Page 1

R$ 1,50

Do Quintal

Curitiba, dezembro de 2010 - Ano I - Número 3

Um jornal a serviço dos moradores da região do Pilarzinho, Mercês, Vista Alegre, Abranches e São Lourenço

GOLFINHO De escola de campeões...

Há 35 anos, um grupo de famílias curitibanas criava a primeira escola exclusiva de natação do País, no Pilarzinho, o Clube do Golfinho. Em pouco tempo ele se tornou referência no Paraná e nos anos 1980 seria uma das grandes forças da natação nacional »» Um livro para ser lido e relido Chain lança o “Sem Família”, clássico francês que emocionou gerações e que agora ressurge com ilustrações do mestre Poty Lazzarotto. Pág. 5

...a criadouro de mosquitos

»» Gestação na bicicleta Curitibana conta sua experiência de pedalar na Inglaterra até as vésperas do parto. Pág. 4

Em 2003, o clube foi leiloado, fechado, e até hoje ainda está abandonado. As piscinas onde se criaram tantos campeões, e eram orgulho para os moradores vizinhos, hoje criam mosquitos e são um pesadelo para a vizinhança. Mas, um movimento formado por moradores e ex-atletas luta para que o Golfinho seja resgatado e volte a ser uma referência no esporte. Nas Páginas 8, 9, 10, 11 e 13 conheça a história deste clube e a luta para reerguê-lo.

»» Uma doença nas escolas O “bullying” é uma prática que cresce e pode causar danos irreparáveis aos jovens. Pág. 7

»» Aprendendo a cuidar dos idosos Cuidador de idosos e uma profissão em alta. Cursos nas Mercês formam esses profissionais. Pág. 6


Curitiba, 25 de agosto a 25 de setembro de 2010

Do Quintal

»»2

CARTA AO LEITOR

Um bom exemplo para 2011 O Do Quintal chega ao seu final do seu primeiro ano de existência, feliz por ter podido manter os princípios a que se propôs na primeira edição: o de fazer jornalismo para a região que abrange. Resgatando histórias, incentivando a leitura nas escolas e defendendo as causas locais, nós pretendemos contribuir para fazer o nosso quintal cada vez mais agradável para se viver.

Levando a vida no verso Aos 83 anos, dona Nair mostra como é possível usar a palavra para se manter sempre jovem

Para essa edição, por exemplo, conversamos com uma das maiores especialistas em bullying do País, a médica Ana Beatriz Barbosa, que falou desse mal que assola as escolas e que pode ser feito para controlá-lo. Divulgamos a homenagem feita a um dos precursores do ambientalismo e do montanhismo no Brasil, o professor Erwin Groger. Contamos a história da curitibana que pedalou por ruas inglesas até às vésperas de dar à luz a seu primeiro filho. Divulgamos também, o lançamento do Sem Família, um livro que marcou gerações e que agora ressurge, pela Editora e Livraria do Chain, com o requinte de trazer as ilustrações do mestre curitibano Poty Lazzarotto. E, finalmente, contamos a história do maior clube exclusivo de natação que o Brasil já teve, o Golfinho. Criado no Pilarzinho, por um grupo de famílias curitibanas, ele hoje está abandonado. Por isso, estamos apoiando o movimento que busca resgatá-lo, não só para a comunidade próxima, mas pela importância de se preservar uma história exemplar. Perfeita para um país que se prepara para sediar sua primeira Olimpíada. Por isso, desejamos uma ótima leitura e que na próxima edição, em fevereiro de 2011, tenhamos outras boas notícias para contar.

EXPEDIENTE

Do Quintal

Propriedade da Editora ETC e Tãao – CNPJ: 12.339.920/0001-18 Jornalista Responsável: Ângela Ribeiro DRT 1574 Diretor de Redação: Douglas de Souza Fernandes Projeto gráfico e diagramação: Eduardo Picanço Aguida e Paulo Augusto Krüger de Almeida.

Dona Nair, na foto da contra-capa de seu primeiro livro publicado. Fim de Lágrimas foi publicado há dois anos.

P

or que ficar triste se há tanta coisa alegre por aí ? A aparente simplicidade da frase de dona Nair de Araújo mostra bem como esta mulher de 83 anos encara a vida. Professora por 45 anos e poetisa desde criança, ela transmite sua alegria de viver nos poemas e crônicas já bem conhecidos do seu círculo de amizades, que cultiva no Sesc Água Verde, ponto de encontro de muitos anos. Dona Nair não tem como hábito ficar recordando o que já viveu. Para ela, o mais importante é o que vive atualmente e o que ainda virá. Esse despojamento em relação ao passado talvez seja um dos motivos pelos quais diz nunca ser vítima do estresse ou da depressão. E essa postura de satisfação em relação ao mundo tem – segundo ela – ligação direta com o uso que faz da linguagem. “É pelo dom da palavra que consigo este meio de vida”, explica. O contato com as primeiras letras e outras atividades artísticas remonta de sua infância. Nascida em Morretes quando sua família se preparava para mudar para Curitiba, enquanto fazia sua formação estudantil, primeiro no Instituto de Educação e depois na Faculdade de Filosofia Irmãos Maristas, Nair já exercitava seus dotes artísticos. Chegou a ser locutora da Rádio Santa Felicidade – depois transformada em Rádio Marumby - , onde apresentava o programa Chá das Cinco. Também aprendeu violino. A habilidade no uso da linguagem ela também usava para ajudar amigas em assuntos do coração. Sua fama de artesã das palavras fazia com que suas colegas a procurassem sempre que tivessem algum problema afetivo. Seus poemas (assinados pelas colegas, claro) faziam tanto sucesso que logo passou a ser chamada de “Santo Antônio” devido aos reatamentos de namoros que conseguia.

Fotografia: Marco André Lima (marcolimaphotos@yahoo.com). Endereço: Rua Professor Ignácio Alves de Souza Filho, 343, Pilarzinho, CEP 82110-450. Telefones: 3527-0501 e 8875-3197. E-mails: jornalismo@doquintal.com.br, contato@doquintal.com.br, comercial@doquintal.com.br. Site: www.doquintal.com.br Impressão: Editora O Estado do Paraná

»» Livro Apesar de uma abundante e ininterrupta produção de textos – “tenho vários cadernos repletos de poesia”-, ela só publicou seu primeiro livro em 2008. Fim de Lágrimas, pela DPB Editora, traz uma coletânea poética

em que, em versos singelos, ela passa uma suave mensagem de esperança e de paz. Mas, mesmo antes da primeira publicação, boa parte do trabalho de Nair já havia chegado a pessoas de várias partes do Brasil e do exterior. Em abril de 2006, por exemplo, ela participou do 9º Encontro da 3ª Idade do Mercosul. Ganhou o troféu do primeiro lugar na expressão artística, por declamar uma poesia, e uma medalha pelo trabalho ser de sua autoria. Acidente Em 10 de junho último, dona Nair sofreu um acidente doméstico, caiu e fraturou o fêmur. Mas isso não a abateu. Tão logo saiu da UTI após a cirurgia, pediu uma caneta preta e papel, pois tinha que escrever sua crônica semanal. Não quis abrir mão do ritual que realiza há quatro anos. É que todas as quartas-feiras à tarde acontece o baile da terceira idade no Sesc. E os participantes já se acostumaram com as mensagens deixadas em cada uma das mesas do salão pela poetisa. Mesmo ainda sem poder andar sem ajuda, ela faz questão de ser levada semanalmente para rever os amigos do Sesc. »» Sem pressa Quem geralmente a acompanha é a filha Deborah, também professora e escritora de textos didáticos infantis, além de consultora educacional. Seu outro filho é Daniel, que optou pela carreira de assistente social. Daniel era também o nome de seu marido, falecido em 1993. Deborah deu-lhe há 12 anos o primeiro neto, Ramon, que também tem afinidade com a palavra escrita e gosta de fazer poesias, “mas poesias que rimem – faz questão de explicar. Em casa, envolta pelo carinho dos filhos e do neto, dona Nair lapida sem pressa os termos de suas novas obras. Essa vitória sobre a ansiedade , explica, é um dos aprendizados trazidos pela maturidade. “Hoje eu entendo e aceito o nosso passar. E também passei a entender as diferenças”, conta. Sobre suas esperanças, diz que é a de “viver para continuar observando as coisas”. (DSF)


Curitiba, dezembro de 2010

»»3

Do Quintal Vendaval, estragos e alívio O temporal que atingiu parte de Curitiba no final da tarde do dia 9 de novembro causou muitos estragos no Colégio Bento Munhoz, no Pilarzinho. Boa parte do pavilhão superior da escola foi destelhada (foto), assim como parte do Laboratório de Informática e da residência do caseiro da escola. O forte vento também provocou a queda de uma árvore que caiu sobre o portão de entrada do colégio. Apesar dos estragos, a comunidade escolar respirou aliviada após o vendaval, pois ninguém ficou ferido. As aulas nas salas atingidas, onde estudam cerca de 500 alunos de 5ª a 8ª séries, haviam terminado cerca de 10 minutos antes, e por isso não havia nenhum estudante ou professor no local na hora do incidente.

Reposição de aulas

Os estragos na estrutura do Bento Munhoz obrigaram a diretora do Colégio, Rosângela Bezerra de Melo, a suspender as aulas por uma semana. Nesse período, a equipe técnica da Secretaria de Estado da Educação (Seed) avaliou a situação e iniciou a reconstrução dos telhados atingidos. O trabalho vem sendo prejudicado pelas chuvas e ainda não há previsão de término. Enquanto

Preservando a história

A Associação dos Moradores e Amigos do Abranches (Amada) deu um passo importante no final de novembro no sentido de preservar a história do bairro. Ela lançou uma publicação que reúne trabalhos de estudantes de colégios locais sobre o passado do Abranches. Participaram alunos dos colégios estaduais Sebastião Saporski e Santa Gemma Galgani; e do Vicentino São José, que entrevistaram antigos moradores que contaram como era o bairro nas décadas passadas. Sob o título “III Congresso Literário Viajando pelo passado, vivendo o presente e sonhando com o futuro”, o livreto (foto) traz também o histórico de instituições locais, como a Sociedade Abranches e a Paróquia Sant`Ana, e a história do desenvolvimento da educação no bairro.

isso, explica o diretor adjunto do Bento, Adriano Rosa Martins, explica que os alunos das salas atingidas estão tendo aulas em outros locais do colégio, como os laboratórios. Para não atrasar o final do ano letivo, programado para 22 de dezembro, estão sendo realizadas aulas de reposição aos sábados.

Vasquinho

Aniversário musical

A tempestade de novembro deixou cerca de 220 mil famílias sem energia elétrica em Curitiba e Região Metropolitana, além de derrubar árvores em vários pontos e causar estragos em residências, mas sem registro de mortos ou feridos. No Pilarzinho, além do Colégio Bento, também o Estádio do Vasquinho, o Erondi Silvério, na Rua Raposo Tavares, 808, sofreu com a força dos ventos. Placas de propaganda e parte do muro foram derrubados. Felizmente também, os prejuízos foram apenas materiais.

Abandonados

Conscientizar a população para que não abandone cães e gatos pelas ruas e realizar ações para minimizar o sofrimento dos animais abandonados é o trabalho que vem sendo realizado pelas

No dia 10 de outubro, Romário Luis Palhares recebeu amigos do bairro e colegas da Receita Federal com quem trabalhou, para comemorar seu aniversário em grande estilo. Acompanhado pela esposa, Amélia Rodrigues, ele recepcionou os convidados na Associação dos Magistrados, no Pilarzinho, para um almoço regado à boa música. No palco revezaram-se a dupla jovem sertaneja Marco Aurélio e Ricardo, e o grupo musical Zezinho e Natal, com seu requintado repertório de MPB e samba. Na foto, Romário (à esquerda) no momento do “parabéns a você”.

moradoras do Pilarzinho Maria Helena Paschoal e Marlene Nunes da Silva. Elas coordenam uma das comissões do projeto de Desenvolvimento Local no bairro, desenvolvido pelo Sesc/Fiep. Entre as ações, constam o resgate de animais maltratados, o cuidado deles e uma campanha de castramento dos animais. Até o momento, elas estão atuando com recursos próprios, mas buscam o apoio de clínicas veterinárias e pet shops e dos próprios moradores para que o trabalho consiga maiores resultados. Quem quiser contribuir de alguma forma, entre em

CLICK SEU BAIRRO

contato pelos telefones 3338-1141 ou 9837-0000.

Ações pelo bairro

No último sábado de novembro, o pessoal do Sesi/Fiep realizou uma reunião com representantes dos moradores do Pilarzinho, onde estes apresentaram o que já vem sendo realizado pelo bairro e a agenda para os próximos seis meses. Além da questão dos animais abandonados, outras quatro ações foram apresentadas. Uma delas pela comissão de segurança, que informou que o questionário sobre a ocorrências de crimes no bairro (cujos detalhes foram publicados na última edição do Do Doquintal) já foi entregue ao comandante do POliciamengo (??). O ccc agradeceu a colagoração e informou que as informações ajudaram a polícia elaboração das próximas ações voltadas para a região.

