Issuu on Google+

MACAPÁ-AP, DOMINGO E SEGUNDA, 19 e 20 DE JANEIRO DE 2014 - ANO XXVI

* FUNDADO EM 04 DE FEVEREIRO DE 1987

ENTREVISTA

F-150

“O futuro desembargador não deverá perder a alma de um advogado”

Uma picape de classe Nova geração da picape emagreceu 317 kg C3

IMA: o tráfico utiliza as redes na net

ESTUDO

Tráfico humano mira a internet como meio de atuação

Carlos Tork, que concorre ao desembargo. B2

Farmácia popular é fechada por dívida de R$ 328,80 A Farmácia Popular que distribui remédios a preços baixos, está fechada desde o início de dezembro do ano passado. A Fundação Oswaldo Cruz JORNAL DO DIA

JORNAL DO DIA

•DOMINGO E SEGUNDA R$ 2,50 •TERÇA A SÁBADO R$ 1,50

(Fiocruz), responsável pelo controle do fornecimento e distribuição dos medicamentos, determinou que a farmácia não comercializasse medi-

NO FUNDO

Segundo o Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico Humano, no Amapá, o único caso que ainda não teve nenhum registro foi tráfico de pessoas com fim de remoção de órgão e tecidos. nB3

camentos antes de pagar um débito de R$ 328,80. A Semsa se justifica dizendo que o valor é de uma diferença de notas fiscais. nB1

Embarcação naufraga em frente a orla

EM LIBERDADE

Cinco detentos conseguem fugir do Iapen De acordo com a direção, os internos utilizaram uma corda artesanal para pular o muro da instituição. Em 2013, 73 presos conseguiram escapar do Iapen. Desses, 70 voltaram para prisão nB4 DIVULGAÇÃO

A FAMÍLIA que se encontrava no barco, ao todo seis pessoas, foram socorridas pelas pessoas que estavam no local nB4

NAS RUAS

Segurança pública reage à onda de criminalidade Devido ao grande número de homicídios que vem ocorrendo no Estado, nas duas primeiras semanas de 2014, os órgãos de segurança pública realizaram uma reu-

nião para traçar estratégias de combate à criminalidade, discutindo ações que garantam a tranquilidade da população. nB1 DIVULGAÇÃO

CORDA chamada de Tereza utilizada pelos detentos para fugir

VIOLÊNCIA

Ano inicia com 20 homicídios na capital As duas primeiras semanas de 2014 apresentaram altos índices nos casos de mortes no Amapá, segundo informações da Sejusp. Em apenas quinze dias, vinte homicídios foram registrados. nB1 DIVULGAÇÃO

COMUNICADO Devido a problemas técnicos, o Caderno B desta edição estará circulando em monocromia. Agradecemos a compreensão

NO CONJUNTO Mucajá, um duplo homicídio foi registrado semana passada

NESTA EDIÇÃO CADERNO A............................4Pag. CADERNO B............................4Pag. VEÍCULOS C............................4Pag. CLASSIDIA...............................8Pag.

PRECISA DE UM TÁXI?

OPERAÇÃO PACTO pela Paz nas ruas de Macapá faz parte das estratégias para entar diminuir a violência na capital

COVEN - 3222-5200 COOPTÁXI - 3223-2777 MARCO ZERO - 3223-2639

NA INTERNET: www.jdia.com.br - REDAÇÃO: 3217.1117 - COMERCIAL: jdcomercial@jdia.com.br 3217.1100 - DISTRIBUIÇÃO: 3217.1111 - ATENDIMENTO: 3217.1110


A2

Opinião

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 19 e 20 de janeiro de 2014 Editor: José Maria Baia - josemaria@jdia.com.br

Poucas & Boas

• NOTA veio da assessoria

do secretário da SETRAP, Bruno Mineiro. O Departamento Nacional e Infraestrutura de Transportes (DNIT) acabam de liberar R$ 20 milhões que deverão ser empregados para relocações e compensações nas aldeias indígenas ao longo da BR 156. Assim estes povoamentos indígenas terão diretos as construções de escolas, quadras poliesportivas, igrejas, postos de saúde, centro comunitário e geradores de energia. Nos postos de saúde deveriam ter pelo menos um médico do Programa de Saúde da Família

• O SETRAP, agora com

a liberação dos recursos em Brasília, onde se encontra o secretário Bruno Mineiro promete rapidez para a realização das devidas licitações e o início das obras para aqueles que já foram donos do Brasil e hoje estão relegados há segundos planos. Os índios do Amapá merecem esse tratamento, já que

parte da BR 156 passa por dentro de suas terras devidamente regularizadas. O conselheiro do JD, médico José Arcangelo, esteve recentemente visitando a aleia indígena caripuna de Piquiá, onde uma nova infraestrutura está sendo edificada, agora digna daquele povo.

• NÃO são sós os erros de

dosagens de medicamentos em receitas de cubanos no Amapá que vem preocupando as entidades médicas, mas sim o pouco tempo de adaptação que eles tiveram para estudar a língua pátria e se familiarizarem com os medicamentos nacionais. Enquanto em Cuba trabalham com pouco mais de 2 mil medicamentos, quase 100% genéricos, no Brasil são mais de 30 mil entre genéricos, de marcas e similares. O problema é que vários deles tem diversidades de dosagens que os caribenhos tem enormes dificuldades de interpretações e prescrições.

de um não pode ser a mesma dosagem do outro.

• SEGUNDO um médico que atua no Hospital de Emergências, que pediu anonimato, citou as dificuldades dos médicos cubanos em prescreverem um medicamento mais moderno para diabete, a base a Glimepirida, que existem nas dosagens de uma, duas e quatro miligramas (mg). Como estão acostumados a lidarem com “carroças” dos antidiabéticos em Cuba, à base de Glibenclamida de 5 mg – que os nomes são muito parecidos -, uma dosagem de cinco miligramas

estão levando a graves prejuízos da saúde aos diabéticos, informou o profissional brasileiro. E esse é apenas um das centenas das confusões que estão acontecendo com as prescrições de médicos cubanos no Brasil e no Amapá não poderia ser diferente. A fiscalização destes problemas de prescrição e dosagens de medicamentos é de exclusiva responsabilidade dos Conselhos Estaduais de Medicina, inclusive no que se refere aos receituários legíveis.

O povo está de olho! RODOLFO JUAREZ

Jornalista rodolfojuares@gmail.com

A

atual administração do município de Macapá não tem mais espaço para erro. Por mais complicado que estivesse o cenário a administração no final de 2012 e começo de 2013, um ano é tempo demais para se gasto com remendos. É preciso que o prefeito e seus auxiliares assumam os compromissos, exigências da conjuntura, e confiem que a resposta política pode ser dada a partir do terceiro ano e não desde o começo da administração. Não dá para administrar focado nas próximas eleições. Está certo que este é o sonho sonhado por aqueles que não foram à luta e ainda não deram a sua contribuição. Não compreendem o que realmente precisa ser feito. Achar que a solução está na melhoria do ambiente de trabalho é um erro. Está certo que não dá para deixar os servidores municipais sem ter onde sentar, não dispor de equipamentos para trabalhar ou, mesmo, dos transportes para exercer suas atividades públicas, em nome do município. Mas não será por isso que

CONSELHO EDITORIAL Presidente:

Aldenor Benjamim dos Santos

CONSELHEIROS Haroldo Pinto Pereira Danieli Amanajás Scapin Carlos Augusto Tork de Oliveira José Arcângelo Pinto Pereira Janderson Carlos Nogueira Cantanhede Heloisa Figueiredo Pereira

poderão ficar para outro momento, ou outra administração, o enfrentamento de problemas que são, agora, responsabilidade do município, mas, que nas circunstâncias atuais, não tem como sequer, enfrentá-los, quanto mais ter chances de resolvê-los.

É preciso identificar todos os problemas para selecionar aqueles que vai atacar primeiro. Nada impede, entretanto, que sejam equacionados os problemas, divididos em partes que possam ser atacadas desde agora. Ficar esperando o tempo melhorar não faz parte do cardápio administrativo daqueles que querem dar uma solução para os problemas municipais. É preciso identificar todos os problemas para selecionar aqueles que vai atacar primeiro. De pouco ou nada adianta ficar atirando para todo lado ou, apenas, reclamando dos outros ou vendendo ilusões. Até agora as medidas to-

perdiçar conversa, dinheiro e tempo. Acreditar que pode resolver tudo é um posicionamento que precisa de reflexão e que necessita, diretamente, da palavra daquele que tem que tomar a decisão. O risco maior que correm os administradores e a população, levando em consideração a falta de foco, de definição de prioridade e de repartição dos problemas é entrar no mesmo círculo vicioso em que entraram os dois últimos prefeitos que, já mostraram que a boa vontade ou as amizades não são suficientes para re-

Editado por Omega Publicidade Ltda. Rua Mato Grosso, 296 A - Bairro Pacoval CEP. 68.908-350 - Macapá-AP CNPJ 03.926.197/0001-82 Fundado em 4 de fevereiro de 1987 por Otaciano Bento Pereira(*1917 +2006) e Irene Pereira(*1923 +2011) 1º Presidente: Júlio Maria Pinto Pereira 1987 a 1991 - (*1954 +1994) 2º Presidente: José Arcangelo Pinto Pereira 1991 a 2003

solver qualquer dos problemas que estão sob a responsabilidade da administração do município de Macapá. Ora, não dar conta de construir uma obra como a do shopping popular é entregar os pontos, jogando a toalha para que a população veja o quanto errado estão os alicerces sob os quais se assentam a administração. Percebe-se praticamente em todos que estão no comando do município de Macapá, muita vontade de acertar, mas, na mesma proporção, os resultados indicam que tudo está muito errado. Maquiar, pintar, ajeitar as coisas do município é uma necessidade. Mas isso pode ficar a cargo dos chefes de divisão e não para se tornar as metas principais do prefeito e dos secretários. Ser mais realista, perceber que o trabalho precisa ser organizado, as prioridades identificadas, pode ser a melhor forma para que, daqui a pouco, todos possam estar reconhecendo o trabalho da atual administração municipal como acima da média, ou melhor, do que aqueles que por lá estiveram e não conseguiram nada. O povo esta de olho!

Vacância do Cargo 2005 a 2012 4º Presidente: Haroldo Pinto Pereira 2013 Presidente Executivo: Haroldo Pinto Pereira haroldopereira@jdia.com.br Vice-Presidente e Diretora Comercial Juliane Pereira juliane.pereira@jdia.com.br Gerente Comercial: Paolo Oliveira paolo.oliveira@jdia.com.br Consultoria Jurídica: Juliane Pereira (OAB/AP 1320) Jakeline Morato Pereira de Souza (OAB/AP 1381) Editor-Chefe: Janderson Cantanhede cantanhede@jdia.com.br

E-mails Pautas e contatos com a redação: jornaldodia@jdia.com.br Editor-Chefe: cantanhede@jdia.com.br Departamento Comercial: jdcomercial@jdia.com.br comercialjd.2011@gmail.com mariaruth@jdia.com.br JD na Internet: www.jdia.com.br VIA CELULAR: m.jdia.com.br

Contatos: Fale com a redação (96) 3217-1117 (96) 3217-1108 Fale com o departamento comercial (96) 3217-1100 / 3217-1111 Geral (96) 3217-1110 Conceitos emitidos em colunas e artigos são de responsabilidade de seus autores e nem sempre refletem a opinião deste jornal. Os originais não são devolvidos, ainda que não publicados. Proibida a reprodução de matérias, fotos ou outras artes, total ou parcialmente, sem autorização prévia por escrito da empresa editora.

Acompanha o

caderno de ClasssiDia 8pág. Geral ...........................C1 Esporte ......................C2 Cultura .......................C3 Social ..........................C4

Aos domingos Veículos ....................D1,D2,D3 Informe .....................D4

POR LEANDRO MAZZINI Jornalista

Twitter @leandromazzini

DILMA MANDA ABIN MONITORAR ROLEZINHOS

P

or determinação da presidente Dilma Rousseff, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) está monitorando os Rolezinhos (a movimentação em grupo de jovens em shoppings) em todo o País. Com agentes infiltrados e principalmente através das redes sociais. A decisão foi tomada há poucos dias em reunião no gabinete presidencial com a participação do comando da Abin e dos militares do Gabinete de Segurança Institucional (GSI). Na avaliação da presidente e assessores próximos, os Rolezinhos são por ora um movimento sócio-cultural, sem risco, porque não há infiltração política ou violência. Quem está a cargo da interlocução com movimentos sociais é o ministro da Secretaria Geral da Presidência, Gilberto Carvalho. A orientação dada aos go-

vernadores e prefeitos é para que a PM apenas monitore os grupos, sem confronto – a não ser que seja provocada, o que não ocorreu. É justamente um eventual confronto que preocupa a presidente Dilma. Ela teme duas situações que podem ser iminentes: a infiltração de militantes políticos da oposição (ao governo federal ou aos governos estaduais) e um episódio violento de confronto entre policiais e jovens, que pode desencadear um efeito dominó em todo o País, às vésperas do Carnaval. Se a coisa cresce, chega às portas dos estádios durante a Copa. Dilma quer evitar uma nova versão das manifestações de Junho passado, quando milhares de pessoas foram às ruas, por protestos diversos, mas principalmente movidas pelas redes sociais.

