Page 1

MACAPÁ-AP, TERÇA-FEIRA, 17 DE ABRIL DE 2018 - ANO XXXI

• EDIÇÃO VALOR R$ 2,00

* FUNDADO EM 04 DE FEVEREIRO DE 1987

GERAÇÃO DE RENDA

Irregularidades

MP RECOMENDA QUE ÁREA DE ALIMENTAÇÃO DO HCAL SEJA INTERDITADA B1

Nova indústria de polpa de açaí será instalada no estado

Com a instalação, empresa irá gerar mais de 40 postos de emprego a partir do segundo semestre. A4

Danos: CPI irá investigar mineradoras que atuaram no Amapá

OS TRABALHOS VISAM APURAR DESDE AS INSTALAÇÕES DAS EMPRESAS NO ESTADO E SEU FUNCIONAMENTO, ATÉ SUAS RESPONSABILIDADES NO DESMORONAMENTO DE UM PORTO HÁ CINCO ANOS.

As empresas mineradoras Anglo American e Zamin

Amapá serão investigadas por uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), criada pela Assembleia Legislativa do Amapá (Alap). O objetivo da CPI é apurar a participação das empresas e suas subsidiárias em negociações de exploração de minério de ferro. nA4 DIVULGAÇÃO

DIVULGAÇÃO

CASOS são investigados pela Polícia Civil

FIM DE SEMANA

Cinco homicídios são registrados em Macapá Execuções foram registradas entre a noite de sexta-feira (13) e a manhã de domingo (15). Monitor da violência aponta 24 mortes ocorridas em fevereiro no Amapá. nB4

REDE E-TEC

Inscrições abertas para bolsas profissionais do programa

INVESTIGAÇÃO LIVRE DE AFTOSA A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), terá que apresentar resultados dentro de 120 dias

O valor das bolsas varia conforme a função e as horas trabalhadas. Os profissionais poderão se inscrever até o dia 18 nB2

ACERVO (MTUR) DIVULGAÇÃO

A CAPITAL AMAPAENSE conta com 60 fotografias de diversos atrativos turísticos locais

“MTUR DESTINOS”

Acervo fotográfico destaca turismo em Macapá

A ferramenta do Ministério do Turismo destaca os principais pontos turísticos da capital, incluindo aspectos culturais regionais como a culinária, o artesanato e a religiosidade em 60 fotografias. nA3

NESTA EDIÇÃO CADERNO A............................4Pag. CADERNO B............................4Pag. CLASSIDIA..............................8Pag.

UM ESTUDO APONTOU QUE EXISTE 30% de chance de que o óleo extraído durante exploração atinja os corais da Amazônia.

COSTA DO AMAPÁ Pesquisadores encontram corais em área que poderá ter exploração de petróleo

Pesquisadores brasileiros localizaram corais da Amazônia, escondidos no fundo do Oceano Atlântico, em uma área que poderá ser liberada para a exploração de petróleo. A descoberta foi feita durante missão científica, em busca de evidências do bioma. De acordo com os pesquisadores, os corais da Amazônia estão localizados entre 70 a 220 metros de profundidade na costa ao longo dos estados de Maranhão, Pará e Amapá. nA3

NA INTERNET: www.jdia.com.br/portal2 - REDAÇÃO: 99157-0560 / 98130-3838 - COMERCIAL: comercialjd.2011@.gmail.com 3217.1100 / 99902-3326


MACAPÁ-AP, TERÇA-FEIRA, 17 DE ABRIL DE 2018 - ANO XXXI

• EDIÇÃO VALOR R$ 2,00

* FUNDADO EM 04 DE FEVEREIRO DE 1987

GERAÇÃO DE RENDA

Irregularidades

MP RECOMENDA QUE ÁREA DE ALIMENTAÇÃO DO HCAL SEJA INTERDITADA B1

Nova indústria de polpa de açaí será instalada no estado

Com a instalação, empresa irá gerar mais de 40 postos de emprego a partir do segundo semestre. A4

Danos: CPI irá investigar mineradoras que atuaram no Amapá

OS TRABALHOS VISAM APURAR DESDE AS INSTALAÇÕES DAS EMPRESAS NO ESTADO E SEU FUNCIONAMENTO, ATÉ SUAS RESPONSABILIDADES NO DESMORONAMENTO DE UM PORTO HÁ CINCO ANOS.

As empresas mineradoras Anglo American e Zamin

Amapá serão investigadas por uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), criada pela Assembleia Legislativa do Amapá (Alap). O objetivo da CPI é apurar a participação das empresas e suas subsidiárias em negociações de exploração de minério de ferro. nA4 DIVULGAÇÃO

DIVULGAÇÃO

CASOS são investigados pela Polícia Civil

FIM DE SEMANA

Cinco homicídios são registrados em Macapá Execuções foram registradas entre a noite de sexta-feira (13) e a manhã de domingo (15). Monitor da violência aponta 24 mortes ocorridas em fevereiro no Amapá. nB4

REDE E-TEC

Inscrições abertas para bolsas profissionais do programa

INVESTIGAÇÃO LIVRE DE AFTOSA A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), terá que apresentar resultados dentro de 120 dias

O valor das bolsas varia conforme a função e as horas trabalhadas. Os profissionais poderão se inscrever até o dia 18 nB2

ACERVO (MTUR) DIVULGAÇÃO

A CAPITAL AMAPAENSE conta com 60 fotografias de diversos atrativos turísticos locais

“MTUR DESTINOS”

Acervo fotográfico destaca turismo em Macapá

A ferramenta do Ministério do Turismo destaca os principais pontos turísticos da capital, incluindo aspectos culturais regionais como a culinária, o artesanato e a religiosidade em 60 fotografias. nA3

NESTA EDIÇÃO CADERNO A............................4Pag. CADERNO B............................4Pag. CLASSIDIA..............................8Pag.

UM ESTUDO APONTOU QUE EXISTE 30% de chance de que o óleo extraído durante exploração atinja os corais da Amazônia.

COSTA DO AMAPÁ Pesquisadores encontram corais em área que poderá ter exploração de petróleo

Pesquisadores brasileiros localizaram corais da Amazônia, escondidos no fundo do Oceano Atlântico, em uma área que poderá ser liberada para a exploração de petróleo. A descoberta foi feita durante missão científica, em busca de evidências do bioma. De acordo com os pesquisadores, os corais da Amazônia estão localizados entre 70 a 220 metros de profundidade na costa ao longo dos estados de Maranhão, Pará e Amapá. nA3

NA INTERNET: www.jdia.com.br/portal2 - REDAÇÃO: 99157-0560 / 98130-3838 - COMERCIAL: comercialjd.2011@.gmail.com 3217.1100 / 99902-3326


A2

Opinião

Macapá-AP, terça-feira, 17 de abril de 2018

O fim do império do fuzil Raphael Mattos

A

população do Rio de Janeiro se acostumou de tal forma à barbárie que perdeu a capacidade de estranhar um fenômeno singular: convivemos com fuzis em nosso cotidiano como se fosse normal. Roubam-se padarias de fuzil em punho, roubam-se carros usando fuzis. A polícia, para estar em pé de igualdade, se arma deles. Cidades de veraneio já os recebem, como forma de proteção de território e de combate contra as forças policiais. A banalização de seu uso é gritante. Mas tratamos do assunto como se fosse normal. Não atentamos para o fato como ele é: são armas de guerra. Seu uso, mais do que crime, é um ato de terror. Essa desatenção tem um custo. Ela provoca um encorajamento dos bandidos, que usam a arma não para assaltar, mas para demonstrar força e dissuadir as reações contrárias de quem estiver portando armas menores. Inclusive a polícia. O bandido famoso só é temido por causa de seu poder de fogo, a facção cri-

minosa só é mais violenta por causa de seu poder de fogo, tudo isso baseado no armamento que possuem. Tirar os fuzis das ruas é uma medida urgente porque terá efeitos em cascata. A começar pela contenção desse encorajamento das gangues armadas. Devemos recompensar quem apreende um fuzil à altura da importância social que isso tem. Recompensar de verdade, com valores significativos: R$ 10 mil, R$ 15 mil por peça apreendida. E à medida em que forem diminuindo as apreensões, aumentam-se os incentivos. Esqueçamos as caçadas humanas para prender chefes de quadrilhas. Nossa próxima “estação de caça” deve ser aberta contra o fuzil. Sem dúvida será um incentivo à polícia. Andar armado com ele — rotina sobretudo nas comunidades dominadas por traficantes — não será um bom negócio. Assaltar à luz do dia utilizando-se fuzis, muito menos. Com o tempo, se bem-sucedida, a inciativa fará com que

a polícia retome sua posição privilegiada nos confrontos, nos quais será respeitada. Policiais são forçados a atuar como soldados de guerra. Daí é legítimo a recompensa para quem há muito tempo já faz mais do que lhe é cabível. Adota-se uma política de segurança não contra as pessoas, mas contra o que, nas mãos de qualquer um, pode fazer um mal cada vez maior, ceifando vidas, mutilando corpos e tirando a paz, questão básica para uma sociedade civilizada. Como a dita política de pacificação não funcionou, adotemos então uma política econômica da oferta e procura, estimulando a entrega dessas armas. Dimi-

nuindo-se o uso de fuzil, a população terá um alento. Os casos de balas perdidas diminuirão, pois, o alcance descomunal dessas armas que espalham o terror para muito além das regiões centrais dos conflitos armados. Policiais poderão cumprir seu dever correndo riscos menores. Já podemos imaginar quantos benefícios virão em não termos e sentirmos a todo tempo que um fuzil pode estar apontado em nossa direção. Quem sabe assim teremos um futuro que seja melhor para nossos filhos do que tem sido o presente para nós. *Raphael Mattos é advogado.