Idosos e Golfinho

Outras ações apresentadas foram o trabalho que já vem sendo realizado pela professora SôniaBrush na alfabetização de idosos. Além do trabalho voluntário de ensinar as primeiras letras ao grupo de idosos que atende duas vezes por semana, ela ainda coordena todo mês um passeio com eles. Tudo sem ajuda oficial. Quem quiser contribuir de alguma forma, ligue para o número 3313-5644. E o da comissão para revitalização do Clube do Golfinho, do que trata a reportagem especial nesta edição do Do Quintal.

Faltaram dois

Na matéria da última edição, sobre a história do trabalho de João Gava Neto na pedreira do avô, foi citado que ele tem duas filhas, Sônia e Guiomar. Na verdade são quatro. Faltaram Silmara, que mora no Juvevê, e Hamilton, morador de Campo Largo.

Trocando as bolas

Já na página 14 da primeira edição, um nome foi trocado na escalação do Operário Pilarzinho da década de 70. Saiu Euclides, mas quem está na foto é Eurides Franco, um dos zagueiros. Euclides Tomio também jogava como zagueiro, mas também atuou como goleiro. Na época, devido aos longos cabelos louros que usava, era chamado pelos amigos de Vanusa.

Um fim de tarde nas Mercês, captado pelas lentes do fotógrafo André Rodrigues. Você também tem uma imagem interessante sobre a região em que mora, envie para nós. O Do Quintal reserva este espaço para o leitores que querem mostrar como vêem o seu bairro. É só enviar sua foto para o e-mail marco@marcolima photography.com. Para que possamos publicá-la, envie informações sobre a foto, o nome do autor, endereço e quando foi tirada.


Curitiba, dezembro de 2010

Do Quintal

»»4

Luis Claudio Patrício

BICICLETA

lcpatricio@gmail.com

Grávida, mas sem parar de pedalar Curitibana conta como foi pedalar na Inglaterra durante sua gravidez

A

curitibana Vanessa Strey ganhou sua primeira bicicleta quando tinha 6 anos e desde então não parou de pedalar. Mesmo quando foi morar na Inglaterra, em 2008, com o marido também apaixonado por bicicleta, o professor doutor em administração Rene Eugenio Seifert Junior. Formada em turismo, aos 29 anos ela e Rene mudaram-se para trabalhar em Birminghan, segunda maior cidade do país, forte centro comercial, e famosa por ter dado à luz grupos de rock como Duran Duran, Black Sabbath e Judas Priest. Foi lá também que ela deu à luz a seu primeiro filho, Oliver, no último dia 17 de maio. E até duas semanas antes do parto, Vanessa continuou pedalando. Foi nessa época em que ela nos falou sobre sua experiência até então. Depois, já com o filho nos braços, o casal voltou a morar em Curitiba, e completou a história, que mostra que o uso da bicicleta, desde que observando certos cuidados, é algo seguro em qualquer momento da vida – claro, desde que em locais em que se respeita esse meio de transporte.

Vanessa, com Oliver na barriga, numa rua de Birminghan: lá, motoristas respeitam ciclistas.

À espera de Oliver o que ela achava, ela falou que como a gravidez transcorria sem problemas, eu poderia continuar pedalando até quando me sentisse confortável e segura na bicicleta. E completou: Pode ir até o final! Às vezes fico imaginando o que eu teria feito se tivesse passado minha gravidez em Curitiba. Acho que é diferente. Na Inglaterra, apesar de ser conhecida como um dos piores países da Europa para ciclistas - com poucas ciclofaixas, poucos lugares para estacionar etc.-, os motoristas têm muito mais respeito pelo ciclista do que no Brasil. Isso dá mais confiança e segurança quando você compartilha o trânsito com os carros. Em Curitiba, o trânsito é bem mais violento, logo acho que eu não me sentiria segura andando em ruas movimentadas. Espero que isso mude! Mas, pensando bem, há em muitas cidades brasileiras, inclusive Curitiba, ruas alternativas em que também é seguro usar a bicicleta. Eu e meu marido estamos voltando pro Brasil em alguns meses, e caso eu fique grávida de novo, penso seriamente em fazer o mesmo que fiz aqui. Já com o pequeno Oliver com 5 meses, perguntamos a Vanessa como foi sua experiência pouco antes e depois do parto.

Quando descobri que estava grávi da um dos primeiros pensamentos que me veio a mente foi : Será que vou ter que abandonar minha bike??” Conversei com alguns amigos e eles diziam que era perigoso e isso me deixou receosa. Mas como para chegar ao meu trabalho demorava em média apenas 15 minutos pedalando, resolvi continuar, tendo cuidado redobrado com os buracos e o trânsito e indo mais devagar. Após passar pelos meses mais frágeis da gravidez, os três primeiros, percebi que não era impossível. Foi aí então que decidi continuar enquanto me sentisse segura e confortável. Parei de pedalar entre novembro e dezembro, quando o inverno chegou. No final de janeiro, quando estava com 23 semanas de gravidez, comecei de novo e desde então ainda não parei. Hoje estou com 37 semanas de gestação e continuo pedalando! O meu marido não vê problema nenhum em pedalar durante a gravidez. Ele sempre deu muito apoio. Acho sim que isso influenciou na minha decisão em continuar pedalando até agora. Ele me acompanhou durante quase todos os dias nas últimas semanas, o que também me deu mais confiança, pois sabia que tinha alguém comigo se algo acontecesse. Quando perguntei à minha parteira sobre

Mais um ciclista no mundo Até quantos dias antes do parto você pedalou? Vanessa - Pedalei até 37ª semana de gestação. Como o Oliver nasceu uma semana antes da data prevista, pedalamos até duas semanas antes do seu nascimento, porém fazia trajetos mais curtos.

Como foi o seu parto? Você acha que o fato de pedalar durante a gravidez teve alguma influência? V - O parto aconteceu dentro da água. O Oliver nasceu na 39ª semana de gestação, talvez porque como a mãe dele não parava de pedalar ele também queria movimentar as perninhas... Além de pedalar eu também nadei até a 37ª semana. Desde o começo não parei de me exercitar, apenas diminuí o ritmo. E acho que os exercícios influenciaram sim sobre o trabalho de parto. Tudo ocorreu muito bem, normal e controlado. E o parto foi rápido por ser meu primeiro filho, cerca de 8 horas desde a primeira contração. Não foi preciso nenhuma intervenção médica.

Como foi a sua recuperação pós-parto? Quanto tempo levou para voltar ao peso normal e retomar as atividades? V - A recuperação após o parto foi super tranqüila. No outro dia já estava ajudando meu marido com algumas coisas da casa porque receberíamos visita. Com cinco dias de vida o pequeno Oliver estava fazendo seu primeiro piquenique no parque. Eu já estava bem disposta e meu peso voltou ao normal depois de mais ou menos dois meses, mas acho que isso também foi conseqüência da amamentação.

Como está a saúde e o desenvolvimento do seu filho? V - Como só se alimenta de leite materno, Oliver está se desenvolvendo muito bem. Ele ainda não teve nenhuma doença ou mesmo uma gripe. É um bebê forte e saudável. Está agora com cinco meses e meio e agora estamos começando devagar com frutas. Ainda não andamos de bicicleta com ele, mas assim que ele começar a sentar vamos dar nosso primeiro passeio. Estamos ansiosos por esse momento e a cadeirinha já está a postos.

Vanessa com o marido, Rene, e Oliver em um de seus primeiros piqueniques.


Curitiba, dezembro de 2010

»»5

Do Quintal

LIVRO SEM FAMÍLIA

Um livro inesquecível Lançamento da Livraria do Chain é um convite a uma viagem fascinante

Foi o primeiro de Sartre...

Pela primeira vez, o livro tem a capa e as ilustrações internas assinadas por Poty Lazzarotto. Aramis Chain: a edição do livro é um sonho realizado.

Jean-Paul Sartre, um dos escritores franceses e filósofos mais importantes do século XX , conta em um dos seus livros, As Palavras (de 1964, mesmo ano em que ele se recusou a receber o Prêmio Nobel de Literatura), que aprendeu a ler com o livro Sem Família. Cercado pelos livros do avô, muito cedo ele mostrou que já era hora da família ensinar-lhe o alfabeto. E foi precoce também no aprender: “Fui zeloso como um catecúmeno: ia a ponto de dar a mim mesmo aulas particulares: eu montava na minha cama de armar com o Sem Família de Hector Malot, que conhecia de cor e, em parte recitando, em parte decifrando, percorri-lhe todas as páginas, uma após outra: quando a última foi virada, eu sabia ler. (...)

»» ...e continua emocionado Sem família, do francês Hector Malot, é um clássico que há mais de um século comove de crianças a adultos. Poty Lazzarotto é um artista curitibano consagrado aqui e no exterior. Virgínia Lefevre é uma das mais conceituadas tradutoras do país. Junte os três e você terá o mais novo lançamento da Livraria e Editora do Chain. Para Aramis Chain, dono da tradicional livraria curitibana, publicar Sem Família foi a realização de um sonho. Ele conta que leu o romance pela primeira vez há mais de 40 anos, e que o livro de Malot mudou sua vida. Desde então o relê de tempos em tempos e a cada leitura ainda se emociona. Daí a satisfação ao por no mercado, em outubro, a edição de sua lavra. Ainda mais com o requinte de ter na capa e nas ilustrações internas a assinatura do mestre e amigo Poty Lazzarotto, falecido em 1998. O livro conta a história de Renato, um menino que aos 8 anos descobre que a mulher carinhosa que cuida dele não é sua mãe. Não bastasse esse drama, ele é vendido pelo pai adotivo para Vitalis, um velho cantor ambulante. É junto com esse artista e com os demais membros da simpática trupe, três cachorrinhos e o macaco Boa Vida, que começa a sua comovente e atribulada jornada pela França e Inglaterra em busca de seus verdadeiros pais. Nesse trajeto, passa por situações felizes e engraçadas, mas também se depara com exemplos duros da

crueldade humana, é vítima de preconceitos, passa fome, é explorado por ladrões. Amadurece precocemente, mas sem abrir mão de sua dignidade. E da ternura. E tudo isso é narrado pelo próprio garoto, numa linguagem fluente e cativante. Embora escrito há 132 anos, Sem Família continua extremamente atual. Ao mesmo tempo em que denuncia a exploração e maus tratos aos quais as crianças eram submetidas então (e que infelizmente ainda atinge milhões de crianças no mundo), Malot fala de sentimentos universais e atemporais. Tanto que já foi traduzido praticamente em todo o mundo e continua fascinando quem o descobre ou quem volta a viajar nele. “Posso assegurar que após ler o livro, a pessoa não será mais a mesma”, garante Chain, com a autoridade de quem teve essa experiência há mais de quatro décadas e nunca mais a esqueceu. (DSF) »» SERVIÇO Livro: Sem Família (Sans Famile) Lançamento: Outubro/2010 Autor: Hector Malot Tradução : Virgínia Lefevre Editora: Chain Páginas : 272 Ilustrações: Poty Lazzarotto Preço: R$ 29,00

»» Infelizmente atual Escrito há mais de um século, o livro é tristemente atual. Ele é reiteradamente citado até hoje em teses acadêmicas e estudos sobre a exploração infantil no Brasil. Outra atualidade surpreendente é quando narra o acidente em uma mina no interior da França, em que os mineiros ficam presos semanas a fio à espera do socorro. Idêntico ao que aconteceu este ano na cidade chilena de Capiapó, quando o mundo todo acompanhou o drama que se arrastou de 5 de agosto a 12 de outubro. A diferença é que no caso do Chile acompanhamos quase que só o que acontecia na superfície, e na obra de Malot ficamos sabendo o que acontecia lá embaixo. De forma realista e comovente. (DSF)

EM CASA E COM DESCONTO Na promoção de fim de ano Livraria do Chain/Do Quintal, o livro Sem Família será entregue em seu endereço (com frete grátis) e ainda com desconto de R$ 2,00 por volume (preço final: R$ 27,00). O pagamento é feito no ato da entrega ou com cheque para 30 dias. Faça o seu pedido pelos telefones (041) 3527-0501 e (041) 9852-3071 ou pelo e-mail doquintal@yahoo.com.br Entrega em até 48 horas para qualquer região de Curitiba.

“O livro apresenta quase uma catarse dos mais temíveis sentimentos humanos: o abandono; a solidão; a rejeição. Sentimentos que o protagonista Renato tira de letra. Em sua caminhada, conhece muita gente perversa, mas também pessoas sensíveis e íntegras, como a mãe adotiva Maria Barbarino e o velho artista Vitalis, que o ajudam a moldar sua personalidade e atravessar as dificuldades sem se deixar corromper. Renato tem um sonho que motiva toda a sua caminhada: quer encontrar seus pais verdadeiros. E o autor, usando a voz do próprio menino, conduz a trama de forma cativante, que nos faz não querer mais parar de ler. Numa linguagem simples, no sentido mais positivo do termo, a leitura flui e nos arrasta com ela. Buscamos o desfecho dos acontecimentos, mas, ao mesmo tempo, não queremos terminá-lo. Ficamos tão envolvidos com a história, que quase fazemos parte do livro, e nos pegamos, em outras atividades cotidianas, pensando no que foi lido, como se pudéssemos, de alguma forma, resolver o problema, ajudar o personagem ou, simplesmente, dar conselhos a ele. É um livro, em suma, que recomendo para todas as idades, para todos os gostos, e, principalmente, para todos os corações. (Donália Mayra Jakimiu Fernandes, estudante do curso de letras da UFPR.)

