Page 1

ALFENAS, SÁBADO, 09 DE NOVEMBRO DE 2013 - EDIÇÃO Nº 2929

Presidente da FETA é agraciada com medalha Ordem do Mérito Legislativo A pre siden te da FETA, dr a. Larissa Araújo V elano Dozza, foi agraciada com a Medalha da Ordem do Mérito Legislativo, na manhã e tarde de quinta-feira, dia 7 . A c e r im ô n ia d e e n tr e g a d a c om e n da foi r ea liza d a n o Ex pominas, em Belo Horizonte, e a pr e m ia ç ã o é o fe r t ad a pe la Assembleia Legislativ a de Minas Ger ais. Pre sent es a o ev ento , a maioria dos parlamentares estaduais, convidados e familiares dos agraciados. A abertura da soleni-

dade tev e discursos do presidente da Assembleia, Diniz Pinheiro, e do g ov e r na d o r A n t ôn io Anastasia, que este ano foi o orador oficial. O deputado Carlos Mosconi foi o autor da indicação e ressalta que ficou muito satisfeito pela honraria recebida por dra. Larissa: "A medalha tem uma importância e é de relev ância no Estado de Minas Gerais. Por isso, Larissa faz por merecer a comenda pelo trabalho que desenv olv e em Alfenas

Ao lado do esposo, dr. Alex Dozza, a homenageada, Dra. Larissa Araújo Velano Dozza, dedicou a medalha Ordem do Mérito Legislativo aos pais

Corrêa acelera para o título europeu

O piloto Victor Corrêa, 2 3, v iv e um final de semana especial. Ele está no circuito da Cataluña, em Barcelona, na Espanha, onde disputa o título do Radical Mast e rs Eur oser i e s, o cam peon ato europeu de autom obilism o. Com 1 2 1 Confiante, Victor Corrêa quer ser o número 1 pontos n a c la ssi fic açã o, do Radical Masters Euroseries: hoje e amanhã Corrêa lidera o certam e,

um pon to à frente do lituano Konstantins Calkos. Nos primeiros treinos liv res, o piloto alfenense fez o segundo m elhor tem po. Ele está otimista quanto às corridas de hoje e amanhã. “N ão pode m os perder o foco; um a estratégia poderá definir o cam peonato”, disse Victor Corrêa, que v iajou para a Espanha na terça-feira, na com panhia dos pais Victor Corrêa Oliv eira e Marise Soares. A prim eira prov a será às 1 0h1 5 de hoje, sábado. E a segunda, às 1 1 h1 5 de amanhã, domingo. Corrêa preci sa ficar à frent e de Calkos para garantir o título. ESPORTE - P ÁG. 13

Movimento pede soluções para o café Produtores de café de todo o Brasil preparam um grande m ov im ento a ser deflagrado no próxim o dia 1 8, caso o Gov erno Federal não anuncie m edidas para m inim izar a crise do setor. Eles prom etem fechar portas de banco, deixar de pagar empréstim os e fazer um a am pla cam panha de esclarecimento à população. Eles tam bém tom aram a iniciativ a de criar um Pacto do Café . Interessados podem aderir pelo site www.pactodocafe.com .br. V ár ios e n cont r os estã o sendo realizados para discutir os problem as da cafeicultura. - P ÁG. 5

Nível do lago está melhor que ano passado PÁG. 10

e na UNIFENAS, que é de v anguarda, de ponta e que mantém a Univeridade nesta posição de destaque que se encontra hoje". Criada em 1 982, a honraria é c on c e did a p e la A s se m b le ia Legislativ a de Minas Gerais a pessoas e entidades reconhecidas pelos serv iços ou méritos ex cepcionais em Minas e no Brasil. Larissa Araújo Velano Dozza disse que ficou muito feliz pela indicação de seu nome, feita pelo deputado estad ual Ca rlos Moscon i. Ao ser agraciada, afirma, se sente muito lisonjeada, pois segundo ela, "todo empenho e trabalho é feito sem esperar recompensa nenhuma".

CIDADE - P ÁG. 7

Professor de Educação Física da UNIFENAS intensifica treino para o Ironman Brasil E SPORTE - PÁG. 14

Animação, descontração e muito fôlego: foliões brincaram até o dia clarear e um pouco mais

Carnalfenas faz balanço Term inado o Carnalfenas, os organizadores av aliam a festa e fazem um balanço geral. Para Vítor Carrera, o público com parec eu com o sem pre. Ele reconhece, inclusiv e, que alguns serv iços t iv eram queda de eficiência exatam ente pelo grande volum e de pessoas, m as av isa que já e st ão se ndo t om adas m edidas para que o m esm o não ocorra no ano que vem. Segundo o organizador, a maioria dos artistas e turistas ficou hospedada em ci da de s v i zi nh as, com o

Areado, Machado e Paraguaçu. Isto, porque, "m uitos hotéis de Alfenas aum entaram dem ais o v alor da diária. O turista se sentiu lesado."Além disso, ressalta, m uitos adquiriram ingressos indiv iduais e optaram pelos ônibus batev olta, de form a que não ficaram em hotéis. Par a 2 0 1 4 , C ar r er a anuncia festa de três dias, m a is shows de peso em cada noite e possiv elm ente um a atração internaciona l . O c a m ar ote 3 6 0 graus tam bém passará por m udanças. P ÁG. 9

Motoristas voltam a trafegar pela Rui Martins A cafeicultura move a economia de 1.800 municípios em 16 Estados brasileiros

Núcleo da Consciência Negra funciona em nova sede O Núcleo da Con sciên cia Neg ra de Alfena s está fun cion a n do em n ov a sede, n a ru a Adolph o En gel, 4 1 0 . Alg u m a s a t iv ida des já est ã o

a con t ecendo, com o o Sa m ba da Com u nida de. Ou tr as, com o a u la s de ca r a t ê e ca poeir a, ser ão r et om adas em br ev e. A Sem an a da Con sci-

ência Neg r a já t em prog ra m a çã o pr on t a , ela bor a da pelo n ú cleo, en t r e a s a t iv ida des m ú sica , t ea t ro e en con t r o folclór ico. - PÁG. 6

Apesar da obra não estar concluída, a Secretaria Municipal de Obras liberou, no início desta sem ana, o trânsito de v eículos na Av enida Rui Martins. Fa ltam ain da o asfalt am ento do trecho e a m elhoria no acostam ento.

CIDADE - P ÁG. 8

Op in ião ... .. ... ... .. ... .. ... ..2 e 3 Cid ade. .... .... ..... .... .... 4 a 12 Polícia................................13 e 14 Esporte... .................. ..14 a 16 Gera l..... ...... ...... ...... ..17 a 19 Edi tais .... .... ..... .... .... .... .... .20 20 páginas


Alfenas, sábado, 09 de novem bro de 2013

2 Editorial PADRE HOMERO HÉLIO DE OLIVEIRA, pároco da paróquia de Nossa Senhora de Fátima

De crise em crise Desde que se tornou um dos principais produtos ex portáv eis do Brasil e também responsáv el por grande consumo interno, o café passa por crises v ariadas. O resultado é sempre o mesmo: cafeicultor endiv idado. Uma boa parte deles insiste na produção e v ai lev ando a atividade como pode. Agora, nov a crise, já considerada pelos próprios produtores a maior desde a quebra da Bolsa de Valores de 1 929. Osetor tem uma lista de reivindicações de curto e médio prazos tanto para si mesmos individualmente quanto para suas cooperativ as. Odeputado federal Carlos Melles, que é da área, pergunta por que os cafeicultores não reagem, não ficam indignados, não protestam. E tem razão. Por menos pressão e menor importância, o Gov erno Federal já cedeu. O café, por sua vez, gera milhões de empregos e mov e a economia de 1 .800 municípios em 1 6 Estados. É um dos produtos mais ex portados pelo Brasil. Gera div isas e renda. No entanto, não há políticas públicas suficientemente eficientes para ele. Os produtores que, em última análise, são donos do Fundo Nacional do Café, não podem dispor dele como e quando querem. Mais estranho ainda é que eles estão recebendo pouco pelo produto vendido, mas o consumidor final continua pagando caro. Alguém está ganhando - e muito - com isto. Então, ao que parece, falta uma reorganização geral desta cadeia, desde a produção até a v enda final. Os produtores esperam para a semana que vem o anúncio de medidas emergenciais para estancar mais esta crise. Desta v ez, se não forem atendidos, prometem um grande protesto nacional. V amos v er se a classe se une ao menos na desgraça. O mov imento só terá êx ito se tiver adesão da maioria. As lideranças contam com apoio de parlamentares e até do gov ernador de Minas. Falta esclarecer a população, que também pode ser uma grande aliada, desde que entenda o que está acontecendo. Seria melhor se tudo se resolv esse sem maiores delongas ou necessidade de mobilização. Mas, se não tiv er jeito, que o protesto consiga mostrar a força deste setor produtiv o, que já foi o mais importante do país, mas que v em perdendo o v iço justamente por causa dos problemas que enfrenta e pela falta de respaldo gov ernamental.

A dor que não tem nome O m ês de nov em bro é um conv ite para pensar e refletir sobre a v ida hum ana, sua infinita dignidade e sublim e finalidade, seus problem as e sofrim entos, com suas alegrias e tristezas. A propósito, fazem os aqui referência ao liv ro publicado pela editora católica Av e Maria, de autoria da escritora Maria Eugênia de Azev edo que tem com o título "A dor que não tem nom e". A autora ressalta a im possibilidade de m ensurar a profunda consternação causada principalm ente aos pais diante da perda de um filho(a). Diz textualm ente a autora: "Quando se perde pai ou m ãe, ficam os órfãos. Ao perder o m arido ou esposa, ficam os v iúv as ou viúv os. Mas quando se perde um filho a dor é tam anha que o

m un do a inda não inv e ntou um nom e". Quando alguém se torna pai ou m ãe, com eça a alim entar em si a esperança de v er o filho crescer constantem ente em todos os sentidos e que eles, um dia, possam herdar o seu próprio legado. Mas, um a fatalidade pode interrom per o que cham a m os o ci cl o n atu ra l da v ida, quando então com eça a dor que sentimos insuportável e insuperáv el diante da perda ocorrida. Seria até o que podemos dizer "o sofrim ento em seu m ais elev ado grau!" Na perplexidade de tal m om ento tão doloroso, quando sentim os até im possív el um a reconstrução, sem dúv ida a fé é então o cam inho m ais seguro para ret ornar o ant erior equil íbrio. O

apoio e a solidariedade de am igos e fam iliares tornam -se tam bém um lem e seguro no m om ento. O cam inho para a reconstrução interior está principalm ente no despertar da fé. Para tal, a autora aponta algum as posturas: a fé em Deus com o saída capaz de nos dev olv er o equilíbrio; nada de m edo em prosseguir, o m aior desafio já ficou; v iv a um dia de cada v ez, sem pressa, o presente é a sua oportunidade; apoiar-se no am or dos outros fi lhos e renunciar ao m asoquism o. "Quando as lágrim as voltarem , faça um a oração e m antenha na mente de que está com Deus, de onde prov ém a fonte q ue nos sa ci a e m t odos os m om entos, m esm o que não perceba com lucidez".

RONALDO SABÓIA, Compositor intérprete e instrumentista - Alfenas – MG E-mail: ronaldosaboia@alfenas.psi.br

Cotas raciais! Chegam ao serv iço público as tão com batidas, porém m erecidas, cotas raciais! A presidente Dilm a Roussseff assinou na últim a terça feira o Projeto de Lei que reserv a 2 0% das v ag as e m c onc u r sos pú b l ic os a os afrodescendentes. Há quem detesta tal expressão porque enxerga nela um v asto cam po onde estão os m estiços, que são tam bém eurodescendentes. Sim , os m estiços têm sim um pé na Europa, m as daí então! Bom ! São análises e questões que surgem para com plicar um pouco m ais a situação. Mas, a v erdade é que o projeto, a proposta aprov ada na CCJ da Câm ara, im põe cotas raciais, inclusiv e para a com posiç ão da Câm ara. A proposta de Dilm a foi encam inhada em regim e de urgência e tem prazo de 4 5 dias para ser v otado. Acreditam os que o projeto será aceito e aprov ado, e a classe negra e os afrodescendentes terão m ais esse pr iv i lég io di ant e a os ti dos com o brancos. É sabido que a questão de cotas nas univ ersidades já foi assunto que rendeu enorm es discussões em v ários m eios de com unicação e tam bém em inúm eras v ertentes das classes sociais. E acreditam os que agora, com as cotas tam bém em ser-

v iço público, não será nada diferente. Jul gam os que tais deci sões da presidente Dilm a e de outros gov ernos que lutam pelas cotas, em bora tenham objetiv os claros, onde os interesses políticos estejam inseridos e às claras, esses m esm os interesses não v isam aqui testar ou av aliar o grau de instrução, sabedoria ou inteligência das pessoas. E sim reparar uma dívida que se arrasta há centenas de anos em nosso país para com os negros e seus descendentes. Hom ens e m ulheres que foram trazidos do c ontinen te afr icano e de outras localidades do m undo, forçados, sem v ontade própria e participaram de form a bruta e cov arde da construção desta nação, deste país. Então, nada m ais justo do que com eçar a v oltar os olhos para esta questão. O Brasil tem sim um a enorm e dív ida com os negros e seus descendentes; e isso precisa ser reparado. Em nosso país, os piores serv i ços sem pre estão a cargo dos negros e dos m enos fav orecidos, com rem unerações pífias e irrisórias. Vejam nos bancos, nos órgãos do gov erno, com o é r eduzido o núm er o de ne-

gros e afrodescendentes. E quanto aos negros, algo precisa ser feito, e por hora estam os observ ando alguns proj etos n a cria ção de cam in hos que, em bora não agradem a todos, m as são cam inhos. A s cotas das univ ersidades já são uma realidade; e as cotas nos serv iços públicos v êm por aí. Creio qu e, assim , em bora haja necessidade de ajustes nas form as, com eçam os a dar um pouco m ais de sentido e rum o aos m eios onde o tem po se encarregará de refinar a prosa e os projetos atingirão os objetiv os. Sei que tais m edidas não agradam a todos, e não resolv e por com pleto toda situação. Mas nós aprov am os tam bém o nov o projeto e enxergam os com o positiv a tam anha atitude da presidente Dilm a. Um projeto assim , partindo do próprio gov erno, traz um peso m aior e ganha sustância e os objetiv os são rapidam ente atingidos. Bom ! Por h oj e é só! Reg istr o grande abraço a todos e desejo que a paz de Deus nos guie sem pre a um futuro brilhante e m ajestoso. Um bom fim de sem ana a todos e a todas.

PAINEL DO LEITOR

Jornal dos Lagos Publicação da UNIFENAS . Órgão oficial de publicações de editais do Fórum de Alfenas. EDITOR: Valdir Cezário - Reg. 6.321 - DRT-MG - EDITORAÇÃO G RÁFICA: P aulo Henrique Corsini. REDAÇÃO E PUB LICIDADE: Rua Bias Fortes, 191 - Centro - CEP : 37.130-000 - ALFENAS-MG TELEFAX: 35 3299- 3878 PUB LICIDADE (f one): 35 329 9-3892. Home page: www.jornaldoslagos.com.br - e-mail: jlagos@unifenas.br

Impresso em offset, na Arte Gráfica Atenas Ltda *** As idéias e os conceitos emitidos em artigos assinados não representam necessariamente a opinião deste jornal, sendo de exclusiva responsabilidade dos autores ***

"Dra. Larissa, Com os meus mais respeitosos cumprimentos, peço v ênia para dirigir-me à v ossa ex celência, atrav és deste. Tomei conhecimento de que nesta data, a Assembleia Legislativ a do Estado de Minas Gerais, numa demonstração de reconhecimento aos relev antes serviços prestados pela UNIFENAS neste rincão mineiro, sob sua condução, a congratulou com a Ordem do Mérito Legislativ o. Justa homenagem, brilhante iniciativ a, pois salta aos olhos até mesmo dos menos entendidos o árduo trabalho e os lindos frutos que esta respeitáv el instituição oferece e produz a cada dia. Assim queira juntar minha humilde, porém sincera, manifestação de carinho e apreço às inúmeras que recebeu." Atenciosamente, Carlos Eduardo Gregório, Alfenas-MG


Alfenas, sábado, 09 de novem bro de 2013

3 WALDIR DE LUNA CARNEIRO Teatrólogo

ARQUIVO - Am igos m e procuram e se lem bram de um a grav ação feita por Milton Barros: "Pipico", conto prem iado pela rev ista "Alterosa", ilustrado por Hélio Faria, que Walter Negrão, na TV Globo, transform ou na série "Caso Verdade", com o título de "A Grande Prom essa". O nov elista estev e dois dias em Alfenas e com ele discutim os aspectos da história que foi transm itida de 18 a 22 de outubro de l9 82. No elenco: Ney Sant´Anna (Pipico), Mauro Mendonça (Deputado Rubião), Maria Zilda (Margarida) e m ais um bom elenco. Segundo opiniões foi um a das m elhores histórias da série. O Jornal "O GLOBO", edição de 1 7 de outubro de 82 , anunciav a:- "Muitos são os sonhos de um jov em futebolista do interior. Para qualquer um deles, a cidade grande é a som a de v árias possibilidades: ascensão social, o dinheiro, o reconhecim ento, a fam a. "Pipico" era um grande craque e não tinha m uita v ontade de sair de sua cidade, até a passagem por lá do Deputado Rubião, que acenou-lhe com um contrato em qualquer clube do Rio. O tem po era de eleição e de Copa do Mundo. O jov em esportista tentou a sorte grande. Quem sabe até a seleção? Após m uitas peregrinações ao escritório do parlam entar, que já não se lem brav a m ais da prom essa, com eçou um a decadência progressiv a do jov em . Tentar m ais uma vez ou v oltar derrotado?"Durante algum tem po Souza Filho sugeria a possibilidade de repetir o dram a de "Pipico" na nossa TV, dependendo de um a autorização da Globo. Não conseguim os. NECROLOGIA - O hum orista Dino Segre, italiano, que escrev ia com o "Pitigrilli, cujos liv ros foram bestsellers na década de trinta, anotav a num de seus liv ros: -"Os hom ens ilustres têm um a antecipação do Além na estante dos necrológicos que existe em todas as redações dos jornais. O poeta nacional pode contar com um a página inteira; a grande atriz, com um a coluna; o general com oito linhas - um pouco m ais se participou de um a guerra; o escritor terá três colunas, se for estrangeiro; o nacional, dez linhas; três quartos de página, se ninguém o leu, quando v iv ia; se for um autor popular, a sua sepultura espiritual oscilará entre as dez e o silêncio."