O uso dos nomes em vão Gaudêncio Torquato

“N

ão tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão, porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão”. (Êxodo, capítulo 20, versículo 7). O estágio civilizatório de um povo é medido por grandes e pequenos atos, entre as quais avanços, descobertas, tecnologia, desenvolvimento econômico e social, este último compreendendo formas de pensar e de agir, atitudes e gestos. A cultura política, portanto, deriva da forma de pensar e agir daqueles que dela participam, representantes do povo, governantes e simpatizantes, entrando aqui os militantes. Quando esses grupos assumem posições que descambam para o perigoso terreno da galhofa, é razoável intuir que a régua civilizatória do território em que habitam está meio torta. Algo parece fora do tom. Sinais extraídos dos climas emotivos que animam bandas partidárias apontam para resquícios de barbárie, passos erráticos, movimentos canhes-

tros, coisas ridículas. Querem um exemplo? A decisão de deputados e senadores do PT de solicitar aos presidentes das duas Casas congressuais a adição do nome Lula às suas respectivas designações parlamentares. Na contrapartida, adversários começam a solicitar que também a seus nomes seja agregado o sobrenome Moro, em referência ao prestigiado juiz Sérgio, de Curitiba. Uma ridicularia de primeira grandeza. Manobra oportunista, demagógica, sob o cobertor de um marketing mentiroso a ser intensificado nos próximos tempos, face à polarização aberta e ao tiroteio recíproco entre as alas do lulo-petismo e adversários encastelados em alguns partidos. Na ponta direita, a decisão destemperada dos petistas gera também a incorporação do sobrenome Bolsonaro aos nomes dos parlamentares alinhados ao presidenciável e deputado Jair. Uma comédia. Ou, para outros, uma farsa. É evidente que a incorporação de sobrenomes e apelidos aos nomes próprios de conjuntos parlamentares faz parte do jogo de pressões e contrapres-

Editado por Omega Publicidade Ltda. Rua Mato Grosso, 296 A - Bairro Pacoval CEP. 68.908-350 - Macapá-AP CNPJ 03.926.197/0001-82 Fundado em 4 de fevereiro de 1987 por Otaciano Bento Pereira(*1917 +2006) e Irene Pereira(*1923 +2011) 1º Presidente: JÚLIO MARIA PINTO PEREIRA 1987 a 1991 - (*1954 +1994)

Presidente em Exercício: LÚCIA THEREZA PEREIRA Editor chefe: CAROLINE MIRANDA DE LIMA Consultoria Jurídica: RAMON BATISTA DO RÊGO (OAB/AP 1453)

ÍNDICE Opinião .....................A2, A3 Social..........................A4 Geral ..........................B1,B2,B3 Polícia .......................B4

sões que permeará todo o processo eleitoral, que ora se inicia. Que significado os recém batizados tentam impingir ao eleitor? A luta do Bem contra o Mal. Cada lado quer aparecer como o Bem. Todos vestem a pele do mocinho, deixando o traje de bandido para o outro. Repúdio a Darth Vader e aplausos para Luke Skywalter, de Star Wars. Robin Hood contra os ricos. Mas a questão é: quem pode no PT envergar o manto de Robin Hood quando se sabe que este partido se meteu na rapinagem geral? As bandas tentarão amplificar seus slogans até as eleições. Como é sabido, a Operação Lava Jato, em curso, é um processo de corrupção sistêmica que se desenvolveu na era lulo-petista-dilmista, na sequência de outra operação chamada de mensalão. Partidos e grupos entraram nesse rolo. E hoje quem mais luta para aparecer como os limpos, os assépticos, os vestais, os donos da ética e da moral? Os petistas, com apoio de partidos que não se envergonham de ecoar o mito Lula. Foi o que se viu durante o comício de Lula no Sindicato dos Me-

Endereços Redação, Administração, Publicidade e Oficinas: Rua Mato Grosso, 296 A Pacoval, Macapá (AP) CEP 68.908-350 E-mails Pautas e contatos com a redação: jornaldodia@jdia.com.br Departamento Comercial: comercialjd.2011@gmail.com JD na Internet: www.jdia.com.br VIA CELULAR: m.jdia.com.br

*Gaudêncio Torquato, jornalista, é professor titular da USP, consultor político e de comunicação.

Representante comercial J.C. Representações e Publicidades Ltda. Av. Rio Branco, 173 / 602 e 603 Centro - Rio de Janeiro - CEP 20040-007 CNPJ 30.868.129/0001-87 Telefax: RJ (21) 2262-7469 2262-8116 / 2533-1133 SP (11) 3223-7551 BRASÍLIA (61) 3328-4108 Contatos: Fale com a redação (96) 3217-1117 - (96) 3217-1108 Fale com o departamento comercial (96) 3217-1100 / 3217-1111 Geral (96) 3217-1110

Conceitos emitidos em colunas e artigos são de responsabilidade de seus autores e nem sempre refletem a opinião deste jornal. Os originais não são devolvidos, ainda que não publicados. Proibida a reprodução de matérias, fotos ou outras artes, total ou parcialmente, sem autorização prévia por escrito da empresa editora.

Acompanha o

caderno de ClasssiDia 8pág. Geral ...........................C1 Esporte ......................C2 Cultura .......................C3 Geral ...........................C4

talúrgicos de São Bernardo, antes de sua decisão se entregar à Policia Federal. O Brasil viu um momento triste – a prisão de seu maior líder popular – se transformar em um espetáculo onde não faltaram emoção, bandeiras vermelhas e agressão. Lula é realmente um craque. O que deveria ser velório ganhou clima de festa. E com as bênçãos de religiosos. O fato é que as “qualidades morais” dos protagonistas da esfera eleitoral serão exibidas, sob uma teia de simulações e dissimulações, versões sem eira nem beira, e, pior, com a apropriação de sobrenomes de outros. O eleitor menos esclarecido poderá ser engabelado. Seu voto seria também em personagens que não o representante. Arrematada mistificação. Ninguém será inocente usando o nome de Deus em vão, diz a Bíblia. Na esfera política, os oportunistas terão mais chance de entrar nos desvãos do inferno.

Aos domingos Veículos ....................D1,D2,D3 Informe .....................D4

Edição número

9545

A bomba fiscal e a LDO O Estado de S. Paulo

D

esarmar a bomba fiscal para evitar um desastre no primeiro ano do próximo governo é uma das tarefas mais complexas e mais assustadoras da recém-nomeada equipe econômica. Se tudo correr de acordo com as previsões oficiais, o presidente que será eleito em outubro chegará ao fim de 2021, terceiro ano de seu mandato, ainda com um déficit de R$ 70 bilhões nas contas primárias do governo central. Não terá ainda conseguido um centavo, portanto, para pagar os juros e frear o crescimento da dívida pública. Será impossível afastar o risco da insolvência, em 2022 ou pouco mais tarde, sem a reforma do sistema de aposentadorias e pensões. Mas o desafio mais próximo, o de programar as finanças fedeA solução prerais para 2019, já é basventiva paretante grave para concentrar as atenções ce bem concebida, do pessoal do Planejamento e da Fazenda e à primeira vista, dos membros mais sé- mas especialistas rios e respeitáveis do Congresso Nacional. têm dúvidas sobre Garantir o cumprimento da chamada re- a possibilidade de gra de ouro das finan- vincular despesas ças públicas, em 2019, foi uma das preocupa- obrigatórias à ções da equipe econô- aprovação de crémica ao montar o projeto da Lei de Diretrizes dito espeOrçamentárias (LDO), recém-apresentado ao cial. Legislativo. Aquela regra proíbe endividar o Tesouro para cobrir gastos de custeio, como salários do funcionalismo, contas de luz e outras despesas do dia a dia. Descumprir essa norma pode sujeitar o presidente da República a processo por crime de responsabilidade. Como prevenção, foi incluída no projeto da LDO uma autorização do Congresso para um crédito suplementar ou especial. Esse remédio é previsto na Constituição, mas depende de aprovação no Legislativo. Sem esse dinheiro, o governo ficará impossibilitado de custear certos gastos obrigatórios ou terá de estourar limites legais, como a meta do déficit primário. A solução preventiva parece bem concebida, à primeira vista, mas especialistas têm dúvidas sobre a possibilidade de vincular despesas obrigatórias à aprovação de crédito especial. O assunto deverá render discussão nas próximas semanas. Prevista para aprovação até o fim do semestre, a LDO condiciona, formalmente, a elaboração da proposta de Orçamento a ser enviada ao Congresso até 31 de agosto. Se esse ponto for resolvido de forma satisfatória, sobrarão poucas dúvidas importantes quanto ao conteúdo da LDO. De modo geral, as condições econômicas tomadas como referência para os cálculos são próximas daquelas projetadas pelos especialistas. Segundo o documento, o Produto Interno Bruto (PIB) crescerá 3% em 2019, 2,4% em 2020 e 2,3% em 2021. A inflação chegará a 4,2% no próximo ano e ficará em 4% nos dois seguintes. A taxa básica de juros deverá situar-se, em média, em 7,7% em 2019 e depois em 8% até o fim do período considerado. Os limites do déficit primário, isto é, sem a conta de juros, foram fixados em R$ 139 bilhões, R$ 110 bilhões e R$ 70 bilhões. Nos três anos, como tem ocorrido regularmente, o Tesouro será superavitário, mas o déficit da Previdência mais que anulará esse resultado e jogará o saldo geral das contas no vermelho. O buraco previdenciário crescerá de 2,76% do PIB em 2019 para 3,08% em 2021. Outras despesas declinarão, mas o esforço de ajuste será severamente condicionado à redução das despesas discricionárias. Aí se incluem os investimentos públicos. Sem a arrumação da Previdência, o governo continuará reduzindo a aplicação de recursos em obras essenciais para a economia. De modo geral, o projeto da LDO revela um esforço de prudência e de realismo. Só receitas de concessões já realizadas foram incluídas nas contas. Se houver empenho na busca de parceria com o setor privado, o ingresso de recursos no Tesouro poderá ser superior ao previsto. Mas a prudência é mesmo a atitude mais aconselhável em qualquer programação financeira. Isso vale especialmente quando a maioria dos envolvidos no jogo político mais atrapalha do que ajuda a gestão do dinheiro público. Desajustado estruturalmente, o Orçamento tem sido mais um problema do que um instrumento para execução de políticas e realização de inovações econômicas e sociais. A recuperação do instrumento só virá com ajustes e reformas.


