Issuu on Google+

22 de Junho de 2013 edição 676

Elegante recepção

Telas no Jardim Sãosinha

Uma elegante recepção, na noite de 15 de junho, comemorou em grande estilo o aniversário de Meiga Amaral Mafra Junto do seu esposo, o empresário Rui Mafra, recebeu o beijo carinhoso dos familiares

Sãosinha

No cenário lindo, o nosso jardim, Praça Comendador José Honório (da Matriz) foi realizada na manhã de 8 de junho uma exposição de pintura dos alunos da artista plástica Jociene Felício Ferreira carinhosamente Jô. A nuance das cores, luzes e sonhos em telas grandes e pequenas, mostraram o potencial artístico dos expositores crianças, jovens e adultos. Estiveram presentes, artistas e diversos seguimentos de nossa sociedade, que ficaram encantados com a beleza e criatividade da exposição, ao ar livre, entre as flores e o verde exuberante de nosso jardim. A arte enriquece a cultura de um povo. Essa exposição enriquece ainda mais a nossa cultura tão rica em valores artísticos em diversas áreas, engrandecendo a nossa terra e a nossa gente. O sol embeleza ainda mais essa manhã de arte.

Artista plástica Jociene Felício Ferreira

e o abraço afetuoso dos amigos que a querem muito bem. A aniversariante tem uma personalidade marcante, dedicada, gentil, e altamente competente na direção da grande obra assistencial que dirige com sabedoria e bondade.

Foi servido delicioso menu e não faltou, a canjica, gostosura típica do mês de junho. Foi uma bonita festa, comemorando com carinho e mais alegria o aniversário de Meiga Amaral Mafra, sempre sorrindo feliz.


Jornal do Sudoeste

página 2

São Sebastião do Paraíso-MG e Região 22 de Junho de 2013

Diego Alvarez, aluno do Colégio Objetivo NHN, autografa sua obra na 13ª Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto

O escritor Diego Lourenço Andrade Alvarez

Criada em fevereiro de 2004, a Fundação Feira do Livro tem por principal finalidade a promoção da cultura e da educação, a difusão do livro e da leitura e, prioritariamente, a formação de leitores. Esse objetivo se realiza através de projetos, ações, campanhas e estudos relativos à leitura e à formação desses novos leitores. A Fundação também estimula e monitora a atuação legislativa referente às políticas públicas culturais. Uma das prioridades é colaborar com entidades públicas e privadas, em tudo

que possa ser de interesse público, em relação ao livro, à leitura e à promoção do patrimônio histórico. A Fundação promove, anualmente, junto com a Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto, a Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto, uma das quatro mais importantes do Brasil e uma das maiores a céu aberto do mundo. A Feira é realizada nas praças centrais da cidade e em espaços culturais do entorno. Os organizadores dessa Feira estabeleceram uma parceria importante com o Departamento de Cultura de São Sebastião Paraíso dando a

Escritor com os paraisenses

O escritor Diego Lourenço Andrade Alvarez

oportunidade ao aluno Diego Lourenço Andrade Alvarez de autografar seu livro “Asas da Liberdade” e oferecê-lo como cortesia ao público presente no evento, sábado dia 15 de junho. Neste livro ele descreve o retrato de um aviador durante a Segunda Guerra Mundial. Em meio a este contexto a personagem sofre transformações em seus ideais e em seu caráter. Através da história é possível fazer uma análise abrangente do comportamento do homem que se aplica até mesmo nos dias atuais.

O escritor Diego Lourenço Andrade Alvarez

A participação do Diego entre os grandes escritores do cenário nacional passa a ser um marco na história do Colégio Objetivo NHN e Sociedade Paraisense como um todo. Este livro é a culminância do Projeto “Aluno leitor e Escritor” empreendido pelo Colégio Objetivo NHN que visa despertar o interesse dos alunos pelo mundo da literatura e aprimoramento de sua competência lingüística. O estudante desenvolve sua sensibilidade e imaginação, ampliando sua capacidade de expressão e escrita.

GAROTA E GAROTO COUNTRY REGIONAL 2013

Foi realizado no dia 15 de junho em Santo Antonio da Alegria, no Clube dos Trabalhadores, o baile em comemoração ao aniversário da cidade. Como parte do evento, Flavio Vieira realizou o concurso Garota e Garoto Country Regional

com participação de representantes de várias cidades e um desfile com muito luxo e criatividade. Na abertura, em homenagem aos peões do rodeio, a mini Miss São Sebastião do Paraíso, Mariana Vicktoria, entrou

na passarela com a imagem de nossa senhora. Como garota country regional 2013 foi eleita Juliana Medeiros representante de Itamogi, 2º lugar Stefanea Naves representando Passos e 3º lugar Bruna Leticia representante de Ribeirão Preto. Garo-

to Country Regional 2013, foi eleito Raul Souza representando Ribeirão Preto, 2º lugar Elias Rodrigues representante de Passos e 3º lugar Raphael Rodrigues representante de Itamogi. O desfile foi coordenado por Flávio Vieira Model.


São Sebastião do Paraíso-MG e Região 22 de Junho de 2013

Jornal do Sudoeste

página 3

Norberto da Silva Nunes

“Um português renascido para a vida” Entrevista concedida a Adriano Rosa.

