Issuu on Google+

Abril/2010 – nº. 43 – Responsável: Luiz Carlos de Souza (Trabalhador na seara espírita em Uberaba-MG / Brasil)

“Somos uma grande família dispersa em diversos setores de trabalho com o Espiritismo por nossa bênção de luz. Hoje cada qual de nós permanece em linha particular de luta, mas manhã estaremos todos novamente reunidos na Vida Real, apresentando, cada qual de nós, a soma dos esforços que levou a efeito para nos desincumbirmos dos sagrados deveres com que fomos agraciados, não é mesmo?” Chico Xavier – Trecho de carta a D. Neném Aluotto (ex-presidente da União Espírita Mineira) – 08/03/1959.

EVENTOS ESPÍRITAS DE UBERABA REUNIÃO LÍTERO MUSICAL DOUTRINÁRIA – UBERABA-MG Em Comemoração ao Centenário de Nascimento de Chico Xavier Palestra: O APOSTOLADO DE CHICO XAVIER Palestrante: Luiz Corrêa da Silveira Filho – Luizinho (Jornalista em Três Lagoas – Mato Grosso do Sul)

Programação: Palestra; Apresentações Musicais; Sorteio de Livros; e, Confraternização. Data: 24 de abril de 2010 Horário: 19h30min Local: Centro Espírita Uberabense (Rua Barão de Ituberaba nº 449 – Estados Unidos) Organização: UMEU – União da Mocidade Espírita de Uberaba IX FEMEU – FESTIVAL DE MÚSICA ESPÍRITA DE UBERABA A UMEU – União da Mocidade Espírita de Uberaba irá realizar o IX FEMEU – Festival de Música Espírita de Uberaba, nos dias 13 e 14 de novembro de 2010, em Uberaba-MG. Neste ano, o IX FEMEU será em âmbito nacional e fará parte das comemorações do Centenário de Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

1


nascimento de Chico Xavier. Para conhecer a história de todos os festivais de música de Uberaba, acesse o site: http://femeu.blogspot.com/. Informações pelo e-mail: lcsouza@terra.com.br com Luiz Carlos de Souza.

EVENTOS ESPÍRITAS DO BRASIL Evento: PALESTRA COM CARLOS BACCELLI “100 ANOS DE CHICO XAVIER – FENÔMENO HUMANO E MEDIÚNICO Data: 11 de abril de 2010 Horário: 9h Local: Grupo Espírita Esperança (Rua Moisés Marx nº 1123 – Vila Aricanduva-SP Evento: HOMENAGEM AOS 100 ANOS DE “CHICO XAVIER” Data: 11 de abril de 2010 Horário: Das 9h às 12h Local: Araçatuba (Praça. João Pessoa); Bauru (Centro de Eventos ITE – Praça. 9 de Julho nº 1-51); Ribeirão Preto (Parque Prefeito Roberto Jabali – Parque Curupira); São José dos Campos (Câmara Municipal – Prefeitura); São Paulo (Parque Independência – Museu do Ipiranga); Sorocaba (Parque dos Espanhóis) Evento: SEMINÁRIO AME-SP “MEDICINA E ESPIRITUALIDADE NA PRÁTICA CLÍNICA – COMO OBTER A HISTÓRIA ESPIRITUAL DO PACIENTE” Data: 17 de abril de 2010 Horário: das 8h às 13h Local: Age Seniors Center (Av. Brig. Luiz Antônio nº 4.348 – Ibirapuera – São PauloSP) Informações: E-mail: secretaria@amesaopaulo.org.br / Tel. (11) 2574-8696 Evento: CONFERÊNCIA COM GERALDO LEMOS NETO “CHICO XAVIER – MANDATO DE AMOR” Data: 23 de abril de 2010 Horário: 18h30min Local: Instituto Espírita Bezerra de Menezes – IEBM (Rua Cel. Gomes Machado nº 140 – Centro – Niterói-RJ) Evento: 1º CURSO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA “CIÊNCIA, ESPIRITUALIDADE” Data: 23 de abril à 02 de julho de 2010 Horário: 19h às 21h Local: Salão Rosa do Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas – UFES Informações: www.sauesp.org.br

SAÚDE

E

Evento: SEMINÁRIO SOBRE O PERISPÍRITO Data: 24 de abril de 2010 Horário: Das 10h às 18h Local: Sede do ICKS (Av. Francisco Clicério nº 261 – Santos-SP) Informações: E-mail: ickardecista@terra.com.br / Tel.: (13) 3238-2918 Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

2


CONGRESSOS BRASILEIRO E MUNDIAL Encontram-se abertas as inscrições para salas com telão para o 3º. CONGRESSO ESPÍRITA BRASILEIRO (Brasília, 16 a 18 de abril de 2010), tendo como tema central “Chico Xavier: Mediunidade e Caridade com Jesus e Kardec” e, também para o 6º. CONGRESSO ESPÍRITA MUNDIAL, promovido pelo CEI, com o tema “Somos Espíritos Imortais” (Valencia, Espanha, 10 a 12 de outubro de 2010). Informações sobre o 6º Congresso Mundial em: www.espiritismo.cc; www.2010.kardec.es e sobre o 3º Brasileiro nos sites: www.100anoschicoxavier.com.br; www.febnet.org.br. Fonte: Boletim Eletrônico da FEB de 04/01/2010

EM DIA COM O ESPIRITISMO EXPRESSIVO CENTENÁRIO São justas as homenagens ao médium Chico Xavier em seu centenário de nascimento, embora ele as dispense e não precise delas. Todavia, a gratidão de todos nós pela inigualável contribuição cultural e doutrinária oferecida ao Espiritismo e à humanidade pelo importante vulto histórico de sua personalidade é algo que surge espontâneo e natural. Nascido em Pedro Leopoldo em 02 de abril de 1910, tornou-se conhecido mundialmente pela força de seu exemplo de vida. Infância pobre, vida sofrida e cheia de dificuldades, mas personalidade de coragem, determinação, fidelidade ao bem, exemplo mesmo de humildade e amor ao próximo. Retornou à Pátria de origem aos 30 de junho de 2002. Médium consciente de seus deveres com a própria faculdade que trouxe como bagagem, produziu mais de 400 obras psicografadas, confortou milhares de pessoas e famílias com suas mensagens, mas principalmente com seu próprio modo de ser; ofertou socorro material a muitos, amparou enfermos e fez-se roteiro de luz para a vida de muitos. Eleito o Mineiro do Século, em concurso da Globo Minas, concorreu ainda ao Prêmio Nobel da Paz e recebeu muitos títulos de Cidadão Honorário em diferentes cidades brasileiras. Mesmo assim sofreu calúnias, perseguições e ingratidões, mas manteve-se fiel à própria consciência, sempre destacando o Evangelho de Jesus em suas falas e aparições públicas. Perfeitamente enquadrado com a descrição de O Homem de Bem, apresentado por Allan Kardec em O Evangelho Segundo o Espiritismo no capítulo 17 – item 3, Chico Xavier é exemplo a ser seguido, pois sua biografia é rica de ensinos e roteiros de como enfrentar adversidades e viver bem consigo mesmo e ainda amparar o próximo. Tão rica e expressiva que virou filme, já foi encenada em peças teatrais e alvo de muitas reportagens de TV. E mesmo que pudéssemos reduzir toda sua vida, rica em exemplos por si só, em um único fato, que descrevemos em seguida, ela já seria grandiosa: Chico Xavier produziu, pela psicografia, cinco romances clássicos históricos do Cristianismo nascente, Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

3


que já valem o esforço, humildade e sintonia de sua mediunidade. Os romances assinados pelo Espírito Emmanuel significam roteiro de luz para qualquer pessoa em qualquer época. São verdadeiros tesouros culturais e incomparáveis pérolas espirituais, e isso tudo sem falar nas demais, de valor histórico, doutrinário, etc. Não poderíamos deixar de citar os incomparáveis livros Há 2.000 anos, Cinquenta anos depois, Renúncia, Ave Cristo e o fabuloso Paulo e Estêvão. Por Orson Peter Carrara EMPRÉSTIMO DE DVD’S Os DVD's contendo as matérias-homenagens sobre Chico Xavier transmitidas em 4 programas pelo canal Globo News e o Globo Reporter também homenageando o Chico, estarão disponíveis para empréstimo na Livraria Espírita Emmanuel (Rua Artur Machado nº. 288 – sala 04 – Centro – Telefone: 3312-8327). TRAILER DO FILME NOSSO LAR Clique no link abaixo e assista o trailer do filme Nosso Lar que está em produção. http://cinema.uol.com.br/ultnot/multi/?hashId=trailer-do-filme-nosso-lar04021C376ADC997326&mediaId=1737578 DIMENSÃO ESPÍRITA O Dimensão Espírita no seu propósito de oferecer informações diversas sobre o espiritismo, os eventos da comunidade espírita de Uberlândia e região, mensagens, livros e muito mais, agora é; webTV. Acesse o site e confira: http://www.dimensaoespirita.com.br/ . BIBLIA DO CAMINHO A “Biblia do Caminho” é uma compilação de todas as obras de Allan Kardec e de Francisco Cândido Xavier e uma versão completa do Antigo e Novo Testamentos, sendo todos os livros e textos inter-relacionados através de um Índice temático. A última versão da “Bíblia do Caminho” traz o ESDE – Estudos Sistematizados da Doutrina Espírita, versão completa. Acesse agora o site: www.bibliadocaminho.com.br e instale já em seu micro. Você pode acessar também os sites: www.bibliaespirita.com; www.espiritismocristao.com.br; www.doutrinaespirita.com; www.ocaminho.com. ESDE – ESTUDO SISTEMATIZADO DA DOUTRINA ESPÍRITA O que é o Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita (ESDE)? É uma reunião privativa de grupos que objetiva o estudo metódico, contínuo e sério do Espiritismo, com programação fundamentada na Codificação Espírita. O objetivo Fundamental do ESDE é proporcionar condições para estudar o Espiritismo de forma séria, regular e contínua, tendo como base as obras codificadas por Allan Kardec e o Evangelho de Jesus. Conheça os Centros Espíritas que estão com ESDE em andamento em Uberaba.

Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

4


CENTRO ESPIRÍTA DR. ALUÍSIO FURTADO Rua São João nº 1240 – Parque São Geraldo Turma em andamento: Sábado 17h30min Turma iniciante: Sábado 17h30min CENTRO ESPIRÍTA AURÉLIO AGOSTINHO Av. Lucas Borges nº 523 – Fabrício Turma em andamento: Sábado 17h Turma iniciante: Sábado 17h CENTRO ESPIRÍTA JOSÉ HORTA Rua Maestro José Maria nº 417 – Abadia Turma em andamento: Quinta-feira 20h Turma iniciante: Quinta-feira 20h COMUNHÃO ESPIRÍTA CRISTÃ Rua Prof. Eurípedes Barsanulfo nº 185 – Parque das Américas Turma em andamento: Domingo 9h; Segunda-feira 19h30min; Quinta-feira 20h; Sábado 17h. Turma iniciante: Sábado 17h Inscrições: Biblioteca Circulante (funciona anexo nos dias de reuniões pública) Livraria Espírita - anexo ao Lar André Luis (Comunhão Espírita) GRUPO ESPIRÍTA CAIRBAIR SCHUTEL O curso funciona no Centro Espírita Mercedes Chaves Rua Segismundo Mendes nº 50 – Centro Turma em andamento: Terça-feira 19h30min Terça-feira 17 horas - Sábado 14h30min e 17h Turma iniciante: Terça-feira 19h30min Sábado 14h30min ou 17h (horário a escolher). Inscrições: Livraria Espírita Emmanuel (Rua Artur Machado nº 288 – sala 4) Banca do livro Espírita Maria Dolores. As Casas Espíritas interessadas em implantar o ESDE podem solicitar o apoio da AME através do grupo de Colaboradores pelos telefones 9960-1710 Nereu ou 3332-5914 Jane ou e-mail: nereu@riverautopecas.com.br ou jane@eepe.com.br.

CAMPANHAS DE SOLIDARIEDADE HOSPITAL DO FOGO SELVAGEM PEDE AJUDA Conhecido por espíritas e não-espíritas por seu trabalho de auxílio ao próximo, sobretudo a portadores da grave doença dermatológica pênfigo-foliáceo, o popularmente chamado ―fogo-selvagem‖, o Lar da Caridade, de Uberaba, no Triângulo Mineiro, está enfrentando sérias dificuldades. Fundado em 1957, vive hoje um dos seus momentos mais delicados, sobretudo por conta da crise mundial, que levou muitos colaboradores a suspenderem as suas Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

5


contribuições. Para se ter uma idéia da gravidade da situação, a folha de pagamento da instituição está em aberto desde janeiro e as dívidas ao mês podem chegar a R$55 mil. Se algo não for feito rápido, o futuro do Lar pode até estar ameaçado. O Lar da Caridade – Hospital do Fogo Selvagem é presidido atualmente por Ivone Aparecida Vieira da Silva, neta de Dona Aparecida, que hoje ocupa a vice-presidência da instituição, localizada na Rua João Alfredo, 437 – Abadia – CEP 38025-300 Uberaba, MG. Doações, de qualquer valor, podem ser feitas pelas seguintes contas-correntes: 3724-9, agência 3278-6, do Banco do Brasil; e 14572-6, agência 0264-0, do Bradesco. O CNPJ da instituição é 25440835/0001-93. Outras informações, pelo telefone (34) 3318-2900 ou através dos correios eletrônicos fogoselvagem@terra.com.br e larcaridade@hotmail.com. Fonte: SEI - Serviço Espírita de Informação n.º 2140 O SANATÓRIO ESPÍRITA PEDE SOCORRO!!! O Sanatório Espírita de Uberaba – SEU, foi fundado em 31/12/1933, pela estimada Maria Modesta Cravo. Atualmente o Sanatório possui 120 leitos e com uma média de 130 internações por mês. Para garantir todo esse tratamento, o Sanatório conta com uma equipe de 92 funcionários, além das 12 equipes de médiuns passistas que fazem o tratamento espiritual de segunda-feira a sábado nos períodos matutino e noturno. O Sanatório está passando por dificuldades financeiras, por isso, lançou a campanha “O Sanatório Espírita Pede Socorro”. Se você desejar ajudar o Sanatório Espírita de Uberaba, faça sua doação na Conta Poupança do Sanatório Espírita de Uberaba – Caixa Econômica Federal – Agência: 1538 – Conta: 013.7394-6. Para efetuar transferência bancárias, o CNPJ é: 25.445.347/0002-50. Outras informações pelo telefone (34) 3312-1869 com Marcio Roberto Arduni – Diretor Administrativo do Sanatório Espírita de Uberaba.

ESTUDO SUICÍDIO E A LEI DE CAUSA E EFEITO Somente Deus, que nos concede a vida, poderá também retirá-la no movimento que achar conveniente. Ao homem é dado, apenas, o direito de usufruí-la, mudando o que for necessário e estiver ao seu alcance, desde que para essa modificação ele não transgrida a lei divina. Na impossibilidade de mudança, deve aceitá-la da forma que ela Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

6


se lhe apresente, consciente de que é a mais adequada às suas necessidades evolutivas. Seja na tempestade ou na bonança, a vida, quando bem aproveitada, será valioso instrumento a conduzir-nos ao determinismo natural a perfeição. Se em algum momento nos sentimos a sucumbir sob o peso das provações, supliquemos à Misericórdia Divina a renovação das nossas forças, para que transponhamos os obstáculos sem aderir à infeliz idéia de suicídio. Afirma Allan Kardec: [...] O suicida é qual prisioneiro que se evade da prisão, antes de cumprida a pena; quando preso de novo, é mais severamente tratado. O mesmo se dá com o suicida que julga escapar às misérias do presente e mergulha em desgraças maiores. (O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. XXVIII, item 71, Ed. FEB.) De acordo com os relatos que nos são transmitidos pelos Espíritos desencarnados, dores acerbas estão reservadas aos que violam as leis divinas, fugindo da vida pela porta falsa do suicídio. Entretanto, o sofrimento é como o fogo purificador, a alta temperatura que elimina os microorganismos causadores de doença e morte; ele permanecerá no Espírito não como castigo, mas sim, como necessidade. Depois de um tempo, que varia de Espírito para Espírito, esse fogo divino (a dor), tal qual a alta temperatura que dobra o poderoso metal capacitando-o às mais variadas utilidades, dobra o Espírito, por mais orgulhoso que seja, ao reconhecimento da covardia e ingratidão cometidas. A mente, que antes se vinculava apenas ao sofrimento, como reflexo da vitalidade animal que saiu impregnava o seu perispírito, e das repetidas cenas da tragédia de que se fez vítima, vai cedendo gradativamente aos lampejos de arrependimento. A misericórdia de Deus é infinita e jamais abandona seus filhos, sobre os quais estende, em forma de conforto e oportunidades reparadoras, o seu infinito amor. Da mudança extraordinária que o arrependimento causa, inicia-se um novo capítulo na vida do suicida. Surge o ensejo de ser resgatado por equipes de socorro, que o conduzem a hospital especializado. Encontra, assim, a atenção, o carinho e os ensinamentos necessários, que o preparam para um novo retorno ao corpo físico. Oportuno lembrar que as condições do suicida após a desencarnação, em qualquer circunstância, com atenuantes ou agravantes, são sempre de muita dor e sofrimento. Quanto à duração desse sofrimento, não podemos defini-Ia, pois será sempre variável e de acordo com a necessidade de cada um. Podemos, porém, afirmar que não termina quando realizado o resgate pelas equipes espirituais. Após o resgate, na verdade, haverá certo alívio, que funcionará como uma espécie de trégua, para que se refaça do desgaste gerado no período mais ou menos longo que passou nas zonas de sofrimento. O retorno ao palco da vida física (reencarnação) será a próxima etapa considerada de fundamental importância, para que possa resgatar o débito contraído pela sua atitude precipitada e reparar as desarmonias vibratórias em seu perispírito (corpo espiritual). Para entendermos o que aqui será exposto, lembremo-nos de que a Justiça Divina se encontra impressa na consciência de cada um. A sua execução não é um castigo, mas sim o reflexo da apreciação individual a respeito da transgressão cometida. Quanto mais consciente for o Espírito a respeito do seu cometimento, maior será a manifestação do remorso e do desejo de reparação. A violência cometida tem tamanha repercussão no seu perispírito que são necessárias, em alguns casos, várias reencarnações para as devidas correções vibratórias. Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

7


Vale salientar que este reflexo do sentimento de culpa não acontece e apenas nos casos de suicídio, mas em qualquer transgressão das leis que regem a vida. Porém, em todas as situações, existirão sempre atenuantes e agravantes. Ladeando a Justiça Divina, encontra-se também a misericórdia, permitindo que uma atitude de amor tenha o poder de remover expiações que exigiriam longos períodos de dores e sofrimentos. Foi com base nesta verdade, que o apóstolo Pedro afirmou: "O amor cobre a multidão de pecados". (1,4:8.). Deus é Pai de infinita bondade; nenhuma de suas leis foi criada para punir o infrator, e sim para estimulá-lo a não mais infringi-Ia a fim de evoluir. Os mentores espirituais dizem que os remanescentes do suicídio acompanham o Espírito até que ele retome ao palco da vida corporal, para a devida reparação. Deus, longe de abandonar o transgressor em sofrimentos eternos, como afirmam algumas religiões, dá-lhe a oportunidade de resgate e reparação das suas faltas. É bem verdade que este processo exige dores e sofrimento, que serão sempre o remédio amargo, porém eficaz na cura da sua doença. Para usufruirmos os benefícios deste remédio, é preciso aceitá-lo com resignação, sem a presença nociva da revolta. Quem não tem resignação, mesmo sofrendo, não se cura, retomará ao plano espiritual ainda com a enfermidade. Os amigos espirituais aconselham a paciência e a resignação, como elementos indispensáveis para o êxito nas provações da vida e os melhores antídotos contra a loucura e o suicídio, pois são muitos os que desertaram da vida, às vésperas de terem os problemas solucionados. Portanto, antes de qualquer atitude precipitada, não esqueçamos: todo sofrimento tem fim e todo problema tem solução. É oportuno não esquecermos também o que dizem aqueles que um dia impensadamente cometeram o autocídio: ―Nenhum sofrimento na Terra se compara ao sofrimento do suicida‖. F. Altamir da Cunha – Fonte: Reformador – Ano nº 126 – nº 2.148 – Março/2008.