Opinião

Macapá-AP, terça-feira, 17 de abril de 2018

Costa do Amapá: pesquisadores encontram corais em área que poderá ter exploração de petróleo

DIVULGAÇÃO

Estima-se que corais encontrados ocupem uma área de aproximadamente 56 mil quilômetros quadrados, equivalente ao tamanho do estado do Rio de Janeiro. Um estudo Da Redação

P

esquisadores brasileiros localizaram corais da Amazônia, escondidos no fundo do Oceano Atlântico, em uma área que poderá ser liberada para a exploração de petróleo. A descoberta foi feita durante missão científica, em busca de evidências do bioma. De acordo com os pesquisadores, os corais da Amazônia estão localizados entre 70 a 220 metros de profundidade na costa ao longo dos estados de maranhão, Pará e Amapá. O local é alvo de exploração de petróleo, onde a empresa francesa Total aguarda apenas a licença do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para iniciar a extração do produto. No local, pesquisadores estimaram que os corais da Amazônia ocupam uma área de aproximadamente 56 mil quilômetros quadrados, equivalente ao tamanho do estado do Rio de Janeiro. Sendo considerado o maior recife do Brasil e um dos maiores do mundo. Segundo eles, esta foi a primeira vez que tiveram imagens exclusivas do bioma, onde identificaram mais de 40 espécies de corais, 60 de esponjas, 70 espécies de peixes, lagostas, estrelas-do-mar e entre outros. De acordo com os pesquisadores, a região é refúgio de peixes que já desapareceram da costa brasileira, como o mero. A descoberta será publicada em um artigo cientifico nas próximas semanas. A expedição, que

e 25, o Batalhão de Policiamento Rodoviário Estadual abordou 1.054 veículos, 599 Carros e 455 motocicletas.

exigiu mais de um ano de planejamento, se estende até em maio. Riscos de atingir corais Segundo os pesquisadores, as informações devem ser repassadas para evitar um dano ambiental no local, tendo em vista, a exploração de petróleo. "Além disso, esse petróleo chega mais perto da costa e dos rios brasileiros na Amazônia, região com um dos maiores mangues do planeta. Estamos falando de uma ameaça a diversas populações de pescadores, extrativistas, ribeirinhos e povos indígenas”, disse Fabiano Thompson, pesquisador da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), também a bordo do navio. O Estudo de Impacto Ambiental nas áreas disponíveis para a exploração de petróleo apontou que existe 30% de chance de que o óleo atinja os Corais da Amazônia, que já e considerado por cientistas como um novo bioma da região. A evidência foi encontrada por cientistas do Greenpeace, ao analisarem pesquisas produzidas pela empresa Total. Para Thiago Almeida, da Campanha de Clima e Energia do Greenpeace Brasil, as empresas não se importam com os impactos ambientais. “As empresas estão dispostas a arriscar um derramamento de óleo pela busca por combustíveis fósseis. A queima desses combustíveis irá agravar as mudanças climáticas, que

já afetam milhares de pessoas ao redor do mundo (...). Investir em um setor que está fadado ao declínio é lamentável. Mas, arriscar o bem-estar de um tesouro natural que mal conhecemos é imperdoável” diz. Pedido de exploração recusado Em agosto de 2017, o Ibama anunciou que mais uma vez um estudo da empresa Total, sobre exploração de petróleo nas áreas da costa do Amapá, foi reprovado. A negativa foi a respeito de inconsistências no estudo sobre os impactos ambientais no local. Em documento emitido e divulgado pelo portal do Ibama, a presidente do órgão, Suely Araújo, destacou alguns problemas de impactos ambientais que precisam ser mais trabalhados, para que desta forma a exploração não prejudique a natureza.

Dentre as necessidades que deveriam ser feitas pela empresa, o Ibama reprovou várias, como Projeto de Caracterização e Monitoramento do Nível de Ruídos, Projeto de Monitoramento de Praias, Projeto de Caracterização de Avifauna em Ambiente Costeiro, Projeto de Levantamento Aéreo de Mamíferos Marinhos e Projeto de Monitoramento Ambiental (PMA). A organização de análise ainda disse que a ação da empresa já editou três vezes o texto do pedido, e todas as vezes tiveram reprovações. Caso a negativa volte a acontecer, o pedido poderá sofrer consequências. O processo de licenciamento para exploração de petróleo no local pela francesa Total e a britânica BP estão em suas etapas finais. O Ibama informou que o processo conduzido pela Total está em estágio mais próximo de decisão. DIVULGAÇÃO

“MTur Destinos”: Acervo fotográfico destaca turismo em Macapá Nathan Oliveira

N

o início deste mês de abril, o Ministério do Turismo lançou o “MTur Destinos”, uma plataforma que inclui com 169 cidades brasileiras, entre elas Macapá, como principais roteiros turísticos do país. Ao todo, a capital amapaense conta com 60 fotografias de diversos atrativos turísticos locais, registradas pelas lentes da fotógrafa Márcia Luzia Santos do Carmo. Entre as imagens registradas pela fotógrafa, estão pontos turísticos como a orla de Macapá, Fortaleza de São José de Macapá, Monumento Marco Zero do Equador, Estádio Zerão, APA do Curiaú, Igreja de

São José, Museu Sacaca, Praça Floriano Peixoto e a Casa do Artesão. Outros destaques são a culinária regional como o açaí, o camarão e o tacacá, além do artesanato local. O MTur Destinos trata-se de um banco de imagens que reúne os principais destinos de lazer, expondo fotografias de experiências, gastronomia e da cultura local de cada uma das cidades catalogadas. De acordo com o Ministério do Turismo, foram capturadas e categorizadas 5.880 imagens, neste primeiro momento. Todas as cidades inseridas na plataforma são consideradas como aquelas que têm vocação de lazer, fazem parte do Mapa do

Turismo Brasileiro e possuem fluxo de turistas domésticos e internacionais, além de empreendimentos regularizados e empregos gerados no setor. De acordo com Marx Beltrão, ministro do Turismo, “A partir de agora, os turistas que tiverem interesse em conhecer mais sobre seu próximo destino podem pesquisar na plataforma as imagens dos principais atrativos das cidades. Para os gestores públicos e empresários do setor esse banco também é uma conquista, uma vez que todos poderão utilizar, de forma gratuita, as imagens para ações publicitárias, feiras e promoção dos destinos”, afirma em entrevista divulgada pela Pasta.

MTur Destinos O banco de imagens faz parte de uma série de iniciativas do Ministério do Turismo para a promoção dos destinos brasileiros. A expectativa da Pasta é que o conteúdo seja atualizado periodicamente, para que outros destinos e atrativos turísticos de várias regiões do Brasil sejam incorporados à plataforma. Todo o acervo de imagens do “MTur Destinos” pode ser conferido através do site do Ministério do Turismo, no FLICKR, na internet. O conteúdo também está disponível para consulta e download totalmente gratuito por gestores e empresários do ramo turístico.

A3

A religiosidade petista

Denis Lerrer Rosenfield

O

ocaso petista está vindo acompanhado de formas políticas religiosas, alicerçadas na figura de Lula, considerado acima da lei, e na crença dos militantes de que seu líder máximo não seria um cidadão como os outros. À medida que o partido vai perdendo sua base social, seu discurso se descola da realidade, buscando principalmente uma maior adesão dos que já lhe são fiéis. O próprio PT torna-se um apêndice da vontade de seu chefe, colando seu destino ao dele. Discurso descolado, ruas ausentes. As manifestações prometidas pelas lideranças petistas após a prisão de Lula simplesmente não ocorreram. O PT chegou a anunciar que as cidades seriam tomadas por multidões. Os mais radicais chegaram a apregoar um clima de extrema instabilidade política, todos clamando em uníssono pela libertação de seu líder. O máximo que conseguiram foi uma manifestação com 2 mil a 3 mil pessoas em volta do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, com militantes trazidos de vários lugares. Um anticlímax, que expõe a falta de apoio popular ao PT e a Lula. O contraponto de um discurso descolado da realidade é uma forma de religiosidade política, que ganha a cena. O PT adota uma linguagem intramuros como se estivesse abandonando a pretensão de conquistar eleições num futuro próximo. Cerra fileiras em torno de uma liderança inconteste e não se abre para a sociedade. Refugia-se em seu gueto. Nesse processo, em vez de apostar numa refundação, o PT volta aos seus antigos dogmas, nada oferecendo para além da repetição dos seus erros. Nessa mudança de discurso a mentira torna-se um instrumento corrente de manipulação, pois reconhecer a verdade de seus crimes faria o partido expor toda a sua fratura interna e o fracasso de seu projeto. Em lugar do reconhecimento dos seus erros, temos seu encobrimento. As palavras começam a perder seu significado, só valendo, em seu uso demagógico, para que os crentes continuem acreditando numa concepção que perdeu a validade. Note-se que o estatuto do partido estipula que condenados devem ser expulsos da agremiação. Ninguém foi expulso e os condenados apenas se multiplicaram. Crime deixa de ser crime, corrupção deixa de ser corrupção, e assim por diante. A condenação e a prisão de Lula tornam-se expressões de uma “perseguição política”. O criminoso torna-se, então, um “prisioneiro político”. Alguns mais afoitos foram buscar uma analogia da situação atual do condenado com sua prisão durante o regime militar. A mensagem é de que haveria uma linha de continuidade entre esta prisão e aquela. É como se a prisão num contexto autoritário fosse igual à de um governo democrático e civil. Observe-se, ainda, que o processo de prisão de Lula foi o desfecho de um longo percurso por tribunais de primeira, segunda, terceira e quarta instâncias. Lula exerceu em todas essas etapas o seu direito de defesa, nada lhe tendo sido subtraído. No entanto, no exercício da mentira, surge a versão demagógica de que seu direito de defesa não teria sido assegurado. Para que a mentira não ganhe ares de mentira, de modo que não fique escancarada, é-lhe necessário um substrato, de preferência de cunho religioso. Lula fala como líder detentor de uma “verdade absoluta”, embora seja essa uma mentira, e o seu público militante é constituído por pessoas que acreditam nessa mensagem de forma incondicional. Isso significa que os que não compartilham essa crença são os infiéis, os inimigos, os que devem ser eliminados. É o discurso do “nós” contra “eles”. Lula diz defender a paz e prega o conflito e a discórdia. Note-se que uma das razões apresentadas por Lula e seus advogados para sua não apresentação à Polícia Federal no prazo estipulado pelo juiz Sergio Moro foi a de uma suposta missa por sua falecida esposa. Ora, de missa não teve sequer a aparência, tratou-se, na verdade, de um comício para fiéis. Houve um uso despudorado da religião, com alguns religiosos esquerdistas conferindo-lhe legitimidade, embora não estivessem, evidentemente, em função, o que foi assinalado posteriormente pelo cardeal de São Paulo. Importa ressaltar que a política petista ganhou um contorno religioso, adotando mais propriamente uma forma do teológico político. Lula não seria uma pessoa comum, mas a concretização de uma “ideia” que lhe sobreviveria, um “ideia”, portanto, de valor absoluto. Ele poderia ser encarcerado, porém a “ideia” que nele está incorporada seria perene. Por consequência, a lei não se aplicaria a ele, pois não estaria submetido às regras dos mortais, às leis de uma República e de uma democracia, pois sua posição o situaria acima da Constituição, embora a ela não cesse de fazer aparentemente reverência, uma espécie de concessão ao vulgo. Não pode ser julgado por nenhum tribunal, que desconheceria sua verdadeira natureza de tipo religioso. A negação da democracia é a outra face do teológico político. Logo, não restaria ao partido outro caminho senão o de sua radicalização, não se apresentando enquanto alternativa de poder numa sociedade democrática. Abandonou o discurso de apaziguamento que norteou a primeira eleição do presidente Lula. Voltou à sua antiga concepção, porém, no governo, levou o País ao descalabro econômico, com sérias repercussões sociais, procurando agora atribuir seus erros a outros, às reformas empreendidas pelo governo Temer. Transfere a ele seus próprios desacertos. Se, em sua primeira etapa de ascensão, sua radicalização poderia ser ainda considerada ingenuamente por alguns como moral, atualmente ela se fundamenta no encobrimento de sua imoralidade no exercício do poder, e no não reconhecimento de seus imensos erros em política econômica. A radicalização de agora não tem nenhum sonho a orientá-la, está ancorada na mentira e na mera demagogia de fundo religioso.

