Page 1

MACAPÁ-AP, DOMINGO E SEGUNDA, 26 e 27 DE JANEIRO DE 2014 - ANO XXVI

* FUNDADO EM 04 DE FEVEREIRO DE 1987

•DOMINGO E SEGUNDA R$ 2,50 •TERÇA A SÁBADO R$ 1,50

EM AMAPÁ

NISSAN MARCH

Governador entrega matadouro e ramal pavimentado

Reestilizado, ele já roda em teste O novo March deve chegar às ruas brasileiras em maio deste ano. C1

JORNAL DO DIA

MÃE chega para receber atendimento

B1

Moisés reassume a AL e promete manter a harmonia Em uma sessão rápida e sem grandes alardes, o deputado estadual Moisés Souza (PSC) reassumiu ontem (sábado), a presidência da Assembleia Le-

gislativa do Amapá. A sessão teve a presença, apenas, de deputados e servidores daquela Casa de Leis. Ao Jornal do Dia, Moisés disse apenas que

vai manter o clima de paz e harmonia. O deputado Edinho Duarte também retornou ao cargo de primeiro secretário da mesa diretora. nB1 JORNAL DO DIA

BAIRRO PANTANAL

Cabine de futebol é utilizada como posto de saúde Moradores do bairro reclamam que os atendimentos são realizados numa cabine de transmissão de futebol, doada pela Associação Solteiros e Casados. nB2

EM PAUTA

Sinsepeap apresenta reivindicações para 2014 O Sinsepeap apresentou uma pauta de reivindicações para o governo e Prefeitura de Macapá. A cada ano, o documento é entregue contendo as principais exigências da categoria. nB4 DIVULGAÇÃO

MOISÉS SOUZA foi breve em seus comentários e destacou apenas que vai manter a harmonia entre os Poderes nB1

DECIDIDO

NO AMAPÁ

Custos das eleições 2014 podem chegar a R$ 6 milhões O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) vai disponibilizar R$ 4 milhões para o Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (TRE) custear os gastos das eleições de 2014. Caso haja

2º turno, o valor suplementar será de R$ 2 milhões. Dos municípios que ainda estão fazendo a revisão biométrica, Oiapoque é o que mais preocupa o TRE. nB1

AROLDO RABELO disse que a classe busca sempre o diálogo

DIVULGAÇÃO

Lixeira pública de Santana será fechada em março A lixeira pública de Santana já tem data limite para ser desativada. Segundo o prefeito Robson Rocha, a partir do dia 31 de março nenhum resíduo poderá ser mais colocado no local. O novo local será o aterro controlado de Macapá. nB3 DIVULGAÇÃO

COMUNICADO Devido a problemas técnicos, o Caderno B desta edição estará circulando em monocromia. Agradecemos a compreensão

ROBSON Rocha: PMS busca recursos para criar seu próprio aterro controlado

PRECISA DE UM TÁXI?

NESTA EDIÇÃO CADERNO A............................4Pag. CADERNO B............................4Pag. VEÍCULOS C............................4Pag. CLASSIDIA...............................8Pag.

REVISÃO biométrica em fase final no Amapá. O município de oiapoque é o que mais preocupa a Justiça Eleitoral

COVEN - 3222-5200 COOPTÁXI - 3223-2777 MARCO ZERO - 3223-2639

NA INTERNET: www.jdia.com.br - REDAÇÃO: 3217.1117 - COMERCIAL: jdcomercial@jdia.com.br 3217.1100 - DISTRIBUIÇÃO: 3217.1111 - ATENDIMENTO: 3217.1110


A2

Opinião

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 26 e 27 de janeiro de 2014

Poucas & Boas

• MUITOS acidentes tem

acontecido nas faixas de pedestres na Grande Macapá, com maior intensidade no período noturno. Mas nas grandes metrópoles estes índices vem a cada dia diminuindo somente com uma atitude do poder público: a iluminação pública na faixa assim como pintura reflexiva de solo. Como em Macapá as faixas estão sendo pintadas nas com vermelhas e brancas e a iluminação pública deficiente a tendência é continuar morrendo gente.

• E A COLUNA acertou

na mosca sobre as invasões de terras públicas e particulares. No ano passado, neste mesmo espaço, alertávamos as autoridades para a chamada indústria da invasão, bastando lembrar episódios anteriores como do Marco Zero, atuais bairros Murici e Vale Verde em Fazendinha e as margens da Estrada de Ferro do Amapá (BR 210). Lá

não existe mais nenhum invasor e sim casas de barões e comércios sortidos.

• A POPULAÇÃO maca-

paense está assustada com o “desânimo” da Câmara de Vereadores, mesmo com os edis estando gozando as mordomias das férias remuneradas custadas pelo contribuinte. Até aqueles que gritavam no deserto em busca de votos estão calados, concordando com a imundice das lixeiras a céu aberto, com as crateras distribuídas pelas ruas da cidade e até com o fechamento da Farmácia Popular por não quitar um boleto de pouco menos e R$ 400 reais com a União. Vamos ver em que palanques eles vão subir nas próximas eleições.

BR 156, as proximidades do município de Ferreira Gomes, a 145 quilômetros ao Norte da Capital, parece que “cortaram” os punhos das redes deles. Jogaram algumas carradas de terra na última sexta-feira (24) e espalharam com uma motoniveladora. Grande progresso!

• NA SEMANA passada

dois bandidos que queriam chegar até Oiapoque resolveram parar em Ferreira Gomes e tomar um banho

refrescante no Rio Araguari. Gostaram tanto do ambiente que resolveram ficar alguns dias a mais. Para frequentar uma festa e como estavam sem perfume de boa qualidade resolveram surrupiar uma caixa com vários frascos de importados. Usaram vários deles quando chegaram ao baile alguém notou que os dois estavam mais que “cheirosos”. Denunciados a polícia sumiram no mato por detrás da antena de uma repetidora de TV, mas foram alcançados pela “dura”. Eram velhos conhecidos da polícia e Macapá. Devidamente recambiados de volta para o IAPEN.

• QUASE uma semana

depois de a coluna ter criticado a morosidade com que a empreiteira está retificando um trecho de pouco mais de 300 metros na

Macapá, a 40ª cidade mais violenta do mundo RODOLFO JUAREZ

Jornalista rodolfojuares@gmail.com

A

recente publicação de uma ONG mexicana, Conselho Cidadão para a Segurança Pública e a Justiça, é uma verdadeira bomba nas mãos dos responsáveis pelo sistema de segurança pública do Amapá que tem que dar respostas sobre Macapá, capital do Estado e a mais populosa cidade amapaense. O ranking elaborado pela ONG coloca Macapá, com 437.256 habitantes, como sendo o local da ocorrência de 160 homicídios, seguindo os mesmos parâmetros empregados para analisar outras 49 cidades pelo mundo, atestado uma taxa de 36,59 homicídios para cada grupo de 100 mil habitantes. O objetivo da ONG é mostrar para o mundo, mas especialmente para os administradores que têm influência sobre cada uma das localidades que foram destacadas entre as 50 mais perigosas do mundo, o que sendo apurado como resultado. Não tem sentido se discutir, por exemplo, se a população de Macapá é maior ou menor do que a apresentada na tabela, ou se o número de homicídios confere ou não com aquele que está nas anotações do sistema público de segurança do Amapá. O que vale é a relação com-

CONSELHO EDITORIAL Presidente:

Aldenor Benjamim dos Santos

CONSELHEIROS Haroldo Pinto Pereira Danieli Amanajás Scapin Carlos Augusto Tork de Oliveira José Arcângelo Pinto Pereira Janderson Carlos Nogueira Cantanhede Heloisa Figueiredo Pereira

parada, pois os critérios são comuns, conforme informa a ONG para todas as analises feitas, de forma individualizada, para cada centro urbano analisado, seja no Brasil ou em outra qualquer parte do mundo. Isso quer dizer que, independente dos números, o que prevalece é a taxa apurada para comparação.

Já imaginaram quantas cidades tem o mundo? Pois bem, Macapá está entre as cinquenta mais violentas. Nessa coluna Macapá, cidade brasileira, capital do Estado do Amapá, aparece na posição 40 (quarenta) das cidades mais violentas do mundo. Resta às autoridades e a toda estrutura gerencial pública, começar um estudo para retirar Macapá dessa incômoda posição, concordar que 160 homicídios é demais e entender o motivo pelo qual a população anda assustada com a onda de violência que tomou conta daqui e a sensação de insegurança de que está acometida. Não se trata de uma questão política. É sim, uma questão administrativa-ge-

por exemplo, uma questão de estratégia de ação, caracterizada pelos métodos empregados ou mesmo pela forma como os policiais são disposto na cidade para combater o crime. O desprezo da prevenção e a falta de respeito à farda pode ser, também, um pontos que precisa ser resolvido, tirando os policiais de dentro dos carros, distribuindo melhora a presença policial e atualizando a forma de distribuir os serviços que a segurança pública presta para a população. Ficar entre as 50 cidades mais violentas do mundo e estar na 14ª posição entre as cidades brasileiras desse

Editado por Omega Publicidade Ltda. Rua Mato Grosso, 296 A - Bairro Pacoval CEP. 68.908-350 - Macapá-AP CNPJ 03.926.197/0001-82 Fundado em 4 de fevereiro de 1987 por Otaciano Bento Pereira(*1917 +2006) e Irene Pereira(*1923 +2011) 1º Presidente: Júlio Maria Pinto Pereira 1987 a 1991 - (*1954 +1994) 2º Presidente: José Arcangelo Pinto Pereira 1991 a 2003

ranking, não é boa posição ou bom argumento para quem quer que seja. Já imaginaram quantas cidades tem o mundo? Pois bem, Macapá está entre as cinquenta mais violentas. Pode isso? Mas já havia indicações de que não estávamos bem posicionados. A população está em um momento que não confia que o sistema de segurança local lhe dá a tranquilidade que espera e que já teve. A minimização entrou na rotina de todos e quando os responsáveis pela segurança passaram a orientar a população a não usar, por exemplo, telefone celular em praças ou via pública, deu para sentir que havia algo de muito errado e que o sistema de segurança local dava sinais de sucumbência, deixando para a população resolver o problema de sua própria segurança, muito embora tivesse a esperança que ainda havia jeito. Não estamos no “mato sem cachorro”, nem mesmo a porta de saída está tão difícil de achar, basta entender o caso e, a partir dele e não a partir dos resultados que não vieram começar uma nova rotina, com a participação de especialistas e de representantes da população. Quem sabe se assim não se encontra o meio de sair dessa?

Vacância do Cargo 2005 a 2012 4º Presidente: Haroldo Pinto Pereira 2013 Presidente Executivo: Haroldo Pinto Pereira haroldopereira@jdia.com.br Vice-Presidente e Diretora Comercial Juliane Pereira juliane.pereira@jdia.com.br Gerente Comercial: Paolo Oliveira paolo.oliveira@jdia.com.br Consultoria Jurídica: Juliane Pereira (OAB/AP 1320) Jakeline Morato Pereira de Souza (OAB/AP 1381) Editor-Chefe: Janderson Cantanhede cantanhede@jdia.com.br

E-mails Pautas e contatos com a redação: jornaldodia@jdia.com.br Editor-Chefe: cantanhede@jdia.com.br Departamento Comercial: jdcomercial@jdia.com.br comercialjd.2011@gmail.com mariaruth@jdia.com.br JD na Internet: www.jdia.com.br VIA CELULAR: m.jdia.com.br

Contatos: Fale com a redação (96) 3217-1117 (96) 3217-1108 Fale com o departamento comercial (96) 3217-1100 / 3217-1111 Geral (96) 3217-1110 Conceitos emitidos em colunas e artigos são de responsabilidade de seus autores e nem sempre refletem a opinião deste jornal. Os originais não são devolvidos, ainda que não publicados. Proibida a reprodução de matérias, fotos ou outras artes, total ou parcialmente, sem autorização prévia por escrito da empresa editora.

