Issuu on Google+

HATCHES MÉDIOS

Revolução no segmento Conheça os principais protagonistas do segmento. nD1

DIRCEU

NOSSA GENTE O que há de melhor para você

Devolve meu passaporte Esse foi o pedido feito pelo condenado ao STF. nA5

Confira nesta edição. A revista não pode ser vendida separadamente.

Fundado em 04 de Fevereiro de 1987

Macapá-AP, Domingo e Segunda, 18 e 19 de Novembro de 2012 - Ano XXV DIVULGAÇÃO

• Domingo e Segunda R$ 3,50 • Terça a Sábado R$ 1,50

AMAZONTECH 2012

Amapá mostra força através da ciência e recursos naturais A estimativa é que a oitava edição do Amazontech, encerrada ontem, tenha movimentado mais de R$ 2 milhões durante a rodada de negócios promovida pelo

Sebrae e órgãos públicos. O evento teve a participação de mais de 70 empresários, mais de 50 artesãos da Amazônia Legal, e mais de 200 reuniões. nB2 e B3 DIVULGAÇÃO

Deputado Bruno Mineiro

SECA

Baixa do Rio Tartarugalzinho prejudica município Parlamentares buscam em Brasília solução para a população e criadores de gado que padecem com o fenômeno. O deputado Bruno Mineiro destacou a importância da parceria com a bancada federal para enfrentar o problema. nB1

PRICIPAIS JOGOS Fluminense e Cruzeiro

X Corinthians e Internacional

X Botafogo e Sport

X

Embrapa, uma das organizadoras do evento, mostra como utilizar de forma consciente produtos naturais na alimentação DIVULGAÇÃO

EM MACAPÁ

O que mudaria se a Câmara voltasse a ter apenas 16 vereadores? Nem todos os vereadores eleitos do município de Macapá para o mandato que começa no primeiro dia do ano que vem, não têm certeza absoluta da posse no dia 1º de janeiro, por enquanto ainda valem as 23 vagas. nB4 DIVULGAÇÃO

MUNDIAL

Moradores do arquipélago: saneamento quase zero

Brasil e Espanha: um jogo duro na final do futsal

INFRAESTRUTURA

Funasa mapeia saneamento nas ilhas do Bailique

Nos últimos dez confrontos, nenhum venceu o outro por mais de um gol de diferença. São dois times que se conhecem bastante. Vai ser um jogo de detalhes.

nA7

Ministério Público entrou com ação afim de manter em 16 o número das vagas

FLAMENGO X PALMEIRAS

Dorival repete escalação e Fla está definido contra o Palmeiras

O Flamengo venceu o Náutico, no último domingo, e o técnico Dorival Júnior parece ter gostado da atuação da equipe. Prova disso, é que o treinador repetiu a escalação do último jogo no treinamento da última sexta-feira e confirmou o Rubro-negro para enfrentar o Palmeiras, em Volta Redonda. nA6

O órgão realizou no período de 8 a 17 de outubro, o diagnóstico técnico participativo, referente ao saneamento básico e ambiental na Ilha do Brigue, localizada no Arquipélago do Bailique. nB1

ELEIÇÕES 2012

Processo envolvendo eleições em Laranjal do Jari está parado

Um dos fatos que chama a atenção envolvendo as denúncias no Jari é a demora na movimentação do processo. De acordo com o advogado Vladimir de Almeida, o processo está parado desde outubro. nA5

NA INTERNET www.jdia.com.br - REDAÇÃO 3217.1117 - COMERCIAL jdcomercial@jdia.com.br 3217.1100 - DISTRIBUIÇÃO 3217.1111 - ATENDIMENTO 3217.1110


JD

Opinião Enxugando gelo RODOLFO JUAREZ

Jornalista rodolfojuares@gmail.com

D

epois da publicação do artigo “A Queda da Barraca”, ontem, dia 17 de novembro, nos jornais e nos bloggers, alguns gestores da área do turismo local insistiram comigo que esse é um fato com menos importância e sem relevância para ser destaque na imprensa e nas redes sociais. Ouvi, com muita atenção, cada um deles e aos seus comentários e confesso que não pude me alinhar às teses por eles defendidas, principalmente na avaliação da importância do episódio, considerado por eles “isolado e sem grande importância”. Primeiro que não se trata de um episódio isolado e, depois, porque os interlocutores que se manifestaram não tinham detalhes dos fatos a não ser pelas fotos que foram imediatamente ao fato, para as redes sociais e que mostravam pessoas que, para os mais religiosos, tiveram verdadeiro livramento. A cena limitada ao zoom dado para a imagem mostrava a estrutura de uma barraca caída, sobre um

monte de telhas de barro e no meio disso tudo, uma senhora que teve uma reação impressionante, para que as telhas pesadas não caíssem, literalmente, sobre ela e a machucasse. Os veranistas que estavam às proximidades do local da ocorrência, para aproveitar o sol forte ou, simplesmente degustar o camarão no bafo, o peixe frito e as inúmeras derivações que constam da culinária própria do local, correram para certificação do ocorrido e, se necessário, socorrer como pudessem os prejudicados. Essa ação voluntária dos presentes me faz retornar ao assunto devido à falta de sensibilidade para um episódio daquele tipo e daquela magnitude, demonstrada pelos agentes públicos que têm a responsabilidade de promover o turismo e fazer que ele aconteça com segurança geral e confiança nos promotores. Ainda bem que os prejuízos das pessoas afetadas fisicamente foram considerados pequenos. Havia razão suficiente para ima-

ginar resultados muito piores, sem qualquer exagero ou sensacionalismo, com o agravante de não haver, no momento do incidente, disponível as mínimas condições para realizar os primeiros socorros. Guarda-vidas que estão em qualquer praia e ambulância que devem estar onde haja concentração de pessoas, por lá não estavam. Pois bem, naquele dia havia no balneário mais de dois mil visitantes. Não estar atendo a isso é negar a prática que se aplica em qualquer outro lugar onde haja pelo menos projetos para o desenvolvimento do turismo. Preste bem a atenção: não está se exigindo médicos, enfermeiros ou a presença de outro qualquer profissional de plantão no local, mesmo parecendo que deve se tratar de uma providência lógica para a importância que precisa ser dada à Fazendinha como ponto turístico. Percebe-se facilmente, que houve uma conscientização dos empresários do local que estão contando com garçons treinados e interessados, cozinhas higiênicas e que podem ser visitadas pelos freqüentadores e uma preo-

Macapá-AP, domingo e segunda, 18 e 19 de novembro de 2012

cupação com o estacionamento de veículo. Esse comportamento não veio da prática, mas sim do resultado da aplicação desses empresários que estão buscando suporte, onde podem, para melhorar o atendimento dos clientes. São treinamentos para o próprio empresário e para os seus funcionários. Não existem grandes diferenças nos preparativos para os empresários do setor turismo e os promotores do turismo no Amapá. O entendimento da realidade está na ação prática de cada um: enquanto os empresários e os seus funcionários treinam todos os dias, os agentes públicos não treinam e imaginam que já sabem tudo depois de uma palestra teórica dada por pessoas que vêm de outra região conhecendo outras realidades, às vezes bem diversas das daqui. Se os agentes públicos do setor turístico no Amapá continuam pensando que são os sabe-tudo do turismo local, vão continuar enxugando gelo e, pior, gastando dinheiro a toa e nem percebendo que as oportunidades estão passando.

Por um fio de ópio! VANESSA FREITAS

Palestrante, consultora de empresas, escritora, professora universitária, executive coach, apresentadora do programa “Espaço da Mulher” e diretora da melhoRH consultoria. Escreve aos domingos no JD.

S

empre acredito que ensino e aprendo no meu trabalho como coach. Estava conduzindo uma sessão, quando fiz a seguinte pergunta: - O que segura esta decisão? Sabiamente meu cliente respondeu: Vanessa sabe como funciona algo como o vício? Eu respondi; explique melhor! - Quando eu penso que estou pronto para decidir, surge uma dose, mesmo que pequena como se fosse o ópio, que me faz acreditar que “agora” as coisas vão melhorar! Ouvindo a sua explicação, tudo faz sentido diante da difícil missão de “tomar decisões”. Isto ocorre em todas as esferas da nossa vida, profissional e pessoal. Imaginem a vontade de demitir um “cara” que já não rende tanto para a empresa. Ficamos meses pensando na decisão, quando acreditamos que estamos seguro para demiti-lo, eis que o “cara” apresenta uma significati-

va melhora em seu desempenho. Nesta hora pensamos: - Ele vai melhorar. Agora ele decola! Mas o cara volta de novo ao zero a zero semanalmente. Esta gota de ópio que surge para nos embriagar de esperança adia as nossas decisões, traindo nossa capacidade perceptiva e nos levando a acreditar naquilo que mais queremos: Tem jeito! Para tudo tem jeito! Talvez, por que mais difícil que decidir, é acreditar que não há mais esperança. A falta de esperança é estática, dolorosa e delimita fronteiras para sempre. Lembrei-me de quando precisava decidir pela minha separação: - Quando eu pensava; é hoje! Quando ele chegar decidiremos de forma sensata pelofinal desta linda história de amor. Mas quando “ele” chegava eu recebia a dose de ópio que precisava para acreditar que ainda tínhamos muito para viver, mesmo que isso não du-

rasse vinte e quatro horas. E assim muitos anos se passaram para que a decisão fosse tomada. Nesta hora, rejeitar a dose de ópio é o mais sensato. Mas é tão desafiador que a maioria aceita esta dose como condição para sustentar as próprias crenças e reforçar suas emoções. Após rejeitar mais uma dose de ópio, pude descobrir que a liberdade de não precisar de “pequenas doses” me deixaram livre para experimentar a alegria que recebo diaria-

mente pelas decisões que tomei. Que vida hein!Até para ser feliz, tem que ter coragem! Até para decidir temos que pedir: - Pai afasta de mim este cálice! Agora seja sincero com você mesmo: - Que decisão você sabe que precisa tomar? - E por qual motivo tem adiado? Qual é o fio de ópio que segura você neste momento? Excelente reflexão!

Diretor Executivo: Marcelo Ignacio da Roza Diretora Corporativa: Lúcia Thereza Pereira Ghammachi Assessoria Jurídica e Tributária: Américo Diniz (OAB/AP 194) Eduardo Tavares (OAB/AP 27421) Editor-Chefe: Janderson Cantanhede Gerente Comercial: Andrew Gustavo Cavalcante dos Santos CONSELHO EDITORIAL Presidente: Aldenor Benjamim dos Santos

Secretário Executivo: Marcelo Ignacio da Roza

Conselheiros: Carlos Augusto Tork de Oliveira

José Arcângelo Pinto Pereira

Danieli Amanajás Scapin

Luiz Alberto Pinto Pereira

Janderson Carlos Nogueira Cantanhede

Maria Inerine Pinto Pereira

Editor: Túlio Pantoja - tuliopantoja@jdia.com.br

Editorial

Trânsito assassino

Q

uando você estiver lendo este editorial, no domingo ou na segunda-feira, alguém no Amapá estará lamentando a morte ou o ferimento grave de alguma pessoa conhecida, vítima de um dos inumeráveis acidentes de trânsito que ocorrem no Estado, rotineiramente. Não se trata de lançar um mau agouro. É a simples constatação da realidade. Os acidentes de trânsito são cada vez mais numerosos no Amapá e os números crescem sistematicamente nos finais de semana, ainda mais quando se trata de um fim de semana prolongado, como no caso presente. A realidade amapaense está, infelizmente, em perfeita sintonia com a nacional. No Brasil, em 2011, cerca de 43 mil pessoas morreram em consequência de acidentes de trânsito. É um número extraordinariamente alto, que coloca o Brasil como quarto colocado no ranking dos países com trânsito mais violento do mundo. São quase 4 mil mortes por mês. É urgente fazer algo para mudar essa realidade. Contudo, esses números alarmantes ainda não são suficientes para despertar o senso de urgência nas autoridades públicas brasileiras, aí incluídas as amapaenses. Estudiosos do problema costumam apontar, como caminho para a solução, o desenvolvimento de ações de curto, médio e longo prazo. No curto prazo, é necessário, entre outras coisas, intensificar

Endereços Redação, Administração, Publicidade e Oficinas: Rua Mato Grosso, 296, Pacoval, Macapá (AP) - CEP 68908-350 - Tel.: (96) 3217.1110 E-mails pautas e contato com a redação: jornaldodia@jdia.com.br Editor-Chefe: cantanhede@jdia.com.br departamento comercial: jdcomercial@jdia.com.br comercialjd.2011@gmail.com mariaruth@jdia.com.br JD na Internet: www.jdia.com.br VIA CELULAR: m.jdia.com.br Representante comercial Grupo Pereira de Souza – GPS Matriz - Rio de Janeiro/RJ - Tel.: (21) 2544.3070; Brasília/DF - Tel.: (61) 3226.6601; São Paulo/SP - Tel.: (11) 3259.6111; Belém/PA Tel.: (91) 3244.4722 Contatos Fale com a redação (96) 3217-1117 Fale com o departamento comercial (96) 3217-1100 / 3217-1111 Geral (96) 3217-1110 Conceitos emitidos em colunas e artigos são de responsabilidade de seus autores e nem sempre refletem a opinião deste jornal. Os originais não são devolvidos, ainda que não publicados. Proibida a reprodução de matérias, fotos ou outras artes, total ou parcialmente, sem autorização prévia por escrito da empresa editora.

ações de fiscalização, para reprimir aqueles que cometem irregularidades no trânsito. No médio prazo, deve-se trabalhar pela melhoria das condições de infra-estrutura das vias de tráfego, incluindo pavimentação adequada e boa sinalização vertical e horizontal. A longo prazo, o caminho é a educação para o trânsito. Ainda que a educação deva estar presente também nas ações de curto e médio prazo, é no trabalho de longo prazo que ela tem potencial para dar resultados mais consistentes e efetivos na transformação da realidade. Sinteticamente, esse é o caminho a ser seguido, para que o trânsito brasileiro deixe de ser um verdadeiro açougue humano, onde vidas são destruídas de forma rotineira e banal, como se não houvesse nada de anormal nisso. O problema é que em qualquer dessas dimensões, curto, médio e longo prazo, muito pouco vem sendo feito de concreto. Esse descompasso entre o tamanho do problema e as ações adotadas para enfrentá-lo só faz com que a situação se agrave a cada dia. Neste domingo, 18 de novembro, é celebrado o Dia Mundial em Memória às Vítimas de Trânsito. A maior reverência que pode ser prestada à memória das milhares de pessoas que pereceram em acidentes de trânsito, certamente é trabalhar incansavelmente para reduzir drasticamente essas perdas no presente e no futuro.

Hora-Hora

Travado - A eleição passou, mas a sequência de feriados do mês de novembro parece estar contribuindo para que as coisas não caminhem com a devida urgência no Amapá. E olha que não falta questão de extrema importância para ser decicida.

Urgências - Uma das questões urgentes: votações de orçamentos do estado e dos municípios. Outra: federalização da CEA. Outra: processo de transição na Prefeitura de Macapá. Num piscar de olhos, novembro fica par trás. Aí vem dezembro, mês tradicionalmente curto, em função das festas de final de ano. E fim.

Uma publicação do Jornal do Dia Publicidade Ltda. CNPJ 34.939.496/0001-85 Fundado em 4 de fevereiro de 1987 por Otaciano Bento Pereira(+1917-2006) e Irene Pereira(+1923-2011) Primeiro Presidente Júlio Maria Pinto Pereira(+1954-1994)

A2

Comemoração - Governo do Estado comemora, com razão, liberação de financiamentos pelo BNDES, que vão permitir a realização de importantes obras estruturantes em todo o Amapá. Algumas delas prontas para ordem de serviço, como é o caso da duplicação da Rodovia Duca Serra. Herança - A execução das obras será agora, mas muitos dos projetos foram elaborados no Governo anterior, capitaneado por Waldez Góes. Como o plano de rodovias estaduais, incluindo a Duca Serra e a Norte/Sul. Uma herança bendita, sobre a qual o governo atual não diz uma palavra.

Transição - Boa iniciativa, a da equipe do prefeito eleito Clécio Luis, de colocar no ar o blog da transição (http:// blogdatransicaomacapa. blogspot.com.br), por meio do qual a população pode acompanhar o processo de mudança de um governo para o outro. E também participar, dando sugestões ou fazendo denúncias. Cancelamento - Ficou difícil entender o cancelamento do Fórum de Governadores da Amazônia Legal, que seria realizado sexta-feira, 16, como parte da programação do Amazontech 2012. De manhã, organizadores do evento ainda anunciavam sua realização. De tarde, avisaram que o Fórum havia sido cancelado. Estranho - A alegação dos organizadores foi de que houve problemas para conciliar a agenda dos convidados – os governadores. Mas será que ninguém foi informado disso antes? Estranho. Muito estranho. Descanso - Também pegou mal a completa ausência dos parlamentares da Amazônia no evento. Até mesmo na reunião entre parlamentares, realizada para discutir a sustentabilidade na região. Nem mesmo a bancada federal do Amapá compareceu em sua totalidade. No meio do feriadão, a maioria achou melhor ficar de pernas para o ar.

Índice Opinião - A2, A3 Especial - A4, A5 Geral - A6 Sociedade - A8 Dia Dia - B1, B3, B4 Geral - B2 Classidia - 14 Pag.

Esportes - A6, A7 Atualidades - C3 Diversão&Cultura - C4 Carro e Moto - D1, D2, D3 Social Click JD - A8 Economia - E1, E2, E3

Edição número 8059


JD

“ ”

Geral

Entre Aspas

JANDERSON CANTANHEDE Jornalista cantanhede@jdia.com.br

Já dizia - As previsões bíblicas estão acontecendo. Na primeira vez, o mundo acabou com um grande dilúvio. Segundo a Bíblia, o próximo castigo será um grande incêndio.

Sertão no AP - Essa seca já está acontecendo no município de Amapá, onde os fazendeiros têm que deslocar (às vezes por um dia inteiro) o rebanho para conseguir água.

Calamidade - Segundo um dos criadores, se durante novembro não chover, a situação dos criadores será de calamidade. A morte de animais será sem número. O que fazer? Só rezar... Entrevero - Em Mazagão Velho, os moradores antigos tiveram um entrevero com o padre da comunidade, chegando inclusive a vias de fato. Praga - O padre muito revoltado, disse que o rio que passa em frente a cidade iria secar e que os moradores iriam ver galinhas ciscando no leito do rio. E não é que está acontecendo mesmo! Detalhe: a desavença foi no século passado.

Ajuda - Em Tartarugalzinho não teve bofetadas, mas por lá o rio já secou. Na segunda-feira, os deputados Bruno Mineiro e Roseli Matos estarão cedo batendo no gabinete do senador Sarney (PMDB). Motivo: querem que o presidente intervenha junto ao Ministério da Integração para ajudar ou ao menos amenizar o problema. Ombro amigo - O interessante é que o ministro da Integração é Fernando Bezerra, do PSB, partido que aqui no Amapá é comandado pelos Capiberibes, inimigos políticos de Sarney. O que seria desse Amapá se não fosse o ombro amigo de Sarney pra chorar. E tem gente que ainda fala mal do homem. Esvaziada - Com as grandes obras do BNDES, que em 2012 deram muito o que falar, inclusive com a visita da Polícia Federal em algumas Secretarias do Estado, o governador Camilo deve centralizar a CPL das obras da Seinf e Setrap em uma sala da Secretaria de Planejamento. Com isso,

esvazia por completo as duas maiores Secretarias em termos de movimentação financeira. O que acha? - Eu daria também uma outra ideia ao governador: que centralize toda a fiscalização dessas obras. Aí o castigo seria por completo. Polêmica - A cassação dos mandatos dos três deputados condenados no julgamento do mensalão divide os ministros do Supremo Tribunal Federal e tem potencial para provocar novos embates no plenário. De imediato - O STF terá de decidir se cabe à corte estabelecer a imediata perda do mandato dos deputados condenados ou se essa definição deve ser tomada pela própria Câmara. Sem tempo - O relator do processo, Joaquim Barbosa, tentou colocar a medida em votação nesta semana, mas não teve sucesso porque os ministros argumentaram falta de tempo para tratar da polêmica. Bom domingo a todos...

Siga: @cantanhede_AP Email: cantanhede@jdia.com.br

Pensamento crítico: como não pensar? DORIEDSON ALVES Professor

Um dos aspectos mais triviais, e também controversos da existência dos indivíduos, é pesar as próprias decisões, principalmente, em alguns casos, sem culpar o outro por aquilo que se fez de errado. Não há uma única pessoa que, de uma forma ou de outra, possa se eximir de assumir o ônus pelas ideias defendidas, ações praticadas, até mesmo pelas coisas deixadas de lado (omissão). Logo, diante da impossibilidade da negação da responsabilidade, se torna necessário, para minimizar os estragos, pelo menos previsíveis, pensar antes de fazer algo. Isso, portanto, se converte no grande imperativo do agir consciente, isto é, daquele disposto a assumir todos os riscos e consequências previsíveis (ou imprevisíveis) a partir daquilo que foi decidido. Por isso, qualquer ação fruto de atos irrefletidos pode trazer consigo grande variedade de elementos desagradáveis, sob a aparência de “simples” efeitos. Isso acontece, por exemplo, quando optamos por uma relação afetiva em detrimento de outra, mesmo sabendo dos riscos, tensões e tendo convicção de serem provavelmente bem maiores na segunda opção. Contudo, a escolha se dá no sentido do mais atrativo, desejável, inovador; e não daquele racionalmente mais viável, portanto, menos inclinado ao fracasso ou insucesso: não podemos, infelizmente, racionalizar nossas emoções. Diante de tantos aparatos tecnológico-científicos, parece que pensar se tornou algo indesejável, enfadonho, absurdamente desnecessário e obsoleto, contrario até a natureza do homem contemporâneo. Os computadores pensam pelos indivíduos: os softwares escolhem os melhores pares afetivos, resolvem alguns dos grandes

problemas da matemática, ajudam na determinação das composições químicas dos medicamentos mais variados, e ainda por cima, nos iludem com suas imagens virtuais, seus avatares etc. Então, com isso, a ação reflexiva perdera sua importância, forma, substância. Logo, não reflete mas o homem a sua essencialidade, como ela era representada por Aristóteles: o homo racionalis. Agora ele se converteu em autômato, tentando imitar possíveis homens em seu estado natural de inautenticidade decisória. Na verdade, isso parece um grande contrassenso, tendo em vista ter se desenvolvido graças à inata habilidade de raciocinar (homo sapiens) e, nesse momento (ou em todos ao longo da vida) negar este saber-fazer, se permitindo a manipulação e, o que é ainda pior, defendendo-a como algo legítimo, acaba desfigurando-o como ser autêntico e autônomo. Porém, a dificuldade de pensar está justamente na impossibilidade em negar a obrigatoriedade da tomada de determinada decisão, o comprometimento acarretado e a responsabilidade conscientemente assumida. No entanto, a evolução da espécie humana foi possível graças à intrepidez, ousadia, e vontade de pensar o mundo, em sua realidade multifacetada, de forma diferente e desafiadora, propondo ideias novas para os desafios que iam surgindo com a inabalável convicção de que sem esse empenho, a vida não seria viável factualmente. A história, mesmo que imperfeita, registra a coragem e obstinação de homens e mulheres a romperem grandes barreiras políticas, culturais, históricas, sociais, para só assim poderem, de forma inovadora, construir perspectivas rompendo com o sen-

so comum, ou indo além dele, na tentativa de revestir o velho de uma autêntica vestidura de inteligibilidade, intrepidez e renovação. Na maioria das vezes, mesmo indo contra toda uma tradição já de séculos consolidada, o pensamento se constrói enquanto contra ideologia, alternativa, resistência, mudança e reformulação, como no caso da resistência as convenções socioculturais e seus dogmatismos, em seus modelos estanques e opressores da realidade humana, sobretudo do homem comum, culminando em movimentos históricos que instituíram novos paradigmas: Renascimento, Reforma Protestante, Mecânica Quântica etc. Quando faz uso de sua capacidade intelectiva, o sujeito humano está dispondo, na prática, de sua faculdade racional e, por conseguinte, julga, conhece, age, de tal maneira a interagir com o meio no qual se encontra inserido, além de interatuar com seus pares de forma mais autêntica, promissora. Isso é fundamental para o seu próprio desenvolvimento como ser pensante que é. Até porque é por meios das experiências compartilhadas e vividas que o indivíduo se consolida. Todavia, embora a racionalidade seja algo comum, ela não é, em absoluto, o único meio humano de agir, pois ela é a constatação inalienável do gênio humano, na diversidade a torná-la singular em gênero, mas coautora da vida juntamente com a afetividade. Portanto, dentro de um quadro de pluralidade sociocultural, nada mais aceitável do que pressupor, também, a livre e alforriada “liberdade de pensamento”, enquanto pressuposto basilar da ação criativa do refletir (criticamente) sobre o universo do real, na mas absoluta consonância com as potencialidades, de um ser que se constrói, ao se tornar objeto-pensamento de si mesmo.

Macapá-AP, domingo e segunda, 18 e 19 de novembro de 2012

A3

Editora: Ana Barbosa - anabarbosa@jdia.com.br

O passeio dos macacos DOM PEDRO JOSÉ CONTI

U

Bispo de Macapá

m dia, os macacos do jardim zoológico decidiram fazer um passeio de instrução. Andaram, andaram, pararam, e um macaco perguntou: - O que é que estão vendo? - A jaula do leão, o tanque das focas e a casa da girafa. - Como é grande o mundo e como a gente aprende viajando! Retomaram o caminho e pararam somente ao meio dia: - O que estão vendo agora? - A casa da girafa, o tanque das focas e a jaula do leão. - Como o mundo é esquisito, e como é instrutivo viajar! Retomaram a caminhada e pararam somente ao pôr do sol. - O que tem ainda para ver? - A jaula do leão, a casa da girafa e o tanque das focas. - Como é chato o mundo. Enxergam-se sempre as mesmas coisas e viajar não serve mesmo para nada! É isso mesmo, viajaram, viajaram, mas não tinham saído da jaula, ficaram só girando ao redor como os cavalos do carrossel. Os pobres macacos estavam presos e não podiam ver nada mais além daquilo que era visível, a partir da jaula deles. Podiam caminhar o tanto que queriam, mas, no final, não teriam ido muito longe. Pode ser uma parábola da nossa vida. O tempo passa e a nossa vida passa com ele. Se não sabemos o porquê

das coisas e não temos um horizonte maior, acabamos rodando nas prisões que nós mesmos construímos. Existem prisões douradas, cheias do conforto e de mordomias, onde a vida parece uma maravilha e acabamos não querendo mais sair. Outras vezes, desistimos de buscar, conformando-nos com a situação na qual, pensamos, o destino nos colocou. Existe a prisão do nosso orgulho, de quem se ilude de saber tudo e, por isso, de ter o mundo todo aos seus pés. Existem ideias e pré-conceitos que também podem nos prender. Achamos impossíveis certas situações e, portanto, nunca admitimos que possam acontecer. Uma religião vivida com medo, com esquemas rigorosos e excludentes, pode ser também uma prisão. Talvez confortável como um seguro de vida, mas sempre uma prisão. O que nos falta para enxergar mais longe e nos libertar das jaulas que construímos ao nosso redor? Chegando ao final do ano litúrgico, somos convidados a pensar no fim das coisas. O fim pode ser simplesmente a conclusão, mas pode ser também a finalidade, o sentido de tudo aquilo que acontece, ou que nós fazemos acontecer. Em geral, nós todos ficamos mais preocupados com a conclusão da nossa vida do que com o sentido da mesma. Daí as especulações sobre “o fim do mundo”. Jesus, porém, não quis marcar prazos, achou me-

lhor apontar sinais para nos deixar vigilantes, acordados e sempre em busca de algo melhor. Na procura do sentido da vida, quando as coisas e as pessoas ao nosso redor vão mudando continuamente, podemos contar com as suas palavras que “não passarão”. Ter fé, para os cristãos, é arriscar a vida confiando nessas palavras. A opção é sempre entre o conforto das nossas seguranças – dinheiro, posição social, prestígio – que no final nos aprisionam, ou a incerteza da aventura da fé. Amar mais é sempre um risco. Quem vai saber do bem que fazemos? Dar atenção aos pobres, aos pequenos e aos excluídos da vida, não dá retorno algum em termos de contas bancárias. Defender a verdade, a honestidade, buscar uma consciência pura e simples, faz que sejamos julgados como idealistas, iludidos, sem algum senso prático, sem jogo de cintura. Gastar a vida por causa do Evangelho, doar ao menos um pouco do nosso ter e do nosso saber para ajudar e dar dignidade a quem não tem e a quem não sabe, para muitos, é ter perdido definitivamente o juízo. Jesus, por amor, foi obediente até a morte e a morte de cruz. Foi o homem mais “servo” e, ao mesmo tempo, mais livre. Tão livre de poder nos libertar do pecado e da morte. Quem confia na sua palavra consegue enxergar além deste mundo, desta história que passa. Tem um olhar de eternidade. Encontrou o sentido de tudo e a liberdade.