Nota do colunista: Queridos leitores, é com prazer que retorno às páginas do Jornal do Sudoeste desta vez para dar continuidade a esta importante coluna de entrevistas – a qual já fui responsável, sempre enaltecendo nomes e personalidades que se destacam na sociedade paraisense, principalmente pelo seu trabalho e história de vida. Você pode ser o próximo!!! Na edição de hoje, conheçam um pouco o querido Norberto, também conhecido pelo apelido de “Português”. Um abraço! orberto nasceu em Lisboa, em fevereiro de 1962. Concluiu o Ensino Médio na capital portuguesa e por conta do uso de drogas – heroína, teve que interromper os estudos que possibilitariam a sua entrada na faculdade. Veio para o Brasil em 1998, através da ONG internacional Remar – Reabilitação de Marginalizados, para trabalhar com a questão da dependência química, passando pelo Rio de Janeiro, Cabo Frio, cidades da região dos Lagos, cidades do Paraná, Argentina, Passos, até chegar a São Sebastião do Paraíso, onde fundou a clínica de recuperação Renascer para a Vida, juntamente com a esposa Mara. A instituição fica na zona rural – região dos Volpes, próximo à antiga usina de cana. Nestes 13 anos de trabalho social, já atendeu mais de 1.400 pessoas de várias localidades brasileiras que buscam um novo caminho diante da difícil luta contra o uso de álcool e drogas.

Há um ano a professora Rosane Elisa Bortone Neves, natural de Baependi Sul do Estado, cidade que recentemente ganhou notoriedade por ser terra de Nhá Chica, tomou posse como diretora da Superintendência Regional de Ensino de São Sebastião do Paraíso. Nesta entrevista ela fala sobre sua trajetória como professora, o convite feito para transferir-se de Caxambu para São Sebastião do Paraíso, bem como de projetos pessoais.

N

Norberto, onde está sua família e como é seu relacionamento com ela? Minha família, mãe e uma irmã, moram em Portugal. Meu pai faleceu antes de eu vir para o Brasil e tenho uma irmã mais velha que mora há mais de 20 anos nos Estados Unidos. O meu relacionamento familiar sempre foi bom. Meus pais me deram todo apoio nos estudos, cheguei a participar de escolinhas de futebol em Lisboa e, se não fosse pelo uso das drogas, talvez hoje eu fosse um jogador profissional. O que te levou a usar drogas? Nos anos 70, Portugal estava em combate com os países de Angola e Moçambique. Eu estava com meus 15, 16 anos e foi quando começou a surgir naquela região a “aliamba”, que aqui nós chamamos de maconha. Tive a curiosidade de conhecer e saber o que era. Infelizmente, não fiquei por aí. Nesta época, havia muitos espetáculos ao vivo na Europa, como Janes Joplin, Genesis, Rolling Stones, e eu acompanha estes grupos de rock’n roll. E foi aí que eu conheci a heroína, logo na forma injetável, através do pico e foi uma fase muito dura. Você chegou a ficar no fundo do poço? Sim... Fiquei! Meu pai, depois que faleceu, deixou uns bens para repartir com a família e eu cheguei a montar uma empresa de pintura na área de construção civil, mas infelizmente, eu já era dependente de heroína e pelo uso demasiado das drogas, cheguei a perder esta empresa, me enterrando no mundo das drogas. Eu me encontrava num vale de ossos secos, sem vida, sem objetivos, magro, sem me alimentar, sujeito a apanhar HIV, hepatites e tive a sorte de não contrair o vírus do HIV, porém, anos mais tarde, já aqui no Brasil, ao fazer alguns exames, descobri que tinha Hepatites do tipo C. Felizmente, era um nível mais baixo, eu fiz um tratamento de seis meses com o Dr. José Carlos, infectologista, me curei e este vírus saiu do meu corpo.

Então você “renasceu para a vida”, Norberto? Sim, renasci para uma vida melhor. Hoje já são 25 anos limpo, fora do mundo das drogas. Vim a me casar aqui em Paraíso e minha esposa Mara é excelente, é meu braço direito e quem me dá forças e ânimo para que eu possa continuar a fazer este trabalho de salvar vidas do mundo das drogas e do álcool. Não sei se, sem ela, eu teria coragem para continuar. A instituição existe desde o ano 2000. Já são 13 anos de entidade aberta, sem fins lucrativos, acolhendo estas pessoas, sejam carentes, com ou sem condições, brancas, negras, amarelas... Nós não fazemos distinção de pessoas. Este é o nosso trabalho. Eu acredito que no dia que Jesus me libertou, Ele me falou que eu seria um “pescador de almas” e é isto que tenho feito na Renascer para a Vida. E foi esta sua passagem pelo mundo das drogas que o motivou a abrir a Renascer para a Vida? Você já teve outras instituições fora de Paraíso? Bom, quando eu estava na ONG em Portugal, depois da minha recuperação, que durou cinco anos, eu comecei a ter responsabilidades dentro de casas de recuperação. Eu passei por várias cidades, tomando conta não só dessas casas, mas também de bazares beneficentes, sempre com o trabalho focado em salvar vidas. Até que um dia, depois de três anos trabalhando com isso, o diretor desta ONG Remar me chamou e me perguntou se eu queria fazer um trabalho voluntário, de missionário no Brasil, devido às dificuldades que estavam tendo nesta época. Como eu não era casado, aceitei este convite e vim para o Brasil representando esta ONG. Então, eu já venho com este trabalho já há alguns anos e sei o que é uma pessoa no mundo das drogas, a abstinência, o sofrimento das famílias porque a minha também sofreu quando eu era usuário, sei o que é chegar lá embaixo no poço, mas também sei a alegria que Deus nos dá de termos uma vida nova, com esperança e amor ao próximo. E é isto que tenho feito neste tempo. Eu amo o que eu faço. Tenho a maior paixão. A minha recuperação se deve a uma grande pessoa, que toma conta de todo este trabalho, que é Deus. Você hoje é um cidadão naturalizado brasileiro e também paraisense. Como foi sua chegada aqui em Paraíso e a acolhida que as pessoas te deram?

