Page 1

MACAPÁ-AP, DOMINGO, SEGUNDA E TERÇA, 20, 21 e 22 DE ABRIL DE 2014 - ANO XXVII

* FUNDADO EM 04 DE FEVEREIRO DE 1987 •DOMINGO E SEGUNDA R$ 2,50 •TERÇA A SÁBADO R$ 1,50

FIAT STRADA

ECONOMIA

Proteção aos superendividados pode virar lei

Ela está quase esgotada nas lojas Diante da procura, modelo não tem parado nos pátios de vendas das concessionárias. D1 ERICH MACIAS

DESNUTRIÇÃO: mal nas tribos

O projeto faz parte da reforma do Código de Defesa do Consumidor. C1

Recuperação de Macapá é estimada em R$ 3 bilhões

A capital que outrora já carregou o título de “cidade joia da Amazônia”, hoje sofre com ruas esburacadas, falta de saneamento básico, unida-

des de saúde funcionando de forma precária, falta de vagas nas escolas e outras consequências geradas pela ausência de investimentos. De acor-

do com o economista Charles Chelala, são necessários R$ 3 bilhões para transformar Macapá novamente na “cidade joia da Amazônia”. nB1

ERICH MACIAS

TERCEIRA IDADE

PESQUISA

Aparelho detecta dengue em 20 minutos

Cerca de 60% dos indígenas sofrem com desnutrição

A novidade está sendo possível porque um estudo mostrou alta concentração da proteína NS1, produzida pelo vírus. Atualmente, o exame para detectar a doença só pode ser feito no sexto dia. nB2

Os idosos indígenas não se alimentam adequadamente porque são criados na caça e na pesca, e não estão acostumados com alimentos condimentados. nA4

INMETRO

SARNEY

“Caiu o Muro de Berlin, mas não caiu Cuba” Ex-presidente da República durante entrevista destaca pontos nacionais, internacionais e fala de eleições. nE1

ACIDENTES

Indenizações na Semana Santa dobraram nos 5 anos No feriado da Semana Santa dos últimos cinco anos, o Brasil registrou uma média de mil acidentes com veículos com vítima por

dia. Os dados são com base no Dpvat, e consideram apenas os pedidos de indenização por morte e invalidez. nE2

Diante dos últimos acidentes envolvendo barcos transportando combustível, o Inmetro destaca que o armazenamento é válido, desde que tenha o selo do órgão. nB2 ELEN COSTA

DIVULGAÇÃO

DIVULGAÇÃO

VALOR estimado envolve melhoria nas escolas postos de saúde e pavimentação das ruas

Combustível armazenado em recipientes não é proibido

SARNEY: avaliação da história DOIS acidentes ocorreram em 30 dias

NESTA EDIÇÃO CADERNO A............................4Pag. CADERNO B............................4Pag. CADERNO C............................4Pag. VEÍCULOS D............................4Pag. CADERNO E............................4Pag.

PRECISA DE UM TÁXI?

OS ACIDENTES envolvendo motocicletas são maioria e tiveram aumento maior do que a média geral

COVEN - 3222-5200 COOPTÁXI - 3223-2777 MARCO ZERO - 3223-2639

NA INTERNET: www.jdia.com.br - REDAÇÃO: 3217.1117 - COMERCIAL: jdcomercial@jdia.com.br 3217.1100 - DISTRIBUIÇÃO: 3217.1111 - ATENDIMENTO: 3217.1110


A2

Opinião

Macapá-AP, domingo, segunda e terça-feira, 20, 21 e 22 de abril de 2014 Editor: José Maria Baia - josemaria@jdia.com.br

Poucas & Boas

• NA via mais desmorali-

zada da cidade, a Rua Paraná, no bairro de Santa Rita, no último sábado pela manhã, por volta das 9h30, um caminhão trucado com carga total e placas de fora o Estado, vindo de Santana, fez uma conversão irregular à direita em direção ao bairro Novo Buritizal e acabou batendo em uma Kombi. O trânsito ficou complicado no local até a chegada da perícia.

• PELA Rua Paraná trafe-

gam caminhões pesados mais intensamente, justamente nos horários proibidos, sem que a CTMac tome quaisquer providência para coibir os abusos e irregularidades. Um supermercado acoplado a uma distribuidora de bebidas recebe descarga de mercadorias das 8h00 às 18h00 sem que fiscais de trânsito apareçam por lá

para impedir e autuar os infratores e quando dão as caras fazem vistas grossas. Motivos? Devem ser inconfessáveis!

• ATÉ para tentar ser rico vai ficar um pouquinho mais caro a partir e 11 de maio. E para comemorar também com dos aumentos das bebidas. É que a Caixa Econômica Federal, detentora do monopólio das apostas das loterias anunciou que vai aumentar o valor de R$ 2 reais para R$ 2,50, uma burral majoração de 25%. De cinquenta em cinquenta centavos o Governo Federal embolsa todos os anos dos contribuintes mais de R$ 1 trilhão.

Santa a Praça de Alimentação que funcionou das 12h00 às 22h00 ficou praticamente lotada para almoço e jantar, com as lojas permanecendo fechadas. E no feriado de Tiradentes a Praça de Alimentação funciona das 12 às 22h00 e as demais lojas das 14 às 22h00.

• APROVEITANO o fe-

riado em homenagem ao Mártir da Independência, com perdão do trocadilho, faça sua independência para não depender dos outros para seu deslocamento. Vá até a concessionária Renault, a Lagoa Automóveis, na Rodovia Duca Serra quilômetro 03 no bairro Cabralzinho e lá faça um test drive num grande carro, o Logan, com versões a partir de R$ 33,99 mil ou um Sandero Tech Rum 1.0 por R$ 37,99 mil.

J

CONSELHO EDITORIAL Presidente:

Aldenor Benjamim dos Santos

CONSELHEIROS Haroldo Pinto Pereira Danieli Amanajás Scapin Carlos Augusto Tork de Oliveira José Arcângelo Pinto Pereira Janderson Carlos Nogueira Cantanhede Heloisa Figueiredo Pereira

lher, para fazer a divulgação do governo do qual é mandatário, aquele que foi o responsável pela elaboração da campanha ou um indicado dele. Uma espécie de bônus pelos serviços prestados e bem pagos durante a campanha. É importante considerar que, em caso de vitória, o

nistrativa que seria para selecionar uma empresa, que as forças invisíveis dirigem a escolha exatamente para aquela empresa que trabalhou na campanha e, a partir dela, se organiza a festa de distribuição de dinheiro para os “comunicadores” , principalmente para os donos de empresa de comunicação, depois para aqueles aliados que estiveram juntos na campanha eleitoral e que, agora, mesmo sendo o dinheiro público, querem a recompensa. São programas diversos que se assentam nas grades de programação das

Editado por Omega Publicidade Ltda. Rua Mato Grosso, 296 A - Bairro Pacoval CEP. 68.908-350 - Macapá-AP CNPJ 03.926.197/0001-82 Fundado em 4 de fevereiro de 1987 por Otaciano Bento Pereira(*1917 +2006) e Irene Pereira(*1923 +2011) 1º Presidente: Júlio Maria Pinto Pereira 1987 a 1991 - (*1954 +1994) 2º Presidente: José Arcangelo Pinto Pereira 1991 a 2003

emissoras de televisão e de rádio. São “comunicadores” desconhecidos que entram na mídia e passam a ser os intérpretes do que a população quer e gosta. Dai para frente a guerra se instala pois, para não perder espaço, os contrários também escolhem os seus programas, agindo de forma a combater as afirmativas dos “colegas” feitos, algumas vezes, no mesmo veículo. Mesmo assim, com todo esse “planejamento” ainda ocorrem as desavenças. A falta de pagamento e é um tira-e-bota programa no ar, conforme o paga-e-não-paga daquilo que foi acertado ou quase acertado. Os que ficam em cima do muro, em alguns momentos até levam vantagem, recebem mais, falam mais, gritam mais. Mas nem todas as vezes e nem com todos acontecem assim. Para alguns a sua “credibilidade” e a credibilidade do programa que apresentam é uma fantasia que dura, exatamente, o tamanho do espaço de mando do governante. É por isso que se ouve e se vê muitas bobagens ocupando os espaços nas emissoras de rádio e televisão. Espaços das oportunidades e, certamente, das irresponsabilidades.

Endereços Redação, Administração, Publicidade e Oficinas: Rua Mato Grosso, 296 A Pacoval, Macapá (AP) - CEP 68.908-350 E-mails Pautas e contatos com a redação: jornaldodia@jdia.com.br Editor-Chefe: cantanhede@jdia.com.br Departamento Comercial: jdcomercial@jdia.com.br comercialjd.2011@gmail.com mariaruth@jdia.com.br JD na Internet: www.jdia.com.br VIA CELULAR: m.jdia.com.br Representante comercial Grupo Pereira de Souza – GPS Matriz Rio de Janeiro/RJ - Tel.: (21) 2544.3070; Brasília/DF - Tel.: (61) 3226.6601; São Paulo/SP - Tel.: (11) 3259.6111; Belém/PA - Tel.: (91) 3244.4722

3º Presidente: Maria Inerine Pinto Pereira 2003 a 2005 Vacância do Cargo 2005 a 2012 4º Presidente: Haroldo Pinto Pereira 2013 Presidente Executivo: Haroldo Pinto Pereira haroldopereira@jdia.com.br Vice-Presidente e Diretora Comercial Juliane Pereira juliane.pereira@jdia.com.br Gerente Comercial: Paolo Oliveira paolo.oliveira@jdia.com.br Consultoria Jurídica: Juliane Pereira (OAB/AP 1320) Jakeline Morato Pereira de Souza (OAB/AP 1381) Editor-Chefe: Janderson Cantanhede cantanhede@jdia.com.br

ÍNDICE Opinião .....................A2, A3 Geral ..........................A4 Geral ..........................B1,B2,B3 Polícia ........................B4

tores, que deveriam não ser sonho, mas uma proposta que desse a informação correta para o contribuinte, afinal de contas, a justificativa do gasto é exatamente a necessidade de informar, para o contribuinte, esses gastos. Hoje, uma das metas das agências de publicidades é ter a conta de um governo. Um disfarce de gasto que precisa mudar, pois, desde o começo da ação admi-

É por isso que se ouve e se vê muitas bobagens ocupando os espaços nas emissoras de rádio e televisão. pessoal do marketing da campanha se considera vencedor com igual ou mais importância do que o próprio candidato, o partido e os seus aliados. É uma forma de entrar com mais força e mais poder de mando no governo e ver o corredor do gabinete do mandatário aberto para o agente da publicidade se comunicar com o “chefe”, tenha ele interesse ou não no assunto. As verbas da área de comunicação de um governo, de qualquer dos níveis, é sempre pequena e nunca atende os “sonhos” mirabolantes dos seus men-

Contatos: Fale com a redação (96) 3217-1117 (96) 3217-1108 Fale com o departamento comercial (96) 3217-1100 / 3217-1111 Geral (96) 3217-1110 Conceitos emitidos em colunas e artigos são de responsabilidade de seus autores e nem sempre refletem a opinião deste jornal. Os originais não são devolvidos, ainda que não publicados. Proibida a reprodução de matérias, fotos ou outras artes, total ou parcialmente, sem autorização prévia por escrito da empresa editora.

Acompanha o

caderno de ClasssiDia 8pág. Geral ...........................C1 Esporte ......................C2 Cultura .......................C3 Social ..........................C4

Twitter @leandromazzini

BANCO GENÉTICO DE DETENTOS ESBARRA EM ‘DIREITOS HUMANOS’

V

em aí enfim o banco genético de bandidos de alta periculosidade. É promessa de anos do Ministério da Justiça. O material começou a ser recolhido nas penitenciárias federais. Mas também encontra resistências pontuais de advogados dos detentos que alegam questões de direitos

humanos. Por quê? A coleta do material consiste em passar cotonete na boca do preso e capturar a saliva. Algo comum em países de primeiro mundo. Mas estamos no Brasil, onde o presidiário, com exceção da liberdade, tem direito a muitas regalias. Inclusive a peitar a Justiça.

Digitais..

.. de desespero

A assessoria do TSE não deu um pio mais sobre a enrolada e anulada licitação de novos kits biométricos. Tem gente revoltada com a coluna lá dentro, por causa da revelação.

Consórcio de boateiros espalha que o repórter – que apurou e noticiou – seguiu ‘interesses escusos’. O mesmo termo usado pela empresa perdedora no certame.

Farra geral?

Os “comunicadores” temporários á faz algum tempo que os governos, todos eles, federal, estaduais e municipais elegeram a área de comunicação como prioritária para a administração e uma das que, relativamente, mais se “investe” na distribuição dos escassos recursos dos respectivos orçamentos públicos. Por isso a comunicação se transformou em uma das unidades administrativas prioritárias e uma das válvulas de escape para atender os “comunicadores” que se afinam com a ideologia do partido que está no poder ou que simplesmente, trabalhou em um dos carros-som do partido vencedor ou de um partido aliado. Essa regar, no começo, serviu para “informar” o eleitor, mas, não faz muito tempo que, devido o aprimoramento das equipes de divulgação, passou a iludir também os “chefes” que são completamente envolvidos pelos argumentos dos publicitários, alguns nem tão éticos, passaram a não colher mais os resultados que lhes são prometidos. Tornou-se comum o mandatário eleito esco-

Jornalista

Óleo queimado

vimentado no Amapá Garden Shopping que começou na última quinta (17) e só termina nesta segunda (21). Na Sexta-Feira

Jornalista rodolfojuares@gmail.com

POR LEANDRO MAZZINI

O PSDB também está preocupado. Paulo Roberto Costa, o ex-diretor da Petrobras preso pela PF, surgiu na gestão tucana da petroleira. Há óleo queimado para todo lado.

• FERIADÃO muito mo-

RODOLFO JUAREZ

ESPLANADA

Aos domingos Veículos ....................D1,D2,D3 Informe .....................D4

Edição número

8480

Interessante a Ação Direta de Inconstitucionalidade da OAB para por ordem nas Casas. Mas causa estranheza em muita gente em Brasília a celeridade de um PL no Senado na esteira da ação no STF, que vai endossar o fim do financiamento privado a políticos e partidos para as próximas eleições. Há os que desejam para já!

Manobra

Para gente graúda que entende de campanhas desde que Dom Pedro soltava pipa: algo podre pode vir aí. Seria lucrativo e viável para os partidos e candidatos terem financiamento público, mas manterem as doações privadas diretamente em caixa 2.

Olho neles!

Ou seja, o povo paga a conta diretamente das campanhas, e as empresas com interesses escusos (ou não) continuam a cobrar o preço em projetos de seus interesses, agora repassando secretamente. Muita gente tem a ganhar, e mais.

No site

Acompanhe no site da Coluna fotos de Evandro Teixeira e charges de Aliedo, ex-Pasquim. Envie sugestões de pauta e denúncias para contato@ colunaesplanada.com.br

Mega Mistério

A Mega Sena tem acumulado seguidas vezes desde que a PF prendeu um gerente da Caixa no Piauí, que tentou sacar prêmio com bilhete falso. Será que foi o primeiro?

Recorde

Quatro ministros do STJ - inclusive o atual vice-presidente - vão pendurar a toga este ano em virtude da idade-limite de 70 anos para permanência no Judiciário. Com isso, Dilma poderá escolher antes do final do seu mandato mais cinco ministros da Corte!

Debandada

Eliana Calmon deixou o tribunal para disputar vaga de senadora pela Bahia. Vão cair na compulsória Gilson Dipp, Ari Pargendler, Sidnei Beneti, Arnaldo Esteves. Dilma terá indicado 15 dos 33 integrantes do STJ. Lula nomeou 17 ministros para o STJ.

AGU, a líder

Com 8 mil advogados e 20 milhões de processos, a AGU é ‘o maior escritó-

rio de advocacia do mundo’. Dados do Anuário da Advocacia Pública do Brasil, que Márcio Chaer e a turma do Consultor Jurídico lançam na terça, no Unique Palace de Brasília.

JK fora

Encrenca motivada a picuinha política, de ambas as partes, no aniversário de Brasília, comemorado amanhã. O Governo do DF teve de refazer às pressas uma campanha publicitária para a TV porque não foi autorizada pela família a usar imagens de JK.

Abuso eleitoral

Na peça proibida, o GDF usa imagens originais de vídeo do ex-presidente JK passeando pelas obras iniciais de Brasília, mesclando com imagens das obras atuais do governo Agnelo Queiroz (PT). JK tinha voz de narrador elogiando as obras.. da gestão Agnelo.

Tá bom..

A família de JK, em especial o adversário Paulo Octávio (PP), ex-vice-governador do DF, proibiu. Não comentaram o caso. O GDF oficialmente diz que não houve problema.

Ponto Final

Amanhã é aniversário de Brasília. Parabéns, capital, por sobreviver aos seus políticos!

Com Marcos Seabra, Maurício Nogueira e Adelina Vasconcelos www.colunaesplanada.com.br LM Comunicação Coluna Esplanada contato@colunaesplanada.com.br Caixa Postal 1980 – CEP 70254-970 – Brasília-DF


Macapá-AP, domingo, segunda e terça-feira, 20, 21 e 22 de abril de 2014

Entre Aspas JANDERSON CANTANHEDE Jornalista

Financiamento - Tem coisas nesse país que não dão mais para entender. Uma delas é o financiamento de campanhas políticas feito por empresas privadas. De graça? - Pensem comigo: que empresário, em sã consciência, vai dar dinheiro para político e depois não vai querer algo em troca? Corrupção - Oded Grajew, presidente do Conselho do Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social, considerou que na maioria dos casos, o financiamento de políticos por empresas é uma corrupção legalizada. Financiamento - Esse mal

está mais enraizado na sociedade do que imaginamos. Segundo Oded, 90% das empresas financiam campanhas porque, a partir daí, elas têm controle sobre quem financiaram e procuram tirar vantagens privadas. Ou alguém acha que não? Proximidade - Afinal, quando você eleitor vai às urnas escolhe um candidato político e não uma empresa, não um conjunto de acionistas que nem conhecemos. Mas, com tanto poder econômico e uma relação tão próxima aos políticos, claro que as empresas acabam manipulando para que se façam leis,

projetos, obras e outros. Por trás - Já repararam que por trás da maioria dos escândalos envolvendo corrupção tem sempre o financiamento de campanha ou uma grande empresa que lá atrás apoiou quem está no poder? Troca-troca - A lógica é simples: os políticos sabem que, para se candidatarem a qualquer coisa, precisam de dinheiro. Isso faz com que eles fiquem a serviço de quem lhes financia para que se candidatem e se elejam. Troca de favores, toma lá, dá cá. Alguém duvida que isso ocorra com frequência? Preocupação - Se para alguns segmentos da economia a Copa do Mundo é uma das grandes apostas do ano, para quem atua no setor de shopping centers o evento é esperado com preocupação. Perdas - A Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) revelou que o Mundial pode fazer com que o varejo perca ao me-

Opinião

Editor: Túlio Pantoja - tuliopantoja@jdia.com.br

nos 11 dias de faturamento. Menos tempo - Nas cidades em que forem decretados feriados nos dias de jogos, os centros comerciais abrirão por menos tempo (apenas seis horas) e funcionários devem ter folga. Inaugurações - A perspectiva para expansão de vendas dos lojistas em 2014 também é pouco animadora. A associação espera que 35 novos centros de compras entrem em operação no Brasil ao longo de 2014. Do total, 29 já têm data de inauguração. Loterias - A Caixa Econômica Federal foi autorizada a reajustar o preço das apostas das loterias Mega Sena, Lotofácil e Quina, por meio de portaria publicada no Diário Oficial da União. Reajuste - A valor da aposta na Mega Sena (seis números) passa dos atuais R$ 2 para R$ 2,50 a partir de 11 de maio. A Lotofácil (15 números) sobe de R$ 1,25 para R$ 1,50, a partir de 10 de maio. A aposta na Quina (cinco números) passa dos atuais R$ 0,75 para R$ 1, a partir de 11 de maio. Boa Páscoa...