Acompanha o

caderno de ClasssiDia 8pág. Geral ...........................C1 Esporte ......................C2 Cultura .......................C3 Social ..........................C4

Aos domingos Veículos ....................D1,D2,D3 Informe .....................D4

ESPLANADA POR LEANDRO MAZZINI Jornalista

Twitter @leandromazzini

AS AMIGAS DO BANCÃO

U

m caso que faria do Ministério Público Federal um herói nacional, se for a fundo nessa mata repleta de armadilhas com o dinheiro popular. As trilhas sinuosas desembocariam neste cenário: as grandes empresas amigas e financiadoras do governo engendraram triangulação para ganhar dinheiro do BNDES sem precisar se endividar com o bancão. Em suma, o financiamento vira doação. Essas empresas pegam o empréstimo com o BNDES à vista – com valor bem superior ao que vão usar numa aquisição – e aplicam o restante em LTN (Letras do Tesouro Nacional). Como é um título de renda fixa e retorno garantido mensal, as empresas usam o lucro para pagar as parcelas do empréstimo ao... BNDES. Um caso recente: um conglomerado tupiniquim conseguiu US$ 300

milhões do bancão para comprar uma empresa na Argentina, que lhe custou US$ 100 milhões. Com os US$ 200 milhões restantes, a firma brasileira aplicou em LTN, cuja alta rentabilidade tem garantido não apenas honrar as parcelas do empréstimo, como também enche de bônus os bolsos de seus executivos. A Coluna procurou a assessoria do BNDES com as seguintes questões: O BNDES, ao conceder um financiamento vultoso, para empresa nacional adquirir outra, deve acompanhar a transação, mesmo quando não sócio? O BNDES tem ciência de casos de aplicação de verba direta de financiamento adquirido por uma empresa em LTN? A assessoria se resumiu a responder que não ficou clara a demanda. Talvez o MP, numa visita aos papéis do bancão, possa explicar melhor.

MR. PALOCCI Os próprios petistas da cúpula do partido estão intrigados. Há alguns meses Antonio Palocci mora em Londres, e suas atividades são um mistério, vem esporadicamente ao Brasil. A única certeza é de que, de lá, tem falado muito ao telefone com o ex-presidente Lula. Palocci foi ministro da Fazenda de Lula, até cair por mandar violar o sigilo bancário de um caseiro de Brasília; e ministro da Casa Civil da presidente Dilma Rousseff, até cair, novamente, da última vez por uma compra de apartamento em São Paulo não condizente com seus ganhos (R$ 6 milhões, vale lembrar, custam apenas o sinal para o tipo de imóvel que escolheu). O recente histórico de

biografia de Palocci o inseriu no grupo da estirpe de José Roberto Arruda, o ex-governador de Brasília. É a turma do poder que não se regenera. Tal como Palocci, Arruda teve duas chances de cravar seu nome no Poder nacional, sem manchar a imagem. Em vão. Quando senador, afirmou da tribuna que não havia lido a lista do painel violado na votação que cassou Luiz Estêvão. Pego na mentira, renunciou. Numa reviravolta política e eleitoral, foi alçado a governador de Brasília em 2007. Vida nova, nova chance.. que nada. Foi filmado com dinheiro de caixa 2 e depois tentou coagir testemunha de operação policial. Sucumbiu novamente.

Charge de Aliedo

Cachacinha na receita

Endereços Redação, Administração, Publicidade e Oficinas: Rua Mato Grosso, 296 A Pacoval, Macapá (AP) - CEP 68.908-350

Representante comercial Grupo Pereira de Souza – GPS Matriz Rio de Janeiro/RJ - Tel.: (21) 2544.3070; Brasília/DF - Tel.: (61) 3226.6601; São Paulo/SP - Tel.: (11) 3259.6111; Belém/PA - Tel.: (91) 3244.4722

3º Presidente: Maria Inerine Pinto Pereira 2003 a 2005

ÍNDICE Opinião .....................A2, A3 Geral ..........................A4 Geral ..........................B1,B2,B3 Polícia ........................B4

rencial, acreditando que pode e é capaz de resolver o problema. De nada adianta negar a existência dessa dificuldade. O estrago está feito e é preciso que haja uma resposta que não pode se limitar àquelas que são dadas todos os dias, alegando que forma comprados carros, não falta combustível e que foram contratados mais policiais. Está provado que o problema não é esse. Pode ser,

Editor: José Maria Baia - josemaria@jdia.com.br

Edição número

8412

Dona Maria Torinha é querida por todos os moradores da pequena Medina (MG), cravada no Vale do Jequitinhonha, em Minas. Conhecida também por se deleitar com doses de cachaças nos bares, mas moderadamente. Certa vez ela marcou consulta com o médico dr. Walter Tanure Filho, então prefeito, que alternava sua agenda entre o gabinete municipal e o consultório. Em certo momento da consulta, após verificar que ela reclamava de dores de cabeça, o médico indagou sobre seus hábitos: - Dona Torinha, a senhora bebe uma cachacinha..? Ela sorriu encabulada e mandou na lata: - Óia, eu num ia pedir não, mas já que o senhor está oferecendo, eu quero sim..

Ponto Final

‘A inflação no Brasil permanece na meta (..) Buscamos a convergência para a meta inflacionária’ Com Marcos Seabra, Maurício Nogueira e Adelina Vasconcelos

www.colunaesplanada.com.br LM Comunicação Coluna Esplanada contato@colunaesplanada.com.br Caixa Postal 1980 – CEP 70254-970 – Brasília-DF


Opinião

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 26 e 27 de janeiro de 2014

Editor: Túlio Pantoja - tuliopantoja@jdia.com.br

O surdo e o doente DOM PEDRO JOSÉ CONTI

U

Bispo de Macapá

m homem surdo foi avisado que um vizinho seu estava doente. Ele pensou consigo mesmo: Devo mesmo visitá-lo, não tem saída. No entanto, com a minha surdez como poderei entender o que o vizinho irá me dizer? Vou tentar adivinhá-lo pelo movimento dos seus lábios. Quando eu lhe perguntar: Como está o meu pobre amigo? Ele responderá: “Muito bem!”. Então eu lhe direi: Louvado seja Deus! E depois falarei: O que tem tomado? Ele deve responder: “Um sorvete”. E eu: Bom proveito! E depois: Quem é o médico que está cuidando do senhor? “O tal”. Ele é bom, vai dar tudo certo. Tendo, assim, preparado de antemão todas as perguntas e as respostas ele foi visitar o enfermo. – Como o senhor está? – perguntou. – Estou para morrer – respondeu o outro. – Louvado seja Deus – exclamou o surdo. O doente ficou indignado com estas palavras e pensou: “Este deve ser um dos meus antigos inimigos!” O surdo continuou com a

conversa: - O que o senhor tomou? - Veneno – respondeu o outro. – Bom proveito! - continuou o surdo, aumentando a raiva do doente. – Quem é o médico que está cuidando do senhor? - O anjo da morte! Vá embora daqui! – gritou o enfermo. – Coragem, ele é um médico bom, vai dar tudo certo! – disse o visitante na saída. G r a ç a s a Deus, consegui – pensou consigo mesmo o surdo, com um suspiro de alívio. Esta é uma antiga história do século 13 para sorrir e refletir. Quantas vezes, apesar de não sermos nada surdos, agimos ou conversamos como se o fossemos. É o chamado “diálogo entre surdos” quando as pessoas conversam, mas não escutam – ou não querem escutar - o que o outro diz. Um fala uma coisa, mas o outro entende – ou finge entender – o que bem quiser, distorcendo, muitas vezes, as palavras do outro. É tempo perdido para ambos. É inútil, não resolve e não muda nada.

Neste domingo, o evangelho nos apresenta a primeira pregação de Jesus e o chamado, também, dos primeiros discípulos. O seu convite à conversão e ao seguimento ecoa, ainda hoje, para todos, sem dúvidas, com tempos e respostas diferentes para cada um, mas ainda capaz de mudar a vida das pessoas. A conversão é uma decisão importante; se for algo passageiro e superficial é pura ilusão, promessa nunca cumprida. Conversão pede mudança de pensamentos, valores, posturas e estilo de vida. Contudo, isso pode acontecer somente quando percebemos e acreditamos que esta mudança seja para melhor. Não uma melhoria na “quantidade”, mas na “qualidade”. Estamos escolhendo algo que nos fará mais felizes, que dará mais sentido e plenitude a nossa vida. Por isso, a conversão exige também fé e confiança em quem nos convida a mudar. Na dúvida, ninguém se mexe; o bom senso e a prudência nos prendem. Pelo jeito os primeiros apóstolos tiveram coragem, deixaram o que era seguro e conhecido para eles – o barco, a pesca, o pai – para seguir o pregador de Naza-

Uma vida dedicada à educação Edinho Duarte

R

Deputado Estadual

econhecer o trabalho realizado por uma pessoa, ou por um grupo de pessoas, em determinado local e por determinado tempo é um ato de resposta e agradecimento próprios daqueles que sabem que a construção de uma realidade, principalmente uma boa realidade, depende de persistência, competência, dedicação e da forma como acredita nas pessoas e nos resultados possíveis de serem alcançados. Há também um dito popular que, por muito tempo, vem disseminando a ideia que se torna a expressão da realidade: “santo de casa não faz milagres”. Pois bem, para quebrar uma corrente com essas características é preciso que, além da persistência, da competência, da dedicação e da forma como acredita nos resultados e nos outros, haja paixão e certeza naquilo que faz e no que sabe ser possível fazer de importante para os semelhantes, quase sempre menos interessados, mas igualmente

necessitados. Quando a área que se escolhe para “surfar a vida” é a educação, então todos os fatores se agigantam, dando preferência para as dificuldades, afastando até aqueles que foram atraídos pela primeira mensagem. Mais exigente ainda se torna o cenário quando, derivado inversamente da educação, a proposta é ser educador de seu próprio povo, motivando a sua comunidade, incentivando todos para a missão de educar-se pelo aprendizado. Ser educador é exercer a mais refinada profissão. Um profissional na arte de melhorar o ser humano, um missionário no desenvolvimento da consciência. Ser educador é verdadeiramente estar comprometido com as pessoas, não somente com o conhecimento, mas acima de tudo com o bom uso desses conhecimentos. Existe uma diferença entre ser professor e ser educador. O professor é um profissional comprometido

com o conhecimento e o conteúdo. O educador é um profissional comprometido com o conhecimento a fim de evoluir a consciência do ser humano na sua complexidade. O educador sabe que seu o maior desafio é aprender sempre com seus educandos, pois, eles são gerações mais atualizadas do que a sua. Na visão dele, estas crianças e esses jovens são evoluções dos seres humanos. O educador sabe que somente com bom uso do conhecimento pode chegar a desenvolver nestes estudantes grandes consciências. Uma sociedade é formada por indivíduos muitas vezes, cheios de culturas, muitos conhecimentos, muitos argumentos e sem nenhuma consciência. Esta pessoa teve no seu convívio escolar um professor e não um educador. Ela aprendeu os conhecimentos de forma superficial e faz o mesmo uso na sua vida. Um caboclo amapaense, com quase 77 anos, nascido no dia 9 de maio de 1937, no arquipélago do Bailique, precocemente se

ré. Talvez, simplesmente, viram em Jesus alguém mais confiável do que as suas redes, do que a sua própria profissão. Somente na palavra continuavam a ser “pescadores”, mas agora o seriam de pessoas, de amigos e inimigos, de conhecidos e desconhecidos. Deixaram o que lhes devia parecer certo, para algo de imprevisível e desconhecido. Acreditaram, porém, que o que lhes podia acontecer, com Jesus, devia ser algo para o qual valia a pena arriscar a vida. Desde aquele tempo, quantos ficaram insensíveis ao chamado de Jesus... Quantos de nós, ainda hoje, preferimos os nossos cálculos, o nosso aconchego aos riscos da vivência do evangelho? Falo assim porque, quando menos pensamos, todos podemos ficar “surdos” aos apelos de Jesus ou nos satisfazer com respostas já preparadas, doutrinalmente perfeitas, mas longe da alegria e do entusiasmo do evangelho. Estas respostas não têm nada a ver com a conversão. Servem só para nos convencer que, afinal, continuamos sendo bons cristãos. Se o Senhor quiser, chame outros, nós já respondemos. Será mesmo?

descobriu com a vocação de ser professor e a vontade de se tornar educador de sua comunidade. Aos 17 anos começou na prática oficial a sua missão e desde os idos de 1954, quando ingressou no magistério, sem nunca sonhar diferente, teve a convicção de que poderia contribuir com a sua comunidade, como professor e educador. Leonil Aquino Pena Amanajás, católico fervoroso, pedia ajuda de Deus todos os dias para o que entendia ser, além da vocação, a sua missão, em resposta Ele lhe deu, como esposa, companheira e amiga, a professora Ana Delsa Pereira Amanajás. Os dois sonhavam o mesmo sonho e, dai, veio o “Pequeno Polegar”, inicialmente trabalhando a pré-escola, depois 1º e 2º graus para, em seguida, instalarem a primeira escola de ensino superior no Amapá, isso no final de 1980, o Centro de Ensino Superior do Amapá. Reconhecer essa trajetória é engrandecer a todos nós que temos a oportunidade de conviver com um homem, um pai, um esposo, um trabalhador que confia em Deus, professa a sua vocação, atua na sua missão e respeita a todos como irmão e construtores da mesma obra.