FELICIANO CHUTA A PORTA (DOS FUNDOS) Ainda rende muita polêmica entre os cristãos, em especial os católicos, o especial de Natal da Porta dos Fundos veiculado no Youtube, com paródias sobre a família de Cristo, seu nascimento e sua crucificação. O deputado pastor Marco Feliciano (PSC-SP) protocolou na última quinta-feira representação no Ministério Público de São Paulo para que a instituição investigue a turma por calúnia e difamação, e pede que o MP denuncie a produtora a fim de

excluir o vídeo. Feliciano pretende pedir indenização por danos coletivos, calcula R$ 1 milhão – dinheiro que, se o caso for à Justiça e lhe render, será destinado, segundo ele, aos hospitais das Santas Casas de Misericórdia. Segundo o deputado a contato da Coluna, ele se ‘sentiu ofendido na sua condição de cristão’, e pede ‘medidas cíveis e criminais’. Até o fechamento da Coluna, na sexta, a assessoria da Porta dos Fundos não se pronunciou.

Charge de Aliedo

Só torneiro mesmo

Endereços Redação, Administração, Publicidade e Oficinas: Rua Mato Grosso, 296 A Pacoval, Macapá (AP) - CEP 68.908-350

Representante comercial Grupo Pereira de Souza – GPS Matriz Rio de Janeiro/RJ - Tel.: (21) 2544.3070; Brasília/DF - Tel.: (61) 3226.6601; São Paulo/SP - Tel.: (11) 3259.6111; Belém/PA - Tel.: (91) 3244.4722

3º Presidente: Maria Inerine Pinto Pereira 2003 a 2005

ÍNDICE Opinião .....................A2, A3 Geral ..........................A4 Geral ..........................B1,B2,B3 Polícia ........................B4

madas não dão esperança nem para daqui a 10 anos. Todas muito tímidas e de pouca consistência. A administração municipal ainda não se livrou dos velhos problemas e daquelas pessoas que se acostumaram a imaginar que o município de Macapá não precisa da dedicação completa dos seus gestores. Eleger um setor para ser o prioritário evitaria des-

ESPLANADA

• DAÍ as confusões que

Edição número

8408

O então presidente Lula já surfava na onda do carisma mundial à sua figura quando foi visitar o rei da Espanha, Juan Carlos, e sua rainha Sofia, em Madri. Seguido todo o protocolo desde o aeroporto até o Palácio Real, o rei serviu um banquete para a comitiva brasileira. À mesa Lula, a primeira-dama Marisa Letícia, e senadores brasileiros. Bem à vontade e falante, o presidente, sentado ao lado da rainha, chamou a atenção da anfitriã pela simpatia. Ela então quis puxar papo: - É verdade que o senhor é marxista-leninista? E Lula, de pronto, olhando firme para ela: - Não senhora, sou só torneiro mecânico mesmo. E arrancou gargalhadas da mesa. Aliás, a rainha adorou.

Ponto Final

Se o Rolezinho preocupa assim a presidente, imagina quando a base governista fizer o dela no Palácio. Com Marcos Seabra, Maurício Nogueira e Adelina Vasconcelos

www.colunaesplanada.com.br LM Comunicação Coluna Esplanada contato@colunaesplanada.com.br Caixa Postal 1980 – CEP 70254-970 – Brasília-DF


Opinião

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 19 e 20 de janeiro de 2014

Por dez mil rublos DOM PEDRO JOSÉ CONTI

C

Bispo de Macapá

erta feita, um jovem se queixava de Deus nos seguintes termos: - O bom Deus dá riquezas aos outros, mas não dá para mim. Como começar a vida sem nada? Um ancião que o ouvira queixar-se lhe diz: - Serás tão pobre quanto acreditas? Deus não te deu juventude e saúde? - Não digo que não e até posso me orgulhar da minha força e da minha juventude! O ancião lhe toma, então, a mão direita e lhe diz: - Deixaria que a cortassem por mil rublos? - Certamente que não! - E a esquerda? - De modo algum. - E consentiria, por dez mil rublos, em perder a visão? - Que Deus me proteja! Eu não daria um único olho por nenhuma fortuna! - De que se queixa então? – disse o ancião - Não vês que Deus te deu uma imensa fortuna? Vai e, doravante, sê mais grato. Este diálogo é nada menos que do famoso escritor russo Leon Tolstoi. Uma sábia reflexão e, ao mesmo tempo, uma

lição de vida. Com efeito, acredito que muitos de nós esqueçamos tantos dons que receberam da vida ou de Deus, se nele acreditam, que vivem constantemente insatisfeitos, porque não possuem aquelas riquezas que o mundo apresenta como indispensáveis para uma vida feliz. Sonhamos, na prática, de possuir muito dinheiro. Mais temos, mais desejamos, pela simples razão de que sempre haverá alguém mais rico do que nós. Assim, ficamos com inveja, desejamos maus negócios para os outros que os julgamos adversários num combate sem fim. Ficamos tão obcecados pelas coisas materiais que acabamos, conscientemente ou não, desprezando outros tipos de riquezas, sobretudo aquelas que enriquecem o coração, mas não o bolso. Se o dinheiro é a medida de tudo, os bens que não podem ser comercializados perdem o valor, porque estão fora do mercado. Não têm nem vendedores e nem compradores. No evangelho deste domingo, João Batista declara que Jesus é “o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”.

Numa pequena frase ele resume uma longa história de lamentos e de esperanças, de profecias e de infidelidades e, ao mesmo tempo, faz uma maravilhosa profissão de fé. A esperança da libertação do pecado e da morte chegou ao fim. Agora está presente na história humana, solidário e irmão de todos, o Filho de Deus, capaz de obedecer ao Pai, até dar a sua própria vida. Nele está agindo o Espírito, não somente para uma missão específica e limitada, mas para realizar, uma vez por todas, a reconciliação do gênero humano com o amor misericordioso de Deus. Jesus é “o Cordeiro”. Não será mais necessário o sangue de animais, porque o sangue derramado pelo Filho, na cruz, reconduzirá plenamente a humanidade ao encontro com o Pai, numa comunhão renovada de vida e de amor, de paz e liberdade. Apesar dos nossos pecados e das nossas fraquezas, o amor de Deus, manifestado no Filho, é mais forte do que o pecado e a morte. Fomos, enfim, libertos. Esta riqueza, esta possibilidade de amor, tem valor incalculável. Custou a vida do Filho. No entanto parece que tenhamos perdido a consciência do valor deste amor. Mal agrade-

Tempo perdido Edinho Duarte

E

Deputado Estadual

ste ano ainda não tivemos oportunidade para destacar qualquer medida de interesse público, tomada por qualquer organismo do Estado com a atribuição de abrir as portas para o desenvolvimento, garantir, a cada um, que ainda é possível restaurar o ambiente de confiança como elemento de unidade e de superação. As questões tratadas neste começo de ano são todas pontuais. Uma dissintonia que preocupa àqueles que estão interessados nas questões de interesse geral e não apenas, e tão somente, nas questões particulares, interessantes para grupo que estão dispostos a garantir ou conquistar espaços, principalmente na administração pública. Nem mesmo o setor privado escapa desse cenário perverso que não está permitindo os ensaios e os testes das novas formas de desenvolvimento que já estão em execução, noutras partes assemelhadas às nossas, pelo país a fora. O Amapá está marcando passo, isto é, não avança para

descobrir as novidades, nem recua para retomar as suas conquistas. Uma situação que levanta dúvidas sobre a capacidade que os atuais comandos têm para orientar as estratégias que podem alcançar os objetivos da população.Quando a inibição toma conta de um comando é preciso que esse comando reaja, não contra um adversário, mas contra si mesmo, procurando formas de modernizar os procedimentos e, principalmente, as dificuldades que encontrar para ser otimista, característica indispensável para o bom gestor. Esperar que a população se conforme com a situação, aceitando as dificuldades ou esperando passar o tempo para trocar, nunca foi o melhor caminho. Nem o conformismo é um componente da personalidade das massas e muito menos as dificuldades podem ser uma barreira capaz de impedir as reações da população. A administração amapaense acumula dificuldades muito mais pela ausência de uma linha de ação do que pela capacidade que tem a pró-

pria administração de concretizar projetos de interesse geral. Perde-se muito tempo com brigas desnecessárias em uma rede de intrigas, o que levou o governo para o abismo que está. Há uma espécie de dependência de outros, ausentes e pouco interessados no processo, no sentido de aprovar ou desaprovar cada medida ou cada projeto. Erram os responsáveis pela administração porque não miram no que interessa para a população, apesar de fazer dela um escudo, mesmo que não a considere nem como elemento de seus discursos ou de suas propostas. O tempo atual é muito curto para dar as respostas que a população esperou durante os últimos três anos. E de pouco adianta pretender convencer essa mesma população de que o trabalho se concentrou nas bases e nos alicerces porque isso, claramente, é entendido pela população como um erro, um tempo perdido. Mesmo com o tempo que ainda resta para completar os quatro anos e a paciência que tem demonstrado o povo amapaense, são os próprios gestores que se mostram sem condições de modificar um quadro que foi

cemos e menos ainda procuramos entrar no caminho da vida nova que Jesus nos ensinou. Queremos riquezas, bem estar, saúde, conforto, muitos objetos desnecessários. Dificilmente pedimos que o Senhor aumente o nosso tesouro de amor, que nos dê a oportunidade de amar mais. Competimos em poder, nunca em generosidade. Desejamos ser grandes, famosos, mas nunca mais santos. É sinal que a bondade e a misericórdia valem pouco aos nossos olhos, as desprezamos e não tem lugar em nosso projeto de vida. Jesus, o Cordeiro que tira o pecado do mundo, doa-nos um caminho de amor, talvez de sacrifício e de doação, com certeza de superação dos nossos defeitos e do nosso egoísmo. Pobres de nós se pensamos que a bondade do coração seja tempo perdido, esforço inútil, vida não vivida. E se fosse o contrário? Se a verdadeira riqueza estivesse mesmo na capacidade cada vez maior de amar, de fazer o bem, de “perder a vida para ganhá-la” (cf. Mt 10,39)? Talvez saberíamos agradecer mais a Deus e reclamar menos com ele. Seríamos mais felizes. Tolstoi tinha razão: Deus nos deu uma imensa fortuna.

embaralhado por eles mesmos e que acabou por envolver a todos. A população sabe que, em tempo de desenvolvimento nacional, a possibilidade de uma unidade da federação brasileira ter tantas dificuldades, era pouco provável e até inesperada. Mas, infelizmente, acabou sendo dessa forma com os índices de desenvolvimento com perspectiva de fechar o período ainda piores do que aqueles anotados no começo. Reclamar agora do trabalho que diz ter feito para poder recomeçar, não tem sentido e ainda atiça o grau de insatisfação da população que ficou na expectativa, considerando a inexperiência e a pouca destreza demonstrada desde o começo, nas ações que foram iniciadas e às quais foram colocados os carimbos de indispensáveis para o sucesso administrativo. Os erros, que não param de acontecer, vão deixar marcas permanentes na história recente do Amapá e, também, um passivo maior que não pode ser medido pelos tribunais de justiça ou pela polícia, pois será sentido no dia a dia dos estudantes, dos que precisam de saúde, de segurança e de assistência social. Essa etapa não tem mais conserto. Foi tempo perdido. Infelizmente!