ILMA MANSO VIEIRA - Bacharel em Filosofia mansur@pitnet.com.br

Relembrando o Colégio do Dr. Roque N. Tamburini - P

A RT E 2

Prosseg u indo na s lem br a n ça s dos tem pos do Colégio, cabe falar de algu ns professor es. De alg un s qu e for a m professor es lá a tr á s, dos m eu s irm ã os - e qu e n em sequer con h eci - e de pr ofessor es qu e ajuda ra m n a m inh a for m a ção. Pr ofessores Ca lafior i, A m élio Gom es, Ism a el Leit e do t em po dos m eu s irm ãos e, depois, o pr ofessor Ca r v a lh o (Apríg io de Ca rv alh o Jr .) con hecido e a dm ir a do pelo dom ín io do con h ecim en t o que tin ha da m a t em á tica e do por t u gu ês. Rigor oso, n ã o per doa v a a in disciplin a a lém de colocar a Ét ica acim a de qua lquer ou tr o pr in cípio. Foi u m ex poen te da in telig ên cia do Sul de Minas. Na Pra ça Dr . Em ílio da Silv eir a, ex Pr aça da Ba n deir a, on de ele m orou a v ida toda, está lá o seu bust ocom u m a pla ca de br onze a fir m an do a a dm ira çã o da cida de pelo edu ca dor qu e foi: "1 89 1 - 1 95 3 - Gr ande pelo saber e pelo m u it oque tr an sm itiu às su cessiv as g er ações em 40 an os de fecu n do m a g ist ér io. A gr at idão de Alfena s". Ou tr a m erecedor a de dest aque foi a pr ofessora D. Zizinha (Herm ín ia de Ca rv alho Mgn i). Ensin a v a o Fr an cês com u m a en erg ia, fir m eza e com petên cia qu e fa zia os a lu n os m a is t a len t osos pa r a est e idiom a a pr en der em o seu uso. Sem fala r n a perfeiçã o da spronu ncia s o qu e en ca n t a v a os a lu n os e os en chia de v aidade por est udar a língu a. D. Carm em Tam burin i, ensina v a Ciência , e t r a zia n o doce olh a r de m est r e u m ca rinh o m u it o especia l. Ela t ra nsm itia a r espon sa bilida de de m ã e qu e cuida e n ã o m edia esfor ço pa ra prepa -

ra r seus alun os. Ten ho por ela um agr adec im en t o e speci a l. Pr of . Rom eu V en tu reli, pr ofessor de Geog ra fia, t ra zia em seu sem bla n te u m a ser en idade im en sa . Mu it o qu er ido e o m a is idoso. D. Zin ica (Mar ia da Con ceiçã o Car v alho) foi ou t ra qu e m ar cou a lgu m a s gera ções. Lecion av a Geom etr ia e além do dom ínio que tinha da disciplina conseg uia con qu ist a r os a lu nos pela su a sim pat ia, doçura e sentidoh um an o. Ela n ã o se lim it a v a a ser a pr ofessor a de cer t a á rea do conh ecim en to. Ia a lém . Seu n om e é r esg at ado n as com em ora ções da cida de, especia lm en t e com o Hino a Alfena s, de su a aut oria. Hoje ele é ca nt ado nos ev en tos m a is sig nifica tiv os e qu an do o Cora l Hilda Fon seca se a pr esen t a , ca n t a sem pr e o Hin o a Alfena s. Ela era a figu r a en t usia sm a da que, por oca siã o de fest a s, selecion a v a os m elh or es a lu nos pa r a ca n t a r, decla m ar , discu rsa r, desfilar e os t r eina v a , en sa iav a e orient av a na direção do que dev ia ser feit o. E os r esu lt a dos er a m sem pr e excelent es. Er a D. Zinica ju nt ocom u m a com issão for m a da por alun os que or g an iza v am a s bela s festa s de form a tu ra . Ela pr epar av a o or ador e todos os det alhes, in clusiv e o ba ile. A s solenida des de for m a tu r a era m m ar cada s por dois ev en t os inesqu ecív eis. Pr im eiro v inha à ent reg a de cert ifica dos rea lizada n o im ponen t e Cin e A lfena s. T odos os a lun os v est idos a rig or . A m es a c ober t a de flor es e enr iqu ecida com a pr esen ça do Reitor

do Colég io, Pr ofessor es e a u t or ida des da cidade, conv ida dos e fam iliar es dos a lun os. Mom en to m u ito especia l qu e ficou m a rcado em ca da for m a ndo. Na a ber t u r a do ev en t o n o Cin e A lfen a s, a pós os discu r sos da s a u t or idades, ouv ía m os an siosos, o or ador da t ur m a que discur sa v a em n om e de todos os form a ndos. Mom en to de m u it a aleg ria na en tr eg a dos diplom a s. À n oit e, um ba ile de g a la n o sa lã o n obr e do Clube XV de Nov em br o, frequen t ado pela elit e de A lfena s. Er a D. Zin ica com a com issã o dos for m a dos qu e pr epar a v a o sa lã o com r equ in t e p a r a r e c e be r os c on v i da d os. O Pa ra n in fo er a o con v ida do de h onr a , escolhido pelos a lu n os. Er a sem pre u m persona gem de desta qu e de um gr an de cen t ro de ensino. D.Zin ica en sa ia v a a v alsa qu e ser ia da nça da , em pr im eir o m om ent o, com o Para ninfo e um a alun a que se dest aca v a no cu rso e qu e fosse a m elh or na da nça (pesinh o de v alsa). A V alsa Vien ense enchia o salã o e a a lu n a escolh ida com o seu pr im eir o v estido de ba ile, m uit o r odado, g ar bosa, len tam ente cam inhav a pelosalão ao en con t r o do Pa r a n in fo, e da nça v a m com o nos sa lões im per ia is da nobr eza do pa ssado. E o ba ile só t er m in a v a qu a n do os prim eiros r a ios do sol ilum ina v a m n o h or izon te. Com o é bom v olt ar a o passa do, v olt ar à t r adição, v olta r à h ist ór ia qu e foi nossa. Esta m os resg at an do os an os 5 0.

MÔNICA NAVES BARCELOS

Farmacêutica Bioquímica Mestrado - Univ ersidade Federal de Lav ras (UFLA) monicanav esbarcelos@y ahoo.com.br

A IGNORÂNCIA - Quando surgiu o liv ro policial e de av enturas, cham ado "O Código da Vinci", dois jornalistas de Minas, de certo renom e, se desm ancharam em elogios, pois para eles ali estav a um a nov a descoberta da pólv ora, ou seja, Jesus tinha se casado e ninguém sabia, nem Marcos, nem Mateus, nem João, nem Lucas. Os ilustres escrev inhadores nunca tinham ouv ido falar em exegese, que é, com o todos sabem , o conjunto de m étodos de interpretação com os quais são estudados as Escrituras para descobrir sua história e sua m ensagem . Os dois jornalistas em barcaram na canoa furada de Dan Brown que nada tem de culto, pois não é historia dor, não dev e sabe r heb raic o, ne m gre go, nem aram a ico e nem latim ; é u m professor de ing lês e ficcionista que esperav a ir na cola de Frederick Forsyth, Robert Ludrun, Ian Flem ing, cam peões de best-sellers, e conseguiu. Aqui nos lem bram os de Oscar Wilde na peça "A im portância de ser prudente." Lá pelas tantas diz um personagem que a ignorância pode parecer um a fruta exótica, m as se a tocarm os, ela apodrece. Goethe ia além : "Não há nada m ais terrív el que a ignorância ativ a."

O ABC da Hepatite: algumas considerações! Ao participar de um ev ento relacionado à saúde, m uitas pessoas m e questionaram sobre hepatite: O que é hepatite? Quais os tipos? Com o se adquire? Quais os sinais e sintom as? Com o prev enir? Como é o tratamento? A curiosidade da população é o m otiv o pelo qual abordo o assunto esta sem ana. O que é hepatite? A hepatite consiste em um a inflam ação das células do fígado. As células hepáticas são "atacadas" por v írus. Todav ia, a inflam ação pode tam bém decorrer do uso de drogas, com o o álcool. Quais os tipos? A hepatite pode ser classificada em A, B e C. Quais os sinais e sintom as? Sinal básico é a pele am arelada. Isso ocorre dev ido ao ac úm ulo de uma su bst â nc i a c h a m a da bilirrubina. Além disso, outros incluem perda da v ontade de se alim entar, sensação de fraqueza e cansaço, urina e fezes apresentam -se com

cores diferentes das norm ais (urina escura/fezes clar as). Porém , estes sinais e sintom as podem não aparecer. Portanto, cuidado! Aspecto que considero im portante destacar é com relação à grav idade da patologia. A hepatite pode se agrav ar e tornar-se um a cirrose. A cirrose prov oca a fal ên ci a do órg ão, re su lt an do e m consequências drásticas para nossa saúde: afeta nossa digestão, afeta a farm acocinética, ou seja, o cam inho dos m edicam entos em nosso corpo etc. Com o prev enir? A prevenção atrav és da v acinação faz parte do nosso calendário no caso de Hepatite A e B. Entretanto, para

o v írus que prov oca a Hepatite C ainda não há! Com o é o tratam ento? Quando a hepati te é diagnosticada, podem ser prescritos m edicam entos que im pedem a m ultiplicação do v írus causador. Para finalizar, as dicas são: *Se há o diagnóstico de hepatite (A, B ou C), conv erse com o seu m édico antes de realizar qualquer atividade física! *Atenção especial dev e ser dada às m anicures! Um "bife" tirado e que sangrou pode contam inar o alicate. A dica é fazer as unhas com pessoas de sua confiança ou lev ar seus próprios m ateriais!


4

sรกbado, 09 de novembro de 2013


Alfenas, sábado, 09 de novem bro de 2013

5

Produtores de café preparam mobilização Majô de Souza Reportagem loc al

C

afeicultores de todo o pa ís ini cia m c ont agem regressiv a para um a grande m obilização, caso o Gov erno Federal não adote m edidas para dirim ir a profunda crise por que passa o setor. Os produtores se sentem pressionados pelo endiv idam ento e pela falta de renda. Por isso, aguardam m edidas em ergenciais e pensam em deixar de pagar os bancos até a apresentação de propostas gov ernam entais. Reu n i dos na Fae m g (Federação da Agricultura e Pecuá ria do Estado de Minas Gerais), na segunda-feir a, di a 4 , em Belo Horizonte, produtores de café, lideranças e cooperativas decidiram aguardar até o dia 1 4 de nov em bro pela s m edidas em er genc ia i s q u e de v er ã o se r anunciadas pelo gov erno federa l para rem e diar a cr ise, c on si de ra da pel a classe a m aior enfrentada pelo setor desde a quebra da Bol sa de V a lor es de 1929. Se as medidas não atenderem às necessidades dos produtores, eles pretendem fazer um grande protesto nacional, iniciado no dia 1 8 de nov em bro. Neste dia, eles prom etem fechar as portas das agências bancárias nas regiões cafeeiras com tratores e cam inhões carregados de café, além de outras m edidas, com o a entrega de ca fé no ar m azém da Conab, em Varginha, ao preço m ínim o estabelecido pelo gov erno de R$ 3 07 . Outra m edida será a realização de um a cam panha de m ídia, buscando sensibilizar a sociedade para o en or m e pre ju ízo qu e os cafeicultores estão enfrentando e os sérios reflexos sociais e ec onôm icos que esta situação prov oca no m eio urbano. O presidente do Conselho Nacional do Café, deputado Silas Brasileiro, pediu dez dias até que o gov erno possa anunciar as m edidas, que são de caráte r em erg en ci al. Ent re elas, a prorrogação das dív idas do crédito rural que estão v encen do. O presiden te da Associa ção dos Sindicatos Rurais do Sul de Minas e do Sindicato Rural de Varginha, Arnaldo Brottel Reis, enfatizou que é fundam ental o setor sensibilizar e ter a seu lado a

A cafeicultura emprega oito milhões de pessoas em todo o país

Carlos Melles: à espera de medidas na semana que vem opinião pública. O dirigente da Faem g reforçou que está pedida um a audiência com a presi den te Di lm a Rousseff, form alizada pelo gov ernador Antonio Anastasia. A senadora Kátia Abreu, que tam bém é preside nte do Confederação Nacional do Café, se com prom eteu a lutar pela adoção de m edidas. Lideranças da cafeicultura m ineira tam bém se en cont rar am com o g ov ernador Anastasia, que propôs a criação de um a comissão para lev ar as reiv indicações à presidente Dilm a Rousseff. Tam bém propôs a disc ussão de estrat égias e um a ag enda em torno da cafeicultura. Entre as sugestões da com i ssã o e stão cr iaç ão de política de m arketing para aum entar o consum o de café e m ais recursos para o Fundo Estadual do Café. Dev erá ser lev ado ao gov erno federal o pedido de lançam ento do Pepro (Program a de Pr êm io Equalizador Pago ao Produtor Ru ra l) . Basic am e nt e, o program a prev ê um sub-

sí di o por sa c a de ca fé com ercializada. Funcionaria com o um a subv enção econôm ica ou à cooperativ a que v enda seu produto pela diferença entre o Preço Mínim o estabelecido pelo Gov erno Federal e o v alor do Prê m io Equ alizador arrem atado em leilão, obedecida à legislação do ICMS v igente em cada Estado. Este Program a seria lançado quando o preço de m ercado do produto está abaixo do preço m ínim o de R$ 3 1 7 ,2 3 .

Pacto do Café O setor cafee iro t am bém está propondo o Pacto do Ca fé , c uj a adesão pode ser fe it a pel o sit e www.pactodocafé.com .br. Lá estão várias reiv indicações dos produtores. Lideranças do setor e suas enti dades repr ese nta tiv as concluíram o texto final da proposta de criação do Pacto do Café. O docum ento lem bra que o Brasil possui 3 0 0 m i l produtor es em 1 .800 e 1 6 Estados e que é o m aior produtor do m undo, gerando renda, em prego e div isas. São oito m i-

lhões de em pregos diretos e indiretos. As lideranças sugerem a criação de políticas públicas para o café capazes de acabar com as cíclicas crises do setor. Entre v árias propostas está a realização de auditorias nas dív idas dos produtor es, tant o as passadas quanto as atuais, e conv ersão das m esm as em sac as de c afé, ten do com o base o custo de produção estim ado pela Com panhia Nacional de Abastecim ento m ais 3 0%, conform e prev ê o Estatuto da Terra. Algum as propostas pedem a desoneração da folha de pagam ento dos cafe ic ult or es, pr êm ios r em uneratórios, incentivo à m ecanização das lav ouras, rev isão do Funcafé, fim da duplicidade de tributação e m aior controle dos custos de produção. As reiv i ndica ções são conhecidas pelo Gov erno Federal. Em 2 009 e 2 01 0 foram realizados os m ov im entos SOS Café, que já listav am os problem as e sugeriam soluções. No recente docum ento do Pacto do Café, o setor ressalta

que a saca de 6 0 quilos do pr odut o e stá cot ada em torno de R$ 2 6 0, enquanto o custo m édio de produção está em quase R$ 4 00. O deputado federal, sec re t á ri o de Est a do de Transportes e Obras Públicas e presidente da Cooparaíso, Carlos Mell es, um dos idealizadores do Pacto do Café, defende um a m elhor organização dos produtores. Segundo ele, se a sociedade se m obilizou pelos R$ 0,2 0 do preço da passagem de ônibus, "porque os cafeicultores, cujo prej uízo é de quase 50% não param o Brasil?" Melle s afirm a q ue há com prom isso do Gov erno Federal de anun ciar na próxim a semana m edidas de curtíssim o prazo, com o a prorrogação das dív idas dos c afe icu lt ora s, tan to v encidas quanto v incendas. "Vam os ganhar aí 12 0 dias para estudar o assunto e buscar solução." Ou tra m edi da será a antecipação das opções de com pra pelo gov erno e o lançam ento do Pepro, com um prêm io por sac a de café. Ele espera também a liberação de um recurso para "salv ar as cooperativ as, que é a últim a a receber e isto sacrifica todo o sistem a. O gov erno dev e de lançar uma linha especial crédito", ressalta. Melles defende a m obil izaç ã o na ci ona l, se a o m enos as m edidas em ergenciais não forem anunciadas nos próxim os dias. "Se isto não acontecer, terem os de m a rchar para Brasília." Pa ra e le , n um pra zo m ais longo "o m ais im portante é unir Gov erno de Minas, lideranças e cafeicultores num a reorganização do setor, com políticas públicas eficientes." Além disso, defende a criação de um a base geradora de conhecim ento sobre o café.

Alfenas O presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Alfenas, Pedro Barros, inform a que até agora não tem inform ações sobre a adesão de cafeicultores ao Pacto do Café, m as acredita que 9 0% deles estão endi v idados. "A m ai oria trabalhou com a expectativ a de preço de R$ 4 00 a R$ 5 00, m as o café está sendo v endido a R$ 2 4 0." Pa ra e le , a con t ec e u agora o contrário de 2 01 1 , quando a expectativ a de preço era baixa e o preço foi sa ti sfa tór io. "Ag or a nem as cooperativ as estão pagando o preço m ínim o anunciado pelo gov erno. Os que já v enderam estão ainda arcando com juros e os que não v enderam est ão pag a n do despe sa s com o arm azenagem , por exem plo", inform a, ressalto que "algum a coisa precisa realmente ser feita."

Em Paraguaçu A defesa de m elhores con dições de produçã o e com e rcializa ção do c afé, em especial no âm bito da agricultura fam iliar, foi discutida na audiência pública realizada na tarde de sexta-feira, dia 1 º de nov em bro, no Teatro Municipal Donato Andrade, em Paraguaçu. O objetiv o do encontro foi debater a proposta de rev isão do Plano Plurianual de Ação Governam ental (PPAG) 2 01 2 2 01 5, no exercício 2 01 4 , na Re de de Desenv olv im ento Rural e no Program a Cultivar, Nutrir e Educar, que integram a proposta. Ao final do e ncont ro, foram apresentadas 1 5 sugestões, que, após análise da e q ui pe t é c ni c a da Assem bleia Legislativ a de Minas Gerais, serão transform adas em Propostas de Ação Legislativ a.


sábado, 09 de novembro de 2013

6

Núcleo da Consciência Negra de Alfenas em novo endereço Majô de Souza Reportagem loc al

Maria Olímpia é uma das coordenadoras do núcleo

O

Núcleo da Consciência Negra de Alfenas está funcionando em nov o endereço. As atividades serão a partir de agora realizada s n a ru a Adol ph o Engel, 41 0, Jardim Tropical. Segundo a coordenadora Maria Olím pia Cruz Lázaro, reuniões já estão sendo realizadas no local, assi m com o o Sam b a da Com unidade, que acontece aos dom ingos, de 1 5 em 1 5 dias. Tam bém já estão acontecendo aulas de sam barock duas v ezes por sem ana. Em brev e serão retom adas as aulas de capoeira e caratê. Outras ativ idades estão sendo progra-

Nova sede é mais espaçosa e dará mais comodidade m adas. "Só estam os esperando a Prefeitura form ali za r o c ont rat o de al uguel." A estrutura conta com

salão, cozinha, sanitários e u m e st ac i on a m e nt o. É bem m ais am plo e arejado que a sede anterior. "Agora v am os poder dar m ais

conforto às pessoas que v ierem ", explica.

Semana A Sem ana da Consciên-

cia Negra será com em orada em Alfenas, de 2 0 a 2 4 deste m ês de nov em bro. No dia 2 0, 2 º Festiv al de Mú sica Pr eta no Teat ro Municipal de Alfenas, às 2 0 horas. No dia 2 1 , tam bém às 2 0 horas, hav erá apresentaçã o teatra l na sede do n úc l eo. O 1 º En con tr o Black Nostalgia, com DJs conv idados, será no dia 22 , às 2 1 hora s, na sede do núcleo. No m esm o local, dia 2 3 , a partir de 1 6 horas, Desfile de Beleza Negra Mirim .

Um Encontro Folclórico está prev isto para o dia 2 4 , a partir de 9 horas, no Caic, onde tam bém será se rv i do um al m oç o. No m esm o dia, às 1 6 horas, Sa m b a da Com u ni da de Especial, na sede. Maria Olímpia agradece a Prefeitura, Secretaria de Educação e Cultura e Secretaria de Ação Social, além de toda s as pessoas q ue doar a m a li m e n tos para o alm oço comem orativ o. Quem quiser colaborar, pode ligar para ela pelo celular 35 8805-2 82 3.

Os Big Boys: para provocar o riso Da Redação

O

s Big Boy s, geração de hum or que mescla stand up, esquetes e im prov iso na m esm a apresentação, tem exibição em Alfenas, neste final de sem ana, hoje, dia 9 , e am anhã, dom ingo, dia 1 0, às 2 0h3 0, no Teatro Municipal local. Se rir é o m elhor rem édio, a fórm ula tem conseguido o seu intento, que é o de provocar gargalhadas, tra nsm i tindo um cli m a salutar e de alegria no público presente. O stand up, adaptado e dirigido por Marcelo Div ino e Adem ir Alves, que são tam bém os ator es de Os Big Boy s, m ostra o pioneirism o e a dedicação da dupla, que não poderia dar em outro resultado: m uitos ri sos desperta dos na plateia graças às expressões, trejeitos engraçados e ao desem penho dos atores no palco. Em Al fen as tem si do um sucesso. Os comedian-

tes Adem ir Alv es e Marcelo Div ino div ertem o público com um a série de quadros que lem bram situações do cotidiano, porém de um a form a côm ica. Fal an do c om hu m or sobre caipiras na cidade grande, a v elhice, o precon ceit o e as m udan ças causadas pela tecnologia, entr e outros assuntos, a dupla consegue alcançar seu público. Vale a pena conferir. O espetáculo é resultado de um trabalho de dois grupos teatrais alfenenses, o Grupo Teatral Fábula e a C om pa nhia de Teat ro Falalto, que faz um show de alto nív el. Com um roteiro em polgante, os hum ori st as n ão dei xa m o hum or cair por nenhum instante durante a contagiante apresentação.

