Page 1

O valor da opinião Echaporã/ Oscar Bressane/ Platina – junho / julho de 2010 – ANO I – N° 7 - R$ 1,00

O Em Dia conversou com exclusividade com a dupla Pedro Bento e Zé da Estrada. Página 12

3º Festival Cultural atrai 5 mil pessoas em Echaporã O dia 19 de junho de 2010, certamente, se tornará inesquecível para quem esteve no Estádio Municipal de Echaporã. Segundo dados da Polícia Militar, o gramado do campo de futebol recebeu, nada mais nada menos, que 5 mil pessoas de Echaporã e região para assistir aos shows das duplas Alan e Aladin,

em dia

A campanha do Metro Quadrado cumpriu seu objetivo: levantar fundos para reformar o piso da Igreja Nossa Senhora do Carmo, de Oscar Bressane. Os recursos necessários foram levantados e, durante o mês de junho, as obras foram feitas. Página 9

Ataíde e Alexandre e Pedro Bento e Zé da Estrada. Os portões foram abertos às 20 horas e, em pouco tempo, o campo ficou lotado. A primeira dupla a entrar no palco foi Alan e Aladin, que trouxe para Echaporã uma apresentação acústica, com dois violões e uma sanfona. Depois, foi a vez de Pedro Bento e Zé da Estrada

Escola municipal recebe sala de informática

No dia 10 de junho foi inaugurada a sala de informática da EMEF “Professora Ida Bonini Romero”. São 10 computadores novos que atenderão aos 430 alunos e 30 professores da escola, assim como estudantes e docentes da Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal (Anhanguera-UNIDERP). Página 5

mostrarem por que fazem sucesso há 55 anos. O encerramento ficou por conta de Ataíde e Alexandre. O 3º Festival Cultural de Echaporã foi realizado por meio de uma parceria entre prefeitura municipal e Ministério do Turismo, que liberou uma verba de R$ 100 mil para a produção do evento. Página 3

Echaporã na Copa

Em tempos de Copa do Mundo, a animação, nos dias de jogo da seleção brasileira, ficou por conta das torcidas organizadas. Página 4

em dia

Visão dos novos postes de iluminação na praça

Praça da Igreja Matriz passará por reformulação Um dos maiores símbolos de Oscar Bressane começou a passar por modificações. Durante o mês de junho, a iluminação da praça da Igreja Matriz foi reformulada. Novos postes foram instalados para proporcionar melhor luminosidade durante o período noturno. “Os que existiam eram muito antigos e a iluminação estava deficitária. A reforma foi necessária até para proporcionar mais segurança a quem costuma frequentar o local”, declara o prefeito Marcos Elias. Página 7 Sala de fisioterapia do Centro de Saúde é ampliada Conforto ao paciente e melhoria na qualidade dos serviços prestados, esses foram os objetivos atingidos pela reforma e ampliação da sala de fisioterapia do Centro de Saúde de Oscar Bressane. A revitalização do espaço foi uma iniciativa da Secretaria Municipal de Saúde e prefeitura e contou com ampliação da sala, revisão da parte elétrica, pintura e colocação de divisórias. Página 7

O Centro de Informações Turísticas de Echaporã será na antiga Casa do Trabalhador

Echaporã assina convênios para investimentos no turismo

A Prefeitura Municipal de Echaporã assinou dois convênios, com o governo federal, para a realização de obras de infraestrutura voltadas ao desenvolvimento do turismo na cidade. O primeiro é para a criação do Centro de Informações Turísticas de Echaporã, que ocupará a antiga Casa do Trabalhador, localizada na entrada principal do município. O imóvel passará por reformas e segundo a gerente municipal de Turismo, Maria Cláudia Alferes Sanches, 27, “os principais objetivos são adequação à crescente demanda do fluxo turístico e atendimento às necessidades das pessoas que já nos visitam”. Página 4

Saguão da prefeitura recebe exposição de peças em argila Quem passou na prefeitura de Echaporã, entre os dias 14 e 17 de junho, teve uma grata surpresa. O saguão de entrada do Paço Municipal recebeu a exposição de obras em argila, promovida pela Gerência Municipal de Cultura. “São peças produzidas pelos alunos da oficina de esculturas e modelagem [em argila] que trouxemos para o município”, relata Maria Sallete Tavares, gerente de Cultura, Lazer e Entretenimento de Echaporã. Página 5

Maria Magdalena, aluna do curso

Platina em dia

Oscar Bressane adquire caminhão basculante A frota municipal de Oscar Bressane ganhou um reforço de peso. O município adquiriu, por meio de um convênio com a Secretaria de Estado de Economia e Planejamento de São Paulo, um caminhão basculante, que será utilizado no setor de obras e serviços urbanos e rurais do município. O veículo é da marca Ford e tem capacidade para carregar até 13 toneladas de carga. Página 9

Platina inaugura unidade do CRAS O município de Platina inaugurou, na manhã do dia 2 de junho, uma unidade do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) – projeto federal que visa à prestação de serviços por meio de programas de proteção social básica às famílias e indivíduos. Página 11

Novas calçadas

A Prefeitura Municipal de Platina iniciou reformas nas calçadas e no estacionamento das ruas Maria Amélia de Azevedo, Sebastião Moreira da Rocha e Araceu Dias Payão. Os trechos que receberão as obras estão situados ao redor da Praça Nossa Senhora do Carmo. Página 11

Platina realiza 12ª Festa Junina Municipal No dia 16 de junho, a Praça Nossa Senhora do Carmo recebeu a comunidade para festejar. Foi lá que a prefeitura e o Fundo Social de Solidariedade realizaram a 12ª Festa Junina Municipal – evento tradicional de Platina, que recebe milhares de pessoas da cidade e região. Página 11


Rogério Fischer Deus e o Diabo

Divulgar, de modo imparcial, notícias e material jornalístico para, por meio da comunicação, contribuir com a qualidade de vida da comunidade, além de ser o elo de integração entre os municípios do Vale do Paranapanema, buscando sempre colaborar para o desenvolvimento social, econômico e cultural da região.