Clima - ceticismo ou esperança? Washington Novaes Jornalista

É

significativo que, ainda com os escombros da passagem da supertempestade Sandy à vista, em suas primeiras palavras após a reeleição o presidente Barack Obama tenha dito: “Queremos que nossos filhos vivam num país que não seja enfraquecido por desigualdades e que não seja destruído pelo aquecimento global”. Poucas horas antes, ainda na campanha eleitoral, seu adversário, o republicano Mitt Romney, havia dito não saber o que provoca mudanças climáticas. Já Obama dissera que “negar as mudanças climáticas não as fará deixar de acontecer”. É importante porque estamos a poucos dias de se iniciar a 18.ª reunião da Convenção do Clima (a COP18), que reunirá quase 200 países em Doha, no Catar. E numa hora em que, segundo a secretária da convenção, Christiana Figueres, as promessas atuais de redução de emissões de gases de efeito estufa no mundo não são suficientes para atingir o objetivo de conter em 2 graus Celsius, até 2050, o aumento da temperatura da Terra - limite além do qual as consequências serão muito dramáticas (a Blue Planet, instituição que reúne os Prêmios Nobel alternativos do meio ambiente, acha que o aumento ficará em 3 graus, no mínimo, e poderá chegar a 5 graus até o fim do século; outras instituições mencionam 6 graus ou mais). Mas continua tudo muito difícil. Há quem pense que China e Índia já recuaram da decisão de aceitar, até 2015, um compromisso “vinculante” de todos os países de reduzir suas emissões a partir de 2020. Representantes norte-americanos chegam a dizer que é preciso haver uma declaração “criativamente ambígua”, “flexível e dinâmica” (sem objetivos específicos), e um deles opinou que melhor seria “cada país decidir por si mesmo o caminho a tomar”. Já a Agência Internacional de Energia entende que o caminho mais curto e eficaz será dobrar a produção de energia elétrica e outras fontes não poluentes até 2050 (hoje a primeira está em pouco mais de 16% do total,

ante 67% das energias fósseis, 12,8% da nuclear e 3,6% de outros formatos). Mas China e Índia, principalmente, embora venham avançando na implantação de formatos não poluentes, também vêm ampliando a produção de energia a partir do carvão, sua principal fonte, diante da necessidade de ampliar o fornecimento - na Índia 600 milhões de pessoas ainda não dispõem de energia elétrica. Para complicar mais, continua a discussão entre países “emergentes” e industrializados, com os primeiros entendendo que a responsabilidade de redução de emissões deve caber aos segundos, que emitem poluentes há mais tempo, desde o início da Revolução Industrial, e estes retrucando que hoje os não industrializados já emitem mais que eles - e sem uma redução correspondente nesse “novo mundo” não haverá uma queda suficiente nas emissões globais (pouco menos de 40 bilhões de toneladas anuais de dióxido de carbono). E ainda há outros complicadores em cena: que se fará, por exemplo, para reduzir as emissões na cadeia que envolve a agricultura e a produção de alimentos (29% do total), na hora em que será preciso alimentar mais 2 bilhões de pessoas e eliminar a fome de 1,3 bilhão? O Banco Mundial mostra que os ângulos econômicos da questão têm forte peso nas decisões: as emissões aumentam 0,73% para cada 1% de alta no PIB, mas só diminuem 0,47% a cada queda de 1% (Nature Climate Change, 8/10). E como a expansão econômica neste século pode levar o PIB mundial a pelo menos US$ 235 trilhões, podendo chegar até a US$ 550 trilhões (está por volta de US$ 70 trilhões), não se tem como excluir um panorama preocupante, que leve a temperatura planetária a aumentar até 6,4 graus Celsius. Hoje os subsídios a energias renováveis estão em apenas US$ 70 bilhões anuais, muitas vezes menos que os subsídios para os combustíveis fósseis, principalmente petróleo. “Vivemos uma emergência planetária”, diz o conceituado cientista James Hansen, da

Nasa. E ganha logo apoios, diante das notícias de que o gelo do Ártico se reduziu à menor área de todos os tempos (3,4 milhões de quilômetros quadrados). Há quem pense - como o cientista Peter Wadhams, da Universidade de Cambridge (The Guardian, 17/9) que ele poderá “desaparecer” em quatro anos. Mas sob o gelo há uma quantidade gigantesca de metano que poderá ser liberada (e o metano é pelo menos 21 vezes mais prejudicial na atmosfera que o carbono). Já há uma corrida de empresas norte-americanas, russas, chinesas e outras para explorar ali o petróleo e o gás antes inacessíveis. Entretanto, mesmo diante de fatores dramáticos, há quem continue a duvidar de perspectivas tão ameaçadoras. Mas os “céticos do clima” perderam há pouco uma de suas vozes mais fortes, Richard Muller, físico da Universidade de Berkeley, segundo quem “há fortes evidências de que os humanos tenham mudado o clima planetário”. Com tudo isso, Yvo de Boer, ex-secretário-geral da Convenção do Clima, pensa que “um acordo agora parece impossível”, ainda que já se saiba que o próximo relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, a ser divulgado em 2013, “será chocante” (Watoday, 7/11). Por isso é importante que cada país defina sua metas de redução de emissões, independentemente das negociações em Doha. Até porque estas terão um complicador: as negociações sobre prorrogar (ou não) o Protocolo de Kyoto, de 1997, que expira este ano e é o único acordo internacional que define metas obrigatórias de redução (5,2%) de emissões para os países industrializados. Os Estados Unidos já não o ratificaram e agora Rússia, China e Canadá dizem que não aceitam a prorrogação (o Brasil quer, pois é o terceiro país em volume de recursos recebidos para financiamento de projetos que reduzam emissões, e estes já movimentaram dezenas de bilhões de dólares no mundo). Neste panorama mundial de desastres, e com o Brasil enfrentando inundações, calor e secas inéditos em muitas décadas, vamos ver que posição tomaremos em Doha.


JD

Geral

Macapá-AP, domingo e segunda, 18 e 19 de novembro de 2012

Dirceu e mais três réus do mensalão pedem que STF devolva passaportes

A4

Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Alessandro Brito visita redação do JD e destaca propostas para a OAB/AP

Além da defesa de Dirceu, a medida de Barbosa foi atacada pelos advogados do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, do deputado João Paulo Cunha

Q

uatro réus condenados no julgamento do mensalão, entre eles o ex-ministro José Dirceu, entraram com um recurso no STF (Supremo Tribunal Federal) questionando a decisão do relator do caso, Joaquim Barbosa, de reter os passaportes e pedem a devolução dos documentos. Com isso, o caso deve ser decidido pelo plenário do Supremo. Barbosa determinou a entrega dos passaportes aos 25 condenados para evitar que fugas para o exterior. Além da defesa de Dirceu, a medida de Barbosa foi atacada pelos advogados do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, do deputado João Paulo Cunha (PT-SP) e o ex-vice-presidente do Banco Rural José Roberto Salgado. Eles argumentam que a medida não deveria ter sido tomada individualmente por Barbosa. No pedido, a defesa de Delúbio afirma que ele entregou o passaporte, “mas com ela não pode se conformar”. O documento, assinado pelos advogados Celso Sanchez Vilardi e Arthur Sodré Prado, diz que a retenção dos passaportes só caberia se houvessem fatos concretos. “Para a decretação da medida cautelar de proibição de ausentar-se do país, com a consequente retenção do passaporte do ora agravante (Delúbio), na avançada fase em que se encontra o processo, seria imprescindível que estivesse baseada em dados concretos, ou seja, deveria estar baseada em atitudes do agravante, in-

Além da defesa de Dirceu, a medida de Barbosa foi atacada pelos advogados do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares

dicando que irá se furtar à aplicação da lei penal, tendo em vista que a instrução já está encerrada”, afirma o texto. O advogado de João Paulo, Alberto Zacharias Toron sustenta que a determinação “jamais poderia ter sido realizada monocraticamente. Deveria, até mesmo por respeito aos demais ministros, ter sido respeitado o princípio da colegialidade”. É razoável que o peticionário comunique ao Supremo qualquer viagem que faça. Mas não há, repita-se, qualquer necessidade de se acautelar seu passaporte”, completou. A defesa do empresário Marcos Valério, operador do mensalão, entregou na quarta-feira o segundo passaporte dele ao Supremo. Em 2005, Valério já havia deixado outro passaporte na Corte.

Entre os condenados, o deputado Pedro Henry (PP-MT) repassou o passaporte ao presidente da Câmara, Marco Maia (PT-SP), alegando que é um documento diplomático. A Câmara ainda analisa que medida será tomada. O ex-deputado Bispo Rodrigues enviou uma manifestação explicando que não está com seu passaporte porque a Polícia Federal apreendeu o documento em uma operação em 2006. Embate Além de reter passaportes, Barbosa ainda determinou que os condenados também fossem incluídos na lista de “procurados e impedidos” da Polícia Federal nos postos de fronteira, já que só podem sair do país com autorização do Supremo. A decisão de reter os passaportes gerou uma troca de alfinetadas entre

Barbosa e o ex-ministro José Dirceu. No despacho, o relator defendeu o julgamento e disse que alguns réus “deram impressão de serem pessoas fora do alcance da lei, a ponto de, em atitude de manifesta afronta a este Supremo Tribunal Federal, qualificar como política, a árdua e séria, imparcial e transparente atividade jurisdicional a que vem se dedicando esta Corte”. Dirceu classificou a medida como “puro populismo jurídico” e violação dos direitos dos réus. O petista fez em seu blog duras críticas a Barbosa. “A decisão do relator (...) é puro populismo jurídico e uma séria violação aos direitos dos réus ainda não condenados, uma vez que o julgamento não acabou e a sentença não transitou em julgado”, escreveu Dirceu, que chamou a medida de “exagerada”. (folha. com)

Acima, Alessandro visita a redação do Jornal do Dia acompanhado de sua vice, Dra Sandra Alcântra. Na foto embaixo, ele recebe as novas adesões dos advogados Américo Diniz e Evaldy Mota, que renunciou a chapa concorrente

O

advogado Alessandro Brito, candidato à presidência da OAB/AP, esteve visitando na última sexta-feira (16), a redação do Jornal do Dia. Acompanhado da vice, Sandra Alcântra, ele falou sobre suas principais propostas de trabalho em defesa da Ordem. Para ele, a OAB precisa trabalhar no tripé “liberdade, independência na advocacia e na defesa intransigente da categoria”. “Esse é o tripé das nossas propostas em defesa da categoria”, comentou

Alessandro. Encabeçando a Chapa 2, Alessandro destaca quatro pontos fundamentais para o primeiro dia de sua gestão: a democratização da eleição para o desembargo, lançando novo edital com inscrição gratuita e voto direto; promover a independência do clube dos advogados; gestão junto aos Poderes e instituições acerca da violação das prerrogativas da advocacia; além de estabelecer calendário para a comemoração do dia do advogado realizando a festa na data.

Barbosa determina que Legislativo analise orçamento do MPU para 2013

Ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que o Congresso Nacional inclua a proposta oficial do Ministério Público da União (MPU)

O

ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que o Congresso Nacional inclua a proposta oficial do Ministério Público da União (MPU) no Projeto de Lei Orçamentária para 2013. A ação foi protocolada em setembro pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel.

Gurgel contestou o fato de o Executivo ter retirado o orçamento original elaborado pelo MPU da proposta apresentada ao Congresso Nacional em agosto. Segundo o procurador, a interferência é uma afronta à autonomia entre os Poderes. A AGU, por outro lado, argumenta que a proposta foi mantida, ainda que anexa

ao documento principal. Embora tenha determinado que o Legislativo aprecie a proposta orçamentária original do MPU, Barbosa garantiu ao Executivo anexar ao texto “todas, quaisquer e cada uma das observações pertinentes à conveniência, à oportunidade, à legalidade e à constitucionalidade da pretensão,

que a Presidência da República entender cabível”. A decisão liminar deve ser cumprida enquanto o processo não foi apreciado definitivamente pelo plenário do STF. Na semana passada, o ministro Luiz Fux deu decisão semelhante ao pleito envolvendo o orçamento do Judiciário no da União. (uol)


Geral

JD

Macapá-AP, domingo e segunda, 18 e 19 de novembro de 2012

Processo envolvendo eleições no Jari está parado desde outubro, diz advogado Ação de investigação eleitoral foi movida pelo Ministério Público Eleitoral

O

Advogado Vladimir de Almeida, assessor jurídico do PMN: queremos que o juíz chame as testemunhas para serem ouvidas no processo

Ministério Público Eleitoral de Laranjal do Jari está movendo uma ação de investigação eleitoral quanto ao resultado das últimas eleições municipais. O Partido da Mobilização Nacional (PMN) reforça a ação movida, uma vez que é parte interessada no processo, já que o candidato da legenda, Barbudo Sarraf, ficou em segundo lugar na disputa. As denúncias envolvem concessões de taxi naquele município como meio de angariar votos. Uma outra denúncia envolve carregamento de material de construção utilizando veículos da Prefeitura de Laranjal do Jari. “A fiscalização foi atrás e constatou a denúncia anônima. O material de construção não tinha nota fiscal nem qualquer outro documento”, explicou o advogado do PMN, Vladimir Belmino de Almeida. Processo parado Um dos fatos que chama a atenção envolvendo as denúncias em Laranjal do Jari é a demora na movimentação do processo. De acordo com Vladimir, desde o último dia 6 de outubro o processo está parado na Vara Judicial do Jari, o que levou o partido a solicitar ao juiz responsável, Heraldo Costa, o andamento do processo e o chamamento das testemunhas arroladas durante as investigações.

PROCLAMAS DE CASAMENTO

Bel ª Maria Cristiane da Silva Passos, Oficial do 2º Registro Civil das Pessoas Naturais do Distrito e Município de Macapá - Estado do Amapá; FAZ SABER que se pretendem casar: WILLIAN CROWELL COSTA DE MENEZES e VALDEIA COSTA DE SANTANA Ele, filho de Irugo Ferreira de Menezes e Nilza Costa de Menezes. Ela, filha de José Palmeirim de Santana e Maria da Conceição Costa de Santana. Alguém souber de algum impedimento, oponha-se na forma da Lei. Lavro o presente para ser afixado em Cartório e publicado na Imprensa local. Macapá-AP, 12 de novembro de 2012 Francilene da Silva Duarte Escrevente autorizada

Eleições Zeca Madeireiro foi quem ganhou as eleições no Jari com uma diferença de pouco mais de 80 votos. Ele é do mesmo partido da atual prefeita Euricélia Cardoso (PP). Foi com o apoio dela que ele conseguiu se eleger. Porém, o pleito foi conturbado e cheio de flagrantes. A três dias das eleições, a promotora eleitoral em Laranjal do Jari, Fábia Regina

Martins, solicitou apoio policial para apurar possível compra de votos. Segundo as informações, um veículo da prefeitura estaria transportando material de construção para entregar aos moradores da comunidade Marinho, na zona rural, a 40 km da sede do município. A intenção, segundo o Ministério Público, era trocar os produtos por votos para beneficiar o candidato Zequinha Madeireiro (PP), apoiado pela prefeita Euricélia Cardoso, do mesmo partido. Durante a diligência, os policiais, em carro descaracterizado, seguiram o caminhão. O militar e o civil constataram que o veículo pertencia à Prefeitura de Laranjal do Jari. No caminho, um servidor municipal, responsável pela entrega dos produtos, entrou no carro. O trajeto percorrido correspondeu exatamente às informações repassadas na denúncia. Os policiais aguardaram o momento da entrega para efetuar o flagrante. O material foi apreendido. A líder comunitária Maria Darcy, identificada como beneficiária, e o motorista foram encaminhados à delegacia daquele município. Inquérito foi instaurado para apurar o crime eleitoral. Prisão Dois dias depois, as promotoras eleitorais Fábia Regina Martins e Fábia Nilci Santana, deram voz de prisão a uma professora chamada Vitória. Ela foi presa no supermercado Zanotto com vale-compra supostamente doado por Zequinha. Após a prisão da professora, o MPE/AP obteve três mandados de busca e apreensão. Dois mandados foram cumpridos nas unidades do Zanotto. Nos supermercados foram encontrados diversos vales-compra.

Barbosa nega liminar que questionava piso salarial de professores

O

ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou liminar que pretendia alterar o regime de pagamento do piso nacional de professores. Governadores de seis estados - Mato Grosso do Sul, Goiás, Piauí, Rio Grande do Sul, Roraima e Santa Catarina – alegavam que o critério de reajuste era ilegal. A decisão de Barbosa é liminar, e a ação ainda será analisada no mérito. O piso nacional dos professores foi criado com uma lei de 2008, declarada constitucional pelo STF em abril do ano passado. Um dos artigos da lei estipula que o piso deve ser atualizado anualmente em janeiro, segundo índice divulgado pelo Ministério da Educação. Para os seis estados que acionaram o Supremo, a adoção de um critério da Administração Federal para o aumento da remuneração tem várias ilegalidades e agride a autonomia dos estados e municípios para elaborar seus próprios orçamentos. Em sua decisão, Barbosa argumenta que a inconstitucionalidade da forma de reajuste já poderia ter sido questionada na ação julgada pelo STF em 2011, o que não ocorreu. “Essa omissão sugere a pouca importância do questionamento ou a pouco ou nenhuma densidade dos argumentos em prol da incompatibilidade constitucional do texto impugnado”.

A5

Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Coluna

ESPLANADA

POR LEANDRO MAZZINI Jornalista

Twitter @leandromazzini

Derrotado, PT freia metrô de Salvador

Um episódio palaciano, envolvendo a presidente Dilma e um grande empreiteiro, revela como o PT barra as obras do metrô de Salvador após o resultado da eleição em que saiu derrotado na capital. O empresário César da Matta Pires, da OAS, fez estudo com linha ligando o aeroporto aos principais bairros. Como o bilhete ficaria R$ 6 (muito caro), procurou a presidente e o governador Jaques Wagner para tentar Parceria Público-Privada. Tudo ok, a OAS financiou o candidato Nelson Pelegrino como condicionante para o projeto sair. Como ele perdeu, Dilma e Wagner vetaram.

Fora dos trilhos

Com a vitória de ACM Neto, do DEM, rival ferrenho dos petistas, o PT desistiu do projeto e Matta Pires ficou na mão. Detalhe: o metrô não entra nos trilhos há décadas, desde o reinado ACM.

Vagão a R$ 3...

Matta Pires não desistiu e tenta diretamente com a presidente, sem passar pelo governo de Salvador, uma solução. Com PPP, o bilhete do metrô sairia a R$ 3.

...Desgovernado

Mas para o projeto sair, é o governo Wagner quem teria de subsidiar os outros R$ 3. Como nada avançou, o PT já deu recado de quer o projeto para ACM Neto faturar como prefeito.

Passeio completo

Uma prática de turismo político cada vez mais comum: Os deputados estaduais de todo o pa��s têm viajado, com direito a acompanhantes e dinheiro das Assembleias, para eventos promovidos pela UNALE – União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais. Na última excursão, deputados mineiros foram para o México no feriadão de finados. Bancada dos Curiosos Os deputados também deram de penetras em evento nos Estados Unidos, onde republicanos e democratas discutiam o futuro do país. Como a Conferência Nacional dos Legislativos (dos EUA) era aberta, a Unale cadastrou algumas excelências para o passeio em Chigado, de 6 a 9 de Agosto. Sarney eterno Um servidor do Congresso que promove “série de entrevistas históricas com o presidente José Sarney”, na TV Senado, pediu colaboração do povo via internet e teve de driblar constrangimentos, como ser ele todo-poderoso e o Maranhão o estado mais pobre do país, pergunta de Tonicesa Badu. Caixa A Associação dos Servidores da Fazenda (Assefaz) nega crise, fala em perdas pontuais e sazonais de caixa, mas pode chegar a R$ 15 milhões o rombo nas contas deste ano. Primavera-verão Apesar das chuvas que atingiram várias regiões do país nos dois feriadões deste mês, o tempo secou no Sul e a umidade relativa do ar continuou baixa em 20 grandes cidades. Roleta e divã Os cassinos da África do Sul criaram o Centro de Apoio aos Jogadores, para tratamento de ludopatas (os viciados), dentro dos próprios estabelecimentos. Já os defensores dos cassinos alegam que os viciados são muito poucos, e o governo lucra com impostos. Combate ao câncer O Instituto do Câncer Dr. Arnaldo, que atenderá 100% pelo SUS,

pleiteia junto aos 70 deputados da bancada paulista em Brasília emendas para comprar equipamentos de ressonância magnética e acelerador linear para radioterapia. O próprio patriarca do hospital fez o périplo. Jefferson, de novo O governo federal (não se descarta sua polícia) mira o setor de seguros e resseguros no Brasil. O alvo pode ser a Susep. Por acaso, o único órgão onde Roberto Jefferson (PTB) apadrinhou diretores. Jefferson foi delator – e não menos culpado – do esquema do mensalão. Guerra... Mais próximo político do ex-presidente Lula, o deputado Devanir Ribeiro (PT-SP) desabafou dia desses: “Em pleno governo do PT tivemos um Engavetador Geral da República. Com uma diferença, que foi para beneficiar os tucanos”. ...dos Mensalões Devanir fala do ex-chefe do MP Antonio Fernando de Souza, que denunciou os mensaleiros mas, segundo o petista, fez vista grossa para o suposto mensalão tucano em minas, “com 79 envolvidos”. Índio quer fazenda Índios de todo o país estão acampando em Brasília. Pressionam o Ministério da Justiça a publicar a Portaria 303, que define novas regras para desapropriar fazendas para a criação de reservas. Ponto Final A CEB, além de colocar seus funcionários em risco, mete a faca no consumidor. Cobrou R$ 7 de taxa de iluminação este mês nas contas – Apesar dos apagões.

www.colunaesplanada.com.br contato@colunaesplanada.com.br

(Com Marcos Seabra e Vinícius Tavares)


JD

Esporte

Macapá-AP, domingo e segunda, 18 e 19 de novembro de 2012

Dorival repete escalação do último jogo e Fla está definido contra o Palmeiras

A6

Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Deco treina com titulares e pode voltar ao Fluminense em festa contra o Cruzeiro

Hernane foi mantido na equipe ao lado de Vagner Love no ataque. A única alteração fica por conta de Ramon, que estava suspenso pelo terceiro cartão amarelo

Deco participou normalmente do treino entre os titulares do Fluminense

A

Vagner Love e Paulo Victor estão confirmados entre os titulares contra o Palmeiras

O

Flamengo venceu o Náutico, no último domingo, e o técnico Dorival Júnior parece ter gostado da atuação da equipe. Prova disso, é que o treinador repetiu a escalação do último jogo no treinamento da última sexta-feira e confirmou o Rubro-negro para enfrentar o Palmeiras, em Volta Redonda. Hernane foi mantido na equipe ao lado de Vagner Love no ataque. A única

alteração fica por conta de Ramon, que estava suspenso pelo terceiro cartão amarelo e retorna à lateral esquerda. Contra o Náutico, o jovem Felipe Dias, das categorias de base, assumiu a posição, mas com o retorno do titular, voltará o banco de reservas. O time titular da atividade teve Paulo Victor, Wellington Silva, Renato Santos, González e Ramon; Amaral, Ibson, Rena-

Toque de Primeira ANTONIO LUIZ

Colunista alpcampos@hotmail.com Positivo Dia 1 DEZ inicia o Campeonato Amapaense de Futlama, numa promoção da federação local. O evento reúne cem equipes e o futlama é um esporte genuinamente tucuju. Negativo Julgamento do goleiro Bruno, caso ‘Eliza Samudio’, começa esta segunda-feira. O júri popular é um dos mais esperados e a previsão que dure pelo menos duas semanas. Quem Leva I Ficou na estaca zero a conciliação proposta pelo STJD para definir o Amapazão 2012. Quem Leva II Dirigentes de Oratório e Santos reuniram e Ypiranga Clube ficou na mutuca. Aguarde! Papão da Amazônia I Paysandu derrota Icasa por 3x2 e está a um empate para ir à final da emergente Série C. Papão da Amazônia II Paysandu pode jogar em Macapá dia 10 de dezembro. A decisão sai esta quarta-feira. Zerão I Secretário do Desporto e Lazer, Rogério Salvador, lembra o novo prazo para reabertura. Zerão II Agora está prevista para fevereiro a reinauguração do estádio Milton de Souza Correa. Jogo das Faixas I Casa cheia no Engenhão para exaltar o tetra do Fluminense contra o Cruzeiro. Sem taça! Jogo das Faixas II Tiazona CBF não permitiu que a taça fosse entregue no campo. Que chatice, hein CBF!

