDITOR Sérgio Vanderlei - MTb 46.188/SP REDAÇÃO Tamyris Araujo – MTb 61.233/SP Augusto Santos - MTb 64.521/SP FOTOGRAFIA Sandra Kobayashi, Jorge Munhos, Carina Monteiro, Mauro Hiroshi, Maila Alves, Higo Pereira e Fatos e Fotos ADMINISTRATIVO Alessandro dos Santos DEPARTAMENTO COMERCIAL Regina Romão Rogério Grespi CRIAÇÃO E DESIGNER GRÁFICO Allan Barbosa Marco Aurélio Atílio CIRCULAÇÃO Nova Alta Paulista TIRAGEM 4 mil exemplares PUBLICAÇÃO Trimestral DISTRIBUIÇÃO Dirigida IMPRESSÃO Gráfica Print Express GRUPO IMPACTO jornal impacto • jornal impacto/salmourão • jornal impacto/parapuã • jornal impacto/atos oficiais • br.ada agência de publicidade • portal www.ginoticias. com.br • club vip • revista vox


R E V I S TA

VOX ÍNDICE

38 BENTINHO

O boiadeiro de Adamantina que ganhou o mundo

14

ANTIGOS SIM, VELHOS NÃO Apaixonados contam suas histórias por veículos

24 SEM PRECONCEITO

Cabeleireiros assumem as tesouras com profissionalismo

34

TRADIÇÃO

Os Miyamura´s passam para gerações a paixão pela música

54 VERÃO 2014

Das vitrines para as ruas

48 CAPA

Furlan quer revolucionar com uma medicina mais acessível

90 SAMBA

Amigos se unem há 30 anos em torno da boa música

76 OBESOS

Até a Pastoral da Saúde, focada em desnutrição, se preocupa com o tema


94 HAITI

Freira dedica vida aos mais necessitados

44 MODA

Akihito Hira é destaque na moda brasileira

98

84 GLAUBER ROCHA

NATAL

Violonista conquista espaço na música clássica

O que a primeira-dama preparou para o fim de ano

100

104 ALTA PAULISTA

Um turismo a ser explorado

COMER

Costela no Bafo por Márcio Barreto

110 SOCIAL

109 MEMÓRIA

A história do CSU (Centro Social Urbano)

Pessoas e seus

momentos

122 LIENE

Adamantinense é sucesso no

Japão

126 HADDAD

Um homem do varejo

65

ALESSANDRO QUINTO Um cirurgião de sucesso


Carros antigos, mais que um hobby, uma paixão

Colecionadores mostram seus possantes e falam da relação com eles

E

POR AUGUSTO SANTOS ===

===

FOTOGRAFIA SANDRA KOBAYASHI E HIGO PEREIRA

14 VOX

m 1885, na Alemanha, foi produzido o primeiro veículo motorizado para fins comerciais. Com apenas três rodas, possuía um motor a gasolina e foi batizado de “motorwagen” (carro motorizado), no entanto, foi pelas mãos de Henry Ford, que oito anos mais tarde a invenção passou a ser produzida em larga escala em uma linha de montagem nos Estados Unidos e se popularizou por todo o mundo. Quase 130 anos depois do “motorwagen”, no Brasil, o carro é sonho de muitos brasileiros, que aquecem o mercado automobilístico nacional com a compra de modelos novos e seminovos, aumentando a demanda e a necessidade de novos modelos.

Mas, há ainda quem procure por modelos antigos. Isso mesmo, antigos e não apenas usados, sendo esta uma grande paixão e motivo de orgulho para quem aprecia modelos de décadas passadas. Estamos falando dos colecionadores . Apesar da grande paixão por modelos automotivos antigos, não é tão fácil encontrar um, pelo menos em bom estado de conservação. Muitos colecionadores compram carros antigos e os submetem a processos de restauração, o que não é para qualquer pessoa e principalmente para qualquer bolso, pois a restauração de um veículo pode levar de meses a anos e alcançar altas cifras. Mas, para quem é apaixonado pelas raridades, não há esforço e, em muitos casos, valores que os impeçam de ter o tão desejado carro antigo. Em Inúbia Paulista, uma asso-


ciação que reúne colecionares de carros antigos de várias cidades da região, a CCANAP (Clube do Carro Antigo da Nova Alta Paulista), tem catalogado entre seus integrantes algumas raridades que em suas épocas áureas foram o desejo de muitas pessoas. O presidente da entidade, Edélcio Pedro Martello, de Parapuã, mantêm em sua garagem quatro modelos que são o seu orgulho. Um Ford F-100, ano 1960; um Jeep Wiilis, ano 1950; um Vespa, ano 1960 e um Volkswagen Fusca ano 1993. A sua última aquisição foi um Volkswagen Variant, ano 1970, que encontra-se em processo de restauração. “Quando adquiri o veículo ele estava em estado ruim de conservação, então decidi restaurá-lo e devolvê-lo o maior número possível de traços originais da época de sua fabricação”. Martello é colecionador há pelo menos 13 anos e desde então possuiu outros modelos, de marcas e anos diferentes. “A internet tem sido grande aliada nas busca por modelos antigos. Sempre estou à procura de carros, então acesso

José Rivarolli Filho, o Zeca do Posto, coleciona raridades há 10 anos

sites especializados em compra e venda destes tipos de veículos”, finaliza. Também membro da CCANAP, mais que isso, vice-presidente da entidade, Tladmir Wiltson Ferrara, popularmente conhecido por Tradão, é outro apaixonado por carros antigos, e assim como Martello também é colecionador. Em sua chácara, em Parapuã, Tradão guarda algumas relíquias motorizadas e que exigem cui-

dados especiais para mantê-los impecáveis. Sua coleção é composta por oito exemplares: um Galaxie LTD e um MP Lafer, ambos ano 1977; um Jeep Willis e uma Pick-up Jeep Willis, ano 1963; um Gurgel, ano 1992. De todos, talvez o que mais se destaca seja um Lincoln LCS, ano 1992, já que Tradão garante que existem poucas unidades no país. “Este é uma carro raro no Brasil. Até onde sei, além do meu, outros três circulam pelas ruas do Brasil. Um deles, se não me engano, pertence ao apresentador e empresário Silvio Santos”, diz. O colecionador ainda tem um Puma GTB S1 e S-100, que passam por restauração. Mas nem só pelos carros antigos é o interesse desse colecionador. Tradão ainda tem duas motos antigas, as chamadas lambretas, que também são restauradas. “Se tem roda e motor, pra mim está valendo, sou um apaixonado não só por carros, mais sim por veículos automotores antigos em geral”, finaliza. Em Adamantina, outro colecionador, apesar de não se considerar um, tem em sua garagem seus xodós, que recebem frequente-

VOX 15


mente todos os zelos necessários para manterem suas originalidades. Antonio Frizão, ou apenas Toninho, atualmente é proprietário de quatro modelos antigos. O empresário é apreciador de veículos antigos desde a infância, mas foi a partir da década de 1990, que passou a adquirí-los e mantê-los. Nas duas últimas décadas, Toninho acredita ter sido proprietário de pelo menos 20 unidades, que ao longo dos anos foram vendidos ou trocados por outros modelos. “Quando desejo algum outro modelo, vendo algum carro meu para comprar outro. Apesar da dificuldade de encontrar carros antigos, o mercado de compra e venda está aquecido, a procura é grande”, explica. Toninho, também faz parte da CCANAP. Junto com os demais membros, participa frequentemente de eventos especializados em carros antigos em várias cidades paulistas, inclusive em locais mais distantes, como em outros estados. “Quase toda semana estou em um evento diferente, onde geralmente levo os meus carros e os exponho com outros veículos antigos de vários proprietários. É sempre muito bom, pois tenho a oportunidade de conhecer apreciadores de carros antigos e ver outros modelos”, diz. Uma curiosidade dita pelo colecionador, trata-se de uma Volkswagen Kombi, ano 1975, que foi restaurada e vendida para um colecionador alemão. “Após a restauração, mantive a Kombi comigo por algum tempo e então fizeram uma boa oferta pelo carro e resolvi vendê-lo. Lembro que o levei até o porto de Santos e de lá foi despachado para a Alemanha de navio, junto com o comprador”, explica. Outro adamantinense que encontrou nos carros antigos um hobby, diz que ter um era vontade da época de sua juventude e que depois de ter condições financeiras

16 VOX

Auto Posto Cocipa oferece combústivel de qualidade na região

“Se tem roda e motor, pra mim está valendo, sou um apaixonado não só por carros, mais sim por veículos automotores antigos em geral”, Tladmir Wiltson Ferrara


resolveu realizar seu sonho. José Rivarolli Filho, o “Zeca do Posto”, começou a adquirir carros antigos há 10 anos e desde então colecionou raridades, que sempre chamaram a atenção pelas ruas da ‘Cidade Joia’. Apesar da grande paixão, atualmente Zeca tem apenas dois veículos antigos, o que não diminui o prestígio de ser um colecionador e o interesse. Por ser proprietário de um dos postos de combustíveis mais tradicionais da cidade, é comum Zeca ir ao trabalho com um de seus carros, por isso, tornou-se quase que rotina curiosos adentrarem o estabelecimento só para ver de perto os veículos, se atentando aos detalhes. Zeca mantêm um Galaxie LTT, ano 1997, em perfeitas condições de uso, que se destaca pela cintilância de sua pintura, prateada. O outro veículo, um Karmann Ghia, ano 1968, chama atenção pela cor vermelha, assemelhando-se a tradicional cor da sonhada Ferrari. Atualmente, o veículo é restaurado. “Espero que em breve, possa voltar a andar com meu Karmnn Ghia”, diz.

Pedro Martello, colecionador e presidente do CCANAP Diferente dos outros colecionadores, Zeca participa esporadicamente de eventos, de preferência aqueles que acontecem em localidades mais próximas. Combustível Antigos ou novos, para funcionar os carros precisam de um item básico – o combustível. Independente de ser etanol, gasolina ou diesel, a procedência é requisito necessário para o bom funciona-

mento do veículo, e no Auto Posto Cocipa (Cooperativa de Consumo de Inúbia Paulista), os clientes encontram produtos de qualidade sem pagar mais por isso. Com mais de 1.800 m2 de área construída, três ilhas de abastecimento com seis bombas totalizando 28 bicos, com serviços de troca de óleo e lava rápido automatizado, o Posto Cocipa conta também com ampla conveniência e completa loja de acessórios.

Tradão, esposa Renata e filho - raridades

VOX 17


18 VOX


Supermercado Real primando por qualidades que cativam clientes Há 15 anos sob o comando familiar de Antônio Carlos Dalbello, Jusciléia e Mariana, o supermercado se destaca por oferecer aos clientes um ambiente agradável, bem higienizado, com variedades e qualidades que fazem a diferença na hora da compra 20 VOX


Família Dalbello à frente do Supermercado Real

P

rodutos de qualidade, bom preço e atendimento FOTOGRAFIA JORGE MUNHOS eficaz são extremamente importantes para quem procura um bom supermercado na hora das compras. Para alguns, a qualidade é meramente ‘ilustrativa’, enquanto para outros é questão de compromisso com o que é ofertado POR AUGUSTO SANTOS ===

===

ao cliente. Com a ideologia de disponibilizar sempre o melhor ao consumidor, o Supermercado Real se destaca na cidade. Há 15 anos sob o comando de Jusciléia Ruiz Dalbello, que ao lado do marido, Antonio Carlos Dalbello e agora com apoio da filha Mariana, trabalham dia a dia para garantir a satisfação dos clientes. De acordo com a empresária do varejo, primar pela qualidade não pode ser somente uma mera propaganda. É preciso ser realidade dentro do tradicional supermercado. Jusciléia destaca que um ambiente agradável, bem higienizado, variedades, organização, agilidade e menor tempo de espera em filas, devem ser trabalhados permanentemente. “Aposto em um atendimento humanizado. É necessário ter um padrão, que toda a equipe se envolva nos procedimentos, um trabalho diário”, revela Léia. A empresária comenta que o bom relacionamento com os clientes é primordial e criar afinidade, demonstrar simpatia, educação e atenção no atendimento, são diferenciais que cativam. Outro ponto que faz do supermercado sucesso na cidade é a organização. A disposição de produtos nas prateleiras e demais dependências de um supermercado devem ser acessíveis e ao alcance do cliente. “Penso que o espaço deva oferecer soluções de produtos, e não excesso, e que estejam expostos de maneira organizada. Temos que proporcionar uma boa visualização, em que o cliente não sinta falta de nenhum item”, ressalta. A higiene, um requisito essencial, tanto para um ambiente mais atrativo quanto para a saúde, seja dos clientes ou de funcionários, é destaque no Real. “Manter o supermercado higienizado é primordial para colaboradores,

VOX 21


clientes e claro, para a saúde do próprio negócio, por isso, fazemos questão de ter um ambiente sempre limpo e agradável”. Ela ainda destaca que todo e qualquer local com manipulação de produtos alimentícios deve obedecer normas estabelecidas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que regula procedimentos, desde os mais simples, como lavar as mãos e higiene pessoal dos colaboradores, até os mais complexos, como instalação, limpeza e manutenção de equipamentos para a exposição e conservação de produtos. Mariana declara ser importante oferecer aos consumidores produtos saudáveis, ter um espaço especial, uma vez ser crescente a preocupação com a saúde, principalmente no que se refere aos hábitos alimentares. Sabendo dessa importância, o Real conta com setor específico e completo de diet e light, com diversos tipos de produtos, dos mais simples aos mais sofisticados para quem busca uma alimentação saudável. “A indústria responde desenvolvendo opções de produtos light, orgânicos, diet, sem glúten ou lactose. Damos importância às hortaliças e frutas, por isso

22 VOX

Boa disponibilidade de produtos e higiene - marcas do Real

oferecemos produtos naturais selecionados e de alta qualidade, “Temos que pro- tanto na aparência, como nas porcionar uma boa questões nutricionais. O consumo de vegetais na mesa dos brasileivisualização, em que o ros vem crescendo nos últimos cliente não sinta falta anos, e por isso oferecemos várias de nenhum item”, opções para deixar a mesa de nossos clientes ainda mais saudável”, Jusciléia Ruiz Dalbello complementa. O também proprietário Antônio Carlos, responsável pelo fornecimento de carne para o setor de açougue, possui produç��o própria. Ele acompanha todas as etapas do processo, desde a criação do gado, passando pelo abate e controle de qualidade, até chegar ao consumidor final. “Como outros produtos é necessário ter atenção especial para esse setor, priorizando sempre a melhor qualidade e higienização”. “Somos uma família à serviço das famílias adamantinenses. Priorizamos oferecer o que há de melhor, cativar a todos e, a cada cliente, um amigo”, finaliza Léia.


um aliado na busca da pele perfeita POR TAMYRIS ARAUJO

M

uitas pessoas gostam de aproveitar o sol e o verão. Mas, altas temperaturas e calor excessivo deixam marcas evidentes na pele, que está em contato direto com a exposição ao sol. O resultado são sardas, rugas e sinais precoce de envelhecimento. E nem mesmo os que não gostam do sol ou não se expõem, estão livres das consequências, já que o mormaço também é prejudicial. Segundo a dermatologista Carolina Arruda Borini cada vez mais homens e mulheres buscam chegar aos 30, 40 anos com uma feição jovial, mas, a partir desta idade o déficit de colágeno faz com que comecem a surgir as primeiras linhas de expressão. Um método muito utilizado para repor a produção de colágeno é o laser, procedimento que consiste na aplicação de energia eletromagnética. “O tratamento é procurado por pacientes que buscam melhorar a aparência da pele, seja suavizando a textura, clareando manchas ou recuperando a elasticidade. Indicamos também para amenizar cicatrizes de acne, estrias e rugas faciais - como as rugas perilabiais, na testa e os famosos ‘pés de galinha’”, explica.

===

===

FOTOGRAFIA SANDRA KOBAYASHI

De acordo com ela, a técnica mais utilizada e moderna atualmente é o ‘Laser de CO2 fracionado’, com alta afinidade pela água da pele, promovendo a vaporização com consequente cicatrização, estimulando a formação de colágeno. “Os resultados: menos cicatrizes, estrias, manchas e, claro, uma pele mais jovem”. O ‘Laser de CO2 fracionado’ atua aquecendo as camadas profundas, estimulando a remodelação do colágeno. Esse método, por ser fracionado, emite microfeixes de luz, permitindo melhor recuperação. Carolina explica que, diferente de outros procedimentos à laser, a técnica fracionada deixa pequenos pedaços de pele intacta, e essas células aceleram a cicatrização dos trechos de tecido em que o laser foi

aplicado, permitindo que o paciente retorne mais rapidamente às atividades normais, em torno de 3 a 7 dias. A médica orienta que após o laser deve ser evitado o sol por no mínimo 30 dias com uso de protetor solar. Os resultados do ‘Laser de CO2 fracionado’ são notados em torno de 3 a 6 sessões. “Este é o tempo estimado, mas em cada paciente a pele pode reagir de forma diferente, mais rápido ou mais lentamente. É necessário uma avaliação dermatológica, com todos os aparelhos necessários para o tratamento”. Bioclínica

Carolina Arruda Borini Dermatologista CRM 140.677 Av. Capitão José Antônio de Oliveira, 35 (18)

3521-4929

VOX 23


Eles fazem a

CABEÇA de muita gente POR AUGUSTO SANTOS

===

===

FOTOGRAFIA JORGE MUNHOS

Alguns dos mais tradicionais profissinais adamantinenses dizem que ser cabeleireiro é uma arte

24 VOX


C

hamados de “hair stylist”, uma denominação dos tempos atuais, muito comum no segmento estético e de moda, os cabeleireiros são profissionais cada vez mais procurados por homens e mulheres de todas as idades, que não abrem mão de investir na aparência. Apesar das tendências e modernização de técnicas há profissionais, ainda que menos ortodoxos, mantendo as tradições dos antigos salões e barbearias, e dizem que o antigo e o atual podem sim ‘caminhar’ juntos. Alguns dos mais tradicionais profissionais adamantinenses entrevistados pela VOX, todos com mais de uma década de profissão, dizem que ser cabeleireiro, em algumas situações, pode ser considerada uma arte: a de dar formas aos mais diversos tipos de cabelos, com cortes e penteados. Talvez por isso, muitos clientes têm preferência por um único profissional.

“Quando estou com meus clientes, uso bom humor nas conversas, aliás, essa é uma característica presente de forma constante”, Sérgio Merloti

Cabeleireiro Sérgio Merloti

Sérgio Ex-professor e ex-contador, que nas horas vagas se dedica ao teatro escrevendo peças religiosas e cômicas, encontrou na profissão uma nova paixão. Autodidata, Sérgo Merloti, popularmente conhecido por “Sérgio Cabeleireiro”, aos 14 anos aprendeu o ofício e desde então se passaram 18 anos. No curso de sua vida profissional, ainda que tenha aprendido sozinho à arte de cortar cabelos, também procurou aprimorar seus conhecimentos e já participou de vários cursos, que ampliaram o know hall. Há quatro anos atendendo no mesmo salão, Sérgio estima que ao menos 450 clientes todos os meses procuram seus serviços, que vão do atendimento aos públicos masculino e feminino, com os tradicionais cortes; até a inovação de maquiagens para homens, procurada principalmente por noivos prestes

a casar. “É um diferencial que ofereço aos clientes. Os homens procuram cada vez mais por este serviço”. Além da novidade, o próprio cabeleireiro se diz de certa forma “chato”, já que prefere atender somente com horário agendado, mas não se diz conservador, pelo contrário. “Quando estou com meus clientes, uso bom humor nas conversas, aliás, essa é uma característica presente de forma constante. Converso de tudo, até sobre política, sempre usando doses de humor para descontraí-los e me descontrair. O trabalho se torna agradável e pouco maçante”, afirma. Questionado sobre as dificuldades da profissão, Sérgio foi categórico; “gosto do que faço, portanto não vejo dificuldade”, comenta.

