Issuu on Google+

MACAPÁ-AP, DOMINGO E SEGUNDA, 23 e 24 DE MARÇO DE 2014 - ANO XXVII

* FUNDADO EM 04 DE FEVEREIRO DE 1987

•DOMINGO E SEGUNDA R$ 2,50 •TERÇA A SÁBADO R$ 1,50

ÁGUA

COROLLA 2015

Após 38 anos, Santana recebe investimento

Espaçoso e gostoso de dirigir

Com as melhorias feitas no motor, o Corolla está mais bem mais esperto. D3

CLAUDIA: preocupação com o futuro

CLAUDIA CHELALA

Um olhar militante sobre a educação e o meio ambiente

Sistema foi entregue pelo governador Camilo

Área de Livre Comércio não está ameaçada, diz Sarney O senador José Sarney (PMDB-AP) tomou conhecimento de que a Câmara dos Deputados havia aprovado em primeiro turno projeto que

renova por mais 50 anos a Zona Franca de Manaus, mas deixando de fora as áreas de livre comércio da Amazônia. Sarney disse que já

entrou em contato com a Câmara e que recebeu a garantia de que a medida vai beneficiar tanto a Zona Franca como a ALCMS. nB1

RE X PA

DIVULGAÇÃO

JORNAL DO DIA

O último investimento em água naquele município ocorreu em 1976. C2

Papão entra em campo com respeito ao Remo

Em entrevista ao JD, a professora conversou sobre a realidade na educação na universidade e a relação com o meio ambiente e a sociedade. nB2

Apesar da rivalidade, Re x Pa é o clássico do respeito. O Paysandu e o Remo entram em campo hoje (23), atraindo a atenção para o classico. nC2

VIOLÊNCIA

DIA 25

Casos de homicídios aumentaram 32% no Amapá

Santuário de Fátima celebra 50 anos Na ocasião do jubileu de ouro, a paróquia irá ser elevada ao santuário, não deixando de ter suas características. nC1

Só no Amapá, de 1º de janeiro a 20 de março ocorreram 122 mortes violentas no Estado. Desse total, 57 foram homicídios dolosos. nB3

ERICH MACIAS

ERICH MACIAS

“QUANTO mais fortalecemos a ALCMS, mais deixamos de depender do poder público”

SEM ESTRUTURA

NESTA EDIÇÃO

Doentes mentais tomam conta das ruas da capital

CADERNO A............................4Pag. CADERNO B............................4Pag. CADERNO C............................4Pag. VEÍCULOS D............................4Pag. CLASSIDIA..............................8Pag.

Sem família, moradia e assistência médica, os riscos que essas pessoas passam são maiores, pois sem o apoio familiar só podem ser resgatados das ruas

PADRE Railson: celebração

e receber atendimento específico quando estão em situação de crise, representando perigo para si mesmo e para outros cidadãos. nC3

MARÍLIA: discutindo soluções

PRECISA DE UM TÁXI? COVEN - 3222-5200 COOPTÁXI - 3223-2777 MARCO ZERO - 3223-2639

NA INTERNET: www.jdia.com.br - REDAÇÃO: 3217.1117 - COMERCIAL: jdcomercial@jdia.com.br 3217.1100 - DISTRIBUIÇÃO: 3217.1111 - ATENDIMENTO: 3217.1110


A2

Opinião

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 23 e 24 de março de 2014 Editor: José Maria Baia - josemaria@jdia.com.br

Poucas & Boas

• DURANTE muitos anos

os governadores que passaram pelo Setentrião distribuíram fartamente recursos para que os dirigentes de clubes empregassem nas contratações de atletas e comissões técnicas para as devias disputas dos campeonatos “profissionais” só no nome. Nos finais dos certames os dirigentes torravam os recursos não se sabe como, pois, não prestavam contas.

• PIOR: ainda deixaram

os clubes pendurados com dívidas trabalhistas quase impagáveis, muitos deles sendo obrigados a vender ou entregar vultosos patrimônios como suas sedes para quitar as dívidas. Até agora nenhum dirigente – maus dirigentes a que nos refe-

rimos – foi para a cadeia com base no Estatuto do Torcedor. Afinal esse dinheiro gasto sem prestação de contas é o meu, o seu e o nosso arrecadado dos nossos impostos.

• CENTRO de Promoção

Humana Frei Daniel de Samarate (Capuchinhos), através do frei Apolônio Tröezel acaba de fazer doação de medicamentos para o Abrigo São José. Lá a equipe de saúde comandada pelo geriatra João Ricardo trata o pessoal da melhor idade com muito carinho e dedicação. Merecem aplausos!

prosa com os velhinhos do Abrigo São José e ouvir deles boas histórias da antiga Macapá e saber deles o porquê estão ali naquele local. Um deles conta a “História da Tigela” que vale a pena lembrar.

• PAI, mãe e um filho de

cinco anos sentavam à mesa de refeições. Um

cansado, mas lúcido “vovô” sentava em uma a parte. Lambuzava-se todo ao comer numa tigela de madeira, pois, os pratos de louça já quebraram todos devido a um derrame cerebral que lhe acometera. Um dia os pais viram o filho cunhando duas pequenas tigelas em madeira e perguntaram a ele qual o motivo. Disse: “É para vocês dois quando tiverem a idade do vovô”. Lição de vida!

Eleições 2014: o cenário é outro

D

aqui a duas semanas o cenário político estará desenhado em com tintas mais fortes onde alguns dos que pretendiam ser protagonistas já começam a desaparecer, seja pela falta de densidade eleitoral, seja pela “descoberta” de que não adianta navegar em mares que não conhece. A profusão de candidatos acabou criando algumas situações que colocaram em xeque os objetivos de alguns filiados partidários que imaginaram que ser candidato é uma questão de vontade ou de oportunismo. Não perceberam ainda que para ser candidato a governador do estado é preciso ter uma boa dose se preparo eleitoral e uma base política consistente, além de uma preparação técnica mínima, mesmo para aqueles que não usam essa consistência no exercício do mandato. As eleições regionais de 2014, no Amapá, oferecem 35 mandatos, sendo: 24 para deputados estadual, 8 para deputado federal, 1 para senador, 1 para governador e 1 para vice-governador. Para disputar esses 35 mandatos são esperados 280 candidatos, a maioria para deputado estadual, em torno de 71%, seguido de candidatos a

CONSELHO EDITORIAL Presidente:

Aldenor Benjamim dos Santos

CONSELHEIROS Haroldo Pinto Pereira Danieli Amanajás Scapin Carlos Augusto Tork de Oliveira José Arcângelo Pinto Pereira Janderson Carlos Nogueira Cantanhede Heloisa Figueiredo Pereira

deputado federal (24%); governador, vice-governador e senador, os três juntos com 5% do número de candidatos. Mera especulação? Isso mesmo, mas que vem se confirmando ao longo desse período do Amapá Estado da Federação. No momento 10 nomes

solver decidir que ele realmente quer mudar. De nada adianta os candidatos anunciarem mudanças, pois, todos já perceberam que isso é apenas força de expressão que é dita para satisfazer o eleitor que, depois, vê-se parte da mesma roda e sem condições de agir ou mesmo reagir. O eleitor já descartou alguns nomes antes mesmo desses nomes serem oficialmente lançados, não dando oportunidade para, sequer, uma segunda chamada ou uma recuperação. E é apenas isso porque o eleitor não está muito atento às eleições, deixando isso para os cabos eleitorais, principal-

Editado por Omega Publicidade Ltda. Rua Mato Grosso, 296 A - Bairro Pacoval CEP. 68.908-350 - Macapá-AP CNPJ 03.926.197/0001-82 Fundado em 4 de fevereiro de 1987 por Otaciano Bento Pereira(*1917 +2006) e Irene Pereira(*1923 +2011) 1º Presidente: Júlio Maria Pinto Pereira 1987 a 1991 - (*1954 +1994) 2º Presidente: José Arcangelo Pinto Pereira 1991 a 2003

mente aqueles que falam mais na defesa dos seus “chefes”, nem que os chefes estejam cometendo, ou cometeram erros administrativos imperdoáveis e, até, injustificáveis. A eleição de 2014 apresenta aos candidatos a disputa do sétimo mandato para ser exercido no período de 2015 a 2018, em um ambiente muito diferente daqueles verificados em 1990, 1994, 1998, 2002, 2006 e 2010, quando foram eleitos Annibal Barcellos, João Capiberibe (dois mandatos), Waldez Góes (dois mandatos) e Camilo Capiberibe. O ambiente de agora apresenta um eleitorado mais informado, mais exigente e com possibilidade de escolher, de verdade, quem está mais preparado e em melhores condições para governar o Estado e, mais, que tem uma equipe que possa ser apresentada ao eleitor e com ele assumir o compromisso de que está disposto ao trabalho e preparado para melhorar a atual realidade da população. O eleitor deve prestar bem atenção na equipe que cada candidato apresentar, afinal de contas, já perceberam que o governador não governa só e que as alianças estritamente políticas não têm alcançado os resultados que interessam do eleitor e à população.

Endereços Redação, Administração, Publicidade e Oficinas: Rua Mato Grosso, 296 A Pacoval, Macapá (AP) - CEP 68.908-350 E-mails Pautas e contatos com a redação: jornaldodia@jdia.com.br Editor-Chefe: cantanhede@jdia.com.br Departamento Comercial: jdcomercial@jdia.com.br comercialjd.2011@gmail.com mariaruth@jdia.com.br JD na Internet: www.jdia.com.br VIA CELULAR: m.jdia.com.br Representante comercial Grupo Pereira de Souza – GPS Matriz Rio de Janeiro/RJ - Tel.: (21) 2544.3070; Brasília/DF - Tel.: (61) 3226.6601; São Paulo/SP - Tel.: (11) 3259.6111; Belém/PA - Tel.: (91) 3244.4722

3º Presidente: Maria Inerine Pinto Pereira 2003 a 2005 Vacância do Cargo 2005 a 2012 4º Presidente: Haroldo Pinto Pereira 2013 Presidente Executivo: Haroldo Pinto Pereira haroldopereira@jdia.com.br Vice-Presidente e Diretora Comercial Juliane Pereira juliane.pereira@jdia.com.br Gerente Comercial: Paolo Oliveira paolo.oliveira@jdia.com.br Consultoria Jurídica: Juliane Pereira (OAB/AP 1320) Jakeline Morato Pereira de Souza (OAB/AP 1381) Editor-Chefe: Janderson Cantanhede cantanhede@jdia.com.br

ÍNDICE Opinião .....................A2, A3 Geral ..........................A4 Geral ..........................B1,B2,B3 Polícia ........................B4

Eventos, como o desta semana, quando por aqui passou o senador Sarney, deixando a bola de alguns candidatos tão murchas que ela e sem condições de receber mais ar, seja pela falta do próprio ar, seja pela desistência melancólica do candidato, vão se repetir, diminuindo o número de candidatos. O comportamento eleitoral dos candidatos só mudará, quando o eleitor re-

O comportamento eleitoral dos candidatos só mudará, quando o eleitor resolver decidir que ele realmente quer mudar. se apresentam como pré-candidatos, muito mais para tentar massificar o nome perante o eleitor e procurar convencer as lideranças do seu partido que é bom ter um candidato ao cargo de Governador do Estado para dar força ao partido perante a comunidade política estadual, do que com objetivos definidos para uma campanha eleitoral e disputa do cargo. Ao final, por várias circunstâncias, o número de pré-candidatos se reduzirá e sairão das convenções partidárias de junho, três candidatos que vão disputar as eleições para governador e três que estrão fazendo número e história.

Contatos: Fale com a redação (96) 3217-1117 (96) 3217-1108 Fale com o departamento comercial (96) 3217-1100 / 3217-1111 Geral (96) 3217-1110 Conceitos emitidos em colunas e artigos são de responsabilidade de seus autores e nem sempre refletem a opinião deste jornal. Os originais não são devolvidos, ainda que não publicados. Proibida a reprodução de matérias, fotos ou outras artes, total ou parcialmente, sem autorização prévia por escrito da empresa editora.

Acompanha o

caderno de ClasssiDia 8pág. Geral ...........................C1 Esporte ......................C2 Cultura .......................C3 Social ..........................C4

Jornalista

Twitter @leandromazzini

O CONTRA-ATAQUE COMUNISTA

O

PCdoB vai denunciar à PF os ataques e ameaças de morte que seus parlamentares têm recebido através de postagens anônimas nas redes sociais, em especial os direcionados às deputadas Jandira Feghali (RJ) e Manoela D’ávila (RS). Para

Jandira, líder do partido na Câmara, há um neofascimo escancarado no Brasil através da internet, com foco nas ações da esquerda. Não intimidado, um internauta avisou ao partido que não teme ser rastreado, porque os provedores de seus sites são na Europa.