JUVENTUDE SOLIDÃO – A TECNOLOGIA ESTÁ NOS SEPARANDO Estamos no século XXI. Acompanhamos os avanços tecnológicos, os progressos nas áreas científicas, a evolução em vários campos como o de comunicação, informática, saúde, educação. Vemos nossa sociedade se adaptar a essa realidade de constantes mudanças. Hoje existem ferramentas que anos atrás eram apenas sonhos. Quem de nós atualmente não possui um celular? Quem não tem acesso à Internet? A chance de ter proximidade com a informática cresceu, projetos como o Acessa São Paulo oferecem acesso à Internet e alguns cursos de graça para as pessoas. Ainda assim parcela da população não tem meios para usufruir destas vantagens – infelizmente o Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

8


Brasil ainda é um país com muitas diferenças sociais. Estamos acostumados a não ter tanto contato entre nós, digo uma reunião entre amigos, um almoço com a família reunida. A vida do homem dste século é uma jornada imensa e ele precisa administrar seu tempo para trabalhar, estudar, se divertir, estar com a família. A cada dia estamos mais distantes, nos individualizando. A tecnologia proporciona coisas incríveis, no entanto ela está nos separando. Na década de 20 com o surgimento do rádio na sociedade, poucas pessoas tinham a chance de adquirir um, mas sempre existia alguém com melhores condições financeiras que acabava comprando um aparelho. Como eram poucas essas pessoas, os vizinhos, amigos e familiares acompanhavam as transmissões juntos. De uma maneira ou de outra as pessoas estavam unidas, trocando experiências. Depois o rádio popularizou-se, mas mesmo assim as pessoas tinham uma proximidade maior. Para dar um exemplo, hoje existem residências que possuem três, quatro televisões, uma em cada cômodo. Quando todos da família estão em casa cada um vai para seu canto assistir o que quer e muitas vezes a mesma programação do outro. A televisão, o computador, o celular também surgiram caros e depois popularizaram-se, porém hoje somos muito mais dependentes da tecnologia do que antigamente. A juventude daquela época também não possuía celulares, video-games, computadores, mas era unida e talvez mais feliz do que a de hoje. Os jovens trocam muitas coisas para ficarem horas num site de relacionamento ou conversando na Internet. Eu sou jovem e não posso ser hipócrita a ponto de dizer que a tecnologia não faz parte da minha vida. O trabalho, os estudos, as pesquisas, o conhecimento, a comunicação, os jogos. É condenável dizer que a Internet, o celular, o computador não são ferramentas necessárias para nós. Apenas saliento que os jovens estão deixando de aproveitar muitos momentos da vida. Imagine se você, de vez em quando, levasse flores ou aparecesse de repente na casa de sua namorada ao invés de mandar uma mensagem no celular dela (sem querer ser romântico demais). Imagine se nós disséssemos bom dia para todas as pessoas que nós esbarramos de manhã ou se recebêssemos o próximo às vezes com um sorriso no rosto. Precisamos estar com pessoas diferentes e iguais a nós, pois as grandes lições da vida não estão na Web. Na COMELESP (Confraternização das Mocidades Espíritas do Leste de São Paulo) deste ano, entre outros temas, foi abordado nas salas de estudo a questão dos vícios. Chegamos a conclusão que o vício pode ser também uma fuga. O jovem viciado precisa de uma saída para seus problemas e encontra no vício uma chance de ser ele mesmo, de ser feliz em sua concepção. Será que podemos ficar viciados em nossa tecnologia? Com certeza. O jovem que não é compreendido ou que tem problemas familiares, de relacionamento, psicológicos, ou que não é aceito em determinado grupo ou lugar usa a tecnologia para se revelar, se libertar destes conflitos e automaticamente se isola. Estamos distantes do nosso próximo. Devemos nos recordar da célebre frase ―amai o próximo como a ti mesmo‖ e descobrir o que se passa com nossos familiares, com nossos amigos. Trocar experiências, conversar com quem precisa de atenção e ajudar se possível. Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

9


Nós vivemos em sociedade e nossa evolução, como seres humanos e como espíritos, depende de nossa convivência. Construímos nosso caráter baseado nas pessoas que nos cercam. A resposta da pergunta número 766 do Livro dos Espíritos esclarece: - A vida social é natural? ―Certamente. Deus fez o homem para viver em sociedade. Não deu inutilmente a palavra e todas as outras faculdades necessárias à vida de relação.‖ Os jovens deste século devem fazer parte das mudanças e não somente admirálas. Agora jovens, amanhã futuros homens e mulheres. A tecnologia faz parte do progresso, mas não podemos nos isolar esquecendo a sociedade. Por Thiago Magri – Revista Fala Meu – Ano 9 – Número 75 – Maio 2009 Transcrito do site: http://revistafalameu.com.br/blog/

LINDOS CASOS DE CHICO XAVIER CASO 2 – O VALOR DA ORAÇÃO A madrinha do Chico, por vezes, passava tempos entregue à obsessão. Assim é que, nessas fases, a exasperação dela era mais forte. Em algumas ocasiões, contenava o menino a vários dias de fome. Certa feita, já faziam três dias que a criança permanecia em completo jejum. À tarde, na hora da prece, encontrou a mãezinha desencarnada que lhe perguntou o motivo da tristeza com a qual se apresentava. - A senhora não sabe – explicou o Chico – mas tenho passado muito fome... - Mas hoje bem que eu queria comer alguma coisa... A mãezinha abraçou-o e recomendou: - Continue na oração e espere um pouco. O menino ficou repetindo o Pai Nosso e daí a instantes um grande cão da rua penetrou o quintal. Aproximou-se dele e deixou cair da boca um objeto escuro. Era um saboroso jatobá. Chico recolheu, alegre, o pesado fruto, ao mesmo tempo que reviu a mãezinha ao seu lado, acrescentando: - Misture o jatobá com água e você terá um bom alimento. E, despedindo-se da criança, acentuou: - Como você observou, meu filho, quando oramos com fé viva até um cão pode nos ajudar, em nome de Jesus. Transcrito do livro “Lindos Casos de Chico Xavier” de Ramiro Gama.

CHICO XAVIER RESPONDE TSUNAME Pergunta – Dentro da Doutrina Espírita, como se explicam as mortes, assim aos milhares, em guerras, enchentes, em toda espécie de catástrofe?

Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

10


Chico Xavier: - São essas provações, que coletivamente adquirimos do ponto de vista de débitos cármicos. Às vezes empreendemos determinados movimentos destrutivos, em desfavor da comunidade ou do indivíduo, às vezes operamos em grupo, às vezes, em vastíssimos grupos e, no tempo devido, os princípios cármicos amadurecem, e nós resgatamos as nossas dívidas, reunindo-nos uns com os outros, quando estamos acumpliciados nas mesmas culpas, porque a Lei de Deus é a Lei de Deus, formada de justiça e de misericórdia. Livro: Chico Xavier – Dos Hippies aos problemas do mundo. RIQUEZA Pergunta – Estávamos com um amigo em Belo Horizonte e esse amigo queria conhecer as belas mansões de Pampulha. Chico Xavier, esse amigo e eu tomamos um automóvel e começamos a contornar o famoso e lindo lago da capital mineira, contemplando as formosas casas residenciais. O amigo perguntou ao médium: — Chico, você não tem inveja dos moradores desses lindos palácios? Chico Xavier: - Naturalmente que os moradores dessas mansões são todos excelentes amigos, gente muito boa de nossa terra, mas não tenho inveja deles, porque se todos nós temos que desencarnar um dia e largar tudo o que temos neste mundo, por que havemos de sentir inveja uns dos outros? Penso que cada um de nós está no lugar onde está o trabalho que Deus nos manda fazer. (Depoimento de Nena e Francisco Galves à Marlene Nobre em pequena História de Uma Grande vida”, 1977). Informativo do GEAL – Boletim mensal – Dezembro 1995 Ano v – Nº 6. MULHER Pergunta – Qual a melhor atitude da mulher que trabalha fora e, por questão de formação ou oportunidade, se sobressai mais que o marido? Chico Xavier: - A mulher precisa de muito tato, humildade e necessita ser fiel cooperadora e necessita ser fiel cooperadora no progresso do esposo, abstendo-se de falar em casa ou em público com relação à sua superioridade ante o companheiro, às vezes ansioso por encontrar uma promoção digna no trabalho a que se vincula por dever de família. Jornal Busca e Acharás – Agosto de 2000 PREPARO Pergunta – Certa senhora, presidente de uma grande instituição de caridade, desencarnara e o amigo que ficou em seu lugar pediu-me perguntar ao Chico se ele estava preparado para assumir aquela tarefa. Eis a resposta: Chico Xavier: - Nenhum de nós está preparado para realizar a Obra do Cristo. Mas isso não é motivo para fugirmos do trabalho e permanecermos na inércia, e sim trabalhar, oferecendo ao Senhor o que temos de melhor. Isto porque ainda não somos anjos e sim criaturas humanas, que precisam trabalhar na Obra de Jesus, à qual devemos oferecer o que tenhamos de melhor. Jornal Busca e Acharás – Outubro de 2000 INVESTIR Pergunta – Um grande amigo tinha recebido uma considerável indenização e não sabia como aplicar o dinheiro. Estávamos em Uberaba e eu lhe disse: - Por que você não pergunta ao Chico? Ele assim o fez. Vejamos a resposta: Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