VOX 25


Cláudio No vai-e-vem de pessoas que passam pelo Terminal Rodoviário de Adamantina diariamente, muitos aproveitam a oportunidade para fazer uma parada quase que obrigatória no salão de Cláudio Roberto Oliveira. Ainda que não utilizem os serviços oferecidos pelo cabeleireiro, todos são bem-vindos, afinal, o profissional diz que o seu salão é um ponto de encontro de clientes amigos e amigos clientes. Com 24 anos de profissão, Cláudio não abre mão de se reciclar. Em uma parede no salão, certificados de cursos de

aperfeiçoamento estão emoldurados. “Sempre que possível participo de cursos para aperfeiçoar mais ainda meu trabalho. Sou um apaixonado pelo o que faço e procuro melhorar constantemente”. A paixão do cabeleireiro se tornou um negócio de família. Ao lado da irmã e da esposa,

o profissional atende cerca de 800 pessoas todos os meses. Pessoas que não muito diferente de outros salões foram fidelizadas pelo bom atendimento e pelo carisma com o qual são atendidas. Especializado em cortes unissex, o cabeleireiro ensina o ofício ao filho de 21 anos, que também já mostra destreza com as tesouras.

“Sempre que possível participo de cursos para aperfeiçoar mais ainda meu trabalho”, Cláudio Roberto Oliveira

Nelson Não muito longe da rodoviária, Nelson da Silva, aos 35 anos, quase 15 somente de profissão em seu salão, junto com sua esposa, oferece serviços de cortes unissex, cuidados aos cabelos e barbearia, tornando-o completo. Em seu salão, a maioria dos clientes é do público masculino. Como bom profissional, também procura constantemente aperfeiçoamento em escolas especializadas e workshops. “É sempre interessante oferecer aos clientes novos serviços e poder me qualificar, aliando as necessidades de ambos”. Nelson destaca o serviço de barbearia com alta procura por garotões e senhores, que aproveitam a moda da barba grande. “São vários modelos e estilos, mas geralmente quem faz a barba em salão não quer mais fazer em casa. Usamos desde produtos adequados até a utilização da lâmina, que evita

26 VOX

cortes”. O profissional afirma gostar do que faz, mas considera como principal dificuldade o reconhecimento da profissão pelo público, afinal não é fácil fidelizá-los.

“O mundo da estética, da beleza, da moda, enfim, é concorrido, então procuro proporcionar sempre o melhor, não se restringindo somente ao serviço, mas também ao bom atendimento”, finaliza. Nelson da Silva alta procura por barbearia


Mazinho, Sérgio, Paulão, Cláudio e Nelson - cabeleireiros tradicionais de Adamantina

Paulão

Mazinho

Paulo César Cervelheira, cabeleireiro há 24 anos, dos quais 5 no mesmo salão, diz que aproximadamente 300 pessoas são atendidas mensalmente por ele. Especializado em cortes masculinos, Paulo tem clientes de todas as faixas etárias. “Desenvolvi uma técnica própria de trabalho, aperfeiçoada ao longo dos anos, que agrada meus clientes e faz com que eles sempre retornem”, afirma. Ele ainda enfatiza que o bom atendimento é extremamente importante, ao ponto de ser tão relevante quanto à qualidade do corte, assim consegue fidelizar a clientela. Na onda dos famosos, entre estrelas da música, dos esportes e da televisão, que inspiram outras pessoas a adotarem o mesmo corte, o cabeleireiro diz que apesar de já passada a febre, o corte moicano, popularizado pelo ex-santista e atualmente no Barcelona, o jogador de futebol Neymar é um dos mais procurados, principalmente pelo público jovem na faixa etária dos 14 aos 22 anos.

Talvez, um dos mais conhecidos cabeleireiros da “Cidade Jóia”, Valdemar Souza Maciel, popularmente conhecido como Mazinho, é um dos mais tradicionais profissionais de Adamantina. Com nada menos que meio século de profissão, em pleno Jubileu de Ouro, Mazinho atende personalidades locais, entre os quais os ex-prefeitos Laércio Rossi e Kiko Micheloni e além do atual, Ivo Santos. Empresários da cidade também são clientes assíduos. Com tal carta de clientes, Mazinho conquistou crédito junto ao público. Como todos os demais profissionais citados, ele também se aperfeiçoa constantemente, participando de cursos na capital paulista. Ao lado do filho, Mazinho atende no mesmo salão há pouco mais de 2 anos exclusivamente o público masculino de todas as faixas etárias. “Gosto do que faço. Depois de 50 anos de profissão é difícil pensar em fazer outra coisa. Já estou acostumado com a rotina”.

VOX 27


28 VOX


cevap


O cirurgião-dentista Willian Ricardo Baraldi Borro, único profissional da região membro da Sociedade Brasileira de Odontologia Estética (SBOE), teve caso selecionado entre os 20 melhores do Brasil

O

sorriso perfeito sempre foi considerado um sonho que poucos podiam realizar. Mas já se foi o tempo em que os dentes brancos e alinhados eram vistos apenas em capas de revista ou na televisão. Com a evolução da odontologia estética, hoje é possível renovar o sorriso em pouco tempo. E o melhor: sem dor. Para garantir este tratamento não é necessário ir a grandes centros. A Nova Alta Paulista possui um dos especialistas mais renomados na técnica. O cirurgião-dentista Willian Ricardo Baraldi Borro, único profissional da região membro da Sociedade Brasileira de Odontologia Estética (SBOE), se tornou referência e atende no Instituto de Estética Bucal, em Adamantina. “Este método era o segredo dos artistas, que apareciam sempre com dentes lindos na mídia. Agora está disponível a todos. Todos podem ter o seu sorriso

30 VOX

de ‘capa de revista’”, expressou o especialista. Para buscar o que há de melhor no mundo em odontologia estética, Willian Borro esteve entre os dias 06 e 09 de novembro, no 19ª Congresso Internacional da SBOE em Curitiba. O evento contou com palestrantes e convidados de diversos países como Itália, Espanha, Coréia, Estados Unidos e Suiça. “É uma experiência incrível estar entre os profissionais que são referência mundial na área. E é muito bom levar todo este conhecimento para a nossa região, já que eu era o único profissional da região no encontro”, declara Willian Borro. Os profissionais participantes podem enviar seus principais casos clínicos para serem expostos durante o Congresso. Neste ano, mais de 400 casos foram enviados, e um dos sorrisos transformados pelo Willian Borro foi selecionado entre os 20 melhores. “É mais um resultado de muito trabalho. Procuro sempre trazer o que há de melhor e mais mo-

“O trabalho que realizamos é diferenciado, já que somos especializados na área. Os artistas que atendemos viram que o resultado é perfeito e resolveram também investir neste método, melhorando suas imagens”, Willian Borro


derno na Odontologia Estética para nossa região e estar entre os 20 selecionados me deixa muito feliz”, afirma. Sorriso de estrela Artistas como Reynaldo Gianecchini, Giovanna Antonelli, George Clooney, Gustavo Lima e até Ronaldinho Gaúcho mudaram suas imagens com as lentes de contato dental. Segundo Willian Borro, a técnica existe há alguns anos, mas só recentemente ficou conhecida. “O trabalho que realizamos é diferenciado, já que somos especializados na área. Os artistas que atendemos viram que o resultado é perfeito e resolveram também investir neste método, melhorando suas imagens. Quem trabalha com a aparência deve estar sempre sorrindo, pois os dentes são nossa carta de apresentação”, ressalta o especialista. Prova disto são os artistas já atendidos pelo profissional. Entre os mais recentes, o cantor de arrocha Thiago Brava. Os dentes brancos e perfeitos que o artista apresenta foram conquistados após a colocação de lentes de contato dental em Adamantina, com o Willian Borro. O dono do hit “Lei do Desapego”, sucesso na novela Sangue Bom da Rede Globo, saiu de Goiânia, onde mora, pra fazer o tratamento estético na Nova Alta Paulista. Os fãs da dupla Conrado & Aleksandro também aprovaram o tratamento feito pelos cantores. Os sertanejos, que emplacam vários sucessos em todo o Brasil, saíram de Dourados, no Mato Grosso do Sul, para transformar o sorriso em Adamantina.

Willian Borro com o presidente do SBOE Rogério Marcondes, em congresso internacional

(18) 3522-5054

| (18) 9 9707-5344

Alameda Santa Cruz, 387 – Adamantina

VOX 31


Miyamura mantém tradição da música japonesa Família

Apesar das dificuldades, o patriarca Yuske Miyamura consegue manter por três gerações a tradição do karaokê cantado na música japonesa. Em 2012, a família foi homenageada por ser a única no Brasil a preservar essa cultura por tantas décadas 34 VOX


Sob orientação de Yuske três gerações se reúnem para a tradicional música japonesa

A

POR TAMYRIS ARAUJO

A cultura japonesa é conhecida no Brasil em diversas formas, entre elas destacam-se a gastronomia, o karaokê e os mangás - histórias em quadrinhos. Muitas famílias lutam para manter viva essa tradição e passar para as novas gerações todos os

===

===

FOTOS SANDRA KOBAYASHI

costumes orientais. Nesse contexto, destaca-se em Adamantina a família Miyamura. Para orgulho do patriarca Yuske (74 anos) e da esposa Emília (68), três gerações dos Miyamura cantam as músicas japonesas. “Manter nossas origens sempre foi um dos meus objetivos. Em 2012 fomos homenageados por ser a única família no Brasil a conseguir manter viva a

cultura e as tradições japonesas por tantas décadas, principalmente na música”, destaca Yuske. Além do casal, os filhos Akira (47), Arthur (45), Adilson (43) e Alexandre (40), e os netos Melissa (15), Eduardo (12), Maria Emília (11) e Isabela (5) cantam karaokê na língua oriental. “Nem sempre é fácil conseguir que todos estejam juntos, em um mesmo propósito, mas

VOX 35


Concursos de karaokê reúnem descendentes de toda a região na Acrea não desisto e por isso conseguimos manter essa tradição”. Os ensaios acontecem constantemente, sempre sob a orientação de Yuske. Para incentivar o canto, o patriarca construiu uma sala de karaokê na residência da família, com som, TV e os aparelhos adequados. Todos participam de competição e são destaques, como no ‘Paulistão’ e ‘Brasileirão’, cada um em sua categoria. Na casa dos Miyamura, mais de 200 troféus conquistados são expostos com orgulho. “Cada troféu representa uma conquista. Desde os menores até os mais velhos, todos participam e conquistam prêmios”, conta com satisfação. Entre as principais dificuldades enfrentadas como chefe de família, Yuske destaca o despertar o interesse do karaokê nos jovens. “Manter as crianças e jovens próximos das origens japonesas nem sempre é tão simples. Muitos só querem saber de tecnologia. Mas

36 VOX

com persistência e união, conseguimos”. Os Miyamura cantam em concursos e outros tipos de eventos, e sempre fazem sucesso pela união familiar e dons musicais. Yuske começou a cantar em 1958 e subiu ao palco para competir pela primeira vez em 1960. Em Adamantina, ele já cantou em festas no ATC, bailes e no grupo Alelux, formado por japoneses que apresentavam músicas de origem. “Hoje as coisas são bem mais fáceis. Temos vários CDs para ensaiar, mas antigamente era tudo no instrumento e dependíamos de uma banda”, recorda. “Tenho orgulho da minha família e não meço esforços para a tradição japonesa continuar viva por gerações”. Acrea – Os japoneses contam com a Acrea (Associação Cultural, Recreativa e Esportiva de Adamantina) que desenvolve atividades sociais, esportivas e culturais aos descendentes.

De acordo com o atual presidente, Shoiti Shimoda, o karaokê faz parte das programações desde 1970. Acontecem concursos regionais cinco vezes ao ano da Liga de Karaokê da Alta Paulista, em que japoneses de toda região se reúnem em Adamantina para cantar músicas tradicionais e manter viva a cultura oriental. Hoje a cidade conta com mais de 20 cantores. Para incentivar e ensinar as crianças apaixonadas pela música, duas vezes por mês o professor de Dracena, Márcio Kuwada, fica à disposição das famílias descendentes. Além disso, as mulheres participam do Fujinkai, danças tradicionais japonesas. Elas surgem impecáveis no palco, dentro de quimonos, para mostrar as coreografias muito bem ensaiadas. “Em Adamantina a cultura japonesa está viva por meio de cada oriental que transmite a tradição familiar às gerações”, ressalta Shimoda.


Ricardo Bentinho

o boiadeiro de Adamantina que ganhou o

MUNDO

Ele começou sua história com poucos touros em rodeios no Paraná e hoje é proprietário da Cia 3B. Investe em touros que são estrelas nas arenas do mundo todo POR TAMYRIS ARAUJO ===

===

FOTOGRAFIA CARINA MONTEIRO E DIVULGAÇÃO

A

paixão por oito segundos e o prazer de ter grandes touros protagonistas de verdadeiros shows dentro da arena. Sensações que Ricardo Antônio Buainain Dias, popular Bentinho, de 40 anos, tem praticamente todos os finais de semana. Natural de Adamantina, ele faz sucesso no mundo dos rodeios. Proprietário da Cia 3B, hoje Bentinho é um forte investidor em touros que disputam inúmeros rodeios e são estrelas nas arenas do Brasil e do mundo.

38 VOX


Casado com a veterinária Gabriele Junqueira Dias, com quem tem dois filhos, Pedro de 5 anos e Maria Fernanda, de 5 meses, ele curte cada fase dos filhos e aproveita os momentos em família em Cotia (SP), onde reside atualmente. “Não sou focado apenas em serviço. Aproveito sim minha família e cada segundo com eles é único”, destaca. O adamantinense, que já faturou mais de duas dúzias de fivelas como melhor touro e melhor boiada, e tem cinco animais campeões nas arenas de Barretos, conta que tudo começou “Um animal de rocom rodeios em Nova Esperança deio, que no caso é (PR). Bentinho lembra que o amigo Pedro Radade deixou ele levar toda minha boiada, os animais para a arena, e então conta com acompacomeçava a Cia 3B. “Na época nhamento desses três tinha apenas dois animais, mas emprestei mais seis touros de profissionais. Cada um tropeiro de Pirajui (SP). Na touro come em média área conheci muitas pessoas e 5 kg de ração, mais as oportunidades apareceram”, 25 kg de silagem conta. Para formar a Cia 3B, Bentinho de milho e pasto à afirma que procurou animais por vontade todo dia. A todo o Brasil, quando então comprou a boiada do Tércio Miranda, ração é balanceada Neto Oger, Marcelo Tomateiro com complexo vitae do Apocalipse. “Cheguei a ter mínico A, D, E e mais 190 touros e três caminhões. Fazia quatro rodeios por final de complexo B com ansemana. Uma loucura”, revela. tiestresse. Uma aliComo o boiadeiro não tinha mentação totalmente tempo disponível para formar a boiada, comprava os animais já balanceada”, treinados. “Para formar a 3B de- Ricardo Buainain Dias morei cerca de 5 anos, mas todo ano ela precisa ser renovada para manter o padrão. Hoje treinamos por volta de 20 animais e leva-se de 8 a 15 meses para capacitação. O touro tem que ficar manso sem perder a característica de ser indomável”, explica. Hoje, a 3B conta com aproximadamente 88 animais, sendo atualmente os mais famosos o Pesadelo, Dalit, Murubu, Chefetan, Vidro Fume, Cascavel e Saruê. O touro Pesadelo, uma das estrelas da 3B que conquistou vários prêmios para a Cia, já tem


uma ‘cria’. Uma curiosidade é o nome do novo animal: Wolverine. “Muitos tropeiros fazem lista de nomes. Outros escolhem pelo temperamento do animal. Outros deixam a tarefa para os filhos, como no meu caso, em que o Pedro escolheu esse nome. E ele já nomeou outros touros de Thor e Megatron”, revela. Além de investir pesado nos rodeios no Brasil, Bentinho também investe no exterior, adquirindo animais nos EUA. E, com isso, se tornou o primeiro boiadeiro a participar de competições em dois países. Somente em 2013, a 3B participou de todas as grandes festas e também as regionais, totalizando cerca de 40 rodeios. Para o adamantinense, a 3B - classificada entre as três melhores do Brasil, é uma paixão. “A Companhia é uma prova de quem tem uma meta e um objetivo precisa focar e se dedicar, porque assim consegue-se chegar lá”.

Animais

E para quem diz que os animais sofrem, Bentinho convida para conhecer a fazenda em Botucatu (SP), onde os touros são tratados como atletas, com

Ricardo Bentinho durante rodeio no Texas três veterinários específicos para medicina esportiva animal, nutrição e outro em casco. “Um animal de rodeio, que no caso é toda minha boiada, conta com acompanhamento desses três profissionais. Cada touro come em média 5 kg de ração, mais 25 kg de silagem de milho e pasto à vontade todo dia. A ração é balanceada com complexo vitamínico A, D, E e mais complexo B com antiestresse. Uma alimentação totalmente

balanceada”, explica. Além disso, os animais do plantel da Cia 3B fazem cooper e natação. “São verdadeiros atletas e trabalham menos de 5 minutos por ano”, brinca. Questionado se a companhia de rodeio é uma empresa rentável ou é um hobby, Bentinho prefere dizer que “é uma empresa que administra um hobby e que bem trabalhada paga as contas. Somente na reposição de animal que se torna deficitária”.

“Hoje, a 3B conta com aproximadamente 88 animais, sendo atualmente os mais famosos o Pesadelo, Dalit, Murubu, Chefetan, Vidro Fume, Cascavel e Saruê”, Ricardo Buainain Dias Pesadelo, um dos touros mais famosos da 3B

40 VOX


Asilo de touros

Bentinho, que se apega aos animais, afirma manter um asilo para touros em sua fazenda em Botucatu. “Não tenho coragem de matar. Eles me deram tantas alegrias, então os mantenho junto com a boiada que está trabalhando, faço questão de levá-los às vezes até os rodeios, pois voltam com outro ânimo. É impressionante”, destaca o boiadeiro. Ele explica que um touro pode trabalhar em rodeios por até 12 anos, entretanto, há casos de animais que duram apenas um ano nas arenas, depois, ficam mansos e não pulam mais. Doze touros já foram levados para o asilo.

AIR

A realização de um sonho. É assim que Bentinho define a realização do AIR (Adamantina Internacional Rodeo) por dois anos em sua terra natal. A realização da festa em Adamantina custou muitos investimentos financeiros, afinal, Bentinho trouxe para a cidade o que a região jamais viu em termos de disputas dentro da arena, com competidores e touros internacionalmente reconhecidos, integrantes da PBR (Professional Bull Riders). No último ano, por problemas políticos, o empresário não realizou o grande evento, mas destaca que o AIR ainda não morreu e, um dia, voltará a acontecer em Adamantina, com montarias profissionais e grandes shows.

