Page 1

Educação Cultura Ciência e Tecnologia Meio Ambiente Saúde Economia Ano VIII - Nº 241

08 a 15 de março/2018 Serra/ES

Distribuição Gratuita

fatos & notícias www.facebook.com/jornalfatosenoticias.com.br

FOTO: REDE AMAZÔNIA SUSTENTÁVEL

Pág.4

Estradas ameaçam igarapés na Amazônia Pontes de terra sobre cursos d'água impedem a circulação dos peixes, provocando o desequilíbrio do ecossistema, revela estudo Pág. 2 Cientistas propuseram uma nova classificação da diabetes, estimando que existem cinco formas diferentes, e não duas Pág. 7

BLOG DO PACHECO As notícias políticas do momento com a visão crítica de Jorge Pacheco Pág. 5

Siderúrgicas perdem em um dia R$ 1,78 bi em valor de mercado Pág. 11


2fatosMEIO AMBIENTE & notícias

08 a 15 de março de 2018

Estradas irregulares ameaçam biodiversidade nos igarapés da Amazônia Pontes de terra sobre cursos d'água impedem a circulação dos peixes, provocando o desequilíbrio do ecossistema, revela estudo FOTO: REDE AMAZÔNIA SUSTENTÁVEL

A relação entre estradas e a degradação da Amazônia não é novidade para ninguém. Desde a construção da Transamazônica, na década de 1970, a destruição da floresta acompanha o caminho dos veículos. Um estudo já havia demonstrado que 95% da floresta derrubada estão a 5,5 km das estradas ou a 1 km dos rios. Mas há mais mistérios entre as rodovias e a Amazônia do que julga nossa vã filosofia. Foi isso que descobriu a pesquisadora Cecília Gontijo, do Museu Paraense Emílio Goeldi. Quando, em 2010, deixou Belo Horizonte (MG) para fazer sua pesquisa de doutorado que analisava a condição dos habitats dos peixes da maior floresta tropical do mundo, pensou que passaria a maior parte do tempo em barcos. Somente quando chegou à região descobriu estar completamente enganada. A Amazônia brasileira não é somente florestas. Pelo contrário, entre árvores e a maior biodiversidade do planeta, o bioma com 5,5 milhões de km² é repleto de vilarejos, fazendas e até mineradoras, tudo conectado com muitas estradas. Para cada quilômetro de estradas oficiais, são três clandestinas. Em ambos os casos, quase sempre sem asfalto. “Eu foquei nos peixes dos igarapés e buscava saber os impactos da pecuária, agricultura”, contou Cecília

vaga de um igarapé para o outro na caça por seu alimento. “Somado a tudo isso, tem o impacto cumulativo rio abaixo, já que os cursos d'água estão sempre conectados”. Somente na cidade de Paragominas, uma pequena parte de um dos nove estados que compõem a Amazônia brasileira, são estimados três mil desses cruzamentos informais de rio. Quando observou o prejuízo à natureza dessas pontes porcamente construídas, Cecília foi buscar na legislação se havia alguma espécie de norma técnica que regesse esse tipo de obra. Não encontrou nada. Um problema que poderia ser resolvido de forma simples, com uma mudança no desenho dessas pontes improvisadas. Mas nem mesmo as áreas protegidas, como a Floresta Nacional Tapajós, estão livres delas. Em outros países, como nos EUA, para não interromper a migração do salmão, bastou a instalação de pontes elevadas. Para Cecília, além de regulamentar as pontes e garantir que isso seja cumprido, é preciso manter um trabalho constante de pesquisa, a fim de descobrir impactos que, como esse, não estavam inicialmente no radar do estudo. “O que não pode é deixar a ciência de lado. É daí que vão surgir as informações que vão guiar as decisões que devem ou deveriam ser tomadas”.

Floresta nativa da Mata Atlântica

em entrevista para a Galileu. “Mas nos deparamos com esse impacto das estradas, que a gente não tinha pensado no princípio. É uma coisa muito pouco estudada quando pensamos em cursos d'água”. Sua busca fazia sentido, já que estava próxima a uma das áreas mais devastadas da Amazônia, nos arredores das cidades de Paragominas e Santarém, no Pará. Para chegar aos 99 igarapés, como são chamados os pequenos córregos amazônicos, ela teve que percorrer longas distâncias de carro, passando por pastos, grandes monocultivos, pequenos vilarejos, além da floresta virgem ou em recuperação. No caminho teve que

cruzar por diversos rios e córregos, mas raramente encontravam uma ponte. No lugar, os estreitos caminhos para cruzar os cursos d'água eram feitos de terra, com um tubo de metal ligando os dois lados do córrego. A maioria, construídos de qualquer jeito, acabam impossibilitando a passagem dos peixes. Descobrir como isso influencia os peixes da Amazônia foi o mistério ao qual Cecília se dedicou nos últimos oito anos. “Os igarapés têm uma importância muito ampla. Abriga uma grande diversidade de peixes, com espécies que só vivem neles”. Para se ter uma ideia, o grupo de pesquisadores de

Cecília, que faz parte da Rede Amazônia Sustentável, contou em apenas um desses pequenos igarapés 44 tipos de peixes. É mais que em toda a Dinamarca. Sua conclusão foi que essas estruturas sobre os rios agem como barreiras que impedem a movimentação dos peixes, limitando a busca por locais de alimentação reprodução e abrigo. Além de causar a erosão das margens, a piora da qualidade da água e o acúmulo de sedimentos no leito. Essas alterações acabam afetando as espécies que dependem de um habitat delicadamente balanceado. Isso pode acarretar em uma “homogeneização faunal”, com a morte das espécies

aquáticas mais vulneráveis, deixando uma comunidade de peixes menos diversa. Assim, o risco é que espécies que nem conhecemos desapareçam – além daquelas que já desapareceram. “Os igarapés são pouco conhecidos. Não têm espécies de interesse comercial e a maioria das espécies não tem nome p o p u l a r. S ã o p o u c o conhecidos, inclusive pela ciência”, revela a pesquisadora. “A gente coletou algumas espécies que não eram conhecidas e estão sendo descritas”. Deu para determinar pelo menos uma espécie que sofre com as barreiras. É o peixecachorro (Esthrorhynchus falcatus). Carnívoro, ele

Jornalista Responsável: LUZIMARA FERNANDES redacao@jornalfatosenoticias.com.br Produtor-Executivo: HAROLDO CORDEIRO FILHO jornalfatosenoticias.es@jornalfatosenoticias.com.br Representante Comercial: MÁRCIO DE ALMEIDA comercial@jornalfatosenoticias.com.br Diagramação: LUZIMARA FERNANDES (27) 3070-2951 / 3080-0159 / 99620-6954 jornalfatosenoticias.es@gmail.com Facebook Jornal Fatos e Notícias Serra - ES CNPJ: 18.129.008/0001-18

fatos & notícias

Filiado ao Sindijores

Impressão Metro

"Feliz é a nação cujo Deus é o Senhor"

