Page 1

Jornal do CCE Ano 4

Nº 22

Florianópolis, Outubro de 2011

jornaldocce.ufsc.br

@jornaldocce

Gabriel Coelho

Reitoria acerta adiamento na consulta para Reitor com TRE Gabinete culpa mudança de regra A Reitoria perdeu o prazo na solicitação das urnas necessárias para eleições do novo mandato de reitor, e o pleito que antes estava marcado para o dia 10 de novembro foi transferido para o dia 17. O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) exige um pedido com antecedência de pelo menos 60 dias. A comissão eleitoral retardou o envio porque, nas últimas eleições, ocorridas em 2007, o prazo era de 30 dias. O ofício com a solicitação foi encaminhado pela UFSC apenas no dia 6 de outubro. Página 3

Dicionário reúne obras italianas

Lilian Koyama

Votação para reitor é adiada para o dia 17 de novembro

Letras-Libras aprova novo Currículo

Página 4

Design participa de concurso Página 7

CCE mostra 6 trabalhos no Catavídeo Página 7

Entrevista com Mailce Borges Mota Página 8

Categoria DanceAbility proporciona dança para todos

Projeto de dança “Entrando em Contato” inclui cadeirantes A iniciativa tem por meta levar a dança a qualquer pessoa. As aulas, últimas deste ano, serão amanhã e dia 4, na Lagoa da Conceição, e valorizam a expressão

do corpo pelo improviso. Não há coreografia, o único objetivo é que os participantes, alguns deles deficientes físicos, se movimentem. Página 6

O Curso de Letras-Libras incluirá em seu currículo disciplinas para o aprendizado da Língua Brasileira de Sinais. Com a mudança, prevista por decreto, o Colegiado avaliará a possibilidade de que a duração do curso aumente em um semestre. A medida vai de acordo com a obrigatoriedade da inclusão de libras na formação de professores. Página 5


2

Carta

Opinião ao

Outubro 2011

Leitor

Querido leitor, este jornal que você tem em mãos é fruto do esforço e do trabalho dos alunos das disciplinas de Redação II e Editoração Eletrônica do Curso de Jornalismo. Este jornal foi produzido durante o processo eleitoral que irá definir o próximo reitor. Com a mudança na administração, a comunidade universitária entra em um processo de renovação que determinará o rumo da universidade nos próximos quatro anos. Além das mudanças no âm-

Jornal do CCE

Sexo Hard[ware] bito político da UFSC, a partir de 2012, o curso de Letras-Libras vai oferecer a disciplina da Língua Brasileira de Sinais pela primeira vez. E nesta edição você também confere notícias sobre a nova série de animação do Curso de Design, que participa do Concurso Animacultura. O jornal é apenas parte do nosso trabalho. Você pode conferir mais notícias no blogue e no tuíter e, através desses canais, enviar sugestões e comentários. Boa leitura!

A

tecnologia informática evolui dia pós dia. Dentre esses adventos percebemos que as relações sexuais existentes entre esses equipamentos têm sido cada vez menos apropriada e desprotegida. Essa proliferação de hardwares cada vez menores torna difícil a fiscalização e aumenta a incidência de vírus nos desktops e notebooks mais avançados. Com a internet iniciou-se o mercado da prostituição de arquivos na década de 70, próximo dos colegas do Peace and Love. Mas como sempre adverte a vovó: “Antigamente, meu neto, não era assim.” A internet discada tinha suas vantagens, tornava a relação muito mais emocionante e lenta. Os arquivos demoravam a se conhecer, precisavam de mais tempo para se conectar. Faziam preces para que esta acontecesse, havia até uma música especial para ocorrer o acasalamento internet-computador. Após esta cerimônia de acesso ao mundo da internet (para os menos favorecidos apenas nos finais de semana ou após a meia-noite), entrar no e-mail para enviar um arquivo era outro desafio necessário que nem sempre tinha êxito. Um exemplo claro era que mesmo uma relação mais simples, estilo.doc, demorava no mínimo dez minutos para apenas dar sinal. Já, posteriormente, a conexão Banda Larga ampliou os horizontes e foi além. O cabo se tornou maior e a conexão mais rápida. Impossível de ser controlada passou a dissipar arquivos rapidamente no mundo virtual. Os existentes em nossos hardwares, aparentemente protegidos, começaram a apresentar atitudes estranhas, pois estavam entrando em contato com o incrível mundo da globalização. Eles passaram a ter vida própria e navegarem sozinhos pela internet. Como adolescentes imprudentes usufruíam de todos os benefícios sem pensar em consequências. Mas logo ela apareceu, trojans e cavalos de tróia invadiram a casa desses inocentes apagando de seu HD toda a memória existente. Dentro desta perspectiva, os hackers na década de 80, inspirados no anticoncepcional, inventaram o antivírus a fim de erradicá-los deste meio. A situação havia melhorado até inventarem os pen-drives, conexões wi-fi e via bluetooth. Uma verdadeira Sodoma virtual. Qualquer cabo USB hoje em dia é conectado sem prévia autorização, servindo apenas para uma relação definida como: método consistido em fusão de duas ‘coisas’ onde trocam fluídos com o objetivo apropriação de conhecimento ou aniquilamento dele. Os vírus tornaram-se companheiros desses dispositivos. Hoje vivemos com eles embutidos em nossas máquinas. No simples ato de acasalar-se com a internet já se adquire essas doenças, com antivírus ou não. Não há relacionamento duradouro ultimamente. Somos movidos por esta velocidade de transmissão alucinadora. Nesta perspectiva, fico em dúvida se são as máquinas nos imitam, ou nós imitamos as máquinas. Lucas Morello é aluno da 2ª fase do Curso de Cinema

