Page 1

Ano 8 - Nº 98 - Março de 2012 - Publicação Oficial dos Criadores de Gado Holandês de Minas Gerais

Começa a temporada de exposições! Vem aí as exposições 2012! E o Jornal Holandês produziu uma edição especial contando tudo sobre o universo das exposições, como os animais devem ser preparados, os cuidados em geral e a chegada do tão esperado momento.

Parabéns!

EXPOSIÇÕES: Conceituados profissionais da raça que trabalham nos bastidores preparando e acompanhado os animais em exposições dão importantes dicas. Criador, grande ou pequeno, seja um expositor e valorize o seu rebanho! Participe das exposições ranqueadas da Associação Mineira.

O Jornal Holandês faz uma homenagem especial a todas as mulheres envolvidas com o agronegócio Holandês. Páginas 22 e 23

AGENDA - Página 2 | MATÉRIA - Páginas 18 e 19 ENTREVISTA: Há 33 anos, Gilberto Ribeiro Meirelles, mais conhecido como Giba, jurado da raça Holandesa, nos conta como é a sua vida: amado pelos que ganham e odiados pelos que perdem.

Página 6

Nutrição – parte I O produtor de leite deve estar a tento a nutrição, pois ela pode representar de 40 a 70% dos custos de produção. Páginas 8 e 9

Saiba como a produção de leite nos EUA tem aumentado com praticamente a mesma quantidade de animais. Páginas 10 e 11

Wagner Correa

Exterior

Eventos Na Web PÁGINAS 2 a 4

PÁGINA 20

Super Rank CADERNO

PÁGINAS 15 a 17


2 EDITORIAL LEONARDO MOREIRA COSTA DE SOUZA

Presidente da Associação dos Criadores de Gado Holandês de Minas Gerais

Jornal Holandês| Março de 2012 redacao@jornalholandes.com.br

ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE GADO HOLANDÊS DE MINAS GERAIS Avenida Sete de Setembro, 623 Centro - Juiz de Fora - MG - CEP 36070-000

Tel: (32) 4009-4300

METADE DA RAÇA ENTRA PELA BOCA! A edição deste mês traz importantes matérias sobre nutrição. Como dizia o meu saudoso avô: metade da raça entra pela boca! Esta é uma firmação extremamente verdadeira, pois para o pleno desenvolvimento da genética é essencial um programa nutricional consistente, com muita qualidade, seleção e preparação adequada dos alimentos a serem fornecidos. Muita gente está ensilando o milho nesta época e preparando-se para o período seco. Assim, todo cuidado é pouco, pois a cetose, acidose, a torção do abomaso e outras doenças nutricionais interferem muito na eficiência do animal. Leia os artigos e reflita bem sobre esses importantes aspectos. O ano também está acelerando e a temporada de eventos terá início muito em breve. Neste ano teremos boas surpresas pela frente. Preparem-se e participem, pois a valorização dos rebanhos em uma época que a genética é pivô dos grandes projetos passa a ser essencial. No final do mês teremos também a eleição da diretoria que liderará a Associação no próximo triênio. Confira o edital de convocação e Assembleia agendada para o dia 30/03/2012. Por fim, deixei para falar de um patrimônio vivo da raça Holandesa: o nosso grande amigo Giba, sempre presente e lutando por nossa raça. Foi com muito orgulho que li a entrevista, pois Giba é um exemplo de dedicação a ser seguido, além de ser um dos importantes professores da raça Holandesa. Parabéns, Giba! Você merece muita gratidão da família do Holandês. Uma boa leitura e um forte abraço.

ATENÇÃO! A ACGHMG convoca as comissões organizadoras das Exposições Homologadas que entrem em contato para organizar, com antecedência, a programação oficial de 2012. Contamos com a colaboração de todos! Mais informações: 32 4009 4300

AGENDA 2012 CURSOS DE JULGAMENTO DA RAÇA HOLANDESA - 20 a 24 de março - Barbacena - MG EXPOPATRÔ - 11 a 15 de abril - Patrocínio - MG EXPOJOVEM - 15 a 21 de abril - Itanhandu - MG MELHORES DE MINAS - 21 de abril - Itanhandu - MG EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA DE BARBACENA - 16 a 20 de maio - Barbacena - MG EXPOSIÇÃO DE PATOS DE MINAS - 22 a 26 de maio - Patos de Minas - MG SUPERAGRO - 3 a 10 de junho(*) - Belo Horizonte - MG MEGALEITE - 1 a 8 de julho - Uberaba - MG LEILÃO ESTRELAS DO HOLANDÊS E CONVIDADOS - 7 de julho - Uberaba - MG EXPOAGRO - 9 a 15 de julho - Guaxupé - MG EXPOMARJ - 9 a 15 de julho(*) - Leopoldina - MG EXPOSIÇÃO DE TRÊS CORAÇÕES - 2 a 7 de agosto(*) - Três Corações - MG Agroleite - 6 a 10 de agosto - Castro - PR EXPOSIÇÃO DE ITANHANDU - 20 a 28 de agosto(*) - Itanhandu - MG EXPOSIÇÃO DE JUIZ DE FORA - 23 a 28 de agosto(*) - Juiz de Fora - MG Expointer - 25 de agosto a 2 de setembro - Esteio - RS EXPHOMIG - 9 a 16 de setembro - Barbacena - MG Até a data de fechamento desta edição a redação possuía confirmação somente dos eventos citados. (*) Datas a serem confirmadas pela organização da exposição.

DIRETOR SECRETÁRIO Maria do Carmos Peters de Oliveira e Gilberto Vilela de Oliveira

PRESIDENTE Leonardo Moreira Costa de Souza VICE-PRESIDENTES Armando Eduardo de Lima Menge, Ellos José Nolli e Cristovam Edson Lobato Campos DIRETOR TESOUREIRO Antônio de Pádua Martins e Sancho José Matias

CONSELHO FISCAL EFETIVO Aniceto Manuel Aires, Gilberto Carvalho Esteves, Lúcia Mara Yamaguti Kono, Marcos Almeida Junqueira Reis e Raul Pinto CONSELHO FISCAL SUPLENTE José Alair Couto, José Heli Dias Pereira e Manuel Jacinto Gonçalves

DIRETOR SECRETÁRIO GERAL Lucas Pimenta Veiga

SUPERINTENDENTE TÉCNICO Cleocy Fam de Mendonça Júnior cleocyjr@gadoholandes.com

REPRESENTAÇÕES REGIONAIS: Acricom - Associação dos Criadores de Gado Holandês do Centro-Oeste Mineiro Presidente - Peter Jordan Avenida Amazonas, 6020 - Gameleira. 30510-050 Belo Horizonte - MG - Tel: (31) 3334-8500 Nughoman - Núcleo dos Criadores de Gado Holandês da Mantiqueira Presidente -Almir Pinto Reis Rua João Baptista Scarpa, 666. 37464-000 Itanhandu - MG - Tel: (35) 3361.2404 Nughobar - Núcleo dos Criadores de Gado Holandês de Barbacena Presidente - Cristovam Edson Lobato Campos Avenida Amílcar Savassi, s/n caixa postal 126. 36200-000 Barbacena - MG - (32) 3332-8673

EXPEDIENTE Jornal Holandês - Publicação Oficial da Associação dos Criadores de Gado Holandês de Minas Gerais Av. Sete de Setembro, 623, Costa Carvalho – Juiz de Fora – MG – CEP 36070-000 - Fone: (32) 4009-4300

Conheça a nossa publicação digital, acesse www.jornalholandes.com.br

Presidente: Leonardo Moreira Costa de Souza Comissão Editorial: Antônio de Pádua Martins, Armando Eduardo de Lima Menge e Cleocy Fam de Mendonça Júnior Equipe Valor Editora Projeto Gráfico e Editorial: Equipe de Criação da Valor Editora Edição e Diagramação: Helô Costa - Mtb 00127/MG Revisão Linguística: Professora Mariza Moura Colaborou nesta edição: Emerson Pancieri - Mtb 12438/MG Contato Imprensa: editora@jornalholandes.com.br

GRUPO DE COMUNICAÇÃO

Departamento Comercial: Executivo de Contas: Wagner Correa 31 2526- 2527 | 31 9105-7737 comercial@jornalholandes.com.br Impressão: O Tempo Serviços Gráficos RECADASTRAMENTO: Para continuar a receber o Jornal Holandês acesse www.jornalholandes.com.br e preencha corretamente o cadastro Participe do jornal, envie sugestão de pautas, reclamações, agenda de eventos e deixe seus comentários, esse é o canal direto com o produtor: redacao@jornalholandes.com.br A Valor Editora é a única empresa responsável pela comercialização de espaços dentro do jornal impresso e site do jornal assim como qualquer outra negociação que diz respeito ao Jornal Holandês conforme acordo firmado com a Associação dos Criadores de Gado Holandês de Minas Gerais. Qualquer dúvida entre em contato com a nossa equipe. O Jornal Holandês não se responsabiliza pelas matérias assinadas e pelos conceitos emitidos nos artigos assinados, sendo de responsabilidade de seus autores. É vetado a reprodução parcial ou integral de qualquer conteúdo do Jornal Holandês.

JORNAL HOLANDÊS AGORA NO TWITTER: twitter.com/jornalholandes

FIQUE ATENTO

O Jornal Holandês é o nosso veículo de comunicação. Aproveite este espaço para divulgar exposições, feiras e eventos da sua região ligados a raça. Participe! Envie para editora@jornalholandes.com.br


EVENTOS EM MINAS 3

Jornal Holandês| Março de 2012 redacao@jornalholandes.com.br

Lavras - MG O II Simpósio Internacional em Formulação de Dietas para Gado Leiteiro – Formuleite acontecerá nos dias 14 e 15 de junho, no Salão de Convenções da Universidade Federal de Lavras, em Minas Gerais. O intuito deste simpósio é discutir o conhecimento de ponta em nutrição, que provavelmente deve influenciar as novas versões dos modelos nutricionais e a prática da formulação computadorizada de dietas. O evento contará com a presença de palestrantes nacionais e internacionais. Dentre os vários temas abordados teremos o uso de leveduras em rebanhos leiteiros, o nitrogênio uréico no leite como ferramenta para ajuste de dietas, novos conceitos em cana-de-açúcar fresca e ensilada, definindo aditivos alimentares para gado de leite a nível de indústria e fazenda, nutrição e metabolismo hepático em vacas periparturientes, utilizando o conhecimento em comportamento alimentar de vacas leiteiras para melhorar a formulação de dietas e formulação de dietas para vacas leiteiras em estresse calórico. A Associação dos Criadores de Gado Holandês de Minas Gerais é uma das apoiadoras do evento. Mais informações: www.grupodoleite.com.br

Inhaúma - MG O tradicional e esperado Leilão Anual True Type – Fazenda São João acontecerá no dia 17 de março, às 14h, em Inhaúma – MG. O leilão terá grandes doadoras e excelentes produtoras de leite, além de 60 vacas Holandesas registradas de 1ª e 2ª cria com lactações projetadas acima de 9.000kg, 50 novilhas prenhes, 50 bezerras registradas e 10 embriões. No final do evento será sorteada uma maravilhosa bezerra entre os compradores. Mais informações: Paulo Henrique: 31 3772 0488, Clóvis Correa: 31 9612 4091, Paulo Baiano: 31 9962 9141 ou Robson Vilela: 31 9942 1553

Belo Horizonte - MG O Departamento de Zootecnia da Escola de Veterinária da UFMG promove o “VI Simpósio Mineiro de Nutrição de Gado de Leite” e o “I Simpósio Nacional sobre Nutrição de Gado de Leite” entre os dias 13 e 15 de abril, em Belo Horizonte - MG. Os eventos são abertos a todos os interessados, desde produtores rurais, técnicos, estudantes e pesquisadores e as vagas são limitadas. O objetivo é proporcionar ao público a oportunidade de se atualizar sobre importantes temas relacionados à nutrição de gado de leite, alimentos alternativos para diminuição dos custos de produção, estratégias para mitigação da produção de metano, uso de hormônio de crescimento e a produção de leite e uso da cana-de-açúcar na alimentação de gado de leite. Mais informações: 31 3409 2049

Barbacena – MG Ainda dá tempo de participar do curso de Julgamento de Bovinos da Raça Holandesa que acontecerá dos dias 20 a 23 de março, em Barbacena – MG. Aproveite a oportunidade para conhecer melhor a dinâmica de julgamento adotada pela raça Holandesa. O curso é aberto ao público e contará com aulas teóricas e práticas. Para quem participou da Exphomig 2011, lembrará da presença do jurado Mr. Brian Carscadden, considerado um dos melhores juízes do mundo e que estará no Brasil para conduzir os trabalhos do curso. Outra oportunidade desta em Minas Gerais provavelmente somente daqui a 10 anos, pois o curso é realizado a cada 2 anos em Estados diferentes. O evento é uma parceria da Associação dos Criadores de Gado Holandês de Minas Gerais - ACGHMG com o Colégio Brasileiro de Jurados de Pista da Raça Holandesa – CBJP. Mais informações: 32 4009 4300

Patrocínio abre temporada de exposições Abrindo a temporada de exposições ranqueadas pela Associação dos Criadores de Gado Holandês de Minas Gerais ACGHMG, a cidade de Patrocínio será a primeira a receber os criadores de gado Holandês, mostrando todo o trabalho que estão desenvolvendo em suas fazendas. A XIX Exposição da Raça Holandesa de Patrocínio acontecerá no período de 11 a 15 de abril, no Parque de Exposições Brumado dos Pavões, localizado a 405 quilômetros da capital mineira. A exposição contará com a participação unificada de animais PeB e VeB, além da presença de importantes autoridades estaduais e municipais, dentre elas o secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Elmiro Alves do Nascimento. Nos dias 11 e 12 acontecerá a entrada dos animais; no dia 14, às 14h haverá a abertura oficial e em seguida o julgamento do gado jovem; por fim, às 18h será realizado um coquetel de confraterniza-