Política

Ricardo Bentinho também pensa em participar ativamente da vida política. Depois de receber convites para se filiar à vários partidos, filiou-se ao PRB (Partido Republicano Brasileiro). O convite para entrar no PRB e ser candidato a deputado federal partiu de Gilmaci Santos, deputado estadual e líder do partido na Assembleia Legislativa do Estado, e de Celso Russomano, ex-deputado. Apesar de estar filiado e apto à candidatura, Bentinho ainda não decidiu oficialmente sobre sua vida política.

Bentinho com a esposa Gabriele e os filhos Maria Fernanda e Pedro

VOX 41


Ortodontia

pode ser a garantia

de um

belo sorriso Além de dentes mais bonitos, aparelhos ortodônticos proporcionam maior autoestima e confiança

S

orrir é reação natural do ser humano, podendo em alguns casos ser espontânea ou até mesmo forçada. Para algumas pessoas esta prática pode se tornar incômoda e constrangedora, principalmente para aqueles que são desprovidos de uma arcada dentária esteticamente saudável e bonita. Alguns problemas dentários podem ser sanados com a aplicação de tratamentos de ortodontia, que corrigem as posições dos dentes e dos ossos maxilares com a implantação de aparelhos ortodônticos, podendo ser fixos ou móveis. Carolina Grespi Martins Bortolo, especialista em ortodontia e disfunção temporomandibular, esclarece a importância do tratamento. “Quando deixamos de tratar, muitos problemas ortodônticos podem piorar ao longo do tempo. O tratamento irá

corrigir estes problemas”, esclarece. Ela ainda explica as causas de vários problemas ortodônticos. Na maioria dos casos têm origem hereditária e outras adquiridas. “Problemas adquiridos podem ser causados por vários fatores, os mais comuns são: sucção de dedo, deglutição atípica, vias aéreas superiores obstruídas por amígdalas ou adenoides avolumadas, doenças dentais, ou perda prematura de dentes decíduos ou permanentes”. A dentista ressalta que independente da origem, muitos destes problemas afetam, não apenas o alinhamento dos dentes, mas também a aparência facial. Luiz Fabiano Bortolo, especialista em ortodontia e implantodontia, complementa esclarecendo como

identificar tais problemas e determinar se o tratamento ortodôntico é necessário. Vale ressaltar que tal diagnóstico será obtido por meio de instrumentos, que incluem o histórico dentário do paciente, exame clínico, moldes dos dentes, fotografias e radiografias especiais, assim o profissional poderá determinar se a ortodontia é recomendável. Luiz Fabiano enfatiza a importância de dentes saudáveis para o bem-estar e a autoestima. “A importância de um sorriso atraente não deve ser subestimado. Uma aparência agradável é um atributo vital para a autoestima de uma pessoa, que pode ser melhorado à medida que os dentes, lábios e face são conduzidos a uma harmonia”.

Luiz Fabiano Bortolo

Carolina Grespi Martins Bortolo

Ortodontia e Implantodontia (Mestre em Odontologia)

CRO: SP-CD-72681

Ortodontia e Disfunção Temporomandibular

CRO: SP-CD-76180 (18) 3521-3775/3522-5562 Rua Eclides da Cunha, 363 - Adamantina


Akihito Hira brilha no cenário

da moda brasileira Aos 35 anos, Akihito Hira fala sobre sua relação com Adamantina e sua grande paixão, a moda POR AUGUSTO SANTOS ===

===

FOTOS ARQUIVO PESSOAL

J

á descrito por um jornal da capital federal como “o nerd da moda”, aos 35 anos, considerado muito sério e sensato, neto de imigrantes japoneses e com um talento notório, o estilista Akihito Hira, conquista a crítica especializada e mostra a força da moda brasiliense. O que poucas pessoas sabem é que este grande e talentoso estilista, até brilhar no cenário da moda brasileira, percorreu um longo caminho. Caminho que passou por terras adamantinenses. Natural de Osvaldo Cruz (SP), Akihito Hira viveu em Adamantina durante sua infância e adolescência. À VOX, o estilista falou sobre sua relação com a cidade. “Sinto falta da tranquilidade que uma cidade pequena propor-

44 VOX


Akihito e o sócio Júlio Andrade

“A inspiração pode vir dos mais variados prismas, sempre com muita pesquisa investigativa, estudo de comportamento e outras variáveis urbanas. Aprecio muito os trabalhos de Yohji Yamamoto e Alexander Mcqueen”, Akihito Hira

ciona”, diz. “Visito com frequência minha família e amigos que moram em Adamantina”. Em 1996 se mudou para Bauru, na região central do Estado de São Paulo, onde cursou Ciências da Computação pela Unesp (Universidade Estadual Paulista). Passados quatro anos, Akihito concluiu os estudos e se mudou para Brasília, onde mora até hoje e concretizou sua grande vocação, “fazer moda”. Sobre criar, o estilista diz buscar na diversidade inspiração para suas coleções. “A inspiração pode vir dos mais variados prismas, sempre com muita pesquisa investigativa, estudo de comportamento e outras variáveis urbanas. Aprecio os trabalhos de Yohji Yamamoto e Alexander Mcqueen”, esclarece. O mercado da moda é bem concorrido e outros talentos também buscam mostrar suas criações, mas para Akihito ter diferencial é importante, pois há espaço para muita gente. “Como qualquer área profissional que envolva criatividade, na moda também encontramos excelentes talentos. Eu e meu sócio, Júlio Andrade, viemos de áreas

profissionais distintas da moda. Movidos pelo gosto e o que a nova profissão poderia nos proporcionar, decidimos começar pelo masculino, facilitando nossa entrada no mercado”. Com o conhecimento que o estilista e seu sócio tinham como consumidores, foi possível iniciar o desenvolvimento da marca, seguindo um projeto pautado pela organização. “Acredito que colocar um produto no mercado deva respeitar critérios básicos, como qualidade, acabamento e preço. Mas o que diferencia é o design agregado a este produto”, explica. Akihito acredita que tais critérios fazem a diferença, tornando-os competitivos no mercado, ao qual ele reconhece ser extremamente concorrido. Na contramão do que muita gente deve imaginar Akihito fala sobre a atuação de um homem no cenário da moda, considerando dois cenários. No primeiro ele relembra que historicamente os homens participaram ativamente da moda, inclusive nos primórdios. “Moda é profissional, seja no Brasil, no mundo e na história das civilizações, podemos afir-

VOX 45


mar que eram os homens, em sua grande maioria, que dominavam o conhecimento, técnicas e criações”, enfatiza. Num segundo cenário, o estilista relembra grandes e conceituados nomes de homens da moda internacional na difusão desta arte. “Moda e consumo, em meados do século XIX, pelas mãos do inglês Charles Frederick Worth, nasceu o primeiro desfile de moda. Mais adiante, Coco Chanel contribuiu para o consumo massificado da moda feminina, pois simplificava o vestuário das mulheres e até usava de artifícios do guarda roupa masculino. Hoje, podemos contar com o auxílio de novas tecnologias e expansão para outros mercados, mas aspectos da indústria da moda, ainda possuem muito da essência e espírito inovador de Charles Worth”, relembra. Ainda sobre o ser masculino atuar profissionalmente no mercado de moda, Akihito contextualiza e afirma que o profissionalismo é o mais importante. “Hoje, todos os gêneros atuam democraticamente neste mercado. Quanto ao preconceito ou outra forma de repúdio a comportamentos, crenças, ideias, pensamentos etc., tanto nas profissões como na vida pessoal, opto sempre pelo respeito das diferenças e capacidades de cada pessoa e com isso ganho o respeito das outras pessoas também”. Ainda sobre moda, mas agora sobre tendência, o estilista fala o que virá com força nas próximas estações. “Uma tendência forte para as próximas estações, está relacionada à evolução digital e a necessidade de se reconectar ao analógico. O lado espiritual também é algo que se torna uma tendência. A memória afetiva e o desgaste natural em relação às coisas tangíveis criam recordações que ultrapassam

46 VOX

Akihito Hira e sua marca um simples registro fotográfico. O hedonismo (doutrina moral em que a busca pelo prazer é o único propósito) e o novo luxo seguem como tendências para as próximas estações”, diz. A marca que leva o nome do estilista lançará em breve a coleção inverno 2014, para ambos os sexos. Mas Akihito Hira prefere manter segredo sobre as novas criações. “Como sempre, preferimos pela expectativa que uma nova coleção não totalmente revelada cria entre nossos apreciadores e clientes”. Akihito ainda fala sobre outras atividades dentro do mercado da moda, realizadas em parceria com seu sócio. “Atualmente eu e meu sócio desenvolvemos workshops em Brasília, de um ou dois dias, todos voltados para profissionais que atuam em setores da moda fundamentais para um produto de qualidade e com diferencial.

Nessas oficinas o participante tem contato com várias técnicas inovadoras. Hoje, as principais e mais procuradas são Modelagem Tridimensional, Desenvolvimento de Coleção, Construção da Alfaiataria e Desenho Digital para Moda. Recentemente o etilista foi convidado a levar este projeto para Goiânia, com turma prevista para o primeiro semestre de 2014. O estilista afirma que tem projetos também para Adamantina e destaca o potencial da cidade. “Adamantina é nossa queridinha do interior de São Paulo e tem um potencial na produção para grandes marcas. Por isso decidimos que Adamantina e proximidades serão nossas próximas paradas para os cursos de verão”, revela. Possivelmente o projeto para a região deverá ocorrer já no inicio de 2014.

“Adamantina é nossa queridinha do interior de São Paulo e tem um potencial na produção para grandes marcas”, Akihito Hira


João Furlan, o luceliense que muda o conceito da MEDICINA NA REGIÃO

O médico luceliense João Augusto Fragata Furlan, proprietário da Santa Rita Diagnóstico Médico, se propôs a mudar a medicina na região por meio do atendimento ao alcance de todos

POR TAMYRIS ARAUJO

D

===

===

e promessa de um devoto à uma clínica médica, que pratica preços abaixo dos comercializados na região com amplo trabalho filantrópico. É assim que surgiu a Santa Rita Diagnóstico Médico de Osvaldo Cruz, Tupã e em breve Adamantina. Em um cenário em que a saúde nem sempre é considerada satisfatória no país e muitos criticam a qualidade do atendimento e tempo de espera, poucos dos que podem mudar essa realidade se dedicam ao desafio. O luceliense João Augusto Fragata Furlan, de 36 anos, se propôs

48 VOX

FOTOGRAFIA SANDRA KOBAYASHI

a mudar a medicina na região por meio do atendimento ao alcance de todos. Formado em 2000 pela Faculdade Evangélica de Medicina do Paraná, especializado em radiologia e pós-graduado em radiologia abdominal em Nova York, com experiência de 10 anos no Complexo da Fundação do ABC em São Paulo, há um ano o médico retornou para Lucélia com o propósito de trazer uma medicina diagnóstica de qualidade e ficar próximo da família. Com a responsabilidade de ser o primeiro médico da casa, ele conta que a paixão pela área surgiu ainda na infância. “Desde pequeno sabia que seria médico. Achava bonito

pessoas de branco e o respeito pela profissão, que hoje em dia nem se tem mais. E apesar de ser o primeiro da família, sempre tive todo apoio necessário em todas as minhas decisões”, afirma. Em 2012, de volta ao interior, o médico resolveu investir primeiramente em Osvaldo Cruz, por não ter nenhuma clínica nesta área na cidade e na região. “Se analisarmos de Panorama até Marília, encontramos poucas clínicas, mas nenhuma na mesma estrutura da minha, que surgiu para atender primeiramente as classes C e D, com preços abaixo dos praticados”. Furlan revela que o nome Santa Rita Diagnóstico Médico surgiu de


uma promessa feita logo que se formou. “Assim que peguei meu diploma prometi à Santa que sou devoto que quando tivesse uma filha daria à ela o nome de Rita de Cássia e à minha clínica de Santa Rita. E cumpri minhas promessas”. Católico praticante, Furlan conta que se tornou devoto após ser agraciado com um milagre aos 11 anos, quando o avô Abel Augusto Fragata Filho, de Adamantina, estava muito doente e uma vizinha lhe deu a oração da Santa. Com fé, ainda criança, ele orou, pediu a benção e recebeu o milagre e, desde então, se tornou devoto da Santa Rita de Cássia. Ligado ao lado religioso, a clínica Santa Rita desenvolve também um trabalho filantrópico com as Apaes (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) de Osvaldo Cruz e Lucélia e Lar dos Velhos de Adamantina e Osvaldo Cruz. “Conforme fui glorificado por Deus, que me deu uma família abençoada e um diploma, essa é a forma de ser grato por tudo o que Ele me fez. E vou fazer trabalho voluntário eternamente, enquanto a clínica existir, esse trabalho filantrópico existirá”. Furlan explica que as entidades foram escolhidas por desenvolverem um trabalho importantíssimo e sério na região. “Antes de definir

Aparelho de ressonância magnética de campo aberto - primeiro na região

“Assim que peguei meu diploma prometi à Santa que sou devoto que quando tivesse uma filha daria à ela o nome de Rita de Cássia e à minha clínica de Santa Rita”, João Augusto Furlan

pelas Apaes e Lar, fui saber como funcionava o atendimento dos pacientes, pois achava que tinham acesso livre para qualquer exame. Mas não, eles entram na fila do SUS (Sistema Único de Saúde) e esperam como um cidadão comum, e o pedido entra na fila e isso demora até anos. Se queriam algo mais rápido, eram obrigados a pagar. Agora não, fizemos um cadastro de pessoas atendidas pelas entidades citadas e elas têm acesso a todos os exames, inclusive laboratoriais que a Santa Rita Diagnóstico Médico também oferece, totalmente de graça”, afirma. São aproximadamente 800 pessoas beneficiadas e o médico pretende ampliar este serviço para mais entidades da região.

A clínica

Na contra mão dos médicos do interior. Assim Furlan é visto por muitos ao inovar com clínicas totalmente modernas, digitalizadas e 100% verde, sem uso de produtos químicos e reveladores. Outra novidade é a disponibilidade dos exames por internet, facilitando o atendimento do paciente, que em qualquer consultório ou mesmo de casa tem acesso aos resultados por meio de uma senha. A Santa Rita Diagnóstico Médico oferece aos pacientes desde

VOX 49


exames laboratoriais simples aos mais complexos, como radiologia, raio-x, ultrassom, mamografia, densitometria óssea, tomografia, ressonância magnética, espirometria, punções e biópsias. “Nenhuma clínica da região conta com um aparelho de ressonância magnética de campo aberto, como o da Santa Rita, pois nenhum empresário se atreveu a colocar um aparelho de tamanha complexidade e custo, não apenas da máquina, mas também de manutenção e operacional. E fomos além. A sala da ressonância conta com ambiente totalmente diferenciado e moderno, para que o paciente tenha mais conforto e se sinta mais à vontade, sem medo do exame, com som ambiente e teto iluminado, tudo de última tecnologia”, explica. O mesmo investimento será feito na clínica de Adamantina, que deve ser inaugurada até março e contará com novos exames, além dos já tradicionais da Santa Rita. “Vamos inovar ainda mais e trazer para região a primeira máquina de litotripsia - voltada principalmente ao tratamento de cálculos renais, e a medicina nuclear cintilografia – famoso ‘contraste’. Questionado sobre projetos, Furlan revela que é levar, até 2016, a Santa Rita Diagnóstico Médico para mais duas cidades (provavelmente Três Lagoas/MS e Dracena), chegando assim a cinco unidades da clínica e ampliando o atendimento na Nova Alta Paulista. “Vamos transformar a região em um importante centro de saúde, atraindo novos médicos e trabalhando para contribuir na melhora da qualidade de vida das pessoas que moram aqui. Porque a saúde é para todos”, afirma.

Entre as paixões, literatura clássica e filosofia Sobre as dificuldades frente aos negócios e ambição de mudar o conceito da medicina na região, João revela algumas, como denúncias anônima no CRM (Conselho Regional de Medicina) sobre os preços praticados. “Cobramos preços justos. Por que cobrar R$ 1.500 para um paciente fazer uma ressonância, se com R$ 350 é possível fazer o mesmo exame, com qualidade? Sobre lucro, temos lucros, pois se com a tabela SUS, que é a mais barata, é possível ter lucro, com outras superiores também teremos. Mas, por que cobrar 500% do paciente? Isso não é justo e a Santa Rita não faz”.

“Vamos transformar a região em um importante centro de saúde, atraindo novos médicos”, João Augusto Furlan

50 VOX

Com essa baixa nos valores, se comparado às clínicas regionais, muitos pacientes que ficavam anos na fila de espera do SUS, preferem pagar um preço acessível e fazer o exame na mesma semana que é solicitado. O médico recorda de uma das pacientes que atendeu e a história lhe marcou. “Fazia dois exames em uma tratorista de Flórida Paulista e, como de costume, perguntamos quem indicou a clínica e se gostou do atendimento. A resposta foi surpreendente. Ela disse que uma vizinha havia comentado da qualidade dos serviços prestados e dos preços praticados. Questionei ainda se valeu a pena sair de Flórida para vir à Osvaldo Cruz fazer dois exames, e ela me disse que a economia havia sido de R$ 180, valor que ela utilizaria para almoçar o mês todo”, conta Furlan. “Foi gratificante saber que por meio da minha clínica ajudo pessoas de alguma maneira”.


Além do homem de branco Filho de Maria de Fátima e Rui Furlan e pai dos pequenos João Augusto Fragata Furlan Filho, de 5 anos, e Rita de Cássia Gaspar Furlan, de 3 anos, Furlan destaca que a paternidade é um momento mágico e aproveita cada fase dos filhos. “Quando os dois estão comigo, aos finais de semana, desmarco meus compromissos para dar atenção à eles. Com certeza vale a pena cada momento com Joãozinho e Rita”, conta o pai coruja. Apaixonado por literatura, cinema e música, o paizão tenta desde cedo passar um pouco de suas paixões aos filhos, por meio de leituras e filmes infantis. “É desde cedo que temos que incentivar os filhos, por isso rezo com as crianças, leio historinhas, assisto filmes

Rita de Cássia e João Filho, orgulhos do paizão

e sempre deixo uma música ligada, para incentivar o bom gosto nos pequenos”. Furlan conta com um acervo de 11 mil volumes, sobretudo de literatura clássica e filosofia, sendo os seus livros prediletos Guerra e Paz, do Liev Tolstoi, e Tratado de Filosofia e Política, de Baruch de Espi-

“É desde cedo que temos que incentivar os filhos”, João Augusto Furlan

Charutos Cubanos, um dos hobbies de João Furlan

VOX 51


furlan Retrato de família: Fátima, João Filho, Melissa, Rita de Cássia, João Furlan e Rui nosa. Na literatura nacional, O tempo e o Vento de Érico Veríssimo. Tem 20 mil discos, ama jazz, música clássica e bossa nova, sendo o ‘queridinho’ a nona sinfonia do Beethoven. No cinema, tem 3.800 DVDs e curte Hitchcock, Stanley Kubrick e Ingmar Bergman, achando que o melhor filme fica para Um Corpo Que Cai, do Hitchcock.

Outra paixão que desde cedo é passada para o filho é o tênis. “Faço questão de incentivar Joãozinho a praticar o esporte, por isso levo o garoto no clube de Lucélia para já ter os primeiros contatos com a raquete”, explica. Furlan começou a jogar tênis na adolescência e nas horas livres se reúne com amigos para algumas partidas. Outro hobby são charutos.