Jogos Regionais do SESI I Chega ao final a bela competição que envolve esporte, amizade, saúde e empolgação. Jogos Regionais do SESI II Atletas do Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Roraima e Rondônia batalham pelo título. Brasileirão Atlético-MG x Atlético-GO, Portuguesa x Grêmio e Sport x Fogão agitam o domingo. Taekwondo I Rolou certame da melhor qualidade no colégio Sta Bartolomea. Comando de Jr Maciel. Taekwondo II Luta do infantil ao adulto mostrou ótimos atletas. Com lealdade, disciplina e técnica. Mundial de Futsal Decisão este domingo entre o campeão Brasil e a Espanha em sua quinta final seguida. Boxe I No período de 5 a 7 DEZ, Clube Nelson dos Anos disputa torneio na Guiana Francesa. Boxe II Vale lembrar, Nelson dos Anjos é um humilde vigilante. Com responsabilidade social! Atração Paulo Henrique Ganso estreia este domingo no São Paulo e atrai a massa ao Morumbi. Arena Show de Bola Escolinha do bairro Santa Rita passou por revitalização total e está um brinco. Confira! Você Sabia? Eliminatórias para 2014 fecham 2012 com 83 eliminados, mas 120 seleções ainda sonham vir ao mundial no Brasil. Restam 31 vagas e o Japão está com a mão na vaga.

to e Cleber Santana; Hernane e Vagner Love. Felipe, Léo Moura e Liédson estão lesionados e desfalcam o Flamengo. O goleiro sofreu uma entorse no tornozelo durante o empate com o Atlético-MG. Já o lateral direito está com dores na panturrilha direita. O atacante, por sua vez, sentiu um incômodo no joelho esquerdo – operado três vezes e deu lugar a Hernane momentos antes da partida contra o Náutico. Eliminado do perigo do rebaixamento, o Flamengo busca melhorar sua posição na tabela para chegar à Copa Sul-Americana-2013. Para a competição, classificaram os oito

melhores do Brasileiro, excluindo os times que estiverem nas oitavas de final da Copa do Brasil – será disputado simultaneamente. Todos os classificados para a Libertadores estarão automaticamente nas oitavas da Copa do Brasil e, portanto, não jogarão a Sul-Americana. O Flamengo volta a campo hoje, ás 17h, quando enfrentará o Palmeiras, no Raulino de Oliveira, em Volta Redonda. O Rubro-negro poderá rebaixar os paulistas, que confirmarão a queda em caso de derrota, independentemente do desempenho dos concorrentes diretos na rodada. (uol)

s medalhas de campeão e o troféu a ser entregue pela CBF podem não ser os únicos motivos de alegria para o torcedor do Fluminense neste domingo, no Engenhão. Provavelmente, os tricolores poderão festejar também o retorno de Deco ao time das Laranjeiras. O meia treinou entre os titulares nesta sexta e deve retornar à equipe para a “festa” contra o Cruzeiro neste fim de semana. Sem jogar há quase um mês por conta de um estiramento muscular na coxa direita, o jogador vinha participando de algumas atividades com o grupo desde a última semana, mas somente nesta sexta deu provas de que poderá ser aproveitado no duelo festivo de hoje. E o técnico Abel Braga se mostrou muito animado com a participação do meia luso-brasileiro. “O Deco está muito bem. Com treinamento que ele fez hoje qualquer treinador ficaria tranquilo. Ele foi muito bem e está recuperado. Ele só não jogou a partida que definiu o título, mas nós ainda estamos

jogando partidas do título. Ainda faltam três. Nós esperamos que ele esteja presente nesses três jogos, com sua categoria, com sua liderança, nos ajudando a conseguir vitórias”, disse o treinador. Enquanto Deco está de volta ao time, o lateral esquerdo Carlinhos não poderá jogar contra o Cruzeiro. O jogador cumprirá suspensão automática e dará lugar ao reserva Carleto, que treinou entre os titulares no coletivo desta sexta, na Escola de Educação Física do Exército, na Urca, zona sul do Rio de Janeiro. Sem outras maiores alterações, o técnico Abel Braga não quer saber de descanso após a conquista do título do Campeonato Brasileiro e irá manter a base do time que entrou em campo no último jogo. A tendência é que o comandante tricolor repita a formação testada nesta sexta e escale o time para o jogo de domingo com Diego Cavalieri; Bruno, Gum, Leandro Euzébio e Carleto; Edinho, Jean, Deco e Thiago Neves; Rafael Sóbis e Fred. (uol).

Tite se anima com recuperação de Emerson, mas confirma atacante no banco contra o Inter

O

técnico Tite informou que Emerson Sheik teria condições de atuar por 70 min e confirmou que o atacante começa a partida contra o Internacional na reserva, domingo, no Beira-Rio. A apresentação de Sheik no rachão desta sexta animou o treinador. O atacante marcou um belo gol na movimentação desta sexta. Ele ajeitou

a bola com a coxa e virou para o gol, acertando o ângulo. O rendimento do jogador deu a Tite a certeza de que terá seu principal atacante em plenas condições físicas para a estreia no Mundial de Clubes, dia 12 de dezembro, em Toyota. “Ele pode jogar por 70 min, está se recuperando bem. O campo mostrou que ele está bem para a

volta. Mas começará na reserva”. Emerson não atua desde outubro, quando sofreu estiramento no ligamento do joelho direito no duelo contra a Portuguesa, no Canindé. Paulinho e Fábio Santos participaram de amistoso da seleção brasileira nos Estados Unidos, contra a Colômbia, e estão relacionados para o jogo em Porto Alegre.

“Eles tiveram um bom tempo de recuperação. Se fosse muito próximo de um jogo, talvez não jogariam”. Jorge Henrique se recupera de lesão muscular e está fora da partida. O Corinthians enfrenta o Internacional com Cássio; Alessandro, Paulo André, Chicão e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Douglas e Danilo; Martínez e Guerrero. (uol).

Botafogo recupera lesionados, recebe selecionáveis e terá elenco completo

A

comissão técnica recebeu uma ótima na última sexta-feira. O Botafogo recuperou todos os jogadores lesionados – com exceções de Marcelo Mattos e Lucas Zen, que voltarão apenas em 2013. Renato, Andrezinho e Seedorf treinaram normalmente nesta manhã e estão confirmados. Além do trio, o Alvinegro recebeu Lodeiro e Jefferson, que defenderam suas seleções. Assim, o Glorioso terá o elenco completo para enfrentar o Sport, neste domingo. Assim, como ocorreu no treinamento da última quinta, Seedorf realizou

um aquecimento em separado e logo se juntou ao grupo no campo anexo do Engenhão. O jogador participou normalmente da atividade e está confirmado no time titular para o jogo deste domingo, contra o Sport. Após se recuperar de um estiramento na coxa direita, o camisa 10 ficou entre os suplentes diante da Portuguesa por não estar 100% fisicamente. Já Andrezinho e Renato se recuperaram mais recentemente. O meia sentiu dores musculares e desfalcou os dois primeiros treinamentos da semana. Na quarta, inclusive, o apoiador saiu bem cedo e deu a

entender que desfalcaria a equipe. Entretanto, o camisa 17 se recuperou e vai para o jogo. O volante, por sua vez, treinou pela primeira vez nessa semana com o restante do elenco. O jogador estava com dores na região lombar, o que não é uma novidade. Nesta temporada, o camisa 8 ficou de fora da equipe por um bom tempo por conta deste problema. Discussão entre Seedorf e Antônio Carlos Durante o coletivo, o que mais chamou a atenção não foi a volta de Renato ao time titular, mas a dis-

cussão entre Seedorf e Antônio Carlos. Da intermediária, o camisa 10 fez uma reclamação sobre o posicionamento do zagueiro, que não gostou e respondeu. Não é a primeira vez que o holandês cobra os companheiros dessa forma. Em Saquarema, o apoiador deu uma bronca em Márcio Azevedo por falta de vontade no treinamento, mas tudo voltou ao normal em seguida. A provável escalaçãod o Botafogo é: Jefferson; Lucas, Antônio Carlos, Dória e Márcio Azevedo; Gabriel, Renato, Seedorf, Andrezinho e Fellype Gabriel; Bruno Mendes.. (uol)


JD

Esporte

Macapá-AP, domingo e segunda, 18 e 19 de novembro de 2012

Falcão diz ter se acostumado com paralisia facial e aguarda Espanha: “chegou a hora”

A7

Em clima de estádio de futebol, Berdych bate Almagro e empata final da Davis

Camisa 12 da seleção ainda não está totalmente recuperado de uma paralisia do lado direito do rosto em decorrência do estresse vivido

Falcão durante controle de bola em jogo contra a Colômbia

D

iferentemente da partida da última quarta-feira, o ala Falcão não foi decisivo na vitória por 3 a 1 do Brasil pelas semifinais do Mundial de futsal. Entrou apenas no segundo tempo e jogou bem, mas sem show e gols. O camisa 12 da seleção ainda não está totalmente recuperado de uma paralisia do lado direito do ros-

to em decorrência do estresse vivido durante a recuperação de uma lesão na panturrilha esquerda logo no primeiro jogo. Na sexta, ainda era visível o problema. Mas o ala se diz melhor e já acostumado. “Incomoda menos, mas não sei se é porque já estou acostumado. Mas incomoda menos”, falou o jogador ao canal Sportv.

Segundo o médico da seleção brasileira, Mauro Martineli, o camisa 12 tem uma inflamação em um nervo da face. O tratamento tem sido feito, mas o processo de recuperação leva de três a quatro semanas, o que fará Falcão jogar com o rosto paralisado até a final do Mundial, no domingo. Logo após a vitória, Falcão disse que agora che-

gou a hora do tão esperado duelo contra a Espanha. “Agora é pensar na Espanha, era o duelo que todo mundo esperava e que faltava alguma coisa antes para os dois chegarem. Chegou a hora. É o jogo de nossas vidas. É descansar bastante”, falou. “Os dois times tem números impressionantes. Nos últimos dez confrontos, nenhum venceu o outro por mais de um gol de diferença. São dois times que se conhecem bastante. Vai ser um jogo de detalhes e espero que esses detalhas pendam para o Brasil.” Donos da maior rivalidade mundial, Brasil e Espanha se encontraram em semifinal ou final nos últimos quatro Mundiais de futsal. Cada um levantou vantagem duas vezes. Em 1996, em Barcelona, o Brasil venceu os donos da casa na decisão e saiu campeão. Quatro anos mais tarde, na Guatemala, os espanhóis deram o troco na decisão. Em 2004, na Tailândia, vitória espanhola nas semifinais, na decisão por pênaltis. Na final de 2008, no Rio, o Brasil venceu nos pênaltis a final e saiu campeão. A Espanha se classificou ao marcar 4 a 1 na Itália. (espn.com)

Em noite de homenagem a ídolo, Lakers voltam a vencer; cai último invicto da temporada

E

m dia em que inaugurou uma estátua de bronze no ginásio Staples center para homenagear um dos maiores ídolos da história da franquia e da NBA, o Los Angeles Lakers voltou a vencer e segue se recuperando de um péssimo começo de temporada. Na noite desta sexta-feira, a vítima foi o Phoenix Suns, derrotados por 114 a 102. O ex-pivô Kareem Abdul-Jabbar, que recentemente visitou o Brasil, ganhou uma estátua em cerimônia realizada antes da partida. Apesar de normalmente estar com cara séria, Jabbar esteve claramente emocionado durante a cerimônia. O principal convidado ao seu lado foi Magic Johnson, com o qual conquistou cinco títulos da NBA pelos Lakers. A estátua representa Jabbar em uma de suas jogadas características: o gancho, arremesso o qual consagrou. Em quadra, os Lakers não decepcionaram seus maio-

Kareem Abdul-Jabbar foi homenageado com uma estátua de bronze no Staples Center

res ídolos e venceram sem muitas dificuldades: venceram três dos quatro períodos do jogo. Kobe Bryant foi o cestinha, com 31 pontos, além de 6 assistências. Não muito afeito a grandes pon-

tuações, Metta World Peace também teve boa noite, com 22 pontos. Pelo lados dos Suns, nem a boa atuação do argentino Luís Scola foi suficiente: o carrasco da seleção brasileira fez 18 pontos e pe-

gou 8 rebotes. Steve Nash, com uma contusão na perna esquerda, ficou de fora e, de acordo com a franquia, perderá, no mínimo, os próximos cinco compromissos dos Lakers.. (uol)

Berdych saca na vitória sobre Almagro no segundo jogo da final da Davis 2012

S

e o jogo entre David Ferrer e Radek Stepanek ficou marcado pela dificuldade dos jogadores em confirmar quebras de serviço, a segunda partida da final da Copa Davis, entre Tomas Berdych e Nicolás Almagro, contou com maior eficiência dos dois tenistas e, principalmente, muita torcida nas arquibancadas. Tchecos e espanhóis se dividiram nas cadeiras da Arena O2 em Praga e tiveram papel fundamental no segundo duelo desta sexta-feira, seja pressionando ou animando os dois atletas. No final das contas, a torcida local foi quem fez melhor sua parte. Berdych venceu Almagro por 3 sets a 2 (63, 3-6, 6-3, 6-7 e 6-3) e empatou a série em 1 a 1, obrigando o confronto a só se decidir no domingo. O duelo de duplas de amanhã ainda está envolto em mistério. Marc López e Marcel Granollers serão os representantes da Espanha, mas a parceria da República Tcheca deve ser modificada. Ivo Minar e Lukas Rosol são os inscritos, mas ao que tudo indica, os donos da casa devem colocar em quadra a dupla Stepanek/Berdych, que tem a invejável marca de 11 vitórias e apenas 1 derrota na Davis. O jogo Considerado o favorito para o segundo confronto de hoje, Berdych confirmou sua condição no primeiro set, com golpes mais eficientes do que os de Almagro e aproveitamento integral no segundo saque. Os dois tenistas trocaram pontos de maneira equilibrada até que o tcheco conseguiu a quebra em uma bela bola cruzada no oitavo game. Depois, bastou confirmar o serviço e fazer 6-3. O domínio de Berdych

não se repetiu no segundo set. Sacando melhor e contra-atacando com mais eficiência, Almagro conseguiu uma quebra no sexto game e abriu 5-2 logo em seguida, ao confirmar seu serviço. O tcheco tentou uma recuperação, mas o espanhol não deu chances e fechou com 6-3, empatando a partida. Almagro bem que tentou manter o ritmo forte da parcial anterior no terceiro set, mas foi Berdych quem se reabilitou em quadra. Embalado pelo grande barulho da torcida tcheca e também pelo descontrole do rival com algumas marcações da arbitragem, o número 6 do mundo conseguiu uma quebra no segundo game e abriu 3-0 no serviço seguinte, retomando o domínio do jogo. Administrando a boa vantagem, fechou com 6-3. No quarto set Berdych perdeu um pouco a tranquilidade, mesmo com o apoio da torcida tcheca e Almagro aproveitou, oferecendo grande resistência e levando o set para o tie-break. Com muita vontade e bom saque, o espanhol contou com a barulhenta torcida espanhola e venceu a etapa por 7 a 6. Almagro manteve o bom desempenho para o quinto set, mantendo o jogo intenso e muito disputado. Logo no primeiro game da parcial os atletas demoraram mais de 10 minutos para chegar a uma definição. Berdych acabou vencendo o game, mas nem por isso teve vida fácil no set. Foram três quebras de saque na parcial, uma para Almagro e outras duas para Berdych, que não se deixou abalar, mostrou porque era o favorito para a partida e venceu o set por 6 a 3 e o jogo por 3 sets a 2. (uol).

Nelsinho ganha prêmio na Nascar Truck Series por maior número de poles no ano

N

elsinho Piquet ganhou o do Keystone Light Pole Award da Nascar Truck Series em 2012, prêmio dado ao piloto que faz o maior número de poles na temporada. O brasileiro, que saiu da primeira fila em oito oportunidades das 22 provas neste ano, é o primeiro estrangeiro (não-norte-americano) a conseguir o feito. O ex-piloto da Fórmula 1 poderia ter conquistado uma marca ainda mais expressiva, mas conseguiu apenas o quarto melhor tempo no oval de 1,5 milha de Miami, a última prova da

temporada. “Claro que ganhar o prêmio com a pole aqui seria mais gostoso, mas obviamente estou muito feliz. Esse troféu é mais uma prova de que estamos aqui para lutar por vitórias, no caminho certo”, disse o brasileiro do Chevrolet Silverado #30; “O que me deixa mais satisfeito é que fiz as poles em lugares onde realmente é necessário trabalhar na pilotagem e não em pistas de 1,5 milha com a volta toda de pé cravado, onde o que mais faz a diferença é um bom motor”, completou Nelsinho, que ganhou um troféu e um

prêmio de 25 mil dólares pela marca. Apesar disso, ele não tem chances de título na competição. Veja os dez primeiros do grid para a prova de Miami: 1. Parker Kligerman 31s986 2. Kyle Larson 31s986 3. Ty Dillon 32s020 4. Nelson Piquet Jr. 32s066 5. Cale Gale 32s125 6. Kyle Busch 32s156 7. Miguel Paludo 32s185 8. Ron Hornaday 32s211 9. Matt Crafton 32s219 10. Johnny Sauter 32s246. (uol)

Nelsinho Piquet ganhou um troféu e 25 mil dólares pelo feito


JD

Amazontech 2012

Social

Macapá-AP, domingo e segunda, 18 e 19 de novembro de 2012

A8

Autoridades políticas e empresariais se uniram ao público visitante e prestigiaram o maior evento de sustentabilidade da Amazônia Legal – Amazontech, que aconteceu no período de 13 a 17 de novembro, no Complexo Meio do Mundo, em Macapá, abrangendo o Monumento Marco Zero do Equador, Escola Sambódromo de Artes Populares e Cidade do Samba. O Amazontech foi uma realização do Serviço de Apoio as Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Governo do Estado do Amapá (GEA), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Universidade Federal do Amapá (Unifap).

Diretora técnica do Sebrae no Amapá, Ana Dalva Ferreira, chefe geral da Embrapa Amapá Silas Mochiutti, secretário de Ciência e Tecnologia do Estado do Amapá Antônio Claudio de Carvalho, senador do Amapá João Alberto Capiberipe, presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae no Amapá Alfeu Dantas Junior, diretor presidente do Sebrae Nacional Luiz Barretto, vice-governadora do Amapá Dora Nascimento, governador do Estado do Amapá Camilo Capiberipe, presidente do Conselho Deliberativo Nacional do Sebrae Roberto Simões, diretor executivo de transferência tecnologia da Embrapa Waldyr Stumpf Junior, presidente do Tribunal de Justiça do Amapá Mário Gutyev , deputado Federal Evandro Milhomem, reitor da Universidade Federal do Amapá João Carlos Tavares, diretor superintendente do Sebrae no Amapá João Carlos Alvarenga e o diretor de Administração e Finanças do Sebrae no Amapá Waldeir Ribeiro.

Presidente da Federação da Agricultura do Amapá Iraçu Colares, diretor presidente do Sebrae Nacional Luiz Barretto, presidente da Federação do Comércio do Amapá Ladislao Monte, presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae no Amapá Alfeu Dantas Junior, presidente do Conselho Deliberativo Nacional do Sebrae Roberto Simões, diretor de Administração e Finanças do Sebrae no Amapá Waldeir Ribeiro, presidente do Sindgeneros Ari Silva, presidente da Associação Comercial e Industria do Amapá Ricardo Souza, reitor da Universidade Federal do Amapá José Carlos Tavares e o vice-presidente da Federação das Industrias Roberto Luiz.

Presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae no Amapá, Alfeu Dantas Junior, diretor superintendente do Sebrae no Amapá João Carlos Alvarenga, deputado Federal Bala Rocha, vice-governadora do Amapá Dora Nascimento, deputada federal Dalva Figueiredo, senador Randolfe Rodrigues, diretora técnica do Sebrae no Amapá Ana Dalva Ferreira, deputado federal Evandro Milhomem e o consultor do Amazontech Alexandre Henklain.

Senador do Amapá João Alberto Capiberipe, presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae no Amapá Alfeu Dantas Junior, governador do Estado do Amapá Camilo Capiberipe, , diretor superintendente do Sebrae no Amapá João Carlos Alvarenga e o diretor de Administração e Finanças do Sebrae no Amapá Waldeir Ribeiro. Diretor de Administração e Finanças do Sebrae no Amapá, Waldeir Ribeiro, diretor executivo de transferência tecnologia da Embrapa Waldyr Stumpf Junior, diretora técnica do Sebrae no Amapá Ana Dalva Ferreira, chefe geral da Embrapa Amapá Silas Mochiutti, governador do Estado do Amapá Camilo Capiberipe, presidente do Tribunal de Justiça do Amapá Mário Gutyev, presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae no Amapá Alfeu Dantas Junior, diretor superintendente do Sebrae no Amapá João Carlos Alvarenga e o prefeito eleito de Macapá Clécio Vieira.

Os conselheiros do Sebrae no Amapá, Julio Texeira, Francisco Rocha, Natanildo Neves, Rosélio Furst, Fabricius Alves, Manoel Luiz, Socorro Oliveira, presidente do Conselho Deliberativo Nacional do Sebrae Roberto Simões, presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae no Amapá Alfeu Dantas Junior, presidente da Federação da Agricultura Iraçu Colares, vice-presidente da Federação das Industrias Roberto Luiz, conselheiros Mateus Nascimento, Newton de Castro, André Luiz, diretor superintendente do Sebrae no Amapá João Carlos Alvarenga e o conselheiro Pedro Creão.

Assessor do Conselho Deliberativo do Sebrae no Amapá, Arthur Sotão, consultor do Amazontech Alexandre Henklain, diretor de Administração e Finanças do Sebrae no Amapá Waldeir Ribeiro, chefe geral da Embrapa Amapá Silas Mochiutti e o diretor superintendente do Sebrae no Amapá João Carlos Alvarenga. Diretor de Administração e Finanças do Sebrae no Amapá, Waldeir Ribeiro, diretora técnica do Sebrae no Amapá Ana Dalva Ferreira, diretor presidente do Sebrae Nacional Luiz Barretto, presidente do Tribunal de Justiça do Amapá Mário Gutyev, diretor superintendente do Sebrae no Amapá João Carlos Alvarenga e o deputado Federal Evandro Milhomem.

Assessor do Conselho Deliberativo do Sebrae no Amapá, Arthur Sotão, diretor superintendente do Sebrae no Amapá João Carlos Alvarenga, presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae no Amapá Alfeu Dantas Junior, presidente do Conselho Deliberativo Nacional do Sebrae Roberto Simões, presidente da Federação da Agricultura Iraçu Colares e o conselheiro do Sebrae no Amapá Júlio Texeira.

Secretário de Cultura do Estado do Amapá, Zé Miguel, conselheiro do Sebrae no Amapá Marcos Antônio, presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae no Amapá, Alfeu Dantas Junior, vice-governadora Dora Nascimento, deputado Federal Bala Rocha e o secretário de Infraestrutura do Estado do Amapá Joel Banha.

O secretário de Infraestrutura do Estado do Amapá, Joel Banha, diretor Regional da Caixa Fabricius Alves, conselheira do Sebrae no Amapá Maria Celeste, presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae no Amapá Alfeu Dantas Junior, vice-governadora Dora Nascimento, deputada Federal Dalva Figueiredo, senador do Amapá Randolfe Rodrigues, deputado Federal Bala Rocha, secretário de Cultura do Estado do Amapá Zé Miguel, deputada Federal Fátima Pelaes e a diretora técnica do Sebrae no Amapá Ana Dalva Ferreira.

Presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae no Amapá, Alfeu Dantas Junior, senador do Amapá Randolfe Rodrigues, deputado Federal Bala Rocha, deputada Federal Dalva Figueiredo, diretor superintendente do Sebrae no Amapá João Carlos Alvarenga, vice-governadora Dora Nascimento, deputado Federal Evandro Milhomem, chefe geral da Embrapa Amapá Silas Mochiutti, deputada Federal Fátima Pelaes e a diretora técnica do Sebrae no Amapá Ana Dalva Ferreira.)

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional do Sebrae, Roberto Simões, diretor presidente do Sebrae Nacional Luiz Barretto e o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae no Amapá Alfeu Dantas Junior. Presidente do Conselho Deliberativo Nacional do Sebrae, Roberto Simões, presidente do Tribunal de Justiça do Amapá Mário Gutyev , presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae no Amapá, Alfeu Dantas Junior e o deputado Federal Evandro Milhomem.

A diretora técnica do Sebrae no Amapá, Ana Dalva Ferreira e a deputada federal Dalva Figueiredo.

Diretor de Administração e Finanças do Sebrae no Amapá, Waldeir Ribeiro, presidente da Assembleia Legislativa Junior Favacho e esposa, deputado Charles Marques com o filho e a esposa D’Arc Marques e o diretor superintendente do Sebrae no Amapá João Carlos Alvarenga.

Técnica do Sebrae no Amapá, Ana Dalva Ferreira, ladeada pelo secretário de Infraestrutura do Estado do Amapá Joel Banha e a vice-governadora Dora Nascimento.

Secretário de Infraestrutura do Estado do Amapá, Joel Banha, deputado estadual do Amapá Bruno Mineiro, vice-governadora Dora Nascimento e a primeira dama do Estado do Amapá Claudia Capiberibe.


CadernoB

DiaDia

Editor: Túlio Pantoja - tuliopantoja@jdia.com.br

Macapá-AP, domingo e segunda, 18 e 19 de novembro de 2012

Baixa do Rio Tartarugalzinho prejudica abastecimento de água no município Parlamentares buscam em Brasília solução para a população e criadores de gado que padecem com o fenômeno REPORTAGEM

U

m fenômeno inédito esta acontecendo em Tartarugalzinho. O rio do município está seco, inviabilizando o bombeamento de água pelo sistema de tratamento da Caesa que abastece os habitantes. A situação é gravíssima, já que a bomba que faz a captação está com problemas. O forte verão que castiga o Estado foi o que levou à baixa do rio que hoje mais parece com um córrego. A solução seria a construção de um outro sistema de captação em Tartarugal Grande que tem algumas bem profundas e mesmo na estiagem não ocorreria o problema. O deputado estadual Bruno Mineiro, preocupado com o drama do abastecimento de água que vive o município esteve junto a Funasa buscando alternativas. “A baixa do rio é muito preocupante e não há uma solução em curto prazo. É preciso ur-

gente que a Caesa construa uma nova adutora vindo de Tartarugal Grande, so assim evitaríamos o transtorno que agora vemos. Estive em contato com a Caesa e Funasa, o coordenador local José Roberto Galvão, somou forças conosco e já conseguimos em Brasília três milhões para a construção deste novo sistema. Os recursos serão alocados da Funasa Nacional para a Caesa”, disse o deputado. Se a chuva não chegar, a alternativa paliativa será abastecer a população com carros pipas. Alguns desses veículos já estão em atividade no município. Outro grave problema e que reforça a necessidade de uma nova central de captação de água no município, é que existem muitas residências as margens do Rio que jogam esgotos contaminando a água. Dessa forma, a situação do abastecimento no município é grave e precisa de intervenção urgente.

DIVULGAÇÃO

O deputado estadual Bruno Mineiro, preocupado com o drama do abastecimento de água que vive o município esteve junto a Funasa buscando alternativas.

Projeto que ajuda moradores de rua comemora um ano

Idealizado e realizado pela Igreja Batista Memorial (IBM), o Projeto tem por objetivo oferecer companhia, comida e pregar o Evangelho de Cristo para aquelas pessoas que vivem ao relento.

GABRIEL FAGUNDES DA REPORTAGEM

I

nicialmente chamado de “Sopa Amiga”, quando apenas três pessoas de uma célula (grupo formado por membros de uma congregação, uma ramificação da Igreja)reuniam-se e iam às ruas levar a Palavra de Deus para os moradores de rua, o Projeto Resgate comemorou seu primeiro ano de aniversário na manhã de sábado (17). Na data, membros do Projeto e moradores de rua resgatados fizeram uma caminhada desde o Teatro das Bacabeiras até o Parque do Forte. No decorrer do trajeto, carros de som pregavam o Evangelho e davam detalhes sobre o Resgate, além de convidar pessoas a participarem e serem voluntárias e de anunciar os atuais parceiros da iniciativa – e tudo dentro da legalidade: a coordenação buscou a permissão de órgãos como a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SEMAM) e ajuda da Companhia de Trânsito e Transporte de Macapá (CTMac) para fazerem o acompanhamento da caminhada co-

memorativa. O resgate e seus frutos Idealizado e realizado pela Igreja Batista Memorial (IBM), o Projeto tem por objetivo oferecer companhia, comida e pregar o Evangelho de Cristo para aquelas pessoas que vivem ao relento, muitas das quais são usuárias de drogas, alcoólatras ou possuem algum tipo de deficiência mental. Nas palavras de Paulo Melo, coordenador do Projeto Resgate, o que os membros da Igreja fazem através do Projeto é o cumprimento da Palavra e dos mandamentos de Deus. “Isso é amar ao próximo. Estamos cumprindo com o mandamento que diz ‘Ide, e pregai o evangelho a toda criatura’”, conta. Patrocinio O Resgate tem hoje um total de 28 empresas que patrocinam e são parceiras do Projeto. Segundo o coordenadorPaulo Melo, hoje cerca de 30 pessoas da IBM compõem o Resgate. “Ainda somos um grupo pequeno, mas que pela graça de Deus temos conseguido perseverar e continuar com o Projeto.