A prioridade do PCdoB é a pauta trabalhista, como redução da carga horária de trabalho semanal para 40 horas, diz Jandira. Ela não descarta se candidatar ao Senado.

boa lição de vida aos filhos, sejam eles de cinco a cem anos, basta levá-los num domingo à tarde para ter uma meia hora de

Jornalista rodolfojuares@gmail.com

POR LEANDRO MAZZINI

Eleições

• QUEM quiser dar uma

RODOLFO JUAREZ

ESPLANADA

Aos domingos Veículos ....................D1,D2,D3 Informe .....................D4

Edição número

8457

Planalto & Palácio

Queimação online

O tucano Aécio Neves nomeou cinco parlamentares do DF para definirem um conteúdo programático de campanha para o Centro-Oeste. A ciumeira entre o quinteto é grande.

Com Dilma protagonista, o Brasil recebe em abril o Encontro Multissetorial Global sobre o Futuro da Internet. Sem marco civil e ou lei de punição a crimes cibernéticos.

Quem te viu, OAB.. Ainda reverbera muito mal no meio acadêmico e nos escritórios de todo o Brasil a decisão do conselho federal da OAB de abrir processo administrativo para enquadrar o advogado Paulo Fernando Melo. Ele reclamou da demora de meses da Ordem em julgar pedido de cassação do registro do apenado José Dirceu. O caso de Dirceu foi para SP.

Até o Paraguai

Um editorial do diário paraguaio ABC Color desancou a presidente do Brasil. O título é ‘A Imperatriz Dilma’. Lembra que ela criticou a queda de Fernando Lugo e a crise passageira no país, mas se cala diante da violência na Venezuela.

Mídia.. partidária

O PCdoB reforçou aliança com o PT sobre a regulamentação da mídia. Os comunistas acham que o debate é essencial. Citam dois casos: o direito obrigatório de resposta para quem for atacado, e a equitativa distribuição de verbas publicitárias. Nada de censura.

Dois pesos..

A Câmara vai promover sessão solene a pedido do deputado militar Jair Bolsonoro (PP-RJ) para lembrar o que chama de aniversário da revolução , dia 31 de março.

.. Duas medidas

Mas a Casa também abrirá sessão a pedido de Luiza Erundina (PSB-SP) para lembrar a luta pelos direitos humanos, denúncias contra torturas e abuso do poder no regime.

Brazucas no comando

A despeito de não ter assento no Conselho de Segurança da ONU, o Brasil tornou-se protagonista militar na MINUSTAH. O general José Jaborandy Jr. foi nomeado comandante das Forças no Haiti. No Congo, manda o Gal. Carlos Santos Cruz.

Top secret

Sabe o avião da Varig que teria caído no Pacífico, há 35 anos, e nunca

mais apareceu? Militares consultados têm tese conspiratória de episódio que seria motivado pela Guerra Fria: caça russo abateu a aeronave comercial brasileira com seis tripulantes.

Mistério

Meses antes, um piloto soviético desertou para o Japão com caça de tecnologia inovadora. O avião foi desmontado e devolvido aos poucos para a Rússia, mas a KGB desconfiava de que o avião brasileiro levaria para os EUA peça com códigos secretos.

Pouso no Salão

Pelo menos 30 ex-funcionários da Varig e Transbrasil estão acampados – dormindo também – no Salão Verde da Câmara, em protesto pelo não pagamento de R$ 3 bilhões para os 10 mil beneficiários do fundo previdenciário Aerus. Mas a briga é judicial.

Memória..

Os advogados do fundo travam uma batalha inglória contra a AGU, que conseguiu liminar numa das muitas ações – a mais importante – para barrar decisão de 1ª instância, mesmo acolhida pelo STF, de pagamento para o grupo.

..e tragédia

Mais de 950 ex-empregados da antiga Varig faleceram sem. O aeroviário Miguel Ramos, 67, contribuiu 30 anos e hoje só recebe 8% do que tem direito.

Ponto Final

Será que a terceira guerra mundial será cibernética ? ou já ocorre ?

Com Marcos Seabra, Maurício Nogueira e Adelina Vasconcelos www.colunaesplanada.com.br LM Comunicação Coluna Esplanada contato@colunaesplanada.com.br Caixa Postal 1980 – CEP 70254-970 – Brasília-DF


Opinião

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 23 e 24 de março de 2014

Editor: Túlio Pantoja - tuliopantoja@jdia.com.br

O mais necessário DOM PEDRO JOSÉ CONTI

U

Bispo de Macapá

m mestre sufi muito pobre, faminto e cansado da viagem, chegou uma noite perto de uma aldeia e foi rejeitado. O povo de lá era de outra religião e não gostava de sufis. A noite era fria, o homem estava com fome, cansado e tremia de frio. Sentou-se aos pés de uma árvore, longe das casas. Os discípulos dele, por sua vez, estavam cansados e com raiva. De repente, o mestre começou a rezar, louvando a Deus com estas palavras: - Ó meu Deus, tu és maravilhosos! Sempre me dás o que eu preciso. Isso era demais. Um discípulo o redarguiu: - Agora estás exagerando. Estas tuas palavras são falsas. Estamos aqui cansados, com fome e com frio. Nesta noite, poderemos ser assaltados por animais ferozes. Fomos mandados embora e não temos para onde ir. Por qual razão estás agradecendo a Deus? – O mestre respondeu: - É verdade e o repito: Deus me dá o que eu preciso. Esta noite eu tenho necessidade de pobreza, de ser rejeitado, de ter fome e medo do perigo. Se não fosse assim, por que Deus me teria dado tudo isso? Deve ser mesmo aquilo que eu preciso. Se acredito que Deus cuida de mim, ele conhece as minhas necessidades. Não posso deixar de lhe agradecer. Sem dúvida, o mestre daquela religião tinha muita confiança em Deus, ao ponto de conseguir louvá-lo e agradecer-lhe, apesar das dificuldades e privações que estava experimentando. Deus não quer o nosso sofrimento, mas talvez nos deixe faltar algo que, pen-

samos, nos seja necessário, para que consigamos descobrir algo mais necessário ainda. Essa foi a grande descoberta da mulher samaritana, quando encontrou Jesus à beira do poço de Jacó. Ela estava precisando de uma “água” muito diferente, para satisfazer uma sede bem mais profunda que aquela corriqueira, que a obrigava a ir ao poço todos os dias. O que o evangelista João nos conta precisa de uma atenta e minuciosa compreensão. O diálogo entre Jesus e a samaritana é muito mais que uma simples troca de palavras entre duas pessoas. Jesus tem algo muito precioso para nos oferecer, mas quer que sejamos nós mesmos a querê-lo. Assim a conversa começa com um pedido inusitado. É ele mesmo que toma a iniciativa. Ele, um homem

judeu, que pede água a uma mulher samaritana. Dessa forma, ele se coloca no mesmo plano dela. Todo ser humano tem sede e precisa de água para satisfazê-la. Sempre, todo dia, a vida inteira, se não quer morrer. Água e vida andam juntas, assim como a sede de amor e a sede de Deus que procuramos sem mesmo saber. A samaritana não tinha tido uma vida feliz. A prova eram os cinco maridos deixados para trás. Também o encontro com Deus não era fácil. Quantas discussões sobre a religião, talvez inúteis para quem não as entendia. Mas agora ela tinha à sua frente alguém que lhe falava da sua vida com a liberdade de um profeta, sem julgá-la ou condená-la. Alguém que lhe falava de Deus, com a sabedoria de quem conhece as profundezas do espírito, além de toda disputa. Alguém que com a sua amizade estava lhe ofere-

cendo uma água viva que ele tirava do profundo do seu coração aberto, sincero, coração de quem quer caminhar junto com todos aqueles que buscam um sentido mais profundo e bonito da vida. Assim Jesus diz àquela mulher anônima, pobre e infeliz, algo que não vai dizer aos mestres e aos doutores da Lei, aos grandes e aos abastados deste mundo: ele é o messias, o enviado do Pai. Para entendê-lo e acolhê-lo precisa ter fome e sede de amor e de paz, ter sede do Deus verdadeiro. Os que somente buscam grandeza, riqueza e poder, os que se constroem um deus feito de leis e preceitos não vão entender. Faz bem sentir falta de alguma coisa e de alguém. Somente assim ficará um cantinho em nossa vida para que o amor de Deus e do próximo o possa preencher. Mas sempre se o pedirmos agradecidos. Como um dom.

Dia-Dia

Apoios decisivos

C

omo um time e futebol que faz a preparação no sentido de fazer bonito na Copa do Mundo que se avizinha, os políticos iniciam suas articulações visando o pleito de outubro. A conjuntura nacional por aqui no Meio do Mundo é importante, mas será objeto de análise posteriormente. De maior importância é a eleição majoritária ao Setentrião e para isso, os prefeitos dos 16 municípios crescem de importância, podendo ser bons cabos eleitorais ou mesmo atrapalhar a trajetória do candidato, conforme suas atuações. No Jarí, o prefeito Bode Queiroga (PDT) deve apoiar seu companheiro de partido Waldez Góes, enquanto o cassado Zeca Madereiro (PP) ficaria com o governador Camilo Capiberibe (PSB). Em Mazagão as duas maiores lideranças, o prefeito Edilson Borges (PMDB), cria do senador Gilvan Borges e o ex-prefeito Marmitão (PDT) optariam por Góes. Já em Santana, o segundo maior colégio eleitoral, se depender da enquete realiMas para conzada por partidários do ex-prefeito Antônio Notrabalancear a gueira (PT), o seu voto iria para Waldez, en- situação, os ex-prequanto o atual prefeito feitos Roberto Robson Rocha (PTB) iria para onde o senador Góes (PDT) e João José Sarney (PMDB-AP) Henrique (PR) se apontasse. Em Macapá é inclinariam em faóbvio que Clécio Luís (PSOL) iria se ombrear vor de Waldez com Charles Chelala, mas em caso de desistência é Camilo desde criancinha. Mas para contrabalancear a situação, os ex-prefeitos Roberto Góes (PDT) e João Henrique (PR) se inclinariam em favor de Waldez ou Lucas ou Jorge Amanajás. A Família Favacho, boa de voto estaria na condição de ouvir o senador Sarney para decidir se lança ou não a jovem vereadora Aline Gurgel (PR) ao Setentrião. Já o presidente da AL, Moisés Souza (PSC) se enfileiraria a Jorge Amanajás (PPS). Em Porto Grande, o prefeito Tonho do Matapi (PCdoB) apoiaria Camilo enquanto o ex-prefeito Bessa (PDT) sairia com Waldez. Em Pedra Branca a ex-prefeita Socorro Pelaes (PTN) optaria por Camilo ou por Aline Gurgel, caso seja lançada candidata. Já o atual prefeito Genival Gemaque (PR) ainda estaria indefinido. Em Serra do Navio, o alcaide José Maria (PSB) é Camilo de carteirinha, mas a ex-prefeita Francimar Santos (PT) é contra ele e votaria junto com seu grupo em qualquer adversário o atual governador. Em Ferreira Gomes, Elcias Borges (PMDB), outro do clã Borges e o ex-prefeito Valdo Isacksson (PT) se inclinariam por Waldez ou quem mesmo Gilvan ou Sarney determinarem, assim como Tartarugalzinho em relação ao prefeito Almir Mineiro(PTdoB). Em Amapá e Calçoene, os prefeitos Dr. Assis (PP) e Lucimar Lima (PMDB) são fervorosos defensores de Camilo para a reeleição. Finalmente em Oiapoque o prefeito desgastado Miguel Caetano (PSB) apoia a Família Capiberibe. Vitória do Jarí e Pracuúba, com números desprezíveis de eleitores, seus prefeitos ainda estão indefinidos. Esse é uma pequena prévia do quadro eleitoral amapaense? Pode haver mudanças? Sim e não! O tempo dirá.