Eles não conseguem ver a própria miséria DORIEDSON ALVES

O

FILÓSOFO

pão está sobre a mesa enquanto a multidão (de esfomeados) se acotovela para agarrar o melhor pedaço, se é que existe um. Quando for permitido, cada um irá se lançar, a ferro e fogo, sem dó nem piedade, imperiosamente em direção ao que foi disposto para o banquete. As iguarias desfilam cores, sabores, odores, para qualquer gosto. Não há momento a perder, a pressa, nesse caso em particular, não é inimiga da perfeição. Sem o vigor da urgência, muitos morrerão de inanição. Esses heróis anônimos, depois, nem se quer serão lembrados, pois na guerra vale qualquer coisa, inclusive matar o outro. É o darwinismo do mais forte, aquele que se adaptou, evoluindo e melhorando suas habilidades e aptidões, se tornando o novo modelo a seguir, enquanto o restante apenas espera as migalhas. O curioso nisso é que neles se espelha a própria miséria; sim, já não lembram de humanidade nenhuma, só querem tirar proveito dos mais fracos, principalmente dos mais vulneráveis. Pouco importa se não houver qualquer indício de eticidade naquilo que fazem. Ora, “os fins fazem jus aos meios!”. Então, nenhuma ação deve ser reprovada ou tolhida se busca a autossatisfação, por isso, julgá-los moralmente é

tão difícil. Assim, se dá a vida entre os convivas do mundo, na ferocidade de uma natureza criada: a indiferença. Um indivíduo pode ser, fazer, ter, diversas coisas ao longo da vida. As possibilidades de escolha se acumularão durante o tempo de sua existência. Contudo, escolher é o problema, pois existem outras pessoas confinadas às limitações de uma simples escolha individual. Todo ato decisório implica consequências, logo, sempre haverá um “preço a pagar”. Porém, agir irresponsavelmente é uma opção que precisa ser evitada. É como correr aleatória e desesperadamente, ignorando perigos e para onde se deseja ir. Todavia, as preferências habitualmente se limitam a um conjunto de opções já de antemão selecionadas – não necessariamente por quem age –, cabendo ao sujeito apenas a obrigação de “seguir tentando”. Nesse sentido, Ignorar o mundo que se põe a mesa implica a abstinência do gosto provável, mas não certo, do fracasso. Sem fracassos ou erros, a aprendizagem se tornaria infrutífera, faltando as constâncias e inconstâncias do desacerto e do conhecimento que eles trazem consigo. É como se estivéssemos caçoando da existência, convertida numa velhinha, desfi-

gurada pela imaginação infantil, exibindo uma maça suculenta, roubada da mesa, desafiando a provarem da semente que ela esconde: o veneno da lucidez. Ela está pronta para acabar com a alegria enganosa, ao desiludir a criticidade, mostrando as vaidades em seus constructos, sobretudo dispostos ao longo da vida – a grande mesa. Recompensa hedionda essa fluidez do sentir fugidio, onde ninguém é tão importante quanto o próprio ego ou a grife da moda. Então, que tudo seja “eterno enquanto dure” a certeza da utilidade. Ora, o inútil tem sua dignidade pisoteada pela liquidez, também, da existência afetiva, signo da contínua negação daquele sujeito excluído do banquete. Ele foi escondido dos demais pela ética da indiferença, aquela que tornar cruel e desumana a luta pela sobrevivência. Quem se esquivará do desespero dos sem nada – a não ser da posse das múltiplas promessas nunca compridas – cujas imperfeições os diversos discursos da igualdade tentam encobrir? Elas (as promessas) estão destituídas de sentido, foram impossibilitadas de reinar nas sociedades humanas, tão intensa foi a “filantropia” dos governos transeuntes, tutores da realidade mendicante dos famintos. Ignorar, nesse caso, se tornou a melhor escolha. Alimentar a multidão seria uma ideia estúpida, portanto, so-

mente os melhores – mas onde se encontram os critérios de escolha? – devem receber as graças da boa vida; aos outros, a boa morte é a solução. O que se quer, simplesmente, é a manipulação do necessitado, feito fantoche dos joguetes dos esnobes (e não nobres) detentores do poder de recriar a mentira: tudo está bem! A desonesta hipocrisia de quem dá tapinhas nas costas, ao sussurrar boas palavras ao “pé do ouvido”, desfila pelos redutos da natureza das relações interpessoais do indivíduo contemporâneo, fazendo da mentira a verdade da falsa compaixão. Ele não acredita em mais nada: o niilismo já se apossou dele; a exceção, aliás, se encontra no papel moeda, por carregar continuamente o valor da existencialidade deteriorada pelo desuso do humano, descartado como objeto barato, comprado a preços módicos nos bastidores das encenações afetivas. Desse modo, se constitui a galeria das obras de Sísifo castigado, quando pega o grande pedregulho e o leva para o cume da montanha para, depois, desesperadamente, correr para pegá-lo novamente, feito alguém estupidamente condenado a ver suas vivências como eternos caprichos de outra vontade. A sua realidade nada mais é do que a repetição involuntária e irrefletida de um escravo da obrigação, cuja comida, colocada à mesa, ele jamais irá provar.

A3

Dia-Dia

L

Conselho desamparado

egalmente os Conselhos Tutelares tem seus funcionamentos através de verbas orçamentária municipais aprovadas pelas Câmaras de Vereadores e tem por finalidade principal salvaguardar e pugnar pela boa conduta menoril assim como dar assistência em casos de riscos comportamentais. E para isso tem que funcionar como uma repartição pública, com horários pré-definidos e a infraestrutura que no mínimo viabilize os atendimentos. Os conselheiros, eleitos por sufrágio universal são remunerados e tem muito trabalho para dar conta, com números significativos de atendimentos diários. Não é o que está acontecendo no Conselho Tutelar Zona Sul. Os conselheiros resolveram denunciar as autoridades públicas – ai incluída a Câmara de Vereadores da Capital – do real estado de calamidade pública que estão passando. Antes, o setor era desExistem hoje burocratizado pelo uso de cartões corporativos várias suspen– desses mesmos usados pela presidenta Dil- sas com os menoma, ministros e secretá- res correndo risco rios de Estado. Mas segundo uma fonte do até e vida por caupróprio conselho eles sa do desmantelo foram retirados pela da entidade PMM em função de irregularidades que até agora não foram apuradas para responsabilizar os supostos fraudadores do dinheiro público. Assim, sem verbas disponíveis para o devido funcionamento, a sede da entidade ameaça fechar as portas. Os conselheiros estão usando o dinheiro do próprio bolso para custear despesas simples como servir água mineral para os usuários e funcionários e até o tradicional cafezinho só é sérvio devido a uma coleta entre eles. Para fazer uma diligência caracterizada como urgência só desembolsando recursos próprios para abastecer de combustível a viatura. Existem hoje várias suspensas com os menores correndo risco até e vida por causa do desmantelo da entidade. E nenhum vereador se atreve a pelo menos denunciar ao Ministério Público a situação. O Conselho está desamparado juntamente com o grupo menoril da Zona Sul.

Hora-Hora

Bagunça

Na última sexta-feira (24), por volta das 9h30 a bagunça no trânsito tomou conta da Rua Paraná, entre as avenidas Padre Júlio Maria Lomabaerd e Antônio Coelho de Carvalho, no bairro de Santa Rita. No trecho aconteceu um festival de desobediência às leis de trânsito. Em frente a um comércio seis automóveis estavam estacionados em diagonal com as traseiras ocupando uma parte da pista.

Transgressões

Mais um pouco a frente um caminhão de distribuição de bebidas – com placa de proibição de tráfego bem a sua frente – descarregava uma centena de caixas de cervejas. E próximo a Padre Júlio uma carreta de três eixos de uma transportadora paraense manobrava irregularmente atrapalhando o luxo de veículos menores. E para completar o desrespeito, duas retroescavadeiras sem identificação da firma a que pertencem era conduzidas com luzes de estacionamento ligadas. E por lá fiscalização não aparece nunca.

Negócio

As casas especializadas na confecção de chaves estão cobrando entre R$ 5,00 a R$ 10,00 por cópia simples. Se a chave for um pouco mais sofisticada então, a “facada” sai por R$ 15,00. Em uma importadora do Novo Buritizal um cadeado médio com três – eu disse três chaves – custa apenas R$ 4,90. Se alguém perder uma chave é melhor dar fim no cadeado e comprar um novo. É

negócio da China!

Verba

Pessoal das entidades carnavalescas que reúne blocos de rua, a ALIBA e ABLOCA prometem botar a boca no trombone devido à recusa do Setentrião e do Palácio Laurindo Banha não disponibilizarem verbas para os desfiles. No ano passado eles “esnobaram” os R$ 50 mil recebidos que só teria dado para mandar confeccionar as fantasias de TNT e sobrado algum para a batida de limão. Logo depois as fantasias foram abandonadas nas laterais da Ivaldo Veras. É briga para ver quem destrói mais rápido o dinheiro dos nossos impostos.

Surpresa

A Comissão Nacional da Verdade vai surpreender a todos, disse a advogada Rosa Cardoso, que integra o colegiado, ao final de audiência pública no Arquivo Nacional. De acordo com a advogada, a comissão começou "recolhida, voltada pra si própria, para seu umbigo", mas, com a participação da sociedade e dos militantes, mudou sua postura. "E mudará bem mais”, disse ela.

No cargo

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Marco Aurélio, determinou que a governadora afastada do Rio Grande do Norte, Rosalba Ciarlini, permaneça no cargo. Rosalba foi considerada inelegível pela Justiça Eleitoral do estado por abuso de poder econômico na campanha eleitoral de 2012, mas recorreu ao tribunal.

MINUTOS Mototaxi - A Prefeitura de Macapá iniciou a primeira etapa para a realização da licitação para o serviço de mototáxi na capital. Apenas na primeira hora de recebimento dos documentos cerca de 100 candidatos já tinham entregado os envelopes para a Comissão Permanente de Licitação da Companhia de Trânsito e Transporte de Macapá (CTMac). Até às 16h30 do primeiro dia, mais de 500 atendimentos foram realizados. Transatlântico - Na próxima segunda-feira (27), o Porto da Companhia Docas de Santana recebe pela segunda vez no ano de 2014 o desembarque de turistas estrangeiros. Com pouco mais de 700 turistas, sendo a maior parte de nacionalidade Inglesa, o Transatlântico Marco Polo irá ficar atracado no Porto durante dois dias.