Faces da violência DORIEDSON ALVES

V

PROFESSOR

ivemos em mundo que, desde seus estágios mais remotos, carrega consigo as marcas da violência. Não há como negar: a história humana também é a história do domínio de uns, e da sujeição de outros. Sempre houve (e sempre haverá) na mente humana, sob forma de potência ou possibilidade, a arquitetura da imposição coercitiva, onde as ideias, atitudes, pensamentos, vontades, são aspectos desprezíveis de alguém “destinado” à submissão: o violentado. O outro é importante, mas apenas como instrumento da satisfação do sujeito dominante. Portanto, nesse caso, toda relação se baseia na concepção autoritária, presidida pela simples coisificação, onde o “não-eu” tem, irrevogavelmente, a obrigação de ser “coisa” manipulável. Desse modo, qualquer resquício de dignidade humana, princípio constitucional, deve obrigatoriamente ser abolido, sob pena de uma indesejável insubordinação. Contudo, o curioso nisso é a incapacidade, do opressor, de se colocar, por um minuto que seja, na condição daquele a quem oprime – alteridade. Por outro lado, é impossível negar que isso está, em última instância, ligado a “natureza” do homem, não importando a época, condição social, credo religioso, etc., a vontade de dominar,

oprimindo, está presente. Por isso, qualquer ideia entendida enquanto “ética da compaixão”, parece absurda e fora de contexto. Podemos pensar, de certa forma, a violência como um espelho refletindo o que há de pior no ser humano, como se fosse a face oculta e obscura de todo indivíduo. Porém, ela está escondida, esperando, a qualquer momento, por mais torpe que seja o motivo, a oportunidade para emergir com força excessiva, desproporcional ao que a desencadeou. Além disso, ela é um dispositivo extremamente eficiente para conseguirmos atingir objetivos específicos, principalmente no intuito e tentativa de obrigar a aceitação de nossa vontade egoísta, isto é, do contentamento sustentado pelo sofrimento alheio. É a dialética do carrasco e da vítima. A questão fundamental, no entanto, se encontra na distinção entre quem castiga e quem é castigado. Contudo, o primeiro pode agir de forma compulsória, sem nenhuma escolha que possa desobrigá-lo da ação agressiva; ou pode agir de maneira extremamente prazerosa: o sádico. Já ao segundo cabe apenas à insatisfação – acompanhada da tolerância ao sofrimento infringido, ante a dor e a humilhação de ser violado

– sem nenhuma recusa, sobretudo por temer represália, a destituição do seu estado infeliz. Por se encontrar em situação desfavorável, à certeza da impunidade, em relação ao agressor, acaba se tornando fardo extra. A violência de quem sofre calado, em certos aspectos, é bem maior! Não havendo a quem recorrer, pois nada será feito em sentido compensatório, reprimindo a intolerância, o descontrole e a brutalidade do agressor, o agredido acaba se conformando ao fardo de ser hostilizado, na maioria das vezes. No entanto, felizmente isso não se aplica a todos, caso contrário, notáveis como Mahatma Gandhi (o “apóstolo da não-violência”), Martin Luther King Jr., Nelson Mandela – para citar apenas alguns – seriam somente recordações tristes de homens que doaram a vida por causas impossíveis, inúteis. Entretanto, a justiça compensatória, vingativa, punitiva, se encontra bem distante da realidade concreta da dura existência sofredora. Ela (a justiça) também foi violada pelas leis escritas, mas mortas, quando o único sentido possível é a sua própria condenação, através do constrangimento físico e moral perpetrado pela indiferença de quem a conduziu às escuras, forjando situações de imparcialidade. Ela foi envergonhada ante o triunfo arrogante do violentador infame: o homem sem piedade. Por isso, toda alteridade fora destinada

a encenação discursiva, impregnada de um falso amor justiceiro, onde reside confortavelmente a vontade de enganar. O pior tipo de violência, sem dúvida nenhuma, é aquela que nega ao violentado a possibilidade, por mais remota que seja, de autodefesa, demostrando, por parte do agressor, uma covardia explícita. Bem, quando bombas atômicas explodiram em Hiroshima e Nagasaki, durante a Segunda Guerra Mundial, dezenas de milhares de pessoas, basicamente civis, foram impedidas de qualquer ação defensiva, ao serem condenadas à morte, mutilação, deformação, simplesmente por força de uma “vontade revanchista”, calcada na vaidade de alguns burocratas estúpidos. Aquilo se justificou, na verdade, como a mais sórdida demonstração de poder. E é justamente isso que fazemos ao sermos violentos, demostramos poder. E o que é pior: um poder autojustificado; portanto, absurdamente arbitrário (imoral e antiético), sob a ótica de quem convive socialmente, pois, em um dado momento, pode se encontrar na mesma situação de vulnerabilidade. Onde fica a fraternidade, princípio humano por excelência? Enterrada entre os brutalizados pela nossa irracional intolerância, obscurecida pelas barbáries, em suas subjugadas faces anônimas, na figura de quem vítima e, também, de quem é vitimado.

A3

Editor: Túlio Pantoja - tuliopantoja@jdia.com.br

Dia-Dia

Violência do crime organizado

M

ais um crime violento aconteceu na Grande Macapá com requintes de crueldade, típico dos determinados pela organização criminosa que imita muito bem os procedimentos das máfias. Aqui no Meio do Mundo, o “tribunal” funciona 24 horas por dia em rápidas reuniões, decidindo quem deve levar uma simples reprimenda ou quem deve ser passado pelas armas, não importando se o infeliz tem mulher e mais dois ou 10 filhos para dar conta. A ordem deve ser cumprida imediatamente, bastando que receba o bagulho, venda e não preste conta. As execuções dos inadimplentes, que ousaram desobedecerem às ordens dos chefões tem um roteiro macabro: eles primeiro sequestram o devedor, ameaçam as famílias e exigem os pagamentos dando um prazo curto de duas horas para quitação. Caso não seja cumprido à morte é o pagamento e ainda Depois é devivem com um aviso ameaçador: caso seja damente dedenunciado à polícia o resto da família irá so- sovado em locais frer com as consequên- conhecidos, fácil cias. Então impera a lei do silêncio que nin- de ser achado priguém ousa desobede- meiro até pela imcer. Então a cada dia cresce uma fileira de vi- prensa úvas e órfãos. Quem é preso com o bagulho tem que assumir toda a responsabilidade para ter toda a proteção entra do IAPEN. O “modus operandi” do tribunal do crime no Meio do Mundo já é bastante conhecido das nossas autoridades. Eles amarram pés e mãos e são executados com uma venda geralmente vinda da própria camisa que usa e tiro mortal, geralmente único é direcionado a nuca do infeliz. Depois é devidamente desovado em locais conhecidos, fácil de ser achado primeiro até pela imprensa, que divulga o acontecido. As matérias veiculadas servem de “documentos” para as quadrilhas. Eles não tem escrúpulos para recrutarem seus “soldados” que podem ser crianças de 12 anos e que servirão inicialmente de “aviões”, para depois de alguma experiência se transformarem em verdadeiros combatentes em favor do crime. E a impunidade continua!

Hora-Hora

Atitude A Secretaria de Segurança Pública precisa reunir com urgência com as polícias Civil, Militar e se possível com a Federal, para traçarem um plano geral no combate ao crime organizado no Meio do Mundo. Sem essa atitude a cada dia mais corpos crivados de balas aparecerão em diversos bairros da cidade, principalmente os mais afastados do centro. É questão de honra mostrar que eles podem ser colocados detrás das grades pelos crimes que praticam. Peixe Vem ai a Semana Santa e os órgãos reguladores da pesca já tem que começar a traçar seus planos para abastecer o mercado de pescado a preços justos, principalmente os vindos dos vários criadouros de cativeiro. A notícia é que o inverno para esse ano parece vir com mais chuvas o que faz aumentar as águas dos lagos, rios e oceanos, dificultando a captura dos peixes. No interior atualmente o quilo do peixe está custando entre R$ 8,00 a R$ 15,00 e o filé de pescado a R$ 15,00. Em Macapá a peixe “in natura” sai entre R$ 12,00 e R$ 18,00 com o filé a R$ 25,00 o quilo.

Camarão Já o camarão regional com as chamadas águas grandes, a captura do exemplar maior fica mais difícil e assim os preços acabam subindo. O quilo do “escolhido”- alguns grandes e muitos peque-

nos-, do cru estão sendo vendido a R$ 20 reais o quilo e do “pequeno” a R$ 12 reais. O “frito” a R$ 10 reais do médio e o “descascado” a R$ 20 reais o quilo. O camarão rosa é que disparou de preço desde as festas de fim de ano, sendo vendido a R$ 60 reais o quilo do grande sem cabeça e o pitu a R$ 45 reais o quilo. Comida de barão! Fiscalização Bem que o Esquadrão da Lei Seca pudesse atuar com rigor por todo esse final de semana na Grande Macapá, principalmente nas rodovias BR 210/156, Curiaú, Juscelino Kubitscheck e Duca Serra. É que nestes locais estão sendo anunciadas varias festas com promoções justamente nas bebidas como cerveja a R$ 0,99 centavos a lata e baldes com seis ou 12 garrafas variando entre R$ 10 e R$ 20 reais. Nada contra quem quer encher a cara, mas que leve um carona para dirigir. Carona Falar em carona, quem participa do Esquadrão da Lei Seca está encontrando algo que parece começar a pegar. Por ocasião das blitzes principalmente no encerramento das baladas, são as mulheres que levam os maridos para casa, eles com a cabeça cheia da “mardita” e elas sóbrias passando com louvor no teste do etilômetro. Ai o problema é só com o “figueiredo” do bebum!

MINUTOS Prejuízos - O crime organizado (em letras maiúsculas mesmo para ver se chama mais atenção das autoridades) continuam atuando livremente causando enormes prejuízos ao Estado sem que ninguém tome quaisquer providências para saná-lo. É o caso da pirataria que dá tríplice prejuízo: ao Estado que fica prejudicado nos recolhimentos dos impostos, dos artistas que não recebem seus direitos autorais e das locadoras legalizadas que estão fechando as portas. Pirataria - A concorrência desleal dos pirateiros, que vendem livremente seus produtos em frente às lojas do centro comercial, nas barbearias, em frente aos fóruns das comarcas e até as proximidades da Polícia Federal, tudo, impunemente. E quem paga o pato é o empresário honesto e recolhedor de impostos, obrigado a encerrar suas atividades causando desemprego de pelo menos quatro funcionários por locadoras, que para sustentarem suas proles acabam enveredando no crime, justamente vendendo produtos piratas.


Sociedade

LÚCIA THEREZA @luciathereza lucia.ghammachi@jdia.com.br

Diagramadora: Maraina Melo - maramiranda@jdia.com.br

Sonho realizado

Visita

O

s 510 taxistas que apresentaram os documentos exigidos pela Companhia de Trânsito e Transporte de Macapá (CTMac) receberam concessão definitiva durante o evento no Museu Sacaca. De acordo com a presidente da CTMac, Cristina Baddini, antes, apenas 302 dos 925 taxistas da capital possuíam a concessão definitiva da placa. “No ano passado, o prefeito Clécio Luís assinou o decreto que agora garante que todos os taxistas da capital tenham a posse definitiva. Ele me deu a missão e eu cumpri. Isso sim é política pública de verdade, um sonho realizado para esses profissionais”, compartilhou Baddini. O líder da Bancada Federal, Evandro Milhomem, elogiou a iniciativa da Prefeitura e parabenizou os taxistas pela conquista. “Direito igual para todos, assim que tem que ser! É a primeira vez que eu vejo o poder público chamar a categoria dos taxistas para discutir política pública para classe, puxar a responsabilidade e a discussão para si. E assim tem feito a atual gestão, assumido os pro-

blemas, procurado soluções e sempre contando com a participação popular”, disse Milhomem. O prefeito de Macapá também comemorou a conquista dos profissionais e anunciou que ainda tem muito a ser feito, não apenas pela categoria, mas por toda cidade. “Estamos avançando e comemorando cada vitória, pois são passos importantes e conquistas que tornam a nossa cidade cada vez melhor. Nossa equipe esta determinada a trabalhar, se 2013 foi o ano de arrumar a casa, 2014 será o ano da reconstrução. Caminhamos com passos firmes e muita responsabilidade em tudo que fazemos”.

Tim Tim Esteve aniversariando na última sexta-feira a Procuradora Geral de Justiça Ivana Lucia Franco Cei, a colunista registra a grande data com votos de felicidades. Parabéns!!

Bispo Dom Pedro Conti em visita a Sarney no Senado

DNIT libera recursos

O casal, empresário Tadeu Luiz Penha e Heloisa Figueiredo, de férias em Paris

O

Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) aprovou esta semana o aditivo financeiro de quase 20 milhões de reais, para que a Secretaria de Transportes (SETRAP) faça as compensações e realocação das áreas indígenas que estão no entorno da BR 156 trecho norte. Os índios serão contemplados com uma serie de benefícios como posto de saúde, centro comunitário, igreja, escola, quadro de esporte, geradores dentre outros benefícios. Para o secretario Bruno Mineiro atender as exigências das comunidades indígenas vai sanar os impasses e dar celeridade nas obras de pavimentação. “O DNIT já esta liberando estes quase 20 milhões e já vamos iniciar o processo licitatório, com isso a comunidade indígena receberá benefícios e as obras vão ser aceleradas” comentou Bruno, ele esta em Brasília acertando alguns detalhes para que o recurso já entre na conta da Setrap ainda em janeiro.

Nova formanda Viagem

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 19 e 20 de janeiro de 2014

Parabéns, para a mais nova Administradora do Amapá formada pela Faculdade CEAP, Thais Távora Nascimento. Homenagem de seus pais, Juarez e Creusa e de sua irmã Ananda.


