__MAIN_TEXT__

Page 1

Grand’olhar Maio de 2016 | Terceira Edição

Edição| Leonor Ferreira, David Belga, Miguel Pereira, Cristiana Liberato, Filipa Matias, Mariana Malveiro, Joana Oliveira.

Última parte do conto de Miguel Pereira “Geada de Guerra” (parte III) p.12

Noticias da nossa Escola p. 3

Apresentação do livro “Bem-vindos a Esta Noite Branca” de Gonçalo Naves p.4

Tudo Visto, Tudo Escrito p.7

Agenda Relevante Com mapa de exames para 2016 p.13 e 14


Editorial Passou entao 1 ano escolar e com ele chegou a ultima ediçao do Grand’Olhar. Agradecemos a todos os leitores deste pacato jornal a vossa atençao ao longo das 3 ediçoes deste projeto. Em retrospetiva, podemos dizer que foi um prazer partilhar convosco as nossas ideias, opinioes e informaçoes, tendo-nos esforçado bastante para garantir a continuidade desta iniciativa ao longo deste ano escolar. Esta ediçao conta com alguns dos destaques dos meses de março, abril e maio e com os habituais segmentos da responsabilidade dos alunos (“Leituras”, “Tudo Visto, Tudo Escrito”, “O Pequeno e Distorcido Mundo da Mia”, “Um Pequeno Texto para Um Grand’Olhar”, “Cantinho dos Fas” e “Geada de Guerra”) e dos acrescimos das professoras da biblioteca escolar (notícias referentes a Escola Basica D. Jorge de Lencastre e a propria biblioteca, como e o caso do Concurso Nacional de Leitura). Caso pretendam fazer parte deste projeto no proximo ano, dirijam-se a Biblioteca Escolar ou enviem um e-mail para: jornalgrandolhar1516@gmail.com

Obrigado O Jornal

2


Destaques “O Homem que Carregava Pedras” de Marco Taylor

Freguesia de Grandola tornou possível a apresentaçao e compra de varios trabalhos desde artista natural de Lisboa.

Concurso Nacional de Leitura Fase Distrital No dia 11 de maio, no Centro de Artes de Sines, teve lugar a fase Distrital do Concurso Nacional de Leitura, destinado aos alunos do 3.ºciclo e do Ensino secundario, onde estiveram presentes alunos do distrito de Setubal. O Agrupamento de Escolas de Grandola esteve representado pelos seguintes alunos: Nuno Parreira - 7.º C ; Cecília Gatinho - 8.º C; Ines Pereira do 8.º C; Susana Ferro Pereira - 9.º E; Ana Rita Rocha - 9.º D; Ana Filipa Mandingas - 12.º C e Sofia Ferreira 12.º C

De 22 de março a 2 de abril estiveram em exposiçao na Biblioteca Municipal de Grandola os originais das ilustraçoes do livro “O Homem que Carregava Pedras” de Marco Taylor, vencedor do Concurso Escrita Solidaria 2014. Esta exposiçao serviu tambem de cenario a apresentaçao do livro pelo proprio autor, celebrando-se assim o Dia Internacional do Livro Infantil (2 de Abril, sabado).

Gabriel Coelho no Espaço Garrett

Os alunos responderam, por escrito, a questoes relacionadas com os livros anteriormente selecionados e os cinco finalistas de cada ciclo realizaram uma prova oral, onde leram e argumentaram, de forma expressiva. Foi uma tarde diferente e enriquecedora para todos os intervenientes. Parabens!

A “Exposiçao Desenhos de Gabriel Coelho” esteve patente ao publico entre 12 e 31 de março no Espaço Garrett, em Grandola. Tratando-se de um local onde a arte e a gastronomia sao inseparaveis, o apoio da Junta de 3


Destaques

“Em Tróia Sê Romano” Ser Romano em Troia foi um desafio lançado ao Agrupamento e aceite, com muito entusiasmo, pelas turmas do 5º G; 6º D e do 7.ºA. Os alunos começaram pelas pesquisas na Biblioteca Escolar e ficaram a saber mais sobre a vida e os habitos dos Romanos. Organizaram as informaçoes recolhidas com os professores de Historia e Geografia de Portugal e com os professores de Educaçao Visual deitaram maos a obra e fizeram replicas de fatos romanos. No dia 18 de abril, houve um primeiro encontro de Romanos na Biblioteca Municipal com direito a “Retrato Oficial”. No dia 23 de abril, professores e alunos, estiveram presentes no desfile de inauguraçao da quarta ediçao do Mercado Romano, nas Ruínas de Troia. Como verdadeiros Romanos todos viveram uma experiencia unica, voltando atras no tempo… No final do ano lectivo sera apresentada uma exposiçao das varias fases do projeto.