Ivo Renato Giroto

Pelo bem da humanidade, a ONU deveria financiar o trabalho de uma comissão suprapartidária a fim de que fosse localizado o energúmeno que criou o ditado segundo o qual futebol, política e religião não se discute. Uma vez identificado, o dito cujo seria levado ao Tribunal de Haia, para as providências cabíveis. Não consta que haja pena de morte na Corte Internacional de Justiça, nem seria necessário. Em vez de lhe cortar a cabeça, melhor fazer como os desbravadores norte-americanos tratavam quem aprontava alguma presepada no Velho Oeste: derramar no energúmeno um barril de piche e depois um saco de penas, para que atravesse os Países Baixos com aquele traje ridículo – evidentemente, num corredor polonês formado por tocadores de vuvuzela. Apenas um castigo desse naipe estaria à altura de tamanha asneira. Como não discutir futebol, política e religião se essas atividades tomam conta de nossas vidas e nos ocupam a maior parte do tempo? Afinal, não foi em nome da política que milhares de brasileiros torceram contra a seleção, em 1970, para que o tricampeonato não beneficiasse a ditadura de plantão? Para completar, sabiam que a maior rivalidade clubística do planeta, segundo pesquisa da CNN, se dá entre Celtic e Rangers, da Escócia? E sabem por quê? Por que um foi fundado por católicos; o outro, por protestantes. Perto deles, Corinthians x Palmeiras é brincadeira de criança. Celtic e Rangers se enfrentaram pela primeira vez em 28 de maio de 1888. Em 1909, num pega que reuniu 60 mil pessoas no Hampden Park, em Glasgow, houve uma briga que terminou com 180 mortos. Trata-se de uma discussão oportuna, principalmente por conta do que vem acontecendo na África do Sul. Pelo que se viu até agora, o primeiro Mundial da FIFA no continente africano está recheado de embates entre Ele e o Coisa Ruim, entre o sagrado e o profano. O vida torta Diego Maradona desembestou em falar borracha, na tentativa de atrair para si os holofotes que deveriam ser destinados aos jogadores. Para variar, cutucou Pelé, que, ao invés de ignorar olimpicamente, entra na dele e fica respondendo o que não deve. Aliás, não foram apenas os números 1 e 2 do futebol que tomaram chá de seringueira. Cruyff também entrou na roda. Ainda bem que existe um Beckenbauer para dignificar esse povo falastrão. No frigir dos ovos, o que faltou ao time de Dunga? Maior equilíbrio entre os santinhos e os endemoniados. Enquanto Robinho fez a parte dele, Kaká – o bom moço que idolatra aquele casal que adora colecionar bens para si e dívidas para a igreja – ficou devendo e muito. Os santinhos Elano e Ramirez foram colocados foram de combate, enquanto os diabinhos Luís Fabiano e Felipe Melo também ficaram aquém da expectativa. Fabuloso, que conseguiu usar o braço duas vezes na mesma jogada e, mesmo assim, ter validado o gol contra Costa do Marfim, sentiu falta de quem o municiasse. Felipe Melo brilhou no primeiro tempo contra a Holanda. Fez um lançamento magistral para Robinho abrir o placar, mas, na hora mais tensa do pega, o diabinho falou mais alto e o cara foi pro chuveiro depois de pisotear a perna do craque holandês. Com o desatino de Felipe, o Brasil perdeu – e o técnico Dunga, depois de excomungar a imprensa, ficou agora entre a cruz e a espada.

Arquiteto e Urbanista (UEL-Londrina) Especialista em Projeto Arquitetônico (UEL-Londrina) Máster Oficial em Teoria e História da Arquitetura (UPC-Barcelona) Doutorando em Teoria e História da Arquitetura (UPC-Barcelona)

Rogério Fischer é jornalista diplomado, palmeirense juramentado e blogueiro recém-convertido. Foi repórter, redator e editor da Folha de Londrina e editor-chefe de O Diário, em Maringá, Paraná.

expediente

peruc

Em Dia é uma publicação L.L. dos Santos Jornal – ME CNPJ 11.359.952/0001-12

ERUCA WWW.FLICKR.COM/PHOTOS/P PERUCAP@YAHOO.COM.BR 11 9429 5984

RODRIGO TERRA VARGAS RODRIGOTVARGAS@GMAIL.COM 11 9429 5984

Rua Brasil, 6, Sala 4 Sobreloja, CEP 19.830-000 Centro, Echaporã - SP Telefone 18 3356-1488 Diretora Luciene Lopes Diretor de redação Cesar Lopes MTB 05192/PR cesarlopes@jornalemdia.com Diretor de arte rodrigo terra vargas Fotos Arquivo Jornal Em Dia Aline Milani Representante comercial Lucas Totti 18 9775-0138 lucastotti@jornalemdia.com Revisão Laércio Alberto de Sousa sousalaercio@globo.com Tiragem 3.000 exemplares Circulação Echaporã, Oscar Bressane e Platina - SP Atendimento online contato@jornalemdia.com Impressão Gráfica Correio Mariliense Colaboração Prefeitura Municipal de Echaporã Prefeitura Municipal de Oscar Bressane Prefeitura Municipal de PLATINA Agradecimentos Ana Ribeiro, Rogério Fischer, Lucy in the Sky, Jean e Jonathan Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal.

"Só existem duas maneiras de fazer carreira em jornalismo. Construindo uma boa reputação ou destruindo uma." Tom Wolfe, escritor e jornalista.

N

a segunda edição do jornal Em Dia (janeiro de 2010), fizemos uma matéria sobre várias pontes que haviam caído no município de Oscar Bressane, devido às fortes chuvas ocorridas no período. Na ocasião, famílias ficaram isoladas, sem acesso à cidade e, consequentemente, sem conseguir chegar a hospitais, farmácias e outros pontos essenciais. Nossa publicação ouviu a população e foi atrás de respostas com o poder público. Falamos com o executivo do município, que relatou todas as providências que a prefeitura havia tomado para resolver o problema. Também nos explanou que estavam pleiteando verbas com a Casa Civil do Estado de São Paulo para a reconstrução de duas pontes de concreto, que haviam rodado com a força das águas. Imediatamente, o Em Dia entrou em contato com a Casa Civil e ouviu do sargento José Carlos Pereira Marino que o processo de reconstrução das pontes de Oscar Bressane começaria naquele mesmo mês. Todas essas informações foram publicadas na reportagem intitulada “Chuvas de dezembro causam prejuízos em Oscar Bressane”. Na terceira edição do jornal Em Dia (fevereiro de 2010), fizemos uma matéria sobre as casas populares que estão sendo

construídas em Echaporã. Na ocasião, as obras estavam paralisadas. Nossa publicação ouviu a população dizer que queria saber quando recomeçaria a edificação das casas. Falamos com o poder executivo do município, que nos explicou que a construção enfrentava problemas com blocos apresentados pela empresa que havia vencido a licitação. O material não havia passado pelo controle de qualidade da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU). O executivo também informou que as obras seriam retomadas imediatamente e que, apesar do atraso, a previsão para conclusão de parte das casas era final de 2010. Todas essas informações foram publicadas na reportagem intitulada “Começam as obras de 167 casas populares de Echaporã”. Na sexta edição do jornal Em Dia (maio de 2010), fizemos uma matéria sobre a estação de tratamento de esgoto abandonada no bairro da Barra Funda, em Echaporã. Na ocasião, o terreno apresentava muitos problemas, pondo em risco a integridade física dos moradores da região. Nossa publicação ouviu a população dizer que queria um posicionamento quanto às providências que seriam tomadas no local. Falamos com o poder executivo do município, que nos explicou que a prefeitura tinha planos para cons-

truir uma praça no espaço, mas que no momento não seria possível, pois a concessão do terreno pertencia a SABESP. Imediatamente, o Em Dia entrou em contato com o gerente divisional da SABESP, José Roberto Deszon, em Assis (SP), que declarou que a companhia não tinha interesse na área e que o departamento jurídico da empresa estava preparando uma notificação ao governo estadual, desistindo do terreno. Todas essas informações foram publicadas na reportagem intitulada “Sabesp pretende ceder terreno da antiga estação de tratamento de esgoto à prefeitura”. O jornalismo que o Em Dia se propõe a fazer é baseado no respeito, na ética e, principalmente, na responsabilidade (inerente e obrigatória a todos os veículos de comunicação) de sempre ouvir os dois lados da história. Nossos profissionais e colaboradores já passaram pelos principais meios de comunicação do país e sabem que, para realizar bem o seu ofício, não basta levantar questões, mas, sim, procurar soluções. O que nos guia, em nossa missão diária, é a oportunidade de poder contribuir na busca de respostas aos anseios da população. Acreditamos que só assim ajudaremos a criar uma sociedade mais justa. Boa leitura!