Giovanna Chinellato é aluna da 4ª fase do Curso de Jornalismo

Jornal do CCE O Jornal do CCE é um orgão de ex-

Edição: Andressa Prates, Bárbara

Andressa Prates, Beatriz Aguiar, Caio

Foto: Aramis Merki II, Felipe Figuei-

tensão do Departamento de Jornalis-

Cardozo, Beatriz Carrer, Bruna Andra-

Spechoto, Fernanda Costa, Flavio Cris-

ra, Flavio Crispim, Gabriel Coelho, Lí-

mo, com textos, fotos, edição e dia-

de, Caio Spechoto, Gabriel Coelho, Jés-

pim, Luísa Tavares, Nadine Pedro Lopes,

lian Koyama e Vanessa Farias.

gramação dos alunos das disciplinas

sica Sant’ana, Júlia Schutz, Lilian

Thais Jordão, Renata Bassani, Rosângela

Revisão: Beatriz Carrer, Bruna An-

de Redação II e Editoração Eletrôni-

Koyama, Luísa Tavares, Matheus Mo-

Menezes, Taynara Macedo, Vanessa Fa-

drade, Júlia Schutz, Maria Luiza Bu-

ca.

raes, Natália Porto, Renata Bassani,

rias, Camila Fraga e Matheus Moreira.

riham, Natália Porto, Ricardo Pessetti,

Ricardo Pessetti e Rosângela Menezes. Professor responsável

Renata Bassani, Thais Jordão e VanesReportagem: Jéssica Sant’Ana, Ga-

sa Farias.

Elias Machado DRT/RJ 16.936

Diagramação: Felipe Figueira, Bár-

briel Coelho, Júlia Schutz, Beatriz

Professora de Editoração

bara Cardozo, Beatriz Carrer, Ricardo

Aguiar, Caio Spechoto, Nadine Pedro

Colaboração: Lucas Morello, Gio-

Rita Paulino SC00365 - DG

Pessetti,

Jéssica

Lopes, Thais Jordão, Renata Bassani,

vanna Chinellato

Monitor

Sant’ana, Bruna Andrade, Gabriela Da-

Rosângela Menezes, Taynara Macedo,

Tiragem: 500 exemplares

Luciana Boneti

maceno, Gabriel Coelho, Júlia Schutz,

Vanessa Farias, Bárbara Cardozo, Ma-

Impressão: Gráfica POSTMIX

Bolsista

Lilian Koyama, Maria Luiza Buriham,

ria Luiza Buriham, Aramis Merki II,

Contato: jornaldocce@cce.ufsc.br

Carolina Franco

Natália Porto, Marília Quezado, Roberto

Ricardo Pessetti, Felipe Figueira, Ma-

Klaumann , Sophia Rischbieter,

theus Moreira.

Aramis

Merki

II,


Campus

Outubro 2011

Jornal do CCE

3

Consulta para Reitor adiada para dia 17 O primeiro turno da consulta para escolher o reitor e vice-reitor, inicialmente marcado para 10 de novembro, foi transferido para o dia 17, uma semana depois, devido ao atraso da Universidade em solicitar a cessão assistida das urnas ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE). O Tribunal aceita pedidos de empréstimo de equipamentos para eleições comunitárias desde que, entre outras exigências, sejam feitos com no mínimo sessenta dias de antecedência ao pleito. “Quem lida com o TRE é a Reitoria”, disse o Presidente da Comissão Eleitoral, Marcio Campos, quando perguntado sobre o atraso. ”Perdemos o prazo porque na eleição passada era de trinta dias”, justifica o Chefe de Gabinete da Reitoria, professor José Carlos Cunha Petrus. “A Comissão [Eleitoral] foi instalada dentro do prazo da eleição anterior”. A resolução que exigia trinta dias foi modificada para sessenta, em 13 de dezembro de 2007, um mês após a vitória do atual reitor, Álvaro Prata, e a comissão eleitoral instalada no último dia cinco. Novo calendário - O ofício com a solicitação foi encaminha-