Nesse processo, em vez de apostar numa refundação, o PT volta aos seus antigos dogmas, nada oferecendo para além da repetição dos seus erros.

*Denis Lerrer Rosenfield é professor de filosofia na UFRGS.


A4

Geral

Macapá-AP, terça-feira, 17 de abril de 2018

Danos: CPI irá investigar mineradoras que atuaram no Amapá

Os trabalhos visam apurar desde as instalações das empresas no estado e seu funcionamento, até suas responsabilidades no desmoronamento de um Porto há cinco anos. A Comissão terá que apresentar resultados dentro de 120 dias. Da Redação

A

s empresas mineradoras Anglo American e Zamin Amapá serão investigadas por uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), criada pela Assembleia Legislativa do Amapá (Alap). O objetivo da CPI é apurar a participação das empresas e suas subsidiárias em negociações de exploração de minério de ferro, e suas obrigações na área cível, trabalhista e ambiental, além da responsabilidade no desmoronamento do Porto de Santana, em 2013. A portaria que institui a CPI das mineradoras foi publicada no Diário Oficial do Poder Legislativo na última sexta-feira (13). No documento de n° 1.142/2018 da Alap, o presidente da Casa, Kaká Barbosa, nomeou como membros titulares da Comissão as deputadas Roseli Matos (PP), Cristina Almeida (PSB) e Maria Góes (PDT), além dos parlamentares Oliveira Santos (PRB) e Jory Oeiras (PSDC). As vagas suplentes ficaram com Pedro DaLua (PSC), Aparecida Salomão (PSC) e Raimunda Beirão (PMB). A Portaria que instituiu essa Comissão Parlamentar de Inquérito, dispõe de cinco artigos, onde estão estabelecidos como a investigação deverá seguir. Para ajudar no trabalho, Kaká Barbosa colocou à disposição dos parlamentares, técnicos da Casa, membros credenciados, técnicos e entidades idôneas para assessoramento técnico. Quanto aos recursos

administrativos e de outras naturezas, necessários para que a investigação seja realizada, eles serão solicitados à Mesa Diretora da Alap e à administração da Casa, que irão suprir os pedidos da Comissão, conforme regulamento interno. De acordo com a Portaria, a CPI tem um prazo de 120 dias para concluir seu trabalho e apresentar resultados. Esse período passou a contar a partir da data da publicação do documento, mas pode ser prorrogado pelo mesmo período. De acordo com a Agência de Notícias da Alap, “a exploração do minério de ferro no Amapá, com a principal mina localizada no município de Pedra Branca do Amapari, começou em 2007, com a empresa MMX, de Eike Batista, que fez o primeiro carregamento em dezembro daquele ano. Com um potencial de produção de até 6 milhões de toneladas por ano, a mina de Pedra Branca e toda a estrutura integrada por ferrovia e porto foi vendida, em 2009, para a mineradora inglesa Anglo American, que explorou o minério até novembro de 2012, quando passou para a Zamin Amapá. Com a queda do porto de embarque, em 2013, e a crise econômica mundial, a atividade de mineração no estado tornou-se praticamente inviável, provocando desempregos e enfraquecendo a economia do estado”. Denúncia em plenário Na semana passada, o

AGÊNCIA AMAPÁ

DE ACORDO COM A PORTARIA, a CPI tem um prazo de 120 dias para concluir seu trabalho e apresentar resultados. Esse período passou a contar a partir da data da publicação do documento, mas pode ser prorrogado pelo mesmo período.

senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) realizou um pronunciamento no plenário do Senado Federal, onde denunciou a mineradora Anglo American por crimes socioambientais, ameaças de morte de cinco lideranças comunitárias e o não pagamento de indenizações aos parentes das vítimas fatais de desabamento no Porto de Santana. Além de denunciar, o parlamentar cobrou o pagamento das indenizações previsto no Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), acordado entre a empresa e o Ministério Público do Amapá (MPAP). O documento previa ainda a aplicação de medidas preventivas para a manutenção da barragem, que segundo Randolfe, está abandonada desde o incidente. “É evidente o total descompromisso com meio ambiente e a sociedade brasileira. Isso ficou patente no Amapá, e agora fica flagrante em Munas Gerais. Mais uma vez, os trabalhadores pagam o preço da total irresponsabilidade da Anglo American”, argumentou

o senador. Randolfe Rodrigues denunciou anteriormente o caso à comunidade acadêmica de Londres, na Inglaterra, local em que a sede da mineradora está localizada. Na época, a empresa enviou advogados à capital amapaense, Macapá, mas nenhuma medida para reparar os danos ambientais foi concretizada. “Seu corpo diretivo compreendeu perfeitamente a extensão das denúncias que apresentamos e, principalmente, que reconheceu ter responsabilidade sobre os ocorridos”, disse à Agência Senado. As denúncias foram ainda levadas ao Alto Comissariado da Organização das Nações Unidas (ONU). Além disso, uma audiência pública será realizada no Senado, com o objetivo de ouvir os dirigentes da mineradora. Desmoronamento A queda do Porto de embarque e desembarque de minério no município de Santana, a 17km de Macapá, ocorreu em 2013. No momento do desastre, caminhões, estruturas metálicas, ferra-

mentas de trabalho e uma grande quantidade de minério de ferro foram arrastados para dentro do rio Amazonas. No acidente, seis trabalhadores morreram. Os corpos de dois deles nunca foram encontrados Em janeiro deste ano, o Ministério Público Federal no Amapá (MPF/AP) pediu à Justiça Federal, a inclusão de quatro empresas do Grupo Econômico Anglo em uma Ação Civil Pública (ACP), que trata da reparação de danos ambientais causados pelo desmoronamento. Além disso, o órgão solicitou o bloqueio de R$ 100 milhões em recursos do grupo, a fim de garantir a restauração do dano ambiental. Na época do pedido do MPF, a mineradora emitiu uma nota de esclarecimento ao Jornal do Dia, onde explicou que o deslizamento ocorreu “em função de um colapso abrupto e inesperado do solo do Porto de Santana, conforme indicaram estudos realizados à época por especialistas em engenharia civil de instituições como Universidade de São Paulo (USP), PUC-

-Rio e Universidade do rio Grande do Sul. Portanto, sem qualquer responsabilidade que possa ser imputada à Anglo American”. Além disso, a mineradora afirmou que a compra da Zamin Ferrous, anteriormente responsável pela exploração mineral naquele local, iniciou em 2012, antes do acidente, mas só terminou em novembro de 2013, após o acidente. Segundo a empresa, as negociações ocorreram conforme a legislação brasileira e foi acompanhada pelo Governo do Estado do Amapá (GEA) E pela Assembleia Legislativa do Estado. Em relação à assistência dos parentes das seis vítimas fatais, o grupo econômico afirmou que está prestando assistência às famílias, e que além das indenizações já pagas, está arcando com taxas escolares dos filhos das vítimas. A mineradora conclui ainda: “estamos dispostos a colaborar, de maneira responsável, na elucidação das verdadeiras causas do acidente e na continuidade do atendimento às famílias”.

Nova indústria de polpa de açaí será instalada no Amapá AGÊNCIA PARÁ LUCIVALDO SENA

Luciana Cordeiro

F

oi autorizada na manhã da última segunda-feira (16), pelo Governo do Estado do Amapá (GEA), em conjunto com a Agência de Desenvolvimento Econômico do Estado (Agência Amapá), a instalação de mais uma indústria de polpa de frutas, mais especificamente de açaí, no Distrito Industrial de Macapá e Santana. De acordo com as informações do GEA, o investimento inicial da empresa Açaí do Fort, que será a responsável pela produção da polpa, deverá chegar a R$ 2 milhões e a produção deverá atingir de 16 a 20 toneladas de polpa por dia, equivalendo a um beneficiamento de 200 a 500 sacas diárias.

COM A INSTALAÇÃO, empresa irá gerar mais de 40 postos de emprego a partir do segundo semestre deste ano.