MACAPÁ-AP, DOMINGO E SEGUNDA-FEIRA, 19 e 20 de janeiro de 2014

Geral “A internet é um dos

principais meios do tráfico humano”, diz representante do IMA B2

Editor: Túlio Pantoja - tuliopantoja@jdia.com.br

GANHANDO A LIBERDADE

Entrevista especial

“O futuro desembargador não deverá perder a alma libertária de um advogado” B2

Cinco detentos conseguem fugir escalando os muros do Iapen B4

Determinação da Fundação Fiocruz fecha Farmácia Popular

Orientação é para que a farmácia não comercialize medicamentos antes de pagar um débito de R$ 328,80 Larissa Cantuária

Da Reportagem

A

Farmácia Popular, na Avenida Fab, está fechada desde o início de dezembro do ano passado. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), responsável pelo controle do fornecimento e distribuição dos medicamentos, determinou que a farmácia não comercializasse medicamentos antes de pagar um débito de R$ 328,80. O secretário municipal de saúde, Dorinaldo Malafaia, se justificou dizendo que, no dia 23 de dezembro de 2013, a prefeitura quitou um débito de R$ 3.420,96

da gestão passada. Segundo ele, a dívida se referia à diferença financeira negativa sobre notas fiscais e no estoque, encontradas numa vistoria em 26 de agosto de 2011, e comunicada ao então prefeito Roberto Góes através do ofício nº 706/2011. “Por ocasião desta visita técnica, foi apurada uma diferença financeira negativa de R$ 2.703,52, que necessitará de uma reposição imediata desta parceria através de depósito em forma de GRU [Guia de Recolhimento da União] com os dados da unidade supracitada”, conforme consta no ofício repassado pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa). O restante do valor equivale aos juros. No entanto, de acordo com o secretário, a Semsa soube do débito no dia 11 de dezembro de 2013, quando a farmácia foi fechada, e a Fiocruz explicou o motivo da interdição seria por causa da dívida de 2011.

Em janeiro, ao comunicar a Fiocruz sobre a quitação, a administração da farmácia recebeu a informação de que ainda precisava pagar uma conta de R$ 328,80, também de 2011. “Se de 2011 a 2013, a farmácia não fechou por causa de uma dívida de R$ 3 mil, por que em menos de um mês há essa decisão do fechamento da farmácia?”, questionou Malafaia. Dorinaldo disse que vai se reunir com membros da fundação para reabrir a farmácia o quanto antes. “Sabemos que é um prejuízo para a população ficar sem os medicamentos da Farmácia Popular”, afirmou. A Farmácia Popular vende medicamentos a preços significativamente mais baixos do que a média do mercado e também fornece remédios gratuitos para alguns pacientes. A drogaria faz parte do programa da Assistência Farmacêutica do Ministério da Saúde que tem como objetivo baratear os remédios.

DIVULGAÇÃO

NO ENTANTO, de acordo com o secretário, a Semsa soube do débito no dia 11 de dezembro de 2013, quando a farmácia foi fechada, e a Fiocruz explicou o motivo da interdição seria por causa da dívida de 2011.

Em quinze dias, vinte homicídios

Segurança pública reage e anuncia medidas de combate à criminalidade foram registrados no Amapá Jéssica Alves Da Reportagem evido ao grande número de homicídios que vem ocorrendo no Estado, nas duas primeiras semanas de 2014, o Governo do Amapá realizou uma reunião com o setor de segurança pública para traçar estratégias de combate à criminalidade, discutindo ações que garantam a tranquilidade da população. Na última sexta-feira (17), foram divulgadas as medidas para reforçar ações de segurança, de ordem prática e imediata, como “Saturação” e “Lei Seca” serão intensificadas, assim com o “Check Point”, executado pelo Batalhão de Operações Especiais (Bope), e a “Operação Pacto pela Paz”, que já iniciou na madrugada de quinta-feira (16) na cidade de Macapá. O Amapá apresentou uma redução de 25% no

D

índice de homicídios, comparando os anos de 2013 com 2010. “No de correr de três anos de gestão, o Governo do Amapá fez investimentos e recursos direcionados para a segurança pública, investimento na segurança e trabalhamos de maneira integrada, investimentos significativos. A decorrência da taxa elevada de homicídios que ocorreram nessas primeiras semanas de 2014, levou a tomarmos essas medidas”, afirmou. As operações contarão com reforço no efetivo das Polícias Militar e Civil do Amapá, que realizarão fiscalizações em pontos estratégicos de Macapá e outros municípios. A operação Saturação irá atuar nas áreas periféricas de Macapá, especialmente nas áreas de ponte, locais com maiores riscos para ocorrência de criminalidade, como homicídios e tráfico de drogas. A operação Lei Seca se

Pressão Alta Verdades e Mitos Prof. Dr. Eduardo Augusto da Silva Costa

Médico com Residência, Mestrado e Doutorado em Cardiologia. Professor de Cardiologia da Faculdade de Medicina da UFPA. Pós-Doutorado em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista “-Meu filho não pode tomar café quente e sair na chuva”..., esta era uma frase comum da tia Iaiá, como era conhecida na cidade minha avó Maria Augusta que morava ali no lado do Café Society na atual Rua Tiradentes, associada a outras frases como: “não pode abrir a geladeira suado ou com o corpo quente”...”não pode tomar banho logo depois do almoço”...que, segundo meu filho Diogo Henrique, que está sentado na minha frente enquanto escrevo, lembrou agora, que ouviu também es-

ses comentários da bisavó. Mas, provavelmente todas as avós e bisavós falaram essas frases e talvez ainda falem até hoje, pois o resultado disso era uma “congestão”, termo que naquela época traduzia um acidente vascular cerebral, que também já foi chamado de “estupor” e “derrame”. Bem, e isso podia acontecer mesmo, cientificamente falando, ...era ou é verdade? Resposta: é verdade. E por que isso pode acontecer? Resposta: por causa da pressão alta, é porque a pressão alta não dá sinais de que

desdobrará dentro do território, acessando as rodovias estaduais. A PM estará presente 24h diuturnamente no estado do Amapá, fechando cercos em pontos estratégicos. A Polícia Civil intensificará a operação Pacto Pela Paz, que fiscaliza casas noturnas no Amapá. Na madrugada de sexta-feira (17), nove estabelecimentos foram fechados (acompanhe mais informações no boxe). O delegado-geral da Polícia Civil, Tito Guimarães Neto destacou que a instituição garantirá reforço nas fiscalizações durante a Operação. “Esse é um conjunto de operações, que a policia nos bares e boates. Vamos verificar e se tem nesses estabelecimentos passa do horário de funcionamento e se há a presença de menores de idade no local. Vamos garantir que essa operação seja bem executada pela segurança pública”, afirmou o delegado.

está presente na gente, por isso é uma doença muito traiçoeira...nós não sentimos nada, nada mesmo. Eu, que sou médico há 31 anos, passei uns 10 anos para acreditar que pressão alta não dá sintomas, as pessoas não sentem nada...desculpem a redundância do assunto, mas é para fixar o conhecimento, ou seja, quando temos pressão alta não sentimos nada. Aproximadamente 40% das pessoas adultas do mundo todo tem pressão alta, 40% é 2 pessoas em cada cinco adultos, ou 4 em cada 10; provavelmente no quarteirão que você leitor deste artigo mora, existem mais pessoas hipertensas (termo usado para quem tem pressão alta) do que casas, ou seja tem muita gente, muita gente mesmo com pressão alta. E a hipertensão é uma doença herdada geneticamente, dos nossos antepassados da pré-história, que veio passando até nossos dias; por conseguinte, nós não temos culpa de tê-la. Mas naque-

Jéssica Alves Da Reportagem s duas primeiras semanas de 2014 apresentaram altos índices nos casos de mortes no Amapá, segundo informações da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp). Os dados apontam que em apenas quinze dias, vinte homicídios foram registrados, sendo que apenas na quinta-feira, quatro ocorrências constaram nos registros da Polícia Militar do Amapá (PM-AP). As estatísticas afirmam que a maioria das execuções ocorreu com armas de fogo, com dez homicídios, seguida de armas brancas com oito homicídios. O maior número de registros foi nos municípios de Macapá e Santana. Em 2013, o número de mortes nas duas primeiras semanas do ano foi menor, com 14 registros. Os dados vão contra o avanço na diminuição dos casos de homicídios que foram apresentados pela segurança pública nos últimos três anos. De acordo

A

les que a tem é obrigatório, vou repetir, OBRIGATÓRIO, o tratamento, e esse tratamento é contínuo, por enquanto, por toda a vida, todos os dias temos que tomar um ou uns comprimidos e um copo d’água e se estivermos acima do peso, emagrecer, pois o único fator que diminui pressão fora os remédios é a perda de peso. Entretanto, dentro do assunto é importante saber mais outros detalhes a respeito da doença. Inicialmente devemos saber que pressão normal é qualquer pressão de 120 x 80 mmHg (oficialmente é assim que se escreve) mas vamos chamar de 12 x 8, para baixo; assim 11 x 7, 10 x 6, até 9 x 5, desde que a pessoa esteja bem, são pressões normais. Agora acima de 12 x 8 a pressão está alta. Somente nos idosos de hoje, que não foram tratados direitos na vida, se permite 14 x 8. Então quando a pressão está acima de 12 x 8 está alta, desde que medida em repouso, pois a pressão varia o dia todo, basta a chatea-

com o levantamento, em 2010, 295 mortes aconteceram em todo o estado. Já em 2011, foram 229 ocorrências, seguidas de 231 em 2012 e 223 em 2013. Ou seja, uma redução de aproximadamente 30%. O secretário Marcos Roberto afirma que os números são considerados acima da média para as primeiras semanas do ano. “Infelizmente 20 mortes acontecerem em apenas duas semanas é algo preocupante, por isso, os órgãos de segurança pública pretende reforçar as operações para conseguirmos manter um baixo índice de homicídios violentos no Amapá”, afirmou. Segundo Marcos, o reflexo dessa diminuição se deu através dos investimentos realizados pelo governador Camilo Capiberibe, com investimentos na estrutura e melhores estratégias de serviço. “Tivemos a locação de novas viaturas, implantação das Unidades de Policiamento Comunitário, compra de armamentos, coletes balísticos e equipamentos de inteligência, aumento do

ção de um engarrafamento de trânsito para a pressão máxima ir a 16; se encontrarmos com a namorada crônica que não casamos, a pressão vai a 18 (só esta emoçãozinha), quando fazemos exercícios a pressão pode ir até 22; na atividade sexual com a pessoa de rotina a pressão pode ir até 23, se não for a pessoa de rotina pode ir próximo de 30. Quando levamos um susto pode ir até 25 e quando passamos do calor intenso para o frio, exemplo; sair de uma sauna a 50 graus e pular numa piscina com água a 10 graus, a pressão pode ir próximo a 40. Um detalhe muito importante, quando estamos com dor, qualquer dor, a pressão fica entre 16 e 22, por isso que antigamente todo mundo pensava que dor de cabeça era sintoma de pressão alta, mas geralmente é o inverso, a dor de cabeça faz pressão subir, então quando estivermos com dor de cabeça e pressão alta, primeiro tratamos a dor de cabeça. Eu já

efetivo e aplicação de concurso público, dentre outras ações”, destacou. Trânsito Outro fator apresentado pelo secretário foi em relação a mortes no trânsito, que apresentou nas duas primeiras semanas do ano, três vítimas fatais. O índice se iguala ao mesmo período de 2013, ocorridos principalmente nas rodovias estaduais. De acordo com o Marcos Roberto, o setor também apresentou diminuição em acidentes com vítimas fatais nos últimos três anos, com 140 em 2010, 143 em 2011, 133 em 2012 e 116 em 2013, equivalente a uma redução de 17% no número de óbitos no trânsito. O caso mais recente aconteceu na última quarta-feira (15), quando condutor Diego Armando de Souza Almeida, 25 anos, dirigia o carro pela Rodovia Salvador Diniz, próximo ao Igarapé da Fortaleza, quando perdeu a direção ao tentar desviar de várias crianças que estavam brincando nas proximidades da via.

tive paciente com pressão de 30 x 18 que estava contando piada, e este ano uma paciente com 29 x 16, que só veio trazer a mãe para consulta e no final pediu para eu medir a pressão, sem estar sentindo nada. Verdadeiramente só existe uma maneira de sabermos se a pressão está alta, é medindo a pressão; fato que ficou comum nos últimos 15 anos, mas que antes era raro, pois quantas pessoas passaram pela vida sem medir a pressão. E aí voltamos para o primeiro parágrafo,...quem é que tomou café quente e saiu na chuva e teve um acidente vascular cerebral, justamente o indivíduo que tinha pressão muito alta e não sabia ou nunca soube, pois antes dos anos 90 ninguém media a pressão de rotina como hoje, só quando estava doente e ia ao médico, e aí praticamente ninguém sabia que tinha a doença até o momento do acidente. Continuaremos o assunto na semana que vem. Uma semana com saúde e fiquem com Deus.