Gabriel Coelho

Atraso na solicitação das urnas ao TRE inviabiliza votação no dia previsto

Os cinco candidtos que concorrem à vaga de Reitor já iniciaram as campanhas eleitorais

do pela UFSC em 6 de outubro, e chegou ao TRE no dia seguinte. A Universidade foi notificada de que a data de envio contrariava a antecedência estipulada pelo órgão e começou a negociar uma flexibilização da regra. Na sexta feira, 21, o Tribunal já acenava com a possibilidade do pleito só acontecer nas proximidades do dia 20, mas o gabinete da Reitoria

era otimista. “Ainda acreditamos que a eleição será feita dia dez”, comentou o professor Petrus na ocasião. As datas foram definidas na segunda-feira, 24. Caso seja necessário, o segundo turno acontece em 30 de novembro. O número exato de eleitores ainda está sendo apurado. O TRE projeta que 45 mil pessoas têm direito a voto, entre alunos de gradua-

ção e pós, docentes e servidores técnico-administrativos de todos os campi da Universidade, além de professores e alunos com mais de dezesseis anos do Colégio de Aplicação. A quantidade e a localização das urnas depende da definição do total de eleitores.

Caio Spechoto Nadine Lopes

Conheça os candidatos à Reitor da UFSC Reitor: Dilvo Ilvo Ristoff

Reitor: Irineu Manoel de

Reitor:

(CCE)

Souza (CCE)

noshita (CCJ)

Justo da Silva (CCS)

(CFH)

Adminis-

Graduado em História e

Graduado em Medicina

Licenciada em História

ca, Letras e Artes pela

tração pela UFSC. Dou-

Direito pela Universidade

pela UFSC. Mestre em

pela UFSC. Doutora e

Universidade do Sul da

tor em Gestão do Co-

Estadual Paulista Júlio de

Medicina (Cirurgia Ge-

mestre em História do

Califórnia. Ex-reitor da

nhecimento e Mestre em

Mesquita Filho (UNESP).

ral)

Universidade

Brasil pela PUC/SP. Pro-

Universidade Federal da

Administração

Especializado em Direito

Federal do Rio de Janeiro.

fessora de graduação e

Fronteira Sul. Diretor de

Colaborador do Instituto

e

Internacio-

Doutor em Técnicas Ope-

pós-graduação do Depar-

Estatísticas e Avaliação

de Pesquisa em Adminis-

nal. Doutor em Direito

ratórias e Cirurgia Expe-

tamento de História. Foi

da Educação Superior do

tração Universitária. Ex-

Internacional

Comuni-

rimental pela Universida-

coordenadora da publi-

Inep.

do

-diretor do Departamento

tário pela Universidade

de Federal de São Paulo.

cação “UFSC 50 Anos”.

Fórum Nacional dos Pró-

de Administração Escolar

Pontifícia

Ex-diretor do HU e atual

Diretora do CFH.

-Reitores de Graduação

(DAE).

Espanha. Coordenador de

Doutor

em

Linguísti-

Ex-presidente

Graduado

em

(UFSC).

das Universidades Brasileiras.

tos (CTC)

Comércio

Comillas

Ki-

da

Reitor:

Carlos

pela

Alberto

Vice-Reitor: Eduardo A Temponi Lebre (CCJ)

Reitor: Roselane Neckel

Vice- reitor da UFSC. Vice-Reitor: Lúcia He-

pesquisas no CCJ. Vice-Reitor: Carlos Antônio Ramirez Righi (CCE)

Vice-Reitor: Rogério Bas-

Fernando

Vice-Reitor: Vera Lucia

lena

Bazzo (CED)

(CTC)

Martins

Pacheco

Thais Jordão e Júlia Schütz


4

Campus

Outubro 2011

Jornal do CCE

Dicionário de obras italianas

Os alunos e professores dos cursos de graduação e pós-graduação em Letras Italiano da UFSC e da USP estão desenvolvendo o projeto de dicionário “Literatura Italiana Traduzida no Brasil”. O grupo, formado por vinte e cinco integrantes, reúne e analisa obras italianas publicadas no Brasil entre 1900 e 1950. Os alunos são orientados pelos professores Andrea Santurbano (UFSC), Patrícia Peterle (UFSC) e Lucia Wataghin (USP). O dicionário busca resgatar informações sobre o contexto histórico-cultural da Itália inserido no Brasil. Até o momento, foram analisadas 200 obras, que estão organizadas em ordem alfabética de títulos e autores. “O diferencial do dicionário é analisar o reflexo da circulação dos títulos no meio cultural da época”, explica a professora Patrícia Peterle. Além de catalogar verbetes e criar um banco de dados, o projeto possibilita a aquisição de livros para a formação de um acervo próprio. As pesquisas tiveram início no