Siga: @cantanhede_AP Email: cantanhede@hotmail.com / cantanhede@jdia.com.br

As duas bolsas DOM PEDRO JOSÉ CONTI

C

Bispo de Macapá

erto dia, um jovem muito pobre, andando na feira, encontrou uma bolsa com dez moedas de ouro. Agradeceu a Deus pela sorte inesperada e resolveu gastá-las. No entanto sua consciência pesou e ele achou por bem voltar antes para casa para perguntar à mãe o que devia fazer com o dinheiro. Apesar da pobreza total, a mãe não titubeou: - Volte já ao mercado, encontre quem perdeu as moedas e as devolva! O jovem obedeceu. Antes ainda de chegar à feira viu um bom grupo de pessoas reunidas e um senhor desesperado, chorando a perda do seu dinheiro. Pediu licença, apresentou a bolsa que tinha encontrado e perguntou se aquela era a perdida. O homem, rico e avarento, logo reconheceu que era a sua bolsa e a arrancou das mãos do jovem. Entendeu que por estar na frente de tantas pessoas devia dar-lhe alguma recompensa Não quis fazê-lo e inventou uma desculpa gravíssima. Começou a gritar: - Ladrão, ladrão, aqui tinha vinte moedas de ouro, onde estão as outras? Assim a confusão foi arma-

da; o jovem foi segurado e ia ser entregue ao juiz, apesar das suas reclamações de inocência. O juiz chegou e logo percebeu a farsa. Se o jovem tivesse querido ficar com o dinheiro, podia ter ficado com tudo e não devolver somente a metade. Por isso, o juiz perguntou por três vezes ao rico: - O senhor tem certeza que na sua bolsa tinha vinte moedas de ouro? - Certeza absoluta - respondeu três vezes o rico avarento. - Pois bem – sentenciou o juiz – cheguei à conclusão que hoje na feira foram perdidas duas bolsas com dinheiro: uma com vinte e uma com dez moedas de ouro. Sendo que ninguém está reclamando pela bolsa de dez moedas decido que esta seja imediatamente devolvida ao jovem que a encontrou e que se continue procurando a outra bolsa com vinte moedas. Quem sabe que ainda esteja por aí. Coisas de outros tempos, sem dúvida. Talvez mais humanos. A parábola do evangelho deste domingo nos fala de um juiz corrupto que, porém, acaba fazendo justiça a favor de uma viúva por cau-

sa da insistência dela. Desta maneira, o Senhor quis nos ensinar a nunca desistir da oração e conclui com uma pergunta sempre questionadora: “Mas o Filho do homem, quando vier, ainda vai encontrar fé sobre a terra?” Fé e oração só podem estar juntas. Quando estão separadas é para pensar se uma das duas, de fato, não esteja faltando. Se não temos fé, se não confiamos naquele que invocamos, a nossa oração serve somente para nós mesmos. Não tem ninguém para escutar e acolher o nosso pedido. Do outro lado, dizer que temos fé, mas nunca invocarmos Aquele que está sempre pronto a nos escutar, significa ter uma fé vazia e, portanto, também inútil. Este “deus” não nos interessa. Eu sei que muitos não aceitam estas considerações e se desculpam dizendo que têm fé, mas que, porém, preferem rezar sozinhos. Cada vez mais, a sociedade de hoje reduz a religiosidade de uma pessoa a uma questão particular. Cada um acredita se quiser e em quem quiser. Do mesmo jeito reza como quiser e a quem quiser. Ninguém mais precisa de igrejas, reuniões, mestres, ministros de culto e pastores. Ou escolhe quem mais lhe agrada. A tentação de cair neste “reducionismo” da fé e da oração é

muito grande e, vamos ser sinceros, cômoda. Cada um pode construir o deus que bem quiser, a sua própria imagem e semelhança, com as regras decididas por si mesmo, para ter a sua consciência em paz, sem precisar confrontar-se com outros ou acolher uma Palavra que, para quem acredita, vem de Deus, mas que os grupos religiosos parecem interpretar cada um do seu jeito. Uma bela gritaria e uma bela confusão. Resultado: este “deus”, que afinal sou eu mesmo, cansa porque não tem nada de novo, nada cobra e tudo deixa passar. Portanto não é ninguém que me aguarde e se preocupe por mim. Um Deus sem rosto não pode ser um Deus de amor. Com isso, a oração é a primeira atitude que acaba e logo em seguida a fé esfria até se apagar. Diferente é para quem conhece bem o seu Deus, acredita que é amado por Ele e que pode amá-lo em resposta. A oração pode ser um pedido insistente, o grito de um pobre pecador, mas também pode ser o louvor e a gratidão de um filho que reconhece a bondade do Pai. Somente assim a fé continuará viva neste mundo. Talvez estejamos precisando de algum “juiz” honesto que desmascare as nossas farsas.

Meditação da Páscoa José Sarney

U

Senador pelo Amapá

m domingo , na Brasília dos anos 60, no pátio interno de uma daquelas superquadras que Lúcio Costa escreveu, mas não aconteceu na memória do projeto da cidade e que deveriam ser "reservadas à convivência" no "silêncio das luzes baças", encontraram-se José Monteiro de Castro, mineiro de grande talento que viveu os maiores momentos da história contemporânea brasileira, e Pedro Aleixo, outro extraordinário homem público, modelo de correção e mestre das melhores artes da política. Aquele mesmo Pedro Aleixo, coberto de cicatrizes, sendo a maior de todas a deposição da presidência da Câmara dos Deputados, em 1937, quando Getúlio Vargas fechou o Congresso, baniu as instituições e decretou o fascista Estado Novo. Ambos se encontraram em frente a uma banca de jornal. Pergunta o primeiro: "De onde estás vindo, Pe-

dro?" Responde: "Da santa missa". "Mas Pedro", retruca o primeiro, "da missa? Você, um homem dessa colossal inteligência, assistindo a um ritual monótono e vazio, ouvindo lugares-comuns de um pároco quase sempre pouco inteligente?" "É", retrucou Pedro Aleixo. "Sim, estou vindo da missa e muito feliz. E você, José Monteiro, o que fez?" "Ora, passeei pela quadra, andei pelo parque, li jornais e vim comprar as revistas da semana." Pedro Aleixo fez uma pausa e, como quem não queria discutir, concluiu irônico, voz macia: "Ambos, pelo visto, não fizemos nada. Passamos o tempo, procurando coisas para enchê-lo, e só. Agora, quero assinalar uma diferença fundamental no que fizemos. Se Deus existe, coisa em que eu acredito com inabalável fé, estarei de bem com Ele e comigo, cumpri meus deveres. Agora, você, José Monteiro, vai ficar muito atrapalhado". E

deu uma gargalhada meio contida. Nesse diálogo, descontraído e simples, colocava-se o mistério maior de nossas vidas: a crença de que há algo de transcendental no nosso destino que não pode ser facilmente abrangido pela razão, pelos simples critérios de pensar. Santo Agostinho sintetizou muito bem esse sentimento quando se recusou a explicá-lo e invocou o privilégio de crer. Essa é uma faculdade que está além do racional, e a ela se chama fé. Ter capacidade de ter fé. Viver sem ela é uma condenação, quase maldição. É o terreno de uma solidão incontornável, de uma sensação de abandono na qual reside a tristeza em seu estado de pureza absoluta. A Semana Santa nos remete aos ensinamentos básicos do cristianismo. Quantas vezes, todos os anos, todos os dias, a cena da crucificação se repete, sem envelhecer. O símbolo da cruz é o do sofrimento, mas, sobretudo, o da ressurreição. São Paulo afir-

A3

mava, e nunca é demais repetir, que sem ressurreição não há cristianismo. Muitos vêem Cristo sem a cruz, outros, a cruz sem Cristo. Mas é impossível qualquer separação. São indissolúveis no mistério da Paixão, que só pode ser entendido pela fé. No padre Vieira há um sermão, o do mandato, entre vários que ele pregou sobre o mesmo tema, que lembra São João na passagem evangélica: "Jesus amou os homens até o fim". E pergunta Vieira: "Ah, se colocássemos nos homens esse coração de Cristo e em Cristo o coração dos homens?". A chave para penetrar no simbolismo da Semana Santa é só uma: a fé. Ela leva-nos à missa, sublima-nos na oração, faz-nos participar da liturgia, sabendo que tudo isso é tudo e não é nada, porque o espírito de Deus é a essência maior de todas as coisas. E Maritain ensinava-nos que "Deus se conhece pela sua essência". Uma boa meditação para a Páscoa.

Dia-Dia

Exemplos estampados

U

m pavoroso acidente de trânsito aconteceu nesse feriadão na BR 156/210, as proximidades do Centro Monte Tabor. Um funcionário público federal conduzindo uma picape pequena, ao perder o controle da direção teria passado para o lado oposto da pista e colidindo frontalmente com um ônibus que vinha em sentido contrário. O choque foi tão violento que e frente da picape ficou totalmente destruída. O condutor teve o crânio esfacelado com os olhos saltando das órbitas, parte do cérebro ficou exposta assim com algumas vísceras presas aos limpadores de para brisa. Uma cena de horror escancarada em fotos por várias redes sociais. Aqui não se quer Nas bem sinalizadas discutir quem foi ou e pavimentadas deixou de ser o culpa- estradas de lá a velocidado pela tragédia ou as de é liberada em muitos condições de sobriedade em que o “de países e as taxas de acicujus” viajava, já que dentes graves não várias latas de bebidas passam de 1% foram encontradas no meio das ferragens retorcidas manchadas de sangue, mas sim, as consequências futuras ai incluídas, as dores dos familiares e prejuízos materiais. Por ocasião da Semana do Trânsito é comum às autoridades exibirem carros destroçados mostrando pedagogicamente que altas velocidades, misturadas as imprudências e altos consumos de drogas lícitas e ilícitas não combinam. Muitos podem ser contra em mostrar uma “desgraça” para evitar muitas outras, mas nos países mais civilizados como nos europeus é comum durante todo o ano à exibição de veículos e filmetes de acidentes automotivos bárbaros para tentar frear as tragédias. Nas bem sinalizadas e pavimentadas estradas de lá a velocidade é liberada em muitos países e as taxas de acidentes graves não passam de 1%, sinal de que não seria a velocidade excessiva a tal causa maior de acidentes. Urge as autoridades públicas de o Estado aproveitar o recolhimento do IPVA retirando parte dele para ser empregada corretamente como manda a lei em campanhas educativas visando à diminuição das taxas de acidentes, quase que insuportáveis no Meio do Mundo, uma das maiores do País.

Hora-Hora

Todo...

Diz o poeta: “Todo dia era dia de índio”. Antigamente. Os antigos donos da Ilha de Santa Cruz, desde que o Monte Pascoal foi avistado pela esquadra de Cabral em abril de 1.500, não tiveram muito que comemorar. As grandes Nações hoje estão encolhidas, com suas terras e riquezas sendo exploradas pelo homem branco, que a cada dia lhe empurra para dentro das matas impedindo que suas proles cresçam e alcancem o progresso desejado.

Sucesso

Empresário de sucesso empresarial Odilon Filho, esposo da prefeita de Calçoene Lucimat Lima, da Calçomar, localizada no município a 385 quilômetros ao Norte de Macapá detem 90% da fatia de mercado de exportação de peixe industrializados do Estado. Sua produção praticamente é toda comercializada para São Paulo onde tem comercialização assegurada, já que o pescado de água salgada no Amapá não teria mercado e a população prefere o de água doce.

Sobra

Para Calçoene não sobra nada, a não ser milhares de cabeças, espinhaços, nadadeiras e rabos de peixe, que antigamente em vez de serem doadas eram atiradas em lixeira a céu aberto, com a empresa sendo devidamente multada e autuada pela

Secretaria de Meio Ambiente, tendo que assinar um termo de Ajuste de Conduta (TAC) com o Ministério Público para cessar a poluição ambiental. As carcaças de peixes podem ser utilizadas para fazer farinha de osso, um dos componentes principais para a produção de ração.

Conhecidos

E os assaltos continuam a acontecer na Grande Macapá e todos sabem que os meliantes são oriundos do IAPEN, muitos deles fugitivos com direito as regalias da porta principal. E para realização dos crimes contam com armas de grosso calibre pertencentes a Polícia Civil. Assim não tem combate e os bandoleiros vão sempre ganhar das forças repressivas. E fica tudo por isso mesmo!

Reprise

A JD já alertou as autoridades públicas do Estado para redobrar a fiscalização em cima das chamadas “bocas” de carros e motos que a cada dia aparecem nas esquinas da Grande Macapá. Disfarçados de empresas legais, elas recebem veículos em consignação sem a devida emissão de notas fiscais, sonegam impostos municipais, federais e estaduais, alugam veículos para assaltantes, que usam placas frias para a realização dos crimes. No assalto à sede do CDL as suspeitas são que tanto o carro como a moto veio dessas “bocas”.

MINUTOS

Voluntários - O Programa Conjunto das Nações

Unidas sobre HIV/Aids (Unaids) está contratando voluntários até o dia 5 de maio para atuarem na campanha "Proteja o gol" de ações de prevenção da doença durante a Copa do Mundo de 2014 no Brasil. Os interessados devem ter mais de 18 anos e residir nas cidades que aderiram à campanha - Curitiba, Fortaleza, Recife, Natal, Cuiabá, Salvador, Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre e Manaus.


A4

Geral

Macapá-AP, domingo, segunda e terça-feira, 20, 21 e 22 de abril de 2014

Cerca de 60% dos idosos indígenas sofrem com desnutrição, diz médico ERICH MACIAS

Os restantes vivem nas cidades. Há 15 anos havia um problema comum de colesterol e triglicerídeos no idoso indígena. Hoje em dia os maiores problemas estão relacionados à hipertensão arterial, doenças do aparelho cardiovascular e diabetes. Houve uma transposição epidemiológica. Antes tinha muitas doenças transmissíveis e transitórias. Agora a prevalência são doenças crônicas. DST Segundo Godoy, o idoso indígena não costuma usar preservativo sexual. As doenças sexualmente transmissíveis (DST) são mais comuns e a contaminação pelo vírus HIV é 30 vezes maior na população indí-

gena idosa. “Eles tem uma aversão a camisinha. Também ainda acreditam que são jovens e continuam trabalhando rotineiramente, diferente dos urbanos que querem a aposentadoria depois dos 50 anos”. Há 30 anos havia uma pirâmide. Nasciam muitas crianças, idosos morriam e a fertilidade era grande. Agora, o processo está diferente. A medicina avançou e a população idosa é grande, mas a fertilidade está sendo afetada devido aos xenobióticos, que são compostos estranhos a um organismo ou a um sistema biológico. Por exemplo, o simples fato de um cidadão da cidade cheirar fumaça faz com que o corpo não consiga metabolizar adequada-

mente essas partículas que não são reconhecidas pela célula e organismo. Acabam sendo metabolizados de uma forma diferente que pode levar ao câncer e a infertilidade humana. “O volume do testículo vem diminuindo progressivamente com o passar dos anos. E isso corrobora em um número menor de natalidade e fertilidade. Índios que tem muito contato com a cidade e comem alimentos que tem corantes, cozidos, acabam desenvolvendo os xenobióticos, de difícil metabolização e que podem causar anomalias. O indígena idoso sofre e, embora o governo federal se esforce para melhorar a saúde, ainda há muito que fazer”, concluiu Godoy. ERICH MACIAS

OS IDOSOS INDÍGENAS não se alimentam adequadamente porque são criados na caça e na pesca, e não estão acostumados com alimentos condimentados, que são feitos no fogão e na geladeira.

Hoje em dia, os maiores problemas de saúde estão relacionados à hipertensão arterial Caroline Mesquita

Da Reportagem

O

senso comum que a velhice indígena é tranquila e saudável deve ser acabado. O idoso indígena tem muitos problemas de saúde assim como os nãos índios. Os hábitos alimentares altera-

dos, a ausência de afetividade, o meio ambiente modificado e a transposição de local, das matas para as grandes cidades, trouxeram vários problemas de doenças para o idoso indígena. Trabalhando com a população indígena há mais de anos, o médico Cassio Godoy explica que a saúde da pessoa idosa indígena é muito importante na atualidade porque se sabe que o paciente indígena, mesmo que não esteja doente, sofre de afetividade. “Quando são abandonados pela família ou mesmo os casais, a depressão é

constante”, colocou. Os idosos indígenas não se alimentam adequadamente porque são criados na caça e na pesca, e não estão acostumados com alimentos condimentados, que são feitos no fogão e na geladeira. “Existe uma questão de pacientes idosos indígenas, acima de 60 anos, em que 60% estão com desnutrição dentro da própria Casa de Apoio Indígena – CASAI. O índice de massa corporal indica essas dificuldades alimentares”, disse. Apenas 15% dos índios brasileiros ainda vivem na região de selvas e matas.

SEGUNDO GODOY, o idoso indígena não costuma usar preservativo sexual. As doenças sexualmente transmissíveis (DST) são mais comuns e a contaminação pelo vírus HIV é 30 vezes maior na população indígena.


MACAPÁ-AP, DOMINGO, SEGUNDA E TERÇA-FEIRA, 20, 21 e 22 de abril de 2014

Geral

DENTRO DA LEI

Combustível armazenado em recipientes com selo não é proibido, diz Inmetro B2

Pesquisa da USP desenvolve aparelho que detecta dengue em 20 minutos B2

Editor: Túlio Pantoja - tuliopantoja@jdia.com.br

Reestruturação de Macapá depende de investimento bilionário e vontade política

Economista avaliou os custos necessários para melhorar a pavimentação, escolas e postos de saúde Caroline Mesquita

Da reportagem

A

capital que outrora já carregou o título de “cidade joia da Amazônia”, hoje sofre com ruas esburacadas, falta de saneamento básico, unidades de saúde funcionando de forma precária, falta de vagas nas escolas e outras consequências geradas pela ausência de investimentos. A realidade que Macapá enfrenta vem sendo agravada nos últimos vinte e cinco anos, devido não somente o mau zelo do poder público, mas também pelo crescimento populacional desordenado. Apesar da crítica situação que é a falta de pavimentação nas ruas, e a precariedade dos setores de saúde e educação, Macapá ainda pode recuperar-

-se. Essa reestruturação é bilionária e depende muito mais de vontade política do que de recursos. De acordo com o economista Charles Chelala, um estudo complexo de avaliação da capital do Estado do Amapá mostra que para pavimentar toda a cidade é necessário um investimento de 1 bilhão e 300 mil reais , apenas para este setor. “Apresentamos ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) um projeto de R$ 900 milhões para obter recursos de financiamento. Estamos muito próximos de obter R$ 90 milhões. Se conseguirmos de R$ 100 milhões a 120 milhões por ano para destinar especificamente a pavimentação, em menos de uma década teríamos Macapá muito bem estruturada”, instituiu Chelala. Relacionado às necessidades do setor da saúde, os estudos não estão tão detalhados como o da pavimentação. “Temos hoje 20 unidades básicas de saúde. Estamos construindo a primeira Unidade de Pronto Atendimento, que seria um órgão de

saúde municipal pequeno e fazendo a conclusão do Hospital Metropolitano da Zona Norte. A soma desses recursos custará entre R$ 150 milhões a R$ 160 milhões”, explicou o economista, enfatizando que estes novos órgãos desafogarão a Atenção Básica. O setor da educação é considerado mais grave pelo economista. “Temos que recuperar toda a estrutura da educação. Também precisaríamos de 120 unidades educacionais. Há 80 escolas na capital e nos distritos, e os anexos que existem estão em condições desadequadas e muito ruins”, pontuou. Para Chelala, o setor da educação tem certa facilidade para conseguir o recurso para construção e reforma das escolas. O grande problema, na realidade, é garantir o financiamento da educação, ou seja: o custeio da educação. “Contratar novos professores diante da miséria de recursos que vem para a cidade é complicado. A remuneração dos servidores da educação é razoável, mas há muito que compensar

ERICH MACIAS

APESAR DA CRÍTICA situação, recuperação ainda é possível com cerca de R$ 3 bilhões

pelos serviços que nos prestam. Esse financiamento da educação é falho”, colocou. Charles Chelala avalia que R$ 3 bilhões transformaria Macapá em uma “cidade joia da Amazônia”,

mas adiciona que obter recurso sólido e aumentar a capacidade de arrecadação é fundamental. “Macapá arrecada muito pouco. E arrecada pouco não porque não pagamos nossos impostos, e sim

porque passou por más gestões. Muita gente não paga IPTU porque não foi cobrado, ou não tem domínio do terreno. Temos que começar a pagar essa dívida social com Macapá”, concluiu.


B2

Dia-Dia

Macapá-AP, domingo, segunda e terça-feira, 20, 21 e 22 de abril de 2014 Editor: Túlio Pantoja - tuliopantoja@jdia.com.br

Combustível armazenado em recipientes com selo não é proibido, diz Inmetro

Entidade analisa últimos acidentes envolvendo combustível armazenados em recipientes Andréa Maciel

Da reportagem

A

s últimas grandes explosões que ocorreram em Macapá, envolvendo combustível armazenado em recipientes indevidos no interior de embarcações, geraram o questionamento da população, quanto à proibição ou não desta prática e quem fiscaliza. O Instituto de Defesa do Consumidor (PROCON) no Amapá, afirma que possui uma normativa para tal acondicionamento, mas que a fiscalização não é de sua alçada. O Procon juntamente com Ministério Público Federal e Ministério Público Estadual, criaram uma normativa em 2012 referente a questão do acondicionamento dos combustíveis, onde deixa claro que combustível pode ser mantido em recipientes,

desde que este tenha o selo do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (INMETRO). A venda de combustível em garrafas pet e sacos plásticos são proibidos desde 2000. Oito anos depois, a norma NBR 155941 da ABNT permitiu a venda e o transporte apenas em recipientes certificados pela ABNT, a qual normatiza que os recipientes devem ser rígidos, metálicos ou não metálicos, devidamente certificados e fabricados para este fim, permitindo o escoamento da eletricidade estática gerada durante o abastecimento para os recipientes metálicos. Os recipientes não metálicos devem ter capacidade máxima de 50 litros e atender aos regulamentos municipais, estaduais ou federais aplicáveis. Garantindo assim, o selo do INMETRO, além de outras regras que devem ser respeitadas. “O vendedor só pode dispensar o combustível quando identificar a existência do selo do INMETRO no carotes. Outros setores responsáveis pela fiscalização do combustível, como Marinha e Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema),

devem verificar determinadas situações que lhe competem, para que desastres como os que vêm ocorrendo, não aconteçam novamente”, explica Nilza Amaral, diretora do Procon/Ap. De acordo com Nilza Amaral, a fiscalização desse transporte indevido de combustível não cabe ao instituto, ou das embarcações, pois o Procon é voltado mais ao direito do consumidor, como por exemplo, ao adquirir uma passagem fluvial, o consumidor tem o direito de que as instalações da embarcação lhe ofereçam condições mínimas, como coletes salva vidas, banheiros adaptados aos deficientes físicos, lotação condizente com a capacidade do barco, entre outros que dirigem-se especificamente ao direito enquanto consumidor, mas ressalta que se durante as fiscalizações, os fiscais encontrarem combustível armazenado de forma inapropriada, estes podem recolher o material. “Nossas fiscalizações não são diárias nessas embarcações, temos um período que se intensifica como nas férias, onde o Procon compõe uma comissão muito grande durante a

ELEN COSTA

ÚLTIMAS grandes explosões envolviam combustível armazenado em recipientes indevidos em barcos

época do festival do camarão, para verificar questões que tenham relação ao consumo. Após conferirmos as irregularidades, damos um prazo para que os donos das embarcações se adequem. Porém se um de nossos fiscais em suas vistorias detectarem

o acondicionamento indevido de material inflamável, ou seja, em carotes que não possuem o selo do Inmetro, nós podemos tirar”, enfatiza a Diretora do Procon/Ap. Materiais inflamáveis podem ser armazenados e transportados em reci-

pientes, desde que cumpram as exigências do INMETRO, bem como as dos órgãos normatizadores. Quanto às fiscalizações estas cabem aos órgãos competentes, como a Capitania dos Portos, no caso de embarcações, entre outros.

