Issuu on Google+

Paracatu e Unaí, sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Edição 171

Semanal N° páginas: 16 R$ 1,00


2 | COLUNAS

Sexta-feira | 9 de agosto de 2013

Eloisa Cunha trabalha em busca da igualdade dos direitos da mulher Não basta ser mulher tem que ter atitude. Estas palavras formaram o slogan da vereadora Eloisa Cunha (PMDB) quando a parlamentar concorreu a um cargo no legislativo no pleito eleitoral do ano passado no qual foi eleita obtendo 1.245 votos. Com esta frase, a parlamentar que preside o PMDB Mulher, e será primeira procuradora da Procuradora Especial da Mulher em Paracatu, pretende através de seu trabalho colocá-lo em prática através de projetos e de campanhas ressaltando sempre a igualdade entre mulheres e homens. “O lugar [oportunidade] é de todos, não só das mulheres da área rural e urbana, mas dos homens, um precisa do outro, precisamos caminhar juntos”, ressaltou Eloisa que fez questão de frisar que a intenção da mulher do campo e da cidade não é ocupar os lugares dos homens, mas sim igualar as responsabilidades tanto no âmbito profissional quanto pessoal. Incansável nesta tarefa, a parlamentar dedica-se quase que exclusivamente em apoiar políticas públicas de proteção, valorização e empoderamento da mulher que vive no campo e na cidade, assim como as campanhas realizadas como a 1ª Semana da Mulher, onde diversos

debates ocorreram em um evento inédito na região que contou também com uma grande caminhada mobilizando famílias inteiras que percorreram as ruas da cidade em apoio na busca da mulher pela igualdade. Outro evento destacado foi o curso de capacitação de técnicos e técnicas que trabalham com mulheres em risco de violência em parceria com a Coordenadoria Especial de Políticas Públicas para Mulheres. Uma das grandes conquistas até o momento do mandato da parlamentar, foi ter conseguido junto a parceiros do poder público estadual e municipal, a Delegacia Especializada da Mulher e junto com esta demanda, a aquisição de carro, moto e computador para a delegacia. Apesar desta boa noticia, na opinião de Eloisa Cunha faz necessário urgentemente, desvincular a Delegacia da Mulher do atual local, onde fica a sede da Polícia Civil, provavelmente para Casa da Mulher, atualmente fechado. A mulher rural entra na pauta de reivindicações de Eloisa Cunha. O projeto Minha Casa Minha Vida- Zona Rural Comunidades Tradicionais, está sendo trabalhado em parceria com diversas entidades entre elas com

a Agência de Desenvolvimento do Vale do Paracatu. Seminário “Mais Mulheres na Política” É fato e não tem como deixar de relatar. Apesar do país possuir uma presidente da república mulher, a participação feminina é ainda muito tímida no âmbito político nacional em todas as esferas, tanto executivo quanto no parlamento. Conforme informou Eloisa Cunha, na política de Paracatu, desde 1948, quase 170 vereadores forma eleitos, sendo apenas oito mulheres. Contando estes números, teve um pequeno acréscimo nesta gestão da Câmara de Vereadores (a) com o ingresso de Eloisa e Marli Ribeiro, sendo que atualmente são 17 vagas. A vereadora coloca em questionamento esta posição da mulher atualmente, pois segunda ela “ o eleitorado no Brasil a maioria é feminino (quase 53%) e a participação da mulher na política é muito pouca. Aqui em Paracatu temos exemplo de nunca conseguimos eleger uma prefeita e uma vice-prefeita e até hoje, somente duas mulheres presidiram a Câmara que são Luiza Rocha e Maria Romualda”, disse a peemedebista.