Hora-Hora

Revolta

Por um ambiente favorável aos investimentos Charles Chelala

É

Economista, Mestre em Desenvolvimento Regional cchelala@uol.com.br

notória a expressiva participação do governo na nossa economia, muito além do contracheque do servidor, pois os recursos do Estado se constituem na mola propulsora da economia amapaense. Ocorre que, para gerar mais empregos, avançar no desenvolvimento e ficar independente de repasses da União, é fundamental atrair investimentos privados que, por sua vez, somente virão se enxergarem aqui segurança para tal. É tarefa urgente se construir um ambiente favorável aos investimentos, que nada mais é do que o conjunto de fatores que atraem empreendedores a preferirem se instalar aqui, em detrimento de outros lugares. Inclui condições de infraestrutura, proximidade de mercados, qualidade da força de trabalho, condições tributárias, apoio governamental e estabilidade política, dentre outros quesitos que conferem competitividade ao local. Pois bem, aparentemente o Amapá estaria bem posicionado como ambiente atrativo, já que possui riquezas naturais, está localizado estrategicamente próximo a grandes mercados e ainda os-

A3

tenta um regime aduaneiro especial, a Área de Livre Comércio de Macapá e Santana. Por que então, amargamos a penúltima posição entre os Estados do Brasil (vencemos apenas Roraima) e os investimentos privados preferem se dirigir a outros sítios? Ocorre que não basta ser bem aquinhoado pela natureza ou possuir uma pequena vantagem fiscal. O ambiente favorável aos investimentos deve ser construído e, ao Amapá, faltam dois elementos decisivos: a infraestrutura mínima e a estabilidade política. Com relação ao primeiro, nosso Estado ostenta os piores índices nacionais de infraestrutura, segundo o anuário Exame. Ainda nesta semana fomos lembrados dos nossos indicadores de saneamento comparáveis à África Subsaariana. Mais além do saneamento, nossa principal rodovia não é totalmente pavimentada, isso para não falar das rotas locais e vicinais; o porto não atende às necessidades mínimas de uma produção em escala; o aeroporto com obras paralisadas há mais de uma década; nossa única ferrovia é obsoleta e monopolizada; convive-

mos com precária infraestrutura urbana das cidades; os meios de comunicação falhos (inventamos aqui a ligação de celular “à prestação”); a internet é lenta e cara (ainda não experimentei a nova “banda larga” anunciada); a energia elétrica é oscilante e com reduzido alcance e, por mais que estejam em obras três hidrelétricas que solucionarão o problema de geração, ainda haverá muito por fazer em matéria de distribuição.Não há como fugir às comparações, por exemplo, com a BR 174, que liga Manaus à Boa Vista e esta capital à fronteira com a Venezuela, com mais de mil quilômetros totalmente pavimentados já há vários anos. O outro ponto que afugenta investidores é a carência de estabilidade política. Os escândalos de corrupção aos quais o Amapá foi submetido na última década, as alternâncias de grupos no poder des-

comprometidos com a agenda de desenvolvimento, além da descontinuidade de políticas públicas e de regras claras para os negócios, geram a sensação de insegurança no empresário, que prefere investir no Acre, em Rondônia, ou no Pará. Para superar esta dificuldade é necessário que o Estado não titubeie em assegurar condições adequadas para aqueles que queiram aqui investir, como no setor de logística portuária, energia elétrica, agronegócio, mineração e até com relação ao petróleo. Assim, são duas as emergências em matéria de promoção do desenvolvimento do Amapá e libertação das amarras da economia do contracheque: avançar na infraestrutura e passar firmeza institucional aos empresários que começam a colocar o nosso Estado no seu mapa de investimentos.

Anteontem à tarde, o condutor de uma picape Toyota Hilux top e linha era um dos homens mais revoltados no Estado, acredita-se. Por ocasião da forte chuva que caía sobre a cidade e como o trecho estava alagado ao realizar uma manobra de conversão à direita, na baixada da Rua Santa Catarina, bairro de Santa Rita, em direção a Zona Leste, o veículo caiu em um enorme bueiro aberto danificando a suspensão dianteira. Xingava a todos e a todas.

Assaltos

Os meliantes continuam a desafiar a polícia e os assaltos que eram esporádicos ao longo da AP 020, que liga a Rodovia Duca Serra a BR 210, nas chamadas linhas agrícolas, agora, estão se tornando contumazes. Nos locais tanto existem residências como chácaras. Nas últimas os bandidos fazem a campana por dias e procuram realizar os roubos quando os donos deixam as propriedades. E eles são deveras truculentos com suas vítimas.

Emblemático

Quando as cheiras começam a atingir a Bacia Amazônica, em ambas às margens do grande rio aliadas às chuvas torrenciais da época é bom redobar os cuidados com as cheias do Rio Jarí. É que o Rio Amazonas com suas

águas grandes forma uma verdadeira barreira natural represando às que vem das cabeceiras ocasionando grandes alagamentos nos município ao Sul do Estado.

Falta

A CAESA deu um presente de grego para os consumidores da Zona Sul. Sem nenhuma explicação até o encerramento da coluna, a água sumiu das torneiras logo pela manhã, deixando a tradicional faxina do sabão para mais tarde. Sorte que São Pedro – quem tem gente na Prefeitura de Macapá querendo fazer seu impeachment por ser o culpado pelos milhares de buracos nas ruas -, mandou um aguaceiro. Tambores e baldes nas biqueiras recolhendo a providencial água resolveram o problema. Smith: manda rezar um terço para o Santo, manda!

Fiscalização

Em vários bairros da Capital estão surgindo diversas lojas de aluguéis e vendas de veículos automotores. Algumas delas – aqui nos referimos aos maus empresários – estão alugando os veículos para assaltantes sem nenhum cuidado em pedir a docuamentação necessária. Alem de favorecer o crime, ainda sonegam o ISS municipal, Imposto de Renda e INSS, numa concorrência desonesta com quem paga todos os impostos.

MINUTOS Afogamentos - A organização não governamental (ONG) Criança Segura lançou campanha de prevenção contra afogamentos de crianças e adolescentes para alertar a sociedade sobre o perigo da falta de atenção: afogamentos ocupam o segundo lugar no ranking de mortes de crianças até 14 anos por acidentes no Brasil. O trânsito, incluindo os atropelamentos, ocupa o primeiro lugar, com 2 mil mortes por ano.


A4

Informe Publicitรกrio

Macapรก-AP, domingo e segunda-feira, 23 e 24 de marรงo de 2014


MACAPÁ-AP, DOMINGO E SEGUNDA-FEIRA, 23 e 24 de março de 2014

Geral

ENTREVISTA

Cláudia Chelala: um olhar sobre o meio ambiente e a educação B2

Casos de homicídios aumentaram 32% nos últimos três meses no Amapá B3 Editor: Túlio Pantoja - tuliopantoja@jdia.com.br

Deputados cobram prorrogação de áreas de livre comércio no Norte Parlamentares cobraram compensação em prol da economia de outros estados Da Redação

A

Câmara dos Deputados aprovou, em primeiro turno, por 364 votos a três, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que prorroga a Zona Franca de Manaus até 2073. Por acordo fechado entre deputados, o segundo turno da PEC só será colocado em votação após acordo para apreciação de outros temas, como as áreas de livre comércio do Norte e a prorrogação da Lei da Informática. A votação em segundo turno está marcada para a próxima quarta-feira (26). A Zona Franca de Manaus foi criada em 1967 para que a um polo industrial fosse criado em meio à floresta amazônica, com objetivo de criar a economia local competitiva, com incentivos fiscais e desonerações tributárias. O governo vê a Zona Franca como um dos principais inibidores do desmatamento na região, por gerar emprego e renda e diminuir a fuga da população para

outras atividades na floresta. Atualmente, a legislação prevê a vigência da Zona Franca de Manaus até 2023, mas o prazo já era considerado apertado para evitar a fuga de investidores da região. Parlamentares da região acreditam que a prorrogação até 2073 dará mais segurança econômica. A votação em primeiro turno foi possível após o governo sinalizar com acordo para a votação de áreas de livre comércio – uma espécie de pequenas zonas francas nos Estados vizinhos. O deputado Luciano Castro (PR-RR) disse que as áreas de livre comércio do seu estado também precisam ser prorrogadas. “Seja por PEC, seja por lei, precisamos equalizar a vigência das áreas de livre comércio e também por 50 anos”, disse. Já o deputado Edio Lopes (PMDB-RR) disse que o partido só votará a favor da proposta com o compromisso de que o novo prazo das áreas de livre comércio seja resolvido antes da segunda votação da PEC. Ele criticou o fato de a Zona Franca beneficiar apenas Manaus e ter deixado de lado a função de minimizar as desigualdades regionais. “Em Roraima, criou-se uma área de livre comércio em 1992, mas até agora não temos armazéns. Seremos ‘patrolados’ nessa questão, mesmo porque a OMC [Or-

ganização Mundial do Comércio] está com a faca no pescoço do Brasil por conta das áreas de livre comércio e serão dados os anéis para salvar a joia que é a Zona Franca”, criticou.

Apoio O presidente da Associação Comercial e Industrial do Amapá (ACIA), Altair Pereira, também defendeu a ideia que as áreas comerciais devem estar vinculadas à Zona Franca de Manaus. “Sabemos que mesmo com os acréscim os ainda é pouco tempo para as ALC, por isso perseguimos realmente a vinculação da legislação das áreas de livre comércio à legislação da zona franca de Manaus, para que a sociedade e o Amapá tenha uma vida longa e tenha certeza de que não haverá interrupção nesse período”, comenta o Presidente da ACIA. O comércio emprega quase 50% da população em Macapá. Daí a importância da aprovação da PEC nesse segundo turno. De acordo com os líderes do comércio, sem as ALCMS pederia a estabilidade econômica. Sem os benefícios fiscais haveria um acréscimo nos valores dos produtos, algumas lojas abandonariam o comércio, crescimento do desemprego e uma desmobilização de pelo menos 40% do comércio.

As Áreas de Livre Comércio foram criadas para promover o desenvolvimento das cidades de fronteiras internacionais localizadas na Amazônia Ocidental e

em Macapá e Santana, com o intuito de integrá-las ao restante do país, oferecendo benefícios fiscais semelhantes aos da Zona Franca de Manaus no aspecto co-

mercial, como incentivos do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS).

PEC de Sarney que prorroga incentivos para Áreas de Livre Comércio é a solução

E

m seu retorno a Brasília, depois dos festejos em honra a São José, em Macapá, o senador José Sarney (PMDB-AP) tomou conhecimento de que a Câmara dos Deputados havia aprovado em primeiro turno projeto que renova por mais 50 anos a Zona Franca de Manaus, mas deixando de fora da medida as áreas de livre comércio da Amazônia, entre elas a ALCMS (Área de Livre Comércio de Macapá e Santana). Em telefonema ao presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, Sarney, o criador dos incentivos fiscais para o comércio amapaense, disse ter recebido garantias de que a medida que beneficia o Amazonas só será colocada em votação no segundo turno se for incluída a renovação da ALCMS. Sarney disse já ter obtido da própria presidente Dilma Rousseff o compromisso de que os incentivos fiscais concedidos ao Amapá não

serão retirados, ao contrário, receberão por parte do Governo Federal todas as garantias de continuidade. “Todos sabem que fui eu quem conseguiu transformar Macapá em Santana em Área de Livre Comércio, pois foi o primeiro grande projeto meu quando cheguei ao Amapá. Queria dar ao Amapá uma coisa realmente grandiosa e consegui, pois até hoje os incentivos da Área de Livre Comércio garantem muito mais que importados aos moradores do Amapá”, disse o senador. Segundo Sarney, praticamente tudo o que se consome no Amapá hoje, desde gêneros alimentícios como também produtos da chamada linha branca, como geladeiras, fogões e lavadouras, tem uma redução na ordem de 25% do preço ao consumidor. “Seria um verdadeiro caos se isso acontecesse, pois o comércio é hoje a maior força econômica do Amapá, algo

que se contrapõe a tradição histórica de que temos no Amapá apenas a economia do contracheque. Quanto mais fortalecemos a Área de Livre Comércio, mais deixamos de depender apenas do poder público”, disse Sarney. A proposta que prorroga os benefícios da Zona Franca de Manaus vai até 2073. O texto aprovado em Plenário é o da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 103/11, do Poder Executivo. Foram 364 votos a favor e 3 contra, com 3 abstenções. Para o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, a votação em segundo turno da PEC precisará, além do acordo quanto ao mérito, do compromisso do governo de não vetar os demais temas. “Eu, como presidente da Câmara, assumo o compromisso de não colocar em votação no segundo turno enquanto não houver o equacionamento dessas questões.”