Pesquisa da USP desenvolve aparelho que detecta dengue em 20 minutos

U

m aparelho portátil e de baixo custo, desenvolvido por pesquisadores do Instituto de Física de São Carlos da Universidade de São Paulo (USP), é capaz diagnosticar com precisão os pacientes com o vírus da dengue em apenas 20 minutos, já a partir dos primeiros sintomas. A novidade está sendo possível porque um estudo mostrou alta concentração da proteína NS1, produzida pelo vírus. Atualmente, o exame para detectar a doença só pode ser feito no sexto dia, o que faz com que ela seja confundida com outras infecções e nem sempre tratada da forma adequada. A demora no diagnóstico pode levar, especial-

mente nos casos de reincidência, à morte. “O teste convencional não pode ser feito nos primeiros dias, porque ele mede a concentração de anticorpos. [O paciente] tem que ter quadro avançado de dengue. O novo aparelho detecta a proteína já nos primeiros dias”, disse o professor Francisco Guimarães, responsável pelo estudo. O dispositivo, similar ao que é utilizado na medição de glicemia, funciona da seguinte forma: o anticorpo que reage à proteína NS1 é cultivado na gema do ovo. Em seguida, ele é colocado em alta concentração sobre uma membrana metálica, a qual em contato com o sangue infectado, reage eletrica-

A minha Macapá Prof. Dr. Eduardo Augusto da Silva Costa

C

Médico com Residência, Mestrado e Doutorado em Cardiologia. Professor de Cardiologia da Faculdade de Medicina da UFPA. Pós-Doutorado em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista eascosta@cardiol.br

omecei a pensar e voltei ao tempo de minha infância aqui, aí pensei, vou escrever sobre a minha cidade de Macapá e deixar a gripe suína para a semana que vem, sem antes avisar que todos devem ser vacinados, pois a doença é muito grave e mata. Bem, ao assunto, nasci como hoje em um dezoito de abril, no hospital geral. De minhas primeiras lembranças vem à memória o festejo da copa de 1958, pois a casa da vó Maria era no lado do café society, onde a vida acontecia naquela época. A outra vó, a Deolinda morava em frente da casa do Mestre Oscar. Lembro de brincar com o sapo da frente dos correios, de passar por debaixo da barriga

dos leões do fórum, onde hoje é a OAB, de estudar na Escola Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, no igarapé das mulheres das Deusas e Margaridas, dos colegas de infância da escola e do bairro, ainda sou capaz de lembrar alguns nomes, do João Cabral (que morreu servindo o exército num acidente na guerrilha do Araguaia), que era um super amigo e muito bom de bola, da mesma época, o Cristovão, a Lindalva, o Orlanil, o Zé Raimundo, a Bela, a Sônia, a Graciete, o Lindolfo, o Cazuza, o Bebé, a Maria José, a Iaraci, a Jurema, o Arigó, o meu primo Manoel, o Carlão, o Odilon, o Lelê, o Lúcio, o Romero e o Camarão que era mais velho e

DIVULGAÇÃO

mente. Guimarães destaca que a utilização de ovos de galinha para produzir os anticorpos foi uma das formas encontradas para baratear o custo do produto. “A gente gerou fora do corpo humano, sem usar animal, e isso faz com que o preço fique muito baixo. Apesar de o corpo ter milhões de proteínas, só aquela do vírus da dengue se liga ao anticorpo”, explicou. O aparelho deve custar entre R$ 100 e R$ 200. “A ideia é que todo posto de saúde, mesmo em lugares mais remotos, possam fazer o teste rápido, sem que o sangue tenha que ser levado para grandes centros. Evita-se a demora no resultado, pois é um teste direto”.

O professor espera que, em no máximo dois anos, o dispositivo esteja disponível para venda. “Fizemos o protótipo, mas ele tem que passar ainda pela etapa de desenvolvimento do produto, de validação pela Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária], de produção e só então a etapa de venda. Esse é o prazo mais otimista”, avaliou. A próxima fase da pesquisa é desenvolver biossensores que identifiquem o tipo de vírus da dengue. “Se o paciente pegou o tipo 1 e na cidade está alastrando o tipo 3, a chance dele ter hemorrágica é grande, pois é preciso ser infectado por vírus distintos. Por isso a importância de identificar o tipo”.

DEMORA no diagnóstico pode levar à morte em caso de reicindência

maior, sendo por isso o responsável por bater o sino da igreja. Na nossa rua tinha uma figura folclórica, o Rocky Lane (não sei seu verdadeiro nome), mas lembro de jogarmos bola na rua descalços e ele de meião e chuteiras, e indo assistir o filme do Zorro, vestido de Zorro. Naquela época íamos nos domingos para fora da cidade, tomar banho no pacoval, muito longe, pois a cidade acabava no campo do América, atrás da igreja de São Benedito, ou para o outro lado muito mais longe, a praia do Araxá; às vezes íamos tomar banho na prainha da Fortaleza, Fortaleza que tinha um farol e os baluartes eram cor de tijolo. Nas noites de lua vermelha e grande batíamos lata pro mundo não acabar e quando jogávamos futebol na praia do trapiche ninguém chegava perto da pedra do guindaste, hoje substituída por concreto onde está a estátua de São José, pois ela era encantada, quando a bola ia em sua direção íamos em grupo bus-

cá-la, ninguém se aproximava sozinho. Nos domingos, depois da missa das oito, que disputávamos para ajudar como coroinhas, pois quase todos éramos coroinhas e/ou escoteiros, íamos ao cine João XXIII de manhã, que tinha sempre um seriado após o filme e ao cine Macapá à tarde, onde um dos rituais era a troca de gibis na porta. No futebol, tinha o Macapá, o Amapá Clube, o Cea, o Latitude Zéro, o América, o Santana, o Trem, mas o nosso sonho era jogar no Juventus, que tinha o Wanderley, o Magalhães e o Caboclinho, só de goleiros além do cracaço Orlando Torres. Nessa época o Alceu, que depois se transformou no super-zagueiro, era apenas escoteiro, e lembro que o maior buraco cavado para a construção da piscina da sede da Veiga Cabral foi feito por ele. E por falar em escoteiros, que até hoje é a maior escola de formação de caráter no mundo, depois da família; lembro

de meus chefes, o Batintin, hoje meu paciente, o Mozart, o Silva Luz, o Clodoaldo, o Humberto, o Noventa e Um e o Zé Roberto, este foi meu chefe quando eu era lobinho e que já devia ser meu amigo, pois foi em sua bicicleta que dei minhas primeiras pedaladas. Os clubes sociais eram o Sacy e o Sayonara, este com o papai sendo um dos fundadores e primeiro presidente, e ontem de manhã, conversando no escritório do Zé da Mido, vi uma foto dele, Zé, em que está o Aristarco, que era o vice-presidente, disso eu lembro bem pois um dos lugares mais amiúde das festas era a minha casa. Ah, ia esquecendo das namoradinhas ou quase namoradinhas, aquelas primeiras que a gente nunca esquece, a Iza, a Nazaré e a Idá. Quando não íamos ao cinema no domingo de manhã, íamos todos para o programa de auditório na rádio difusora, o clube do guri, onde o super-

-músico Aymoré acompanhava a todas as tentativas de cantarmos ao microfone. Enfim essa era a minha Macapá; só espero que depois deste texto, ninguém mais me pergunte se sou amapaense, para novamente eu ter de responder quase decorado, sou, você conhece o Osmar Júnior, a mãe dele é irmã da minha mãe. Conhece a Patrícia Bastos, o nosso bisavô é o mesmo, sabe a Telma Duarte presidente da confraria Tucujú, é minha irmã, e sabe o Dorimar da banca de jornais, a Ana Maria, mulher dele é minha prima. É isso! Vou parar por aqui, pois se deixar minha mente divagar não caberá o texto no espaço da coluna. Só o que me deixa um pouco triste é que trinta e sete anos depois, quando voltei, a cidade não mudou muito, mas isso é o assunto de outro artigo; pois eu te amo Macapá. Uma semana abençoada à todos. Semana que vem volto a falar de Macapá e de saúde.


Geral

Macapá-AP, domingo, segunda e terça-feira, 20, 21 e 22 de abril de 2014

B3

Editor: Túlio Pantoja - tuliopantoja.com.br

Violência e acidentes de trânsito são as maiores causas de morte entre os índios, afirma DSEI Já casos de suicídio e uso de drogas pelos índios relacionados à morte é baixo Fábio Gomes

Da reportagem

S

egundo o Distrito Especial Indígena (DSEI), dentre os vários fatores que contribuem para a mortalidade dos povos indígenas dentro do estado, está a violência e os acidentes automobilísticos considerado os mais graves, porém é descartada pelo DSEI no estado qualquer número factício sobre mortalidade relacionada ao suicídio ou efeito de drogas lícitas como álcool ou ainda ilícitas. Os índices de suicídio no DSEI do Amapá e norte do Pará são considerados baixos. No ano de 2013 de acordo com o DSEI, houve apenas um caso de suicídio registrado e no ano de 2014 não há casos registrados. Quanto ao alcoolismo, afirma-se que para o homem branco como designado por eles, tem vício como alcoolismo, para os

índios essa prática não é nada mais que um ritual, por exemplo, se um indígena de 13 anos ingerir bebida alcoólica é uma passagem, onde o índio passa a ser visto como adulto, são culturas diferentes. Nilma da Silva Pureza, coordenadora do DSEI do Amapá e norte do Pará fala que a maioria das informações prestadas, maquiam a realidade da situação indígena. “Os índios estão sendo bem atendidos, na verdade não está uma situação tão crítica como pensam, além dos profissionais que trabalham conosco que não são índios, há cerca de 80 profissionais indígenas que trabalham para efetuar uma ação para preservar a saúde do povo indígena, há ainda agentes indígenas de saneamento que cuidam de questões relacionadas a água (abastecimento) e recolhimento de lixo, contando ainda com 60 profissionais pilotos fluviais, lembrando que todos são indígenas, então na realidade é absorvida uma mão de obra muito grande de profissionais indígenas” afirma Nilma. No DSEI Amapá trabalha-se com três povos indígenas bem específicos, com

os povos indígenas que abrangem o parque do Tumucumaque, que é a maior área de preservação ambiental do mundo, onde se encontram diversas aldeias, sendo no lado Bona 20 aldeias e no lado Tiriyó 29 aldeias chegando a 49 só no parque. Os índios que vivem na região que pertence ao município de pedra Branca do Amapari, são da etnia waiãpi, encontra-se 37 aldeias onde os quais só tiveram contatos com o mundo externo por volta da década de 70 é que foram notificados, por conta disso e naturalmente da cultura, eles são considerados índios mais rústicos, que ainda têm preservadas com mais solidez as características culturais da etnia, como vestimentas, pinturas e modo de vida. O município de Oiapoque apresenta cerca 64% da população indígena ou de originários de família indígena, gerando ao todo mais de 7 mil índios. O trabalho do DSEI é em favor de cerca de 11 mil indígenas que estão necessitando de auxílio na educação, saúde e nos diversos setores que estão em sua maioria carentes de atendimento. A quantidade de aldeias

DIVULGAÇÃO

OIAPOQUE apresenta cerca 64% da população indígena e a maior demanda de atendimento

visitadas pelo DSEI chega a 129 registradas oficialmente, apesar de o número de aldeias que existem, além do registro chega a 155, o trabalho na preservação das aldeias bem como na saúde, educação,

Equipe técnica do BNDES avalia os investimentos do Estado

U

ma equipe técnica do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) concluiu deu início à agenda de monitoramento e prestação de contas das operações contratadas pelo Governo do Amapá junto à instituição financeira. As visitas são trimestrais e avaliam o andamento das obras e ações realizadas pelo governo estadual, bem como efetuam uma auditoria nos processos licitatórios, licenciamento ambiental e regularidade fundiária dos projetos que recebem recursos do banco. A equipe permanecerá no Amapá até a próxima quinta-feira, 17, e visitará o novo Estádio Zerão e Escola Pantanal, ambas em funcionamento, e checará o andamento das construções da ponte do Rio Matapi, Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Zona Norte e da nova Maternidade de Par-

tos Naturais. Desde 2011, o Governo do Amapá já teve aprovada pelo BNDES a utilização de R$ 196 milhões do Programa Emergencial de Financiamento (PEF 2) e de R$ 94 milhões do Programa Amapá/BNDES de Desenvolvimento Humano Regional Integrado (PDRI), esse último iniciado em novembro de 2013. Além da área de educação, o portfólio de projetos do governo somente com recursos contratados de operações de crédito é de mais de 140 obras e ações. Uma das ações de destaque foi a destinação de R$ 25 milhões de contrapartida para garantir as obras de infraestrutura do Conjunto Cidade Macapaba, do Minha Casa, Minha Vida, o que permitiu a implantação da rede de esgoto, água, asfaltamento, energia elétrica, entre outros serviços. O portfólio do governo inclui ainda fortes investi-

mentos na área da saúde, com a construção da UPA e da nova Maternidade, ambas na Zona Norte de Macapá, da ampliação de mais 80 leitos do Hospital da Criança e Adolescente (HCA), das bases do Samu em sete municípios e novos equipamentos de alta tecnologia para o setor. Outro ponto forte da aplicação de recursos planejada pelo governador Camilo Capiberibe é a universalização do serviço de abastecimento de água nos municípios. Exemplo disso é a nova Estação de Tratamento de Água (ETA) de Santana, cujo investimento de R$12 milhões garantiu o aumento de fornecimento de 40% para 85% da população. A meta é levar água tratada para 100% dos domicílios dos 16 municípios do Amapá, o que já foi feito em Gurupora, Cutias, Maracá, Mazagão, Vitória do Jari e outros. Também foram investidos cerca de R$ 18 milhões na melhoria e ampliação das redes de distribuição de energia urbana em oito municípios. “As visitas periódicas da equipe técnica do BNDES, para acompanhar a execução dos recursos contratados com o banco, reforçam o trabalho diligente realizado pelo Governo do Estado na aplicação dos recursos, tendo em vista que já executamos e prestamos contas ao banco de cerca de R$ 290 milhões nos últimos três anos”, ressalta o secretário de Governo, Juliano Del Castilo Silva.

há inclusive agentes de saúde indígenas que trabalham para que a sua própria etnia venha a ser preservada e para que a cultura fique viva em meio às idas e vindas do homem branco em seu meio.

A equipe trabalha em meio a diversas situações, dificultosas como falta de estrutura, mas segundo informou a equipe do DSEI nada vai impedir de se realizar o seu trabalho designado.

Dinheiro pelo ralo Elcio Ferreira

Bacharel em Direito

Q

uando o Orçamento Público é instrumento exigível e necessário para que os serviços públicos possam ser executados com qualidade em favor do povo. Ah! Coitado do povo que nem sabe o que é orçamento, nem para o que serve isso. Que só sabe da falta d’ água, da falta de energia elétrica, dos transportes coletivos inexistentes, da falta de segurança pública, da falta de remédios nos postos de saúde, nos hospitais, da falta de vagas nas filas das consultas médicas, nos agendamentos, da falta de profissionais médicos e enfermeiros, da falta de tapa buracos e do asfaltamento das ruas, das calçadas inexistentes para caminhar, da falta de sinalização no transito, da falta de limpeza pública, de áreas de lazer e praças limpas, aconchegantes, dos investimentos em novos hospitais,

escolas, postos de saúde etc. Aí sim, o povo começa a sentir o que é orçamento público, começa a perceber que esse tal de orçamento é importante, é necessário para a suas necessidades básicas e elementares, para a sua dignidade, e passa ter interesse em saber o que acontece com ele, quem elabora isso, quem aprova, altera e quem executa, e como executa. No Amapá, o orçamento vem sendo utilizado para financiamentos diversos do objetivo principal que é melhorar a vida do povo. São inúmeras as denúncias na Justiça do Estado feitas pelo Ministério Público contra membros da Assembleia Legislativa do Amapá, onde tomamos conhecimentos de diversas acusações na Justiça contra parlamentares por malversação de recursos públicos, tanto em fraudes em licitações com as devidas comprovações, além de apropriações indébitas de recursos em diárias, passagens aéreas, aluguéis, pagamentos indevidos e etc... E vejamos só o que ocorreu na execução do Orçamento de 2013, conforme planilha publicada recentemente no portal da transparência do GEA e no Diário Oficial do Estado durante o exercício 2013. Enquanto o Estado do

Amapá via Poder Executivo, gastou em diárias em todas as suas ações cerca de 7,6 milhões de reais com toda a sua gigantesca estrutura de Secretarias de Educação, Saúde, Segurança Pública etc. Isso tudo, dentre outros demais poderes, como o Poder Judiciário que tem uma estrutura relativamente relevante e que gastou somente, cerca de apenas 945 mil, portanto, menos de 1 milhão, o Ministério Público que gastou 1,070 milhão e o TCE que gastou 448 mil. Aparece então, como campeã de despesas executadas com diárias a Assembleia Legislativa do Amapá que executou um recorde total de 17,476 milhões, quase 80% a mais do que todo o Estado do Amapá com todos os seus Poderes juntos(menos a AL). O Ministério Público deve investigar com acurados olhares de Fiscal da Lei para que tenhamos esclarecidos esses gastos e a Justiça do Amapá julgar com os rigores da Lei os culpados. O povo está cansado de tanto descaso, de tantas fraudes, dos enriquecimentos ilícitos, do sofrimento e da vergonha em ter votado em pessoas que não correspondem as suas expectativas. Como dizia Rui Barbosa: “De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto”. Mas não é isso que o povo vai ao fim resolver fazer porque os populares têm brios e honradez, lá na urna, vão dar as respostas mais coerentes, é a de serem honestos e honrados, de terem vergonhas nas caras e de não votarem mais, nos desonestos, nos caras de pau que surrupiam os recursos públicos das escolas, dos hospitais, da segurança pública e que riem das nossas caras todos os dias. E tenho dito. (Elcio Ferreira Bel. Em Direito, Professor e Téc. Judiciário)


B4

Geral

Macapá-AP, domingo, segunda e terça-feira, 20, 21 e 22 de abril de 2014 Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Líder do PPS aponta alternativas para o Amapá alavancar economia DIVULGAÇÃO

Incubadora social, Sistema de Água e Esgoto Municipal e o freio da evasão de renda são pontos cruciais apresentados Caroline Mesquita

Da reportagem

O ALLAN destaca que para Macapá avançar é necessário estancar a evasão de renda

vice-prefeito Allan Sales, líder do PPS no Amapá, é um entusiasta da economia amapaense. Segundo ele, sua pasta se transformou em uma incubadora de projetos que executados podem trazer melhorias à vida do macapaense. A incubadora social, como é denominada por ele, tem hoje sete projetos em evidência. Um deles é a Macapaluz que trata especificamente da transição da iluminação pública da CEA (Companhia de Eletricidade do Amapá) para a Prefeitura de Macapá. Neste caso foi apresentada uma proposta de um projeto piloto à CEA onde contempla várias vias da cidade como as avenidas Fab, Carlos Lins Corte, as ruas Leopoldo Machado, São José, Cândido Mendes, General Rondon, Santos Dumont, Hamilton Silva, Hildemar Maia, Jovino Dinoá, rodovia JK/Araxá, além das praças, canteiros centrais e parte da orla. O projeto piloto serve para dar base a um projeto maior que é o Projeto Reluz que alcançaria 1/3 da iluminação de Macapá. O pré-projeto já foi também encaminhado para Eletrobrás e depende apenas de alguns ajuste entre a CEA e a PMM para que o mesmo se torne uma realidade. “Assim, teríamos aproximadamente um total de 2.215 pontos de luz no referido projeto piloto”, disse. Projeto Outro projeto destacado por ele é o SAAE (Sistema Autônomo de Água e Esgoto Municipal), que será discutido juntamente com representantes da Câmara Municipal e técnicos. A ideia é fazer uma visita ao município de Aracruz (Espirito Santo), tido como ótima referência de qualidade de vida e de ganhos significativos na arrecadação com a implantação do SAAE municipal. O projeto de lei já está sendo elaborado e deverá ser encaminhado à presidência da Câmara de Vereadores para votação. O objetivo do projeto é a qualidade da água diante

da quantidade de poços artesianos cavados próximos de fossas, ampliando assim a possibilidade de contaminação do lençol freático. Além do projeto do SAAE, outro de destaque é o economia criativa que hoje está na pauta do discurso da presidenciável Marina Silva e de lideranças que tem uma visão de conciliar o meio ambiente e o setor produtivo. Dentro dessa linha, a incubadora social começou o seu credenciamento em programas federais do qual o mesmo contempla 11 Estados e 2 municípios que seria o Rio de Janeiro e Macapá em processo de Certificação. Esta economia aborda a questão do turismo com albergues, estudantis e ecológicos, gastronomia, reciclagem, a fomentação de cultivo de hortas orgânicas, produção de orquídeas, e criação de peixe ornamental, produção de chá e as outras atividades como louçaria cerâmica e muitas outras atividades. A mesma tem como objetivo fomentar outras atividades que passam despercebidos no dia a dia que geram emprego e renda neste setor da economia criativa. Fora esses projetos, Allan destacou Macapaprev, uma empresa gestora de ativos da Prefeitura e que tem como objetivo em comum ter um terreno doado pela SEMDUH para ser utilizado como crédito para abater débito da PMM com a Macapaprev.