Sonho dos Moradores do bairro Vista Alegre é concretizado após intervenção do Vereador Oswaldinho da Capoeira – No mês passado, através de um requerimento, o vereador Oswaldinho da Capoeira solicitou que a linha do transporte público fosse estendida do bairro Alto do Açude até o bairro Vista Alegre. Na época o vereador chegou a fazer várias reuniões com os moradores que reivindicavam dele uma solução para o problema, já que a população carecia dos serviços. “Conheço a realidade e as necessidade do Bairro Vista Alegre, este é um sonho antigo dos moradores que sempre quiseram usufruir da melhor forma do transporte público do muni-

cípio”, disse Oswaldinho. Mas na última segunda-feira a linha foi estendida, conforme afirma o próprio vereador. Segundo Oswaldinho, as diversas reuniões que ele teve com a empresa responsável, as Expresso Planalto, resultou na extensão da linha que antes só ia até o bairro Alto do Açude. “Fiz várias reuniões com representantes da empresa Expresso Planalto, onde consegui junto a diretoria da empresa a extensão da linha do Bairro Alto do Açude até o Bairro Vista Alegre, e digo a todos que estou aqui pela comunidade Paracatuense”, destacou o vereador,

que em nome de todos os moradores do bairro, fez questão de agradecer o diretor da empresa Ivan Monteiro, que segundo Oswaldinho, “não mediu esforços para que a linha fosse estendida”. A equipe de reportagem do Jornal Dinâmico (JD), esteve no bairro e conversou com alguns moradores que afirmaram a presença do circular durante a semana, pelas ruas do bairro. Conforme a empresa, a linha que cobre o bairro Alto do Açude foi ampliada e agora passará também no Vista Alegre durante quatro vezes ao dia (8h, 11h, 14h e 18h) em três pontos.

Diante desta realidade, o gabinete da vereadora Eloisa Cunha em parceria com diversas entidades, está organizando o Seminário Mais Mulheres na Política, programado para o dia 21 deste mês na Câmara de Vereadores (a). Cerca de 200 mulheres deverão participar deste evento, sendo grande, parte oriundas da zona rural. “Teremos a presença de várias palestrantes de Paracatu, Brasília-DF e Belo Horizonte no encontro que temos que mostrar a força feminina tem na política”, detalhou Eloisa que destacou o Programa Nacional do Fortalecimento da Agricultura Familiar - Pronaf Mulher, como uma das pautas do encontro. Nesta mesma data, foi confirmado a inauguração na Câmara de Vereadores (a) da Procuradoria Especial da Mulher que também objetiva a criação de redes de enfrentamento à violência contra mulher com várias entidades e órgãos públicos. Eloisa Cunha fez questão de destacar do trabalho que desempenha no qual exclusivamente como vereadora, não possuindo outra atividade profissional. “Não tenho outro trabalho, vivo exclusivamente para o legislativo. Trabalho para o povo, pois o povo que me elegeu e também

me paga”, enfatizou a vereadora que deixou um recado: “A mudança vai ocorrer efetivamente quando as mulheres tiver mais numerosa no legislativo e executivo”, finalizou Eloisa que deixou uma mensagem de agradecimento: “Agradeço todos os parceiros, Deus, minha família que tem ma ajudado bastante que são a base de tudo junto com Deus. Sem toda esta ajuda eu não conseguiria fazer nada”. Texto: Tiago Manique/JD e Foto: Divulgação/Facebook Eloisa Cunha

VEREADORA Eloisa Cunha trabalha incansavelmente pela igualdade das mulheres do campo e da cidade