B2

Dia-Dia

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 23 e 24 de março de 2014

Cláudia Chelala: um olhar militante sobre o meio ambiente e a educação Em entrevista ao Jornal do Dia, a professora conversou sobre a realidade na educação na universidade e a relação com o meio ambiente e a sociedade Jéssica Alves

Da reportagem

P

rofessora da Universidade Federal do Amapá, Claudia Chelala, é reconhecida e atuante na instituição de ensino e atualmente exerce a profissão no Curso de Ciências Ambientais e no programa de Pós-Graduação em Direito Ambiental e Políticas Públicas, desempenhando projetos importantes dentro da Universidade. Formada em Economia, a amapaense é mestre em Desenvolvimento Sustentável e doutora em Desenvolvimento Socioambiental. Seu desempenho profissional possibilitou diversas indicações, como vice-diretora do Departamento de Meio Ambiente e Desenvolvimento e coordenadora do Grupo de Pesquisa Incubadora de Políticas Públicas no Amapá. Ela também se destacou como diretora do Departamento de Pesquisa, pró-reitora de Administração e Planejamento, coordenadora do Curso de Especialização em Gestão

Editor: Túlio Pantoja - tuliopantoja@jdia.com.br

Pública para os técnicos-administrativos. Em entrevista ao Jornal do Dia, a professora conversou sobre a realidade na educação na universidade e a relação com o meio ambiente e a sociedade, abordando um olhar militante sobre o assunto. Jornal do Dia: Qual o conceito em um mundo globalizado e tecnológico de universidade? Claudia Chelala: A universidade, desde Platão com academia, depois passando por Aristóteles foi sempre caracterizada como ‘a casa do pensar’ que tem o desenvolvimento da capacidade de raciocinar, pensar, reelaborar pensamento. Hoje o desafio é muito grande na universidade e um deles é a dialogar com a diversidade e pluralidade de pensamentos. A universidade não tem apenas uma dimensão e reflexão sobre determinados aspectos da nossa vida. A universidade é uma convergência de vários pensamentos. O que se exige hoje no conceito tecnológico é isso, pois é o local da universidade e não se admite ter apenas um pensamento. São vários e isso faz parte da natureza, pois quando se apresenta apenas uma linha de pensamento, então a universidade não cumpre o seu papel. Porque lá o local do embate e da discussão, do diálogo com a cultura moderna. Sem essa dimensão, a universidade morre. E hoje é chamada de a resposta de um mundo em contínua transformação, vivendo plenamente a liberdade, que tem que estar presente na

ERICH MACIAS

universidade.

Jornal do Dia: Qual a importância da universidade no desenvolvimento regional? Cláudia: A universidade deveria ser chamada em todos os debates ocorridos em sociedade. Em todos os desafios, a universidade tem que provocar e inquietar a sociedade local para uma mudança. As políticas públicas, diz respeito aos governantes, mas a universidade de fato tem que provocar a inquietação na mente das pessoas. Tudo que ocorre no estado e município deveria ter a participação da universidade, porque ela tem pesquisa sobre os temas, com professores que trabalham nisso e alunos que realizam trabalhos aprofundados e teses. Então existe um grande universo que a universidade pode ajudar o desenvolvimento regional, por meio de pesquisa e extensão, além do próprio ensino. Esse tripé fundamental que existe na universidade e também há um quarto ponto, que seria a gestão, para assumir uma tarefa pública da sociedade na própria instituição. Jornal do Dia: O que a universidade tem a oferecer a nosso estado? Cláudia: A Universidade Federal do Amapá tem muito a oferecer, tanto com a pesquisa, extensão e ensino. Hoje temos um foco ligado ao ensino, e também a reflexão com a realidade e valorização da pessoa. A universidade tem que ser pensada de dentro para fora e de fora para dentro. Uma realida-

CLAUDIA CHELALA, é reconhecida e atuante na instituição de ensino e atualmente exerce a profissão no Curso de Ciências Ambientais e no programa de Pós-Graduação em Direito Ambiental e Políticas Públicas da Unifap

de dialética, nessa relação, que ela não pode ser um ente separado dos problemas da sociedade, como por exemplo, o suicídio. A universidade tem pesquisa e um posicionamento sobre este assunto. Então a universidade pode e deve ajudar no desenvolvimento do estado. Não podemos ter uma instituição desvinculada da prática cotidiana. Um aspecto fundamental é a universidade não ficar alheia ao sofrimento, dores e tristeza do nosso povo. Ela tem que de fato levar esperança para o povo. Tem papel fundamental de ser um ente sócio-político, papel de militância no campo social, político e educacional. As grandes lideranças do mundo saem das universidades. O ser pensante é formado na universidade. Jornal do Dia: Você tem um carinho especial com o meio ambiente. Como nasceu essa interação e preocupação? Cláudia: Hoje, qualquer discussão que se trate no campo da pesquisa, do ensino da extensão tem que levar em consideração o meio ambiente. A preocupação com as gerações futuras tem que estar no centro da nossa reflexão, a realidade do meio ambiente. Hoje não se pode fazer ou pensar nada sem refletir na futura geração. Não podemos resumir o meio ambiente somente na realidade de florestas e animais. Deve ser em primeiro lugar

a reflexão do valor humano. Minha preocupação com o meio ambiente reflete em primeiro lugar com o valor da pessoa. Se nós amamos o planeta, amamos a nossa casa. Precisamos viver esse cuidado com o meio ambiente. Não devemos tratar nosso ambiente como quintal, mas como casa. Hoje na universidade, nos projetos que faço, busco essa visão, do meio ambiente como a moradia. O planeta é a nossa casa. Jornal do Dia: Sabemos que a Universidade Federal do Amapá passará por uma consulta prévia sobre o novo reitor da instituição. Na sua concepção, qual deveria ser a identidade do novo reitor? Cláudia: Esse processo, lembrando sempre que não é uma eleição determinante, e sim uma consulta prévia. Ou seja, quem nomeia de fato a lista tríplice, é o ministro da educação (José Henrique Paim), mas em vista nossa consulta com técnicos, acadêmicos e professores que escolhem o novo reitor da universidade. Vejo que é importante esse envolvimento de toda a reflexão, de todos os professores técnicos, acadêmicos. Mas a sociedade amapaense deveria participar desse pleito, porque tem relação profunda com a sociedade local. O próximo reitor ou reitora deveria ter algumas características, como crescimento da universidade

com responsabilidade. Não basta apenas criar novos cursos e ofertar concurso público. É preciso pensar em atualização, laboratório, biblioteca e estrutura que possibilite bons cursos. Tem que crescer de maneira orgânica e sistemática. Um segundo aspecto é universidade de dentro para fora, relação de interação com a comunidade local. É preciso também ter militância, não podemos aceitar pessoas que não tenha compromisso com a universidade. Tem que ser pessoa que conheça a relação, a história e importância da universidade, seja curso, colegiado, reitoria, tenha envolvimento com a universidade. Outro importante aspecto é a relação mística no sentido de estilo de vida muito próximo com a academia. A reitoria não pode ser distante da academia, com capacidade de convergência de pensamentos da universidade. E acredito que esse pleito será importante, porque comporta a apresentação de propostas. Acredito que a sociedade e o futuro reitor terão o papel de relação interna e externa, mostrando sua cara. Afinal são 24 anos de Unifap, relação de transformação, lançando diversos profissionais no mercado de trabalho. O primeiro momento é a casa do pensar e reflexão e desejo que o futuro reitor tenha essa capacidade de convergência, que possa articular todas as forças da universidade.

Aniversário da Fortaleza é finalizado com passeio ciclístico Andréa Maciel

Da reportagem

O

aniversário de 232 anos da Fortaleza de São José de Macapá terminou neste sábado (22), à tarde com apresentações culturais, realização de atividades esportivas, ambas no entorno da fortificação e como principal atração, um passeio Ciclístico pela cidade de Macapá. A extensa programação cultural com o tema “Fortaleza de São José de Macapá: Memórias e Identidades Culturais” teve início dia 19 deste mês com uma salva de tiros e realização de missa, se estendeu por toda a semana, terminando ontem (22) com passeio ciclístico, cuja saída partiu do anfiteatro da Fortaleza até o Monumento Marco Zero do Equador, percorrendo a Rua Independência, Beira Rio, Rodovia JK contornan-

do o Monumento e retornando à fortificação. A finalização dos eventos ocorreu com a simulação de um “abraço” no monumento e show pirotécnico, tudo ao som de um trio elétrico para animar os participantes. “Nossa intensão foi realizar uma programação bem regional, ressaltando a memória, a cultura e a identidade do Amapá, por isso trouxemos artesãos para expor e vender seus artesanatos, atrações voltadas para nossa cultura. Em torno de 300 pessoas participaram do Passeio Ciclístico que dependeu das condições climáticas”, afirma Aldinéia Machado Gomes, Gerente do Museu Fortaleza de São José de Macapá. A entrada no monumento é gratuita e no período das festividades não foi diferente, assim como a participação no passeio ciclístico. O evento trouxe vários turistas e

toda a comunidade para o interior de um dos pontos turísticos mais grandiosos do Estado, para conhecer sobre sua história e conscientizá-los quanto a sua importância, focando principalmente na juventude. “Um dos nossos objetivos é tirar o jovem do entorno da Fortaleza e convence-lo a entrar no monumento já que o evento voltado para o aniversário serviu para isso, além de festejarmos esta data importante, nos focamos na educação patrimonial da juventude”, explicou a Gerente. A programação de aniversário da Fortaleza de São José foi encerrada, porém a exposição dos artesãos, presente em seu interior durante toda a festividade, permanecerá até domingo, juntamente com o expediente de funcionamento normal do ponto turístico.


Geral

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 23 e 24 de março de 2014

B3

Editor: Túlio Pantoja - tuliopantoja.com.br

Casos de homicídios aumentaram 32% nos últimos três meses no Amapá, aponta promotor de Justiça Caroline Mesquita Da Reportagem

O

Amapá deixou de ser aquele Estado pacato, sossegado, em que a população podia dormir em casa de janelas abertas sem medo de sofrer qualquer tipo de violência. Na capital, principalmente, a sensação de insegurança cresce diariamente. Uma pesquisa feita pela Secretaria Nacional de Segurança Pública apontou que 46% da população já foi vítima de algum tipo de crime. Para estimular o debate e discutir questões relevantes com intuito de trazer propostas para a redu-

ção da violência e da criminalidade no Amapá, a Assembleia Legislativa do Amapá (ALAP) realizou uma audiência pública na sexta-feira (21) tratando do tema: “Problemas na Segurança Pública: Causas, Efeitos e Medidas para Resolver”. Proposta pela deputada Marília Góes (PDT), a audiência reuniu autoridades, operadores da segurança pública, especialistas em segurança pública e sociedade civil no intuito de localizar os problemas desta ineficiência e apresentar medidas para serem inseridas na segurança pública amapaense, reduzindo esta crise. Ao final, um re-

latório oficial com as propostas deve ser encaminhado ao Governo do Estado. Com a palestra “Segurança Pública – Direito Fundamental do Cidadão”, o promotor de justiça Pedro Leite, coordenador da Promotoria de Justiça e Cidadania de Macapá, destacou que as dificuldades que tangem o excesso de violência e insegurança não estão apenas nas falhas do policiamento. “A Segurança Pública está muito focada nas polícias e elas sozinhas não tem como resolverem o problema da violência. Na verdade as policias tem o dever de prestar a segurança pública, mas a responsabilidade é de cada brasileiro, da sociedade como um todo em colaborar com o processo de garantia da ordem pública e da paz social”, enfatizou o procurador de justiça. Pedro Leite explica que a segurança pública absorve muitos recursos públi-

cos e por isso devem ser administrados de forma sensata. “Ninguém faz segurança pública sem dinheiro. Em 2011, o Brasil gastou R$61 bilhões com segurança pública, desses R$9 bilhões apenas com sistema penitenciário nacional. Se apenas essa verba do sistema penitenciário fosse aplicado nas escolas, construiríamos 2500 escolas de 2 mil metros quadrados. Temos que começar a fazer uma mudança de pensamento”, observou. Só no Amapá, de 1º de janeiro a 20 de março ocorreram 122 mortes violentas no Estado. Desse total, 57 foram homicídios dolosos. Em relação ao mesmo período de 2013, houve um aumento de 32% neste tipo de crime. “É preciso trabalhar com as estatísticas e localizar o porquê determinado tipo de crime cresceu em tal região. A partir das decisões e encaminhamentos que tomarmos nessa audiência pública a

ERICH MACIAS

PROPOSTA PELA deputada Marília Góes (PDT), a audiência reuniu autoridades, operadores da segurança pública, especialistas em segurança pública e sociedade civil no intuito de localizar os problemas

realidade vai mudar e encontraremos o caminho da paz social”. Ao concluir, Leite colocou que se existe alguém responsável pela falta de segurança não só no Brasil, mas no Amapá, o responsável deve ser o gestor público. “O gestor deve traçar um planeja-

mento eficiente para aplicar o recurso público. Mais investimentos em educação, geração de emprego, integração das polícias, fortalecimento de fronteiras para combater o tráfico de drogas, combaterem a corrupção e outras medidas”, concluiu.