B2

Geral

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 19 e 20 de janeiro de 2014 Editor: Túlio Pantoja - tuliopantoja@jdia.com.br

“O futuro desembargador não deverá perder a alma libertária de um advogado” Carlos Tork defende mais diálogo entre desembargadores, magistrados e advogados, e reconhece no TJ a respeitabilidade e a premiabilidade que o mesmo angariou em curta existência

JORNAL DO DIA

recurso. Nesta função, o bom senso representa o uso da boa técnica processual, do conhecimento do Direito material, aplicado ao caso concreto dentro do nosso contexto social.

Jornal do Dia: Como é que o senhor, caso chegue ao desembargo, pretende trabalhar no Combate à morosidade, uma das suas propostas de campanha? Tork - Em primeiro lugar, é importante reconhecermos em nosso Tribunal de Justiça a respeitabilidade e a premiabilidade que o mesmo angariou em sua curta existência. O desafio advogado Carlos dessa nova geração de Augusto Tork de desembargadores é manOliveira está na lista ter e melhorar ainda mais sêxtupla indicada pela Or- este nível.Há diversos cadem de Advogados do minhos para combater a Brasil (OAB) – Seção Ama- morosidade processual, pá para a seleção de três que é inclusive uma das nomes que serão enviados metas do Conselho Naciopara o governador do es- nal de Justiça (CNJ). Hoje tado para escolha do de- esse combate tem aspecsembargador que ocupará tos com intervenção direa vaga de Edinardo Souza, to do CNJ no controle, não aposentado compulsoria- apenas direta, mas tammente em 2012. A longa bém por meio das orregecarreira jurídica, a forte dorias dos ribunais de usatuação nas diversas áreas tiça. O que o TJAP tem do Direito e a experiência usado muito são as Semaem diversos cargos na nas de Conciliação e as A LONGA CARREIRA JURÍDICA, a forte atuação nas diversas áreas OAB fazem Correições, do Direito e a experiência em diversos cargos na OAB fazem de de Tork um ajudam Tork um dos candidatos mais credenciado para a vaga A Justiça é um que dos candidae são deterserviço social Jornal do Dia: Agora fa- com grande credibilidade. tos mais creminantes lando do segundo grau, Em que pese entender que d e n c i a d o à relevante para o cipara o avanvaga. ço dos pro- sua proposta é que o a auto composição é a Em conso- dadão. No Amapá, cessos. A nmero de desembarga- mellhor forma de solução nância com resolvemos mais de conciliação é dores seja ampliado para de conflitos, não é isto que seus preceiuma boa e O senhor acredita que tem prevalecido em nosso tos, Carlos 50 mil processos rápida solu- precisa aumentar esse seio. Nossa sociedade tem Tork acredita por ano ção de con- número e contratar mais a cultura do acesso à justique a Justiça flito judicial. juízes para que a Justiça ça e acha que o melhor caminho para resolver os se faz com Paralelo a seja mais célere? Tork - A Justiça é um ser- seus conflitos é noJudiciátécnica juríisso, nossa dica, bom senso, ética e proposição é estimular as viço social relevante para o rio, pois judicializa tudo, de dignidade. O que ele bus- conciliações e dar maior cidadão. No Amapá, resol- concurso de miss a resultacará, se eleito for, é fo- estrutura para o primeiro vemos mais de 50 mil pro- do de campeonato de fumentar maior e mais céle- grau, a fim de que tenha cessos por ano, atingindo tebol. Temos que ter assim re a aplicação da Justiça condição de decidir com mais da metade da popu- uma estrutura para dar sulação do . É uma atividade- porte a esta demanda. Isso com vista à paz social. maior celeridade. Acompanhe a entrevista com o advogado Carlos Tork sobre suas opiniões, defesas e candidatura à vaga de desembargador do Tribunal de Justiça do arlos Augusto Tork de Oliveira mara do Conselho Federal da OAB Amapá. nasceu no dia 24 de novembro (98/2000); Presidente da Campanha de 1961. É amapaense, casado Nacional pela Ética na AdvocaciaJornal do Dia: Qual é o há 27 anos com Socorro Chaves de -Brasil (1999/2000); Presidente da papel do futuro desemOliveira, com quem tem dois filhos, Comissão Nacional de Direitos Hubargador, na sua opiLarissa e Carlos Luhê. Milita na Advo- manos do Conselho Federal da OAB nião? cacia há 26 anos, é inscrito na Ordem (2000) e Interventor da OAB pelo Carlos Tork – O futuro dos Advogados do Brasil Seccional Conselho Federal (2013). Tork foi o desembargador vai exerdo Amapá desde 1987 (OAB/AP 174), segundo colocado na lista Sêxtupla, cer um duplo papel. Terá atuante das diversas áreas do Direi- para vaga de juiz Togado do Tribunal a função de gestor públito. Foi professor da Unifap (90-95) e Regional do Trabalho da 8ª Região e co, ao discutir junto com ocupou entre outros, os cargos de indicado a compor Lista Tríplice para o Colegiado a aplicação e Presidente do Conselho Seccional da vaga de Juiz Togado do Tribunal de execução do orçamento. OAB/AP (95/97); Secretário Geral Justiça do Estado do Amapá, ambos E outro papelde julgar em Adjunto do Conselho Federal da como representante da Classe dos processo de competência originária do Tribunal e OAB (98/2000); Presidente da 2° Câ- Advogados. em processos em grau de

O

Breve histórico

C

Bastidores da notícia

RODOLFO JUAREZ

Jornalista rodolfojuares@gmail.com VIOLÊNCIA Nem mesmo o 36º lugar entre as cidades mais violentas do mundo fez com que as autoridades da segurança pública mudassem de comportamento. Preferiram ficar fazendo comparações com outros números que são levantados pelo próprio sistema. O fato é que os primeiros quinze dias deste janeiro estão se transformando em um dos mais violentos da cidade, do Estado e do Brasil em todos os tempos. CIDADE Há muito que não se fala em organismo em Macapá. Apesar de a cidade ser um verdadeiro campo de experiência onde muita coisa está por fazer e o que tem feito faz muito tempo que foi feito, as autoridades e os técnicos dão a impressão que desistiram de tratar a cidade agora para o que ela vai precisar no futuro. Do jeito que vai,

sem rumo técnico e sem projetos definidos, ninguém sabe onde isso pode parar. EDUCAÇÃO As greves acabaram confundindo a cabeça dos gestores do sistema de educação pública do Estado do Amapá. Em consequência disso nada do que é anunciado tem a ver com um projeto de educação conforme precisam os jovens daqui. As autoridades se ocupam em organizar calendários que não são cumpridos e a fazer promessas para os estudantes e para o MEC que são apenas declaração de vontade. Assim fica cada vez mais difícil. SAÚDE O Amapá continua comparando o sistema público de saúde local com os sistemas públicos de outros estados que, faz tempo, não conseguem sair do caos em que se meteram. Vale

lembrar que por aqui não as crises além de serem pontuais atingiam muito mais os administradores do que o sistema público onde estão os que precisam ser atendidos. Agora é todo mundo. ANIVERSÁRIO A programação de aniversário da cidade de Macapá anunciada pela Prefeitura está muito aquém das possibilidades da própria prefeitura e, mesmo, da expectativa da população. Não dá nem para chamar os eventos como parte de uma programação. Todos os momentos estão apontando para o umbigo dos coordenadores. Falta entender que o pagamento é feito pela população e que ela é que deveria ser consultada. Agora não dá mais tempo. CIVISMO Esquecido pela escola pública e privada, pelas autoridades, o civismo é uma matéria que está fazendo muita falta. Segundo o que se observa, trata-se da falta de compreensão de uma faixa de mando que não estudou a matéria e imagina que isso é perfeitamente desprezível. Além de ser um embano sem tamanho, reflete a falta de sensibilidade daque-

les que ainda não entenderam a população. Depois reclamam. ADMINISTRAÇÃO Tomara que a administração municipal tome os problemas para selecionar e contratar a empresa que deverá fazer a coleta, transporte e dar o destino final para o lixo urbano, como exemplo e não caia mais na esparrela de querer misturar muitos serviços em um só, para justificar o injustificável. A legislação que orienta as licitações não é complexa e nem tão difícil de ser entendida por aqueles que querem entender. RELIGIÃO Alguns religiosos não estão conseguindo convencer os administradores para “ajuda-los” nas suas empreitadas que vão desde emprego para parentes até financiamento para deslocamento e estadia nos eventos fora do Estado. Tem “liderança” que estava tão acostumado com isso que até viagem para o exterior estão programadas contando com dinheiro público. Assim não dá. ESPORTE O esporte amapaense tem que aprender a caminhar sem a interferência dos governos, a não ser

envolve um número razoável de juízes e desembargadores e, consequentemente, de recursos públicos. Jornal do Dia: O que os advogados poderão esperar, se for nomeado como desembargador? Tork - Uma possível nomeação significará a condição de representante da classe dos advogados no Tribunal de Justiça. Enten-

do que o futuro desembargador não deverá perder a alma libertária de um advogado ao que deve se aliado ao senso de aplicação da justiça da magistratura em constante diálogo espiritual. Este duplo sentimento que levará à oxigenação que se espera que seja dada pelo representante do Quinto. Não pode ele esquecer que foi advogado. Não deve ele esquecer que é juiz.

Principais propostas 1. Estimular a absoluta Transparência nas Contas Públicas, inclusive buscar caminhos para o controle social on line; 2. Buscar caminhos para a promoção de audiências públicas com o jurisdicionado e todas as classes envolvidas, visando a formação do orçamento público do Poder Judiciário; 3. Buscar caminhos para a ampliação do percentual do orçamento público do poder judiciário, em diálogo franco com os demais poderes, Ministério Público e Tribunal de Contas, demonstrando a importância da aplicação da justiça em nosso Estado e o fim social que a mesma representa; 4. Apoiar a criação de Câmaras Especializadas no TJAP: Criminal; Civel e Interesses Difusos e Fazenda Pública; 5. Buscar caminhos para eliminar a prova oral no concurso para juízes, como já ocorre em outros estados da federação; 6. Ampliar o número de serventuários da justiça; 7. Buscar que se estabeleça, carga horária mínima anual de aperfeiçoamento profissional da magistratura, com um mínimo inicial de 40 horas anuais; 8. Não esperar a compulsória para se aposentar, mas tão somente, a condição mínima necessária ao tempo de serviço e contribuição, esta estimada pessoalmente para 2026, com 65 anos de idade e tempo de permanência de 13 anos; 9. Compromisso pessoal de não retornar para atividade de advocacia liberal após aposentadoria;

Propostas para as Atividades de Jurisdição: 1. Julgar com absoluta independência, com ética, boa técnica, celeridade e bom senso; 2. Os Embargos Auriculares serão sempre admitidos, podendo porém serem deferidos ou indeferidos, com estímulo aos demais desembargadores que assim procedam; 3. Estimular a presença de advogado(a)s nos debates orais; 4. Nos processos em que for Relator, apresentar previamente relatório e voto, possibilitando a manifestação oral dos advogados posteriormente, e com revisão de voto após; 5. Compor equipe apenas com pessoal concursado e do quadro de serventuários; 6. Combater a morosidade processual.

que seja de interesse do próprio governo, seja estadual ou municipal. Como está e depois de acostumados a receber recursos públicos para gastar como se fosse privado, federações e clubes, todo início de competição fica ameaçando participar ou não dos campeonatos. A maioria reclama da falta de apoio. E ainda conta com um presidente que nada tem a ver com o esporte, no caso do futebol. CARNAVAL Ainda vai dar muito problema a questão do repasse de 3 milhões de reais para o carnaval amapaense de 2014. É inevitável a lembrança do que passa a área da saúde, onde todos imaginam que é normal ficar o pessoal deitado pelos corredores, sem onde ser atendido conforme os protocolos mais elementares do sistema público saúde brasileiro. FEIRA LIVRE Faz tempo que os administradores municipais não fazem qualquer recuperação no sistema de feira-livre que está instalado na cidade de Macapá. Higiene deixou de ser um argumento para qualquer tipo de fiscalização. Todos querem apenas se defender

e ter paciência para aguardar o cumprimento das promessas. Mas, do jeito que vai, dá a impressão que a solução ainda vai demorar muito. PRAÇAS Outros equipamentos urbanos que estão passando o maior perrengue são as praças públicas. Todas mal tratadas e sem qualquer plano que possa garantir a melhor condição para que a população possa ser atraída para aqueles logradouros. Sem vigilância, iluminação, capinação e mal cuidadas funcionam mais para expulsar do que para atrair a população. ILUMINAÇÃO PÚBLICA Quem pensa que a iluminação pública é uma prioridade da Companhia de Eletricidade do Amapá, engana-se. Apesar de haver um acordo entre a empresa e a Prefeitura para que seja cuidado do sistema em Macapá, isso não tem funcionado. Se, entretanto, o consumidor de energia elétrica analisar a sua conta mensal vai ver que lá consta um pagamento de Contribuição para Iluminação Pública. Pois bem, esse dinheiro era para ser aplicado nas ruas e praças.