EDITAL DE PROCLAMAS Wilma Melo Franco Dias, Oficial do Registro Civil das Pessoas Naturais da Comarca de Paracatu/MG. FAZ SABER que pretendem casar-se e apresentaram os documentos exigidos pelo artigo 1.525 do Código Civil Brasileiro: BRUNO HENRIQUE CHAVES E GABRIELA CLÉIA DA CUNHA MOREIRA. Ele filho de: SERGIO MARTINS CHAVES E MARIA CELINA GONÇALVES CHAVES. Ela filha de: MARCO ANTÔNIO MOREIRA E JACQUELINE CLÉIA DA CUNHA MOREIRA. CASAMENTO A SER REALIZADO EM 23/08/2013. ANTONIO DAMIANO NORATO E CELMA NUNES BATISTA Ele filho de: MARIA DE FÁTIMA NORATO. Ela filha de: JOÃO NUNES BATISTA E MARIA JOSÉ NUNES. CASAMENTO A SER REALIZADO EM 23/08/2013. GEORGE LUCAS PERES DA SILVA E RAIANE PEREIRA MOTA Ele filho de: JOSÉ PERES DA SILVA E ELECY RAMOS PERES. Ela filha de: DARLÍ MOTA E MARIA DA GLORIA PEREIRA BARROS. CASAMENTO A SER REALIZADO EM 23/08/2013. MARCOS PEREIRA CAMARGOS E ANDREA CALDAS PEREIRA Ele filho de: JOÃO BATISTA PEREIRA E MARIA ERCI PEREIRA. Ela filha de: ADEMAR MENDES PEREIRA E JÚLIA CALDAS PEREIRA. CONVERSÃO DE UNIÃO ESTÁVEL EM CASAMENTO CIVIL


Sexta-feira | 9 de agosto de 2013

GERAL | 3

Vereador Glewton de Sá apresenta requerimento solicitando construção de via marginal na BR-188, próximo à Finom – Todos os dias, professores e alunos que estudam na Faculdade do Noroeste de Minas Gerais (Finom) enfrentam congestionamento ao chegar próximo do campi universitário, conforme afirma o vereador e presidente da Câmara, Glewton de Sá (PMDB). Segundo o vereador, todos os dias são vários os pedidos para que se tome providência no sentido de construir uma via marginal ligando o Parque Industrial de Paracatu ao trevo da rodovia MG 188, no sentido de Guarda-Mor. “A fila de carro que se forma é enorme, por isso, acredito que uma via marginal, paralela, pode contribuir para o descon-

Texto e Foto: Marcos Antonio/JD

LOCAL onde o requerimento pede a construção da via marginal para a melhoria do trânsito de veículos

gestionamento que também é produzido por caminhões que precisam utilizar a mesma pista dos carros”, comenta o vereador, que recentemente apresentou um requerimento exigindo a construção da via

marginal. Como exemplo de pista marginal, Glewton citou a que existe em frente à concessionária de veículos Primavia, na BR 040. Segundo o vereador, o objetivo principal é facilitar o acesso dos alunos

VIA MARGINAL, em frente à Primavia, contribuirá para a melhoria do tráfego de veículo na região da BR-040

à faculdade. “É uma questão de estratégia, o número de pessoas que frequentam a faculdade diariamente é muito grande e uma melhor infraestrutura no local é fundamental para a melhoria da qualidade

de vida dessas pessoas”, destacou Glewton, que também ressaltou a situação dos caminhoneiros, já que eles também enfrentam o congestionamento ao ir ou vir de cidades como Guardar-Mor, entre outras.

Seletiva Dançaraxá – Um dos maiores festivais de dança do Brasil – Um dos maiores festivais de dança do Brasil, vai acontecer hoje (9) e amanhã (10), no Sesc Laces, quando ocorre a seletiva para o 13° Dançaraxá, o maior festival de dança do estado, realizado pelo Sesc, evento com a ação integrada do Sesc Paracatu. A seletiva se dará através de uma competição entre os grupos Estúdio de Dança Denysi Barbosa (Paracatu), Corpus Escola de Ballet (Paracatu), Grupo Lenda Urba-

na (Taguatinga – DF), Star Cover (DF), DsGrew (DF), Boys Like e Boss (Recanto das Emas – DF) e Lenda Urbana (Taguatinga-DF). Haverá premiação em troféu por gênero e o melhor grupo da Seletiva participará do Festival em Araxá. Na seletiva em Paracatu, que acontece no Sesc, serão apresentadas 30 coreografias. Os vencedores por gênero serão anunciados ao final de cada noite e o melhor grupo ao final do dia 10 de agosto.