11


Chico Xavier: - O Espírito Emmanuel ensina que há um provérbio espanhol que diz: ―Não carregues o teu tesouro numa só nau‖. Meu amigo diversificou o investimento e, pelo que sei, está bem até hoje. Jornal Busca e Acharás – Outubro de 2000

MENSAGEM ESPÍRITA JESUS, ZAQUEU E NÓS Há quase dois mil anos, Zaqueu buscou a multidão para encontrar o Cristo em serviço. Ainda hoje, para encontrarmos Jesus, necessário se faz que o busquemos junto à multidão de aflitos e sofredores. Zaqueu era um homem pequeno diante da grande necessidade da multidão sobrecarregada de deveres e obrigações. E ainda hoje somos todos pequenos dispensários dos recursos da vida, em função da enormidade da carência humana. Zaqueu, para ver Jesus, precisou subir no sicômoro amigo e hoje ainda nós precisamos elevar o padrão de nossos pensamentos, a fim de vislumbrar a referência segura do Caminho, da Verdade e da Vida. Jesus dirigiu-se à presença de Zaqueu nos arredores de sua mensagem de libertação espiritual e nos dias atuais continua o divino Mestre atendendo-nos às ânsias da alma, com seu olhar compassivo e misericordioso. Naquele tempo, o Senhor solicitara que Zaqueu descesse do alto, porque importava-lhe ser hospedado em sua residência. Ainda agora Jesus nos pede que desçamos de nossas atitudes contemplativas para abrigá-lo no próprio lar. Zaqueu deu-se pressa em receber o Senhor em sua casa e cabe-nos ainda hoje, cada um de nós, agasalhar o Cristo na própria alma. Zaqueu imediatamente distribuiu metade dos bens aos pobres e ainda hoje podemos cada qual agir no campo da fraternidade legítima, buscando dar aos outros pelo menos a metade do que já possuímos em tempo, conhecimentos, cuidados, bens e recursos, em favor da grande maioria de necessitados à nossa volta que, certamente, tem à sua disposição muito menos que nós. Também Zaqueu, no ensinamento derradeiro de humildade e renúncia a si mesmo, reconheceu que já havia se desviado do roteiro honesto e, corretamente, fez votos de indenizar, pelo quádruplo, o mal que tivera feito. Dois mil anos após a célebre passagem, espera-se de nós a mesma atitude de reparo que devamos fazer no mal que já causamos aos semelhantes. Zaqueu fora então confirmado, desde aquele minuto inolvidável, no rol dos servidores ativos e atentos ao chamado do Cristo. Contudo, infelizmente, depois de vinte séculos de Cristianismo em ação, ainda permanecemos nós em lamentável paralisia da alma. Theophorus (Mensagem psicografada por Geraldo Lemos Neto, em reunião pública no Centro Espírita Luz, Amor e Caridade, na noite de 15 de janeiro de 2010). Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

12


TRABALHO IMPORTANTE ABRADE

Associação Brasileira de Divulgadores do Espiritismo A Associação Brasileira de Divulgadores do Espiritismo, abreviadamente ABRADE, é uma associação civil, espírita, de caráter cultural, sem fins lucrativos, por prazo de duração indeterminado, com sede e foro onde estiver sendo exercida a presidência da Diretoria Executiva. A ABRADE guarda afinidade de propósitos com a antiga Associação Brasileira de Jornalistas e Escritores Espíritas - ABRAJEE. A ABRADE possui como missão ―promover e aprimorar a comunicação social espírita, fazendo interagir as idéias espíritas na sociedade de forma ética, fraterna e parceira, contribuindo para a transformação moral da humanidade, a promoção da felicidade do ser humano e o equilíbrio da natureza‖. Entre os seus principais objetivos, podemos destacar a busca contínua da excelência na comunicação social espírita, bem como uma ampla interação com a sociedade em geral. A ABRADE não se alimenta de qualquer tipo de discriminação. Atualmente a ABRADE está atuando em várias áreas, conforme descritas na seção diretoria. No seu Plano Estratégico, podemos destacar as seguintes ações: - Disseminar uma proposta de PCSE - Política de Comunicação Social Espírita; - Aprimorar e viabilizar as metodologias e tecnologias de comunicação; - Participar de congressos, seminários, fóruns e demais eventos, intercambiando as idéias espíritas com todos os demais segmentos da sociedade; - Divulgar o movimento alteridade; - Promover e participar de cursos; - Realizar parcerias e convênios com outras Organizações; - Apoiar e interagir com as Associações de Divulgadores do Espiritismo (ADEs) estaduais e municipais, bem como com as demais instituições similares; Atuar de forma fraterna, democrática, ampla e autônoma no meio espírita. Contamos com você nesta caminhada, pois acreditamos que ninguém será feliz sozinho ou rodeado por poucos. Venha, participe conosco, pois todos unidos, sem qualquer discriminação, construiremos uma sociedade mais justa e fraterna. ABRADE – Associação Brasileira de Divulgadores do Espiritismo – Rua Antônio Scherer nº 508 – São José-SC – Brasil. Conheça mais sobre a ABRADE. Fonte: http://www.abrade.com.br/site/index.php

Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

13


PERSONALIDADES DE DESTAQUE NO MOVIMENTO ESPÍRITA FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER (CHICO XAVIER) Traços Biográficos – Nascimento – Sua Iniciação Espírita O maior e mais prolífico médium psicógrafo do mundo em todas as épocas nasceu em Pedro Leopoldo, modesta cidade de Minas Gerais, Brasil, em 2 de abril de 1910. Vive, desde 1959, em Uberaba, no mesmo Estado. Completou o curso primário, apenas. Pais: João Cândido Xavier e Maria João de Deus, desencarnados em 1960 e 1915, respectivamente. Infância difícil; foi caixeiro de armazém e modesto funcionário público, aposentado desde 1958. Em 7 de maio de 1927 participa de sua primeira reunião espírita. Até 1931 recebe muitas poesias e mensagens, várias das quais saíram a público, estampadas à revelia do médium em jornais e revistas, como de autoria de F. Xavier. Nesse mesmo ano, vê, pela primeira vez, o Espírito Emmanuel, seu inseparável mentor espiritual até hoje. O Menino Chico Desde os 4 anos de idade o menino Chico teve a sua vida assinalada por singulares manifestações. Seu pai chegou, inclusive, a crer que o seu verdadeiro filho havia sido trocado por outro... Aquele seu filho era estranho!... De formação católica, o garoto orava com extrema devoção, conforme lhe ensinara D. Maria João de Deus, a querida mãezinha, que o deixaria órfão aos 5 anos. Dentro de grandes conflitos e extremas dificuldades, o menino ia crescendo, sempre puro e sempre bom, incapaz de uma palavra obscena, de um gesto de desobediência. As ―sombras‖ amigas, porém, não o deixavam... Conversava com a mãezinha desencarnada, ouvia vozes confortadoras. Na escola, sentia a presença delas, auxiliando-o nas tarefas habituais. O certo é que os seus primeiros anos o marcaram profundamente; ele nunca os esqueceu... A necessidade de trabalhar desde cedo para auxiliar nas despesas domésticas foi em sua vida, conforme ele mesmo o diz, uma bênção indefinível. Sim, a doença também viera precocemente fazer-lhe companhia. Primeiro os pulmões, quando trabalhava na tecelagem; depois os olhos; agora é a angina. Começo do Seu Mediunato Francisco Cândido Xavier (Chico Xavier) iniciou, publicamente, seu mandato mediúnico em 8 de julho de 1927, em Pedro Leopoldo. Contando 17 anos de idade, recebeu as primeiras páginas mediúnicas. Em noite memorável, os Espíritos deram início a um dos trabalhos mais belos de toda a história da humanidade. Dezessete folhas de papel foram preenchidas, celeremente, versando sobre os deveres do espíritacristão.

Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

14


Depoimento de Chico Xavier: (...) ―Era uma noite quase gelada e os companheiros que se acomodavam junto à mesa me seguiram os movimentos do braço, curiosos e comovidos. A sala não era grande, mas, no começo da primeira transmissão de um comunicado do mais Além, por meu intermédio, senti-me fora de meu próprio corpo físico, embora junto dele. No entanto, ao passo que o mensageiro escrevia as dezessete páginas que nos dedicou, minha visão habitual experimentou significativa alteração. As paredes que nos limitavam o espaço desapareceram. O telhado como que se desfez e, fixando o olhar no alto, podia ver estrelas que tremeluziam no escuro da noite. Entretanto, relanceando o olhar no ambiente, notei que toda uma assembléia de entidades amigas me fitavam com simpatia e bondade, em cuja expressão adivinhava, por telepatia espontânea, que me encorajavam em silêncio para o trabalho a ser realizado, sobretudo, animando-me para que nada receasse quanto ao caminho a percorrer‖. Emmanuel e duas Orientações para o Resto da Vida Emmanuel, nos primórdios da mediunidade de Chico Xavier, deu-lhe duas orientações básicas para o trabalho que deveria desempenhar. Fora de qualquer uma delas, tudo seria malogrado. Eis a primeira. - ―Está você realmente disposto a trabalhar na mediunidade com Jesus?‖ - Sim, se os bons espíritos não me abandonarem... – respondeu o médium. - Não será você desamparado - disse-lhe Emmanuel – mas para isso é preciso que você trabalhe, estude e se esforce no bem. - E o senhor acha que eu estou em condições de aceitar o compromisso? – Tornou o Chico. - Perfeitamente, desde que você procure respeitar os três pontos básicos para o Serviço... Porque o protetor se calasse o rapaz perguntou: - Qual é o primeiro? A resposta veio firme: - Disciplina. - E o segundo? - Disciplina. - E o terceiro? - Disciplina. ―A segunda mais importante orientação de Emmanuel para o médium é assim relembrada‖: - Lembro-me de que num dos primeiros contatos comigo, ele me preveniu que pretendia trabalhar ao meu lado, por tempo longo, mas que eu deveria, acima de tudo, procurar os ensinamentos de Jesus e as lições de Allan Kardec e, disse mais, que, se um dia, ele, Emmanuel, algo me aconselhasse que não estivesse de acordo com as palavras de Jesus e de Kardec, que eu devia permanecer com Jesus e Kardec, procurando esquecê-lo. Em 1932 publica a FEB seu primeiro livro, o famoso ―Parnaso de Além-Túmulo‖; hoje as obras que psicografou vão a mais de 400. Várias delas estão traduzidas e publicadas em castelhano, esperanto, francês, inglês, japonês, grego, etc. Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