A expectativa é de que no segundo semestre deste ano, a empresa já comece os trabalhos, podendo gerar novos empregos nas áreas de cozinha, ad-

ministração, produção, entre outros. Em entrevista divulgada pelo Governo do Amapá, o sócio proprietário da empresa, Marcos da Silva, destacou a

decisão do governo como impulso para possíveis investimentos vindos tanto de dentro, quanto de fora do estado. “Esse trabalho do gover-

no de nos recepcionar e orientar quanto à documentação e apresentar novas oportunidades, é fundamental para que o investidor possa ampliar sua área de interesse de investimento no Estado. Sem dúvida isso nos permite investir com mais segurança”, assegurou o empresário. Ainda segundo o portal do governo, a Agência de Desenvolvimento Econômico, informou que o Amapá é o segundo maior produtor de açaí do Norte do Brasil, e também, o único que possui açaizal com certificado internacional de manejo, competência que tem forte influência sobre o desenvolvimento econômico do Estado. Outro objetivo do empresário Marcos da Silva, é

a exportação do produto e garantir o Selo de Origem – Selo Amapá, para identificação da origem do produto, podendo gerar mais valor e elevar o nome do estado. O selo deverá possibilitar reconhecimento nacional e internacional, e fortalecer a geração de empregos e avanço econômico na área de produção local. “Nosso objetivo é atender, não só o mercado interno, mas também o mercado externo. E como trata-se de uma empresa genuinamente amapaense, queremos levar o nome do Estado para o comércio exterior e apresentar o Amapá como uma região que oferece produtos de qualidade para exploração”, explicou o empresário ao portal do governo.


MACAPÁ-AP, TERÇA-FEIRA, 17 de abril de 2018

Rede E-TEC:

JOICE BATISTA

Fim de Semana: Cinco homicídios são registrados em Macapá

Inscrições abertas para bolsas profissionais do programa B2

Execuções foram registradas entre a noite de sexta-feira (13) e a manhã de domingo (15). Casos são investigados pela Polícia Civil. B4

MP recomenda que área de alimentação do HCAL seja interditada

Órgão constatou que irregularidades e inadequações apontadas durante inspeção em 2017 ainda não foram sanadas. SVS e a empresa responsável pela alimentação do hospital participaram de reunião. Redação

O

Ministério Público do Amapá (MP/AP), através da Promotoria de Justiça de Defesa da Saúde, expediu uma recomendação para que o espaço onde funciona o Serviço de Nutrição e Dietética (SND) do Hospital de Clínicas Alberto Lima seja interditado imediatamente. O espaço é dirigido pela empresa “Primo José”, responsável pelo fornecimento de alimentação de pacientes, acompanhantes e entre outros. Uma audiência entre equipe e superintendente da SVS, Dorinaldo Malafaia, e representantes da empresa foi realizada no

DIVULGAÇÃO

Tratamento da Hanseníase conta com equipamentos personalizados DIVULGAÇÃO

O ESPAÇO É DIRIGIDO pela empresa “Primo José”, responsável pelo fornecimento de alimentação de pacientes, acompanhantes e entre outros.

Complexo Cidadão da Zona Norte do MP, na última semana. De acordo com o MP, várias irregularidades e inadequações detectadas por fiscais da Superintendência de Vigilância em Saúde (SVS), em 2017, não foram sanadas pela empresa. O local é considerado impróprio para o funcionamento. Na ocasião, a promotora de Justiça Fábia Nilci, titular da Promotoria da Saúde, questionou os motivos para que as adequações não fossem realizadas pelos órgãos competentes. De acordo com ela, diante dos fatos e esgotado o prazo estabelecido, se fez necessário emitir a recomendação de interdição. De acordo com o Laudo de Inspeção e a Notificação emitida durante fiscalização, o espaço físico,

onde é realizado a distribuição de alimentação no hospital, foi classificado como de alto risco, sem condições mínimas de oferecer segurança e garantias para a execução dos serviços. Segundo o laudo, o local não dispõe de cozinha própria, o que pode gerar riscos de contaminação dos alimentos. Na recomendação, o MP solicita que a SVS proceda imediatamente a interdição cautelar do espaço, e pede para que a empresa contratada pelo Estado do Amapá faça as melhorias necessárias para se adequar às normativas da Anvisa. Caso a recomendação não seja cumprida, os órgãos competentes poderão ser notificados. O MP poderá tomar medidas legais necessárias, como Ação Civil Pública e de Improbidade Administrativa.

O caso foi notificado após membros do Serviço de Nutrição e Dietética do Hcal procurarem o órgão para fazer a denúncia. Na ocasião, eles informaram que há cinco anos a empresa não tem realizado suas funções de maneira adequada, dentre as situações está a repetição excessiva de cardápios do dia, quando o contrato prevê que não haja uma monotonia de alimentos, devido aos diversos quadro clínicos dos pacientes. Outro problema apontado pelos profissionais é a qualidade dos alimentos servidos. Em muitos casos, alguns alimentos se apresentam com excesso de sal e frutas, que são dispensadas para o consumo se encontrarem estragadas. Diante da situação, o Ministério Público irá apurar as demais denúncias.

Chikungunya: 48 casos suspeitos foram registrados no Amapá em 2018

DIVULGAÇÃO

Nathan Oliveira

A

Superintendência de Vigilância em Saúde do Amapá (SVS/AP) divulgou os dados do Monitoramento Semanal dos casos de Chikungunya no estado. O Monitoramento epidemiológico é referente as primeiras sete semanas correspondentes aos meses de janeiro e fevereiro de 2018 e contém informações dos 16 municípios do Amapá. A Febre Chikungunya é uma doença infecciosa que causa altas dores articulares e é causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), podendo ser transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. De acordo com a SVS do Amapá, até a sétima semana epidemiológica de 2018, 48 casos suspeitos de Chikungunya foram registrados no estado. Na frequência acumulada, registrada pela Superintendência, no mesmo período de 2017 foram registrados 95 casos suspeitos de Chikungunya nos 16 municípios do Amapá. Dos 29 casos suspeitos em 2018, 12 foram registrados em Macapá, 12 em Serra do Navio, 22 em La-

DE ACORDO COM A SVS, nas primeiras sete semanas de 2018, apenas o município de Macapá apresentou casos confirmados da doença.

ranjal do Jari, 1 no município de Santana e 1 em Ferreira Gomes. Dos casos confirmados de Chikungunya pela Saúde do estado, até o fim da sétima semana deste ano, 3 casos da doença foram registrados. No mesmo período, analisado em 2017, foram 16 casos de Chikungunya confirmados em todo o estado do Amapá. Todos os casos confirmados da doença em 2018 foram registrados do município de Macapá. Deste total de casos, 2 foram na

primeira semana do ano e 1 na terceira semana epidemiológica de 2018. Casos de Chikungunya em 2017 Em novembro do ano passado, a Coordenadoria de Vigilância em Saúde (CVS) da Secretaria de Estado da Saúde (SESA) divulgou o Boletim Epidemiológico que monitorou semanalmente, durante o ano de 2017, os casos de Chikungunya em todos os municípios do Amapá. De acordo com o bole-

tim, foram notificados 514 casos de chikungunya em todos os 16 municípios, destes, 165 foram confirmados. Se comparados com o mesmo período do ano de 2016, houve redução de 50% nos casos suspeitos e 23% nos casos confirmados. No mesmo período do ano de 2016 foram registrados 1.032 casos de chikungunya e 215 foram confirmados. Os maiores números foram registrados nos municípios de Macapá, Oiapoque e Serra do Navio.

PACIENTES DO CRTD recebem palmilhas e férulas, principais objetos usados no tratamento da doença, que provoca alterações na sensibilidade e no equilíbrio.

Michelle Silva

P

acientes com hanseníase no Amapá recebem tratamento com equipamentos personalizados, entre eles, pode-se destacar as palmilhas e férulas, as quais são fornecidas pelo Centro de Referências em Doenças Tropicais (CRTD). Além disso, o centro também atende pacientes com tuberculose, hepatite e casos complexos que não foram resolvidos nas Unidades Básicas de Saúde (UBS’s) e nos Hospitais. Palmilhas e férulas são objetos que auxiliam no tratamento dos pacientes com hanseníase, de forma geral, são imprescindíveis para uma melhor qualidade de vida deles. A diretora do CRTD, Inês Celeste Riberio Martins, explica que “é muito comum o paciente de hanseníase perder a sensibilidade e abrir feridas, cortes e não perceberem, e quando vai ver, já está uma ferida enorme formada e custa muito para cicatrizar. Ele precisa dessa palmilha que é adaptada que não vá atrapalhar a circulação e ajudar na cicatrização dessa ferida. E aos paciente que já perderam a função do nervo, pacientes com pés caídos, que é uma incapacidade de pacientes de hanseníase, aí para eles tem as férulas, que é um objeto que faz uma adaptação no pé e na perna do paciente e ajuda se posicionar melhor”, diz Inês. Os equipamentos são fornecidos conforme a necessidade do paciente, que passa por uma avaliação da fisioterapeuta. Ano passado, 49 palmilhas foram entregues pelo CRDT, que atende pacientes com hanseníase de todo o estado, inclusive do interior do Pará. Segundo Inês Martins, o número de pessoas

que são atendidas pelo centro aumentou. “De março para cá já aumentou esse número, todos que precisam, eles vêm, de todo o lugar, porque os municípios não conseguem mais atender quando há uma complexidade maior, então, como nós somos a referência, eles são encaminhados para cá, esses pacientes sempre estão conosco”, afirma Inês. No mês passado, o centro realizou um mutirão como forma de diagnosticar precocemente os casos de hanseníase, ao todo, foram detectados quatro casos novos da doença no estado, e essas pessoas já estão em tratamento. De janeiro até o dia 12 de abril, 36 casos já haviam sido registrados pelo centro. Hanseníase Hanseníase é uma doença infecciosa que afeta os nervos e diminui a sensibilidade do tecido epitelial. É causada por uma bactéria denominada Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen. A enfermidade provoca manchas esbranquiçadas na região dos olhos, pés e mãos, além dessas regiões, as pernas, as costas, nádegas, orelhas e o rostos, também podem ser afetadas. Segundo o guia prático do Ministério da Saúde, dentre os principais sintomas da doença, estão: Redução da força muscular, sensação de dormência nas articulações; câimbras, formigamentos e lesões ósseas nas mãos e nos pés. O diagnóstico é feito mediante os testes de sensibilidade da pele e análises das raspagens das feridas nos laboratórios, os quais irão confirmar a presença do bacilo de Hansen. A doença tem cura, e o tratamento é gratuito, oferecido pelo sistema Único de Saúde (SUS).