Dançaraxá O evento é reconhecido na cidade e região como o maior Festival Competitivo de Dança do estado e que mantém uma estatística de crescimento a cada ano. Em 2012, o evento contou com 1.400 participantes de 23 cidades de Minas Gerais e outros estados. Para este ano, estimam-se 1.500 inscrições para o Festival Competitivo, 300 pessoas

Aluga-se kitnetes e apartamentos falar com Admar. Telefone (38) 99626196

EDITAIS E AVISOS ELSA ANTÔNIA DA SILVA BORGES – ME Torna público que por determinação do Conselho Estadual de Política – COPAM, solicitou através do processo nº 00408/2008/001/2009, DNPM 832.802/2006 a Licença Previa de Instalação para as atividades de: Extração de Areia e cascalho para utilização imediata na construção civil, localizado no km 95, BH sentido Brasília no município de Lagoa Grande – MG.

no Palco Livre e um público de 550 pessoas para as oficinas. O objetivo do Dançaraxá é promover um intercâmbio entre os grupos participantes, propiciar o treinamento e a capacitação de bailarinos contribuindo para aperfeiçoamento do conhecimento técnico e profissionalização, bem como a reflexão constante da atividade por meio

de oficinas gratuitas, fóruns e mesas temáticas. Além disso, o projeto divulga e promove a diversidade cultural da arte da dança, contemplando a variedade de modalidades como ballet clássico, ballet clássico de repertório, jazz, moderno, sapateado, danças urbanas, estilo livre e contemporâneo. As informações são da Davinci Propaganda.


4 | POLÍTICA

Sexta-feira | 9 de agosto de 2013

Vereador Joãozinho Contador pede esclarecimentos da Copasa sobre serviços prestados ao município - O vereador Joãozinho Contador (PSDB), sempre preocupado com as Foto: Thiago Keller/JD

questões relacionadas ao município de Paracatu e com o bem-estar dos que aqui residem, solicitou à comissão de administração, serviços públicos e cidadania, da qual faz parte na Câmara Municipal, que realizasse uma audiência pública para a convocação de diretores e representantes da Copasa para esclarecimentos sobre a prestação de serviços no município. A audiência foi realizada no dia 14 de julho,

estando presentes os representantes da Copasa e os demais vereadores que fazem parte da comissão. Joãozinho questionou sobre a atual situação do tratamento de água e esgoto do município, reclamou do recapeamento das ruas e exigiu esclarecimentos sobre a estação de tratamento de esgoto. O parlamentar também questionou a falta de água na região do bairro Vista Alegre e questionou novamente a fal-

JOÃOZINHO Contador demonstrou preocupação quanto aos serviços prestados pela Copasa no município

Vereador pede que população dos povoados de São Sebasão e Lagoa de Santo Antônio sejam atendidas com serviços odontológicos – A equipe de reportagem do Jornal Dinâmico (JD) esteve no povoado de São Sebastião para conferir o que solicita, em requerimento, o vereador Marcos Oliveira (PTB), ou seja, a presença de atendimento odontológico aos moradores do local. No requerimento o vereador também pede que o atendimento aconteça no povoado de Lagoa de Santo Antônio, onde, segundo Marcos, a população sofre com a falta da presença de dentistas. Conforme pode ser constatado pela equipe do JD,

o requerimento está certo. Tanto o povoado de Lagoa de Santo Antônio, quanto o de São Sebastião, não possui em suas dependências um profissional voltado ao tratamento dentário. Os moradores, quando precisam desses serviços, precisam de encaminhamento para os dentistas que atendem nos consultórios odontológicos que ficam na cidade, por isso, antes, é necessário que o morador passe pelo aval de um clínico geral para receber o encaminhamento. “Minha neta está precisando arTexto e Foto: Marcos Antônio/JD