PROMOÇÃO DO QUINTAL/LIVRARIA DO CHAIN

A apresentação deste cupom na Livraria do Chain (Rua General Carneiro, 441, ao lado da Reitoria da Federal) garante desconto de R$ 2,00 na compra do livro Sem Família.


Curitiba, dezembro de 2010

»»6

Do Quintal

IDOSO

Cuidar de idoso se aprende na escola Cursos preparam profissionais para a delicada missão de atender aos mais velhos

O

Ângela Ribeiro

processo de envelhecimento da população brasileira e o aumento da expectativa de vida de nossos idosos tem exigido a capacitação de profissionais para garantir independência e qualidade de vida a essa faixa etária. Se antes o cuidador do idoso tinha o perfil de um empregado doméstico, hoje as exigências são muito maiores. É por isso que várias escolas estão criando cursos para a formação desses profissionais interessados em se especializar no atendimento à chamada maior idade. É o caso da Escola Vicentina Catarina Labourér, tradicional escola de enfermagem das Mercês, que oferece o curso de Cuidador de Idosos. Criado em 2004 para atender uma necessidade que vinha sendo apontada pela própria comunidade, o curso tem atraído um número cada vez maior de interessados. Prova disso é que a primeira turma teve oito alunos e, no ano passado, foi necessário abrir duas turmas de 30 alunos para suprir a demanda. Já neste ano, a escola teve de oferecer vagas para três turmas, tamanha a procura pelo curso. A razão para isso, segundo a irmã Maria do Socorro Costa Nogueira, coordenadora do curso desde 2005, é o aumento na expec-

tativa de vida dos idosos, e a busca da manutenção da qualidade de vida, que exige um enfoque no atendimento para essa faixa etária. Também é cada vez maior o número de profissionais de enfermagem interessados em se especializar no atendimento aos mais velhos, ou mesmo de pessoas que tem idosos em casa e que querem se capacitar para cuidar de seus entes mais velhos. Outra grande parcela que tem buscado o curso é formada por pessoas que querem entrar no mercado de trabalho atuando como cuidadores em residências cujos familiares trabalham e não tem tempo de cuidar de seus pais, sogros ou avós. Embora não tenha o caráter profissionalizante, o curso de Cuidador de Idosos da Escola Catarina Labourér abrange um extenso programa para a capacitação dos cuidadores. Segundo a irmã Maria do Socorro, cuidar de alguém que tem limitações físicas ou psíquicas exige um conhecimento com base científica, além de valores éticos e morais. “Uma pessoa que vai atender a um idoso deve saber respeitar a diversidade de expressões culturais para adaptar-se às diferentes estruturas institucionais e familiares. Sem contar, o conhecimento básico em diversas áreas que as capacitem para garantir a qualidade de vida do idoso”.

Cuidar de idosos requer dedicação e conhecimentos técnicos.

»» Necessária preparação Com uma carga horária de 80 horas, o curso reúne disciplinas de diversas áreas, como princípios básicos de enfermagem, noções de nutrição, psicologia e fisioterapia: “as famílias têm exigido maior conhecimento das doenças específicas do idoso, sem contar que o cuidador conheça os cuidados físicos e psicológicos necessários para lidar com os limites que a idade impõe”. No caso de familiares, a pessoa que tem um idoso em casa também precisa de uma estrutura psicológica que lhe prepare para lidar com os desafios do dia-a-dia junto a um ente mais velho. Muitas vezes as pessoas não estão preparadas para entender a psicologia do idoso, todos os impasses e medos que ele enfrenta com o processo de envelhecimento. “Ou mesmo pes-

soas cujo parente tem problemas neurológicos, ou doenças como o Mal de Alzheimer . Essas pessoas também têm suas vidas alteradas e precisam, portanto, de um acompanhamento e uma maior compreensão psicológica para lidar com a difícil missão de cuidar do idoso”acrescentou a coordenadora. Serviço : O curso de Cuidador de Idosos da Escola Técnica de Enfermagem Catarina Labouré acontece as segundas, quartas e sextas, das 19 às 21 horas. Os alunos fazem ainda 15 horas de estágio no asilo Ricardo Tarumã. A próxima turma começa no dia 14 de fevereiro de 2011, com inscrições a partir de janeiro. Endereço: Rua Jacarezinho, 1000, Mercês. Valor: Duas parcelas de R$ 140,00. Telefone: 3219-3650

Cartilha dá dicas sobre cuidados existem hoje aproximadamente 3,8

leigos. Ele ensina, por exemplo, a como

Geografia e Estatística (IBGE) é de que

milhões de idosos com algum grau de

dar banho, como lidar em casos de

em 2050 a população de idosos será de

dependência no país. Por isso, o mercado

quedas, convulsões, oferece dicas para

63 milhões de pessoas. Em 1980 eram 10

de trabalho para os chamados cuidadores

uma alimentação saudável e ainda como

idosos para cada 100 jovens, e em 2050

de idosos já tem bastante demanda e a

transferir um idoso acamado para uma

serão 172 idosos para cada 100 jovens,

tendência é aumentar cada vez mais.

cadeira. O arquivo está disponível para

A projeção do Instituto Brasileiro de

porque a esperança de vida ao nascer saiu de 43,3 anos, na década de 1950, para 72,5 anos em 2007, segundo o IBGE. Além disso, segundo o Ministério da Saúde,

O Ministério da Saúde lançou em 2008

leitura e/ou download no endereço

o Guia Prático do Cuidador do Idoso.

eletrônico no link http://bvsms.saude.

Em linguagem acessível, o manual traz

gov.br/bvs/publicacoes/guia_pratico_

noções práticas para profissionais e

cuidador.pdf

Guido oferece curto gratuito Interessado em oferecer mais uma opção de curso numa área técnica, garantindo à comunidade mais oportunidades no mercado de trabalho, o Colégio Estadual Guido Straube decidiu ofertar o curso gratuito de Cuidados com a Pessoa Idosa. O curso técnico – profissionalizante tem a duração de um ano e meio e vai formar sua primeira turma em julho de 2011. Além desse curso, o colégio Guido Straube oferta os cursos de Secretariado, com duração de dois semestres e Agentes Comunitário de Saúde, com duração de três semestres. Segundo a coordenadora do curso, Claudete dos Santos Ramos, a idéia de oferecer o curso de Cuidados com a Pessoa Idosa veio da falta de pessoas capacitadas para lidar com o idoso, o que exigiu uma nova área técnica. A equipe do Guido Straube pretende, além de fornecer essa mão-de-obra capacitada, conscientizar a comunidade da importância da formação técnica que possibilita a inserção no mercado de trabalho e, consequentemente, o aumento da renda familiar. “O fato do colégio ficar num local privilegiado, próximo ao centro e atendido por várias linhas de transporte, faz com que pessoas de toda a cidade, além da Região Metropolitana, tenham acesso ao ensino técnico- profissionalizante e gratuito. Isso contribui para a inserção de muitas pessoas no mercado de trabalho” – explicou a coordenadora. O colégio já está formando uma nova turma para iniciar em fevereiro de 2011. Para ingressar no curso é necessário ter concluído o Ensino Médio e ter disponibilidade no período noturno, das 18h50 às 2h:30, de segunda à sexta-feira. O curso tem reunido alunos de 25 a 50 anos de idade que fazem aulas de ambiente e Segurança, Anatomia e Fisiologia Humana no Processo de Envelhecimento, Atividades Ocupacionais Laborativas, Direitos Humanos e Cidadania, História do Envelhecimento, Atividades Físicas e Lazer e Filosofia, além de um estágio supervisionado. As aulas são ministradas por profissionais na área de saúde, como enfermeiros, psicólogos e fisioterapeutas. (AR) Serviço: O Colégio Guido Straube fica na rua Jacarezinho, 1680, Mercês. Telefone: 3335-8241.

SUPREMO NA ARTE DO GESSO

Venha conhecer nosso show room

Forros - Sancas - Molduras - Colunas - Dry Wall - Decoração em geral

3253-1909, 9856-6660 e 9256-6660

Rua Maria Bauer Sigmund, 503, Pilarzinho.


Curitiba, dezembro de 2010

Do Quintal

»»7

BULLYING

Um mal que assola as escolas Marco André Lima

O bullying atinge instituições públicas e privadas e pode causar danos irreparáveis Douglas Fernandes

U

ma grave doença, muitas vezes invisível, se alastra por escolas de todo o mundo. Muitas vezes provoca danos para toda a vida, chegando a causar mortes. A “patologia” é mundial, mas ganhou nome próprio nos Estados Unidos : bullying. Sem tradução exata para o português, o termo vem de bully, ou seja, “valentão”, aquele que tenta se impor em seu grupo com a violência física ou por meio de humilhações psicológicas. A situação é tão grave, que no último mês de outubro o Conselho Nacional de Justiça lançou uma cartilha voltada às escolas e órgãos públicos em que ensina como identificar e como combater esse mal. O texto da cartilha é de uma das maiores autoridades brasileiras no assunto, a médica psiquiátrica carioca Ana Beatriz Barbosa Silva. Autora de vários livros, entre eles Mentes Inquietas - TDAH: Desatenção, Hiperatividade e Impulsividade e Mentes perigosas – O psi-

Ana Beatriz: ‘Um problema de saúde pública”.

copata mora ao lado, ela esteve em Curitiba em setembro participando da 1ª Bienal do Livro, onde lançou sua mais recente obra: Bullyng – Mentes perigosas nas escolas. O Do Quintal esteve lá e a entrevistou com exclusividade. Para a psiquiatra, não há dúvida de que o bullying se tornou um caso de saúde pública, ganhando contornos sórdidos com graves consequências para as vítimas, incluindo traumas psicológicos e até mesmo suicídios. Ela esclarece que bullying trata-se de atos de violência (física ou não) praticados de forma intencional e repetitiva contra um ou mais alunos que não se encontram em condições de se defender. Ou seja, embora em alguns casos possa parecer, não há nada de “brincadeira” no bullying. Ele exis-

te desde sempre no ambiente escolar, mas as formas de agressões estão ficando cada vez mais graves, e com a internet ganharam nova dimensão. Surgiu o ciberbullying. Nele, os agressores usam comunidades, e-mails, torpedos e blogs para humilhar colegas. Isso já levou jovens de várias partes do mundo a se suicidarem por não suportar a pressão. »» Em todas as escolas Em graus e formas diferentes, o bullying acontece em todas as escolas, sejam particulares ou públicas. Ana Beatriz, inclusive, considera que a situação é melhor enfrentada nas escolas públicas, que têm uma orientação mais padronizada para os casos e que geralmente acionam os Conselhos Tutelares e Delegacias da Criança e do Adolescente.

Nas particulares, muitas vezes tenta-se esconder os casos. Ela lembrou de uma propaganda de escola que viu no Rio de Janeiro em que se dizia que naquela instituição não havia bullyng. “Eu não teria coragem de colocar meu filho numa escola dessas. Não confiaria nela”, afirma. E pesquisa feita pelo IBGE em junho último mostra que em Curitiba a ocorrência de bullying está acima da média nacional. O levantamento mostrou que dentre os alunos de escolas públicas e particulares entrevistados, 35,2 % disseram já ter sido vítimas da prática, o terceiro maior índice entre as capitais do país. Ficou atrás somente de Brasília, 35,6% e Belo Horizonte (35, 5%). Um alerta para que toda a comunidade escolar, incluindo as

Saiba como identificar No livro e na Cartilha, Ana Beatriz explica os tipos de bullyng e como pais e professores podem contribuir para inibir sua prática no ambiente escolar. É comum a vítima, por vergonha

ou por achar que não há a quem recorrer, não contar a ninguém o que passa com ele. A seguir, alguns trechos resumidos que podem ajudar a identificar vítimas e agressores:

»» QUEM PRATICA

»» AS CONSEQUÊNCIAS Todas as vítimas, sem exceção, sofrem com os ataques de bullying (em maior ou menor proporção). Muitas levarão marcas profundas provenientes das agres¬sões para a vida adulta, e necessitarão de apoio psiquiátrico e/ou psicológico para a supe¬ração do problema.

Meninos e meninas praticam o bullying. O que varia é a forma. Entre os primeiros é mais visível, pois geralmente utilizam a violência física. Já entre as meninas, é mais dissimulado, geralmente utilizando-se de fofocas, intrigas e isolamento das colegas.

»» AS VÍTIMAS Na Escola: No recreio ficam isoladas do grupo, ou perto de adultos que possam protegê-las; na sala de aula apresentam postura retraída, faltas frequentes às aulas, mos¬tram-se comumente tristes, deprimidas ou aflitas; nas atividades em grupo sempre são as últimas a serem escolhidas ou são excluídas; e em casos mais dramáticos apresentam hematomas, arranhões, cortes, roupas danificadas ou rasgadas. Em Casa: Frequentemente se queixam de dores de cabeça, enjôo, dor de estômago, perda de apetite, insônia. Sintomas que tendem a ser mais intensos no período que antecede o horário de entrarem na escola. Geralmente elas não

têm amigos. Apresentam diversas desculpas (inclusive doenças físicas) para faltar às aulas.