Flávio Crispim

Parceria com a USP reúne textos publicados no Brasil

Alunos estudam obras italianas do século XX para elaborar dicionário

primeiro semestre de 2010 e, em agosto deste ano, o projeto passou a ser financiado pelo CNPq. A conclusão desta etapa está prevista para agosto de 2012. O dicionário, ainda em construção, pode ser acessado no endereço

Abertas inscrições para intercâmbio As inscrições para o programa do Governo Federal “Ciência sem Fronteiras”, que oferece a bolsa CNPq na modalidade Sanduíche no Exterior, vão até o dia 14 de novembro e podem ser feitas através do endereço: http://www. formulario.pibic.ufsc.br/exterior. O estudante, além da bolsa de estudos, recebe auxílio instalação, seguro saúde, e as passagens de ida e volta. O comprovante da nota do teste de proficiência no idioma requerido deve ser anexado junto à inscrição. Para ter a candidatura aprovada, o aluno deve ter IAA (Índice de Aproveitamento Acumulado) igual ou maior à média de seu

curso, ter um máximo de três reprovações, e ter concluído entre 40% e 80% do currículo. Cabe à UFSC homologar as candidaturas, permanecendo aos coordenadores do programa a responsabilidade pela seleção dos candidatos. A ida dos estudantes terá início a partir de janeiro de 2012. O projeto prevê, em nível nacional, a concessão de 75 mil bolsas em quatro anos. Em 2011, 26 delas serão destinadas à UFSC. A lista dos beneficiados será divulgada no dia 2 de dezembro. Mais informações: http://www.cienciasemfronteiras.

Felipe Figueira

http://www.dlit.ufsc.br/dicionario/. Após o término da obra on-line, os coordenadores pensam em publicar uma versão na forma impressa.

Júlia Schutz

Laboratório para Cênicas aguarda reforma A sala que vai ser utilizada como laboratório de “Cenotécnica e Iluminação”, do curso de Artes Cênicas, será reformada. O espaço fica no miolo do redondo do Centro de Ciências Físicas e Matemáticas (CFM), próximo ao bloco B do CCE. A obra está prevista para começar ainda nesse ano, segundo o professor Luiz Fernando Pereira, responsável pelo projeto. O próximo passo agora é a catalogação dos materiais necessários para a reforma. O lugar, que pertencia ao CFM, foi cedido porque era usado como depósito. O Departamento de Artes Cênicas solicitou o espaço ao diretor Felício Wessling Margotti, já que o curso precisava de um laboratório para as atividades práticas. Assim que a obra for concluída, os alunos vão poder usar a sala para a construção de cenários, para desenvolvimento de técnicas de iluminação e como ateliê.

Jéssica Sant’Ana

Jornalismo monta novo laboratório

A partir deste semestre o Laboratório de Suporte Operacional aos Produtos do Departamento de Jornalismo vai auxiliar alunos e professores do Curso no desenvolvimento de projetos jornalísticos. O LabProJOR será coordenado pela professora Rita Paulino e oferecerá suporte para as áreas de mídia impressa e on-line, compartilhando conhecimentos e serviços de editoração eletrônica e webdesign. O laboratório está funcionando na sala 40, no térreo do Bloco A. Qualquer projeto pode ser assessorado, e para agendar horários há duas maneiras: inscrevendo-se através

da internet, em uma planilha online, ou presencialmente. Giovanni Bello, bolsista do laboratório, disse que as atividades corresponderão às necessidades dos alunos, podendo ser ministrados mini-cursos além do auxílio individual, dependendo da demanda. “Havia dificuldades para se aprender a usar os programas no curso, ter alguém à sua disposição para ajudar é válido para o seu aprendizado”, afirmou a representante do Centro Acadêmico Livre de Jornalismo, Jennifer Hartmann. Mais informações: labprojor-ufsc@googlegroups.com