Sociedade

LÚCIA THEREZA @luciathereza lucia.ghammachi@jdia.com.br

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 26 e 27 de janeiro de 2014

Diagramadora: Maraina Melo - maramiranda@jdia.com.br

Parabéns

Posse

Christiane M. Baleixo Souza, Guiomar Monteiro e Tania Monteiro durante a formatura de sua filha Chistine

N

a próxima semana, Macapá receberá a visita do especialista português Fernando Jorge Cardoso. Ele ficará na cidade nos dias 27, 28 e 29 para uma série de visitas técnicas com autoridades locais, acadêmicos e representantes de entidades da sociedade civil. Doutor em Economia, pelo Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa, Fernando Cardoso é coordenador da área de Estudos Estratégicos e do Desenvolvimento no Instituto Marquês de Valle Flor, de Portugal. O especialista, que está fazendo uma série de visitas em vários es-

Em Sessão Solene , o Presidente do TJAP, Desembargador Luiz Carlos Gomes dos Santos, participou da solenidade de posse do advogado Vicente Gomes como Juiz no TRE.

Visita

tados brasileiros, vem à Macapá a convite da direção do Sesi/Senai para conhecer o que está sendo feito em relação à cooperação para transferência de conhecimento, inovação e tecnologia. O principal objetivo da visita é intensificar a cooperação Brasil/União Européia e promover a transferência de profissionais qualificados de Portugal para o Brasil. A visita de Fernando Jorge Cardoso faz parte da agenda positiva implementada pela nova gestão do Sesi/Senai. O português é o sétimo especialista que visita o Estado, desde setembro. Além dele, já es-

Jovem que se destaca

tiveram no Amapá o representante da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) no Brasil, embaixador Lucien Muñoz; o engenheiro alemão especialista em gestão ambiental Uwe Menzel; o gerente geral do Centro Tecnológico para a Qualidade e Inovação (Cosmob), o italiano Alessio Gnaccarini; o escritor carioca Roberto DaMatta; Wagner de Mendonça Amorim, que veio ao Estado para ministrar cursos de Confeitaria e Panificação Básica para o corpo docente do Senai; e o arquiteto italiano Gianfranco Franz.

O amapaense Fabricio Amanajas brilhando em Londres no Dance Burn Class

Evento sobre dependência química no Amapá


MACAPÁ-AP, DOMINGO E SEGUNDA-FEIRA, 26 e 27 de janeiro de 2014

Geral

Cabine de futebol é utilizada como posto de saúde no Pantanal B2

Editor: Túlio Pantoja - tuliopantoja@jdia.com.br

NOVAS REIVINDICAÇÕES

Desativação

Lixeira pública de Santana será fechada no final de março

Eleições de 2014 vão custar R$ 4 milhões no Amapá

JORNAL DO DIA

Se houver segundo turno, os custos podem chegar a R$ 6 milhões

B2

Sinsepeap apresenta reivindicações para 2014 B4

Moisés retorna à presidência e promete manter harmonia

JORNAL DO DIA

Larissa Cantuária

Da Reportagem

O

Tribunal Superior Eleitoral (TSE) vai disponibilizar R$ 4 milhões para o Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (TRE-AP) custear os gastos das eleições de 2014. Caso haja 2º turno, o valor suplementar será de R$ 2 milhões. “Esse orçamento será para pagar o treinamento, alimentação e transporte das equipes que compõem as comissões eleitorais; comprar material e realizar a manutenção das escolas que irão servir como zona eleitoral”, explicou a diretora-geral do TRE-AP, Odete Scalco. Dos municípios que ainda estão fazendo a revisão biométrica, Oiapoque é o que mais preocupa o TRE. Segundo Scalco, ainda faltam 17% de eleitores para município atingir a meta de 80%, que permite homologar a revisão. “Estamos com dificuldades de encontrar os eleitores de Oiapoque, porque muitas pessoas moram ilegalmente na Guiana Francesa, e talvez não voltem para fazer a revisão no Amapá”. Em Oiapoque, o Tribunal intensificou as campanhas sobre a revisão biométrica. “Estamos entregando panfletos nas igrejas e ruas. Ainda temos uma equipe itinerante em todas as aldeias, tentando

RETORNO aconteceu em sessão rápida e sem alardes no sábado

Da Redação

SEGUNDO a diretora-geral do TRE-AP, Odete Scalco, ainda faltam 17% de eleitores para município atingir a meta de 80%, que permite homologar a revisão

concentrar os índios que são eleitores”, destacou a diretora, também comentando que ainda restam mais de 1.300 índios de Oiapoque para fazer a biometria. A partir deste ano, a eleição em todo o estado será por meio de biometria. A pretensão do TRE é concluir e homologar as revisões até 28 de março. Propagandas O TSE definiu que a propaganda partidária, que divulga as ações dos partidos e convida eleitores para filiação, acontece de janeiro a junho. A propaganda eleitoral somente é permitida a partir do dia 06 de julho. “Também é a partir desta data que está permitido realizar comícios e reuniões com eleitores, e utilizar sonorização”, completa Odete. Portanto, segundo a Lei 12.034/2009, é crime elei-

toral praticar a propaganda eleitoral antecipada. Somente neste mês, o TRE recebeu 26 representações desta infração, com multas de R$ 5 a R$ 25 mil. “Quando os políticos vão dar entrevista num programa de rádio, por exemplo, eles falam em nome da sua candidatura e não do partido”, ressalta Scalco. O período de propaganda eleitoral gratuita no rádio e televisão é permitido de 19 de agosto a 2 de outubro. O último dia para a divulgação paga é 3 de outubro, na imprensa escrita ou na internet; e 4 de outubro, até as 22h, é o último dia para propaganda com alto-falantes e distribuição de material gráfico. A partir de 20 de setembro, nenhum candidato poderá ser detido ou preso, salvo em flagrante delito. No dia 30 de setembro, o mesmo não pode ocor-

rer com o eleitor. Mudanças Com a minirreforma eleitoral, a partir deste ano, o voto em trânsito valerá para as cidades com mais de 20 mil eleitores, quando for para as eleições presidenciais. Antes, o eleitor só podia votar em trânsito nas capitais. “Agora, as pesquisas de opinião pública devem ter o nome de todos os candidatos, escolhidos por meio de convenções partidárias. As enquetes, quando deixam de colocar algum nome, acabam sendo tendenciosas”, disse a diretora. Ela também citou outras mudanças da minirreforma eleitoral, como a proibição do uso de bonecos gigantes; propagandas como cartazes, placas, muros pintados em bens particulares e a substituição de candidatos a menos de 20 dias das eleições.

E

m uma sessão rápida e sem grandes alardes, o deputado estadual Moisés Souza (PSC) reassumiu ontem (sábado), a presidência da Assembleia Legislativa do Amapá. A sessão aconteceu por volta das 10 horas e teve a presença, apenas, de deputados e servidores daquela Casa de Leis. Não foi permitida à imprensa acompanhar a sessão. Em contato com a equipe do Jornal do Dia, Moisés se mostrou cauteloso nas palavras horas depois de ter reassumido. Disse apenas que tem como meta manter o clima de paz e harmonia que existe entre os Poderes. O deputado estadual Edinho Duarte, também retornou ao cargo de primeiro secretário da mesa diretora. O retorno de ambos é com base em uma liminar de dezembro de 2013 do Supremo Tribunal Federal (STF).

Apesar de reassumirem os cargos, a expectativa é que as gestões no Legislativo a partir de agora sejam compartilhadas. Por exemplo, a informação extraoficial é que Moisés cuidará da gestão parlamentar da Casa, enquanto que a financeira e administrativa ficará sob os cuidados do corregedor, deputado Michel JK (PSDB). A decisão de afastamento dos deputados foi expedida pela desembargadora do Tribunal de Justiça do Amapá (Tjap) Sueli Pini. Segundo a decisão da desembargadora, o afastamento dos parlamentares foi justificado após uma ampla investigação criminal e cível feita pelo Ministério Público Estadual. A volta dos deputados aos cargos de presidente e primeiro-secretário foi com base em uma liminar expedida em 5 de dezembro do ano passado pelo ministro do STF, Ricardo Lewandowisk, que deixou a cargo dos próprios deputados a apreciação do assunto.

Governador Camilo entrega matadouro e ramal pavimentado aos moradores de Amapá e revitalização do matadouro. De acordo com o governador do Estado, Camilo Capiberibe, o próximo passo agora será a conclusão do cinturão asfáltico que liga, por dentro da cidade, o outro trecho da AP-246, chama também de ramal da Base Aérea. “Havíamos feito a promessa e estamos mostrando agora que, quando se se trabalha em prol da população, é possível transformar sonhos em realidade. A pavimentação do ramal da Bacabinha foi concluída e a comunidade já pode usufruir dos investimentos do Governo do Amapá. Essa inauguração é uma forma de juntos comemorarmos essa conquista coletiva”,

Elen Costa

Da Reportagem

H

á mais de quatro décadas os moradores do município de Amapá esperaram pela pavimentação da rodovia AP-426, conhecida como ramal do Bacabinha. Após a longa expectativa, a população daquela pacata cidade foi contemplada não só com o asfalto, mas também com a revitalização do único matadouro existente na região. A equipe do Jornal do Dia esteve na última sexta-feira (24) no Amapá, e acompanhou a entrega oficial das obras de pavimentação, com toda a sinalização horizontal,

Desafios da Gestão Municipal Charles Chelala

É

Economista, Mestre em Desenvolvimento Regional cchelala@uol.com.br

com imensa alegria que volto a ocupar este espaço no Jornal do Dia, no qual estive entre janeiro de 2007 até outubro de 2012, a partir de quando não mais consegui manter a regularidade dos artigos que escrevia nesta página. Uma das razões de ter passado o ano de 2013 sem escrever foi o fato de

ter assumido responsabilidades na gestão municipal de Macapá, justamente o tema que pretendo abordar nesta reestreia. É comum se ouvir falar que o município é a “célula mater” da Federação, que “as pessoas moram nas cidades e não no Estado ou na União” e que, por estas razões, o município deve

ressaltou o governador. O matadouro, também inaugurando naquele dia, de acordo com Camilo, está dentro das especificações sanitárias ambientais. Ou seja, pronto para fazer o abate de maneira correta. “É o primeiro matadouro do Estado a ter filtro biológico. Todos os resíduos produzidos, vão ser filtrados sem gerar nenhum prejuízo para o meio ambiente. Vai acabar a preocupação por que o mesmo será feito todo de acordo com as regras sanitárias”, garantiu ele. A matéria completa sobre a entrega das obras concluídas pelo governador estará na edição do próximo dia 28.

ser valorizado, aumentada sua fatia de recursos disponíveis e ampliada a sua autonomia. Ocorre que a grande maioria dos municípios possui graves problemas estruturais de gestão que abrangem desde a qualificação e remuneração do servidor até as condições de trabalho, passando pela inadequação ou inexistência de sistemas informatizados ou de equipamentos de informática. Este cenário prejudica os parcos processos de descentralização da execução de recursos, ainda que sejam destinados a programas vinculados como os da educação e da saúde. Ao esbarrar nas dificuldades

JORNAL DO DIA

APÓS a longa expectativa, a população dO município de Amapá foi contemplada não só com o asfalto, mas também com a revitalização do único matadouro existente na região

operacionais expostas, os programas acabam não sendo executados e, por vezes, sequer acessados pelos municípios que perdem os recursos e findam se tornando inadimplentes para com a União. Segundo a Confederação Nacional dos Municípios, aproximadamente 70% das cidades brasileiras estavam impossibilitadas de receber recursos do Governo Federal no fim do ano passado. Esta reduzida capacidade estrutural e operacional também revela uma grave distorção que é a injustiça das desigualdades regionais. Os Estados do Norte e Nordeste apresentam maiores percentuais de inadim-

plentes em comparação com o centro-sul do país. Por exemplo, no Rio Grande Sul “apenas” 45% dos municípios se encontrava na lista negra do CAUC. Para este ano de 2014 teremos um fator adicional que deverá expor ainda mais tal situação. É que começa a vigorar a “emenda impositiva” pela qual os recursos alocados pelos parlamentares no Orçamento Geral da União deverão ser obrigatoriamente executados. Ficará claro que o problema não estava apenas na liberação do recurso, mas também aflorarão as demais dificuldades na elaboração do projeto, na execução, no monitoramento e

na prestação de contas. Para “driblar” estas carências, o governo federal cada vez amplia programas de execução direta, como o “Minha Casa, Minha Vida” ou “Bolsa Família” que são muito bem-vindos, mas que reduzem ao mínimo as responsabilidades dos municípios, o que tampouco é desejável. O desafio vem a ser alçar os municípios à condição de protagonistas na implantação das políticas públicas, dotando-os de real capacidade de gestão, tarefa na qual será imprescindível o apoio da União e dos Estados, sob pena de invertermos, de forma perversa, a lógica da Federação.