Falalto A Cia. Teatro Falalto foi criada em 2 01 0 pelos atores Ademir Alv es e Natália Santos e, com três anos de existência, já realizou m ui-

Grupo Mundo Teatro O Grupo Mundo Teatro deu início a m ais um a circulação com o espetáculo 'Cara... Vela'. Na noite de quarta-feira, dia 6 ,

23 , no bairro rural de Barranco Alto em horário a ser definido. No dia 30 de nov em bro, será a v ez de São João Del Rey apreci-

se a pre se nt ou na UNIFENAS e prossegue com outras três apresentações durante o m ês de nov em bro. Dia 2 0, às 8 horas, estará m ostrando seu espetáculo na Escola Padre José Grim m inck, no bairr o Pinh eirin ho.

ar o trabal ho do g rupo alfenense. O maior destaque do g rupo foram as apresentações feitas neste ano em terras africanas. O Mundo Teatro foi à cidade de Maputo, em Moçam bique, para um a rápida turnê, e lev ou en-

Ainda em Alfenas, o grupo terá apresentação dia

tretenim ento para o pov o africano.

Serviço: Ingressos: Meia - R$ 4. Inteira - R$ 8. Local: Teatro Municipal de Alfenas Data e horário: neste sábado e domingo, às 20h30 Duração: 1 hora Mais informações: (35) 8831-0985

tos pr oj et os, nã o só e m Alfenas, m as em Serrania, C am pos Ge ra i s e Pa ra guaçu, lev ando peças teatrais para escolas e com unidades. Tem com o lem a o fato que "Teatro é Cul-

Ademir Alves diverte o público com crítica frenética ao preconceito contra os "gordinhos"

"Velhinho do SUS" (Ma rcelo Divino), não apenas provoca o riso, mas traz, em sua fala, uma crítica ao Sistema Único de Sa úde

O stand up promete mexer com o público do começo ao fim, em uma sequência animada de curtas encenações

Rosicleide, toda es palhafatosa, "causa" no palco, com a sua história de mulher do interior que vai para a capital; ela desperta risos pelas situações que narra com bastante intimidade e que fazem a diferença

tura Sim Senhor".

Fábula O Grupo Teatral Fábula tem dez anos de história e faz teat ro focado pa ra g ru pos q u e t ê m pouc o ace sso à cultu ra. Com o passar do tem po, o Fábula produziu dezenas de espetáculos, tanto em Alfenas c om o e m S ã o J oão De l Rei, Carv alhópolis, Poços de Caldas, entre outras localidades. Tev e sem pre a preocupação de incentivar o seu público tanto a gostar de teatro com o de leitura. Com essa finalidade de prom ov er o teatro e a li tera tura , e m 2 0 1 1 foi institucionalizada a ONG Atelifa - Associação de Teatro e Literatura Fábula, tendo com o presidente a escritora Raquel de Souza. A ONG prom ov e peças teatrais e distribui liv ros com o intuito de div ulgar a Arte. Os Big Boy s é o prim eiro espet ácu lo a poi ado pe la ONG e q u e n ã o t e m env olv im ent o apenas do Grupo Teatral Fábula.


sábado, 09 de novembro de 2013

7

Presidente da FETA é agraciada com medalha Ordem do Mérito Legislativo A mérico Passos D e Belo H orizonte-M G

A

presidente da FETA, dra . La rissa Ara újo Velano Dozza, foi agracia da c om a Medal ha da Ordem do Mérito Legislativ o, na m anhã e tarde de quinta-feira, dia 7 . A cerim ôni a de e n tr e g a da com enda foi realizada no Expom inas, em Belo Horizont e, e a prem i ação é ofertada pela Assem bleia Legislativ a de Minas Gerais. Presentes ao ev ento, a m aioria dos parlam entares estaduais, conv idados e fam iliares dos agraciados. A abertura da solenidade teve discursos do presidente da Assem bleia, Diniz Pinheiro, e do gov e rnador An tôn io Ana sta sia , q ue este ano foi o orador oficial. Criada em 1 9 82 , a honr ar ia é c on ce dida pel a Assem bleia Legislativ a de Minas Gerais a pessoas e entidades reconhecidas pelos serv iços ou m éritos excepcionais em Minas e no Br asi l . La ri ssa A r aú j o Velano Dozza disse que ficou m uito feliz pela indicação de seu nom e, feita pe lo deput ado esta du al C ar los Mosconi . A o se r agraciada, afirm a, se sente m uito lisonjeada, pois segundo ela, "todo em penho e trabalho é feito sem esperar rec om pe nsa nenhum a". Lar issa Ve lano diz tam bém que esse dia foi m uito especial e ela oferece e dedica a m edalha à m e m ória de seu pai - o fundador da UNIFENAS, Edson Antônio Velano, falecido em 2 008 - que, juntam ente com sua m ã e dra. Maria do Rosário Araú jo Ve l an o, r ei t or a da UNIFENAS - a fizeram ser quem ela é hoje. Várias pessoas e autoridades presentes ao ev ento destacaram a im portância da UNIFENAS e tam bém a atuação da presidente da FETA à frente da instituição. O depu tado Car los Mosconi, autor da indicaçã o, r essa lt a te r fi ca do m uito satisfeito pela honra ria r ece bida por dr a. Larissa: "A m edalha tem um a im portância e é de rele v ância n o Estado de Mi na s Ge ra is. Por isso, Larissa faz por m erecer a com e nda pe lo t ra ba lh o que desenvolv e em Alfenas e na UNIFENAS, que é de v anguarda, de ponta e que m a nté m a Uni v er ida de nesta posição de destaque que se encontra hoje". Larissa Araújo Velano

Dra. Larissa Araújo Velano Dozza com o deputado Carlos Mosconi (esq., autor da comenda), o governador Antônio Anastasia e o esposo dr. Alex Dozza O governador de Minas, Antônio Anastasia, falou da importância da homenagem

Várias autoridades de todos os seguimentos da sociedade estiveram presentes do Expominas, em Belo Horizonte, durante solenidade de entrega da medalha Dozza fal a t am bé m q ue seu trabalho a frente da UNIFENAS, é sem pre o de dar o m elhor, "pa ra que desta form a a instituição possa fornec er as con dições para a form ação dos m e lh or es profi ssiona is, sendo a UNIFENAS a m elhor opção para os jov ens que ingressam na univ ersidade".

Reconhecimento Em seu discurso, o gov ernador Antônio Anasta-

sia agradeceu a Assem bleia Legislativ a pelo conv ite e afi rm ou que a hom e nagem aos agraciados é m uito m erecida. "É um reconhecim ento que se faz a pe rson ali dade s q ue t êm contribuído em toda Minas Gerais às suas diversas ativ idades. São em presários, professores, sindicalistas, pessoas de v árias categorias q ue e st ão r ec eb en do aqui no Legislativ o m ineiro o reconhecim ento, especialm ente por indicação

dos deputados. Então, o nosso aplauso". Os 7 0 an os do con j un t o arquitetônico da Pam pulha, assim com o a im portância de ilustres m ineiros para a história do País tam bém foram destacados durante a hom enagem , no Ex pom inas. Foram agraciadas 2 4 0 pessoas e instituições que se destacaram em suas áreas de atuação.

Dra. Larissa Araújo Velano Dozza com a medalha recebida na quinta-feira, no Expominas

O presidente da Assem bleia Legislativa, Di ni s Pinheiro, também fez discurso durante a entrega da medalha


sábado, 09 de novembro de 2013

8

Liberado o tráfego na Rui Martins Cláudia Cabral Reportagem loc al

A

pós t rê s m e se s de obras, a Prefeitura liberou essa sem ana o trânsito na Av enida Rui Totti Martins, m esm o restando o asfaltam ento do trecho e a m elhoria no acostam ento. Conform e o secretário m unicipal de Obras, Décio Paulino, para dar condições de tráfego foi feito um paliativ o com restos de asfalto retirados das m elhorias feitas na BR 4 9 1 . Du ra nt e um per íodo ser á fe i t o o te st e de com pac taç ão e som en te

depoi s o asfa lto dev e ser recom posto. Porém , antes disso v ai ser feito o acostam ent o. Ainda de ac ordo com o secretário, futuram ente a av enida dev e ser ilum inada em toda a sua exte nsão que liga a Rua Martins Alfenas, próxim o ao Jardim da Colina, até à BR 4 9 1 . N o l oc a l onde ocor r eu o de sm or ona m e nto ser á ce rca do por alam brado. A Avenida Rui Martins foi interditada há m ais de se is m ese s pe l a Coordenadoria Municipal de Defesa Civ il depois que par te do asfalto cede u e

Avenida Rui Totti Martins liga a Rua Martins Alfenas até a BR 491 causou um a crate ra. Os v eículos for am proibidos

de trafegar no local, m esm o a ssim m otocic li st as

conseguiam atravessar. A tubulação doada pela

pal de Desenv olvimento na época, era de que o gabião

Se cret ária de Est ado de Transportes e Obras Públicas foi colocada para que a água do Córrego Estiv a pudesse atravessar por de-

existente no córrego Estiv a ce de u prov ocan do u m a er osão. A r ec om posiç ão

baixo da pista. Com o o anterior tinha se deteriorado foi n ec essá ri o um t ub o bem maior com m ais de 4 0 m etros de extensão e 2 ,5 m etros de altura. O projeto básico elabo-

m ento Urbano; contudo, a obra não saiu. Em 2 008, a v ia chegou a ficar interditada em toda sua ext ensã o por te m po

rado por engenhei ros do m unicípio chegou a con-

deslizam ento de terra que ocorreu nos dois lados da v ia. Um a cratera foi aber-

clusão de que seriam necessári os recursos da ordem de R$ 54 0 m il. Porém, com a doação do tubo e com recursos próprios do m unicípio esse v alor dim inuiu em 50%. Desde quando foi asfaltada, há seis anos, pela em presa Melo Machado, de Varginha, a Rui Martins v em apresentando problem as. Em jan eiro do ano passado, o trecho de um a das pistas ficou interdita-

estaria no cronogram a da Secretaria de Desenv olv i-

indeterm inado. O m otiv o da pr oib i ç ão foi o

ta am eaçando a estrutura do asfalto. Um a cerca de aram e farpado, dev ido ao buraco, ficou suspensa no ar. Na época a Prefeitura fe z a con t en sã o do deslizam ento e im plantou dois redutores de velocidade. O trev o de acesso à rodov ia 4 9 1 foi tam bém adequado. Em 2009 , outro trecho

do dev ido ao afundam ento do asfalto, m as não im pediu o t rânsit o inte nso

da av enida corria o risco de de sm or on a r . O deslizam e nto foi do l ado direit o para quem desce sen ti do r odov ia . Se m e -

que continuav a normal. A causa da destruição do asfalto, conform e inform ações da Secretaria Munici-

lhante problem a atual, a erosão ocorreu próximo ao córrego Estiv a, que passa ao lado da v ia.


Alfenas, sábado, 09 de novem bro de 2013

9 Carnalfenas

Balanço positivo e inovações para 2014 Majô de Souza Reportagem loc al

O

Carnalfenas acabou e agora v êm av aliação e prestação de contas. Se gundo V ítor Ca rrer a, um dos organizadores, "a festa foi um sucesso, apesar de alguns acharem que não foi na m esm a proporção dos outros. Mas o Espaço Folia estav a lotado", afirm a. Para ele, esta im pr essão de pouc o m ov im ento dev eu-se ao fato de tanto a m aioria dos artistas quanto os foliões terem ficado hospedados em cidade s v i zin h a s, c om o Par ag ua çu , Ma ch ado e Areado, além de div ersos sítios alugados para a tem porada. C ar r e ra afi rm a qu e direcionar todas estas pessoas para a vizinhança foi a "decisão acertada. A m aioria dos hotéis de Alfenas queria aum entar o v alor da diária em 500%, 6 00%. A diária que era R$ 7 0 passou para R$ 4 00. O turista n ão é m ai s bobo, não quer se sentir lesado", ressalta, explicando que poucos se sujeitariam a pagar o v alor da festa, o deslocam ento - às v ezes de m ais de m il quilôm etros - alim entação e ainda pagar um hot el n est es preços, "até porque queri am cobrar um v alor de hotel de São Paulo, m as sem oferecer os m esm os serv iços." Ele destaca a parceria com o Hotel Alfenas Palace, que hospedou turistas e alguns artistas. Faz ainda um a com paraç ão, afir m ando qu e a empresa faz v ários eventos durante o ano, que sempre atraem turistas. Estas pessoas ficam n os hotéi s da cidade e pagam um certo preço. "Aí c hega no Carna lfen as propr ia m e nt e dito, sobem m uito o v alor da diária. O cara se sente lesado m esm o e não v olta", a credita, afi rm ando que "todo m undo tem de ganhar, m as o exagero foi grande dem ais desta v ez. Nós m esm os não subim os os pr eços dos nossos produtos desde 2005." O organiza dor afirm a que, além desta m edida, m uitos organizadores de excursões para o Carnalfe na s fi ze ra m o fa m oso "b ate -v olt a", em q ue as pessoas v êm em ônibus leito, se div ertem na festa e

Quando o dia nasceu, água de caminhão-pipa refrescou os foliões

Vitor Carrera: investimento de R$ 40 mil em parte de mão de obra v oltam em seguida para ca sa . "Ouv i m os m u it as pessoas perguntando por que a cidade ficav a v azia de dia e de noite a festa estav a lotada. É por causa destes fatores", inform a. Ele tam bém quer prestar outras contas. De posse de contratos e recibos, som ou os gastos com em pr eg ados t em porá ri os como garçon, barm an, cozinheira, repositor de salgados, atendente e pessoal de portaria - em aproximadam ente R$ 4 0 m il. "Na m é dia, um a pessoa q ue trabalhou as quatro noites recebeu R$ 4 00." A seguran ça não está inclu ída nesta conta. Além de recebe re m m ai s, prin ci pa lm ente por serem registrados na Polícia Federal, "há um a tabela da própria PF para os seguranças e tem os de cum pri-la." Sobre as noites de folia, Carrera destaca os shows de Iv ete Sangalo e Cláudia Leitte, "que foram um estouro de público, e a Noite Chicleteira, muito anim ada. Todas as áreas estavam m uito cheias e reconhece-

m os que algu ns serv iços caíram um pouco de quali da de , m a s já e st am os acerta ndo m edida s para evitar que isto aconteça no ano que v em ", diz.

Ressaca No próxim o dia 2 3 de nov em bro, a partir de 2 3 horas, acontece a Ressaca do C arnalfen as. Ser á no Espaç o Z, c om a du pl a Henrique e Juliano. Os ingressos já estão à v enda.

Para 2014 Carrera aproveita para já informar algum as decisões q ue v ale rão para o Carnalfenas 2 01 4 . A mais im portante é que a festa terá apenas três dias, e não qu atro com o é hoj e. S egundo ele, há tem pos a organização v em percebendo q ue q ue m com pra o pacote, acaba ficando m uito cansado em quatro dias e muitas v ezes até deixa de ir em algum . "E quem traba lha ta m bém , q uan do chega no últim o dia, não está aguentando m ais." O que falta decidir é se a m i careta será qui nta,

Camarote 360 graus lotado e animado durante toda a festa

Atrás do trio elétrico e em volta do camarote foram todos sexta e sábado, ou sexta, sá ba do e dom i n g o. O organizador acredita que em três dias poderá fazer um a grade de shows m ais forte, m elhorar os preços para os foliões e caprichar m a is n a fest a com o um tudo. Outra nov idade é que o cam arote 3 6 0 graus não será m ais tem ático. Está sendo firm ada um a parceria com em presa e specializada neste tipo de estrutura, de form a que o camarote terá um certo padrão, desde a estrutura até os alim entos e bebidas serv idos. Além de axé e possiv elm ente um show sertanejo, a ide ia é t razer um a a tr aç ão in te rn a ci on al , "talv ez um DJ." Mas, antes de decidir, os organizadores querem fazer um a pesquisa intensa para saber o que os participantes querem . "Vamos estabelecer alguns pilares e depois ir fechan do as atrações. Não querem os ficar engessados com a lgum as poucas possibilidades, dessas que o show tem de ser fec ha do já n o c om e ço do ano."


sábado, 09 de novembro de 2013

10

Lago de Furnas

Veja cotas do lago

Nível da água está subindo

Data

Cota (mts)

Afluência (m³/s)

Defluência (m³/s)

05/11/2005

765,12

524

774

05/11/2006

759,98

1075

976

05/11/2007

763,02

605

605

Majô de Souza

05/11/2008

764,19

712

856

Reportagem loc al

05/11/2009

766,10

735

892

05/11/2010

761,45

528

901

05/11/2011

763,39

329

1009

05/11/2012

756,56

534

1198

05/11/2013

760,98

331

E

m b ora ai nda e ste ja sete m etros abaixo da cota m áxim a, o nív el de ág ua do l ago de Furn as v em su bindo gradativ am ente e renov a as esperanças de recuperação. No dia 5, a cot a estav a em 7 60,98 m etros em relação ao nív el do m ar. No m esm o dia do ano passado, o nível era de 7 56 ,56 metros. Há v ários m otiv os possív eis para este início de recuperação. Um deles é a de sace lera ção da econ om ia do país, o que significa m enor gasto de energia. Outro fato é que a transm issão de energia elétrica é at ualm ent e bem m ais eficiente. A isto é preciso acrescentar que o Gov ern o Fe de r al m a nt ém a s termelétricas do Nordeste ligadas. Também tem chov ido c onstantem e nte na região, em bora o v olum e de entrada de água no lago (afluência) seja bem m enor que o v olum e de água utilizada para gerar energia elétrica (defluência). No m esm o 5 de nov em br o, a potên cia elé tri ca consum ida na m acrorregião Sudeste-Centro-oeste foi de 502 GWh (gigawatt hora, em que giga significa 1 bilhão). Em anos anteriores, foi bem m aior. Por exem plo, em 2 01 2, foram 537 GWh/dia em 5 de nov em bro.

Pescadores aproveitam baixo nível de água para pescar no lago

Data

GWh/dia

05/11/2005

398

05/11/2006

412

05/112007

452

05/11/2008

447

05/11/2009 05/11/2010

535 550

05/11/2011

505

05/11/2012

537

05/11/2013

502

Abaixo: pedras que normalmente ficariam submersas ainda podem ser vistas Se gun do o sec re tár io executiv o da Alago (Associação dos Municípios do Lago de Furnas), Fausto Costa, os prefeitos filiados estão com espera nça de recu peração do nív e l do reserv atório. "Existe sim a expectativ a de recuperação do nív el até o início do ano que v em ", explica. Mesm o com esta expectativ a, pelo histórico das cotas da represa, com exceção do ano passado e de 2 006 , o nív el atual está aba ixo das c otas dos dem ai s an os. Isto pode ser constatado até visualm ente. A água ainda está long e e as m ar g e ns e st ã o cheias de m a to, além de m ostrar terra e pedras que norm a lm ent e e st ari am subm ersas.