Matheus Moreira


Outubro 2011

Jornal do CCE

Campus

5

Libras entra no currículo

A partir de 2012, as novas turmas de graduação de Letras-Libras terão disciplinas para aprender a Língua Brasileira de Sinais. O Colegiado do curso se reúne para tomar as últimas decisões quanto às mudanças do currículo no dia 27 de outubro (quinta-feira). O que está em pauta é se o curso vai manter quatro anos de duração – como os demais de Letras- ou se passará para quatro anos e meio, devido à maior carga horária. Em cada semestre dos dois primeiros anos da graduação, o aluno vai ter 180 horas aulas para esse aprendizado. O primeiro semestre terá nível básico; o segundo, intermediário; o terceiro, avançado; e o quarto, acadêmico. “A medida que leva ao aprendizado da Língua no próprio processo acadêmico veio a partir da percepção do novo perfil dos alunos –sem fluência em Libras- interessados no curso de graduação”, explica Rodrigo Rossi, coordenador do curso e participante da Comissão do Currículo. Uma nova opção de prova surgiu no vestibular devido à mudança no currículo. Ao fazer a inscri-

Felipe Figueira

DLLE promove Grupos para Linguagem de sinais será ensinada no curso de Letras-Libras Conversação

Estudantes de Letras-Libras apresentam estande na décima SEPEX

ção do processo seletivo de 2012, quem escolheu concorrer pelo curso teve a alternativa de realizar a prova em português, com a restrição de ter Libras como segunda opção de língua. “As mudanças mostram um avanço no processo de inclusão social”, disse o diretor da COPERVE, Júlio Felipe Szeremeta. Perspectiva positiva - Segundo Rodrigo Rossi, a perspectiva do curso Letras-Libras é positiva. “Com a crescente formação de pessoas surdas que têm conhecimento de Libras, há campo para

a atuação de mais intérpretes. O fato de não ser exigida a fluência para a entrada na graduação e a mudança no currículo beneficiarão muitas pessoas interessadas em aprender a língua.”, explica o coodenador. O curso presencial de Letras-Libras na UFSC existe desde 2009 e tem 60 alunos em graduação com duas turmas de Bacharelado e duas turmas de Licenciatura. O vestibular UFSC 2012 selecionará mais 40 alunos.

Maria Luiza Buriham

O Departamento de Língua e Literatura Estrangeiras (DLLE) promove, até o dia 30 de Novembro, quatro grupos de conversação em Francês, Inglês, Italiano e Espanhol, ministrados pelo professor André Berri. Os encontros têm como objetivo incentivar o aprendizado e a prática das línguas e acontecem nas segundas, terças, quartas e sextas-feiras, de 12:30 às 13:30, na sala 210 do Básico. Para participar, é só comparecer às reuniões. Em relação ao ano passado, três novos grupos foram formados: Inglês, Italiano e Espanhol. As sessões são coordenadas a partir de contos escritos nas línguas estrangeiras, utilizando materiais audiovisuais disponíveis para um melhor aprendizado. “A estrutura tem melhorado bastante nos últimos anos. Agora temos mais recursos para incentivar os alunos, com música e filmes”, disse o professor e coordenador da área de Francês do DLLE, André Berri.

Beatriz Aguiar

A Comissão Permanente de Licitação (CPL) abriu, até o dia 3 de novembro, como consulta em seu sítio-web, o Edital de Licitação para a reforma e instalação de um bar no espaço do Básico. Após o início da licitação, que acontece também no dia 3, começa o período de habilitação, que tem um prazo variável de acordo com o número de concorrentes e recursos. Mesmo se o processo transcorrer normalmente, a estimativa é de que a reforma aconteça apenas em 2012. A previsão para a conclusão da obra do bar foi dada pelo Vice-diretor do CCE, professor Arnoldo Debatin Neto. Deba-

tin acredita que em março de 2012 o espaço esteja aberto. A estimativa foi confirmada pelo Pro-Reitor da PROINFRA, João Batista Furtuoso: “Está tudo correndo tranquilamente e a previsão para o início das atividades é no começo do próximo semestre”, afirmou Furtuoso. No projeto está prevista a instalação de um bar e de mais uma sala de aula no Básico – uma já existe e está em funcionamento. Em agosto, um ano após o fechamento das lanchonetes, foi descumprido o último prazo dado para a conclusão do processo.

Gabriel Coelho

Vanessa Farias

CPL abre Edital do Básico para consulta

Enquanto a reforma do Básico não começa, espaço é utilizado como depósito


6

Cultura

Outubro 2011

Jornal do CCE

Teatrólogo ministra oficina

O diretor Samir Yazbek ministra uma oficina de criação dramatúrgica nos dias 12 e 13 de novembro na UFSC. A atividade marca o encerramento do Projeto Encontro com Dramaturgo organizado pelo coordenador do curso de Artes Cênicas, Fábio Salvatti, em parceria com o professor Stephan Baumgärtel do CEART da UDESC. As aulas acontecerão na sala de artes cênicas, localizada no prédio do Centro de Ciências Físicas e Matemáticas (CFM), na sala 403, das 9h às 18h, dia 12 e das 9h às 12h, dia 13. A oficina de criação dramatúrgica é gratuita, aberta a comunidade e possui o limite de 20 participantes. Para se inscrever é necessário enviar um e-mail até o dia 10 de novembro, para o professor Stephan