Não é fácil, afinal, temos que acordar cedo e preparar tudo, muitas vezes não dormimos – tudo para o bem do nosso próximo”, detalha.O Resgate ocorre todas as terças-feiras, com duas etapas: concentração na IBMàs 21 horas e, posteriormente, às 22 horas ao lado do Teatro das Bacabeiras – local foco do Projeto onde concentram-se grande número de moradores de rua. Também segundo o coordenador, cinco moradores de rua compõem o grupo de resgatados, aquelas pessoas que deixaram as ruas e passaram a freqüentar a Igreja. “É importante ressaltar que, além da ação realizada todas as terças-feiras, o Resgate tem a preocupação de também dar assistência às famílias dos moradores de rua e, para isso, tem parceria com instituições como o Lírio dos Vales, local que abriga e trata dependentes químicos e alcoólicos. Para lá acompanhamos aqueles que decidem deixar a vida nas ruas”, relata. Um exemplo vivo de resgatado é o jovem Edilson dos Santos de Vilhena. Longe das ruas há um ano, Edilson conta que o Resgate transformou sua vida. “Eu morava na rua, onde várias coisas ruins nos cercam. Graças a Deus tive a oportunidade de receber a visita dos irmãos do Resgate e hoje tenho uma vida completamente nova”. Edilson é membro da IBM e atualmente tem dois empregos. Ficou interessado no Projeto Resgate e tem interesse em participar? Basta visitar a Igreja Batista Memorial na terça-feira, às 21 horas, ou ir direto ao Teatro das Bacabeiras, às 22 horas. O coordenador orienta: “Indicamos que é melhor que quem quiser ser voluntário primeiro vá a Igreja para receber mais orientações acerca do Projeto. Estamos de braços abertos”, finaliza.

Funasa faz mapeamento do saneamento no Bailique

O esgotamento sanitário é inexistente em todas as comunidades visitadas. A população, em sua maioria, utiliza as fossas negras, devido ao lençol freático aflorante

C

om o objetivo de sanear as comunidades ribeirinhas e assentadas, a Superintendência Estadual da Funasa no estado do Amapá (Suest/AP), por meio da Divisão de Engenharia de Saúde Pública (Diesp), realizou, no período de 8 a 17 de outubro, o diagnóstico técnico participativo, referente ao saneamento básico e ambiental na Ilha do Brigue, localizada no Arquipélago do Bailique, a 180 quilômetros da capital do estado do Amapá. O percurso foi realizado via fluvial, em 12 horas de barco, inclusive com o perfil epidemiológico que servirá de justificativa para implantação de futuras ações de saneamento. O coordenador regional da Funasa no Amapá, José Roberto Galvão, acredita que a ação vai abrir caminhos para a implentação de projetos de seneamento dessas comunidades. “São Regiões isoladas e muito carente,por isso estamos dando o ponta pé inicial’disse o coordenador. Aquipelago A Ilha do Brigue é composta de cinco comuni-

dades: Macedônia, Jaranduba, Bom Jardim II, Nossa Senhora de Aparecida e Igarapé do Meio. Sendo que apenas Macedônia possui um sistema de abastecimento de água, operado pela companhia estadual, e as demais se utilizam de água bruta do rio.

água; esgotamento sanitário (sistema estático) através da instalação de módulos sanitários em fibra de vidro com fossas e filtro anaeróbico, bem como resíduos sólidos, através da instalação de lixeiras e construção de valas sépticas para o destino final.

Sem saneamento O esgotamento sanitário é inexistente em todas as comunidades visitadas. A população, em sua maioria, utiliza as fossas negras, devido ao lençol freático aflorante. Quanto aos resíduos sólidos, uma parte da população utiliza a queima, enquanto outros jogam a céu aberto nas proximidades das suas casas.Reservatório de água sem tratamento: problemas começam a ser tratados pela Funasa Reginaldo de Souza Picanço, técnico do Diesp que coordenou a equipe responsável pelo diagnóstico, idealizou para as referidas comunidades as ações denominadas de Projeto de Saneamento Ambiental – Bailique Saudável: saneamento como inclusão social, composto de soluções alternativas de abastecimento de

Ajuda local A sustentabilidade das ações se dará através da efetivação de um contrato de gestão, por meio da iniciativa dos próprios moradores da Ilha, representados pela Associação dos Produtores Agroextrativistas da Ilha do Brigue (Apaib), tendo Elias Barbosa Vilhena como presidente. A repercussão positiva virá com a melhoria da qualidade de vida da população ribeirinha da citada ilha, assim como por meio da avaliação de todo o processo. Para a diminuição de doenças nessas comunidades, serão necessárias três ações: abastecimento de água potável; comportamento eficaz na área de higiene; e eliminação segura dos dejetos humanos (saneamento). (Funasa)


Geral

JD

Macapá-AP, domingo e segunda, 18 e 19 de novembro de 2012

B2

Editor: Túlio Pantoja- tuliopantoja@jdia.com.br

Amazontech 2012: surge um novo ma

Iniciativa propôs o uso de tecnologias visando o desenvolvimento através da ciência, ANDREZA SANCHES DA REPORTAGEM

F

oram mais de 150 cursos ofertados, 14 restaurantes participantes, mais de 120 expositores, quatro mil vagas ocupadas na rede hoteleira, mais de 20 mil visitantes, além de uma vasta rodada de negócios e geração de emprego e renda, esses são alguns resultados parciais da 8ª edição do Amazontech 2012. Com foco na discussão de um modelo de desenvolvimento sustentável para a Amazônia, o evento foi considerado um marco na história do Estado. A assinatura da “Carta do Amapá” deve mudar a trajetória econômica da região a partir de 2013. A iniciativa que surgiu há mais de dez anos no estado de Roraima com a parceria de unidades do Sebrae, Embrapa e universidades, já passou pelo Acre, Amazonas, Mato Grosso, Maranhão e Tocantins. A necessidade de aliar a construção de novos modelos de desenvolvimento da Amazônia Legal à tecnologia

inovadora chegou ao Amapá e buscou oportunizar pequenos negócios, proporcionando discussões a cerca da promoção de um desenvolvimento sustentável. A meta foi lançar estratégias, ações e políticas coletivas de responsabilidade sócio-ambiental através de palestras, oficinas, exposições e fóruns, visando reconhecer o potencial produtivo, despertar o interesse econômico e gerar negócios sustentáveis que alcancem lugar no mercado, contribuindo com a circulação da economia local, resultado das soluções para o desenvolvimento econômico sustentável da região. O superintendente do Sebrae Amapá, João Carlos Alvarenga, avaliou positivamente o evento e atribuiu o sucesso ao planejamento e organização, estratégias traçadas entre os parceiros Sebrae, Governo do Estado, Embrapa e Universidade Federal do Amapá. “Este ano o planejamento foi o diferencial. Os estados tiveram a oportunidade de reunir com a sociedade civil organizada e coletar

um material, que foi encaminhado ao Amapá, para que os parceiros do evento pudessem organizar as idéias e colocar em prática” disse o superintendente reforçando que a parceria foi fundamental. A realização de encontros que envolvessem a participação de políticos foi outro fator destacado pelo superintendente. Para Alvarenga, é fundamental que os parlamentares tomem conhecimento dos avanços e problemas que a região ainda enfrenta. “A Carta do Amapá reúne todos os assuntos abordados e debatidos durante o evento e será encaminhada às autoridades, para que as discussões levantadas comecem a ter andamento. O encontro com os políticos, foiuma forma de abrir portas para que os problemas sejam resolvidos e estamos certos de que teremos o apoio necessário”, acrescentou. Por outro lado, Carlos Alvarenga reforçou a credibilidade do SebraeAmapá junto a sociedade, classe empresarial e os mais segmentos partici-

Encontro de gestores de turismo sela pacto entre Estados da Amazônia

O

Encontro dos Gestores de Turismo da Amazônia Legal, sediado no monumento Marco zero do Equador como parte do cronograma de ações do Amazontech 2012, resultou em um pacto de integração acerca do turismo náutico entre os estados do Amapá, do Pará e do Amazonas. O Projeto de Turismo Naútico Integrado na Amazônia apresentado durante o encontro foi referendado, e isso significa que, a partir desse acordo selado, os três estados trabalharão de forma conjunta. Assim, exercendo um papel fundamental na captação de transatlânticos para aportar nas regiões e também na fomentação do produto amazônida, inclusive na elaboração de material promocional e na montagem do roteiro interligado. Um dos fatores que facilitaram esse acordo foi a discussão com tema central sobre os “Transportes na Amazônia Legal como instrumento de Desen-

volvimento Regional”, onde foram abordados demandas, gargalos e possibilidades com relação ao transporte da Amazônia, no modal aquaviário, aeroviário e rodoviário, no sentido de desenvolver, fomentar e fortalecer o turismo na região amazônica. Segundo o titular da Secretaria de Turismo, Sandro Bello, na Amazônia, nessa temporada de transatlânticos, existe a previsão de receber trinta mil turistas do turismo náutico. “Ainda é pouco comparado aos números da região do Caribe, porém a Amazônia tem um enorme potencial turístico, sendo a terceira marca mais conhecida no mundo. Nós temos uma riqueza nas mãos que irá receber todo incremento necessário para que esse segmento cresça”, afirmou. Ainda de acordo com o secretário da Setur, no mês de outubro o transatlântico “Amadea”, que estava previsto para aportar no Porto de Santana, não pôde atracar por uma

questão de maior entendimento entre a empresa que operava a embarcação e os órgãos portuários. “Apesar de não ter acontecido o desembarque como esperávamos, através desse encontro conseguimos pontuar algumas questões e chegar a um consenso. O representante da Marinha do Brasil falou da possibilidade de aporte de embarque e desembarque nas duas marés lançantes no mesmo dia. E no próximo dia 7 de dezembro já está confirmado um aporte no Porto de Santana do navio transatlântico “Princeda”, com cerca de um mil turistas americanos”, comemorou. Com o pacto firmado entre os estados, o Governo do Amapá dará continuidade às inúmeras ações do plano de gestão que proporcionou a revitalização do bondinho, Museu Sacaca, Biblioteca Pública Elcy Lacerda, Monumento Marco Zero, entre outros, espaços esses que fazem sucesso com os turistas, fomentando a economia local. (Seicom)

DIVULGAÇÃO

Encontro contou com a presença de vários representantes de outros estados da Amazônia.

Alunos do Centro Raimundo Nonato confeccionam vassoura de garrafas pet

D

urante a Feira Estadual de Ciência, Tecnologia e Educação (Fecte), o estande em que estavam expostos os trabalhos dos alunos do Centro Educacional Raimundo Nonato Dias Rodrigues (CERNDR) foi destaque. Os adolescentes que são portadores de deficiência ou Transtorno Global do Desenvolvimento (TGD) ensinaram a fabricar vassouras de garrafas pet. Segundo a professora responsável pelas pelo projeto, Neida Cordovil, o objetivo é desenvolver as habilidades e aptidões dos educandos com deficiências, a partir de 14 anos, visando a integração social e inserção no

mercado de trabalho. “Hoje, nós fabricamos cerca de 20 vassouras por semana, e esses produtos são comercializados no próprio centro, ao valor de R$ 6,00. É um produto feito de forma artesanal, sendo que as máquinas utilizadas no processo foram fabricadas pelos professores e alunos”, disse. Organização A professora explica ainda que cada aluno tem uma deficiência diferente, cada um fica responsável por uma parte do processo de confecção das vassouras. O centro tem a missão de oferecer atendimento educacional especializado e clínico educacional

para alunos com Transtorno Global do Desenvolvimento, garantindo-lhes a permanência na escola regular, habilitando-os para o exercício da cidadania e inserção na sociedade. Transtorno global Os Transtornos Globais do Desenvolvimento são distúrbios nas interações sociais recíprocas que costumam manifestar-se nos primeiros cinco anos de vida. Caracterizam-se pelos padrões de comunicação estereotipados e repetitivos, assim como pelo estreitamento nos interesses e nas atividades. Os TGD englobam os diferentes transtornos do

espectro autista, as psicoses infantis, a Síndrome de Asperger, a Síndrome de Kanner e a Síndrome de Rett. Crianças Com relação à interação social, crianças com TGD apresentam dificuldades em iniciar e manter uma conversa. Algumas evitam o contato visual e demonstram aversão ao toque do outro, mantendo-se isoladas. Podem estabelecer contato por meio de comportamentos não-verbais e, ao brincar, preferem ater-se a objetos no lugar de movimentos junto das demais crianças. Ações repetitivas são bastante comuns.

DIVULGAÇÃO

É um produto feito de forma artesanal, sendo que as máquinas utilizadas no processo foram fabricadas pelos professores e alunos


Geral

JD

Macapá-AP, domingo e segunda, 18 e 19 de novembro de 2012

B3

Editor: Túlio Pantoja- tuliopantoja@jdia.com.br

arco no desenvolvimento do Amapá

, em busca da melhor utilização dos recursos naturais da Amazônia pantes do evento, uma vez que o órgão pôde expor o trabalho prestado à comunidade amapaense, exemplo, foi a capacidade de organização do evento. “Acredito que agora existe o Amapá antes e depois do Amazontech. O evento foi um marco para o desenvolvimento do Estado” concluiu Carlos Alvarenga, superintendente do Sebrae Amapá. Relação comercial Durante o Amazontech 2012, a Rodada de Negócios buscou apresentarsaídas tecnológicas geradoras de mercado para negócios sustentáveis de alto valor agregado. A estimativa era que o Amazontech 2012 tenha movimentadomais de R$ 2 milhões durante a rodada de negócios promovida pelo Sebrae, resultado da participação de mais de 70 empresários, mais de 50 artesãos da Amazônia Legal, em mais de 200 reuniões entro do Amazontech 2012,contribuíram com a parceria firmada com estados como Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro. As relações comerciais,

com base em encontros internacionais e nacionais da classe empresarial também permitiram a troca de experiências e informação,sobretudo, a discussão de soluções para garantir a proximidade e relação comercial. Com a expectativa de superar o valor gerado em 2011 com parcerias internacionais com o Suriname e a Guiana Francesa, o evento foi a oportunidade para que empresas disponíveis em investir no Amapá mas conhecessem o potencial da região. Para se ter ideia da proporção, a Associação do Comércio e Industria do Amapá (ACIA) reuniu com empresários da Guiana Francesa para debater sobre as expectativas para o comércio com a proximidade das regiões a partir da Ponte Binacional. O estado de Rondônia também esteve interessado na logística do Amapá a fim de estreitar as relações. Para o presidente da ACIA, Ricardo Souza, é preciso avançar no que se refere à logística da região amapaense, para que haja ainda mai inves-

timentos e incentivos. “Foram discussões pertinentes a questão do transporte a partir do Porto de Santana, com base nas características de transporte para que alcançar melhorias na logística. Atualmente 99% do consumo no Estado é importado e pouco ainda é produzido no Amapá. Precisamos tratar sobre essa logística para alavancar a economia amapaense” disse o presidente. A reunião reforçou o que foi discutido durante encontro entre Brasil/Guiana/Suriname em julho deste ano, cuja integração regional entre os três países, debateu a cooperação econômica, transporte, barreiras alfandegárias, integração regional, e energia com meta em atrair investidores. Setor Produtivo O projeto Pirarucu foi tema de exposição no Amazontech e um dos focos dos visitantes durante o evento. Exemplo claro da produtividade amapaense,o projeto coordenado pelo Sebrae oportunizou a comunida-

de conhecer as técnicas e tecnologias utilizadas na criação do peixe, um das fontes de renda da região. As exposições da espécie que atualmente encontra-se ameaçada, também foram vistas nos estágios alevinos, juvenis e ainda preparados para abate. O objetivo era apresentaro grande potencial existente no mercado nacional einternacional e acabou se tornando o atrativo no que se refere ao setor produtivo da região. Para o representante da Aquicultura no Amapá, Emanoel Brito, o evento favoreceu o surgimento de novos empreendedores, bem como novas fórmulas de produção. A expectativa é que o Estado consiga baratear o custo produção, alcançando resultados positivos para compra do produto no estado. “A exposição funcionou como alternativa para grupos que pretendem iniciar a produção. O espaço atraiu o interesse da comunidade e fez que todos pudessem conhecer um pouco mais sobre a produção de pescado

na região” acrescentou Emanoel Brito que também atuou como palestrante durante Amazontech 2012. O Projeto Pirarucu contempla ainda os estados do Acre, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins, atuando na área de inovação e tecnologia da produção de pescado. O Governo investiu R$ 1 milhão no Amazontech, considerado maior incentivo já destinado ao evento em receptivo, fóruns de secretários de Ciência e Tecnologia e de Meio Ambiente, reformas, palestras e debates. Algumas das propostas contidas na Carta do Amapá Integração entre os Estados da Amazônia Legal; Integração de turismo náutico para se trabalhar de forma conjunta; Reivindicações para a Comissão de Turismo e Desporto da Câmara Federal, Senado, Assembleias Legislativas e Câmaras de Vereadores com relação às questões específicas de transportes aéreo, rodoviário e náutico.

Artista plástico ganha destaque por trabalhos apresentados

O

maior evento de sustentabilidade da Amazônia Legal, Amazontech, se confirma como um espaço de negócios para todos os setores de pequeno e médio porte. O artista plástico Herivelton Maciel é prova das possibilidades que o evento abriu para sua já sólida carreira de mais de 50 anos. Sua exposição, composta de 20 telas com temáticas da Amazônia, lhe rendeu boas vendas e contatos de negócios em outros estados e países. Suas composições mostram a beleza cênica do Amapá e fazem também um passeio em representações históricas, com técnicas em resinas da mata (como o açaí) e com pirogravuras. Herivelton também é autor de telas que ilustraram capas de livros, revistas e listas telefônicas. Acrílico sobre tela, creon (carvão) sobre papel textura, grafite, bico de pena, utilização de resinosos da Amazônia (jenipapo, urucu, tucumán, mangaraté, açaí, banana), azeite de andiroba e copaíba, como fixadores, são utilizados em sua técnica. “A Amazônia é a minha identidade, só pinto

ela, afinal sou filho de índio com mãe branca, busco na natureza a inspiração do meu trabalho. Gosto de olhar a Amazônia e repeti-la. Vim para o Amazontech pensando vender uns dois painéis, mas só nos dois primeiros dias já vendi seis. A partir daqui já tenho contato para ir para outros estados (Rio de Janeiro, Brasília e São Paulo) e países (Guiana Francesa e Suriname). Estou surpreso com o resultado e feliz de estar aqui”, diz o artista, empolgado. Herivelton retrata em seus quadros a fauna, flora, bichos, índios, mata, paisagens. Para o Amazontech, ele trouxe 20 painéis, com valores entre R$ 300,00 e R$ 15 mil. Uma das telas de R$ 15 mil foi arrematada no primeiro dia do evento, chamado “Foz do Rio Araguari”, pintura em monocromia. Os trabalhos de Herivelton Maciel estão expostos no estande Café Literário, localizado no espaço Conexão da Cultura, no estacionamento do Estádio Zerão. O estande é coordenado pela Secretaria de Estado da Cultura (Secult) e Sebrae.

DIVULGAÇÃO

Os trabalhos de Herivelton Maciel estão expostos no estande Café Literário, localizado no espaço Conexão da Cultura, no estacionamento do Estádio Zerão.

Portais dos Estados mostram potencialidade turística e comercial da Amazônia Legal O espaço dos Portais dos Estados dentro do Amazontech 2012 é uma vitrine da Amazônia Legal (Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins e Maranhão) com vasta programação cultural divulgando a potencialidade turística, gastronômica, industrial, econômica das regiões. A Secretaria de Turismo do Amapá (Setur) é o órgão responsável em coordenar o portal. A metodologia usada para apresentar e divulgar os estados são vídeos explicativos. Além disso, os estandes contam ainda com técnicos capacitados dos órgãos de turismo de todas as regiões que compõe o espaço. Muitas pessoas estão visitando o ambiente e apro-

veitam para conhecer mais da sua própria localidade e também da cultura de outros estados. No estande do Amapá foi possível apreciar a dança do marabaixo e degustar a gengibirra, bebida tradicional. Segundo o gestor da Setur, Sandro Bello, o Portal dos Estados é um atrativo para o público em geral e para investidores que planejam investir na Amazônia, por ter grande concentração em minério, pesca, madeira, entre outras potencialidades. A exposição dos estados mostra também, por meio de fotos, toda a riqueza dos artesanatos do Amapá como caixas de madeiras com cipó-titica, as urnas maracá em cerâmica, o capim dourado do Tocantins e

peças em miriti, que é a fibra do buriti do Pará. O estudante do curso de Sociologia da Universidade Federal do Amapá (Unifap), Flaviano Quintela, relata que o espaço é um ambiente onde é possível conhecer os outros estados e aprender mais da cultura de cada um. Ainda de acordo com o titular da Secretaria de Turismo do Amapá, o governo estadual investiu um milhão de reais no Amazontech 2012 - uma realização do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Governo do Estado do Amapá (GEA), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Universidade Federal do Amapá (Unifap), com apoio da CAIXA e Sudam.

DIVULGAÇÃO

No estande do Amapá foi possível apreciar a dança do marabaixo e degustar a gengibirra, bebida tradicional.


JD

DiaDia

B4

Macapá-AP, domingo e segunda, 18 e 19 de novembro de 2012

Editor: Túlio Pantoja - tuliopantoja@jdia.com.br

O que mudaria entre os eleitos se a Câmara voltasse a ter apenas 16 vereadores? Nem todos os vereadores eleitos do município de Macapá para o mandato que começa no primeiro dia do ano que vem, não têm certeza absoluta da posse no dia 1º de janeiro, por enquanto ainda valem as 23 vagas Rodolfo Juarez

Da Redação

O

ito coligações e três partidos disputaram as 23 vagas para vereador ofertadas pelo TSE para o Municipal de Macapá nas eleições municipais proporcionais de 2012. Disputaram as eleições proporcionais as seguintes coligações e partidos: 01 – A: PDT/PMDB/PSDC/PSD 02 – B: PP/PSC/PHS/PT do B 03 – C: PTN/PSB 04 – D: PR 05 – E: PSCB/PSOL 06 – F: PPS/PRTB/PMN/PTC/PV 07 – G: PTB/DEM/PRP 08 – H: PSDB 09 – I: PT/PPL 10 – J: PRB/PC do B 11 – K: PSTU No dia 7 de outubro de 2012, dia da eleição municipal proporcional, foram registrados os seguintes números entre eleitores aptos, comparecimento, abstenção votos brancos, votos nulos e votos válidos que é a soma dos votos nominais e os votos de legenda. O resultado apurado naquele dia foi o seguinte: 01. Eleitores aptos: 253.365 01.01. Abstenção: 38.938 (15,37%) 01.02. Comparecimento: 214.427 (84,63%) 01.02.01. Votos brancos: 4.017 01.02.02. Votos nulos: 6.325 01.02.03. Votos válidos: 204.085 01.02.03.01. Nominais: 191.675 01.02.03.02. Legenda: 12.410 O Tribunal Superior Eleitoral, depois das decisões do Tribunal Regional Eleitoral, mandou que os partidos e as coligações

inscrevessem os seus candidatos para disputar 23 vagas. Nesse caso o quociente eleitoral 8.873 votos, resultado da divisão do número de votos válidos (204.083) pelo número de vagas (23). A apuração indicou os 23 eleitos e divulgou os seus nomes. Inconformado com a liberação das 23 vagas, o ministério público ajuizou ação, alegando problemas no procedimento que levou à ementa da Lei Orgânica do Município de Macapá, elevando de 16 para 23 o número de vagas na Câmara Municipal de Macapá e requerendo que voltasse às 16 vagas como na seção legislativa anterior. Essa questão vem levantando várias hipóteses e deixando pelo menos sete dos 23 vereadores eleitos preocupados. O JD faz, nesta matéria um estudo completo de como ficaria a composição da Câmara Municipal de Macapá, se o MP tivesse sucesso no seu recurso e voltasse a Câmara Municipal de Macapá a ter apenas 16 vagas. Na hipótese de serem 16 vagas o quociente eleitoral, obtido pela divisão do número de votos válidos (204.085) pelo número de vagas (16), dando um quociente eleitoral de 12.755 votos. Assim: QE = VOTOS VÁLIDOS DIVIDIDO PELO Nº DE VAGAS QE = 204.085 : 16 = 12.755 Observação: As 16 vagas serão distribuídas entre os partidos e coligações que alcançaram o QE, ou seja 12.755 votos. Os quadros seguintes mostram, em detalhes, todas as operações que seriam feitas na hipótese de serem apenas 16 vagas para o cargo de vereador no Município de Macapá:

Banco da Embrapa conserva bactérias benéficas

O

DIVULGAÇÃO

s inseticidas da Embrapa foram desenvolvidos a partir de bactérias específicas para controlar os insetos-alvo e, por isso, são chamados de biológicos, pois não contêm substâncias químicas em suas fórmulas. Essas bactérias fazem parte de um Banco de Bacilos da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, que hoje conta com mais de 2.300 variedades com potencial para controle biológico de insetos. Os cientistas da Embrapa coletam essas bactérias, que ocorrem naturalmente no solo, estudam e selecionam as mais eficientes contra os insetos-praga. Inseticida biológico Bt-horus: não à dengue O inseticida biológico Bt-horus foi desenvolvido a partir de uma bactéria específica para controlar os insetos-alvo e amplamente utilizada em programas de controle biológico em todo o mundo. Portanto, é inofensivo à saúde humana e ao meio ambiente, podendo ser utilizado em locais que acumulam água, como plantas, lagos, cursos de água e caixas d’água, entre outros. Basta uma gota do Bt-horus para cada litro de água e as larvas do mosquito transmissor da dengue (Aedes aegypti) morrem em 24 horas. O produto é eficaz também contra o borrachudo que, além de ter uma picada dolorida, pode causar alergia e, com isso, prejudicar a vida dos trabalhadores rurais, o turismo e a agropecuária, pois também causa estresses em animais. Inseticida biológico Sphaerus SC: controla a malária O bioinseticida Sphaerus foi produzido a partir de uma bactéria recomendada pela Organização Mundial de Saúde para campanhas de combate a mosquitos transmissores de doenças. Ele é eficaz contra o mosquito transmissor da malária, considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como a doença tropical que mais causa problemas

sociais e econômicos no mundo. No Brasil, principalmente na região amazônica, são registrados cerca de 500 mil casos da doença por ano, sendo a maior causa de mortalidade de crianças de até cinco anos de idade. O Brasil tem o maior número de casos de malária das Américas e ocupa o 3° lugar do mundo na incidência da doença. OBS: Os inseticidas biológicos da Embrapa estão em exposição no estande

da Empresa no Amazontech. Das 16h às 22h, a funcionária da Embrapa Dorinha Medeiros está disponível para explicar aos visitantes como funcionam os inseticidas, e inclusive ela dispõe de amostras para distribuir para instituições como Prefeituras, Cooperativas e outras. Quem quiser saber mais sobre os inseticidas biológicos eficazes contra a dengue e a malária podem visitar o estande da Embrapa na Amazontech 2012 www.