Geral

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 19 e 20 de janeiro de 2014

B3

“A internet é um dos principais meios do tráfico humano”, diz representante do IMA

Editor: Túlio Pantoja - tuliopantoja@jdia.com.br

Segundo o Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico Humano, no Amapá, o único caso que ainda não teve nenhum registro foi tráfico de pessoas com fim de remoção de órgão e tecidos Karina Rodrigues Com colaboração de Andréa Maciel Da Reportagem

O

tráfico humano consiste na prática que resulta na exploração e violação do direito das pessoas, ofendendo assim, os direitos humanos, pois oprime e escraviza a pessoa. É um crime que fere a dignidade humana e limita sua li-

berdade, seja mulher, criança ou adolescente. Esta é umas das questões mais graves presentes nas sociedades atuais. O tráfico de pessoas tem várias finalidades e as mulheres são o principal alvo para fim de exploração sexual. Existem também os casos de remoção de órgãos e tecidos, adoção ilegal e trabalhos forçados análogos a condição de trabalho escravo. Segundo o Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico Humano, no Amapá, o único caso que ainda não teve nenhum registro foi tráfico de pessoas com fim de remoção de órgão e tecidos. Pessoas, cuja condição socioeconômica encontra-se vulnerável, tornam-se alvos fáceis das ações de traficantes. No Brasil, as autoridades e órgãos competentes identificaram pelo menos 200 rotas do tráfico de pessoas. Em quatro anos, quase 500 casos foram registrados no país. O Amapá está entre os estados da federação que mais

vem preocupando a polícia devido ao aumento dos casos. Não existem números oficiais quanto a sua dimensão, mas, conforme relatório divulgado pelo Ministério da Justiça em parceria com o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes (UNODC), estima-se que em todo o mundo, cerca de três milhões de pessoas já foram vítimas do tráfico humano. A contabilização da dimensão do tráfico é difícil, pois a maioria das vítimas acaba não sendo identificada, apenas é possível fazer estimativas, como as feitas por órgãos conceituados, dentre eles a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Organização Internacional do Trabalho (OIT). Por medo ou até mesmo vergonha, grande parte das vítimas não procura à polícia para denunciar os criminosos, que chegam a movimentar U$ 32 bilhões, principalmente com a exploração sexual. A pesquisa apontou ainda que mulheres e jovens representam 11,4 milhões (55%) das vítimas, enquanto 9,5 milhões (45%) são homens e jovens. Os adultos são os mais afetados: 15,4 milhões (74%). Os demais 5,5 milhões (26%) têm idade até 17 anos, o que evidencia a grande incidência do tráfico humano também entre crianças e jovens. Os traficados de países da América Latina chegam a um milhão e oitocentos, ou 9% do total

de vítimas no mundo, uma prevalência de 3,1 casos por mil habitantes.

Motivos Segundo a representante do Instituto de Mulheres do Amapá (IMA), Rilene Mascarenhas, a internet e suas ferramentas têm ajudado a impulsionar esse tipo de crime, uma vez que é um meio fácil de enganar e ser enganado. “Atualmente a internet é um dos principais meios para o tráfico humano”, diz. O IMA é uma organização não governamental (ONG) responsável pelo acolhimento e promove campanhas de prevenção ao tráfico e políticas públicas para as mulheres que foi criado em 2010. Atualmente duas mulheres e um travesti estão sendo acolhidos pelo instituto. “Muitas pessoas começam a namorar nas redes sociais, mesmo sem nem ao menos se conhecerem, depois de um período de conversas constantes e de muitas promessas à futura vítima viaja para conhecer o parceiro e acaba se descobrindo que a realidade é totalmente diferente e que todas as propostas vantajosas são falsas”, ressalta a representante do IMA. A organização acredita que as modalidades do trabalho escravo contribuam para que a dimensão deste crime seja identificada. As principais são tráfico para a exploração no trabalho onde não há as mínimas condições necessá-

rias para garantir os direitos do trabalhador; tráfico para a exploração sexual que resulta na prostituição, turismo sexual, entre outros; tráfico para a extração de órgãos responsável ela coleta e venda de órgãos de doadores involuntários ou explorados que vendem seus órgãos em situações questionáveis e há também o tráfico de crianças e adolescentes onde as redes internacionais movimentam crianças por todo o mundo e sua situação torna-se uma incógnita. De acordo com Mascarenhas, as crianças e mulheres são mais vulneráveis ao tráfico. “Nos anos anteriores era difícil identificar o tráfico, pois não se sabia as verdadeiras características desse tipo de crime, isso dificultou por muitos anos a coleta de dados”, garante. Além disso, a representante afirma que muitas pessoas não denunciam por medo de se expor, comprometer a família ou até mesmo por falta de informação. “Já vimos casos de pessoas que apesar de terem sofrido com esse crime não quiseram fazer a denúncia, isso dificulta o nosso trabalho

e dificulta a apuração de dados sobre as vítimas”, relata. A assistente social do Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, Cristine Fonseca, afirma que o tráfico de pessoas é o negócio do futuro, é o terceiro maior crime, ficando atrás apenas do tráfico de drogas e de armas. “O crack e a maconha são vendidos apenas uma vez, já a mulher pode ser vendida e depois pode voltar para a prateleira” disse. Há estudos que mostram que o Amapá é rota de origem e de passagem do tráfico de pessoas, por ser uma área de extensas fronteiras. As vítimas geralmente recebem propostas tentadoras para ganhar dinheiro fácil em outras cidades do Brasil ou do exterior, mas quando chegam ao seu destino acabam sendo explorados dia e noite e tem seus documentos retidos. A falta de oportunidades, a pobreza e a busca por uma vida melhor são os principais fatores para vítima cair na rede de tráfico de pessoas. Para a coordenadora em exercício do Núcleo, Talita Pontes, a inauguração da ponte binacional agravante para o estado. “Essa será uma problemática porque nós temos uma grande região de fronteira no Amapá com a Guiana Francesa e Suriname. Na Guiana Francesa ainda há um tipo de repressão para quem quer entrar no país sem documentação devida, já no Suriname não existe nenhuma restrição, isso o torna um país de portas abertas e faz com que os aliciadores e traficantes entrem pelo Suriname”, explica. Ela acredita que problema é tão grande que a Campanha da Fraternidade deste ano, organizada pela igreja católica, é sobre o tráfico de pessoas. “Pretendemos fazer a prevenção no interior do estado e principalmente em Oiapoque, precisaremos ter alguém lá após a inauguração da ponte, porque isso irá facilitar a entrada de brasileiros em território Frances”, conta. Ainda não existe um conceito perfeito para o tráfico de pessoas, mas o protocolo de Palermo, que é um documento internacional, ao qual o Brasil aderiu em 2004, por meio de um decreto da presidência da república, diz que ocorre quando a vítima é aliciada por meio de engano, de fraude, ou por meio de força, ela pode ser obrigada ou mesmo convencida a para outro local para desenvolver determinado trabalho e quando chega lá a realidade não é aquela, ela passa a viver em regime de quase escravidão, ou de escravidão, em que ela é obrigada, ela cria dívidas, o esquema de tráfico de pessoas cria dívidas para ela, e ela passa a ser explorada por exploração sexual ou prostituição, trabalho escravo, mendicância ou ainda a extração de órgãos.


B4

Geral

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 19 e 20 de janeiro de 2014 Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Cinco detentos conseguem fugir do Iapen De acordo com a direção da penitenciária, eles utilizaram uma corda artesanal para pular o muro da instituição Jéssica Alves

Da reportagem

N

a madrugada de sexta-feira (17) a direção do Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen) registrou a fuga de cinco presidiários do regime fechado, lotados no Pavilhão F2. De acordo com a diretora Josiane Carvalho, eles utilizaram uma corda artesanal para pular o

DIVULGAÇÃO

muro da instituição. “Eles não são internos de alta periculosidade e ainda não apresentaram histórico de fuga aqui na penitenciária. Mas eles avistaram um ponto cego na guarita e conseguiram escapar utilizando a ‘teresa’ (corda feita com vários tecidos)”, afirma a diretora. Esta foi a primeira fuga do ano no Iapen. Em 2013, 73 presos conseguiram escapar do Iapen. Desses, 70 voltaram

para prisão, conforme dados da instituição. Em uma ação de internos ocorrida em 2013, um buraco foi aberto no muro, possibilitando a saída de 27 presos da penitenciária, tornando-se a maior fuga do referido ano. O Iapen conseguiu nos últimos três anos registros positivos na redução de fugas ocorridas na penitenciária. Segundo dados, em 2011, 86 fugas ocorreram, seguidas de 28 em

Embarcação afunda na orla do Perpétuo Socorro

JORNAL DO DIA

DE ACORDO com a direção do presídio, internos utilizaram uma corda artesanal para pular o muro da instituição

2012. Em comparativo de 2011 a 2013, uma diminuição de quase 60% foi registrada pela instituição. “Na ação em que houve fuga pelo buraco no muro conseguimos êxito logo nas primeiras 24 horas depois do ocorrido. O

mesmo deve acontecer porque já repassamos as informações”, frisou Joseane. O Batalhão de Operações Especiais (Bope) e equipes de Rádio Patrulha Polícia Militar já receberam informações sobre os

Crime que ocorreu no KM 9 está sob investigação da polícia

O

corpo do taxista Dário Castro Leite de 34 anos, que foi encontrado encapuzado e amarrado no polo hortifrutigranjeiro do Km 9, próximo à Rodovia Duca Serra na última quinta-feira (16) pela manhã, está sob as investigações da polícia que levanta hipóteses de assalto ou acerto de contas.

A vítima foi executado com no mínimo 5 tiros na cabeça. A Polícia Técnico-Científica (Politec) removeu o corpo do local onde foi encontrado, ainda na mesma manhã. O táxi que Dário dirigia foi encontrado na Rua Ana Nery, Bairro Jesus de Nazaré e onde havia um dos lados do tênis

Ronda Policial EMBARCAÇÃO foi para o fundo sem que os proprietários pudessem fazer algo para evitar o naufrágio

Fábio Gomes

Da reportagem

P

or volta das 16 horas da última sexta-feira, um acidente levou para o fundo uma embarcação de pequeno porte que transportava madeira para o canal do jandiá. A mesma não conseguiu finalizar o percurso tendo que fazer o retorno para chegar à Beira Rio onde os que estavam a bordo pediram socorro para os populares que estavam na orla próxima à Sede dos pescadores. A embarcação transportava madeira do município de Portel, de origem ilegal, quando em determinado perímetro já próximo à orla de Macapá o motor que realiza a sucção da água que fica alojada dentro do barco parou, e a embarcação começou a afundar, os que viajavam tentaram tirar a água com vasilhas, mas não conseguiram, então optaram por fazer o retorno para chegar à beira rio e pedir ajuda. Já próximo ao muro de

arrimo o motor da embarcação também parou. A família que se encontrava no barco, ao todo seis pessoas sendo dois homens, uma mulher e três crianças, foram socorridas pelas pessoas que estavam no local que ouviram o pedido de ajuda. A defesa civil esteve no local e fez as avaliações necessárias. Anivaldo Mendes que estava na embarcação quando tudo ocorreu, conta como foi os momentos de terror vivido por todos que estavam com ele. “Quando percebemos, o motor que puxa a água de dentro do barco parou e todos começaram a ficar com medo porque pensaram que o barco ia afundar e afundou mesmo, começamos então, a puxar água com toda a força apara evitar que ele fosse para o fundo, mas ele continuava a encher com mais agua. Já com as crianças assustadas, tivemos que mudar a rota se não ficaríamos no meio do rio, e todos iriam para o fundo, levávamos madeira para o canal, ela não teve como

AV: Feliciano Coelho, 659 - Trem Tel: (96) 3242-9264 - CEP 68901-025 Site: www.notecomp.com.br Em frete ao Colégio Alexandre Vaz Tavares

salvar, salvamos apenas o motor, uma embarcação menor e uns galões de óleo vazio, pouca coisa”, lamentou Anivaldo. Francisco Teixeira que acompanhou todo o acontecimento da beira rio fala como descobriu que realmente o barco estava indo a pique. “Eu percebi que o barco não estava bem quando mesmo longe, o barco parou do nada, então falei pro meu vizinho o barco vai afundar, e logo depois o motor quebrou de vez que até subiu aquela fumaça, e eles mudaram o percurso”, afirmou o morador do bairro Perpétuo Socorro. O proprietário por nome de Giudésio não se encontrava. Segundo informações, a embarcação apresenta sinais de irregularidades na estrutura, não proporcionando nada que consta que foi vistoriada ou que esteja de acordo com o certificado de segurança naval (CNS), apresentando assim, condições impróprias para transportes de passageiros e de carga.

fugitivos. No entanto, até a manhã desta sexta-feira nenhum havia sido capturado e os dados sobre os foragidos ainda não haviam sido divulgados pela Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp).