4


Leituras por Leonor Ferreira Apresentação do livro “Bemvindos a Esta Noite Branca” de Gonçalo Naves

Com respostas algo turvas, mas ideais bem definidos, criticou o rebaixar da cultura e da qualidade dos livros em detrimento da capacidade comercial dos mesmos, situaçao recorrente em Portugal. Mantendo um ambiente informal ao longo da sua apresentaçao, nao fosse tambem ele um jovem entre tantos outros, mostrouse disponível para “dialogos” e lançou um desafio aos alunos que ja teria começado anteriormente: Escrever um texto sobre um tema criativo e singular que “espante” o autor. De todos os que lhe forem enviados, atribuira aos 5 textos que mais o cativarem um exemplar do seu livro. O mail para enviar e naves.8@hotmail.com Fica aqui o desafio!

Livro que levou 1 ano e 3 meses a escrever, “Bem-vindos a Esta Noite Branca” de Gonçalo Naves foi apresentado no anfiteatro da Escola Secundaria Antonio Inacio da Cruz no passado dia 6 de maio. Apesar de ter sido prevista a realizaçao de apenas uma apresentaçao, foi feita mais uma, a pedido dos professores e de alguns alunos. O autor, de 19 anos, aluno de Direito da Universidade de Lisboa, falou, nao so, sobre o livro e fases da sua escrita, como tambem de outros assuntos, nomeadamente do processo criativo, do seu ponto de vista em relaçao a temas como a Literatura Portuguesa da atualidade, do papel desempenhado pelas proprias editoras e ainda referiu a sobrevalorizaçao de conceitos como “sucesso” e ate mesmo, “inteligencia”. O jovem respondeu a todas as questoes levantadas pelos alunos, tendo acabado por revelar que ja se encontrava a escrever o proximo livro (que podera vir a chamar-se “Teoria Geral da Solidao”), pretendendo um dia seguir este caminho profissionalmente. Admitiu prontamente a sua admiraçao por Antonio Lobo Antunes, vencedor do Premio Camoes em 2007, mas nao se ficou por aí, falou tambem de poetas vindos do universo da musica, “Dillaz” e “Sam the Kid”. 5


Leituras por Leonor Ferreira A Diferente Igual Morte de Dois Grandes Poetas

vantes, o autor de D. Quixote de la Mancha, que tera falecido em Madrid. Tal como SeteSois, perdera a mao esquerda numa batalha, mas a vida nao o levou para pedinte, como fez a Baltasar de Saramago, em vez disso, apesar de mais tarde, deu-lhe reconhecimento como escritor ainda em vida, algo que foi inalcançavel para muito escritores, que nao viveram tempo suficiente para verem a sua obra apreciada. Com estilos bastante distintos, a complexidade poetica de Shakespeare contrasta com a despreocupada “simplicidade” de Cervantes, no entanto, ambos deixaram obras de reco-

William Shakespesre

nhecimento mundial e frases que ainda hoje

Este ano, comemoram-se os 400 anos da

sao proferidas, e essa foi a sua herança co-

morte de Shakespeare, autor de obras sonan-

mum, a parecença suprema entre os dois au-

tes como Romeu e Julieta, Macbeth, Hamlet e

tores, que apesar de completamente diferen-

King Lear. Tera morrido a 23 de abril de 1616

tes, deixaram um patrimonio duradouro ao

em Stratford-upon-Avon, local onde nascera

seu país e ao mundo.