Tribunal de Justiça realiza sessão itinerante em Porto Grande

O

município de Porto Grande, localizado a cerca de 100 quilômetros da capital, será o próximo destino do projeto Justiça Itinerante. O Pleno, a Secção e a Câmara Únicas do Tribunal de Justiça do Amapá irão realizar na segunda-feira (19), a partir das 9 horas da manhã, no Fórum da Comarca de Porto Grande, as sessões de julgamento de processos em grau de recurso do 2º grau de jurisdição. Também serão julgados recursos das Comarcas de Ferreira Gomes, Serra do Navio e Pedra Branca do Amapari. Segundo levantamento inicial feito pela Secretaria da Câmara Única, existem dez recursos a serem julgados durante a Sessão Itinerante. São apelações cíveis e criminais, agravo de instrumento, dentre outros. A Sessão Itinerante em Porto Grande também será uma oportunidade para a comunidade conhecer de perto o trabalho da Justiça de 2º Grau. O presidente do TJAP, desembargador Mário Gurtyev, disse que a itinerância facilita o acompanhamento dos julgados pelas partes e pelos advogados que não precisam se deslocar até a capital para esse fim. Além disso, prestigiam a comunidade onde os fatos ocorreram. “As sessões itinerantes aproximam o Tribunal de Justiça das comunidades interioranas, dando-lhes conhecimento sobre a nossa atuação” destacou o presidente. A Justiça Itinerante de segundo grau é regulamentada pela Resolução 023/2005, que prevê a realização de “sessões jurisdicionais” do Tribunal de Justiça - Pleno, Secção Única e Câmara Única fora da capital, em comarcas do interior. Esta será a 7ª Sessão Itinerante para julgamento de processos em grau de recursos. A primeira foi em Vitória. do Jari, a segunda em Oiapoque, depois Santana, em seguida Calçoene, na sequência Laranjal do Jari e por último novamente Oiapoque. Para o desembargador presidente, a Justiça do Amapá interage com o jurisdicionado. “É importante que cada vez mais haja esta aproximação do Judiciário com a sociedade. Por esta razão é que estamos realizando sessões itinerantes nas comarcas interioranas”, reforçou. Ainda no dia 19 de novembro, após a realização da Sessão Itinerante do 2º Grau, os Magistrados seguem para o município de Pedra Branca do Amapari, onde haverá a instalação da Comarca do município; inauguração do Fórum local e posse do Juiz Titular, Dr. João Teixeira de Matos Júnior. A solenidade está marcada para as três da tarde, no Fórum da Comarca de Pedra Branca do Amapari.


CadernoC

Atualidades

Editora: Ana Barbosa - anabarbosa@jdia.com.br

Macapá-AP, domingo e segunda, 18 e 19 de novembro de 2012

Macapá: Latitude zero na capital do meio do mundo Durante cinco dias, mais de 70 escritores - três internacionais - do Amapá e do Brasil participaram da 1ª Feira do Livro do Amapá - FLAP

E

quilibro-me sobre fina barra de ferro, tentando manter-me em pé. Estou em uma situação curiosa. Não estou em lugar nenhum. Claro que é força de expressão, caminho na latitude 0º, é o que leio na placa aos meus pés. Se cair para a esquerda meio da tarde, estou de costas para o sol -, penetro no Hemisfério Norte. Se cair para a direita, toco o Hemisfério Sul. Tênue linha divide o Brasil, a Terra. Subitamente, não estou aqui, equilibro-me sobre os trilhos de minha infância, quando o desafio era não cair, era manter-se de pé sobre estreita língua de aço. Latitude 0°. Marco Zero da capital do Amapá, que indica a passagem da linha do Equador. Nos dias do equinócio, bianual, março e setembro, o sol atravessa um círculo em um monumento de concreto e acompanha certeiro essa linha. Fronteira que atravessa igualmente o meio do estádio Zerão, levando os jogadores a atuarem um tempo no Hemisfério Sul, outro tempo no Norte. Situação insólita. Grande, diverso e curioso este Brasil. Faltava-me apenas o Amapá para concluir um périplo (epa!) por todos os Estados brasileiros, ao longo destes anos. Fechei o trajeto. Certo dia, Carla Nobre, poeta, cantadora, se perguntou: “Por que todos têm uma feira de livros, menos o Amapá?” Foi lá e convenceu o jovem governador Camilo Capiberibe, que concordou: “Organize, dou sustentação”. Havia no ar uma certa hesitação. Quem iria para tão longe? Afinal, não se chega a Macapá por rodovia, não há como. É barco ou avião, o que aumenta a excitação. Só duvidava quem não conhecia Carla e os escritores amapaenses e brasileiros contemporâneos. Ela e um grupo de assessore(a)s sorridentes e incansáveis buscaram parceiros e estruturaram a primeira Flap, Feira de Livros do Amapá. Durante cinco dias, mais

de 70 escritores (três internacionais) do Amapá e do Brasil, entre poetas, cronistas, dramaturgos, romancistas, ensaístas, contadores de histórias, se encontraram, conversaram com o público, foram às escolas, autografaram livros, frequentaram oficinas e cafés literários, participaram de mesas-redondas, de rodas de conversas e do Rufar e do Corredor literário. Houve a Tapaina das Palavras, com encontros e autógrafos. Tapaina é palavra indígena, da tribo dos vajãpis, e significa habitação. Cada começo de noite, num palco ao ar livre, havia poetas e cantadores. Qual o diferencial da Flap? Ela é aberta, tudo é gratuito, a população participa. E como! Foi o maior ti-ti-ti. Era difícil circular pela feira de livros, sempre congestionada. Gente curiosa, gente feliz, gente a nos fotografar, a pedir autógrafos, a perguntar. O governador injetou R$ 90 mil em vale-livro e o que se viu foi estudante (e professor) por todo lado com o vale na mão, comprando, comprando. (*) Ele e a mulher, a linda Cláudia, passaram todos os dias pela feira, o que me pareceu inusitado; em geral, autoridades desaparecem. Foi mais longe o casal, ofereceu na residência oficial um jantar com pratos típicos para todos os participantes. Leandro Leite Leocádio, poeta e um dos organizadores da Off Flip, em Paraty, afirmou em seu blog: “A Flap nasceu grande, parece que já tem cinco anos, tudo funcionou azeitado.” Carla Nobre tem “musculatura”, mexe, remexe, leva escritor, organiza, comanda, esbraveja, sorri, vê o que funciona e o que não, acompanhada por um fiel escudeiro, o marido Bené, doce figura. Esta primeira Flap teve como patrona Esmeraldina dos Santos, poeta e escritora quilombola. Macapá é cidade quente, arborizada, cheia de praças. O orgulho do povo é

Diferencial da Feira foi ela ser aberta e gratuita, a população compareceu

ser a única capital brasileira banhada pelo Rio Amazonas. Nem Manaus (Rio Negro) nem Belém (Rio Pará) podem ostentar o título. De margem a margem são 17 quilômetros, o que deixa embasbacado (epa!) um paulista como eu. As águas são pontilhadas por ilhas. Soube que são milhares! Imperdível - e necessário é comer o camarão no bafo com açaí, mais farinha d’água e farofa, nos fins de tarde, à beira-rio. E deixar espaço para enfrentar o peixe ao molho de leite de coco, ou a maniçoba (a feijoada deles), o pirarucu crocante, o tucunaré grelhado ao creme e banana. Não esquecer de acrescentar pingos de tucupi com pimenta. Falando em tucupi, aqui também se come o pato nesse molho. Há ainda o charque, o tacacá, o tucunaré na chapa com leite de castanha, o filhote, o tambaqui, o gurijuba, a dourada e o matrinchã. Uma semana para experimentar todos. Caminhando pela orla, deparamos com vendedores de roletes gelados de cana. Cuidado com o que ouve e com o que fala. Algumas dicas são necessárias. Se alguém disser que você é panema, saiba logo que está dizendo que você é paradão, abestado. Praticamente o mesmo que pomba-lesa. Se disserem fanchião, saiba que é vencedor, gabola, metido a besta. Fona quer dizer o último, insiguerado é viciado. Istórdio é ressaca, ficar doente. Jarana é o mão-de-vaca. Donzela é um tipo

de bolacha, enquanto “dor de viado” é uma dor na altura do umbigo, por causa ao cansaço. Capô de fusca é mulher que tem a genitália avantajada. E quando alguém ao seu lado comentar xilis-zire, saiba que disse: deixe eles irem. Só tome cuidado com a pissica, ou má sorte, mau agouro, azar. E olhe meu conselho: não saia de Macapá sem antes tomar uma boa gengibirra gelada. Quanto mais toma, mais disposto fica. Chamada capital do meio do mundo, Macapá tem uma estátua de São José, padroeiro da cidade, colocada no alto da Pedra do Guindaste. Embaixo dessa pedra mora uma cobra grande que bebe a água do rio, de modo que as águas não sobem. Se a cobra for tirada dali, o Amazonas cresce, sobe e inunda a cidade. (*) Aproveito para mostrar minha indignação. Diante de gestos como esse, de alguém que entende o papel do livro e sua importância, lembro que na semana passada fui a Itapeva, para a Feira de Livros, organizada com imenso sacrifício por um grupo e praticamente sem verbas. Procurada, a secretária de Educação desdenhou oferecendo nada mais nada menos que mil reais. Uma esmola. Depois, ela foi à abertura e falou da necessidade de feiras e foi fotografada. Nas mãos de gente assim está a educação em muitos lugares do Brasil. (Ignácio de Loyola Brandão, O Estado de S.Paulo)

Indústria saustentável já separou mais de 90 toneladas de lixo na Olimpíada

O

maior torneio de educação profissional das Américas também está muito preocupado com o meio ambiente. No estande da Indústria Sustentável é possível acompanhar o processo pelo qual o lixo reciclado passa até chegar às cooperativas, onde, enfim, será reutilizado. Desde o dia 8, quando começou a montagem dos estantes no Anhembi, foram gerados 91.770 kg de resíduos, sendo a maioria deles orgânicos, com o total de 41.223 kg. Papel, plástico e metal foram responsáveis por 15.925, 2.903 e 960 kg, respectivamente. Todo este contingente é separado pela Cooperativa Vitória da Penha, da zona leste da cidade de São Paulo. Não é de hoje a preocupação do SENAI com as questões relacionadas à preservação da natureza, mas, esta é a primeira edição em que os alunos podem acompanhar de perto todo o processo. “Trouxemos a cooperativa de lixo reciclado para dentro da Olimpíada, a fim de mostrar publicamente a prática do trabalho”, afirma Ailton de Paula, especialista

ambiental do SENAI-SP. A empresa limpadora coleta o lixo, faz uma triagem do que pode ou não ser reciclado. Esse material é prensado no estande da Indústria Sustentável, o que reduz o volume do resíduo e, depois, pode ser encaminhado para a sede da cooperativa. Outra preocupação é com a emissão de CO2 lançado na atmosfera nestes dias de competição. A expectativa era gerar mil toneladas do composto, mas cálculos mais atualizados já projetam um total de 1.271 toneladas, o que corresponde a 8.400 mudas que serão plantadas como forma de compensação ambiental. O replantio será feito na cidade de Nantes, região de Assis (434 km da capital paulista), no estado de São Paulo, sede da 7ª Olimpíada. O município, que este ano receberá as mudas, tem uma população de pouco mais de dois mil habitantes. O diferencial desta sétima edição é uma intensificação da necessidade de cuidar e estimular os jovens a proporem soluções que visam a preserva-

ção do meio ambiente. As lixeiras distribuídas pelos 76 mil m² do Pavilhão do Anhembi, por exemplo, estão aos pares, para que os visitantes reconheçam com facilidade o cesto para o lixo orgânico e o outro para o reciclado. Já nos estandes onde ocorrem as provas, a quantidade de lixeira aumenta e o lixo reciclado é ainda mais segregado. “Os alunos também são avaliados neste quesito e recebem nota por separar corretamente”, pontua Marcos Thiesen, consultor do meio ambiente, do Paraná. Se os estudantes estão de olho nestas questões ambientais, os visitantes, às vezes, cometem alguns deslizes, pois ainda é comum encontrar o material mistu-

rado nas lixeiras. “Sustentabilidade também é educação e está inserido no contexto da Olimpíada do Conhecimento. O trabalho é de ‘formiguinha’, de longo prazo. Vai levar um tempo para ensinar e conscientizar todas as pessoas”, destaca Ailton. Para quem ainda tem dúvidas sobre a possibilidade ou não de reciclar o lixo que se tem em mãos, o consultor Marcos dá uma dica: “orgânico é aquele que tem alimento sólido, como o guardanapo usado e o pratinho sujo com pedaços de comida. Se lavar o prato, por exemplo, ele passa a ser reciclado”. Copo sujo de refrigerante ou cheio de água é reciclável e, papel higiênico, orgânico. (G1)

COTIDIANO Justiça TIM dá detalhes sobre promoção suspensa

R

epresentantes da TIM estiveram em Brasília ontem (16) para tentar reverter a decisão da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) de suspender uma nova promoção da operadora que oferece ligações ilimitadas por até R$ 1,00 por dia. De acordo com o superintendente de serviços privados da Anatel, Bruno de Carvalho Ramos, a empresa informou que projeta uma alta de 25% das ligações por causa da promoção. Esse aumento seria sobre o crescimento natural da companhia em relação ao ano passado, que é de 40%. Ramos disse que a equipe da Anatel vai avaliar a longo da próxima semana se a rede da TIM suporta esse aumento de fluxo. A agência teme que a rede fique sobrecarregada, levando à queda do serviço. “Se a rede suportar, não há problemas”, afirmou. A promoção, chamada de “Infinity Day”, oferece ligações locais ilimitadas entre celulares TIM por R$ 0,50 por dia. Além disso, por mais R$ 0,50, também seria possível fazer ilimitadamente interurbanos com outros clientes da companhia. A suspensão da promoção está mantida. (uol)

Saúde Investimentos minimizam efeitos da seca

O

s investimentos feitos no Semiárido nordestino minimizaram fortemente os efeitos da seca, proporcionando melhores condições aos moradores, que enfrentem uma das mais graves estiagens dos últimos 30 anos, diz Antônio Gomes Barbosa, coordenador do Programa Uma Terra e Duas Águas, da rede de organizações Articulação no Semiárido Brasileiro (ASA). “Nos últimos dez anos passamos por um processo de construção de cisternas. Hoje há quase 700 mil no Semiárido, onde as famílias podem guardar água de qualidade. Por isso, a pressão [dos efeitos da seca] é menor”, explicou. Apesar da avaliação positiva, Barbosa reconhece que, a partir deste mês, a situação tende a ficar mais grave. As chuvas típicas dos meses de abril e maio ficaram abaixo dos níveis esperados. Pelas previsões do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a chuva pode ficar aquém do previsto na última semana de novembro. A previsão é que chova em janeiro, em algumas cidades e abaixo do volume necessário para reverter o cenário. “A seca deve castigar a região em 2013”, avaliou Barbosa, alertando que as águas estocadas em 2011 acabaram em alguns municípios. O problema, segundo ele, não está limitado às zonas rurais. “Várias famílias abandonaram casas e roças e foram para as cidades. Parte dos animais, base econômica de muitas famílias, foi perdida. Cidades relativamente grandes são abastecidas exclusivamente por carros pipas”, contou. Mais de 39 mil moradores de São José do Egito, no sertão pernambucano, não tem qualquer fonte de água há um mês. A população depende da água trazida de outras regiões para sobreviver e alimentar os animais. Segundo Barbosa, o governo não se preparou para a estiagem, apesar de as organizações alertarem sobre a possibilidade de agravamento. “Agora temos que ter medidas emergenciais para garantir comida e água de qualidade para as pessoas e para os animais. Não tem outra fórmula, mas isto não tem sido feito. Muita água aque seria distribuída não chega às famílias por falta de estrutura e porque alguns governos demoram até três meses para pagar os caminhões”, disse. Para o coordenador da ASA, o problema da seca no Semiárido “não é um problema da natureza, mas um problema político”. Barbosa defende a ampliação de investimentos em infraestrutura hídrica que possibilitariam o convívio das populações com a seca característica do Semiárido. “É preciso construir cisternas, barragens subterrâneas, armazéns para alimentos e casas de semente. Se tivesse estrutura, a seca teria passado despercebida. Construir a infraestrutura hídrica necessária é barato. Construir 1 milhão de cisternas é garantir água para todos ao custo de um quarto do que está sendo investido na transposição do Rio São Francisco”, defendeu. Pelas contas da rede de organizações sociais, a construção de cisternas representaria investimento de R$ 2 bilhões. Somando todas as estruturas necessárias para a região, o valor chegaria a R$ 11 bilhões, que iriam assegurar, segundo Barbosa, melhores condições para a população enfrentar a próxima estiagem. “É valor baixo se considerar o Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar) que é de R$ 19 bilhões. Metade dos agricultores familiares está no Nordeste. Não se pode pensar em agricultura familiar no Semiárido apenas com custeio, precisa ter investimento”. Mais de 10 milhões de pessoas foram afetadas pela seca deste ano, segundo levantamento do Ministério da Integração Nacional. A estiagem, apontada como a mais grave das últimas três décadas, atingiu pelo menos dez estados brasileiros. No Semiárido nordestino, 1,3 mil municípios estão em situação de emergência. O governo anunciou investimentos de R$ 1,8 bilhão para a construção e ampliação de barragens, adutoras, sistemas de abastecimento e em outras obras para aumentar a oferta de água no Nordeste e no norte de Minas Gerais. Os recursos serão usados para financiar 77 projetos em municípios do Semiárido que tiveram decretada situação de emergência reconhecida pela Secretaria Nacional de Defesa Civil. As obras serão indicadas pelos governos estaduais e terão prazo de um ano e meio para conclusão da primeira etapa. (agenciabrasil)


JD

Geral

Macapá-AP, domingo e segunda, 18 e 19 de novembro de 2012

Israel bombardeia sede do governo do Hamas em Gaza Bombardeio ocorreu no quarto dia consecutivo de ofensiva israelense

U

m bombardeio israelense atingiu na madrugada de ontem (17) a sede do governo do movimento islamita Hamas em Gaza, no quarto dia consecutivo da ofensiva israelense “Pilar Defensivo”, que já provocou a morte de 39 palestinos. Apenas neste sábado, oito pessoas morreram, de acordo com fontes médicas. De acordo informações de fontes do Exército israelense, foi atingido o escritório do primeiro-ministro do Hamas, Ismail Haniyeh, no norte da Faixa de Gaza. O prédio foi destruído. Haniyeh não estava no local no momento do ataque. “O quartel-general do gabinete foi alvo de quatro ataques e o governo ressalta que permanece em suas posições e se mantém ao lado de seu povo”, indicou o governo de Gaza em um comunicado, no quarto dia da ofensiva israelense. Os novos ataques ocorrem após o lançamento sem precedentes contra a cidade sagrada de Jerusalém, que aumentou a tensão entre palestinos e israelenses. Segundo o Exército israelense, 200 alvos em Gaza foram atingidos na madrugada deste sábado, incluindo 120 lançadores de foguetes e 20 túneis. “Nas últimas seis horas, o IDF (exército israelense) atacou 85 novos locais terroristas”, disse o exército em sua conta oficial do Twitter. Uma porta-voz militar israelense informou sobre “mais de 830” ataques contra Gaza desde quarta-feira. Um total de 367 foguetes foram disparados da Faixa de Gaza contra Israel, dos quais 222 foram interceptados pelo sistema antimísseis Cúpula de Ferro, acrescentou. Em contrapartida, um foguete disparado desde Gaza contra Israel deixou quatro soldados israelenses feridos. Israel posicionou neste sábado na área metropolitana de Tel Aviv uma bateria do sistema de intercepção de mísseis “Cúpula de Ferro”, para proteger a cidade de ataques palesti-

Número de palestinos mortos chega a 39, em Gaza foi possível ouvir um intenso bombardeio entre 4h e 5h

nos. Na quinta-feira (15), três projéteis disparados de Gaza caíram no mar nas proximidades da cidade. Em Gaza foi possível ouvir um intenso bombardeio entre 4h e 5h (horário local). Ao menos 180 alvos na Faixa de Gaza foram bombardeados por Israel durante a madrugada. Além da sede do Governo do Hamas em Gaza, foram atingidos o Estádio Palestina, um centro de esportes e juventude administrado pelo Ministério do Esporte, o complexo central da Polícia do Hamas em Gaza e outras delegacias. A Força Aérea Israelense também continuou atacando seus alvos iniciais, os locais de depósito de armas dos militantes palestinos e suas áreas militares. O Exército convocou milhares de reservistas e mobilizou tropas, tanques e outros veículos armados pela fronteira com Gaza, sinalizando que uma invasão terrestre pode estar próxima. Cerca de 20 mil membros da reserva do exército, convocados em regime de urgência, integraram suas unidades na manhã deste sábado.Por enquanto, nenhuma ação foi confirmada. Os ataques também tiveram como alvo transformadores de energia elétrica e a rede de túneis usados para o contrabando de armas do Egito para Gaza. Duas casas pertencentes a destacados funcionários do Executivo

do Hamas também foram atingidas: uma no campo de refugiados de Jabalya, ao norte, e outra na capital da Faixa de Gaza. Em Jabalya, cerca de 30 pessoas ficaram feridas. Em meio à ofensiva, o ministro das Relações Exteriores da Tunísia, Rafik Abdel Salam, chegou neste sábado (17) à Faixa de Gaza para realizar uma visita oficial. Em pronunciamento, ele denunciou os ataques israelenses contra os palestinos e os classificou como inaceitáveis e contra a lei internacional. Com os novos ataques, o número de palestinos mortos chegou a 39. O balanço de feridos é de 280 pessoas desde o início da operação militar, na última quarta-feira (14). Mortos Na madrugada deste sábado, nove palestinos morreram em novos ataques israelenses, somando 39 vítimas fatais desde quarta-feira, informaram fontes médicas da Faixa de Gaza. Três israelenses também morreram nos confrontos. Até a meia-noite local, o balanço era de 29 vítimas fatais, mas nas últimas horas morreram duas pessoas que haviam sido internadas com ferimentos e outros oito palestinos atingidos em diferentes bombardeios. Um homem faleceu em um bombardeio israelense ao leste da cidade de Khan

Yunes, enquanto outros três morreram em um ataque similar ao leste do campo de refugiados de Al-Mughazi, segundo Ashraf al-Quedra, porta-voz do Ministério da Saúde em Gaza, que calculou os feridos em 300 desde o início da ofensiva israelense. Além disso, outras três pessoas morreram em outro bombardeio da aviação israelense ao leste da cidade de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, segundo a emissora de televisão “Al-Aqsa”, ligada ao Hamas. Bombardeios O porta-voz do Hamas em Gaza, Sami Abu Zuhri, advertiu em comunicado que Israel “pagará um alto preço por seus crimes”, uma vez que ‘ultrapassou todas as linhas vermelhas. Segundo a “Ma’an”, 30 civis foram feridos em ataques contra o campo de refugiados de Bureij, onde a Força Aérea israelense bombardeou uma mesquita e a casa de um miliciano do Hamas. Durante a noite, as milícias palestinas seguiram lançando foguetes contra o território israelense, um dos quais matou na terça-feira três civis israelenses. Dois projéteis caíram sobre a região do Conselho de Ashkelon, um na área de Sderot e outro na de Shaar Negev, sem deixar vítimas, informou a versão digital do diário israelense “Yedioth Ahronoth”. (G1)

Surdos ampliam vocabulários com Olimpíada

A

Olimpíada do Conhecimento é a maior competição de educação profissional da América e é muito comum ouvir dos competidores que um evento desse porte é um divisor de águas na vida profissional e pessoal. Mas, além de proporcionar um intercâmbio de conhecimento entre todos os envolvidos neste grande projeto, a Olimpíada contribui – e muito – para o desenvolvimento da linguagem entre surdos. Ocupação Ana Carolina Carvalho tem 15 anos e veio de Pomerode, Santa Catarina. É a mais nova da ocupação Costura Industrial para surdos e, muito diferente da menina tímida e que se comunicava lentamente por meio da linguagem dos sinais. Ela se transformou durante a Olimpíada. “Estou muito feliz por participar da competição e poder conhecer São Paulo. A Olimpíada é um marco na minha vida, pois além de competir, estou aperfeiçoando minha co-

municação”, conta Ana com ajuda da intérprete Angélica da Rosa Integração Se antes Ana Carolina estava inserida em uma vivência de integração, sem contato com outros surdos (Pomerode não tem associação com esta finalidade), agora, vive verdadeiramente a inclusão. Para ela, foi surpreendente a quantidade de surdos que estão participando e foi essa a possibilidade que encontrou para treinar a linguagem de sinais. O reflexo do evento já é sentido pela forma mais rápida e alegre como a menina tímida se comunica com outras pessoas. Vocabulário Além de poder praticar a comunicação, os surdos também estão ampliando o vocabulário. “A Olimpíada propicia um encontro entre os estados e, deste encontro, aprendemos novos sinais. Um sinal em São Paulo é uma coisa e lá na Bahia é outro, a gente vai aprendendo, incluindo

no repertório”, comentou Rosemeres Barbosa, treinadora da competidora Eliane Macente, do Paraná. “Já no primeiro dia da Olimpíada passamos por esta experiência: surgiram palavras que não conhecíamos em libras. É um novo sinal para o surdo”, completa. É o primeiro ano que a Olimpíada do Conhecimento tem como ocupação oficial a inclusão de

pessoas com deficiência (PCD). Dentre os 638 atletas, 37 são alunos que apresentam alguma deficiência e disputam medalhas em quatro ocupações industriais: panificação para competidores com síndrome de Down, tecnologia da informação para deficientes visuais, mecânica de autos para cadeirantes e costura industrial para surdos. (G1)

C2

Editora: Ana Barbosa - anabarbosa@jdia.com.br

Espanha quer aliança com América Latina para enfrentar crise

O

rei espanhol Juan Carlos abriu na última sexta-feira (16) a 22ª Cúpula Ibero-Americana, em Cádiz, propondo alianças entre a Espanha, Portugal e os países da América Latina a fim de aproveitar a atual bonança econômica das antigas colônias. Segundo ele, os dois lados do oceano devem falar com “uma só voz”. “Nossos olhos estão em vocês, temos experiência que se pode dividir”, disse aos chefes de Estado e de Governo da América Latina presentes à inauguração da cúpula. Para o rei, atualmente o Continente Latino-Americano tem mais coesão social, mas ainda precisa lutar contra as desigualdades. “A Espanha tem sido terra de acolhida da América Latina”, disse o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy. Segundo ele, contar com “mais América Latina na Europa e na Espanha é uma receita imbatível para afrontar os atuais desafios”. O que ficou claro na

abertura do encontro é o desejo de “uma relação renovada” entre a América Latina, a Espanha e Portugal. Neste primeiro dia, a presidenta Dilma Roussef teve duas reuniões bilaterais com os colegas da República Dominicana e do Haiti. Acompanham a presidenta brasileira os ministros Antonio Patriota, das Relações Exteriores, Aloizio Mercadante, da Educação, Helena Chagas, da Comunicação Social, e Marco Aurélio Garcia, assessor especial da Presidência da República para Assuntos Internacionais. Ontem (17), a presidenta Dilma deverá se posicionar sobre a crise na Europa ibérica, na sessão plenária em que os chefes de Estado e de Governo assinarão a Declaração de Cádiz. O documento destacará o desenvolvimento de infraestruturas, a promoção de micro, pequenas e médias empresas e políticas de crescimento econômico e emprego. (agenciabrasil)