15


De moral ilibada, realmente humilde e simples, Chico Xavier jamais auferiu vantagens, de qualquer espécie, da mediunidade. Sua vida privada e pública tem sido objeto de toda especulação possível, na informação falada, escrita e televisionada. Ápodos e críticas ferinas, têm-no colhido de miúdo, sabendo suportá-los com verdadeiro espírito cristão. Viajou com o médium Waldo Vieira aos Estados Unidos e à Europa, onde visitaram a Inglaterra, a França, a Itália, a Espanha e Portugal, sempre a serviço da Doutrina Espírita. Chico Xavier é hoje uma figura de projeção nacional e internacional, suas entrevistas despertam a atenção de milhares de pessoas, mesmo alheias ao Espiritismo; tem aparecido em programas de TV, respondendo a perguntas as mais diversas, orientando as respostas pelos postulados espíritas. Já recebeu o título de Cidadão Honorário de várias cidades: Rio Preto, São Bernardo do Campo, Franca, Campinas, Santos, Catanduva, em São Paulo; Uberlândia, Araguari e Belo Horizonte, em Minas Gerais; Campos, no Estado do Rio de Janeiro, etc., etc. Dos livros que psicografou já se venderam mais de 12 milhões de exemplares, só dos editados pela FEB, em número de 88. ―Parnaso de Além-Túmulo‖, a primeira obra publicada em 1932, provocou (e comprovou) a questão da identificação das produções mediúnicas, pelo pronunciamento espontâneo dos críticos, tais como Humberto de Campos, ainda vivo na época, Agripino Grieco, severo crítico literário, de renome nacional, Zeferino Brasil, poeta gaúcho, Edmundo Lys, cronista, Garcia Júnior, etc. Prefaciando ―Parnaso de Além-Túmulo‖, escreveu Manuel Quintão: Romantismo, Condoreirismo, Parnasianismo, Simbolismo, aí se ostentam em louçanias de sons e de cores, para afirmar não mais subjetiva, mas objetivamente, a sobrevivência de seus intérpretes. É ler Casimiro e reviver 'Primaveras'; é recitar Castro Alves e sentir 'Espumas Flutuantes'; é declamar Junqueiro e lembrar a 'Morte de D. João'; é frasear Augusto dos Anjos e evocar 'Eu'. Romances históricos formam a série Romana, de Emmanuel, composta de: ―Há 2000 Anos...‖, ―50 Anos Depois‖, ―Ave, Cristo!‖, ―Paulo e Estevão‖, provocando a elaboração do Vocabulário Histórico-Geográfico dos Romances de Emmanuel‘, de Roberto Macedo, estudo elucidativo dos eventos históricos citados nas obras. ―Há 2000 Anos...‖ é o relato da encarnação de Emmanuel à época de Jesus. De Humberto de Campos (Espírito), aparece, em 1938, o profético e discutido ―Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho‖, uma história de nossa pátria e dos fatos e ela ligados, em dimensão espiritual. A série André Luiz é reveladora, doutrinária e científica; com obras notáveis e a maioria completa, no tocante à vida depois da desencarnação, obras anteriores, de Swedenborg, A. Jackson Davis, Cahagnet, G. Vale Owen e outros. Pertencem a essa série: ―Nosso Lar‖, ―Os Mensageiros‖, ―Missionários da Luz‖, ―Obreiros da Vida Eterna‖, ―No Mundo Maior‖, ―Agenda Cristã‖, ―Libertação‖, ―Entre a Terra e o Céu‖, ―Nos Domínios da Mediunidade‖, ―Ação e Reação‖, ―Evolução em dois Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

16


Mundos‖, ―Mecanismos da Mediunidade‖, ―Conduta Espírita‖, ―Sexo e Destino‖, ―Desobsessão‖, ―E a Vida Continua...‖. De parceria com o médium Waldo Vieira, Chico Xavier psicografou 17 obras. A extraordinária capacidade mediúnica de Chico Xavier está comprovada pela grande quantidade de autores espirituais, da mais elevada categoria, que por seu intermédio se manifestam. Vários de seus livros foram adaptados para encenação no palco e sob a forma de radionovelas e telenovelas. O dom mediúnico mais conhecido de Francisco Xavier é o psicográfico. Não é, todavia, o único. Tem ele, e as exercita constantemente, outras mediunidades, tais como: psicofonia, vidência, audiência, receitista, e outras. Sua vida, verdadeiramente apostolar, dedicou-a, o médium, aos sofredores e necessitados, provindos de longínquos lugares, e também aos afazeres medianeiros, pelos quais não aceita, em absoluto, qualquer espécie de paga. Os direitos autorais ele os tem cedido graciosamente a várias Editoras e Casas Espíritas, desde o primeiro livro. Sua vida e sua obra têm sido objeto de numerosas entrevistas radiofônicas e televisadas, e de comentários em jornais e revistas, espíritas ou não, e em livros dos quais podemos citar: o opúsculo intitulado ―Pinga-Fogo, Entrevistas‖, obra publicada pelo Instituto de Difusão Espírita, de Araras; ―Trinta Anos com Chico Xavier‖, de Clóvis Tavares; ―No Mundo de Chico Xavier‖, de Elias Barbosa; ―Lindos Casos de Chico Xavier‖, de Ramiro Gama; ―40 Anos no Mundo da Mediunidade‖, de Roque Jacinto; ―A Psicografia ante os Tribunais‖, de Miguel Timponi; ―Amor e Sabedoria de Emmanuel‖, de Clóvis Tavares; ―Presença de Chico Xavier‖, de Elias Barbosa; ―Chico Xavier Pede Licença‖, de Irmão Saulo, pseudônimo de Herculano Pires; ―Nosso Amigo Xavier‖, de Luciano Napoleão; ―Chico Xavier, o Santo dos Nossos Dias‖ e ―O Prisioneiro de Cristo", de R. A. Ranieri; ―Chico Xavier - Mandato de Amor‖, da U.E.M.; ―As Vidas de Chico Xavier‖, de Marcel Souto Maior, etc. O Caso Humberto de Campos Desencarnado em 1934 o festejado escritor brasileiro Humberto de Campos, o Espírito deste iniciou, em 1937, pela mediunidade de Chico Xavier, a transmissão de várias obras de crônicas e reportagens, todas editadas pela Federação Espírita Brasileira, entre as quais sobressai ―Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho‖. Eis senão quando, em 1944, a viúva de Humberto de Campos ingressa em juízo, movendo um processo, que se torna célebre, contra a Federação Espírita Brasileira e Francisco Cândido Xavier, no sentido de obter uma declaração, por sentença, de que essa obra mediúnica ―é ou não Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

17


do ‗Espírito' de Humberto de Campos‖, e que em caso afirmativo, se apliquem as sanções previstas em Lei. O assunto causou muita polêmica e, durante um bom tempo, ocupou espaço nos principais periódicos do País. Para que tenhamos uma idéia do que representou o referido processo na divulgação dos postulados espíritas, resumimos aqui alguns dos principais depoimentos da época extraídos da obra do Dr. Miguel Timponi, o principal advogado que trabalhou na defesa do médium e da FEB. Antes, porém, sintamos a beleza das palavras a seguir, enfeixadas no livro A Psicografia ante os Tribunais: Entretanto, lá do Nordeste, desse Nordeste de encantamentos e de mistérios, a voz cheia de ternura e de emoção, de uma velhinha santificada pela dor e pelo sofrimento, D. Ana de Campos Veras, extremosa mãe do querido e popular escritor, rompeu o silêncio para ofertar ao médium de Pedro Leopoldo a fotografia do seu próprio filho, com esta expressiva dedicatória: 'Ao Prezado Sr. Francisco Xavier, dedicado intérprete espiritual do meu saudoso Humberto, ofereço com muito afeto esta fotografia, como prova de amizade e gratidão. Da crª. atª. Ana de Campos Veras Parnaíba, 21-5-38.' Conforme se vê da edição de 'O Globo' de 19 de julho de 1944, essa exma. senhora confirma que o estilo é do seu filho e assegura ao redator de 'O Povo' e 'Press Parga': ―- Realmente - disse dona Ana Campos - li emocionada as Crônicas de Além-Túmulo, e verifiquei que o estilo é o mesmo de meu filho. Não tenho dúvidas em afirmar isso e não conheço nenhuma explicação científica para esclarecer esse mistério, principalmente se considerarmos que Francisco Xavier é um cidadão de conhecimentos medíocres. Onde a fraude? Na hipótese de o Tribunal reconhecer aquela obra como realmente da autoria de Humberto, é claro que, por justiça, os direitos autorais venham a pertencer à família. No caso, porém, de os juízes decidirem em contrário, acho que os intelectuais patriotas fariam ato de justiça aceitando Francisco Cândido Xavier na Academia Brasileira de Letras... Só um homem muito inteligente, muito culto, e de fino talento literário, poderia ter escrito essa produção, tão identificada com a de meu filho‖. Na noite de 15 de julho de 1944, quando o processo atingia o clímax, o Espírito Humberto de Campos retorna pelo lápis do médium Chico Xavier, tecendo, no seu estilo inconfundível, uma belíssima e emocionante página sobre o triste problema levantado pela incompreensão humana, página que pode ser devidamente apreciada no livro ―A Psicografia ante os Tribunais‖. Daí por diante, ele passou a assinar-se, simplesmente, Irmão X, versão evangelizada do Conselheiro XX, como era conhecido nos meios literários quando encarnado. A Autora, D. Catarina Vergolino de Campos, foi julgada carecedora da ação proposta, por sentença de 23 de agosto de 1944, do Dr. João Frederico Mourão Russell, juiz de Direito em exercício na 8ª Vara Cível do antigo Distrito Federal. Tendo ela recorrido dessa sentença, o Tribunal de Apelação do antigo DF manteve-a por seus jurídicos fundamentos, tendo sido relator o saudoso ministro Álvaro Moutinho Ribeiro da Costa. O Amor de Chico Xavier por Jesus Depoimento de Chico Xavier: ―(...) Deus nos permita a satisfação de continuar sempre trabalhando na Grande Causa d'Ele, Nosso Senhor e Mestre. Desde criança, a figura do Cristo me impressiona. Ao perder minha mãe, aos cinco janeiros de idade, conforme os próprios ensinamentos dela, acreditei n'Ele, na certeza de que Ele me sustentaria. Conduzido a uma casa estranha, na qual conheceria muitas dificuldades Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