em 1564. Escritor classico, ainda hoje e admirado por milhares de pessoas, existindo outros tantos milhares de copias das suas obras, estas conhecidas nos quatro cantos do mundo. Das suas obras resultaram outros livros, diversas adaptaçoes para filmes, series e ate musicais. Shakespeare e considerado um dos maiores escritores e dramaturgos da Historia, tendo escrito mais de 35 peças e 150 sonetos. No entanto, neste ano (e exatamente na mesma data) comemora-se tambem o 400º ani-

Miguel Cervantes

versario de outro grande escritor, Miguel Cer6


Tudo Visto, Tudo Escrito por Cristiana Liberato -Uma Família Muito Moderna-

mexicana, que por sua vez ja tinha um filho

e que tem outro membro para se juntar a família, o cao; um casal gay, que adota uma menina, sendo que um dos membros do casal e filho, do homem mais velho. Por fim a filha e irma, que juntamente com o marido e os tres filhos, fazem outra família. Perceberam? Se a resposta e nao, nao estao preparados para ver nem sequer um episodio desta serie, pois isto e confusao do início ao fim, com muitas gargalhadas e algumas lagrimas a mistura. Vale a pena dar uma vista de olhos a esta magnífica serie, mas tem cuidado, E ALTAMENTE VICIANTE! Classificaçao:

Vou falar de uma serie que ja ganhou o Emmy de melhor serie de comedia e outros 14 Emmys. Criado por Christopher Lloyd e Steven Levitan, “Uma Família Muito Modena” recebe-nos em casa das 13 personagens principais como se vivessemos diariamente com elas. Sim 13 personagem, porque o cao, representado na imagem, faz parte desta família. Cada episodio tem 22 minutos, que para mim equivalem a 2 segundos porque o tempo passa a correr quando me perco nas aventuras desta família. Cada dia e uma nova “birra”, uma nova confusao ou um novo problema que acaba por envolve-los a todos. Basicamente a família e constituída por tres outras famílias, assim temos primeiro o pai, um homem maduro, casado com uma mulher mais nova de origem

Estrelas:★★★★★★★★★★

7


Cantinho dos Fãs por Joana Oliveira -Prison Break-

cadastro estaria a fazer na prisao tambem. Prison Break começou em 2005 e tem 4 temporadas, com 22 episodios cada, exceto a terceira temporada, que tem apenas 13. Apos o final da serie foi realizado o filme, que conta/relata o que aconteceu no período seguinte ao ultimo episodio da serie. Recomendo a todos que vejam Prison Break, porque tem muito suspanse e açao. Nao existe um episodio que seja aborrecido e sem duvida, uma boa serie. Ate a proxima❤

Prison Break e uma serie baseada em dois irmaos: Lincoln e Michael. Lincoln e preso em Fox River, pelo homicídio do irmao da vice-presidente dos EUA e e sentenciado a pena de morte. Michael, acreditando na inocencia do seu irmao, passa meses a fazer um plano infalível para tirar Lincoln de la. Todas as informaçoes necessarias para a fuga sao tatuadas no corpo de Michael, de maneira a que so ele perceba como descodifica-las. Para o pos-fuga trata tambem de outras questoes que levarao outros presidiarios imprescindíveis a juntarem-se a ele (obtendo transporte e dinheiro). Michael ve-se com pouco menos de um mes para que a execuçao do irmao aconteça, o que dificulta em muito a sua tarefa. Com o tempo, o numero de envolvidos no plano aumenta significativamente e as suspeitas sobre o que um engenheiro sem

8


O Pequeno e Distorcido Mundo da Mia por Mariana Malveiro -A Minha Primeira Tatuagem-

variam bastante. – Pede um orçamento. Pede conselhos ao tatuador e nao tenhas medo de perguntar seja o que for. – Tenho a certeza de que ele/a nao te vai julgar. Muito regularmente as pessoas tendem a sugerir que “todas as tatuagens precisam de ter significado”, mas eu nao concordo nada com isso. Se gostas da tua ideia, por mais aleatoria e estranha que seja, apoio-te a 100%. No entanto, a minha primeira tatuagem teve algum significado porque a minha mae e tia tambem a tatuaram, mas a proxima que pretendo fazer (que e um pequeno conjunto de flores) nao tem significado algum. Irei faze-la pela simples razao de gostar dela e da sua simplicidade. Por isso, se pretendes fazer uma tatuagem, pensa bem no que queres fazer antes e força nisso.