Circulação: Grande Vitória, interior e Brasília

Os artigos veiculados são de responsabilidade de seus autores


CULTURA 3

08 a 15 de março de 2018

fatos & notícias

Estruturas Os últimos tesouros de Hendrix em terceiro mais altas do álbum póstumo mundo DIVULGAÇÃO

O Burj Khalifa Bin Zayid, é o edifício mais alto do planeta A briga pelo título de edifício mais alto do mundo sempre foi tão acirrada quanto as disputas capitalistas. Na verdade, sempre que alguém projetava uma construção para ser a maior do mundo, surgia outro projeto mais grandioso ainda. O World Financial Center de Xangai, na China, por exemplo, fora concebido nos anos 90 para ser o prédio mais alto do planeta, entretanto, após um pequeno atraso, diversos outros projetos mais ambiciosos foram aparecendo. Estabelecer um recorde como esse é algo um pouco difícil, uma vez que os especialistas podem considerar critérios diferentes. Se levarmos em conta estruturas não sustentadas, como torres de rádio e antenas, a mais alta seria a Torre de Rádio de Va r s ó v i a , e m G a b i n Konstantynow, Polônia. No entanto, grande parte dos

FOTO: REPRODUÇÃO

especialistas concorda em considerar somente as estruturas autossustentadas. Entretanto, surge outra discussão: entre as estruturas totalmente habitáveis, qual seria a mais alta? Essa briga não é atual. Desde 1930, após a construção do Chrysler Building em Nova York, a disputa parece ter pegado fogo. Um ano depois já

surgia outra enorme edificação: o Empire State Building, com seus 381 metros de altura. A lista das faraônicas edificações foi aumentando: World Trade Center, Central Plaza, Citic Plaza, Shin Hing Square, Jin Mao Tower, Sears Tower, etc. Até 2004, as torres Petronas, situadas em Kuala Lumpur, Indonésia, lideravam a lista, com seus 452 metros de altura. Nesse mesmo ano (2004) foi concluído o edifício Taipei 101, em Taiwan que, com 509 metros de altura e 101 andares, passou a encabeçar a lista dos prédios habitáveis mais altos do planeta. Porém, no dia 4 de janeiro de 2010 foi inaugurado nos Emirados Árabes Unidos o edifício Burj Khalifa Bin Zayid, com altura de 828 metros, esta é, atualmente, a estrutura mais alta habitada do planeta. Mundo Educação UOL

Um trecho inédito, raridades, títulos conhecidos, mas em novas versões: Jimi Hendrix ainda tem algumas surpresas para oferecer a seus fãs mesmo 47 anos após sua morte, em um terceiro álbum póstumo "Both Sides of the Sky", a ser lançado neste fim de semana. Depois de "Valleys of Neptune" (2010) e "People, Hell & Angels" (2013), Legacy, responsável pelas reedições e boxs do catálogo Sony Music, lança esta coleção de treze músicas, todas gravadas em estúdio entre 1968 e 1970. Quando foi revelada, no final de dezembro, a existência deste disco, um título particular fez tremer os fãs deste que é considerado o maior guitarrista elétrico da história: "$20 Fine". Porque esta música gravada em 30 de setembro de 1969 era desconhecida do batalhão "hendrixiano". "E por uma boa razão, ela é de Stephen Stills, membro da banda Crosby, Stills, Nash and Yo u n g . A q u i , J i m i desempenha o papel de acompanhante na guitarra", esclarece Yazid Manou, especialista francês de Hendrix. Stills, ex-companheiro da cantora francesa Véronique

Sanson, "nunca falou desta música", acrescenta este apaixonado, assessor de imprensa por profissão. "Mas, acima de tudo, é a prova de que a família ainda possui coisas que não conhecemos", exclama, com os olhos brilhando. Por si só, "$20 Fine" justifica a aquisição de "Both Sides of the Sky"? Um álbum onde Hendrix canta na grande maioria dos títulos. "Sim e não", considera Yazid Manou. "Sim, porque a justificativa é a descoberta de algo que nunca ouvimos. Há uma emoção real. Não, porque não é a parte mais notável do disco. Existem novas versões de títulos, como 'Hear My Train Comin', que Jimi trabalhou e retrabalhou por três anos, e este é para morrer". Entre outras músicas notáveis, uma versão inédita de "Woodstock" de Joni Mitchell, onde Jimi Hendrix acompanha Stephen Stills, desta vez no baixo, e "Lover Man", no qual se diverte em reproduzir o tema da série de TV "Batman". "Jimi era um louco por ficção científica", revela Yazid Manou. "Sua irmã Janie contou que seu apelido quando criança era Flash Gordon. E de qualquer

maneira, com sua guitarra, ele era como uma criança com seu brinquedo favorito. Não parava de se divertir no estúdio. E mesmo durante os shows! Em Monterey, ele concluiu seu set com 'Wild Thing', tocando 'Strangers in the Night' de Franck Sinatra". Segundo Eddy Kramer, "Both Sides of the Sky" deve ser o último álbum póstumo de Jimi Hendrix. "Mas ninguém pode colocar a mão no fogo e apostar que em alguns anos não haverá outros. Jimi passou muito tempo tocando com outros artistas como Stills. Então, pode haver algumas músicas a descobrir", espera Yazid Manou. O que é certo é que Hendrix ainda vende muito bem, já que os dois discos póstumos anteriores venderam cumulativamente um milhão de cópias em todo o mundo. "Agora, a Experience Hendrix LLC, detentora de seus direitos, vai se concentrar nos livros. Por que não remasterizar algumas gravações piratas? O Santo Graal, no Royal Albert Hall de Londres, em 24 de fevereiro de 1969, completará 50 anos no próximo ano. Cairia bem", sorri Yazid Manou.