ção entre criadores e amigos. Já no domingo, dia 15, às 9h é a vez do julgamento do gado adulto e entrega da premiação. O jurado de pista será Altair Antônio Valotto, da Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa - APCBRH. Segundo o jurado de admissão e veterinário Ronaldo Borges estão sendo esperados cerca de 120 animais vindos de criatórios de Patrocínio Paulista-SP, Cristalina-GO, Patrocínio, Patos de Minas, São Gotardo, Três Corações e Uberlândia. Destaque este ano vai para presença dos animais Vermelho e Branco e a participação expressiva do criador José Afonso Amorim, premiado ano passado durante a Feileite como segundo Melhor Criador e Expositor de Gado Holandês VeB. Mais informações: 34 9955 8989 - Carlos Alberto Amorim, 34 9975 2341 - Ronaldo Borges ou pelo e-mail: vtborges@terra.com.br


4 EVENTOS EM MINAS

Jornal Holandês| Março de 2012 redacao@jornalholandes.com.br

Os “melhores” em Itanhandu

Criadores do Brasil terão a oportunidade de prestigiar a Expojovem, Leilões e Melhores de Minas 2012 promete ser um ano promissor para o mercado de leite e principalmente para os expositores. A cidade de Itanhandu, em Minas Gerais, acolherá criadores da raça Holandesa que participarão da V Exposição Nacional de Gado Holandês Jovem – Expojovem, no período de 15 a 21 de abril. O evento é uma excelente oportunidade para conhecer de perto o trabalho dos criadores e se preparar para os próximos anos em termos de genética e produtividade. Os destaques do ano passado ficaram para a expressiva participação de criadores de todo o Brasil, no total de 43 expositores e um público estimado de 300 pessoas. Nesta edição a novidade fica a cargo da realização de dois leilões, no dia 19 acontecerá o Leilão Melhores de Minas Girolando e no dia 20 será a vez do Leilão Melhores de Minas Holandês, todos às 21 horas. A entrada dos animais será de 15 a 18 com o julgamento no sábado, dia 21, às 10 horas. A exposição é uma realização do Sindi-

Fotos Waldyr Ribeiro

No ano passado, a Expojovem e os Melhores de Minas contaram com a participação de grande público

PELO BRASIL Chapecó – SC A terceira edição do Interleite Sul 2012 acontecerá de 3 a 5 de abril, no Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo de Nês, na cidade de Chapecó – SC. O evento terá temas relacionados a sistemas de produção, profissionalização da atividade e a prospecção de cenário futuro da atividade leiteira, tanto na região sul, como no Brasil de forma geral. Possui expecttiva de reunir entre 800 e 1000 participantes dentre eles produtores de leite, técnicos e consultores ligados à produção de leite, estudantes, dirigentes laticinistas, membros do governo e pesquisadores envolvidos com políticas públicas para o leite. Mais informações: www. Interleite.com.br/sul

Santa Rosa – RS A 19ª Feira Nacional de Soja - Fenasoja traz um novo marco para a região e o estado com o Leite Show RS, exposição voltada à Pecuária Leiteira e todo seu potencial. Acontecerá no Parque Municipal de Exposições Alfredo Leandro Carlson, em Santa Rosa – RS, de 27 de abril a 6 de maio. O Leite Show RS será organizado em duas etapas, proporcionando maior conforto aos animais e ao produtor. Para acompanhar tudo que envolve a Pecuária Leiteira, haverá a Casa do Leite, o espaço do produtor na 19ª Fenasoja. Haverá também a Exporural um local especialmente projetado pela Fenasoja, que se concentrará as novidades do mercado para o agronegócio. É o espaço onde cooperativas, instituições de pesquisa e de extensão rural, além de empresas mostrarem ao produtor rural as inovações tecnológicas em sementes e fertilizantes. Mais informações: www.fenasoja.com

Pinhal da Serra – RS A III Festa da Integração acontecerá na cidade de Pinhal da Serra – RS e abrirá as portas para a raça Holandesa entre os dias 19 a 22 de abril. Mais informações: www.gadolando.com.br

cato dos Produtores Rurais de Itanhandu, do Núcleo dos Criadores de Gado Holandês da Mantiqueira – Nughoman, da Associação Brasileira de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa - ABCBRH e da Associação dos Criadores de Gado Holandês de Minas Gerais – ACGHMG. Comece o ano mostrando o que há de melhor em gado jovem na sua propriedade. Participe! Mais informações: 32 4009 4300 ou 35 3361 2322 RECONHECIMENTO 21 de abril é data de muitas festas! Feriado nacional onde é comemorado o dia do primeiro sonho de um Brasil livre da colonização portuguesa. E nesta edição todos da raça comemoraram também os Melhores de Minas em 2011 e farão parte da história do Holandês. Criadores do Estado, que realizaram um excelente trabalho em suas fazendas durante o ano passado, receberão o reconhecimento da sociedade mineira. Confirme já a sua participação! Mais informações: 32 4009 4300

EXPERIMENTE! Faça parte da Associação dos Criadores de Gado Holandês de Minas Gerais

Ser associado é simples e o custo é bem menor do que você imagina. Além do Registro de Animais, que valoriza o seu rebanho, a Associação ainda oferece vários serviços e oportunidades. Não importa se seu rebanho é pequeno, médio ou grande. Aqui todo mundo sai ganhando com a união. Não perca mais tempo, experimente, ligue para nós e tire suas dúvidas. Você vai descobrir que a ACGHMG existe para apoiar você.

Agende uma visita de um dos nossos técnicos em sua fazenda

32 - 4009 4300


6

ENTREVISTA

Jornal Holandês| Março de 2012 redacao@jornalholandes.com.br

33 anos na mira dos expositores "Para ser um bom jurado ele deve estar bem informado sobre a raça e praticar sempre o olho" Wagner Correa

“....queremos agradecer a participação de todos e vamos começar a exposição. Neste ano contamos com a presença do jurado de pista Gilberto Ribeiro Meirelles...” Olhares atentos, gritos e silêncio, risos e lágrimas, emoções presentes em horas e horas de exposição; não se pode perder nada. Com o começo das exposições em 2012, convidamos uma figura muito conhecida e amiga de todos da raça, Gilberto Ribeiro Meirelles, tratado carinhosamente por todos como Giba. Há 33 anos ele nos conta sonhos e histórias desses vários anos de Holandês. Giba é jurado desde 1979, sendo um dos primeiros da raça no Brasil, além ser médico veterinário e agropecuarista. “Nasci no meio das vacas Holandesas, sempre junto do meu pai que me ensinou muito, devo muito a ele. Formei em 1976, como médico veterinário e logo fui para os Estados Unidos, onde importei bezerras, novilhas e vacas campeãs nacionais, tendo 3 vacas Grande Campeã. Holandês é a minha paixão, não possuo mais a criação de gado, mas sonho com elas até hoje e tenho prazer enorme de conviver com a raça”, comenta Giba. O curso de Reciclagem de Jurado de Pista realizado pela Associação dos Criadores de Gado Holandês de Minas Gerais – ACGHMG será coordenado por Giba e acontecerá de 20 a 24 de março, em Barbacena. Aproveitando a oportunidade ele nos conta os bastidores da vida de um jurado.

Jornal Holandês: Quais foram as principais exposições que julgou? Gilberto Ribeiro Meirelles: As exposições que marcaram a minha vida foram as grandes estaduais como Expocri, Expocrisp, Exphomig, as estaduais de Belo Horizonte, Esteio, Goiânia e Recife. JH: Já julgou quantas exposições? Giba: São muitos anos como jurado, mas lembro de 52 homologadas. JH: Como serão as aulas do curso de Jurado de Pista que acontecerá esse mês? Giba: São aulas teóricas e práticas sobre a vaca True type da raça. É importante saber as características do animal. JH: Quais as qualificações essenciais para ser um competente jurado? Giba: Gostar do que faz, entender, ser imparcial, ter honestidade, ter critério do começo ao fim do julgamento e, sobretudo ter ética. JH: O que o jurado tem que estar sempre atento? Giba: Estar bem informado sobre a raça e praticar sempre o olho, além de estar sempre envolvido com o Holandês. Convivência é muito importante! JH: É possível viver trabalhando como jurado de pista?

Giba: Não, porque ninguém julga o bastante para sobreviver só como jurado. JH: Curiosidade: jurado ou juiz? O que é correto? Giba: Jurado de pista é o termo correto, pois juiz é o Magistrado que tem por função ministrar a justiça. JH: Quais os desafios na hora de julgar o Holandês? Giba: O desafio é estar tranquilo, fazer o que você sabe, sempre procurando o True type da raça, e responder para você mesmo o que você quer, ser honesto consigo mesmo. JH: Vale a pena ser jurado de pista? Giba: Sim. Primeiro porque gosto, quando julgo estou sempre reciclando, aprendendo e crescendo sobre a raça. JH: O jurado normalmente é amado por quem ganha e odiado por quem perde. Como você lida com essa situação? Giba: Acho interessante após o julgamento trocar ideias com expositores, pois eles ficam tensos não querem perder, o mais importante é justificar o momento. JH: Quais as principais características de um animal para ser um excepcional Holandês? Giba: Chegar o mais próximo do True

type da raça. Hoje queremos uma vaca balanceada, equilibrada com muita harmonia em todas as suas partes. JH: Com tantos anos de julgamento, fale um pouco sobre a evolução do Holandês. Giba: A cada ano o Holandês evolui mais com a genética, alimentação e manejo. É como carros e computadores sempre evoluindo. JH: Como é a relação da sua família com as viagens que tem de fazer pelo País? Giba: É boa, porque sabem que eu gosto e é muito importante para mim. JH: Como vê as novas gerações no Holandês? Giba: Evoluindo. JH: O que significa o Holandês para a sua vida? Giba: Holandês para mim é gratificante, uma porque gosto, e outra porque fiz grandes amigos. JH: O que o criador deve ter em mente ao levar um animal em uma exposição? Giba: Espírito esportivo, saber competir, tentar entender a raça, fazer auto critica e se tiver dúvidas trocar ideias, entender porque perdeu para poder crescer na raça. JH: O que é fundamental para conquis-

tar um prêmio? Giba: Cuidar o melhor possível do animal, desde o nascimento e sempre com atenção no acasalamento, alimentação e manejo. JH: O que o criador tem que observar se o animal não for bem à exposição? Giba: Se o animal tem potencial, ele deve sempre observar o manejo e a alimentação. JH: Um sonho no meio do Holandês. Giba: Cada vez mais aumentar o número de criadores da raça e com isso, ter cada vez mais expositores. JH: Deixe uma mensagem a todos que desejam um dia ser jurado de pista. Giba: Gostar muito, como em tudo na vida, é essencial ser apaixonado pela raça, ter dedicação, paciência, persistência e estar sempre atualizado. GOTAS DE LEITE: Holandês é... a melhor raça de leite do mundo. Ser jurado é... muito bom, muito prazeroso, porque a gente está sempre crescendo junto com a raça. Competir é... importante, é a emoção. Amar é... a melhor coisa que existe. Odiar é... a pior coisa que existe. Atenção é... imprescindível. Qualidade é... o principal. Perseverança é... essencial.


8 NUTRIÇÃO - PARTE I

Jornal Holandês: Explique sobre os principais nutrientes de uma dieta balanceada. Helena Nogueira Frota: Os nutrientes são os componentes dos alimentos ingeridos. As dietas de vacas leiteiras são basicamente compostas por volumoso, concentrado e sais minerais. Os nutrientes que compõem estes alimentos possuem natureza diversa: proteínas, carboidrato (carboidrato não fibroso e fibra detergente neutra), gorduras, vitaminas e minerais. E estes estão presentes em diferentes proporções nos alimentos fornecidos aos animais, tais como: silagem de milho, cana-de-açúcar, cevada, pasto, soja, milho, caroço de algodão, polpa cítrica, ureia e outros. A avaliação do fornecimento desses nutrientes, em quantidade e qualidade adequada, de acordo com a exigência do animal e os alimentos disponíveis, é o que permite a formulação da dieta balanceada. JH: A alimentação se diferencia de acordo com a estação do ano? Helena: Sim, dependendo da disponibilidade de alimentos de cada propriedade. Se a fonte de volumoso for alterada de

redacao@jornalholandes.com.br

Wagner Correa

A nutrição pode representar de 40 a 70% dos custos de produção por isso é um assunto que merece atenção especial do criador. O que seria uma dieta correta? As estações do ano alteram a alimentação? O que fazer no período de transição? Mitos: verdades ou mentiras? Estas e outras perguntas sempre rondam o dia-a-dia do produtor de leite, por isso trouxemos nesta edição um dos assuntos mais relevantes na fazenda: a nutrição. A médica veterinária e mestre em produção animal, Helena Nogueira Frota, fala especialmente ao criador de gado Holandês sobre este tema tão importante para o produtor de leite. Segundo Helena Frota “a boa nutrição é aquela que atende todas as exigências do animal, levando em consideração as particularidades de cada propriedade e da região em que está inserida. A disponibilidade de diferentes tipos de volumosos e concentrados e a qualidade da mão de obra são fatores importantes a serem considerados quando o nutricionista determina a dieta adequada para cada propriedade. Ele deve ser atencioso e cuidadoso, já que a associação entre a boa nutrição, manejo e bem-estar animal são fatores responsáveis pelo sucesso da atividade leiteira”. Como o assunto é bastante amplo o Jornal Holandês fará duas edições, a atual contendo os vários detalhes sobre a dieta para as vacas e a próxima onde contará sobre a alimentação para os bezerros que são sobretudo os responsáveis pelo futuro da fazenda.