18


para continuar vivendo, lembrava-me d'Ele, na convicção de que Ele era um amigo poderoso e compassivo que me enviaria recursos de resistência e ao ver minha mãe desencarnada pela primeira vez, com o cérebro infantil sem qualquer conhecimento dos conflitos religiosos que dividem a Humanidade, pedi a ela me abençoasse segundo o nosso hábito em família e lembro-me perfeitamente de que perguntei a ela: - Mamãe, foi Jesus que mandou a senhora nos buscar? Ela sorriu e respondeu: - Foi sim, mas Jesus deseja que vocês, os meus filhos espalhados, ainda fiquem me esperando... Aceitei o que ela dizia, embora chorasse, porque a referência a Jesus me tranqüilizava. Quando meu pai se casou pela segunda vez e a minha segunda mãe mandou me buscar para junto dela, notando-lhe a bondade natural, indaguei: - Foi Jesus quem enviou a senhora para nos reunir? Ela me disse: - Chico, isso não sei... Mas minha fé era tamanha que respondi: - Foi Ele sim... Minha mãe, quando me aparece, sempre me fala que Ele mandaria alguém nos buscar para a nossa casa. E Jesus sempre esteve e está em minhas lembranças como um Protetor Poderoso e Bom, não desaparecido, não longe mas sempre perto, não indiferente aos nossos obstáculos humanos, e sim cada vez mais atuante e mais vivo‖. Não se pode negar o sentimento de veneração que envolve a nobre figura de Ismael, guia espiritual do Brasil. A responsabilidade que detém, na condição de mentor da Federação Espírita Brasileira suscita, da parte da comunidade espírita nacional, um profundo respeito, aliado a um imenso carinho e uma suave ternura. Certa vez, indagaram a Chico Xavier: - Como se processam os encontros, nas esferas resplandecentes da Espiritualidade, de Emmanuel com Ismael? Qual a postura do admirável Espírito do ex-senador romano, diante da também luminosa entidade a quem confiou Jesus os destinos do Brasil? Resposta do médium, curta, serena e firme: - De joelhos! Breves Depoimentos Sobre o Médium Chico Xavier ―A bibliografia mediúnica, que foi acrescida à literatura espírita, nestes últimos cinqüenta anos, nascida do lápis de Chico Xavier – e o espaço não nos permite, sequer, considerações ligeiras sobre suas páginas -, é vultosa, considerável. É qualitativamente admirável. Poderíamos, sem dificuldade, num exame sereno e com absoluta isenção, dividir a obra mediúnica, orientada por Emmanuel, igualmente em fases perfeitamente delineadas, dentro de duas grandes divisões: a primeira, provando a sobrevivência e a imortalidade do espírito - 'Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho' - seguida de uma panorâmica da História universal - 'A Caminho da Luz' e de alguns manuais do maior valor: 'Emmanuel, Dissertações Mediúnicas', 'O Consolador', 'Roteiro', etc. Enfim, muitos estudos interessantes e instrutivos virão, a seu tempo. E a obra de Francisco Cândido Xavier, criteriosamente traduzida, estará, tempestivamente, à disposição dos leitores do mundo inteiro, juntamente com a de Allan Kardec e da dos autores que cuidaram dos escritos subsidiários e complementares da Codificação. Mas, enquanto isso, e para que tudo ocorra com a tranqüilidade que se almeja na difusão conscienciosa e responsável da Doutrina dos Espíritos, seria de bom alvitre não perder de vista o fato de que Chico Xavier jamais teria obtido êxito, como instrumento do Alto, se não tivesse seguido a rígida disciplina que lhe foi sugerida Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

19


por Emmanuel, testemunhando e permanecendo na exemplificação do amor ao próximo e do amor a Deus, vivendo o Evangelho‖. Francisco Thiesen Presidente da Federação Espírita Brasileira (Fonte: Revista Internacional de Espiritismo", número 6, Ano LII, julho de 1977). ―...Não me considero à altura para escrever algo sobre o Chico. Dele, dão testemunho (e que testemunho!) as belas obras que semeou e semeia por esse Brasil afora, com reflexos benéficos em diversas nações do mundo. E quando digo 'obras', refiro-me não só à palavra escrita e falada, como também aos seus exemplos de caridade, de perdão, de fé, de humildade, aos seus diálogos fraternos e frutíferos, enfim, à sua multiforme vivência evangélica junto a pobres e ricos, num trabalho diário de edificação e levantamento de espíritos‖. ―Conheço o Chico há bastante tempo. Nos seus livros mediúnicos encontrei forças, luz e paz, e através de suas cartas pude senti-lo e amá-lo bem no fundo do seu ser. Por várias vezes chorei com suas preocupações e sua dor, vivendo-lhe as graves responsabilidades e lamentando a incompreensão dos homens. Mas sempre orei pedindo ao Senhor que não lhe tirasse o pesado fardo dos ombros e, sim, que o ajudasse a carregá-lo. Graças a Deus, o nosso caro Chico tem vencido todas as dificuldades e todos os óbices do caminho, numa maratona hercúlea que realmente o dignifica aos olhos dos homens e aos olhos do Pai‖. (Trechos da carta do Sr. Zêus Wantuil, 3° secretário da Federação Espírita Brasileira, à presidente da União Espírita Mineira) (Fonte: O Espírita Mineiro", número 172, maio/julho de 1977). A Palavra de Chico Xavier Ao Completar Quarenta Anos de Mediunidade Estes quarenta anos de mediunidade passaram para o meu coração como se fossem um sonho bom. Foram quarenta anos de muita alegria, em cujos caminhos, feitos de minutos e de horas, de dias, só encontrei benefícios, felicidades, esperanças, otimismo, encorajamento da parte de todos aqueles que o Senhor me concedeu, dos familiares, irmãos, amigos e companheiros. Quarenta anos de felicidade que agradeço a Deus em vossos corações, porque sinto que Deus me concedeu nos vossos corações, que representam outros muitos corações que estão ausentes de nós. Agora, sinto que Deus me concedeu por vosso intermédio uma vida tocada de alegrias e bênçãos, como eu não poderia receber em nenhum outro setor de trabalho na Humanidade. Beijo-vos, assim, as mãos, os corações. Quanto ao livro, devo dizer que, certa feita, há muitos anos, procurando o contato com o Espírito de nosso benfeitor Emmanuel, ao pé de uma velha represa, na terra que me deu berço na presente encarnação, muitas vezes chegava ao sítio, pela manhã, antes do amanhecer. E quando o dia vinha de novo, fosse com sol, fosse com chuva, lá estava, não muito longe de mim, um pequeno charco. Esse charco, pouco a pouco se encheu de flores, pela misericórdia de Deus, naturalmente. E muitas almas boas, corações queridos, que passavam pelo mesmo caminho em que nós orávamos, colhiam essas flores, e as levavam consigo com transporte de alegria e encantamento. Enquanto que o charco era sempre o mesmo charco. Naturalmente, esperando também pela misericórdia de Deus, para se transformar em terra proveitosa e mais útil. Creio que nesses momentos, em que ouço as palavras desses corações maravilhosos, que usaram o verbo para comentar o aparecimento desses cem livros, agora cento e dois livros, lembro este quadro que nunca me saiu da Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