4 EDUCAÇÃO fatos & notícias

08 a 15 de março de 2018

Inscrições para Olímpiada em História do Brasil poderão ser feitas até 24 de abril lProfessores e estudantes de todo o País já podem se inscrever na décima edição da Olimpíada Nacional em História do Brasil. Realizada pela Universidade de Campinas, com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico (CNPq), a competição envolve professores de história e alunos do oitavo e nono anos dos ensinos fundamental e médio de escolas públicas e particulares. A competição terá seis fases com provas on-line. A sétima e última etapa será realizada em Campinas (SP), nos dias 18 e 19 de agosto. As equipes, formadas por um professor e três alunos, devem se

FOTO: REPRODUÇÃO INTERNET

inscrever até 24 de abril. No ano passado, a disputa reuniu mais de 48 mil estudantes. O professor do Colégio Militar de Brasília, Douglas Braga, que coordenou nos últimos dois anos a equipe do Distrito Federal – melhor classificada na competição – conta que a olimpíada trouxe mudanças visíveis à rotina dos estudantes. “Além de alguns alunos terem desenvolvido o gosto por estudar, por ler história, especificamente, uma questão fundamental que percebemos foi o trabalho em equipe. Eles levam esse aprendizado para a vida toda”, ressalta o professor. Mas não somente os jovens saem ganhando com a

competição. Ao longo do tempo, docentes e escolas conseguem aplicar em suas instituições melhorias decorrentes da Olimpíada em História. “Temos buscado incorporar novos métodos de ensino. O colégio segue o ensino por habilidades competentes, tentando favorecer a educação contextual, interdisciplinar. E a Olimpíada valoriza muito isso. Ela valoriza a contextualização e o diálogo com outras disciplinas, e vimos buscando incorporar isso em sala de aula”, exemplifica Douglas Braga. Obtenha mais informações na página da Olimpíada: https://www.olimpiadadehist oria.com.br/.

Governo federal reduz autonomia de universidades para gasto com obras Orçamento prevê que o uso de metade da verba seja decidido, caso a caso, pelo MEC FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

O Ministério da Educação (MEC) diminuiu a autonomia das 63 universidades federais do País em relação à execução de recursos para investimentos - como gastos com obras e compras de máquinas. O orçamento aprovado para este ano

define, pela primeira vez, que só metade da verba de investimento ficará disponível diretamente para as instituições. E o restante ficará a cargo do MEC, que decidirá caso a caso onde usar o dinheiro. O orçamento para este ano prevê cerca de R$ 800

m i l h õ e s p a r a investimentos nas instituições. R e i t o r e s e especialistas ouvidos pelo Estado apontam para o risco de uso político dos recursos e perda da autonomia universitária na gestão de verbas. Por outro lado, fiscalizações recentes t ê m a p o n t a d o irregularidade em compras e na execução de obras em algumas universidades. O ministro da Educação, Mendonça Filho, tem destacado falhas de gestão em parte das federais. Levantamento do MEC aponta que pelo menos um

terço das obras nas universidades federais parou - de 750 registradas, só cerca de 500 estão em execução. A ideia é seguir o modelo já adotado para os institutos federais, que prevê 70% do recurso de investimentos nas mãos do MEC e 30% com os institutos. Em outubro do ano passado, um relatório da

Controladoria-Geral da U nião (CG U ) aponto u possível superfaturamento de R$ 384,7 mil em contrato de obras na Universidade Federal do ABC (UFABC), com irregularidades na compra de materiais. A instituição, em nota, informou que o relatório é só um documento interno com pedidos de esclarecimentos, e não o

resultado de algum julgamento. "Esse recurso (de investimento sob gestão do M E C ) é p a r a a s universidades e só o que muda é o gerenciamento. Elas continuam tendo autonomia", afirma o diretor de desenvolvimento da rede de universidades federais do MEC, Mauro Rabelo.


POLÍTICA 5

08 a 15 de março de 2018

fatos & notícias

jorgepachecoindio@hotmail.com/jornalfatosenoticias.es@gmail.com

BLOG DO PACHECO Jorge Rodrigues Pacheco é Advogado, Jornalista e Radialista

MULHERES, Gracinhas!

Rendo minhas homenagens a todas as mulheres do planeta. Elas merecem! E a uma em especial - Hebe Camargoque neste dia 08 de março estaria comemorando 89 anos de vida, mas aos 83, no dia 29 de setembro de 2012, ela foi convocada por DEUS e nos deixou indo para o céu.

realmente, de um “purgante” forte para limpar-se. E o PMB, no momento, é o partido que surgiu com objetivos honestos e de só aceitar em sua esteira homens e, principalmente, mulheres guerreiras para tentar mudar o atual panorama de lama suja em todos as plataformas da política.

* ** Lava-Jato: PF investiga propina em Belo Monte e mira Delfim Netto Policiais federais cumpriram nove mandados de busca e

Hidrelétrica de Belo Monte, no Pará.

***

* **

Partido da Mulher Brasileira O PMB na Serra/ES é presidido pelo jornalista Haroldo Cordeiro Filho, que está realizando um trabalho excelente de conscientização política, ou seja, praticamente ensinando como se deve encarar os meandros da política brasileira, cheia de vícios e precisando,

Pois é, temos que continuar acreditando na LAVA JATO, o “gordo” ex-ministro já achava que estava esquecido. Não é mesmo?

Eleição presidencial já tem 11 précandidatos confirmados apreensão nesta sextafeira (09) em São Paulo e no Paraná, como parte de uma operação que investiga o pagamento de propina na construção da

Chamada de Operação Buona Fortuna, a 49ª fase da Lava Jato tem como um dos principais focos o ex-ministro Antônio Delfim Netto.

Na quinta-feira (08), os nomes do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do ex-ministro Ciro Gomes (PDT) foram lançados por seus partidos. Huuuumm! A cinco meses para o fim do registro das candidaturas, a corrida eleitoral deste ano começa

a ganhar forma e já reúne pelo menos 11 postulantes ao Palácio do Planalto. Analistas apontam um cenário de incerteza na disputa presidencial, reflexo da crise política, e o fim do financiamento empresarial como determinantes para a proliferação de candidaturas. A possibilidade de o expresidente Luiz Inácio

Lula da Silva (PT), até agora líder nas pesquisas de intenção de voto, ficar impedido de concorrer com base na Lei da Ficha Limpa também é considerada um fator para a pulverização de candidatos. Uma verdadeira salada de drogas que estão querendo empurrar em nossa goela abaixo! EU NÃO VOU ENGOLIR, E VOCÊ?


6 TECNOLOGIA 08 a 15 de março de 2018 fatos & notícias

É revelado onde e quando a tóxica estação espacial chinesa cairá na Terra A primeira estação espacial chinesa, a Tiangong-1, encontra-se fora de controle e cairá no nosso planeta nas próximas semanas A estação espacial chinesa Tiangong-1 está descontrolada desde março de 2016. Segundo preveem especialistas da Aerospace Corporation (Corporação A e r o e s p a c i a l estadunidense), a estação cairá na Terra por volta de 3 de abril, podendo a queda acontecer entre uma semana antes ou depois desta data. Ao mesmo tempo, segundo estima a Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês), a estação de 8,5 toneladas pode entrar na atmosfera terrestre em qualquer momento entre 24 de março e 19 de abril. Qualquer que seja a data, parece que a colisão com a Terra é inevitável. Neste contexto, os especialistas avisam que a queda da estação representa um perigo não apenas por causa do impacto dos destroços, mas também pela possível

dispersão de substâncias altamente tóxicas. Ao comentar a área que mais provavelmente se tornará "pista de aterrisagem" da estação chinesa, a Corporação Aeroespacial norteamericana indica que a Tiangong-1 reentrará na atmosfera em alguma zona entre 43 graus de latitude norte e 43 graus de latitude sul. Segundo estudos, as áreas de tais latitudes são: o norte da China, o Médio Oriente, o centro da Itália, o norte da Espanha, os estados do norte dos EUA, a Nova Zelândia, a Tasmânia, a América do Sul e sul da África. Não obstante, a empresa assegurou que as probabilidades de os restos da estação espacial atingirem seres humanos são quase nulas, mesmo se considerarmos o pior dos