Jornal Holandês| Março de 2012

Sucesso na atividade leiteira

acordo com a estação do ano, como acontece em muitas propriedades, a alimentação será diferenciada. Um exemplo disso é quando se trabalha com silagem de milho ou cana no período seco do ano e com pastagem no período das águas. Todos os alimentos citados acima irão constituir a fonte de volumoso da dieta e como os nutrientes que compõe cada um destes são distintos, o balanceamento do concentrado (ração) irá variar. Ou seja, com cana ou silagem de milho trabalhamos com um concentrado mais protéico. Já com o pasto, trabalhamos com concentrado mais energético. JH: Como o criador pode calcular a quantidade de alimento segundo peso X idade X produtividade? Helena: O balanceamento nutricional para atender as demandas dos animais em lactação se baseia no peso corporal, produtividade, composição de gordura e proteína do leite e fase da lactação em que se encontram. De acordo com esses dados são feitos cálculos que determinam a exigência de nutrientes do animal. O nutricionista, então, seleciona os alimentos que irão compor a dieta e

Atenção produtor de leite: “nem sempre a dieta mais barata é a mais lucrativa” de acordo com a composição de cada alimento é formulada a dieta balanceada. Muitos criadores continuam formulando a dieta de seus animais levando em consideração apenas a produção de leite, e como ainda recomendado por alguns, fornecem 3 kg de ração para cada litro de leite produzido. Essa recomendação, na maioria das vezes não permite que seja explorado o máximo potencial produtivo dos animais, além de muitas vezes não ser a opção mais econômica a ser seguida. JH: Como deve ser a alimentação para vacas com alta produção? Helena: A alimentação das vacas de alta produção, assim como as de baixa e média produção deve atender toda a demanda nutricional do animal. Uma particularidade na alimentação da vaca de alta produção é a quantidade de alimento ingerido, que muitas vezes coloca esse animal em risco se não for fornecido corretamente. Devido à quantidade de concentrado ingerido ser maior, é importante se preocupar com o fornecimento de fibra efetiva, tamponante e outros aditivos disponíveis no mercado para assegurar saúde ruminal a esses

animais. Doenças como acidose (clínica e subclínica), laminite (problemas de casco), timpanismo, deslocamento de abomaso e outras são possíveis consequências de dietas mal balanceadas para vacas de alta produção. JH: E para vacas em período de transição? Helena: O período de transição é um momento muito delicado na vida da vaca leiteira. Dessa forma a dieta de transição deve receber cuidados especiais. Nesse período a vaca transita de gestante e não lactante para não gestante e lactante. Quando a vaca está seca, na maioria das vezes ela recebe um volumoso qualquer e nenhum concentrado. Após o par to, quando ela se torna lactante, passa a receber uma dieta rica em concentrado com um volumoso de melhor qualidade. Nesse momento de transição é ideal que a vaca seca se prepare para receber a dieta fornecida durante o início da lactação. Assim, é importante que todos os constituintes da dieta em lactação sejam fornecidos no período de transição. Mas não é indicado que a mesma ração de vacas em lactação


NUTRIÇÃO - PARTE I 9

Jornal Holandês| Março de 2012 redacao@jornalholandes.com.br

Arquivo pessoal

Para Helena Frota a boa nutrição, manejo e bem estar animal são fatores responsáveis pelo sucesso da atividade

seja fornecida nesse período, devido principalmente aos níveis de minerais. Ou seja, cuidado especial deve ser tomado com o fornecimento de minerais e vitaminas. Os minerais estão presentes em todos os alimentos, então atenção deve ser dada a certos volumosos e concentrados. Por exemplo: pasto e cana são alimentos com alto teor de potássio e polpa cítrica, alto teor de cálcio. Desta forma a adição desses alimentos pode acarretar em desequilibro cátion-aniônico da dieta. Em certas situações torna-se necessário o fornecimento de dieta aniônica ou tendendo a aniônica no período de transição para reduzir transtornos metabólicos.

JH: Quais os principais aspectos afetados por uma nutrição inadequada? Helena: A nutrição inadequada pode afetar a produtividade e saúde do rebanho e consequentemente a lucratividade do sistema de produção. Retenção de placenta, hipocalcemia, deslocamento de abomaso e mamite são exemplos de doenças que podem atingir rebanhos que recebem dieta de transição inadequada. Outras doenças como acidose clínica e subclínica, laminite, timpanismo, deslocamento de abomaso e problemas reprodutivos podem ser encontradas em rebanhos que recebem dietas desbalanceadas durante a lactação.

JH: Há como conciliar custo X benefício? Helena: Sim, é possível. Para saber o custo X benefício de uma dieta é necessário que o produtor conheça detalhadamente seus custos de produção. Nem sempre a dieta mais barata é a mais lucrativa. É preciso conhecer índices zootécnicos e financeiros da empresa rural para sabermos realmente qual dieta gera maior custo X benefício. JH: Dê dicas de bons investimentos na nutrição. Helena: A nutrição pode representar de 40 a 70% dos custos de produção. Essa grande variação relaciona-se principalmente com a enorme variação de preços de insumos. Considero então, que bons investimentos na nutrição deva estar relacionado ao melhor poder de negociação na hora da compra dos constituintes da dieta. Isso pode ser obtido formando parcerias ou associações entre produtores, ou produtores e laticínios, ou também melhorando a capacidade de estocagem da propriedade. É importante também evitar desperdícios e ter um eficiente controle de estoque na fazenda.

JH: Quais as formas adequadas de armazenamento dos constituintes da dieta? Helena: Os alimentos concentrados como polpa cítrica, farelo de soja, caroço de algodão, fubá de milho, ureia, entre outros devem ser estocados em lugares frescos, sem umidade, livre de roedores e que os animais não tenham acesso. Volumosos, como silagem de capim, cana ou milho devem ser preparados corretamente durante a ensilação para terem qualidade e serem melhores aproveitados. As lonas que cobrem os silos devem ser vistoriadas constantemente. JH: Fale sobre os mitos na nutrição. Helena: O “3 pra 1” está em todos os lugares. Significa o fornecimento de 3 kgs de ração para cada litro de leite produzido, como já citado anteriormente. O mito de que vacas secas não precisam de cuidados na alimentação também deve ser quebrado. Esses animais devem receber muita atenção, pois estão se preparando para dar leite e um novo bezerro ao produtor. Os produtores que acreditam na atividade leiteira, e acreditam nesses mitos devem rever os seus conceitos.


10 EXTERIOR

Jornal Holandês| Março de 2012 redacao@jornalholandes.com.br

Cerca de 70% das propriedades no Texas utiliza o sistema de criação free-stall

Eficiência alimentar é fundamental Os norte-americanos estão sempre atentos aos animais que produzem mais leite com menos ração

Continuando a falar sobre nutrição só que agora na visão americana, a médica veterinária Marianne Rossi Peras nos conta sobre as experiências e conhecimentos adquiridos em sua viagem ano p a s s a d o p e l o s e s ta d o s d o T e xa s e Oklahoma. “Foi um ano de muito trabalho e de intensa aprendizagem. Adquiri amplo conhecimento a respeito dos vários modelos de produção, da legislação do FDA para produtos de nutrição animal e sobre melhoramento genético dos animais”, comenta Marianne. ESTATÍSTICAS A produção leiteira durante janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de janeiro de 2011. A produção por vaca foi em média de 842 kg em janeiro, 20.8 kg acima da produção registrada em janeiro de 2011.

O número de vacas em lactação em propriedades foi de 8.5 milhões de cabeças, 93.000 a mais do que janeiro de 2011. PRODUÇÃO As raças leiteiras predominantes nos Estados Unidos são a Holandesa e a Jersey. Mariane teve a oportunidade de visitar leiterias no estado do Texas. “Conheci uma cidade chamada Dalhart, em que estava operando uma recém construída fábrica de queijo mussarela para pizzarias norte-americanas. Vários produtores de gado Jersey foram estimulados a migrarem para esta região, devido ao alto teor de gordura no leite desses animais, extremamente interessante para a produção de queijo”, relata. Leiterias com 3.000 cabeças nessa e em outras regiões são comuns. Há regiões com 7.500 vacas Jersey, com ordenhadeira car-

rossel ordenhando mais de 100 vacas a cada giro. Cerca de 70% das propriedades utilizam, na grande maioria, o sistema de criação free-stall. As ordenhadeiras mais utilizadas são a do tipo carrossel e a do tipo linear. A temperatura dos tanques de coleta de leite é extremamente controlada e é conferida pelos técnicos responsáveis da indústria, que estará captando o leite semanalmente e diariamente pelos técnicos da propriedade. São avaliados os teores de gordura, proteína e contagem de células somáticas. Na análise do leite feita semanalmente é realizada também uma busca por qualquer resíduo contido no leite que possa ser prejudicial. O período de lactação da vaca é em média 305 dias. Os norte-americanos não utilizam o sistema de ordenha de vacas de alta produção em 600 dias utilizado em algumas propriedades brasileiras. Um dos motivos é devido à alta taxa de reposição do rebanho; portanto, se faz necessário que a vida reprodutiva dos animais seja explorada intensivamente. Grande parte dos produtores de leite produz ao menos um pouco da alimentação fornecida ao gado, criam e produzem novilhas de reposição, comercializam produtos lácteos e animais abatidos. A reprodução das vacas leiteiras é feita com a utilização de inseminação artificial em sua grande maioria, perfazendo cerca de 94% das propriedades. O uso da técnica tem permitido o crescente melhoramento genético do rebanho e favorece o fato de não ser necessário manter um touro nas propriedades. O sêmen sexado é utilizado em cerca de 17% das propriedades leiteiras norte-americanas. Com esses dados é possível concluir o quão solida é a produção norte-americana

e o quanto a produção vem aumentando. NUTRIÇÃO NORTE-AMERICANA Através da última década, a média de preço anual do leite oscilou entre U$12.18 a U$19.21 por cwt (medida de peso utilizada que representa 100 libras, correspondente a 45.35kg). Desde 2005, os lucros têm diminuído devido ao aumento do custo dos ingredientes da ração. O custo da alimentação em uma propriedade leiteira gira em torno de 65%. O milho, o feno de alfafa e a soja são ingredientes principais nas rações. Os dois primeiros são os ingredientes primários para se calcular a taxa de lucro futuro. O produtor norte-americano leva muito em consideração não somente a quantidade de leite produzida, mas também a quantidade de ração consumida. Se a taxa consumo de ração / produção de leite estiver desfavorável, são procurados meios alternativos de diminuir custos, como por exemplo, uma reformulação da dieta desses animais. A nutrição da vaca leiteira é olhada com muito cuidado, a preocupação dos norte-americanos com a qualidade dos ingredientes das rações e a formulação da ração total são constantes. Para eles o mais importante é a eficiência alimentar. “Acredito que a conversão alimentar e eficiência alimentar são conceitos diferenciados. A conversão alimentar seria o animal transformar uma quantidade “x” de ração em 1 kg de leite. O conceito de eficiência alimentar não é diferente na teoria, mas na prática. Pela experiência que adquiri nos Estados Unidos, a eficiência alimentar de um animal é avaliada como aquele animal que produz mais leite, porém comendo menos ração”, comenta Marianne. Diferente de um conceito de conversão alimentar, quando comparado entre 2 ani-


EXTERIOR

Jornal Holandês| Março de 2012 redacao@jornalholandes.com.br

tem mudado e os produtores estão preferindo utilizar aditivos orgânicos ou naturais, que possam manter o pH do rúmen dos animais estável e aumentar a produção leiteira. Hoje as opções no mercado desse tipo de aditivo são variadas. O consumidor americano tem preferido produtos de origem animal, onde não foram utilizados qualquer tipo de aditivo que possa deixar resíduo nesses produtos. A consciência da população norte-americana em relação à saúde mudou no bom sentido. Já podemos perceber que cerca de 40% propriedades possuem o constante crescimento da utilização de aditivos contendo leveduras e/ou probióticos. Segundo a médica veterinária Marianne “é um passo importante, pois a saúde do s e r h u m a n o e m q u a l q u e r l u ga r d o mundo tem sido prejudicada devido a alguns tipos de produtos utilizados na produção animal.”

Vista superior da ordenha linear, uma das mais utilizadas nos Estados Unidos

Há regiões com 7.500 vacas com ordenhadeira carrossel ordenhando mais de 100 animais a cada giro

Vista do sistema de captação do leite da ordenhadeira carrossel

Fotos Marianne Rossi Peras

mais, por exemplo: 2 vacas leiteiras são alimentadas com a mesma ração. A vaca 1 consegue produzir 3 kg de leite com 1 kg de ração. A vaca 2 consegue produzir 3,5 kg de leite com 1 kg de ração. Pela lógica, podemos concluir que a conversão alimentar da vaca 2 é melhor que da vaca 1. Porém, quando analisado o conceito de eficiência alimentar, estamos analisando animais que consigam converter mais comendo menos. Por exemplo, se existisse no mesmo exemplo acima uma va c a 3 , p ro d u z i n d o 3 , 5 kg d e l e i te comendo 800 gramas de ração, esta seria a vaca eleita como a mais eficiente. E é este tipo de animal selecionado no rebanho norte-americano. São sempre selecionados animais que possam produzir a mesma quantidade de leite ou maior com um consumo de ração menor. Esse tipo de animal torna o sistema mais viável pela redução de custos no fator mais delicado, que é a alimentação. Lembrando sempre que a intenção não seria diminuir a produção leiteira selecionando animais que simplesmente tivessem um consumo menor de ração total, e sim aqueles animais que consigam produzir quantidade igual ou maior de leite consumindo uma menor quantidade de ração total. “Acredito ser importante ressaltar para os produtores brasileiros que é necessário ter uma maior organização da alimentação dos animais para se ter esse tipo de controle. Não é necessário apenas nos concentrarmos na receita bruta adquirida com a comercialização da produção leiteira, mas também o quanto essa produção nos custou. Como a alimentação representa a maior parcela de custo de produção e é também o meio mais “maleável”, se torna a eleita a ser analisada, se possível diariamente, em uma propriedade leiteira. Com esse simples controle, é possível selecionar animais produtivos e eficientes, aumentando ainda mais a margem de lucro e viabilizando o processo de produção”, ressalta Marianne Frota. É devido a estes e outros fatores que a produção nos Estados Unidos tem se intensificado, onde se observa um aumento na produção leiteira significativo nos últimos anos com relativamente a mesma quantidade de animais. A recria de novilhas é uma fase da produção extremamente sensível devido à alta taxa de reposição nas propriedades, onde se trabalha eficiência alimentar desde o início. A reposição é feita anualmente, em uma taxa aproximada de 25%. É devido a este e outros fatores que a longevidade dos animais leiteiros nos Estados Unidos é menor que no Brasil.

Ordenha linear em propriedade no Texas - Estados Unidos

A temperatura dos tanques de coleta de leite é extremamente controlada

ALIMENTOS MAIS UTILIZADOS Como visto anteriormente, o feno de alfafa, o milho e a soja são ingredientes principais na dieta das vacas em lactação. Um dos resíduos altamente utilizados na produção animal dos Estados Unidos é um subproduto oriundo da produção de etanol a partir do milho. Devido ao fato dos norte-americanos terem aumentado significativamente a produção de etanol a partir do milho, o uso desse cereal na nutrição animal ficou inviável. Uma alternativa encontrada são os chamados Distillers Grains, ou seja, grãos de milho de destilarias.