B2

Dia-Dia

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 26 e 27 de janeiro de 2014 Editor: Túlio Pantoja - tuliopantoja@jdia.com.br

Cabine de futebol é utilizada como posto de saúde no Pantanal

Pressão Alta - Verdades e Mitos (Parte II)

JORNAL DO DIA

Prof. Dr. Eduardo Augusto da Silva Costa

E

DURANTE TRÊS ANOS, a equipe do Programa Saúde da Família recebia os pacientes numa casa alugada pela comunidade. Hoje é nessa cabine

Durante três anos, a equipe do PSF recebeu os pacientes numa casa alugada Larissa Cantuária

Da Reportagem

E

sperar no sol, tendo que inalar o odor de urina na praça e, quando chega a sua vez, subir as escadas deterioradas acompanhada de um de seus três filhos. Estas são algumas das dificuldades que a dona de casa Adriana Maciel, de 31 anos, precisa enfrentar para se consultar pelo Programa Saúde da Família (PSF), no Bairro Pantanal, Zona Norte de Macapá. Ela e outros moradores do bairro reclamam que os atendimentos são realizados numa cabine de transmissão de futebol, doada pela Associação Esportiva

Solteiros e Casados. “O posto só abre às 8h, enquanto isso, a gente tem que esperar na arquibancada para conseguir marcar a vaga na consulta”, lamentou a dona de casa, também comentando que o “atendimento é feito no bairro, mas somos encaminhados para o posto de saúde no São Lázaro. Seria melhor se todos os exames fossem feitos por aqui”. Para Adriana, os profissionais do PSF se preocupam com os seus pacientes. Eles também visitam as famílias do bairro, perguntando se precisam de atendimento, mas falta material necessário para o trabalho ser melhor. Segundo o presidente da Associação de Moradores do Bairro Pantanal, Marco Marques, “nós temos uma demanda muito grande de idosos e crianças, mas a estrutura para realizar os atendimentos está totalmente inadequada. Já tivemos casos de crianças que se desi-

quilibraram e caíram das escadas da cabine”. Marques disse que conseguiu com o Instituto do Meio Ambiente e de Ordenamento Territorial do Amapá (Imap) o terreno de uma área ambiental para construir a Unidade Básica de Saúde (UBS) no bairro, “mas a prefeitura informou que burocracia é tão grande, que não consegue começar com as obras da unidade”. O presidente destacou que os moradores do Pantanal fazem o possível para que, desde a gestão passada, a prefeitura melhore a estrutura nos atendimentos de saúde. Durante três anos, a equipe do Programa Saúde da Família recebia os pacientes numa casa alugada pela comunidade. “Como nós não tivemos condições de continuar pagando o aluguel, fizemos três cotações de imóveis e entregamos para a prefeitura anterior. Essas casas, inclusive, já foram ocupadas”, afirmou.

A assessoria de comunicação da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) informou que a construção da UBS no Pantanal está entre as prioridades da prefeitura, mas as obras dependem de emenda parlamentar. No entanto, segundo ainda a assessoria, na próxima quarta-feira (29) começam as construções da UBS no Bairro Renascer, e a equipe da Saúde da Família do Pantanal poderá atender no local. Saúde da Família O Programa Saúde da Família trabalha com as ações de prevenção, promoção e recuperação da saúde das pessoas, de forma integral e contínua. O atendimento é prestado na Unidade Básica de Saúde ou no domicílio. No Bairro Pantanal, a equipe é formada por um médico, um enfermeiro e cinco agentes de saúde. O atendimento, realizado diariamente, funciona das 8h às 12h.

Polícia Civil realiza incineração de quase 200 quilos de drogas em Macapá Jéssica Alves

Da Reportagem

A

Polícia Civil realizou na última sexta-feira (24), a incineração de drogas apreendidas em operações da Delegacia de Tóxicos e Entorpecentes (DTE), durante o segundo semestre de 2012 e primeiro semestre de 2013. A queima dos entorpecentes foi realizada na Cerâmica Santa Fé, no bairro Universidade. Ao todo, quase 200 quilos de drogas foram incineradas, entre elas drogas consideradas de altos valores no tráfico, como o crack, com 110 quilos e cocaína em pó, com 23 quilos. Além destas, 50 quilos de maconha também foram queimadas. Segundo o delegado titular da DTE, João Neto, o valor aproximado das substâncias apreendidas era de R$ 2 milhões. Ele completa que as diretrizes para a incineração foram tomadas em conjunto com a Polícia Técnica Científica (Politec), Ministério Público do Amapá (MP-AP) e Vigilância Sanitária do Estado. “Essa ação visa o bem estar da comunidade amapaense, queimando produtos do tráfico organizado, para trazer mais segurança para a população”, afirma. A incineração desta sexta-feira é resultado de um intenso trabalho de inteli-

AO TODO, QUASE 200 QUILOS de drogas foram incineradas, entre elas drogas consideradas de altos valores no tráfico, como o crack, com 110 quilos e cocaína em pó, com 23 quilos.

gência realizado pela Polícia Civil e, que resultou num duro golpe no crime organizado, sobretudo no que diz respeito ao tráfico de drogas. A ação ocorre após a prisão das pessoas envolvidas no crime a liberação das drogas pela Justiça para serem queimadas. “Começamos a investigação por meio de denúncias da população. Identificamos os traficantes, efetuamos a prisão e a apreensão das drogas, após apreender as subs-

tâncias, os indivíduos são levados a julgamento e ao final do processo e a Justiça nos autoriza que seja realizada a incineração”, enfatiza o delegado. Ele completa que com o suporte da Vigilância Sanitária, a incineração é feita de uma maneira que não prejudique a população que mora nas proximidades do bairro Universidade. “Procuramos sempre nos deslocar para locais distantes da cidade, para não levar perigos de saúde para a população. Além

disso, utilizamos locais de fabricação e cerâmicas, que utilizam fornos fechados e diminui a quantidade de fumaça que é exalada”, explica. A incineração de drogas da Polícia Civil é realizada uma vez por ano, com a queima de produtos entorpecentes que já são separados para determinado fim e possui autorização da justiça, após o fim dos processos criminais. Essa é considerada a maior incineração deste tipo de drogas no Amapá.

Médico com Residência, Mestrado e Doutorado em Cardiologia. Professor de Cardiologia da Faculdade de Medicina da UFPA. Pós-Doutorado em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista eascosta@cardiol.br

stou comentando agora porque houve um problema na entrega do artigo na semana passada e não comentei a data, mas espero que a boa vontade de fazer sempre o bem que acontece em todos, nesta semana, se prorrogue por todo o ano. Mas vamos ao assunto: “-Meu filho não pode tomar café quente e sair na chuva”..., na semana passada iniciei o artigo com esta frase da minha avó e provavelmente de todas as avós daquela época, e comentei a respeito da pressão alta, doença que não dá sintomas, exceto na hora da complicação, que pode ser um acidente vascular cerebral, conhecido por “estupor”, “derrame” ou “congestão”, pode ser um infarto agudo do miocárdio, um edema agudo de pulmão (que é o máximo da insuficiência cardíaca), ou insuficiência renal, que são as complicações decorrentes da lesão causada pela pressão alta nesses órgãos e aparelhos do nosso organismo. E, voltando ao assunto, como saber se temos pressão alta? Só há um jeito de saber: medindo a pressão, que hoje deve ter uma primeira vez na adolescência, depois nos vinte anos e principalmente aos 35 anos nos homens e 45 nas mulheres, idade em que a doença se instala no ser humano. Em 90% dos casos a causa é genética, ou seja, a herdamos de nossos antepassados. Somente em 10% das pessoas com hipertensão a causa pode ser conhecida, isto em função de alguma doença que faz com que a pressão aumente, geralmente doenças renais e endócrinas (das glândulas), às vezes tumores que secretam adrenalina, que é uma substância que aumenta a pressão ou defeitos na artéria aorta, que pode apresentar uma constrição chamada coarctação que também aumenta a pressão. Mas, o importante após descobrir que a pessoa é hipertensa é o tratamento, que até o momento deve ser contínuo, todos os dias da vida. Por que até o momento? Porque na evolução do conhecimento a qualquer momento pode se descobrir a cura definitiva. Mas voltando ao tratamento...as pessoas quando ficam sabendo que terão que usar medicamentos todos os dias ficam algo deprimidas, entram em discreto “parafuso” e perguntam: Pra sempre???...Eu costumo comentar: - Existem coisas que fazemos todos os dias e são pra sempre...exemplos: es-

covamos os dentes, tomamos banho, homens fazem a barba, mulheres tem que pintar os olhos e os lábios, fazemos pipi, fazemos cocô, tomamos café, água, almoçamos, etc...todos os dias... quando temos hipertensão acrescentamos um item a mais no café da manhã, o remédio, que ainda bem, já que nada é de graça, é pago pelo governo federal e recebemos nos postos de saúde de todo o Brasil, e controlando a doença a vida é normal, podemos fazer exercícios, correr, nos zangarmos, torcer pelo flamengo, enfim, fazer qualquer coisa ruim que o nosso organismo, com a pressão controlada (em 12 x 8 ou 11 x 7 ou 10 x 6), agüenta. E como se trata a pressão? .... Bem! Em primeiro lugar, se estivermos acima do peso, é obrigatória a perda dos quilos a mais e a seguir tomarmos o remédio que o médico prescrever. Às vezes precisamos de algumas semanas para adequar as doses dos remédios para a normalização. Eu, em toda a minha vida de médico nunca vi uma pressão não controlar, às vezes demorou de um a dois meses para acertar a dose dos remédios, mas todos controlaram. E o que é mais importante, depois disso houve regressão do acometimento dos órgãos, o coração diminuiu de tamanho, o fundo de olho (exame de rotina em hipertensos) melhorou, enfim há uma melhora em todo o organismo, principalmente se os rins ainda não entraram em sofrimento, pois nestes a reversão do acometimento é mais difícil, uma das razões para tratarmos a doença o mais precoce possível. Então, caro leitor, como o número de hipertensos no mundo varia próximo de 40%, provavelmente em nossas famílias a doença está presente e precisamos cuidar da maneira mais séria possível, pois como já citei várias vezes, a doença praticamente não tem sintomas, e se a pessoa hipertensa não for civilizada, não vai tomar remédios para uma doença que ela não sente, e aí que mora o perigo... muitas vezes de vida. Na próxima semana vou comentar a respeito do tratamento da emergência hipertensiva, que eu acho que todas as pessoas devem saber. Como a quantidade de e-mails que recebi foi grande, acho que temos um grande rol de leitores semanais, alguns pedindo a repetição de matérias, que vou aproveitar quando viajar longe ou sair de férias.


Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 26 e 27 de janeiro de 2014

Geral

B3

Editor: Túlio Pantoja - tuliopantoja.com.br

Lixeira pública de Santana será fechada no final de março

Com o deslocamento do lixo para o aterro controlado de Macapá, prefeitura irá quadriplicar os gastos com serviços na coleta de lixo na cidade

de para comportar lixo da capital, Santana e outros municípios. Macapá produz cerca de oito mil toneladas por mês de lixo domiciliar. Futuramente pretendemos agregar com o município de Mazagão para a construção de um aterro sanitário, mas isso demanda tempo. A construção pode ser em torno de três anos, enquanto isso, teremos que pagar para ao terro sanitário de Macapá”, alerta Robson Rocha.