Bom, quando eu cheguei aqui na cidade, nos primeiros dois, três anos, foi difícil para darmos credibilidade às pessoas sobre o trabalho que propúnhamos a fazer, que é a Renascer para a Vida. Nossa luta nos primeiros anos, desde que chegamos, foram difíceis, mas sempre fizemos com transparência. Minha esposa é funcionária pública e tem uma visão muito grande sobre a questão da dependência das drogas e do álcool. Aos poucos as pessoas foram me chamando de “Português” e eu fui ficando conhecido na sociedade. Uma das pessoas com quem tive um elo muito grande foi o Amadeu, empresário, que tem uma fábrica de desinfetantes em Paraíso e, através dele, outros empresários foram tomando conhecimento do nosso trabalho e passaram a dar credibilidade. Nestes 13 anos tivemos um índice muito grande de recuperação. Não quero dizer que a Renascer é melhor do que outras. Pelo contrário, quanto mais clínicas tiver, melhor. O importante é cada uma trabalhar com ética e seriedade para recuperar estas pessoas. Depois, o Poder Judiciário também passou a apoiar o nosso trabalho. Aí a gente se firmou. Posteriormente, passamos a receber ajuda da Câmara, através do duodécimo e da Prefeitura, com as subvenções e eu até ganhei um título de Cidadão Honorário Paraisense pela minha dedicação à questão do álcool e das drogas. A Renascer hoje é uma instituição formada e declarada, com toda a documentação em dia para estar aberta e com reconhecimento municipal, estadual e o federal estamos esperando que chegue o documento. A clínica está cadastrada no Conselho Nacional de Saúde e cadastrada também no programa do Governo do Estado, o “Aliança pela Vida”. Se tudo correr bem, será a primeira instituição do Sudoeste de Minas a fazer parte deste programa, onde o próprio governo estadual, através do Ministério da Saúde, irá propor um tratamento pago pelo próprio Estado. E isto é muito bom, porque nós vemos a dificuldade que as pessoas da cidade têm para ajudar e colaborar com um tratamento ao dependente químico. A Renascer vive de doações, paga aluguel, profissionais, escritório de contabilidade, tem as suas despesas diárias, porém, vivemos pela fé e creio que Deus tem suprido todas as nossas necessidades. Em sua opinião, o que leva uma pessoa a cair no mundo do álcool e das drogas? O que leva é a falta de afetivi-

dade com a família, onde a família começa a se preocupar com o filho que tem que trabalhar, trazer dinheiro pra casa, ao invés dele ir para a escola, participar mais com a criança ou o adolescente na questão dos seus estudos. E aí eu falo muito sobre a prevenção. Hoje, poucas famílias têm um diálogo com os seus filhos e nas reuniões ou palestras que faço, eu enfatizo sobre a importância da prevenção, e isto tem que ser feito quando eles são pequenos, dizendo que o cigarro mata, a droga mata e a bebida também mata. Explicar também ao jovem sobre as Doenças Sexualmente Transmissíveis – DSTs, porque muitos deles não sabem e não estão preparados, principalmente para terem filhos precocemente. Eu acredito que há uma falta de diálogo entre pais e filhos e como isto não existe dentro de casa, eles encontram fora e, nem sempre encontram gente boa... A maioria encontra gente ruim, que incentiva a beber, a sair e por aí vai... Onde entra o papel da escola neste trabalho? Eu acredito que o Ministério da Educação deveria propor uma matéria obrigatória nas escolas que falasse sobre todas estas questões. Na época que eu estudava havia religião moral, fazia parte do currículo escolar, você era obrigado a ter boas notas e não era só sobre religião. Falava-se também de ética, de civismo. Os nossos governantes deveriam pensar sobre isto, incluindo também a questão das DSTs, da Aids e das drogas, os efeitos que ela tem. Hoje o Governo do Estado tem um dos maiores programas de prevenção, do qual eu tiro o chapéu, que é o Proerd (Programa Educacional de Resistência às Drogas). A Polícia Militar pegou esta bandeira e vai às escolas falar sobre as drogas. E é por aí que temos que começar, lá embaixo primeiro, com a prevenção, com a educação, para que, mais tarde, não venhamos a sofrer com internações ou tratamentos compulsórios ou involuntários. Nós vemos hoje que o adolescente, um pouco ajudado pela lei que está em vigor, fica nas mãos dos grandes traficantes. A Polícia prende, mas logo a justiça solta. Você citou o apoio do poder Judiciário à Renascer para a Vida. Em sua opinião, as leis no Brasil para os traficantes são brandas? Você é a favor da redução da maioridade penal? Eu não sei se a redução penal vai trazer algo de bom para a