B2

Geral

Macapá-AP, terça-feira, 17 de abril de 2018

Inscrições abertas para bolsas profissionais do programa Rede E-TEC DIVULGAÇÃO

O valor das bolsas varia conforme a função e as horas trabalhadas. Os profissionais poderão se inscrever até o dia 18.

Estudantes conhecem pesquisas com pirarucu no campo da Embrapa DIVULGAÇÃO

Michelle Silva

I

niciou nesta segunda-feira (16), as inscrições para bolsas dos profissionais que irão atuar no programa Rede E-TEC no Amapá. Os candidatos poderão concorrer às funções de professor pesquisador, mediador presencial e mediador à distância, apoio administrativo, apoio técnico e apoio financeiro. Para concorrer às vagas, os interessados devem cumprir alguns requisitos e realizar a inscrição presencial no campus do Instituto Federal do Amapá (IFAP), precisamente na sala EAD, localizada na biblioteca, ou então, no Centro de Referência em Educação a Distância, no IFAP do município de Pedra Branca do Amapari. O atendimento é feito das 9h às 11h, e das 14h às 16h. As inscrições serão encerradas nesta quarta-feira (18). No ato da inscrição, o candidato deverá apresentar o documento original e cópia do CPF, do Diploma na área em que pretende atuar, do comprovante de residência e de uma identificação com foto e laudo médico (aos candidatos que optaram concorrer às vagas destinadas à cotistas). Além disso, é necessário estar com

OS CANDIDATOS poderão concorrer às funções de professor pesquisador, mediador presencial e mediador à distância, apoio administrativo, apoio técnico e apoio financeiro.

DIVULGAÇÃO

Ascom Embrapa

A

O PRAZO DAS BOLSAS será de 12 meses e poderá ser prorrogado pelo mesmo período conforme as necessidades da Rede E-TEC Brasil.

a ficha de inscrição preenchida, assim como a ficha de pontuação da avaliação de títulos, anexadas na página 14 e 24 do edital, que pode acessado através do site www.ifap.edu.br. O prazo das bolsas será de 12 meses e poderá ser prorrogado pelo mesmo período conforme as necessidades da Rede E-TEC Brasil. O valor da bolsa mensal está de acordo com as horas trabalhadas, para a função de professor pesquisador é R$ 50,00 re-

ais a cada hora trabalhada. Já para professor mediador presencial, é de R$ 20,00 reais. As inscrições serão analisadas do dia 19 ao dia 20 de abril, e o resultado final será divulgado no dia 26, no site da instituição. Não serão aceitas as inscrições de candidatos que já possuam alguma bolsa oferecida pelos programas: Parfor, PRONATEC, MEDIOTEC, entre outros. Todas as informações prestadas deverão ser comprovadas, caso

contrário, o candidato poderá responder judicialmente por sua conduta. Rede E-TEC A Rede E-TEC é um programa do Governo Federal que tem como objetivo democratizar o ensino, capacitar as pessoas e incentivá-las a projetos de pesquisas, as aulas ocorrem na modalidade à distância. Nesses 11 anos em que o programa está ativo no Brasil, tem revelado muitos talentos.

Encceja 2018: Inscrições para o exame estão abertas

DIVULGAÇÃO

Luciana Cordeiro

I

niciaram nesta segunda-feira (16), as inscrições para o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja) 2018. Este ano, o exame será feito em quatro aplicações, como foi anunciado no último dia 14 de março, pelo então ministro da Educação, Mendonça Filho, e pela presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Maria Inês Fini. As inscrições seguem até às 23h59 do dia 27 de abril, no endereço: http:// enccejanacional.inep.gov. br/encceja. As provas do Encceja nacional serão realizadas no dia 5 de agosto, enquanto que o Encceja exterior será aplicado no dia 16 de setembro. Adultos e adolescentes que cumprem penas e não estão em liberdade, poderão fazer o exame nacional (PPL) nos dias 18 e 19 de setembro, enquanto que, a prova exterior (PPL) será aplicado nos dias 17 e 21 de setembro. Vale ressaltar que o Encceja é totalmente gratuito e é destinado a jovens e adultos que não concluíram o ensino médio ou o ensino fundamental na idade adequada e querem obter o certificado de con-

CONCLUINTES DE TÉCNICO EM AGROPECUÁRIA realizaram visita técnica para adquirir conhecimento na área.

lunos concluintes do curso Técnico em Agropecuária, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá (IFAP), campus Porto Grande, conheceram in loco as pesquisas da Embrapa Amapá, realizadas no Campo Experimental de Fazendinha (Macapá/ AP), referentes ao manejo nutricional e reprodutivo do pirarucu, na última sexta-feira, 13/4. A programação constou de palestras interativas e demonstrações práticas sobre alimentação de alevinos e matrizes de pirarucu, manejo reprodutivo, manejo alimentar, captura, pesagem e biometria de pirarucu. A visita técnica aconteceu na área onde estão os três tanques escavados da Embrapa para fins de pesquisas, viabilizados por meio de convênios com o Sebrae Amapá e a empresa Pronorte.  O professor Bruno Lacerda Denucci, da disciplina Aquicultura, explicou que esta visita faz parte de uma cooperação técnica com a Embrapa. “Vejo que é fundamental atividades como esta, como complemento da parte teórica para ampliar o conhecimento sobre as peculiaridades da reprodução e alimentação do pirarucu, que é o foco da nossa visita técnica, e da importância desta espécie no contexto do Amapá, em função das condições climáticas e de toda a quantidade de água disponível para criação do pirarucu”, destacou o professor. Os estudantes irão elaborar relatório individual sobre o conteúdo apresentado pela Embrapa, e a tarefa é válida também como exercício de redação para a prova do Enem. O estudante José Cesar Nascimento Nunes, 18, reside na cidade de Por-

to Grande. Integrante de uma turma concluinte, ele ressaltou que a programação foi “muito importante para todos nós, e certamente é um conhecimento importante também para os produtores e consumidores, que precisam saber que é possível o manejo qualificado de pirarucus”. Em uma dinâmica de interação com os alunos, a pesquisadora Eliane Yoshioka falou sobre a importância dos carboidratos, proteínas e lipídios necessários para a saúde do organismo humanos, e que também são necessários para o desenvolvimento saudável dos peixes em cativeiro. Apontando as amostras de ração extrusada e peletizada, de variados tamanhos, ela destacou que é fundamental a escolha de uma ração composta de nutrientes “porque eles (os peixes) ficam confinados, então nós somos responsáveis por atender as necessidades nutricionais deles”. A variação significativa do preço da saca de ração para peixes (25 quilos) também foi um assunto abordado. Eliane explicou que a saca pode custar R$ 32,00, como também pode ter preço de R$ 380,00, dependendo do percentual de proteína, da procedência (se nacional ou importada). “Além disso, a marca da ração influencia no preço, porque depende da fábrica, da qualidade do ingrediente utilizado para produzir a ração”, acrescentou. Entre os visitantes do IFAP campus Porto Grande estavam também os professores Wladson da Silva Leite (Biologia) e Jamil da Silva (Química); e dos técnicos administrativos do setor de campo: Eduardo José de Carvalho, Aline dos Santos, Felipe Brener, Elton da Silva e Luiz Sabioni.

VAGAS DE EMPREGOS DISPONÍVEIS PARA O DIA 17/04/2018

CANDIDATOS PODERÃO FAZER A INSCRIÇÃO para a prova até o dia 27 de abril na página do Encceja no site do Inep.

clusão. A idade mínima para aqueles que querem o certificado de conclusão do ensino fundamental é de 15 anos e para o ensino médio, 18 anos, ambas as idades devem ser completadas antes da data de realização da prova. As provas exigem requisitos básicos do ensino fundamental ou ensino médio, dependendo do nível de ensino desejado. Serão aplicadas quatro provas objetivas, com trinta questões cada uma re-

ferente uma das área de conhecimento. O ensino fundamental avaliará as áreas de ciências naturais, matemática, língua portuguesa, língua estrangeira moderna, artes, educação física e redação, história e geografia. Enquanto que o ensino médio avaliará os conhecimentos básicos em língua portuguesa, língua estrangeira moderna, artes e educação física, história, geografia, filosofia e sociologia, química, física

e biologia. O participante que já tem alguma declaração parcial de competência em uma das áreas, obtida em edições passadas do Enem ou do próprio Encceja, não precisará fazer a prova referente aquela área; os candidatos que faltarem nesta edição e quiserem participar da edição de 2019 deverão justificar ausência. Para saber todas a regras do exame, é importante que o candidato acesso o edital.

SINE/MACAPÁ

VAGAS DE EMPREGOS QT. DE VAGAS OCUPAÇÃO AUDITOR DE ATM CONTROLADOR DE ROTAS COSTUREIRA COZINHEIRO GERENTE ADMINISTRATIVO LÍDER DE OPERAÇÃO DE VALORES PASSADOR DE ROUPAS PROFESSOR DE INGLÊS RECEPCIONISTA TÉCNICO EM ELETRÔNICA TÉCNICO EM ENFERMAGEM VENDEDOR INTERNO

01 01 01 02 01 01 01 01 01 01 01 05


Geral

Macapá-AP, terça-feira, 17 de abril de 2018

Gasto do governo com pessoal em 2017 se aproxima do teto DIVULGAÇÃO

Segundo o governo, despesa com pessoal somou 41,8% das receitas correntes líquidas no ano passado. Em vigor desde 2000, LRF limita esse gasto a 50% das receitas. G1 Nacional

O

s gastos do governo com pessoal vêm crescendo nos últimos anos e se aproximam do limite fixado na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), apontam dados do Ministério do Planejamento. Essas despesas da União atingiram, em 2017, 41,8% da chamada receita corrente líquida (RCL), que é a soma das receitas tributárias de um governo, descontados os valores das transferências constitucionais. Trata-se do percentual mais alto desde a criação da LRF, em 2000. Para se ter uma ideia, em 2012 esse gasto equivalia a 30% da RCL (veja gráfico abaixo). A Lei de Responsabilidade fiscal estabelece que a

GASTO COM PESSOAL é aquele feito pelo governo para o pagamento de salários e de benefícios previdenciários, como aposentadorias, a servidores públicos.