“É motivo de orgulho saber que a minha irmã se espelhou em mim para cursar outra faculdade e seguir na mesma área”, João Augusto Furlan

52 VOX

Sempre que pode, Furlan vai para Cuba e, não resiste, traz para Lucélia diversos modelos de charutos. Outro orgulho da família para Furlan é a irmã, Anna Melissa Furlan, que fez administração de turismo e hotelaria, mas aos 28 anos se espelhou no irmão e resolveu cursar medicina, sendo que no próximo ano se forma e atuará na radiologia nas clínicas Santa Rita. “É motivo de orgulho saber que a minha irmã se espelhou em mim para cursar outra faculdade e seguir na mesma área. Ter ela na mesma clínica, nas empresas da família, vai ser uma grande satisfação”, relata.


VOX 53


tina Adaman

40 Confira os looks que farão deste verão o mais quente dos últimos anos

54 VOX


テ田ulos - Styl's - R$ 60,00 Camiseta - Styl's - R$ 141,00 Short - Styl's - R$ 349,00 Bolsa - Styl's - R$ 398,00 Sandテ。lia - Calce Bem R$ 272,90

VOX 55


テ田ulos - Styl's - R$ 60,00 Colar - Styl's - R$ 109,50 Regata - Styl's - R$ 54,50 Carteira - Studio 54 - R$ 129,00 Calテァa - Studio 54 - R$ 358,00 Sandテ。lia - Pテゥ Direito - R$ 229,90

56 VOX


Boné - Styl's - R$ 99,00 Camiseta polo - For Men and Girl - R$ 69,90 Bermuda - Styl's - R$ 249,00 Sapatênis - Calce Bem - R$ 279,90

VOX 57


Regata - For Men and Girl - R$ 55,00 Carteira - Studio 54 - R$ 149,00 Short - Styl's - R$ 256,00 Sandália - Calce Bem - R$ 152,90

58 VOX

Boné - Styl's - R$ 70,00 Óculos - Adrik - R$ 18,00 Camiseta - For Men and Girl - R$ 69,90 Bermuda - Empório da Moda - R$ 119,90 Sapatênis - Francis Calçados - R$ 219,90


Chápeu - Adrik - R$ 15,00 Biquini - Lingerie & Cia - R$ 84,90 Calça - Lingerie & Cia - R$ 139,90 Bolsa - Empório da Moda - R$ 89,90

Óculos - Styl's - R$ 60,00 Relógio - Adrik - R$ 25,00 Sunga - Lingerie & Cia - R$ 68,90 Bermuda - Styl's - R$ 249,90 Sandália - Francis Calçados - R$ 85,90

VOX 59


Óculos - Styl's - R$ 60,00 Colar - Styl's - R$ 98,50 Regata - Styl's - R$ 54,50 Saia - Studio 54 - R$ 379,00 Sandália - Pé Direito - R$ 279,00

60 VOX

Camisa - Styl's - R$ 209,00 Cinto - Empório da Moda - R$ 59,90 Calça - Styl's - R$ 249,00 Sapatênis - Francis Calçados - R$ 219,90


Óculos - Adrik - R$ 18,00 Camiseta - For Men and Girl - R$ 119,90 Relógio - Adrik - R$ 25,00 Calça - Styl's - R$ 295,00 Sapatênis - Francis Calçados - R$ 239,90

Chapéu - Empório da Moda - R$ 29,90 Vestido - Styl's - R$ 263,00 Carteira - Pé Direito - R$ 349,90

VOX 61


Bon茅 - Styl's - R$ 70,00 Camiseta - Emp贸rio da Moda - R$ 59,90 Sunga - Emp贸rio da Moda - R$ 75,90 Chinelo - Francis Cal莽ados - R$ 61,90

Biquini - Lingerie & Cia - R$ 132,90 Colar - Adrik - R$ 10,00

62 VOX


Camiseta polo - Styl's R$ 176,00 Cinto - Empório da Moda R$ 59,90 Calça Jeans - For Men and Girl R$ 289,90 Sapatênis - Calce Bem R$ 189,90

VOX 63


FICHA TÉCNICA PRODUÇÃO DE MODA E STYLING Rogério Grespi FOTOS Renan Saran MODELOS Raissa Belluzzo Miss Santo Anastácio 2011; Miss Turismo Oeste Paulista; Garota Destaque 2013 e classificada entre as 15 no Miss São Paulo 2012

Mayke Garbo Mister Santo Anastácio 2013; Garoto Destaque 2012 e disputará o Mister Brasil em 2014

CENÁRIO Fazenda Jacutinga de Vilma Andrade PRODUÇÃO EXECUTIVA Sérgio Vanderlei

64 VOX


Para você,

o que faz um

cirurgião ter

?

sucesso

• profissionalismo? • habilidade nas mãos? • humanização? • experiência na área?

VOX 65


C

ada dentista tem uma característica diferente. Alguns profissionais são conhecidos por cuidar apenas de aparelhos, outros por trabalhar com artistas. Têm aqueles que se dedicam à próteses, outros que trabalham apenas com doenças da boca, estética, tratamento de canal, entre outros. Entretanto, há aqueles que se diferenciam pelo atendimento humanista, habilidade nas mãos e anos de profissionalismo de sucesso. Carlos Alessandro Quinto é um deles, com características que lhe são peculiares, o mestre em clínica odontológica e especialista em cirurgia buco-maxilo-facial conta com 20 anos dedicados à odontologia e já fez aproximadamente 60 mil atendimentos, sendo mais de 10 mil intervenções cirúrgicas, tais como extrações, implantes, tracionamento dental, cirurgias periodontais, enxertos e outros. “Amo o que faço, e isso faz a diferença em um profissional. Para mim, a odontologia e o contato diário com meus pacientes são essenciais. A cada paciente conquisto um amigo”, relata Quinto. Com pacientes de todas as classes sociais, desde aqueles que podem pagar pelo tratamento até aqueles que lhe são encaminhados por entidades, Quinto já realizou em torno de 1.400 atendimentos gratuitos. Além disso, o profissional também faz parte da ‘Turma do Bem’, projeto em que dentistas atendem crianças carentes gratuitamente em seus consultórios. “Não podemos focar apenas em uma classe social. Atendo pessoas de todos os níveis sociais, com qualquer tipo de pro-

66 VOX

Alessandro Quinto, o dentista que

conquistou espaço na Nova Alta Paulista Com 20 anos dedicados à odontologia, Alessandro Quinto se destaca pelo atendimento humanista, habilidade nas mãos e experiência na área POR TAMYRIS ARAUJO

Alessandro Quinto já realizou mais de 60 mil atendimentos

===

===

FOTOGRAFIA SANDRA KOBAYASHI


O jardineiro José Vitalino da Silva destaca que toda a família é atendida na clínica A5 Implantes e Alessandro Quinto já se tornou um amigo

blema, sem nenhuma distinção. Em meu consultório todos são iguais e tratados com o mesmo carinho e respeito”, ressalta. O jardineiro José Vitalino da Silva, de 40 anos, é paciente atendido por Alessandro Quinto. Além dele, a esposa Aparecida de Fátima e as filhas Mayra (18) e Talita (14) também recebem atenção especial na clínica A5 Implantes. “Minhas filhas começaram a ser atendidas quando eram alunas do Iama e até hoje continuam com o Alessandro. Ele é um ótimo profissional e garanto que ‘quem têm dentes’ na minha família trata com ele e assim será sempre, pois confiamos no serviço e já nos tornamos amigos”, revela o jardineiro. Esse atendimento humanista, o maior contato pessoal, aliado a procedimentos com agilidade manual, fizeram de Alessandro Quinto um dos dentistas mais renomados da cidade, considerado um artista da odontologia.

“Muitos que chegavam em meu consultório tinham trauma de dentista. Com o meu jeito de trabalhar e carinho de toda equipe, consigo fazer com que a tarefa de ‘ir ao dentista’ se torne algo prazeroso aos pacientes da A5 Implantes”, relata. Sônia Helena Beraldi Cunha, de 50 anos, é uma das pacientes que afirma: “tinha trauma de dentistas”. Há mais de cinco anos, a senhora percebeu que com profissionais essa realidade podia ser diferente. “Morria de medo de consultório. Agora, já superei esse trauma e tenho total confiança no meu dentista, o Alessandro Quinto. Criamos um laço de amizade e vir até a A5 Implantes não é uma tarefa chata para mim”, afirma. Além dela, o esposo Carlos Henrique, os filhos, mãe e amigas são pacientes de Quinto, pois Sônia faz questão de indicar o dentista para todos os conhecidos.

“Amo o que faço, e isso faz a diferença em um profissional. Para mim, a odontologia e o contato diário com meus pacientes são essenciais. A cada paciente conquisto um amigo”, Alessandro Quinto

VOX 67


Implantes Conhecido por sua habilidade e tendo trabalho respeitado por colegas cirurgiões da área de implantes, Alessandro Quinto é um dos dentistas aprovados por clientes e amigos adamantinenses e de toda região. Toda essa experiência na área fez com que Quinto fosse escolhido por Íris Stefanelli durante passagem por Adamantina na Semana da Moda para tratamento odontológico. “Íris, e sua família, de Tupã, estiveram em meu consultório para uma avaliação odontológica e em breve mais parentes próximos serão atendidos pela A5 Implantes”, ressalta. Especialista em implantes, ele explica que o método é o que tem de mais seguro e duradouro no tratamento para reposição de dentes perdidos, pois se asse-

melham muito ao dente natural. São pequenos parafusos que têm como finalidade repor a raiz de um dente perdido. As raízes dentais são sustentadas pelo osso maxilar. Quando se perde um ou mais dentes, este osso perde sua função e é absorvido pelo organismo alterando toda a estrutura da face. Os implantes dentários são os únicos que agem como as raízes, evitando que essa absorção ocorra. Dessa maneira, os implantes também podem funcionar como retenção para as dentaduras que não se adaptam bem à boca. O implante promove uma melhora na qualidade de vida devolvendo a aparência do sorriso, proporcionando segurança, conforto durante a mastigação e fala, eliminado, assim, muitas

inseguranças associadas às dentaduras e pontes móveis. Sobre risco de rejeição, o profissional descarta e explica que rejeição é um processo que só acontece em casos de transplante de órgãos e tecidos (rins, coração e outros) quando o organismo reage identificando aquele órgão como um corpo estranho. “Com os implantes dentários isso não acontece, pois o metal utilizado para sua fabricação é inerte, ou seja, ele é compatível com o organismo. Quando o implante é colocado ocorre uma integração do metal com o osso, chamada de ‘osseointegração’”, explica Quinto. O dentista destaca que em casos em que há insucesso de um implante, não acontece há ‘osseointegração’.

“Tinha trauma de dentistas, mas agora já superei esse medo e tenho total confiança no meu dentista, o Alessandro Quinto”, Sônia Helena Berlandi

68 VOX


A BBB Íris Stefanelli, durante passagem na Semana da Moda, escolheu Alessandro Quinto para realizar tratamento

Inaugurada em Adamantina em 2011, a A5 Implantes Clínica de Odontologia completa 2 anos de sucesso. “A A5 Implantes veio de encontro com as necessidades de termos em nossa cidade uma clínica

especializada em restabelecer a saúde bucal de um modo integral com especialistas em diversas áreas da odontologia”, afirma Quinto. Além de Alessandro Quinto - mestre em clínica odontoló-

gica e especialista em cirurgia buco-maxilo-facial, atuam na clínica também Natália Ferrari – especialista em endodontia, e Gustavo Henrique Quinto – ortodontia e especialista em radiologia e estomalogia.

Rua Fioravante Spósito, 272 (Em frente a farmácia da Unimed)

(18) 3521-2951 VOX 69


POR AUGUSTO SANTOS ===

===

FOTOGRAFIA ARQUIVO PESSOAL

N

a maioria dos casos, munidos pelo desejo de melhorar o local onde vive, dar conforto ou melhorar a vida de quem necessita, o voluntário se propõe a colaborar e vivenciar novas experiências. Partindo desta premissa, o voluntariado cresce em larga escala por todo o mundo, incluindo no Brasil. A região também tem bons exemplos do trabalho voluntário, como acontece em Lucélia. Aos 68 anos, a aposentada Elsa Inês Stasiak exerce plenamente o serviço voluntário, de tal forma, que a atividade está incorporada ao seu cotidiano e tornou-se quase que uma obrigação. O trabalho que Elsa realiza é amplo, indo desde orientações e conselhos a quem os solicita, até o acompanhamento de pessoas idosas à consultas médicas. “Sou filha de pais que participavam de trabalhos voluntários. Meu pai, um maçom e rotariano, minha mãe, bastante religiosa. Fui criada em um lar em que o "servir" era rotina. Com tal criação, mesmo sem me dar conta, já estava no trabalho voluntário”, diz.

70 VOX

Elsa Inês Stasiak com o artista plástico Moacyr Ferraz

Para ela, o maior beneficio é para quem serve, mais do que para quem recebe. “Desde muito cedo presto trabalhos voluntários, porém, com o passar dos anos, aposentadoria, falecimento do meu esposo, filhos estudando e trabalhando fora; tudo deixaria uma grande lacuna em minha vida. Mas os trabalhos voluntários já estavam me ocupando o tempo de forma saudável”. Entre os vários trabalhos voluntários que realiza alguns ganharam destaque. “O mais conhecido é o trabalho que realizo junto ao artista plástico Moacyr Ferraz, que faz pinturas com os pés. Por ele ser muito popular, obteve reconhecimento por sua arte em todo o Brasil”, explica. Elsa também colaborou para que um jovem conseguisse estudar

música fora do país, além de ser presença constante em atividades voluntárias junto à Casa da Sopa e à Apae, onde atualmente integra a diretoria e é sócia contribuinte. A aposentada ainda é colaboradora de outras entidades: Lar São Vicente de Paula, Rede de Combate ao Câncer, Arca (Associação dos Portadores de Doenças Renais Crônicas) e Hospital do Câncer de Jaú. “Nós somos o resultado do meio em que vivemos e que fomos criados. Um bom berço fará bons prestadores de trabalhos voluntários. Há pessoas que tem vocação, tem sensibilidade e amor ao próximo. Pessoas que praticam alguma religião, não importa qual professem, sempre serão pessoas abertas ao voluntariado”.


QUALIDADE & PRATICIDADE

O alicerce certo para sua construção.

Estribos de engate rápido Corte, dobra e armação com

sistema automático na medida exata. • Eliminação de perdas • Dispensa solda e arame com pontas • Qualidade e praticidade • Redução de 80% no custo • Produção sob medida da mão de obra

Rua Mário Covas, 265 - Inúbia Paulista - SP

Tel.: 18 3556.9020

www.estribosfumiya.com.br

VOX 71


PÉ DIREITO de Adamantina celebra cinco anos fazendo a diferença

Loja comemora cinco anos de sucesso em Adamantina com nova estrutura e logomarca, mais modernas e sofisticadas

72 VOX


Q

A empresária Josi Mari e sua nova loja Pé Direito

ue mulher não gosta de calçados? E de estar antenada às novidades? E quando isto se completa com uma loja moderna, na moda e com atendimento diferenciado. Quem não gosta? Sim, tudo isso é possível na Pé Direito Calçados de Adamantina, que celebra cinco anos em novembro fazendo a diferença no comércio local. Para evidenciar a data, um refinado coquetel marcou a reinauguração de uma das mais sofisticadas lojas de calçados da região. De cara nova, a loja não deixa a desejar a qualquer loja de shopping. A reformulação foi completa: iluminação, móveis, fachada e até a logomarca, totalmente reformulada. Segundo a proprietária, a empresária Josiani Mari, a nova identidade traduz leveza, sofisticação e exclusividade, ao utilizar uma tipografia mais fina, única, desenvolvida especificamente para a marca que acompanha as tendências mundiais das marcas de luxo. A assinatura da nova Pé Direito ficou a cargo do conhecido arquiteto Ricardo Barbiero e do designer português André Rego de Oliveira. Multimarcas, a Pé Direito comercializa as principais marcas de calçados e bolsas brasileiras – muitas presentes em vários países e destaques nos editoriais das revistas especializadas em moda feminina. Além dos excelentes produtos e do ambiente agradável, a empresa tem o propósito de sempre inovar, seja nos produtos, na comunicação ou na própria estrutura física. Inclusive já foi destaque na Rede Globo (TV Fronteira), em uma matéria sobre o papel das

VOX 73


Fatos e Fotos

redes sociais. Na época, foi a primeira empresa em Adamantina e uma das primeiras na região a inovar e oferecer um canal direto com as clientes por meio deste recurso. E a inovação não parou por ai. A Pé Direito foi a pioneira também no Twitter e nos aplicativos Instagram e Whatsapp, oferecendo sempre um meio rápido e prático de comunicação com o cliente, que está sempre antenado com as novidades e tecnologias. Com isso, a Pé Direito se torna uma empresa diferenciada, por oferecer um conceito único para Adamantina e região, proporcionando aos clientes um ambiente refinado em sintonia com o mundo da moda e a tecnologia. “As mulheres se encantam com nossos calçados e toda esta magia também deve estar presente no ambiente que esta cliente é recebida. Como consumidora, sempre observei em grandes centros uma oferta maior de produtos diferenciados e estruturas modernas. E receber elogios por fazer a diferença é um prazer enorme”, destaca a

74 VOX

empresária Josi. Também fazem parte do grupo as lojas Pé Direito Osvaldo Cruz e a tradicional Francis Calçados, que comemora 10 anos de igual sucesso, com uma gama de produtos nas linhas masculina, feminina e infantil.

(18) 3521-5152

Av. Deputado Salles Filho, 380 Facebook

Twitter

lojapedireto

pe_direito

Whatsapp

(18) 9 8131-3200

Instagram

@pedireito

Nova Pé Direito de Adamantina conta com estrutura moderna para atender clientes


Obesidade, a doença do estilo de vida De um lado, crianças obesas que brincam apenas de ‘tecnologia’ sem praticar exercícios físicos. De outro, adultos à procura de métodos rápidos para perder peso, como cirurgias e remédios. Realidade que pode ser mudada com determinação, reeducação alimentar e prática de exercícios físicos

POR TAMYRIS ARAUJO FOTOGRAFIA SANDRA KOBAYSHI E JORGE MUNHOS ===

S

e você não é, provavelmente tem alguém na família ou conhece um obeso. Atualmente, o que se vê: de um lado crianças com excesso de peso que brincam apenas de ‘tecnologia’ sem praticar exercícios físicos; de outro, adultos à procura de métodos rápidos para perder peso, como cirurgias e remédios. Realidade que pode ser mudada com determinação, reeducação alimentar e prática de exercícios. Segundo a ‘Internacional Obesity Task Force’, 10% da população mundial na faixa etária de 5 a 17 anos está com excesso de peso, constituindo o mais frequente distúrbio da nutrição nos países industrializados. Além disso, entre crianças de 5 a 9 anos,

76 VOX

===

mais de 33% estão com excesso de peso. A obesidade é maior na área urbana do que na rural e em crianças que estudam em escolas privadas e são unigênitas. De acordo com Luciana Braga Lucianetti, nutricionista clínica, oncológica e personal diet, a obesidade é uma doença crônica que se caracteriza pelo acúmulo excessivo de gordura no organismo, acometido por um distúrbio do metabolismo energético que ocorre pela interação de fatores genéticos e ambientais, acarretando graves repercussões orgânicas e psicossociais. A profissional explica que crianças ou adolescentes obesos têm grande possibilidade de se tornarem adultos obesos, cercados de todas as complicações, tais como síndrome metabólica, doença cardiovascular, hiper-


tensão, diabetes, dislipidemias, artroses; depressão, desprezo e discriminação social, menor renda per capita, piora na qualidade de vida; complicações gestacionais, diabetes gestacional, pré-eclâmpsia e outros. “Por isso, os profissionais da área acreditam que a prevenção da obesidade deva ser iniciada durante período intrauterino, com adequação nutricional da gestante. A quantidade e qualidade dos nutrientes recebidos pelo feto influenciam no seu

desenvolvimento e no surgimento de futuras doenças”, afirma Luciana. A nutricionista orienta que o leite materno exclusivo até os seis meses e complementando a partir dessa idade funciona como proteção contra a obesidade. Na impossibilidade do aleitamento materno, deve-se buscar fórmulas infantis com proteínas adequadas, pois a ingestão excessiva aumenta níveis de hormônios propiciando crescimento acelerado.