B4

Informe Publicitรกrio

Macapรก-AP, domingo e segunda-feira, 23 e 24 de marรงo de 2014 Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br


MACAPÁ-AP, DOMINGO E SEGUNDA-FEIRA, 23 e 24 de março de 2014

Geral

SOCIEDADE

Após 38 anos, Santana recebe investimento em saneamento básico C2 Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Abandonados

Sem local para tratamento, pessoas com transtornos mentais perambulam pelas ruas C3

Vice-presidente do Jornal do Dia, Juliane Pereira, já confirmou presença no Chá da Lulu, evento social e beneficente. C4

Santuário de Nossa Senhora de Fátima celebra 50 anos

FOTOS ERICH MACIAS

PARA o padre Railson que está na direção da igreja, diz que será realizado diversos eventos diários no local

EVENTO que marcará o início das obras na paróquia Nossa Senhora de Fátima será no dia 25 de março

Evento marcará o início das obras do santuário será na próxima terça-feira Fábio Gomes

Da Reportagem

A

paróquia Nossa Senhora de Fátima localizada na Avenida Almirante Barroso, bairro Santa Rita, está celebrando

50 anos de criação. O evento que marcará o início das obras do santuário será no dia 25 de março. Na ocasião do jubileu de ouro, a paróquia irá ser elevada ao santuário, não deixando de ter suas características como, a dimensão pastoral, a importância das pastorais e do serviço social, mas passa a ter um significado importante como santuário, caracteriza como título mariano não só a paróquia que inclui toda a parte ge-

ográfica de onde existem várias comunidades. A igreja estará aberta a todos os peregrinos, os devotos de nossa Senhora de Fátima, para participar das celebrações e o sacramento da confissão. Com a elevação à igreja, ficará aberta todos os dias independente do feriado ou não. Para o padre Railson que está na direção da igreja, diz que será realizado diversos eventos diários no local. “Temos que ter missas todos os dias e padres para

atender as confissões, então isso é uma das características fortes, além também da caridade, todo santuário tem que ter todo um projeto, uma estrutura física, logística para atuar socialmente falando mais também na dimensão da caridade, então temos os paroquianos, além de um projeto para atender as pessoas carentes não só na ajuda de cesta básica, mas com atenção a saúde enfim, na questão social”, comenta o padre.

A igreja está trabalhando ainda com o projeto da praça ao lado da igreja pela Cora de Carvalho que será totalmente transformada ganhando uma área com uma concha acústica, onde serão celebradas as festividades da igreja, além do próprio círio de Nazaré. “Estamos trabalhando com o projeto da praça na lateral da igreja, onde toda a área pertence à paroquia e foi cedida à prefeitura de Macapá, no período da prelazia, antes de se tornar diocese, a prefeitura construiu uma praça, agora encaminhamos um documento para a prefeitura onde será feito um projeto de lei onde será encaminhada a câmara de vereadores para ser realizada a votação”, afirma o padre. Tornando-se um projeto de lei, esta área retorna para a paróquia onde será

construída a nova igreja e um santuário definitivo de nossa Senhora de Fátima, mas sem perder a importância da praça para a comunidade. Sendo ainda que a mesma contará com paisagismo, uma concha acústica, para os eventos da diocese como o círio de Nazaré, pois já faz mais de quinze anos que o círio tem o ponto de partida e a missa solene realizados na igreja. Outro objetivo preparado também é atender as necessidades não só espirituais, mas as festividades sociais, incentivar o turismo religioso, já que tem todo um processo de logística para atender os devotos, que visitarão ou participarão das celebrações, além dos peregrinos, que tem uma fé cristológica, ou uma fé mariana, dando ênfase a essa devoção.


C2

Geral

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 23 e 24 de março de 2014 Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Após 38 anos, Santana recebe investimento em saneamento básico

O último investimento em água naquele município ocorreu em 1976 Da redação

N

um discurso emocionado, o governador Camilo Capiberibe lembrou, ao entregar Estação de Tratamento de Água (ETA) de Santana, que essa é a maior obra de saneamento básico feito pelo Governo do Estado em 38 anos. O último investimento em água naquele município ocorreu em 1976.

Disse ainda que segue com a meta de levar água tratada para 100% dos domicílios de todos os dezesseis municípios do Estado, a exemplo que já fez em Amapá e em localidades como Gurupora, em Cutias, e Maracá, no Mazagão, além de Vitória do Jari, entre outros. E moradores de bairros como o Ambrósio, que antes tinham, de forma precária, água tratada, já sentiram os reflexos dos investimentos de mais de R$ 12 milhões feitos pelo governador Camilo Capiberibe para levar água tratada aos lares santanenses. “Desde de fevereiro começou, aos poucos, chegar água na torneira de casa e hoje, finalmente consegui, depois de mui-

to tempo, tomar banho usando meu chuveiro”, comemorou a doméstica Gisele Cardoso Carvalho. “Ficamos todos felizes quando percebemos que a água estava chegando nas torneiras. Depois de tantos anos sem água não tinha mais esperanças, por isso vim hoje para a inauguração, para agradecer o empenho do governador”, declarou a líder comunitária do bairro Daniel, Rosinete Oliveira. Camilo Capiberibe afirmou que, ao assumir o governo, estabeleceu como compromisso levar água tradada de qualidade para a população do Estado e que Santana era uma das prioridades. “Tínhamos que resolver o problema do presente e, ao mesmo tempo, pensar

no futuro, porque o segundo maior município amapaense merece ser tratado e pensando de forma grande, devido a sua importância para o desenvolvimento do Amapá”, argumentou o governador. O senador João Alberto Capiberibe disse que, a partir de agora, cabe à população fazer o uso racional desse bem. “Água tratada custa dinheiro. Tem o mesmo valor da água mineral e ninguém compra água mineral para lavar a calçada ou o carro, por isso o cidadão tem o dever de evitar o desperdício”, alertou o senador, anunciando ainda que o Estado está investindo cerca de R$ 300 milhões para levar água a todo o Amapá. Já o prefeito de Santana,

Robson Rocha, reconheceu o benefício que o Governo do Amapá trouxe para o município. “Não tinha água tratada para produzir gelo e o pescado era obrigado a pagar mais caro por esse produto. Agora a realidade será outra. Santana está em festa graças ao governador Camilo”, atestou. A nova ETA amplia a capacidade de fornecimento dos atuais 600 metros cúbicos para 1.700 metros cúbicos, contemplando bairros da periferia do município, como Provedor II e Ambrósio, cujo abastecimento era bastante precário em função do desperdício ocasionado pelas ligações clandestinas existentes nesses locais. De acordo com a presi-

dente da Companhia de Água e Esgoto do Amapá (Caesa), Ruy Smith, o total dos investimentos deverá ultrapassar os R$ 20 milhões no final do projeto, incluindo recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e do próprio Estado. “O governador Camilo está plantando saneamento e colhendo saúde, porque água tratada é saúde”, asseverou Smith. Camilo Capiberibe encerrou a solenidade reafirmando o compromisso com o povo do Amapá e disse que, até o final deste ano, os moradores das sedes de todos os municípios terão água em seus lares.

Esporte

Papão entra em campo com respeito ao Remo

DIVULGAÇÃO

VISANDO garantir a segurança dos torcedores, 49 viaturas e 30 cavalarianos se integrarão ao trabalho da Policia Militar

to nas bolas ofensivas”, finalizou o zagueiro.

O Remo tem uma grande equipe, com grandes jogadores, a gente vai fazer nosso trabalho, procurar jogar o mais sério possível Futebol

A

pesar da rivalidade, Re x Pa é o clássico do respeito. Para o zagueiro bicolor, João Paulo é com esse espírito

que o Paysandu vai entrar em campo no domingo (23). “O respeito que a gente tem pelo Remo é de todo dia treinar forte. Invencibilidade? Acho que no futebol é uma coisa que nem se cogita. O Remo tem uma grande equipe, com grandes jogadores, que vai vim motivado para buscar a classificação e a gente vai fazer nosso trabalho, procurar jogar o mais sério possível. Na hora que o juiz apitar, nós vamos olhar o placar e ai sim nos vamos procurar a nossa vantagem, mas independentes disso, nós temos 90 minutos pra fazer uma grande partida de futebol”, disse o jogador em entrevista à Rádio Clube do Pará. Sobre a vantagem, João

Toque de Primeira ANTONIO LUIZ

Colunista alpcampos@hotmail.com Positivo IV Taça de Futebol Society rola de 01 a 30 de maio e objetiva difundir e desenvolver a prática esportiva como forma de lazer entre os comerciários e seus dependentes. Negativo Por discordar da gestão na confederação brasileira, Falcão deixou a seleção. O gênio conquistou 25 títulos, inclusive dois mundiais. É o maior artilheiro do futsal! IV Copa Society I

O SESC Amapá promove o evento e estreita relacionamento com a classe comerciária. IV Copa Society II A forma de disputa é rodízio simples na fase classificatória e eliminatória na fase final. Violência Clubes brasileiros que enfrentam torcidas organizadas pagam um preço caro. Caríssimo! Futsal de Santana SEDEL foi a grande cam-

TREINADOR dará lugar a Nicolau Barros no clássico contra o Paysandu de hoje

Paulo é objetivo. “No final do jogo que a gente vai pensar se tem uma vantagem ou não. Só que do outro lado sabemos que tem uma equipe muito forte, que no último jogo (contra o Santa Cruz pelo Campeonato Paraense) peã da competição entre órgãos públicos e empresas privadas. Copa Verde Remo x Paysandu deste domingo define um finalista da copa. Papão joga pelo empate. Peixinhos Voadores I Festa no Shopping Garden e Torneio de Natação celebram os 12 anos do belo projeto. Peixinhos Voadores II Inesquecível festa vai rolar em 28 de abril, com a tradicional parceria do Jornal do Dia. Peixinhos Voadores III Lembramos, trata-se de um projeto da Polícia Militar-AP referência em todo o Brasil.

Punição tira técnico azulino do clássico Re x Pa Na tarde da última sexta-feira (21), o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) puniu o técnico do Clube do Remo, Agnaldo de Jesus, em três partidas, deixando-o fora da semifinal da Copa Verde contra o Paysandu, hoje (23), no estádio Mangueirão, às 19h30. O treinador azulino foi punido após ser expulso na partida contra o Nacional-AM, no dia 9 de março, por ofender o árbitro da partida, Wagner Reway, pelas quartas de final da competição. A partida foi realizada na Arena da Amazônia, em Manaus e o Leão Azul Paraense eliminou o Nacional-AM, após empate em 2 a 2. O Clube do Remo corre atrás para conseguir o efeito suspensivo. Caso

contrário, Nicolau Barros vai assumir o Leão a beira do gramado contra o Papão. Mais de 900 PMs farão segurança no clássico Mais de 900 homens da Polícia Militar farão o policiamento no clássico Re x Pa, que decide um dos finalistas da Copa Verde, neste domingo (23), às 19h30, no estádio do Mangueirão. Novamente sob o comando do tenente coronel Antônio Cavalcante, todo o planejamento para o desempenho da tropa da Polícia Militar está direcionado para as ações preventivas, de organização e fiscalização antes mesmo da abertura dos portões do estádio. Visando garantir a segurança dos torcedores, 49 viaturas e 30 cavalarianos se integrarão ao trabalho da PM que se estenderá desde os portões e corredores de acesso ao estádio até no entorno do complexo do Mangueirão.

buscou uma reação muito grande diante do seu adversário. A gente sabe que eles vão vir com tudo no domingo e esperamos fazer mais um grande jogo. Procurar fazer uma marcação muito forte para que eles não consigam ter êxi-

Além do Horizonte Fluzão cai diante do Horizonte-CE e muro das Laranjeiras é pichado. A coisa tá feia! Futebol de Areia I Copa Norte/Nordeste acontece na bela Salvador-BA no período de 08 a 11 de maio. Futebol de Areia II Presidente Carlos Alves corre atrás de patrocínio para o Amapá participar do evento. Liga dos Campeões Clássicos da melhor qualidade sacodem as quartas de final da copa europeia de clubes. Esporte Universitário I Abertas inscrições ao Tor-

neio Seletivo do Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino. Esporte Universitário II Evento rola em Brasília no mês de abril, promovido pela CBDU/Ministério do Esporte. Copa do Mundo Messi não vê Argentina favorita, mas diz esperançoso “no momento certo para ganhar”. Vôlei de Praia I Castanhal-PA sedia este FM de semana o Circuito Regional Banco do Brasil -18ª Etapa. Vôlei de Praia II O Amapá se faz presente, sob o comando do mestre-presidente Alaur Neri da Fonseca.