A cidade de todos Atualmente assistimos ao anúncio de grandes investimentos em reforma urbana nas grandes capitais brasileiras devido à Copa de 2014, às Olimpíadas do Rio de Janeiro em 2016 e à boa fase da economia nacional. Ainda que tudo isso pareça distante da realidade das pequenas cidades, pode ser interessante aproveitar a oportunidade para discutir também as transformações que queremos para nossas comunidades. As boas perspectivas do país somadas às mudanças na visão administrativa que temos hoje podem construir o alicerce da cidade do futuro. Provavelmente esse também seja o momento propício para que as pequenas cidades possam se reinventar. Devemos, portanto, estar preparados para aproveitar a boa colheita que se anuncia e não desperdiçar a chance de transformar o que já é bom em algo ainda melhor. A tranqüilidade e o clima amigável que marcam nossa convivência deve também refletir-se na cidade que utilizamos cotidianamente. Mas como definir a cidade que queremos? Como saber o que é melhor para ela e, conseqüentemente, para todos nós? As respostas para essas perguntas não são simples nem exatas, porém pode-se começar a reflexão a partir de outros questionamentos que devemos propor a nós mesmos. Pensar sobre como vivemos, o que nos faz falta no

dia-a-dia ou sobre o que gostaríamos que a cidade oferecesse, pode ser um bom começo. Como a cidade funciona atualmente está de acordo com a maneira como a utilizamos? Realmente necessitamos de ruas tão largas e calçadas tão estreitas? Talvez não seja por isso mesmo que, nas cidades pequenas, temos a ‘mania’ de andar no meio da rua e não na calçada, onde estaríamos mais seguros? E as crianças, que vivem atravessando as ruas despreocupadamente, estão protegidas com esse modelo? Temos tantos carros e tão poucos pedestres que justifiquem essa relação tão desigual? Aliás, precisamos tanto do carro em cidades em que as distâncias são tão curtas? E as bicicletas, por onde elas trafegam? Da mesma maneira, como estão os espaços públicos de nossas cidades? Utilizamos as praças, calçadões ou equipamentos esportivos como poderíamos? Por que construímos muros tão altos? De quem precisamos nos proteger, afinal? Assim como nos exemplos dados acima, existem inúmeros outros aspectos que fazem parte do nosso dia-a-dia e que poderiam ser temas de debate. O importante é observar quais são as vantagens de se viver em uma cidade pequena, refletir sobre elas e questionar se atualmente atende nossas necessidades e costumes. Essa atitude poderia ajudar a definir linhas de atuação que possi-

bilitem potencializar essas virtudes e melhorar a qualidade de vida de todos. Dessa maneira poderíamos ajudar o poder público a elaborar um planejamento que viabilize a construção da cidade que a comunidade idealiza. Se as perguntas e repostas podem ser várias e específicas, segundo as necessidades e anseios de cada cidade, o objetivo é muito claro e comum a todos: estimular a convivência entre os habitantes e privilegiar a vida em comunidade. É essa característica que incentiva o respeito entre as pessoas, que possibilita com que um cuide do outro, que aumenta a segurança da população. E esse contato acontece principalmente nos espaços de uso comum, em território de todos, e que por isso devem ser bons, dignos e atrativos. Para que o futuro das nossas cidades possa ser melhor que o presente, devemos projetá-lo em comunidade, da mesma forma como compartilhamos o dia-a-dia. A cidade de todos só poderá existir com a participação e o empenho de todos.

3º Festival Cultural atrai 5 mil pessoas em Echaporã

echaporã

Evento reuniu as duplas Alan e Aladin, Ataíde e Alexandre e Pedro Bento e Zé da Estrada

Títulos...

A equipe echaporaense de levantamento de peso sagrou-se campeã paulista, em torneio realizado em São Carlos (SP), em 12 de junho. José Augusto Lanzi, 53, foi campeão na categoria máster, com 150 kilos, além de ter sido escolhido o melhor atleta.

...e mais títulos.

Entre os competidores que pesavam de 67,5 a 75 kilos, na categoria adulto, Élcio Zafret, 27, foi o vencedor ao levantar 140 kilos e José Augusto da Silva, 28, venceu o torneio ao erguer 185 kilos, entre os competidores que pesavam de 75 a 82,5 kilos. Élcio e José Augusto também levaram o prêmio top doble, dado a quem consegue levantar duas vezes o próprio peso.

Mundial

Os próximos objetivos dos atletas são o campeonato brasileiro, que ocorrerá em setembro e o mundial, em outubro.

bressane Brincadeira...

A Prefeitura Municipal de Oscar Bressane adquiriu vários brinquedos para as crianças da Escola Municipal de Educação Infantil e da Creche Municipal.

...de criança

No pacote, uma casa com balanços, escorregador, gangorras e um pau-desebo, além de material para preencher a piscina de bolinhas dos alunos.

Educação física infantil

Também foram adquiridos equipamentos para auxiliar as aulas do educador físico Luiz Henrique (Zequinha). Os aparelhos ajudarão as crianças no desenvolvimento do equilíbrio e da coordenação motora.

Platina

Máquina pesada

A frota municipal está mais forte. Acaba de chegar a Platina uma retroescavadeira zero-quilômetro.

Convênio

O equipamento chegou por meio de um convênio assinado pelo prefeito Manoel Possidônio, em maio. A verba veio da Secretaria da Casa Civil do Estado de São Paulo. O veículo será usado para serviços rurais e urbanos.

Município receberá verbas para reforma do passeio público A Prefeitura Municipal de Echaporã assinou convênio para receber recurso de R$ 102,5 mil, proveniente do Ministério das Cidades, que será utilizado para construção de calçadas. As obras fazem parte do programa municipal de reforma e construção do passeio público da cidade. Segundo o projeto da prefeitura, serão priorizados os locais que ainda não possuem calçamento. O Conjunto Habitacional “Albino Villa” será o primeiro bairro a ter calçadas construídas. A previsão para início das obras é de três meses.

Asfalto A prefeitura também assinou convênio para recapeamento de trechos das ruas Espírito Santo, João Paglione e avenida Paraguaçu. O acordo foi firmado com a Secretaria Estadual de Economia e Planejamento, que vai liberar R$ 150 mil para a execução das obras. Ao todo, serão reformados 7. 790 metros quadrados de asfalto. As obras de ‘recape’ devem começar em 30 dias.

Público assistindo a apresentação da dupla Alan e Aladin O dia 19 de junho de 2010, certamente, se tornará inesquecível para quem esteve no Estádio Municipal de Echaporã. Segundo dados da Polícia Militar, o gramado do campo de futebol recebeu, nada mais nada menos, que 5 mil pessoas de Echaporã e região para assistir aos shows das duplas Alan e Aladin, Ataíde e Alexandre e Pedro Bento e Zé da Estrada. Os portões foram abertos às 20 horas e, em pouco tempo, o campo ficou lotado. Pessoas de todas as idades dividiam o espaço sob um céu limpo e estrelado. A dona de casa Marilene Miguel Ferreira, 35, esteve presente com o marido Luiz Ferreira e os três filhos: Jean, Giovani e Thainara. Ela conta que dançou, pulou e cantou o tempo todo e que o show de que mais gostou foi Alan e Aladin. “Estava uma noite muito agradável, bom para passear com as crianças. [Alan e Aladim] cantaram músicas de seu repertório e de outros cantores que estão fazendo sucesso. Foi legal porque todo mundo conhecia as canções”, diz Marilene.