11

Os grãos de destilaria são bastante utilizados, tanto pelos produtores de leite quanto pelos produtores de carne. Esse subproduto possui um interessante valor nutricional, o que torna viável e produtiva a utilização desse ingrediente na composição da ração total, que pode compor de 10 a 15% da mistura final fornecida aos animais. ADITIVOS Os aditivos mais utilizados na produção leiteira americana compreendem a monensina, os probióticos e as leveduras. Nos últimos anos a cultura americana

INFORMATIZAÇÃO O que têm permitido o aumento na produção é a organização da propriedade. Em vários locais todo o sistema é informatizado, onde são coletados dados a respeito dos animais em cada alimentação e cada ordenha. Dados reprodutivos, nutricionais e de saúde são observados constantemente. Na impossibilidade do produtor investir em um sistema informatizado, uma planilha de controle extremamente bem organizada resolve o problema. Quanto foi dado de ração para determinado animal, o quanto ele refugou, o quanto produziu de leite e como foi a sua produção semanal são perguntas que devem ser respondidas pelo controle da propriedade. Desta forma é possível identificar os animais mais eficientes, diminuindo a quantidade de ração adquirida e aumentando a produção leiteira. CONCLUSÃO “Acredito que a produção brasileira de leite já é excelente, mas alguns ajustes na propriedade sem a necessidade de se investir um grande montante de dinheiro permite aumentar a rentabilidade do negócio, sendo cada vez mais viável e lucrativa ao produtor”, comenta a médica veterinária Marianne. A necessidade de aumentar a produção leiteira é diária, para viabilizar o processo. Porém, é importante o produtor brasileiro ter um rígido controle dos seus animais e do consumo de ração total, pois desta forma é possível identificar o animal mais eficiente, aumentando a lucratividade e diminuindo custos. Referências: USDA Agriculture Counts (NASS) e Penn State Extension.


Super Rank CADERNO

Este caderno é um oferecimento:

10 maiores produções individuais diárias por rebanho PRODUÇÕES INDIVIDUAIS DE ANIMAIS SUBMETIDOS AO CONTROLE OFICIAL AFERIDAS EM JANEIRO/2012 2 ORDENHAS PROPRIETÁRIO

MUNICIPIO

NOME DO ANIMAL

DIRCEU DE MANCILHA ADAHILTON DE CAMPOS BELLO GERSON RODEGHERI JORGE PAPAZOGLU LUIZ CLOVIS BRAZ SCARPA VICENTE ANTONIO MARINS E FILHOS ANICETO MANUEL AIRES ESCOLA AGROTECNICA FEDERAL DE MUZAMBINHO RAUL PINTO MARCOS PAIVA FROTA E/OU PATRICIA N.P.FROTA

ITANHANDU BARBACENA BARBACENA SETE LAGOAS ITANHANDU TRES CORACOES ANTONIO CARLOS MUZAMBINHO ITANHANDU CARMO DA CACHOEIRA

GALENA SACHA CASA ROSA RAVINA 659 DEMA LARANJINHA BARONEZA SANTA LUZIA SAO BRAZ PRINCESA JUBAL VAM YOPA SASSY 4 GILBERT A.M.A. MANDEL STAR-548 MALARIS ISADORA 408 LUCIA GILDA DRAMATIC FZ-BA BIBI 202 COSMO

PROPRIETÁRIO

MUNICIPIO

NOME DO ANIMAL

JOAQUIM HENRIQUE NOGUEIRA ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE TAMIO SEKITA E OUTROS FABIO EUSTAQUIO SILVEIRA ELLOS JOSE NOLLI SANCHO JOSE MATIAS EVARISTO FRANCISCO MARQUES/LEANDRO S.MARQUES DIEGO VAZ DE OLIVEIRA ANTONIO AUGUSTO SOUZA PRACA DJAIR BOSCATTI

CAPIM BRANCO POUSO ALEGRE RIO PARANAIBA SAO GONCALO DO SAPUCAI CAETE PATOS DE MINAS GUAXUPE ALPINOPOLIS ITUMIRIM ITAPEVA

A.M.A. AEROLINE BRIT - 541 MENGE SPIRTE TAORMINA 1143 ZYCH SANDRA 890 FAHES MAGALI GARBOSA TOUCHDOWN J.E.N. BUENA SORTE JEROM RED-TE LIFLASA SASHA ROY 190 EF & LS MUSICA INTRUDER DG GADO HOLANDES MEDALHA VILLA VERDE CAPITAL 2198 BOSCATTI FATIMA TOUCHDOWN

NÚMERO REGISTRO BR1626464 BX369531 BR1535015 SRM414508 BX317852 BX373836 BX358787 BR1515884 BX351616 BR1530503

COMP. RACIAL PCOD PO 7/8 3/4 PO PO PO GC-03 PO GC-01

PRODUÇÃO DIARIA 62,4 52,6 51,0 50,0 48,4 48,2 47,6 47,6 47,0 46,8

DATA DO CONTROLE 12/1/2012 13/1/2012 5/1/2012 25/1/2012 5/1/2012 15/1/2012 6/1/2012 17/1/2012 18/1/2012 26/1/2012

NÚMERO REGISTRO BX354804 BX409542 BX392859 BX378946 BR1480978 BR1483513 BR1515853 SR24415 SRM415063 BX371168

COMP. RACIAL PO PO PO PO GC-03 GC-03 GC-02 31/32

PRODUÇÃO DIARIA 67,5 67,1 62,8 62,6 60,6 60,5 60,2 58,3 55,8 55,6

DATA DO CONTROLE 24/1/2012 3/1/2012 7/1/2012 10/1/2012 12/1/2012 6/1/2012 31/1/2012 6/1/2012 3/1/2012 4/1/2012

3 ORDENHAS

PO

ERRATA: Jornal Holandês/edições de Janeiro e Fevereiro de 2012 na tabela 10 MAIORES PRODUÇÕES INDIVIDUAIS DIÁRIAS POR REBANHO, o correto é CRIADOR Joaquim Henrique Nogueira proprietário do ANIMAL A.M.A. AEROLINE BRIT 541, REGISTRO BX-354804 em 19/11/11 o animal produziu 70,20 quilos de leite e em 14/12/11 o animal produziu 71,60 quilos de leite.

Melhores médias de produção por rebanho - Holandês Com a alteração das tabelas para divulgação de médias em 2 e 3 ordenhas, o rebanho que tiver encerramentos em 2 e 3 ordenhas no período referido poderá aparecer nas duas tabelas caso alcance médias entre as cinco melhores de cada categoria

MÉDIA DE REBANHOS REFERENTES AO PERÍODO JANEIRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011 - 2 ORDENHAS PROPRIETÁRIO

MUNICÍPIO ENCERRADAS

LACTAÇÕES LEITE N. 305IA ORDENHA CONTROLE

TIPO

MÉDIA DE REBANHOS REFERENTES AO PERÍODO JANEIRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011 - 3 ORDENHAS PROPRIETÁRIO

Rebanhos com 10 a 25 Vacas Encerradas SUMIDOURO - RJ

24

10.709

2X

MENSAL

2 ALMIR PINTO REIS

ITANHANDU - MG

10

10.409

2X

MENSAL

3 DOUGLAS DE OLIVEIRA PEREIRA

ALPINOPOLIS - MG

24

9.920

2X

MENSAL

4 MARCIO MACIEL LEITE

CRUZILIA - MG

12

9.567

2X

BIMESTRAL

ITANHANDU - MG

15

9.560

2X

MENSAL

Rebanhos com 26 a 50 Vacas Encerradas 1 DIRCEU DE MANCILHA

ITANHANDU - MG

26

12.583

2X

MENSAL

2 ANICETO MANUEL AIRES

ANTONIO CARLOS - MG

35

11.588

2X

MENSAL

3 COLLEM CONSTRUTORA MOHALLEM LTDA

RESSAQUINHA - MG

33

11.371

2X

MENSAL

4 ADAHILTON DE CAMPOS BELLO

BARBACENA - MG

31

10.372

2X

MENSAL

5 ALTAIR DA SILVA REIS

ITANHANDU - MG

39

10.102

2X

MENSAL

Rebanhos com 51 a 75 Vacas Encerradas 1 AGRO PECUARIA JM LTDA 2 CESAR GARCIA BRITO E/OU SIOMARA S.G.BRITO

CAMPOS GERAIS - MG

74

9.377

2X

MENSAL

TRES PONTAS - MG

62

9.296

2X

BIMESTRAL

3 GILBERTO VILELA OLIVEIRA

CARMO DO RIO CLARO - MG

59

8.242

2X

BIMESTRAL

4 FRANCISCO DARCI MEIRELLES JUNQUEIRA

MINDURI - MG

52

6.078

2X

MENSAL

1 2 3 4 5

TIPO

PIUMHI - MG SETE LAGOAS - MG RESSAQUINHA - MG CRUZILIA - MG ALPINOPOLIS - MG

22 22 21 11 21

11.642 11.629 10.841 10.429 9.230

3X 3X 3X 3X 3X

MENSAL MENSAL MENSAL BIMESTRAL MENSAL

12.623 11.175 8.764

3X 3X 3X

MENSAL MENSAL MENSAL

12.670 12.469 12.464 12.302 10.486

3X 3X 3X 3X 3X

MENSAL BIMESTRAL MENSAL MENSAL MENSAL

98 81

10.807 10.400

3X 3X

MENSAL MENSAL

173 102 162 130 200

13.168 10.748 10.739 10.519 10.045

3X 3X 3X 3X 3X

MENSAL MENSAL MENSAL MENSAL MENSAL

Rebanhos com 26 a 50 Vacas Encerradas ITUMIRIM - MG BRUMADINHO - MG GUARANI - MG

48 38 30

Rebanhos com 51 a 75 Vacas Encerradas 1 ELLOS JOSE NOLLI 2 LUIZ FERNANDO RODRIGUES OLIVEIRA 3 MANUEL JACINTO GONCALVES

CAETE - MG MONTE ALEGRE DE MINAS - MG ITANHANDU - MG 4 EVARISTO FRANCISCO MARQUES/LEANDRO S.MARQUES GUAXUPE - MG 5 MARIELLE CAMPOS LIMA ASSIS DELFIM MOREIRA - MG

72 58 69 71 59

Rebanhos com 75 a 100 Vacas Encerradas 1 CAYUABA GENETICA & PECUARIA LTDA 2 CARLOS FABIO NOGUEIRA RIVELLI E OUTRO

ENTRE RIOS DE MINAS - MG ALFREDO VASCONCELOS - MG

Acima de 100 Vacas Encerradas

ITANHANDU - MG

85

9.704

2X

MENSAL

2 DORA NORREMOSE VIEIRA MARQUES

CRUZILIA - MG

94

8.778

2X

MENSAL

187

9.991

2X

MENSAL

Acima de 100 Vacas Encerradas TRES CORACOES - MG

LUCAS E.P.COIMBRA E/OU JOSE ANTONIO O.SILVA MAURO ANTONIO COSTA DE ARAUJO COLLEM CONSTRUTORA MOHALLEM LTDA MARCIO MACIEL LEITE RENATO MEZENCIO QUEIROZ

1 ANTONIO AUGUSTO SOUZA PRACA 2 CANDIDO MOREIRA JARDIM 3 JOSE RENATO DA SILVA

Rebanhos com 75 a 100 Vacas Encerradas 1 RAUL PINTO

1 VICENTE ANTONIO MARINS E FILHOS

LACTAÇÕES LEITE N. 305IA ORDENHA CONTROLE

Rebanhos com 10 a 25 Vacas Encerradas

1 OTHON MARTINS DE SOUZA

5 LUIZ CLOVIS BRAZ SCARPA

MUNICÍPIO ENCERRADAS

1 2 3 4 5

ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE BRENO CORREA PERES E/OU ANTONIO DE PADUA MARTINS JOAO BRAZ OLIVEIRA E/OU MARCIO F.P.OLIVEIRA WLADIMIR ANTONIO PUGGINA

POUSO ALEGRE - MG CARMO DO RIO CLARO - MG SAO JOAO BATISTA GLORIA - MG SAO GONCALO DO SAPUCAI - MG ALFENAS - MG


305 DIAS

Este caderno é um oferecimento:

Controle Leiteiro Oficial Melhores Lactações por Classe

PRIMEIRA DIVISÃO 305 DIAS 2 ORDENHAS - PERÍODO 01/12/2011 A 31/12/2011 RAÇA: HOLANDESA NOME ANIMAL

1 ANO PARIDA 2 ANOS JUNIOR 2 ANOS SENIOR 3 ANOS JUNIOR 3 ANOS SENIOR 4 ANOS JUNIOR 4 ANOS SENIOR 5 ANOS 6 ANOS

7 ANOS ADULTA JUNIOR ADULTA SENIOR

REGISTRO

RECORDISTA MINEIRA COLLEM MARTY CRYSTAL SAO BRAZ VIOLETA MINISTER ALANA BOLTON TAYLANE-TE RECORDISTA MINEIRA OLIMPIA GOLIAT DE SANTA PAULA J.M.A. DIGNA CHRISSY 274-TE VAM TAMADA TABLITA DOLMAN RECORDISTA MINEIRA COLLEM CALLISTO CLARICE VAM HORTA HANNA CUTLER SAO BRAZ UCILA DIE-HARD RECORDISTA BRASILEIRA VERA CRUZ PROVINCIA VERA CRUZ RUNNY WILDMAN-TE SEKITA SARDA 915 RECORDISTA MINEIRA AVANI PETECA GOLD DUSTER A.M.A. DUNDEE BRIT - 564 VAM VIRNA VITRINE TRIBUTE RECORDISTA MINEIRA SANTA PAULA IVINA DAZZLER ROYAL AGNES 1420 NORMAN VERA CRUZ IMPERATRIZ DUNDEE RECORDISTA MINEIRA EMIELE IANA LAY OUT LUCIA HARPA TOUCHDOWN VERA CRUZ CASUAL SPIRTE RECORDISTA MINEIRA JARDIM GENUINA ENGENHO DA RAINHA GINEVRA 928 SPIRTE A.M.A. GIBSON JORETTE-532 RECORDISTA MINEIRA CRUZILIA STELA LORD LILY LUCIA EMBIRA REVENUE DEMA PERINHA RECORDISTA BRASILEIRA GENOVA GOLD BELL DE SANTA PAULA NORREMOSE 703 TAFETA RECKLESS URTIGA IVETE LOCUST RECORDISTA MINEIRA BEATRIZ ECILA LAN MEGUE LAN VITORIA LAVA RECORDISTA BRASILEIRA DOUTORA ENCHANT RILENE J.C. VERA CRUZ ARENA 99 RIZI GUAMELA 315

CLASS

IDADE

DIAS LACT.