Jerusalém é alvo de ataque de foguete

O ataque foi confirmado pela porta-voz das Forças de Defesa do país

M

ilitantes do Hamas lançaram na última sexta-feira (16) um foguete contra Jerusalém. Esta foi a primeira vez que a cidade onde está sediado o governo de Israel foi alvo de artilharia aérea vinda de Gaza. A rádio das Forças Armadas de Israel confirmou que um míssil caiu em uma área ao norte da cidade - e que não houve relatos de mortos ou feridos. O ataque foi confirmado pela porta-voz das Forças de Defesa do país, Avital Leibovich, conforme a BBC. Segundo testemunhas, pela primeira vez os alarmes instalados há quatro anos soaram em Jerusalém. De acordo com a BBC, veículos de imprensa de Israel e dos Estados Unidos informaram que outro foguete foi lançado de Gaza e caiu no sul de Jerusalém, em Gush Etzion. Segundo a BBC, “bunkers estão sendo abertos para a população em Tel Aviv e em Jerusalém”. Adler acrescentou que “há uma chance cada vez maior de um ataque terrestre em Gaza por parte de Israel”, diz a agência de notícias. De Ramallah, na Cisjordânia, o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, fez um pronunciamento na TV no qual disse que a atual violência na região não “deterá os esforços palestinos para ganhar um assento de observador na

Assembleia Geral da ONU [Organização das Nações Unidas] no final deste mês.” Abbas também pediu aos palestinos que se unam diante da “agressão” cometida por Israel. “Nós precisamos de máximo esforço para atingir a unidade nacional e reconciliação”. Já o ministro das Relações Exteriores de Israel, Avigdor Lieberman, disse que o país “não estará satisfeito com um cessar-fogo que será quebrado em uma semana ou duas”. De acordo com a agência de notícias Lusa, um líder das brigadas Ezzedine Al Qassam, do movimento Hamas, que controla a Faixa de Gaza, foi morto hoje em um ataque aéreo israelense, anunciou um porta-voz do Hamas. Ahmed Abu Yalal foi morto a leste do campo de refugiados de Al Mughazi, no centro da Faixa de Gaza, em um ataque que vitimou também dois dos seus irmãos e outro homem, disse Ashraf Al Qedra, porta-voz do Ministério da Saúde do governo do Hamas. As Forças Armadas de Israel informaram às agências internacionais que ainda estão tentando confirmar sobre a morte do líder da milícia palestina. A operação israelense contra Gaza foi desencadeada com um ataque aéreo que matou o chefe das ações militares do Hamas, Ahmad Jaabari.(agenciabrasil)


JD

Informe Publicitรกrio

Macapรก-AP, domingo e segunda, 18 e 19 de novembro de 2012

C3


JD

Diversão&Cultura

Macapá-AP, domingo e segunda, 18 e 19 de novembro de 2012

“Foi um sonho”, diz fã que cantou com Lady Gaga no show em Porto Alegre Diva pop elogiou a potência vocal da “little monster” após show no RS

Q

uando chegou ao estacionamento da Fiergs, na Zona Norte de Porto Alegre, na noite da última terça-feira (13), Laura Paganella Pinzon, de 13 anos, mal sabia que estava prestes a realizar seu sonho. Há quatro anos tentando encontrar Lady Gaga para mostrar o resultado de seus treinamentos vocais, a jovem enfim conquistou a chance de ficar lado a lado com a diva pop. Durante o show da turnê “Born This Way Ball” realizado na capital gaúcha, a artista chamou três integrantes da plateia para se juntarem a ela durante a

música “Hair”. Laura era uma delas. E a garota fez questão de sair do “script”, ao pedir o microfone da cantora e ter seu próprio momento de popstar no palco. Iniciou cantando sozinha a canção “You And I” - coincidentemente, a próxima prevista no setlist -, sendo, depois, acompanhada pela própria Lady Gaga. “Era meu sonho poder mostrar para ela que eu sei cantar. Fiz até um cartaz improvisado com os escritos em inglês ‘Canto parecido com você, quer ouvir?’. Quando ela estava acabando de apresentar ‘Hair’, eu pedi se podia

cantar para ela e ela deixou. Depois que escutou os primeiros versos, falou para eu ir para o meio do palco e extravasar e foi o que eu fiz”, contou a adolescente ao G1. Após a apresentação, os quatro foram para o backstage, onde a norte-americana elogiou os dotes musicais de Laura. “Ela disse que eu tinha potência vocal e que minha voz parece como uma irmã da voz dela. Nossa, fiquei muito feliz”, releva. A realização do sonho, no entanto, passou primeiro por um momento de decepção. Além do cartaz, a garota levou também um presente que gostaria de atirar no meio da apresentação para Gaga pudesse pegar. Só que o contrário aconteceu. Em vez de guardar a lembrança, a cantora chutou o mimo de volta para a plateia. Dessa vez, chorando compulsivamente, Laura conseguiu atrair a atenção da diva. “Ela esco-

Laura Pinzon, que cantou com Gaga

lhia na hora quem ia para o palco. E ela me viu chorando muito e me chamou para ir junto”, diz. A experiência única da vida da “little monster” gaúcha será lembrada, especialmente, pelo aroma único exalado pela cantora. “Hoje vou dormir sonhando com ela e com o cheiro ótimo que ela tem. Incrível como, mesmo depois de 13 músicas, ela continuava com um cheirinho de coco”, revela. (G1)

Guerra dos Sexos Roberta tenta controlar Nando para não machucar Kiko. Felipe se preocupa com as suspeitas de Manoela. A polícia invade a casa de Semíramis e a leva com Nieta para a delegacia. Ulisses vê Carolina chegar com Fábio de moto. Analú pensa em dar um presente para Nando e Kiko acredita ser para ele. Fábio implora que Juliana não se afaste dele. Vânia simula uma queda para fazer ciúmes em Felipe. Juliana decide dar uma chance a Ronaldo. Kiko desafia Nando. Nieta e Semíramis são acusadas de contrabandistas por causa dos pacotes de Nenê. Charlô invade o Clube Inglês atrás de Otávio.

A

atriz Mariana Rios, 27, recusou um convite da revista masculina “Playboy” para posar nua. A informação é da coluna “Olá”, do jornal “Agora”, da última sexta-feira (16). Uma das estrelas da novela “Salve Jorge”, Mariana já havia comentado para a coluna do Leo Dias, do jornal “O Dia”, que não gostaria de aparecer pelada nas páginas de nenhuma publicação. “Não tenho essa vontade. Do jeito que levo minha vida, o dinheiro entra em quinto plano”, contou. Noiva do vocalista da banda Nx Zero, Di Ferrero, a morena também causou polêmica ao postar nas redes sociais uma foto em que aparece excessivamente magra. Ela revelou, no entanto, não sofrer de qualquer distúrbio alimentar como a anorexia ou a bulimia. . (yahoo)

A

pós os rumores de que Selena Gomez não queria mais mais nada com Justin Bieber, seu namorado de longa data, parece que o casal voltou às boas. Eles foram vistos justos na última quinta-feira (15) em um hotel de Beverly Hills. As informações são do blog Perez Hilton. De acordo com as informações, Bieber e Selena chegaram separados ao hotel e fizeram uma refeição no restaurante do local. Os jovens ainda teriam passado a noite juntos na casa de Selena. “Justin e Selena sentaram juntos em uma mesa do restaurante Culina e ficaram de mãos dadas. Havia muitos seguranças ao redor, mas eles pareciam felizes e muito próximos”, disse uma fonte ao site. (yahoo)

Chris Brown Imagem pública nunca será a mesma depois de ter agredido Rihanna

Chris Brown está certo de que sua imagem pública nunca mais será a mesma desde que agrediu a ex-namorada, a cantora Rihanna, em 2009. Em entrevista ao programa “This Is How I Made It”, que foi ao ar ontem (3), pela MTV americana, o cantor ressaltou que desde o episódio tem tentado ser uma pessoa melhor. “Não dá para voltar atrás e ter o sucesso de antes ou as opiniões de antes. Vivi uma das experiências mais humilhantes da minha vida e isso não me dá o direito de odiar as pessoas que me julgam ou não gostam de mim. Tudo o que posso fazer é tentar ser uma pessoa melhor e para mim está tudo bem em saber que não sou perfeito”, disse Brown durante o programa.

Horóscopo A aniversatiante Nicole, com a mãe.

coisas na minha vida e uma delas é que eu quero ser apresentadora de TV e estou batalhando pra isso”, concluiu. Atualmente, a morena divide um quadro com Theo Becker no “Programa da Tarde”, atração comandada por Ana Hickmann e Britto Jr, na Record. A aniversariante se presenteou com um perfume, mas admitiu que o presente que ganhou de sua mãe foi o melhor da noite. “Foi um vestido lindo, ela tem muito bom gosto. Esse foi o presente mais maravilhoso do meu aniversário”, disse, encantada. (yahoo)

Resumo das Novelas Dinho se incomoda com a possibilidade de Lia dar aulas para Gil. Morgana reclama da falta de atenção de Nando. Cezar convida Marcela para sair. Ju conta para Rita que Bruno está sofrendo com o fim do namoro. Rosa e Tizinha festejam a volta de Nando. Rita discute com Fatinha durante a aula. Morgana e Rafael aderem à chapa de Ju e Rita. Ju sugere que Jorge libere sua aula para um debate entre as duas chapas candidatas ao Grêmio Estudantil. Paulina sai para encontrar Rômulo e deixa Raquel responsável pela cozinha. Lia é surpreendida pelo convite a um debate e Ju questiona se a ex-amiga quer ganhar a eleição só por causa de Dinho.

Nua não Mariana Rios recusa convite para posar nua para a “Playboy”, diz jornal

Justin Bieber e Selena Gomez teriam reatado namoro

N

Malhação

Celebridades

Será?

Nicole Bahls comemora 27 anos: “agora sou uma nova mulher”

icole Bahls comemorou seus 27 anos de vida ao lado de amigos e familiares na boate Miroir, em Ipanema, na Zona Sul do Rio de Janeiro. “Me vejo agora como uma mulher mais madura, principalmente depois das coisas que passei na vida”, contou ao site “Ego” na última sexta-feira (16). Solteira, a musa não escondeu a felicidade da presença de sua mãe na festa. “Estou reunindo meus amigos e até a minha mãe veio aqui hoje para curtir esse momento comigo”, disse. Com um vestido comportado, mas que acabou deixando a calcinha branca à mostra, Nicole afirmou que a vida de panicat está completamente no passado. “Agora não vivo mais como a personagem de um programa de televisão, tenho o meu estilo próprio. Aquelas roupinhas e aquele jeito de panicat ser ficaram lá atrás. Estou mudando muitas

C4

Editora: Ana Barbosa - anabarbosa@jdia.com.br

Lado a Lado Constância fica intrigada com a visita de Edgar. Matilde fala para Laura que Edgar sofreu com sua ausência. Zé Maria fica perturbado com o que descobre sobre Isabel. Elias conta para Jurema que não pode chamá-la de tia. Quequé critica Neusinha por querer se aproximar de Catarina. Edgar fica apreensivo quando Catarina pergunta o nome da professora de Melissa. Constância descobre que sua filha voltou para o Rio de Janeiro. Laura e Edgar discutem na porta do colégio. Celinha descobre por que Guerra mudou seu comportamento com ela. Zé Maria fala para Chico que não quer voltar a trabalhar no mar. Constância procura Laura.

Salve Jorge Wanda tenta despistar Maitê e Helô desconfia. Theo conta para Morena que está voltando a se dar bem com Érica. Carol se esconde no carro de Caique. Demir acha graça quando Zyah mente para manter Bianca e Stênio afastados. Barros encontra pistas sobre a adoção de Aisha. Amanda flagra Carlos e Yolanda conversando no hotel. Aída pede para Morena levá-la ao local do coquetel. Érica tenta seduzir Theo, mas Morena se aproxima do noivo. Lucimar pede para Diva emprestar o dinheiro do aluguel. Miro paga Samantha para despistar Nilcéia. Adam se incomoda na presença de Rosângela e Jéssica.

Áries (21 mar. a 20 abr.) É pra comemorar mesmo: Marte, que comanda seu signo, adentra o ambicioso e estrategista Capricórnio, trazendo motivos para você comemorar uma fase de mais atividade e destaque na profissão. Reconhecimento social.

Libra (23 set. a 22 out.) Se até agora você conseguiu ir levando, sem grandes atritos, os seus parceiros de vida e negócios, daqui em diante vai ser diferente. Marte irá expor e obrigar a enfrentamentos. A vontade imperiosa é difícil de contornar.

Touro (21 abr. a 20 mai.) Depois de conversas, tentativas, de muito vai não vai com seu parceiro, eis que surge a força necessária para impulsionar projetos amplos, de longa duração também. Viagens, publicações e espiritualidade em alta.

Escorpião (23 out. a 21 nov.) Que ótimo: Marte seu regente entra hoje em Capricórnio, onde permanece por algumas semanas liderando o dialogo com os próximos. Mais persuasivo do que nunca, se afirmará por seu conhecimento e seu poder de expressão.

Gêmeos (21 mai. a 20 jun.) Você está achando difícil se expressar? Você entende mas não consegue dizer tudo. Espere! Tensão astral passageira desaconselha encontros românticos e vida social. Evite fazer compras porque elas não serão apropriadas.

Sagitário (22 nov. a 21 dez.) Até que enfim chegou o momento de você batalhar melhores salários, aquele bônus prometido pela empresa, e corrigir o preço de um serviço defasado. Mas tem de cuidar pra não gastar dinheiro sem pensar.

Câncer (21 jun. a 21 jul.) A noticia de hoje é que Marte, o planeta da garra e da guerra, entra em Capricórnio. Signo oposto ao seu, promete confrontos com associados, parceiros, clientes, cônjuge. Ceder é parte da estratégia possível.

(22 dez. a 20 jan.) Energia. Pique. Estimulo pra dar e vender. Imposição do próprio ritmo aos outros. Desejo de liberdade pessoal. Promessas de Marte, ora transitando seu signo. Quem vai poder aguentar ficar contra você?

Leão (22 jul. a 22 ago.) A temporada boa pra cuidar daquela sua dor nas costas começa agora. Com Marte em Capricórnio você vai trabalhar mais, e tanto, que é bem capaz da sua coluna reclamar. E ai, você tem de encarar um cuidado extra. Virgem (23 ago. a 22 set.) O amor pode ser um estimulo tão poderoso para você sair do tédio! E com Marte agora em Capricórnio é fácil se envolver, se inspirar e se apaixonar. A pegada sensual aumenta também. Persista em ambições pessoais.

Capricórnio

Aquário (21 jan. a 19 fev.) Quando você faz parte de um grupo é bacana se sentir somando esforços.. Mas quando você é posto na frente dos obstáculos, como boi de piranha, pra outros se darem bem.. cuidado! Fique de olho de hoje a dezembro.

Peixes (20 fev. a 20 mar.) Marte e Netuno em ótimo aspecto exaltam a imaginação criadora e a veia artística do pisciano conectado com temas coletivos. Marte em Capricórnio é bônus na forma de amizades firmes e gente entusiasmada ao seu redor.


CadernoD

Carro&Moto Macapá-AP, domingo e segunda, 18 e 19 de novembro de 2012

Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Hatches médios: revolução no segmento Conheça os principais protagonistas desse time e os modelos que estão para estrear ou já estrearam no Brasil

E

squecido nos últimos tempos no Brasil, atualmente o segmento de hatches médios está se renovando. Mas para a revolução ser completa, falta a estreia de modelos de peso, que inclusive estão prometidos para chegar às lojas no próximo ano. Para quem pretende adquirir um veículo desse time, vale a pena conferir quem são os principais protagonistas e também analisar o que vem por aí. (noticiasdecarros)

Novo Hyundai i30

A

nova geração do i30 promete esquentar ainda mais a disputa do segmento quando chegar às lojas, a partir de janeiro e fevereiro de 2013. Exibido no País pela primeira vez na 27ª edição do Salão do Automóvel de São Paulo (entre outubro e novembro), o hatch coreano foi um dos modelos mais disputados entre os

visitantes, que o cercavam para conferir de perto seu visual renovado, novo interior e não paravam de disparar flashes. Exibindo o atual estilo de design da Hyundai (escultura fluida), a nova geração do modelo deixará de utilizar o motor 2.0 a gasolina de 145 cv e trará sob o capô o bloco 1.6 bicombustível de 128 cava-

los de potência, abastecido com etanol. O conjunto será ligado a uma transmissão automática de seis marchas. A fabricante coreana continua fazendo mistério com relação aos preços da nova geração. Só para constar, o i30 atual, vice-líder do segmento tem preço inicial de cerca de R$ 51 mil.

bloco 1.8 16V E.torQ de 132 cv com etanol e podem ser ligadas a uma transmissão manual de cinco velocidades ou automatizada. Para quem prefere um pouco mais de esportividade, a sexta configuração

é a indicada: a T-Jet, que utiliza o motor 1.4 16V turbo de 152, vem com o sistema Overbooster, capaz de aumentar a pressão do turbo quando ativado. A linha Bravo começa em R$ 53.140 e chega aos R$ 66.140, preço da T-Jet.

Novo Ford Focus

O

Novo Ford Focus hatch está prestes a estrear no Brasil. A informação foi confirmada ao Carsale pela própria fabricante, durante o Salão do Automóvel de São Paulo. A data da estreia é 2013, quando chega também a configuração na carroceria sedã. O visual dos modelos será o mes-

mo dos veículos à venda nos Estados Unidos. Outra informação confirmada pela fabricante é que o Focus continuará sendo importado ao Brasil. Preços não foram revelados. O Focus atual vendido por aqui custa a partir de R$ 52.190. Para se ter uma ideia, no mercado norte-americano o

hatch parte de US$ 16.200, o que em uma conversão simples e sem taxas equivale a cerca de R$ 33 mil. No Brasil, o Focus hatch conta com os motores 1.6 Sigma de 116 cv (etanol) ou 2.0 Duratec de 148 cv (etanol), enquanto que a nova geração traz sob o capô os blocos 2.0 Ti-VCT de 161 cv e o 2.0 EcoBoost de 255 cv.

Fiat Bravo

O

veterano da lista chegou por aqui em novembro de 2010, com a missão de aposentar o fracassado Stilo. De lá para cá a linha Bravo cresceu e hoje conta com seis versões. Cinco delas trazem sob o capô o

Chevrolet Cruze

O

Cruze faz parte da enxurrada de lançamentos da Chevrolet durante este ano. Ele chegou em março em duas versões, a LT e LTZ, ambas equipadas com o já conhecido mo-

tor 1.8 Ecotec6, apto a entregar 140 cavalos, com gasolina e 144 cv, utilizado etanol, ambos aos 6.300 rpm As opções de transmissão são manual ou automática de seis velocidades. Re-

cheado de equipamentos de série desde a versão de entrada, o hatch parte de R$ 60.450 e pode chegar até 74.934, na versão LTZ equipada com o câmbio automático.

Volkswagen Novo Golf VII

A Peugeot 308

S

ubstituto do já cansado 307, o 308 estreou em fevereiro deste ano. Produzido na planta de Palomar, na Argentina, o hatch conta com design mais moderno e musculoso, comparado com seu antecessor. A gama é com-

posta por duas versões equipadas com o bloco 1.6 de 122 cavalos de potência, que partem de R$ 50.200 e outras três que utilizam o motor 2.0 de 151 cv e começam em R$ 59.500. A mais “apimentada” da linha foi lançada este mês:

é a Feline 1.6 THP , que traz sob o capô o bloco turbo já utilizado nos modelos 3008, 408, RCZ, 508 e 308 CC, capaz de entregar 165 cv. O conjunto está ligado a uma transmissão automática sequencial de seis velocidades.

inda não há motivos para se comemorar, pois a Volkswagen não confirmou a chegada da sétima geração do Golf ao País, — por aqui ainda convivemos com a quarta geração que passou por um facelift e foi apelidada de 4,5. Maior em comprimento, largura e entre-eixos, o novo Golf também conta com um porta-malas mais espaçoso. Segundo a VW, o novato está mais segu-

ro, confortável, leve e econômico em relação ao antecessor. Em termos de peso, ele é 100 quilos mais leve que o modelo de sexta geração. Na Europa, a versão de entrada sai por 16.975 euros (cerca de R$ 34,6 mil, em uma conversão simples). Para constar, no Brasil a variante mais em conta 1.6 começa em R$ 49.930 e o topo de linha 2.0 Black mercados parte de R$ 62.860. Fato é que o consumidor

brasileiro está vendo a estreia do novo modelo em diversos mercados e aguarda (há tempos) a substituição do desfasado Golf brasileiro. Tamanha é a importância do Golf no mundo que, desde o lançamento do primeiro modelo em 1974, o hatch acumulou ao longo de seus 38 anos mais de 29 milhões de unidades vendidas ao redor do mundo. E, continua a pergunta: vem ou não vem?


JD

Carro&Moto

Vai dirigir? O que acha de beber cerveja sem álcool?

Quem não quer ser pego na Lei Seca encontra nessas cervejas uma alternativa para dirigir de forma segura, sem deixar de lado o sabor

D

e 2008 pra cá, quando surgiu a Lei Seca, muitos motoristas passaram a temer as baladas de fim de semana. Afinal, a diversão ficou comprometida: beber e pegar o volante pode dar muito mais dor de cabeça do que uma simples ressaca. Dependendo do que o bafômetro “dedurar”, o motorista leva pra casa multa, suspensão da CNH, apreensão do veículo e até cadeia. Uma alternativa encontrada por muita gente foi então apelar para as cervejas sem álcool. Com elas, o sabor é praticamente o mesmo e o motorista, consciente, não se sente tão fora dos padrões sociais por estar em uma mesa com os amigos beberrões – e ainda não estraga a paquera ao ser flagrado com um copo de suco na mão no meio do bar. Tanta cautela não é à toa: de acordo com dados do Departamento de Polícia Rodoviária Federal, não há limite seguro para dirigir após beber, porque a metabolização do álcool depende de fatores como sexo, peso, alimentos ingeridos e, claro, quantidade de bebida consumida. Além disso, caso o motorista apresente 0,2 mg de álcool por litro de sangue, já está na berlinda. Marcos Mello, de São Paulo (SP), sentiu na pele, ou melhor, no bolso, os problemas de beber e dirigir. Por trabalhar com importação cervejeira, ele tem uma tarefa invejada por muitos marmanjos: quando chegam rótulos novos, têm de degustá-los em quantidades mínimas para conhecer as características sensoriais (aroma, sabor, corpo etc). “A gente sempre pensa que nunca vai acontecer com a gente, mas aconteceu há quase um mês. Era uma segunda-feira, por volta das 23 horas e tinha uma blitz que me parou. Pediram pra fazer o teste do bafômetro e achei que por ter bebido pouco na degustação, estaria livre, mas fui pego. Na hora é um susto porque além da multa, existe sempre o medo de perder a carteira e apreenderem o carro, o que, por sorte, não aconteceu”, conta Mello, que também é sócio do site de camisetas Beer Freaks. Depois da experiência, Mello passou a beber mais cerveja sem álcool e diz não notar a diferença no sabor. “Amo lúpulo e uma das minhas cervejas preferidas, a Nanny State, da

Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Pista livre JOSÉ ARCANGELO

Colunista

Série Nissan lança o Sentra Especial Edition (SEE) por um custo benefício interessante. Com base na versão S vem com os equipamentos do SL, o top de linha da montadora japonesa. De série vem: suave direção elétrica, computador de bordo, freios ABS (antitravamento) e com EBD (controle de estabilidade). Mais Alem disso, o SEE tem ar, CD/MP3 com tela colorida de 4,3 polegadas, duplo airbag, partida no botão (sem chave), rodas aro 16, áudio com oito amplificadores de som, bancos e volante em couro e vistosa câmera de ré. O motor é um conhecido 2.0 litros com CVT, que entrega 143 cv e 20,3 kgfm de torque. É só entrar no carrão, sentir e acelerar. Na Trilha Norte.

marca Brewdog, tem muito deste ingrediente, o que faz com que tenha aroma e sabor que não devem em nada pras cervejas ‘convencionais’”. Ainda assim, alguns hábitos mudaram pra valer. Quando sabe que vai beber bastante, Marcos Mello agora vai de metrô, pra não correr mais riscos, ou fica mesmo só nas cervejas não alcoólicas. Mestre-cervejeiro do Grupo Petrópolis, farmacêutico e bioquímico, Alvaro Dertinate Nogueira, de Boituva (SP), conta que o mercado de cervejas não alcoólicas tem representatividade em todo o mundo, inclusive nos países islâmicos, onde o álcool é proibido. “O consumo desse tipo de cerveja é uma opção ou uma necessidade. Em almoços de negócios, por exemplo, tomo a Itaipava 0,0% por opção. Quando vou participar de alguma recepção e não tem ninguém pra me levar de volta pra casa em segu-

rança, também fico na cerveja sem álcool”, destaca. Receita especial para aquecer só os motores Tem muita gente que torce o nariz só de ouvir falar em cerveja sem álcool, afinal, cadê a graça? Feita de água, malte, lúpulo e levedura, a cerveja nasceu pra ter álcool, já que durante o processo de fermentação, algo “mágico” acontece: as leveduras passam a consumir o açúcar do malte e, como resultado, produzem álcool e gás carbônico, que deixa a cerveja refrescante e com as conhecidas bolhinhas. O químico e mestre-cervejeiro Alfredo Luiz Barcelos Ferreira e a beer sommelière Kathia Zanatta, professores do Instituto da Cerveja, da capital paulista, contam que para fazer uma cerveja sem álcool é preciso interromper o processo fermentativo, evaporar o álcool por destilação à vácuo ou filtrar a

cerveja com uma membrana muito fina e especial. “Apenas esses dois últimos métodos rendem cervejas totalmente zeradas de álcool”, destacam. Eles orientam ainda que a cerveja feita com fermentação interrompida costuma trazer mais diferenças no paladar: “elas têm, geralmente, um caráter mais adocicado, muitas vezes com notas acentuadas de lúpulo e amargor mais intenso que as versões convencionais”, assim, por serem mais doces, costumam “encher” mais, tendo um consumo inferior ao das alcoolizadas. Alvaro destaca que, dependendo da técnica usada na fabricação, as características sensoriais da bebida são exatamente iguais aos da “convencional” e “gera inclusive certa confusão nos consumidores que tomam a cerveja ‘estupidamente gelada’, condição que mascara as percepções sensórias”.(revistaautoesporte)

display multimídia touchscreen de 6,5 polegadas e

preço de R$ 161 mil na versão CD.

Clássico da semama Chevrolet Omega

L

uxo, conforto e desempenho. As três palavras descrevem esse sedã, produzido no Brasil a partir de 1992 na cidade de São Caetano do Sul (SP). O lançamento rendeu um prêmio Carro do Ano, entregue por Autoesporte em 1993. A primeira geração foi fabricada no Brasil até 1998. A segunda a ser introduzida no mercado foi produzida em Holden, na Austrália. Na história do Omega, os motores foram de quatro cilindros, 2.0, 2.2 (gasolina), 2.0 (álcool), e de seis cilindros, 3.0, 3.6, 3.8, 4.1 (gasolina). A versão disponível hoje no Brasil é importada, com motor V6 de 3,6 litros, 292 cv de potência, rodas de alumínio de

D2

Macapá-AP, domingo e segunda, 18 e 19 de novembro de 2012

17 polegadas, freios ABS, sistema multimídia com

Bom Acredite! O Novo HB20 da Hyundai é sem igual. Tem o motor mais potente da categoria e quando se precisa de uma performance um pouco mais esportiva, basta pisar fundo no acelerador que o motorzão flex CVVT em alumínio de 1.0 litro, que empurra 80cv responde de imediato. Se a opção for o propulsor 1.6 litros, então, a potência sobre para 128 cv. Panda A Fiat mira o Brasil no nicho de mercado dos Veículos Esportivos Utilitários (SUV) e pode lançar por aqui um bom concorrente para o Novo EcoSport, que veio para retomar o trono que perdeu para o SUV da Renault, o Duster. Para isso, pode to-

mar a inspiração no “jipinho” 4X4 Panda que roda na Europa com estrondoso sucesso. E a GM poderá vir com o Trax (Tracker para nós). Inadimplência Atrasos acima de 90 dias nas prestações de carros financiados já são consideradas inadimplências e sujeitas às buscas e apreensões pelos bancos. No último mês de setembro, os atrasos se intensificaram e a disponibilidade para novos créditos no mercado reduziram em 0,1%, suficiente para mostrar uma pequena trava para novos financiamentos. Otimismo A Fenabrave, braço-forte das distribuidoras de veículos no País, voltou a ficar otimista com os números das vendas dos últimos meses, por conta da prorrogação da redução do IPI até o fim do ano. Para a entidade, a previsão das vendas no início do ano que era de 4,8% de crescimento voltou a ser pensada. Dirigentes mais “sossegados” calculam 4% de crescimento. De janeiro a outubro o incremento foi de bons 7,3%. Números A Fenabrave estimava no início do ano que o mercado absorveria 3,59 milhão de unidades de autos e comerciais leves. Se as montadoras praticarem o “rapel”- emplacamento de modelos em estoque para elevar números finais de share – e as locadoras anteciparem suas compras, por conta da volta da cobrança do IPI em janeiro, os números podem se tornar mais generosos.