Espaço próprio Assim, a entidade previdenciária estaria construindo sua sede própria além de outros espaços ocupados por secretarias e coordenadorias da PMM que deixariam de pagar aluguéis para terceiros fortalecendo mais a capitação da Macapaprev e também a diminuição de custo de aluguel para a PMM. Allan ainda destaca que para Macapá avançar é necessário estancar a evasão de renda. “Hoje o entretenimento e o consumo sejam através da internet seja através de viagem é considerável perda de circulação de recursos em nossa capital, vamos dar o exemplo de entretenimento o festival do camarão em Afuá, há um deslocamento de aproximadamente de Macapaense para aquela cidade, ser cada um gastar R$ 100,00 em média em um final de semana serão gastos R$ 7 milhões”, destacou. Para termos uma ideia, a PMM arrecada R$ 6 mi-

lhões em média de IPTU anual, mais só o festival do camarão já nos tira de circulação mais do que o valor do IPTU anual. Desta forma, percebemos o tamanho da perda da chamada evasão de renda em nossa economia. Projeto econômico A economia de Macapá não passa somente por projetos econômicos, mas também sustetáveis. Um deles é a Casa Auto sustentável, projeto piloto de casa auto sustentável como temos o projeto de capitação de água da chuva, nossa esquipe estará transformando uma piscina em uma grande cisterna para a mesma acumular água para todos os consumos da Vice-Prefeitura, excerto para beber. “Além de termos a revitalização de jardins e projeto de iluminação fotovoltaico através de placas solares, desta forma a Vice-Prefeitura além de abrigar a incubadora também é um projeto da Casa auto sustentável, a onde a mesma terá uma lan house para o público”, comentou. A cultura também tem espaço com o projeto Tenda Cultural. A mesma terá como finalidade apresentações de músicas, artes, através da pintura e artista plásticas e artesanato e grupo folclore como Marabaixo e capoeira e também de uma cinemateca a onde serão apresentada documentários e filmes nacionais e internacionais. Já a Incubadora Social estará buscando nas Universalidades como UNIFAP, UEAP e nas demais faculdades a colaboração e as sugestões de possíveis projetos que possam dar suporte e o conhecimento para a economia macapaense. Qualidade A participação das Universidades se dará nas mais variadas áreas. A incubadora busca conhecimento em ciência, tecnologia e pesquisa, os estudos já realizados por estas instituições que trarão uma qualidade necessária para qualquer projeto de nossa cidade o Estado do Amapá. Acreditamos com os oito projetos mencionados podemos dar uma dimensão da importância da Incubadora Social por o mesmo setor que abriga tecnologias, meio ambiente e gestão pública atual dentro das necessidades da nossa sociedade. “Precisamos ter o espaço público é para o Público”, finalizou.


MACAPÁ-AP, DOMINGO, SEGUNDA E TERÇA-FEIRA, 20, 21 e 22 de abril de 2014

Geral

SOCIEDADE

Times amapaenses são eliminados na 1ª fase da Liga de Quadras 2014 C2 Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Cinema Nacional

No limite do politicamente correto, “Copa de Elite” satiriza filmes C3

Aprovado na Assembleia Legislativa do Amapá, o Projeto que declara de utilidade pública, a Cooperativa de Trabalho dos Motoristas Teletaxistas do Estado do AmapáCOOPTAXI C4

Proteção aos superendividados pode virar lei O projeto faz A parte da reforma do Código de Defesa do Consumidor, que também inclui proposta que regulamenta as compras pela internet Agência Brasil

preocupação com o superendividamento dos brasileiros pode levar à criação de uma lei de proteção ao consumidor. O Projeto de Lei do Senado 283/12, que disciplina a oferta de crédito ao consumidor e previne o superendividamento, pode ser votado no plenário da Casa ainda este mês. O projeto faz parte da reforma do Código de Defesa do Consumidor, que também inclui proposta que regulamenta as compras pela internet. O projeto prevê a garantia do crédito responsável, a

DIVULGAÇÃO

educação financeira e a prevenção e tratamento das situações de superendividamento. Estabelece ainda o conceito do “mínimo existencial” de renda, que deve ser garantido por meio de revisão e repactuação de dívidas. De acordo com o projeto, a soma das parcelas reservadas para pagamento de dívidas não poderá ser superior a 30% da remuneração mensal líquida e, assim, será preservado o “mínimo existencial”. O projeto também prevê que, a pedido do consumidor, o juiz poderá instaurar

Mensagem de Páscoa Professoras Cláudia Chelala e Eugénia Foster (É pra mudar!) Que grande alegria: Cristo ressuscitou! Pra mudar a nossa vida! Que significa o fato de Jesus ter ressuscitado? Significa que o amor de Deus é mais forte que o mal e a própria morte; significa que o amor de Deus pode transformar a nossa vida, fazer florir aquelas parcelas de deserto que ainda existem no nosso coração. (Papa Francisco) A Páscoa como passagem da escravidão do pecado à liberdade do bem, que deve se realizar em todos os tempos, nos espaços concretos da nossa existência, na nossa vida de cada dia. E assim, a Jesus ressuscitado que transforma a morte em vida, peçamos para mudar o ódio em amor, à vingança em perdão, a guerra em paz. Sim, Cristo é a nossa paz e, por seu intermédio, imploramos a paz para o mundo inteiro. Paz parta o nosso planeta. Paz para o mundo inteiro, ainda tão dividido pela ganância de quem procura lucros fáceis, ferido pelo egoísmo que ameaça a vida humana. Cristo ressuscitado guie a todos nós e toda a humanidade no caminho da justiça, do amor e da paz”.

Feliz páscoa!

processo de repactuação de dívidas, com realização de audiência conciliatória. Nessa audiência, o consumidor apresentará uma proposta de plano de pagamento, com prazo máximo de cinco anos, sempre preservando o mínimo existencial. A asssessora do Procon-SP Vera Remedi considera que o mais preocupante, atualmente, são os consumidores que pagam as contas todos os meses, mas têm endividamento acima da renda. Ela lembra que muitos usam o crédito caro, como rotativo do cartão de crédito e cheque especial para rolar suas dívidas. “O que mais me preocupa são os superendividados adimplentes. Não existem muitas propostas para renegociar dívidas. As pessoas, às vezes, têm só 20% da renda para o pagamento de despesas básicas de alimentação, transporte e moradia, daí usam cartão de crédito e cheque especial e ficam sem saída. A pessoa assume muitos contratos que não são adequados à sua

situação financeira”, explica. Para Vera, há uma irresponsabilidade na concessão de crédito no país. “Os consumidores cobrem uma dívida com juros muito altos. Ainda contribui para isso a venda casada de seguro, o crédito com troco, as ofertas de crédito por telefone ou caixa eletrônico. Tudo o que é mais fácil, tem juros mais altos. Todas são contrações feitas na base da emoção do consumidor”, ressalta. O Procon-SP tem um programa para ajudar os superendividados. É o Núcleo de Tratamento do Superendividamento, que atende consumidores insolventes e ajuda na tomada de medidas preventivas e corretivas. Segundo Vera, 2.822 consumidores já foram a palestras sobre o assunto e 1.142 superendividados receberam orientação individualmente. Pela internet é possível encontrar algumas ferramentas de apoio aos superendividados. O Banco Central, por exemplo, oferece em seu site uma cartilha com

orientações sobre como sair do superendividamento. E na página da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o consumidor encontra uma ferramenta para organizar as receitas e despesas, o Jimbo. Segundo a superintendente de Serviços ao Consumidor da Serasa Experian, Maria Zanforlin, pode ser considerado como superendividado o consumidor que tem mais de quatro dívidas. “Ocorre quando a pessoa fez mais compras do que pode pagar e precisa de crédito”, explica. “O consumo estimula a economia, mas é preciso haver um consumo consciente. Só comprar o que realmente precisa. A felicidade com uma compra é muito curta”, alerta Maria Zanforlin. Segundo ela, uma boa dica é anotar tudo o que se compra para saber quanto consumiu ao final de um dia. “No Brasil, a questão do consumo é nova. São 20 anos do Plano Real. Não tivemos educação financeira necessária”, disse.


C2

Geral

Macapá-AP, domingo, segunda e terça-feira, 20, 21 e 22 de abril de 2014 Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Times amapaenses são eliminados na 1ª fase da Liga de Quadras 2014 A competição que aconteceu de 7 a 12 de abril em São Luís contou com a participação de três equipes do estado Karina Rodrigues

Da reportagem

O

s times de basquete, vôlei e handebol masculino da Universidade Federal do Amapá (Unifap) que representaram o estado na etapa Norte/Nordeste da Liga do Desporto Universitário de Quadras 2014, que aconteceu de 7 a 12 abril, em São Luís (MA), foram eliminados na 1ª eta-

DIVULGAÇÃO

pa da disputa e perderam a chance de classificação para a fase nacional da competição. Segundo o presidente da Federação Acadêmica de desporto do Amapá (FADAP), Olivaldo Nunes, os times não se saíram bem na primeira fase da competição e isso fez com que as equipes fossem eliminadas. “Todos os atletas se empenharam bastante, todos se esforçaram para conciliar o horário dos treinos e os da universidade, apesar de não termos conseguido um bom re-

sultado, ganhamos experiência e podemos tentar melhorar os times para os jogos universitários deste ano”, informa. O integrante da seleção de handebol da Unifap, Maicon Wilson, destaca que o objetivo dos amapaenses era conquistar uma vaga para a etapa nacional. “Há um ano nós participamos dos jogos universitários, adquirimos uma boa experiência, fomos em busca do melhor resultado, mas infelizmente não conseguimos uma boa colocação”, explica.

DIVULGAÇÃO

MMA

S

Rumo dos leves Duas lutas com brasileiros também mexem diretamente com os próximos passos dos pesos leves, ainda mais le-

A FABRÍCIO Werdum encara o norte-americano Travis Browne no UFC on FOX 11

vando em consideração o fato de que o campeão Anthony Pettis defenderá o cinturão contra Gilbert Melendez apenas no fim de semana do ano, após ambos serem treinadores do TUF 20. No duelo da trocação no card principal, Edson Barboza colocará seu chutes baixos a prova contra o duro “Caubói” Cerone. Os dois tem estilos bem parecidos e essa luta é promessa de porrada comendo solta. O brasileiro tem a chance de finalmente mostrar que pode disputar o cinturão. Quando esteve perto, falhou. Já fechando o card preliminar, dois dos tops da divisão e com, provalmente, o melhor jogo agarrado da categoria. O número 5 Rafael dos Anjos terá pela frente o numero 7 Khabib Nurmagomedov. Não consigo imaginar parada mais dura que essa para o brasileiro. O russo, invicto em sua carreira de 21 lutas, vai tentar derrubá-lo. E derrubá-lo. E derrubá-lo. A chance para Rafael é, em uma dessas quedas, pegar um braço ou uma perna, em busca da finalização. Minha aposta: o vencedor dessas duas lutas se enfrentarão no segundo semestre para saber quem será o próximo desafiante pelo cintu-

ANTONIO LUIZ

Trio Dourado I

Expectativa geral para o resultado dos testes de Leandro, Ruan e Caio no Corinthians. Trio Dourado II Independente de aprovação ou não, consideramos vitoriosos os três jovens amapaenses. Copa Verde I Paysandu representa a Região Norte na final contra o Brasília esta segunda-feira, 17hs. Copa Verde II Basta um empate para o

rão dos leves. Serviço: O UFC deste sábado começa às 16h30 (de Brasília) e será transmitido apenas pelo canal em pay-per-view Combate. Mas você, amigo internauta, poderá acompanhar todos os lances pelo Placar UOL Esporte. Card principal Fabrício Werdum x Travis Browne – Peso pesado Miesha Tate x Liz Carmouche – Peso galo feminino Donald Cerrone x Edson Barboza – Peso leve Brad Tavares x Yoel Romero – Peso médio Card preliminar Rafael dos Anjos x Khabib Nurmagomedov – Peso leve Thiago Pitbull x Seth Baczynski – Peso meio-médio Jorge Masvidal x Pat Healy – Peso leve Estevan Payan x Alex White – Peso pena Caio Monstro x Luke Zachrich – Peso médio Jordan Mein x Hernani Perpétuo – Peso meio-médio Dustin Ortiz x Ray Borg – Peso mosca Mirsad Bektic x Chas Skelly – Peso pena Derrick Lewis x Jack May – Peso pesado

clube bicolor erguer a inédita taça que leva à Sul-Americana. Copa Verde III Atacante Lima decide ficar no clube e representa gol na rede adversária. Dá-lhe, Papão! Amapazão I Dinheiro escasso e público reduzido prejudicam o Campeonato de Futebol Profissional. Amapazão II Mas os bravos Santos e Macapá não desistem e vão a campo esta terça, 20hs, Glicerão. Brasileirão I Iniciou o campeonato mais importante da América do Sul e um dos melhores do mundo.

ma das opções para o técnico Roberto Fernandes para definir o time do Remo, que enfrenta o Independente de Tucuruí, hoje (20), pela semifinal da Taça Estado do Pará é o lateral Diogo Silva, que aposta na bola parada para ajudar o Leão a vencer o Galo Elétrico. “Procuro trabalhar bastante bola parada e caprichar ao máximo, seja para deixar um companheiro em ótimas condições de marcar gol ou de surpreender o goleiro adversário e ajudar o Remo” disse o lateral, que já deixou sua marca no Parazão, no empate de 2 a 2 contra o Cametá, no segundo turno. Diogo alerta a equipe pra ter cuidados com o Independente, que chegou com méritos a fase semifinal do Campeonato Paraense. “Nesses dias estamos trabalhando posicionamento, principalmente na defesa para não sermos surpreendidos pelo Independente”.

Federação Amapaense de Handebol promove curso para formação de árbitros Karina Rodrigues

Colunista alpcampos@hotmail.com

Negativo Portuguesa sai de campo aos 17 minutos de jogo com o Joinvile. A lusa se baseou em liminar judicial e, infelizmente, está se tornando o clube mais antipático do país!

O INTEGRANTE da seleção de handebol da Unifap, Maicon Wilson, destaca que o objetivo dos amapaenses era conquistar uma vaga para a etapa nacional

Da reportagem

Toque de Primeira Positivo Quarta-feira de cinzas importante para o futebol tucuju, pois nesse dia sai o resultado da avaliação dos garotos Leandro, Ruan e Caio no Corinthians. Boa sorte, garotada!

Futebol

U

O que esperar deste UFC erá o terceiro evento do UFC em oito dias, mas o melhor ficou para o final dessa maratona. Depois da triste derrota de Minotauro e a chata vitória de Tim Kennedy sobre Michael Bisping, teremos neste sábado um belo card em Orlando, encabeçado pelos pesos pesados Fabrício Werdum e Travis Brownie. E tem até brasileiro trocando a Disney por esse evento, como contou Marcos Peres.Essa luta definirá os rumos dos pesos pesados. Dana White já avisou que o vencedor dessa combate será o próximo desafiante pelo cinturão da categoria. Basta, apenas, que o campeão Cain Velasquez se recupere da cirurgia no ombro. Até o lugar essa luta já foi acertado: ela acontecerá no México, terra dos pais do dono do cinturão. Dentro do octógono, devemos ter um duelo de estilos. Por mais que tenho melhorado muito na trocação nos últimos anos, Werdum tem no chão, no jogo agarrado, sua melhor chance. Isso porque a mão de Browne é famigeradamente pesada e vem derrubando muita gente nos últimos anos. O brasileiro deve usar a trocação apenas para se aproximar do havaiano e tenta colocá-lo para baixo. A meta? A décima finalização de sua carreira. Mas que ele não caia na bobagem de tentar o double-leg grudado na grade. Travis já mostrou que suas cotoveladas na têmpora são devastadoras.

Lateral aposta na bola parada para ajudar o Remo

Federação Amapaense de Handebol (FAH) realizará no período de 23 a 26 de abril, no auditório do Yázigi, curso para a formação de novos árbitros da modalidade. O objetivo da capacitação é formar novas duplas de árbitros e mesários para suprir a necessidade do estado. Segundo o Presidente da

FAH, Richard Neves, o quadro atual de árbitros não supre a demanda das competições realizadas pela instituição. “Nós tínhamos apenas quatro duplas de árbitros, mas esse número diminui para três, e por isso estamos promovendo esse curso, para formar pelo menos mais duas duplas de árbitros para que tenhamos um número maior de árbitros e mesários”, afirma. De acordo com o dirigen-

te, professores e acadêmicos de educação física podem se inscrever para a capacitação. “Esperamos que os profissionais de educação física participem do curso, para que possamos ter cada vez mais árbitros, inclusive mulheres podem se inscrever”, afirma. As inscrições para a capacitação podem ser feitas até a próxima quarta-feira, 23, na Federação, a taxa de inscrição custa R$ 30, 00.

Lima explica motivos que o fizeram ficar no Papão Futebol

U

m dos grandes destaques do Paysandu, artilheiro neste ano com 17 gols marcados, o atacante Lima confirmou sua permanência no clube, com contrato assinado até o final do ano que vem. Em entrevista, o jogador explicou que a sua fácil adaptação na capital paraense e o apoio da torcida alviceleste foram os principais motivos para continuar no clube. “Me adaptei de uma forma tão rápida que às vezes sinto que estou morando aqui há anos. Se eu tivesse ido para o futebol catarinense eu teria que me readaptar de novo, e isso poderia ser muito complicado. A minha família adorou a cidade e isso fez com que a minha decisão de ficar

Brasileirão II Competição de regularidade de um país jogado em um “continente”. Exige forte elenco! Brasileirão III Domingão de São Paulo x Botafogo, Atlético-MG x Corinthians e Flamengo x Goiás. Futebol Sub-15 Rodada da Copa Zico 10 acontece esta segunda-feira no Estádio Zerão, a partir de 14hs. Leão Orientador I Corrida ‘Leão Orientador’ Professor Nonato Souza movimenta a capital este domingo. Taça Libertadores O Grêmio vai à Argentina esta quarta-feira e pega

no Paysandu fosse ainda mais forte. Estou muito feliz aqui em Belém e em jogar no Paysandu”, afirmou o jogador. A sintonia do atacante do Paysandu com o time e seus torcedores é tanta, que chegou a pesar na decisão do jogador. Lima destacou a importância da torcida para o seu bom desempenho e atuação em campo, e o relacionamento que vem construindo ao longo de sua trajetória no clube. “Dificilmente você chega em um clube e o torcedor te acolhe com tanto carinho como é aqui no Paysandu. Isso tem me ajudado bastante dentro de campo para dar o meu melhor nos jogos”, declarou.

uma pedreira chamada San Lorenzo. Psicologia do Esporte Concepção de atleta une 03 áreas do treinamento esportivo: física, técnica e psicológica. Psicologia do Esporte II Mente e corpo devem estar em harmonia para que não ocorra desvios de concentração. Futsal de Santana I Agitação na cidade do Porto com a realização da I Copa do Mundo. Reúne 32 seleções! Futsal de Santana II A inédita competição pretende revelar novos talentos e premiar do goleiro ao artilheiro.

Título pode render uma vaga a mais na Série D Na próxima amanhã (21), Paysandu e Brasília-DF disputarão o título da Copa Verde e, se o Paysandu vencer, poderá impulsionar o futebol paraense no ranking de federações da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e ajudar a Federação Paraense (FPF) de Futebol a alcançar até a nona posição. Isso pode render mais uma vaga para o Pará no Campeonato Brasileiro da Série D. “Não estamos garantindo duas vagas, poderá acontecer de o Estado ganhar pontos com a conquista do Paysandu e isso pode nos render uma vaga a mais no Campeonato Brasileiro, com o critério estabelecido pela CBF”, disse o vice-presidente da FPF, Maurício Figueiredo. O ranking das federações é atualizado após a disputa do Campeonato Brasileiro da Série A e, em alguns casos, após o Mundial de Clubes da Fifa, quando há participação de algum clube brasileiro. Hoje, a FPF está na 11ª posição no ranking.