Duplas A primeira dupla a entrar no palco foi Alan e Aladin, que trouxe para Echaporã uma apresentação acústica, com dois violões e uma sanfona. Isso não tirou a animação dos cantores, que divertiram o público com boa música e muitas imitações de colegas como Cezar (da dupla Cezar e Paulinho) e

o cantor Daniel. Depois, foi a vez de Pedro Bento e Zé da Estrada mostrarem por que fazem sucesso há 55 anos. Acompanhados por uma banda, devidamente vestida com trajes de mariachis mexicanos, Pedro Bento, 76, e Zé da Estrada, 81, pareciam garotos diante do público. Dançaram, pularam, contaram ‘causos’ e fizeram

o que fazem melhor: cantaram como nunca. Não é a primeira vez que os cantores estiveram na cidade. Na década de 1950, se apresentaram em um circo que, de tanta gente que recebeu, não suportou a lotação e veio abaixo (veja reportagem na página 12). No show do dia 19, ninguém conseguiu ficar imune ao talento e simpatia dessa dupla. Maria Sallete Tavares, gerente de Cultura, Lazer e Entretenimento do município, diz que adorou a apresentação de Pedro Bento e Zé da Estrada. “Foi uma noite de doces lembranças. Eles fizeram o público delirar. Conseguiram criar momentos de integração entre todos da platéia”, completa. O encerramento ficou por conta de Ataíde e Alexandre. Parte do público já tinha ido embora por causa do ‘adiantado’ da hora, o que não tirou o entusiasmo da dupla que cantou sucessos como Fingindo Dormir, A que Ponto Cheguei e Você Marcou pra Mim. O 3º Festival Cultural de Echaporã foi realizado por meio de uma parceria entre prefeitura municipal e Ministério do Turismo, que liberou uma verba de R$ 100 mil para a produção do evento.


Produtores rurais de Echaporã participam de ciclo de palestras Turma da Solange se preparando para mais uma partida

Que venha 2014

Em Echaporã, não faltou torcida para o time nacional na África do Sul

Ao chegar a Echaporã, uma das primeiras imagens que chamam a atenção é a Bandeira Nacional, no alto do mastro, tremulando ao bom e velho vento da cidade. Em tempos de Copa do Mundo, essa imagem se espalhou. As bandeiras foram vistas nas varandas das casas, em mastros improvisados, nos carros ou pintadas no asfalto. As bandeirolas também marcaram presença cobrindo o forro de vários comércios e cruzando as ruas, dando um ar diferente a todo o município. Na tradicional sorveteria da praça, o verde predomina no ambiente, onde fitas nas cores verde, amarelo, azul e branco, presas ao teto, pareceram formar uma intensa e constante chuva. O proprietário João Shinki Filho, 20, diz

que as decorações temáticas são uma estratégia de marketing, “só de ter uma decoração diferente já chama a atenção das pessoas, elas entram aqui, comentam na rua, dali a pouco vem mais gente para ver e acaba aumentando o movimento e, consequentemente, as vendas”, garante o empresário. Nas escolas do município, o verde e o amarelo deram o tom dos pátios e salas de aula. Até as tradicionais bandeirinhas juninas receberam as duas cores. As feras do mundial formaram os painéis da torcida da EMEI “Pingo de Gente”, enquanto, na EMEF “Professora Ida Bonini Romero”, os painéis foram formados pelas bandeiras dos países participantes da Copa da África do Sul

e recortes de jornais, com informações sobre o mundial, cobriram as paredes do corredor principal do prédio. Mas a animação, nos dias de jogo da seleção brasileira, ficou por conta das torcidas organizadas. Uma que se destacou em Echaporã foi a Turma da Solange, “com a ajuda dos vizinhos Lela e Nelson da Pensão”, diz a professora Solange Garcia, 49. Essa é a segunda Copa em que ela pintou a Bandeira Nacional em frente à sua casa. Momentos antes do apito inicial das partidas, uma verdadeira multidão se concentrava em frente à TV. “Foi gente de todo o lado, um avisava o outro... quem estava perdido na rua e passou aqui, foi muito bem-vindo”, garante Solange.

Com o objetivo de promover capacitação dos produtores rurais de Echaporã, a Gerência Municipal do Meio Ambiente e Empreendedorismo promoveu, no dia 16 de junho, um ciclo de palestras. As conferências se realizaram no Anfiteatro da Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) “Professora Ida Bonini Romero”, que recebeu Fábio Henrique Alves de Sousa, engenheiro agrônomo da Fundação Instituto de Terras do Estado de São Paulo (ITESP), e Antônio Scalpo, presidente da Associação dos Apicultores de Marília e Região. Fábio Henrique explanou para os ruralistas de Echaporã sobre dois projetos federais de apoio aos pequenos agricultores: o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF) – que possibilita criar créditos para

fortalecer as atividades desenvolvidas pelo produtor – e o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), que visa a incentivar a agricultura familiar, compreendendo ações vinculadas à distribuição de produtos agropecuários. O segundo palestrante foi Antônio Scalpo. O presidente da Associação de Apicultores de Marília e Região explicou a importância de os produtores rurais se organizarem em associações para se fortalecerem. Também falou sobre a necessidade da criação de um local para os apicultores beneficiarem os seus produtos. Segundo levantamento realizado pela Gerência Municipal do Meio Ambiente e Empreendedorismo, Echaporã possui 11 apicultores. Ao todo, 50 ruralistas participaram das palestras.

Saguão da prefeitura recebe Escola municipal recebe sala de informática exposição de peças em argila Espaço também contará com dois projetores e telões para aulas à distância Obras são dos alunos que frequentaram as aulas da oficina de esculturas e modelagem promovida pela Gerência Municipal de Cultura

Quem passou na prefeitura de Echaporã, entre os dias 14 e 17 de junho, teve uma grata surpresa. O saguão de entrada do Paço Municipal recebeu a exposição de obras em argila, promovida pela Gerência Municipal de Cultura. “São peças produzidas pelos alunos da oficina de esculturas e modelagem [em argila] que trouxemos para o município”, relata Maria Sallete Tavares, gerente de Cultura, Lazer e Entretenimento de Echaporã. Ao todo, foram 60 obras expostas e a mostra contemplou esculturas de todos os alunos que participaram das aulas.

Aprendizado O curso foi realizado de 15 de abril a 24 de junho, no Centro de Convivência

do Idoso (CCI). A dona de casa, Maria Magdalena Corrêa Shigemura, 59, que nunca havia pensado em fazer esculturas, não perdeu uma aula. “Quando me deparei com o monte de argila [para modelagem], achei que não conseguiria fazer nada, mas fui modelando, modelando e não é que saiu alguma coisa!”, declara surpresa. Para ela, as aulas foram muito além do aprendizado da arte de modelar. “Hoje, quando vejo uma estátua ou um busto numa praça, consigo entender as dificuldades que o artista teve para realizar aquilo”, constata. O curso foi realizado em parceria com a Associação Amigos das Oficinas Culturais do Estado de São Paulo (ASSAOC) – órgão responsável pela realização de oficinas culturais por todo o Estado.