PROD LEITE

PROD % PROD GORD. GORD PROT.

% TIT. PROT.

PROPRIETÁRIO

UF

NOME DO PAI

BX283720 BX394870 BX393513

B+-82 B+80 B+82

01-11 01-11 01-10

305 12374,0 374,8 3,03 347,6 2,81 LM 304 8350,9 211,7 2,53 262,2 3,14 -305 7868,5 267,2 3,40 238,1 3,03 LM

COLLEM CONSTRUTORA MOHALLEM LTDA LUIZ CLOVIS BRAZ SCARPA ALMIR PINTO REIS

2003 MG MG

RICECREST MARTY-ET MR MINISTER SANDY-VALLEY BOLTON ET

BR1081330 BX397724 BX396772

B+-80 B+83 B+81

02-01 02-03 02-00

305 12321,0 339,0 2,75 0,00 LM 305 10750,8 283,0 2,63 356,9 3,32 LM 305 10644,4 432,0 4,06 342,3 3,22 LM

SIDNEY NERY AGRO PECUARIA JM LTDA VICENTE ANTONIO MARINS E FILHOS

1998 MG MG

GOLIAT DELTA CHRISSY REGANCREST DOLMAN ET

BX271750 BX386609 BX387736

MB-85 B+80

02-10 02-07 02-09

305 13532,0 338,0 2,50 405,0 2,99 LM 305 10026,6 410,8 4,10 313,7 3,13 LM 276 8609,1 206,5 2,40 267,9 3,11 --

COLLEM CONSTRUTORA MOHALLEM LTDA VICENTE ANTONIO MARINS E FILHOS LUIZ CLOVIS BRAZ SCARPA

2004 MG MG

DEL SANTO C.M.CALLISTO GILLETTE CUTLER REGANCREST RBK DIE-HARD-ET

BX246790 BX378961 BR1544497

B+-82 B+80

03-02 03-05 03-04

305 15502,0 590,0 3,81 439,0 2,83 LE 305 10652,7 242,1 2,27 316,1 2,97 -305 10380,2 366,3 3,53 327,6 3,16 LM

VICENTE ANTONIO MARINS E FILHOS AMAURI ANDRADE PEREIRA TAMIO SEKITA E OUTROS

2002 MG MG

FRAELAND LEADOFF-ET LADYS-MANOR WILDMAN ET

BX251440 BX370959 BR1492350

MB-88 B+83 B+82

03-11 03-08 03-07

305 15532,0 533,0 3,43 0,00 LM 305 10629,3 341,5 3,21 328,7 3,09 LM 305 9764,3 406,4 4,16 307,4 3,15 LM

COLLEM CONSTRUTORA MOHALLEM LTDA ANICETO MANUEL AIRES VICENTE ANTONIO MARINS E FILHOS

2000 MG MG

WOODBINE-K GOLD DUSTER-ET REGANCREST DUNDEE-ET GRANDUC TRIBUTE-ET

BX345332 BX368478 BX359529

B+-83 MB85 MB88

04-01 04-02 04-04

305 15664,0 475,8 3,04 438,1 2,80 LM 305 9222,1 384,8 4,17 284,7 3,09 LM 305 8546,4 291,5 3,41 242,8 2,84 --

SIDNEY NERY ADAHILTON DE CAMPOS BELLO AMAURI ANDRADE PEREIRA

2008 MG MG

RADINE BELLTONE DAZZLER-ET HIGHLAND-H STORMIN NORMAN REGANCREST DUNDEE-ET

BB18632 BX359560 BX351610

B+-83 MB85 B+83

04-11 04-10 04-10

305 14915,2 569,7 3,82 397,9 2,67 LM 305 13768,8 199,5 1,45 382,1 2,77 -305 10076,6 330,8 3,28 305,2 3,03 LM

MARCIO MACIEL LEITE RAUL PINTO AMAURI ANDRADE PEREIRA

2006 MG MG

LAY-OUT RICECREST TOUCHDOWN-ET CEDARWAL SPIRTE

BX208241 BX358802 BX347920

B+-83 MB87 MB85

05-01 05-03 05-09

305 17189,2 400,9 2,33 529,4 3,08 LM 305 12464,2 514,5 4,13 430,9 3,46 LM 305 11891,6 594,5 5,00 411,5 3,46 LM

ANDRE LUIS MOREIRA DE ANDRADE E OUTRA MIRIAM FATIMA LEITE FARIAS ANICETO MANUEL AIRES

2002 MG MG

B-HIDDENHILLS MARK-O-POLO CEDARWAL SPIRTE SILKY GIBSON-ET

BX318723 BX335002 BR1535016

EX-90 B+81

06-01 06-11 06-05

305 16899,3 622,6 3,68 526,6 3,12 LM 305 9476,1 206,4 2,18 268,8 2,84 -305 9035,1 281,6 3,12 245,8 2,72 --

MAURILIO FERREIRA MACIEL RAUL PINTO GERSON RODEGHERI

2010 MG MG

ETAZON LORD LILY-ET EASTVIEW NBO REVENUE MATTIE

BR1048927 BX327190 BR1401083

B+-83 MB85 B 78

07-10 07-06 07-10

305 17110,0 340,0 1,99 0,00 LE 305 6129,6 197,5 3,22 211,4 3,45 -187 2299,8 90,3 3,93 80,5 3,50 --

SIDNEY NERY DORA NORREMOSE VIEIRA MARQUES RICARDO FIGUEIREDO DE FARIA

1999 MG MG

TRI-Q-CHEKD GOLD BELL MARKWELL RECKLESS LOCUST-RIDGE EMORY CALEB-ET

BR1015226 BR1448070 BR1331035

MB85 B+81

09-04 08-02 09-03

304 16404,0 669,0 4,08 0,00 LE 305 10595,1 297,4 2,81 287,8 2,72 LM 305 9685,7 359,7 3,71 288,3 2,98 LM

NILSON GONCALVES PEREIRA LAURO ANTONIO NOGUEIRA E/OU WAGNER A.NOGUEIRA LAURO ANTONIO NOGUEIRA E/OU WAGNER A.NOGUEIRA

1999 MG MG

DELTA LAVA

10-05 11-04 10-06

305 15658,3 542,6 3,47 397,9 2,54 LM 305 4819,3 201,3 4,18 180,5 3,75 -151 2254,3 65,3 2,90 69,8 3,10 --

SIDNEY NERY AMAURI ANDRADE PEREIRA VALENTINO RIZZIOLI

2004 MG MG

BR1049810 BX252303 BR1541209

B+83

A SIR ENCHANT ET LENZWAY TESK RUBYTRAE-ET

PRIMEIRA DIVISÃO 305 DIAS 3 ORDENHAS - PERÍODO 01/12/2011 A 31/12/2011 RAÇA: HOLANDESA NOME ANIMAL

1 ANO PARIDA 2 ANOS JUNIOR 2 ANOS SENIOR 3 ANOS JUNIOR 3 ANOS SENIOR 4 ANOS JUNIOR 4 ANOS SENIOR 5 ANOS 6 ANOS 7 ANOS ADULTA JUNIOR ADULTA SENIOR

RECORDISTA MINEIRA J.E.N. DANUZA CANVAS LIFLASA ARAPONGA MARC-269 MENGE MARCUS U1328 RECORDISTA MINEIRA EF & LS PRECIOSA WILDMAN EF & LS LILIANA TOYSTORY EF & LS FOLHAGEM FINEST RECORDISTA MINEIRA C.A.A. JESSICA MENGE MITCH UACANGA 1221 J.B.O. NAPA MOSCOW RECORDISTA MINEIRA F.V. ALDINA DUSTER ONDA SUL WIZARD 2707 EF & LS VEREDA RECORDISTA MINEIRA VALE DO MILK' DELICADA II SEKITA SEBASTIANA 759 BRONKHORST PRETINHA 1700 RECORDISTA MINEIRA C.A.A. JESSICA ALFY CAYUABA LOCUST BELLADONA-TE LANDEMART MALIN GAITEIRA 1354 RECORDISTA BRASILEIRA LAGOS PC DUSTER LILA 301 MENGE ALLEN SACHA 1006-TE LAGOS MORTY QUOTA 821 RECORDISTA MINEIRA C.A.A. AMERICA LAGOS STORMATIC REGINA 906-TE HS PRIMAVERA KATY BLUE RIBBON RECORDISTA MINEIRA C.A.A. LILIAN LUKE LAGOS GIBSON QUANTUM 816 LANDEMART TOUCHDOWN ELIETE 1146 RECORDISTA MINEIRA SANTOS REIS CHARISMA GRAYCE LANDEMART DINISIA 1089 ONDA SUL LONDON 2337 RECORDISTA MINEIRA MARIA'S MORENA PRELUDE-TE ONDA SUL ANA RIZI GALINHA 332 RECORDISTA MINEIRA C.A.A. LAGOA F.S.C. COLONIAL HENEL LUKE NINON

REGISTRO

CLASS

IDADE

DIAS LACT.

PROD LEITE

PROD % PROD GORD. GORD PROT.

% TIT. PROT.

PROPRIETÁRIO

UF

NOME DO PAI

BX387829 BR1541406 BX394931

B+-81 B 77

01-11 01-11 01-10

305 14153,5 459,7 3,25 415,6 2,94 LE 305 12448,5 283,8 2,28 367,9 2,96 -305 12144,5 276,8 2,28 369,7 3,04 --

ELLOS JOSE NOLLI SANCHO JOSE MATIAS ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE

2011 MG MG

DELTA CANVAS REGANCREST-HHF MARCUS ET REGANCREST-HHF MARCUS ET

BR1515854 BX404701 BR1551606

MB-86 B+82

02-00 02-05 02-01

305 14695,9 410,4 2,79 428,7 2,92 LM 305 15482,9 473,5 3,06 489,7 3,16 LM 305 13754,7 399,3 2,90 371,0 2,70 LM

EVARISTO FRANCISCO MARQUES/LEANDRO S.MARQUES EVARISTO FRANCISCO MARQUES/LEANDRO S.MARQUES EVARISTO FRANCISCO MARQUES/LEANDRO S.MARQUES

2011 MG MG

LADYS-MANOR WILDMAN ET JENNY-LOU MRSHL TOYSTORY ET PENN-GATE FINEST ET

BR1449849 BX384814 BR1527440

MB-86 B+83 B+82

02-11 02-09 02-07

305 16711,9 466,3 2,79 536,4 3,21 LM 305 12820,8 359,4 2,80 410,2 3,20 LM 305 12097,6 318,1 2,63 260,6 2,15 LM

CARLOS ALBERTO ADAO ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE JOAO BRAZ OLIVEIRA E/OU MARCIO F.P.OLIVEIRA

2007 MG MG

PROSITE MARSHALL MITCH ROBTHOM MOSCOW ET

BR1099151 BR1484457 SRM415432

B+82

03-04 03-01 03-05

305 16292,0 489,0 3,00 136,0 0,83 LM 305 12923,7 330,2 2,56 375,8 2,91 LM 305 12571,7 432,1 3,44 364,1 2,90 LM

NEUZA GARCIA VIEIRA E OUTROS BRENO CORREA PERES E/OU EVARISTO FRANCISCO MARQUES/LEANDRO S.MARQUES

2000 MG MG

03-09 03-07 03-07

305 19947,0 612,0 3,07 241,0 1,21 LM 305 11794,6 365,5 3,10 314,5 2,67 LM 305 11157,8 332,8 2,98 224,6 2,01 LM

VINICIUS DA SILVA SALGADO TAMIO SEKITA E OUTROS MANUEL JACINTO GONCALVES

2000 MG MG

QUALITY FABULOUS

WOODBINE-K GOLD DUSTER-ET NORZ-HILL FORM WIZARD-ET

BR1271165 BR1544605 BX370135

MB-87 B+83

BR1449849 BX372782 BR1464596

MB-86 B+81

04-03 04-00 04-04

305 19204,6 592,2 3,08 533,3 2,78 LM 305 13440,2 395,5 2,94 398,8 2,97 LM 305 11949,2 446,8 3,74 364,8 3,05 LM

CARLOS ALBERTO ADAO CAYUABA GENETICA & PECUARIA LTDA ANTONIO DE PADUA MARTINS

2009 MG MG

LOCUST-RIDGE EMORY CALEB-ET REGANCREST-HHF MALIN-ET

BX270502 BX361734 BX335787

MB-86 MB87 MB85

04-09 04-10 04-11

305 17756,0 824,0 4,64 495,0 2,79 LE 305 14317,3 345,4 2,41 441,6 3,08 LM 305 14061,1 288,7 2,05 408,3 2,90 --

ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE

2005 MG MG

PEN-COL DUSTER-ET CANYON-BREEZE ALLEN-ET STOUDER MORTY-ET

BR1449851 BX384799 BR1458247

EX-90 B+82

05-07 05-08 05-07

305 21605,7 519,4 2,40 609,1 2,82 LM 305 16245,7 355,5 2,19 486,2 2,99 LM 305 13423,9 327,1 2,44 399,0 2,97 --

CARLOS ALBERTO ADAO ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE AGROPECUARIA BARREIRO ALTO

2007 MG MG

COMESTAR STORMATIC-ET SANDY-VALLEY BLUE RIBBON-ET

06-06 06-07 06-08

305 18311,4 522,5 2,85 507,1 2,77 LM 305 14977,7 302,0 2,02 419,7 2,80 -305 11728,1 390,5 3,33 314,5 2,68 LM

CARLOS ALBERTO ADAO ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE ANTONIO DE PADUA MARTINS

2009 MG MG

NORRIELAKE CLEITUS LUKE-TW SILKY GIBSON-ET RICECREST TOUCHDOWN-ET

07-04 07-05 07-01

305 17410,1 473,1 2,72 493,0 2,83 LM 305 12351,8 323,6 2,62 366,8 2,97 -305 10991,5 288,1 2,62 297,4 2,71 --

ALTAIR DA SILVA REIS ANTONIO DE PADUA MARTINS BRENO CORREA PERES E/OU

2010 MG MG

LONDONDALE LMAN MAGNUM-ET

09-03 09-00

305 15723,7 526,7 3,35 462,2 2,94 305 8957,6 231,3 2,58 247,1 2,76 305 7808,7 266,7 3,41 237,9 3,05