Liga dos Campeões I Chelsea x Atlético de Madrid fazem uma semifinal entre ingleses e espanhóis neta terça. Liga dos Campeões II Real Madrid x Bayern de Munique é uma espécie de final antecipada nesta quarta-feira. Don Sabore Estádio virtual de Santana exibe domingo Tucurui x Remo e segunda Brasília x Papão. Você Sabia? Goleiros dos clubes semifinalistas da Europa valem R$ 291 mi, maior que qualquer time brasileiro inteiro. O São Paulo tem o elenco mais caro (R$ 241 mi), portanto ainda sobra um troco de R$ 50 milhões.


Geral

Macapá-AP, domingo, segunda e terça-feira, 20, 21 e 22 de abril de 2014

C3

Editora: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

No limite do politicamente correto, “Copa de Elite” satiriza filmes

Daí se entende a cautela confessa da produtora Mayra Lucas e do diretor Vitor Brandt, quando apresentaram o filme “Copa de Elite” Cinema

É

preciso ter certa coragem para realizar cinema-paródia no Brasil, nestes tempos em que piadas viram alvo, não de risadas ou sorrisos amarelos, mas de repúdio e processos de particulares. No debate sobre o que divide o politicamente incorreto da franca ofensa, comediantes ficam em meio a uma insegurança jurídica que, quando não os cala, os deixa à mercê de um massacrante julgamento público e penas legais. Daí se entende a cautela confessa da produtora Mayra Lucas e do diretor Vitor Brandt, quando apresentaram o filme “Copa de Elite”, que estreia nesta quinta (17), du-

rante coletiva de imprensa realizada em São Paulo. Questionados sobre possíveis receios, foram muitos espontâneos e abertos ao dizer que, sim, tomaram cuidados e deixaram algumas piadas potencialmente conflituosas na ilha de edição. Afinal, além de parodiar as produções nacionais mais bem-sucedidas dos últimos anos (“Bruna Surfistinha”, “Dois Filhos de Francisco”, “Chico Xavier”, “Minha mãe é uma Peça” e etc), em especial “Tropa de Elite”, também usam como pano de fundo a Copa do Mundo no Brasil, tema de discussão política ardente às vésperas do campeonato. Mas, por vontade própria e não por pressão, o diretor (que também assina o roteiro com Pedro Aguilera) não tinha qualquer intenção de mexer num vespeiro. Queria uma comédia aos moldes das realizadas por Mel Brooks, como “SOS - Tem um Louco no Espaço” (1987), ou de David Zucker, e seu spin-off do seriado de TV “Police Squad”, o “Corra que a Polícia Vem Aí”, que evidenciou o ator Leslie Nielsen. Na história criada por Brandt e Aguilera, Jorge Capitão (Marcos Veras) é um capitão do Batalhão de Operações Policiais (BOP,

porque perderam o “E” de “Especiais” por incompetência). Celebrado por seus feitos ousados, cai em desgraça por salvar o craque argentino Lionel Messi de um sequestro, às vésperas do jogo final entre Argentina e Brasil na Copa. Expulso da corporação e ridicularizado publicamente, Capitão recebe pistas de um complô para matar o papa Francisco, que veio ao país para acompanhar a partida. Como não pode contar com seu batalhão, ele se vê obrigado a aceitar a ajuda de uma dona de sexshop, Bia Alpinistinha (Julia Rabello), para prender o criminoso, que se disfarça de palhaço. Embora não se trate de uma comédia muito sofisticada, porque, aqui, nada é sutil, o filme tem como mérito desbravar um gênero que não se vê no cinema nacional. Ainda pretende provar que é possível rir de si mesmo, a começar pelo ator Bruno de Lucca, que interpreta a si próprio numa produção que o torna motivo de chacota. Com participações especiais de Rafinha Bastos, Babu Santana, Bento Ribeiro, Antonio Pedro, Thammy Miranda e da cantora Anitta, “Copa de Elite” quer agradar ao pú-

blico na faixa dos 30 anos. Se conseguir, pode abrir

MC Guimê diz que ganha até R$ 450 mil por mês e não considera maconha droga DIVULGAÇÃO

Celebridade

M

C Guimê foi entrevistado nesta sexta (18) no programa “Diálogos” da Globo News, onde revelou que seu grupo ganha R$ 700 mil por mês e ele pessoalmente embolsa de R$ 400 a R$ 450 mil reais mensalmente. “Mas para alguém que ganha R$ 2 milhões eu não sou rico”, completou ao ser perguntado pelo entrevistador Mário Sérgio Conti se não seria contraditório o fato de muitas de suas músicas lidarem com o fato de não ser compreendido pelos mais ricos. Guimê falou que apesar do sucesso mantém as mesmas amizades das origens humildes em Osasco e que é grato pelo funk ter permitido que ele realizasse diversos sonhos junto de sua família. “Ainda sou aquele garoto de Osasco”, disse. “Maconha não considero droga”

espaço para produções similares, o que já será um

DIVULGAÇÃO

grande feito para esta produção.

Ex-BBB Vanessa arrasta multidão para boate lésbica em São Paulo

V

anessa Mesquita arrastou uma legião de fãs durante uma festa na boate lésbica The L Club, na Vila Madalena, na zona oeste de São Paulo. No palco, a campeã do “Big Brother Brasil 14”, agradeceu o carinho dos fãs e se surpreendeu com o número de pessoas ali presentes. “Nossa, eu estou surpresa porque achei que

ia dar meia dúzia de pessoas aqui, mas tem mais de mil”, falou e foi ovacionada. Amante dos animais, a ex-sister brincou com o público pedindo para que eles imitassem gatinho e, depois, dançou a música “Beijinho no Ombro”, de Valesca Popozuda. “Eu nunca vivo de rótulos. A gente tem uma amizade colorida”, disse.

Horóscopo Áries (21 mar. a 20 abr.) Um sábado perfeito pra você se esbaldar praticando seu esporte preferido, estar próximo dos amigos mais queridos e ainda ter inspiração para planejar atividades de estudo e conhecimento ? que se realizarão nos próximos meses. Em família, seja paciente e tolerante. MC GUIMÊ no programa “Diálogos” da Globo News

O funkeiro também admitiu que fuma maconha e que não a considera uma droga. “Até hoje sou usuário de maconha, não considero uma droga, pude ir

pra Amsterdã e conhecer um pouco mais do que eu uso. Estou assumindo aqui porque sou homem”, falou, completando que acredita que álcool é po-

tencialmente muito mais perigoso do que a maconha. “Eu mesmo fico muito mais doidão quando eu bebo do que quando fumo”.

Resumo das Novelas Malhação Segunda-feira, 21 de abril – Ben desconfia do motivo do choro de Anita, mas ela consegue despistá-lo. Sidney insiste em se declarar para Sofia, que continua o esnobando. Zureta revela sua paixão por Soraia, e Omar rasga a revista masculina em uma crise de ciúme da irmã. Virgílio agradece Paulino por tê-lo aproximado de Bárbara. Terça-feira, 22 de abril – Cícera cobra que Ben cumpra sua promessa de voltar aos Estados Unidos caso não passe para uma faculdade no Brasil. Antônio mostra sua maquete do banco como parte do plano com Palhares. Serguei e Júlia se preocupam com a proximidade de Anita e Antônio. Abelardo ajuda Caetano a encontrar um novo advogado.

Além do Horizonte Segunda-feira, 21 de abril – Edu compra uma casa em Tapiré. LC tem uma ideia para impedir que o dossiê original chegue até a polícia. Celina não deixa William beijá-la. Heloísa desaprova a ida de Marcelo, Priscila e Inês para Tapiré. Selma, Rita e Jéssica reclamam do jeito de Samantha. Lili pensa em avisar a William sobre a traição de Edu. Terça-feira, 22 de abril – William, Celina, Fátima e Rafa veem Edu se distanciar com o dossiê. André avisa a Celina que está indo para Tapiré com um grande grupo. Rita, Osvaldo e Selma tentam animar Nilson. LC queima o dossiê original. William pensa em pedir para Lili e Marlon pegarem a cópia do dossiê na Comunidade.

Meu Pedacinho de Chão Segunda-feira, 21 de abril – Madame Catarina tenta acalmar Serelepe, mas o menino sente medo e acaba fugindo. Giácomo avisa a Juliana que Renato foi procurar um hotel na cidade para se hospedar. Juliana confirma para Ferdinando que Gina não gosta dele. Madame Catarina é contra levar Serelepe em um orfanato e discute com Epaminondas sobre o assunto. Terça-feira, 22 de abril – Dona Tê insinua para Ferdinando que ele não sabe lidar com Gina. Tuim avisa para Serelepe que sua mãe deixou ele se esconder em sua casa. Dona Tê avisa para Gina que Ferdinando pode estar interessado nela. Epaminondas ameaça mandar Zelão embora se ele não conseguir encontrar Serelepe. Tuim avisa a Pituca que Serelepe está escondido, mas não revela o local.

Em Família Segunda-feira, 21 de abril – Neidinha fica nervosa ao ver fotos de estupradores que Alice lhe mostra, tiradas de um jornal. Virgílio consola Alice e Miss Lauren tenta acalmar Neidinha. Nando fica arrasado ao ver Jairo e Juliana se beijando no elevador do prédio. Luiza conta para Virgílio que beijou Laerte. Clara percebe a troca de olhares entre Luiza e Laerte. Terça-feira, 22 de abril – Shirley insiste com Leto que quer fazer uma festa de aniversário para ele. Helena dá um olho turco para Luiza botar em seu apartamento novo e Virgílio fica orgulhoso da atitude madura da mulher. Verônica e Laerte discutem na frente de Clara e Marina. Shirley diz a Virgílio que Helena tem sorte por ter um marido tão fiel.

Touro (21 abr. a 20 mai.) Para acompanhar o ritmo mais intenso e expansivo de hoje, você terá de mudar um pouquinho sua rotina. E valerá super a pena. Um passeio diferente, novos horizontes, contato com natureza e pessoas despojadas serão incríveis para você se sentir bem. Gêmeos (21 mai. a 20 jun.) Vida social movimentada, encontros importantes, um faro especial para captar tudo o que seu amor quer. Presentes inesperados e notícias boas.. O clima astral pede objetividade, coragem e dialogo ? novas ideias podem ser acatadas e levadas à prática. Câncer (21 jun. a 21 jul.) Vênus e Júpiter mantém a proteção que necessita para estar bem consigo e manter a saúde no equilíbrio. Certo do que quer, atrairá aqueles que também estão mirando o mesmo objetivo, cuja fé tem o mesmo propósito. Não se enrole com pessoas inconstantes. Leão (22 jul. a 22 ago.) Lua e Mercúrio em perfeito ângulo energético somam pensamento e sentimento em harmonia, favorecendo viagens curtas, contato com gente de cabeça aberta e novidades familiares. Gente que vai, gente que vem ? e você conectado com seu amor, e super confiante! Virgem (23 ago. a 22 set.) Os encantos de alguém que anda atraindo você para outros horizontes continua forte e firme. Através de um amigo, entrará em contato com essa pessoa, ou saberá dela ? o que traz alento e alegria para sua alma é também a disposição aberta e corajosa de amigos.

Libra (23 set. a 22 out.) Um sábado ótimo para refrescar a cabeça com assuntos totalmente diversos do sua rotina. Repare a sua volta, cerque-se de amplidões e de gente que pensa grande. Será ótimo trocar informações e esclarecer detalhes sobre um assunto privado. Boa disposição. Escorpião (23 out. a 21 nov.) Vênus traz a compreensão dos filhos e dos amores para mais perto a partir de hoje, sinal de contentamento e aceitação. Sua intuição continua forte ? e vai continuar assim por um bom tempo. Amigos e viagens estão em sintonia com você, novidades chegando! Sagitário (22 nov. a 21 dez.) Com a Lua em seu signo, e em ótimo aspecto a Mercúrio, sinal verde para acertar o passo com seu amor! Finalmente o que você pensa e o que sente entram em harmonia. Ótimo sábado para entender um assunto complicado. Viagens favorecidas. Não exagere na comida... Capricórnio (22 dez. a 20 jan.) Seu lar começa a tomar uma forma mais de acordo com o que você imaginou. Contato suave e amigável com um primo ou irmão traz paz ao seu coração. Escute sua intuição, pois ela existe e está afinadíssima com suas prioridades. Descanse mais hoje. Aquário (21 jan. a 19 fev.) Reunião feliz com amigos no clube, ou numa associação que cuide de plantas, da natureza ou da justiça social. Reze, mentalize, aja ? os astros sinalizam liberdade e boa sorte para você. Compromissos sociais ou profissionais chateiam. Você terá uma ideia inovadora! Peixes (20 fev. a 20 mar.) Júpiter envia mais vibrações positivas para você, na forma de criatividade e sentimento de união. Pertencer a uma clã o faz sentir digno, aceito e em destaque. Vênus em seu signo atrai muita gente ? e nem todos estão próximos por motivos idealistas ou generosos...


Sociedade

LÚCIA THEREZA @luciathereza lucia.ghammachi@jdia.com.br

Macapá-AP, domingo, segunda e terça-feira, 20, 21 e 22 de abril de 2014

Diagramadora: Maraina Melo - maramiranda@jdia.com.br

TIM TIM Nesta segunda-feira o deputado federal Evandro Milhomen recebe votos de felicidades. A coluna registra com os parabéns e votos de muito sucesso profissional

Parabéns

A colunista registra a nova idade da amiga advogada no Distrito Federal, Roberta Failache, nesta segunda-feira. Que sua carreira seja sempre repleta de grandes vitó rias, muita saúde, paz e felicidades mil. TIM TIM TIM

Secretário Jardel Nunes na Santa Casa de Misericordia Confirmado: Secretário da SESA Jardel Nunes confirma presença em encontro da “Santa Casa” e desmente “boatos” de afastamento. De Brasília por telefone no inicio desta tarde de quarta-feira (16/4) o Secretario de Estado da Saúde (SESA) Jardel Nunes, fez contato com a comissão de implantação do Hospital da Santa Casa de Misericórdia do Amapá, confirmando presença, na reunião de apresentação do projeto de engenharia que acontecerá na semana que vem dia 24/04(quinta-feira) as 15h00min horas no auditório da ACIA (Associação Comercial do Amapá). Jardel disse conhecer o funcionamento e a importância das Santas Casas em todo o brasil. “Estarei presente neste encontro da Santa Casa de Misericórdia em Macapá, é um projeto importante” disse o secretario da SESA. Ele também desmentiu comentários divulgados em alguns setores da imprensa de que estaria deixando o cargo. “Continuarei no cargo, vim esses dias a Brasília tratar assuntos da pasta da saúde”.

Projeto Aprovado

Aprovado na Assembleia Legislativa do Amapá, o Projeto que declara de utilidade pública, a Cooperativa de Trabalho dos Motoristas Tele-taxistas do Estado do Amapá-COOPTAXI. A iniciativa de autoria do deputado Michel JK (PSDB) visa valorizar o trabalho desenvolvido pelos 52 profissionais que fazem parte da cooperativa. “É um gesto para que a cooperativa possa avançar mais. Um trabalho louvável que mesmo com tantas dificuldades conseguiu avançar contribuindo com a nossa economia, pois são dezenas de famílias sustentadas com dignidades por esses homens que merecem todo o nosso apoio e reconhecimento”, falou JK.

Astronomia

O Brasil pode perder a chance de se tornar um centro de referência mundial em astronomia, se não ratificar a adesão ao Observatório Europeu do Sul (ESO), a mais completa e avançada rede de observatórios astronômicos do mundo. O convênio de R$ 850 milhões, cujos desembolsos serão feitos gradativamente ao longo de 10 anos, foi assinado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia em 2011. No entanto, até agora o Brasil não fez nenhum pagamento acordado, porque o convênio está para do na Comissão de Finanças e Tributação (CFT) da Câmara dos Deputados. A Comissão espera o aval do Ministério do Planejamento para liberar os desembolsos. Mesmo assim, cientistas brasileiros foram autorizados a utilizar o conjunto de telescópios e equipamentos instalados no Deserto do Atacama, no Chile, sem a necessidade de pagar pelas noites de observação. O custo de cada uma dessas noites varia entre R$ 50 mil e R$ 100 mil. O Brasil é o primeiro país fora da Europa a receber o benefício e ser membro efetivo do Observatório Europeu do Sul. Apesar de permitir as pesquisas, a falta de confirmação do convênio e dos pagamentos impede a participação de empresas brasileiras nas licitações para a construção de infraestrutura e compra de novos equipamentos para o complexo no Atacama. “Por Ronaldo Alcântara - diretor da Eldorado estarem próximas do Chile, as empresas brasileiras têm mais chances de ganhar as conVeículos em passeio com a família no corrências para as obras e as compras do observatório. Estima-se que 75% do investido no consórcio retornem ao país na forma de contratos, pesquisas e evento Rio Boat Show no Rio de Janeiro valor nova tecnologias”, diz o gerente executivo de Comércio Exterior da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Diego Bonomo.

O

Feliz Páscoa

sol nasce sobre a vasta paisagem urbana de Jerusalém, iluminando os muros de calcário branco da velha cidade e avançando lentamente sobre os prédios. Ao norte dos muros, um jardim exibe tranquila calma. Em breve, uma multidão de turistas vai chegar e tomar seus assentos com vista para o jardim. Alguns vão descer os degraus até o ponto mais baixo do jardim, entrar silenciosamente por uma porta esculpida na pedra e olhar com reverência para uma parte vazia da rocha onde um corpo foi colocado para descansar há mais de dois mil anos. Ao sair, eles verão um aviso na porta: “Ele não está aqui, porque já ressuscitou”. Os turistas não vão até o Horto do Sepulcro porque acreditam que é lá que Jesus foi sepultado; mas sim porque creem que ali é onde Jesus fez o

que nunca havia sido feito antes — Ele viveu novamente. Deus enviou Jesus à Terra para ensinar-nos uma maneira melhor de se viver. Apesar de seu ministério ter durado apenas três anos, seus ensinamentos têm influenciado bilhões por quase dois milênios. Porém, o maior dom que Jesus nos concedeu foi Sua vida. Ele pagou o preço por nossos pecados, morreu na cruz e ressuscitou dentre os mortos — provendo um meio para que cada um de nós volte a viver com Deus um dia. Jesus é o Filho de Deus, nosso Redentor e Salvador. Graças a Ele, a morte não é o fim, e a vida adquire um novo significado. Podemos mudar, recomeçar — e voltar a viver de novo com Deus. Nesta Páscoa, celebre Sua vida e descubra tudo o que é possível graças a Ele.


MACAPÁ-AP, DOMINGO, SEGUNDA E TERÇA-FEIRA, 20, 21 e 22 de abril de 2014

Carro&Moto

POR QUE NÃO?

Agora brasileiro, New March chega às lojas no final de maio D2

Os populares que poderiam ser vendidos no Brasil

Mesmo sendo o segmento mais importante do Brasil, há várias montadoras que não se arriscam a disputa-lo. E se elas mudassem de ideia? D3

Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Fiat Strada está quase esgotada nas lojas Em São Paulo, espera pelo modelo pode demorar ate 60 dias, dizem lojistas; Revendas aguardam chegada da linha 2015 Revista Auto Esporte

D

epois de se tornar o carro mais vendido do Brasil no mês de março, com 13.020 unidades emplacadas segundo a Fenabrave (a federação dos revendedores de veículos), e causar um alvoroço no mercado, a Fiat Strada sumiu das lojas. Autoesporte visitou várias concessionárias em São Paulo com a in-

tenção de avaliar a qualidade do atendimento e as condições para a aquisição do modelo, mas fomos surpreendidos. A picape está em falta nos estoques e nem mesmo está presente no showroom das lojas. “Infelizmente, não temos mais nenhuma unidade para pronta entrega e a previsão para a chegada de um novo lote pode demorar até 40 dias”, afirmou a vendedora de uma autorizada localizada no bairro da Freguesia do Ó. Em outra loja, no bairro do Sumaré, o sistema apontava ao menos a existência de três unidades no estoque, todas da versão topo de linha Adventure, com cabine dupla, motor 1.8 de 130/132 cv e a famosa terceira porta. Pelo acréscimo do rádio Con-

DIVULGAÇÃO

DEVIDO A PROCURA, a picape está em falta em algumas concessionárias

nect CD MP3 Player com conectividade Bluetooth, o modelo tabelado a R$ 57.330 subiria para R$ 59.531, mas foi

ofertado por um pouco mais: R$ 59.800. O mesmíssimo modelo, mas com pintura branca, foi oferecido por R$ 59.600 em outras duas concessionárias, uma no Butantã e outra na Vila Prudente. Quanto à versão Working, a mais barata

da gama e a mais vendida - sua fatia representa 55% dos emplacamentos - foi encontrada apenas em uma autorizada, na zona Sul. Era uma unidade com cabine dupla, equipada com o kit Celebration 3 (que inclui ar-condicionado e direção elétrica). Com preço sugerido de R$ 48.954, o carro chegou a ser oferecido com um pequeno desconto de

R$ 354, indo para R$ 48.600. Já a intermediária Trakking, dessa Strada não há sinal mesmo. “Essa é a versão menos procurada e a que chega em menor número, por isso é difícil de encontrá-la”, afirmou. Mas e se eu quiser encomendar o carro? Bom, aí você terá que ter paciência. Todos os vendedores consultados foram categóricos em afirmar que a espera pode demorar de 40 a 60 dias. Alguns atribuem a longa espera à grande procura pela picape. Outros afirmam se tratar de uma entressafra: afinal a linha 2015 deve chegar ao mercado no mês que vem. A Fiat, por sua vez, confirmou que a linha 2015 da picape será lançada em breve.