Os alunos da Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) “Professora Ida Bonini Romero”, em Echaporã, ganharam um importante aliado para auxiliar o aprendizado. No dia 10 de junho foi inaugurada a sala de informática da instituição. São 10 computadores novos que atenderão aos 430 alunos e 30 professores da escola, assim como estudantes e docentes da Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal (Anhanguera-UNIDERP). Os equipamentos são provenientes do Programa Nacional de Tecnologia Educacional (ProInfo), projeto federal que tem como objetivo promover o uso pedagógico da informática na rede pública de educação básica. Além dos equipamentos, a escola também receberá recursos digitais e conteúdos educacionais. Os pri-

meiros contatos com o Ministério da Educação foram realizados pelo secretário da Diretoria Municipal de Educação, André Soares de Freitas, 26, que lembra que “sempre fui muito bem atendido e o pessoal do Ministério [da Educação] entendeu a necessidade de implantação da uma sala de informática para ajudar o ensino municipal”. Todas as máquinas têm acesso à internet e chegaram prontas e equipadas para os alunos navegarem na rede. A escola também recebeu dois projetores e dois telões que vieram por meio da parceria da prefeitura municipal com o Curso Osvaldo Cruz (COC), de Ribeirão Preto (SP), e estão vinculados ao Núcleo de Apoio à Municipalização do Ensino (NAME) – projeto que visa à melhoria da qualidade dos sistemas de ensino público. Os equipamentos serão de uso exclusivo dos professo-

res e transmitirão palestras e cursos de capacitação para os docentes.

Laboratórios tecnológicos 20 computadores conectados à internet, duas impressoras, dois telões com respectivos projetores e equipamento de áudio e vídeo, incluindo duas TVs LCD de 42 polegadas, é com toda essa tecnologia que os alunos do ensino municipal de Echaporã poderão contar em breve. O município foi contemplado com duas salas do Centro de Atendimento Tecnológico de Inclusão Social (CATIS), que chegarão por meio de um convênio assinado com o Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). As salas serão instaladas na EMEF “Professora Ida Bonini Romero” e a previsão é de que os equipamentos estejam à disposição dos alunos até o fim de 2010.

opinião

O que a população de Echaporã acha da pista de caminhada?

Echaporã assina convênios para investimentos no turismo A Prefeitura Municipal de Echaporã assinou dois convênios, com o governo federal, para a realização de obras de infraestrutura voltadas ao desenvolvimento do turismo na cidade. O primeiro é para a criação do Centro de Informações Turísticas de Echaporã, que ocupará a antiga Casa do Trabalhador, localizada na entrada principal do município. O imóvel passará por reformas e segundo a gerente municipal de Turismo, Maria Cláudia Alferes Sanches, 27, “os principais objetivos são adequação à crescente demanda do fluxo turístico e atendimento às necessidades das pessoas que já nos visitam”. O local também funcionará como ponto de exposição do artesanato produzido no município e divulgação dos futuros roteiros rurais e de aventura, como rapel e cascading. “A localização do prédio é ponto estratégico para receber e apresentar nosso potencial turístico a visitantes e moradores, organizando e destacando de forma correta as belezas naturais de Echaporã”, complementa a gerente.

Infraestrutura O Recinto de Rodeios “José Ramazoti” também passará por reformas. Assim como o Centro de Informações Turísticas, o Recinto receberá verbas provenientes do Ministério do Turismo e será adequado para receber os mais diversos tipos de eventos. “Além de rodeios e shows musicais, poderemos promover feiras agropecuárias para movimentar a economia da cidade”, avalia o prefeito de Echaporã, Osvaldo Bedusque.

“A gente encontra pessoas de toda idade caminhando aqui, de criança a idoso. Ficou bem seguro, muito bom”. * Dora Roldon Sonsim, 59, dona de casa.

“Ficou muito bom, pena que é muito curta, podiam estender mais. Em termos de segurança melhorou muito. Quando consigo sair cedo de casa, caminho aqui e na estrada até completar 6 km, mas quando saio mais tarde, faço a caminhada toda aqui na pista por causa da segurança”. * Ducelene Abolis, 46, autônoma.

“Demorou para ficar pronta: fazia, chovia e desmanchava, mas agora ficou muito bom, todo dia tem gente andando aqui”. * Dona Raquel Nunes de Almeida, 92, mora em frente à pista e acompanhou toda a obra.

“A gente anda todos os dias, 40 minutos. Ficou muito boa, está bem movimentada, mas se a pista fosse maior seria melhor ainda”. * Ana de Freitas Neves, 65, dona de casa.


Bressane

Echaporã em alta Em alta, em junho, o 3º Festival Cultural de Echaporã, que reuniu as duplas Alan e Aladin, Pedro Bento e Zé da Estrada e Ataíde e Alexandre. Os shows atraíram mais de 5 mil pessoas de Echaporã e região e agradou a todas as gerações. Para Maria Sallete Tavares, gerente de Cultura, Lazer e Entretenimento do município, “quem assistiu às apresentações, no dia 19 de junho, fez uma retrospectiva de lembranças e encantamento. As duplas conseguiram proporcionar momentos de congraçamento com toda a platéia, como se jovens e pessoas mais velhas tivessem a mesma idade”. A tradicional Festa Junina Municipal também esteve em alta, com direito a quadrilha, quentão, vinho quente, pipoca e um concorrido bingo. Fotos Arquivo jornal em dia

Praça da Igreja Matriz passará por reformulação Novos postes de iluminação já foram instalados e mais obras estão previstas

1.

2.

3. 2.

1.

Postes fazem parte de projeto de remodelação da praça

Um dos maiores símbolos de Oscar Bressane começou a passar por modificações. Durante o mês de junho, a iluminação da praça da Igreja Matriz foi reformulada. Novos postes foram instalados para proporcionar melhor luminosidade durante o período noturno. “Os que existiam eram muito antigos e a iluminação estava deficitária. A reforma foi necessária até para proporcionar mais segurança a quem costuma frequentar o local”, declara o prefeito Marcos Elias. As obras foram realizadas por meio de uma verba liberada pelo Ministério do Turismo e fazem parte de um plano maior, que vai levar mais mudanças à praça. O projeto é dos

arquitetos Ivo Renato Giroto, 29, e Gabriela Nogueira Berrocal e pretende unir o “novo ao antigo, sempre preservando a memória do local”, esclarece Ivo. Ele revelou que era um sonho pessoal trabalhar em um projeto que envolvesse uma praça pública. “É muito estimulante e, ao mesmo tempo, exige muita responsabilidade, pois envolve um ponto de encontro tradicional da comunidade”, analisa. Ivo é natural de Oscar Bressane e se diz “muito feliz por trabalhar na cidade em que nasci e cresci”. No projeto, o traçado original da praça será preservado. Os postes que foram colocados na praça seguem o estilo europeu e muitas das ideias que

serão aplicadas no espaço sofreram influência do tempo em que o arquiteto morou na Espanha. Outra modificação é que o calçadão será integrado à praça, proporcionando mais espaço para a população circular pelo local. As obras estão previstas para começar na primeira quinzena de julho.

Trajetória Ivo Renato Giroto é formado em arquitetura pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Morou na Espanha, onde concluiu o mestrado na Universidade Politécnica da Catalunha (UPC). Atualmente, vive no Brasil e faz doutorado também pela UPC.