Auto Pista

Quem pretende trocar seu usado por um zero quilômetro é bom se antecipar nesta última quinzena de novembro e nos 30 dias de dezembro. Desta vez não haverá prorrogação da redução do IPI e obrigatoriamente os veículos terão reajustes na virada do ano. –x-x-x-x- Inauguração do novo, amplo e moderno show room da Trilha Norte Nissan na Rodovia Duca Serra, está previsto para março do ano que vem. Coincidentemente, quando tem o ponta pé inicial das importações de veículos mexicanos. –x-x-x-x- Honda Civic continua muito a frente do seu concorrente Toyota Corolla em emplacamentos. O projeto da Honda é mais moderno que o do seu concorrente e o cliente percebe isto. –x-x-x-x- Carros chineses, realmente, literalmente, não emplacaram no Meio do Mundo. Quem tem um sabe a baita alegria quando comprou e vai ter outra grande dor de cabeça quando tiver que se desfazer dele. Os preços dos usados chegam a cair até 50% em menos de dois anos. –x-x-x-x- Vamos ver quando os técnicos de trânsito da PMM vão sincronizar os sinais da AV. FAB, melhorando o fluxo. Da Rua Hamilton Silva até a Cândido Mendes, em horário de pico, leva-se até 15 minutos para percorrer um quilômetro. –x-x-x-x- Quarta Lei da Espiritualidade (Indiana): “Quando algo termina, termina!”. Simplesmente assim!Se algo terminou em nossas vidas, é para nossa evolução!Portanto é melhor desapegar, erguer a cabeça e seguir adiante, enriquecidos com mais essa experiência!-x-x-x-x- Freando...e terminando a coluna. –x-x-x-x- Bom Domingo!


JD

Carro&Moto

Macapá-AP, domingo e segunda, 18 e 19 de novembro de 2012

Na terra de “gigantes”: Cobalt ou Grand Siena?

D3

Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Em detalhes

FOTOS DIVULGAÇÃO

Colocamos frente a frente os dois sedãs nacionais compacto-médios

P

ara esses dois sedãs, não restam dúvidas: tamanho é documento. Lançados há poucos meses no mercado brasileiro, Chevrolet Cobalt e Fiat Grand Siena têm muito em comum. Os dois modelos nasceram de uma nova safra de sedãs que claramente privilegia o espaço interno. Em outras palavras, ter a carroceria mais encorpada para eles não é vantagem, é necessidade. Esse diferencial ganhou corpo (não resisti ao trocadilho!) com o Renault Logan, precursor entre os sedãs compactos com dimensões médias. O modelo da fábrica francesa formou adeptos, e o estilo virou tendência: quanto mais espaçosos, melhor. Só que, além desse “legado”, o Logan também deixou um questionamento: é possível ser grandão e belo? Bom, o tema é subjetivo. E Cobalt e Grand Siena são duas das referências, para o bem ou para o mal. Desde que apareceu pela primeira vez, o Chevrolet causa estranheza. O visual grotesco da dianteira contrasta com a traseira mais discreta e elegante. Seu porte bruto, em parte, é responsável por atrapalhar a harmonia das linhas. São volumosos 4,48 metros de comprimento, por 1,73 m de altura e 1,51 m de altura. Nem os sedãs médios possuem tais medidas. O trunfo recai sobre o porta-malas de 563 litros. Do outro lado temos um Grand Siena controverso, mas melhor resolvido. As linhas dianteiras conversam com as laterais e a traseira. Em termos de design, não há como afirmar que o novo sedã da Fiat carece de beleza. Ao mesmo tempo, as formas são um tanto exageradas para um compacto. Em tamanho, o Grand Siena ficou muito próximo do Linea, atual sedã médio da Fiat. Só que partindo de um preço inicial razoavelmente menor. Este, aliás, é outro aspecto comum a essa turma de sedãs. Não basta ser grande, é preciso ser acessível. E isso tem um custo. Cobalt, Grand Siena e Cia são básicos. Nada de luxo. Para notar essas características, basta um passeio a bordo desses dois compactos. Nas cabines, os revestimentos plásticos são abundantes, modernos e até atraentes. Mas também explicitam a busca pelo baixo custo. Os painéis não trazem peças acolchoadas, algumas peças simplesmente não encaixam de forma precisa. E o requinte está em molduras que imitam metal ou no couro que cobre volante e bancos. A lista de equipamentos também influencia essa percepção. Chave do tipo canivete, ar-condicionado digital, sistema de som com Bluetooth e entrada USB, sensores de obstáculos... Mecânicas compactas, mas ultrapassadas Para este comparativo, elencamos duas versões distintas de Cobalt e Grand Siena. A regra era ter motor 1.4 flex. Na gama do sedã da Fiat, veio a configuração básica Attractive, única equipada com motor dessa cilindrada, capaz de gerar 88 cv e 12,5 kgfm de torque aos 3.500 rpm (com etanol). No caso do Cobalt, a configuração não influenciou, já que o Chevrolet por enquanto só usa o motor 1.4 litro de 102 cv e 13 kmgf de torque aos 3.200 giros – também com álcool. Uma vez juntos, só havia um problema: os preços. O Grand Siena Attractive custa R$ 36.000, enquanto o Cobalt LTZ tem valor sugerido de R$ 44.833. Só que o sedã Fiat, quando completo, passa a R$ 44.750, valor equivalente ao pedido no Cobalt LTZ – que não tem opcional. Ou seja, juntando os opcionais presentes na versão testada, o Grand Siena Attractive é adversário direto do Cobalt LTZ. Sendo assim, restava levar os dois modelos

Toyota anuncia recall de 2,8 milhões de veículos no mundo

Visuais podem levantar polêmicas, mas deixam clara a prioridade: espaço interno

para a pista e ver qual deles se sairia melhor. Vou confessar, na redação de Autoesporte a expectativa era de que o Grand Siena fosse vencer o duelo com alguma facilidade – dado o porte avantajado do rival. Mas os números não corresponderam. O sedã Fiat levou a melhor nas retomadas e na medição de consumo. Aqui, as médias urbanas foram idênticas (6,9 km/l com etanol), mas as rodoviárias favoreceram o Fiat, com 12,2 km/l ante 9,4 km/l. Fazendo as contas, o Grand Siena marcou de 9,5 km/l em percurso misto, enquanto o Cobalt fez 8,1 km/l “bebendo” o combustível vegetal. Já nos testes de aceleração, o Cobalt venceu. Na arrancada de zero a 100 km/h, por exemplo, o modelo precisou de 13,2 segundos, enquanto o Fiat levou 13,6 s. E nas retomadas, deu Grand Siena de novo, e com diferença maior. Para resgatar o fôlego dos 40 km/h aos 80 km/h em 3ª marcha, o Cobalt gastou 8,8 segundos, um a menos que o rival, que gastou 7,8 segundos. Para ir de 60 km/h a 100 km/h, a distância caiu, com 11,9 s contra 12,2 s. Vale notar que nenhum dos modelos é vigoroso. Os motores 1.4 oferecem bom fôlego, mas sofrem com o veículo carregado ou em ladeiras. Nos testes de frenagem, a carroceria encorpada (e bitola maior) fizeram a diferença para o Cobalt. Enquanto o sedã da Fiat precisou de 52,7 metros para frear totalmente aos 100 km/h, o Chevrolet percorreu distância bem menor, de 46,9 m. Mais lentos, a velocidade de 80 km/h, os dois rivais tiveram desempenhos parelhos. Mais uma vez deu Cobalt, que de fato transmite mais firmeza e equilíbrio nas retas, curvas e, claro, nas frenagens. O modelo da General Motors parou 100% após 25,6 m, enquanto o Grand Siena se “arrastou” por 26,9 m. Então, ponto para o Cobalt. Detalhe: os dois sedãs estavam equipados com freios ABS. Vida a bordo e ao volante A disputa entre as versões de 1.4 litro também é bem intensa no dia-a-dia dentro dos sedãs. No Grand Siena, o interior é ligeiramente maior que no modelo de primeira geração – o recém-atualizado Siena EL. E esse tamanho maior para cima e para os lados ampliou o conforto a

A Toyota anunciou nesta quarta-feira o segundo recall em menos de dois meses. Desta vez, serão recolhidos para reparos 496 mil veículos na Europa, 670 mil nos Estados Unidos e 1,5 milhões no Japão. A companhia informou que foram encontrados problemas nos eixos intermediários da extensão da direção, o que poderia danificar o veículo em baixa velocidade. De acordo com a marca, esse problema é relativamente simples e pode ser consertado em 50 minutos, foi identificado nos modelos da segunda geração do Pruis e em alguns modelos do Corolla, que é vendido na Europa com o nome de Auris. A japonesa também fará o recall de 630 mil veículos em vários outros países, incluindo 350 mil nos Estados Unidos e 175 mil no Japão, para reparar as bombas de água dos modelos híbridos. Há casos, em que alguns carros terão que passar pelos dois reparos. Segundo informou a assessoria de imprensa da Toyota, nenhum modelo comercializado no Brasil precisar passar pelo recall.. Repetição Em outubro, a montadora japonesa já havia anunciado o maior recall desde 1996, quando a Ford recolheu 8 milhões de veículos. A Toyota informou há dois meses que 7,4 milhões de veículos precisariam ser reparados, devido a uma falha no interruptor de acionamento elétrico do vidro da porta dianteira de alguns modelos, entre eles Corolla, RAV4 e Camry. Entre 2009 e 2011, a companhia realizou o recall de mais de 10 milhões de veículos. (noticiasdecarros.com) ............................................................................

Grand Siena fez aceleração de 0 a 100 km/h em 13.6 segundos

Ferrari store chega ao Brasil

Para os fãs que literalmente vestem a camisa da marca, a Ferrari acaba de inaugurar a primeira franquia de sua loja oficial no Brasil, no Fashion Mall, no Rio de Janeiro. Lá, os admiradores da montadora italiana, que é sinônimo de luxo e exclusividade no mundo automotivo, podem encontrar outros produtos com o símbolo do cavalo negro empinado, como miniaturas, roupas, acessórios e artigos esportivos. A boutique oficial da marca chega ao país por meio do Grupo Via Itália, importador exclusivo dos veículos da montadora para o Brasil. Nos próximos 5 anos, a franquia deve inaugurar outras lojas em São Paulo e outras cidades com potencial. O bom é que se você não tem alguns milhões de reais para gastar em um superesportivo da marca, quem sabe não dá, pelo menos, para adquirir um chaveirinho para ornamentar a chave do seu carro popular. (noticiasdecarros.com) Chevrolet Cobalt por enquanto só usa o motor 1.4 litro

Grand Siena ficou a frente do Cobalt em consumo médio: 9,5 km/l contra 8,1 km/l

bordo. Uma crítica: a Fiat poderia ter criado mais nichos ao redor dos assentos. Mesmo os bolsões das portas são estreitos. Por outro lado, o painel usa materiais atraentes. As texturas das peças de plástico agradam, e o desenho é bem resolvido e funcional. No geral, o nível de acabamento melhorou nitidamente. Até para condizer com a faixa de preços. No Cobalt, essa amplitude de espaço é ainda maior a bordo. O modelo da Chevrolet é mais largo e comprido que o Grand Siena. No interior, a sensação é de se estar

a bordo de um carro médio mesmo. E com direito a um porta-malas gigante, de 563 litros – razoavelmente superior ao sedã do sedã da Fiat, também possui um compartimento generoso de 520 litros. Nos bancos traseiros, vão três adultos de porte médio com folga. Outro aspecto acertado pela GM foi a variedade de porta-objetos – entre os bancos, no painel e nas portas. No quesito vida a bordo, o Cobalt fica em vantagem. Só perde no estilo, que também pode agradar com os instrumentos digitais. (revistaautoesporte)

............................................................................

Lamborghini revela novo aventador roadster 2013 A Lamborghini revelou antecipadamente os detalhes do seu novo Aventador Roadster, que chega com algumas mudanças em relação ao Murciélago Roadster. A primeira delas está no teto. Enquanto o do Murciélago tem capota de tecido, a nova cobertura do Roadster é feita com fibra de carbono, pesa apenas 6 kg e pode ser removida manualmente em “alguns segundos”. Debaixo do capô, no entanto, tudo igual: o novo superesportivo vem com o motor V12 6.5 aspirado, de 710 cv, com sistema de desativação de cilindros, tecnologia star/stop e transmissão automática de 7 velocidades. Com o teto abaixado, ele demora cerca de 3 segundos para alcançar 100 km/h, e sua velocidade máxima é de 349 km/h. Por conta da nova cobertura, as colunas traseiras do carro tiveram que ser redesenhadas para proporcionar força adicional quando o teto fosse recolhido. A supermáquina da Lamborghini também conta com um para-brisa traseiro motorizado que pode controlar tanto o fluxo de ar sobre o veículo como o nível de ruído do motor - que pode incomodar os passageiros, quando a capota estiver aberta. O Aventador Roadster está previsto para chegar ao mercado no segundo semestre de 2013, com o preço inicial de 300 mil euros ou aproximadamente 780 mil reais. (noticiasdecarros.com) ............................................................................

Mercedes revela novo Sls Amg Black series,

Chevrolet Cobalt (R$ 43.898) já conquistou seu espaço, mas enfrenta o novo Grand Siena (R$ 36.000)

com 630 cavalos Acabou o mistério. A Mercedes-Benz revelou o novo SLS AMG Black Series, que deve chegar ao mercado em junho de 2013. Assim como o outro modelo Black Series, o novo SLS AMG traz melhorias significativas em desempenho e aerodinâmica em relação ao modelo comum. Debaixo do capô, encontra-se o mesmo motor V8 6.2 de 630 cv, 39 cv a mais que o SLS AMG GT que chega a desenvolver 591 cv. As melhorias no novo superesportivo incluem uma nova entrada de ar, comando de válvulas, melhor refrigeração de óleo e água e ajustes adicionais de pressão. (noticiasdecarros.com)


Sociedade

Aline Lima alinelima@jdia.com.br

Macapá-AP, domingo e segunda, 18 e 19 de novembro de 2012

Na última quarta-feira, 14 o Presidente do Tribunal de Justiça do Amapá Desembargador Mário Gurtyev, deu posse aos Juízes de Direito de Entrância Final CÉSAR AUGUSTO SOUZA PEREIRA e STELLA SIMONNE RAMOS em duas das três vagas criadas com o Juizado de Infância e Juventude de Macapá.

Editor: Pablo Oliveira - pc.oliveira@jdia.com.br

Pedro Ferreira e Jarbas Meure

Mensagem do Dia “Há três métodos para ganhar sabedoria:primeiro, por reflexão, que é o mais nobre; segundo, por imitação, que é o maisfácil; e terceiro, por experiência, que é o mais amargo”. Confúcio.

Inara Padilha e Teila Amorim

Clebson e Dione Amaral

Ingrid Quintas

Nilton Ricardo de Souza

Esta colunista e parceiros do Programa Balada fashion Reginaldo Moreno e Maicon William

Kelly Mayara

Jovem empresária Lizziane Azevedo clicada para nossa coluna

NESTE FINAL DE ANO APROVEITE E ANUNCIE SUA EMPRESA NA COLUNA SOCIAL DO JORNAL DO DIA

ANUNCIE AQUI! LIGUE: 9112 5045


CadernoE

Economia&Negócios

Editor: Túlio Pantoja - tuliopantoja@jdia.com.br

Macapá-AP, domingo e segunda, 18 e 19 de novembro de 2012

Estudo traça perfil da classe média brasileira O levantamento foi feito a partir de uma metodologia estatística que cruza dados da Serasa Experian

P

esquisa inédita da Serasa Experian sobre a classe média brasileira mostra que ela é composta em sua maioria por jovens moradores de periferias (31%), pessoas que estão envelhecendo na periferia (18%) e aspirantes sociais (11%). Atualmente, eles representam 60% das 104 milhões de pessoas da classe média. O levantamento foi feito a partir, de uma metodologia estatística que cruza dados da Serasa Experian, do Censo Brasileiro e da PNAD (Pesquisa Nacional de Amostra Domiciliar), sendo a maior e mais completa base de informações socioeconômicas do Brasil. “O país tem vivenciado uma transformação econômica. Com controle da inflação, investimentos sociais, moeda forte e a estruturação da economia, o Brasil passou a ter classes sociais que deixam de ser estatísticas e que têm necessidades distintas e específicas a serem atendidas”, afirma Ricardo Loureiro, presidente da Serasa Experian, que apresentou a pesquisa hoje no 1º Fórum Novo Brasil: Desvendando a Classe Média. “Mais de 100 milhões de pessoas. Poucos países no mundo têm população maior que essa. A classe média, que mudou e definiu um novo Brasil, devido a sua representatividade, pode selar, sozinha, uma eleição. Na economia, transforma um pequeno investimento em um negócio gigante. Já que todos a querem, cabe a pergunta: quem é e o que quer essa nova classe média brasileira?”, questiona Ricardo Loureiro. “A classe média representa uma enorme oportunidade para as empresas. Entretanto, em um mercado cada vez mais competitivo, é fundamental que as empresas estejam preparadas para a disputa. É preciso que estejam cada vez mais orientadas ao aprimoramento e rentabilização de sua estratégia de ida ao mercado, sob pena de ve-

rem seus investimentos fracassarem. Foco, segmentação de mercado e reconhecimento do seu público-alvo estão entre os aspectos centrais dessa abordagem”, afirmou. O presidente da Serasa Experian destacou a importância de se conhecer bem todos os grupos da classe média. “Cada um dos grupos tem necessidades, interesses e perfis muito distintos. É importante ainda que as empresas busquem avaliar a capacidade de consumo das pessoas a quem irão direcionar suas ações de vendas.” Periferia Jovem: 31% da Classe Média Dos mais de 100 milhões da classe média, 31%, 32 milhões de pessoas, são do grupo Periferia Jovem. Nesta estratificação, 30%, ou 10 milhões de pessoas, estão no grupo chamado de Trabalhadores de Baixa Qualificação e com empregos formais; 29% (9 milhões) são Jovens Trabalhadores de Baixa Renda, com a maioria formada por mulheres; 20% (6 milhões) são Jovens na Informalidade, onde destacam-se mulheres chefes de família com menos de 25 anos. Por fim, 13% (4 milhões) são Famílias Assistidas da Periferia, residentes principalmente no Norte e Nordeste, sem relação com bancos e sem atividades de crédito ou financeiras. Envelhecendo na periferia: 18% da Classe Média O levantamento aponta ainda que, após os jovens de periferia, 18% da classe média brasileira, ou 19 milhões de pessoas, são da estratificação Envelhecendo na Periferia. São 9 milhões (45%) de operários aposentados e outros 6 milhões (30%) são classificados como Maturidade Difícil, sem renda nem aposentadoria formal, além de 4 milhões (25%) de casais maduros de baixa renda. Aspirantes Sociais:

A

incerteza e a volatilidade do mercado financeiro provocaram a diminuição geral no volume e no valor das transações globais de fusões e aquisições (M&A – Merger and Aquisition) nas Américas, Europa e Ásia, entre 2011 e o primeiro semestre de 2012. É o que registra a 1ª Edição do Relatório Global de Avaliação de M&A da American Appraisal, empresa especializada e líder mundial em opinião de valor e avaliação de ativos e negócios. Realizado em parceria com a Mergermarket, a partir de pesquisas e análises de dados, o relatório cita conclusões obtidas pela American Appraisal no contato com seus clientes, além de mais de 25 mil dados coletados em transações registradas em 28 países.

A classe média, que mudou e definiu um novo Brasil, devido a sua representatividade, pode selar, sozinha, uma eleição.

11% da Classe Média Há ainda 11 milhões de pessoas classificadas como aspirantes sociais _4,5 milhões (40%) são consumidores indisciplinados, jovens adultos com alto consumo e renda modesta, e 3,3 milhões (30%) são profissionais em ascensão social, que buscam mobilidade e status social por meio do trabalho e do estudo. O crédito e o comprometimento da renda disponível para o consumo O crédito tem sido um grande impulsionador do consumo e do crescimento do mercado interno. Estatísticas demonstram que 58% da classe média usam o cartão de crédito, 23% o crediário e 18% cheque, parcelando suas compras (em cartões de crédito, crediário) em 9 vezes. “O nível médio de comprometimento de renda mensal do brasileiro está ao redor de 22%, um valor dentro do razoável, que ainda apresenta oportunidade de expansão. Entretanto, é uma média de

Expansão urbana ocorre sem planejamento ou controle

A

expansão urbana — ou seja, a transformação em área urbana de terrenos definidos legalmente como rurais — não é controlada, nem sequer planejada por parte considerável dos municípios, aponta pesquisa da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP. As cidades aumentam seus perímetros urbanos casuísticamente ou criam, sem regulamentação federal, figuras jurídicas para contemplar estruturas como condomínios fechados, ranchos ou sítios, novas tipologias do mercado para famílias de rendas médias e altas. De acordo com a arquiteta Paula Santoro, autora do trabalho, essa expansão é caracterizada por uma normatização on demand, definida a partir das demandas do mercado imobiliário e da correlação de forças com o setor agrícola. A tese de doutorado Planejar a expansão urbana: dilemas e perspectivas foi orientada pelo professor Nabil Georges Bonduki, da FAU.

De acordo com a arquiteta Paula Santoro, autora do trabalho, essa expansão é caracterizada por uma normatização on demand.

Segundo a pesquisa, a expansão ocorre sem planejamento ou controle porque os municípios compõem com o mercado imobiliário em torno de uma ideia comum: “crescer em expansão urbana é desenvolver-se”. De 100 municípios paulistas cujos dispositivos legais e figuras jurídicas foram estuda-

Fusões e aquisições caíram nas Américas, Europa e Ásia

dos pela pesquisadora, 28 possuem leis municipais voltadas para loteamentos fechados sem que haja uma regulamentação federal. Isso sem falar nos que possuem a tipologia, sem reconhecê-la através de normas. A arquiteta critica a conivência com tal tipo de empreendimento. (Canal Executivo)

todo o mercado, e já é possível verificar a existência de milhões de famílias que atingiram, e até ultrapassaram, sua capacidade de consumo. Muitos estão superendividados e, conforme mostram os números, não obedecem necessariamente a nenhuma segmentação ou perfil muito específico, pois outros fatores comportamentais parece influir mais nesse tipo de comportamento”, apontou Ricardo Loureiro. Importância econômica e social O presidente da Serasa Experian apontou a importância do correto uso da informações de mercado na formulação das estratégias das empresas. “É uma excelente oportunidade para que as companhias tenham uma visão aprofundada de quem é quem nesse conglomerado social. E a partir deste quem é quem, as empresas podem repensar os seus produtos e serviços, suas

ofertas e seus processos de venda e comunicação, aumentando dramaticamente a eficiência a todo o ciclo de negócios”. Loureiro ressaltou que, em um ambiente competitivo, a tendência é que esse aumento de eficiência das empresas seja parcialmente transferido ao preço final, favorecendo os consumidores e todo o mercado. “De certa forma, é uma abordagem que opera em favor da diminuição do chamado “Custo Brasil”, adicionando objetividade e eficiência ao mercado”. Os benefícios de se conhecer com maior profundidade o perfil da Classe C não se restringem aos negócios. Instituições públicas e órgãos governamentais “passam a contar com uma ferramenta efetiva no apoio ao desenho de políticas públicas articuladas com as necessidades de cada região (ou microrregião) e características de sua população”, aponta o presidente da Serasa Experian.

Transações De acordo com o estudo, no primeiro semestre de 2012, a região das Américas registrou 2.031 transações, movimentando um total de US$ 156,4 bilhões. Estes dados representam uma queda de 18% no volume e de 31% em valores transacionados, em comparação ao mesmo período do ano passado. Muito do declínio é atribuído ao mercado norte-americano, o maior do mundo em fusões e aquisições de empresas, onde houve queda de 19% no volume e 40% no valor das transações nesse período. O ambiente de negócios fraco e a baixa confiança dos consumidores apontam para a continuidade desta queda. Por outro lado, a América do Sul (incluindo a Central) elevou o volume em 14% e os valores dos negócios em 8% no segundo trimestre de 2012, em comparação ao primeiro trimestre deste ano. (Canal Executivo)

Tablets e smatphones impulsionam mercado de eletrônicos em 2012

A

GfK, empresa de pesquisa, não tem dúvidas quanto às tendências que estão influenciando o consumo de eletrônicos no planeta: o consumidor não abre mão de ter um aparelho que tenha cada vez mais funcionalidades, que seja prático de usar e que o mantenha conectado à internet. Essa é uma das justificativas para o boom dos smartphones e tablets no Brasil e no mundo, conforme mostra estudo divulgado pela GfK Brasil após auditoria em 71 categorias de produtos, entre janeiro e agosto de 2012. No acumulado destes meses, comparado com o mesmo período de 2011, o número de smartphones vendidos no Brasil subiu 55%. A quantidade de novos modelos aumentou para 40 novos itens contra 28 no ano passado. Os produtos se sofisticaram: memória, processador, conectividade e resolução de melhor

de câmera, além de tamanho de tela maior (acima de 4”, outra tendência global). Já os tablets – categoria com pouco mais de um ano no Brasil – tiveram aumento de nas vendas de 267% em relação a 2011. A previsão da GfK é de que o faturamento da categoria de tablets aumente em 49% até o final de 2012 e outros 20% em 2013 em todo o mundo. “Convergência e mobilidade estimularam as compras de eletrônicos e seguem como tendência para 2013, mas não podemos esquecer que o conteúdo é que acelera a necessidade do consumidor por essas duas características”, diz Claudia Bindo, gerente de Negócios para Telecom da GfK “Cada vez mais as pessoas estão conectadas e compartilhando suas fotos e experiências nas redes sociais, e querem ter interação imediata com seu conteúdo e o

dos outros. Acabou a passividade que o consumidor tinha de ficar na frente da televisão. E esse comportamento impacta diretamente nas categorias de produtos eletrônicos. A indústria está buscando se reinventar”. Uma pesquisa online também realizada pela GfK com 524 pessoas sobre quais produtos compraram nos últimos seis meses. No ranking dos três primeiros aparecem celular, TV e smartphone. Perguntados sobre a intenção de compras para os próximos seis meses, os entrevistados apontam os tablets em disparado na lista de desejos. “É interessante observar que no processo de decisão de compra de um smartphone o consumidor está atendo às recomendações e à tecnologia e funcionalidades. No caso dos celulares, preço e design também são fundamentais”, completa Claudia. (Canal Executivo)


JD

Economia&Negócios

Macapá-AP, domingo e segunda, 18 e 19 de novembro de 2012

E2

Editor: Túlio Pantoja - tuliopantoja@jdia.com.br

Profissões artesanais resistem ao tempo, ma Algumas ocupações desafiam avanços tecnológicos e permanecem no mercado ainda sem destino certo

O

avanço tecnológico desenvolvido ao longo dos tempos provocou mudanças profundas na dinâmica social, transformando costumes e comportamentos. O que é considerada uma evolução significou para muitos setores do mercado de trabalho a extinção ou o enfraquecimento de algumas profissões. Ocupações como barbeiro, alfaiate, engraxate e lanterninha, mais comuns e necessárias em décadas passadas, ainda resistem ao tempo e desafiam o mercado cada vez mais moderno e industrializado. Os profissionais dessas áreas, por amor ou gratidão ao trabalho que os manteve por muitos anos, teimam e fazem de tudo para não ver os seus ofícios sucumbirem. Há meio século José Maximino, de 70 anos, tem como companheiros de trabalho a tesoura e a navalha com 20 anos de uso. O ofício que aprendeu com o pai tornou-se, ao longo da vida, a única fonte de renda para sustentar a família de sete pessoas. Mesmo com a concorrência dos salões mais modernos, mantém a barbearia, no Ibura, aberta de segunda a sábado. Clientes de todas as idades e das mais variadas localidades, até de outros estados, procuram os serviços de Maximino. “O movimento hoje é bem menor do que quando eu comecei. Mas, graças à fidelização dos clientes, me mantenho no mercado, fazendo aquilo que eu gosto”, afirmou. Vencendo a crise Apesar de ter visto muitas barbearias como a dele fecharem, José Maximino garante que não há crise. Seu pior momento econômico foi vivido nas décadas de 1950 e 1960. “A moda era o cabelo longo como o de Roberto Carlos. Os homens mal vi-

Os profissionais dessas áreas, por amor ou gratidão ao trabalho que os manteve por muitos anos, teimam e fazem de tudo para não ver os seus ofícios sucumbirem.

nham à barbearia. Nessa época tive que trabalhar como pedreiro”, relembrou. Passada a crise, o barbeiro tratou de ensinar a um filho e a um sobrinho o ofício. Hoje, cada um tem o seu próprio negócio. “E dá um bom dinheiro, viu? Todos vivem bem”, garantiu. “O segredo é fazer o melhor para o cliente, e a profissão nunca vai acabar”, completou.