816

Veja geração de energia na região SE/CO


Alfenas, sábado, 09 de novem bro de 2013

11

Repasse de notas falsas se alastra Denise Prado E ditoria de Polícia

N Um dos veículos roubados, um Saveiro, foi localizado no município de Campos Gerais

Furtos e roubos de veículos continuam em toda a região Denise Prado E ditoria de Polícia

A

Polí c ia Mi li t ar de Alfenas e região tem registrado v ários furtos e/ ou roubos de carros e, em alguns casos, foram recuperados com o é o caso de um Sav eiro 1 .6 CS que foi roubado em Cam pos Gerais. O v eículo foi encontrado na zona rural daquele m unicípio. Por m eio de denúncia, a PM localizou um v eículo Gol que hav ia sido furtado no dia 15 de outubro. O c ar r o se en con tr av a abandonado, próxim o ao bairro Jardim Prim av era.

Trator N a m a dru g a da de quarta-feira, dia 6 , um trator foi furtado na zona rural de Serrania. O fato foi com unicado à polícia por

v olt a de nov e hora s da m anhã quando o proprietário contou que hav ia seguido os rastros do trator e que este foi trazido para Alfenas. Em diligência e continuando a seguir os rastros deixados na estra da que liga o bairro São Tom é ao perím etro urbano de Alfe na s, a PM che gou a té um a residência localizada n a r u a J u ru n a , Re si dencial Teixeira. Além do trator, a políci a l oca lizou um a m oto que tam bém era produto de furto e a polícia acredita que era usada na prática de assaltos. O morador, T.F.F. foi preso, à princípio, acusado de rece ptação. A polícia acredita que o rapaz faz parte de um a quadrilha que v em com etendo furtos e roubos na zona rural.

a sem ana passada, o Jorna l dos Lagos alertou a população sobre a circ ulação de notas de R$ 1 00 falsas no com ércio al fe ne nse. Esta prá ti ca tam bém tem acont ecido na região. Em C a m pos G e r ai s, três notas foram apreendidas pela Polícia Militar. Em um a Lan House no centro da cidade, um adolescente de 1 7 anos pagou os serv iç os c om u m a n ot a de R$1 00. Mais tarde, a v ítim a constatou ser cédula falsa e cham ou a polícia. Em ou tr o c om é r c io, agora no bairro Diadem a, a com erciante contou que um hom em realizou com pras e as pagou tam bém com nota de R$ 1 00. Ao se dirigir a um a agência bancária, ela foi alertada que a nota era falsa.

Notas de R$ 100 falsas têm circulado no comércio de Alfenas e região

Prisão Ainda em Cam pos Gerais, a PM realizav a patrulhamento no bairro Presépio quando suspeitou das atitudes de um adolescente. Ao dar busca pessoal, m ilitares encontram com o infrator, duas cédulas de R$ 1 00 falsas. Em Paraguaçu, a polícia saiu ao encalço de duas m ulheres que teriam passa do not as fa lsa s n o c om é rci o. Os poli ciai s e n-

contraram um a delas, na com panhia do namorado. Ao dar busca pessoal, for am e nc ont ra das m ai s duas notas de R$ 1 00 falsas. O casal foi lev ado para a delegacia local.

Em Alfenas Durante o fim de sem ana, a Polícia Militar registrou três casos de notas falsas no com ércio de Alfenas. Um a jov em de aproxim adam ente 1 8 anos com prou um a cartela do Sul Minas

Cap, no v alor de R$ 1 0 e pagou com um a cédula de R$ 1 00 falsa. Outr o caso acont eceu em posto de com bustív el da Av enida José Paulino da Costa. Segundo o frentista, o con dutor de um v eículo Fusion, com placas de Mac h ado, pa rou n o posto e abasteceu o carro, rea lizan do o pagam e nto com um a nota de R$ 1 00. A v ítim a só percebeu que a nota era falsa m ais tarde.

Adolescente é apreendido por furto so por tentativ a de furto. A. Q. tem v árias passagens pela polícia.

Denise Prado E ditoria de Polícia

P

or meio de denúncias, a PM apreendeu um a dole sce n te q u e, ju nt o com m a is duas pe ssoa s, praticaram um furto em um a residência localizada na Rua Vicente Lom onte. Se gu ndo as i nform ações recebidas pela polícia, três pessoas teriam pulado o m uro de um terreno, na área central de Alfenas. No local indicado hav ia dois telev isores. Com base no que foi passado e as características dos autores, m il it ar es a b or da ra m o adolescente que estav a de posse de um a m áquina fotográfica digital. O i nfra tor confessou que te ria participado do furto, junto com outra pessoa e apontou o local. Na casa indi cada, a PM encontrou a porta arrom bada e, próxim o ao local, um pé de cabra. Vizinhos entraram em contato com o

Em Machado

Além dos produtos furtados, a PM apreendeu o pé de cabra utilizado para arrombar a porta pr opri etár io q ue c onfi rm ou o furto das duas telev isões, m áquina fotográfica e garrafas de bebidas.

No sacolão N a m a dru g a da de quinta-feira, a Polícia Mil it a r foi c h a m a da por agentes de um a em presa de v igilância eletrônica, inform ando que o alarm e de um sacolão, localizado na área central, havia disparado.

Os policiais foram para o local e ao v istoriar as instalações do sacolão encontr aram A. Q. esc ondi do debaixo do balcão do caixa que estava com a gav eta toda rev irada. O rapaz contou que hav ia escalado o telhado do im óv el e entrou no sacolão por um a fresta. Ele foi pre-

Um a v endedora de 3 0 anos foi assaltada enquanto trabalhav a em um a loja no c entro da cidade. Segundo inform ações, dois hom ens chegaram ao local com os rostos cobertos e, um deles, arm ado com rev ólv er, anunciou o assalto. Eles fugiram lev ando pertences de dois v endedores e o dinheiro que estav a no caixa. Denúncias apontav am que os crim inosos estariam escondidos em determ inada residência. A PM estev e no local e encontrou o carro util izado no c rim e , a arm a e o m aterial roubado. Os autores não foram localizados.


sábado, 09 de novembro de 2013

12

Termina prazo para inscrição de detentos no Enem Denise Prado E ditoria de Polícia

T

e rm i nou n o di a 5 , quinta-feira, o prazo

de inscrição no Enem (Exam e Nacional do Ensino Mé di o) par a de te nt os e a dol esc en te s q u e c um pre m m edidas socioe ducativ as. As inscrições foram feitas exclusiv am ente pela internet por um coordenador pedagógico da instituição, com o auxílio do núcleo social das Unidades Prisionais. As prov as estão m arcadas para os dias 3 e 4 de dezembro e serão aplicadas n as própr ia s un i dade s onde estão os inscritos. No primeiro dia, os participantes terão qu atro hor as e m ei a pa ra r esponder às questões de ciências hum anas e suas tecnologias

Em Alfenas, mais de 100 presos participarão do exame e de ciências da natureza e su as t ecnologi as. No segundo dia, serão aplicadas as prov as de linguagens, códigos e suas tecnologias, m atem ática, além da redação. A duração chegará a cinco horas e m eia.

e xa m e e m bu sc a de certificação do ensino m édio. É preciso ser m aior de 1 8 anos para requerer a certificação por m eio da prov a do Enem .

Para a participação no Enem Prisional, os presídios e unidades de internação precisaram ter firm ado term o de com prom isso com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas E-

Para a inscrição dos internos no Enem foi necessário inform ar o núm ero da instit uição e CPF dos participantes. Assim , o núc le o soci a l da Uni dade Prisional de Alfenas con-

du ca ciona is An ísio Te ixeira - o Inep. Além de ser o responsá-

Documentos

Para a participação no Enem Prisional, o presídio de Alfenas providenciou a documentação dos internos

t ri bu iu c om e st a aç ão, agilizando a docum entação dos detentos, realizan-

v el pela inscrição, o coordenador pedagógico tem a atribuição de div ulgar as in form aç õe s do e xa m e ,

ção do candidato no Siste-

ano passado, o Enem para

m a de Seleção Unificada (Sisu) e em outros program as de acesso à educação

priv ados de liberdade tev e 2 3 .6 6 5 i nscr itos, sen do 2 0.6 87 hom ens e 2 .9 7 8

do entrevista junto à população carcerária do presídio para saber o grau de escol ari dade e col hen do

v erificar os resultados e encam inhar a participa-

superior. Segundo estatística, no

m ulheres. Do total de inscritos, 1 7 .9 4 5 fizeram o

assinaturas daqueles que m ostraram desejo em par-

ticipar do Enem . Dev ido ao Enem , o núcleo social aproveitou para orga nizar a docum e ntação dos internos, solicitando cópias das certidões de nascim ento, regularização dos CPFs jun to à Receita Federal e confeccionando segunda v ia das Carteiras de Iden ti da de daq ue le s qu e pe rder am os docu m entos. Para o RG, o presídio de Alfenas contou com a colaboração da 2 ª Delegacia Regional de Polícia Civ il, por m eio do setor de Identificação. Os identifica-dores Div aldo Márcio Rios e Edua rdo Rodr ig ue s Mi randa estiv eram na Unidade Prisional para colher as im pressões digitais de 1 5 apenados, cujas Carteiras de Iden t i da de fi c ar ã o prontas em dez dias. Outras carteiras serão confeccionadas assim que as Certidões de Nascim ento estiv erem prontas, pois m uitos presos são naturais de cidades de outros estados, o que dificul ta o contato com os cartórios. Este ano, m ais de cem presos lotados no presídio de Alfenas irão participar do Enem . Desde então, a dire ção da Unidade tem trabalhado no sentido de a da pt ar a lg u m a s sa la s para que sejam transform adas em salas de aulas, pois o presídio possui, funcionando, apenas duas salas.


Alfenas, sábado, 09 de novem bro de 2013

13

Pneus podem fazer a diferença Pelo título: Victor Corrêa fez bons treinos livres, aposta na sua qualidade técnica e no desempenho do seu carro

PROGRAMAÇÃO (HORÁRIO DE BRASÍLIA): Hoje, sábado: 7h25 às 8h00 - Classificação - (separados por 5 min) - 10h35 - Corrida Amanhã, domingo: 11h15 - Corrida Victor Corrêa estará passando todos os detalhes das provas do final de semana pelo seu facebook: Victor Corrêa Piloto

Electricols -, o piloto acum ulou altos e baixos, m esm o porque não participou de toda a tem porada. Agora, afirm a, a situaçã o é outra, com pletam ente diferente. Em seu fav or, continua com o m esm o engenheiro - Danny Ki ng - e t am bé m c om o m e sm o carro. "Por isso, tenho pontos positivos em m eu fav or e v ou tentar m e inspirar nisso para ser cam peão", reflete.

Valdir Cezário E ditoria de E s porte

E

ste final de sem ana é decisiv o para o piloto al fene nse Vic tor Corr êa Oliv eira Filho, 2 3. Ele v iajou para a Espanha na terça-feira, junto com os pais Victor Corrê a Oliv eira e Marise Soares, para correr pelo m aior t ítulo de sua carreira até o m omento: o Radical Master s Euroseries, o cam peonato europeu de au tom ob il ism o. Com 1 2 1 pontos, ele lidera o certam e, porém , tem ao se u e n ca l ç o, o l i t ua n o Konstantins Calkos, com 1 2 0 pontos. A rodada dupla deste final de sem ana será disputada no autódrom o da Cataluña, na prov ínc ia de Ba rcelona , na Espa nha. Pa ra ser cam peão, Corrêa precisa m anter a hegem onia sobre seu oponente, ou seja, se m anter na frente dele nas duas etapas da últim a rodada dupla do europeu. A sem ana foi de div ersos t e st e s pa r a V i ct or Corrêa. Em sua página no fa cebook ( Vic tor Corr êa Pil ot o) el e dá m a rg en s para que o torcedor que o acom panha possa ficar otim ista quanto aos resultados deste final de sem ana. Na quarta-feira, dia 6 , por exem plo, ele postou: "Muito feliz de estar de v olta às pistas para este im portante final de sem ana. Logo m ais com eçam os testes. Vam os dar o m áxim o este fim de sem ana e se for da v ontade de Deus sairem os daqui com o resultado esperado". E pediu: "Vam os todos torcer". E as prev isões do piloto alfenense se confirm aram na m anhã de quinta-feira, dia 7 , quando v oltou às redes sociais para escrever do seu trabalho na Espanha: "Ótim o dia de testes. Term inam os o dia com o segundo tem po. Agora é term inar de lim par o capacete e tra balhar m ais um pouco para m elhorarm os para am anhã (sexta)". E falou sobre o que pode ser a diferença nas duas corridas que fará hoje e am anhã: "Coloquei a foto dos pneus nov os, pois estes são quase sem pre a diferença do piloto, entre saber usálo ou não". Por fim , contou do resultado: "Para term os um a ideia, m elhorei três segundos na sessão só

Sistema

O piloto alfenense Victor Corrêa está otimista quanto ao sucesso nas provas deste final de semana; durante a semana, em Barcelona, preparou o carro, os pneus e ajustou os últimos detalhes para tentar o título do automobilismo europeu com os pneus nov os. Agora, é concentrar para amanhã. Abraço a todos". De Barcelona, as inform ações sobre a semana de Victor Corrêa são as m elhore s possív eis. "El e com e çou b em a lu ta pe la c onq u i st a do t ít u l o de cam peão da Radical Master Euroseries", disse o assessor de im prensa João Ota zu , q ue com pl et ou : "Victor participou de dois ensaios liv res em Barcelona e ficou com a segunda m elhor m arca do dia". Já o pi loto, após postar seu contentam ento nas redes sociais, falou, em entrev ista: "Agora v am os trabalhar m ais um pouco para m elhorarm os para am anhã", apontou o lí der do cam peonato, com apenas um pon to de v a ntag em sobre o litu ano Konstantins Calkos, que ficou com o quinto tem po do dia. Vi ctor C orrê a u sou o primeiro treino para recor-

dar os 4 .6 55 m etros e as 1 6 c ur v a s do c i r cu i t o da Cataluña, e para sentir as r ea çõe s de se u Ra di ca l SR8 com pneus usados. No interv alo a sua equipe trocou as m ola s e a b ar ra estabilizadora, e na segunda sessão, com um jogo de pneus nov os, precisou apenas de um a volta para ser o m ai s r ápi do. Logo em seguida o seu com panheiro de equipe Jam es Littlejohn baixou um pouquinho a sua m arca, e o brasileiro de Alfenas não tev e tem po de m elhorar ainda m ais o seu tem po por causa de um a bandeira v erm elha que encerrou a prática. "Estou contente com o carro para as condições de hoj e (q uinta ). Os pn eus nov os estão fazendo um a diferença grande aqui e tem os que saber aprov eitálos bem para v irar rápido. Eu m elhorei o m eu tem po em três segundos em ape-

nas um a v olta com eles. Agora v am os nos concentrar para am anhã, quando o circuito estará m ais em borrachado", contou o pi lot o de Al fen as. Kon stantins Calkos ficou com o quinto tempo do dia. Ontem , sexta-feira, seriam realizados m ais dois treinos liv res para a sexta e últim a rodada dupla do certam e continent al dos rápidos protótipos de 4 2 0 c av al os de pot ê nc ia . O treino classificatório será hoje, sábado, precedendo a 1 1 ª et apa. A etapa final ser á am a nhã, dom in go. "Quero sair com bons resultados de Barcelona e se Deus quiser com em orar o título", planeja o jov em representante da Unifenas.

que já fez, foram três v itórias e seis pódios. Ele só não conseguiu vitórias em dois c i rc u i tos: Pa u l Ri ca r d (França) e Silv erstone (Ingl ate rra ). Pa ra o piloto alfenense, não fosse os erros com etidos por ele m esm o em algum as prov as, já teria conquistado o título da t em por ada . "Bob ee i m uito; em Paul Ricard estav a n a frente na s duas prov as e bateram no m eu carro; em Silv erstone tiv e problem as no m otor; e em Spa rodei sozinho quando tam bém estav a na frente", lembra. Victor Corr êa está há seis anos no autom obilism o europeu. Ano passado, com a m esm a equipe que tra balha hoje - a Ma rks

Expectativa Vi ctor Cor rêa v iaj ou para Barcelona na expectati v a de trazer o tít ulo para o Brasil. Ele está bastante otim ista e disse que fará de tudo para não decepcionar os fãs e torcedores. A temporada 2013 está sendo das m elhores para Corrêa. Das dez corridas

Com um ponto à frente do li tu an o Konsta nt in s Calkos, Victor Corrêa pode ser cam peão até m esm o sem subir ao pódio nas próxim as duas corridas. Para isso, o seu oponen te tem sem pre que term i nar atrás. O sistem a de pontuação do eu ropeu de au tom obilism o pode prem iar o piloto alfenense de v árias form as. O prim eiro lugar em cada prov a le v a 2 0 pontos; o segundo, 1 5; e o terceiro, 1 3 . Além disso, o pi lot o q u e fi ze r a pol e position nos treinos lev a um ponto. Com o são dois treinos, um m esm o piloto pode faturar dois pontos. Tem tam bém um ponto a m a is para que m fizer a v olta m ais rápida de cada prov a, o que pode acum ular ainda mais dois pontos. Pa ra qu em qu ise r acom panhar as notícias diretam e nte da Cat aluña, na Espanha, poderá acessar a página de Victor Corrêa atrav és do facebook: Victor Corrêa Piloto. "Lá eu v ou postar notícias a todo instante; como estarei nos treinos; após a corrida tam bém, instantaneamente, já postarei inform ações dos resultados. Acompanhem l á e t orç am m u i to por m im . Com o prêm io a todos que estarão torcendo, espero trazer o título deste tão disputado cam peonato europeu", conclui. (Cola bo ro u: J oão A . Otazú, Mastermídia Marketing)

Classificação COL.

PILOTO/PAÍS

PON TOS

Victor Corrêa/Brasil

121

Konstantins Calkos/Lituânia

120

Terence Woodward/Inglaterra Ross Kaiser/Inglaterra

94

Tony Wells/Inglaterra James Littlejohn/Inglaterra

78


sábado, 09 de novembro de 2013

14

Triatleta e professor da UNIFENAS se prepara para o Ironman Brasil Há 7 meses da realização da prova, César Rodrigues intensifica sua preparação Everton Marques A ss ess oria de C omunic ação da UNI FEN AS

H

á 2 00 dias do Ironm an Brasil, considera da a m ai or prov a de triátlon do m undo, César Augusto Costa Rodrigues,

professor do curso de Educa çã o Físic a da UN IFENAS, intensificou a sua rotina de treinamento. O dia 7 nov em bro m arcou a jornada de preparação para esta que é um as das com petições m ais aguardadas pelo triatleta.

Futsal entre Empresas tem semifinalistas Valdir Cezário

tazar Teodoro.

E ditoria de E s porte

A

1 2ª edição da Copa de Futsal entre Em presas de Alfenas já conhece os quatro tim es sem ifinal ista s. Os jog os da fase quartas de finais do torneio foram disputados na te rç a-fe ir a, dia 5 , e na quinta, dia 7, e apontaram as m elhores equipes que continuam na briga pelo título. O futsal entre em presas está sendo disputado n o ginási o cobert o do Sesi (Rua João de Souza Sobrinho) e é promov ido e orga nizado pelos desportistas Antônio dos Santos Reis e Sandro Vilela. N o pr im ei r o jogo da noite de terça-feira, dia 5, clássico entre dois times fav oritos ao título e a Param otos lev ou a m elhor sobre a Unifi e ganhou a v aga para a sem ifinal com v itória por quatro a três. Os gols da v itória da Param ot os for am m ar ca dos por Rogério Garcia (o Cebolinha), Renato dos Reis (o Rena tinho), Reina ldo Oliv eira e Jone Edson. Já os tentos da Unifi foram de Jhon Erick (2) e Claudinei Eustáquio. A segunda partida da rodada dupl a ter m in ou com v itória da Alfa Lagos sobre a Am bev por seis a quatro, gols de Jefferson Aparecido (3 ), Rodrigo dos Reis ( 2 ) e Rodolph o Souza, enquanto Caio Augusto (2 ), Robson Alexandre e Rodol fo José de scon taram para a Am bev . Out ras duas parti das foram disputadas na quinta-feira. Na prim eira, a C asa s C oe lh o gol e ou a Ipanem a pelo pla car de nov e a três, sendo seis gols m ar c ados por G ust av o Lopes, dois por Fábio Souza e um por Lucas Costa. Os gols da Ipanem a foram de Maurício Sebastião (2 ) e Ri cardo Mi zael. Na segunda partida, o Superm ercado Pinheiros venceu a Construcar por quatro a um , gols de João Paulo (2 ), William Rodrigues e Bal-

Semifinais Com os resultados acim a, ficaram definidos os confrontos da fase sem ifinal. As partidas serão disputadas na próxim a terçafeira, dia 1 2 , com início previsto para às 19 h3 0. Na prim eira, a Casas Coelho v ai enfrentar a Param otos. Em seguida, o Superm ercado Pinheiros jogará com a Alfalagos. Caso um a das partidas term ine em patada, a decisão da v aga na final será atrav és de cobranças de pênaltis. Por enquanto, o artilheiro do futsal de em presas é Gustav o Lope s, da Casas Coelho, que tem dez gols. Ele é seguido por Rogério Garcia, o Cebolinha (Param otos), com sete gols. A defesa m enos v azada é da Am bev , q ue sofreu oi to gols e m qu atr o jogos. A Uni fi lev ou sei s, por ém , em três partidas.