FOTO: NASA

cenários. "Na história de voos espaciais, ninguém sofreu danos por restos espaciais que tenham reentrado na

atmosfera", recordou a agência. De acordo com o comunicado da agência, "a bordo da nave espacial pode

haver uma substância altamente tóxica e corrosiva, a hidrazina, supostamente capaz de sobreviver à reentrada".

Portanto, a empresa estadunidense recomenda não tocar nos detritos e não respirar os vapores que podem se desprender.

O ambicioso plano chinês de construir um avião hipersônico O avião que os chineses tentam desenvolver voaria a uma velocidade cinco vezes maior que a do som Cientistas chineses apresentaram um novo conceito de design para um avião hipersônico, que dizem ser um grande passo em direção à tecnologia que, um dia, ligaria Pequim e Nova York em poucas horas – um percurso hoje r e a l i z a d o e m aproximadamente 14 horas pelos voos comerciais. A pesquisa na área de voos hipersônicos não é nova, mas geralmente está concentrada em suas possíveis aplicações militares – área onde há mais recursos para financiamento e menor pressão por retorno financeiro. Mas voos com velocidade equivalente a cinco vezes à

FOTO: CHINA SCIENCE PRESS

do som vão algum dia fazer sentido do ponto de vista comercial, transportando passageiros de um ponto a outro do globo em algumas horas? Quando se fala em velocidade, a referência mais usada é a do som – ou um Mach –, por volta de

1.235km/h. A subsônica é toda aquela que fica abaixo desse nível – as aeronaves que atualmente transportam passageiros, por exemplo. A supersônica é aquela que fica entre um Mach e cinco Mach (cinco vezes a velocidade do som), como a do Concorde, um

avião comercial que voou entre Europa e Estados Unidos entre 1976 e 2003. A hipersônica, por sua vez, é aquela que está acima de cinco Mach, atingida apenas por pequenos veículos experimentais. Os chineses têm se dedicado a quebrar a barreira hipersônica, com um time na Academia Chinesa de Ciências focado em um dos dois maiores desafios dessa empreitada, a aerodinâmica. O segundo obstáculo é questão do m o t o r, m a i s d i f í c i l d e resolver do que o desenho da aeronave. Em relação ao design, um voo hipersônico requer uma estrutura que minimize o

"arrasto", que é a resistência ao movimento no ar; quanto mais rápido o avião, maior é o problema. "Funciona mais ou menos com o quadrado da velocidade: se você dobrar a velocidade, quadruplica o 'arrasto'", explica o professor Nicholas Hutchins, da Universidade de Melbourne, na Austrália. O que tem de novo no design proposto e testado na

China é uma segunda camada de asas, colocadas acima das asas principais e com a função de diminuir o "arrasto", uma estrutura semelhante à de um biplano. Até o momento, os pesquisadores só testaram um modelo em menor escala em um túnel de vento. Assim, o projeto estaria, literalmente, longe de decolar.


08 a 15 de março de 2018

CIÊNCIA 7 fatos & notícias

Pesquisadores estimam Hotel inspirado em nave que há cinco formas de alienígena será construído no Ártico diabetes FOTO: REPRODUÇÃO INTERNET

Cientistas propuseram uma nova classificação da diabetes, estimando que existem cinco formas diferentes, e não duas, como se pensava, o que pode ajudar a melhorar os tratamentos. Atualmente, este transtorno de assimilação do açúcar pelo corpo está classificado em duas categorias. A diabetes tipo 1 (cerca de 10% dos casos), que aparece geralmente em crianças ou jovens adultos, é caracterizada por uma produção insuficiente de insulina. Este hormônio secretado pelo pâncreas permite manter o equilíbrio da taxa de glicose no sangue. A diabetes tipo 2 (quase 90% dos casos) corresponde a um aumento prolongado da taxa de açúcar no sangue, associado com frequência com a obesidade e o estilo de vida (sedentarismo, a l i m e n t a ç ã o

desequilibrada). Os autores de um estudo sueco publicado pela revista especializada Lancet Diabetes & Endocrinology propõem ajustar esta classificação, estabelecendo cinco categorias, três graves e duas mais benignas. “É um primeiro passo em direção ao tratamento personalizado da diabetes (…). A classificação atual não é suficiente para prever as complicações que podem se apresentar”, estimou um dos autores do estudo, Leif Groop, da Universidade de Lund. Para chegar a estas cinco categorias, os pesquisadores analisaram os dados de 13.720 pacientes desde 2008, avaliando sua produção de insulina, seu nível de açúcar no sangue e a idade em que apareceu a doença. A primeira destas cinco novas categorias corresponde à diabetes tipo 1. As outras quatro são

subdivisões da diabetes tipo 2, cada uma com suas características particulares. Uma delas se caracteriza por um risco maior de retinopatia (doença da retina que afeta quase 50% dos diabéticos tipo 2). Outra diz respeito aos pacientes obesos e se caracteriza por uma grande resistência à insulina, com um risco elevado de afecção renal. As duas últimas categorias, menos graves, reúnem pacientes obesos que desenvolvem a doença em uma idade jovem, na primeira, e pacientes mais velhos, na segunda (o maior grupo, cerca de 40% dos pacientes). Um em cada 11 adultos no mundo (425 milhões) sofre de diabetes, o que representa um aumento de 10 milhões em relação a 2015, segundo dados publicados em meados de novembro pela Federação Internacional de Diabetes (FID).

Google elabora inteligência artificial para exército norte-americano O Google firmou um acordo de parceria com o Departamento de Defesa dos EUA. A companhia vai elaborar o programa de inteligência artificial que permitirá analisar as fotos feitas por drones. A informação foi publicada pela edição Gizmodo. Alguns

funcionários do Google criticam a ideia de colaboração com a instituição militar. Outros prestaram atenção ao fato de o projeto levantar questões importantes quanto ao desenvolvimento e utilização da aprendizagem de máquinas.

O projeto Maven é destinado a melhorar o sistema de análise de fotos obtidas por drones. A tecnologia permite detectar meios de transporte e outros objetos de acordo com 38 parâmetros. Também permite identificar e vigiar o movimento de pessoas.