ELY BONINI GARCIA BRENO CORREA PERES E/OU VALENTINO RIZZIOLI

2003 MG MG

10-00 10-05 10-00

305 18353,5 550,9 3,00 482,2 2,63 LE 305 11784,7 389,5 3,30 346,7 2,94 LM 223 3812,5 143,7 3,77 118,9 3,12 --

CARLOS ALBERTO ADAO MARIELLE CAMPOS LIMA ASSIS JOSE RENATO DA SILVA

2008 MG MG

BR1452387 BX343205 BR1419972

B+84

BX303469 BR1457669 BR1401073

MB-89

BX192263 BR1413421 BR1541218

B+-84 B+81

BR1449850 BR1308492 BR1338994

MB-88 B 79

---

PETINESCA CHARISMA-ET

RONNYBROOK PRELUDE-ET

LONDONDALE LMAN MAURY-ET JAFFA LUKE


365 DIAS

Este caderno é um oferecimento:

Controle Leiteiro Oficial Melhores Lactações por Classe

SEGUNDA DIVISÃO 365 DIAS 2 ORDENHAS - PERÍODO 01/12/2011 A 31/12/2011 RAÇA: HOLANDESA NOME ANIMAL

1 ANO PARIDA 2 ANOS JUNIOR 2 ANOS SENIOR 3 ANOS JUNIOR 3 ANOS SENIOR 4 ANOS JUNIOR 4 ANOS SENIOR 5 ANOS 6 ANOS 7 ANOS ADULTA JUNIOR ADULTA SENIOR

RECORDISTA MINEIRA ALFY CAYUABA WALLACE TUCA ALANA BOLTON TAYLANE-TE AGROPECUARIA 2N 923 RECORDISTA MINEIRA SAMAR LADY LOYOLA LUCIA JOIA SAMUELO VAM TAMADA TABLITA DOLMAN RECORDISTA MINEIRA ITAGUACU TIANINA 2627 VAM HORTA HANNA CUTLER VERA CRUZ FLORESTA DEVOTED RECORDISTA MINEIRA CALANDRA CARLOTA BLACKSTAR VERA CRUZ RUNNY WILDMAN-TE VERA CRUZ OBJETIVA SPIRTE RECORDISTA MINEIRA AVANI PETECA GOLD DUSTER A.M.A. DUNDEE BRIT - 564 VAM VIRNA VITRINE TRIBUTE RECORDISTA MINEIRA A.M.A. ASTRE CAMILA VERA CRUZ IMPERATRIZ DUNDEE ROYAL AGNES 1420 NORMAN RECORDISTA MINEIRA C.J.C. ROCKY DOIDINHA LUCIA HARPA TOUCHDOWN VERA CRUZ CASUAL SPIRTE RECORDISTA BRASILEIRA JARDIM GENUINA A.M.A. GIBSON JORETTE-532 ENGENHO DA RAINHA FRENCH 774 LYSTER RECORDISTA MINEIRA CRUZILIA RENDILHA JOE LUCIA EMBIRA REVENUE DEMA PERINHA RECORDISTA MINEIRA GENOVA GOLD BELL DE SANTA PAULA NORREMOSE 703 TAFETA RECKLESS RECORDISTA MINEIRA CRUZILIA LEGENDA FRIN LAN MEGUE LAN VITORIA LAVA VAM VARSOVIA VALERIA SHARK RECORDISTA MINEIRA DOUTORA ENCHANT RILENE J.C. VERA CRUZ ARENA 99

REGISTRO

CLASS

IDADE

DIAS LACT.

PROD LEITE

PROD % PROD GORD. GORD PROT.

% TIT. PROT.

PROPRIETÁRIO

UF

NOME DO PAI

BX283766 BX393513 BR1569034

B+-84 B+82

01-11 01-10 01-09

365 14820,8 427,5 2,88 456,6 3,08 LE 365 9495,4 318,7 3,36 290,1 3,06 LM 365 6743,3 216,2 3,21 217,4 3,22 --

ELY BONINI GARCIA ALMIR PINTO REIS AGROPECUARIA 2N LTDA

2003 MG MG

ETAZON WALLACE SANDY-VALLEY BOLTON ET

BX247962 BR1515937 BX396772

B+82 B+81

02-04 02-03 02-00

365 14677,0 469,0 3,20 0,00 LM 365 11885,0 322,9 2,72 366,6 3,08 LM 365 11857,9 480,4 4,05 389,7 3,29 LM

ROBERTO HAMILTON FENOCI RAUL PINTO VICENTE ANTONIO MARINS E FILHOS

2002 MG MG

MAIZEFIELD BELLWOOD-ET REGANCREST-MR SAMUELO-ET REGANCREST DOLMAN ET

BR1558539 BX386609 BX381113

B+80 MB85

02-07 02-07 02-06

365 14988,2 494,7 3,30 407,2 2,72 LM 365 12131,8 488,0 4,02 385,2 3,17 LM 365 10038,2 349,7 3,48 306,1 3,05 LM

RUBENS ARAUJO DIAS E/OU VICENTE ANTONIO MARINS E FILHOS AMAURI ANDRADE PEREIRA

2006 MG MG

GILLETTE CUTLER FAR-O-LA DEVOTED ET

BX158589 BX378961 BX376982

B -78 B+80 B+84

03-05 03-05 03-03

365 17120,0 623,0 3,64 0,00 LM 365 12253,2 288,3 2,35 376,4 3,07 -365 11768,3 423,2 3,60 366,9 3,12 LM

MARCOS ARRUDA VIEIRA AMAURI ANDRADE PEREIRA AMAURI ANDRADE PEREIRA

1996 MG MG

TO-MAR BLACKSTAR-ET LADYS-MANOR WILDMAN ET CEDARWAL SPIRTE

BX251440 BX370959 BR1492350

MB-88 B+83 B+82

03-11 03-08 03-07

340 16574,0 565,0 3,41 0,00 LM 365 12194,1 393,0 3,22 380,2 3,12 LM 365 10823,5 464,7 4,29 362,4 3,35 LM

COLLEM CONSTRUTORA MOHALLEM LTDA ANICETO MANUEL AIRES VICENTE ANTONIO MARINS E FILHOS

2000 MG MG

WOODBINE-K GOLD DUSTER-ET REGANCREST DUNDEE-ET GRANDUC TRIBUTE-ET

BX190727 BX359529 BX368478

MB-88 MB88 MB85

04-01 04-04 04-02

365 17388,3 594,7 3,42 0,00 LM 365 9530,4 322,8 3,39 277,3 2,91 -332 9520,9 402,0 4,22 296,9 3,12 LM

COLLEM CONSTRUTORA MOHALLEM LTDA AMAURI ANDRADE PEREIRA ADAHILTON DE CAMPOS BELLO

1999 MG MG

DUREGAL ASTRE STARBUCK-ET REGANCREST DUNDEE-ET HIGHLAND-H STORMIN NORMAN

BX146418 BX359560 BX351610

MB-85 MB85 B+83

04-08 04-10 04-10

365 16730,0 518,0 3,10 0,00 LM 365 15960,0 251,2 1,57 437,9 2,74 -365 11453,7 386,4 3,37 356,5 3,11 LM

JOSE ALAIR COUTO RAUL PINTO AMAURI ANDRADE PEREIRA

1996 MG MG

SHI-LA STRAIGHT PINE ROCKY RICECREST TOUCHDOWN-ET CEDARWAL SPIRTE

BX208241 BX347920 BX345105

B+-83 MB85 MB87

05-01 05-09 05-06

365 19940,7 442,9 2,22 621,4 3,12 LM 356 13374,1 678,9 5,08 481,4 3,60 LM 365 13246,4 470,0 3,55 385,0 2,91 LM

ANDRE LUIS MOREIRA DE ANDRADE E OUTRA ANICETO MANUEL AIRES MIRIAM FATIMA LEITE FARIAS

2002 MG MG

B-HIDDENHILLS MARK-O-POLO SILKY GIBSON-ET TCET LYSTER

BX317348 BX335002 BR1535016

MB-88 B+81

06-11 06-11 06-05

365 19488,5 818,7 4,20 601,4 3,09 LM 365 10889,8 228,1 2,09 313,8 2,88 -365 10077,1 300,1 2,98 273,9 2,72 --

MAURILIO FERREIRA MACIEL RAUL PINTO GERSON RODEGHERI

2010 MG MG

BOCAINA MANDEL SASSY JOE TE EASTVIEW NBO REVENUE MATTIE

BR1048927 BX327190

B+-83 MB85

07-10 07-06

316 17557,0 354,0 2,02 0,00 LE 310 6460,3 215,5 3,33 222,4 3,44 --

SIDNEY NERY DORA NORREMOSE VIEIRA MARQUES

1999 MG

TRI-Q-CHEKD GOLD BELL MARKWELL RECKLESS

BR1173977 BR1448070 BR1331035 BR1317225

09-07 08-02 09-03 09-11

358 17158,9 770,6 4,49 500,3 365 12330,3 359,2 2,91 341,4 365 10882,4 395,8 3,64 322,7 365 8212,0 388,0 4,72 233,6

MAURILIO FERREIRA MACIEL LAURO ANTONIO NOGUEIRA E/OU WAGNER A.NOGUEIRA LAURO ANTONIO NOGUEIRA E/OU WAGNER A.NOGUEIRA VICENTE ANTONIO MARINS E FILHOS

2007 MG MG MG

QUALITY SB FRIN

MB85 B+81

DELTA LAVA LA-POE SHARK

10-05 11-04

365 17479,3 610,3 3,49 443,8 2,54 LM 357 5526,5 229,1 4,15 207,8 3,76 --

SIDNEY NERY AMAURI ANDRADE PEREIRA

2004 MG

A SIR ENCHANT ET LENZWAY TESK RUBYTRAE-ET

BR1049810 BX252303

B+83

2,92 LM 2,77 LM 2,97 LM 2,85 --

SEGUNDA DIVISÃO 365 DIAS 3 ORDENHAS - PERÍODO 01/12/2011 A 31/12/2011 RAÇA: HOLANDESA NOME ANIMAL

1 ANO PARIDA 2 ANOS JUNIOR 2 ANOS SENIOR 3 ANOS JUNIOR 3 ANOS SENIOR 4 ANOS JUNIOR 4 ANOS SENIOR 5 ANOS 6 ANOS 7 ANOS ADULTA JUNIOR ADULTA SENIOR

RECORDISTA MINEIRA LAGOS STORMATIC PHILOMENA 782-TE MENGE MARCUS U1328 LIFLASA ARAPONGA MARC-269 RECORDISTA MINEIRA EF & LS PRECIOSA WILDMAN EF & LS FOLHAGEM FINEST EF & LS LILIANA TOYSTORY RECORDISTA MINEIRA C.A.A. JESSICA MENGE MITCH UACANGA 1221 J.B.O. NAPA MOSCOW RECORDISTA MINEIRA LAGOS MORTY QUIOSQUE 859-TE EF & LS VEREDA ONDA SUL WIZARD 2707 RECORDISTA BRASILEIRA VALE DO MILK' DELICADA II SEKITA SEBASTIANA 759 SEKITA JOANA 442 RECORDISTA MINEIRA C.A.A. JESSICA ALFY CAYUABA LOCUST BELLADONA-TE LANDEMART MALIN GAITEIRA 1354 RECORDISTA MINEIRA VERTENTE CUBA 290 MENGE ALLEN SACHA 1006-TE LAGOS MORTY QUOTA 821 RECORDISTA MINEIRA C.A.A. AMERICA LAGOS STORMATIC REGINA 906-TE HS PRIMAVERA KATY BLUE RIBBON RECORDISTA MINEIRA C.A.A. LILIAN LUKE LAGOS GIBSON QUANTUM 816 LANDEMART TOUCHDOWN ELIETE 1146 RECORDISTA MINEIRA LAGOS STORM LEILA 457 LANDEMART DINISIA 1089 ONDA SUL LONDON 2337 RECORDISTA MINEIRA MARIA'S MORENA PRELUDE-TE ONDA SUL ANA RIZI GALINHA 332 RECORDISTA MINEIRA C.A.A. LAGOA F.S.C. COLONIAL

REGISTRO

CLASS

BX367588 BX394931 BR1541406

MB-85

BR1515854 BR1551606 BX404701

MB-86

BR1449849 BX384814 BR1527440

IDADE

DIAS LACT.

PROD LEITE

PROD % PROD GORD. GORD PROT.

% TIT. PROT.