Alimentação precoce

“Crianças ou adolescentes obesos têm grande possibilidade de se tornarem adultos obesos, cercados de todas as complicações”, Luciana Lucianetti

Outro detalhe ressaltado por Luciana é quanto à introdução da alimentação complementar, como sucos, frutas e papas, que não deve ser precoce. “A indicação é que aconteça sempre depois do quarto mês de vida”, alerta. Esse conceito de alimentação saudável desde o ventre é explicado e debatido na pesquisa “Mil dias que definem a saúde futura da criança”, que engloba os períodos compreendidos do crescimento intrauterino (período gestacional normal de 280 dias) e os dois primeiros anos de vida (720 dias). “As crianças já colhem os ‘frutos ruins’ da doença mesmo com pouca idade, sendo muito acometidas por alterações ortopédicas e dermatológicas, apnéia do sono, hipertensão arterial, distúrbio do metabolismo da glicose, dislipidemias, doença gordurosa do fígado não alcoólica, além dos prejuízos psicossociais provocados pelo estigma da doença, por isso orientamos uma alimentação saudável desde o ventre”, ressalta a nutricionista.

VOX 77


Tecnologias O que contribui e muito para este número tão crescente de crianças e adolescente obesos é o acesso mais fácil aos alimentos ricos em açúcares simples e gorduras, assim como os avanços tecnológicos, como computadores e videogames, que levaram parcela da população a diminuir drasticamente a prática de exercícios físicos. Outra relação importante observada foi a baixa ingestão de frutas, verduras, legumes e a redução no consumo de leite e derivados, alimento rico em cálcio, mineral responsável pelo fortalecimento ósseo e ‘lipóplise’ (quebra da molécula de gordura). “Nesse âmbito podemos observar que os pais deveriam colaborar para a prevenção e tratamento, oferecendo aos filhos um ambiente menos obesogênico, e adquirindo alimentos menos industrializados, pobres em gorduras saturadas/ sódio/açúcares, isentos de gorduras trans e ricos em fibras. Essa regra vale inclusive para os filhos com peso adequado, por serem alimentos muito mais nutritivos. Ou seja, acaba assim a polêmica do que fazer se eu tenho um filho magrinho e outro gordinho. Todos devem consumir alimentos frescos e saudáveis”, explica.

Outros métodos

Luciana afirma que, para conter todo esse quadro desesperador que pais e familiares da criança obesa se encontram, muitos procuram técnicas secundárias mais agressivas, como medicações e cirurgias bariátricas, afim de resolverem logo a situação. “Mal sabem que o problema somente começou”, alerta. Em 2003 foram realizadas 17.780 mil operações bariátricas, sendo 1.780 pelo SUS (Sistema Único de Saúde) e no particular 16 mil. Já em 2010, esse número saltou para 60 mil cirurgias bariátricas, aproximadamente 333 % a mais de crianças de 5 a 9 em sete anos. anos têm excesso de Luciana ressalta que as medipeso cações liberadas ao público juvenil de meninos e 11,8% das (maiores de 12 anos), entre elas meninas estão obesos Sibutramina e Orlistat, no Brasil, dos adolescentes de 10 devem ser utilizadas sob monitoa 19 anos são obesos ramento médico especializado. Os para 19% foi o aumento efeitos colaterais existentes são de peso em jovens no diversos e aumentam de acordo período de 35 anos com a dose utilizada. Já os procedimentos cirúrgicos ficaram obesos 3x mais homens nas últimas três decadas (operações bariátricas) utilizados no

OBESIDADE em números 33,5% 16,6% *Dados do POF/IBGE, 2008-2009

Luciana Lucianetti alerta que 16% dos meninos são obesos e avanços tecnológicos têm levado crianças a diminuir a prática de atividades físicas

21,5% 7,6% 78 VOX

controle da obesidade, feitos por um mecanismo de restrição e/ou mal-absorção dos alimentos ingeridos, se mostram bastante eficazes no tratamento da doença com efeitos colaterais mais brandos, porém, estudos a longo prazo revelam que dependendo da técnica utilizada, os pacientes retomam o ganho de peso após 2 ou 10 anos. Além disso, observa-se que a supressão do vício de comer é substituído muitas vezes por outros, como álcool, cigarro e jogos. “Não me posiciono contra as medidas farmacológicas ou cirúrgicas para redução de peso, e consequentemente tratamento da obesidade, desde que obrigatoriamente a criança, adolescente ou adulto, sigam uma orientação dietoterápica, mude seu estilo de vida através de medidas comportamentais e pratique com regularidade exercícios físicos. Acredito e apóio técnicas combinadas desde que o paciente realmente necessite delas”, afirma Luciana Lucianetti.


Pastoral da Criança Sabendo da importância de se começar a educar desde cedo para diminuir o número de adultos obesos no futuro, a Pastoral da Criança, órgão da Igreja Católica, que antes cuidava apenas da desnutrição, já acompanha e orienta também sobre a obesidade. De acordo com a entidade, a saúde da criança brasileira de baixa renda melhorou muito. Os desafios da Pastoral da Criança parecem hoje, diferentes do que eram na sua fundação, há 30 anos: há menos mortes, desnutrição, infecções, o SUS (Sistema Único de Saúde) agora é para todos. No entanto, doenças crônicas em adultos aumentam a cada dia. E, muitos desses problemas, começam na gestação. “Os primeiros mil dias de vida (gestação até dois anos) contribuem com nossa saúde durante toda vida. Por isso, é essencialmente neles que trabalhamos. Temos orientação e acompanhamento mensal em seis bairros de Adamantina, totalizando aproximadamente mil crianças atendidas”, explica a coordenadora Fátima Aparecida Bettio Martins,

Crianças aprendem a comer corretamente desde cedo

Pastoral realiza acompanhamento com pesagem mensal de gestantes e crianças

da Paróquia de Santo Antônio. Silvia Maria Batiston Marcolino, da Paróquia Nossa Senhora de Fátima, ressalta que a Pastoral da Criança, sabendo da importância da alimentação correta desde a gestação, faz o mutirão em busca das gestantes. Durante o acompanhamento, as futuras mamães aprendem sobre uma gestação saudável e quais cuidados precisam ter desde o início para que os filhos tenham saúde dentro da barriga, durante o parto e principalmente nos primeiros anos, fundamentais para toda a vida.

“Nas comunidades que atendemos não temos nem desnutrição nem obesidade. Mas, em todos os lugares temos crianças dedicando mais tempo aos jogos eletrônicos e TV e deixando as brincadeiras que estimulam a prática de algum exercício de lado. Por isso, durante nossas orientações, incentivamos e brincamos de queima, pulamos corda, amarelinha e outros jogos do tipo para que as crianças voltem a gostar dessas atividades”, explica Fátima. A Pastoral da Criança da Paróquia de Santo Antônio realiza o acompanhamento com pesagem mensal das crianças dos bairros Mário Covas, Jamil de Lima, Parque do Sol, Jardim Adamantina e Jardim Ipiranga. Já a Paróquia Nossa Senhora de Fátima realiza o mesmo trabalho no Jardim Brasil. Além disso, para orientar as famílias, Fátima ressalta que a Pastoral da Criança de Adamantina, juntamente com o Centro de Saúde do município, desenvolveu cartilhas e informativos com dicas e receitas de uma alimentação barata, saudável e de qualidade, distribuídas gratuitamente nas comunidades assistidas.

VOX 79


Não deixe problemas

de visão

ATRAPALHAR SUA VIDA Apesar de ocorrer com maior frequência em pessoas da terceira idade, a catarata pode surgir no nascimento ou em decorrência de algumas doenças secundárias, como a diabetes, ou ainda pelo uso não prescrito de colírios POR TAMYRIS ARAUJO

===

===

FOTOGRAFIA SANDRA KOBAYASHI

O médico Tairo Hosoume em sua clínica

80 VOX


A

visão é um dos sentidos mais importantes e é por meio dela que temos contato com o mundo exterior. Entretanto, algumas ‘doenças nos olhos’ podem prejudicar a visão, e quando tratadas, podem ser curadas. O oftalmologista adamantinense Tairo Hosoume, explica que a catarata é a maior causadora de cegueira no mundo e é uma patologia, que com o devido tratamento apresenta grandes chances de reversão. “O problema afeta principalmente a terceira idade, mas pode surgir no nascimento e decorrente de doenças secundárias, como a diabetes, ou ainda pelo uso indevido de colírios sem prescrição médica”, alerta.

Íris

Vítreo Retina

Córnea

Mácula

Pupila

Nervo Óptico

Cristalino

Coróide

Esclerótica Corpo Ciliar

O que é catarata? Para enxergarmos é necessário a luz atravessar a córnea, humor aquoso (líquido transparente, que preenche o espaço entre a córnea e a íris), pupila, cristalino, humor vítreo (gel transparente situado entre o cristalino e a retina), e alcancar a retina. Todas essas estruturas são totalmente transparentes e qualquer perda de transparência a visão é

prejudicada e a pessoa enxerga embaçado. A córnea é a primeira camada na frente dos olhos; o cristalino é uma lente que foca as imagens; e a retina é a camada mais interna, que recebe as imagens e envia para o cérebro, através do nervo óptico. Pupila ou “menina dos olhos” é uma abertura central e arredondada da íris, que dá cor aos olhos. O olho pode ser comparado a uma máquina fotográfica. O cristalino é como a lente e a retina é como o filme. Se a lente estiver suja ou embaçada as fotos não terão nitidez. A catarata é uma doença em que o cristalino fica opaco e embaçado e

Olho normal - cristalino sem catarata foca luz na retina

Olho com catarata - não permite que a luz atinja a retina nitidamente

a luz não chega à retina. Muitos pacientes confundem a catarata com pterígeo, uma membrana que se desenvolve nos cantos dos olhos, que sobe na córnea, podendo atingir a área da pupila. Tipos de catarata “Todos nós teremos catarata, alguns precocemente e outros tardiamente”, afirma Tairo. Quando esta patologia aparece em recém-nascidos, denomina-se de catarata congênita, os quais as mães tiveram rubéola ou toxoplasmose durante a gestação. A catarata também pode resultar de traumas, causados por pancadas muito fortes. Ainda, pode estar associada a doenças inflamatórias dos olhos e ao uso indiscriminado de colírios a base de cortisona. A mais comum é a catarata senil, que acontece em pessoas acima dos 50 anos, podendo ocorrer antes dessa idade. Felizmente a catarata congênita pode ser diagnosticada logo após o nascimento, através do teste do olhinho. A própria mãe perceberá que a pupila do bebê é esbranquiçada. Quando isso ocorre, a criança deve ser encaminhada ao oftalmologista visando um diagnóstico mais preciso. Se constatada, a cirurgia deve ser realizada o quanto antes. “Quanto mais cedo for a cirurgia,

VOX 81


mais chances de enxergar”, orienta o profissional. O tratamento Não há tratamento para catarata, somente a cirurgia. Antigamente, a cirurgia era feita quando a catarata já estava em estágio avançado e denominava-se de madura. No método antigo, anestesiava-se com injeção e uma abertura de 10mm era feita, para que se retirasse a catarata inteira e implantava-se uma lente intraocular (LIO) dura. A cirurgia era fechada com oito pontos, ainda eram necessários curativos, internação de 5 dias e repouso absoluto. Atualmente a cirurgia é feita com anestesia por colírio, a abertura é de apenas 3mm; implanta-se uma lente mais flexível, introduzida dobrada e abrindo dentro do olho. Não são necessários pontos, curativos e o repouso é relativo. Uma pessoa idosa que não enxerga placas de ruas ou estradas, não consegue ler legendas na TV, enxerga objetos deformados ou círculos coloridos em volta das luzes, pode estar com catarata. Uma pessoa que não enxerga bem ou já sabe que tem catarata, deve procurar o oftalmologista, fazer um exame completo com medida da Acuidade Visual, microscopia para descartar outras doenças, verificar a pressão intraocular e fundo do olho

82 VOX

A catarata congênita, pode ser diagnosticada após o nascimento, através do teste do olhinho

e calcular a LIO que será implantada. A cirurgia não vem como solução para banir o uso dos óculos. Após o procedimento, pode ser necessário o uso dos mesmos ou lentes de contato, pois o calculo da LIO é impreciso e aproximado e depende de vários fatores. Poucos pacientes sentem mal-estar durante a cirurgia. Neste caso, a cirurgia é feita com sedação por anestesista. O procedimento é indolor e somente a manipulação será perceptível. Para alcançar a catarata, é feito na córnea uma abertura de 3mm. Pela abertura é feita a retirada da cápsula anterior, fragmentação do núcleo com ultrassom e aspiração. A seguir é implantada a LIO artificial, apoiada na cápsula posterior. Vale lembrar que ainda não existe cirurgia de catarata a laser.

incômodos passam após poucos dias. Após a cirurgia é necessário o uso de antibióticos, analgésicos e colírios antibióticos e anti-inflamatórios, conforme prescrição médica. É importante a higienização das mãos para evitar infecções. Ao tomar banho, lavar o rosto e enxaguar os olhos com delicadeza, para prevenir deslocamento da LIO. É necessário apenas repouso relativo, podendo exercer atividades com cautela, evitando carregar pesos e contato com poeira, fumaça e vento. “Para fazer a cirurgia de catarata o cirurgião necessita de muito estudo, conhecimento, habilidade e treino. Apesar de ser rápida, todo cuidado é pouco”, destaca. Tairo alerta que complicações ocorrem em menos de 1% dos operados. Caso a córnea não desinflaO pós-operatório me com o tratamento, é necessário No pós-operatório o paciente o transplante. Se houver ruptura e poderá sentir alguma dor, raspação, desprendimento da cápsula poderá lacrimejação e embaçamento. Os ser necessário o implante de uma LIO de câmara anterior. A LIO no vítreo e descolamento de retina são encaminhados para um retinólogo. Para a cápsula posterior opaca é preciso fazer limpeza com Yag Laser, após três meses da cirurgia. A complicação mais temida é a infecção dentro dos olhos, que pode levar a perda da visão. “Tanto o médico como paciente precisam estar preparados para enfrentar tal situação. É muito triste para o médico ver que a cirurgia não teve o sucesso desejado e para o paciente que não houve a melhora esperada”, finaliza.


Glauber Rocha Violonista luceliense conquista espaço na música clássica

Dono de um talento peculiar, jovem deixou o interior paulista aos 18 anos em busca de conhecimento e espaço. Hoje faz sucesso participando de concertos ao lado de renomados nomes da música

POR TAMYRIS ARAUJO

C

onquistar espaço no concorrido mundo da música não é para muitos. Na música clássica, então, se torna ainda mais raro. Entretanto, quando o talento fala mais alto e o esforço e a paixão são levados a sério, a combinação é certa – sucesso. Glauber Rocha de Oliveira Garcia, 27 anos, violonista. O jovem, que leva o nome de Lucélia para o mundo é orgulho para a cidade, considerado um dos expoentes da nova geração de violonistas brasileiros. Sempre incentivado pelos pais José Carlos Aleixo Garcia e Vera Lúcia, Glauber iniciou seus estudos musicais no piano com 5 anos, aos 12 passou a estudar violão com o professor Aparecido Dias dos Santos. Graduou-se em 2009 pela Universidade de São Paulo, tendo como orientador o professor Edelton Gloeden. No mesmo ano, em sua primeira participação em concursos internacionais, obteve por unanimidade o primeiro prêmio no ‘Agustin Barrios World WideWeb’. Como camerista e concertista vem apresentando-se em salas importantes dentro e fora do país, tais como Kleiner Konzertsaal, Carl-Orff-Saal e Black Box no Gasteig em Munique, Teatro Nacional de

84 VOX

===

===

FOTOGRAFIA ARQUIVO PESSOAL

Asunción, Teatro Municipal de Cartago- Costa Rica, Instituto Cervantes de Munique, Conservatório Felgueiras - Porto em Portugal, MASP, Anfiteatro Camargo Guarnieri (USP), Sesc Pinheiros (SP), Teatro Rondon Pacheco em Uberlândia, Teatro da Urca em Poços de Caldas, Teatro Municipal de Presidente Prudente, Auditório Onofre Lopes (UFRN), Teatro do Conservatório Pernambucano de Música, Teatro da Universidade da Paraíba, Sesc Vila Mariana (SP), Teatro Minaz em Ribeirão Preto, Teatro Municipal de Araraquara, entre outras. Em 2008, participou do 1º Festival Internacional Leo Brouwer (SP), quando teve a honra de trabalhar com o consagrado violonista, compositor e maestro Leo Brouwer, integrando o grupo que fez a primeira audição no Brasil de ‘Los Negros Brujos se Diverten’ do mestre cubano. Após se formar em 2009, o jovem músico continuou os estudos em São Paulo por um ano e, ao mesmo tempo, fez concertos e festivais. Em 2010 retornou para Lucélia, onde ficou por alguns meses estudando e, claro, aproveitou para fazer recitais na região. No mesmo ano, foi convidado para ser o concertista internacional no primeiro festival de guitarras da cidade de Cartago, na Costa Rica, próxima a atual capital, San José. “Foi uma experiência incrível, uma oportunidade única logo no

início da carreira”, ressalta. Durante esse período, Glauber tentava uma bolsa de estudos para Alemanha, mas em 2010 não conseguiu. 2011 foi o ano das realizações para o jovem luceliense. “Tudo aconteceu de maneira perfeita, consegui patrocínio para os seis primeiros meses em Munique, com as economias dos concertos e apoio dos familiares, em junho fui para Munique fazer a prova para entrar no mestrado. Para minha alegria fui aprovado”, recorda. Nos poucos meses que restavam para o início das aulas, Glauber voltou para o Brasil e teve a oportunidade de fazer concertos no Nordeste, Campina Grande, Natal e Recife. “Depois de concertos pelo Nordeste, toquei pela primeira vez em minha cidade, Lucélia, e fui definitivamente morar na Alemanha, onde estou até hoje, em Munique”. Atualmente, o jovem retorna a ‘Capital da Amizade’ uma ou duas vezes por ano, para rever familiares e amigos e, é claro, dar uma ‘palhinha’ na região. “Aqui tive experiências com a música que jamais havia tido, nos meus primeiros três meses em Munique, assisti concertos de Martha Argerich, Daniel Barenboim, Grigory Sokolov, Evgeny Kissin, John Eliot Gardiner e Gidon Kremer. Bom, não tem jeito melhor de começar um mestrado em performance, tendo a chance de assistir do lado de casa,


músicos deste calibre”, revela. No primeiro semestre de 2013, Glauber Rocha foi recitalista convidado em prestigiadas séries de música de câmara na Alemanha e Brasil: em Munique, Virtuoses de la Guitarre e Winners & Masters. Em São Paulo, Araraquara e Ribeirão Preto: Movimento Violão. Em novembro, o jovem luceliense foi convidado para mostrar um pouco de seu talento no IV Festival Internacional de Violão Leo Brouwer, ao lado de grandes nomes do violão mundial, dentre eles David Russel, Jonathan Leathwood, Duo Assad, Ana Vidovic e Jorge Caballero. Neste mesmo mês, ele termina o mestrado em performance musical em Munique, solando o famoso “Concierto de Aranjuez” de Joaquin Rodrigo, Sonata em A Maior de Niccolò Paganini e Fantasy-Divisions de Stephen Dodgson. “Busco a cada dia crescer como músico, independente de estar ou não com o violão na mão, procuro ser músico 24 horas por dia”. Glauber Rocha é endorser das cordas Hannabach e cursa o Master of Music com o professor Franz Halasz na Hochschule Für Musik und Theather em Munique. Sobre o talento, que lhe é peculiar, Glauber revela acreditar ser uma mistura de valores e atitudes. “A vontade de crescer como músico é algo que devemos cultivar a todo instante. O talento e a aptidão para música são a ‘porta de entrada’. Trabalhar para crescer a cada dia é o mais importante”, revela.