»» OS AGRESSORES Na escola: Os agressores fazem brincadeiras de mau gosto, gozações, colocam apelidos pejorativos, difamam, ameaçam e menosprezam alguns alunos. Fur¬tam ou roubam dinheiro e lanches. Estão sempre enturmados. Em casa: mantêm atitudes desafiadoras e agressivas. São arrogantes no agir,no falar e no vestir, demonstrando superioridade. Manipulam pessoas para se safar das confusões em que se envolveram.

»» O PAPEL DOS PAIS Em muitos casos, o fenômeno começa em casa. Os pais, muitas vezes, não questionam suas próprias condutas e valores, eximindo-se da responsabilidade de educadores. O exemplo dentro de casa é fundamental. O ensinamento de ética, solidariedade e altruísmo inicia ainda no berço. A direção da escola deve acionar os pais e os órgãos de proteção à criança e ao adolescente etc. Em situações que envolvam atos infracionais (ou ilícitos) a escola também tem o dever de fazer a ocorrência policial. Tais procedimentos evitam a impunidade e inibem novos atos.

famílias, fique mais atenta e combata de forma mais eficaz esse mal de consequências devastadoras. Mas que pode ser controlado.

SERVIÇO: Para baixar ou ler a Cartilha de Combate ao Bullying, acesse www.cnj.jus.br/images/ Justica_nas_escolas/cartilha_ web.pdf Para denunciar o bullyng cibernético ou qualquer outro crime contra os direitos humanos, como pornografia infantil e outros, acesse a SaferNet, no endereço http:// www.safernet.org.br.

E se eu fosse você? Além de provocar sérios danos para as vítimas, o bullying também traz consequências para o agressor, além das possíveis penalidades criminais do ato. São muitos desses agressores juvenis que exercitando a intolerância desde cedo se tornam os adultos que irão espancar futuramente homossexuais, negros, índios, nordestinos, o torcedor do time adversário, ou seja, todos que considerarem inferiores. E sem medir a dor que provocam nos agredidos. Uma das práticas que a psiquiatra Ana Beatriz vem incentivando para combater isso nas escolas é uma ação simples, mas que pode trazer grandes resultados. Trata-se de um conjunto de atividades sob o nome “Se eu fosse você”. Nelas, os professores incentivam os alunos a se colocarem na situação do “outro”. Com isso, o estudante passa a pensar sobre o que sentiria caso fosse ele o agredido ou segregado. Ana Beatriz também defende que todas as escolas criem comissões anti-bullying com representantes de toda a comunidade escolar. A partir dela, é possível criar uma política interna específica de combate às agressões e dar um encaminhamento adequado aos casos registrados. (DSF)


Curitiba, deze

Do Qu

»»8

ESPECIAL

Golfinho, a histó

Do trabalho de um grupo de famílias curitibanas, surgia há 35 anos n atletas que colocariam o Paraná pela primeira vez entre os grandes de campeões, o que se cria ali são mosquitos. Um movimento surgid volte a ser uma referência no esporte e se torne um exemplo Nestas, e nas páginas 10, 11 e 13, conheça um pouco da história do Clube Douglas de Souza Fernandes

E

nquanto o Brasil se prepara para sediar sua primeira Olimpíada, em 2016, uma estrutura que serviu por mais de 20 anos para formar campeões da natação brasileira está abandonada, servindo de criadouro de mosquitos e outras pragas urbanas. O Clube do Golfinho, que foi referência da natação de alto nível dos anos 70 ao final dos 90 do século passado, hoje se tornou um problema para os moradores próximos ao antigo número 28 da Rua São Salvador, no bairro Pilarzinho. Foi ali que na metade dos anos 70 se tornou concreto o sonho de um grupo de pais abnegados que se juntou para criar um espaço para seus filhos treinarem e competirem de igual pra igual com o melhor da natação do País. O Clube do Golfinho, porém, começou a ser gestado alguns anos antes, dentro do Centro Israelita do Paraná. A semente havia sido trazida da Sociedade Água Verde, ainda nos anos 60. Era na piscina desse clube, que filhos de dezenas de famílias curitibanas davam na época suas primeiras braçadas. Muitos garotos ficaram apaixonados pelo esporte devido à forma de ensinar do técnico Paulo Falcão. A Água Verde, porém, encerrou suas aulas de natação. Paulo foi desligado e logo contratado pelo Centro Israelita do Paraná, e atrás dele foram os “órfãos do Água Verde”. Apesar do entusiasmo do técnico e dos atletas mirins, o treino no Centro Israelita era feito de forma precária. Isso porque se tratava de um clube social e os jovens atletas tinham que dividir a piscina com os sócios que buscavam na água só diversão. Mesmo assim, a determinação das famílias fez com que se criasse um grupo forte. Dessa união surgiu a idéia do nome Golfinho para designar a equipe. »» José Finkel Dentre os pais dessa gurizada, estava uma pessoa que deixaria marcas indeléveis na história da natação paranaense, o empresário Berek Kriger. Sua relação com a natação começou quando pôs os filhos Joel, Thalma e Ilana para aprenderem a nadar na Água Verde. Em pouco tempo, se tornou o presidente da Associação de Desportos Aquáticos do Paraná, e já tinha contatos e o respeito dos principais dirigentes do setor no Brasil. Foi com essa bagagem que, em 1972, ele criou o Troféu José Finkel, que se tornaria um marco na natação competitiva do país, e que este ano chegou à sua 39ª edição, como um dos principais torneios nacionais. A idéia surgiu após um fato trágico com um dos atletas do Israelita. José Finkel tinha 17 anos e era a principal promessa paranaense até então. Era o melhor peitista do Estado e quem o acompanhava sabia que era questão de tempo para ele se tornar um destaque nacional. Mas não houve tempo. Aparentemente sem motivos, ele começou a se sentir mal. Exames detectaram um câncer linfático no jovem.

Ilana Kriger, ao bater o recorde sul-americano no Minas Tênis Clube, em 1977.

Berek Kriger, falando, durante uma reunião no 2º José Finkel, em 1973.

A morte veio em poucas semanas e com ela uma imensa comoção, que provocou inclusive uma debandada de atletas do israelita, pois havia quem creditasse a doença de Finkel ao treinamento nas águas frias do clube. Arrasado com a morte do jovem atleta, Berek, porém, viu que a melhor forma de homenageá-lo seria criar um troféu com o seu nome. Então, mobilizou a nata da natação nacional para apoiar sua idéea. O argumento usado por Berek foi que o Brasil não era competitivo porque no inverno a natação praticamente parava durante o inverno e que era justamente nessa época que aconteciam as principais competições no Hemisfério Norte. Daí a necessidade do

Brasil ter um campeonato de inverno. A sugestão foi bem acolhida, foi instalado um sistema de aquecimento nas piscinas do Israeleita, e já na primeira edição o José Finkel teve a participação dos principais clubes do Rio e São Paulo. Mas, embora o sucesso da iniciativa, as dificuldades no Israelita continuavam. No inverno, tudo bem. Mas, no verão, os jovens atletas usavam cinco das seis raias da piscina, tomando o espaço dos sócios. Foi aí que a diretoria do Israelita chamou os pais e deu um prazo para que encontrassem uma solução. »» O início Berek, então, propôs uma ação que, para al-

guns inicialmente, pareceu um delírio: criar o primeiro clube do País exclusivo para o ensino da natação. Boa vontade havia, faltava o restante. Júlio Gomel, conceituado médico urologista e que tinha então o filho Flávio dando suas primeiras braçadas no Israelita, conta que Berek então juntou mais cinco amigos: além dele, Abrão Fucks, Mauro Prieto, Ivan Gubert e Kozo Kazai, e propôs o seguinte: comprarem um terreno, dividir uma parte - onde construiriam algumas casas para comercializar -, e com isso bancar o restante do terreno que seria doado para o Clube. Foi escolhido um terreno de 16 mil metros quadrados da planta Bortolo Gava, no Pilarzinho. A área se resumia a um imenso matagal. Nem rua em frente havia. Pouco menos da metade ficou para os compradores e o restante, 8 mil e 312 metros quadrados, foi doado para o Golfinho. O espaço estava garantido. Faltavam as piscinas. Para levantar os recursos, os pais mobilizaram outros pais e os amigos e em pouco tempo estavam vendidos 250 títulos do futuro clube. Além disso, todos ajudavam como podiam. Pais arquitetos fizeram o projeto, pais engenheiros acompanharam a obra, outros mantinham contato com autoridades para conseguir ajuda. Foi assim que o então prefeito, Saul Raiz, mandou máquinas para arrumar o terreno e fazer as escavações para as piscinas. Em pouco tempo, começava-se a construção de três piscinas, uma de 25 metros e duas outras menores, para o aprendizado da gurizada. »» Prisão Berek, porém, não pôde acompanhar de perto boa parte das obras. Socialista, ele parti-


embro de 2010

uintal

»»9

ESPECIAL

ória de um sonho

no Pilarzinho um clube de natação que faria história. Ali se formariam do Brasil. Após anos de glória, o declínio e o abandono. Hoje, em vez do no bairro e com o apoio de ex-atletas, porém, luta para que o local o ao país que se prepara para sediar sua primeira Olimpíada. do Golfinho e de quem transformou este sonho numa concreta realidade.

Ilana, a primeira recordista

cipava de um grupo de intelectuais locais contrários à ditadura instalada no país na década passada. Por isso, já havia sido preso em 1964, 1966 e 1967, mas sempre só por alguns dias. Agora, acusado de financiar pessoas ligadas à luta armada, ele ficaria detido por oito meses no quartel do Exército, na Marechal com a Getúlio Vargas, até ser julgado e considerado inocente. Mas, poucos sabem que mesmo enquanto estava preso, Berek saía do quartel para visitar a família e dar um pulinho no Pilarzinho para ver como estavam as obras. Não se sabe ao certo como ele conseguia o “indulto”, mas o fato é que de vez em quando avisavam a família, e a filha Thalma ia buscá-lo de carro em frente ao quartel e, depois das visitas, levava-o de volta. Numa dessas visitas, foi homenageado pelos atletas e demais dirigentes, sendo jogado na piscina recém-construída. O Clube seria inaugurado oficialmente em dezembro de 1975. Amigos dizem, porém, que depois da prisão ele nunca voltaria a ser como antes, inclusive se afastando um tempo da natação e da cidade. Ele continuaria ligado ao Golfinho, porém, até o início dos anos 80. Em 81, começaria a construir o Centro de Natação Berek Kriger, inaugurado em 1982 e que funcionaria até 2002, um ano após sua morte, em 29 de abril de 2001. »» O auge Antes de se afastar, porém, Berek havia deixado toda a estrutura para o Golfinho crescer. Foi ele, junto com o vice Júlio Gomel, que buscaram na Argentina, o técnico Carlos Fernandez, na época já um cobra na formação de nadadores.

Berek também teve a felicidade de ver sua filha, Ilana, bater o recorde sul-americano dos 200m costas, em 1977. Em 1979, seria inaugurada a piscina olímpica de 50 metros, marco na história do clube. Nos anos seguintes, bater recordes no golfinho se tornaria comum. O Clube se firmaria na década seguinte como uma das forças da natação brasileira. »» O declínio O sucesso externo, porém, criou brigas internas. Alguns dizem que pais que não tinham os filhos entre os primeiros começaram a questionar a atenção dada a seus rebentos, criando cisões. Outros apontam a má administração.A maioria que acompanhou a história do clube, porém, concorda que o grande motivo do declínio foi a saída dos pais fundadores. Conforme os filhos cresciam e encerravam suas carreiras nas piscinas, eles também foram se afastando. As dívidas do Golfinho levaram a sua sede a ser incorporada pela Sociedade Juventus, que também afundada em dívidas com a Previdência, teria o imóvel leiloado em setembro de 2003. Atualmente, o imóvel está indisponível pela Justiça e pesa sobre ele uma dívida, entre tributos federais e de IPTU, em torno de R$ 2 milhões. Poderia ser o triste fim do clube que fez história na natação paranaense e brasileira. Porém, está em curso um movimento para que a estrutura deixada pelo Golfinho seja resgatada pelo Poder Público para atender à população e, quem sabe, formar novos campeões. Seria um final feliz bem apropriado para um sonho de um grupo de curitibanos que foi, durante um tempo, um exemplo nacional.