Baumgärtel (stephao08@yahoo.com. br) contendo nome, CPF, currículo e carta de motivação. No dia 11, será realizada uma palestra com Yazbek no Centro de Artes da UDESC às 19 horas no auditório do Bloco Amarelo. Prêmio Shell - Samir Yazbek ganhou um Prêmio Shell com a peça

Divulgação

Projeto “Cinema, Chá e Cultura” Samir Yazbek encerra o Projeto Encontro com Dramaturgo completa 3 anos “Cinema, Chá e Cultura”, projeto dedicado à exibição de filmes da língua inglesa, comemora três anos no próximo dia 28 com a exibição de The Rocky Horror Picture Show, uma comédia musical adaptada ao cinema em 1975. A sessão inicia-se às 19h e tem a mediação de Leon de Paula, doutorando em Teatro da UDESC. O evento ainda conta com a presença dos professores da Pós-Graduação de Língua Inglesa, Anelise Corseuil e Daniel Serravalle de Sá, que fazem parte da curadoria. Segundo o organiza-

Dramaturgo trouxe vários profissionais de renome em 2011: Marcio Abreu, fundador e diretor do grupo Cia. Brasileira de Teatro; Grace Passo, dramaturga, atriz e diretora do Grupo Espanca; e Roberto Alvim, dramaturgo, diretor e ator.

dor, os encontros são uma oportunidade de promover discussões sobre cinema, teatro e literatura. A atividade é gratuita e acontece mensalmente no auditório da Fundação Badesc. Para o primeiro semestre de 2012, está previsto o lançamento de um livro que retoma a trajetória do cineclube através de textos produzidos por seus participantes.

Rosângela Menezes

Fernanda Costa

Samir Yazbek partipa de evento promovido pela UFSC e a UDESC

O Fingidor. O autor é um dos fundadores da Companhia Teatral Arnesto nos Convidou; professor de dramaturgia e interpretação em São Paulo. Yazbek foi representante brasileiro do XXV Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica do Porto e do I Encontro Luso-brasileiro de Cultura. O Projeto Encontro com

Dança inclui cadeirantes

tos”, é o que diz Ana Alonso, uma

das professoras do projeto. A DanceAbility International, em parceria com a UFSC, promove um projeto integrado de difusão do DanceAbility para alunos de graduação em Educação Física e Artes Cênicas e também para toda a comunidade.

Mais informações sobre o projeto no blogue www.entrandoemcontato.blogspot.com e sobre as aulas através do e-mail entrandoemcontato@gmail.com.

Thais Jordão

Lílian Koyama

O “Projeto Entrando em Contato” oferece aulas de DanceAbility, que traz uma nova experiência de dança onde todos podem participar, inclusive pessoas com qualquer tipo de deficiência. As inscrições serão feitas no local antes da aula que acontece no dia 04/11 das 18:00 às 21:00 na Casa das Máquinas na Lagoa da Conceição. O local recebe até 60 pessoas, mas quem comparecer poderá fazer a aula. Essa é a última chance para participar, já que é a aula de encerramento do ano. A técnica explora os movimentos do corpo e, durante a aula, são sugeridos jogos de improvisação. “Os movimentos são livres e o ob jetivo é que cada um, de acordo com suas percepções corpóreas, executem os movimen-

DanceAbility permite aulas com a participação de deficientes físicos

Revista recebe artigos e ensaios para publicação A Revista Anuário de Literatura está com chamada aberta para a entrega de artigos, ensaios, entrevistas e traduções que irão compor as duas edições de 2012. A primeira edição sairá até junho com o tema a Literatura e o Cinema - os textos devem ser entregues até 28 de março de 2012 – e a segunda no segundo semestre com o tema a Literatura e a escrita em si – até 15 de agosto de 2012. A revista privilegiará textos de estudantes Pós-Graduação em Literatura. O regulamento para as publicações está na página da revista (www.periodicos.ufsc.br).