D2

Carro&Moto

Macapá-AP, domingo, segunda e terça-feira, 20, 21 e 22 de abril de 2014 Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Agora brasileiro, New March chega às lojas no final de maio

Oportunidade

O Honda Civic, na concessionária Safira, localizada na Rodovia Duca Serra quilômetr0 03, bairro Cabralzinho, está com taxa zero para financiamento. É um sedã de luxo com designe moderno, conforto, tecnologia e praticidade. Alem isso, o pós-venda da Honda foi eleita pela nona vez a “The Bast” (A Melhor) em todo o País, pela segurança na realização dos serviços profissionais devidamente capacitados e equipamentos de alta tecnologia para um melhor atendimento ao cliente.

IG/Carros

E

Retomada O presidente da Nissan

Preço

COM CAPACIDADE para 200 mil unidades por ano na primeira fase, a fábrica de Resende já tem dois produtos previstos, o hatch March e o sedã Versa, que hoje vêm do México

mundial, o brasileiro Carlos Ghosn ressaltou que o índice de nacionalização da planta será de 60% no início, mas que em 2016 atingirá 80%. Assim como em São José dos Pinhais, também Resende compartilhará peças e serviços com a Renault. As duas montadoras, aliás, recentemente aprofundaram a sinergia entre elas para reduzir custos e melhorar a competitividade. Sobre o mercado, Ghosn acredita que ficará estável nos próximos dois anos. A principal aposta da Nissan para aumentar o market-share de 2% para 5% até 2016 é o investimento em diversos segmentos do mercado. “Não é só com o New March que obteremos essa fatia de mercado. Nosso crescimento será baseado em praticamente 4 ou 5 produtos que não estão competindo no mesmo segmento. Vamos produzir o New March e o Versa, vamos continuar a importar o Sentra, a Frontier vai ser renovada e talvez haja mais algum”. Sobre vendas, o CEO acha que o incentivo tributário tem efeito a curto prazo. “Não há país que eu conheça que tenha carga tributária tão alta para automóveis como o Brasil”, diz. “Se não houver investimento em infraestrutura, o

carro passa a ser um problema para o usuário. A falta deste tipo de investimento também é um dos fatos que desacelera o desenvolvimento.” Leaf no Brasil A condição de produzir o Leaf na fábrica de Resende seria existir potencial de mercado para 50 mil unidades por ano. Hoje ele é produzido no Japão, Inglaterra e Tennessee (EUA), fábricas que produzem cada uma para um mercado determinado. “Até hoje não vimos nenhum interesse concreto das autoridades brasileiras em produzir elétricos no Brasil. Parece que haverá uma outra legislação, que ainda não apareceu”, explicou. A região onde está Resende concentra algumas fábricas importante do setor. A Volkswagen foi a pri-

meira a se estabelecer no mesmo município, com sua fábrica de caminhões. No início dos anos 2000, a PSA Peugeot Citroën inaugurou uma fábrica na vizinha Porto Real que hoje é a principal unidade na América Latina. Para a Nissan, a fábrica brasileira será vital para a retomada nas vendas. A marca foi a principal vítima da série de limitações impostas pelo governo brasileiro nos últimos anos para frear a importação de veículos para o País. Tudo começou com a imposição de cotas de veículos vindos do México, depois o aumento do IPI em 30 pontos percentuais. Agora, o March – e o Versa a partir do 2º semestre – poderão brigar nas mesmas condições com seus concorrentes também nacionais.

A

pós quatro anos desde o seu lançamento global, o Duster, SUV das marcas Renault e Dacia, alcançou a marca de 1 milhão de unidades produzidas. O modelo que completou o volume saiu da linha de montagem do complexo industrial Ayrton Senna, localizado em São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba (PR). Além do Brasil, o Duster é montado em mais quatro fábricas: Pitesti (Romênia), Envigado (Colômbia), Moscou (Rússia) e Chennai (Índia) e vendido em mais de cem mercados. O modelo começou a ser fabricado primeiro na fábri-

ca de Pitesti (Romênia), em 2010, sob a marca Dacia, para vendas na Europa, Turquia e Magrebe, onde também é fabricado sob a marca Renault desde junho de 2010 para mercados do Oriente Médio, Egito e outras partes da África, além de países do Golfo a partir de 2011. No Brasil, é fabricado sob a marca Renault desde outubro de 2011 para vendas aqui e no mercado argentino. A fábrica de Envigado (Colômbia) monta o Duster desde fevereiro de 2012 e vende para o mercado doméstico, México, Equador, Chile, Peru e América Central. Sua produção em Moscou, na Rússia, começou em dezembro de 2011 para

A Safira Automóveis também está disponibilizando durante toda a semana um atendimento especial e diferenciado para sua clientela, com um serviço de troca e óleo e filtro por apenas R$ 149,90. E quem tiver um Honda City ou um Fit pode aproveitar a ocasião para realizar um diagnóstico e se necessário realizar alinhamento e balanceamento das rodas por apenas R$ 100 reais. Na situação em que estão as ruas da cidade, cheias de buracos é melhor gastar R$ 100 reais do que um pneu que custa quase E$ 300 reais.

Novo

A produção do Novo Ford Ka que já é sensação antes de ser lançado oficialmente virá da cidade baiana de Camaçari, onde está a segunda fábrica da montadora norte-americana, que produz também o EcoSport e era utilizada para montar o Fiesta Rocam. A Ford não está mais preocupa em esconder o modelo já trafegando por vias baianas e paulistas com discretos disfarces.

Lançamento

Uma fonte de confiança e de dentro de uma fábrica da Ford teria deixado vazar que o lançamento do Novo Ka (hatch/sedã) estaria agenda-

do para junho, por ocasião da Copa do Mundo, uma grande vitrine sempre aproveitada pelas fábricas. E os lançamentos conjuntos recentemente decididos – antes seria um no primeiro e outro no segundo semestre - visa bombar as vendas.

“Patinho”

O antigo “patinho feio” da Ford, o Ka, que já teve muitos apelidos e o mais depreciativo – o que fez a Ford mudar de atitude – foi o “Três Luízas” (frente da Luíza Thomé, lateral da Bruné e de trás da Herundina), o Novo compartilhará uma plataforma global juntamente com o New Fiesta e EcoSport, assim, oferecendo um quatro portas inédito. E já tem a frase de efeito para o lançamento: “Visão de um futuro compacto com tecnologia avançada, design atraente e preço acessivo para venda em grandes mercados mundiais.”.

Goolllll!!!

A VW está oferecendo o Gol Seleção, uma série especial na cor amarela- canarinho por R$ 44.345,00, com motorização 1.6, 8V, flex que entrega 104 cv (etanol) e 101 cv (gasolina), com tração dianteira e câmbio automático de cinco marchas, pneus largos 195/55 R15, tanque para 55 litros e combustível e peso abaixo de uma tonelada (961 kg).

Encarnação

A arte imita o real. O Bravo Volverine, série especial, realmente é um carro de cinema, com som potente, bancos pra lá e confortáveis e um luxo só para quem assume o volante. O cliente que dispor do cartão Itaú/Fiat pode aproveitar a oportunidade para resgatar os pontos e contar com um superdesconto. Sensor de estacionamento traseiro, Kit High Tech e Kit Blue & Me são alguns dos mimos.

Auto Pista

Duster alcança 1 milhão de unidades produzidas no mundo Carros.ig

JOSÉ ARCANGELO

Colunista

DIVULGAÇÃO

Nissan inaugurou sua primeira fábrica própria no País com capacidade para produzir até 200 mil carros na primeira fase

mbora esteja no Brasil desde a abertura das importações, a Nissan somente agora pode dizer que tem sua ‘casa própria’ no País. A montadora inaugurou na última terça-feira, 15, o complexo industrial de Resende, no Rio de Janeiro. A marca já produz veículos no mercado brasileiro, mas utilizando as instalações da Renault, no Paraná – onde são feitas a picape Frontier e a minivan Livina. Agora, no entanto, trata-se de um projeto feito sob medida para ela. Com capacidade para 200 mil unidades por ano na primeira fase, a fábrica de Resende já tem dois produtos previstos, o hatch March e o sedã Versa, que hoje vêm do México. O primeiro será o March, aliás, ‘New March’, como a Nissan o rebatizou. Com visual reestilizado seguindo o padrão europeu, o hatch será produzido no Brasil apenas com motor 1.6 16V, também nacionalizado. Segundo um executivo revelou para o iG, a versão 1.0 continuará vindo do México sem o facelift da versão brasileira. O New March também tem novo painel e alguns materiais aprimorados para agradar em outro patamar, onde hoje competem o HB20, Onix e Palio, por exemplo. O governador do Rio de Janeiro, Luis Fernando Pezão, acabou revelando durante a inauguração que o March será lançado no final de maio, antes do previsto oficialmente pela marca.

Pista livre

vendas apenas naquele mercado. Chennai foi a última fábrica a iniciar sua produção, em maio de 2012, para oferta-lo à Índia, África do Sul e Indonésia sob a marca Renault, além do Reino Unido, Chipre, Malta e Irlanda sob a marca Dacia. Em 2013, as vendas do Duster somaram 376 mil unidades. Considerando suas vendas, a Rússia lidera o ranking, com mais de 151,6 mil unidades entregues pela Renault desde seu lançamento. A França vem em segundo, com 145,6 mil unidades vendidas pela Dacia, seguida pelo Brasil, com 117,3 mil unidades. Índia e Alemanha acumularam 85,9 mil e 70,1 mil Duster vendidos em

quatro anos. “O Duster é um grande sucesso mundial. Sob a marca Renault, ele responde perfeitamente às expectativas de nossos clientes internacionais e contribui para o desenvolvimento da Renault nos mercados emergentes. Sob a marca Dacia, na Europa ou na Bacia do Mediterrâneo, o Duster conquistou novos clientes para a marca graças ao seu design e sua grande capacidade de superação, com um preço bastante acessível. O Duster é uma peça-chave na conquista de mercado” explica Arnaud Deboeuf, diretor do segmento de veículos de entrada do Grupo Renault.

Futura briga boa entre a Ford e a VW, com a montadora americana manando importar do México o turbo Fiesta ST para enfrenta o Golf GTi da alemã. Promete um carro com maior tecnologia, andando o mesmo que o concorrente por um pouco menos de R$ 10 mil. Isso faz a diferença. –x-x-x-x- Ano passado a arrecadação do IPVA chegou aos R$ 60 milhões. E desse valor quase R$ 25 milhões foram repassados do GEA para a Prefeitura de Macapá, o que daria para pavimentar no mínimo 15 quilômetros de ruas. Dissolveu-se como um efervescente no tapa buracos, dinheiro público jogado literalmente no lixo. –x-x-x-x- Falar em buracos a terra jogada neles pelos moradores da Rua Paraná, no bairro de Santa Rita durou apenas uma semana. E as crateras “cantaram”: “eeeuuuu”!!!! volllllttttteeeeeiiii!!!!! para ficar... Porque aqui, aqqqquuuuiiiiiii!!!!! É meu lugar!!!!!!!! - x-x-x-x- Gozação para não chorar de raiva. Uma caixa de direção elétrica de um sedã de luxo custa mais de R4 5 mil e não pode ser trocada em garantia. Não é defeito de fabricação da peça e sim mau uso, causada pelas crateras. - x-x-x-x- Falar em garantia, muito cuidado: algumas seguradoras desonestas estão propondo conserto de avarias em oficinas não autorizadas em troca de dispensa da franquia. O “barato” vai sair muito caro, com a perda da garantia pelo cliente. São cinco anos jogados no lixo. - x-x-x-x“Vai tomar banho”!”É a frase”. Em Casa Grande Senzala, Gilberto Freyre analisa os hábitos de higiene dos índios versus o colonizador português. Depois das Cruzadas, como corolário dos contratos comerciais, o europeu se contagiou de sífilis e outras doenças transmissíveis, desenvolvendo medo ao banho e horror à nudez, o que muito agradou a igreja. Com os silvícolas não conheciam a sífilis, se banhavam completamente nos rios, usavam folhas para limpar os bebês e lavavam as redes em que dormiam. Então o azedume dos patrícios por falta de banho causava repugnância aos índios. E daquilo cheio ao receberem as ordens dos portugueses, para se vingarem, mandava-os literalmente “tomar banho”. - x-x-x-x- Freando... e então: vão tomar banho seus incompetentes que não sabem tapar buracos!!!!**@@###%%. - x-x-x-x- Mesmo assim: Bom Domingo de Páscoa!


Carro&Moto

Macapá-AP, domingo, segunda e terça-feira, 20, 21 e 22 de abril de 2014

Os populares que poderiam ser vendidos no Brasil Mesmo sendo o segmento mais importante do Brasil, há várias montadoras que não se arriscam a disputá-lo. E se elas mudassem de ideia?

IG

A

cada cinco carros vendidos no Brasil dois são populares. Se incluirmos na conta os veículos com motores 1.3 e 1.4 certamente esse número passaria da metade

Por que não vem? Para

O FIAT PANDA é o primo rico do Uno brasileiro

Por que não vem? TO Panda é um carro de volume e não de nicho, por isso seria pouco vantajoso importá-lo para o Brasil. Fabricá-lo no País também seria complica-

do, pois o compacto tem um tipo de construção mais avançada e utiliza materiais mais sofisticados, o que tornaria seu preço pouco competitivo. Por isso o Uno existe. DIVULGAÇÃO

O NOVO I10 tem até um visual esportivo que cairia bem entre os populares brasileiros

produzir um carro mais barato que o HB20, a Hyundai precisaria dobrar a produção em Piracicaba, que já é alta. Também não po-

deria vende-lo com tanta tecnologia porque assim custaria mais que o irmão maior. Melhor investir em modelos mais caros. DIVULGAÇÃO

Honda Brio

O Brio é o primeiro compacto global da Honda e sua trajetória já começou em mercados asiáticos. Projeto modesto, o veículo tem pouca mais de 3,5 metros e a motorização 1.2 litro tem baixo consumo de combustível. A lista de itens contém o básico para o conforto e itens de segurança não são uma prioridade nesse carro, pois os mercados onde é oferecido não são tão exigentes nesse ponto. Custa cerca de R$ 33 mil. Por que não vem? A di-

A HONDA cogitou trazer o Brio, mas o modelo não agradou em clínicas

visão brasileira da Honda até cogitou trazer o Brio para o Brasil, mas o carrinho não agradou o público em clínicas. Reclamaram do visual, do pequeno por-

ta-malas e a pouca oferta de equipamentos. Não é assim que os brasileiros enxergam a marca japonesa, que tem status de luxo no mercado brasileiro. DIVULGAÇÃO

Mitsubishi Mirage

Atualmente um dos carros compactos mais avançados do mercado mundial, o Mirage é também um dos mais econômicos em consumo: faz 30 km por litro de gasolina. O motor é um 1.2 12V três cilindros e o câmbio é automático CVT. Outro recurso que ajuda na economia de combustível é o sistema Start/Stop, que desliga o propulsor em paradas curtas, como semáforos fechados ou trânsito pesado, e volta a ligá-lo quando o motorista alivia o pedal do freio. A versão à venda na Europa custa cerca de R$ 29 mil.

tão no Brasil. A razão, claro, é um tanto quanto óbvia. Vender carros de entrada exige uma infraestrutura imensa, entre rede de lojas e serviços, peças de reposição e aparato de marketing para divulgar que você vende

um carro mais em conta. É uma pena porque existem alguns modelos ‘populares’ ou, digamos, com potencial para fazer sucesso nesse degrau inicial do mercado brasileiro. Alguns pertencem a marcas estabelecidas no Brasil, outros são vendidos por fabricantes que andam distantes do Brasil. Em comum, virtudes para tornar a categoria mais competitiva e com produtos de melhor qualidade. Conheça os 10 modelos sugeridos. DIVULGAÇÃO

Citroën C1/ Peugeot 108

Hyundai i10

Com o HB20 1.0 custando quase R$ 35 mil, a Hyundai praticamente não participa do segmento de populares. Mas isso poderia mudar se o i10, ou um ‘HB10’, fosse feito no Brasil. O compacto é o primeiro modelo da marca em vários mercados mundiais. Ele traz motor 1.0 de 66 cv, opção de transmissão automática, 252 litros de porta-malas, luzes diurnas de LEDs e até controle de estabilidade. Custa R$ 31 mil na Inglaterra.

Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

DIVULGAÇÃO

Fiat Panda

O Panda é como o Uno brasileiro na Europa, o principal produto da Fiat por aquelas bandas. O compacto europeu, o mais vendido no continente diga-se, também é muito parecido com o carro fabricado em Betim (MG) no visual e na proposta. Porém, é mais avançado em tecnologias de motorização e segurança. O veículo tem opção de motor dois cilindros turbo com start-stop e vem equipado com controle eletrônico de estabilidade, dois itens que ainda não são considerados nos carros nacionais.

do que é emplacado no País. Mas por que tão poucas marcas atuam nesse segmento? Anote aí: Fiat, VW, Chevrolet, Ford, Renault, Hyundai, Kia, Nissan e Chery. Sim, apenas nove fabricantes entre cerca de 50 que es-

Por que não vem? Compacto global da Mitsubishi, o Mirage tem todos os atributos para entrar com força no mercado brasileiro de carros populares. A divisão brasileira, porém, tem seu projeto atual focado nos

segmentos de picapes, SUVs e sedãs. Entrar nesse ramo exigiria uma expansão da rede e possivelmente produção nacional, empreitadas que os representantes da marca no País ainda não podem pagar. DIVULGAÇÃO

Tata Nano

Carro mais barato do mundo por R$ 5.500, o indiano Tata Nano é um veículo pensado para ser barato em tudo e isso compromete sua qualidade. Péssimo em testes de segurança, o carrinho também não conta com item algum de série e seu desempenho é sofrível: 0 a 100 km/h em 31 segundos e velocidade máxima de 110 km/h.

O NANO É o carro mais barato do mundo, mas sua qualidade está abaixo do aceitável

Por que não vem? O Nano já foi cogitado para o mercado brasileiro, mas o plano não foi adiante. Com

a pesada carga de impostos sobre produtos importados praticada no Brasil, o veículo não chegaria às lojas com

um preço realmente competitivo, seu único bom argumento. O restante está abaixo do aceitável.

Leves, modernos e ágeis, o C1, da Citroën, e sua versão da Peugeot, o 108, seriam ideais na cidade como opção mais em conta para trajetos urbanos. Equipados com motor 1.0 de 3 cilindros com 69 cv, os dois vêm equipados com ESP, faróis de LEDS, rodas aro 14 e, por 300 euros a mais, ganham um belo sistema multimídia no painel. O preço inicial é de 10 mil euros (R$ 31 mil). Por que não vem? Talvez A PSA, dona das duas marcas, desistiu de brigar no segmento de populares há bastante tempo. O C1 e o 108 também são considerados um tanto sofisticados e pequenos para o gosto brasileiro que nem tem comprado tantos carros das duas marcas ultimamente, mesmo que modernos como o 208 e o C3.

D3

O NOVO C1 poderia ser uma ótima opção de carro urbano, mas é caro

SUCESSOR do 107, o novo 108 lembra os irmãos maiores

DIVULGAÇÃO

Renault Twingo

Criticado pelo visual estranho, o Twingo esteve no Brasil na década passada e encontrou uma boa legião de fãs. Pequeno por fora e espaçoso por dentro, ele tinha carisma e bom acabamento. O novo mudou tudo: agora lembra um Fiat 500, ganhou faróis de LEDs, mas o que mais faria os fãs do Fusca vibrarem é o motor 1.0 instalado... atrás do carro! A 3ª geração ainda não começou a ser vendida na Europa, mas deve custar algo em torno de R$ 35 mil.

NOVO TWINGO agora tem até motor traseiro, para matar saudade do Fusca

Por que não vem? Os tempos são outros hoje no Brasil. O velho Twingo era montado no Uruguai e o

carro se diferenciava do Clio pelo design alternativo. Agora, só se ele chegasse para brigar com o

500, mas a Renault está mesmo de olho num sucessor barato para o velho Clio. DIVULGAÇÃO

Toyota Aygo

Produto mais barato da Toyota na Europa, por cerca de R$ 32 mil, o Aygo é um carro popular “descolado”. A nova geração tem visual bastante arrojado, com direito até a um “X” na parte frontal em contraste com a cor do veículo. Também aderiu aos motores três cilindros, com um bloco 1.0 de 68 cv, e vem recheado de equipamentos de segurança (controles de tração e estabilidade, além de quatro airbags). Segundo a marca japonesa, o modelo tem consumo médio de 25 km/l. Por que não vem? Em vez de trazer para o Brasil um compacto moderno

O AYGO é o carro mais barato da Toyota à venda na Europa

com recursos avançados de segurança e motorização, como é o Aygo, a Toyota preferiu desenvolver um carro específico para o terceiro mundo, o

Etios. Ironicamente, o modelo que a marca preferiu vender no mercado brasileiro custa quase o mesmo que o modelo europeu, que é muito superior. DIVULGAÇÃO

Chevrolet Spark

O Celta vende cada vez menos e a GM já pensa num substituto já que o Onix é muito maior e caro. Então por que não produzir aqui o Spark? Irmão do Sonic, o hatch tem uma pegada mais urbana e moderna – até versão elétrica tem. Nos Estados Unidos ele é equipado com motor 1.2 de 85 cv, direção elétrica, rodas aro 15 e 10 airbags. Custa 13 mil dólares, ou R$ 29 mil. Por que não vem? Talvez pelo custo, talvez pela falta de apelo pelo forma-

COMPACTO, Spark poderia tomar o lugar do Celta

to ‘minivan’, o fato é que a GM não acharia o Spark

viável financeiramente no Brasil.