Sala de fisioterapia do Centro de Saúde é ampliada Espaço passa por reformas e recebe novos equipamentos Conforto ao paciente e melhoria na qualidade dos serviços prestados, esses foram os objetivos atingidos pela reforma e ampliação da sala de fisioterapia do Centro de Saúde de Oscar Bressane. A revitalização do espaço foi uma iniciativa da Secretaria Municipal de Saúde e prefeitura e contou com ampliação da sala, revisão da parte elétrica, pintura, colocação de divisórias, assim como acesso para pessoas portadoras de necessidades especiais. “[Com as divisórias] os pacientes terão mais privacidade na hora do tratamento, além do que, os profissionais envolvidos passarão a contar com melhores condições de trabalho”, analisa o diretor municipal de Saúde, Antonio Romano, 29, o Papinha. O objetivo da fisioterapia é atuar na prevenção, cura ou reabilitação da capacidade física das pessoas. Também procura melhorar a qualidade de vida e a autoestima dos pacientes. Os tratamentos oferecidos pelo Centro de Saúde atendem a toda a população e estão vinculados ao programa Saúde da Família. Além da reforma, a sala recebeu novos equipamentos para auxiliar os tratamentos. “É importante que o profissional conte com as melhores condições de trabalho possíveis, porque, consequentemente, a comunidade será mais bem atendida”, analisa o prefeito Marcos Elias. O Centro de Saúde de Oscar Bressane conta com uma fisioterapeuta, que entre consultas e atendimentos, chega a receber uma média de 400 pacientes por mês.

4.

5.

6. 1 – Marco Antonio Gazeta e Márcia Alves de Oliveira Gazeta • 2 – Luis Antônio da Silva Lira e Fátima Marina Ferreira Lira • 3 – Os produtores do evento Regina Valério, da Companhia Brasil Show, e Mauro Caneto • 4 – As irmãs Lucimara e Marinês Ribeiro dos Santos com a dupla Alan e Aladin • 5 – José Alcântara da Silva Neto e Maria Cecília Sonsim Alcântara • 6 – Crianças dançam quadrilha na tradicional Festa Junina Municipal

só no jornal em dia você compra, vende, troca e exibe produtos novos e usados grátis Mande seu anúncio para classificados@jornalemdia.com ou ligue para (18) 3356-1488

COM ELE, AS OBRAS, A SAÚDE E A EDUCAÇÃO NÃO FALHAM. EMPLAQUE SEU VEÍCULO EM OSCAR BRESSANE.

CRIAR é crescer CRESCER é fazer Oscar Bressane-SP/ADM. 2009-2012

GOVERNO DE OSCAR BRESSANE


Bressane

Bressane Ponto de Cultura promove a 1ª Mostra Cultural do Município de Oscar Bressane

CANE desenvolve projeto para pessoas com deficiência intelectual

Além da conquista de um veículo zero-quilômetro, prefeitura reforma outro com recursos próprios

“Aparentemente ficou boa, está mais moderna, mas ainda tem que cortar as árvores, aí, sim, vai melhorar”. * Rinaldo Volcean (Biduca), 63, aposentado.

“Gostei, está muito linda! Antes era meio escuro, agora ficou muito mais bonita”. * Maria Aparecida Ribeiro, 55, doméstica.

LIMPEZA

Produção de artesanato é utilizada como terapia Despertar o interesse contínuo e desenvolver a atenção e a concentração das pessoas portadoras de deficiência intelectual, estes são os principais objetivos do projeto Sementes do Amanhã, desenvolvido pela equipe do Centro de Atendimento às Necessidades Especiais (CANE), de Oscar Bressane. O programa ensina, entre outras coisas, a confeccionar artesanato com sementes, cascas e raízes de plantas. “Tudo aquilo que a natureza não usa mais serve para a gente como matéria prima, na produção de vasos e quadros”, destaca a fonoaudióloga Juliana Sandoval, 36, coordenadora do projeto. Todas as etapas do trabalho se tornam diversão e aprendizado. No Bosque Municipal de Marília, a turma recolhe as cascas das sementes, ao mesmo tempo em que aprende, com uma monitora do local, a que árvores o material pertence e todo o ciclo pelo qual passou, até ser descartado pela natureza. Depois, a matéria-prima é lavada, vai para a secagem e, em seguida, é tingida para ser utilizada na confecção das obras.

Resultados “O que eu mais gosto é de montar as peças, eu nunca achei que a semente pudesse virar um vaso ou quadro”, declara Gislaine Fátima de Souza, 22, participante do programa. As peças foram expostas recentemente durante o projeto Revelando Talentos. “Fizeram o maior sucesso. É um trabalho diferente... eu me senti importante porque todo mundo gostou”, conta Roberta Aparecida da Silva, 23, aluna do CANE. Além da parte psicopedagógica, a meta do projeto é gerar uma fonte de renda para seus participantes.

Oscar Bressane adquire caminhão basculante

O que a população de Oscar Bressane acha da nova iluminação da praça?

Assine aqui

--------------------------------------------------

A comunidade de Oscar Bressane pôde conferir de perto o resultado de um importante projeto do município. O Ponto de Cultura “Casa Albertina de Rossi Martinhão” promoveu, entre os dias 30 de junho e 2 de julho, a 1ª Mostra Cultural do Município de Oscar Bressane. Na programação, exposição de artesanato, apresentações de peças teatrais, poesias e música, tudo apresentado pelos alunos que fazem parte das oficinas oferecidas pelo Ponto. Na abertura, mais de 20 alunos, orientados pela professora de teatro, Leila Moreira da Silva, 54, declamaram poesia e apresentaram três mini peças infantis. A segunda noite foi marcada pela diversidade musical, com mais de 25 apresentações. As crianças da professora de música, Paula Rabelo, mostraram um repertório que foi do clássico ao forró, passando pela MPB e sertanejo. Coral e instrumentos como piano, teclado, flauta e percussão expressaram a versatilidade da turma. Na última noite, o sanfoneiro deu o tom da festança. Barracas de pipoca, quentão, vinho quente, cuscuz, milho cozido e muitas outras delícias não deixaram ninguém de barriga vazia.

opinião

A Prefeitura está fazendo a parte dela. Mas, infelizmente, algumas pessoas insistem em jogar restos de animais mortos no aterro sanitário. Esta atitude lamentável atrai ratos, baratas e outros animais peçonhentos, causando riscos de diversas doenças, sem falar do cheiro forte que acaba invadindo nossas casas. É hora de mostrar o lado que queremos para Bressane. Vamos todos, por uma Bressane mais limpa e feliz.

“A nova iluminação clareou um pouco mais a praça, mas as copas das árvores ainda atrapalham. É preciso melhorar o paisagismo para surtir melhor efeito”. * Padre Marcelo Martins Barreto.

Novo caminhão basculante de Bressane

A frota municipal de Oscar Bressane ganhou um reforço de peso. O município adquiriu, por meio de um convênio com a Secretaria de Estado de Economia e Planejamento de São Paulo, um caminhão basculante, que será utilizado no setor de obras e serviços urbanos e rurais do município. O veículo é da marca Ford e tem capacidade para carregar até 13 toneladas de carga. “A chegada [do caminhão] foi importante, pois irá otimizar os trabalhos. Vamos conseguir transportar mais material, diminuindo assim a quantidade de viagens e, consequentemente, o tempo necessário para finalizarmos uma obra ou serviço”, analisa Marcos Elias, prefeito municipal.