rancar um dente e aqui não consegue, tenho que levá-la até a cidade. Acho isso um pouco caso, porque penso que, já que moro aqui devo frequentar os serviços públicos daqui”, diz uma moradora do povoado de São Sebastião, que preferiu não se identificar. Na justificativa de seu requerimento, o vereador Marcos Oliveira salienta que o atendimento odontológico nos povoados vem ao encontro do cumprimento das determinações da Constituição de 1988, que exige que todo cidadão tenha direito à saúde. “O atendimento odontológico nos povoados visa dar maior comodidade e levar, cada vez mais, a saúde para a população desses povoados”, afirma o vereador. FACHADA do posto de saúde no povoado de São Sebasão; falta de densta para atender a população faz com que moradores tenham que ir à cidade buscar por tratamento odontológico

ta de tributação do ISS, requerendo assim uma posição da Copasa para resolver urgente a situação para a melhoria da qualidade de vida do povo paracatuense. A Copasa, por sua vez, através de seus representantes Fernando e Vilmar, informou que alguns dos problemas já foram sanados e os demais

estão em andamento para serem resolvidos. Através desta audiência com a empresa, o vereador espera que os anseios da população sejam ouvidos e prontamente solucionados pela empresa fornecedora de água na cidade. As informações são da Assessoria Parlamentar do vereador Joãozinho Contador.


Sexta-feira | 9 de agosto de 2013

5


6

Sexta-feira | 9 de agosto de 2013

Um pouco da história da Coopervap contada pelo seu primeiro gerente, Vasco Praça Texto: Margos Antônio/JD

Com 76 anos, o associado da Cooperativa Agropecuária do Vale do Paracatu (Coopervap), Vasco Praça é um dos mais velhos associados da cooperativa. Por ter sido seu primeiro gerente, Vasco Praça também é um dos sócios fundadores da cooperativa. “Comecei no início, quando ainda vendíamos o leite em latões na cidade de Taguatinga, porque no Plano Piloto só podia vender leite engarrafado” conta Vasco em entrevista exclusiva ao Jornal Dinâmica, na varanda de sua casa, na fazenda em que atualmente vive com a família. O início Vasco é sem dúvida alguma um pouco da história da cooperativa. Segundo ele conta, a Coopervap começou como uma fábrica de manteiga. Nesta ocasião, conta Vasco, os produtores de leite de Paracatu produziam manteiga para vender em Brasília, mas o leite era consumido pelos próprios paracatuenses. Com isso, um grupo de pessoas comprou a fábrica que produzia essa manteiga e daí “começou os trabalhos da cooperativa, que conhecemos hoje”, diz. Após a compra da fábrica, os sócios proprietários recorreram ao Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) para conseguir um empréstimo que os possibilitariam não só produzir manteiga, mas também receber leite. Começava aqui a captação de leite, que hoje é responsável por 50% da renda bruta da cooperativa. “Começamos a enviar esse leite para Taguatinga, que era em média 2,5 mil litros de leite por dia”, relembra Vasco, que nesta

época morava em Brasília e começou a ser um representante da cooperativa dentro da capital do país. Aqui, ainda estamos nos primórdios da Coopervap, tanto que Vasco salienta que nesta época, o número de associados não deveria passar de 130; hoje a cooperativa possui cerca de dois mil associados. Nessa época também a cooperativa enviava manteiga para a cidade de Campina Grande, na Paraíba. Mas, quando foi no final do ano de 1964, por intermédio da Itambé, a Coopervap conseguiu adquirir uma máquina de engarrafamento de leite. “Aí aumentamos nosso público consumidor e começamos a vender o leite no Plano Piloto”, diz Vasco. Segundo Vasco, a venda do leite para Brasília foi fundamental para o desenvolvimento da cooperativa enquanto patrimônio. Desafios Como toda empresa honesta e que cresceu devido à força dos cooperados, a Coopervap começou com dificuldades. Vasco conta que trabalhou no início, durante seis meses, sem pagamento. “Posso te afirmar que toda a diretoria trabalhava sem receber um tostão”, afirma. Outra dificuldade encontrada pela cooperativa era em fazer da região uma bacia leiteira. “Para isso, foi preciso trocar o rebanho, que era o gado comum, para o girolando”, diz Vasco, que chegou a se lembrar de que durante alguns momentos foi necessário importar reprodutores holandeses do Uruguai e Argentina para melhorar a genética do gado da região.