Um bom negócio A boa rentabilidade do negócio é o que também mantém Fernando Barbosa, 52, no mercado. Há 30 anos como engraxate, ele recebe os clientes em frente ao número 111 da avenida Guararapes, no bairro de Santo Antônio. “Antigamente os homens usavam mais roupas sociais, o que os obrigava a ter sapato social. Por não ser tão barato, engraxar era uma for-

ma de mantê-los ‘novos’. Hoje o movimento é menor, mas prefiro trabalhar na profissão que aprendi com o meu pai do que ser empregado de outra pessoa”, argumentou. Disputa com a Industrialização Já a arte do corte e da costura é mantida por Bruno Perrelli, 72 anos. Herdeiro do pai na tradicional Alfaiataria Perrelli,

fundada em 1921, o profissional lamenta, mas não acredita na sobrevivência da profissão. A industrialização no setor de vestuário mudou a forma de consumo dos homens, que antes precisavam recorrer à alfaiataria. “Um terno demora de dez a 15 dias para ficar pronto. É mais cômodo para a maioria dos clientes ir a um shopping comprar uma roupa, mesmo que

ela não vá ficar perfeita em seu corpo, como uma confeccionada sob medida”, disse. Desvalorização Bruno Perrelli acredita que a extinção da alfaiataria é uma questão de tempo. “A alfaiataria não é uma profissão, é uma arte, e no nosso País, infelizmente, tem-se a tendência de desvalorizar o artístico”, afirmou.

Profissional moderno deve analisar conjuntura do mercado

A

extinção de alguns ofícios e o surgimento de outros fa­ zem parte da própria dinâmica do mercado. Fruto das relações sociais, os setores profissionais mu­dam naturalmente de acordo com as necessidades. Cabe ao profissional analisar a conjun­ tura da economia para se man­ter vivo. Unir a tradição à no­vidade pode não ser uma tarefa fácil, mas é imprescindível para a sobrevivência do negócio. Entrar na Alfaiataria Perrelli é como voltar no tempo. Manequins, tesouras e tecidos ajudam a recepcionar os clientes. E não é só o cenário tradi-

cional que parece parado no tempo, nada mudou na execução do trabalho nem no atendimento. Na hora de fechar o negócio, por exemplo, nada de cartão de crédito ou débito. O acordo se­gue à moda antiga: 50% do valor na hora do pedido e 50% no momento da entrega. “É tudo resolvido no conversável”, resumiu o alfaiate Bruno Perrelli. Para o engraxate e sapateiro Fernando José Barbosa, 52, também não houve nenhuma mudança nos 30 anos de ofício. Tudo é o mesmo: graxa, escova pé-de-ferro e taxinhas. Já na barbearia de

Conheça as profissões do futuro Caio Lauer

A

s tendências e necessidades do mercado de trabalho e da sociedade ditam o surgimento e a importância das atividades profissionais. Temas como meio ambiente, empreendedorismo e inovação estão em evidência e estudos sobre quais serão as profissões do futuro vêm sendo realizados a fim de levantar as perspectivas do universo corporativo. A pesquisa desenvolvida pelo Programa de Estudos do Futuro (Profuturo), da Fundação Instituto de Administração, da Universidade de São Paulo, aponta que a

José Maximino, 70, as cadeiras antigas e a navalha de mais de 20 anos dividem o espaço com máquinas modernas de cortar cabelo e novos produtos de barbear. O economista e professor da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e do Ibmec City Business School, Luiz Maia, argumenta que, independentemente do setor, o profissional pode apostar na valorização da tradição, mas também buscar a modernização dos produtos e dos serviços. “Estar no mercado requer observação, seja qual for o setor de atuação profissional. O

crescente ênfase na inovação, a preocupação ambiental e a busca cada vez maior por qualidade de vida, serão os fatores mais relevantes no delineamento das carreiras mais promissoras. “A consulta foi feita com diretores e gerentes de todo o País, que apontaram diversas atividades que têm a previsão de aumentar a demanda nos próximos anos e a necessidade de pessoas qualificadas para estas posições”, explica Prof. James Wright, coordenador da pesquisa. O estudo prevê uma demanda até 2020, e os negócios potenciais da economia estarão ligados ao setor de serviços, em áreas como saúde e qualidade de vida, turismo e lazer, alimentação e serviços para a terceira idade. Por ordem, as quatro profissões apresentadas a seguir foram as mais citadas no estudo: Gerente

de

Eco-Relações:

que tem que estar em foco é o bem estar do cliente, mas sem perder de vista a concorrência”, defendeu. O olhar atento ao mercado não só pode garantir a sobrevivência dos antigos ofícios, como também fazer surgir no­vas ocupações. “Quem diria que hoje em dia você poderia con­ tratar um churrasqueiro? É uma profissão que não existia em décadas passadas, mas ho­je é solicitada por muita gente que prefere pagar e ter sua festa com comodidade”, disse Maia. “Sempre teremos o mercado de larga escala e o mais personalizado”, completou.

Profissional que irá se comunicar e trabalhar com consumidores, grupos ambientais e agências governamentais para desenvolver e maximizar programas ecológicos. Chief Innovation Officer (Chefe de Inovação Oficial): Interagirá com os funcionários em diferentes áreas da organização para pesquisar, projetar e aplicar inovações. Gerente de Marketing e-Commerce (Gerente de comércio digital): Gerencia o desenvolvimento e implementação de estratégias de web sites para vender produtos e serviços. Conselheiros de Aposentadoria: Profissionais responsáveis por ajudar a planejar a aposentadoria e preparar o indivíduo para uma possível segunda carreira. O fator comum entre todas as

O olhar atento ao mercado não só pode garantir os antigos ofícios

posições identificadas é a formação multidisciplinar. Não se deseja somente o engenheiro ambientalista, por exemplo, mas sim uma pessoa que tenha visão de negócio, resultados econômicos e impactos sociais. “Mesmo para especialistas técnicos, vejo uma preocupação de ter uma visão melhor de processos de empreendedorismo, inovação e de relacionamento com a comunidade”, aponta Wright. O processo de inovação é o grande desafio do Brasil. É preciso formar pessoas que tenham a capacidade de ligar as necessidades do mercado aos processos internos da empresa – fazer a conexão entre as duas esferas, a fim de oferecer serviços e produtos inovadores. “Não há nada de errado em vender commodities, só vender commodities é que está errado. Precisamos atingir um patamar de competitividade mais adequado e, para

isto, é necessário desenvolver amplamente a capacidade de inovar”, diz o professor. Setor Industrial Outro levantamento interessante é o estudo “Perspectivas Estruturais do Mercado de Trabalho na Indústria Brasileira – 2020”, realizada pelo Sistema FIRJAN (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro) com a participação de 402 empresas, que empregam 2,2 milhões de pessoas no país. Na pesquisa, alguns pontos chamam atenção, como as profissões vinculadas ao meio ambiente, por conta da preocupação maior das indústrias com este tema. A questão do meio ambiente é uma necessidade para todo o setor e esta preocupação demanda profissionais engajados neste propósito”, relata Hilda Nogueira, gerente de Estudos e Pesquisas da Federação.


JD

Economia&Negócios

Macapá-AP, domingo e segunda, 18 e 19 de novembro de 2012

E3

Editor: Túlio Pantoja - tuliopantoja@jdia.com.br

as ainda têm papel importante na sociedade Tradição de pai para filho ajuda a manter funções S e as mudanças sociais e do mercado de trabalho parecem empurrar as antigas profissões para o esquecimento, o apego à tradição transmitida de pai para filho faz o oposto e ajuda a garantir a manutenção desses velhos empregos, superados pela modernização do próprio mercado. Até quando os ofícios irão resistir? Isso não se sabe ao certo. Mas, no que depender dos inúmeros clientes que ainda recorrem a esses serviços, as ocupações estão longe do fim. Amizade O major do Corpo de Bombeiros Luiz Fernando de Freitas, 38 anos, tem uma relação praticamente familiar com o barbeiro. Cliente de José Maximino a mais de 20 anos, o militar garante não encontrar serviço melhor

em nenhum outro lugar. Tanto que pelo menos duas vezes por mês sai de Candeias para cortar o cabelo no Ibura, pagando R$ 12, valor que está acima da média na região. “Não só a qualidade do trabalho, mas o atendimento me faz vir sempre”, destacou. O economista e professor da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e do Ibmec City Business School, Luiz Maia, explicou que, se por um lado a automatização trouxe celeridade para o mercado e o consequente barateamento dos produtos e serviços, por outro diminuiu a proximidade que havia na relação entre o profissional e o cliente. “O que esses vitoriosos profissionais que ainda resistem às mudanças do tempo têm de diferencial é a manutenção desse

O apego à tradição transmitida de pai para filho faz o oposto e ajuda a garantir a manutenção desses velhos empregos.

tratamento de exclusividade com o cliente. Essa personalização faz com que ele volte e indique o serviço para outras pesso-

as”, afirmou. Ainda de acordo com a análise do professor, esses exemplos provam que não é possível determinar

o tempo de vi­da de uma profissão. “Ainda existem os melhores. Independentemente do enfraqueci-

mento do setor, alguns continuam e continuarão por um bom tempo, para a sorte dos clientes mais exigentes”, avaliou Maia.

Processo de automatização extinguiu profissões ao decorre dos anos

N

em todos os velhos ofícios conseguiram resistir à evolução do tempo. O processo de automatização extinguiu profissões essenciais há décadas e o trabalho de muitos profissionais se juntou às antigas ferramentas, ficando apenas como uma recordação do passado. Nem hoje e nem no futuro teremos a divulgação de oportunidades de emprego para arquivistas, datilógrafos ou telegrafistas, por exemplo. Muitos podem se perguntar como era possível armazenar ofícios e outros documentos importantes antes do computador. O desafio de organizar os papéis era função dos arquivistas. O aposentado Carlos Cavalcanti, 67 anos, realizou esse serviço, junto com outras atividades também já extintas, durante 32 anos, na Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene). “Não era somente a função de arquivista. O setor administrativo exigia o desempenho de muitas outras funções que hoje são feitas com uma pessoa e um computador”, disse. Nos anos 1960, o curso de Datilografia era quase um passaporte para o mercado de trabalho. Repartições públicas ou empresas privadas necessitavam desse profissional responsável por “ba­ ter” documentos na máquina de escrever. Essa foi uma das funções da aposentada Luzinete Targino, 62, nas diversas empresas em

Mensagens eram enviadas pelo telefráfo aos destinatários

Nos anos 1960, o curso de Datilografia era quase um passaporte para o mercado de trabalho.

que trabalhou. “Eu gostava muito de datilografar e fazia rápido, por isso era muito solicitada para esse serviço”, relembrou. Luzinete acompanhou a evolução da máquina, mas disse não ter ficado com receio da modernização e da consequente extinção da ocupação. “Tudo precisa evoluir, antes era datilografar, hoje é digitar. Acho que as coi-

Greve é direito constitucional TATIANA NOTARO

H

ouve época em que greves eram punidas com pe­ na de morte em alguns países, co­mo acontecia na França em meados dos séculos 17 e 18. Passaram a ser toleradas pelo Estado e, no Brasil, na época da ditadura, eram proibidas até que ganharam status de direito quando incluídas na Constituição Federal de 1988. “Esse direi-

sas mudaram para melhor”, afirmou. Carlos Fernando da Silva, 65 anos, dedicou dez deles à profissão de telegrafista na Força Aérea Brasileira (FAB) e na Empresa de Correios e Telégrafos (ECT). Sua função era decodificar mensagens enviadas em código morse e posteriormente pelo telex. Os textos “traduzidos” eram enviados

to está no artigo 9º da Constituição e na Lei de Greve, a 7.783/89, que tem 17 artigos que tratam de todos os direitos e deveres”, explica o professor de Direito Trabalhista e Sindical, Fábio Porto. Legitimamente, e de forma simples, greve é uma suspensão coletiva temporária e pacífica, total ou parcial. É importante que se veja o movimento grevista como uma importante arma de reivindicação das classes trabalhadoras. Porto lembra que o mecanismo foi um resultado da Revolução Industrial, na França, quando começaram as reivindicações na “Place de Grève”. “É denominada autotutela ou autodefesa, uma das poucas formas que a lei ainda permite. É fundamental nas relações trabalhistas e

aos destinatários pelo famoso telegrama. “Na época era uma profissão bem concorrida. Trabalhávamos seis horas, o que era um certo privilégio em comparação com outros cargos de mesmo nível da Aeronáutica e dos Correios”, contou. “A remuneração é que não era tão boa assim”, confessou o telegrafista.

veio com muita luta”, analisa, lembrando que, por ser uma medida extrema, só deve ser iniciada depois que todos os meios de negociações já foram esgotados. “É o que chamamos de instrumento máximo de pressão, o que não a torna mal-vinda ou maléfica”. O direito de greve muitas ve­ zes esbarra nas limitações que a lei im­põe. O procurador-chefe do Ministério Público do Trabalho (MPT-PE), Fábio Farias, explica que, em Pernambuco, houve um longo hiato de greves no setor privado e que, por causa do atual momento do Estado, há uma sequência: estaleiro, metalúrgicos, professores. “É a causa da inexperiência por parte dos trabalhadores e patrões”, diz, referindo-se às

O setor administrativo exigia o desempenho de muitas outras funções que hoje são feitas com uma pessoa e um computador.

várias negociações que o MPT tem mediado. Muitas esbarram nessa falta de prática. Há movimentos que sequer apresentam uma pauta de reivindicações, o que é um princípio básico e legal. O aviso antecipado de greve também é regra a ser seguida. Segundo o professor Fábio Porto, deve ser de 72 horas para serviços essenciais (como Saúde e Transportes, que devem ser, pelo menos, 30% mantidos) e 48 horas para os demais. “Foi por isso que o TRT (Tribunal Regional do Trabalho) decretou a abusividade do movimento em Suape. Esse limite está no artigo 14 da Lei de Greve, que determina que a empresa deverá ser previamente informada da paralisação”. Ele

fala da greve que hoje paralisa as obras da Refinaria Abreu e Lima e do Polo Petroquímico, no Complexo de Suape. Nesse mesmo caso, diz o procurador, a abusividade também está justificada pelo fato de que há um acordo vigente entre as classes trabalhista e patronal. Aliás, este é outro ponto. Ambas categorias precisam ter seus representantes legais e cabe a eles as negociações. Procurador e professor destacam a atuação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nos movimentos sindicais no ABC Paulista na década de 70. “Ele é um ator privilegiado. Lula foi muito importante para esse processo. Aconteceu uma abertura política porque o povo foi para a rua”, argumenta Farias.


JD

Geral

Macapá-AP, domingo e segunda, 18 e 19 de novembro de 2012

E4

Editor: Túlio Pantoja- tuliopantoja@jdia.com.br

Gargalhar com os amigos tem os mesmos benefícios que os exercícios O riso suscita uma reação fisiológica similar a dos exercícios

A

gargalhada é um tipo de exercício? Essa estranha pergunta é o ponto de partida de um estudo sobre o riso e a dor, que enfatiza quão inesperadamente entrelaçados podem ser nossos corpos e emoções. Para o estudo, publicado na revista Proceedings of the Royal Society B, pesquisadores da Universidade de Oxford recrutaram um grande grupo de estudantes de graduação de ambos os sexos com o objetivo de fazê-los rir. Muitos de nós acreditamos que o riso seja a reação a algo engraçado – como se fosse, na verdade, uma emoção. Entretanto, a risada é fundamentalmente uma reação física. “O riso consiste em uma expiração repetida e forçada do ar dos pulmões”, afirmou Robin Dunbar, professor de psicologia evolucionária em Oxford e coordenador do estudo. “Os músculos do diafragma precisam trabalhar duro.” Todos já ouviram a frase “rir até doer a barriga”, destaca o autor. A dor não é metafórica; o riso prolongado pode ser doloroso e exaustivo e se parece mais com um exercício difícil. Contudo, o riso suscita uma reação fisiológica similar à dos exercícios? Nesse caso, o que isso pode revelar a respeito da natureza do esforço físico? Para descobrir, Dunbar e seus colegas pediram que voluntários assistissem sozinhos e em grupo a uma série de vídeos curtos divididos entre histórias engraçadas e documentários estritamente factuais. Mas antes disso, os voluntários eram submetidos a um teste de limiar de dor, para determinar quanto tempo seriam capazes de aguentar o aperto de um medidor de pressão, ou de segurar uma bolsa de água fria congelada. A decisão de introduzir a dor em um estudo aparentemente tão amável e

DIVULGAÇÃO

Técnicas de respiração e meditação ajudam a resgatar valores humanos, diz líder espiritual

E Dar risadas é parecido com exercício: o organismo libera endorfina quando está no limite da dor

divertido se originou em um dos resultados mais famosos dos exercícios cansativos: a liberação de endorfinas, os opiláceos naturais. As endorfinas são conhecidas por “terem um papel fundamental na gestão da dor” e, assim como outros opiláceos, induzem à sensação de euforia calma e bem-estar - acredita-se que sejam um dos responsáveis pelo “barato do corredor”. Liberando endorfina É difícil estudar diretamente a produção de endorfina, já que boa parte da ação ocorre no cérebro em funcionamento, e seu monitoramento exige que seja realizada uma punção lombar. Esse não é o tipo de procedimento que as pessoas querem ser submetidas, especialmente durante um estudo sobre o riso. Mas Dunbar e seus colegas adotaram estudos de limiar de dor de uma forma

indireta, mas bem aceita, para determinar o ponto de início da produção de endorfina. Normalmente, quando o limiar de dor de uma pessoa aumenta, supõe-se que ela esteja recebendo um banho de analgésicos naturais. Programas distintos Nos experimentos, os limiares da dor costumavam aumentar quando as pessoas assistiam a vídeos engraçados, mas não quando viam documentários. A única diferença entre as experiências era que, em uma, as pessoas riam – uma reação física que os cientistas podiam quantificar com monitores de áudio, ou seja, escutar as gargalhadas dadas. Quando os músculos abdominais se contraíam, os níveis de endorfina aumentavam em resposta e, como resultado, os limiares da dor e a sensação de prazer cresciam. Em outras palavras, foram o ato físico do riso, a

contração dos músculos e as reações bioquímicas resultantes que causaram, ao menos em parte, o prazer relacionado a assistir à comédia. Ou, como diz o estudo, “a sensação de leveza nesse contexto provavelmente deriva da forma como o riso dispara a liberação de endorfinas”. Entretanto, à primeira vista é difícil entender porque a relação entre endorfinas e o riso seria interessante para pessoas que praticam exercícios físicos. Mas, conforme aponta Dunbar, o que acontece durante um tipo de cansaço provavelmente se estende ao outro. O riso é uma atividade contagiante. No estudo, os participantes riam mais rapidamente e com mais intensidade quando assistiam aos vídeos engraçados em grupo do que quando os assistiam sozinhos. Além disso, os limiares de dor subiam coletivamente após as sessões em grupo.

Cientistas descobrem mutação genética vinculada a Alzheimer

A característica do Alzheimer é a acumulação de placas e emaranhados no tecido cerebral.

U

m grupo de cientistas descobriu uma estranha mutação genética que parece triplicar o risco de desenvolver Alzheimer e proporciona importantes pistas sobre como funciona esta enfermidade, incurável até o momento. Cientistas de duas equipes independentes chegaram ao mesmo resultado, publicado na última quarta-feira (14) em dois estudos da revista médica semanal New England Journal of Medicine. De acordo com as investigações, uma mutação do gene TREM2, que ajuda a controlar as

respostas do sistema imunológico, é de três a quatro vezes mais frequente nos pacientes idosos com Alzheimer que nos que não sofrem a doença. A característica do Alzheimer é a acumulação de placas e emaranhados no tecido cerebral. Nos corpos normais, sem a doença, as moléculas inflamatórias do sistema imunológico ajudam a limpar esta acumulação antes de ela se converter em um problema. A função do gene TREM2 é manter a resposta inflamatória sob controle, para evitar que as moléculas in-

flamatórias danifiquem o tecido saudável. Contudo, a pesquisa preliminar indicou que a mutação do TREM2 poderia pôr o gene para funcionar em pleno vapor, impedindo as moléculas inflamatórias de fazer seu trabalho. “Enquanto a mutação genética que encontramos é extremamente rara, seu efeito no sistema imunológico é um forte indicador de que este sistema pode ser chave na enfermidade”, disse a pesquisadora da University College de Londres Rita Guerrero, autora principal de um dos estudos.

A mutação foi encontrada em menos de uma em 200 pessoas no total e em menos de um em cada 50 pacientes com Alzheimer, o que significa que não é provável que, por si só, seja suficiente para causar a enfermidade. Acredita-se que uma combinação de fatores ambientais e hereditários contribuem para o desenvolvimento do Alzheimer. Contudo, os pesquisadores disseram que identificar esta mutação e seu possível papel no desenvolvimento do Alzheimer é um passo na direção correta. “Este é um passo importante para descobrir as causas ocultas da enfermidade, para que possamos desenvolver tratamentos e intervenções para pôr fim a um dos maiores problemas de saúde do século XXI”, disse Peter St. George-Hyslop, da Universidade de Toronto. Outro dos principais pesquisadores, Kevin Morgan da Universidade de Nottinghan, disse que “o risco associado a esta nova variante é o maior até o momento e anuncia uma nova era na pesquisa genética (do Mal de Alzheimer)”. “Finalmente estamos começando a presenciar importantes avanços que, com sorte, terão como resultado o desenvolvimento de terapias para ajudar a aliviar esta condição devastadora”, acrescentou. (UOL)

m sua passagem pelo Brasil, dia 30 de outubro, para uma série de palestras, meditações e encontros com autoridades, o líder humanitário e espiritual Sri Sri Ravi Shankar, o 5° homem mais influente da Índia, segundo a revista Forbes, conversou com exclusividade com o UOL. Shankar se tornou mundialmente conhecido por defender a respiração como forma de atingir a paz, a serenidade e o bem-estar. No bate-papo, que aconteceu em um hotel em São Paulo, o líder falou um pouco sobre as pressões da vida moderna e sobre seus projetos na Fundação Internacional Arte de Viver, criada por ele há 30 anos e que hoje é reconhecida pela OMS (Organização Mundial da Saúde) e atua como consultora do Conselho Econômico e Social das ONU (Organizações das Nações Unidas). A organização não governamental está presente em 160 países, incluindo o Brasil, e oferece cursos e workshops com duração de quatro dias para ensinar a técnica de respiração Sudarshan Kriya, desenvolvida pelo humanista indiano. Segundo estudos realizados na Índia e na Suécia, a técnica reduz os níveis de cortisol (hormônio do estresse), oferece até 70% de eficácia no controle da ansiedade e da depressão e ajuda a restabelecer os padrões normais de sono. No último fim de semana, o líder humanitário participou dos eventos Medita SP e Medita Rio Juntos pela Paz, meditações coletivas e abertas ao público, que levaram anônimos e famosos, como a atriz Juliana Paes, às lágrimas nas duas cidades. “A Arte de Viver me mostrou o caminho para a felicidade. Ensinou-me lições preciosas e simples e, sobre todas, aprendi que as rédeas da vida estão em minhas mãos. Esse

poder é divino assim como nós o somos”, teria dito a atriz. Em seu encontro com o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, na semana passada, o senhor propôs um projeto para escolas capaz de fornecer a alunos, pais e educadores ferramentas para lidar com o estresse e as emoções negativas. Como seria esse projeto? Sri Sri Ravi Shankar : A gente já vem fazendo esse projeto ao redor do mundo, na Índia, nos Estados Unidos e na Rússia, e ele tem rendido muitos frutos no combate ao estresse e traz mais harmonia para os estudantes. Ele ajuda os estudantes a combater o estresse e a pressão que eles vivem. Eles sofrem muita pressão dos amigos, dos pais, pressão para ter uma performance melhor. E essas técnicas os ajudarão a lidar com o estresse e ajudam a reduzir a intolerância e a agressividade. Como esse projeto funciona na prática? Sri Sri Ravi Shankar Nós ensinamos a esses jovens muitas técnicas que os ajudam a lidar com as emoções negativas, com a pressão, com a agressividade (saiba mais no quadro ao lado). Em uma de suas palestras em São Paulo, o senhor falou em sermos protagonistas no futuro do planeta. Como podemos ajudar a mudar o mundo no nosso dia a dia? Sri Sri Ravi Shankar : Primeiro temos que sair desta atitude consumista, pensar elevado e viver de forma simples. Todos deveriam se preocupar com o ambiente e todos deveriam fazer tudo que eles podem para elevar as pessoas. Investir em espaços e centros de comunicação para todas as camadas sociais.

Injeção para deixar pênis ereto pode causar problemas

U

ma das duvidas dos leitores é sobre as injeções que estimulam a ereção do pênis. Um internauta conta que um amigo dele sentiu dor e teve de ir ao hospital, depois de fazer uma aplicação. Segundo o psiquiatra, essas injeções dilatam as artérias do pênis e, em alguns casos, a ereção pode não ser revertida espontaneamente e levar a um quadro chamado priapismo. Trata-se de uma ereção prolongada, que pode durar de seis a oito horas, provoca-

da pela alteração no fluxo sanguíneo do pênis.


jornal do dia 18e19/11/2012