sociedade porque, se for aprovada esta lei, vamos encher as cadeias, já lotadas, de jovens que são usuários e que, às vezes, cometem crimes pequenos para sustentar o seu vício. Eu acredito que o Judiciário está amarrado por causa destas leis. Temos pessoas no poder Judiciário em Paraíso com uma ética e visão muito grandes, são bons profissionais, mas que em muitos casos a prisão tem que ser revogada por conta da pr��pria lei. Penso que não haverá grandes mudanças em se tratando de menores. Se ele já está no meio da infração, ele vai continuar neste meio, e se não for com 16 anos, vai começar 13, 14... Agora, o que nós temos que batalhar é a questão social da família, a educação, mostrando a estes jovens e adolescentes o caminho certo que eles têm que levar. A redução da maioridade só vai encher ainda mais as cadeias, colocando estes jovens ao lado de assassinos. E hoje a gente sabe que dentro das prisões se aprende mais do mundo do crime do que aqui fora. Lá dentro rola drogas, celular e está aí o exemplo das facções, que de dentro da cadeia, comandam rebeliões aqui fora na sociedade, com ataques a ônibus, mandam matar fulano ou sicrano. É necessário estruturar o Judiciário com leis? Claro! Mas também é preciso colocar os presos de forma confortável nas cadeias. Lugares onde cabem 120, vemos aí 200, 300 pessoas. Não é por aí... E isto os nossos governantes tem que modificar, pois o poder está com eles. Você falou ao longo desta entrevista sobre Deus e do papel Dele em sua vida. Isto foi importante para você. Qual a sua religião? Eu sou um cristão e a religião é importantíssima na vida de uma pessoa, independente de qual seja a sua crença. Muitas pessoas que eu percebo o vazio que têm, é pela falta de procurar Deus em seu coração. A Renascer para a Vida trabalha muito com esta terapia, que é a espiritualidade, logo pela manhã, depois do almoço e à noite antes de deitar. Eu tive uma comunhão muito grande com a parte espiritual e foi isto que me fez me libertar, acreditar e crer que o meu vazio eu podia preencher em buscar as forças espirituais, pois eu não nasci com esta doença. Eu nasci saudável; Deus me pôs na Terra com capacidade de produzir, plantar e depois colher. Eu acredito que sem Deus não somos nada e, na sobriedade, é importante a gente fortalecer a espiritualidade. Isto tem que fazer parte de qual-

quer clínica de recuperação pois, como diz o ditado: “Mente vazia é oficina do diabo”. O jovem tem que preencher o seu coração com coisas boas! Norberto, há quanto tempo você não vê sua família? Bom, já faz 12 anos que eu não vou a Portugal e que não vejo a minha mãe, que está com 72 anos. Tenho dedicado mais a minha vida aos outros do que à minha família, mas tenho contato direto com ela e minhas irmãs por telefone. Se tudo correr bem, pretendo ir lá este ano para visitá-la. Não será uma viagem longa, porque minha vida está estabelecida aqui em Paraíso, mas eu tenho saudades da comida portuguesa e Deus sabe o dia certo desse meu sonho se realizar. O que o Português gosta de fazer nas horas vagas? Nas minhas horas vagas eu gosto de ler, principalmente a Bíblia. Gosto de ver um DVD, descansar, mas sábado e domingo eu estou sempre em atividade. Eu moro na Renascer junto com os internos. Então, no fim de semana, eu jogo bola com eles, batemos papo. Praticamente, momentos únicos de lazer, eu não tenho. Ou estou com eles ou com a minha esposa, ou minha neta que às vezes passa um fim de semana lá na fazenda. Por conta deste meu trabalho, eu convivo mais com os de fora do que, às vezes, com os de minha casa. Se Deus te chamasse hoje, neste exato momento, valeu a pena viver? O que mais falta fazer? Nós estamos aqui de passagem e eu estou de braços abertos e muito grato pela força que Ele me deu até hoje, a sabedoria para perceber a diferença das pessoas e ver as mudanças e comportamentos, sem revolta e com mais amor e carinho uns pelos outros. Quando chegar o dia de Deus me levar, eu acredito que fiz nesta Terra coisas boas. Eu plantei e colhi, através do meu sofrimento e das dificuldades. Deus me ressuscitou dos mortos, pois é assim que ficamos quando caímos no mundo das drogas, como um zumbi, e Deus tem trabalhado em minha vida ao longo desses vinte e tantos anos, me deixando “limpo”. Eu costumo falar: “Dai de graça o que recebestes de graça” e isto eu tento passar para os outros para que, o dia que o Norberto e a Mara se forem, alguém possa dar continuidade à Renascer para a Vida. Muito obrigado por esta entrevista!


página 4 São Sebastião do Paraíso-MG e Região - 22 de Junho de 2013

15 ANOS ANA

Ana Carolina Soares Salviano comemorou 15 anos no último dia 15 junto a familiares e A “Carol, como é carinhosamente conhecida, é filha dos administradores de empresas Paulo César Salviano e A animada festa aconteceu no apartamento seus padrinhos, os empresários Xande e Ana Cláud


página 5 São Sebastião do Paraíso-MG e Região - 22 de Junho de 2013

15 ANOS ANA CAROLINA

o comemorou 15 anos no último dia 15 junto a familiares e amigos. a dos administradores de empresas Paulo César Salviano e Adriana Campos Soares Salviano. amento seus padrinhos, os empresários Xande e Ana Cláudia. Parabéns, Carol.