Antes de avançar com a partilha da minha experiencia com a minha primeira tatuagem pretendo – como ja e da praxe – elucidar algumas realidades: se por acaso estas interessado em fazer a tua primeira tatuagem nao te posso garantir que a tua experiencia sera semelhante a minha. A dor varia bastante de pessoa para pessoa e varia tambem consoante o local do corpo onde faças a tatuagem (por exemplo, uma tatuagem no antebraço nao custa nada comparada com uma na zona das costelas). Avancemos para a minha tatuagem: e uma tatuagem pequena, localizada no topo do meu antebraço. E uma frase escrita na horizontal que diz “Destroy what destroys you” (Traduçao: Destroi o que te destroi). O preço dela foi 30 euros, mas pode variar de zona para zona e de artista para artista. Numa escala de 0 a 10 a dor foi um 2, muito sinceramente, bem mais facil do que pensei. Quanto ao processo de cicatrizaçao, por ser pequena, demorou cerca de uma semana/ nove dias a curar completamente, mas ainda uso produtos como Vaselina para hidrata-la. Se estas interessado/a em fazer uma tatuagem, especialmente se e a tua primeira, aqui estao alguns conselhos: 1. Pesquisa. – Tatuadores nao caem do ceu, por isso penso que uma pequena pesquisa nao faz mal a ninguem. De preferencia, procura tatuadores mais especializados no tipo de tatuagem que desejas. 2. Certifica-te, uma vez na loja, de que os materiais sao descartaveis e o ambiente e limpo. – Isto e fundamental pois, caso contrario, poderas correr o risco de apanhar alguma bacteria que resultara numa infeçao grave. 3. Como ja referi previamente, os preços 9


Um Pequeno Texto para Um Grand’Olhar por David Belga -Tédio-

fazer doces nadas, doces que dao lugar a angustia e frustraçao de saber que desperdicei o tempo em coisas que fornecem apenas prazer a curto prazo, tendo ignorado completamente o futuro que se aproxima como que um comboio, partindo da estaçao da realidade e direitinho a mim, e eu preso aos carris, oh imperdoavel diabetes temporal! Ou talvez a culpa nao seja minha, talvez seja do tedio (desde que nao seja minha, ja e meio caminho andado, certo?), tedio que faz abrandar o tempo a que estou preso, e eu puxo na direcçao oposta, para que o tempo nao pare e, no momento do ultimo esforço, o traiçoeiro tedio tira as maos da corda do tempo e faz com que eu caia de costas no chao, sou puxado mais uma vez e o ciclo recomeça. Mas como escapar? Conformo-me? Disciplino-me? Revolto-me? Porque haveria de ser eu a mudar? Porque nao muda o proprio tempo, ja que esta em constante e frustrante mudança? E isso mesmo, o tempo que mude, que eu por aqui fico, a escreverlhe em vas e futeis palavras que exigem tudo sem esforço ou compromisso.

Ai que frustraçao, nao cumprir um dever, ter tanto ou nada para fazer e nao fazer! Olho para um ecra em branco, ou talvez um espelho ou uma parede, tenho tempo, tenho obrigaçoes, falta-me a net, falta-me a paciencia, falta-me a vontade. Sao 16:56, ha bocado eram 16:55 e daqui a algum tempo serao 16:57, se eu estivesse a pressa para entregar algo, ou a jogar, ha bocado seriam 14:00 e daqui a nada seriam 20:30, o tempo goza comigo. Maldita net, quando tenho que dormir ela chateia-me, quando preciso dela, a maldita decide cair ou ausentar-se por um motivo ou outro! Bem, olhando pela positiva, provavelmente nao estaria a escrever isto se nao tivesse sem internet, estaria a jogar, ou a ver vídeos do Preço Certo, sei la, uma procrastinaçao qualquer. Pensando bem, se o mundo nao nos obrigasse a fazer algo provavelmente nao faríamos nada (ou quase nada) a vida inteira. E que tedio seria essa inacçao, parado por preguiça e eventualmente, mesmo com vontade de fazer algo, continuaria parado por inercia. Com a vontade de fazer escalando lado a lado com essa indolencia, eliminando-se mutuamente, sem fazer nada excepto aumentar a frustraçao. Mas deixando esse pensamento de parte, inutil, pois tal cenario e bastante separado da realidade, para que servira realmente o tedio? Aqui estou, com um texto para escrever, com tempo para o fazer, mas esta frustrante dor de alma bloqueia-me qualquer tentativa de pensamento produtivo. “Ao menos estou concentrado” penso, mas de que vale se nada consigo fazer? De que serve ter a maxima das atençoes enquanto faço nada? Maldito tedio, maldito tempo, maldito eu. Distraio-me, o tempo passa a correr, nao, da um salto e para subitamente. Talvez seja eu que nao sei gerir o tempo, ora tenho a mais ora a menos, a maior parte das- vezes e a menos. Gasto o tempo a