Antes do Golfinho, nenhum nadador paranaense tinha conquistado destaque na natação nacional. A primeira a realizar a façanha foi Ilana Kriger. Não por acaso, filha de Berek, o mentor do Golfinho. Aos 17 anos, estudando e morando em São Paulo, mas nadando pelo Golfinho, ela bateu o recorde sul-americano dos 200 metros costa. Quando a menina Ilana entrou na piscina do Minas Tênis Clube, em Belo Horizonte, no dia 3 de fevereiro de 1977, sabia que ficaria entre as primeiras. Pois meses antes, no campeonato estadual que a classificou para o Troféu Brasil de Natação, ela havia feito o tempo de 2 minutos, 29 segundos e 11 décimos, apenas um segundo e 60 décimos acima do recorde que pertencia a Rosamaria Prado, do Andradina Tênis Clube. Mas não imaginava que 2 minutos, 25 segundos e 88 décimos depois, monopolizaria a atenção de todos que acompanhavam o primeiro dia de provas do principal campeonato nacional. Isso numa competição que tinha, entre outros destaques, Djan Madruga, o primeiro nadador brasileiro a bater um recorde olímpico. Ao repórter do jornal O Globo que cobria o evento, ela disse que não esperava tanto assédio após a prova. “Estou confusa. Não sabia que um recorde é tão importante. Estou impressionada com número de pessoas que se aproximam de mim, para conversar e entrevistar. Desculpe, se não responder direito às perguntas”, comentou ela. Seu desempenho também garantiu

sua presença na Copa Latina, que seria realizada em Roma, em março, e no qual ela voltaria a bater o recorde, baixando-o para 2:25:20. Apesar da pouca idade, ela já computava dez anos de competições, incluindo três participações internacionais, no Chile, Uruguai e França. Seus ótimos resultados, porém, não foram suficientes para mantê-la na natação. No mesmo ano se mudaria para a Califórnia, nos EUA. Hoje, mais de 30 anos depois, ela explica que o que pesou para a sua saída precoce foi a falta de infraestrutura que encontrou no clube norte-americano. Pelos resultados que teve por lá, sentiu que não conseguiria um bom desempenho no ano seguinte. Cansada da rotina de treinos, resolveu, então, dedicar-se somente aos estudos. Passou no vestibular para o Curso de Desenho Industrial na PUC e voltou a morar em Curitiba. Hoje é a diretora de Varejo na Área de Tecnologia Educacional.do Grupo Positivo. A lembrança dos tempos do Golfinho, porém, continua viva em sua memória. Assim como o esforço e a dedicação de seu pai e dos demais fundadores do clube para transformar a cidade numa potência da natação. É por isso que ela torce para que o poder público encampe o que sobrou do clube e o use para prestar um serviço à comunidade, ensinando a natação para as novas gerações. Uma forma de manter viva a memória de quem conseguiu transformar um sonho numa poderosa realidade. (DSF)

Thalma, Ilana e a mãe, Rosa Kriger: família unida na natação.


Curitiba, 25 de agosto a 25 de setembro de 2010

Do Quintal

»»10

especial

Entre os melhores do país Nos primeiros anos, o Golfinho reinou absoluto no Paraná; depois, conquistou destaque nacional

A

s águas do Golfinho foram férteis na criação de campeões. Com o recorde quebrado por Ilana, em 1977, o clube de Curitiba mostrou ao que veio. Nessa época, com apenas dois anos de sua inauguração oficial, os atletas do clube já detinham a maioria dos recordes paranaenses, capitaneados primeiramente pelo técnico argentino Carlos Fernandez e depois por Leonardo Vescovo, também argentino, e o campeão brasileiro Ilson Austuriano. Junto com a filha de Berek, Ênio Aragon, nos 100 metros livre, Daniel Wolokita, nos 100 borboleta e Carla Sprengel, também nos 100 borboleta, foram os principais destaques da primeira geração do Golfinho. Outros que já faziam bonito ou que fariam nos anos seguinte eram Fabio, Maria e Bruno Miraglia, Christiane Mueller, Mário Romanó, Hilton Zattoni, Luiz Roberto e Ana Lúcia Ratto, Mario Lopes, Priscilla Grocoski, Cláudia Surigi, Antônio Paula Filho, Izabella de Paula, Mônica Prieto, Patrícia Filizola e Oscar Monteiro; e também Gilberto Krieger, Jayme Wolokita, Antonio Carlos de Paula Soares, Celso Jugend, Suzanne Soifer, Marcia, Ilona e Liliane Naday, Katia Weigang, Regina Iorio e Silvia Franzoni. Em pouco tempo, bater recordes paranaenses se tornou rotina para aquele pessoal. Tanto que ainda em 5 de dezembro de 1976, o clube promoveu o I Festival de Recordes do Paraná. Participaram clubes de todo o Estado que ti-

Priscila Grocoske, Felipe Michelena, Flávio Gomel, Patrícia Koglin, Ana Júlia Borell, João Carlos Borell e Miriam Arthur. O hoje arquiteto Felipe Michelena lembra a emoção que foi desbancar o até hoje fortíssimo Pinheiros no Troféu Brasil de 1986, disputado no Rio de Janeiro. “Só não fomos campeões, porque nossa equipe levou apenas 26 atletas, contra 40 que disputaram pelo Flamengo, que ficou com o primeiro lugar”, conta. Um quarteto de peso: Daniel Wolokita, Enio de Aragón, Luiz Roberto Ratto e Jayme Wolokita.

nham nadadores em condições de bater marcas paranaenses. Foram 22 tentativas, das quais surgiram 16 quebras de recordes estaduais. Os golfinenses foram responsáveis por 13. Em segundo ficou o Curitibano, com 2; e em terceiro, o Olímpico de Maringá, com um. »» Conquistando o Brasil O domínio no Paraná já estava selado. No cenário nacional, os atletas do Golfinho foram galgando degraus ano a ano. No final dos anos 70, o clube já figurava entre o sexto e o sétimo melhores do país. O grande salto rumo aos principais pódios nacionais foi dado a partir da contratação do técnico Reinaldo Dias, descoberto pelo golfinense e jornalista Borell Du Vernay no interior de São Paulo. Seu auxiliar era um ex-atleta do clube, Daniel Wolokita .

Rogério Romero: com 5 olimpíadas, o mais vitorioso atleta do Golfinho.

Em pouco tempo, o Golfinho já batia clubes tradicionais, como o Minas, a Hebraica, Vasco da Gama e Andradina . O auge chegaria em 1986, quando passaria o poderoso Pinheiros, de São Paulo, e assumiria a segunda posição no ranking da natação nacional, atrás somente

do então imbatível Flamengo. Nesta época, o Golfinho teve seu time mais poderoso.Christiano Michelena, Eduardo de Poli e Rogério Romero, três futuros atletas olímpicos, puxavam a equipe, que trazia ainda Cristiane Spieker dos Santos, Cláudia Sprengel,

Uma rivalidade produtiva Marco André Lima/Do Quintal

Golfinho X Curitibano. Essa rivalidade marcou época na natação paranaense e foi em boa parte a partir dela que se lapidaram os primeiros campeões do Estado. Hoje reinando absoluto na formação de craques das piscinas no Paraná, o Curitibano deve grande parte de sua trajetória vitoriosa aos embates travados ainda no início da década de 70 com o irmão do Pilarzinho. Muitos dos primeiros destaques do Curitibano, inclusive, deram suas primeiras braçadas nas águas do Golfinho. Renato Ramalho, atual diretor financeiro do Curitibano, foi um deles. Representando o Brasil nas olimpíadas de 1988 e 1992, Renato é hoje um dos sócios de um dos principais nadadores brasileiros de todos os tempos, Gustavo Borges, na rede de academias GB. Seu pai, Joel Ramalho, foi um dos fundadores do Golfinho. Ainda na primeira fase do Clube, porém, Joel entrou em rota de colisão com o técnico de então, o argentino Leonardo Vescovo. Ele considerava que o treinamento dado por Leo era puxado demais para as crianças. Joel achava que isso poderia trazer sérios problemas para os atletas na fase adulta. Isso o fez deixar o clube, levando Renato, então com 9 anos, para o Curitibano. Renato logo se destacaria, indo anos depois para o Flamengo, onde conseguiria espaço na seleção brasileira. Anos depois, Leó também iria para o Curitibano, onde permanece até hoje, como personal trainer. Fernando Magalhães, bi-campeão do Troféu Brasil (50

»» Aplauso especial O desempenho dos paranaenses foi acompanhado com entusiasmo pela lenda da natação brasileira, Maria Lenke, que hoje nomina o principal troféu nacional, e que na época tinha 71 anos. Flamenguista, mas acima disso, apaixonada pela natação, ela vibrou nas arquibancadas com a atuação do Golfinho. “Isso colocou a gente nas alturas”, recorda Felipe. No ano seguinte, mostrando que a posição que chegara no ranking nacional não foi por acaso, o Golfinho voltou a se confirmar como o segundo melhor do país. Inconformado com a perda da posição, o Pinheiros tentou de tudo para superar os paranaenses. Para tentar dar o troco, os paulistas buscaram um reforço de peso: o medalhista olímpico Ricardo Prado. O reforço, porém, não foi suficiente para superar os abnegados paranaenses, que mantiveram a posição conquistada. (DSF)

Apoie o jornal que veste a camisa do seu bairro ANUNCIE NO

Renato e Joel Ramalho: do Golfinho ao Curitibano.

livre) e recordista brasileiro absoluto dos 100 livre nadou em Curitiba só pelo Curitibano, e hoje é o supervisor das academias GB. Mas diz que sempre teve carinho pelo arqui-rival. “Sou um grande admirador da história do Golfinho. Gostaria muito de ver aquele espaço sendo usado em prol da sociedade e celebrando os craques da natação que passaram por ali”, diz ele. Entre os ex-atletas, é unânime que a rivalidade na verdade se restringia às piscinas, mantendo-se sólidas amizades entre os representantes dos dois clubes. Felipe Michelena lembra que o problema eram os pais, que ficavam brigando à beira da piscina nos campeonatos, chegando alguns a quase irem às vias de fato pelos seus rebentos. O que, felizmente, dizem que nunca aconteceu. (DSF)

Do Quintal Contatos : Tel: 3527-0501 – 9852-3071 E-mail: doquintal@comercial.com.br Site: www.doquintal.com.br


Curitiba, 25 de agosto a 25 de setembro de 2010

Do Quintal

»»11

ESPECIAL

Entre os melhores do mundo

A força da família

Nos anos 70, o Golfinho recebeu a visita dos melhores do planeta

H

oje, César Cielo e companhia vinda um pouco antes já marcaram território na natação mundial.E há paranaenses que são promessas de medalhas nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, como Henrique Rodrigues, 19 anos, que começou na escola de Natação Amaral, de Curitiba, e que hoje defende o Pinheiros. E Alessandra Marchioro, 17 anos, do Clube Curitibano. Em 1976, porém, o Brasil tinha uma participação bem mais modesta no cenário mundial. Rômulo Arantes, Marcos Mattioli, Jorge Fernandes, Cyro Marques e Djan Madruga eram os expoentes nacionais. Todos com bons desempenhos, mas nenhuma medalha olímpica, o que só viria a acontecer nas Olimpíadas de Moscou, em 1980, quando conquistariam o bronze nos 4 X 200 metros livres. E se o Brasil aparecia pouco, o Paraná nem existia nas competições mundiais. Mas, foi em dezembro de 1976 que o maior técnico do mundo e alguns dos principais nadadores norte-americanos vieram ao Pilarzinho e conheceram o que aquele grupo de curitibanos vinha fazendo no número 28 da Rua São Salvador. A convite de Berek Kriger, a delegação norte-americana da Universidade de Indiana, chefiada por James “Doc” Counsilmann, deu aulas e participou de uma competição amistosa com os jovens atletas do Golfinho. Aos 56 anos, Doc era uma lenda viva norte-americana. Piloto, foi considerado herói da Segunda Guerra ao chocar seu avião contra os alpes da Iugoslávia, mas salvando toda a tripulação. De volta à vida civil, além de vários clubes, treinou a delegação daquele país nas Olimpíadas de 64 e 76, quando das 24 medalhas de ouro disputadas levou 21. Dois anos depois da visita ao Golfinho, seria o homem mais velho a cruzar nadando o Canal da Mancha. Entre os nadadores que Doc trouxe ao Golfinho veio o primeiro do mundo a nadar os 100 metros em menos de 50 segundos, Jim Montgomery. Doutor em educação física, Doc Counsilmann revolucionou o treinamento dos atletas. Sua obra mais conhecida, a Ciência da Natação, lançada em 1968, se tornou uma bíblia para treinadores do mundo todo. E foi parte dessa técnica que ele ensinou em aulas e palestras para a equipe do Golfinho. »» Vitória surpreendente No mesmo ano, só quem em abril, o Golfinho havia recebido

outra visita ilustre. A equipe de Mission Viejo, Califórnia, então uma referência mundial na natação, também veio trazer um pouco de sua experiência para os jovens atletas curitibanos. Entre os destaques da equipe, Jesse Vassalo, 15 anos, futuro recordista mundial e que só não foi medalhista olímpico porque os EUA boicotariam os Jogos Olímpicos de Moscou em 1980. Mas nos jogos paralelos que os americanos realizaram naquele ano, registrou melhor tempo nos 200 e 400 metros do que os dois medalhistas de ouro de Moscou. Outros destaques eram os campeões americanos Alice Browne, Maura Campiom, Dawn Rodighiero e Cliff Clifton. Após as palestras e aulas, os norte-americanos participaram de uma competição amistosa com os atletas locais. A diferença de nível das duas equipes fazia crer que os americanos ganhariam com folga todas as provas. O público que lotava as arquibancadas do Clube do Golfinho naquela noite de 4 de abril de 1976, porém, teria uma grata surpresa. Das oito provas individuais, os atletas da Mission Viejo realmente ganharam fácil sete delas. Mas, justamente nos 100 metros livres, a mais nobre e importante prova da natação, em vez do favorito Cliff Clifton, quem chegou em primeiro foi um golfinense. O jovem Ênio Aragon não se intimidou diante da fera americana e cravou 55 segundos e 78 décimos, contra 57:04 de Cliff. Mais surpreso que o público, que vibrou intensamente nas arquibancadas do Pilarzinho, Cliff procurou justificar o mau resultado, atribuindo-o às “comidas pesadas” ingeridas na sua estada em Curitiba, incluindo uma feijoada. Em que pese a dieta do atleta norte-americano e o fato de ser uma prova amistosa, o que ficou para a história é que o campeão daquele dia – ou melhor, daquela noite - foi Ênio Aragon. (DSF)

Ninguém esperava, mas Ênio Aragon venceu Cliff Clifton.