“Com isso, aumentamos a produção de leite. Se antes, com o gado comum, éramos acostumados a captar 4 mil litros, com o girolando passamos para 70 mil litros”, diz. Com a mudança do rebanho também deixou de existir a variação com relação à quantidade de leite, que era comum cair na época da seca. “O gado comum não consegue manter um produção equilibrada, nas águas ele dá muito leite, mas na seca sua produção cai”, explica Vasco. A mudança do rebanho bovino leiteiro da região foi outro fator importante para o crescimento da cooperativa. Com isso, a captação de leite aumentou possibilitando assim a cooperativa empreender na produção de queijo. Também foi possível se filiar na Cooperativa Central Mineira de Laticíni-

os (Cemil), quando passou e enviar parte de sua produção para que fosse feito outros tipos de produtos, como o leite longa vida e o leite em pó, entre outros. Cooperativismo Vasco Praça afirma que a cooperativa é um espaço que transforma o capital “selvagem” em capital “social”. Segundo Vasco, isso não é “comunismo”, mas é a distribuição de renda e do poder de forma igualitária. Para conseguir essa autonomia, a cooperativa teve de passar, antes, por uma “prova de fogo”, que foi quando ela teve que optar pela produção de leite em saquinho, o famoso “barriga mole”. Segundo Vasco, isso aconteceu porque em determinado momento a Itambé solicitou que a cooperativa devolvesse a máquina de engarrafamento de leite. “A

Itambé tinha planos com a máquina em Juiz de Fora, por isso tivemos que devolvê-la. Assim, fomos obrigados a comprar um máquina de empacotar leite, que vinha da França, chamada Prepac”, lembra Vasco. Após a compra dessa máquina aconteceu o inesperado: “Nós começamos a ganhar o comércio dentro do Plano Piloto, que antes era dominado pelos goianos, porque o leite de saquinho era mais prático”, conta. Vasco afirma que esta situação fez com que a Coopervap não só se destacasse em Brasília, como a primeira vendedora de leite em saquinho, mas também como a primeira cidade brasileira a produzir o leite em saquinho. Assim, quando perguntado sobre o cinquentenário da cooperativa, Vasco afirma que: “são cinquenta anos de luta”.

EXPEDIENTE ESPECIAL COOPERVAP 50 ANOS

TEXTO: www.coopervap.com.br Tiago Manique/JD Marcos Antônio/JD

CRÉDITOS DAS FOTOS: Tiago Manique/JD, Thiago Keller/JD, Marcos Antônio/JD , Gustavo Vilela/Dinamicoproduções e www.coopervap.com.br

COLABORAÇÃO: CAPA JORNAL E ESPECIAL ARTES GRÁFICAS PARACATU


Sexta-feira |9 de agosto de 2013

7

Um presidente comprometido com uma administração baseada na força coletiva Em seu segundo mandato como presidente da Coopervap, Edmundo de Sá, desde que assumiu a presidência da cooperativa, obteve inúmeras conquistas em favor da cooperativa em consequência, é claro, dos cooperados. Sua administração é comprometida em favorecer o que há de melhor para o produtor rural, associado e cooperado, com a missão de receber a produção de seus associados, industrializar, comercializar e prestar serviços com qualidade e tecnologia, proporcionando melhor retorno aos seus associados, visando a satisfação dos clientes e prosperando como organização cooperativista. Com uma visão de organização inovadora e modelo na aplicação dos princípios do cooperativismo, uma das marcas da administração de Edmundo de Sá e toda sua diretoria são diversos fatores que contribuem para o sucesso da Coopervap, e um deles é a sua administração. Uma sociedade cooperativa é pautada nos valores morais e educativos, centrada na concepção de que o homem é um ser livre e capaz de