JOÃO BOLERO Da 99,1 FM

BLOG DO BOLERO

POLÍCIA CIVIL PRENDE CASAL COM CRACK NO MARABAIXO Uma Equipe da Polícia Civil da DTE, prendeu na manhã desta quinta-feira, em uma casa no bairro Marabaixo II, o casal PAULO BISPO BARROS DOURADO e a MARCIONE DOS SANTOS COELHO. Com eles, os policiais apreenderam 150g de crack, além de 400 reais. Segundo o delegado Marko Scaliso, essa prisão é um complemento da operação “Santiago”, que aconteceu, no mês de dezembro do ano passado, quando foram presos,quatro elementos com 80 kg de droga, onde o Paulo era um dos cabeças da quadrilha, mas, naquela oportunidade, escapou da prisão. TAXISTA COMISSIONADO É EXECUTADO A BALA Foi mais uma execução, ocorrida na Capital. A vitima desta vez foi o taxista comissionado DARIO CASTRO LEITE (34). Ele foi encontrado por volta de 01h30min da madrugada desta quinta-feira (16), no final da linha E, do Km 9 da Rodovia Duca Serra, morto com três tiros na cabeça, encapuzado e com as mãos amarradas. O taxi que ele trabalhava foi encontrado abandonado pela manhã, no início da ponte Ana Nery, no bairro Jesus de Nazaré, um GM classic de cor preta, placas NEJ-2490. A polícia não tem dúvidas que se trata de mais

uma execução na Capital. UMA JOVEM DE 19 ANOS COMETE SUICÍDIO Familiares da ROSÂNGELA DA SILVA PINTO (19), encontraram a mesma por volta das 09h00min da manhã desta quinta-feira (16), se debatendo com uma corda em volta do pescoço, no banheiro da casa, que fica na Travessa II, no bairro União, em Santana. Ela chegou a ser socorrida e levada ao H.E de Santana, porém, já chegou morta naquela Casa de Saúde. Um membro da família disse para um PM, que ela vinha atravessando uma fase difícil com o namorado dela, o que poderia ter contribuído para que tomasse tal decisão. APOSENTADO É SUSPEITO DE TOCAR FOGO NA PRÓPRIA CASA COM ELE DENTRO Foi por volta das 11h45min da noite desta quarta-feira (15), que o aposentado BOAVENTURA BORGES DA CONCEIÇÃO (86), residente no Marabaixo IV, tocou fogo na própria casa, e o que é pior, estava lá dentro e, acabou morrendo queimado. a polícia suspeita que ele praticou suicídio. Mesmo assim, o caso será investigado. HOMEM É ENCONTRADO MORTO NO ASSENTAMENTO “MANOEL JACINTO” EM PORTO

da vítima, uma faca e muito sangue no banco traseiro. As suspeitas surgiram devido à vítima já ter cumprido pena no IAPEN por tráfico de drogas, ter começado a trabalhar como taxista recentemente e ainda possuir histórico de outros casos de assassinato na família.

GRANDE Vizinhos encontraram já morto, no interior da casa onde morava, o agricultor RAIMUNDO NONATO FURTADO DE OLIVEIRA (62). A casa fica no Assentamento Manoel Jacinto, no Município de Porto Grande. Foi no início da noite desta quarta-feira, que o corpo foi encontrado e, aparentemente sem marcas de violência pelo corpo. A POLITEC aqui de Macapá fez a remoção do corpo para o IML e, ficou constatada a causa mortis, por traumatismo craniano, proveniente de parte do telhado da casa de farinha que desabou em cima dele. COMERCIANTE É ASSASSINADO A FACADA NO LOTEAMENTO SÃO JOSÉ Mais um homicídio na Capital. A vítima desta vez foi o comerciante JOSÉ EDUARDO BEZERRA DUARTE (38), foi assassinado com cinco facadas no tórax, cujo crime, aconteceu por volta das 10h30min da noite desta quinta-feira (16), no bar da vítima, que fica na Passarela N. Srª Aparecida, no referido Loteamento, e foi praticado por um homem que acabou sendo preso por uma equipe da delegacia de homicídios, quando ele dormia na casa dele, isso por volta das 08h00min da manhã desta quinta-feira (16), após uma denùnica anônima que testemunhou o crime. Ele se chama ADENILSON DE SOUZA COSTA (18), vulgo “Bagogito”.


MACAPÁ-AP, DOMINGO E SEGUNDA-FEIRA, 19 e 20 de janeiro de 2014

Carro&Moto

NOVA GERAÇÃO

500 Abarth chega ao Brasil em 2014, D2 garante Fiat

Ford faz da nova F-150 uma picape de classe

Nova geração da picape mais vendida do mundo emagreceu 317 kg e ganhou modernos motores Ecoboost D3

Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Sport Sedan Concept mostra como será a nova cara da Nissan

Hyundai HB20 fica mais equipado de série

Carros.uol

A

Nissan apresentou no Salão de Detroit, o conceito Sport Sedan Concept. Carregado de linhas agressivas e futuristas, o protótipo antecede a linguagem que a Nissan utilizará em seus modelos de produção nos próximos anos. Isso significa que os desenhos dos próximos modelos da Nissan ficarão, no mínimo, mais atraentes. Lanternas em formato de bumerangue, teto transparente, frente em “V” com apelo, segundo a marca, emocional, fazem parte da interface do Sport Sedan. Por dentro, as novidades do Sport Sedan não são menos radicais. Interior bicolor, volante moderno com base achatada, central multimídia e bancos esportivos fazem o papel de adicionar

LINHA 2014 é atualizada com uma lista maior de equipamentos de fábrica

Carros

A SOB O CAPÔ, o Nissan Sport Sedan Concept traz motorização V6 de 3.5 litros e mais de 300 cv de potência

refinamento ao conceito. Detalhe para o acabamento “clean”, com poucos botões aparentes e quase nenhum porta-objetos.

Sob o capô, o Nissan Sport Sedan Concept traz motorização V6 de 3.5 litros e mais de 300 cv de potência - o conjunto trabalha acoplado

a uma transmissão chamada Xtronic CVT. Toda essa força é despejada nas rodas dianteiras (21 polegadas em todas elas).

Hyundai divulga algumas mudanças na linha 2014 do compacto HB20, que passa a ficar mais equipado em todas as versões. O carro ganha freios ABS, iluminação do porta-luvas, detalhes cromados ou metálicos na alavanca de câmbio, porta-objetos com tampa retrátil, quebra onda dentro do tanque de combustível, acabamento fosco na moldura das portas (com motor 1.6) e maçanetas e retrovisores na cor da carroceria de série a partir da versão Comfort Plus 1.0. No caso da versão

Comfort Plus 1.0, o carro agora terá entre os itens de série aviso sonoro de ativação do alarme e maçanetas internas cromadas. As versões do HB20S passam a contar de fábrica com interior bicolor, tecidos cinza e banco traseiro bipartido. Outra novidade é que as versões Premium e Style do HB20X agora têm volante de couro perfurado e costura cinza e central multimídia bleNAV como opcional. Além disso, a marca passa a oferecer câmbio automático tanto na versão hatch Comfort Plus 1.6, quanto para no sedã HB20S. Veja abaixo a lista de preços atualizada.

Com estreia certa no Brasil, novo BMW M4 coupé surge em Detroit IG/Carros

C

onsiderado como um dos grandes lançamentos da BMW para este ano, o novo M4 Coupe surgiu nesta segunda-feira (13), durante o Salão de Detroit, nos Estados Unidos. O modelo, que estreia no mercado norte-americano nos próximos meses, chegará ao Brasil em julho. A

marca alemã ainda não confirmou o volume de importação, mas já adiantou que apenas poucas unidades desembarcarão por aqui. O coupe carrega toda a agressividade tradicional da sigla M da marca alemã. Sob o capô, está a maior novidade da máquina. O tradicional V8 deu lugar a um novo bloco 3.0 de seis cilindros em linha, capaz de entregar 431 cv de potência

(são 5 cv a mais que o antecessor), disponíveis entre 5.500 e 7.700 giros. O torque máximo é de brutos 56,13 kgfm. Na pista, a belezinha é capaz de atingir os 100 km/h em apenas 3,9 segundos, quando embalada pelo câmbio manual de seis marchas. Com a transmissão manual de seis velocidades, a marca cresce para 4,1 segundos. Apesar de mais potente, o

M4 diminuiu sua sede por combustível. De acordo com a BMW, o resultado é fruto de uma redução de 80 kg frente a versão anterior, marca alcançada graças ao uso de fibra de carbono e alumínio em diversas partes da carroceria. O visual do cupê é agressivo, com para-choque dianteiro recortado e marcado pelas tomadas de ar, para-lamas com entrada de resfriamento

para os freios, spoiler traseiro integrado e rodas de dez

raios de 20” com acabamento em dois tons.


C2

Carro&Moto

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 19 e 20 de janeiro de 2014

500 Abarth chega ao Brasil em 2014, garante Fiat

DIVULGAÇÃO

Hatch apimentado já roda em testes no país Revista auto esporte

N

ão é de hoje que a Fiat namora a ideia de trazer o apimentado 500 Abarth para o Brasil. Agora, os planos da montadora parecem ganhar contornos definidos. De acordo com uma fonte ligada à montadora, o hatch desembarcará no país no fim deste ano. Assim como os demais modelos da gama à venda por aqui, a versão Abarth será fabricada no México. O volume de importação, no entanto, ainda não foi definido.

O MODELO já foi flagrado rodando em testes nos arredores da fábrica da marca em Minas Gerais

O modelo já foi flagrado rodando em testes nos arredores da fábrica da marca em Betim, em Minas Gerais. Segundo informou a fonte, o carro trará o mesmo conjunto mecânico adotado lá fora: um bloco

1.4 16V MultiAir de 162 cv de potência. A marca ainda não fala em preços, mas certamente o foguetinho, que ocupará o topo da família 500, terá preço compatível com seu desempenho. Segun-

do fontes ligadas à Fiat, o modelo chegará ao país com cifras abaixo do DS3, atualmente vendido por R$ 79.970. Atualmente, o modelo mais caro da linha é o 500 Cabrio, com tabela partindo de R$ 62 mil.

DIVULGAÇÃO

IG/Carros

O

VICE-PRESIDENTE da montadora afirma estudar a possibilidade de fabricar mais modelos premium da marca na fábrica da Caoa, em Goiás

tacionado. “Vamos lançar novos produtos no Brasil este ano, mas por meio da Caoa”, disse o executivo durante entrevista coletiva aos jornalistas brasileiros durante o Salão de Detroit. Tak Uk Im também afirmou que a marca

tem a intenção de produzir no país modelos premium, mas não em Piracicaba e sim na fábrica de Anápolis, em Goiás, operada em conjunto com o Grupo Caoa. Atualmente, é de lá que saem os utilitários esportivos Tucson e

agora também ix35, nacionalizado no fim do ano passado. O executivo, no entanto, não deu qualquer previsão para a efetivação desses planos ou sugestão de quais modelos seriam cotados para serem produzidos.

Toyota atinge seis milhões de híbridos Carros

A

Toyota comemora a marca de seis milhões de modelos híbridos vendidos no mundo, o que inclui cerca de 80 países. A fabricante conta com 24 modelos híbridos e um plug-in, cujas baterias podem ser recarregadas com o carro ligado à rede elétrica. Para os dois próximos anos, já estão confirmados os lançamentos de 15 modelos híbridos. Conforme os cálculos da Toyota, até o dia 31 de dezembro de 2013, os híbridos da marca devem ter reduzido a quantidade de gás carbônico na atmosfera em aproximadamente 41 milhões de toneladas se forem levadas em conta as emissões de modelos a gaso-

Pista livre JOSÉ ARCANGELO

Colunista

Fábricas

As principais montadoras japonesas no Brasil se preparam no intuito de uma grande batalha pelas vendas de carros, já que a expectativa da federação nacional da categoria prever a produção de 4 milhões de unidades. Para chegar a esse patamar, pelo menos quatro fábricas estará sendo inaugurado no eixo Rio São Paulo esse ano e para o próximo, pelo menos mais duas no nordeste (Pernambuco).

Modelos

Hyundai pode ter novo produto feito em Anápolis s planos de expansão da Hyundai no Brasil não irão depender unicamente da fábrica de Piracicaba, no interior de São Paulo, onde é produzida a família HB20 e cuja a capacidade produtiva já está no limite. Segundo o vice-presidente executivo da montadora, Tak Uk Im, não há como pensar em expandir a linha do HB20 ou mesmo formatar planos de exportações do produto para outros países da América do Sul sem a aprovação de projeto de expansão da unidade, o que ainda está sendo estudada pela companhia. No entanto, Tak Uk Im afirmou que isso não quer dizer que a portfólio da marca no Brasil ficará es-

Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

ÚLTIMO MILHÃO foi vendido em tempo recorde, apenas nove meses

lina. Além disso, também deve ter havido uma economia que gira em

torno de 15 milhões de litros de combustível desde dezembro de

1997, quando foi lançada primeira geração do Prius.