Doc, nos anos 60, com três de seus então jovens pupilos da Indiana: Don McKenzie, Mark Spitz e Charlie Hickox. Spitz gaharia 7 ouro em Munique, em 1972, batendo 7 recordes. Seu feito só seria superado em 2008, por Michael Phelps.

O apagar das luzes O declínio do Golfinho começou ainda no início dos anos 90, mas até pouco tempo antes de ser fechado, em 2003, ainda continuou prestando um serviço importante para a comunidade. Homero Cachel, renomado técnico, mestre em Educação Física e uma referência no Triathlon mundial, atuou por mais de 10 anos no Clube. Nos últimos tempos, havia arrendado o Golfinho junto ao Juventus e, além da formação de triatletas, ele desenvolvia também um trabalho voltado às crianças carentes da região. Investindo recursos próprios que conseguira como professor, ele atendia nos últimos tempos a 176 crianças. O trabalho foi interrompido quando o imóvel, devido a dividas do Juventus junto ao INSS, foi a leilão. José dos Santos, que hoje trabalha na Loja Toque do Sol, ao lado do Golfinho na Rua São Salvador, trabalhou por seis anos na área de serviços gerais e manutenção do Clube, e conta que com o novo dono, houve uma mudança radical no atendimento. “Para economizar, eles mandavam desligar as caldeiras, era uma judiação para os velhinhos que faziam hidroginástica”, conta. Jocélia Santana, também hoje funcionária da Toque de Sol, trabalhava como secretária da administração. Ela conta que logo após o leilão, o advogado Luiz Fernando Comegno apresentou-se como representante do novo dono e passou a administrar o Clube. Na primeira semana, lembra, já começou a quebrar os vestiários, afirmando que tudo passaria por uma reforma geral. Anunciou tempos depois que o Clube seria fechado temporariamente para as obras de melhoria. Na tarde do dia 30 de julho, reuniu os cerca de 15 funcionários e informou que todos seria desligados, mas que seriam recontratados quando o clube reabrisse. Mas isso nunca aconteceu. Alguns conseguiram receber o que tinham de direito, outros foram à Justiça e até hoje ainda esperam. (DSF) Marco André Lima/Do Quintal

Hoje, o antigo glorioso Golfinho é o retrato do abandono.

Se para os motivos que levaram ao fim do Golfinho há muitas versões, para explicar o sucesso do clube há um consenso. Todos que participaram dele são unânimes em afirmar que a base de tudo foi a união da “família Golfinho”. Júlio Gomel, um dos fundadores e primeiro vicepresidente do Clube, lembra que essa característica era tão forte que chamava a atenção de quem vinha de fora. Ele conta que na realização da primeira edição do José Finkel, em 1972, ainda no Israelita, um dos destaques infantis foi o menino Ricardo Prado, que aos 7 anos já era campeão brasileiro pelo Pinheiros (SP) e que futuramente seria medalhista olímpico. Ao fim do torneio, o pai de Ricardo, Rui Prado, impressionou-se com o que o pessoal de Curitiba oferecia aos visitantes. Entre outras coisas, o Golfinho bancou um jantar para todos os atletas e dirigentes no Madalosso. E Rui fez um comentário premonitório: “Se vocês conseguirem ter a mesma união que têm fora da piscina, dentro dela, serão imbatíveis”. O trabalho pelo Golfinho envolvia toda a família dos atletas. As mães acordavam de madrugada, para estarem com os filhos no Pilarzinho às 5 horas da manhã para os primeiros treinos. Enquanto os meninos treinavam, elas preparavam o lanche e os uniforme de escola. Em seguida, levavam as crianças para a escola e os traziam novamente após as aulas para o treino da tarde. Rosa Kriger, esposa de Berek Krieger e mãe de Ilana, Joel e Thalma, era uma delas. Além dos treinos diários, elas acompanhavam os rebentos nas viagens para participar de torneios por todo o Brasil. As viagens eram bancadas pelos próprios pais, e não havia alojamento precário ou cansaço que fizesse as mães desanimarem. Hoje, décadas depois, essa união continua forte entre os que viveram aquela época. Muitos continuam até hoje no esporte, nadando em competições máster ou dirigindo atletas. Vários montaram ou trabalham em academias, outros buscaram novos caminhos profissionais e se contentam em verem os filhos dando suas primeiras braçadas . Grande parte mantém a rede de amizades iniciada naquele tempo. Ou seja, para muitos, o Golfinho não acabou.


Curitiba, dezembro de 2010

Do Quintal

»»13

ESPECIAL

Uma história que ainda não acabou Moradores e ex-atletas se mobilizam para que o Golfinho volte a funcionar

M

uitos acharam que a história do Clube do Golfinho havia acabado oficialmente em 2003, quando o imóvel foi arrematado em leilão do INSS, devido às dívidas com a Previdência tanto pelo clube quanto pelo seu incorporador, a Sociedade Juventus. Lorival Lincol Ferreira, que estaria morando nos Estados Unidos, foi quem arrematou a área, por R$ 600 mil, em 60 prestações. Mas pagou somente a primeira, de R$ 10 mil. Devido a duas ações contra o devedor, o imóvel está hipotecado e penhorado em favor da União Federal. Então, há ainda a possibilidade de o Poder Público resgatar a área para servir à comunidade. Quem afirma isso é o advogado João Carlos Flor, que coordena a comissão de moradores do Pilarzinho que luta para que a área seja revitalizada e passe a atender à população. A idéia surgiu das reuniões do Projeto de Desenvolvimento Local - coordenado pelo Sesi/Fiep e que reúne moradores que se interessam por resolver os problemas de sua comunidade. Foi esse grupo, formado também pelo corretor Jorge Luiz Kalnowski e o jornalista Douglas Fernandes, que passou a procurar o responsável pela área, para acioná-lo junto à saúde pública para que tomasse providências em relação aos focos de criação de mosquito do local. No levantamento do histórico do imóvel, descobriu-se a inadimplência e os processos contra o arrematante. O advogado conta que, no processo de penhora, o imóvel foi avaliado em R$ 1.500.000,00. “Como há outras execuções na Justiça Federal contra o arrematante, a Procuradoria Federal poderia requerer a unificação dos processos a fim de consolidar a dívida e assim pleitear a adjudicação do imóvel (encampar a área), pois o montante dos débitos cobrados pelo Governo Federal supera o valor da avaliação”, explica. Também existem execuções fis-

Marco André Lima/Equipe Do Quintal

Dos bons tempos, só a lembrança

Hoje, o Clube virou foco de mosquitos.

Grackzyk, dirigente da FDAP, e a bandeira. do Golfinho.

Assessoria Paulo Frote

O pedido de desapropriação foi apresentado ao prefeito Luciano Ducci.

cais de cobrança do IPTU que somam mais de R$ 300 mil. Hoje as dívidas para regularização da área, entre débitos com a Previdência e com o Município, estão próximas de R$ 2 milhões e o imóvel está indisponível até que sejam saldadas. »» Morosidade O processo acionado pela Procuradoria Federal ficou paralisado de 2006 a 2008 porque Lorival Ferreira, representado pelo advogado Luiz Fernando Comegno, não era encontrado para ser intimado. Isso só ocorreria em 2008, mas curiosamente não pela dívida referente ao Golfinho, mas pelas custas processuais de uma outra ação devidas pelo arrematante.

»» Ainda há esperança No último dia 28 de novembro, a comissão de moradores, reforçada por ex-atletas do Golfinho e pelo vereador Paulo Frote - que requereu a audiência -, reuniu-se com o prefeito Luciano Ducci, no Paço Municipal. Representando o Golfinho, estavam Ilana e Thalma Kriger, filhas de Berek; Ênio Aragon, Oscar Monteiro, Antonio Carlos de Paula Soares, filho de “Casico”, ex- presidente do clube; e Ester Proveller, do Clube Israelita. A comitiva apresentou a situação do imóvel e pediu ao prefeito que estude a possibilidade de o Município assumir a área e trans-

A mensagem de um campeão O paranaense Rogério Romero (*), único brasileiro a competir em cinco olimpíadas, nos mandou uma mensagem de Belo Horizonte, onde atua como secretário de Estado adjunto da Secretaria de Esportes e da Infância, contando sua relação com o Golfinho e a importância dele ser preservado:

»» “Caro Douglas,

A iniciativa é realmente muito importante e até relevante em diversos aspectos. Primeiro: a memória do esporte, no caso a natação. Segundo: pensando-se nas Olimpíadas. E por último, mas não menos importante,: o desenvolvimento social da região já mencionado. Minha experiência no Clube do Golfinho foi a melhor possível. Cheguei no início de 1986 e fui muito bem acolhido pela família do Golfinho. Sim, família, porque o sentimento era este mesmo, de perten-

cimento de algo maior que apenas uma equipe de natação. Foi quando descobri a trajetória, a história daquele que foi um clube exclusivo de natação. As vantagens neste modelo são óbvias, sem ter que “disputar” atenção com outras modalidades, seus dirigentes e o corpo técnico especializou-se. Tanto que, já no meu primeiro ano, o clube foi vice-campeão brasileiro, com um número acanhado de atletas, se comparado com as outras potências clubísticas. Conquistei também, já ao final de 1986, minhas primeiras vitórias brasileiras, e minha primeira convocação para seleção juvenil brasileira. A evolução atlética continuou e, em janeiro de 1988, conseguia meu primeiro índice olímpico. Esta façanha foi ainda mais significativa pois o campeonato foi realizado no próprio Clube do Golfinho, no Pilarzinho. Outras seleções e títulos

vieram, até eu vir para o Minas Tênis Clube, em 1991. Mas esta passagem por Curitiba certamente moldou meu caráter e definiu o que seria minha perseverança para o restante de minha longeva carreira esportiva. E, mais importante de tudo, as amizades que foram criadas, apesar da distância, continuam. Isto, para mim, foi a maior conquista em Curitiba.”. (*) Londrinense, Rogério Romero, nadou inicialmente na Acel, antes de vir para o Golfinho. É um dos três atletas do mundo a ter disputado 5 olimpíadas. Foi finalista em Seul-88, Barcelona -92, Atlanta- 96 e Sydney – 2000, nos 220 m costas, tendo batido 29 recordes sul-americanos e 41 brasileiros em 27 anos de carreira. É recordista mundial na categoria 35+.

formá-la num centro de atendimento à população. Luciano Ducci disse que, junto com sua assessoria jurídica, irá estudar o caso para verificar o que é possível ser feito. Enquanto aguarda, a comissão está promovendo um abaixo-assinado para reforçar o pedido. A Federação de Desportos Aquáticos do Paraná (FDAP) apóia a iniciativa. Seu presidente, Luiz Fernando Graczyk, que estava em Cascavel no Campeonato Estadual Mirim, já está repassando o abaixo-assinado. Destaque do Golfinho nos anos 80, Graczyk é pai dos nadadores André, 11 anos; e Alexandre, 16, que neste ano baixou, pelo Flamengo, o recorde brasileiro dos 100m batido por César Cielo em 2003. O advogado João Carlos diz que, havendo a viabilidade da desapropriação, será um grande presente para a comunidade e, de certa forma, para toda a cidade, que terá preservada a memória de um clube que marcou a história da natação paranaense e nacional. (DSF) Serviço: Para saber como participar do abaixo-assinado, acesse o site www.doquintal.com.br

Quem nadou nas piscinas do Golfinho e hoje visita o local sente uma profunda tristeza. Quem não o conheceu nos bons tempos não acredita que por ali passaram alguns dos melhores nadadores e técnicos do País, em apresentações que lotavam as arquibancadas do clube, em verdadeiras festas do esporte. Hoje o cenário é melancólico. O mato voltou a cobrir parte dos 8 mil metros quadrados do terreno. E viceja mesmo dentro das piscinas deterioradas e escurecidas pelo tempo. Onde nadaram astros do esporte, hoje poças d`água dão abrigo a focos de insetos. Há lixo e detritos acumulados pelos cantos. No subsolo, as caldeiras que aqueciam a água estão apodrecendo. O setor administrativo foi depredado, documentos e fichas dos atletas formam um monte de lixo próximo à piscina olímpica. Troféus, medalhas, fotografias, desapareceram. Antes orgulho para os moradores vizinhos, hoje o local é motivo de preocupação. Primeiro pelo potencial foco de transmissão de doenças. E em segundo, pelo medo de que a área passe a ser usada como esconderijo de bandidos ou ponto para uso de drogas. Uma família está morando precariamente no local, sem fornecimento de energia elétrica, e afirma que está cuidando do terreno para o dono, impedindo invasões. Os vizinhos mais antigos lembram com saudade dos dias em que havia campeonatos no local e as ruas ganhavam uma efervescência saudável, típica do esporte. José Eduardo, o Zé da Wap, que mora em frente aos portões do clube, é um dos que lamenta o fim das atividades. Ele chegou a nadar no local e acompanhou os tempos de glória e decadência do Golfinho. “É muito triste lembrar dos grandes atletas que passaram por aqui e ver como está hoje, abandonado, destruído. É muito triste...”, resume. (DSF)


Curitiba, dezembro de 2010

Do Quintal

»»14

AQUI TEM Viva o seu bairro. Antes de deixar o seu bairro para fazer compras em outro local, confira se o que você quer não está perto de você.