O violonista Glauber Rocha - talento nato

VOX 85


86 VOX


móveis de demolição, a moda não é passageira

R

ústico e sofisticado. Simples e elegante. Antigo e moderno. Apenas algumas das características dos móveis de demolição que estão na moda, tanto por serem ecologicamente correto, quanto pela beleza e fácil adaptação em qualquer ambiente. E a tendência do rústico tem espaço garantido devido à qualidade do material utilizável e pela modernidade que traz ao ambiente, além do bom gosto e versatilidade, com misturas de tecidos, enfeites, ferro, aço, alumínio e outros, o móvel se torna mais elegante. De acordo com Demêtrio Roberto da Silva e Claudinei Martinez, da Martinez Demolições, os móveis rústicos combinam tanto com ambientes modernos e sofisticados quanto com espaços rústicos. “Nem sempre são peças clássicas ou com estilo rústico ligado à fazenda, pois podemos produzir peças retas ou com traços modernos, manter a cor da demolição ou não. Temos uma enorme variedade dentro dos móveis de demolição”, explica Demêtrio. A rusticidade e o requinte na decoração são características fortes dos móveis. Além disso, a responsabilidade

ecológica através do reaproveitamento, a resistência e durabilidade das madeiras, são outros atrativos. Os móveis de madeira de demolição são feitos também de acordo com cada projeto, acompanhando estilos e gostos variados. Os empresários explicam que apesar de terem grande diversidade à pronta entrega, muitas peças são produzidas sob medida, e isso tem chamado a atenção de clientes em todo o Brasil. “É difícil encontrar empresas que façam móveis deste tipo sob medida. A demanda é grande e temos vendido para outros estados, pois fazer uma peça adequada ao espaço do cliente é um diferencial procurado”, diz. Além do acabamento natural bastante valorizado, a empresa trabalha com móveis rústicos de madeira reciclada com fino remate que, apesar de ser de demolição, conta com finalização perfeita. “Nos preocupamos com o acabamento que não agrida tanto na hora de usá-los e como a fabricação é própria temos um preço bem diferenciado. Não importa o ambiente e a característica do cliente, os móveis de demolições são versáteis e se adaptam em qualquer estilo” ressalta Demétrio.

Martinez Demolições (18) 3522-3475 (18) 9 (18) 9

9711-5159 9759-9644

Rua Euclides da Cunha, 263 (Ao lado do Supermercado Tamoyo)

VOX 87


88 VOX


VOX 89


a música que une amigos há mais de três décadas Há cerca de 30 anos amigos se reuniram para a famosa roda de samba e da brincadeira surgiu o grupo Anima Samba. Com violão, pandeiro, percussão, repique de mão e vocal o grupo faz sucesso onde toca, seja para pequenos grupos ou em grandes festas

M

POR TAMYRIS ARAUJO

uitos grupos musicais começam pela amizade. Entretanto, não são todos que duram décadas como o Anima Samba de Adamantina, formado por amigos que dividiam alguns hobby’s em comum, como a paixão pela música e pelo samba. Amauri Borges, de 50 anos, e Arnaldo Schuindt, de 49, fundado-

90 VOX

===

===

FOTOGRAFIA SANDRA KOBAYASHI

res do grupo há mais de 30 anos, se recordam como tudo começou. “Entre colegas, um cantava e outro tocava, e assim começamos a nos reunir. Nunca pensamos em levar a música como profissão, e sim como hobby e uma atividade diferente aos finais de semana”, explica Amauri. O sucesso começou com os famosos carnavais da década de XX em Adamantina e região. O Anima Samba tocou no ATC com a presidente de bloco Nair


Gomes de Oliveira. “Por muito tempo animamos os carnavais com as famosas marchinhas. Joaquim (Boca), Carlos Augusto Atilio (Guto) e Cândido José da Silva (Candinho) tocavam com a gente na época”, recorda. Feira do Verde, Festa das Nações, Quermesse Nossa Senhora de Fátima, carnaval de rua de Lucélia, Irapuru, Osvaldo Cruz, festas e rodas de samba em Adamantina, Pacaembu, Flórida Paulista e várias cidades conheceram um pouco do talento do grupo formado por amigos. Hoje, o Anima Samba é integrado pelo representante comercial Paulo Antônio Pereira (Paulão), de 46 anos, no violão e back vocal; o ajudante geral Gustavo dos Santos (Aranha), de 28 anos, no pandeiro; pelo agente funeral Daniel Domingos dos Santos, de 52 anos no vocal; o comerciante Amauri Borges, de 50 anos, na percussão e back vocal; e o comerciante Arnaldo Medeiros Schuindt, de 49 anos, no repique

Gustavo

Amauri

de mão e back vocal. E não é porque o grupo existe há mais de três décadas que não se modernizou. Arnaldo afirma que são mais de 3 horas de show com repertório sem repetição. “Alguns amigos nos chamam de ‘Dinossauros do Samba’, mas é pela nossa idade. Em relação a ritmos, hoje tocamos os variados tipos, desde os mais antigos aos modernos, com estilos dançantes e mais clássicos, como Tiaguinho, Demônios da Garoa, Jeito Moleque, Sorriso Maroto, Zeca Pagodinho e outros”, relata. Para Gustavo, o mais novo da turma, fazer parte de um grupo como este é aprender a cada dia. “Aprendo valores, novos ritmos, introduções diferentes e muito mais. Eles são uma verdadeira

família para mim”, afirma o jovem que está no Anima Samba desde 2003. E o grupo se apresenta conforme o evento. Geralmente o Anima Samba toca com violão, surdo, pandeiro, repique de mão e voz. Entretanto, dependendo do evento, a banda é mais completa, com direito a bateria, contrabaixo, cavaquinho e percussão. Além disso, trompete também faz parte do grupo em eventos maiores, com a participação especial de Ivaldo Schuindt e antes do amigo Gerson Cansian (in memorian). “A cada encontro nos divertimos, passamos momentos agradáveis e esse é o nosso objetivo. A música, com certeza, nos faz bem”, finaliza Amauri.

“A cada encontro nos divertimos, passamos momentos agradáveis e esse é o nosso objetivo. A música, com certeza, nos faz bem”, Amauri Borges

Arnaldo

Daniel

Paulão

VOX 91


Em 5 mil anos o chopp passou por modificações e variedades surgiram. A bebida egípcia é atualmente sinônimo de confraternização e há quem diga que faz bem à saúde

POR AUGUSTO SANTOS ===

===

FOTOGRAFIA JORGE MUNHOS

U

tilizado como moeda de troca e também como produto estético, uma vez que acreditava-se em suas propriedades rejuvenescedoras, o chopp ou em português chope, foi inventado e inicialmente produzido pelos egípcios há mais de cinco milênios. Posteriormente, na Idade Média, a bebida passou a ser produzida em mosteiros por monges católicos, que a aperfeiçoaram dando-lhe aroma e sabor, da forma que a consumimos hoje. No Brasil, o chope foi introduzido pela realeza portuguesa em 1808 e atualmente é um dos maiores produtores mundiais. Pouco mais de 30 anos depois,

92 VOX


na cidade de Pilsen, na atual República Tcheca, cervejeiros descobriram a baixa fermentação, resultando um chope claro, suave e de maior duração. Desde então, o consumo desta bebida cresce cada vez mais, sendo quase uma unanimidade entre os apreciadores, já que se tornou sinônimo de comemoração e confraternização.

Cerveja x chope Apesar da popularidade do chope, há quem não saiba distinguí-lo de seu parente mais próximo, a cerveja. Alex Sandro Cobo, proprietário da Chopp Kremer de Adamantina explica a diferença. “A cerveja recebe mais uma etapa no processo de fabricação, a pasteurização, enquanto o chope é uma bebida mais fresca, encorpada e contém menos gás”. Com o passar do tempo, na incessante busca pelo aprimoramento, inúmeras variedades do chope surgiram. Cobo comercializa três variedades: o tradicional Pilsen, Escuro e BlacKremer. “Estes tipos se distinguem pelos ingredientes e formas de preparo. Todos produzidos de forma artesanal”.

O colarinho

Benefícios

Segundo trecho do livro “O Larousse da Cerveja”, do autor Cobo esclarece a importância do famoso colarinho ao consumir o chope. “A espuma Ronaldo Morado, “o chope proporciona melhoria dos estados ajuda a manter o aroma e o sabor da bebida, ansiolíticos e depressivos; diminui os riscos de infarto e caralém de deixá-la com melhor aspecto”. diopatias, além de aumentar a resistência contra infecções”. Mas, vale lembrar, que tais benefícios e resultados somente são obtidos através do consumo moderado, já que a bebida é alcoólica e como qualquer outra, se ingerida de forma excessiva e contínua pode causar danos à saúde, inclusive dependência. Com toda sua história, tradição, variedades e benefícios, o chope através dos milênios se mostrou uma bebida apreciada por várias gerações e que atualmente está presente em momentos de descontração e alegria, reunindo pessoas e tornando estes momentos memoráveis, inesquecíveis. Por tanto brindemos ao Chope: Tim-tim.

Chopp Kremer Express

Alex Cobo - um brinde

Av. Marechal Castelo Branco, 359 - Vila Jamil de Lima Reservas: (18) 3521-5589 - (18) 99728-6000 Adamantina-SP

VOX 93


Adamantinense

se dedica a ajudar PEQUENOS HAITIANOS POR TAMYRIS ARAUJO ===

===

FOTOGRAFIA JORGE MUNHOS E ARQUIVO PESSOAL

Maria Zelinda Cardim, 46 anos, é exemplo de voluntária missionária nas áreas da educação e evangelização. Há dois anos ela dedica todo seu tempo a ensinar haitianos com amor e carinho

É

cada vez mais raro encontrar pessoas que façam trabalhos voluntários em tempo integral. Isto, perto da família, na comodidade do lar. Agora, imagine ser voluntário em países que acabaram de passar por guerras ou catástrofes. Que vivem realidades extremamente carentes, até mesmo de afeto, educação e religião. Apesar do trabalho exigir tempo, amor e dedicação, os que participam de projetos do tipo garantem ser gratificante. A adamantinense Maria Ze-

94 VOX

linda Cardim, 46 anos, filha de Zemiro e Izabel, é exemplo a ser seguido. Ela deixou tudo para se dedicar ao trabalho voluntário e missionário, como é chamado no catolicismo, no Haiti. Freira desde 1987, Zelinda está há dois anos em Porto Príncipe, onde é diretora administrativa do Instituto Sagrado Coração de Jesus, escola da mesma rede de ensino do colégio Madre Clélia de Adamantina, além de ser responsável pela comunidade religiosa local. “Sinto-me feliz e realizada por tornar visível no meio daquele povo o amor, ternura e a misericórdia de Jesus, através dos meus

gestos no dia a dia, pois esse é o meu dom e onde estiver vou tornar o amor de Deus presente neste mundo”, destaca. A adamantinense conta que quando entrou para a vida religiosa não achou que seria missionária, mas aos poucos o propósito foi se amadurecendo. “Estava feliz com meu trabalho, mas com o tempo senti a necessidade de algo que me desafiasse um pouco mais. Então, a partir de experiência em oração e quando houve o terremoto no Haiti, uma das imagens que mais chamou minha atenção foi a divulgada pela mídia que mostrava tudo destruído, mas o ícone


de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, padroeira daquele país, intacto e as pessoas ao pé da cruz. Me comovi muito com a situação”. “Quando fui fazer um retiro espiritual essa imagem vinha à minha mente e senti o Senhor me chamando. E a partir daí se tornou mais forte, manifestei esse desejo para meus supervisores e Deus confirmou o dom para missão. Aqui estou, ajudando pequenos haitianos”, completa. Em setembro de 2011 a adamantinense foi transferida para o Haiti. Em abril do mesmo ano teve o primeiro contato com o povo daquele país, com a oportunidade de acompanhar duas irmãs durante viagem de três meses. “Esse contato com a realidade diferente foi importante, pois me identifiquei com o lugar pobre, que há um ano havia passado por um terremoto”. No Haiti, ela e o grupo de missionários do Brasil iniciaram trabalhos nas áreas da saúde, educação e evangelização. Em fevereiro de 2012 deu-se início o projeto “Semeando o Futuro”, nas tendas doadas pelo Exército Brasileiro em missão de paz no Haiti. Em agosto deu-se início a construção de uma escola de Educação Infantil com uma verba doada pelos funcionários da Usina de Itaipu, através da Embaixada Brasileira no Haiti

Zelinda com alunos no Haiti

e sob coordenação dos militares brasileiros da engenharia em missão de paz. Em outubro de 2012 teve início a escola “Institution Sacré Coeur de Jésus”, que abriu o 1º ano da educação infantil para 30 crianças na idade de 3 e 4 anos. Em janeiro de 2013 abriu o 2º ano da educação infantil acolhendo outras 26 crianças. “O ano letivo no Haiti é de setembro a junho, então encerramos com 56 crianças e o projeto para o próximo ano é aumentar a estrutura para atender 125 crianças, ofere-

Crianças durante celebração religiosa

cendo também o 3º ano, além de abrir uma sala para haitianos de 6 a 8 anos que nunca foram à escola, com reforço para que no ano seguinte possam entrar no 1º ano do ensino fundamental”, explica. O Colégio Madre Clélia do Haiti é a primeira unidade da Rede de Educação Sagrado Coração de Jesus fora do país da província de São Paulo. “Acreditamos que a educação é obra de amor e passa pelo coração, pelo coração de Jesus. Essa é a nossa marca. Por isso, trabalhamos para oferecer educação de excelência para esses pequenos, para formar cidadãos que mudem a realidade do Haiti”. Para tornar a família parceira da escola e proporcionar um aprendizado, as freiras iniciaram o ‘Ateliê Madre Clélia’, para que principalmente mães aprendam a fazer trabalhos manuais, contribuindo com a renda familiar. Os pais também participam de parcerias. “Eles contribuíram no processo de construção e agora trabalham para aumentar a unidade. Muitos são pedreiros, serventes, encanadores e eletricistas e nos ajudam sob a supervisão do Exército Brasileiro”.

VOX 95


Turmas 2013 - Institucion Sacré Coeur de Jésus

“Além disso, temos aulas de ensino religioso, terço semanalmente fora do período escolar, pequenas celebrações, realizamos um trabalho de recreação, formação e alimentação com adolescentes e crianças, o que totaliza mais de 300 haitianos atendidos aos finais de semana”, ressalta. Zelinda conta que no Haiti as famílias ainda trazem valores muito fortes, um deles o da partilha. “Se uma criança recebe algum alimento a mais ela não come, leva para partilhar com os irmãos e pais, pois são solidários. E isso acontece também com os vizinhos. Se passam necessidades, a família divide o que tem, ou o que não tem”, afirma. “O valor de estar em família também é cultivado, e isso nos faz pensar em nossos valores”. Toda essa experiência adquirida no exterior é transmitida aos brasileiros durante viagens à terra natal e também por meio de vídeos em festas nas unidades da rede Sagrado Coração de Jesus. “Estamos fazendo a nossa parte e tentando mudar essa realidade no coração de cada criança”. O Instituto das Apóstolas do Sagrado Coração de Jesus conta com o projeto ‘Adote uma Criança’. Saiba mais no www.apostolas.org. br/projetos-sociais.

96 VOX

Formação religiosa Zelinda estudou na escola Helen Keller em Adamantina até 1982 quando teve contato com irmãs no Educandário Madre Clélia, momento em que ficou mais clara sua vocação religiosa. Quando terminou o segundo ano do ensino médio, a jovem fez uma experiência em Marília por um ano, onde passou pelo processo da vida católica, chamado de aspirantado. Ao terminar o ensino médio foi para Curitiba (PR), onde fez a primeira etapa da formação religiosa, o postulado. Após esse período Zelinda fez o noviciado canônico em Espírito Santo do Pinhal, noviciado prático em São Paulo e em 1987 os primeiros votos de consagração na vida religiosa. Em seguida a adamantinense se dedicou por um ano à educação infantil em Brasília. Em 1988 voltou a Marília, para atuar na coordenação do Colégio Sagrado Coração de Jesus. De 1990 a 1995

Zelinda foi a Roma para participar de outra etapa de formação, o junerato, na qual retomou os estudos acadêmicos e fez Ciências Religiosas e Filosofia na Pontifícia Universidade Gregoriana. Depois de adquirir amplo conhecimento e experiência religiosa e educacional, em 1996 retornou ao Brasil, para a cidade de Bauru para atuar na Creche Escola Madre Clélia por um ano. Após esse período, foi novamente para Espírito Santo do Pinhal, onde permaneceu por dois anos. De volta a Bauru, de 1999 a 2005 atuou no Colégio São José, período em que também cursou faculdade de Psicologia. De 2006 a 2010 retornou para Espírito Santo do Pinhal para auxiliar jovens na formação religiosa. Em 2010 foi para Bauru, atuar no Colégio São Francisco como diretora administrativa. Até que em setembro de 2011 foi para Porto Príncipe no Haiti, onde permanece como missionária voluntária.