FONES: (35) 3531-3263 - 9181-8311 • Corte Ferminino e Masculino • Penteados • Distensão de fios • Colormetria • Reposição de Queratina e Aminoácidos • Maquiagem • Designer de Sobrancelhas • Manicure • Pedicure PARCELAMOS EM ATÉ 6 VEZES NOS CARTÕES RUA PIMENTA DE PÁDUA, 1.418 - CENTRO - FACEBOOK /esteticanathaliagoulart


Jornal do Sudoeste

página 6

JUSTIÇA DISTORÇÕES Na abertura da Copa das Confederações a presidenta Dilma foi vaiada, o que já é do conhecimento de todos. Enquanto nossa memória não nos engana, não dependemos de jornalistas e historiadores. As gerações vindouras, porém, vão precisar recorrer ao que foi escrito e comentado - e é aí que mora o perigo, porque as distorções entre o que de fato Renato Zouain ocorre e o que é contado, e fica para a posteridade, é brutal. Vou ficar no exemplo da vaia, e do que li na Folha de São Paulo do dia seguinte. A cena todo mundo viu: Joseph Blatter saudando a todos e sendo vaiado quando menciona a presidenta ao seu lado, que agradece e secamente declara aberta a Copa, encerrando o constrangimento. Na Folha, viram outra coisa. José Roberto Torero afirmou que Dilma foi vaiada porque a maioria do público era de gente endinheirada. Juca Kfouri, que muito admiro, disse que o vaiado foi Blatter, e não Dilma. Um terceiro disse que ela só foi vaiada porque o povão não tem dinheiro para pagar o ingresso caro! Isso, amigo, na Folha de São Paulo, o maior jornal do Brasil! Como se não existissem petistas endinheirados, como se doações calassem vaias e, principalmente, como se tivéssemos visto a outra cena, e não aquela que realmente existiu e que foi assistida pelo mundo afora. PÚBLICO Assisti o jogo de abertura da Copa das Confederações na casa de meus amigos Gandra e Anete, acompanhado dos anfitriões e alguns amigos, dentre eles Fabrício Fedô, que conheço desde a préadolescência. Esquerdista roxo, desde o início do jogo ele começou a criticar o público que compareceu ao estádio e que considerou pouco característico do futebol, elitizado e bem distante do “povão” que geralmente aflui aos campos. “Você vê pouquíssimos negros.”- concluiu Fedô. Concordei com o fato, mas não vejo motivo algum para condenar a segregação econômica imposta pelos ingressos caros. Em primeiro lugar, futebol não é gênero de primeira necessidade e o governo ou os contribuintes não têm a obrigação de pagar o ingresso dos menos afortunados. Em segundo lugar, o jogo em si não era um “CRB x Bragantino”, ou um “Íbis x Galo” - era um jogo da Copa das Confederações, a antesala da Copa do Mundo, que é o maior evento do esporte mundial, e o que é melhor e maior tem que ser mais caro. É a lei do mercado. Em terceiro, e não menos importante, aquele público presente deveria ser o público-padrão dos estádios de futebol brasileiros, e que pena que não é. Famílias, senhoras, casais, pais com filhos e idosos - esse pessoal que estava no estádio, e estava seguro e se divertiu, é que deveria frequentar os nossos campos, e não bandidos, torcidas organizadas e brigões. É claro que o ingresso caro deixa de fora muita gente boa e honesta, e também tem gente com dinheiro que faz confusão até em velório, mas meu velho pai dizia que é impossível fazer omelete sem quebrar ovos. Ou seja, alguma injustiça social é inevitável. E o leitor, o que acha? Concorda comigo ou com o Fedô?

A ARTE DE OUVIR (*)Ely Vieitez Lisboa

Saber ouvir é uma difícil arte que poucos cultivam. Influenciados ou não pela assertiva que o diálogo é precioso, quando se ouve um argumento, um mecanismo é acionado e detona-se a necessidade ingente de se aprovar ou criticar. Não se analisa a afirmação, não se pesa sua possível verdade ou lógica. Urge responder, dar palpite, defender posicionamentos, idéias próprias. Desencadeia, então, um verdadeiro alude de tolices, inverdades, palavras inconseqüentes. Recentemente, o grande Rubem Alves, na sua sabedoria e sutileza, escreveu um artigo sobre a importância de saber escutar. Ora, fazer silêncio antes de responder, opinar, é fundamental. Quando se ouve a asserção do outro é necessário, de início, que haja uma pausa de silêncio para pensar. Só o silêncio é terra fértil onde poderá germinar alguma semente. Se respondemos logo a seguir, sem tempo de análise, provavelmente um enxurro de tolices sairá de nossa boca, idéias superficiais, sem raízes ou valor algum. Vejamos como é o processo. Alguém em uma roda, ou reunião, afirma algo. Se todos ouvirem com atenção, pesarem o que foi dito, poder-se-á ratificar ou retificar o raciocínio. O cérebro necessita de algum silêncio para análise. O mau hábito de dar palpites levianos como plantas sem raiz é tempo perdido e idiotice. Ouvir, pensar e, se necessário, responder. Respostas sem cuidado são balas de festim, atroam, não atingem, não ferem nem salvam. São ruídos nulos, inúteis, sem finalidade. O diálogo é bom e benéfico, desde que manso, profundo e cuidadoso. Há lições preciosas. Em um pôster onde aparecia, ao entardecer, a natureza, com árvores copadas, um riacho e pedras, com água que formava pequenas cachoeiras, estava escrito em inglês: para que eu lhe falar, se você não compreende meu silêncio?