10


Grand’s BD’s ”Posso?” por Filipa Matias

“Beans” por Miguel Pereira

11


Geada de Guerra (parte III) por Miguel Pereira Serhvi ergueu a espingarda de novo, apontando-a para a porta. Borys levantou-se de imediato, puxando o corpo inanimado do rapaz para cima consigo. Os seus braços acompanharam violentamente o movimento ascendente, ficando de seguida a balançar calmamente. A sua blusa creme estava tingida de sangue. Murmurios vindos de la de fora lançaram arrepios pela espinha de Serhvi. Avançou dois passos na direçao de Borys, oferecendo-lhe a arma de Nykolay. Borys levantou a cabeça lentamente, olhando Serhvi seriamente, e disse-lhe com os olhos ardentes de lagrimas: -Tens que sair daqui. Pega no miudo e foge para dentro da aldeia. -Eu nao te vou abandonar Borys!- a resposta sonora de Serhvi fez com que os murmurios la fora se exaltassem, transformando-se bruscamente em gritos de aviso. -Eles vao entrar por aqui adentro a qualquer momento, por amor de Deus, Serhvi! -Mas Borys... -Vai! O grito de Borys fez Serhvi estremecer. Ficaram os dois imoveis a olhar um para o outro. Serhvi acabou por baixar a cabeça, como que desistindo dessa disputa de moral. Borys murmurou, passando a mao na cara do rapaz: -Vai, por favor. Serhvi ergueu a cabeça e fitou Borys. Pendurou a espingarda ao ombro pela fita, e com uma expressao neutra na face passou o corpo imovel do rapaz para os seus braços, tirando-o lentamente das maos do seu pai. Borys deixou cair os braços e olhou para a porta. Lançou o seu braço direito na direçao de Serhvi, agarrando a espingarda que este segurava pelo cano. Com um gesto rapido, voltou-a, ficando a apontar para a porta. Esta estremeceu fortemente com uma pancada. Os gritos vindos de la de fora continuavam a sua cantiga ameaçadora, que seguia assustadoramente o ritmo das pancadas na porta. Ouviamse passos atribulados, solas de botas de couro a roçar e a remexer a gravilha, metal a tilintar, a madeira da porta a deixar-se ir, rachando e partindo-se a cada insistencia violenta. Borys sentia a espingarda a tremer nas suas maos. Levou a mao ao carregador na parte de baixo da arma e retirou-o, elevando-o ao nível dos olhos. Contou quatro balas. Inseriu o carregador na ranhura, elevou a mira na direçao da porta e, sem se mexer, murmurou, um pouco mais alto que um susurro: -Tira as tabuas de uma das janelas e vai-te embora. Se avançarem mais para dentro da aldeia pelas ervas deverao conseguir passar por eles sem serem vistos. Tu sabes onde esta o resto dos nossos homens. -Eu vou deixar o rapaz la e volto para te vir buscar. -disse Serhvi, confiante.