Nestes próxim os m eses, até a prov a que será realizada no dia 2 6 de m aio, em Flor ianópolis, Sa nta Catarina, César terá que pedalar m uito, dar braçadas e correr para se preparar. A prova exigirá determ in ação dos com peti dores. T udo com eça com a natação: serão 3 .8 km . Ao sair da água, nada de descanso, é correr para a bicicleta, fazer a m elhor transição possív el, e com eçar a pedalar por cerca de 1 80.2 km. Para finalizar, ele terá que correr por m ais 4 2 .2 km . Segundo César, a prov a será com plicada, pois não env olv e apenas a questão física, m as tam bém a psicológica. Chegar ao fim de um a etapa do Iron m an, considerada a m aior prov a de triathlon do m undo, e que env olv e atletas profissionais e am adore s de 3 4 países, não é para qualquer pessoa. Ele sabe disso e não é um aventureiro, já que participa de com petiç õe s há a lg u m t e m po. "Obtiv e a m elhor colocação no ano passado, terceiro lugar na m inha categoria , na últi m a e tapa do Cam peonato Brasileiro de Triátlon Master, em Belo Horizonte".

Preparação Preparação é a palav ra de ordem para César. Ele

O docente do curso de Educação Física treina diariamente sa be o qua nto o tr ein am ento diário é necessário para se obter bons resultados. Em um a sem ana, seja sob sol ou chuv a, chega a percorrer em sua bicicleta 500 quilôm etros de distância. "São 3 horas, 4 horas, 5 horas de treino durante a sem ana e final de sem ana, o quanto der, 6 horas, 7 horas a ge nte chega a treinar", disse. Todo esse treinam ento é conciliado com a sua rotina de professor univ ersitário. De segunda a quinta-feir a, Cé sar m inistra aulas no curso de Educação Física da UNIFENAS. "É difícil, o tem po é curto, reduzido. Um di a te nho que m e lev antar às 4 horas da m anhã para fazer um treino, trocar um horário de correção de prov a e correr 2 horas da manhã,

antes de dorm ir, e assim vai." O professor de esportes cole tiv os e indiv idu ai s, quando há tem po, treina até m esm o no câm pus da Univ ersidade, local que ele considera ideal para se preparar. "Eu consigo treinar esca da, m ont anha, t iro, tem o cam po, o m aterial para fazer um a ativ idade funcional. Quando estou em Alfenas, deixo o dia especifico para a corri da", afirm a César, que reside em Pouso Alegre-MG. Duas coisas o acom panham em suas pedaladas solitárias pelas estradas da reg ião e at é m e sm o nas prov as: a fé e a fa m ília. "Isso qu e te dá forç a ! Pox a, t enho que che gar bem porque a m inha família v ai estar lá m e esperando na linha final. E a fé;

ela m e m ov e , sou m uito católico e gosto de praticar a religião com o parte tam bém do m eu treinam ento. Sobre suas prete nsões e m r e la ç ã o a o 1 5 º Ironm an Brasil, disse que seu obj etiv o é a o m e nos concluir a prov a. E, quem sabe, sonhar com a classifi caçã o para o Ironm an Kona no Hav aí, o m ais fam oso do m undo, já que a etapa do de Florianópolis é cla ssificat ória . Ma s, e nquanto não chega a prov a brasileira, o jeito é nadar, pedalar e correr diar iam ente. A ideia de participar do Ironm an é prov ar para as pessoas que os dese jos podem rea liza r-se. Basta dedicação e acreditar que no final dá certo. A ge nte abdica de m uit as coi sas, m as lá na fre nte v ocê colhe bons frutos."

Evangélico hoje Tam bém no ginásio coberto do Sesi está sendo disputado o 1 4 º Cam peonato Ev angélico de Futsal de Alfenas, prom ovido e organizado pelos despor tistas Cláudio dos Santos e Antôn io dos Re is Sa ntos. A com petição já se encontra na fase quartas de final e, no iní cio, contou com a participação de dez equipe s. A pena s oi to prosseguem e hoje m ais quatro delas ficarão de fora. Na primeira partida da rodada deste sábado, dia 9 , v ão jogar as igrejas Quadr an g u la r x A r ea do (1 3 h4 5). Em seguida, às 1 4h4 5, se enfrentam: Univ ersal x Casa da Bênção. O terceiro jogo da rodada, às 15h4 5, será entre Paragua çu x Filadélfi a II. E, por fim , às 1 6 h4 5, jogam : Transcultural x Filadélfia. Os v encedores estarão fazendo os jogos sem ifinais no próxim o dia 1 6 . Caso h aj a em pat e n o te m po normal, a decisão da v aga será através de pênaltis.

Basquete de Rua

Alfenas fica com o vice em Contagem Otávio Borba E ditoria de E s porte

O

basquete de rua está buscando se tor nar uma realidade em Alfenas. Rec entem ente, a equ ipe al fe ne nse, C on ex ão S ul Alfenas, estev e em Contagem , na região m etropolita na de Be lo Hori zont e, participando de um a com petição naquela cidade. De acor do com inform a ções prestadas pelo diretor de e spor t es do m u ni c ípio, Thiago Souza Alexandre, no total de cinco jogos, os alfene nses v encer am todos. Segundo Thiago Alexandre , esta com petição foi or ga n i zada pe l a LHBRA 2 01 3, Contagem MG. O Conex ão Sul perdeu apenas na partida final para o Uu Thug Life e

ficou com o segundo lugar. A equipe alfenense tem os se gu in te s j og ador es: Dan i e l Ba lb i n o, Luc a s Alv es, João Netto, Francisc o Bi l l, S au l o Kol to e Eduardo Faria. A com issão técnica é form ada por J osé Rob e rt o Al b i no, Juli ana Gom es Albi no e Gabriela Matheus Assunção. "Nossa equipe continua sendo um a das m elhores do basquete de rua do Esta do de Mi nas Ger ais, inclusive recebem os elogios do líder do UUi T hug Life, Hertz Ferreira, que reconheceu a dedicação e respeito dem onstrado pelo nossos a tle ta s, den tro e fora da quadra, com apresentações de alto nív el e em ocionantes", ressalta o tr ein ador, José Rober to Albino.

Conexão Sul Alfenas, time de basquete de rua que terminou com o vice em Contagem


sábado, 09 de novembro de 2013

15

Seleção sub-17 se classifica no Sul Mineiro de Futsal Otávio Borba E ditoria de E s porte

O

futsal alfenense está par tici pando da 6 ª C opa S ul Mi ne i r a de Futsal, realizada pela Associação Regional de Ofic ia is de Ar bi tr ag em , a Aroa, que tem sede na cidade de Elói Mendes. Segundo o treinador da seleç ão de A lfen as su b-1 7 , Juli ano dos Santos, esta com petiç ão tem equi pes do Sul de Minas e para a participação dos alfenenses, a seleção conta com o apoio da Secretaria de Esportes e Juv entude. De acordo com o professor de Educação Física form ado pela UNIFENAS e tre ina dor Jul ian o Roberto dos Santos, o prim eiro confronto dos m eninos de Alfenas foi diante da sele ção de Ne pom uc eno e sua equipe perdeu de quatr o a doi s. "Foi um jogo bem di fícil, onde saím os perdendo de dois a zero e com gols de Vinícius Flausino e Gustav o Pardal chegam os ao em pate. Na ânsia de chegarm os a um a v itória colocam os o goleir o li nh a, m a s er ra m os m uitos passes e acabam os

Seleção de futsal de Alfenas, sub-17, que está disputando a Copa Sul Mineira da categoria perdendo o jogo pelo placar de quatro a dois", relata. O jogo foi disputado no ginásio Mutucão, dia 2 2 de outubro.

Empate E n o m esm o g i ná si o Mutucão, na quinta-feira, dia 2 4 de outubro, o selecionado de Alfenas v oltou a a t u ar pel o su b -1 7 e quando tudo parecia consum ado, o tim e alfenense - que abrira quatro gols de v antagem - cedeu o empate. Juliano dos Santos conta que este foi um em pate c om sab or de de r r ot a . Wen derson, Luca s Vi ní-

c iu s, Lu i z Edua r do e Gu sta v o Par da l m arc aram os gols da seleção de Alfenas. "Fizem os um ótim o prim eiro tem po e, na segunda etapa, nossa equipe errou dem ais e dispersos, permitimos o empate", relata.

Goleada Mesm o atuando em seu reduto, o selec ionado de Eloi Mendes não foi adv ersário tem ido e a seleção de Alfenas goleou pelo placar de 1 3 a doi s. S e g un do Juliano dos Santos, "com um saldo negativ o de três gols, a nossa equipe tinha

que tirar pr ov eito desta par t ida e c onse gu i m os um a goleada que foi preponderante para a nossa cl assi fi ca ção", r essa lt a. Esta part ida acont ec eu num a quinta-feira, dia 31 . Os g ols for am m arc ados por: Gustav o Pardal (5), Lucas Vinícu s (3 ), Wenderson (2 ), Vinúicius Flausino (2 ) e Japa.

Classificação Rel atos env ia dos pelo professor e treinador Juli an o Sa ntos in form am que na sexta-feira, dia 1 º, Nepom uceno v enceu Três Pontas por seis a quatro e,

c om i sso, a e qu i pe de Alfenas se classificou em segundo lugar na chav e A. Agora os alfen enses v ão j og a r c om a e q ui pe de Lam bari, em duas partidas, e Alfenas irá m andar seu jogo de casa na cidade de Elói Mendes, na quinta dia 1 4 de nov em bro. Depois, na segunda, dia 2 1 , em Lam bari. "Vam os trabalhar muito para acertar alguns detalhes e deixar todos os jogadores pronto para a partida e vam os tentar ter um diferencial para o jogo do "goleiro linha", pois se tiv erm os numa situação de-

licada na partida, v am os c ol oc ar , um a v e z qu e estam os treinando há algum tem po para este tipo de sit uação. Serão duas partidas decisivas para nós conseguirm os chegar na g ra n de fi n al ", e nc e rr a Juliano Santos. Além do apoio da Secretaria de Esporte e Juv en t u de , a se le ç ã o de Alfenas tem o suporte dos seguintes patrocinadores: Clube Esportiv o Operário, Vidro Jato, Calçados Santa Clara, News Adesiv os, Casas das Calhas, Exclusiv a Ou tl e t e Far m á ci a Bernardes.

Copa Primavera de Futebol de Base

Escolinha Cruz Preta recebe Atlético de Boa Esperança Otávio Borba E ditoria de E s porte

A

Escolinha Cru z Pre ta/Prefeitura de Alfenas receberá hoje, sábado, dia 9, a partir das 8h30, as categorias Mirim , Infantil e J uv enil do At lético de Boa Esperanç a. Os j ogos são v álidos pela Copa Prim av era de Futebol de Base, organizada pela Lifusa e pelo despor tista Valdir Donizeti dos Santos. Os jogos das equipes com andada s pel o tre in ador José Carlos de Moraes, o Vardem á, acontecem no Estádio Rachid B. Saliba. Na última segunda-feira, dia 4 , tev e coletiv o em dois períodos, m as dev ido

aos jogos finais do Joesa, principalm ente os garotos da esquadra Juv enil, não esti v eram pr esentes nos trei nam entos e isto tem pr eocupado o tr ein ador Vardem á. "Além da chuv a que nos atrapalhou o treino físico de quarta-feira, a falta de jogadores tem sido um a constante e isto é prejudicial, pois v am os inicia r u m m a t a -m a t a e m quartas de finais e dev íam os nos preparar m elhor. Mas não tev e com o e v am os na base da raça buscar bons resultados e depois seguir para Boa Esperança onde terá os jogos de v olta", relata. De acordo com Car linhos Vardem á estav a pre-

v isto para ontem , sextafeira, um coletiv o apronto em que ele decidiria os nom e s do ga rotos q ue v ão para o jogo deste sábado. Conforme o treinador, três reforços de Serrania dev erão estar presentes neste confronto. Ele relata ainda que algum as mudanças e m r el a çã o à s u lt i m a s apresentações, quando as três categorias perderam para o Bola Preta, dev em acontecer. "Ainda não tem os nada defin ido, m as v ou m udar sim , principalm ente o time Juv enil, pois tiv emos falhas indiv iduais gritantes e, com isto, dev o m udar duas ou três peças", encerra.

Escolinha Cruz Preta treinou durante a semana para enfrentar, hoje, sábado, o Atlético de Boa Esperança, no Rachid Saliba


sábado, 09 de novembro de 2013

16

Faleceu José Vieira, o roupeiro da Saliba

CLUBE ESPORTIVO OPERÁRIO Em pé, da esquerda para a direita: Amir, Zé Vieira, Camilo "Tripa", Zé Carlos, Tadeu, Ailton, Carlinhos Costa, Wanderley "Magal", Ninho e Buchinha. Agachados, na mesma ordem: Waguinho, Zé Libério, Gibi, Laercinho, Dorival e Leandro 'Jacaré'. Otávio Borba Repórter E s portivo

O

dia 1 2 de outubro feriado de Nossa Senhora Aparecida e dia da criança - foi m arcado de form a triste para a fam ília do Sr . José V iei ra , m as com a certeza que a m issão dele foi fielm ente cum pr ida aq ui n a t err a. Zé Vieira, com o era m ais conhecido, teve m aior parte da sua v ida entregue à firm a S/A Rachid B. Saliba, onde labutou por 4 5 anos ininterruptam ente. Ele foi sepult ado no m esm o dia 1 2, por volta das 17 h30. Na Saliba, fazia de tudo um pouco. Era m adeira para toda obra. Cuidav a de tudo e de todos, tanto na fáb rica q uando na Il ha, onde lida v a com os a nim ais de estim ação do patrão J am il Saliba. E aos dom ingos, o grande prazer de José Vieira, era nov am e nte estar se rv i ndo a S al ib a, desta v ez c om o roupeir o, hoje g arb osa-

m ente cham ado de m ordom o. Coisas da m odernidade que certam ente Vieira não se im portav a, pois era desprov ido de v aidade. Quer ia apena s serv i r. E com o serv iu a Associação Atlética Saliba e m ais tarde, o Clube Esportiv o Operário. Estev e nos grandes m om entos do clube celest e, onde a s con qu i sta s eram mais constantes. De fala m ansa e pouca prosa, Zé Vieira batalhou e m uito pelos filhos, pois ficara v iú v o be m c e do. Don a Rita, sua sogra, foi a articuladora nesta criação, pois o pão de cada dia não podia faltar e além dos filhos, os netos foram abrigados com carinho naquela casa repleta de dificulda de s, fato c om um n os a nos pa ssa dos, m a s de m uito trabalho e disposição, principalm ente dele, o gr ande e bata lha dor Zé Vieira. E a ssi m , se foi m ai s um a lenda do futebol de Alfenas, pois não apenas os

joga dores e dire tores fazem a h istór ia de um a equipe. Aqueles que lutam no a noni m a to t am bé m faze m a hist ória de seus re spec ti v os cl ub es e Zé Vieira foi o fiel retrato do tim e presidido por Jarbas Soares. Ele sofria até m ais que certos jogadores quando a esq uadra que te v e C el in o Gu edes e t an tos outros com o treinadores, pe rdia u m a pa rt ida ou um a decisão. Eng r a ça do, u m dos seu s 1 8 n et os, Rodr ig o "Cebinho", disse que acha que o avô Viera nasceu em Serrania. Sim , m as para m im , que em bora tenha nascido em Carm o do Rio Claro e tenha m udado ainda criança para Alfenas, tenho a im pressão que a família dos Vieiras brotou ali m esm o naquela lugar, naquela casa da entãoPracinha Minas Gerais, hoje, Praça Rachid B. Saliba, onde o clã v em aumentando gradativamente. Me r e c or do c om o se

ontem fosse, das "peladas" no cam po on de h oje é a praç a. Terr ão v erm elho com boa dose de c aco de v idros. Na época, dividíam os aqu el e e spaço c om circos e parques. E as irm ãs Nena e Rosenilde jogav am conosco até que o Sr. Zé Viera aparecia para o alm oço e fagueiras, elas saía m despi stadam e nte, in do a o en con tro do pai que não se incom odav am das filhas jogarem entre os m ar m a nj os, pois e ra m v igiadas de perto pelos irm ãos Chico e Jorge. E assim , cessa um a história e ficam outras páginas a serem escritas pelo futuro e pela família. Zé Vieira nasceu em 19 27 , vindo a falecer em 12 de outubro de 2 01 3. Ele era filho de Francisco Vieira e Francisca Vieira. Viúv o de Maria das Dores Vieira. Filhos: Vitor, Lúcio (falecido), Franc isco Car los, o C hico ( falecido), Jorge, Lena, Ana Maria (falecida), Rosenilde, Rosangela e Ana Lucia (falecida).

Jogos Escolares estão se afunilando Otávio Borba E ditoria de E s porte

O

Joesa - Jogos Escolares de Alfenas - está chegando à sua fase decisiv a em v árias m odalidades. Na Escola Municipal Antônio Joaquim Vieira, o Poliv alente, por exem plo, durante a sem ana aconteceram partidas de futsal. Os jogos são prom ov idos e realizados pelas secretarias de Esportes e Juv entude e de Educação e Cultura. No futsal masculino do m ódulo 1 , dia 2 8 de outubro, segunda-feira, os jogos apresentar am os seguintes resultados. Os m e-

ninos da Escola Esperança perderam para o Colégio Atenas pelo placar de dez a quatro. No segundo confronto, a escola Fausto Monteiro foi goleada pela Padre José Grimm inck por nov e a um . Em seguida, o tim e da Sam uel Engel v enceu o Professor Viana por cinco a três. Fechando a r oda da do dia 2 8, o Pol i v al e n te g ol e ou o Ismael Brasil por 11 a dois. Na sexta-feira, dia 1 º, tam bém no Poliv alente, os re su lt ados fora m os seguintes: o Sagrado Coraç ã o b a te u o Le v in do Lam b ert por seis a zero. Em se gu i da, a Fa u st o Mont ei ro prov ocou WO

e m fa v or da Escol a Orlando Paulino. No terceiro c onfronto do dia, o Ism ael ganhou da Escola Esperança por oito a um . Fechando a rodada do dia 1 º, a Padre Gri m m in ck goleou o Caic por 1 6 a um . Na segunda-feira, dia 4 , m ais quatro jogos acontec eram n o Pol iv alen te, t odos pel o m ódu lo 1 do futsal m ascu lino. O Professor Viana bateu o Sagrado Coração por quatro a ze r o. Em se gu i da, a Orlando Paulino v enceu o Caic por quatro a um . No terceiro jogo daquela tarde, o Colégio Atenas bateu o Poliv al ent e por se is a três. No último jogo da tar-

de do di a 4 , o S a m u e l Enge l v ence u o Lev indo Lam bert por nov e a quatro. Na t erça-fe ira, di a 5, m ais quatro jogos m ov im en t a ra m a Escol a Poliv alente. No m ódulo 0 do futsal m asculino, o Atenas v enceu na sem ifinal o Tereza Paulino por quatro a um . O Pol iv a l en t e goleou a Escola Esperança por 1 7 a zero. WO em fav or do Fausto Monteiro aplicado pela Escola João Janu ário de Magalh ães. Encerrando a tarde de terça-feira, o Professor Viana v enceu o Levindo Lam bert por seis a três.