QUEBRADEIRA NA COPA No momento em que escrevo essas mal traçadas linhas, o pau está quebrando nas grandes capitais brasileiras. Um monte de gente protestando contra um monte de coisas diferentes, ocupando o congresso nacional, jogando bombas caseiras na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, com palavras de ordem que, ironicamente, provocam é desordem. Milhares de rapazes e moças que nem sabem contra o quê protestam, artistas querendo aparecer e postando na internet sua participação no “evento” - como se fosse um baile de carnaval, políticos oportunistas e aprendizes de guerrilheiros deslocados no tempo e se aproveitando da burrice alheia... Enfim, dá pra ver de tudo nesse tipo de arruaça. Fiquei muito triste, o que é estranho, eu que vivo protestando neste e em outros espaços, mas é que não consigo ver gente que não trabalha dando trabalho, não consigo ver um monte de mauricinhos e patricinhas ocupando o tempo já escasso da polícia, enfim, não consigo ver glória alguma no caos. Com todos os nossos erros e desmandos, merecíamos um país melhor, e não é com baderna que se conserta uma nação. Renato Zupo, Juiz de Direito na comarca de Araxá

Fone: 3531-6200 3539-1400

Rua Pimenta de Pádua, 971 - Sala 03 - São Sebastião do Paraíso - MG

Alberto Caeiro, heterônimo de Fernando Pessoa, em seus poemas diz que o silêncio é muito eloqüente. Ele, às vezes, significa mais que muitas palavras. Todavia, assim como o olhar, ele deve ser neutro, não contaminado por idéias preconcebidas. O que se vê é o que se vê, sem metáforas ou comparações. E para se alcançar tal sabedoria, o silêncio é fundamental. É preocupante o mundo de hoje, cada vez mais cheio de ruídos. Em 1916, Mário da Silva Brito, crítico literário, ensaísta e poeta, notável também pelos seus estudos do Modernismo brasileiro, afirma: “O homem moderno perdeu o prazer do silêncio”. E George Eliot, pseudônimo de Mary Ann Evans, grande novelista britânica do século XIX, faz apologia do silêncio, criticando as palavras vazias e fúteis: “Abençoado o homem que, não tendo nada para dizer, se abstém de demonstrá-lo com palavras”. Grande lição para os demagogos e os prolixos. Assim, tudo que é bom, excelso, acontece no silêncio. O poeta já disse que a alma é uma catedral submersa. Ela se alimenta de silêncio, que a perfuma e purifica. Ele é, muitas vezes, antídoto contra idéias estranhas. O silêncio conforta. O contrário, o falar sem pensar, ou responder sem cuidado, as respostas que atropelam, ignorando os princípios da boa educação, as sutilezas da cordura e da elegância, tudo é sempre desastroso. Enfim, “a incapacidade de ouvir é a manifestação mais constante e sutil de nossa arrogância e vaidade”, como denuncia R.A. É preciso ter cuidado para, diante do que o outro diz, não lançarmos palavras vãs na catapulta de nossa ignorância ou descuido. As palavras mal ditas são plumas ao vento, sem retorno. E quase sempre se tornam malditas. (*)Ely Vieitez Lisboa é escritora. E-mail: elyvieitez@uol.com.br

São Sebastião do Paraíso-MG e Região 22 de Junho de 2013

Lions

Rua José Osias de Sillos, 590 Fone: (35) 8823-3016

“Nós servimos há 40 anos em São Sebastião do Paraíso” “ Você não pode ir muito longe enquanto não começar a fazer algo pelo próximo”. Melvin Jones

EMOÇÃO A posse do atual Presidente do Lions Clube ano 2013/2014 CL Cláudio Roberto Mezêncio, foi envolvido de emoção, quando na “ Invocação a Deus” ele cantou a “Oração de São Francisco”, com fundo musical belíssimo, contagiando a todos presentes.

Ainda durante a festiva, mais emoção quando a Domadora Glória Gil, cantou para seu esposo o CL Vasco Gil, “Como é grande meu amor por você” de Roberto Carlos, ao som do consagrado conjunto de Passos . Parabéns Glória... HONRA AO MÉRITO Vários companheiros e domadoras receberam nosso aplauso leonístico, materializando em belíssimo certificado de reconhecimento pelos serviços prestados ao Lions e a nossa Comunidade. SENADO FEDERAL: LIVROS EM BRAILE O Lions Clube agradece ao Senado Federal, via Ofício, pelo envio de vários livros em Braile, para serem distribuídos a várias entidades. Renovado o convênio, pelo Presidente atual, que já demonstrou um leonísmo atuante. REFORMA DA SEDE SOCIAL Programada a reforma de nossa sede social, com novo forro e pinturas. No segundo semestre teremos várias novidades. Aguardem.