Primeiro hotel no Ártico, em forma de anel e com uma vista panorâmica de 360 graus para as paisagens geladas da Noruega, produzirá sua própria energia

Chamada de Svart, a construção localizada no sopé da geleira de Svartisen, à beira de um cristalino fiorde ártico, será o primeiro hotel do mundo a cumprir com os padrões de eficiência energética, informa o seu próprio website. O Svart será construído parcialmente sobre terra e parcialmente sobre colunas apoiadas no fundo do fiorde, oferecendo uma sensação "quase transparente", o que é um ponto de venda especial, visto que está localizado na área do "sol da meia-noite". O hotel, com 15 mil metros quadrados, será inaugurado em 2021 e sem acesso por nenhuma rodovia. Os turistas deverão usar um barco para visitar o hotel, que também será neutro em termos energéticos. O objetivo é criar um hotel que minimize o rastro deixado na natureza norueguesa. O primeiro hotel de "energia positiva" consumirá 85% menos

energia em comparação com outros hotéis existentes. A energia solar será suficiente tanto para a construção do prédio como para as suas futuras operações. Svart foi projetado pelo escritório de arquitetura norueguês Snohetta em parceria com a operadora turística Artic Adventure da Noruega. Ele é um dos cinco hotéis "autossuficientes em energia" que serão construídos na Noruega e o primeiro situado em clima ártico. "Construir em um ambiente tão precioso exige algumas obrigações evidentes em relação à preservação da beleza natural da fauna e flora da região. Foi importante para nós projetar um edifício sustentável que minimizasse a intervenção nesta bela natureza do Norte", disse Kjetil Traedal Thorsen, da Snohetta, em comunicado à imprensa. Embora o formato circular ultramoderno do hotel

ofereça visões panorâmicas do fiorde, os arquitetos admitiram que a forma é inspirada nas tradições locais de construções costeiras usadas na edificação de cabanas de pescadores e estruturas para secar peixes, privilegiando sempre as soluções "verdes". Cada detalhe dos quartos do hotel, restaurantes e terraços será disposto de modo a aproveitar ao máximo a energia solar. O telhado do hotel será coberto por painéis solares produzidos localmente. Uma grande parte do edifício será feita com madeira, que produz emissões de gazes de efeito estufa mais baixas do que o aço e concreto. Svartisen ("gelo preto") é um termo coletivo para as duas maiores geleiras localizadas no norte da Noruega e que fazem parte do parque natural do mesmo nome.


8 SAÚDE

fatos & notícias

08 a 15 de março de 2018

Marca-passo contra o Alzheimer Implantado no cérebro, aparelho retarda a evolução da doença e atenua sintomas como falhas de raciocínio e de memória É um marca-passo como o colocado no coração. A diferença é que ele foi implantado no cérebro e, pela primeira vez, melhorou a qualidade de vida de pacientes com a doença de Alzheimer. Médicos da Universidade de Ohio, nos Estados Unidos, anunciaram os primeiros resultados de um experimento pioneiro baseado no uso de eletrodos para controlar o avanço da enfermidade. As conclusões apontam uma perspectiva p r o m i s s o r a , especialmente no auxílio para a realização de tarefas como se vestir, arrumar a casa, fazer comida, ler ou praticar hobbies cultivados ao longo da vida. Coisas simples para quem não tem a doença, mas desafios para seus portadores. “Estamos

otimistas”, disse o neurocirurgião Ali Rezai, um dos coordenadores do projeto. “Ficamos surpresos em ver como o método melhorou os sintomas”. Marca-passos são usados para regular a transmissão de sinais elétricos entre uma célula e outra nas áreas onde são implantados. Sem o equilíbrio no fluxo de eletricidade, o funcionamento nessas regiões fica prejudicado. Na neurologia, os dispositivos têm sido utilizados com sucesso no tratamento do Parkinson, atenuando sintomas como tremores e falta de coordenação motora depois de serem colocados em estruturas cerebrais relacionadas a essas funções. A experiência de Ohio é a primeira a testar sua

aplicação clinicamente contra a doença de Alzheimer. Nesse caso, o implante foi feito no lobo frontal. Uma das afetadas pela doença, a região é responsável por funções como julgamento, tomada de decisão e planejamento de ações. Foram apenas três pacientes, entre elas LaVonne Moore, 85 anos. Antes do implante, ela não conseguia mais cozinhar ou se vestir. Hoje, dois anos depois, faz isso sem a ajuda do marido, Tom — além de continuar tocando piano, uma paixão. É cedo para avaliar a importância que o recurso ganhará na luta contra o Alzheimer. “São ainda poucos pacientes e é preciso saber, por exemplo, o custo que ele terá”, afirma o neurologista Denis

Bichuetti, membro da Academia Brasileira de Neurologia. Apesar das ponderações, o neurocirurgião Murilo Meneses, do Instituto de Neurologia de Curitiba, acredita no potencial do método. “Ele tem um valor enorme. Abre uma nova possibilidade de tratamento”, diz o especialista. Meneses foi um dos primeiros do Brasil a implantar marcapassos contra o Parkinson e acaba de concluir um artigo no qual apresenta as coordenadas para a implantação dos aparelhos na mesma área agora usada como alvo pelos pesquisadores americanos. Nos EUA, o próximo passo é ampliar o número de pacientes estudados.

Febre de Lassa, a doença mortal que se espalha pela África Desde o início do ano, a Nigéria tem sido afetada por um surto mortal: a febre de Lassa, uma entre as diversas doenças capazes de causar epidemias perigosas, mas para as quais ainda não há vacinas. A febre de Lassa não é uma doença nova, mas o surto atual não tem precedentes – se espalha mais rápido do que nunca. Os trabalhadores da área d a s a ú d e e s t ã o sobrecarregados. Alguns também se infectaram e morreram. A doença, conhecida como "febre hemorrágica viral", pode afetar muitos órgãos e danificar os vasos sanguíneos do corpo. Mas é difícil tratá-la.

A maioria das pessoas que contraem a doença só apresenta sintomas leves, como febre, dor de cabeça e f r a q u e z a . Ta m b é m é possível que elas não tenham nenhum sintoma. No entanto, em casos graves, a doença "copia" outra febre hemorrágica mortal: o ebola, que causa sangramento pelo nariz, boca e outras partes do corpo. Em geral, a taxa de mortalidade da Lassa é de cerca de 1%. No entanto, o surto atual na Nigéria tem mais de 20% de mortes entre os pacientes confirmados e suspeitos, segundo autoridades oficiais. E mulheres que contraem a doença no final da gravidez

enfrentam 80% de chance de perder seu filho ou morrer. Desde janeiro, mais de mil casos suspeitos de Lassa foram relatados em toda a Nigéria. Cerca de 90 pessoas morreram da doença até agora, mas é possível que esse número acabe aumentando drasticamente, uma vez que é difícil diagnosticar a Lassa. Nos estágios iniciais, é quase impossível distinguila de outras doenças comuns, como a malária e a dengue. Na ausência de um exame específico, a única maneira de confirmar o diagnóstico é por meio de uma análise de uma amostra de sangue ou tecido, feito em poucos laboratórios especializados no país.