Grêmio Prefeito de Porto Alegre libera implosão do estádio Olímpico. Ainda sem data definida. Canário Milionário Aristeu Valente assegura um Santana Clube firme e forte no Amapazão da temporada. Ferreirão 2014 Liga Desportiva de Ferreira Gomes promove o campeonato reunindo 11 fortes clubes. Você Sabia? A presidenta do Trem D Clube, Socorro Marinho, coloca a sede campestre à disposição de Mario Tomaz, para que seja realizado um bingo beneficente. Tai uma ótima ideia!


Geral

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 23 e 24 de março de 2014

C3

Editora: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Sem local adequado para tratamento, pessoas com transtornos mentais perambulam pela capital DIVULGAÇÃO

SEM FAMÍLIA, moradia e assistência médica, os riscos que essas pessoas passam são maiores, pois sem o apoio familiar só podem ser resgatados das ruas e receber atendimento específico

Porta de entrada para receber pacientes é o Hospital de Emergência que não tem estrutura para esse atendimento Caroline Mesquita

Da reportagem

É

preocupante o número crescente de pessoas que apresentam transtornos mentais e dependência de álcool e outras drogas expandidas nas ruas de Macapá. Sem família, moradia e assistência médica, os riscos que essas pessoas passam são maiores, pois sem o apoio familiar só podem ser resgatados das ruas e receber atendimento específico quando estão em situação de crise, representando perigo para si mesmo e para outros cidadãos. “A doença mental é uma perturbação psíquica, de ordem transitória ou permanente, que afeta o funcionamento do mecanismo cerebral de uma pessoa. Perturbações podem advir de patologias tais como sífilis cerebral, infecções agudas; psicoses traumáticas; ou por intoxicação pelo uso de substâncias psicotrópicas. Algumas disfunções cerebrais merecem destaque, tais como esquizofrenia, neurose, psicose maníaco-depressiva, dentre outras”, descreve Washington Fonseca, do SIN-

MULHER com transtorno mental é vista caminhando nua nas ruas de Macapá com uniforme do Hospital Alberto Lima embaixo do braço

DMED GABC. A porta de entrada para receber atendimento médico é o Hospital de Emergência (HE). Sem a família, dificilmente o portador de transtornos mentais procurará assistência. Quando há uma ocorrência de algum portador de transtornos mentais em crise, o Corpo de Bombeiros e SAMU fazem o recolhimento e os encaminham ao HE. No hospital eles farão a consulta com psiquiatra plantonista, passarão pelo clínico, depois medicação e avaliação. Alguns casos são recorrentes e só precisam ser medicados, outros precisam ficar internados. No Hospital das Clínicas Dr. Alberto Lima (HCAL) há 16 leitos na Clínica de Psiquiatria. Quando o doente é internado, ele tem um

prazo de 15 a 21 dias para ficar estabilizado, por determinação do Ministério Público. De acordo com Michele Sfair, coordenadora estadual de saúde mental, em 2013 foi aprovado um plano estadual da rede psicossocial do Amapá para traçar as responsabilidades do estado e do município. “Devemos operacionalizar a saúde mental. As portas hospitalares são incumbências do poder estadual, como serviço de internação, leito de referência e internação breve para o momento de crise do paciente. Entretanto, a abordagem e identificação da pessoa que sofre de transtornos mentais são do munícipio. É necessário que tenhamos um consultório na rua formado por uma equipe psicossocial para

atender estes pacientes e também os dependentes de álcool, crack e outras drogas. Construir esse vínculo e formar uma porta de atenção diária”, explicou a coordenadora estadual de saúde mental. Sfair adiciona que fora de crise o paciente ainda precisa de moradia, por isso também já deveria haver uma residência terapêutica para atendê-los, o que também é de responsabilidade da prefeitura. Além disso, o governo do estado vai inaugurar um Centro de Atendimento Psicossocial (CAPS) funcionando 24 horas. “Fortalecer a rede psicossocial é fundamental. Não adianta o Estado abrir o Caps se não houver residência terapêutica, não tiver consultório na rua. É importante que o poder estadual e municipal caminhem juntos”, disse Michele, reiterando que se o paciente com transtornos mentais está bem na família e reinserido na sociedade, com organização e medicação adequada, a questão do surto é algo pontual em momento de crise. “Quando há assistência, há possibilidade de identificar e prevenir”, concluiu. Geralmente, as famílias não querem ficar com os doentes mentais que são usuários de drogas, como álcool e crack. Esses são mais difíceis de convivência, porque muitas vezes roubam, quebram objetos e são agressivos. Para estes doentes há o Centro de Atendimento Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS AD). Este é um serviço substitutivo, que funciona das 8h até às 18h. Neste ambiente ele é avaliado pela equipe do acolhimento. Passa o dia na instituição, faz suas refeições e realizam serviços traçados no plano terapêutico. A subsecretária da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), Silvana Vedovelli, informou que o consultório na rua será instalado em Macapá no final de Abril. “A primeira solicitação de consultório não havia médico. Então fizemos uma nova solicitação pedindo ao Ministério da Saúde o atendimento completo, com médico, enfermeiro, psicólogo, assistente social, técnico de enfermagem e agente social. Inicialmente trabalharemos com as 92 pessoas com transtorno mental que já estão cadastradas na rede estadual e os novos doentes, fazendo um reconhecimento diário”, relatou. A residência terapêutica é um projeto sem data para inaugurar na Prefeitura Municipal de Macapá. “Não te-

EAP divulga resultado das provas do Programa de Estágio 2014 DIVULGAÇÃO

Agência Amapá

A

Escola de Administração Pública (EAP) divulgou na última sexta-feira, 21, a lista com os nomes dos candidatos classificados no Programa de Estágio 2014. Num primeiro momento foram disponibilizadas 240 vagas, mas, de acordo com a solicitação dos órgãos, esse número aumentou para 276. Com mudanças em sua seleção, o Programa de Estágio adotou este ano o uso de prova baseada em um texto dissertativo-argumentativo (Redação) nos moldes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), sendo elas divididas em três dias para aplicação, com cinco turnos e temáticas diferentes. Estiveram presentes mais de 1.400 candidatos. Após essa etapa, os

COM MUDANÇAS em sua seleção, o Programa de Estágio adotou este ano o uso de prova baseada em um texto dissertativo-argumentativo (Redação) nos moldes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)

candidatos aprovados na Redação passarão por outra seleção, que serão as entrevistas, cuja fase tem por finalidade analisar os principais pontos a serem observados, verificando se o candidato possui o perfil

adequado para o desempenho das atividades de estagiário. O resultado está disponível no portal www.processoseletivo.ap.gov.br, sistema de cadastro desenvolvido pelo Centro de Gestão de Tecnologia da

Informação (Prodap), e também pelo endereço eletrônico da EAP: www. eap.ap.gov.br Os locais da entrevista com as suas respectivas datas estarão disponíveis no site a partir de segunda-feira, 24.

mos condição de fazer a residência terapêutica em 2014 porque precisa ser feito a construção, disponibilização de terreno, entre outros entraves. Mas já estamos vendo um local de atendimento na Fazendinha para esse serviço”, disse a subsecretária da Semsa. A Secretaria de Saúde Municipal realiza atendimento no CAPSi ( Centro de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil), com consultas médicas, atendimento fonoaudiólogo, psicológico e oficinas. “Atendemos crianças de 13 anos e jovens até 17 anos. A partir dos 18 anos o atendimento

é de responsabilidade do Estado”, disse Vedovelli. CAPS 24h A Coordenação Estadual de Saúde Mental vai inaugurar neste semestre um Centro de Atendimento Psicossocial 24h. Serviços de referência em saúde mental serão concebidos o dia inteiro. Oficinas protegidas, hospitais dia e hospitais noite, centros de conveniência, serviços terapêuticos, unidade de desintoxicação e serviços odontológicos estarão à disposição dos portadores de doenças mentais a qualquer hora do dia.

Religião DORIEDSON ALVES

R

FILÓSOFO

eligião, em sua raiz etimológica, implica também religação, isto é, retomada da relação entre o impuro (mundano) e o puro (sagrado), num tipo de dependência funcional, onde a sujeição, sobretudo pelas sansões que a eventual insubordinação poderia gerar, dita o tom. Na verdade, o intuito é provocar o comprometimento compulsório com uma realidade imaginada, objetivando a aceitação de instrumentos de controle moral, ético, devocional, permitindo a legitimação da aproximação do religioso com o seu objeto de culto. E assim, o sagrado, puro e extraordinário, rompe os limites do mundo espiritual, se apresentando em alguma forma que possibilite o intercâmbio entre o sagrado e o profano, configurando a manifestação física do divino, ou melhor, a hierofania, para uma ligação factual homem-divindade. Contudo, a obscuridade, a inobjetividade e a imprecisão desse procedimento, comprometem a vida de inúmeros indivíduos, afoitos por respostas repletas de incertezas e de grande imaginação. O sentido da vida é uma deles. Razão pela qual todos os recursos são utilizados visando, ardorosamente, comprovar as teses sustentadas pelas mais diversas religiões do mundo. Durante séculos elas foram reduto dos maiores processos de desumanização já inscritos na história humana. O que quero dizer com isso? Toda e qualquer religião implica, em seu nível mais fundamental, renúncia: enquadramento do homem em um modelo divinizado, santo, puro. A mística por trás do ideário religioso sempre causou enorme fascínio, principalmente por significar uma forma de escape das vicissitudes da vivência sofrida, acenando a possibilidade da existência de algo maior, como preferem alguns; de um deus, por exemplo, no caso do monoteísmo. Não é à toa que durante muitos séculos (e até hoje) as religiões exerçam tanto poder sobre o gênero humano. Essa é a razão das mitologias (grega, hindu, nórdica etc.), com seus deuses elementares, terem servido de base ou aporte às descrições mais aceitas e justificas da ordem (Cosmos) do mundo criado. Zeus, Shiva, Thor, são notáveis resquícios destas culturas antigas, onde a religiosidade ditava as regras morais e éticas, nas relações de convivência, num domínio quase absoluto do caráter sagrado da cotidianidade. O mito era a verdade por trás do real. Para que a realidade se descortinasse era inevitável a devoção, convertida em consagração ao sobrenatural, quando o crente deveria se sujeitar incondicionalmente a vontade do

divino. Havia toda uma ideologia, alimentadas pelas cerimônias, sobretudo públicas, conduzidas por sacerdotes, moldando sociedades inteiras através da expressão da “vida sagrada”. O curioso, em tudo isso, estava na hierarquização da estrutura mítico-religiosa: cada indivíduo respeitava uma escala de poder; cabendo ao sacerdote o papel de mediador. Ele é a mais extensa comprovação do apreço da divindade em relação aos seus veneradores. Não há como negar o fato de que a história está abarrotada de pretensões divinizantes, ou melhor, de tentativas, em alguns casos mal sucedida, de atingir, mesmo através de sacrifícios (autoflagelação), por vias extremamente controversas, a realidade do divino. O objetivo sempre foi (e sempre será), de certo modo, buscar a providência de Deus (ou deuses), sobrepujando não apenas a morte, mas o desamparo, o sofrimento e desencanto, da vida presa às perspectivas da finitude e das dificuldades mundanas. Explorando as fragilidades, as fraquezas, e a própria instabilidade dos indivíduos, em qualquer época, a religião surge como a última saída, a esperança insistindo em preservar a “lógica da fé”. Ou seja, da crença incerta em algo que não é, também, certo. Talvez, diante disso, faça sentido à afirmação de Blaise Pascal, pensador francês, quando assevera que é melhor crer, com dúvida, do que não crer e depois está enganado. Nessa renúncia voluntária a crítica, os indivíduos soergueram o olhar em direção aos que professam conhecer o caminho tortuoso da salvação. Ai surge, a figura do “pontífice” – o construtor de pontes – investido do poder dos céus, como “ungido do pai”. Ao fazer sua análise sobre o fenômeno religioso, Sigmund Freud conclui que o que está em jogo é, na essência, em relação à representação teísta, a figura do pai. Ou seja, em deus personificamos o bom genitor, aquele investido da possibilidade, vocação, capacidade, de suprir as demandas do filho. É na nostalgia do pai, portanto, que surge a figuração de alguém disposto a zelar, a qualquer custo ou preço, pela segurança da prole. Seria, por conseguinte, o caráter ambivalente dessa relação o que aproximaria esse ser envolto no mundano (o profano), mas desejoso de atingir o pauro (o sagrado), a imagem de Édipo: negado pelo pai, e depois matando-o, se condena a cegueira por remorso, tentando preservar o caráter moral da sua relação com ele. Enfim, nesse processo, a casualidade existencial é negada, bem como instintos e paixões vitais, na tentativa de reconciliação da criatura com o seu pretenso criador.