Ricardo Pessetti


Jornal do CCE

Outubro 2011

Cultura

7

Design de Animação em concurso O Projeto “As Baratas de Godogodês”, criado por alunos e pesquisadores na área de Design de Animação, está participando do Concurso Animacultura, um Programa da Fundação Padre Anchieta. Se for selecionado entre os 117 inscritos, será exibido em formato de uma série, durante a programação da TV Cultura. A série, voltada para o público de 8 a 12 anos, conta as aventuras de três baratas irmãs, que moram no sofá da casa de um “solteirão”. A história, criada pelos alunos Andréa Ferrari, Cíntia Cardoso, Lucas Goulart, Luis Felipe Coli, Pedro Teodoroski e Roberto Colombo, se desenvolve nas personagens tentando sobreviver e voltar para Godogodês, sua terra natal. Sob orientação dos professores Clovis Geyer e Mônica Stein, o trabalho foi produzido para a disciplina Animação 2D. Animacultura - O Pro-

grama Animacultura quer estimular o crescimento da indústria brasileira de conteúdos culturais, através do incentivo ao desenvolvimento e à produção de projetos transmídia, com foco em séries de animação. Todo o processo de criação, desenvolvimento, produção, teledifusão e comercialização da série e conteúdos de transmídias é apoiado pelo Programa, que foi dividido em três etapas. O Animacultura conta com o apoio da Associação Brasileira de Cinema de Animação – ABCA, Associação Brasileira de Produtoras Independentes de Televisão – ABPITV, Brazilian TV Producers - BTVP e o Consulado do Canadá, acompanhado e regulamentado pela Agência Nacional do Cinema – ANCINE. Mais informações no endereço www.lumlab. com.br/concursos-1.html.

Taynara Macedo

Divulgação

Série de alunos pode ser selecionada para exibição na TV Cultura

Série produzida por alunos de Design conta as aventuras de três baratas

Crítico uruguaio ministra Mostra Catavídeo exibe palestras sobre literatura trabalhos de estudantes Seis estudantes do CCE participarão da 13ª edição do CATAVÍDEO (Mostra de Vídeos Catarinenses) que acontece entre os dias 5 e 12 de novembro de 2011. A estudante da 5ª fase do curso de Cinema, Gabriela Jardim Aquino, inscreveu dois vídeos: Alegria, Alegria e Vórtice. “O curta Alegria, Alegria é sobre um palhaço que anda pelas ruas perguntando o que é felicidade. Vórtice é baseado na música Paranoia, de Raul Seixas”, conta Gabriela. Felipe Mendonça Moraes, Denise Szabo, Luísa Novo, Karine Joulie e a jornalista Kátia Klock – ex-aluna do curso de Jornalismo - também

estão participando do CATAVÍDEO. Neste ano, o CATAVÍDEO focalizará a simbologia do número “13” para comemorar a 13ª edição. A abertura será com o cineasta e ator José Mojica Marins, mais conhecido como Zé do Caixão. As sessões dos vídeos exibidos são gratuitas. A mostra será realizada na Fundação Cultural Badesc e conta com oficinas que acontecem no SESC Prainha. Acesse o sítio-web http://www. catavideo.org para mais informações sobre a programação da mostra.

Vanessa Farias

O professor uruguaio e pesquisador na Universidade de Notre

Dame (Indiana) Hugo Verani fará palestras nos dias 10 e 11 de novembro, convidado pelo Programa de Pós-graduação em Literatura. As palestras serão sobre os autores Octavio Paz (1914-1998), poeta mexicano ganhador do Nobel de Literatura de 1990, e Juan Carlos Onetti (1909 - 1994), renomado jornalista e romancista uruguaio. Doutor em Filosofia e Letras e professor Emérito na Universidade da Califórnia, Verani é crítico literário, escreveu livros sobre esses autores e publicou artigos em revistas especializadas internacionais. As palestras serão gratuitas e ministra-

das em português e espanhol. Programação - No primeiro dia (10) será realizada uma conferência com o tema “Octávio Paz: poesia e caminata”, e no segundo, uma conversa sobre Juan Carlos Onetti entre Hugo Verani e a professora Liliana Reales, coordenadora do Núcleo Onetti de Literatura. Haverá uma breve exposição de Verani, seguida de um diálogo com a professora e intervenções do público. “O próprio professor Verani propôs que, ao invés de uma conferência, fosse organizado um debate entre nós para falarmos sobre a obra do escritor uruguaio” explica Liliana.

Renata Bassani


Entrevista

Outubro 2011

Mailce Borges Mota

Na universidade desde 1996, Mailce é formada em Letras pela UFSC, onde também concluiu mestrado e doutorado.