Texto: Tiago Manique e Divulgação/Coopervap.com.br

produzir seu desenvolvimento. Todas as opiniões são discutidas e surgem da necessidade coletiva. Essa sociedade cooperativista, cujo fundamento filosófico resume-se na expressão “a união faz a força”, prioriza a adesão livre, o controle democrático, a neutralidade política e religiosa, racial e social, estimulando sempre a educação e o direito de retorno de sobras. Com base nesse conceito são realizadas as assembleias da Coopervap e os destinos da organização são discutidos sob essa filosofia. Cooperativismo simbologia

e

sua

Considera-se que o cooperativismo moderno surgiu na Europa, com a fundação da Rochdale Society of Equitable Pioneer, a qual uniu 28 tecelões de Rochdale, Inglaterra, em 21 de dezembro de 1844. Foi esse grupo que sistematizou as regras fundamentais a respeito do funcionamento das cooperativas, que devido ao sucesso alcançado foi utilizada como padrão para as demais cooperativas que Divulgação/Portalunai.com.br

EDMUNDO em reunião com a diretoria e cooperados

surgiram a partir dela. Símbolo O símbolo completo indica a união do movimento, a imortalidade de seus princípios, a fecundidade de seus ideais, a vitalidade de seus adeptos, tudo isso marcado na trajetória ascendente dos pinheiros que se projetam para o alto, procurando subir cada vez mais. Pinheiro Na mitologia, o pinheiro representa a vida e sua perpetuidade. É símbolo da imortalidade e da fecundidade pela sua sobrevivência em terras menos férteis e pela facilidade na sua multiplicação. Repetido, representa a união e ajuda mútua. Círculo

PRESIDENTE Edmundo de Sá orgulhoso por estar à frente da Coopervap, que completa 50 anos de cooperava

Indica algo sem início e sem fim, representando a eternidade.

Verde O verde escuro lembra a vida, as plantas e o princípio vital na natureza.

A mesma data foi adotada pela ONU (Organização das Nações Unidas). Conselho de Administração: Edmundo Antônio de Sá

Amarelo O amarelo ouro simboliza o sol, fonte de energia, calor, luz e vida. Dia Internacional do Cooperativismo A data foi instituída em 1923 pela Aliança Cooperativa Internacional – ACI, com o objetivo de comemorar a confraternização de todos os povos ligados pelo cooperativismo. Posteriormente, a mesma data foi adotada pela Organização das Nações Unidas (ONU). Instituído em 1923, o Dia Internacional do Cooperativismo nasceu com o objetivo de, no primeiro sábado de julho, comemorar a confraternização de todos os povos ligados pelo cooperativismo.

Presidente Leandro Botelho Neiva Diretor de Negócios Antônio Carlos Monteiro da Silva Francisco Andrade Porto Altino José Severino Silva José Cecílio Cezar Francisco Carlos da Silva Suplentes Valdir Rodrigues de Oliveira Evandro José Caixeta Conselho Fiscal Paulo Ribeiro de Mendonça Filho Marcelo Pereira Camargos Lionel Oliveira dos Santos Suplentes Marcos Rogério Miranda Cácio Aurélio da Cunha Mizael Camilo dos Santos