Sociedade

LÚCIA THEREZA @luciathereza lucia.ghammachi@jdia.com.br

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 23 e 24 de março de 2014

Diagramadora: Maraina Melo - maramiranda@jdia.com.br

Visita

Reunião

Esteve em visita na residência do senador José Sarney, a vice presidente do JD, Juliane Pereira

Secretário de Educação, Carlos Sergio Monteiro nas redes sociais: “AQUI EM SANTANA É ASSIM: o Governo Municipal respeita o Sindicato dos Profissionais da Educação, recebendo-os em audiência para conhecer e debater a pauta de reivindicação.”

Ministro em Macapá

UNIFAP recebe visita do Ministro da Educação José Henrique Paim

Aniversário

Desembargador Gilberto Pinheiro, recebe os cumprimentos dos servidores do seu Gabinete, por ocasião do seu aniversário no dia 23 de março. Parabéns ao decano do Tribunal de Justiça do Amapá.

Pequena Tiradentes

E

Chá da Lulu

m comparação com outras cidades históricas mineiras, Tiradentes é bem menor e aparenta ser mais organizadinha. Enquanto outras já tem muitas construções contemporâneas, ela é quase toda formada por construções históricas, até mais conservadas. E apesar do centrinho ter certa badalação, a cidade atrai mais casais para curtir um clima romântico. Um dos eventos que movimentam a agenda local é o Festival de Cultura e Gastronomia de Tiradentes, realizado em agosto desde 1998, com a presença de chefs do Brasil e do exterior – seu notável conjunto gastronômico dispõe de mais restaurantes estrelados pelo Guia 4 Rodas do que muitas capitais. A Mostra de Cinema também conquistou um bom público nos últimos 14 anos. Fundada em 1718, só ganharia o apelido do inconfidente Joaquim José da Silva Xavier com a proclamação da República, no fim do século seguinte. Entre os demais pontos de interesse, destaca-se a igreja Matriz de Santo Antônio, com esculturas de Aleijadinho na fachada. O passeio inclui até um jogo de luzes e apresentação musical em um órgão de 1788. Os mais esportistas podem se aventurar pelas trilhas da Serra de São José, nos arredores. A boa mesa é característica marcante. A fartura da comida mineira pode ser apreciada nos restaurantes, que capricham nas receitas tradicionais e nas iguarias. Um destaque, a ora-pro-nóbis, dá gostinho todo especial ao frango e ao angu. Colecionador de arte, consumista ou econômico, quase impossível voltar para casa sem trazer na mala uma obra produzida na região. Reduto de artistas, o artesanato oferecido em Tiradentes faz do passeio pelas ruas e distritos da cidade um programão.

Na foto, a diretora da Revista You e a vice-presidente do Jornal do Dia, Juliane Pereira, que já confirmou presença no Chá da Lulu, evento social e beneficente da Produtora You, realizado para 150 mulheres empreendedoras e de atuação no Amapá. Será um encontro exclusivo para elas, com desfile de moda, sorteios de brindes e leilão de peças patrocinadas de 12 grandes empresas locais. Parte da verba arrecadada será doada para duas instituições: a Associação dos Pais e Autistas do Amapá e a Comunidade Santa Clara. Tudo será regado à champanhe e muita diversão. O evento será realizado no próximo dia 27, no Espaço Mobille Bentec.

Canonização

A

gências de notícias norte-americanas (CNA e EWTN News) informaram que devem participaram da canonização dos Papa João Paulo II e João XXIII quase 5 milhões de pessoas. Já é garantido que 1 milhão serão os católicos poloneses e quase dois milhões os italianos. Mas haverá delegações de todos os Países do mundo, visitados pelo Papa João Paulo II e onde trabalhou João XXIII (Bulgária, Turquia e França). As autoridades de Roma estão se preparando e revendo constantemente o número de visitantes no dia 27 de abril. Em Roma e nas cidades ao redor da capital italiana todos os lugares disponíveis para pernoite (hotéis, pensões, casas religiosas...) estão esgotados. Escolas, mosteiros, conventos e casas gerais dos religiosas e religiosas abriram suas portas para receber fiéis e peregrinações de várias partes do mundo.


MACAPÁ-AP, DOMINGO E SEGUNDA-FEIRA, 23 e 24 de março de 2014

Carro&Moto

LINDO E ESPAÇOSO

Ford Ranger Sport quer ser opção entre picapes pequenas e médias D2

Espaçoso, novo Corolla é gostoso de dirigir

Aceleramos a versão XEi, com preço sugerido de R$ 79.990 e equipada com motor 2.0 flex de até 154 e câmbio CVT D3

Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Prestes a mudar, Fit chega a 500 mil unidades

DIVULGAÇÃO

Novo modelo traz mudanças significativas no design que o deixam com mais de hatch versátil Carand Driver Brasil

A

Honda comemora neste mês a marca de 500 mil unidades produzidas do Fit no Brasil. O modelo, que estreou por aqui em 2003, é produzido desde o seu lançamento na fábrica da marca em Sumaré, no interior de São Paulo. Atualmente na sua segunda geração - lançada em outubro de 2009 - no País, o compacto é o sinônimo de sucesso da fabricante: segundo dados da Fenabrave, foram mais de 40 mil unidades vendidas em 2013, o suficiente para dar a liderança com folga do segmento e uma posição de destaque (18°) en-

MODELO é feito desde seu lançamento, em 2003, na unidade de Sumaré (SP)

tre os 20 modelos mais vendidos do Brasil. Para maio, a Honda prepara a chegada da terceira geração do Fit, que já é vendida no Japão desde o final do ano passado. O novo modelo traz mudanças significativas no design que o deixam com mais de hatch versátil. Na mecânica a novidade por aqui fica com a aposentadoria do motor 1.4 – apenas o 1.5 flex, com atualizações para ser mais econômico e oferecer cerca de 120 cv, será usa-

do. O câmbio manual de cinco marchas continua, mas o automático irá desaparecer. A aposta da Hon-

da volta para o CVT que, segundo executivos, foi o escolhido pelo baixo consumo de combustível.

Fiat Uno reestilizado chega em outubro Fenabrave

O

Fiat Uno apareceu em 2010 com uma proposta bem-humorada. O desenho era o principal chamariz. Seguia outras coisas que estavam na moda do “quadrado de bordas arredondadas”, como os iPhones. Fez sucesso e projetou a marca novamente no segmento, até a chegada de rivais com a mesma corrente de estilo, como o VW up! Para se reforçar, a Fiat prepara uma reestilização do Uno para o Salão de São Paulo. Antes que outubro chegue, você pode conferir nesta página como ficou o novo modelo. As mudanças parecem bem pequenas. Olhe melhor. Se focalizar na dianteira, verá que o antigo bocão dividido por um elemento preto agora ficou mais vincado e a sua divisão é mais clara. O jeito agressivo é replicado nas arestas do para-choque dianteiro. Há até molduras mais retilíneas para os faróis de neblina. A sensação é que os faróis estão bem afilados. Eles mudaram também, perderam aquele “quadradinho” nas laterais. Não é apenas o único truque graças ao capô mais vincado. Com ele, os faróis estreitaram visualmente com a ajuda de uma sobrancelha mais cerrada criada pelo capô. Nas laterais, mudanças menores. Há retrovisores com piscas nos Unos mais caros, como também maçanetas com fechadura integra-

da e não mais separada. Essa parcimônia foi repetida na traseira. As lanternas mantêm o esquema de iluminação por lâmpadas convencionais, mas com um arranjo diferente. É no para-choque com elemento preto distinto que reside a maior mudança. O objetivo é alargar mais o visual do hatch que, no geral, está bem mais agressivo. Até no interior, que ficará parecido com o do Palio e Punto e perderá o jeito “simpático” dos arranjos e comandos. Não será na linha 2015 que vai estrear o motor 1.0 três cilindros 12 válvulas, antecipado por Autoesporte. Será no segundo semestre do ano que vem. Até lá, o 1.0 e 1.4 flex atuais permanecem em linha sem mudanças. Isso não significa que a nova não terá novidades mecânicas. Entre elas, a mais importante é a opção de câmbio automatizado Dualogic de cinco marchas, inédito na linha Uno. Falando na gama, o modelo manterá todas as versões atuais, da Vivace ao mais econômico Economy. Ficarão de fora apenas as séries especiais, que serviram para movimentar até a chegada do compacto reestilizado, entre elas a College..


D2

Carro&Moto

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 23 e 24 de março de 2014 Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br DIVULGAÇÃO

Pista livre JOSÉ ARCANGELO

Colunista

Marca

OBJETIVO é tentar incomodar as vendas da Chevrolet S10 agradando a um público que mora em grandes cidades

Ford Ranger Sport quer ser opção entre picapes pequenas e médias Por R$ 67.990, versão une preço de picape menor com motor e capacidade de carga das concorrentes maiores; confira avaliação

A

cerca de 20 kgfm desde os mil giros mostra o apetite de picape da Ranger, o que privilegia o desempenho estável em subidas íngremes e mostra disposição para carregar equipamentos pesados na caçamba de 1.800 litros. Mas, o anda e para típico das grandes cidades parece não agradar muito o motor da picape, que registrou 4,9 km/l com Etanol. O câmbio tem engates duros e marchas curtas, especialmente as iniciais. Segundo a montadora, as capacidades de carga total e de imersão chegam a 1.455 kg e 80 cm, respectivamente. As limitações, no entanto, ficam por conta da indisponibilidade de transmissão automática, da versão com cabine dupla e da tração integral. Equipamentos De série, a picape conta com direção hidráulica, ar-condicionado, sistema de som com rádio, leitor de CD e MP3, entrada USB e para iPod, sistema Bluetooth e tela de LCD de 4,2 polegadas. Também há controles de áudio no volante, faróis de neblina dianteiros,

piloto automático, ajustes elétricos nos retrovisores e rodas de liga leve de 17 polegadas. A titulo de comparação, a S10 tem ajustes manuais dos retrovisores, rodas de 16 polegadas e apenas preparação para o sistema de som. As concorrentes empatam na oferta de ar-condicionado, direção hidráulica e computador de bordo. Os diferenciais estéticos da Ranger Sport ficam por conta do aplique frontal do pára-choque, faixas adesivas laterais e santo antonio tubular. Mas, se esta versão pretende ser vendida para moradores de grandes cidades, as restrições das metrópoles se impõem como dificuldades. Apesar do conforto interno similar ao de carros de passeio, a posição de dirigir é bastante elevada e os 5,35 metros de comprimento e 2,16 metros de largura exigem adaptação da noção de espaço do motorista. Além disso, encontrar vagas deste porte em ruas e até mesmo espaço para manobra nas garagens dos prédios é uma tarefa nada fácil. Pelo menos ela é minimizada

com a ajuda da direção hidráulica. Outra característica das metrópoles que vai na contramão do jeito de ser da Ranger é a quantidade de buracos nas ruas. Não pense que com seu porte avantajado as imperfeições passarão batidas. Muito pelo contrário: em ruas esburacadas a caçamba vazia pula bastante, o que exige que o motorista diminua a velocidade. Por dentro, a picape segue as linhas dos carros globais da Ford. O painel de instrumentos é de fácil visualização e conta com controle de intensidade das luzes. O acabamento que mistura plástico liso e texturizado é simples, mas bem acabado, e as saídas de ar-condicionado tem ajustes limitados. Já o sistema de som, que agrega diversas funções, se mostra bastante confuso e pouco intuitivo. Além disso, a tela de 4,2 polegadas fica notavelmente desproporcional ao porte do carro e limita o uso do sistema multimídia. Pontos fora da curva para uma picape que pretende agradar também pela conectividade.