Jéssica Alves Da Reportagem

A

lixeira pública de Santana, um dos maiores problemas enfrentado há anos pelos moradores do município, já tem data limite para ser desativada. Segundo o prefeito Robson Rocha, a partir do dia 31 de março, nenhum resíduo poderá ser mais colocado no local. A meta é a tender a uma resolução da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). A resolução determina que o município transforme a lixeira a céu aberto em aterro sanitário. Essa era uma antiga reivindicação dos moradores, pois como a lixeira fica localizada dentro do perímetro urbano de Santana, o odor e a fumaça exalada do lixão incomoda os moradores das proximidades do local. “Com isso, pretendemos seguir a resolução da PNRS e isolar a área e desativar a lixeira, pois além de ser uma necessidade da população é uma obrigação

PREFEITO ROBSON ROCHA afirma que o município de Santana elabora um projeto para tentar conseguir recursos do Governo Federal para criar o próprio aterro controlado

imposta pelo Governo Federal”, explica o prefeito Robson Rocha. Com a desativação da lixeira pública, o despejo dos resíduos sólidos do município será destinado a um espaço cedido no aterro controlado de Macapá até que a prefeitura de Santana conclua o próprio aterro, previsto para ser construído na Rodovia AP-010, entre os rios Vila Nova e Matapi. Hoje, a coleta de lixo de Santana funciona com três carros coletores, arrecadando cerca de duas mil toneladas por mês. “Nossa ideia é lançar ainda no primeiro semestre deste ano uma licitação para carros coletores maiores. Hoje, esses carros dão de três a quatro viagens dentro do perímetro do município para a lixeira de Santana. Vai ficar inviável ir até a lixeira de Maca-

pá e voltar, haja vista que é um tempo muito grande de viagem. Então, queremos contratar uma empesa com carros coletores maiores de 15 metros cúbicos, para diminuir o numero de viagens”, afirma. Custos maiores Apesar de estar seguindo uma resolução do governo federal e atendendo a reivindicação da comunidade santanense, com o deslocamento do lixo para o aterro controlado de Macapá, a prefeitura irá quadriplicar os gastos com serviços na coleta de lixo na cidade. Atualmente, o município gasta em torno de R$ 115 mil para a realização do serviço, com os carros coletores, mais um poliguindaste, utilizado para recolher o conteúdo de containers que ficam em pontos fixos de Santana.

Com a compra de veículos maiores e contratação de outra empresa para levar os resíduos a Macapá, serão mais R$ 330 mil gastos. “Para completar, vamos pagar para o aterro sanitário de Macapá em torno de 40 a 46 reais por tonelada do lixo enviado. Ou seja, mais R$ 90 mil reais por mês. A coleta toda do lixo de Santana deve dar um salto de R$ 115 mil para R$ 400 mil por mês”, relata o prefeito. A prefeitura de Santana trabalha na elaboração de um projeto para tentar conseguir recursos do Governo Federal para criar o próprio aterro controlado. Em caso de descumprimento do PNRS, o Município fica impedido de receber verbas da União para serem usadas em políticas de resíduos sólidos. “O aterro sanitário de Macapá possui capacida-

Multa O prefeito afirma ainda que um trabalho de conscientização será feito com os moradores de Santana. “A Prefeitura tem responsabilidade de recolher apenas lixo doméstico. Entulhos de obras, podas de árvores, não é responsabilidade da prefeitura. A população terá que contratar uma empresa para deslocar esse lixo para o aterro de Macapá. Vamos fiscalizar junto com Polícia Ambiental para multar quem não seguir o código de conduta do município”. Quem não pagar a multa no prazo limite poderá ter o nome negativado no Serasa. Compensação ambiental A administração municipal divulgou que uma mineradora sediada no município deverá construir um muro em torno da atual lixeira para que a área seja definitivamente fechada. A expectativa é que até o fim desse mês, o Termo de Cooperação Técnica seja assinado para assim começar a obra de

construção do isolamento da área. “Vamos colocar vigilância armada para evitar que pessoas adentrem para colocar lixo no local”, afirma Rocha. Na desativação da lixeira pública de Santana, todo o resíduo do local será enterrado e uma cerca será construída para isolar a área. “Fizemos um acordo com a Eletronorte e ela contratou técnicos que estão trabalhando em um projeto para aquela área. A intenção é que ela não seja mais utilizada para depósito de lixo”, complementou o prefeito. Com referência as famílias que se utilizam da lixeira para sobreviver, ele afirma que a Prefeitura já realizou um cadastramento e a secretaria de Assistência Social está capacitando cerca de 120 mulheres carapirás para atuarem nas obras do município. O Curso deverá ser ministrado em uma parceria com o Instituto Federal do Amapá (IFAP) que terá um módulo em Santana. Atualmente cerca de 100 pessoas trabalham na área da lixeira, coletando materiais que podem ser utilizados em reciclagem. O prefeito enfatiza ainda que um projeto em parceria com empresas instaladas no município pretende levar os catadores de lixo para cooperativas que trabalham com reciclagem. “Queremos inserir os carapirás de Macapá e Santana em cooperativas para a criação de uma usina de reciclagem. Por enquanto, ainda estamos debatendo essa ideia com a Prefeitura de Macapá”.

Amapá registra anualmente cerca de 160 casos de hanseníase Jéssica Alves Da Reportagem

E

ncerrou na sexta-feira (24) o I Fórum de Hanseníase no Amapá, que consiste em ações preventivas e debates a respeito da doença. A abertura ocorreu na quarta-feira (22) e a Secretaria de Estado de Saúde (Sesa) realizou “Dia da Mancha”, uma ação preventiva em que os médicos dermatologistas, lotados no CRDT, atenderam pessoas com manchas na pele, acompanhadas de dormência. A Hanseníase é uma doença causada pela bactéria Mycobacterium leprae, também conhecida por bacilo de Hansen. Sua transmissão ocorre através do contato direto com doentes sem tratamento, pois estes eliminam os bacilos através do aparelho respiratório superior em meio às secreções nasais e gotículas da fala, tosse e espirro. No caso

A HANSENÍASE é uma doença causada pela bactéria Mycobacterium leprae, também conhecida por bacilo de Hansen.

dos doentes que recebem tratamento médico, não há risco de transmissão. Seus principais sinais e sintomas são: sensação de formigamento, fisgadas ou dormência nas extremidades; manchas brancas ou avermelhadas, geralmente com perda da sensibilidade ao calor, frio,

dor e ao toque; áreas da pele que apresentem alteração da sensibilidade e da secreção de suor; caroços e placas em qualquer região do corpo e diminuição da força muscular (di-

ficuldade para segurar objetos). No Amapá, embora os casos tenham reduzido nos últimos três anos, a situação de registros dos casos no Amapá ainda é preocupante. Segundo a assessoria de comunicação da Sesa, a secretaria tem tratado a doença no Estado com prioridade, desenvolvendo ações de prevenção e tratamento. Os indicadores referentes à hanseníase no Amapá nos últimos três anos são os seguintes: Em 2011 foram registrados 295 novos casos, 2012 foram 170 e, em 2013, apenas 153. Segundo Lenise Azevedo, Coordenadora Estadual do Programa de Controle de Tuberculose e Hanseníase, este não é um indicador positivo

para a saúde amapaense. “O número esperado era de quase 170 casos novos, e identificamos apenas 153. Ou seja, alguns municípios podem não ter realizado uma busca mais intensa, para tentar descobrir novos casos”. Ela completa que muitos casos não são registrados e que é difícil chegar a um número preciso porque a hanseníase é uma doença silenciosa. “Aparece manchas ou dormência em qualquer parte do corpo, que acaba não incomodando o paciente, ficando assim indetectável, até o momento em que o paciente procura uma Unidade de Saúde e descobre que está com a doença e precisa de tratamento. Mas muitos municípios não fazem essa bus-

ca intensiva”, alerta. Fórum Participam do Fórum de Hanseníase profissionais de saúde, acadêmicos de medicina e de enfermagem, pacientes e seus familiares. A coordenadora reforçou que, durante os dois dia de evento, haverá palestras com temas relacionados à doença. “A proposta é envolver também pacientes e seus familiares, para discutirmos a hanseníase de maneira mais ampla. Iremos debater ainda sobre protocolos de acolhimento e de atendimento aos pacientes com hanseníase, formas de prevenção, combate e tratamento da doença”, salientou Lenise. A hanseníase tem cura e seu tratamento é realizado através de medicamentos via oral. Essa doença é tratada nas unidades de saúde e seu tratamento é gratuito. Uma importante medida de prevenção é a informação sobre os sinais e sintomas da doença, pois, quanto mais cedo for identificada, mais fácil e rápida ocorrerá a cura. Outra importante medida preventiva é a realização do exame dermatoneurológico e aplicação da vacina BCG nas pessoas que vivem com os portadores dessa doença.


B4

Geral

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 26 e 27 de janeiro de 2014 Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Sinsepeap apresenta reivindicações para 2014 Piso salarial, cursos modulares, mais concursos e progressão funcional está na pauta dos professores Fábio Gomes

Da reportagem

O

Sindicato dos Servidores Públicos em Educação do Amapá (Sinsepeap) apresentou suas reivindicações para o Governo do Estado e Prefeitura de Macapá. Segundo o presidente do sindicato, Aroldo Rabelo, a cada ano é entregue um documento com as principais exigências da categoria. “Cerca de 25% dos orçamentos são para investimentos na educação e tem município que

consegue aumentar o valor. Portanto, sabemos que é possível valorizar o trabalhador da educação”. O presidente destacou que exigências antigas do Sinsepeap ainda não foram atendidas, como a criação do Hospital do Servidor. “Apresentamos o projeto do hospital para o governo e a prefeitura, que nos responderam que a construção só pode ser realizada com verba federal”. A realização de concursos públicos está entre as cobranças que, segundo Aroldo, o sindicato sempre luta para conseguir. “O salário dos servidores é pago pelo Caixa Escolar e, por conta disso, eles sempre recebem com atraso. Fora que o salário mínimo não supre suas necessidades básicas e eles não possuem os direitos garantidos quando são demitidos”, disse. Piso Salarial No ano passado, os professores conseguiram fa-

zer valer a lei do piso salarial nacional da categoria, que será reajustado em 19% neste ano. “Essa luta que já vem sendo travada antes de 2008, está sendo aprovada somente agora”, explicou Aroldo se referindo que, em 2011, os governos entraram com uma medida pedindo a inconstitucionalidade do piso, mas negada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Depois da determinação, os governadores solicitaram um tempo para iniciar o pagamento do piso e, em fevereiro do ano passado, o STF declarou que os pagamentos deveriam começar a partir de abril de 2014. “A gente reivindica o pagamento do piso dos municípios e do estado, já com o retroativo declarado pelo STF”, continuou Aroldo. Cursos Modulares e progressão de carreira Um questionamento que vem sendo realizado em várias instituições de ensi-

DIVULGAÇÃO

A REALIZAÇÃO de concursos públicos está entre as cobranças que, segundo Aroldo, o sindicato sempre luta para conseguir

no federal integra os cursos modulares de férias, no qual os professores se qualificam, “mas têm a promoção negada quando apresentam a documentação nos conselhos de valorização do município ou

estado”, afirmou o representante do Sinsepeap. De acordo com Rabelo, a progressão de carreira, que pode ser por formação ou tempo de serviço, também não está sendo cumprida. “No estado, o

desempenho do funcionário é avaliado a cada um ano e meio de exercício, mas os professores estão se especializando com mestrado ou doutorado e continuam recebendo o salário inicial”.