»» ACADEMIAS

»» CAFÉ E CONFEITARIA

»» AÇOUGUES

Pastéis de Belém Av.Manoel Ribas, 999, Mercês................................................ 3016-3901

Casa de Carnes May May Rua Carlos Cornelsen, 307 Bom Retiro................................3018-9136 Casa de Carnes Trevizzo R. Amauri L. Silvério – Cruz do Pilarzinho...................................3338-1988 Nilo Peçanha Av. Nilo Peçanha, 1280...........3338-9156

»» CABELEIREIROS

»» ÁGUA MINERAL Água Viva – Disk Água Av. Hugo Simas, 961, Bom Retiro................................. 33387977 Depósito Paloma Disk Água e Bebida..................3335-3736

»» ARMARINHOS

»» ARTE E ARTESANATO Arte na Madeira R. Cel. João G. Guimarães, 1588, B. Retiro.....................................3338-9541 Artesanato Nilda......................3335-4733 Arts & Crafts Av. Hugo Simas, 1215, Bom Retiro................................3222-4822 De Maryno – Atelier de Artes Av. Hugo Simas, 1181, Vista Alegre...............................3018-6227

»» AUTOMÓVEIS Auto-elétrica Mininão R. Raposo Tavares, 1519, Pilarzinho.................................. 3027-4607 Auto Center Schaffer Av. Hugo Simas, 3031, Pilarzinho.................................. 3013-6470 Auto-Peças e Acessórios Alex Auto Peças R. Mateus Leme, 2927, São Lourenço........................... 3252-3777 Auto-peças Muraro Av.Hugo Simas, 2701 Bom Retiro............................... 3338-2211 Braz Sound Car Av. Hugo Simas, 1834, Bom Retiro............................... 9934-8964 Cobra Pneus R. Mateus Leme, 5358 – São Lourenço........................... 3044-2994 Galeria das Rodas Av. Hugo Simas, 940, Bom Retiro .............................. 3338-7788 Rodas e Pneus.............................................. R. Domingos A. Moro, Pilarzinho.................................. 3235-3550 Varejão das Baterias R. Mateus Leme, 2794.......................................... 3077-1815

ANUNCIE: Tel: 3527-0501 – 9852-3071. E-mail: comercial@doquintal.com.br Site: www.doquintal.com.br

Bom Retiro...................................... 3338-8505 Av. Anita Garibaldi, 2480, Shop. Anita ..................................... 3044-4541 Zonato – Presentes Av. Hugo Simas, 990, Bom Retiro...................................... 3014-8422

Máster Corpore Fitness R. Raposo Tavares, 281, Pilarzinho........................................... 3022-8004 Winner Academia R. Mateus Leme, 3544 – S. Lourenço....................................... 3252-2044

A Pequenina Armarinhos – Lãs, fios, pedrarias R. Mateus Leme, 3195.............3252-7673 Armarinhos Mercês Av. Manoel Ribas, 1219, loja 2 Yes Presentes R.Amauri Lange, 10, Pilarzinho....................................3076-4185 Verde- Presentes, Brinquedos, Utensílios R. Amauri Lange, 28, loja 1Pilarzinho....................................3024-1040

Guia de Serviços e Comércio dos bairros Mercês, Pilarzinho, Bom Retiro, Abranches, Vista Alegre, São Lourenço e Centro Cívico.

Vila Nori Auto Peças R. Raposo Tavares, 1452, Pilarzinho.................................. 3235-2069

»» ESTOFAMENTO Estrela Estofamento R. Raposo Tavares, 25, Pilarzinho.................................. 3235-2803 Lava Car Lava car e guincho Ponto Amarelo..................................... 9607-7559 RM R. Raposo Tavares, 184,..............................................9809-6183 Wash My Car – Lava Car e estacionamento R. Mateus Leme, 2763.............3044-1420

»» OFICINA E PINTURA Auto Center R.Raposo Tavares, 55, Pilarzinho......................................... 3235-4110 Check Up- Auto Center R. Carlos Pioli, 811, Bom Retiro...................................... 3014-5525 Zico Ezequiel – Auto Car R. Domingos Antônio Moro, 233, Pilarzinho......................................... 3598-3808

»» AVIÁRIOS E PET SHOP Aviário Cão Amigo R.Amauri L. Silvério, 967, Pilarz. ............................................... 3338-3575 Aviário Tingui R. Raposo Tavares, 698, Pilarzinho......................................... 3338-3671 Bicho Locko Av. Hugo Simas, 1231, Bom Retiro...................................... 3338-0337 Casa do Pequeno Animal Av. Hugo Simas, 3597, Pilarzinho......................................... 3338-2620 Cat & Dog R. Tapajós, 1015, Bom Retiro...................................... 3338-7558 Gato Travesso Av. Hugo Simas, 1480, Bom Retiro ..................................... 3338-8804

Pet Shop R. Raposo Tavares, 181, Pilarzinho......................................... 3335-5422 Santo Expedito – Aviário e Pet Shop R. Ten. João Gomes, 680, Mercês.............................................. 3338-9640

»» BANCAS DE JORNAIS E REVISTAS Banca Divina Pastora Praça Divina Pastora – Mercês ............................................. 9122-8044 Banca da Luciane R. Marcelino Champagnat, s/n......3339-0720 Banca do Lori Av. Manoel Ribas em frente ao 1217............................................. 3335-7315

»» BARES E LANCHONETES Bar dos Amigos Rua Manoel Pereira, 237 – Pilarzinho......................................... 9123-7161 Bar e Lanchonete R. Emílio de Menezes, 1200, Bom Retiro...................................... 3338-8290 Bar Hollywood R. Raposo Tavares, 25 – Pilarzinho Bar e Restaurante Altair R. Nilo Peçanha, 1781, Bom Retiro...................................... 3078-4513 Lanchonete da Lombada – Delivery Av. Hugo Simas, 1856, Bom Retiro...................................... 3338-9515

»» BICICLETAS Speed Bike R. Raposo Tavares, 488, Pilarzinho......................................... 3338-2055 Técnico Cicles Biker`s Generation R. Raposo Tavares, 45, Pilarzinho......................................... 3338-5527

»» BRINQUEDOS Terrae Lúdice – Brinquedos Educativos R. Giacomo Mylla, 460,

Blitz Hair R. Alexandre Von Hulboldt, 1097Pilarzinho......................................... 3338-1106 BW Cabelereiros Unissex R. Alexandre Von-Humboldt, 66, Pilarzinho......................................... 3235-1726 Charlotte Hair Av. Hugo Simas, 830, Bom Retiro...................................... 3338-9540 Cida Cabeleireiros Unissex R. Alexandre Humboldt, 730, Pilarzinho......................................... 3338-2822 Dirce Cabeleireiros Av. Manoel Ribas, 272, São Francisco.................................. 3045-4071 Encanto R. Raposo Tavares, 38, Pilarzinho ........................................ 3015-7369 Gere – Cabeleireiros Unissex R. Raposo Tavares, 25, Cruz do Pilarzinho......................... 9227-9951 GiraSol Av. Manoel Ribas, 352, Mercês.............................................. 3232-4630 Kavangô R.Raposo Tavares, 1144, Pilarzinho......................................... 3338-5771 Le Due Hugo Simas, 600, Bom Retiro..................................... 3078-9480 Nice – Hair Designer R. Mateus Leme, 3170.................. 3015-3614 Odara Cabeleireiros e Estética R. Carlos Pioli, 538, Bom Retiro...................................... 3338-0080 R Depils R. Raposo Tavares, 709, Pilarzinho......................................... 3235-2774 RôKbelu`s R. Albano Reis, 1302, Bom Retiro...................................... 3352-3705 Salão Myiuki R. Raposo Tavares, 895, Pilarzinho......................................... 3014-3638 Salão NovoVisual R. Raposo Tavares, 806, Pilarzinho......................................... 3095-0373 Salão Unissex Marinele..................................... R. 25 de Abril, 23, Pilarzinho......................................... 3618-7681 Super Estilo R. João Tschannerl, 994, V. Alegre .......................................... 3336-0780 ZM Cabeleireira Unissex Av. Hugo Simas, 475, Bom Retiro...................................... 3338-0577 Vitalitá – Cabelos e Estética Av. Manoel Ribas, 1367, Mercês.............................................. 3078-4388

»» CALÇADOS Ragazza Calçados R. Dr Roberto Barrozo, Mercês.............................................. 3018-0660

»» CALDO DE CANA Delícia Natural – Água de coco, sorvetes R. Ângelo Zeni, 494 . ........................................................... 3077-5208

»» CHAVEIRO Ópera R.Mateus Leme, 4304. . ........................................................... 3254-5075 J.R. Chaveiro Av. Manoel Ribas,308, Mercês.............................................. 3233-4660 Will ......................................................960-6087

»» CHOCOLATE Cacau Show Av. Manoel Ribas, 1405, Lj 01, Mercês.............................................. 3044-7106

»» CORTINAS Lau Cortinas R. Raposo Tavares, 510 Pilarzinho..........................................3338-2876 Pyrich – Comércio de Tecidos Av. Manoel Ribas, 1625, Mercês...............................................3335-9705

»» COSTURA E REPAROS Aledane – Cons. e reformas masc. e fem. Av. Manoel Ribas, 391, Mercês ...............................................3016-3541 Alice Araújo – Reformas em Geral R. Myltho Anselmo da Silva, Mercês................................................3339-8919 Atelier de Costura R. Raposo Tavares, 11, Pilarzinho...........................................3235-4900 Mary Mason – A Oficina da Costura Av. Hugo Simas, 507, Bom Retiro........................................9234-6597

»» CLÍNICAS DE FISIOTERAPIA E ESTÉTICA Fisio Form R. Carlos Augusto Cornelsen, 321, Bom Retiro ....................................... 3252-0282

»» DEDETIZADORA Extinset controle profissional de insetos ............................................................. 3252-6401

»» DENTISTA Mariana Miyaji – Espec.em Endodontia R. Mateus Leme, 2987, Bom Retiro........................................ 3029-0555

»» EMPRÉSTIMOS A.E. Finanfacil R. Raposo Tavares, 55, Pilarzinho........................................... 3045-2861

»» ESCOLAS E CURSOS Cappuccino – Espaço gastronômico R. Robeto Barrozo, 1670, Mercês ............................................... 3019-6404 Escola Vicentina Tec. Enfermagem Catarina Labouré Rua Jacarezinho, 1000, Pilarzinho........................................... 3219-3650

»» ESTOFADOS Marques – Estofados & planejados R. Carlos Cornelsen,21 .............................................................3252-4453

»» FARMÁCIAS Homeo Pharma- Farmac.de Manipulação Av. Hugo Simas, 830........................ 3029-0675


Curitiba, dezembro de 2010

Do Quintal »» FERRAGENS Romana Scandelari Av. Hugo Simas, 2687, Pilarzinho .............................................................3338-2535

»» FESTAS E EVENTOS Casa de Festas Art y Magia R. Carlos Piolli, 443, Bom Retiro ............................................................3338-8242 Flora Casablanca – Decoração p/ casamentos e eventos R. Tapajós, 980, Bom Retiro .............................................................3339-7382 Maria F. Veloso –Arranjos Florais e eventos Av. Hugo Simas, 1215, cj 6 – Bom Retiro .. .............................................................3013-6404

»» FOTOGRAFIA Jammcollor – Com. de Matéria Fotográficos Av. Manoel Ribas, 1251, loja 10, Mercês .............................................................3077-4683

»» FARMÁCIAS +Farmácia Vila Nori R. Raposo Tavares, 1228, Pilarzinho ............................................................. 3338-2229 FERRAGENS 3M – Ferragens e Parafusos R.Raposo Tavares, 1135 ............................................................. 3356-5238

»» FLORICULTURA Floricultura Santa Cecília R. Santa Cecília, 835, Pilarzinho .............................................................3338-5219 Opera Garden R. São Salvador, Pilarzinho............ 3353-6222

»» JORNAIS E REVISTAS Distribuidora de Revistas R. João Tschannerl, 1073- Vista Alegre .............................................................3232-7860

»» GAMES Rei Games R. Raposo Tavares, 9, Pilarzinho .............................................................9950-6860

»» GÁS – DISTRIBUIDORAS Brusch – Gás e Água R. João Tschannerl, Mercês .............................................................3015-6163

»» IMOBILIÁRIAS Apolar Pilarzinho Av. Hugo Simas, 2245 e 3075 ............................................................3023-4949

»» INFORMÁTICA Clinivídeo – Informática e Eletrônica

Av. Manoel Ribas, 1349, Mercês ............................................................3335-9306 Curitiba Hard R. Raposo Tavares, 178, Pilarzinho ............................................................3013-1348 SL Informática Av. Hugo Simas, 1789, Jardim Schaffer ............................................................3015-1500

»» LAN HOUE Lan House Bom Retiro R. Henrique da Cunha, 565, Bom Retiro ............................................................3026-7847

»» LAVANDERIA Autêntica Lavanderias –seco e úmido Av. Hugo Simas, 936, Bom Retiro ............................................................3353-3784