D4

Informe Publicitรกrio

Macapรก-AP, domingo, segunda e terรงa-feira, 20, 21 e 22 de abril de 2014


MACAPÁ-AP, DOMINGO, SEGUNDA E TERÇA-FEIRA, 20, 21 e 22 de abril de 2014

Geral

JD NOS BAIRROS

Indenizações por acidentes na Semana Santa dobram nos últimos cinco anos E2 Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Proteção aos superendividados Projeto faz parte da reforma do Código do Consumidor E3

“Caiu o Muro de Berlin, mas não caiu Cuba”, diz Sarney

DIVULGAÇÃO

Pai da transição democrática, o ex-presidente brasileiro (1985-1989), 83, repassa seus 50 anos de vida política Da redação

D

eputado, várias vezes senador, ex-governador do Maranhão e agora senador do Amapá, no norte do país, Sarney é também escritor e decano da Academia Brasileira de Letras. Críticos como Gullar Ferreira, João Cabral de Melo Neto e o português Gaspar Simões teceram elogios a sua narrativa e a sua poesia. Sarney tem um lugar na história do seu país como o homem que abriu o difícil caminho da transição da ditadura (1964-1985) para a democracia, durante um período turbulento e repleto de problemas econômicos, mas que acabou desembocando posteriormente no período de maior liberdade e prosperidade da História do Brasil. A conversa foi em sua casa, na capital federal, ao meio-dia, num início de outono. Ao lado, a pilha de volumes de suas memórias, já concluídas e esperando que ele tenha tempo para a sua última revisão. Suas memórias serão preciosas para os historiadores. Sarney destaca os avanços do Brasil nos últimos anos nas áreas econômica e social, “uma preocupação que entrou na agenda com meu Governo”, afirma. Mas se mostra muito crítico com o progresso ocorrido no terreno político. “Politicamente o Brasil não avançou. A lei eleitoral permite práticas do século XIX e é muito difícil a formação de partidos nacionais”. Firme defensor da reforma política, adiada várias vezes, o ex-presidente pede o fim do voto proporcional e uninominal, responsável por muitas distorções eleitorais. E se mostra a favor de se evitar “a proliferação de pequenos partidos parasitas”. Sarney lembra que a lei dos partidos vigente é 1945 e que há a ausência de uma tradição de partidos nacionais no Brasil. O resultado é

Os moradores do Bairro Sol Nascente, zona norte de Macapá, reclamam de todos os quesitos necessários para conseguir viver dignamente em um bairro. O abandono por parte do poder público é a principal reclamação. E4

Professor é impedido de assumir cargo público por ser considerado obeso

O PROFESSOR JOSÉ Luís de Sá da Silva, 21, disse que irá recorrer à justiça para garantir sua vaga, caso não seja aprovado na segundo perícia

Cotidiano

O SENADOR José Sarney destaca os avanços do Brasil nos últimos anos nas áreas econômica e social

que o gigante sul-americano, em vez de ter “partidos modernos, pragmáticas e não-doutrinários” nacionais, se encontra amarrado por vários partidos com interesses locais e sempre dispostos a vender o seu apoio. Sarney também vê falhas no sistema constitucional, uma estrutura que qualifica como “quase anárquica”. “A Constituição de 1988 já tem 64 emendas”, afirma com gravidade. Essa estrutura ligada à “anarquia administrativa”, argumenta ele, faz com que “tudo no país dependa da sensatez do presidente”, cuja principal virtude deve ser a “paciência”. Em sua opinião, o Brasil deveria avançar no sentido de um sistema parlamentarista com um primeiro-ministro”, onde as crises se solucionassem com a mudança de governo sem se por em perigo a estrutura do Estado.” No aspecto econômico, Sarney reconhece que a indústria se modernizou, que se internacionalizou o país e que, graças ao Plano Cruzado, se rompeu com a ortodoxia econômica. No entanto, acredita que o modelo de crescimento “começou a se esgotar”, sem investimentos suficientes para se modernizar a infraestrutura obsoleta, sem os recursos necessários para se satisfazer uma nova classe média cada vez mais exigente. “O modelo brasileiro é muito vago e não há um planejamento global”. Mas a conversa volta uma e outra vez para a política e a ausência de liderança, um problema global que o preocupa. “Não há novos líderes. Vivemos tempos de mudança, da civilização industrial para a

digital. Em todo o mundo o poder está desaparecendo. O poder está desgastado. Faltam verdadeiros estadistas.” Para Sarney, “o Brasil tem um futuro, que é reforma política.” Lhe dá importância tal que ele, homem e político ponderado, uma vez disse: “Ou reforma ou revolução”. Testemunha viva de meio século da vida rica e conturbada do Congresso, Sarney é crítico com a atual situação da instituição, uma vez que muitas vezes é atrapalhada em suas funções pelas “medidas provisórias”, sem que se possa exercer plenamente a verdadeira função legislativa. Brasil relembrou nestas semanas o 50 º aniversário do golpe de Estado que derrubou o presidente João Goulart, em abril de 1964, e que mudou o olhar sobre o papel dos militares na história deste país. “A página da ditadura está completamente encerrada”, lembra. “As Forças Armadas, cuja influência política vem da guerra contra o Paraguai, são constitucionais hoje.” O diálogo conduz o relacionamento entre o Brasil e o resto da América Latina, quando um país vizinho, como a Venezuela, vive uma crise política e social grave. “O Brasil virou as costas para a América Latina, mas você pode mudar tudo, exceto a geografia.” Acabar com distâncias que não tinham sentido me levou, junto com o presidente argentino Raúl Alfonsín, a criar o Mercosul. “Começamos então a trabalhar pela integração latino-americana. Hoje o Mercosul está paralisado, mas confio que vai sobreviver a esta crise.”

E a Venezuela? “Neste continente, ocorre que caiu o Muro de Berlim, mas não caiu Cuba . A situação na Venezuela faz parte da hipoteca da Guerra Fria e as contorções de liberdade. A tentação hegemônica de um partido ou de um governante sempre existe, mas no Brasil não há perigo de contágio do populismo bolivariano “. Maranhão. Ele reclama que o seu Estado do Maranhão está submerso na pobreza apesar de ele ser um dos líderes políticos mais poderosos em nível federal: “É um estado muito pobre, sem qualquer interesse estratégico, do tamanho da França. Apesar das críticas, no ano passado cresceu em ritmo chinês, 15%. Houve grandes projetos de infraestrutura que não foram noticiados. Conta hoje com o segundo porto mais importante do Brasil”. E disse ainda: “tudo o que significa criticar o Maranhão significa atacar Sarney. Está na moda.” Sarney se candidatará novamente ao Senado? Ele sorri ante a pergunta e responde: “Pessoalmente, eu prefiro descansar.” Em seu sorriso parece estar implícito que o eterno Sarney voltará à arena. A política faz parte do seu sangue. Dele, que é impermeável à crítica e gosta de enquadrar as mais cruéis caricaturas satíricas contra ele, o ex-presidente Lula da Silva chegou a dizer que “não é uma pessoa comum”. Possivelmente ele já seja uma instituição, que outro ex-presidente, Fernando Henrique Cardoso, elogia pela sua valiosa contribuição para a consolidação da democracia no Brasil.

U

m professor de química de Aguaí (SP) foi impedido de assumir cargo público no concurso da Secretaria de Educação de São Paulo. Mesmo classificado em 5º lugar, ele foi rejeitado no exame pericial por conta de sua obesidade. O Departamento de Perícias Médicas do Estado informou, em nota, que o candidato apresenta doença grave (obesidade mórbida), o que o considera inapto para ingresso no Estado. “A obesidade, por si só, não é considerada fator impeditivo para o ingresso na carreira pública. Já no caso da obesidade mórbida, se faz necessária uma avaliação mais detalhada, dadas as doenças oportunistas”, diz a nota. José Luís de Sá da Silva, 21, é recém-formado, tem 1,74m de altura e pesava 132 quilos quando passou pela perícia médica para assumir uma das seis vagas de professor na Diretoria de Ensino de São João da Boa Vista (SP). De acordo com a perícia, realizada no dia 5 de março, o IMC (Índice de Massa Corporal) de José Luís era de 43,5. Valores acima de 40 são classificados pela

OMS (Organização Mundial da Saúde) como obesidade mórbida. O professor, que se diz humilhado, recorreu e pediu nova perícia que será realizada nesta terça-feira (15). Ele está fazendo dieta para ser aprovado e acredita que a norma é “absurda”. “Estou gordo, mas não sou incapaz. Tenho direito a ter um emprego como qualquer pessoa. Eles dizem que não é discriminação, mas no fim das contas é sim”, disse. Ele afirma que dá aulas como temporário na rede estadual há mais de dois anos e que nunca deixou de ir ao trabalho ou teve qualquer falta motivada pelo sobrepeso. Ao ser contratado, segundo ele, apresentou um exame médico que atesta sua capacidade laboral. “Dou 30 aulas semanais como temporário. É incrível que, para ser professor temporário, não há problema no meu peso. Mas, para assumir um cargo como efetivo, com dez aulas, eles criam problemas. Não há lógica nisso”. O professor disse que irá recorrer à justiça para garantir sua vaga, caso não seja aprovado na segundo perícia.

Fábrica troca homens por mulheres, cria “vale-salão” e dobra produtividade Uol/economia

E

m meio às faíscas e ao barulho da linha de produção, lábios com batom e rostos maquiados. Na fábrica de equipamentos industriais Dimensão Máquinas, em Trindade (GO), são as mulheres que fazem o trabalho pesado. Desde que passou a contratar força de trabalho feminina para atuar na linha de produção, em 2009, o empresário Francisco Luciano Alves de Jesus, 37, diz que a produtividade au-

mentou e os negócios começaram a prosperar. Jesus diz que, enquanto três homens demoravam 45 dias para produzir um equipamento, o mesmo número de mulheres fazia o serviço em metade do tempo. No ano, eles produziam a média de oito peças e elas, 16. “Com os homens, tinha dificuldade para dividir tarefas porque eles eram mais orgulhosos. Já as mulheres trabalham melhor em equipe, o que possibilitou o aumento no quadro de funcionários e,

consequentemente, a produtividade.” Em quatro anos, o número de funcionárias aumentou e o faturamento da fábrica triplicou, segundo o empreendedor. Enquanto em 2009, a receita anual do negócio era de R$ 200 mil, a arrecadação de 2013 já superou os R$ 600 mil. A mudança começou quando o empresário precisou de apoio na produção para dar conta dos pedidos. “Na época, só tinha eu e três homens na produção. Pedi para a secretária dar

uma força e ela gostou do trabalho. Conforme a empresa foi crescendo, comecei a contratar apenas mulheres”, diz. A secretária, que hoje não trabalha mais na fábrica, gostou da atividade e pediu para permanecer na linha de produção, segundo Jesus. Depois dela, outras secretárias foram contratadas, mas também pediram para mudar de setor. De acordo com o empresário, a inclusão de operárias na produção começou a incomodar os homens.

“Eles não aceitaram ter mulheres na mesma função e com o mesmo salário. Em um ano, os três pediram demissão”, declara. Hoje, a empresa tem 11 funcionárias e quatro estagiárias e fabrica oito peças por mês. As funções são de soldadora, eletricista, montadora, torneira mecânica e pintora. Nenhum homem, além do proprietário, trabalha na empresa. Funcionárias são vaidosas e ganham ‘vale-salão’ Para premiar a equipe

quando uma meta é atingida, o empreendedor criou o “vale-salão”. Elas ganham de R$ 50 ou R$ 100 por mês como motivação quando batem a meta. “O salão de beleza é apenas uma sugestão para uso do dinheiro, mas elas podem gastar o benefício como quiserem”, afirma. Segundo Jesus, apesar de as funcionárias terem liberdade para usar o dinheiro para comprar o que quiserem, na maioria das vezes elas utilizam o bônus no salão de beleza.


E2

Geral

Macapá-AP, domingo, segunda e terça-feira, 20, 21 e 22 de abril de 2014 Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Indenizações por acidentes na Semana Santa dobram nos últimos cinco anos De acordo com a seguradora, foram 4.742 pagamentos para acidentes ocorridos durante o feriado de 2013, número 94,4% maior do que o registrado em 2009 Agência Brasil

N

o feriado da Semana Santa dos últimos cinco anos, o Brasil registrou uma média de mil acidentes com veículos com vítima por dia. Os dados são da Seguradora Líder, responsável pelo Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres (Dpvat), e consideram apenas os pedidos de indenização por morte, invalidez permanente e reembolso de

despesas médicas e hospitalares. De acordo com a seguradora, foram 4.742 pagamentos para acidentes ocorridos durante o feriado de 2013, número 94,4% maior do que o registrado em 2009. O diretor de Relações Institucionais da seguradora, Marcio Norton, explica que o aumento da frota de motocicletas no país responde por parte desse aumento. “Nas coberturas em geral e na invalidez permanente, no caso da moto é muito característico. A pessoa cai da motocicleta e não tem um airbag, um para-lama, um para-choque para proteger. Ela própria vai no chão e as lesões mais comuns são dos ossos longos das pernas e braços. A invalidez, ainda que não seja total ou tenha uma perda anatômica de algum órgão, o motociclista tem a perda de movimento e de mobilidade, tem alguma sequela e aí tem a indenização de invalidez”. Os acidentes envolvendo motocicletas são maioria e tiveram aumento maior do que a média geral: 122,5% em cinco anos, passando de 1.589 indeni-

zações em 2009 para 3.535 em 2013. Só de invalidez permanente causada por acidentes com moto, o número passou de 994 para 2.591, um aumento de 160,7%. As indenizações por morte aumentaram 23,6%, sendo 80% delas para vítimas do sexo masculino. Na Semana Santa do ano passado, foram 189 acidentes com morte na Região Nordeste, o que representa 34,4% do total, seguido do Sudeste, com 175 indenizações, 31,9%. O número ainda pode aumentar, já que a vítima ou beneficiário tem três anos para pedir a indenização. Norton lembra que o trânsito no Brasil mata mais do que guerra e do que muitas doenças, número que aumenta em feriados prolongados como o do carnaval e da Semana Santa. “Morrem, em média, 125 pessoas por dia durante o ano, mas nesses períodos sobe para 150, 160, e consequentemente também o número de invalidez e outros danos, que cresce também. Se você pensar bem, em dois dias morrem no trânsito o equivalente ao número de mortes da Boate Kiss ou da

DIVULGAÇÃO

OS DADOS SÃO da Seguradora Líder, responsável pelo Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres (Dpvat), e consideram apenas os pedidos de indenização por morte, invalidez permanente e reembolso de despesas médicas e hospitalares.

queda de um avião, só que os acidentes são mais dispersos, não causam uma comoção mais generalizada, uma dor coletiva”. O seguro Dpvat foi criado em 1974 e é pago a todas as vítimas de acidentes de trânsito no Brasil, seja ela motorista, passageiro ou pedestre, e sem apuração de culpa. São

três coberturas: morte (R$ 13,5 mil), invalidez permanente (até R$ 13,5 mil) e reembolso de despesas médicas e hospitalares (até R$ 2,7 mil). Os docu-

mentos necessários para fazer o pedido e os pontos de atendimento podem ser consultados no site www.dpvatsegurodotransito.com.br .

Diferença de classe em internações do SUS é tema de audiência no Supremo Agência Brasil

A

udiência pública que vai discutir a chamada “diferença de classe” nas internações do Sistema Único de Saúde (SUS). O debate, marcado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para o final de maio, vai ouvir a opinião de especialistas, Poder Pú-

blico e sociedade civil sobre a possibilidade de melhoria na acomodação e de contratação de um profissional conforme escolha do paciente. A audiência foi convocada para que os ministros do Supremo ouçam diferentes pontos de vista e possam julgar o Recurso Extraordinário 581488, que trata do tema. De

acordo com o STF, cada pessoa deverá defender seu ponto de vista durante 15 minutos. O STF deve analisar o recurso proposto pelo Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul, por meio do qual contesta a decisão da Justiça Federal da 4ª Região de não restabelecer a prática, proibida

desde 1991. Para o tribunal, a “diferença de classe” é improcedente pois trata de forma diferente os pacientes dentro de um sistema como o SUS, que prevê acesso universal e igualitário aos serviços de saúde. Em 2012, os ministros do STF deliberaram que o julgamento terá repercussão geral, o que signi-

fica que a decisão que for tomada neste caso será aplicada em situações idênticas pelas instâncias inferiores. O recurso tramita no STF desde 2008 depois que uma ação civil pública foi movida pelo conselho de medicina gaúcho contra a cidade de Canela (RS), para que o município, enquanto

gestor municipal do SUS, fosse obrigado a permitir a “diferença de classe”. A audiência está marcada para o dia 26 de maio e os interessados devem enviar e-mail para diferencadeclasse@stf.jus.br. A relação dos inscritos para o debate será divulgada no site do Supremo a partir do próximo dia 28. DIVULGAÇÃO

Taxa de desemprego no país fica em 5%, menor valor para março desde 2002 Economia

A

taxa de desemprego no país ficou em 5% em março, segundo a Pesquisa Mensal de Emprego divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). É o menor valor registrado para o mês de março desde que o IBGE começou a pesquisa, em 2002. Houve uma pequena queda em relação a feve-

reiro deste ano, quando a taxa registrada foi de 5,1%. Em relação a março de 2013 (5,7%), houve uma queda de 0,7 ponto percentual. O número de pessoas desocupadas ficou estável de fevereiro para março, em 1,2 milhão de pessoas. Já em relação a março de 2013, registrou uma baixa de 11,6%. A população ocupada manteve-se estável tanto na comparação com feve-

reiro, quanto com março de 2013: 22,9 milhões. O número de trabalhadores com carteira assinada no setor privado (11,7 milhões) não apresentou variação em relação a fevereiro, e cresceu 2% comparado a março de 2013. O rendimento médio real habitual dos trabalhadores (R$ 2.026,60) também variou pouco em relação a fevereiro; em relação a março do ano passado, subiu 3%, para R$ 1.967,54.

O NÚMERO DE pessoas desocupadas ficou estável de fevereiro para março, em 1,2 milhão de pessoas. Já em relação a março de 2013, registrou uma baixa de 11,6%

Cotas nos concursos públicos curso público, melhor seWilliam Douglas aquele que tirasse as William Douglas é juiz federal, autor ria melhores notas nas proe professor.

D

esde que foram aprovadas cotas para negros em concursos públicos federais, reservando 20% das vagas, jornais me procuraram para realizar entrevistas ou apenas pegar uma nota de opinião. Muitos deles baseados em minha posição – já conhecida de muitos – favorável às cotas para universidades e escolas. Pois a esses dei a resposta, provocativa: Dilma votará em Marina? O que todos desejamos – o que desejo – é que cada brasileiro possa escolher qual candidato prefere que exerça a Presidência da República no próximo mandato e que ele seja o melhor para o país. No caso da eleição, o melhor é o escolhido pela maioria. Se fosse um con-

vas. Simples, não? Mas e se você fosse obrigado a escolher o “melhor” candidato pela cor da pele? Uma escolha racial para exercer o cargo obrigaria que Marina fosse a presidenciável, e não a vice na chapa de outro candidato. Afinal, dos que se apresentam como candidatos ela é a única inequivocamente negra. Se é para termos uma cota para negros nos concursos públicos, porque não termos igual solução nos cargos eletivos? Já tivemos uma série de brancos no poder, seria, portanto, a vez de sermos obrigados a votar em alguém da raça negra, não? Nesse cenário, o que é ainda mais confuso é que aquele contingente considerável de brasileiros que quer Marina seria confun-

dido com os que apenas votaram nela por força de lei. Faz sentido? Não, óbvio que não. Ao desavisado pode parecer que a cota nos concursos é tão somente uma evolução em relação às cotas nas universidades. Não é. É um passo para o lado, de trás. Existem dois erros comuns: achar que todas as ações afirmativas são ruins... ou achar que todas são boas. A cota nas universidades prepara para competir; nos concursos, faz o oposto, elimina a competição. Sou a favor das cotas para negros e também de cotas sociais nas escolas, faculdades, nos estágios e até mesmo em programas de bolsas. Escrevi sobre isso no artigo “Porque aposto meus olhos azuis nas cotas para negros”. Cotas para estudar, para se preparar para competir.