PROPRIETÁRIO

UF

NOME DO PAI

01-10 01-10 01-11

358 15722,7 440,8 2,80 368,5 2,34 LM 365 14623,7 364,8 2,49 448,0 3,06 -340 13593,0 312,3 2,30 402,0 2,96 --

ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE SANCHO JOSE MATIAS

2006 MG MG

COMESTAR STORMATIC-ET REGANCREST-HHF MARCUS ET REGANCREST-HHF MARCUS ET

B+82

02-00 02-01 02-05

365 17115,8 469,1 2,74 496,7 2,90 LM 365 16324,7 487,8 2,99 448,6 2,75 LM 310 15680,9 484,1 3,09 496,5 3,17 LM

EVARISTO FRANCISCO MARQUES/LEANDRO S.MARQUES EVARISTO FRANCISCO MARQUES/LEANDRO S.MARQUES EVARISTO FRANCISCO MARQUES/LEANDRO S.MARQUES

2011 MG MG

LADYS-MANOR WILDMAN ET PENN-GATE FINEST ET JENNY-LOU MRSHL TOYSTORY ET

MB-86 B+83 B+82

02-11 02-09 02-07

365 18928,1 542,1 2,86 609,5 3,22 LM 365 15436,8 453,0 2,93 494,6 3,20 LM 330 12532,6 340,0 2,71 271,9 2,17 LM

CARLOS ALBERTO ADAO ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE JOAO BRAZ OLIVEIRA E/OU MARCIO F.P.OLIVEIRA

2007 MG MG

PROSITE MARSHALL MITCH ROBTHOM MOSCOW ET

BX345168 SRM415432 BR1484457

B+-83

03-03 03-05 03-01

365 18649,9 585,7 3,14 567,0 3,04 LM 365 15304,4 491,5 3,21 457,8 2,99 LM 365 15280,0 391,0 2,56 440,6 2,88 LM

ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE EVARISTO FRANCISCO MARQUES/LEANDRO S.MARQUES BRENO CORREA PERES E/OU

2008 MG MG

NORZ-HILL FORM WIZARD-ET

BR1271165 BR1544605 BR1544156

MB-87 B+83

03-09 03-07 03-10

365 24051,0 792,0 3,29 367,0 1,53 LM 351 13184,5 408,9 3,10 357,8 2,71 LM 365 12717,8 438,7 3,45 336,4 2,64 LM

LUIZ HENRIQUE SILVA E SORAYA T.A.MENDES SILVA TAMIO SEKITA E OUTROS TAMIO SEKITA E OUTROS

2000 MG MG

BR1449849 BX372782 BR1464596

MB-86 B+81

04-03 04-00 04-04

365 21462,0 667,0 3,11 610,8 2,85 LM 365 14969,0 441,8 2,95 455,2 3,04 LM 365 13309,6 492,7 3,70 414,9 3,12 LM

CARLOS ALBERTO ADAO CAYUABA GENETICA & PECUARIA LTDA ANTONIO DE PADUA MARTINS

2009 MG MG

LOCUST-RIDGE EMORY CALEB-ET REGANCREST-HHF MALIN-ET

BR1497182 BX361734 BX335787

B+-84 MB87 MB85

04-06 04-10 04-11

365 19044,3 580,1 3,05 520,3 2,73 LE 365 17284,0 437,8 2,53 533,5 3,09 LM 365 15986,3 345,6 2,16 468,9 2,93 --

LUIZ FERNANDO RODRIGUES OLIVEIRA ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE

2009 MG MG

CANYON-BREEZE ALLEN-ET STOUDER MORTY-ET

BR1449851 BX384799 BR1458247

EX-90 B+82

05-07 05-08 05-07

350 23153,7 564,1 2,44 655,6 2,83 LM 365 18839,2 413,5 2,19 566,4 3,01 LM 365 15850,0 402,0 2,54 483,2 3,05 --

CARLOS ALBERTO ADAO ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE AGROPECUARIA BARREIRO ALTO

2007 MG MG

COMESTAR STORMATIC-ET SANDY-VALLEY BLUE RIBBON-ET

06-06 06-07 06-08

364 20778,0 598,4 2,88 587,9 2,83 LM 365 17151,2 346,9 2,02 486,3 2,84 -336 12351,0 412,6 3,34 335,3 2,71 LM

CARLOS ALBERTO ADAO ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE ANTONIO DE PADUA MARTINS

2009 MG MG

NORRIELAKE CLEITUS LUKE-TW SILKY GIBSON-ET RICECREST TOUCHDOWN-ET

07-08 07-05 07-01

365 20238,5 616,6 3,05 517,9 2,56 LM 327 12840,2 335,2 2,61 385,7 3,00 -365 11898,3 330,9 2,78 329,4 2,77 --

ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE ANTONIO DE PADUA MARTINS BRENO CORREA PERES E/OU

2008 MG MG

LONDONDALE LMAN MAGNUM-ET

09-03 09-00

365 17819,0 643,0 3,61 534,0 3,00 365 10408,1 284,1 2,73 297,7 2,86 365 9115,6 319,4 3,50 284,8 3,12

ELY BONINI GARCIA BRENO CORREA PERES E/OU VALENTINO RIZZIOLI

2003 MG MG

10-00 10-05

337 19655,9 596,7 3,04 518,0 2,64 LE 365 13810,4 442,1 3,20 408,7 2,96 LM

CARLOS ALBERTO ADAO MARIELLE CAMPOS LIMA ASSIS

2008 MG

BR1452387 BX343205 BR1419972

B 77

B+82

B+84

BX251613 BR1457669 BR1401073

B+-80

BX192263 BR1413421 BR1541218

B+-84 B+81

BR1449850 BR1308492

MB-88 B 79

---

STOUDER MORTY-ET

MAUGHLIN STORM-ET

RONNYBROOK PRELUDE-ET

LONDONDALE LMAN MAURY-ET


18

Jornal Holandês| Março de 2012 EXPOSIÇÕES EXPOSIÇÕES EXPOSIÇÕES EXPOSIÇÕES EXPOSIÇÕES EXPOSIÇÕES redacao@jornalholandes.com.br

É hora de preparar! Conceituados profissionais dão dicas de como preparar os animais para os eventos que começam no próximo mês O ano letivo das exposições está começando, por isso ainda dá tempo de preparar o seu animal e prestigiar os vários eventos da Associação dos Criadores de Gado Holandês de Minas Gerais - ACGHMG. Nesta edição, conceituados profissionais da

BOM DESEMPENHO Para obter um bom desempenho nas exposições uma série de requisitos são exigidos. Do ponto de vista de pessoal, é de extrema importância que o criador disponha de uma consultoria técnica regular, especializada e competente, além de uma equipe de tratadores qualificada e motivada. COMPETITIVO Do ponto de vista de manejo dos animais, os cuidados começam ao nascimento, com uma competente colostragem e cura de umbigo e a partir daí todas as atenções esta-

Cristiane Consuli Milagres

MARCELO RIGUEIRA, jurado, criador e engenheiro EDUARDO LOPES, médico veterinário e criador A participação em exposições especializadas é uma oportunidade técnica e comercial para os criadores de animais de diversas raças e espécies. A oportunidade técnica se refere ao fato de que o criador pode, em primeiro lugar, observar quais as tendências do mercado em termos de seleção fenotípica; ver de perto o que se está buscando em termos de conformação dos animais, sendo esta de extrema importância para que o criador possa direcionar seu melhoramento genético, no sentido de manter seu rebanho sempre moderno do ponto de vista fenotípico, evitando a formação de um rebanho “OLD FASHION”. Em segundo lugar o criador pode comparar seus animais aos de outros criadores, para que tenha uma referência efetiva de como anda o seu trabalho em casa e eventualmente corrigir condutas técnicas adotadas na fazenda. Além disso, ele pode conferir quais os touros estão sendo utilizados de forma mais frequente pelos criadores e quais as principais características fenotípicas esses touros estão expressando em suas filhas. No aspecto comercial as exposições são uma excelente oportunidade para que o criador apresente seu trabalho ao mercado, podendo realizar ações vinculadas a sua participação e, principalmente, ao seu desempenho nas exposições para que seu trabalho se torne conhecido, gerando oportunidades de negócios. Além disso, o criador tem a chance de enriquecer seu ciclo pessoal de relacionamentos comerciais.

raça que trabalham nos bastidores, preparando e acompanhado os animais em exposições, dão importantes dicas que fazem a diferença em pista. Confira na agenda da página 2, ou no site do Jornal Holandês a programação completa dos eventos de 2012.

rão voltadas para garantir conforto e bom manejo nutricional, para que o animal expresse todo seu potencial genético e se torne efetivamente competitivo. MANEJO NUTRICIONAL A dieta dos animais destinados às exposições possui várias particularidades, são dietas com teores de proteína mais alto que as dietas convencionais, com menores teores energéticos e a base do volumoso é o feno. O mais importante, no entanto, é que todo o manejo nutricional está focado em maximizar a ingestão de matéria seca por parte do animal, com isso altas taxas de crescimento serão obtidas. Para isso é fundamental que o animal seja conduzido em um ambiente com muito conforto e que seja estimulado constantemente a ingerir alimentos. Este conforto é traduzido por conforto térmico, lembrando que temperaturas elevadas inibem a ingestão de alimentos. É importante também que ele tenha acesso a água limpa e abundante durante todo o dia. Outro aspecto importante é que as dietas devem ser sempre individualizadas, uma vez que elas sofrerão mudanças cotidianas em função da condição corporal do animal, portanto, a alimentação sofrerá interferência em sua composição sempre que o animal estiver engordando ou emagrecendo mais do que o desejável. Isto só é possível quando ele está individualizado em uma baia ou em um tie-stall. Naturalmente que o manejo nutricional destes animais será substancialmente diferente do manejo de rebanhos comerciais, uma vez que estas dietas com altos volumes de feno e altos teores de proteína são muito dispendiosas e inviáveis do ponto de vista

econômico para rebanhos comerciais, enfim, elas devem ser destinadas a indivíduos especiais dentro dos rebanhos comercias. CONFORTO O aspecto de conforto térmico irá influenciar diretamente o manejo nutricional. Todos os artifícios disponíveis para se manter uma estabilidade térmica serão importantes, isto inclui a confecção de instalações adequadas, utilização de ventiladores e nebulizadores. E todos os aspectos da criação são importantes, incluindo a qualidade da cama onde o animal fica alojado. Esta cama deve ser mantida sempre limpa e seca, para evitar a concentração de amônia que pode prejudicar a saúde da bezerra e também garantir a limpeza da pelagem do animal. PREPARAÇÃO FINAL Falando em limpeza de pelagem é importante lembrar que vários cuidados devem ser adotados para garantir a qualidade estética do animal para que ele faça uma boa apresentação durante as exposições. Estes cuidados incluem banhos todos os dias com sabão de coco, secagem à sombra e escovagem dos pelos. Por isso, também a importância da manutenção de uma cama limpa e seca. Estes cuidados são a base para a preparação final dos animais para as apresentações, uma vez que pelos limpos e sedosos irão facilitar as etapas de tosquia do corpo e “Top Line” das bezerras. Tosquias bem realizadas por profissionais competentes valorizam a apresentação e realçam suas qualidades. Não podemos esquecer que os animais de exposição devem sofrer casqueamentos frequentes, no mínimo, de três em três meses e em alguns casos todos os meses, para garan-

tir o crescimento regular dos cascos, evitando que crescimentos inadequados comprometam a qualidade dos aprumos. PERCURSO Para ser competitivo em exposições todo detalhe é importante, até a contratação do transporte. Ele deve ser feito por profissional que tenha responsabilidade e carinho com os animais, evitando que eles sofram escoriações e que tenham demasiado desgaste físico durante a viagem, o que poderá comprometer seu desempenho na exposição. Este desgaste está muito mais ligado à forma como o motorista conduz o veículo do que propriamente à distância a ser percorrida. Freadas e acelerações bruscas e curvas acentuadas desgastam muito os animais. FAZENDO A DIFERENÇA Uma vez no recinto da exposição é de fundamental importância que o manejo cotidiano dos animais seja restabelecido rapidamente para que eles possam retomar a ingestão de matéria seca, se reidratar e recompor seu volume corporal normal. Nessa hora uma equipe de tratadores envolvida e empenhada e uma assessoria por consultor competente é de vital importância para a condução individualizada de cada animal. Os detalhes irão fazer ainda mais diferença, lembrando que a imagem de seus animais de exposição é a imagem de seu rebanho e representam a sua imagem como criador. Tenha atenção especial a todos os detalhes, incluindo qualidade do ambiente, organização, uniformes dos funcionários, materiais publicitários, além é claro da qualidade de limpeza e apresentação dos animais quando alojados nos galpões. O nível de nossas exposições especializadas de gado Holandês é muito elevado, sendo que todas as técnicas que estão disponíveis no exterior, incluindo Canadá e EUA, também estão disponíveis no Brasil. O mercado nacional possui preparadores e consultores de altíssimo nível e com larga experiência. ENFIM... As exposições podem ser um importante veículo de comercialização de seus produtos, lembre-se de que seus animais serão a sua imagem, fique atento a todos os detalhes.


EXPOSIÇÕES EXPOSIÇÕES EXPOSIÇÕES EXPOSIÇÕES EXPOSIÇÕES EXPOSIÇÕES

Jornal Holandês| Março de 2012 redacao@jornalholandes.com.br

19

PREPARAÇÃO Primeiramente devem-se identificar os animais “diferenciados’’ dentro do rebanho em suas devidas categorias, pois independente do rebanho sempre haverá animais que se destacam. Após essa identificação, inicia-se um trabalho individual em cada animal selecionado, dieta de acordo com o estado físico e estágio de desenvolvimento que o animal se encontra. Sempre devemos procurar apresentar os animais em um estado equilibrado nunca atingindo extremos, ou seja, nem magras e nem obesas. FORMAS DE CRIAÇÃO Esses animais devem ficar separados, preferencialmente em baias, gostaria aqui de ressaltar que algumas vezes quando mencionamos baias muitos criadores já pensam em altos investimentos, entretanto é possível conduzir animais de exposição em instalações baratas. Esse conforto irá proporcionar um maior desenvolvimento no caso de animais jovens e nas vacas aumento da produção e melhor estado geral.