»» MASSAGEM TERAPÊUTICA Espaço do Bem-Estar Av. Hugo Simas, 1510.................... 3528-2312

»» MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Casa do Construtor R. D. Alberto Gonçalves, Bom Retiro ...........................................................3029-0107 Dutra´s Pedras – Marmogran R. Mateus Leme, 2991 ...........................................................3352-5630 Scrock – Pisos de Madeira Av. Hugo Simas, 1846, Bom Retiro ...........................................................3338-2994 Nossa Casa R. Mateus Leme, 3615, S. Lourenço..........................................3252-219

»» MATERIAIS ELÉTRICOS E HIDRÁULICOS Casa Nostra – lustres & Iluminação ...........................................................3339-3162 Vilas Boas – Mat. Elétricos e Hidráulicos Av. Manoel Ribas, 507, Mercês ...........................................................3335-7466

»» MODAS E CONFECÇÕES Ana Murara Fashion Designer R. Albano Reis, 951......................3253-2191 Anna Ferrari R. João Tschannerl, 1000, Lj 5, V. Alegre ..........................................................3077-3933 Confecções Bom Preço R.Raposo Tavares, 1291, Pilarzinho ..........................................................3235-4133 Comercial Confecções Polak R. Raposo Tavares, 9, Pilarzinho ..........................................................3338-1526 Dunp – Liberdade em estilo Representante no Pilarzinho ..........................................................3235-1103 Flor de Liz R. Alexandre Humboldt, 06, Pilarzinho

Porta Jóia – Moda Íntima Masculina e Feminina. Av. Manoel Ribas, 1247. lj 9 ..........................................................3273-1601 Volare Confezioni –Bebê –Infantil – Adulto R. Eça de Queiroz, 1031 ..........................................................3354-8709 TNG Av. Manoel Ribas, 1473, Mercês ..........................................................3336-2196 Roupas diferenciadas – semi novas R.Raposo Tavares – Pilarzinho ..........................................................3338-2591 Toque de Sol R. São Salvador, 43, Pilarzinho..... 3338-3144

»» MOTOCICLETAS A Casa do Motoqueiro R. Raposo Tavares, 654, Pilarzinho ......................................................... 3336-8033 KanKan – Moto Peças Av. Hugo Simas, 2701, Pilarzinho ......................................................... 3235-3150 Moto Peças Ivan –Consertos em geral R. Mateus Leme, 4501 ......................................................... 3352-9987

»» MÚSICA Etta-Aulas de violão e Guitarra R. Milena Costa, 146, Pilarzinho .........................................................9163-3032

»» ÓTICAS Óticas Casagrande R. Mateus Leme, 1631, Centro Cívico .........................................................3642-4786 Óticas Focal Av. Hugo Simas, 1249, Bom Retiro .........................................................3319-5659

»» PANELAS Pronto-Socorro das Panelas R. Raposo Tavares, 09, Pilarzinho ........................................................3338-8333

»» PANIFICADORAS E CONFEITARIAS Cravo e Canela R. Jacarezinho, 1456, Mercês ......................................................... 3015-0032 Av. Hugo Simas, 1299, Bom Retiro ......................................................... 3027-4890 Doce Pão R. Raposo Tavares, 20 – Pilarzinho ......................................................... 3338-1626 Dona Jóia – Confeitaria R. Mateus Leme, 3150 – São Lourenço ......................................................... 3252-6109 Jocasta – panificadora R.Mateus Leme, 2808................. 3029-9454 Le Boulanger R. Ten. João Gomes da Silva, Mercês ......................................................... 3338-0013 PaneVita Bagueteria R. Carlos de Pioli, 861 –Bom Retiro ......................................................... 3338-0002 Pão de Ouro Raposo Tavares, 746, Pilarzinho ......................................................... 3527-4673

»» PAPELARIA Deveras Papelaria Rua Tapajós, 1144, Bom Retiro ......................................................... 3338-6763 Papelaria Pilarzinho R. Raposo Tavares, 1165 ......................................................... 3078-1682

..........................................................8483-2036

»»15

Prisma – Livraria e Papelaria R. Myltho Anselmo da Silva, Mercês ......................................................... 3027-0875 Tânia Presentes R.Mateus Leme, 3238 ............................................................3252-9494

»» PEIXARIA Emporium Belmare – Peixes e frutos do mar Av. Manoel Ribas, 1151, Mercês ........................................................... 3093-5251 Peixaria São Marcos R. André Zanetti, 031, Vista Alegre ........................................................... 3336-0272

»» PISCINAS Cooperpool – Equipamentos para piscinas Av. Hugo Simas, 888, Bom Retiro ........................................................... 3338-6533

»» PIZZARIAS Diforno Pizzaria R Carlos Pioli 163 lj 4 - Bom Retiro ............................................................. 3253-0157 Divina Pizza R. Jacarezinho, 441, Mercês ............................................................. 3335-4248 Due Fratelle R João Tschannerl 447, Vista Alegre ............................................................. 3335-3482 Império da Pizza R Nilo Brandão, 504, São Lourenço ............................................................. 3024-1424 Paparella João Tschannerl, 529, Vista Alegre ............................................................. 3336-9494 Pizzadog Av. Fredolin Wolf, 670, Pilarzinho ............................................................. 3235-3686 Pizzaria do Hamilton R. Des. Hugo Simas, 2666, Pilarzinho ............................................................. 3338-5489

»» RÁDIOS BBN – Rádio totalmente Cristã 92,3 FM..............................................3281-4400

»» POSTO DE GASOLINA São Salvador R. São Salvador, 360, Pilarzinho .............................................................3026-1652

»» RESTAURANTES Benvenuto Av. Manoel Ribas, 1025, Mercês .............................................................3078-6653 Churrascaria do Darci R. Albano Reis,1289........................3352-4464 Divino Rango R. Mateus Leme, 2695....................3078-6479 Emanuel R. João Tschannerl, 1002 – Vista Alegre .............................................................3235-1005

Ervin R. Mateus Leme, 2746, C. Cívico .............................................................3252-5347 Le & RO – Fevian R. Mateus Leme, 3041....................3015-3614 Maggiore Gastronomia Av. Manoel Ribas, 1635, Mercês .............................................................3335-5584 D`Gustelli – Rotisseria e massas R. Roberto Barroso, 1698, Mercês ............................................................. 3336-1231

»» SAPATOS Sapataria Roger R.Raposo Tavares, 1180, Pilarzinho ............................................................9112-1920

»» SORVETES Bapka R. Raposo Tavares, 42, Pilarzinho ........................................................... 3014-5520

»» TAPETES E CARPETS De Carpetts R. Antônio Grade, 595..................3336-2220

»» TINTAS Corbio Tintas Av. Manoel Ribas, 1597..................3335-0010 Tintas Darka Av. Manoel Ribas, 1489, Mercês .............................................................3015-2007 Tintas Vergínia Av. Hugo Simas, 566, Bom Retiro .............................................................3338-6981

»» TRANSPORTADORA Trans-Rei – Mudanças e viagens Ponto: Cruz do Pilarzinho.............3338-2738

»» VETERINÁRIOS Dr. Ângela C. Macedônio Av. Hugo Simas, 1500, lj 07 – Bom Retiro ............................................................3029-0585 Clínica Veterinária Doctor Vet R. Mateus Leme, 3312...................3253-6008 Emergência...................................... 9983-0089 Pet – Veterinária R. Carlos A. Cornelsen, Bom Retiro ................................................................3254-5844

»» VIDRAÇARIA Vidraçaria Nori Ltda R. Raposo Tavares, 1521, Lj3 – Pilarzinho ...............................................................3336-4093


Curitiba, dezembro de 2010

Do Quintal

»»16

PARQUES

Bosque homenageia o “Professor”

Lucila Guimarães/SMCS

Marco André Lima/Do Quintal

Área no Abranches foi batizada com o nome de um dos pais do montanhismo e do ambientalismo no Brasil

O

No projeto foi aproveitada a inclinação da área .

“quintal dos curitibanos” ganhou neste segundo semestre mais um bosque de preservação ambiental, o Erwin Grogër. Ele fica de frente para a rua Benedito Correia de Freitas e aos fundos da Ópera de Arame, no Abranches. Erwin Grogër, falecido em 2008 aos 96 anos, foi um dos precursores do montanhismo e da preservação ambiental no Brasil. Por montanhistas e ambientalistas de várias gerações, era chamado reverencialmente de “Professor”. Durante a inauguração do bosque, o prefeito, Luciano Ducci, anunciou a construção da Casa do Montanhista, dentro do próprio bosque. “Grogër foi um pioneiro não apenas do montanhismo. Jun-

O prefeito, Luciano Ducci, ao lado da foto de Erwin, anunciou a construção da Casa do Montanhista no local.

to com seus seguidores montanhistas, ajudou a preservar a Serra do Mar paranaense, que hoje é um dos trechos contínuos mais bem conservados de Floresta Atlântica. Merece ser homenageado. Ao mesmo tempo, a população tem um novo espaço para o lazer”, destacou o prefeito Luciano Ducci. A área do Erwin Grogër é pequena, apenas três mil metros quadrados, mas abriga importantes espécies vegetais nativas, como canjeranas, canelas e guabirobas. O terreno é bastante inclinado, com uma diferença de 12 metros de altura entre a rua e seu ponto mais alto, bem ao gosto dos montanhistas. No meio do bosque, bancos e caminhos feitos com deques de

Um jovem de 96 anos

Erwin Grogër: Uma longa vida dedicada à arte e à natureza.

Erwin Groger viveu intensamente os seus 96 anos. Além de montanhista, foi engenheiro agrônomo, orquidófilo, reflorestador, pintor, violonista, cantor lírico, ferreiro, poeta, tradutor, professor. A paixão pelas montanhas veio de sua terra natal, a Áustria, onde viveu até 1938, quando a Alemanha nazista anexou o país, e ele fugiu para o Brasil. Outra tradição austríaca herdada por Erwin foi a música. Na juventude estudou violão clássico. Também cedo aprendeu a pintura, à qual também dedicou-se por toda a vida. Aos 26 anos, já casado e com uma filha, mudou-se para o Rio de Janeiro. Formado em engenharia agronômica e fluente em cinco idiomas, ele e a família iniciaram uma longa peregrinação pelo país, com Erwin trabalhando como ajudante de caminhoneiro, ferreiro, vendedor..., até fixar residência em Curitiba, onde trabalhou por 15 anos como professor no Seminário Menor de Nova Orleans. »» Descobrindo o Marumby Foi numa viagem da família à Igreja do Rocio, em Paranaguá, em 1946, que ele conheceu o Conjunto Marumby. Algumas semanas depois, voltava ao local para iniciar as escaladas que seguiriam pelas décadas seguintes. Nas décadas seguintes, se tornaria o “professor” das novas gerações de montanhistas. E foram dessa andança pelas montanhas que surgiu a paixão pelas orquídeas, na época abundantes por lá. Essa paixão pela “rainha das flores” o levaria a fundar anos depois a Sociedade Paranaense de Orquidófilos. »» Vitalidade Para manter a vitalidade e continuar subindo montanhas após os 80 anos, ele corria todo dia de 3 a 5 quilômetros, dizia não seguir nenhuma dieta alimentar, só não comia carne seca, bacalhau e quiabo. Porque foi isso que teve que comer muitas vezes para não morrer de fome quando iniciou sua peregrinação pelo Brasil. Fez traduções para o português de poemas da língua alemã, e era o tradutor oficial do consulado da Áustria em Curitiba. Nos últimos anos, o incansável Erwin dedicava-se a traduzir, em métrica, a ópera Parcival, de Richard Wagner, a pedido de um grupo de teatro formado por jovens Faleceu no dia 24 de outubro de 2008, aos 96 anos de idade, deixando como principal legado o exemplo de respeito à vida e à natureza. (DSF)

madeira elevados evitam a formação de trilhas na terra, preservando o terreno de erosões. Na entrada, uma praça é marcada com o desenho da Rosa dos Ventos, uma referência ao esporte difundido pelo professor Grogër. Também há referências à bandeira da Áustria, sua nacionalidade. “É um grande presente para a cidade e para a memória do professor Erwin. Parabéns à Prefeitura pelo trabalho”, declarou o montanhista Nelson Luiz Penteado Alves. O austríaco e engenheiro agrônomo chegou a Curitiba aos 26 anos, e foi quem introduziu técnicas de escalada no Pico do Marumbi, onde o esporte surgiu no país. Grogër morava na Barreirinha e morreu em 2008, aos 96 anos.

Poesia e pichação DSF/Do Quintal

Antes de completar um mês, o Bosque Erwin Gröger foi alvo de pichadores. Os autores deixaram suas marcas nas paredes ao lado da placa que reproduz uma poesia do “professor”. O montanhista escreveu o poema quando completava 88 anos, e nele fala de seu amor pela natureza e liga a sua idade de então ao formato das asas de uma borboleta. O Do Quintal registrou a pichação em agosto. Dias depois, o Departamento de Parques e Jardins já havia repintado as paredes.

3ª Edição - Jornal Do Quintal  
3ª Edição - Jornal Do Quintal  

- Gestação na bicicleta. Pág. 4; - Um livro para ser lido e relido. Pág.5; - Aprendendo a cuidar dos idosos. Pág. 6; - Uma doença n...

Advertisement