“Esse contato com a realidade diferente foi muito importante, pois me identifiquei com o lugar pobre, que há um ano havia passado por um terremoto”, Maria Zelinda Cardim


Com luzes,

Fernanda Vendicto

pretende trazer o verdadeiro sentido do Natal para Adamantina Além das luzes, que serão o destaque do Natal 2013, entre as novidades a primeira-dama destaca o principal significado do Natal - o nascimento de Jesus, que ganhará destaque no prédio da Prefeitura POR TAMYRIS ARAUJO

98 VOX

===

===

FOTOGRAFIA SANDRA KOBAYASHI


F

alta pouco para o fim do ano e o clima de Natal já começa a contagiar as pessoas. Em Adamantina é tradição esperar o ano todo para ver as novidades que irão abrilhantar ainda mais a cidade, saber como será a chegada do Papai Noel, conhecer o novo tema da casa do ‘bom velinho’ e admirar os locais enfeitados. Para 2013, a primeira-dama Fernanda Vendicto preparou novidades. Com o tema ‘Natal de Luz’, o brilho se fará presente em todos os lugares e o colorido especial que marca o período natalino já pode ser notado. O objetivo é contagiar toda a população para que os lares ganhem uma luz a mais nesta época, como símbolo de esperança no novo ano que se aproxima. “Natal sempre foi sinônimo de luz e o maior exemplo é a estrela que guiou os Reis Magos. Queremos nossa cidade iluminada, em festa para comemorar o ano que termina e dar esperança e desejos renovados para o ano que chega”, destaca. Vários pontos receberam luzes mais modernas, porém, sem deixar de lado a decoração tradicional já conhecida e que tornou Adamantina referência regional. O que mais chama a atenção de quem visita a cidade são as combinações dos enfeites bem trabalhados e das luzes que encantam e deixam o ar da ‘Cidade Jóia’ diferente. “O objetivo é sempre renovar, trazer novidades. Vamos reaproveitar tudo o que estiver em boas condições dos anos anteriores, mas vamos dar cara nova a nossa decoração. Recebemos inúmeras sugestões e esperamos que as novidades agradem a todos”, diz. Entre as novidades, Fernanda destaca o empenho para resgatar

Primeira-dama Fernanda Vendicto traz para Adamantina 'Natal de Luz'

o principal significado do Natal - o nascimento de Jesus, que ganhará destaque no prédio da Prefeitura. “Precisamos trazer o verdadeiro sentido do Natal para nossa decoração. Escolhemos a prefeitura para ser um lugar de reflexão, onde cada um pode pensar nos bons acontecimentos, nos projetos para o ano que se inicia e fazer um balanço de 2013. Embora todos comemorem, o importante é destacar a presença do Menino Jesus, que não pode ser esquecido e é o motivo principal dessa festa”. E a iluminação comemorativa que enfeita a Prefeitura se estende pelas principais ruas da cidade, praça Élio Micheloni, Parque dos Pioneiros e Casa do Papai Noel, anunciando a celebração natalina e atraindo milhares de visitantes para Adamantina. A Praça Élio Micheloni, além de receber uma das decorações mais bonitas de toda a região, também será palco de uma extensa pro-

gramação, com apresentação do Projeto Guri e Concerto da Banda Marcial. No local haverá um palco fixo para atrações quase que diárias, atraindo também mais pessoas ao comércio. E quem da região já não ouviu falar da chegada do Papai Noel em Adamantina? Fernanda adianta que em 2013 o ‘bom velinho’ novamente surpreenderá a todos, em uma grande celebração. A chegada do Bom Velhinho está marcada para 1º de dezembro, a partir das 20h, na Estação Recreio. Mas como ele chegará ela não adianta nada – ou seja, continua sendo o principal segredo desta festa. O Papai Noel já chegou de helicóptero, escalou o prédio da prefeitura, paraquedas, motocicleta, rapel, entre outras formas nada convencionais desde 2006, conquistando público para assistir ao emocionante espetáculo que conquista crianças e adultos.

VOX 99


Costela no bafo POR TAMYRIS ARAUJO

===

===

FOTOGRAFIA SANDRA KOBAYASHI

Que tal aprender a fazer uma costela saborosa e suculenta? Márcio Barreto, da Pequena Fazenda Empório e Restaurante, ensina que o segredo para deixar a carne mais macia está na forma de assar. Quanto mais tempo de forno, melhor! Aprenda a fazer a famosa ‘Costela da Diretoria’. Márcio Barreto da Pequena Fazenda

100 VOX


Ingredientes 2 kg de costela Sal grosso Tempero Chimichurri

Modo de preparo

Tempo de preparo

6 horas Rendimento

4 pessoas

Tempere a costela com sal e o Chimichurri, enrole com papel celofane e amarre as pontas para que o caldo mantenha a carne sempre Ăşmida. Em seguida, enrole a carne ainda com papel alumĂ­nio. A costela deve ser assada em churrasqueira a bafo por aproximadamente 6h em temperatura mĂĄxima de 150 graus.

VOX 101


2014 novas metas e por que não novo visual?

Sol Cabeleireira fala das tendências dos cabelos para o verão 2014, entre elas, tons acobreados levemente avermelhados e todos os tipos de luzes e mechas, desde o ombré hair, mechas californianas até as tradicionais

J

á está na hora de se programar para o fim de ano e início de 2014. Novos planos, novas metas e, por que não, novo visual? Mas, qual a tendência para a estação e 2014? Curtos? Longos? Médios? Enrolados? Lisos? Soltos? Presos? Que tonalidade? Com luzes? O que está em alta para os cabelos neste verão? Segundo a profissional Solange Barren Pereira, do Salão da Sol, os tons quentes predominam na estação, entre eles, acobreados levemente avermelhados, ruivos, castanhos avermelhados, loiros acobreados e loiros médios vêm com tudo para o verão e 2014. E como os tons loiros continuam sendo tradicionais e tendo a preferência de muitas mulheres, Sol ensina que aquelas que ainda têm dúvida sobre mudar a cor nesta

102 VOX


estação, podem optar por luzes, com raízes mais escuras. “Indicamos esse processo pois além de deixar com um aspecto mais natural, vai permitir que a cliente se acostume com a coloração do cabelo aos poucos, sem o choque da mudança de ‘ficar loira’”, destaca. Outra dica da cabeleireira é o cuidado com os fios claros, que deve ser maior.

Luzes

Ombré hair, mechas californianas ou tradicionais com certeza também são sucesso no verão, pois muitas mulheres querem clarear os fios para ganhar aquele ar de cabelo queimado de praia. Entretanto, nesta estação aposte na mistura de luzes e mechas mais espalhadas para dar um aspecto mais solar e sofisticado, criando o mix ombré, que são mechas fininhas no topo do cabelo que não encostam na raiz e se confundem com o tom mais claro do antigo ombré.

Cortes Os cabelos curtos ou um pouco mais longos até a altura dos seios são a grande aposta para o verão 2014. Fáceis de cuidar e manter, a praticidade é o mais forte aliado na hora de optar pelo corte. “O bom é que estes estilos combinam com mulheres de diferentes personalidades e idades”, destaca Sol. O comprimento dos fios que não ultrapassam os ombros aparece com ou sem franja. Pode ser usado em todas as todas as texturas de cabelo (lisos, enrolados, crespos, finos e grossos), mas deve ser levado em consideração o formato do rosto e respeitar o que melhor combina e caí bem com ele.

Cabeleireira Sol e a filha Ana Paula

Franjas Para aquelas que gostam de franjas, elas prometem fazer sucesso no verão em uma versão mais curta e desfiada, dando mais naturalidade e leveza ao estilo.

(18) 3522-4261

Rua Pedro Torturello, 47 Adamantina

VOX 103


Com expressivos 15% de crescimento anual, ainda sim, o turismo regional está abaixo da média nacional, segundo FBHA. O Sebrae, a Amnap e o deputado estadual Reinaldo Alguz (PV), falam sobre o que precisa ser feito

POR AUGUSTO SANTOS

Q

uando se pensa em turismo, como não poderia deixar de ser, logo se imagina para onde ir, afinal são vários os destinos e suas alternativas de lazer e entretenimento. Entre idas e vindas de estrangeiros, o setor no Brasil vive um bom momento, alavancado pelos grandes eventos, que vão desde o legado econômico da Jornada Mundial da Juventude e Copa das Confederações, realizados na metade deste ano; passando pela Copa do Mundo de Futebol de 2014, pelas Olimpíadas em 2016 e possivelmente a Expo 2020, tendo a capital paulista como candidata brasileira a sediar o evento, considerado o terceiro maior do mundo. No entanto, aparentemente

104 VOX

===

===

FOTOGRAFIA ARQUIVO PESSOAL

não são todas as regiões do Brasil que colhem os bons frutos do que se pode denominar de uma boa safra do turismo, a exemplo da Nova Alta Paulista. Com 15% de crescimento no setor anualmente, segundo dados da FBHA (Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação), o que não é nada ruim, considerando os poucos destinos e atrações turísticas, a região fica ofuscada por outros destinos turísticos distribuídos em várias regiões do país. Segundo o Sebrae-Presidente Prudente, criador do Circuito Oeste Rios, que cataloga destinos turísticos no Oeste Paulista, somente quatro cidades exploram seus atrativos na Nova Alta Paulista: Panorama, Paulicéia, Lucélia e Salmourão. Nestas localidades, os turistas são atraídos pela oferta de atrativos ligados à pesca e aos esportes

Somente quatro cidades exploram seus atrativos turísticos na Nova Alta Paulista: Panorama, Paulicéia, Lucélia e Salmourão, Sebrae Pres. Prudente


aquáticos, principalmente a canoagem. Ou seja, basicamente, o setor turístico regional está restrito aos veranistas. Em localidades próximas a Nova Alta Paulista, um outro segmento de turismo muito explorado tem gerado bons resultados o religioso, a exemplo de Santo Expedito, que se tornou um destino de romaria e peregrinação de fiéis devotos do santo que leva o nome da cidade. Um santuário diocesano, dedicado ao santo da causas urgentes, está sendo edificado na cidade, o que deverá aumentar ainda mais a procura pelo destino. Outro exemplo é a cidade de Cafelândia, que mantêm desde o inicio da década de 1930 o primeiro templo budista construído no Brasil, o Komyôji, administrado por uma associação japonesa, e que é destino dos adeptos da religião oriental no Brasil. Para o Sebrae, a possibilidade da Nova Alta Paulista se tornar um promissor destino turístico não é descartada. A entidade alega que potencial turístico existe, porém há a necessidade de preparar melhor os destinos para receber bem os turistas, ofertando melhor infraestrutura e atrativos turísticos, Canoagem em Salmourão

Deputado Reinaldo Alguz defende a criação de novas estâncias turísticas na região

para entreter e criar diferencial. Sobre iniciativas do setor público, a entidade é enfática ao concordar que há um conjunto de fatores, além dos investimentos. Há a necessidade de criar e melhorar os meios de

hospedagem, assim como os estabelecimentos de alimentação, o que cabe exclusivamente a iniciativa privada. “Uma vez que os turistas consigam ser atraídos pelos atrativos turísticos da região, com boa infraestrutura, bem hospedados e com boas alternativas de alimentação, dificilmente o turismo regional não se alavancará”, afirma Paula Pereira, gestora do Sebrae. Ela ainda diz que os atrativos turísticos da região devem ser mais explorados e potencializados. “Não basta haver somente uma cachoeira ou um rio, há a necessidade de criar entretenimento para os visitantes”, diz. Paula cita a cidade paranaense de Foz do Iguaçu, na tríplice fronteira do Brasil, com a Argentina e o Paraguai. “Ninguém vai para Foz do Iguaçu somente para

VOX 105


tirar fotos das cataratas e ir embora. Os turistas podem realizar passeios de Bird-watching, de barco, rapel, rafting, helicóptero, canoagem e muitos outros”, destaca. Questionada se a região poderá ser beneficiada de alguma forma pelos grandes eventos que estão sendo realizados no Brasil, Paula destaca apenas a questão do consumo e do crescimento nas vendas do comércio e do varejo, mais não arrisca falar sobre crescimento turístico. “Certamente, mesmo não ligada diretamente a esses megaeventos, o comportamento do consumidor se modificará temporariamente, consumindo produtos oficiais, com apelo na brasilidade. A economia da região se aquecerá, não somente pelas compras de produtos dessa natureza, mas também pelo costume brasileiro de se unir para assistir jogos, consumindo mais alimentos e bebidas nestes momentos”, finaliza. Já o deputado estadual Reinaldo Alguz (PV), cita os eventos da região como atrativos e lembra a importância do Rio Paraná para o turismo na Nova

Alta Paulista. “As cidades com vocação turística da nossa região vêm melhorando a sua infraestrutura, o que é fundamental para a atração de turistas. Além disso, cada uma das nossas cidades tem seu próprio calendário de eventos, alguns até com muita tradição. É preciso notar que estamos às margens de um dos rios mais bonitos do Brasil, o Rio Paraná”, disse. Questionado sobre projetos do Legislativo que venham beneficiar o turismo regional, ele menciona o PLC 32 (Projeto de Lei Complementar), que ainda está em fase de tramitação na Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo). O projeto de lei estabelece condições e requisitos para a classificação de estâncias e de municípios de interesse turístico. “A aprovação do PLC 32 é um dos caminhos. Após, precisamos desenvolver ações articuladas entre o governo, iniciativa privada e a indústria do turismo. Também precisamos encontrar mecanismos de crédito para a iniciativa privada investir no setor”, esclarece. Perguntado se a região está Salto Botelho em Lucélia

106 VOX

Presidente da Amnap, Ivo Santos

preparada para estabelecer políticas públicas em curto prazo que fomentem o turismo, o parlamentar diz que sim e aposta no aumento da renda da população. “Como a renda média do brasileiro vem crescendo, existe potencial para esse mercado”, destacou. Alguz diz que, de forma alguma, a indústria do turismo depende fundamentalmente de fomentos estruturais do Poder Público e também do chamado calendário turístico de cada cidade, mas é um setor em que a atuação primordial é da iniciativa privada. Algumas iniciativas para fomentar o turismo na região já são realidade, a exemplo da recém implantada e pioneira no país, a Casa de Fomento ao Turismo em Presidente Prudente e o Circuito Oeste Rios, do Sebrae-SP, anteriormente mencionado. “Programas como estes têm a


Ponte sobre o rio Paraná ligando os estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul

virtude de funcionar como ‘ponto de partida’ e de inspiração para outras ações”, destaca. O deputado afirma que a região vem desenvolvendo a sua vocação turística. “Temos desde a pesca esportiva, aos eventos esportivos e religiosos. Começam a ocorrer iniciativas para o turismo de aventura aproveitando o potencial dos rios, assim como o eco-turismo. Também temos águas termais que poderiam alavancar investimentos privados, como ocorre em Olímpia-SP e Caldas Novas-GO”, afirma. A Amnap (Associação dos Municípios da Nova Alta Paulista), também se pronunciou sobre questões ligadas ao turismo regional. O presidente da entidade, Ivo Santos, que também é chefe do Executivo adamantinense, entende que o setor do turismo é uma das alternativas econômicas viáveis para a região e defende iniciativas e investimentos no setor nos municípios da região. “É preciso desenvolver projetos

integrados por parte dos municípios e seus conselhos municipais e buscar recursos para a implementação de ações conjuntas”, argumenta. Ivo Santos diz que atualmente muitas cidades da região detêm condições de desenvolvimento em modalidades turísticas segmentadas e cita exemplos. “Há casos de cidades banhadas por rios, como Panorama, Paulicéia, Lucélia e Salmourão. Outras possuem condições para o desenvolvimento do Ecoturismo, pelo potencial ecológico de forma conservacionista, ou mesmo do Turismo Rural, outra modalidade que ganha importância no Brasil, com visitas às propriedades, consumo de bens e serviços no ambiente rural e produtivo”, diz. Ele destaca a possibilidade de explorar o turismo esportivo, citando Salmourão, com as provas de canoagem e Panorama, com a tradicional travessia do Rio Paraná e provas aquáticas. O presidente da Amnap vai adiante e mostra outras pos-

“Precisamos desenvolver ações articuladas entre o governo, iniciativa privada e a indústria do turismo. Também precisamos encontrar mecanismos de crédito para a iniciativa privada investir no setor”, Reinaldo Alguz

VOX 107


Competidores de todo o país são atraídos pelas corredeiras de Salmourão

sibilidades de exploração do turismo regional. “Outra opção são as modalidades turísticas específicas, como é o caso da cidade de Tupã, que explora a tradição indígena, e diversas opções ligadas à culinária rural, arqueologia, colonização, entre outras”, declara. Quanto às ações da Amnap junto aos municípios ou iniciativas para desenvolvimento do turismo regional, ele relembra que em 2010, a associação iniciou um trabalho para reestruturar os Conselhos Municipais de Turismo da região, que tinham como finalidade fomentar as atividades turísticas e identificar novas opções de desenvolvimento econômico. No entanto ele destaca que o trabalho não teve continuidade. “A Amnap está sempre disposta a colaborar com os municípios, mas para isso há necessidade de uma sensibilização dos gestores para a necessidade de maior integração, organização e planejamento das políticas públicas para o setor”, defende. Questionando sobre a possibilidade da Amnap encabeçar um projeto regional de fomentação

108 VOX

e desenvolvimento ao turismo, Ivo Santos declara que a entidade está aberta a parcerias e mostra-se disposto a discutir o assunto com os municípios. “A atual diretoria da entidade se dispõe a buscar parcerias e promover ações conjuntas sobre o tema, mas para isso é necessário demonstração de interesse por parte dos municípios associados”, enfatiza. Em reunião da entidade com os municípios associados, em 2 de novembro, Ivo disse que o tema esteve na pauta do encontro, visando retomar os debates sobre o assunto. Ivo Santos ainda diz que os investimentos em turismo na região são pontuais e realizados essencialmente nos municípios que já dispõem de condições naturais ou históricas para o desenvolvimento da atividade, ou que já foram contemplados com algum tipo de projeto de incentivo governamental. “Em algumas situações o investimento é importante, mas ainda não suficiente. O turismo é uma excelente opção econômica, mas há necessidade de inves-

timento elevado para a criação de infraestrutura e constante manutenção dos equipamentos públicos ou de apoio aos empreendimentos da iniciativa privada”, ressalta. Ainda falando sobre a importância de investimentos, o presidente da entidade disse que os municípios da região são dependentes de recursos governamentais e, quase em sua totalidade, estão com suas finanças comprometidas com a manutenção dos serviços públicos já existentes. “A criação de estruturas públicas direcionadas ao turismo depende, portanto, de recursos destinados pelos Governos Federal e Estadual. Da mesma forma apostar apenas na iniciativa privada como protagonista deste processo é algo utópico”, declara. Ivo afirma que atrair ou fomentar investimentos no setor turístico devem estar aliados neste momento às iniciativas pública e privada. Também defende ações integradas, com a criação de novos circuitos turísticos, e cita o Circuito Oeste Rios como exemplo.


VOX Memória CSU, um lugar para o povo adamantinense POR AUGUSTO SANTOS

===

===

FOTOGRAFIA ARQUIVO PESSOAL

N

atural de Duartina, cidade que fica na região central do Estado de São Paulo, Gildomar Pax Ped roso chegou a Adamantina no final da década de 1940, prestes a completar 17 anos. Após pouco mais de uma década residindo em Adamantina, Gildomar iniciou sua carreira política e em 1960 após eleito, foi empossado como vereador, fato este que se repetiria por outros quatro mandatos. Em 1977, assumiu a chefia do Executivo Municipal, após ser eleito pela extinta Arena (Aliança Renovadora Nacional), atual PP (Partido Progressista), tendo como vice, Benedito Otávio Guiselini. Permaneceu no cargo até 1983, quando renunciou para se candidatar a deputado estadual. No período em que foi prefeito, viabilizou inúmeras benfeitorias e conquistas para a cidade, mas uma em especial se destacou, o CSU (Centro Social Urbano), inaugurado em 31 de janeiro de 1982. No local, eram oferecidas alternativas de lazer e recreação para a população, que usufruía das quadras esportivas, piscina e dos demais espaços, onde cursos de qualificação profissional eram mantidos. À princípio, o CSU era frequentado pela população menos abastada, já que as atrações locais eram gratuitas. Saudoso, Gildomar relembra

alguns momentos do CSU. “Naquela época eram realizados as tradicionais folias carnavalescas, que atraiam pessoas de todos os cantos da cidade”, diz. As festas ficaram conhecidas como “Perobão”, uma analogia aos carnavais que eram realizados em um tradicional clube local, que também tinha nome de uma árvore, o Ipê, frequentado pela sociedade adamantinense no período. A esposa de Gildomar, a ex-primeira dama de Adamantina, Dauria Gabas Pedroso, também relembra o CSU, uma vez que ao lado do marido, esteve na cerimônia inaugural. “Hoje o local está bastante mudado, alguns poucos traços da arquitetura original foram mantidas”, comenta. Desativado já alguns anos, o

Ex-prefeito e ex-vereador adamantinense relembra sua trajetória na política municipal e o seu legado

CSU deu lugar ao atual campus III da FAI (Faculdades Adamantinenses Integradas) e desde então tornou-se um espaço dedicado ao Ensino Superior.