União não pode gastar com pessoal mais do que 50% da RCL. Se esse limite for atingido, a lei prevê uma série restrições e medidas, como a proibição de reajuste de salários e até a demissão de servidores. O gasto com pessoal é aquele feito pelo governo para o pagamento de salários e de benefícios previdenciários, como aposentadorias, a servidores públicos. Especialistas ouvidos pelo G1 apontam que esse aumento está relacionado com a crise econômica, que levou à queda na arrecadação do governo, mas que os indicadores devem melhor daqui pra frente,

com o fim da recessão. Em 2017, o gasto com pessoal do governo federal foi de R$ 288,773 bilhões. Para este ano, a previsão é de que fique em R$ 302,55 bilhões. E a estimativa do governo é que o valor chegue a R$ 335,338 bilhões em 2021. Se considerada toda a série história do Planejamento, a depesa do ano passado, que atingiu 41,8% da Receita Corrente Liquida, também é o maior desde 1998 (42,7%), ou seja, em 19 anos. Embora seja o maior desde a criação da Lei de Responsabilidade Fiscal na proporção com a receita corrente líquida, o gasto já

foi mais alto quando comparado com o Produto Interno Bruto (PIB). No ano passado, somou 4,3% do PIB, o mais alto desde 2009 (quando foi de 4,6% do PIB). Crise e crescimento da folha salarial O economista José Roberto Afonso, pesquisador do IBRE/FGV e professor do IDP, foi coordenador da equipe técnica que preparou o projeto do governo da LRF em 1998 e 1999. De acordo com ele, o aumento do gastos com pessoal nos últimos anos, em relação à receita corrente líquida, está relacionado ao forte crescimento

Exército entrega ao governo o mapeamento da área mais populosa do Amapá

MARCELO LOUREIRO

Portal GEA

O

Exército Brasileiro (EB) entregou ao Governo do Estado do Amapá (GEA), 90 produtos cartográficos do mapeamento sistemático da área mais populosa do Estado, que inclui a capital Macapá e adjacências. A entrega ocorreu nesta segunda-feira, 16, durante encontro entre equipes do EB e GEA, no Palácio do Setentrião, sede do Poder Executivo, na capital. Trata-se da primeira etapa do segundo convênio celebrado entre o governo e o 2º e 4º Centros de Geoinformação (CGEO) do EB. O mapeamento agrega superfícies, relevo, hidrografia e outros aspectos naturais em escala de 1:25.000. Os resultados do 1º convênio foram entregues em dezembro do ano passado e, inclusive, foram utilizados no planejamento de ações governamentais para amenizar os danos do fenômeno Terras Caídas, no distrito do Arquipélago do Bailique. Segundo o coronel Vagner Braga, chefe do 4º CGEO, no fim do mês de maio deste ano, deve ser entregue a segunda etapa deste segundo convênio, que corresponde à parte urbanizada do Amapá. E a pretensão, pontuou, é de concluir este mapeamento sistemático até o mês de dezembro de 2018. “Essa finalização colocará o Amapá na condição de Estado melhor mapeado do Brasil”, enfatizou o co-

FORAM ENTREGUES 90 produtos cartográficos do mapeamento, que agrega superfícies, relevo, hidrografia e outros aspectos naturais da capital Macapá e adjacências.

ronel Braga. Próximos passos Paralelo à finalização dos trabalhos referentes ao segundo convênio, Governo e Exército devem firmar, no mês de agosto, o terceiro convênio, cujos processos burocráticos já estão em andamento. Braga explicou que esta terceira frente de trabalho será de cunho topográfico nas áreas rurais e de difícil acesso, como florestas. Inicialmente, será feito o levantamento de campo das plantas individuais, cálculos de área, memoriais descritivos para identificação de imóveis e o relatório técnico conclusivo que será registrado em cartório. O governador Waldez Góes destacou que, com a execução deste trabalho, o Amapá deixa de ser um

“vazio cartográfico” e passa a ter uma das cartografias mais modernas do país. Ele também considerou que a Base Cartográfica é uma ferramenta para planejar o Estado de uma forma mais embasada. O general Bráulio Machado, vice-chefe de Tecnologia da Informação e Comunicações do Departamento de Ciência e Tecnologia do EB, reconheceu a importância da parceria entre a instituição e o Governo do Amapá. Capacitação Na ocasião, a comitiva do Exército Brasileiro se colocou à disposição para capacitar técnicos da equipe de governo para utilizar as ferramentas tecnológicas - criadas pela própria instituição -, de manuseio da Base Cartográfica. O governo se interessou

pelas capacitações e as tratativas para isso, já serão iniciadas. “É de extrema importância que nossos técnicos estejam ainda mais capacitados no âmbito do georreferenciamento, tanto para formarmos multiplicadores dessas informações no nosso estado, quanto para fazer bom uso da Base Cartográfica no planejamento e execução de políticas públicas”, registrou o secretário de Estado do Planejamento (Seplan), Eduardo Tavares. Também participaram do encontro, representantes das secretarias de Estado do Meio Ambiente (Sema), do Desenvolvimento Rural (SDR); Gabinete Civil e o diretor de Serviço Geográfico do Comando do Exército, general de Brigada Pedro Paulo Canazio.

da folha salarial do governo, aliado à uma queda da arrecadação - fruto da recessão econômica. “A evolução passada é em boa parte compreensível. O problema foi o governo não acreditar em sua própria política econômica, pois, diante da expectativa de queda de inflação, concedeu reajustes salariais expressivos”, declarou ao G1. Ele disse, porém, que esse cenário não preocupa pois, com fim da recessão, a arrecadação do governo deve melhorar e, a relação entre o gasto com pessoal e a RCL, cair . Além disso, apontou ele, o governo não deve “repetir o erro de conceder aumentos salariais muito expressivos” aos servidores. Afonso também recomendou que se regulamente parte da Constituição que prevê avaliação de servidores e demissão dos reprovados, além de aumento da alíquota previ-

B3

denciária do funcionalismo. O especialista em contas públicas, Raul Velloso, concorda que o forte aumento das despesas com pessoal, em relação à receita corrente líquida, está relacionada com a queda da arrecadação do governo e que esse indicador tende a parar de piorar e evoluir para um número “que pode não ser complicado” com a retomada do crescimento econômico. “Dentro do gasto com pessoal, inclui gastos com aposentados, que têm de ter um tratamento em separado. Ao incluir o gasto com aposentados, mistura com a contratação um problema que não tem nada a ver com a gestão de pessoal, e que está sendo alvo de tentativas de ajustamento”, disse ele, se referindo à proposta do governo para a Previdência, que inclui mudanças nas aposentadorias dos servidores públicos.

Crédito Imobiliário: CAIXA reduz juros do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimos Da Redação

N

esta última segunda-feira, 16 de abril, a Caixa Econômica Federal (CEF) anunciou redução de até 1,25 ponto percentual (p.p.) das taxas de juros do crédito imobiliário utilizando recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE). A redução é válida para a grande maioria dos estados brasileiros. Com a iniciativa da instituição financeira, as taxas mínimas do crédito passaram de 10,25% para 9% ao ano, no caso de imóveis dentro do Sistema Financeiro de Habitação (SFH), e de 11,25% para 10 % para imóveis do Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI). De acordo com o presidente da CEF, Nelson Antônio de Souza, a redução das taxas de juros facilita o acesso à casa própria e contribuem para estimular o mercado imobiliário. Segundo ele, “O objetivo da redução é oferecer as melhores condições para os nossos clientes, além de contribuir para o aquecimento do mercado imobiliário e suas cadeias produtivas”, destaca em entrevista divulgada pela Caixa Econômica.

De acordo com divulgação, a Caixa também melhorou as condições no financiamento de imóveis para pessoa física. Agora, com a iniciativa, o limite de cota de financiamento do imóvel usado sobe de 50% para 70%. O banco também retomou o financiamento de operações de interveniente quitante, que se referem aos imóveis com produção financiada por outros bancos, com cota de até 70%. Segundo a Superintendência da Caixa Econômica no Amapá, o banco possui R$ 82,1 bilhões para o crédito habitacional para este ano de 2018. A instituição mantém a liderança no setor com cerca de 70% das operações para aquisição da casa própria do país. SFH e SFI Estão enquadrados no Sistema Financeiro de Habitação (SFH) os imóveis residenciais de até R$ 800 mil, para todo o país, exceto para os estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal, onde o limite é de R$ 950 mil. Já os imóveis residenciais acima dos limites do SFH são enquadrados no Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI).


B4

Dia-Dia

Macapá-AP, terça-feira, 17 de abril de 2018

Cinco homicídios são registrados em Macapá

JOICE BATISTA

SOMENTE EM FEVEREIRO, 24 mortes foram registrados no estado. Os dados foram fornecidos pela Secretaria de Estado da Justiça e Segurança Pública (Sejusp) ao portal de notícias G1.