Licitatação abre 724 novas concessões para mototaxistas

N

esta segunda-feira (27) acontece mais um dia do processo licitatório de 724 concessões para novos mototaxistas. A Companhia de Trânsito de Macapá (CTMac) abriu esse processo na sexta-feira (24) e atendeu candidatos de A até M. Agora atenderão de N a Z. A expectativa é de dois mil pleiteantes às vagas. Segundo a presidente da CT-

Esporte O macapaense terá Oberdan Pezão como oponente na 27ª edição do Iron Man Karina Rodrigues

Da reportagem

U

ma das lutas mais esperadas para a 27ª edição do Iron Man será entre John Macapá e Oberdan Pezão. O duelo acontecerá no dia 15 de março, mas ainda não possui local definido. Segundo o organizador do evento, Júnior Magrão, o evento está sendo cogitado para acontecer no ginásio Avertino Ramos, mas ainda não há a confirmação. “Iremos realizar uma disputa muito importante porque faz algum tempo que John não luta em competições dentro do estado e o Pezão está entre os atletas que estão se destacando cada vez mais no Amapá,

Mac, Cristina Baddini, a regulamentação da cidade disponibilizou 1500 vagas para mototaxistas nas licitações passadas. Essas vagas não foram totalmente preenchidas. Sobraram 722 vagas e houve duas desistências, por isso está ocorrendo essa nova licitação. “Esta é a primeira etapa do processo. Os pleiteantes entregam dois envelopes. Haverá

duas seções públicas novamente para ocorrer a abertura e conferência dos documentos dos mototaxistas, e depois a verificação do outro envelope, que corresponde a pontuação de cada candidato”, explicou Cristina Baddini. O edital da licitação de concessões de novos mototaxistas foi lançado em 9 de Dezembro de 2013. Nele consta todos os

critérios e regulamentos para concorrer a licitação. “Desde o início de dezembro lançamos o edital e estivemos tirando dúvidas dos interessados. Dentre os critérios para participação enfatizamos bastante que não pode haver antecedentes criminais. Pontuamos também motos mais novas. Caso haja mais pleiteantes do que vagas, é como concurso público, que obtiver

melhores pontuações ganhará a licitação”, disse a presidente da CTMac. Nos dois dias do processo licitatório a ação ocorre no Ginásio Avertino Ramos, de 10h às 17h, no bairro central de Macapá. Os concorrentes devem chegar cedo para tirar uma senha e entregar os documentos previstos no edital. (Caroline Mesquita)

Após seis meses fora das competições, John Macapá volta aos tatames em Março então esperamos que essa luta seja bastante acirrada e atraia um bom público”, afirma. De acordo com Magrão, Mário Yamazake, árbitro do Ultimate Fighting Championship (UFC) estará em Macapá para arbitrar as lutas principais da noite. John Macapá foi integrante do The Ultimate Fight Brasil, ficou afastado do tatame durante seis meses devido uma lesão e, neste ano retornará às competições. Segundo o treinador de John, Orlando Júnior, o atleta está no Rio de Janeiro, treinando na equipe Nova União, para se preparar e ajudar nos treinamentos de José Aldo. Já Pezão, está em Macapá e de acordo com seu mestre, Ronildo Nobre, o lutador está treinando forte para ter um bom de-

sempenho. Além da luta principal entre Pezão e John irão acontecer mais quatro lutas casadas entre Bruno Jacundá, Pitchula, Falquinho e Sentinela. A premiação será feita de acordo com a bolsa de cada atleta de R$ 5 a R$ 20 mil.

De acordo com Magrão, Mário Yamazake, árbitro do Ultimate Fighting Championship (UFC) estará em Macapá para arbitrar as lutas principais.

Professor Mota e instrutores visitam o comando da PM

Professor Mota esteve na semana passada visitando, juntamente com sua equipe de professores, o comandante Geral da Polícia Militar, coronel PM Barbosa. No encontro também estiveram presentes o chefe de Gabinete do Comando Geral, coronel PM Ailton, o diretor da DP, coronel PM Flavio e o Diretor da DOP, coronel PM Rodiney. O professor Mota é referência na natação amapaense, desenvolvendo há anos em parceria com a Polícia Militar o projeto social “Peixinhos Voadores”.


MACAPÁ-AP, DOMINGO E SEGUNDA-FEIRA, 26 e 27 de janeiro de 2014

Carro&Moto

SE MEU FUSCA FALASSE

Fiat lança Doblò Cargo 2014 D2

Dia Nacional do Fusca é marcado por homenagens pelo Brasil Modelo ganha, além do airbag e ABS obrigatórios, sutis mudanças no interior

D3

Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Reestilizado, Nissan March roda em testes Carros.uol

A

o que tudo indica, o novo March será o modelo escolhido para inaugurar a segunda fábrica da Nissan no Brasil, em Resende (RJ). Enquanto a fábrica não começa a operar, alguns protótipos já estão rodando em testes pelas ruas e estradas do Paraná, nos arredores de São José dos Pinhais (PR), onde fica a sede da marca japonesa. O carro foi flagrado pela leitora Viviane Pimentel, de Curitiba (PR). A reportagem também já o havia surpreendido durante uma parada para abastecimento no posto de gasolina. Reestilizado, o hatch terá leves mudanças, especialmente na diantei-

ACIMA, uma imagem do modelo que em alguns mercados é chamado de Micra

O INTERIOR também será repaginado, com saídas de ar retangulares no lugar das atuais circulares e novos materiais

ra, que ganhará novos faróis, grade e para-choque.

Atrás, as alterações serão mais sutis, limitando-se a

Hyundai vai incluir wireless em seus veículos IG/Carros

A

Hyundai divulgou que fechou uma parceria com a operadora de telefonia móvel Verizon, dos Estados Unidos, para incluir o wireless em seus carros norte-americanos. Os modelos que estão previstos para chegar ao mercado ainda este ano, já estarão com a tecnologia. De acordo com a fabricante, o primeiro carro a ter a conexão será o novo Genesis. Inicialmente, a rede

3G será utilizada, mas uma transição para a rede 4G, não está descartada. Esta não é a primeira montadora que adere aos serviços wireless de telefonia móvel. Audi,

Mercedes-Benz e BMW já apresentaram sistemas semelhantes em alguns de seus modelos. A tecnologia deverá chegar em breve ao Brasil.

lanternas com nova disposição de luzes e para-

-choque redesenhado. O interior também será repaginado, com saídas de ar retangulares no lugar das atuais circulares e novos materiais no acabamento da cabine. Nenhuma alteração será

realizada nos atuais motores 1.0 e 1.6, sendo que os motores 1.6 serão fabricados no Rio, conforme a Nissan já anunciou. O novo March deve chegar às ruas brasileiras em maio de 2014.

Chery aposenta S-18 e Cielo no Brasil IG/Carros

A

Chery resolveu enxugar sua linha de veículos no Brasil. A marca chinesa anunciou que a partir de fevereiro de 2014 os modelos S-18 e Cielo (nas versões hatch e sedã) deixarão de ser vendidos no País. Ambos apresentaram um desempenho pífio nas vendas em 2013 - somados não chegaram a 750 unidades vendidas - no en-

tanto, a marca informou que a medida faz parte da nova estratégia de mercado, focada na produção nacional. Em comunicado, a fabricante assegura aos proprietários dos modelos S-18 e Cielo que eles continuarão tendo acesso a todos os procedimentos de pós-venda, desde manutenção preventiva a troca de peças, pelo tempo que for necessário. No entanto, a

montadora enfatiza que seu objetivo é priorizar os modelos que são base de comercialização, assim que a fábrica nacional começar a produzir. A linha de montagem da Chery no Brasil está sendo erguida em Jacareí, interior de São Paulo, e tem inauguração prevista para julho de 2014. Também está em andamento uma unidade de motores, que deve ser concluída até o final do ano.


C2

Carro&Moto

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 26 e 27 de janeiro de 2014 Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Fiat lança Doblò Cargo 2014 Modelo ganha, além do airbag e ABS obrigatórios, sutis mudanças no interior

JOSÉ ARCANGELO

Colunista

Fenômeno

Não se espantem se a Ford, atual e eterna quarta colocada no “share” (mercado) nacional galgar alguns lugares para cima, podendo até encostar-se à campeonissima Fiat que conquistou os 12 últimos campeonatos nas vendas. Ela pretende renovar toda sua linha de produtos locais para os globalizados até 2015. O Plano não é novo e foi craniado em 2008, batizado como One Ford, que reduz de 17 para nove as plataformas onde devem ser montados seus carros, ganhando a chamada economia de escala.

Revista auto esporte

C

hega ao mercado o modelo 2014 do Doblò Cargo que passa a contar com airbag duplo e freios ABS, conforme exigido por lei. Além disso, a Fiat aproveitou a virada do ano para incluir pequenas mudanças no interior do veículo, como a padronagem de revestimento de bancos e portas, cores e grafismos do painel além de novo volante. A adoção dos itens mais o aumento no Imposto de Produtos Industrializados (IPI) de 7% para 9%, elevaram a tabela do veículo em quase R$ 2 mil, para as duas versões vendidas do carro. O Doblò Cargo 1.4 8V flex

A FIAT aproveitou a virada do ano para incluir pequenas mudanças no interior do veículo

de 86 cv de potência e 12,5 kgfm de torque agora é sugerido ao preço de R$ 43.590 - um acrécimo de R$ 1.880 sobre o preço em dezembro. Já a configuração 1.8 16V flex, que rende 132 cv de potência e 18,9 kgfm de torque, antes ofertada por a partir de R$ 46.700 subiu para R$

48.690, implicando uma diferença de R$ 1.990. A novidade entre os pacotes opcionais oferecidos para equipar o carro estão o novo rádio rádio USB MP3 / WMA com RDS, vendido por R$ 181 , é Kit Iluminação, composto de faróis de neblina e brake light por R$ 388. O que sai

caro é incluir o ar-condicionado, cujo valor adicional é de R$ 4.884. Confira os valores das versões Fiat Doblò Cargo 1.4 Flex – R$ 43.590 Fiat Doblò Cargo 1.8 16V Flex – R$ 48.690

Primeiro Ford Mustang 2015 é vendido em leilão IG/Carros

A

Ford vendeu seu primeiro Mustang GT 2015 em um leilão nos EUA por US$ 300 mil. A quantia foi doada à organização JDRF, dedicada à pesquisa de diabetes. O vencedor, Sam Pack, colecionador e distribuidor Ford no Texas (EUA), será o pri-

meiro a possuir o Mustang da nova geração, tendo em vista que as vendas começam no segundo semestre na América do Norte. Desde o lançamento, em abril de 1964, o Mustang traz a proposta de ser “o carro desesnhado para ser desenhado por você” e o vencedor do leilão poderá fazer o mesmo com seu novo carro. Ele terá o direi-

to de escolher transmissão manual ou automática, a combinação de cores externas e internas e diversos acessórios que estarão disponíveis na linha. John Brad, presidente da JDRF, agradeceu a Ford e a empresa de leilões Barret-Jackson pelo apoio. “Esse dinheiro vai nos levar mais perto de um mundo sem diabetes tipo 1”, disse.

A Ford é parceira da JDRF desde 1983 e, com essa ação, soma mais de três milhões de dólares arrecadados em forma de veículos para a entidade. No mesmo evento, a Ford também cedeu uma picape F-100 1956 inspirada no Shelby GT500, com fundos destinados à construção de um hospital infantil no Canadá.

Montadoras deverão provar que não houve defeito nos airbags não acionados em acidentes Vrum

O

Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou que as montadoras de veículos serão as responsáveis em provar que não houve defeito no acionamento dos airbags em caso de acidentes em que as bolsas não são infladas. A decisão foi divulgada esta semana, depois que a fabricante foi condenada a pagar R$ 20 mil para uma consumidora do Rio Grande do Sul que se feriu em um acidente em Porto Alegre, em 2004. O veículo acidentado, bateu de frente e não teve os airbags inflados, agravando a situação da vítima, que precisou submeter-se a uma cirurgia de rino septoplastia. Além dos danos morais, a montadora foi condenada a pagar todos os prejuízos materiais da consumidora. A perícia foi realizada após o conserto do carro, de forma que o laudo confrontou apenas informações sobre o funcionamento do airbag e as características da colisão. A conclusão do perito foi de que, apesar de identificar o choque, o sistema interpretou que as condições de desaceleração não eram suficientes para acionar o dispositivo. A sentença acolheu o laudo pericial. “Nada indica que o air bag instalado pela fabricante, quando do aci-

Pista livre

DIVULGAÇÃO

Onda

Os primeiros frutos do One já são conhecidos com os novos Fusion, Focus, Ranger e EcoSport, com a montadora norte-americana conseguindo recuperar uma boa fatia do mercado puxando o freio de mão das vitoriosas coreanas e japonesas tanto no MERCOSUL com nos demais continentes. Nos próximos 18 meses vem à segunda “wave” (onda), aguardada com muita expectativa tanto pelos fiéis usuários da marca como os potenciais migrantes.