São Sebastião do Paraíso-MG e Região 22 de Junho de 2013

Jornal do Sudoeste

página 7

Aniversariantes Sábado, dia 22 Franciele Mariana Lucas, Cyntia Terlone Michelato. Em Itamogi, Isis Mariana, filha de Geovana e Ângelo Português. Dia 25 Paulo Sérgio Bolotti, Guilherme Giubilei. Dia 26 Guilherme de Faria Tosin, Kamila Silva Carvalho (filha de Cleiton e Kátia). Em São Paulo, Dr. Jânio Gonçalves. Dia 27 Adriano João Scarano. Dia 28 Valdeir Lima, apresentador da TV Sudoeste. O ex-prefeito de Itamogi, Janoário Arantes.

Mini Wedding Mini casamento é a tradução. Uma festa íntima e com bem menos gastos é o resultado. Uma tendência que aos poucos chega ao Brasil, é uma ótima opção para quem pretende recepcionar apenas familiares e amigos íntimos. Diferente da festa tradicional, os noivos e principalmente os pais não se sentirão na obrigação de convidar até aqueles parentes distantes que não são do convívio; aquela família que foi vizinha há décadas e pouco se vêem; pessoas que têm relação apenas profissional. A idéia é reunir apenas as pessoas que realmente participam da vida dos noivos. Um ponto considerável é o baixo custo, já que em se tratando de eventos, o orçamento deve ser baseado por pessoa. Mas há a opção de se poder fazer a festa dos sonhos, como um cardápio mais sofisticado, bebidas especiais, detalhes mais elaborados. O local pode ser desde um restaurante até um cruzeiro, dependendo do estilo do casamento escolhido pelos noivos. Deve continuar prevalecendo a harmonia entre todos os itens do evento desde o convite até a lembrancinha. Momentos inesquecíveis requerem cuidados especiais... Conte com nossos serviços para o sucesso de seu evento.

RG Eventos Assessoria e Cerimonial

Júlia, filha de Tina e André, completa 10 anos neste sábado, dia 22. Saúde, paz e felicidades, lhes desejam seus pais e sei irmão André Luis.

Noite Amo teu silêncio oculto! Harmonia lenta... Ponto pacífico da erudição... És o vento disperso da neblina enfurecida... Escultura atávica de respostas... Azul cobalto! Velas meus segredos escuros... Cuida de todo o antagonismo proveniente de minha alma! Na suavidade das tuas amplas vertentes, teu frio acalenta meus instantes de dor e serenidade. Nesse páreo de estrelas: Reconheço-me! Desperta sob o subterfúgio diáfano das tuas cintilações.

Elisa de Paula Duarte, serventuária da Justiça em São Sebastião do Paraíso recebe cumprimentos, quarta, dia 26.

Autora: Johanna Perrone

HOMENAGEM À JOSIMARA, MINHA TIA AMADA! Tia Jojô: Você é muito especial para mim e para nossa família. Obrigada por me ensinar a ser uma menina educada e a querer ser artista. Feliz aniversário! Beijocas e abraços da sua sobrinha que te ama muito, Maria Clara, da tia Marília, da vovó Maura e da mamãe Meire. Salve 18/06/2013

Horóscopo Semanal CAPRICÓRNIO - 22 de dezembro a 21 de janeiro O Sol começa a caminhar através de Câncer e seus relacionamentos ganham novamente um novo ritmo e movimento. Você sentirá melhora nas relações de sociedade e casamento. As amizades também serão favorecidas. . AQUÁRIO - 21 de janeiro a 19 de fevereiro O Sol começa a caminhar através de Câncer e seu dia a dia ganha um novo colorido. É possível que você mude de emprego ou que ao menos comece a pensar nisso. Um convite para participar de um novo projeto pode surgir. PEIXES - 20 de fevereiro a 20 de março O Sol começa a caminhar através de Câncer e seu coração pode começar a bater mais forte por alguém, caso esteja só. Se já for comprometido, poderá viver ótimos momentos junto de seu amor. Fase ótima para o prazer e divertimentos ÁRIES - 20 de março a 20 de abril O Sol começa sua caminhada através de Câncer e faz um ótimo aspecto com Saturno em Escorpião, trazendo oportunidades para negociações que envolvem dinheiro em sociedade ou casamentos. Plutão se encarrega das mudanças. TOURO - 21 de abril a 20 de maio O Sol começa a caminhar através de Câncer e, em ótimo aspecto com Saturno, pode trazer boas notícias relacionadas a um projeto ou parceria apresentado anteriormente. Plutão em tenso aspecto promove as mudanças para que isso se concretize. GÊMEOS - 21 de maio a 20 de junho O Sol começa a caminhar através de Câncer e mais uma porta se abre para a entrada de novas oportunidades financeiras. Um novo projeto pode ser aprovado, promovendo o aumento de seus rendimentos. CÂNCER - 21 de junho a 21 de julho O Sol começa a caminhar através de seu signo e mais um novo ano astral começa. O momento é ótimo para arregaçar as mangas e se dedicar a novos projetos e novas metas. Com Vênus e mercúrio também em seu signo, os benefícios aumentam ainda mais. LEÃO - 22 de julho a 22 de agosto O Sol começa a caminhar através de Câncer e você inicia a fase do ano em que sua energia vital é derrubada. O momento é de extrema sensibilidade e abertura de seu campo de energia. Portanto, cuide mais de sua saúde. VIRGEM - 23 de agosto a 22 de setembro O Sol começa a caminhar através de Câncer e sua vida social e as amizades ganham um novo colorido. O momento é ótimo para fazer novos amigos ou promover reuniões e encontros com os antigos. Bom para os trabalhos em equipe. LIBRA - 23 de setembro a 22 de outubro O Sol começa a caminhar através de Câncer e uma fase de grande brilho e sucesso profissional começa a surgir. Sua imagem já tem passado por uma fase de melhora progressiva. Neste momento, o reconhecimento concretizase. ESCORPIÃO - 23 de outubro a 21 de novembro O Sol começa a caminhar através de Câncer e uma nova fase de otimismo e fé começa para você. O momento é ótimo para fazer ou ao menos planejar uma longa viagem ao exterior. Mas também para começar um novo curso de especialização. SAGITÁRIO 22 de novembro a 21 de dezembro O Sol começa a caminhar através de Câncer e, com isso, se inicia uma fase de mudanças e transformações financeiras e emocionais. As finanças melhoram efetivamente, especialmente se estiver envolvido em uma sociedade.