Renault revela novo furgão Trafic Carros.ig

A

terceira geração da Renault Trafic, enfim, é revelada pela marca. A versão atual da van está no mercado há 13 anos e só agora será atualizada, com vendas que começam na Europa no fim do semestre. Apesar de continuar a ser vendida em 50 países, a Trafic continua longe do Brasil - o modelo deixou de ser vendido por aqui em 2002. Como adiantado em um esboço, a Trafic passa a contar com a nova linguagem visual da marca, caracterizada pela grande grade frontal com o logo da marca na parte de cima e ligada aos faróis. O parabrisa está bem

Outro

Mas se a escolha do cliente recair em uma Nissan Versa SV, 16V flex, 2014, o preço é surpreendente com um dos maiores custos-benefícios do mercado, por apenas R$ 43,99 mil a vista ou entrada mais parcelas de R$ 675,79 e três anos de garantia. Experimente o lançamento, do Novo Sentra 2.0 SV flex com motor 2.0, câmbio CVT 12/13, em 18 meses mais um ano de seguro grátis, taxa zero e IPVA 2014 grátis. Test drive na Trilha Norte.

Congresso

Revista Auto Esporte gradar a gregos e troianos não é tarefa fácil, mas parece ser a intenção da Ford Ranger Sport. Isso porque a picape quer entregar a capacidade de carga de picapes médias por um preço inferior e com bom pacote de equipamentos. O objetivo é tentar incomodar as vendas da Chevrolet S10 agradando a um público que mora em grandes cidades, mas viaja para o interior frequentemente. Por R$ 67.990, a Ranger Sport segue de perto o preço inicial da líder de vendas S10 (R$ 65.890) e promete compensar a diferença nos valores com mais potência e um pacote de equipaments recheado. Por isso, a picape conta com um motor 2.5 Duratec flex que entrega 173 cv, ou 32 cv a mais do que o motor bicombustível da S10. Esses números fazem dele o quatro cilindros mais potente da categoria. O torque máximo fica na casa dos 24,8 kgfm a 4.250 rpm quando abastecido com etanol e 24,1 a 3.750 giros com gasolina. A curva de torque com

“Quando se dirige uma Nissan se tem a certeza de que o cliente teve a melhor escolha”. É assim que pensa o jovem gerente Fernando Carvalho, da Trilha Norte, concessionária da marca para o Estado. Segundo ele, a Nissan March 1.0 S 16V, flex 2014 tem preço à vista de R$ 32,5 mil ou entrada mais parcelas de apenas R$ 515,29, com três anos de garantia. Test drive na Trilha Norte, na Rodovia Duca Serra Km 03.

mais inclinado. A Renault diz que existem 270 variações da van, de acordo com as duas opções de altura, duas de comprimento, se a versão é de entregas, transporte de pessoas, microônibus ou transporte de cargas maiores e uma série de opcionais. Sem falar muito, a fabricante apenas revela que o veículo terá uma linha de motores turbo. Estes motores são baseados no 1.6 dCi biturbo, criado usando o que a Renault aprendeu ao criar o motor da Fórmula 1 (vamos torcer para que funcione melhor na Trafic do que no carro da Red Bull Racing). Ao contrário do 1.6 dCi, os motores da van terão apenas um turbo. A terceira geração da Tra-

fic será produzida em Sandouville (França), fábrica que recebeu mais de 230 milhões de euros para se atualizar e produzir a van.

DIVULGAÇÃO

TERCEIRA geração do modelo terá motor turbo baseado em tecnologia da F1

Tudo acertado entre as montadoras de automóveis brasileiras, importadoras e Fenabrave para o congresso anual promovido pela Federação Nacional da categoria, a ser realizado de 13 a 14 de agosto, dessa vez na Expo Unimed Center, em Curitiba (PR). O presidente da entidade patronal Flávio Meneghetti informou que esse ano, o tema será a superação.

Opinião

Meneghetti acha que uma parte importante do “negócio” automotivo tem muito a ver com a “convivência” e o Congresso & ExpoFenabrave “é uma oportunidade ímpar para a troca de experiências, pois, nosso objetivo é buscar a su-

peração e profissionalização crescentes para termos um setor cada vez mais rentável e preparado para enfrentar cenários diversos”, ensinou. O Grupo Ápice já assegurou participação no evento.

Crescimento

Apesar de a indústria automobilística nacional considerar o ano de 2014 como “perdido” em relação às vendas de autos, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas e implementos rodoviários, nesse bimestre, os emplacamentos cresceram 6,69%, conforme dados da Fenabrave na comparação com o mesmo período do ano passado, saltando de 799.566 unidades para 853.087.

Queda

Já na comparação entre fevereiro de 2014 (393.159 unidades) e janeiro (459.928) desse ano queda no emplacamento registrou espantosos 14,2% negativos, apesar de que n mês passado tiveram apenas 22 dias úteis. Mas no acumulado do ano ouve crescimento de 5,08% para os segmentos de automóveis e comerciais leves. No Amapá não foi muito diferente.

Lançamento

Muito bem prestigiado o lançamento do Toyota Corolla 2015 que aconteceu na última terça (17), no térreo da Amapá Garden Shopping. O diretor-presidente do Grupo EBD Djalma Bezerra despachou o diretor Leandro para o evento no Meio do Mundo, enquanto no mesmo dia estava em Avaré (SP), onde tem uma fazenda de criação e engorda de gado de alta linhagem genética e uma concessionária Toyota. Do Grupo Ápice compareceu o diretor Miguel Araújo, gerente de Novos Gianfranco Petronilo e esse colunista.

Auto Pista

Agradeço de coração as orações do monge Giuseppe Buzzato em minha intenção pela passagem do dia do nosso padroeiro São José, também meu santo de devoção. Ele está no monastério de Chiaravale, nos arredores de Milão (Itália). –x-x-x-x- Ex-comandante do 34 BIS e agora advogado militante com movimentada banca em Macapá, coronel Soares juntamente com a esposa prestigiaram o evento do lançamento do novo Corolla. –x-x-x-x- Outra presença notada no evento foi a o presidente ACIA Altair Pereira na companhia do filho Pétrus Pereira. –x-x-x-x- Fernando Carvalho, “manager” da Trilha Norte, concessionária Nissan no Estado tem a esposa como uma das mais novas empresaria no Amapá Garden Shopping. É dela o Jet Chicken, bem ao lado da Girafas. Agilidade no atendimento, chope de qualidade e um frango a passarinho crocante são as especialidades da casa. –x-x-x-x- BR 156 entre os município de Porto Grane e Ferreira Gomes em petição de misérias. Grandes crateras podem dar causas a vários acidentes fatais e outros com danos materiais de consequências imprevisíveis. Na edição da última sexta-feira (21), o JD denunciou a situação em um contundente editorial denominado “Buracos assassinos”. –x-x-x-x- Tomara que nada de grave aconteça naquele trecho. –x-x-x-x- A explicação da frase da semana é : “Anda à toa”. É muito comum, principalmente o caboclo Amazônia utiliza a expressão “à toa”. O vocábulo se refere à corda com que uma embarcação reboca a outra. Um navio que está à toa é o que não tem leme nem rumo, indo para onde o navio que o reboca determinar. –x-x-x-x- Freando... e não ficando à toa pelos riscos que podem causar os buracos na BR 156. –x-x-x-x- Mesmo assim: Bom Domingo!


Carro&Moto

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 23 e 24 de março de 2014

D3

Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Espaçoso, Corolla 2015 é gostoso de dirigir

DIVULGAÇÃO

O QUE DE fato contribuiu para a evolução no desempenho do sedã foi a alteração do câmbio automático de quatro marchas pelo CVT (de relações continuamente variáveis), que simula sete velocidades

Aceleramos a versão XEi, com preço sugerido de R$ 79.990 e equipada com motor 2.0 flex de até 154 e câmbio CVT Revista Auto Esporte

E

le quer claramente voltar a ser o sedã médio mais vendido do Brasil (se cuida, Honda Civic) e, acredite, o novo Toyota Corolla está com muitas credenciais para seduzir os fãs do segmento. Isso ficou evidente após acelerarmos a versão intermediária do modelo, XEi, tabelada a R$ 79.990 e a aposta da marca para concentrar 70% do mix de vendas. Com as melhorias feitas no motor 2.0 flex de até 154 cv e 20,3 kgfm da geração anterior, o Corolla está mais esperto. O conhecido propulsor ganhou controle eletrônico no acelerador, que administra a quantidade de combustível para mover o carro, e dupla admissão de ar; uma para velocidades de cruzeiro e outra para pisadas fortes no pedal da direita. Além disso, ele agora dispõe de sistema de injetores aquecidos, que dispensa o uso de tanquinho auxiliar para partida a frio. Mas o que de fato contribuiu para a evolução no desempenho do sedã foi a alteração do câmbio automático de quatro marchas pelo CVT (de relações continuamente variáveis), que simula sete

velocidades. As mudanças de marcha são praticamente imperceptíveis e basta uma leve pisada no acelerador para o conjunto mecânico compreender a exigência do motorista. A partir da versão XEi, há ainda a tecla Sport, no console, que deixa o Corolla mais apimentado para acelerações e retomadas. Nesse modo, o condutor sente um leve soluço do carro a cada troca de marcha, mas nada que incomode tanto. Para aguçar a esportividade, o sedã conta também com haletas atrás do volante para trocas sequenciais. Uma pena o sistema não respeitar de fato a velocidade desejada. Ao atingir o limite de giro, a eletrônica sobe de marcha automaticamente. Em termos de conforto, não há do que reclamar. As suspensões absorvem com competência as irregularidades do piso e dão a devida firmeza para a carroceria em curvas sem comprometer o bem-estar dos ocupantes. A Toyota poderia ter aproveitado a mudança de geração para acrescentar ao menos controle de estabilidade. Mas segundo a marca, o Corolla não depende desse recurso para ser equilibrado. Silencioso, o novo Corolla se destaca pelo bom isolamento acústico. Na estrada, o ruído do vento passando pelos retrovisores é mínimo e o “grito” do motor, bem contido. A 120 km/h, o conta-giros estaciona nos 2.100 giros. Durante o teste em trecho rodoviário, a média de consumo foi de 9,7 km/h, com etanol. Na cabine, o

principal atrativo é o espaço. Com o acréscimo de 10 cm no entre-eixos, que saltou para 2,70 m, dá até para cruzar as pernas no banco de trás. Destaque também para o piso plano, que não prejudica a acomodação do terceiro ocupante. A área disponível para a cabeça de todos que vão no assento traseiro, no entanto, não é tão generosa para passageiros mais altos. No porta-malas, a capacidade de 470 litros foi mantida. A ergonomia, que já era boa no antigo Corolla, melhorou muito na nova geração. O volante possibilita ótima empunhadura e é muito fácil ajustar a posição ideal de dirigir, embora a regulagem de profundidade da coluna de direção não seja tão expressiva. O quadro de instrumentos, mais elegante que o da versão de entrada, GLi, tem layout bonito é simples de ler. Outro ponto positivo vai para o nível de acabamento da cabine e o sistema multimídia - com tela sensível ao toque, GPS e até TV -, também muito prático de operar. O único item de gosto duvidoso é o relógio digital, posicionado mais à direita do painel quem já teve um Ford Del Rey ou um Chevrolet Monza terá uma sensação de nostalgia. Bem equipada, a versão XEi traz bancos de couro, câmera de ré, retrovisor fotocromático, rodas de liga leve de 16” c o m

desenho exclusivo e faróis de neblina. Mas fica devendo acendimento automático dos faróis, iluminação para o espelho do quebrassol, sensor de chuva e

sensor de ré. Quanto ao visual, as linhas do novo Corolla são bastante agradáveis. Mas já teve quem o chamasse de “Etiozão” ao vê-lo de

frente. Já as linhas da traseira foram confundidas com as do Hyundai Elantra. O que não gerou dúvidas foi a evolução de beleza. O Toyota está bem bonitão.

A VERSÃO INTERMEDIÁRIA do modelo, XEi, tabelada a R$ 79.990 e a aposta da marca para concentrar 70% do mix de vendas


D4

Informe Publicitรกrio

Macapรก-AP, domingo e segunda-feira, 23 e 24 de marรงo de 2014


Jornaldodia24032014