20


memória, para declarar-vos que me sinto na condição do charco que, pela misericórdia de Deus, um dia recebeu essas flores que são os livros, e que pertencem muito mais a vós outros do que a mim. Rogo, assim, a todos os companheiros, que me ajudem através da oração, para que a luta natural da vida possa drenar a terra pantanosa que ainda sou, na intimidade do meu coração, para que eu possa um dia servir a Deus, de conformidade com os deveres que a Sua infinita misericórdia me traçou. E peço, então, permissão, em sinal de agradecimento, já que não tenho palavras para exprimir a minha gratidão. Peço-vos, a todos, licença para encerrar a minha palavra despretensiosa, com a oração que Nosso Senhor Jesus Cristo nos legou. (Fonte: O Espírita Mineiro, número 137, abril/maio/junho de 1970). Na Tarefa Mediúnica Pergunta – Em seu primeiro encontro com Emmanuel, ele enfatizou muito a disciplina. Teria falado algo mais? Resposta – Depois de haver salientado a disciplina como elemento indispensável a uma boa tarefa mediúnica, ele me disse: 'Temos algo a realizar.' Repliquei de minha parte qual seria esse algo e o benfeitor esclareceu: 'Trinta livros pra começar!' Considerei, então: como avaliar esta informação se somos uma família sem maiores recursos, além do nosso próprio trabalho diário, e a publicação de um livro demanda tanto dinheiro!... Já que meu pai lidava com bilhetes de loteria, eu acrescentei: será que meu pai vai tirar a sorte grande? Emmanuel respondeu: 'Nada, nada disso. A maior sorte grande é a do trabalho com a fé viva na Providência de Deus. Os livros chegarão através de caminhos inesperados!' Algum tempo depois, enviando as poesias de 'Parnaso de Além- Túmulo' para um dos diretores da Federação Espírita Brasileira, tive a grata surpresa de ver o livro aceito e publicado, em 1932. A este livro seguiramse outros e, em 1947, atingimos a marca dos 30 livros. Ficamos muito contentes e perguntei ao amigo espiritual se a tarefa estava terminada. Ele, então, considerou, sorrindo: 'Agora, começaremos uma nova série de trinta volumes!' Em 1958, indagueilhe novamente se o trabalho finalizara. Os 60 livros estavam publicados e eu me encontrava quase de mudança para a cidade de Uberaba, onde cheguei a 5 de janeiro de 1959. O grande benfeitor explicou-me, com paciência: 'Você perguntou, em Pedro Leopoldo, se a nossa tarefa estava completa e quero informar a você que os mentores da Vida Maior, perante os quais devo também estar disciplinado, me advertiram que nos cabe chegar ao limite de cem livros.' Fiquei muito admirado e as tarefas prosseguiram. Quando alcançamos o número de 100 volumes publicados, voltei a consultá-lo sobre o termo de nossos compromissos. Ele esclareceu, com bondade: 'Você não deve pensar em agir e trabalhar com tanta pressa. Agora, estou na obrigação de dizer a você que os mentores da Vida Superior, que nos orientam, expediram certa instrução que determina seja a sua atual reencarnação desapropriada, em benefício da divulgação dos princípios espíritas-cristãos, permanecendo a sua existência, do ponto de vista físico, à disposição das entidades espirituais que possam colaborar na execução das mensagens e livros, enquanto o seu corpo se mostre apto para as nossas atividades.' Muito desapontado, perguntei: então devo trabalhar na recepção de mensagens e livros do mundo espiritual até o fim da minha vida atual? Emmanuel acentuou: 'Sim, não temos outra alternativa!' Naturalmente, impressionado com o que ele dizia, voltei a interrogar: e se eu não Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

21


quiser, já que a Doutrina Espírita ensina que somos portadores do livre arbítrio para decidir sobre os nossos próprios caminhos? Emmanuel, então, deu um sorriso de benevolência paternal e me cientificou: 'A instrução a que me refiro é semelhante a um decreto de desapropriação, quando lançado por autoridade na Terra. Se você recusar o serviço a que me reporto, segundo creio, os orientadores dessa obra de nos dedicarmos ao Cristianismo Redivivo, de certo que eles terão autoridade bastante para retirar você de seu atual corpo físico!' Quando eu ouvi sua declaração, silenciei para pensar na gravidade do assunto, e continuo trabalhando, sem a menor expectativa de interromper ou dificultar o que passei a chamar de 'Desígnios de Cima‘. (Fonte: O Espírita Mineiro, número 205, abril/junho de 1988). Considerações Finais Em 1997, Chico Xavier completou 70 anos de incessante atividade mediúnica, da maior significação espiritual, em prol da Humanidade, abrangendo seus mais diversos segmentos. Até a presente data, outubro de 1997, Francisco Cândido Xavier psicografou mais de 400 (quatrocentas) obras mediúnicas, de centenas de autores espirituais, abarcando os mais diversos e diferentes assuntos, entre poesias, romances, contos, crônicas, história geral e do Brasil, ciência, religião, filosofia, literatura infantil, etc. Dias e noites têm sido por ele ofertados aos seus semelhantes, com sacrifício da própria saúde. Problemas orgânicos acompanharam-lhe a mocidade e a madureza. Hoje, nos abençoados 87 anos de sua vida corporal, as dificuldades físicas continuam trazendo-lhe problemas. Releva observar que as doenças oculares a as intervenções cirúrgicas jamais o impediram de cumprir, fiel e dignamente, sua missão de amparo aos necessitados. Sua postura é uma só, obedece a uma só diretriz: amor ao próximo, desinteresse ante os bens materiais, preocupação exclusiva e constante com a felicidade do próximo. Ricos e pobres, velhos e crianças, homens e mulheres de todos os níveis sociais têm encontrado, no homem e no médium Chico Xavier, tudo quanto necessitam para o reajuste interior, para o crescimento, em função do conhecimento e da bondade. Francisco Cândido Xavier é um presente do Alto ao século XX, enriquecendo-lhe os valores com a sua vida de exemplar cidadão, com milhares de mensagens psicografias que, em catadupas de paz e luz, amor e esclarecimento, vêm fertilizando o solo planetário, sob a luminar supervisão do Espírito Emmanuel. NOTA DA FEB - No presente trabalho, foram consultadas e utilizadas as seguintes obras: A Psicografia ante os Tribunais. / Miguel Timponi. / FEB - 5ª ed., Brasil, Mais Além! / Duílio Lena Bérni. / FEB - 5ª ed., 1994. Chico Xavier - Mandato de Amor. / União Espírita Mineira, 1992. Chico Xavier - Mediunidade e Coração. / Carlos A. Bacelli. Instituto Divulgação Ed. André Luiz, 1985 Espiritismo Básico. / Pedro Franco Barbosa. / FEB - 4ª ed., 1995 A Desencarnação de Chico Xavier A 30 de junho de 2002, por volta das 19h30, desencarnava em Uberaba o médium mineiro Francisco Cândido Xavier, em meio às vibrações de alegria do povo brasileiro pela conquista de mais um troféu mundial de futebol, como se o Plano Espiritual Superior quisera, propositadamente, diluir as repercussões que a partida do médium, por certo, viria causar em todos os segmentos da nossa sociedade. À medida que a notícia da desencarnação se espalhava pela cidade, centenas de pessoas se dirigiam Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

22


para a casa do médium, de onde saiu o corpo, por volta das 23h, para ser velado no Grupo Espírita da Prece, ali permanecendo por cerca de 48 horas para receber as homenagens derradeiras do povo que ele tanto amou. Durante todo o tempo em que ficou exposto em câmara ardente, filas quilométricas se faziam nas vizinhanças do Grupo Espírita da Prece, compostas por pessoas de todas as idades, sem distinção de raça e de condição social, professando os mais diferentes credos religiosos, numa espantosa demonstração de solidariedade e indisfarçadp reconhecimento pelo grande obreiro que partia para o Além. O Governador Itamar Franco decretou luto oficial de três dias no Estado de Minas Gerais e fez-se representar no velório pelo Secretário de Indústria e Comércio, Marcelo Prado. Uma hora antes de o corpo do médium deixar o Grupo Espírita da Prece, o Presidente da Federação Espírita Brasileira, Nestor João Masotti, a convite, proferiu uma prece, depois de falar brevemente acerca da vida e da obra de Francisco Cândido Xavier, seguida posteriormente por outras manifestações de apreço do Prefeito Municipal de Uberaba, Marcos Montes, e de autoridades presentes, além dos líderes da comunidade espírita local e de outras cidades e Estados, amigos e companheiros do médium. Às 17h do dia 2 de julho, conduzidos pela viatura do Corpo de Bombeiros, os restos mortais do médium deixaram o Grupo Espírita da Prece, acompanhados por uma multidão incalculável, que seguia a pé e em silêncio, em direção ao Cemitério de São João Batista, em Uberaba, sem falar no sem-número de criaturas que, espremidas, se dispunham de ambos os lados das ruas por onde passava o cortejo. Em várias ocasiões, pétalas de rosas em grande profusão derramavam-se sobre o cortejo, lançadas por um helicóptero da Polícia Militar de Minas Gerais. Cálculos das autoridades militares dão conta de que mais de cem mil pessoas compareceram ao sepultamento. No cemitério foram prestadas as honras militares de estilo, inclusive uma salva de 21 tiros de fuzil, a cargo do 4º Batalhão da Polícia Militar de Minas Gerais, cuja banda tocou as músicas Amigos para sempre e Nossa Senhora. Por volta das 19 horas, o corpo do médium baixou à tumba, após o que a multidão se dispersou, lenta e silenciosamente. Fonte:Reformador julho/2002 – Edição especial O Retorno do Apóstolo Chico Xavier Quando mergulhou no corpo físico, para o ministério que deveria desenvolver, tudo eram expectativas e promessas. Aquinhoado com incomum patrimônio de bênçãos, especialmente na área da mediunidade, Mensageiros da Luz prometeram inspirá-lo e ampará-lo durante todo o tempo em que se encontrasse na trajetória física, advertindo-o dos perigos da travessia Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