A doença foi identificada pela primeira vez na cidade nigeriana de Lassa em 1969, após um surto em um hospital missionário. Desde então, houve casos em muitos países da África Ocidental, incluindo Gana, Mali e Serra Leoa. No entanto, o surto atual causa preocupação especial, porque o número de casos é excepcionalmente alto para esta época do ano. Funcionários da área de saúde estão trabalhando para entender o porquê. Os surtos podem ser influenciados por condições climáticas sazonais, que afetam a população do hospedeiro natural do vírus: o rato comum africano, comum na África Ocidental e

encontrado com alguma frequência dentro de residências. A maioria das pessoas tem febre de Lassa após o contato com objetos contaminados com urina, fezes ou saliva do rato. A doença também pode ser transmitida de pessoa para pessoa através de fluidos corporais, o que significa que os profissionais de saúde e as pessoas que cuidam de

familiares doentes sem equipamento de proteção correm um grande risco. O período de incubação do vírus é de até três semanas. Os pesquisadores estão tentando determinar se, assim como o ebola, a febre de Lassa pode permanecer no corpo e ser transmitida através do contato sexual, mesmo após a doença desaparecer.


08 a 15 de março de 2018

Mais de 90% dos moradores aprovam os serviços de saúde em Vitória

GERAL 9 fatos & notícias

Vitória castra mais de 4 mil cães e gatos FOTO: CARLOS ANTOLINI

FOTO: ANDRÉ SOBRAL

Em fevereiro deste ano, os serviços de saúde de Vitória receberam, por meio de torpedos, 15.356 avaliações dos munícipes. Dentro desse universo, 90,40% dos pacientes os avaliaram c o m o "ótimo/excelente/bom/muit o bom". A nota média de toda a rede foi de 8,91. A US de Santa Luíza teve a maior nota: 9,59. Outras 13 unidades também tiveram avaliação acima de 9: Maruípe, Jesus de Nazareth, Itararé, Bairro do Quadro, Jardim da Penha, Praia do Suá, Jardim Camburi, Andorinhas, Ilha do Príncipe, Fonte Grande, Ilha de Santa Maria, Resistência e Santo Antônio. Todas as outras unidades tiveram notas acima de 8. O Centro Municipal de Especialidades (CME) de Vitória e o CME de São Pedro também foram considerados "ótimos ou excelentes" pelos seus

POSTO MIRANTE AV. NORTE SUL

usuários, recebendo notas acima de 9. Os ProntoAtendimentos (PAs) de São Pedro e da Praia do Suá o b t i v e r a m , respectivamente, notas 8,04 e 7,98. Para a secretária municipal de Saúde, Cátia Lisboa, o sistema de avaliação por SMS é uma ótima forma de receber o retorno dos cidadãos quanto à qualidade nos serviços prestados. "Trabalhamos buscando oferecer um serviço de excelência para a população e, por meio da tecnologia, podemos nos aproximar mais das pessoas que utilizam nossas unidades e entender melhor suas demandas". No mesmo período do ano passado, o sistema de avaliação por torpedos recebeu 8.576 avaliações, com 88,85% das pessoas considerando o serviço “ótimo/excelente/bom/muit o bom”. Os números apontam que houve um

aumento de 79% da participação dos moradores nas avaliações dos serviços. Para garantir a qualidade dos serviços da rede municipal de saúde, a p r e f e i t u r a d e Vi t ó r i a disponibiliza aos usuários o Sistema de Avaliação de Atendimento por SMS. O objetivo é conhecer a opinião dos pacientes em relação aos serviços e atendimentos prestados na capital. O sistema permite ao usuário avaliar quantitativa e qualitativamente todos os atendimentos de saúde e, a partir dessas notas, a Semus identifica possíveis problemas e adota medidas de correção para a melhoria da gestão dos serviços. Por isso, 24 horas após cada atendimento, o usuário recebe no celular um torpedo para avaliá-los com uma nota ou qualificá-los em forma de texto.

Uma das metas da Secretaria Municipal de Saúde (Semus) é possibilitar o controle de natalidade de cães e gatos, principalmente em áreas de risco social e com uma maior população de animais, através das castrações. De 2013 até hoje, o Centro de Vigilância em Saúde Ambiental (CVSA) realizou 4.833 esterilizações de cães e gatos a partir de seis meses de idade, obedecendo aos critérios do Ministério da Saúde. O serviço prioriza as áreas de risco do ponto de vista de saúde pública, onde a castração e a orientação sobre guarda responsável aos proprietários de animais são ferramentas importantes para o controle de zoonoses e agravos relacionados a

eles. Para castrar seu cão ou gato, é necessário registrar a solicitação pelo Fala Vitória 156, fornecendo informações completas do solicitante: nome, telefone, espécie, porte e sexo do animal e endereço completo. A equipe do CVSA avalia e entra em contato com os munícipes. Para solicitar a castração de um animal, a pessoa precisa ser maior de 18 anos e ainda apresentar CPF, RG e comprovante de residência. "Atualmente, as castrações são realizadas em áreas prioritárias, como Grande São Pedro, Santo Antônio e Maruípe (áreas de risco social e maior população de animais). Após a solicitação do

morador, o setor de controle animal entra em contato com o munícipe para agendar uma reunião preparatória, que envolve uma palestra sobre os cuidados pré e pósoperatórios do animal. A partir dessa reunião, a cirurgia de castração do animal é marcada entre 15 e 30 dias depois", explicou a veterinária Renata Bessa. A esterilização de cães e gatos realizada pelo CVSA obedece às normativas do Ministério da Saúde, que estabelece que o procedimento deve ser realizado em situação de risco à saúde pública para prevenção e controle de zoonoses, de forma a promover e proteger a saúde humana.

RJ, ES e MG têm previsão de chuvas fortes neste fim de semana Grandes áreas de fortes instabilidades sobre o Sudeste vão provocar chuvas no fim de semana nos estados do Rio de Janeiro, do Espírito Santo e nas regiões centro-norte e leste de Minas Gerais. De acordo com a previsão do site Climatempo, as áreas de instabilidade são resultado da combinação da passagem de uma frente fria pelo litoral da região, c o m a g r a n d e

disponibilidade de ar quente e úmido e a circulação de ventos que força a concentração de umidade. O mau tempo deve atingir também localidades do Vale do Rio D o c e e d o Va l e d o Jequitinhonha e as cidades d e Vi t ó r i a e B e l o Horizonte. Para a capital carioca e a região do Grande Rio há previsão de chuva forte.