Batendo bola com o leitor (*) Pedro A. Souza

Campeonatos brasileiros: ***SÉRIE A , 3 2ª roda da : pou cos g ols: 1 9 , m édia de 1 ,9 gol por par t ida. O Cr uzeir o, em San t os, dom in go, jog ou m u it o bem e v en ceu o tim e pra ia n o por u m a zero. O A tlético, n o sá ba do, em Belo Hor izont e, jog ou bem e g oleou o Ná u tico por cin co a zer o. -33 ª rodada (fa lt a n do cin co): h oje, dia 9, 1 9 h 3 0, Ba h ia x A tlét ico, em Salv a dor. Am an hã , 1 7 hora s: Cru zeiro x Grêm io, em Belo Horizon te. -O Cr uzeir o é o pr im eir o coloca do com 68 pon t os; o At lético é o sext o, com 4 8 pont os. Os celestes poderã o ser ca m peões se v en cer em o Gr êm io e o A t lét ico Pa r a n a en se e o Bot afog o nã o v en cerem . Há out ra s com bina ções. ***SÉRIE B, 33 ª r oda da: A m ér ica 1 x 0 A SA; e Icasa 1 x 0 BOA. -3 4ª roda da: São Ca eta no 1 x 1 A m ér ica (dia 5 ), em São Ca et an o do Su l. On t em , sex t a-feira , 2 1 h 5 0 , o BOA Espor t e en frentar ia o Para ná. -O A m ér ica est av a na sét im a coloca çã o com 5 2 pon tos. O BOA Espor te em 1 1 º com 44 pontos. O qu ar to lu gar é o Icasa, com 5 3 pont os. Par a qu e n ã o se dista n cie m uit o, o Coelh o t er á qu e t or cer por t r opeços de Pa r a n á , dia n t e do BOA ; Join v ille dia nt e do Pa lm eir as; Av aí cont ra o ASA; Icasa cont ra o A BC; e Spor t dian te do Cear á. A v a í e Pa ra ná jog ar ia m on tem , for a de seu s dom ínios. Join v ille, Ica sa e Sport jog am hoje, ta m bém for a. -3 5 ª r oda da : t odos os jog os na t erça -feir a , dia 1 2: 1 9 ,3 0 , BOA x São Ca eta n o, em Va rg inh a ; 2 1 h 5 0; Am érica-RN x Am érica Mineiro, em Nata l. ***SÉRIE C: jog o de v olt a do Bet im , em Recife, com m a is de 6 0 m il pag an tes - San ta Cr uz 2 x 1 Betim . Com est e resu lt ado, o Sa n ta , depois de seis a n os, v olta à Sér ie B. O Bet im , qu e poder á ser nov am en te Ipat in ga, m an tém -se na Série C. -Sem ifin ais: ida, Vila Nov a 0 x 0 Sam paioCorrêa , em Goiân ia. Volt a: Sa m paio Cor rêa x V ila Nov a, am an hã , dia 1 0, 1 7 h ora s, em Sã oLuís. Ida: Sa nta Cruz x Luv erdense, am anh ã, 1 7 horas, em Recife. V olt a: Lu v er den se x San ta Cru z, dia 1 7 , 1 7 h or a s, em Lu cas do Rio Ver de-MT . ***SÉRIE D: Bot afog o-PB é o ca m peã o. V en ceu , n o últ im o dom in go, dia 3 , o Juv ent ude-RS por dois a zer o. Perdeu em Por to A legr e por dois a u m . Bot afog o, Juv en tu de, Sa lg ueir o e Tu pi subir am par a a Série C. ***COPA DO BRA SIL: sem ifin ais, v olt a : Fla m en g o 2 x 1 Goiás; Gr êm io 0 x 0 At lét ico-PR. Fin ais: dia 2 0, At lético-PR x Fla m en g o, jogo de ida. A decisã o, jog o de v olta , ser á dia 27 , n o Mara can ã. ***COPA DO BRA SIL SUB-20, su rpr een den t em en te, o Galin ho foi g olea do pelo San tos (6 x1 ) e ficou de fora da decisã o. Dia 7 , Cr iciú m a 2 x 1 Bot a fog o (jog o de ida : 2 x 3 Cr iciú m a). Fin al: Criciúm a x Santos. ***CAMPEONA T O MUNDIA L SUB-17 (Em ir a dos Á r a bes Un idos). O Br asil per deu n os pên a ltis par a o Méx ico e saiu n as qu ar t as. Méx ico elim inou t am bém a Ar g en t in a e decidir ia ont em o t ítu lo com a Nig ér ia . ***COPA SUL A MERICA NA , qu a r t a s de fin a l (v olt a ): La n u s 2 x 1 Riv er Pla t e; Nacion a l/Col. 0 x 0 Sã o Pa u lo; Libert ad/Para gu ai 0 x 1 It ag ui/Colôm bia ; Velez/A rg en tina 0 x 2 Pon t e Preta . Sem ifin a l: Sã o Pa ulo x Pont e Pr et a (prim eiro jogo em São Pa ulo); Lan u s x Liber t ad (prim eir o jog o na A rgentina).

MENSAGEM: “Seja sincero consigo mesmo. Não proponha para si tarefas que não possa realizar. Comece aos poucos, passo a passo. Quando perceber, terá feito uma longa caminhada. Sendo honesto consigo mesmo, você jamais será falso com quem quer que seja”. Desejo a os a m ig os leit ores u m a ben çoa do fina l de sem a na . PAZ, ESPERA NÇA e BONS pen sam en tos sã o os m eu s desejos. Um abr aço a t odos os leit or es. Con te aos am igos, espa lhe por a í o Jor na l dos La g os.

LEMBRETES: **In dique pist a s àqu eles qjue lh e pedem a juda . Dê su gest ões do ca m in ho a t om a r. Or ient e, apena s! Os passos quem dar á será a pessoa qu e lh e pediu a ju da .

RECOMENDE A RÁDIO CULTURA AOS SEUS AMIGOS E AMIGAS. ESPALHE POR AÍ (AM ou OM = 1180 KHW)

RÁDIO CULTURA AM DE ALFENAS: A RÁDIO DO POVO! e- mail: jlagos @ unifenas .br - Show do E s porte - Rádio Cultura A M . Horários : de s egunda a s exta, das 1 1h às 1 2 horas . Sábado: de 1 1 h às 1 3 horas .

(*) Cirurgião Dentista e Comentarista Esportivo da Cultura AM


Alfenas, sábado, 09 de novem bro de 2013

17 PÉROLAS DO CLOVIS CLOV IS PEREIRA, Alfenense e professor em São Paulo-SP

DR. HÉLIO MOREIRA (*) O autor é alfenense, nasceu em Gaspar Lopese reside em Goiânia; é membro da Academia Goiana de Letras; da Academia Goiana de Medicina; Instituto Histórico e Geográfico de Goiás drhm oreira@gmail.com www.heliomo reir a.blogsp ot.com www.academiagoianad elet ras.org

BAÚ LITERÁRIO

Entrevistando um defunto O Dia de Fin ados foi com em or a do com o m a n da a lei do fig ur in o. Mu ita s flores, religiosos de v á rios cr edos 'v enden do o peixe', m a r ret eir os com er cia liza ndo v ela, flor , ch ur r asqu inh o, sor v ete, pipoca , bebida v a ria da , a qu ilo qu e observ a m os n a da t a em que se com em or a o Dia dos Mor tos. A nt es, dia 1 º, foi com em ora do pela ig reja ca tólica , o Dia de T odos os San t os. O v iv en t e qu e prom et eu saldar u m débit o n o 'Dia de Sã o Nu n ca ', o pr a zo foi esse; deix a n do pa ssa r , jur os e corr eçã o m on et ár ia com plicam o já com plicado dev edor e, seg un do filosofia do fin a do tio Onofre, 'Quem pede é por que nã o t em e nã o t en do, com o pa g ar á?' Est an do em v isit a a os pa ren tes e a m ig os, v isitei a reda ção do JL, cu m prim en tei Va ldir Cezá r io, Bor ba , A nder son que esta v am no ba t en te. Ou tr os colabora dor es n ão fora m encont r ados em su a s r esidências: Sa bóia, Wa ldir de Lun a Ca r n eiro e Ilm a . Nã o fa lt a r á oca siã o. Est iv e com pa dr e Hom ero e Dr. Eu clides Ma g alh ã es da Silv eira , pessoas qu e en obrecem o m ist er . Aprov eita ndoo em ba lo, resolv i da r um a cheg ada à cidade dos pés jun t os. Fui com un ica do sobre a inv a sã o de v ân dalos no con dom ín io da t ur m a que pa r tiu dest a pa ra m elh or , no t ra dicion al Cem itério da Saudade, ina ug ur ado em 1 91 3. Visit ei a capela , as alam eda s e out r os pon t os do con dom ín io da tu rm a. Notei u m a pequena desa v ença pr opor ciona da pelos v â n da los qu e, no m eu pont o de v ist a , dev eria m est ar no lu ga r dos m ort os, da ndo sosseg o a os v iv os, aos m ort os, v er da deir os don os do peda ço e a os qu e est ã o com dois ca rt ões am a relos. En tr ev ist ei u m defu nt o qu e g en t ilm ente atendeu m inha ligaçã oa tra v és do celular necrólatr a: - A lô, com qu em falo? Per gu nt ei. - Com o m ora dor da quadra..., esqu eci n úm ero, a ndo com a ca beça 'zu ada'. .., v ou receber v isit a da m inh a ex -m ulher, m in ha sog ra e de a lg un s cr edor es qu e dei o 'ca no', que m an da s? - Sou be qu e n a n oite do dia 1 3 /1 0 , a lg un s v ân dalos fizer am u m a v isita a div ersos condom ínios dest a qu adr a, der ru ba ndo im ag ens, quebr andoo que en con tr av a m pela frente... - Sim , foi um a zorr a t ota l. A cor dei assust ado com pr essão a lt a, t om ei a lg un s com prim idos de 'Propa nolol' que a in da m e r est a v a m , a pr opósit o, r et or na n do a dqu ir a u m a

DEIXE-ME CONTAR ENQUANTO ME LEMBRO!

Anotações no Diário da Santa Tereza Hoje, ant ev ésper a do Na tal de 1 99 5 , lev a n tei m a is cedo do qu e o cost u m e: 7 hor as da m an hã já estav a "in sta lado" n a m in ha ca deira de r ecost ar , coloca da na v ara nda da San ta T ereza. Há um âng ulo em qu e m e colocoque m e per m it e um a v isão pr iv ilegiada da repr esa; m eu ca m po v isu al at ra v essa, in icia lm en t e, os v ã os da s colu n a s da casa e desv ia de v á r ios ca u les de ár v or es est r a t eg ica m en t e loca liza da s n o plan o in clin ado da a la m eda , cont or na u m a escu lt ur a do ar t ista plástico e sobr et udo m eu am igo Xa v ier e se apr ox im a, sem g ra n de dificulda de, da s sua s m argens. Nesta "v ia gem ", v ejo pelo ca m inh o v ár ios ca nt eiros de flor es, dois pequen os lag os ar tificiais, um a pequena , in gên ua, porém eleg ante cascata, além de u m rega to t ort uoso que com u nica u m lag o com o ou t ro. Bem próxim o da ca sa h á um "ta bu leir o" depen du r a do em u m g a lh o de á rv or e; todos os dia s o jar din eiro João, a t en den do m in h as r ecom en da ções, coloca n este com edou ro im pr ov isa do, a lim en tos pa r a cen t en a s de pá ssar os que já se a costu m a ra m com a pen sã o gratuita. Nest e m om en t o, 8 a 1 0 pá ssa r ospr et os fa zem g r a nde a lg a za rr a , ch a m a n do m in h a a t en çã o, pa r ece qu e ag ra decendo m in ha hospita lidade. Se pr ocur o u m pou co m ais n o horizon te, v isu alizo, no ou t r o la do da r epr esa , u m ou t r o pequ en o bosqu e qu e pla nt am os, Décio e eu , h á m a is de cin co an os. Os ba m bu s loca liza dos à s m a rg en s da represa já adqu iriram post uras adu lta s, sua s centena s de g alh os dispu ta m , ent re si, a pr im azia de a lcan ça rem altu ra sm aiores, sobrepu jar em o v izin ho e, por con sequ ên cia , se fa zer em n ota -

dos com m aior fa cilida de. Há a inda o r eflexo das su as im a gens na ág ua clar a, im it andofant asm a sque se m ov im en t a m , sem est a rda lh aço, qua n do a br isa sopr a com gen t ileza a super fície do lençol de ág ua . A esta hor a da m an hã, um zéfiroque v inha da serr a, tr azia n o seu ra st ro um perfum e gen til qu e m eu olfat oident ifica a sua origem - açucen a. T en h o u m liv r o n a s m ã os, por ém , r elut o em a br ir su as pá gina s; recostom e com t ra nquilidade e pregu iça, est ico a s pern a s no sent ido do sol qu e in icia , com seu s r aios, a lam ber a v ar an da. Mom en to de qu ase n osta lg ia ! Recu so-m e a fech a r os olh os e con v er sa r com m in ha s in t rospecções. Não há com o deixa r de v iv er a plenitu de do m om en to de com u nh ão com a n atureza! Con v er so, em silên cio, com m eu bom a m igo Dr . Ur su lin o Leã o; t ent o, pela lem bra n ça da s leit u r as das sua s m a ra v ilhosas crôn icas, fazer um elo de

ligaçã oentr e a San ta Tereza e a sua ador ada Fa zen da Sã o João. Com o eu g ost a r ia de t er o poder de com u nica çã o qu e ele im pr im e aos seus escr it os pa r a poder t r a n sm it ir t oda em oçã o qu e sin t o n a m in h a r ela çã o com a Sa nta Tereza. "A g or a sã o ou t r os pá ssa ros qu e t om am con t a do pá t io. Peg o m eu lu ga r ju nt o a o t a m boril e os a g u ar do. Log o v êm . A m aior ia se ocu lt a n as á rv or es e com eça a ca nt ar . A lg u ns fica m passea ndo n a cu m ieir a do bar r acã o. Os dem a is v oa m da qu i pr a li, best an do. E ex ist em a qu eles qu e a pa r ecem sozin h os. Qu ase n ã o se not a qua n do ch ega m ... (Ursulin o Leã o, Pássa ros n a ta rd e: G r a n d e S e r t ã o, O Pop u la r , 1 1 .02.94)" Egoist ica m ent e m e sint o don o desta n atu reza, as flor es m e fita m e em br ia ga m m eu eg o, os pá ssa ros can t am só pa ra m im , o v ento bala nça asfolha s das á rv or es, pr ocur a n do, por ém , nã o fa zer m u it o ba ru lh o. Ben ditas h ora s na Sa nt a T er eza!

car t ela desse m edicam ent o. A gr a deço; pode ser gen ér ico. Ret or na n do, a lém de qu ebr ar em m u it a coisa e tira r o son o de algu ns colegu in ha s, ainda defeca r am por t odo lado, deixa ndo odor na da a gra dá v el; dev em hav er dev ora do u ru bu a o m olh o pa rdo! Fiqu ei t ra um at iza do, acredite. - O sen hor receber á v isita da ex-m u lh er ..., da sog ra , dos credor es? Seu t im e est á com pleto! - Sim ! Dig o ex-m u lher, dev ido ser n ov a , pouco u so, h er dar ca sa m obiliada , t elev isão, e ga r an h ões é o qu e n ã o falta m . Qua nt o à m in ha sog ra , est a sem pre m e t ir ou o sossego e a g or a, qu a ndo a par ece n o condom ínio dos pés ju nt os, sa i da fren te! Em v ezde rezar ou ora r, reclam a de a lg um as conta s de á gu a, luz e t elefon e qu e deix ei par a a dita cuja sa ldar . Pô, ela v iv eu algu ns an os na s m inha s costa s, qu e cu sta t ir ar a s con t as do 'g an cho?' E o pior : m ete o pau pr a t odo m u ndo de qu e eu deixei 'pa pa g aios' em div er sos botequ in s..., sogr a é fog o! Você tem sogr a? Perg u nt ou . - Nã o, m in ha sog ra faleceu após m eu casam en to. Ponderei. - Vá ter sor te assim n a China ! Jog ue na loteria que cr av ará n oprim eiro pr êm io! Ar gu m en tou. - Sou g ra to pela atenção. V ou in ter rom per a liga çã ocujos pulsos sã o car os, m a s deu pr a en tender. A propósit o, com o é a v ida a pós a m ort e? E a v ida neste condom ínio? Perg un tei. - A v ida após a m ort e é en ig m át ica ! Som os proibidos de com ent ar , senã o ning uém qu er m or rer e com o ficar á o planeta T err a? Dojeito qu e está, t á lot ado. Se t urm a 'e m birr ar ', lot a at é a o ta m po! Por isso, Deu s, à m edida qu e n a sce um , conv oca u m a lev a para dar espa ço senão... Apa reça qu an do pu der e n ã o se esqu eça de t r a zer os com pr im idos de 'Pr opan olol'! Gra to!