ESTÉTICA Com os animais devidamente alojados inicia-se uma rotina, banhos diários (com shampoos apropriados), casqueamento por profissionais treinados, tosquia para ‘’igualar’’ todos os pelos e treinar os animais no cabresto. Todo esse trabalho inicia-se no mínimo 3 meses antes do evento onde os animais serão apresentados. Tudo que se faz em uma exposição é somente ressaltar as características zootécnicas dos animais, ou seja, ressaltar as qualidades para o jurado comparar os indivíduos. Vale lembrar que sempre que preparamos um animal devemos procurar um equilíbrio em suas partes, exageros nunca são bem-vindos. Todo esse trabalho depende de um grande fator, DEDICAÇÃO de todos envolvidos no processo e acima de tudo PAIXÃO pelo trabalho! VIAGEM Alguns dos meus clientes dizem que sou neurótico no momento da viagem dos animais, pois qualquer acidente, por

Carol Hinz

LUIS EDUARDO MORAES, médico veterinário e preparador de animais com experiência internacional; atuou na Argentina, Uruguai, Canadá, Estados Unidos, México, Alemanha e Itália, onde participou da conquista de importantes títulos, dentre eles Campeã Vaca Jovem Madson 1999, Grande Campeã Royal 2008, Campeã Vaca Jovem Madson 2008 e Grande Campeã HVB Madson 2009. Segundo Eduardo, “o trabalho de preparação dos animais que fazemos no Brasil é igual do exterior”.

menor que seja, pode colocar tudo a perder. Sempre devemos escolher um caminhoneiro já conhecido e muito bem recomendado, o transporte deve ocorrer no período noturno, pois é mais fresco proporcionando um maior conforto aos animais. Durante a viagem o motorista junto a um responsável deve efetuar paradas para certificar do estado dos animais. EXPOSIÇÃO Já na chegada dos animais na exposição, eles devem descansar, serem alimentados e hidratados. Iniciando toda uma rotina

diária, com banhos, horário de tratos e tosquia. Sempre digo que a exposição é um reflexo dos animais na propriedade, então eles têm que se comportar naturalmente em todos os sentidos, tais como produção e alimentação, como se estivessem em casa. PROFISSIONAIS Sem dúvida a presença de profissionais é muito importante, pois a experiência nas diversas situações durante a exposição faz a diferença, principalmente para conseguir esse equilíbrio que procuramos no animal. Wagner Correa

ALESSANDRA MERRICHELLI, médica veterinária, apresentadora e preparadora possui experiência no Brasil e exterior. Auxiliou na preparação de vários animais em Madison-EUA e apresentou o Holandês na exposição na Royal Winter Fair – Canadá. ALIMENTAÇÃO Os animais devem receber uma alimentação que seja equilibrada nutricionalmente, nunca se esquecendo de um volumoso e de um concentrado de excelente qualidade. Não queremos animais com escore corporal alto e nem muito baixo, pois nesses dois casos, durante o julgamento, certas características morfológicas são prejudicadas. MANEJO Como em tudo na vida que queremos que seja bem feito; a criação dos animais também deve ser levada a sério, com conhecimento, assistência técnica e dedicação. É complicado falar em poucas palavras sobre o manejo adequado para se criar animais para exposição, mas no geral se resume em genética, alimentação, instalações e manejo, sem esquecer de mão-de-obra comprometida e assistência técnica competente.

TRATAMENTO DIFERENCIADO Os animais que durante o ano irão participar de exposições, devem receber tratamento diferenciado em relação a cuidados com o pelo, casco e ectoparasitas. Devem ser lavados frequentemente, tosqueados, casqueados para correção dos aprumos e não devem ter carrapatos, verrugas e outros problemas de pele. TRANSPORTE O transporte dos animais para uma exposição deve ser levado a sério, feito por pessoas cuidadosas, em um caminhão limpo, com o assoalho em ótimas condições, pois você leva um ano manejando estes animais com a melhor alimentação, cuidados estéticos e pessoas comprometidas e na hora que desembarcam eles chegam machucados, prejudicando assim o seu julgamento. CAMINHO CERTO Hoje com o mundo globalizado não tem

como competir em qualquer área sem ter conhecimento e ele deve vir por meio de profissionais competentes, que dêem o caminho certo a ser seguido. MINUTOS ANTES Este é o momento de maior expectativa, é a hora dos retoques finais. Tudo que você fez se mostra neste momento.

FAZENDO A DIFERENÇA O nível de animais que hoje vemos em pista, tanto no exterior quanto no Brasil, está muito próximo, seja pela excelente genética usada, seja por ótimos profissionais envolvidos, seja pelo manejo dos animais. Alguns detalhes fazem a diferença, mas o principal é o respeito ao animal que se está trabalhando.


20 NOTA

Jornal Holandês| Março de 2012 redacao@jornalholandes.com.br

Novo Catálogo Leite 2012 da ABS Pecplan Entre as principais novidades do novo Catálogo Leite da ABS Pecplan está a união da bateria convencional e sexada no mesmo catálogo para facilitar a consulta. “Pelo sexto sumário seguido a ABS Global possui mais de 30 touros entre os TOP 100 TPI da raça Holandesa, comprovando a supremacia em ofertar a melhor genética com confiança”, destaca Klaus Hanser de Freitas, Gerente de Produto Leite da ABS.

Ainda no Holandês, o elenco de touros este ano vai muito além de qualquer expectativa, com vários touros acima de dois pontos para PTA Tipo, Composto de Úbere e Composto de Pernas & Pés, produções de leite marcantes, sólidos e critérios de saúde ao extremo. “Também temos muito orgulho da bateria de touros Girolando. Lion é o touro N°1 da raça com sêmen convencional e sexado disponível, Millenium se mantém como líder do grau de sangue ¾ e as primeiras filhas de Torpedo são de extrema qualidade. Este ano apresentamos mais cinco novidades no Girolando, sendo 3 filhos de Shottle advindos de acasalamentos programados”, afirma Klaus.

“Aos interessados em touros com provas Genômicas, o departamento técnico selecionou o que existe de melhor entre estes jovens touros”, completa. O gerente também relembra que o GMS se mantém como o melhor programa de acasalamento do mercado, com clientes satisfeitos nos diversos sistemas de produção por todo o Brasil. O RMS possui grande demanda do departamento técnico da ABS pelas soluções sugeridas e o resultado que vem conseguindo em gerar prenhezes, com soluções simples e aplicáveis no dia a dia das fazendas. “Obrigado pela confiança total, continue junto à empresa líder mundial em genética bovina”, finaliza Klaus.

NA WEB Milho amplia recorde da safra mineira em 2012 Produto responde por 63,7% da produção total de grãos do Estado.

Pesquisa antecipa a idade ao 1º parto O animal entra na vida produtiva mais cedo proporcionando maior rentabilidade na atividade leiteira.

Plano Pecuário é entregue ao Ministério da Agricultura Proposta da Embrapa Gado de Leite faz uma reflexão do setor que apresenta 931 mil propriedades que produzem e comercializam leite.

Famasul projeta indicador de custo O produtor terá mais condições de avaliar qual retorno está tendo e o que pode dispor para diversificar.

Produção de leite crescerá 4% este ano Projeção da Leite Brasil aposta no aumento da demanda interna e na ampliação das exportações.

Prepare-se para a Exphomig 2012 Reserve já o seu espaço. www.exphomig.com.br

Informações: 32 8416 0238 com Cleocy Jr.


22 PARABÉNS!

Jornal Holandês| Março de 2012 redacao@jornalholandes.com.br

Conquistando o mercado Holandês! Mulheres de destaque no agronegócio contam suas experiências profissionais e dão dicas de como fazer a diferença em um universo tão masculino Março: mês das mulheres... importantes mulheres... criadoras, mães, profissionais, amigas e companheiras, presentes em todos os cantinhos deste enorme País. Segundo o IBGE, hoje o Brasil tem mais mulheres que homens e ocupam cada vez mais espaço no mercado de trabalho. Altas ou baixas, magras ou cheinhas, morenas ou loiras,

alegres ou tímidas, de várias gerações, com vários estilos, elas se destacam no universo do Holandês e a cada ano abrilhantam cada vez mais os eventos e exposições da Associação Mineira. Elas estão sempre marcando presença, mulheres que desbravam os campos, acompanham seus maridos, choram e vibram de alegria com seus filhos, determinadas, trabalhadores e que fazem sempre a diferença!

A Associação dos Criadores de Gado Holandês de Minas Gerais e o Jornal Holandês homenageiam todas as mulheres que fazem parte da história da raça. Com depoimentos de importantes profissionais do agronegócio Holandês, elas nos contam suas experiências, como veem o mercado e dão dicas de como fazer a diferença no mundo onde os homens ainda são a maioria.

Cassia Parreira

LIVIA FRANÇA Gerente de Comunicação e Marketing da ABS Pecplan e formada em Publicidade

5 ANOS NO AGRONEGÓCIO “A presença feminina é marcante e sem dúvida fazemos a diferença! Características típicas femininas como sensibilidade, intuição e habilidade para fazer ‘mil coisas’ ao mesmo tempo fazem a diferença. Eu arrisco a dizer que nem é um mundo tão masculino assim, pois se observarmos bem, as mulheres estão em toda parte: nos negócios familiares muitas vezes quando não são as administradoras, são o braço direito dele, ou a conselheira. Nos meios de comunicação voltados para o agronegócio, várias jornalistas e executivas comerciais talentosas e neste mercado como um todo, as mulheres estão despontando cada vez mais como brilhantes veterinárias, zootecnistas, engenheiras agrônomas, vendedoras, entre tantas outras profissões. Aparentemente ainda é um mundo muito masculino, pois ainda faltam muito mais mulheres em cargos de liderança, ainda assim, a presença delas já é marcante e essencial.”

MARIANNE ROSSI PERAS Médica Veterinária, Assistente Técnica e comercial da Araucária Genética Bovina

Divulgação Araucária

7 ANOS NO AGRONEGÓCIO “Acredito que a presença feminina no agronegócio em geral tem tido um aumento expressivo nos últimos anos. No agronegócio Holandês, isso não foi diferente. O mais complicado é conseguirmos uma oportunidade de demonstrar que podemos trabalhar e que o nosso conhecimento técnico não é diferente do conhecimento de um indivíduo do sexo masculino. Alguns diferenciais que me ajudaram neste tempo foram a humildade (característica que acredito ser imprescindível para qualquer área, mas que é muito apreciada quando estamos lidando com produtores), o atendimento (a simpatia, a pró-atividade e disposição são características marcantes no que diz respeito a um bom atendimento), atenção aos detalhes (as mulheres por natureza são mais atentas e mais cuidadosas com os detalhes, característica essencial principalmente na produção de leite, onde a delicadeza e a paciência com os animais é imprescindível, até para aumentar a produção), a força (no sentido de que não desistimos facilmente de desafios e empenho no nosso trabalho a campo) e a determinação (uma mulher precisa

ter em mente que quando se trata de um lugar no mercado de trabalho do agronegócio, a determinação é fundamental. Traçar objetivos e seguir em frente até alcançá-los, vencendo a barreira masculina). O que dificulta muito a atuação das mulheres no mundo masculinizado do Agronegócio é a banalização da figura feminina divulgada em mídia, que por vezes visa mostrar a imagem da mulher como beleza externa e não seu potencial como ser humano individual. É preciso abrir espaço como está fazendo o Jornal Holandês para se divulgar que a mulher pode e deve estar no mercado de trabalho do agronegócio. Na verdade as mulheres sempre ocuparam o papel de coadjuvante na sociedade e hoje, após muitos anos de luta, podem provar que são profissionais, honestas, determinadas e batalhadoras, conquistando assim o respeito e o aplauso de todos por estarem escolhendo um mercado tão competitivo. Acredito que o preconceito ainda é enorme, mas graças a esses e outros diferenciais femininos, temos conseguido nosso espaço. Uma dica para mulheres que estão pensando em ingressar no agronegócio é sempre seguirem em frente, tentar de todas as formas mostrarem seu valor como pessoa e como profissional e jamais desistir!”


PARABÉNS! 23

Jornal Holandês| Março de 2012 redacao@jornalholandes.com.br

JULIANA FLORIOTO GUEDES Zootecnista e Gerente de Marketing Estratégico

9 ANOS NO AGRONEGÓCIO “Trabalhar em um mundo marcado durante anos como masculino é sem dúvida um grande desafio para a mulher. Primeiramente ela precisa se conhecer e depois reconhecer que sem a participação conjunta de homens e mulheres, em que cada um cumpre com os seus papéis, respeitando as visões e habilidades de cada universo, são cruciais para fazer a diferença. A presença feminina no agronegócio Holandês veio para somar, e muito.”

3 ANOS NO AGRONEGÓCIO “De acordo com o estudo do Sebrae, realizado pela Global Enterprenurship Monitor (GEM), 49,3% dos empreendedores brasileiros são do sexo feminino. Sabemos que no agronegócio brasileiro existe uma pequena parcela da presença feminina, mas creio que essa pequena parcela, que está em ascensão, faz uma grande diferença! Já temos importantes nomes femininos destacados em propriedades, leilões, exposições e em empresas do ramo. As mulheres realmente vieram com tudo, muito focadas, comprometidas, objetivas, guerreiras e o principal, apaixonadas pelo seu negócio. Se continuarmos assim, em um futuro próximo o Brasil será mais justo, rico, desenvolvido e respeitado como um País que se preze. Gostaria de homenagear todas as mulheres que fazem parte do agronegócio Holandês, e que continuemos por muito tempo fazendo a diferença nesse mercado maravilhoso!”

ADRIANA ZAIA SANCHES Zootecnista, Gerente de Comunicação da CRV Lagoa

DANIELA CECILIA Zootecnista e Técnica de Leite e netics e Alta Mate da Alta Genetics

KATY MATHIAS Gerente Administrativa da Embral Leilões

7 ANOS NO AGRONEGÓCIO “A presença feminina ainda não é maciça no Holandês. Temos observado várias mulheres se destacando na parte de nutrição, preparação de animais, apresentação de animais em pista e em acasalamentos. Conseguimos fazer a grande diferença no quesito critérios de seleção, onde temos a determinação e foco de estudarmos os mais diversos pedigrees, atentas sempre aos mínimos detalhes. Isso faz toda a diferença!”

É hora de atualizar o seu plantel! 32 - 4009 4300

Francisco Junior

Atenção!

Arquivo pessoal

25 ANOS NO AGRONEGÓCIO “Acredito que a presença feminina em postos decisivos no Agronegócio está sim fazendo a diferença e mudando a opinião masculina. A adesão das mulheres no mercado é um sucesso, já podemos contar com grandes profissionais dentro de vários seguimentos, entre eles veterinárias, agricultoras, criadoras das raças de corte e leiteira, em assuntos específicos como reprodução, entre outros.”

20 ANOS NO AGRONEGÓCIO “A presença da mulher contribui, e muito, para o sucesso do agronegócio. A mulher é observadora, detalhista e está sempre atenta a tudo. É por isso que a presença da mulher é cada vez maior e mais importante no agronegócio. Conquistamos, ao longo dos anos, o respeito dos homens e ainda temos muito a crescer, mostrar nosso potencial e nossa força. É só o começo!”

Carine Crosara

Tamara Ambrosi

LUIZA REGIS Assessora da Diretoria Semex Brasil

Arquivo pessoal

da C.R.I. Genética Brasil


Jornal Holandês Março de 2012  

Jornal de gado Holandês