Na Região Serrana do Rio de Janeiro, em Angra dos Reis e no Sul Fluminense, apesar da chuva diminuir, poderão ocorrer temporais fortes no fim de semana. O litoral de São Paulo volta a ter períodos com sol já a partir desta sexta-feira (9). Embora ainda haja previsão de chuva até domingo, ela deve ser de fraca a moderada intensidade.


10 COMPORTAMENTO fatos & notícias

08 a 15 de março de 2018

As origens operárias e socialistas do Dia Internacional da Mulher Em 1894, Clara Zetkin escreveu na revista das mulheres socialdemocratas um artigo polêmico contra as feministas alemãs, intitulado “Separação contundente”, no qual argumentou que “o feminismo burguês e o movimento de mulheres proletárias são movimentos sociais fundamentalmente diferentes”. Segundo Zetkin, as feministas burguesas aspiravam conseguir reformas a favor do sexo feminino no marco da sociedade capitalista, através de uma luta entre os sexos e em contraste com os homens de sua própria classe, enquanto as trabalhadoras se esforçavam, através de uma luta de classe contra classe, manifesto de uma luta conjunta com os homens de sua classe, para eliminar a sociedade capitalista. Tendo como base tais princípios, Zetkin criou o movimento das trabalhadoras na Alemanha, que chegou a reunir 174.754 membros em 1914, ano em que a circulação de seu jornal A igualdade alcançou o número de 124.000 exemplares. Esta fortaleza ideológica e organizativa transformou o movimento de trabalhadores socialdemocratas alemães na coluna vertebral da Primeira Conferência Internacional de Mulheres Socialistas, em 1907, em Stuttgart, cidade de residência de Zetkin, e de onde se editava A igualdade. Em sua resolução final, tal

ARTE: REVISTA CULT

conferência proclamou como sua principal demanda “o direito ao sufrágio universal da mulher para as mulheres adultas, sem limitação alguma no que se refere à propriedade, ao pagamento de impostos, ao grau de educação ou a qualquer outra condição que exclua os membros da classe operária do exercício deste direito”, aclarando que “o movimento de mulheres socialistas tem como bandeira sua luta, não em aliança com as feministas burguesas, mas em associação com os partidos socialistas”. O Dia Internacional da Mulher foi proclamado pela Segunda Conferência Internacional de Mulheres Socialistas, celebrada em Copenhague, em 1910. O convite à mesma já deixava

claro seu caráter de classe: “Convidamos urgentemente a todos os partidos socialistas e organizações de mulheres socialistas, assim como a todas as organizações de trabalhadoras baseadas no princípio da luta de classes a enviar suas delegadas, ou inclusive seus delegados, a esta conferência”. O informe sobre as delegadas estadunidenses mencionava que o dia 28 de fevereiro de 1909 “deu lugar, pela primeira vez, para o Dia da Mulher”, um evento que despertou a atenção de nossos inimigos”. A delegada alemã Luise Zietz, seguindo o exemplo das socialistas norte-americanas, propôs então a criação de um “Dia Internacional da Mulher”, data que fosse celebrada

anualmente. Sua proposta foi apoiada por sua companheira Clara Zetkin e por mais cem delegadas procedentes de dezessete países. Assim, a “introdução do sufrágio feminino” foi colocada na resolução de Copenhagen pelas mulheres socialistas no contexto da legislação protetora das trabalhadoras, da assistência social para mulheres e filhos, da igualdade de trato das mães solteiras, da provisão de creches e jardins de infância, da provisão de alimentação gratuita e educação de qualidade nas instituições escolares e da solidariedade internacional. Sob esse panorama, ficou claro que nas suas origens, o Dia Internacional da Mulher era o dia da mulher trabalhadora, que tinha

como objetivo imediato o sufrágio universal feminino, mas só como meio para um outro fim: o triunfo do socialismo. No entanto, o primeiro Dia Internacional da Mulher não foi celebrado em 8 de março, mas sim em 19 de março de 1911. A data foi eleita para também lembrar a Revolução de 1848 em Berlim, já que o dia anterior, 18 de março, estava dedicado para a homenagem dos “caídos de março”. Com a frase de protesto “Sufrágio feminino já”, mais de um milhão de mulheres saíram às ruas da Alemanha pedindo a igualdade social e política. “Nosso dia de março”, reivindicava o chamado publicado no jornal A igualdade: “Companheiras, mulheres e meninas

trabalhadoras, 19 de março é o vosso dia. É o vosso direito. Detrás de vossas demandas, está a Socialdemocracia, todos os trabalhadores organizados sindicalmente. As mulheres socialistas de todos os países são solidárias com vossa luta. 19 de março deve ser vosso dia de glória”. Além da Alemanha, o Dia da Mulher se celebrou, em 1911, ainda que em dias diferentes, nos Estados Unidos, Suíça, Dinamarca e Áustria. Até a Primeira Guerra Mundial se somaram França, Holanda, Suécia, Rússia e também Boêmia. Na Alemanha, o segundo Dia Internacional da Mulher foi comemorado no dia 12 de maio de 1912. A instauração do dia 8 de março como Dia Internacional da Mulher teve como função homenagear um dos eventos mais importantes na história, a Revolução Russa de Fevereiro de 1917 – o 23 de fevereiro no calendário juliano equivale ao 8 de março no calendário gregoriano. Em tal ocasião, as trabalhadoras russas tiveram um papel de vanguarda fundamental contra a oposição de todos os partidos, incluindo aos bolcheviques, quando transformaram a manifestação do Dia Internacional da Mulher numa greve geral que acabou por levantar todos os trabalhadores de Petrogrado e deu início à Revolução Russa.