Execuções foram registradas entre a noite de sexta-feira (13) e a manhã de domingo (15). Casos são investigados pela Polícia Civil. Redação

M

ais um fim de semana é registrado com várias mortes no Amapá, somente na capital amapaense, Macapá, cinco mortes foram registrados em três dias. As execuções iniciaram na noite de sexta-feira (13) até a manhã de domingo (15). Os casos estão sendo investigados pela Polícia

Civil do estado. O primeiro aconteceu no bairro Zerão, Zona Sul da Capital. O jovem Raylan Costa dos Santos, de 19 anos, foi executado a tiros em uma praça. A vítima estava na companhia de amigos e a namorada quando foi atingido por disparos de arma de fogo efetuados por dois homens que andavam pelo local. A namorada de Raylan também foi atingida com os disparos, ela foi encaminhada para o Hospital de Emergências (HE) onde permanece internada. O jovem chegou a ser encaminhado para a unidade de saúde, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. As causas que motivaram o crime estão sendo investigadas pela Polícia Civil. O segundo caso foi registrado na madrugada de domingo, quando Renan Cavalcante dos Santos, de 18 anos, morreu após ser lesionado por golpes de arma branca durante uma briga generalizada. Ele

chegou a ser encaminhado para o hospital, no entanto, não resistiu aos ferimentos. O caso aconteceu por volta de 4h30, na avenida Diógenes Silvam no bairro do Trem, Zona Sul. Por volta de 6h30, Gustavo Oliveira de Souza, de 19 anos, foi lesionado com golpes de faca em uma área de pontes do bairro Perpétuo Socorro, Zona Leste de Macapá. Ainda na manhã de domingo, uma outra morte foi registrada. Desta vez, Flávio Pantoja Nunes, de 21 anos, morreu após ser ferido com uma facada no peito durante uma bebedeira entre amigos, no bairro Marabaixo III, Zona Oeste de Macapá. O corpo do jovem foi encontrado em via pública. Monitor da violência Somente em fevereiro, 24 mortes foram registrados no estado. Os dados foram fornecidos pela Secretaria de Estado da Justiça e Segurança Pública (Sejusp) ao

portal de notícias G1. Segundo o levantamento, dos 24 casos registrados, 21 homicídios e 3 latrocínios. Entre os casos registrados neste período está a morte do taxista Raimundo Vieira Costa, de 56 anos, que teve o corpo carbonizado junto com seu veículo de trabalho. Além dele, está a morte do dono de joalheria Elliton do Espirito Santos, de 32 anos, que foi baleado durante assalto na própria loja e do mototaxista Onorato Cristóvão da Silva Melo, de 51 anos, vítima de latrocínio após realizar uma “corrida” em Macapá. De acordo com o projeto do G1, denominado monitor da violência, somente em janeiro foram registrados 31 mortes no estado, em média, uma morte violenta por dia. Segundo a Sejusp, o índice de mortes registradas neste mesmo período no ano anterior é menor, com 14 homicídios e um latrocínio registrado.

Dados prisionais: Órgãos irão subsidiar investigações criminais

ARQUIVO JDIA

Redação

O

Ministério público do Amapá (MP-AP) firmou nesta segunda-feira (16), na sala de reuniões da Procuradoria Geral de Justiça, um Termo de Cooperação Técnica com o Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen). A parceria objetiva o acesso do MP-AP aos dados prisionais do Complexo Penitenciário, por meio do aplicativo “SiapenBusca”, com o objetivo de subsidiar investigações e outras ações do órgão ministerial. O documento foi assinado pelo procurador-geral de Justiça do MP-AP, Márcio Augusto Alves e diretor do Iapen, Lucivaldo Monteiro da Costa. De acordo com o diretor do Iapen, o SiapenBusca foi desenvolvido para auxiliar em blitz de trânsito e demais situações em que for necessário checar se o cidadão possui passagem pela casa prisional ou vínculo com algum custodiado da instituição. Lucivaldo da Costa garantiu que com o Termo de Cooperação, todas as informações serão disponibilizadas ao MP-AP. A Base de Dados do SiapenBusca auxiliará em investigações do Grupo de Atuação Especial de Com-

Ronda Policial JOÃO BOLERO Da 99,1 FM

BLOG DO BOLERO

TRIO ASSALTA ÔNIBUS NO SÃO LÁZARO Três assaltantes sendo dois homens e uma mulher, armados com arma de fogo e facas, por volta das 09h00min da noite deste sábado (14), assaltaram um ônibus quando passava pela Ponte Sergio Arruda. Eles roubaram celulares e dinheiro dos passageiros e do cobrador. Uma Guarnição da PM do 2° Batalhão foi acionada, mas não tiveram êxito na prisão dos assaltantes. EX INTERNO DO CESEIN É ASSASSINADO A FACADAS Morreu no H.E de Macapá, por volta das 07h30min deste domingo (15), o GUSTAVO OLIVIERA DE SOUZA (19). Ele foi vítima de duas facadas, uma nas costas e outra no abdômen, e segundo testemunhas, foi praticado pelo elemento conhecido por JHONATA, vulgo “Bola”, que segundo a polícia, tem passagem pelo CESEIN. O crime aconteceu na Passarela Pará, no Pacoval. O acusado não foi preso ates às 06h00min da noite deste domingo. AUTÔNOMO É ASSASSINADO NO MARABAIXO III Esse crime aconteceu por volta das 06h00min da manhã deste domingo (15), na 15° Avenida do Marabaixo III, e teve como vítima o autônomo FLÁVIO PANTOJA NUNES (21), que recebeu uma facada no peito, praticada por um elemento desconhecido, que fugiu após o crime. QUADRILHA ASSALTA CASA DE EX PREFEITO Uma Guarnição da PM de Itaubal, informou que houve um roubo na casa do ex prefeito daquele Município, de onde foram levados dinheiro e joias. Segundo a polícia, eram quarto elementos que portavam arma de fogo, e estavam de motos. Os assaltantes não foram identificados até o momento. ESTATÍSTICA DAS MORTES VIOLENTAS NO PERÍODO DE 01 a 13/04/2018. 1º ARMA DE FOGO: 58 homicídios 42 em Macapá; 9 em Santana; 1 em Amapá,1 na Vila do Maracá (MZG), 1 no rio Matapi/STN, 1 no rio Maracá/MZG, 1 em Tartarugalzinho, 1 no Distrito do Coração (MCP), 1 em Porto Grande; 56 do sexo masculino e 2 do sexo feminino. Obs: No ano passado nesse período foram 57 óbitos, 36 em Macapá.

TERMO DE COOPERAÇÃO tem como objetivo tem auxiliar em investigações do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime organizado. Iapen será responsável por atualizar os dados no aplicativo.

bate ao Crime Organizado (Gaeco); Núcleo de Inteligência do Ministério Público do Amapá (NIMP/ MP-AP); Promotoria de Investigações Cíveis, Criminais e de Segurança Pública (PICC) e Promotoria de Justiça de Execuções Penais, além de outras unidades do MP-AP que precisem de informações do Iapen. Atribuições Com o acordo, o Iapen fica responsável por man-

ter atualizado o banco de dados prisionais do SiapenBusca, empreender todas as medidas para segurança das informações disponibilizadas no banco de dados do aplicativo e corrigir eventuais falhas no banco de dados. Por sua vez, o MP-AP deverá manter atualizado o cadastro de usuários que acessam o sistema, guardar sigilo sobre credenciais de autenticação (código de acesso, usuário e senha) fornecidas para

acesso a esta base de dados e manter contato com esse instituto no que se refere a qualquer fato atípico do sistema. Também compareceram à assinatura a chefe de Gabinete do MP-AP, promotora de Justiça Gisa Veiga; o assessor da PGJ, promotor de Justiça Laércio Mendes e a titular da Promotoria de Justiça de Execuções Penais, promotora de Justiça Socorro Pelaes. Além de técnicos do Iapen e Ministério Público.

2º ARMA BRANCA: 35 homicídios 19 em Macapá (1 no IAPEN); 6 em Santana; 3 em Itaubal; 2 em Oiapoque, 2 em Ferreira Gomes;1 em Tartarugalzinho, 1 em Porto Grande, 1 no Distrito do Coração (MCP); 30 do Sexo masculino e 5 do sexo feminino. Obs: No ano passado nesse período foram 33 óbitos, 14 em Macapá. 3º TRÂNSITO: 24 óbitos 7 em Macapá; 3 no Oiapoque, 3 na BR156; 2 na Rodovia JK; 1 em Santana, 1 em Ferreira Gomes, 1 na Rodo-

via 070 (MCP/LJ), 1 na Rodovia MAZ/MAZ Velho, 1 no Distrito do Coração, 1 em Calçoene, 1 em Itaubal, 1 em Cutias, 1 na BR-210; 10 de moto, 7 de carro, 4 pedestres, 3 ciclista. 17 do sexo masculino e 7 do sexo feminino. Obs:No ano passado nesse período foram 17 óbitos, 8 casos em Macapá. 4º PAULADA: 11 óbitos 5 em Macapá; 4 em Santana; 1 no Curiaú/MCP, 1 no Camaipi/MZG; 10 do sexo masculino e 1 do sexo feminino Obs: No ano passado nesse período foram 8 casos, com 5 em Macapá. 5º AFOGAMENTO: 10 óbitos 2 em Macapá; 2 em Santana; 1 no Rio Matapi, 1 na BR156 (km 40), 1 no Ariri (MCP) 1 na Lagoa dos Índios (MCP), 1 em Amapá, 1 no Lourenço/Calçoene; 8 do sexo masculino e 2 do sexo feminino. Obs: No ano passado nesse período foram 10 casos, 3 em Macapá. 6º SUICÍDIO:  11 óbitos 7 em Macapá; 1 no Igarapé da Fortaleza (MCP), 1 em Porto Grande, 1 em Laranjal do Jari, 1 em Cutias do Aragaury; 9 por enforcamento, 1 por arma branca; 7 do sexo masculino e 3 do sexo feminino. Obs: No ano passado nesse período 14 casos, 9 em Macapá. 7º TRAUMATISMOS DIVERSOS:  5 óbitos 2 em Macapá; 1 no Curiaú, 1 em Cupixi (Porto Grande), 1 no Ambé (MCP); 4 do sexo masculino e 1 do sexo feminino Obs: No ano passado nesse período 3 casos. 8º QUEIMADURA:  3 óbitos (1 por homicídio) 2 em Santana; 1 em Macapá; 2 do sexo masculino e 1 do sexo feminino. Obs: No ano passado nesse período 2 casos. 9° QUEDA: 3 óbitos 2 em Macapá; 1 em Calçoene; 2 do sexo feminino,1 do sexo masculino Obs: No ano passado nenhum óbito. 10º CHOQUE ELÉTRICO: 2 óbitos 1 em Santana, 1 em Pedra Branca; 2 do sexo masculino Obs: No ano passado nesse período 2 casos. 11° ACIDENTE DE TRABALHO: 1 óbito 1 em Ferreira Gomes; 1 do sexo masculino. Obs: No ano passado nesse período 1 óbito. 12º ESPANCAMENTO:  1 óbito 1 em Porto Grande; 1 do sexo masculino Obs: No ano passado nenhum óbito. 13º CAUSA DESCONHECIDA:  4 óbitos 1 em Macapá, 1 na Rodovia JK, 1 no Camaipi/ MZG, 1 em Mazagão; 3 do sexo masculino e 1 do Sexo feminino. Obs: No ano passado, no mesmo período foram 5 casos.

Jornal do Dia 17.04.2018  

Edição de terça--feira (17)

Jornal do Dia 17.04.2018  

Edição de terça--feira (17)

Advertisement