O Colecionador e suas Crônicas de Paraíso

Em concorrida noite de autógrafos realizada quarta, dia 19, na sede da Academia Paraisense de Cultura – APC – o acadêmico Sebastião Pimenta Filho lançou seu livro “O Colecionador e suas Crônicas de Paraíso”.

Dentista, professor, colecionador de relíquias, objetos de decoração, arte, revistas e livros, fotografias e discos, é um apreciador da “sétima arte”. Sebastião Pimenta Filho é casado com a professora e pintora Angela Maria Marinho Pimenta.


Jornal do Sudoeste

página 8

Psicoletrando Manifestações populares e a democratização da educação Josimara Neves, psicóloga e escritora (CRP-04/37147) Marília Neves, professora e escritora Contato: psicoletrandojm2013@gmail.com

Fazer parte do momento de despertar que o nosso país vivencia nos permite refletir sobre toda a trajetória vivenciada por companheiros de ideal que lutaram em prol de melhores condições de trabalho, valorização profissional e conquistas necessárias ao progresso das classes e, consequentemente, de toda a nação. Todavia, a concepção de movimento reflete conscientização, organização, espírito de equipe, conhecimento acerca do que se almeja conquistar, modificar e/ou suprimir. Por isso, é preciso externar nossas reivindicações, evidenciar a angústia que perpassa o íntimo de diversos brasileiros inconformados com as injustiças sociais, denunciar a corrupção, somar forças a fim de alcançarmos os reais objetivos propostos. Mas como promover ações eficazes, consistentes e democráticas? Basta reunir pessoas? Não. Praticar o que tantas vezes fica restrito ao universo das divagações, dos achismos e da vontade de fazer não é uma tarefa simples. Requer mobilização. Mobilização civilizada. Infelizmente, alguns indivíduos têm envergonhado nossa nacionalidade, ferido nosso brio e manchado nossa honra, posto que, agindo como bárbaros – feito animais silvestres – parecem retroceder no tempo, equiparando-se aos povos primitivos que, para saciarem suas necessidades, brigavam, matavam. Contudo, para saciar a nossa fome, que não é somente física, não precisamos virar bicho, apedrejar, bater, derramar sangue. Hoje temos fome sim! Fome de justiça, de equidade, de oportunidade, de um prefeito que nos propicie “qualidade de vida”, que cuide da educação, da saúde, do transporte, do meio ambiente, da cultura, do esporte, do saneamento básico, do povo em geral; de um governador que seja parceiro do município, que trabalhe mais e adorne menos; de um presidente que garanta o cumprimento de leis adequadas ao desenvolvimento do país, enfim, que haja comunicação eficaz entre os governantes e a população, que se extirpem os roubos, que se extingam os atos podres de pseudopolíticos que furtam direitos, destroem vidas e matam sonhos. Porém, para que nossas metas sejam alcançadas, que nossas propostas saiam das gavetas e que nossas vozes sejam ouvidas, mister se faz agir com a razão, não deixando que nossos instintos inferiores sobreponham-se ao raciocínio lógico de que somos dotados, fortalecermo-nos como unidade, afinal, ser classe é se posicionar com destreza, perspicácia, inteligência. Logo, também cabe aos profissionais da educação levantar a bandeira de apoio à luta a favor d’aqueles que participam das manifestações cidadãs – não dos vândalos que destroem patrimônios públicos ou privados –, distanciar-se do comodismo, aliar-se aos pares que fomentam ideias e proposições renovadoras e necessárias, tornar-se politizado (desfazendo-se da concepção pejorativa que a palavra “política” assumiu), fazendo valer a democratização da educação. Gestores: mobilizem toda a comunidade escolar a exercitar a cidadania! Professores: sejam agentes de transformação! Pais: estabeleçam parceria com as escolas onde seus filhos estudam! Professor omisso ou alienado é sinônimo de fracasso escolar, de estagnação educacional, de morbidez estúpida. Professor atuante é sinônimo de inovação, de liderança positiva, de transformação social! Marília Neves

* Planos disponíveis somente para internet via cabo - Venda e instalação sujeita a viabilidade técnica - Oferta valida até fev/2013.

São Sebastião do Paraíso-MG e Região 22 de Junho de 2013


1372004312