O caminhão, que possui acionamento hidráulico da caçamba por dois pistões, representando maior segurança e menos risco de tombamento da caçamba, foi entregue à população no dia 8 de junho.

Reforma O novo caminhão veio fazer companhia ao que a prefeitura já possuía e que passou por reformas em 2010. O veículo teve a parte mecânica revisada e recondicionada, estofamento trocado e pintura nova realizados com recursos do próprio município. O prefeito diz que “[o caminhão] ficou praticamente novo e será muito útil no dia a dia de Oscar Bressane”.

LIXÃO Assine aqui Piso da igreja sendo reformado

A PREFEITURA FOI NOTIFICIADA A PAGAR UMA MULTA. E O DINHEIRO SAI DO SEU BOLSO. VAMOS COLABORAR.

GOVERNO DE BRESSANE, TRABALHANDO PELA SAÚDE DA NOSSA CIDADE.

Piso da Igreja Nossa Senhora do Carmo é trocado A campanha do Metro Quadrado cumpriu seu objetivo: levantar fundos para reformar o piso da Igreja Nossa Senhora do Carmo, de Oscar Bressane. Os recursos necessários foram levantados e, durante o mês de junho, as obras foram feitas. “Nós oferecemos à comunidade carnês no valor de R$ 120 para ajudar na empreitada. Este valor foi estipulado por ser equivalente a um metro quadrado de piso instalado”, diz o padre Marcelo Martins Barreto, um dos organizadores da campanha. Dos 427 carnês oferecidos só restaram 73 e o pároco ainda tentará comercializá-los “para que possamos arrecadar mais contribuições e, consequentemente, melhorar ainda mais o local para os fiéis”, constata. Além do piso, a Igreja recebeu novas portas. Padre Marcelo explica que “as [portas] antigas estavam muito desgastadas e não ofereciam tanta segurança”. Em 2009, o telhado da Igreja Matriz de Oscar Bressane também foi refeito, com troca de telhas e reforço no madeiramento. Quem quiser contribuir ainda dá tempo. Para adquirir o carnê, basta se dirigir à Secretaria da Casa Paroquial, que fica na avenida José Manzano Garcia, 286, ou procurar o Carlos Alberto Garcia, o Bel, na prefeitura.


Platina em dia

Bressane Platina inaugura unidade do CRAS

Platina realiza 12ª Festa Junina Municipal

Thiago e Welton tocando na 12° Festa Junina de Platina

Bressane em alta 1.

2.

Em alta, a inauguração do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) – projeto federal que visa à prestação de serviços por meio dos programas sociais de transferências de renda. Também em alta, a 1ª Mostra Cultural do Município de Oscar Bressane, que divulgou ao município o resultado do trabalho desenvolvido pelo Ponto de Cultura “Casa Albertina de Rossi Martinhão”. No encerramento da Mostra, um animado ‘arraiá’.

3.

Fotos Arquivo jornal em dia

O vice-prefeito Marcio Miguel de Carvalho, o diretor da DRADES, Hélio Beneti, o prefeito Manoel Possidônio e a primeira dama, Vânia Aparecida Corrêa Possidônio, na inauguração do CRAS O município de Platina inaugurou, na manhã do dia 2 de junho, uma unidade do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) – projeto federal que visa à prestação de serviços por meio de programas de proteção social básica às famílias e indivíduos. A equipe da unidade de Platina contará com a coordenadora Eliane Teixeira Milico, a assistente social Neubs Aparecida de Souza, a psicóloga Maria do Carmo Garrigos, a escriturária Rosilda Maria do Santos, além da primeira-dama do município e diretora do Serviço Social e presidente da Associação de Assistência ao Menor de Platina (AMPLA), Vânia Aparecida Corrêa Possidônio. “O CRAS chegou para auxiliar os programas de transferência de renda, como Bolsa Família, Renda Cidadã e Ação Jovem”, explica Vânia. O trabalho desenvolvido pelo CRAS se utiliza das orientações do Programa de

No dia 16 de junho, a Praça Nossa Senhora do Carmo recebeu a comunidade para festejar. Foi lá que a prefeitura e o Fundo Social de Solidariedade realizaram a 12ª Festa Junina Municipal – evento tradicional de Platina, que recebe milha-

res de pessoas da cidade e região. O evento teve início às 19 horas, com apresentações típicas dos alunos da rede municipal de ensino e da Associação de Assistência ao Menor de Platina (AMPLA). A quadrilha ficou por conta da turma do programa

Conviver na Melhor Idade e dos professores das escolas municipais. Quentão, vinho e chocolate quentes foram distribuídos de graça para esquentar a noite, assim como pipoca, bolos e outros pratos típicos. Quem esteve lá ainda pôde assistir a um show da dupla sertaneja universitária Thiago e Welton, que cantaram músicas próprias e sucessos de outros cantores. A festança foi organizada com recursos da própria prefeitura e contou com doações de toda a comunidade. O prefeito Manoel Possidônio diz que “[a festa] não teria se realizado sem a colaboração e as doações dos empresários e proprietários rurais e sem a dedicação dos funcionários municipais na organização do evento”.

Atenção Integral à Família (PAIF), que expressam um conjunto de ações relativas à informação, orientação e inserção em serviços da assistência social e promoção da melhoria da renda. Os objetivos do PAIF são contribuir para a prevenção e o enfrentamento de situações de vulnerabilidade e risco social, fortalecer os vínculos familiares e comunitários e promover aquisições sociais e materiais às famílias, para fortalecer a autonomia da comunidade. Para isso, as pessoas assistidas pelos programas sociais federais ou estaduais receberão capacitação para obterem sua própria renda, por meio de cursos profissionalizantes. O primeiro curso oferecido é de artesanato e a primeira-dama enfatiza que “já estamos viabilizando outros [cursos], que em breve estarão disponíveis na unidade”. A sede do CRAS, em Platina, fica na rua Maria Felício Gonçalves, 253.

4. A Prefeitura Municipal de Platina iniciou reformas nas calçadas e no estacionamento das ruas Maria Amélia de Azevedo, Sebastião Moreira da Rocha e Araceu Dias Payão. Os trechos que receberão as obras estão situados ao redor da Praça Nossa Senhora do Carmo. O muro de contensão dos canteiros da praça também será restaurado. Os trabalhos já foram iniciados e a previsão é que sejam concluídos até a primeira quinzena de agosto.

Obras nas piscinas continuam a todo vapor. Primeiro grande evento realizado no local será o Baile do Havaí em novembro 1 – Inauguração do CRAS • 2 – Coral formado por alunos de música do Ponto de Cultura Foto • 3 – Crianças dançando quadrilha no Arraiá do Ponto • 4 – Público assiste as apresentações da 1ª Mostra Cultural do Município de Oscar Bressane • 5 – Alcides e Malfair posam para foto no Arraiá da Thuia.

5. TELEFONE: (14) 9789-9056

loading... jornal

OSCAR BRESSANE - SP

7.

.com

Em breve Em Dia online Todas as notícias de sua cidade em tempo real. vídeos, fotos, reportagens exclusivas e muito mais.