ECONOMIA 11

08 a 15 de março de 2018

Inflação oficial fica em 0,32% em fevereiro na menor taxa para o mês desde 2000 FOTO: AGÊNCIA BRASIL/ARQUIVO

A inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ficou em 0,32% em fevereiro, acima da taxa de 0,29% de janeiro deste ano, mas abaixo do 0,33% de fevereiro de 2017. Esse é o IPCA mais baixo para os meses de fevereiro desde o ano 2000 (que registrou taxa de 0,13%). O dado foi divulgado nesta sexta-feira (9) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com o IBGE, o IPCA acumula inflação de 0,61% no ano, menor taxa desde a

implantação do Plano Real, em 1994. Em 12 meses, a taxa acumulada é de 2,84%, a mais baixa para o período desde 1999 (que havia registrado taxa de 2,24%). Em fevereiro, a inflação foi puxada principalmente pelo grupo educação, que, com alta de 3,89%, respondeu por mais da metade do IPCA no mês. Essa taxa reflete os reajustes habitualmente ocorridos no início do ano letivo, em especial os aumentos nas mensalidades dos cursos regulares, cujos valores subiram 5,23%. Outro impacto importante na inflação de fevereiro veio dos transportes, cujo custo aumentou 0,74% no mês,

principalmente devido a reajustes nos ônibus urbanos (1,90%) e gasolina (0,85%). Por outro lado, alimentos e bebidas tiveram queda de preços (deflação) de 0,33% no período, contribuindo para que a inflação de fevereiro deste ano fosse a menor para o mês desde 2000. Segundo o IBGE, vários produtos importantes na mesa do brasileiro ficaram mais baratos, como as carnes (-1,09%) e as frutas (-1,13%). Os demais grupos de despesas tiveram as seguintes taxas em fevereiro: saúde e cuidados pessoais (0,38%), habitação (0,22%), despesas pessoais ( 0 , 1 7 % ) , co mu n icação (0,05%), artigos de residência (0,03%) e vestuário (-0,38%).

Siderúrgicas perdem em um dia R$ 1,78 bi em valor de mercado FOTO: REPRODUÇÃO/GUIA DE AÇÕES

Diante da confirmação da taxação de 25% sobre a importação do aço e de 10% sobre o alumínio anunciada na quinta-feira (8) pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, as siderúrgicas com ações negociadas na Bolsa de São Paulo, a B3, lideraram as perdas do Ibovespa e perderam, só na quinta, R$ 1,78 bilhão em valor de mercado. A CSN fechou com recuo de 5,08%, Usiminas caiu

2,13% e Gerdau perdeu 4 , 1 8 % . A Va l e s e desvalorizou 3,24%. “O bloco siderúrgico já vinha caindo no mês de março, já precificando um pouco essas medidas”, lembrou

Fabrício Estagliano, analista-chefe da Walpires Corretora. De fato, o movimento intenso de venda das ações em março faz com que as ações da CSN acumulem queda de 15,37% no mês, seguida pela Usiminas (-10,14) e pela Gerdau (-3,55) no período. O Ibovespa fechou em baixa de 0,58% aos 84.984 pontos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

fatos & notícias

Exportação de café cai em fevereiro Presidente do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil projeta que recuperação deve começar no segundo semestre deste ano FOTO: INFOMONEY

Em fevereiro, o Brasil exportou 2.355.660 sacas de café com índice de 9,1% menor em relação ao mesmo mês em 2017. A receita cambial foi US$ 377.240 mil, conforme informações divulgadas nesta sexta-feira (9) pelo Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé). No acumulado dos dois primeiros meses do ano observou-se que as sacas exportadas de 5.040.781 unidades tiveram redução de 3,8%, em relação ao ano passado, quando a receita cambial alcançou US$ 807.983 mil. O relatório do Cecafé também mostra um decréscimo de 9,4% no preço médio do produto que neste ano foi de US$ 160,14, ante US$ 176,78, conforme os dados de fevereiro de 2017 e 2018. O presidente do Cecafé, Nelson Carvalhaes, disse que os resultados verificados estão normais, e que as exportações “mais modestas” não rebaixam o País quanto à sua boa colocação no mercado mundial. “Temos que levar em conta que fevereiro foi um mês mais curto, o que inevitavelmente afeta as exportações. Nossa expectativa é que o mercado continue neste ritmo até a entrada da nova

safra, em julho, quando estimamos um possível incremento nas exportações”. Segundo Nelson Carvalhares pode-se verificar um tímido crescimento nas exportações de cafés robusta e uma recuperação dos embarques de cafés diferenciados, que atingiram 942.326 sacas nos primeiros dois meses deste ano, um crescimento de 25% em relação ao mesmo período do ano passado. “O volume pluviométrico tem favorecido grandemente a produção de café e deve impactar positivamente as exportações a partir do início da nova safra”. A variedade com melhor inclusão no mercado externo foi o café arábica, que representou 89,1% da quantidade total de exportações (2.099.196 sacas), seguido pelo solúvel com 10% (236.340 sacas) e robusta com 0,9% (20.100 sacas). Neste ano, os principais importadores do café brasileiro têm sido a Alemanha e os Estados Unidos, que adquiriram 18,5% (933.606 sacas) e 17,2% (866.299 sacas) dos grãos produzidos. Em terceiro lugar no ranking, vem a Itália, com 11 , 2 % d o v a l o r t o t a l

exportado (562.363 sacas). Juntamente com o Canadá, o país europeu foi marcado, nos dois primeiros meses deste ano, por uma expressiva alta em sua demanda. As exportações para a Itália cresceram 13,78% no período, enquanto o Canadá, atualmente em 8º lugar na lista, registrou aumento de 26,8%. No que diz respeito à logística, o relatório destaca o Porto de Santos como principal ponto do qual partem as mercadorias l e v a d a s a o e x t e r i o r, concentrando 85% (4.284.484 sacas) do volume, e, em seguida, o Porto do Rio de Janeiro, com 10,8% dos embarques (543.775 sacas). No primeiro bimestre deste ano, a venda de cafés diferenciados alcançou 942.326 sacas, correspondentes a 18,7% do total de café exportado. Em relação ao mesmo período de 2017, a porção representou um crescimento de 25%. Os principais destinos no período foram: Estados Unidos (246.244 sacas), Alemanha (133.510 sacas), Bélgica (102.051 sacas), Japão (90.224 sacas) e Reino Unido (64.683 sacas).


INTERNACIONAL 12 fatos & notícias

08 a 15 de março de 2018

FOTO: AFP

China planeja parque nacional para pandas

A China criará um parque nacional de 2,7 milhões de hectares para ursos pandas, com o objetivo de estimular a reprodução da população selvagem deste mamífero. Um crédito de pelo menos 10 bilhões de yuanes (1,6

bilhão de dólares) para os próximos cinco anos foi anunciado para a criação do parque em uma região montanhosa do sudoeste da China, informa o jornal estatal China Daily. O plano do parque foi

anunciado no início do ano pelo Partido Comunista e o Conselho de Estado, informou o jornal. O objetivo é fazer com que os pandas que estão na natureza em diferentes regiões isoladas das

províncias de Sichuan, Shaanxi e Gansu se misturem e se reproduzam. O processo de reprodução dos pandas gigantes é muito lento, o que contribui, ao lado da redução do habitat, para sua classificação como

“vulneráveis” na lista vermelha de espécies ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN). Mais de 80% dos pandas que vivem na natureza se

encontram em Sichuan. Os créditos foram garantidos após a assinatura de um acordo entre o Banco da China e o departamento de florestas da província de Sichuan, segundo o China Daily.

Fatos & Notícias Ed. 241  
Fatos & Notícias Ed. 241  
Advertisement