LUCIANA SIQUEIRA CARVALHO Professora de pintura ateliê ‘Fisarte’ blog: lumaosquefa zem.blogspot.com

Necessário vos é nascer de novo Nós fica m os m a is cr ist ã os n a m edida em qu e n os a pr ofu ndam os no conh ecim ent o das coisa s de Deus. No Ev an gelho de Joã o, cap. 3 , na rr a o encon tr o de Jesu s com Nicodem os. Lá, Jesu s ex plica a Nicodem os qu e er a m estr e e conh ecedor da pa la v r a qu e o Ev an g elh o pr ecisa v a ser r ecebido com o cora çã o e n ã o som en t e sob a lu z da r a zão. E Jesus lh e diz: "Necessá r io v os é n a scer de n ov o". E Nicodem os perg un ta : Com o eu sen do v elho, posso v olta r a o v ent r e de m inh a m ãe? Jesu s ex plica que "Necessár io v os é n a scer da á g ua e do espír it o". Qua ndo a in da bem pequena o am or de Deus cheg ou em m in ha v ida pela s m ã os dos m eu s pa is, pelo cu ida do e pa ciên cia qu e tinha m com igo, por qu e sem pre fui perm ea da por u m a sen sibilida de à flor da pele, e h oje v ejo qu e nã o er a pr ópr io som en t e da infâ n cia ou a dolescên cia, porqu e a t é h oje sou assim , e eu sofro e ch oro... e o A m or de Deus con tin ua ch eg an do at é m im por todos qu e m e cerca m , m a s qu e m e am am . Às v ezes, um olh ar , um a car in ha de at en çã o, u m cu idado... um car in ho, ou qua ndo pr ecisam de m im . Deu s m e a m a de m an eira ext r aordin ár ia e assim Ele segu e costu ran do m eus dias, t ra nsfor m a ndo m inh a hum an ida de. O olha r at en to dessas pessoas m e dá forças, m e m ot iv a e, com isso, t en h o a cer t eza qu e Deu s a g e em m in h a v ida diut ur na m ent e, em todas a s circun st ância s em que eu pr e-

ciso m e rein v en tar pra ser m elh or , "nascer de n ov o" da ág ua e do espír it o. Jesu sera u m r ev olu cion ário do seu tem po, m ultiplica v a os pã es, an da v a com os m a rg in a liza dos, cur av a os doent es, a nim a v a os desa nim a dos, olh av a pa ra os m iserá v eis e lhes dizia o qu an to era m im port an tes. Já com Nicodem os seu diá log o foi difer ent e, por qu e ele era u m conh ecedor da pa la v r a. Com ele, Jesu s ultr apassou o m u ro da s palav ra s. A ssim tem de ser conosco, qua ndo escu ta m os u m "Am o V ocê", que se for v erda deiro n os m ost r a qu e nã o esta m os sós, v a i além da spalav r as, t ra nscen de o m u ndo g ra m at ical e m erg ulha n o in fin it o do sen tim ent o. Porqu e se v ocê pr ecisa r desse a m or , ele precisa ser ca paz de: cuida r de v ocê, t oler a r seu s em bu rr ecim en tos, en t en der seu can saço, te deixa r em paz qu a ndo v ocê qu iser o silên cio com o com pa nh ia ... O m istér io da t ot a lida de da s pa lav r as, lev a u m t em po par a ir se desdobr an do. A m ar é liber da de e pa r a ser liv r e eu preciso n ascer de n ov o t odos os dia s. Deu s pr ecisa n os liber t ar dia ria m ent e porqu e no dia em qu e n os sen t ir m os pr on t os, esta r em os sen do escr a v os de n ós m esm os. Se o Deu s que eu a m o e m e a m a t a m bém nã o m odifica r quem eu sou , o m u ndo est á socializa ndo a s escra v idões em mim. Qu e v ocê per m ita qu e Deu s t e fa ça n ov o t odos os dia s, par a ser de fat o liv r e e feliz.


sábado, 09 de novembro de 2013

18 IVAN P EREI RA mineiro de Monte Belo, f armacêutico e prof essor univ ersitário. http://estudosdeparasitas.blogspot.com.br/

Por que ficamos vermelhos quando estamos com vergonha? Falar em público te assusta? Só de pensar que pode chamar a atenção de alguma forma v ocê já entra em desespero? Quando você tem que apresentar um trabalho na sala de aula, falar para v árias pessoas, ou seu celular toca na fila do supermercado e todos te olham v ocê fica v ermelho? Saiba por que isto acontece. É muito comum, em uma situação de constrangimento, uma pessoa ficar env ergonhada e sentir o rosto esquentar e ficar vermelho, especialmente na região das bochechas. A ruborização, como é chamada essa v ermelhidão por constrangimento, é comandada pelo sistema nerv oso simpático. É uma reação inv oluntária, ou seja, não há como induzi-la, só ocorre em situações nas quais a pessoa se sente constrangida ou envergonhada. Quando ocorre uma situação constrangedora o nosso organismo libera adrenalina, hormônio que age como um estimulante natural, gerando uma gama de efeitos, entre eles o da ruborização. A adrenalina quando acionada acelera a respiração e o batimento cardíaco, além de dilatar as pupilas, retarda o processo digestivo de modo que a energia seja direcionada para os seus músculos. Esse conjunto de efeitos são os que geram o choque que o indiv íduo sente quando constrangido. Esse hormônio também faz com que os v asos sangüíneos dilatem com finalidade de fav orecer o flux o de sangue e o transporte de oxigênio, resultando na ruborização. Abraço a todos os leitores e até semana que vem,

JONATHAN DOMI NGUES DE SOUZA (TATO) Pastor da Igreja Presbiteriana Independente Graduado em Teologia pelo CESUMAR e Graduando em Psicologia pela UNIFENAS

Você domina ou é dominado? Olhando um a charge no facebook, v i um filho perguntando ao pai: O que é que um hom em faz? O pai respondeu: protege a casa, cuida do dinheiro e im põe respeito. Então, o filho disse: Assim , quando eu crescer, quero ser um hom em igual à m am ãe. Quando pensam os em dom inação, logo v em os a luta entre gêneros, a questão dos poderes político e religioso e a discussão sobre o tem a segue adiante. Mas, essa sem ana, gostaria de pensar um pouco com v ocê sobre um olhar da Psicologia Social que diz: Dominar é quando eu roubo a capacidade do outro. De certa m aneira, ninguém é totalm ente liv re. Existe um a dualidade em ser dom inado e dom inar. Em um lugar v ocê dom ina e no outro acaba sendo dom inado. O a póst ol o Pa ul o n os m ostr a q u e e xi ste um a dualidade conceituada entre a carne e o espírito. Na carta aos Gálatas cap. 5 ele diz que existe um a luta interna que dev e ser considerada, pois o que dom inar v ocê v ai refletir nas suas atitudes diárias entre o agradar a Deus e o pecar contra Deus. Você precisa escolher quem v ai dom inar sua v ida, se a carne ou o espírito. A bíblia diz que a carne cogita as coisas da carne, m as que o espírito cogita as coisas do espírito. Então v ocê pode dizer: m as é m uito difícil dom inar a carne. Então, dê um a olhadinha no que Paulo escrev eu em I Coríntios 6 .1 2 : Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas. Não podem os sim plesm ente dizer que som os dom inados e que não existe um a m aneira de v encer a carne, afinal a carne é fraca. A bíblia nos diz que a carne é fraca e que o espírito é forte. Quem v ai dom inar e ser dom inado em sua v ida só depende de v ocê. Ou v ocê rouba a capacidade da carne dando lugar ao espírito, ou v ocê rouba a capacidade do espirito e deixa a carne dom inar. Qual é o m elhor para dom inar e ser dom inado em sua v ida? Jesus disse que: pelos frutos conhecereis a árv ore. Assim , faça um a boa escolha.

FALECIMENTOS 25/10 - JOSÉ DE ARIMATÉIA ROCHA, 58 anos, casado, natural de Fam a-MG. Filho de Ev andro de Oliv eira Rocha e de Mariana Augusta Rocha. Residia na Rua J osé Constâncio da Silv eira, 2 1 5, centro, Alfenas-MG. Deixa os filhos: Marcela e Luiz Eduardo. 25/10 - MANUEL ALEXANDRE, 7 5 anos, casado, natur al de Serra nia-MG . Fil ho de Alexan dre Ana stáci o e de Rosária de Jesus. Residi a na Rua Américo José da Silv a, 1 71 , bairro Vila Esperança, em Alfenas-MG. Deixa os filhos: Carlos, Marli, Marilda, Marisa e Solange. 26/10 - MARCOS ANTÔNIO SOUZA, 3 8 a nos, ca sado, n atur al de A lfe nas-MG. Fi lho de Tere za augusta de Souza. Residia na Rua Duque de Caxias, 1 1 87 , centro, Alfenas-MG. Deixa o filho Antônio Marcos. 29/10 - JOSÉ AUGUSTO DE SOUZA, 9 2 anos, v iúv o, natural de Alfenas-MG. Filho de Pedro Arcanjo de Souza e de Augusta Miranda de Souza. Residia na Rua Marcial Júnior, 1 7 8, centro, Alfenas-MG. Deixa os filhos: Maria Aparecida, Margarido, José Miguel, Marta, Augusta, Henrique, Dagm ar, Pedro, Salete, Milane, Áurea e Josefina. 29/10 - OVÍDIO FERREIRA CARDOSO, 55 anos, casado, natural de Alfenas-MG. Filho de José Ferreira de Souza e de Guiom ar Cardoso de Souza. Residia na Rua Plat ina, 1 3 8, Macha do-MG . Dei xa os filh os: Sarah, Raíssa e Yara. 30/10 - PEDRO PAULO CSIZMAR DE OLIVEIRA, 4 1 anos, casado, natural de Alfenas-MG Filho de Pedro Canuto de Oliv eira e de Maria Isabel Csizm ar de Oliv eira. Residia na Rua Tiradentes, 2 87 5, bairro Jardim São Carlos, em Alfenas-MG. Deixa os filhos: Rafael e Gabriela. Gent ileza: Funerárias São José, São Pedro e Municipal


sábado, 09 de novembro de 2013

19

Os resumos dos capítulos de todas as novelas são de responsabilidade de cada emissora. Os capítulos que vão ao ar estão sujeitos a eventuais reedições - de 11/11 a 16/11/2013 MALHAÇÃO Globo – 17:35 h Segunda (11/11) - Benexige que Antônio se afaste de Anita e o menino garante que não ficará por muito tempono casarão. Sofia expõe seu incômodo com a falta de privacidade para Vera,que compreende a filha.Sofia mostra o vídeo com o tombo de Antônio nos ensaios domusical e Vera repreende Meg. Ben se incomoda com as insinuaçõesde Martin para Meg. Ronaldo fica contrariado com o sucesso de Vera no restaurante. Bernardete fica entediada na Barra e sente falta do Grajaú. Meg confronta Ben sobre seu ciúme de Martin e Sofia assiste a tudo.Sidney e Junior estranham o comportamento de Antônio. Ben e Meg se preocupam com a quantidade de exames que precisam fazer para o bebê. Terça (12/11) - Zelândia disfarça e diz que Soraia e Bernardete a convidaram para tomar um café. Maura e Sidney falam sobre o comportamento de Antônio. Afamília comenta sobre o suposto clima entre Martin e Meg e Sofia incita todos a acreditarem que Meg investiu no rapaz. Sofia comemora seu plano contra Meg e afirma que irá desmoralizar a menina de vez. Vera pede que Giovana promova um sarau no Embaixada do Gol. Claudio, opai de Sidney, o procura na escola, mas ofilho não cede às investidas. Sofia e Flaviana conseguem deixar Vera desconfiada de que Meg está fumando.Antônio mostra uma queimadura em seu corpoe insinua para Anita que Hernandez o agrediu. Q uarta (13/11) - Anita acredita na armação de Antônio contra Hernandez. Vera repreende duramente o comportamento de Meg. Anita conversa com Serguei e Julia sobre Antônio e Hernandez. Julia convence Anita a falar com Ben sobre Antônio. Ben conta a Anita a verdade ira histó ria de Antônio. Sidney enfrenta Maura,que se surpreende com a atitude do filho. Bernardete pensa em reabrir sua barraca de angu no Grajaúe Caetano a repreende. Maura procura por Sidney, preocupada. Sofia provoca Meg. Sidney se aproxima de Antônio. Giovana, Clara e Guilherme escutam Sofia afirmar que deseja que Meg perca o bebê. Q uinta (14/11) - Megenfrenta Sofia e Pedro interrompe a discussão das duas. Antônio incentiva Sidney a conhecer o pai.Serguei e Flaviana ficam juntos às escondidas. Sidney cobra as cartasdo paipara Maura, que afirma que o filho dev e se afas tar de Cla udio. Zelândia ouve a conversa e se sensibiliza com a situação do prim o. Maur a cobra que Zelândia encontre o pacote com as cartas de Claudio, sem saber que já está em poder da sobrinha. Zelândia entrega as cartasde Claudio para Sidney,em segredo.Frédéric surpreende a todos com seu canto no sarau. Maura denuncia o evento norestaurante para a polícia.Um fiscalmulta o restaurante. Depois de uma provocação de Sofia, Megse acidenta ao pisar no skate de Giovana e cai da escada. Sexta(15/11) - Sofia se desespera e pede ajuda a Flaviana e Micaela para levar Meg ao hospital. Ronaldo se preocupa em como pagará a multa do restaurante.Sidney conversa com Zelândia sobre as cartasdo pai.Vera discute com Ronaldo, que se recusa a aceitar ajuda financeira da esposa e Omar estranha o comportamentodos dois.Meg afirma que se vingará de Sofia se tiver perdido seu bebê. Ben e Anita se beijam e ela pede um tempo para pensar em reconciliação. Sofia se culpa pelo acidente de Mege torce para que o bebê fique bem. Todosdescobrem sobre o acidente de Meg. Micaela apoia Meg no hospital. Ben avança contra Sofia e Anita defende a irmã. O médicorevela para Meg e Micaela que a americana nunca esteve grávida.

JOIA RARA Globo – 18h15 Segunda(11/11) - Manfred orienta Valter a manter Volpina calada sobre o que sabe e o banqueiro dá dinheiro para que ela saia da cidade. Mundo tenta convencer Volpina a ir à delegacia denunciar Ernest, mas ela foge. Sílvia garante a Viktor que o filho que está esperando é de Franz.Sílvia confessa a Pilar que quer se vingar de Ernest e provar a inocência de seu pai.Sonan deixa Matilde emocionada ao lhe dar um colar de proteção que trouxe dosHimalaias. Franz aconselha Ernest a visitar Amélia e dizer que não está envolvido no atentado contra Mundo. Hilda se surpreende quando Toni diz que quer pedir sua mão em casamento para seu pai. Ernest implora que Amélia permita que ele veja Pérola. Terça (12/11) -Amélia não atende ao pedido de Ernest. Pilar diz a Sílvia que Manfred não é confiável e a aconselha a prestar atenção em Gertrude.Amélia deixa que Zefinha fique em sua casa até encontrar um emprego. Iolanda se oferece para ajudar Mundo a descobrir provas contra Ernest, masele a despreza. Amélia vai à mansão buscar Pérola, mas Franz decide que a filha passará a noite com ele. Toni paga a fiança de Odilon com o dinheiro de suas economias. Amélia diz a Silveira que quer impedir legalmente que Ernest veja Pérola. Ernest recebe um bilhete anônimo avisando do namorode Hilda e Toni.Amélia diz a Franz que não oama mais. Q uarta (13/11) - Amélia e Franz discutem. Ernest flagra Hilda beijando Toni, que se espanta ao saber que ela é filha do milionário. Manfred incentiva Franz a procurar um advogado para tirar a guarda de Pérola de Amélia. Mundo aconselha Tonia esquecer Hilda.Franz acompanha um oficialde justiça à casa de Amélia para entregar omandado que regulariza o direito de visita de Ernest a Pérola. Sonan aconselha Amélia a perdoar Ernest. Toni e Hilda fazem as pazes e ele a pede em casamento. Ernest expulsa Toni de sua casa e o demite da fundição.Ernest tranca Hilda em casa e tenta apressar seu casamento com Décio. Pérola chora e revela que foi impedida de entrar na escola porque sua mensalidade está atrasada. Q uinta (14/11) - Amélia acalma Pérola dizendo que dará um jeito para pagar a escola. Tenpa aconselha Amélia a aceitar a ajuda financeira de Franz. Toni diza Mundo que vai tirar Hilda da mansão. Amélia consegue um emprego comocamareira no cabaré. Silveira diz a Amélia que Pérola não pode frequentar o cabaré ou correrá o riscode perder a guarda da filha. Décio leva um bilhete de Toni para Hilda.Sem querer,Aurora conta para Manfred que Amélia está trabalhandocomo camareira no cabaré. Dália pede a Aurora que ajude Davi.Toni garante a Odilon que vai se casar com Hilda. Manfred diz a Ernest que sabe como fazer Amélia perder a guarda de Pérola. Sexta (15/11) - Toni diz a Odilon que Décio vai ajudá-lo a libertar Hilda. Franz avisa a Ernest que deixará a mansão e seu trabalho na fábrica.Aurora tira Davi à força da cama e o leva para passear. Sílvia fica inconformada com a saída de Franz de casa. A mando de Manfred, Benito finge que salva Zefinha de um assaltosomente para se aproximar da moça. Aurora beija Davi. Franz tenta se reconciliar com Amélia, mas ela o rejeita e afirma que é tarde demais para os dois. Sílvia descobre, no quartode Gertrude, uma carta escrita por seu pai para Catarina. Manfred garante a Ernest que em breve ele terá a guarda de Pérola. Sábado (16/11) - Benito oferece a Zefinha um emprego de secretária de Ernestna Fundição Hauser se em troca ela o ajudar a tirar Pérola do cortiço.Franz convence Amélia a aceitar o dinheiro da mensalidade atrasada da escola da filha. Zefinha incentiva Pérola a visitar a mãe nocabaré. Amélia se surpreende ao ver Pérola ali e chama a atençãode Zefinha. Contrariando um pedido de Amélia, Zefinha leva Pérola aocamarim de Aurora e liga para Benito. Acompanhado por uma assistente social,Ernest entra no cabaré e avisa a Amélia que ela perderá a guarda de Pérola definitivamente.

ALÉM DO HORIZONTE

Globo – 19h15 Segunda (11/11) - Thomaz marca um encontrocom André para falar sobre Lili. Inês confirma a presença de Marcelo na degustação para o bufê docasamento. Nilson tem mais um pesadelo com a floresta. Romildo entrega para Celina as fotos dos casos de morte pela suposta "besta" da floresta. André conta para Olívia que se encontrou com Thomaz para falar sobre LC. William percebe que está sendo seguido. Paulinha, Marlon e Joana se surpreendem ao acordar e não encontrar Assis. Lili decide ir para a casa de William. Inês é irônica com Heloísa por causa da ausência de Lili.Lili pede para Priscila ir em seu lugar na degustação do bufê. Paulinha, Marlon e Joana encontram um mapa e uma bússola embaixo da fogueira. Lili atropela William. Terça (12/11) - Lili se desespera com o atropelamento e presta socorro a William. Lili leva William para casa, ao sair do hospital. Thomaz tenta descobrir o que Liliqueria com André. Sandra se preocupa com William. Heloísa descobre que a filha se envolveu em um acidente. Marlon conta para Paulinha sobre sua tia Tereza. Lili não vê um cartão da livraria que Rafa frequenta cair de um dos livros de seu pai. Paulinha e Marlon se assustam com os barulhosque ouvem pela mata. Marlon, Paulinha e Joana se deparam com uma onça na selva.Paulinha engana Joana e faz a onça correr atrás dela. Lili e William se beijam. Q uarta (13/11) - Marlon e Paulinha fogem na direção oposta à de Joana. Lili revela para William que é noiva. Thomaz pede para Marcelo ficar atento ao comportamento de Lili. Paulinha se sente culpada por ter usado Joana para fugir da onça. Sandra provoca William ao falar de Lili. Álvaro não vê Lili na sala de Marcelo e o chama para sair.André conversa com Olívia sobre Lili e o casode seupai. Lili tenta disfarçar o desânimo com o noivado diante de Marcelo. Álvaro passa a noite com Fernanda. Marlon e Paulinha encontram uma caverna e se preparam para explorá-la. William procura um simbologista. William vai à livraria frequentada por Rafa e dizao vendedor que está à procura da felicidade. Paulinha e Marlon chegam a um precipício. Q uinta (14/11) - Marlon e Paulinha pulam do precipício e caem na água, nadando em direção à luz do sol.O vendedor da livraria fotografa William e fala com Líder Jorge. Marcelofala para Álvaro que vai controlar sua noiva. Lili avisa a Priscila que não vai mais investigar o sumiço de seu pai. João e José fingem estar doentes para se aproximar de Fátima. Priscila encontra o cartão da livraria na sala de LC. William vai a um grupo indicadopelo vendedor da livraria.Rafa elogia a palestra de Líder Jorge. Celina tenta convencer os pais de seus alunos a deixarem que eles participem do grupode matemática. Paulinha e Marlon seguem com Assis pela mata. Lili vai até a livraria e conhece Rafa. Marlone Paulinha chegam à Comunidade na selva. Sexta (15/11) - Rafa se finge de vendedor e a te nd e Lili. Lili e Raf a co nv er sa m entrosados. Sandra implica com William por ele dormir fora de casa. Líder Jorge dá razão para William ter se escondido e manda que o "motoboy " continue seguindo. Priscila decide ir com Lili à boate onde Rafa trabalha. William vai a outro grupo indicado pelo vendedor e sai novamente apressadoda reunião. Lili passa a noite conversandocom Rafa. Rafa compra um presente para Lili na livraria. William volta à livraria e o vendedor avisa a Líder Jorge. Líder Jorge se surpreende ao saber o nome da moça com quem Rafa tem conversado sobre felicidade. Sábado (16/11) - Líder Jorge pede para Rafa esperar antes de convidar Lili para a reunião. William pega com o vendedor da livraria o endereço de um novo grupo. O "motoboy " segue William, sem que ele perceba.Na Comunidade, Marlon e Paulinha se purificam no container de isolamento. Celina se aconselha com os pais de Ednézio para tentar aumentar o número de alunos no grupo de matemática. Kléber repreende Romildo por ter dado asfotos dos crimes da suposta "besta" da floresta para a professora. Líder Jorge autoriza a ida de Lili às reuniões do grupo. Lili pensa em William, mas é interrompida pela chegada de Marcelo. Rafa convida Lili para ir à reunião do grupo.