23


no mar encapelado das paixões bem como das lutas que deveria travar para alcançar o porto de segurança. Orfandade, perseguições rudes na infância, solidão e amargura estabeleceram o cerco que lhe poderia ter dificultado o avanço, porém, as providências superiores auxiliaram-no a vencer esses desafios mais rudes e a crescer interiormente no rumo do objetivo de iluminação. Adversários do ontem que se haviam reencarnado também, crivaram-no de aflições e de crueldade durante toda a existência orgânica, mas ele conseguiu amá-los, jamais devolvendo as mesmas farpas, os espículos e o mal que lhe dirigiam. Experimentou abandono e descrédito, necessidades de toda ordem, tentações incontáveis que lhe rondaram os passos ameaçando-lhe a integridade moral, mas não cedeu ao dinheiro, ao sexo, às projeções enganosas da sociedade, nem aos sentimentos vis. Sempre se manteve em clima de harmonia, sintonizado com as Fontes Geradoras da Vida, de onde hauria coragem e forças para não desfalecer. Trabalhando infatigavelmente, alargou o campo da solidariedade, e acendendo o archote da fé racional que distendia através dos incomuns testemunhos mediúnicos, iluminou vidas que se tornaram faróis e amparo para outras tantas existências. Nunca se exaltou e jamais se entregou ao desânimo, nem mesmo quando sob o metralhar de perversas acusações, permanecendo fiel ao dever, sem apresentar defesas pessoais, ou justificativas para os seus atos. Lentamente, pelo exemplo, pela probidade e pelo esforço de herói cristão, sensibilizou o povo e os seus líderes, que passaram a amá-lo, tornou-se parâmetro do comportamento, transformando-se em pessoa de referências para as informações seguras sobre o Mundo Espiritual e os fenômenos da mediunidade. Sua palavra doce e ungida de bondade sempre soava ensinando, direcionando e encaminhando as pessoas que o buscavam para a senda do Bem. Em contínuo contato com o seu Anjo tutelar, nunca o decepcionou, extraviando-se na estrada do dever, mantendo disciplina e fidelidade ao compromisso assumido. Abandonado por uns e por outros, afetos e amigos, conhecidos ou não, jamais deixou de realizar o seu compromisso para com a Vida, nunca desertando das suas tarefas. As enfermidades minaram-lhe as energias, mas ele as renovava através da oração e do exercício intérmino da caridade. A claridade dos olhos diminuiu até quase apagar-se, no entanto a visão interior tornou-se mais poderosa para penetrar nos arcanos da Espiritualidade. Nunca se escusou a ajudar, mas nunca deu trabalho a ninguém. Seus silêncios homéricos falaram mais alto do que as discussões perturbadoras e os debates insensatos que acontecia à sua volta e longe dele, sobre a Doutrina que esposava e os seus sublimes ensinamentos. Tornou-se a maior antena parapsíquica do seu tempo, conseguindo viajar fora do corpo, quando parcialmetne desdobrado pelo sono natural, assim como penetrar em mentes e corações para melhor ajudá-los, tanto quanto tornando-se maleável aos Espíritos que o utilizaram por quase setenta e cinco anos de devotamento e de renúncia na mediunidade luminosa. Por isso mesmo, o seu foi mediumato incomparável. Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

24


...E ao desencarnar, suave e docemente, permitindo que o corpo se aquietasse, ascendeu nos rumos do Infinito, sendo recebido por Jesus, que o acolheu com a Sua Bondade, asseverando-lhe: - Descansa, por um pouco, meu filho, a fim de esqueceres as tristezas da Terra e desfrutares das inefáveis alegrias do reino dos Céus. Página psicografada pelo médium Divaldo P. Franco, no dia 2 de julho de 2002, no Centro Espírita Caminho da Redenção, em Salvador, Bahia. Transcrito do site: http://www.feparana.com.br/biografia.php?cod_biog=59

DATAS IMPORTANTES DO ESPIRITISMO MÊS DE ABRIL Dia 01 de 1855 – Allan Kardec assiste pela primeira vez os fenômenos das ―mesas girantes‖. Dia 01 de 1858 – Em Paris, França, Allan Kardec funda a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas. Dia 02 de 1910 – Em Pedro Leopoldo, MG, nasce o médium Francisco Cândido Xavier, cujo nome de nascimento é Francisco de Paula Cândido. Desencarna no dia 30 de junho de 2002. Dia 04 de 1882 – Nasce em Campinas, SP, Ângelo Watson Campelo, que substituiu Cairbar Schutel em suas atividades de promoção do Espiritismo no Centro Espírita Amantes da Pobreza, e na Gráfica Editora O Clarim. Desencarna em 19 de março de 1963, em Matão, SP. Dia 04 de 1932 – No Rio de Janeiro, RJ, é publicado o primeiro número do Jornal Mundo Espírita, sob direção de Henrique Andrade, jornal depois transferido para a Federação Espírita do Paraná. Dia 05 de 1927 – Nasce em Feira de Santana-BA, Divaldo Pereira Franco. Dia 07 de 1926 – Em Rochester, NI, USA, o senador James L. Whitley apresenta ao Senado um projeto de lei que dava direito aos médiuns de exercerem livremente a mediunidade, inclusive para curas. Dia 13 de 1870 – Na Paraíba do Norte, nasce Leopoldo Cirne, que substitui Bezerra de Menezes, em 1900, na Presidência da Federação Espírita Brasileira. Desencarna no Rio de Janeiro, RJ, no dia 31 de julho de 1941. Dia 13 de 1978 – De 13 a 15, o médium Divaldo Pereira Franco, em Uberaba, MG, realiza seu primeiro seminário, sobre Fenômenos Parapsicológicos e Mediúnicos, promovido pela União da Mocidade Espírita de Uberaba – UMEU. Dia 18 de 1857 – Em Paris, França, Allan Kardec lança O Livro dos Espíritos, cuja edição era de 501 perguntas. Dia 18 de 1974 – É lançado o jornal ―Folha Espírita‖, sob a direção de José Freitas Nobre, da Federação Espírita de São Paulo, com tiragem inicial de 15.000 (quinze mil) exemplares. Foi o primeiro jornal espírita vendido em bancas de revistas em São Paulo. Dia 18 de 1976 – Deolindo Amorim funda a Associação Brasileira de Jornalistas e Escritores Espíritas – ABRAJEE, no Rio de Janeiro. Dia 28 de 1921 – Materializa-se o Espírito Rachel Figner, em presença do pai, Frederico Figner, pela mediunidade de Anna Prado, em Belém, Pará. Dia 29 de 1864 – Lançamento em París, de O Evangelho Segundo o Espiritismo, de Allan Kardec. Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

25


Dia 30 de 1856 – Transmitida a Allan Kardec a primeira revelação mediúnica a respeito da missão que haveria de desempenhar.

LIVROS DO “CLUBE DO LIVRO ESPÍRITA” DEPARTAMENTO – CLUBE DO LIVRO ESPÍRITA MARIA DOLORES Rua Artur Machado nº. 288 – sala 04 – Centro Telefone: 3312-8327 E.mail: eepe@eepe.com.br O HOMEM DO CADERNO – Wilson Frungilo Junior Durante a infância, João Pedro enfrentou os problemas da miséria e da pobreza. Apesar dessa vida, conseguiu aprender a ler e a escrever, conquistando, ainda menino, um emprego. Aos dezoito anos, uma tragédia o arremeteu aos sentimentos do ódio e da vingança, vindo a ser auxiliado por esclarecedor caderno. Eletrizante romance que emociona e traz aprendizado, além de apresentar possíveis agêneres. NO MUNDO MAIOR – Pelo Espírito de André Luiz – Psicografado por Francisco Cândido Xavier Focaliza aspectos da vida no Mundo Espiritual e da comunicação entre seres desencarnados e encarnados, especialmente durante o repouso do corpo físico. O autor espiritual fornece esclarecimentos sobre as causas do desequilíbrio da vida mental e apresenta os correspondentes tratamentos espirituais. Sob a forma romanceada, analisa temas como aborto, epilepsia, esquizofrenia e mongolismo, destacando o socorro imediato prestado aos necessitados pelos trabalhadores invisíveis, que evitam, o quanto possível, a loucura, o suicídio e os extremos desastres morais. É a quinta das 16 obras da série André Luiz. Esta é a 5ª obra da série André Luiz, composta por 16 volumes, independentes entre si. Ensinamentos valiosos sobre a vida no além. CRISTIANISMO E ESPIRITISMO – Leon Denis O grande filósofo espírita Léon Denis faz um estudo comparativo entre o Cristianismo e o Espiritismo. Por meio do relato histórico da trajetória do Cristianismo, explica a maneira pela qual a simplicidade do Cristo foi esquecida, como a prática mediúnica e a tese reencarnacionista foram abolidas e como os rituais estabeleceram-se no culto cristão. Nova edição com projeto visual moderno e nova diagramação. SEGUE-ME!... – Pelo Espírito de Emmanuel – Psicografado por Francisco Cândido Xavier Emmanuel comenta inúmeras passagens do Novo Testamento sob a visão espírita. Páginas de conforto e esclarecimento que convidam o leitor a seguir Jesus por meio de seus ensinamentos.

Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

26


LINDOS CASOS DE CHICO XAVIER (edição colorida) – Ramiro Gama O autor, em suas constantes visitas ao medianeiro, efetuou um minucioso trabalho de pesquisa, pondo em relevo a excepcional personalidade de Chico Xavier. Esta obra contém 170 casos, muitos deles contados pelo próprio médium, relativos ao período de sua infância. Outros foram obtidos por amigos comuns e produto de uma incessante busca da verdade. A obra contém ainda 32 ilustrações em cores.

SUGESTÃO DE LEITURA JESUS NO LAR – Pelo Espírito de Neio Lúcio – Psicografado por Francisco Cândido Xavier Apresenta lições ensinadas por Jesus no círculo mais íntimo dos apóstolos. Através de narrativa singela, trata-se temas como amor ao próximo, valor do serviço, compaixão e educação. Demonstra que o Evangelho é mensagem atual, de fácil compreensão e acessível a todas as criaturas humanas. Acentua a necessidade de os homens reformarem-se interiormente. EVANGELHO EM CASA – Pelo Espírito de Meimei – Psicografado por Francisco Cândido Xavier Objetiva demonstrar a necessidade e a importância de cultivarmos os ensinamentos do Cristo aos familiares. Através da narração de cinco reuniões, apresenta a realização do Culto do Evangelho, desde o preparo, a leitura e os comentários até a prece final. Traz alguns contos que facilitam a compreensão do Evangelho pela criança. Obra destinada a toda a família. RELIGIÃO DOS ESPÍRITOS – Pelo Espírito de Emmanuel – Psicografado por Francisco Cândido Xavier Veicula estudo sobre a substância religiosa de O Livro dos Espíritos. Enfatiza que o primeiro livro da Codificação Kardequiana é "manancial rico de valores morais" e o marco da Religião dos Espíritos escrito sob a inspiração da sabedoria e do amor de Jesus.

HUMOR ESPÍRITA

Jornal Espírita de Uberaba – Nº 43 – Abril/2010

27


EDIÇÃO Nº 43