Jornal do CCE

Aramis Merki

8

Professora da universidade desde 1996 é formada em

Letras pela UFSC, onde também concluiu mestrado e doutorado. Durante o ano de 1998, foi pesquisadora

visitante no Departamento de Linguística da Universidade de Minessota. Em 2008 realizou pós-doutorado

no Departamento de Neurociência da Universidade de

Georgetown e, em 2010, foi professora visitante na Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade de Algarve. Trabalha na área da psicolingüística, tendo

como foco os aspectos cognitivos e neurocognitivos da relação entre aquisição/processamento da linguagem. Jornal do CCE: A UFSC é destaque em produção científica na América Latina. Como a sra. avalia os projetos que estão em andamento no Centro? MM: Aos poucos, estou me familiarizando com todas as unidades de pesquisa nos departamentos. Os projetos que são desenvolvidos estão, de modo geral, no mesmo patamar de outros programas da UFSC. Então, são projetos muito relevantes, com boa visibilidade nacional e muitos deles com parceiros internacionais. A mobilidade, tanto dos nossos professores quanto de colegas estrangeiros que recebemos é grande. Na minha avaliação, a pesquisa está sendo bem feita. JCCE: A gestão estava em andamento quando da sua posse na coordenadoria. Como a sra. dará continuidade aos projetos iniciados? MM: Na realidade, a direção do Centro demonstrou muito boa vontade para que se estabeleça, se discuta uma política institucional de pesquisa. Uma política com linhas claras, bem articulada e construída com os outros professores e, principalmente, através dos coordenadores de pesquisa dos departamento e dos coordenadores de pós-graduação. Tenho a impressão que o desejo da direção é de que esse trabalho seja feito ao longo do meu mandato, de 2 anos.

JCCE: Das experiências adquiridas em trabalhos no exterior (EUA e Portugal), quais a sra. Mailce fala dos seus planos para a Coordenadoria de Apoio à Pesquisa considera importantes incorporar no CCE? JCCE: O CCE ainda mantém um também tenhamos mais recursos MM: Aprendi nas experiências no número de pesquisadores abai- para pesquisa, na forma de bolsas exterior a importância do apoio xo de outras áreas na UFSC. O e de fomento aos projetos. que as instituições dão para que o que se pode fazer para mudar pesquisador se estabeleça, consoli- este quadro? JCCE: No CCE ainda são poucos de seu grupo, seu núcleo, sua linha MM: Esse é um dos desafios da co- os alunos de graduação particide pesquisa. O espaço físico, para missão de pesquisa. Nós vamos ver, pando de projetos de pesquisa. o pesquisador trabalhar com seu junto ao coordenador do programa, Como se pode estimular uma grupo e criar relações com outros qual é a estratégia já utilizada para inserção maior dos estudantes? grupos é fundamental. Nos Estados divulgar, na universidade, as nossas MM: Tem que haver um incentivo Unidos, quando uma universidade pesquisas. Precisamos, também, cada vez maior para nossos profesquer contratar um pesquisador, discutir maneiras mais eficazes de sores participarem de processos oferece um pacote, com um salário fazermos a comunicação no Centro, de seleção de bolsistas e estimux, mas você também vai ganhar um porque a pesquisa que se faz é boa lar o diálogo com instituições para enxoval de pesquisa para montar e é em bom número. O problema conseguir novas bolsas, como a o seu laboratório. O espaço físico é que falta articulação e é preciso FAPESC, que tem bolsas para inie o apoio da instituique se faça ciação. Os pesquisadores bolsistas ção para o projeto “Sem espaço físico isso de for- do CNPq podem concorrer a bolde pesquisa são as não tem nem por ma estraté- sas em editais específicos. Então coisas que eu mais onde começar.” gica, porque precisamos incentivar este tipo de aprendi e que gostaos diversos iniciativa, cada vez mais. Temos ria que fosse muito mais forte nas núcleos não vão se organizar sozi- que ir atrás, lutar por novas bolsas. Humanidades. Precisamos apren- nhos. É preciso que a coordenação É um campo importante. E, agora, der a gerenciar laboratórios e re- de pesquisa funcione como ele- tem a bolsa de iniciação científica solver um problema fundamental: mento organizador, que esteja em para o Ensino Médio: um professor espaço físico. Espaço físico para diálogo com os coordenadores e nosso pode orientar um aluno da grupos de pesquisa, para núcleos. pesquisadores dos departamentos. escola média. E por que não fazer É fundamental e essa é uma meta, Uma das coisas que quero fazer é isso nas nossas áreas de Cinema, é um problema que nós temos que criar um fórum, um espaço onde os Artes, Libras, Língua Estrangeira, discutir nesses dois anos. Porque coordenadores possam se reunir Jornalismo? Por que não incentivar sem espaço físico não tem nem regularmente para planejarmos os jovens antes da entrada na unipor onde começar. Vai participar essa política e fazermos a avaliação versidade? de edital, vai pedir equipamento, e dos procedimentos de pesquisa, mesmo que peça só computadores, além de pensarmos em maneiras Bárbara Cardozo onde vai colocá-los? de fortalecer o Centro, para que Aramis Merki

Jornal do CCE - 22ª Edição  

Este Jornal foi produzido pela turma de Redação II, do segundo semestre de 2011. Orientação do professor Elias Machado.