O México é aqui O Em Dia conversou com exclusividade com a dupla Pedro Bento e Zé da Estrada e descobriu que o México é aqui

Fotos Arquivo jornal em dia

Os velhos mariachis em ação Foi tudo em cima da hora. O aval do Ministério do Turismo para a realização do 3º Festival Cultural de Echaporã só chegou às seis da tarde do dia 16 de junho. Segundo os prazos estipulados pelo Ministério, todo o evento teria que ser organizado em três dias. No dia 19 de junho, a região assistiria a várias apresentações musicais, entre elas Pedro Bento e Zé da Estrada, uma das duplas sertanejas com mais tempo em atividade no país. Foi nesta data que o Em Dia encontrou os velhos trovadores. Conversar com Pedro Bento e Zé da Estrada, ou Joel Antunes Leme, 76, e Waldomiro de Oliveira, 81, é um verdadeiro passeio pela história da música

“A vocação vem de família. Meus avós já cantavam e os pais deles também” popular brasileira. Com 55 anos de carreira, os cantores sustentam a impressionante marca de 100 discos de vinil, 30 LPs 78 rotações, 28 CDs e, pasmem, 400 compactos simples. O interesse pela música “veio do berço”, como disse Pedro Bento. “Quando eu era pequeno, cantava cururus em festas do Divino. Antes de conhecer o Zé da Estrada, eu já estava no meio sertanejo”, lembra. Zé não fica atrás e diz que desde criança teve contato com cantorias. “A vocação vem de família. Meus avós já cantavam e os pais deles também”, relata. O primeiro encontro dos dois se deu na década de 1950, quando Pedro Bento foi convidado para participar do programa Manhãs da Roça, comandado por Chico Carretel, na rádio paulistana Cruzeiro do Sul. Pedro Bento acabou conhecendo, no estúdio, o botucatuense Zé da Estrada. Como gostou do estilo do cantor, rapidamente propôs a Zé a formação da

dupla. Ali começava uma das trajetórias mais longevas do Brasil. As roupas e os acessórios típicos dos músicos mariachis mexicanos passaram a fazer parte do espetáculo em 1963. Levaram tão a sério suas identidades ‘latinas’, que a sensação

“É uma amizade profunda. A gente se respeita profissionalmente e como pessoa” transmitida ao assistir um show da dupla é que estamos em algum local de Guadalajara, no México. Todos os músicos da banda se vestem com trajes típicos mexicanos, incluindo os famosos sombreros que, segundo Zé, “é para tapar a cara feia”. O tempo de estrada não afetou a relação entre os cantores. “É uma amizade profunda. A gente se respeita profissionalmente e como pessoa. Somos amigos para arrebentar”, ressalta Zé da Estrada. A amizade também une a dupla aos membros da banda. O sanfoneiro Célio Cassiano Chagas está com os cantores desde o começo. Celinho, como é chamado, é mineiro de Conceição da Alagoas e começou a tocar na banda de Pedro Bento e Zé da Estrada em 1954. O sanfoneiro garante que, apesar dos 79 anos, não pensa em se aposentar dos palcos. “É bom [tocar]. Já me acostumei. Não aguentaria ficar parado”, afirma. Em relação ao tempo de atuação na banda, Celinho rivaliza com Chico Bento, irmão de Pedro Bento e contrabaixista do grupo. Chico está há 30 anos tocando com a dupla e garante que não existe briga com o irmão famoso. “Quando ele fala, eu fico quieto, afinal é o patrão”, revela rindo. Chico está com 66 anos e, assim como Pedro Bento, é paulista de Porto Feliz. Pertencente a ala ‘jovem’ da banda, o violonista Domingos Gonsales, 54, está

circo

Aos 81 anos, Zé da Estrada exibe vitalidade de garoto no palco

com a dupla há dois anos. O músico, que já fez parte do grupo de apoio dos cantores Liu e Léo, conta que “é muito gostoso trabalhar [com Pedro Bento e Zé da Estrada]. Eles fazem o tipo de música que eu gosto de tocar”. Também fazendo parte da turma de ‘garotos’ do grupo, Paulo Cesar Queiróz, 48, gosta de ficar ouvindo as histórias que os cantores contam durante as viagens. Paulinho, como é chamado, toca trompete e percussão e está com os dois há seis anos. “É impressionante como, depois de todos esses anos de carreira, eles ainda se lembram de todos os nomes das cidades por que passaram e os nomes das pessoas que conheceram”, diz o músico.

Celinho e sua inseparável sanfona

Pé na estrada Os 55 anos de carreira da dupla sertaneja foram recheados de viagens pelo Brasil e pelo exterior. Pedro Bento diz que é impossível precisar as cidades onde já se apresentaram. “Não dá para contar. Uma vez comprei um mapa do Brasil e coloquei num quadro para marcar as cidades por onde passávamos. Em pouco tempo o mapa estava cheio de alfinetes espetados e, como as marcações nunca acabavam, abandonei a ideia”, declara. Os ‘causos’ e histórias vividos pelos dois são infindáveis. Pedro Bento lembra que, na década de 1950, os cantores se apresentaram num circo em Echaporã. A dupla tinha acabado de adquirir uma perua Kombi zero-quilômetro e vieram no veículo para a cidade. “Quando chegou a hora de ir embora é que foi duro. Deu problema no câmbio e a perua só engatava a marcha à ré. Eu e o Celinho arrumamos dois faroletes, abrimos o bagageiro da Kombi, sentamos um de cada lado e iluminamos o caminho. Saímos da cidade e fomos até Assis (SP) dirigindo o carro de ré. Quando chegamos, o Zé precisou ir a um massagista para botar o pescoço no lugar. Já pensou? De Echaporã a Assis dirigindo de ré? Se entortou todo”.

Foi na década de 1950. A população de Echaporã aguardava ansiosa a noite de apresentação da dupla Pedro Bento e Zé da Estrada, no Grande Circo Bombril. “Grande só no nome, pois na verdade era até pequeno”, lembra, bem humorado, Pedro Bento. No dia do show, as arquibancadas do circo estavam lotadas. Tinha gente saindo pelo ladrão, como se dizia. “[Na época] nós estávamos fazendo um programa na Rádio Nacional de São Paulo, com o Edgar de Souza, e quando anunciava [na rádio] que iríamos nos apresentar em determinada cidade, era lotação certa”, recorda. Pois naquele dia o público foi tão grande, que a estrutura do circo não resistiu e a lona veio abaixo. “Tinha muita gente. Aí ficamos na cidade e, no outro dia, fizemos um show gratuito na praça pública. Foi maravilhoso”, diz. O cantor também se recorda como conseguiam driblar a precariedade das estruturas oferecidas pelos contratantes. “No circo, quando tinha microfone não tinha pedestal e quando tinha pedestal não tinha microfone. Às vezes, amarrávamos uma corda na lona para prender o microfone. Se começasse a ventar, a lona subia e levava junto [o microfone]. Tínhamos que esticar o pescoço para poder cantar”. Pedro revela ainda que, apesar de todos os contratempos, era gostoso trabalhar em circo. “Sabe por quê? O povo parece que tinha mais amor na gente. Era um povo diferente, um povo alegre. Naquela época, a gente sofria, mas era um sofrimento divertido. Nós éramos mais moços também, né?”.

Chico Bento toca com o irmão há 30 anos

Pedro Bento: mais de 400 compactos lançados

jornal-em-dia-007  

Escola municipal recebe sala de informática Echaporã assina convênios para investimentos no turismo Novas calçadas Echaporã na Copa Echaporã...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you