AMOR À VIDA

Globo – 21 h Segunda (11/11) - Bruno e Márcia chegam ao culto e procuram Efigênio. Eliaspede para acompanhar Gina até sua casa. Ignácio expulsa Carlito e Valdirene fica arrasada. Gina tenta nãose aproximar de Elias. Efigênio pede para Bruno levar as fotos impressas. Eron pede para Niko ajudá-lo a pagar a conta de Ama rily s no hosp ital. Joa na p ede que Marilda troque o hor ário de trabalho de Luciano. Carlitocanta e faz sucessocom os clientes no bar. Patrícia e Michel vão ao mesmomotel que Silvia e Guto. Pilar sai com Jacques.Bernarda passa a noite com Lutero. Guto e Silvia chegam em casa antes de Patrícia e Michel. Bruno não conta para Paloma seu segredo com César. Efigênio reconhece Félix nas fotos de Bruno. Márcia chega ao San Magno para falar com Félix. Terça (12/11) - Maristela libera a entrada de Márcia no hospital. Simone procura Jacques. Márcia fala para Félix que lembrou de tê-lo visto no bar onde Paloma teve Paulinha. Aline se insinua para Bruno. Paloma não libera Amarily s de sua conta no hospitale Eron tem uma ideia para tentar resolver o problema. César pensa em usar a echarpe que estava com Paulinha quando ela foi encontrada comoprova contra Félix. Félixse recusa a falar com Márcia. Bruno guarda a echarpe de Paloma em uma mochila e a leva para a exposição de Ninho. Ninho conhece Aline e os dois trocam olhares sem que César perceba. Félixdecide vasculhar a mochila de Bruno. Q uarta (13/11) - Bruno fica nervoso com Félix.César pega a mochila do genroe leva para casa. Brunonão conta para Paloma o que tinha em sua mochila. Ninho fica transtornadopor não conseguir arrumar dinheiro. Niko deixa Fabrício nocolo de Amarily s e ela quase oderruba. Perséfone tenta disfarçar o desconforto com a dieta.Silvia e Guto vão ao motel. Perséfone desmaia ao cuidar de um paciente e é internada. Amarilysé hostilcom Jay minho. Perséfone acorda e encontra Vanderleiao lado de sua cama. César pede que Simone consiga as digitais de Félix. O vilão leva Anjinho para trabalhar com ele. Paloma tenta obrigar Brunoa contar o segredoque tem com César. Q uinta (14/11) - Bruno convence Paloma a esperar para saber o que ele esconde.César se revolta com Félix por contratar Anjinho. Vanderlei repreende Perséfone por tentar emagrecer com um regime inadequado. Leila perde a paciência com Natasha.Ninho convence Paulinha a fazer um programa diferente com ele. Paloma critica Félix por contratar seu amante. Niko pede que Eron o ajude a conseguir a guarda de Jay minho. Amarily s destrata Jay minho. Natasha questiona Thales sobre seu relacionamento com Leila. Eron e Rafael tentam impedir César de fazer uma procuração completa para Aline e ela ameaça se separar do marido.

Sexta (15/11) - Michele leva Stella até sua casa e a apresenta para a família.Anjo passa um dos endereços de Xuxú para Carlão. Carlão fica preocupado com Otávio.Ele acha que oirmão ainda corre risco de morte. Otávio e Xuxú, após bebedeira, ficam desacordadosno barco. Donana dá ordens para Mineralmachucar Silvinha. Laura, Romeu e Anjo ajudam Silvinha a escapar de um estupro. Stella tem certeza de que Donana planejou o estupro de Silvinha. Patrícia e Carlão se beijam. Omar planeja atacar os Vênetonovamente. Dorotéia leva Daniloaté a delegacia e diz que ele foi o responsável pelo atentado aos Vêneto. Doroteia diz a Carlão que colocou Danilo na cadeia. Michele faz asmalas de Donana e a expulsa de casa.

nov e, o a tor v olta a tr abalhar sob o text o de Ma noel Ca rlos 2 2 a n os depois do su cesso "Felicida de". Her son , n o en t a nt o, a in da n ão sabe m u it os det a lhes sobr e o nov o pa pel, m a s g a r an t e qu e con fia n o t r a ba lh o do a u t or e do diret or , Jay m e Mon jar dim . Mai s ter r or - A pós o sucesso de "T h e W alk in g Dead" n a t ev ê a bert a , a Ban d pla n eja a dquir ir os dir eit os de ou tr a sér ie a m er ican a par a 2 01 4. A m a is cot a da é "A m erica n Horror Story ", a té por segu ir a lin ha de terror da prim eira aposta . Produzida por Ry an Mu rphy , que t am bém com a nda o m usica l "t een " "Glee", e Br a d Fa lch uk , já est á n a su a t er ceira t em pora da e ca da episódio fun cion a com o um a

r íst ico, qu e t em tex to de Br u n o Mazzeo.

SBT -20h30

Q uinta (14/11) - Carlão se desculpa pela trombada na praia. Patrícia desconfia do encontro armado e Carlão confessa. Dorotéia descobre que Carlão nãose lembra de Patrícia e dosfilhos e comemora. Carlão diz para Patrícia que deseja recomeçar a história deles dois.Patrícia vai até a casa dos Vêneto, atrás de Carlão, e vê Picasso.Carlão vai até a casa de Patrícia, que o recebe surpresa.Carlão encontra Rafaela e Rodolfo e tenta se reaproximar dosfilhos. Eles aceitam bem o pai,que fica aliviado. Carlão adormece no quarto dos filhos. Patrícia o acorda e diz para que fique aquela noite. Carlão dorme no sofá.Carlão fazcafé para Patrícia e diz que se sente em casa. Patrícia fica tentada a beijá-lo.

de Rica r do de "Em Fa m ília ", próx im a t ra m a g loba l da s

Sábado (16/11) - Assis insiste que César denuncie Félix. Paloma afirma que Ninho não sairá maiscom Paulinha.Gina se despede de Elias. Amarily s fala malde Nikopara Eron. Pilar resolve ir aocasamento de César. Félix acusa Glauce de ser a culpada pela morte da esposa de Bruno. Félix e Glauce convencem Niko a contratar Silvia. Amarily s pede para a corretora superfaturar o valor do apartamento para vender para Niko. Ninho chega ao casamento e César discute com ele. César pede para Bruno ir à casa de Pilar depois que levar Paulinha embora. Félix estranha a reunião convocada por seu pai na mansão. Bruno leva Efigênioe Márcia para a reunião e a ex-dançarina afirma que ajudará Félix.César decide contar para a família a verdade sobre o filho mais velho.

RECORD - 22 horas

Q uarta (13/11) - Carlão não consegue reconhecer Patrícia. Patrícia não acredita, mas Otávio confirma a perda de memória doirmão. Carlãodiz para Patrícia que sofre de amnésia seletiva e que, por isso, não se lembra dela e dos filhos. Patrícia fica irritada e acha que tudo não passa de uma brincadeira de Carlão e dos irmãos.Carlão conversa com Patrícia,ainda abalada por nãoter sido lembrada por ele. Ele diz que, apesar de saber que é seu marido, nãotem sentimentospor ela. Patrícia o beija.Carlão aproveita o clima e a agarra, fingindo ter se lembrado dela. Carlão descobre comoconheceu Patrícia e arma encontro na praia. Patrícia leva as crianças para praia. Carlão esbarra propositalmente em Patrícia na praia e a derruba, repetindoo momento em que se conheceram.

pr epa ra par a enca rar um nov o tra balho na Globo. Na pele

hist ór ia in depen dent e.

CHIQUITITAS

Terça (12/11) - Otávio conta para o irmão sobre o tiro e o coma. Marco Antônio não se lembra dos anos em que viveucomo Carlão. Michele vaiaté apartamento de Patrícia.Patrícia pede para que Michele use sua influência para prender Picasso. Laura examina Carlão e atesta sua melhora. Laura diz para Otávio que encontrou maconha nas coisasde Guie pede ajuda. Otáviose assusta e diz que vai interrogar Guipara saber a procedência da droga. Otávio conta para Carlão que ele é casado e que tem dois filhos. Carlão não acredita e ri. Carlão fica angustiado por não se lembrar dos filhos e da mulher. Stella se emociona ao saber que Carlãodespertou. Patrícia vai até a casa dos Vêneto e encontra Carlão.

Sem pa r a r - Nem bem se despediu de Plín io, cin east a boa pra ça qu e v iv eu em "Sa ngu e Bom ", Herson Ca pr i já se

Sexta (15/11) - Eron e Rafael suspeitam de que Aline queira dar um golpe em César. Leila flagra Natasha conversando com Thales e incentiva o rapaz a seduzir a moça para ficar com sua herança. Jay minho sente medo de Amarily s e Niko estranha seu comportamento.Perséfone decide fazer um novo regime. Michel e Patrícia entram no motel no mesmo instante em que Silvia e Guto saem. Daniel se preocupa com a nova dieta de Perséfone. Um empresáriochama Carlito para trabalhar. Amarilys tenta convencer Eron a não ajudar Niko. Ninho chega com Paulinha à casa de Bruno e Paloma se desentende com o ex-namorado. Assis leva para César oresultado da inves tigação da s digitais na echar pe de Paloma.

PECADO MO RTAL Segunda (11/11) - Médico diz para Stella que Carlão poderá ficar com sequelas.Patrícia acusa Tônia de ser cúmplice do sequestro.Dorotéia diz para Danilo que quer afastar Patrícia de Carlão. Anjo diz para Laura que deseja morar com ela. Patrícia diz para Laerte que não vai processar Picasso. Donana vaiaté ohospital e encontra Stella. Donana provoca Stella e diz para Laura que quer levar ofilho para casa. Stella fica abalada com a decisão de Donana e as duas brigam. Michele deixa Patrícia levar seusfilhos. Drogado, Picasso vai com uma arma até o apartamento de Patrícia e a ameaça de morte. Carlãoé levado para casa dos Vêneto.

Herson Capri estará na próxima novela das nove da Globo, ‘Em Família’

Segunda (11/11) - O namorado de Letícia tenta agradar Dani, mas não consegue.Letícia não passa bem e toma seu remédio. Letícia conta a Rui que tem fibromialgia. Junior deixa Carol em casa e percebe que a amada está triste. O rapaz pede desculpas por tudo o que seu pai disse sobre ela. Duda vai ao orfanato visitar Mili.As crianças percebem que Ernestina e Chico não param de brigar devido aos ensaios do concurso. Tobias convida Maria Cecília para sair à noite.A moça se surpreende com o convite.No orfanato, Bia, Pata,Tati, Ana e Binho maquiam Ernestina e a arrumam para ensaiar com Chico. Carolchega aoorfanato. Ascrianças ficam felizes ao vê-la. Carol revela que, por ela, já tinha voltado a trabalhar no orfanato. Terça (12/11) - As chiquititas vão à sala de Cintia e perguntam à nova diretora se ela não pode contratar Carol novamente. Ansioso, Junior treina uma maneira em pedir Carol em casamento. Pipoca pega o anel de noivado.Tobias, disfarçado, grava ocomercial de amaciante. Carol vai ao pátioprocurar Junior e acha a aliança no chão do lugar. Junior fica feliz ao ver que Carol achou a aliança. Orapaz aproveita o momentoe pede Carol em casamento. Carol aceita opedido e o casal se abraça e se beija.Mosca se depara com Mili ensaiando sozinha. O garoto questiona o motivo de a amiga estar dançando sozinha e lhe propõe ajuda. Mili aceita e ensina o amigoa coreografia que terá de fazer. Os dois dançam juntos. Quarta (13/11) - Bia e Pata invadem oquarto dos meninos. Asórfãs procuram uma roupa para Pata poder usar no concurso de dança. Mosca ajuda Mili a ensaiar. Duda chega ao orfanato e fica inconformado ao ver os dois dançando juntos.Duda tenta beijar Mili à força, mas a garota o empurra e sair correndo. Na sala, Vivibriga com Mosca pela demora do garoto. Nomesmo momento, Mili passa chorando e corre para o quarto. Ao ver a amiga subindo as escadas, Mosca deixa Vivi sozinha na sala e vai atrás de Mili para saber o que aconteceu. Mosca vai tirar satisfação com Duda.Rui chega na casa da namorada e percebe que Letícia não está bem. A moça confessa ao rapaz que está sentindo muita dor e desmaia. Quinta (14/11) - No orfanato,todos se preparam para ir aoconcurso de dança. Chico e Ernestina são os primeiros a se apresentar.Os funcionários do orfanatoacertam todosos passos da coreografia e ficam felizes com a participação. Nos bastidores, Pata se veste de menino e Bia tenta escondê-la. Vivi ensaia o tempo todo,quando torce o pé. Mili se preocupa cada vez maiscom a demora de Duda e Mosca observa a garota. Sexta (15/11) - Pata e Bia se preparam para a apresentação. Pata reclama que seu boné esta fazendo sua cabeça coçar.A apresentadora chama nopalco Mili para dançar e a garota se desespera. Mosca, que agora está sem parceira, da à ideia de dançar com Mili. Na coxia, Vivi não gosta de ver o namorado dançar com a amiga. Duda chega atrasado e observa Mili e Mosca dançando juntos. O concurso chega aofim. Aapresentadora anuncia o segundo lugar para Mosca e Mili. Em primeiro, ficam Cris e Rafa. Mili encontra com Duda e questiona a demora do garoto. Vividemonstra para todos que não gostou de ver Mosca dançando com Mili no concurso.Mili tenta fazer as pazes com Vivi. A órfã não aceita e diz que Mili está tentando roubar seu namorado.

Nov o for ma to - A nov a t em pora da de "Jun to e Mistu ra do" dev e en t r a r n a g r a de da Globo já n o próx im o m ês. Sem Fá bio Por cha t e Gr eg ório Duv iv ier , qu e nã o a ceita r am o conv ite por est ar em env olv idos em ou t ros pr ojet os, a sér ie já t em n om es con fir m a dos. Letícia Isna r d, Gabr iela Du ar t e, Kik o Ma sca r en h as, Ma r cos Pa lm eira , Luiz Mir an da e Rodrig o Pa ndolfo fa zem par t e do h u m o-

Muda n ça - Depois de a presen t ar pr ogr a m a s com o "Ast ros" e "Qu al é o Seu Ta len to?", no SBT, An dr é V a sco est á de ca sa n ov a. As g ra v a ções do "Sa be Não Sa be" com eça m ainda est e m ês, m as a estr eia está prev ista pa ra o in ício de 20 1 4, na Ba nd. O for m at oé im por tado da Cuat ro Cabeza s, par ceir a da em issor a em produt os com o "CQC" e "A Lig a". Pr ogra mação especi al - A Record já está gra v a ndo seus especia is de fina l de an o. No t ota l, sã o cinco: "Pa Pe Pi Po Pu", "Coisa s de Ca sa l", "Noit e de A r repiar ", "Nov a Fa m ília T ra po" e "Casam ent o Blindado". "O A m or e A Mort e", u m telefilm e escr it o por Ma rcílio Mor aes, t am bém fa rá par te da progr am ação especia l. Pa rcer ia de su cesso- Gilber to Br ag a e Denn is Carv alho v ã o r eedit a r u m a pa r cer ia qu e r en deu su cessos com "Da n cin ' Day s", "A nos Rebeldes" e "Celebr ida de". A ut or e dir et or esta r ão à fr en te da n ov ela , a in da sem nom e definido, qu e su bstitu ir á "Em Fam ília ", que ent ra n o lu ga r de "A m or à Vida" em 201 4. A l t o pr eço - A produ ção da 1 4 ª edição do "Big Br oth er Bra sil" já est á a t odo v a por. O "r ea lity show " m a nt er á o m esm o form at o que tem r en dido boa a udiên cia à Globo. A ú n ica difer en ça est á n o v a lor na s cota s de pa tr ocín io, qu e n ã o pa r a m de su bir . No a n o pa ssa do, foi de R$ 2 3 m ilhões. Em 20 1 4 , passa a ser de R$ 2 7 m ilhões. Pr i m ei r a s-da m a s - Lu cia n a Gim en ez e Da n iela A lbu qu er qu e v ã o pr ota g oniza r u m especia l de fin a l de a no na Rede T V! A produçã o, ain da sem n om e defin ido, ser á no estilo "Fam ília Tr apo" e con ta rá com a dir eção de Joã o Kléber . Além delas, Gilber to Bar ros e Nelson Ruben s ta m bém est ar ão n o elen co.


Alfenas, sábado, 09 de novem bro de 2013

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA PARA ELEIÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA, CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E CONSELHO FISCAL DA APAE DE ALFENAS. A Apae de Alfenas, com sede nesta cidade, na rua Gabriel Monteiro da Silva, nº 1070, Centro, através de sua Diretoria Executiva, devidamente representada por seu Presidente Sr. Cornélio Vilela Perira, CONVOCA através dopresente edital, todos osassociados especiais e contribuintes da Apae, para Assembleia Geral Ordinária, que será realizada na sede da Apae, às 09:00 horas, do dia 13de Dezembrode 2013,com a seguinte ordem do dia: 1- Apreciação e aprovação do relatório de atividades da gestão 2011/2013. 2- Apreciação e aprovação dascontas dos exercícios 2011/2013,mediante parecer do Conselho Fiscal. 3- Eleição da Diretoria Executiva, Conselho de Administração e Conselho Fiscal da Apae de Alfenas/MG, em cumprimento aodisposto no artigo 25,inciso III e 26 do novo Estatuto padrão da Apae de Alfenas. 4- A inscrição das chapas candidatas deverá ocorrer na Secretaria da Apae até 20 (vinte) dias antes da eleição, que se realizará dentre as chapas devidamente inscritas e homologadas pela comissão eleitoral.(art. 58, inciso I, do novo Estatuto padrão das Apaes.) 5- Somente poderãointegrar as chapas os associados especiais que comprovem a matrícula e a frequência regular há pelo menos1 (um) ano nos programas de atendimento da Apae, e os associados contribuintes, exigindo-se, destes, serem associados da Apae há, no mínimo, 1 (um) ano, estarem quitescom suas obrigações sociais e financeiras, e terem, preferencialmente, experiência diretiva no Movimento Apaeano. (art. 58, inciso II, do novo Estatuto padrão das Apaes). 6- É vedada a participação de funcionários da Apae na Diretoria Executiva, no Conselho de Administração e no Conselho Fiscal, com vínculo empregatício direto ouindireto (art.58, inciso VI, do novo Estatuto padrão das Apaes). 7- A Assembléia Geral instalar-se-á em primeira convocação às 09:00 horas,com a presença da maioria dosassociados e,em segunda convocação, com qualquer número,meia hora depois, não exigindo a lei quorum especial (art.24, §2º, do novo Estatuto padrão das Apaes). Alfenas, 08de Novembro, de 2013. Cornélio Vilela Pereira Presidente

CONDOMÍNIO ORMINDA PIMENTA CONVO CAÇÃO ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA O Condomínio Orminda Pimenta, conforme o disposto no art. 16, da Conv enção de Condomínio, CONVOCA todos os condôminos, nos moldes do art. 15 da ref erida conv enção, para comparecerem à ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA a ser realizada na garagem do Edifício Orminda Pimenta, localizado à Praça Getúlio Vargas, 55, centro de Alf enas, no próximo dia 18 (dezoito) de nov embro, segunda-f eira, com primeira conv ocação para às 19 (dezenov e) horas, e a segunda conv ocação para às 20 (v inte) horas, na qual dev er-se-á tratar sobre as seguintes matérias, as quais estarão inscritas na ordem do dia: IDeliberação sobre as questões que env olv em a regularização dos registros dos apartamentos; II - Discussão sobre outros assuntos de interesse do Condomínio. Obs.: Somente terão direito a v oto os condôminos que estiv erem em dia com as obrigações condominiais, conf orme o disposto na Conv enção do Condomínio. Alf enas, 05 de nov embro de 2013. Oscar Fernandes Síndico

EDIÇÃO COMPLETA - JORNAL DOS LAGOS - 09 DE NOVEMBRO 2013  

*Presidente da FETA é agraciada com medalha Ordem do Mérito Legislativo; *Corrêa acelera para o título europeu; *Movimento pede soluções par...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you