O problema é que veio o exagero, a proposta de cotas nos concursos públicos. Com estas, não posso concordar, e digo as razões no artigo “O exagero só atrapalha”. Sobre cotas em concursos, experiências anteriores demonstram que ainda há muito a fazer: para começar, que o Itamaraty não aceite os malandros que as burlam. Aliás, combater a esperteza em todos os lugares. Mais: precisamos de bolsas de estudo, porque não adianta colocar o jovem para dentro da universidade e não lhe dar condi-

ções de estudar. Também não quero que um negro aprovado em concurso carregue a pecha, por toda a carreira, de não ser bom o suficiente, mas mero aprovado pelas cotas. Não acho que devemos abrir mão do melhor fiscal, médico ou professor, apenas porque um outro – menos preparado – tinha a cor “certa” para entrar. Defendo que o governo, caso queira, crie ações afirmativas para dar bolsas de estudo para negros, índios e pobres. Para assumir os cargos, que se saiam bem em concursos

com igualdade de chances para todos. Os concursos, portanto, não devem ter cotas, nem a racial nem a social: não é certo tirar o cargo do mais preparado para dá-lo ao mais pobre ou ao “mais escuro”. Cargo público não é forma de ajudar alguém, cargo público é para alguém (o servidor público) ajudar o cidadão. Queremos o melhor ali e, para isso, temos o concurso. O absurdo de querer usar a boa ideia das cotas para entregar cargos, e não oportunidades de preparo e estudo, se demonstra com o exemplo com o qual inaugurei esta resposta. Seria um absurdo obrigar escolhermos um presidente da república, ou seja, alguém para se colocar em um cargo público, por nada senão o mérito. No caso, o mérito do voto. No concurso, o mérito da nota. Imagine termos que escolher não o melhor, mas o que tem esta ou aquela cor.


Geral

Macapá-AP, domingo, segunda e terça-feira, 20, 21 e 22 de abril de 2014

E3

Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Proteção aos superendividados pode virar lei Projeto faz parte da reforma do Código de Defesa do Consumidor

A

preocupação com o superendividamento dos brasileiros pode levar à criação de uma lei de proteção ao consumidor. O Projeto de Lei do Senado 283/12, que disciplina a oferta de crédito ao consumidor e previne o sup e r endiv id a m en to , pode ser votado no plenário da Casa ainda este mês. O projeto faz parte da reforma do Código de Defesa do Consumidor, que também inclui proposta que regulamenta as compras pela internet. O projeto prevê a garantia do crédito responsável, a educação financeira e a prevenção e tratamento das situações de superendividamento. Estabelece ainda o conceito do “mínimo existencial” de renda, que deve ser garantido por meio de revisão e repactuação de dívidas. De acordo com o projeto, a soma das parcelas reservadas para pagamento de dívidas não poderá ser superior a 30% da remunera-

ção mensal líquida e, assim, será preservado o “mínimo existencial”. O projeto também prevê que, a pedido do consumidor, o juiz poderá instaurar processo de repactuação de dívidas, com realização de audiência conciliatória. Nessa audiência, o consumidor apresentará uma proposta de plano de pagamento, com prazo máximo de cinco anos, sempre preservando o mínimo existencial. A asssessora do Procon-SP Vera Remedi considera que o mais preocupante, atualmente, são os consumidores que pagam as contas todos os meses, mas têm endividamento acima da renda. Ela lembra que muitos usam o crédito caro, como rotativo do cartão de crédito e cheque especial para rolar suas dívidas. “O que mais me preocupa são os superendividados adimplentes. Não existem muitas propostas para renegociar dívidas. As pessoas, às vezes, têm só 20% da renda para o pagamento de despesas básicas de alimentação, transporte e moradia, daí usam cartão de crédito e cheque especial e ficam sem saída. A pessoa assume muitos contratos que não são adequados à sua situação financeira”, explica. Para Vera, há uma irresponsabilidade na conces-

O espírito de Zaratustra DORIEDSON ALVES FILÓSOFO

Z

aratustra é aquele peregrino perdido entre os cumes das montanhas europeias, encravadas no seio de um mundo velho, mas sustentado por grandes mentes libertinas, promíscuas, desvairadas, muito além do senso comum. Ele não vendeu a alma. Aliás, nem acredita em sua existência. Contudo, empunhando o amargo sabor da verdade, vai correndo e gritando pelos vilarejos, anunciado as boas novas da tragédia humana, isto é, tudo aquilo que foi escondido do espírito humano. Não recusará sua sina, a missão da qual fora incumbido, pois a responsabilidade lhe baterá as portas, enquanto o mundo (não apenas o velho) se esfacela, corrompido pelos valores da moral

fraca (a do escravo), onde prevalece incólume a figura emblemática do cristo crucificado. Por isso, o espírito de Zaratustra também quer ser crucificado, para debochar do sangue vertido naquela insignificante cruz de madeira, erguida como apologia de um discurso idiota: o da salvação. Enri lamentará a companhia do ladrão risonho, o peregrino homem das cavernas; ele, em fantasias devassas, se oferecerá em sacrifício vicário, com as palavras insípidas da verdade que escorre de sua boca, ao vociferar exuberantemente os verbos trágicos da vida, quando o mundo olhará para o Getsêmani e contemplará a figura cansada e exaurida de um pobre magricela, constituído salvador do

são de crédito no país. “Os consumidores cobrem uma dívida com juros muito altos. Ainda contribui para isso a venda casada de seguro, o crédito com troco, as ofertas de crédito por telefone ou caixa eletrônico. Tudo o que é mais fácil, tem juros mais altos. Todas são contrações feitas na base da emoção do consumidor”, ressalta. O Procon-SP tem um programa para ajudar os superendividados. É o Núcleo de Tratamento do Superendividamento, que atende consumidores insolventes e ajuda na tomada de medidas preventivas e corretivas. Segundo Vera, 2.822 consumidores já foram a palestras sobre o assunto e 1.142 superendividados receberam orientação individualmente. Pela internet é possível encontrar algumas ferramentas de apoio aos superendividados. O Banco Central, por exemplo, oferece em seu site uma cartilha com orientações sobre como sair do superendividamento. E na página da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o consumidor encontra uma ferramenta para organizar as receitas e despesas, o Jimbo. Segundo a superintendente de Serviços ao Consumidor da Serasa Experian, Maria Zanforlin, pode ser considerado

povo escolhido de deus; excluindo, no entanto, o ladrão debochado, pois se recusou a entrar no seu reino de mentiras. Depois, o guerreiro da salvação, em sua indumentária indigente, furtará da razão seu status de condição irremediável da verdade, sobretudo no mundo moderno, ao declarar a fragilidade do homem apolíneo, reverenciando a dança dos instintos dionisíacos, permeados pela embriagues da passionalidade humana. Só então ele descerá daquela cruz velha, fincada a mais de dois mil anos, e pelejará pela liberdade de um pensar apaixonado; sim, pela rudeza de sua circularidade, ou melhor, de seu eterno retorno, na história da existência do homem. Sujeito valoroso! Escolheu viver, e também peregrinar e morrer, pelos vales isolados, entre o frio e a solidão, para poder declamar a realidade daquilo que só ele via. É na concretude de suas palavras, onde toda verdade habita, que emancipará a si mesmo,

DIVULGAÇÃO

O PROJETO prevê a garantia do crédito, educação financeira e a prevenção de superendividamento

como superendividado o consumidor que tem mais de quatro dívidas. “Ocorre quando a pessoa fez mais compras do que pode pagar e precisa de crédito”, explica. “O consumo estimula a

economia, mas é preciso haver um consumo consciente. Só comprar o que realmente precisa. A felicidade com uma compra é muito curta”, alerta Maria Zanforlin. Segundo ela, uma boa dica é anotar

tudo o que se compra para saber quanto consumiu ao final de um dia. “No Brasil, a questão do consumo é nova. São 20 anos do Plano Real. Não tivemos educação financeira necessária”, disse.

antes do regresso glorioso do “verbo de deus”. Enquanto isso, ele passará centenas de milhares de vezes diante do monumento de madeira, tentando encontrar a razão que alimenta o terno olhar direcionado ao crucificado. Certamente, no entanto, achará apenas indícios circunstanciais de uma verdade inventada, pelo medo e desejo de vencer a morte, numa eternidade repleta de mitos injustificáveis, como covarde retrato de quem cobiça o impossível: a vida eterna. Porém, Zaratustra é o pastor das ovelhas negras, entregues ao próprio destino, vagando pelo ermo das mentiras religiosamente construídas. São elas (as mentiras dogmáticas) as responsáveis pela rejeição de seu amor fati. Zaratustra é um homem sem esperanças; ela cativa, segundo ele, somente o coração dos fracos de espírito, iludidos pela concepção de um mundo idealizado. Para que esperar, se queixa o profeta do trágico? A realidade da vida é algo contínuo e di-

nâmico que, em momento algum, se conforma em esperar. Ora, diz ele, o tempo não se contenta em abarcar as melhores oportunidades, pois seu ímpeto avassalador vai arrancando com veemência tudo que encontra pelo caminho, sem dó nem piedade. Ele (o tempo) é a mão que afaga a tez humana, roubando-lhe sua juventude e inocência, impregnando de gosto ruim a vida no tempo-espaço, presa ao mero hábito adestrado. Por isso, como carrasco sem compaixão, acoita publicamente a todos, e com extraordinário escárnio, debocha da fragilidade do homem contemporâneo. Esse sujeito midiaticamente construído, dentro de uma “razão instrumental” que força e reforça estereótipos da insignificância, enquanto se dilui, como imagem de retrato velho, ante o impulso discursivo do espírito errante do andarilho anunciador do super-homem, onde as veredas marcam a alforria do indivíduo da prisão moral, sobretudo a religiosa, pro-

pondo a reelaboração da existência, agora vista como reflexo intenso da vontade de potência. É no niilismo, entranhado no espírito da contemporaneidade, que se esconde a epopeia humana, reduzida a mero esperar compulsoriamente pela morte, sem vigor ou alegria nenhuma, quando a única necessidade real é a angustiante repetição habitual da vida, mecanicamente conduzida, à revelia do mestre Zaratustra. Ele caminhou pela escuridão das cavernas vazias, soerguendo os olhos para além da própria realidade, descortinando a profana condição de homem. Ora, foi ele quem anunciou, aos quatro ventos, como filho recusado, com voz enérgica, a morte de deus. Por essa razão, seu espírito iluminado não viverá de joelho, mas pelas palavras proferidas durante o velório da grande divindade, no exato momento em que nenhum verbo se fizer carne, nem habitar entre nós, ele dançará como um deus crível, jogado aos odores da vida.

conclama ao perdão do outro, também incondicional, mesmo que nos tenham prejudicado, ferido ou traído... Perdoemos nós também aos que nos tenham ofen-

dido e não nos deixemos cair em tentação, livrando-nos do mal... Amém. Siga em Paz, RENASCIDO! (Fernando Loch - Arquiteto com MBA em Gerenciamento de Projetos)

Feliz Páscoa... Bom Renascimento! Fernando Loch

Seicho-No-Ie do Brasil

P

ouco mais de dois mil anos se passaram e novamente celebramos a Páscoa. Podemos dizer que mesmo os não Cristãos as Celebram agora. Uma festa de Família, uma sexta de reflexão, um sábado de contrição e um domingo de alegria... RENASCER! Ainda que não tenhamos nascido em berço cristão, esta época da páscoa tornou-se um momento para reavivar nossa vontade de mudar, de renascer. Mais do que apenas dar e ganhar chocolates, todos somos instigados pelo “motivo” da Páscoa a olhar pra dentro e responder por nós mesmos. A morte de Jesus, o Nascimento de Cristo... RESSURREIÇÃO! Um significado ainda maior está inserido nesse contexto de mudança e renascimento, o perdão

de nós mesmos e a necessidade de perdoar nossos semelhantes. Cobertos de culpa e carregados de ressentimentos, muitas vezes nossa jornada torna-se um fardo pesado demais, e constatação de que erramos nos impõe, muitas vezes, uma punição excessiva. Somos convidados a refletir sobre nós mesmos como modo de redirecionar nossas vidas, não como embate jurídico. Mais importante que saber que erramos é não julgar-se tão mal por fazê-lo. Talvez passe despercebido, mas o significado ontológico da Páscoa é Nossa Natureza Divina, isenta de pecado. Não bastasse nossa Semelhança a Deus, seu próprio Filho, morre para nos salvar. Salvar de nós mesmos. Persistindo a ideia do pecado, seremos movidos pela ideia de autopunição

e em nossos subconscientes seremos levados a expiá-lo, operando de modo inconsciente para encontrar mecanismos e oportunidades que nos permitam sofrer para pagar por nossos erros. Ainda que não concordemos com essa ideia autodestrutiva, seu reflexo pode ser percebido sem esforço, ao mergulharmos nas dificuldades a que nos impomos. Não existe necessidade de sofrimento, tão pouco de expiação, necessidade há apenas de arrependimento e, mais ainda, de Perdão! Jesus que nos Salvou a Todos com sua Morte, o fez não no sepulcro quando ressuscitou, mas o fez antes, quando nos perdoou; E dizia Jesus: Pai perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. Lucas 23:34 Um perdão incondicional que nos foi oferecido como meio para que possamos nós também perdoar a nós mesmos, para que possamos seguir em

frente, sem carregar os erros irreparáveis do passado, mas com a garantia de mudança para o por vir, mas principalmente, um perdão que nos convida a fazer o mesmo, que nos


E4

Geral

Macapá-AP, domingo, segunda e terça-feira, 20, 21 e 22 de abril de 2014 Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Moradores do Sol Nascente reclamam de abandono: “viramos lixeira pública” ERICH MACIAS

ÁGUA ENCANADA, LUZ ELÉTRICA, asfaltamento, postos de saúde, escolas, linha de ônibus, esses e outros são serviços mínimos que devem existir em um local para que seja considerado habitável

O morador afirma ainda que os secretários que são responsáveis por cuidar da área, assim como cuidam dos demais bairros, esquecem o local Andréa Maciel e Fabio Gomes

Da reportagem

O

s moradores do Bairro Sol Nascente, zona norte de

Macapá, reclamam de todos os quesitos necessários para conseguir viver dignamente em um bairro. Segundo eles, estão abandonados pelo poder público, pois nenhum aspecto do bairro é digno de elogios. Água encanada, Luz elétrica, asfaltamento, postos de saúde, escolas, linha de ônibus, esses e outros são serviços mínimos que devem existir em um local para que seja considerado habitável e supra as necessidades de seus moradores, porém nenhum deles existe no Bairro Sol Nascente. Dona de casa Conceição Xavier, de 56 anos é mo-

Perspectivas para o agronegócio no Amapá Charles Chelala

Economista, Mestre em Desenvolvimento Regional cchelala@uol.com.br

O

agronegócio tem sido a “salvação da lavoura” (perdão

pelo trocadilho) da economia brasileira nos últimos anos, com a indústria

radora há quase 10 anos e reclama das várias quedas de energia, esta, foi resultado de ligações clandestinas, pois a Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA) ainda não fornece o serviço no referido local, apesar de os moradores pagarem a conta de energia que chega mensalmente. “Falta tudo. Não temos nada aqui, nem asfalto, apenas um terraplanagem foi realizada que ao cair das chuvas transforma-se em lama, nem posto de saúde, escolas, ponto de ônibus, se quisermos qualquer um desses serviços, somos obrigados a caminhar até os bairros mais

patinando e os serviços crescendo lentamente. Os números falam por si só: aproximadamente 40% das exportações (acima de US$ 90 milhões), mais de 16 milhões de empregos e crescimento de 7% no ano de 2013. Trata-se também de um tema controverso que envolve aspectos sensíveis, como a pressão sobre as florestas; a “reprimarização” do Brasil que estaria voltando a ser um mero exportador de commodities em detrimento da indústria, dentre outros não menos polêmicos, como o duro debate travado em torno do novo código florestal brasileiro. O Amapá sempre observou à distância estas discussões, uma vez que o nosso setor primário nunca foi relevante, estando muito aquém de suas possibilidades. Entretanto, o quadro rapidamente começa a mudar. A matéria publicada pelo jornal Valor Econômico de 14/04/2014 comprova o fato já em sua manchete: “Cerrado do Amapá pode se tornar nova fronteira agrícola”. A reportagem traz números impressionantes da velocidade do avanço do plantio de grãos no Es-

próximos como Ipê e Jardim I. Policiamento, é difícil ver. Estamos abandonados”, lamenta a moradora. O servidor público José Maria da Silva, de 43 anos, quando questionado sobre as principais reclamações que tinha de seu bairro, foi enfático em dizer que era “tudo”, pois não tem água encanada e denúncia que após a construção do Bairro Oscar Santos, todos os seus dejetos são jogados no Sol Nascente, além de servir de “lixeira publica”. “As pessoas não tem respeito conosco, elas vêm de outros bairros e jogam lixo aqui, sem falar do esgoto do outro bairro que é despejado, daqui a pouco a água que sai dos poços vai estar contaminada”. Francisco Ribeiro, pescador, é quem responde pelo loteamento Sol Nascente, ele diz que o bairro está

assim desde o seu início e que os problemas diversos parecem invisíveis ao poder público municipal. “Nossas principais reivindicações são, asfalto que nunca houve, água que nós não temos, energia tem, mas parece que está ai só para nos prejudicar, por que vive ‘caindo’, eu já coloquei o disjuntor no quarto, por que todas as vezes que caia, eu me levantava para ir desligar; o problema era que até chegar lá já havia umas cinco quedas de energia e acabavam por queimar meus aparelhos, então, o disjuntor foi para o meu quarto, sendo assim, se houver algum problema eu já desligo lá”, comenta com tristeza sobre a situação do local. O morador afirma ainda que os secretários que são responsáveis por cuidar da área, assim como cuidam

tado: “de 2012 para 2013, a área plantada com grãos passou de 2,4 mil para 10 mil hectares, enquanto a produção de grãos passou de 7,6 mil toneladas para 25 mil toneladas no período, segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Mais, “a Embrapa estima que em 2014 a área plantada com grãos possa chegar a 20 mil hectares. Projeções para daqui a 20 anos mostram que a área deve atingir o potencial máximo, com 200 mil hectares.” A matéria lembra que o atual estímulo partiu da decisão de se implantar no Amapá o Terminal Graneleiro e indústria de beneficiamento de grãos pela empresa Cianport,uma joint-venture das poderosas Agrosoja e Fiagril que atuam no Mato Grosso e optaram pelo Amapá como ponto de transbordo da sua produção, abandonando as caras rotas para os portos do sul-sudeste brasileiro. “A rota pelo Rio Amazonas proporcionaria uma redução de 30% nos custos de frete para produtores de Mato Grosso”. “De acordo com dados do Instituto mato-grossense de Economia Agropecuá-

ria (IMEA), seria possível transferir 50% dessa carga com a viabilização dos portos no Norte, incluindo Santana”, revela a matéria do Valor. Ou fato interessante demonstrado na reportagem é a divulgação de um estudo realizado pela Embrapa com 15 dos principais produtores do Estado revelando “que 47% têm mais de 30 anos de experiência no setor. A maioria, inclusive, tem como origem Estados com larga tradição no agronegócio, como Rio Grande do Sul, Paraná e Minas Gerais”. Apesar do crescimento espantoso, o volume ainda é irrisório em termos nacionais, mas é considerável em relação ao porte da economia amapaense, ainda mais num setor tão contraído. Como temos área disponível a preços menores (apesar de ascendentes) que em outras regiões e contamos com a vantagem de custos reduzidos de logística (proximidade do porto), a tendência de expansão deve se confirmar. É necessário ressaltar que tal expansão deve ser acompanhada de redobrados cuidados ambientais para que aqui não se repita o

dos demais bairros, esquecem o local. “O secretário atual chegou a me dizer quando estava conversando com ele a respeito do nosso bairro em reunião no Marcelo Cândia (UBS), que ele tinha um bairro maior para visitar, isso me chateou muito, nos sentimos desprezados”, comenta. Recentemente a parte baixa do bairro que escoa água para o pequeno rio que fica nas proximidades está sendo invadido por fezes que descem das fossas do conjunto habitacional Mestre Oscar Santos é o que alega o morador do local, Francisco sente na pele o incômodo que o vazamento gera. “O mau cheiro é constante e insuportável fazendo com que os moradores do entorno do rio queiram passar a maior parte do tempo longe de suas casas”, diz.

desflorestamento ocorrido em outras regiões. Mas mesmo este risco é reduzido, pois no cerrado do centro-oeste brasileiro, por exemplo, a derrubada da mata ocorreu inicialmente pela pecuária que era seguida pela agricultura, diferente do movimento atual no Amapá. A oportunidade que se descortina para o Amapá tem ainda o dom de viabilizar produções satélites do plantio e beneficiamento de grãos, como a piscicultura, avicultura e suinocultura, que atualmente não são rentáveis pelo preço das rações no nosso Estado. Outra importante vantagem será o estimulo ao desenvolvimento do interior e desconcentração da conurbação Macapá-Santana, que detém 75% da população e 76% do PIB estadual comprimidos em apenas 6% da área geográfica amapaense. Finalmente, destaque-se o impulso em um segmento da iniciativa privada, o que contribuirá para a libertação da dependência da economia do contracheque público e ampliação da arrecadação tributária própria do Estado e dos municípios.


Jornaldodia20,21e22042014  
Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you