VOX 109


Pessoas e seus momentos... Momentos e seus personagens.... Misturas que se completam e resultam em boas histórias registradas em fotos e, principalmente, nas mentes. Pessoas, momentos, personagens, fatos... uma mistura transformada em alegria. Por Sérgio Vanderlei

Márcia Molina e Eduardo Fonseca em Sophia, capital da Bulgária

Dr. Genésio, Neno Rombaldi, Cilene, Maiara Rombaldi, Dra. Sueli e Márcia Rombaldi Tais e Lucas Maia

Ricardo Barbosa e Karina Fukuyama

110 VOX


Encontro de Amigos – 40 anos depois

Casamento de Daniele e Renato

Aniversário de Sabrina com a amiga Samanta

O formando em medicina veterinária Felipe com os irmãos Vitor e Bruno Pinto Soares

Dra. Elza e dr. Sérgio Yamashiro no clima do Outubro Rosa

Ricado Brambila e Maria Emilia em Paris

Encontro de Amigas – 40 anos depois

VOX 111


Júlio Crepaldi e Ana Elisa em tour pela Europa

José Paulo Micheloni e Marina Jacinto

O prefeito Ivo Santos acompanhado da primeira-dama Fernanda Vendicto, com os secretários municipais e funcionários

A BBB Iris Stefanelli com Gabriel Quinto

Gustavo, Manuela e Natália Bachi


- Os amigos Ana Carolina Pazin, Rafael Ponteli, Maria Isadora Tiveron e Enrico Murad Fadul na festa Viva La Vida Weekend Ana Alice Kanawa e seus 15 anos

Robson Montoz e Fernanda

Enlace de Laisa e Willian

Dona Abigail e Maurilei Pinto

Aniversรกrio de dois anos de Rafael Cavalaro

VOX 113


O casal Janaina Baragão e Felipe Garcia

De Parapuã Guilherme e Ana Flávia Pernomian

Edna e Paulo Nakae na Festa do Chopp do Lions

A BBB Fabiana Teixeira (Mama) com Irineu e Rose (Exótica)

O BBB Jonas Sulzbach com Zico, Ângela e Rafael da Intuição Modas

114 VOX


Daniel Bocardi, Gisele e prole

Maria Lucia, Osvaldo Saldanha e Elza Staziack

Prefeito José Luiz e primeira-dama Márcia com a dupla Marco Túlio e Adriano Thaís e Glória com a noiva Kathe Rigatto

A debutante Fabiane

Aniversário de um ano de Ana Luísa

VOX 115


Confira os looks que farão deste verão o mais quente dos últimos anos, também para os baixinhos

Blusinha - Portal Modas Kids - R$ 63,90 Short - Zero à Cinco R$ 69,90 Calçado - Pé Direito R$ 59,90 Acessório - Meu Xodó - R$ 10,90

116 VOX

Camiseta - Zero a Cinco - R$ 30,90 Bermuda - Adoleta Kids - R$ 89,15 Chinelo - Francis Calçados - R$ 49,90


Conjunto - Adoleta Kids - R$ 153,80 Calçado - Pé Direito - R$ 59,90 Acessório - Meu Xodó - R$ 10,90

Camiseta - Portal Modas Kids - R$ 40,26 Bermuda - Karamelada - R$ 72,90 Calçado - Francis Calçados - R$ 79,90

Blusinha - Zero à Cinco - R$ 74,90 Saia - Portal Modas Kids - R$ 109,14 Acessório - Zero à Cinco - R$ 21,90

Camiseta - Adoleta Kids - R$ 60,15 Bermuda - Portal Modas Kids R$ 78,20

VOX 117


Camiseta - Meu Xodó R$ 49,90 Bermuda - Zero à Cinco R$ 78,90 Calçado - Francis Calçados R$ 79,90

Camiseta - Karamelada R$ 34,90 Bermuda - Mania de Maria R$ 108,90

118 VOX

Blusinha - Karamelada R$ 42,90 Saia - Mania de Maria R$ 175,90 Calçado - Francis Calçados - R$ 74,90

Blusinha - Mania de Maria - R$ 153,90 Short - Karamelada - R$ 169,90 Calçado - Pé Direito - R$ 79,90 Acessório - Meu Xodó - R$ 10,90


FICHA TÉCNICA PRODUÇÃO DE MODA E STYLING Carina Monteiro FOTOS Carina Monteiro MODELOS Theo Neris Rufino e Isadora de Lima Soares CENÁRIO Chácara Brasil

Blusinha - Meu Xodó - R$ 43,90 Short - Meu Xodó - R$ 59,90

Bermuda - Meu Xodó - R$ 89,90 Camiseta - Mania de Maria - R$ 89,90


Adamantinense conquista grande sucesso no Japão Liene Yurie Ura Aricio, 24 anos, deixou Adamantina aos 16 para brilhar na carreira de modelo no Japão POR ELI ANA OLIVEIRA

N

atural de Adamantina, Liene Yurie Ura Aricio, 24 anos, 1,67 metros, formada em Comércio Exterior é hoje uma das modelos mais

122 VOX

===

===

FOTOGRAFIA ARQUIVO PESSOAL

conhecidas no Japão. Com uma beleza exuberante e um corpo perfeito, ela deixou a família na "Cidade Joia" com 16 anos para viver do outro lado do mundo. Liene iniciou sua carreira em Presidente Prudente no evento

“Sushi Fest” (maior festa temática japonesa realizada no interior paulista). No evento encontrou, ou melhor, literalmente trombou com o Kendi Yamai (ator, apresentador, organizador de eventos e scouter - “olheiro de agências de modelos”). Kendi viu Liene


e acreditou que tinha potencial para participar do Miss Festival do Japão, que acontece anualmente em São Paulo e é considerado o maior evento da cultura japonesa da América Latina. “Eu fiquei na dúvida mas ao mesmo tempo curiosa”, comenta. Liene passou pelo processo seletivo, como outras 200 meninas, se inscreveu e mandou suas fotos para participar do Miss Festival do Japão. Foram selecionadas 16 mestiças para participar do concurso e Liene estava entre elas. “Chegando lá, tinham várias meninas que já havia ganho outros concursos regionais e por isso estavam ali concorrendo um título maior, e eu não tinha título algum. O jurado era composto por donos de agências, responsáveis pelo fashion week, representantes de Nova Iorque, Tóquio e China. Eu nem acreditei quando venci o concurso em primeiro lugar”, relembra. Foi neste momento que as portas se abriram para ela. “Pois até então não imaginava que eu fosse ser modelo”. Como prêmio, ela ganhou vários cosméticos, dois meses de academia, tratamentos estéticos e uma passagem de ida e volta para o Japão. Rindo, Liene relembra que a passagem para o Japão foi o único prêmio que ela usou. Havia um dono de agência do Japão que estava no Brasil e Kendi Yamai o apresentou a Liene. Seus pais a acompanharam na entrevista, até mesmo porque o pai Milton Ura, fala japonês e então eles poderiam conversar melhor. O dono da agência gostou tanto da adamantinensse que nem mandou suas fotos para a agência daqui aprovar, ele já quis assinar contrato. Ela confiava muito no Kendi pois neste momento já haviam desenvolvido uma amizade sincera que se

“Chegando lá, tinham várias meninas que já havia ganho outros concursos regionais e por isso estavam ali concorrendo um título maior, e eu não tinha título algum”, Liene Yurie Ura Aricio

perdura até os dias de hoje. Liene lembra que quando perguntaram a ela se queria ser modelo no Japão, ela não pensou duas vezes e disse que sim, pois seu sonho era morar fora do Brasil. “Sai de lá com o contrato assinado e já começaram a providenciar toda a minha viagem e foi ai que minha mãe me perguntou: Você está ciente de que você está indo para o Japão? A ficha então caiu”, recorda. Quatro meses depois Liene e sua mãe, Lira Neves Ura, embarcaram para o Japão, Lira ficou com a filha por um mês, a acompanhou e apoiou para poder conhecer a agência, se instalar e verificar se não havia nada de errado. “Eu sei que meus pais foram muito criticados por me deixa-

VOX 123


rem vir morar no Japão sozinha, tão nova e principalmente por eu não ter terminado o colegial. Agradeço pelos meus pais não terem dado ouvidos às pessoas e por terem confiado em mim, pois essa confiança foi essencial para que eu pudesse seguir em frente sem querer desapontá-los”, desabafa Liene. Ela estudou, terminou seus estudos no Japão, se formou em Comércio Exterior e hoje continua estudando a língua japonesa, mesmo modelando. Liene conta que no início foi difícil pois não conhecia o idioma, mas o seu inglês foi melhorando rapidamente e então a comunicação já facilitou, porém são poucos os japoneses que falam inglês. Mas hoje já consegue falar em japonês. Recorda que a primeira agência em que trabalhou cuidava bastante dela, principalmente por ser menor de idade e isso era bom, porque dava uma segurança grande. Sentiu muita falta do Brasil no começo mas confessa que não demorou muito para se adaptar a vida corrida do Japão. Liene diz que ir para o Japão foi uma oportunidade maravilhosa que a fez amadurecer e conhecer muita gente bacana. Liene casou no início do ano. Conheceu seu marido no Japão. Eram os melhores amigos até que um dia essa amizade virou namoro e o namoro virou casamento. Liene diz que a vida de modelo é cheia de castings, viagens e trabalhos. Hoje tem uma rotina diferente, por já estar morando no Japão há muito tempo tem outras obrigações. Viaja bastante dentro do Japão e as vezes para fora do país. Como sua base é Tóquio, ela só vai trabalhar para outros países quando tem um direct booking (Contratar um modelo que se encontra em outro país para um

124 VOX

Modelo Liene durante trabalho no Japão

trabalho especifico), pois não tem interesse em ficar viajando a cada dois meses para países diferentes como fazem a maioria das modelos. “Eu amo o Japão demais. Consegui conciliar os estudos com o trabalho, foi difícil devido a agenda não ser fixa, mas quando se quer muito uma coisa você dá um jeito. Hoje a minha rotina é de estudo, trabalho e cuidar do marido”, diz. Liene trabalha hoje para a TenCarat Plume Agency. Ela afirma que adora o trabalho de modelo e apesar de muitas vezes ser cansativo ela se diverte muito. É um mercado bastante concorrido portanto tem que estar sempre dando o seu melhor para ter sempre novos trabalhos. Sobre os planos para o futuro Liene diz que vive mudando. Ela e o marido pensam que em breve será a hora de mudarem de país para começarem uma nova aventura. Também quer terminar o curso intensivo de

japonês para obter algumas certificações e continuar a estudar até o dia que parar de modelar e for a hora de dar início a uma nova carreira. “Nada que vivo hoje seria possível se meus pais não tivessem acreditado e confiado em mim. Hoje agradeço pela educação que eles me deram e que não me deixaram desviar para um caminho ruim. Vim para cá bem nova, passei por dificuldades, senti saudades e tive meus momentos de dúvida. Mas pude superar tudo, me divertir e aprender muito. Estar em contato com pessoas de países e culturas diferentes é uma experiência maravilhosa. Eu respeito e admiro os japoneses e a sua cultura cheia de valores que deveria ser compartilhado com o mundo todo. Muitos acham que a vida de modelo é só diversão e glamour, não é bem assim, tem que batalhar muito e o importante é nunca desistir”.


Empresário, pai de família, avô. José Maria Haddad, que hoje lidera 14 empresas em Adamantina, fala das lutas e conquistas durante os 34 anos de empreendimento na Cidade Joia POR TAMYRIS ARAUJO

D

a pequena funerária ao Grupo Haddad composto por 14 empresas. José Maria Haddad, de 63 anos, conta à VOX um pouco de sua trajetória, conquistas e projetos. Natural de Ibirarema (SP), filho do libanês Fuad Haddad e Amélia Monteiro Haddad, em 1976 casou-se com Ivanilda Bassio Haddad com quem teve três filhos, Ricardo Alfredo, Antônio Carlos e Renata Helena. Hoje, Haddad é avô de quatro netos, Maria Isabela (15), Vitor

126 VOX

===

===

FOTOGRAFIA SANDRA KOBAYASHI

Fuad (6), Samira (5) e José Ricardo (4). Em 1976 adquiriu a Empresa Funerária Adamantina. No ano seguinte, adquiriu a Comercial Micro Flor Ltda., na época uma pequena floricultura. Após dois anos agregou o setor de presentes. Em 1979 construiu o Velório da Saudade. Na época o único da região. Atuou por 30 anos em um contrato de concessão com a Prefeitura de Adamantina, atendendo todas as famílias carentes gratuitamente. Foi venerável da Loja Maçônica Estrela de Adamantina duran-

“O crescimento das empresas Haddad é fruto de muito trabalho”, José Maria Haddad


te dois mandatos, presidente do Lions Clube, presidente por duas gestões da ACE (Associação Comercial e Empresarial), presidente do Lar Infantil Santo Antônio, tesoureiro da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia e tesoureiro da Casa do Garoto. Em 1992 assumiu a chefia de

gabinete do então prefeito Luiz Wilson Lucianetti. Em 2002 adquiriu de Laurindo de Lima a Mecanografia Lima. Hoje lidera junto com a família um grupo de 14 empresas: Micro Flor Flores, Micro Flor Presentes, Micro Flor Móveis, Micro Flor Móveis Planejados, Marcenaria =========

Como avalia o crescimento das empresas Haddad em Adamantina? São frutos de muito trabalho e dedicação, não só meu, mas de toda minha família que contribuiu com esse crescimento, que não aconteceu de forma rápida, e sim durante 34 anos de luta e empenho, prestando um atendimento que acreditamos ser bom aos nossos clientes. Sempre acreditei na cidade que escolhi para viver e procuro contribuir com o meu

Micro Flor, Mecanografia Lima, Empresa Funerária Adamantina, Haddad Organização Social, Clínica de Fisioterapia Fisio HOS, Clínica de Odontologia Odonto HOS, PoliClínica HOS, Escola de Idiomas Fisk e Cine HOS. Essas empresas geram dezenas de empregos em Adamantina.

=========

esforço e investimentos, agregan- tante defender o que podemos do e acreditando em Adamantina, comprar em Adamantina. como sempre. Com a experiência de duas E o crescimento do comércio gestões frente à ACE (Associade Adamantina neste período? ção Comercial e Empresarial), Acredito que poderia ter cres- o que falta no empresariado de cido um pouco mais, falta alguma Adamantina? coisa. Poderia melhorar mais, ainda Uma das coisas que senti quanexiste evasão de pessoas que saem do fui presidente é que as pessoas para fazer suas compras em outras cobram, mas não estão presentes cidades. Dizem que ‘Santo de casa nas reuniões para participar e conão faz milagre’, mas temos bons laborar. Cobram, mas não ajudam. produtos, grandes lojas e é impor- É importante cobrar, mas também é fundamental dar as mãos, dar ideias, agregar trabalhos e, com isso fazer com que o crescimento de Adamantina seja ainda melhor. De todas as empresas da família, qual a ‘queridinha’? A Micro Flor Flores. Foi ali que começamos no varejo, com trabalho e dedicação, e até hoje eu e minha esposa Ivanilda pegamos o caminhão, vamos para Holambra buscar flores, trazemos e vendemos. O verdadeiro varejinho, mas é onde começamos as vendas, por isso, guardamos com mais carinho.

O empresário José Maria Haddad lidera 14 empresas

Qual a maior realização frente às empresas Haddad? Sinto orgulho de em 1994 ter liderado vários empresários em um movimento que culminou com a compra do prédio do antigo Supermercado Casa Moreira, criando assim um novo Centro Comercial com várias lojas, gerando empregos e que hoje é um dos locais de destaque da cidade. Saber que esti-

VOX 127


“Somos uma família tradicional e unida”, José Maria Haddad ve a frente do movimento é motivo futuro. Tenho orgulho disso. de orgulho. Como é a participação da Qual a importância da união mulher na sua vida? da família nos negócios? Ivanilda, desde o começo, semÉ fundamental a ajuda da famí- pre esteve lado a lado comigo. Sem lia. Temos projetos, levamos esses dúvida, foi fundamental a participaprojetos a diante, eles muitas vezes ção dela na minha vida para o nosso dão certo, outras não, então temos crescimento. Eu posso dizer que ela que saber fazer um equilíbrio disto tem grande parte nas conquista, tudo. Às vezes erramos, outras tanto nas empresas, quanto na acertamos. Mas se erramos, foi ten- família, pois soube criar os filhos tando acertar, e só erra quem faz. com sabedoria e administrar bem os negócios. Como cada filho escolheu o ramo que seguiria? E os netos, Quais são os próximos invesse interessam pelos negócios? timentos da família Haddad? Acredito que foi tudo natural. O A construção de um velório Ricardo e a Renata foram influencia- moderno, um crematório – o único dos pelos negócios, pelas compras na região, já adquirimos até o fore vendas e também o sangue árabe. no, e o cemitério ecologicamente Cacá é o acadêmico da família, correto – que já fizemos a terraplasempre esteve ligado a escola, estu- nagem de dois alqueires de terra. dou fora, e por isso está à frente das Todas as obras serão construídas empresas culturais. Mas cada um próximas do cemitério municipal sempre esteve livre, sem nenhuma de Adamantina. imposição. Os netos já falam ‘essa loja é Os "Haddad's" são unidos minha’, ou ‘vou tomar conta dessa’. nos negócios. E como são fora Para mim é motivo de orgulho pas- do trabalho? sar para outra geração as nossas Somos uma família tradicional tradições e ver que a sementinha e unida, que se encontra todos os plantada por mim dará frutos por domingos para o almoço. Dia de muito tempo e por meio das nossas troca de experiência entre todos. empresas eles poderão buscar o Os netos, para nós, hoje são os

128 VOX

grande tesouros. Aproveitamos o tempo livre para nos divertir, juntos. Somos uma família feliz. Como avalia a atual situação política de Adamantina, com a experiência de quem já foi chefe de gabinete e conhece os problemas da cidade? Fui chefe de gabinete na gestão do prefeito Luiz Wilson Lucianetti, quando tínhamos 17 vereadores e mesmo assim conseguíamos manter uma Adamantina mais harmoniosa defendendo os interesses do município. Acredito que a cidade precisa ser mais harmoniosa. Existem vários grupos divididos, cada um defendendo seus interesses e torcendo pelo seu lado. Isso, apesar de ser difícil, precisava ser minimizado e um pouco mais harmonioso, com a ajuda de todos. Os problemas de Adamantina são maiores do que gostar ou não de uma pessoa ou de outra. A política local passa por momento difícil, e quem comanda Adamantina tem que ter muita habilidade, não pode levar tudo a ‘ferro e fogo’, pois assim só resultaremos em discórdia na política. Tudo isso tinha que acabar para a cidade se desenvolver ainda mais.



Revista VOX - 5ª edição