Catálogo

Esse ano a Ford lançará globalmente 23 novos modelos, praticamente o dobro do ano passado. Para nós estão reservadas cinco grandes surpresas, a saber: o Novo Edge, Novo Ka (hatche sedã) e as novas gerações do fora de estrada, o Troller T4 – um verdadeiro jipão de guerra – e do utilitário Transit. E no ano que vem será vez do SUV Kuga – que faz grande sucesso na Europa – e os dois mais aguardados pelos fissurados em carros, o Fiesta ST e a sexta geração do Mustang. Nas próximas edições vamos mostrar cada um deles.

Fiorino

A nova geração do novo furgão da Fiat, o Fiorino vem para emplacar de vez um lugar de estaque para

ajudar a montadora italiana a emplacar o décimo terceiro título consecutivo no “share” nacional. Deixou o estilo quadradão para assumir uma postura mais arredondada, com a cara do Novo Uno e a traseira com um aspecto semelhante ao Dobló, inclusive, as lanternas traseiras.

Manual

A maioria dos VW Golf a serem comercializados no País deve vir com a transmissão automática (DSG). Mas existem os puristas, aqueles que não suportam deixar de mexer com os dois pés o conjunto embreagem, freio acelerador. Foi para eles que a montadora alemã criou o 1.4 com câmbio manual de seis marchas. Ele começa custando no modelo de entrada a R$ 67,99 mil e vale o que pesa.

Borracha

Muitas partes dos carros como a lataria, ferro, vidros e plásticos hoje são totalmente reciclados. Mas no Brasil o reaproveitamento dos pneus está mais para condomínios de mosquitos do que sua transformação em energia. Nos EUA os 140 milhões de pneus descartados anualmente são enviados para 29 fábricas e lá submetidos às maquinas trituradoras. O trabalho é tão sério que em algumas cidades a coleta é feita diariamente por grandes caminhões.

Reaproveitamento

Das máquinas saem pequenos pedaços de borracha de apenas dois centímetros, que depois são transformados em pó, muito usadas em quadras de gramado sintético para amortecer a bola e ralar os joelhos dos jogadores. Os fiapos de tecidos liberados na trituração são separados por grandes ventiladores, coletados e vendidos como fonte de combustível. As cintas de aço são atraídas por grandes imãs e depois comercializadas por sucatas. E no Brasil?

Auto Pista

dente, não foi acionado pelo sistema de comando, em razão de defeito no produto, mas por ausência das condições especificadas no manual para o seu funcionamento. Não procede, assim, os pedidos indenizatórios formulados pela autora”, concluiu o juiz. O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS) também negou o pedido da motorista. Para o TJRS, como não ficou provada a existência de falha no sistema de acionamento do airbag, “as consequências processuais negativas deveriam ser suportadas pela consumidora, que falhou em sua oportunidade de provar os fatos constituti-

vos de seu direito”. No STJ, entretanto, o ministro Luis Felipe Salomão, relator, observou que as decisões de primeira e segunda instância foram contrárias ao entendimento já consolidado no STJ. “Não poderia o acórdão ter repassado os encargos da prova para a consumidora com o fito de isentar a fornecedora pela responsabilidade de seu produto”, disse Salomão. Solução encontrada no Código de Defesa do Consumidor O relator destacou que o parágrafo 3º do artigo 12 do Código de Defesa do Consumidor (CDC) estabe-

lece que o fornecedor só não será responsabilizado se provar: I - que não colocou o produto no mercado; II - que, embora haja colocado o produto no mercado, o defeito inexiste; III- a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro. “É a diferenciação já clássica na doutrina e na jurisprudência entre a inversão ‘ope judicis’ (artigo 6º, inciso VIII do CDC) e inversão ‘ope legis’ (artigo 12, parágrafo 3º e artigo 14, parágrafo 3º do CDC)”, disse. Segundo o STJ, a partir desta decisão, toda ação da mesma natureza poderá usar o caso do Rio Grande do Sul como anexo ao processo.

Praticantes de patins estão correndo sérios riscos de atropelamentos na Zona Norte da cidade. Depois das 21h00, quando o trânsito fica mais calmo, eles aproveitam os aclives e declives desde a Rua Guanabara, bairro do Pacoval, sobem com bastante velocidade a ponte Sérgio Arruda e passam a usar a ciclovia, passeio público e laterais da Rua Adilson Pinto Pereira até a entrada da Rodovia do Curiaú. –x-x-x-xSó não ultrapassam para a BR 210 com medo da fiscalização da Polícia Rodoviária federal (PRF). -x-x-x-x- Muitos patinadores fazem manobras perigosas passando do passeio para a via e vice-versa. Quando acontecer uma fatalidade, então vão tomar as providências. –x-x-x-x- Quase 90% dos acidentes com grandes traumatismos que chegam ao Hospital de Emergências tem como protagonistas motociclistas e ciclistas. –x-x-x-x- E o desvio na BR 156 próximo ao município de Ferreira Gomes, daqui a pouco vai completar aniversário. Desvio pessimamente sinalizado com sinais de que já faz tempo que ninguém mexe na obra. A responsabilidade da fiscalização é do DNIT. E quem fiscaliza o DENIT?-x-x-x-x- “Quando ele der com os burros n’água ele aprende?”. Essa expressão é comumente usada para alertar para algum perigo. Surgiu no Brasil no período colonial, onde tropeiros que escoavam a produção de ouro, cacau e café, precisavam ir da região Sul a Sudeste sobre burros e mulas. E pelas faltas de estradas adequadas os animais trotavam por caminhos muito difíceis e locais alagados, onde alguns morriam afogados. Daí em diante o termo passou a ser usado para se referir a alguém que faz um grande esforço para conseguir algum feito e mão consegue ter sucesso. –x-x-x-x- Freando... e torcendo para não dar com os carros nos buracos da cidade. -x-x-x-x- Mesmo assim: Bom Domingo!


Carro&Moto

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 26 e 27 de janeiro de 2014

Dia Nacional do Fusca é marcado por homenagens pelo Brasil

C3

Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Fusca é um dos modelos mais queridos do mundo. Aqui no Brasil, foi fabricado de 1959 a 1986 e depois de 1993 a 1996 em São Paulo Vrum

L

endário, apaixonante e único são características suficientes para descrever o significado do Volkswagen Fusca, na vida dos amantes do mundo automotivo. O compacto tem fama mundial e, por isso, ganhou uma data especial, válida em todo o Brasil. É o Dia Nacional do Fusca, comemorado na última segunda-feira (20). O besouro também tem uma data de celebração mundial, 22 de junho. No Brasil, o dia foi marcado com encontros de amantes do modelo em todo o país. Em alguns lugares, a comemoração foi antecipada, como em Pernambuco, onde uma exposição dos modelos antigos foi ocorreu no último domingo (19), na Praça de Casa Forte, Zona Norte do Recife. O evento organizado pelo Clube do Fusca de Pernambuco e o Clube do Automóvel Antigo de Pernambuco (CAAPE) também contou com outros clubes de veículos amigos como o PUMA e o de Cangaceiros. O vice-presiden-

te do CAAPE, Paulo Bom pastor explica que o encontro foi aberto ao público e teve a presença de quase 80 veículos, desde associados e não associados. “Foi um momento de homenagem. Muitos fãs e simpatizantes foram ver a nossa exposição e tirar fotos com os modelos. Isso mostra que a importância do Fusca e sua influência no mundo do automotivo não foi ficou só na história”. O Clube do Fusca de Belo Horizonte também antecipou o encontro para o domingo, em frente ao Museu Abílio Barreto, na Região Centro-Sul da cidade. Porém, o maior encontro, promovido pelo Portal do Fusca, foi marcada para o próximo domingo (26), no estacionamento G6 do shopping Estação BH, na região de Venda Nova. Um dos maiores encontros em comemoração ao Dia Nacional do Fusca ocorreu também no último domingo em São Bernardo do Campo (SP), município que sedia a fábrica da Volkswagen, e onde o modelo foi produzido até 1996. O São Bernardo Plaza Shopping recebeu ainda outros modelos como Variant, Brasília, Kombi, Karmann-Guia e SP2. Os proprietários tiveram que levar dois quilos de alimentos, que foram doados a uma instituição de caridade. No total, foram expostos 1,2 mil veículos. História no Brasil Os primeiros Volkswagens Sedan, como era chamado o Fusca, come-

çou a ser fabricados na Alemanha e chegaram ao Brasil em 1950. Pequeno, com motor traseiro refrigerado a ar e um design totalmente diferente do tradicional à época, quando as ruas eram dominadas por grandes sedãs, o carro chamava a atenção por onde passava. Mas sua capacidade de transportar até cinco pessoas, baixo consumo de combustível e resistência mecânica, logo começaram a conquistar compradores. O Volkswagen começou a ser montado no país, com componentes importados, já em 1953. A produção no Brasil começou em 1959, na primeira fábrica da Volkswagen fora da Alemanha, em São Bernardo do Campo, onde seriam feitas mais de 3 milhões de unidades. A história do Fusca no Brasil tem uma particularidade: o retorno da fabricação em 1993, sete anos após sua paralisação, em 1986. A pedido do então presidente da República, Itamar Franco, o carro voltou a ser produzido, em uma versão movida exclusivamente a etanol, e parou de ser fabricado em 1996. O Fusca foi o carro mais vendido no Brasil por 24 anos consecutivos, marca que foi superada apenas em 2011, por outro modelo Volkswagen: o Gol, que chega agora ao 27º ano de liderança em vendas no mercado nacional. Internacionalmente, o Fusca continuou a ser fabricado no México – onde é conhecido como “Vocho” – até 2003.

DIVULGAÇÃO

NO BRASIL, o dia foi marcado com encontros de amantes do modelo em todo o país

Fabricantes tentam turbinar vendas com lançamentos Fenabrave

O

desafio para a indústria automobilística brasileira em 2014 é lidar com um mercado estagnado e forte concorrência entre as fabricantes. Duas novas fábricas serão inauguradas até julho, a da japonesa Nissan em Resende (RJ) e a da chinesa Chery em Jacareí (SP). “Será um ano de bastante competição, muitas promoções e vai crescer quem tiver produto novo”, diz Marcelo Cioffi, da PwC. A tendência é que as quatro grandes marcas vejam sua fatia do bolo diminuir ainda mais. Em 2013, a participação de Fiat, Volkswagen, GM e Ford nas vendas foi de

67,5%. Em 2000, era de 85%. Nos EUA, as três grandes (GM, Ford e Chrysler) detêm 46,3% das vendas. Um dos primeiros lançamentos do ano será o do compacto up!, da Volkswagen, em fevereiro. O modelo deve ser o mais barato da marca e é a grande aposta para recuperar mercado. Em 2013, a Volks registrou 13,2% de queda nas vendas e quase perdeu o segundo posto no ranking nacional para a GM, que cresceu 1,1% em razão de ter renovado toda sua linha de produtos (ver quadro). Também em fevereiro a Ford deve lançar oficialmente o novo Ka.

O pior desempenho no País, entretanto, foi o da Nissan, com recuo de 25,7% nos negócios. A empresa traz grande parte dos modelos vendidos no Brasil do México e ficou restrita à cota estabelecida pelo país desde 2012. “A inauguração da fábrica no Rio, prevista para este semestre,nos dá condições de voltar a crescer”, diz o diretor de marketing, Carlos Murilo Moreno. A unidade fará o compacto March e o sedã Versa, ambos atualmente importados. A meta da Nissan para este ano é ganhar pelo menos 1 ponto de participação no mercado e chegar aos 3%.


C4

Informe Publicitรกrio

Macapรก-AP, domingo e segunda-feira, 26 e 27 de janeiro de 2014

Jornaldodia27012014  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you