A disputa mais acirrada entre as duas nipônicas, com certeza será entre a Honda e a Toyota. A primeira vem com um bom concorrente para o EcoSport, alem de uma completa reestilização do Fit e mais outro monovolume ainda sem denominação, o tradicional Civic e o Si, um esportivo parecido com os de competição.

Concorrências

Já a Toyota aposta nos compactos entrando nessa gama para competir com a Nissan que através do March vem tomando devagar o mercado. Mas a Nissan que pretende ter pelo menos 5% de share (mercado) até 2020 vem com seu anti-EcoSport, o Extrem um jipe de design futurista e um motor potente e econômico. Vai contar também com a ajuda da francesa Renault, do qual forma uma “joint venture” (associação), com o SUV Duster, que já emplacou 100 mil unidades desde seu lançamento.

Confusão

O consumidor está sendo atraído para as concessionárias por dupla publicidade nesse mês de janeiro. A primeira “patrocinada” pelo Governo Federal, ampla, sobre o fim do desconto do

IPI, gradativo, que encerra de vez em julho. Em segundo plano as lojas aproveitaram a “deixa” e usando estoques antigos anunciam carros zeros com generosos descontos, mesmo sendo os chamados “duas cabeças”, isto é, 2013/2014.

Seminovos

Como o preço do carro zero teve um leve reajuste por conta o fim do IPI para os 1.0 e a obrigatoriedade dos veículos saírem de fábrica a partir desse ano com duplo airbag e freios ABS (antitravamento), os preços dos carros seminovos mantiveram o patamar do ano passado. Assim começa a ficar mais difícil encontrar nas lojas especializadas nesse mês um seminovo com 20% de diferença para um zero e com apenas um ano e uso ou 20 mil quilômetros rodados.

Juros

Se a situação de juros oficiais – taxa Selic – está em absurdos 10% ao ano, já estava dificultando o financiamento de carros é bom começar mensurar a situação com viés para um aumento de pelo menos 0,25% a 0,5% na próxima reunião do Conselho de Política Monetária (COPOM). As financeiras estão mais seletivas para dar crédito e pedem entrada de 20% e parcelamento em até 48 meses.

Facilidade

Em Macapá, tanto funcionários públicos, principalmente os federais e autônomos de bons cadastros não encontram nenhuma dificuldade para aprovação de créditos. Muitos deles tem resposta em pouco mais de 15 minutos com chamada “aprovação na tela”, isto é, no preenchimento do cadastro a financeira já concede o crédito.

Auto Pista

Motos com escapamentos abertos vem perturbando o sossego público na cidade, principalmente no bairro o Pacoval, onde as ruas servem de pistas de corridas para os condutores. E eles não respeitam os sinais vermelhos. Quase todos tem mais algumas irregularidades como dirigir com a lente do capacete para cima e luzes dianteiras e traseiras de xenônio. –x-x-x-x- E os buracos mais cedo que se esperava começaram a aparecer e a equipe especializada da PMM ainda não deu as caras. Dizem que é falta de asfalto. Será? –x-x-x-x- E a GM em São Paulo continua negociando com os metalúrgicos visando impedir que o movimento grevista atinja sua produção dos modelos novos. Tudo por conta da descontinuidade dos modelos Classic e Celta. Se assim acontecer começa a ficar mais difícil a montadora norte-americana ficar a frente por pelo menos três meses da Volkswagem como aconteceu no ano passado. –x-x-x-x- Quem quiser pagar o IPVA antecipadamente já pode fazê-lo, bastando entrar na internet no site do DETRAN e imprimir o boleto com 20% de desconto. Compensa e muito. –x-x-x-x- Ou então aguardar até o ia 15 de março para pagar o valor total em seis parcelas, com a primeira vencendo juntamente com o licenciamento e seguro obrigatório. –x-x-x-x- “Pode tirar o cavalo da chuva que eu não deixar você sair hoje?”. O leitor disse como tambem já ouviu isso milhares de vezes. No Século XIX quando uma visita iria ser breve deixava-se o cavalo ao relento em frente à casa do anfitrião e se fosse demorar, colocava o cavalo nos fundos da casa, em um lugar protegido da chuva e do sol. Contudo o convidado só poderia por o animal protegido da chuva se o anfitrião percebesse que a visita estava boa e vaticinasse: “Pode tirar o cavalo da chuva!”, caracterizando hoje alguma desistência. –x-x-x-x- Freando... e torcendo pelo bom emprego das verbas oficiais no carnaval. –x-x-x-x- Mesmo assim: Bom Domingo!


Carro&Moto

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 19 e 20 de janeiro de 2014

C3

Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Ford faz da nova F-150 uma picape de classe Nova geração da picape mais vendida do mundo emagreceu 317 kg e ganhou modernos motores Ecoboost IG/carros

A

Ford revelou a nova geração do modelo mais icônico da Série F, a picapona F-150. Para compreendermos o tamanho do risco de mexer em time que está ganhando, a F-150 é “apenas” a picape mais vendida da América por 37 anos consecutivos. No Salão de Detroit, que abre as portas para a imprensa nesta segunda-feira (13), nos Estados Unidos, a montadora mostrou que a receita utilizada para reinventar o utilitário favorito dos americanos foi baseada em dois pilares: uma drástica redução de peso e a aposta no downsizing, com novas opções de motores Ecoboost. O grande destaque da novidade é o peso, ou melhor, a ausência dele, afinal não é comum vermos tamanho emagrecimento em veículos deste segmento. Segundo a montadora, foram eliminados 317 quilos em relação a geração anterior graças a uma espécie de liga de alumínio – também usada na indústria aeroespacial – utilizada em 93 % do corpo da picape. O novo material, além de mais resistente, é

responsável por até 70% da perda de peso da nova F-150. Outra novidade foi a chegada de um novo motor V6 de 3.5 litros da linha Ecoboost, que substitui o bloco V8 de 6.2 litros oferecido anteriormente. Raj Nair, vice-presidente do grupo de desenvolvimento de produto global da Ford, afirma que “ninguém jamais construiu um motor de seis cilindros como este”. Segundo o executivo, “este motor combina uma série de tecnologias avançadas encontradas em toda a indústria para a criação de um dos motores tecnicamente mais avançados e eficientes já projetados”. Há ainda um V6 de 2.7 litros, também da linha Ecoboost e, embora a marca ainda não tenha divulgado dados de desempenho, eles afirmam que o novo propulsor é leve,

compacto e entrega a mesma potência de um V8 com vigor intermediário. Esta configuração contará com sistema start/stop, que desliga o motor quando o veículo para e o ativa novamente quando o motorista alivia o pedal do freio. O interessante é que o sistema é desativado automaticamente quando a picape estiver rebocando ou quando a tração nas quatro rodas for acionada. As versões equipadas com os novos motores Ecoboost contarão com um sistema ativo da grade frontal, no qual as aletas se abrem automaticamente quando um maior arrefecimento do motor for necessário e se fe-

cham para reduzir o arrasto aerodinâmico em velocidade de cruzeiro. A nova F-150 chegará às lojas nos /estados Unidos apenas no final de 2014 com uma ampla seleção de configurações de acabamento, cujas principais são: XL, XLT, Lariat, Platinum e King Ranch. Haverá ainda um pacote off-road FX4 para melhorar a capacidade de trilha, que adiciona tração nas quatro rodas, bloqueio do diferencial traseiro e ajuste específico de suspensão. Mais esperta A lista de equipamentos da nova F-150

é extensa. Para citar alguns exemplos, há uma nova tela de oito polegadas no painel de instrumentos, câmera de 360 graus, teto solar panorâmico, cintos de segurança infláveis, controle de cruzeiro adaptativo, faróis e lanternas de LED, entre outros. Para quem está acostumado a levar carga, as coisas estão mais fáceis também. Há interessantes rampas de carga integradas à caçamba, que permitem o carregamento fácil de motocicletas e ATVs. Outro destaque é o engate de reboque auxiliar, no qual a câmera de visão traseira adiciona uma li-

nha baseada no ângulo do volante no display para ajudar nas manobras sem exigir um observador ou que o motorista precise sair do veículo E no Brasil? Por aqui, a Série F foi aposentada em 2011, quando a picape grande F-250 e o caminhão leve F-400 deixaram de ser comercializados. No entanto, no final de 2013 a montadora confirmou o retorno da família, com apenas veículos comerciais, para 2014 com produção na fábrica de São Bernardo do Campo (SP). Para a tristeza dos brasileiros que gostaram da nova F-150, as picapes da Série F estão fora da lista. A NOVIDADE é o principal destaque da Ford para o Salão de Detroit


C4

Carro&Moto

Macapá-AP, domingo e segunda-feira, 19 e 20 de janeiro de 2013

Volkswagen UP! tem a 1ª versão nacional Novo compacto de entrada chega em fevereiro para substituir o veterano Gol G4 IG/Carros

A

Volkswagen do Brasil divulgou a primeira imagem da versão nacional do up!, novo compacto que chega em fevereiro para substituir o Gol G4. A marca, contudo, ainda não divulga informações técnicas sobre o carro, que será o mais acessível da marca no mercado. O up! brasileiro vai adotar a mesma motorização do Fox BlueMotion, com bloco três cilindros 1.0 12V flex de 82 cv e câmbio manual de 5 marchas. O

carro será produzido em Taubaté (SP) e estreia a plataforma NSF (New Small Family) no Brasil, que servirá de base para todos os carros compactos do Grupo VW. Comparado a versão já à venda na Europa, o up! nacional é mais comprido, especificamente no balanço traseiro. Essa configuração foi adotada para comportar até 5 passageiros, enquanto o modelo original leva apenas quatro pessoas. A parte traseira do carro, que na Europa possui uma tampa de vidro no porta-malas, deve ser mais simples, com todas as peças do conjunto em metal estampado. Os preços do up!, por ser o carro de entrada da VW, devem começar na faixa entre R$ 25 mil e R$ 27 mil, ao passo que versões mais refinadas poderão passar dos R$ 30 mil. Espera-se também que o up! traga recursos de

DIVULGAÇÃO

O UP! BRASILEIRO vai adotar a mesma motorização do Fox BlueMotion, com bloco três cilindros 1.0 12V flex de 82 cv e câmbio manual de 5 marchas

conectividade e conforto a classes mais baixas do

mercado automotivo brasileiro. Na parte de segu-

rança, o modelo já vem com os agora obrigató-

rios freios ABS e airbag duplo frontal.

Novo Mini Cooper estreia em julho no Brasil IG/Carros

A

nova geração do Mini Cooper estreará nas lojas brasileiras em julho deste ano. A informação foi obtida pela reportagem de Autoesporte junto a uma fonte ligada à marca inglesa durante o Salão de Detroit. De visual novo, o modelo traz as principais novidades debaixo da carroceria. A começar pela nova plataforma desenvolvida pelo Grupo BMW chamada UKL1. A base dará origem a mais 10 novos modelos, entre Minis e BMW. Trata-se de uma arquitetura flexível, que pode ser usada

para carros com tração integral e modelos elétricos e híbridos. Além disso, a Mini aplicou uma boa dose de alumínio e aços de alta resistência ao sistema de suspensão do carro. O que propiciou redução de peso e melhora na rigidez dos componentes, contribuindo para a diminuição das vibrações a bordo. A nova base também possibilitou ao Mini dar uma boa espichada. Com 3,81 m de comprimento, o carrinho está 9,8 cm mais longo, 4,4 cm mais largo e 0,7 cm mais alto que o modelo atual. Por dentro, o carro também está mais espaçoso, graças a maior

distância entre-eixos. Houve um ganho de 2,8 cm em relação ao antecessor. Falando em interior, a marca decidiu incrementar o conteúdo hi-tech do carro. No console central, onde antes se localizava o velocímetro, está agora a central multimídia com tela de 8.8 polegadas sensível ao toque. Por ela, o motorista controle sistema de informação, navegação e entretenimento. O velocímetro, por sua vez, voltou ao lugar original dentro do volante. Motores O hatch inglês também estreia três novos motores,

com injeção direta e duplo comando variado de válvulas. O primeiro é um três cilindros 1.5 biturbo a gasolina capaz de produzir 134 cv. Esse mesmo bloco terá uma variação a diesel que renderá 115 cv. Já o segundo bloco - que equipará a versão apimentada S - é um quatro cilindros 2.0 biturbo de 189 cv de potência. Nos dois casos, a força produzida são entregues às rodas dianteira por meio de um câmbio manual de seis marchas. A transmissão automática de seis velocidades comum e outra mais esportiva, com trocas mais curtas com opção de trocas por aletas

MODELO terá motor 2.0 biturbo de 189 cv de potência

no volante serão disponibilizada como opcional. Segundo a montadora, os novos motores associados ao sistema star/stop pre-

sente no novo Mini e às novas transmissões, contribuíram para aumentar a eficiência do carro em 27% em relação ao antecessor.


Jornaldodia1920012014