-Nao. Fiquem os dois em segurança, perto dos outros.- Borys tinha na cara o olhar de quem estava prestes a cometer uma loucura. Com os olhos e a mira ainda postos na porta, puxou o manípulo da espingarda para tras. Um pequeno involucro de metal saltou da camara, girando energeticamente no ar ate cair sonoramente na madeira, ressaltando duas vezes e acabando por se alojar confortavelmente entre duas tabuas. O manípulo voltou para a frente, levando uma bala do carregador a camara, pronta a disparar. Borys pousou o indicador no gatilho e murmurou entre dentes num tom determinado mas tremido, audível o suficiente para Serhvi conseguir apanhar as palavras: -Toma conta dele. Serhvi ficou imovel, com o corpo do rapaz nos braços. Pareceu-lhe que o tempo parara, afogado nos pensamentos e no dilema interior que decorria: ficar e ajudar Borys (e provavelmente morrer miseravelmente, perfurado sem misericordia por rajadas de balas ardentes), ou garantir que o rapaz fica em segurança, deixando Borys nas maos de sabe-Deus quantos soldados que provavelmente estavam a uma ordem de distancia para rebentar com aquela fragil porta de madeira e de desfazer quem quer que estivesse do outro lado. Acordou do seu transe quando Borys lhe bateu no peito com alguma força, usando as costas da mao esquerda. -Vai! A porta estremeceu com ainda mais violencia, e as vozes la foram começaram-se a exaltar. O dedo de Borys tremia sobre o gatilho preto. Serhvi foi ate a janela do lado esquerdo da bancada e pousou o rapaz cautelosamente no chao, sentando-o de costas apoiadas na parede. Levantou o braço direito, levando a mao ao cano da espingarda que descansava no seu ombro, pendurada pela fita bege, e com um gesto rapido e furioso lançou o rabo da arma contra as tabuas da janela. O estrondo das tabuas a desfazerem-se foi seguido de um estrondo maior, vindo da porta. Serhvi rapidamente lançou a espingarda por cima das costas e agachou-se, metendo o braço esquerdo debaixo das pernas do rapaz e o braço direito debaixo das costas, e erguendo-o bruscamente. Transpos o seu tronco pela janela e tentou pousar o rapaz, mas a janela estava demasiado afastada do chao, e o corpo inconsciente caiu com força no chao, na gravilha, na lama e nas ervas queimadas pela geada. Sehrvi contorceu-se com a queda do rapaz e de seguida lançou a perna direita por cima do parapeito da janela, passando o resto do corpo com um impulso brusco dos braços. Sentiu o chao a afundar-se ligeiramente, a terra solta mistura-se com a gravilha debaixo dos seus pes. Rapidamente levantou o corpo do rapaz de novo e voltou-se para a janela, ficando com o parapeito um pouco abaixo do peito.

12


Borys permaneceu imovel, de arma empunhada contra a porta, com postura defensiva, acompanhando as pancadas na porta com pequenos tremores de panico inconscientes, esperando o pior a cada investida. -Borys, consegues vir connosco. -Serhvi cuspiu as palavras tremidas como se esperasse que o anzol que acabara de lançar fosse mordido, mas assim que acabou a frase Borys apertou o gatilho com toda a sua força e raiva acumulada. A bala trespassou a porta ferozmente, lançando farpas para tras.O barulho da madeira a partir foi imediatamente seguido do barulho de metal a raspar, da bala a atingir carne e tecido, de sangue a espirrar, de um gemido a escapulir. As vozes tornaram -se gritos, e as pancadas na porta transformaram-se em cliques metalicos de armas a carregar. Serhvi apenas conseguiu apanhar um relance do rosto de

Borys a espreitar por cima do ombro antes de ver a porta ser rebentada por tres rajadas de balas e de se baixar em panico. Ainda agachado, e enquanto pegava no corpo do rapaz e o lançava para cima do seu ombro, conseguiu ouvir, vindo do outro lado da janela, uma pancada seca e forte no chao, seguida de uma pancada ainda mais forte, que pareceu ser madeira contra madeira, e passos apressados. Quando os soldados de farda cinzenta chegaram a janela, apenas apanharam um vislumbre de uma silhueta a desaparecer entre as ervas altas. O cheiro da polvora intensificara-se, e o frio da geada começou a instalar-se com o vento enquanto o sol caía na linha da floresta, por tras das nuvens escuras. FIM

Agenda Relevante Podes consultar na página do Agrupamento os programas que já foram para o ar!

13


Agenda Relevante Mapa de Exames para 2016

14

Profile for Jornal Grand'Olhar

Jornal Grand'olhar 3  

Jornal Grand'olhar 3  

Advertisement