8

Sexta-feira | 9 de agosto de 2013

Confira as imagens da grande Calvagada 2013


Sexta-feira | 9 de agosto de 2013

9


10

Sexta-feira | 9 de agosto de 2013

Leandro Neiva fala sobre os 50 anos da Coopervap e das expectativas do setor Dias antes da Expo Paracatu, o diretor de negócio da Cooperativa Agropecuária do Vale do Paracatu (Coopervap), Leandro Botelho Neiva, falou com nossa equipe de reportagem sobre a atual situação da cooperativa que, neste ano, completa 50 anos de existência. Conforme o próprio Leandro afirmou, a cooperativa tem uma representatividade tanto no município, quanto na região. Hoje, segundo ele, ela sozinha é responsável por gerar quase 1.500 empregos direto e indireto. Além de ser um dos meios de produção mais rentável da região do Noroeste, com um faturamento anual de quase R$ 200 milhões. Cooperativa A Coopervap é hoje uma cooperativa polivalente quando se trata de sua produção. Hoje, explica Leandro, ela é composta por áreas de negócios que atualmente são quatro. A primeira, que é o leite (captação e processamento), é responsável por 50% de seu faturamento e está à frente da cooperativa desde sua criação; a segunda área é a de “suplementos”, que são os supermercados, as drogarias e as farmácias veterinárias, assim como o posto de gasolina. A terceira área é a unidade armazenadora, que fica na costa da BR-040 e outra na região do Entre Ribeiros. A produção de ração para os cooperados e clientes é nossa

quarta área de atuação, detalha o diretor de negócios. Hoje, a cooperativa possui quase 2 mil associados; desses, 1.500 são produtores de leite, 200 são produtores de grãos e o restante são cooperados que não mais estão na produção de leite, mas ainda continuam comprando da cooperativa. Ela chega a gerar, diretamente, 500 empregos e mais de mil, indiretamente. “Só em Brasília existem 30 revendedores de leite, cada revendedor chega a empregar de dois a três funcionários”, comenta Leandro. A cooperativa “cresceu” nos últimos anos. O diretor explica que esse crescimento pode ser percebido pelo aumento com relação ao faturamento anual da Coopervap. Segundo ele, ano passado ela fechou o ano com um saldo de R$ 194 milhões, este ano deve chegar aos R$ 200 milhões. Leandro diz que quem ganha com isso são os próprios cooperados, pois como quase em toda cooperativa desse nível, o cooperado não é um simples produtor de leite, ele é também dono da cooperativa. “Aqui cada um é dono, cada um tem seu pedacinho”, destaca. Leandro é cooperado da Coopervap desde 1989. Está na gestão da cooperativa há dois mandatos – cada mandato é de três anos – e por isso fala com propriedade sobre o setor em que atua. Segundo ele, a cooperativa tem crescido paulatina-

mente, característica que dá a ela uma solidez tanto em seus serviços, quanto em sua estrutura enquanto cooperativa. “A cooperativa teve um crescimento muito bom e se pensarmos em nível de Brasil, podemos dizer que estamos muito mais acima. Nós já tivemos crescimento de 20%”, afirma. Produção A captação de leite, hoje, na Coopervap chega a 200 mil litros de leite por dia. Dessa quantidade, 50% são destinados ao laticínio da cooperativa onde se produz o queijo, o leite “barriga mole” (de saquinho), a manteiga, o queijo minas padrão, o queijo prato, o requeijão cremoso, a ricota, o iogurte e o queijo minas frescal. Esses produtos, além de ser comercializados em Paracatu, também vão às cidades goianas como Cristalina, Anápolis, Luziânia e também na capital do país, Brasília. “Os outros 50% do leite vão para Patos de Minas, para a Cooperativa Central Mineira de Laticínio (Cemil), onde são produzidos outros produtos que levam o nome da cooperativa, como é o caso do leite Longa Vida e das bebidas especiais como os achocolatados”, complementa Leandro. Dificuldades Leandro salienta que a grande dificuldade ainda enfrentada pela cooperativa é a falta de

O DIRETOR de negócio, Leandro Neiva, afirma que o preço do leite está em seu “melhor momento”;

assistência técnica para dar suporte aos produtores, principalmente, aos pequenos produtores. Segundo o diretor de negócio, a baixa qualificação dos produtores contribui para que a cooperativa não atinja patamares mais alto de desenvolvimento. Ele comenta que o produtor de leite, hoje, tem que ver sua propriedade como uma “empresa”. Segundo Leandro, a capacitação da fazenda no sentido de torná-la ideal para a produção de um leite de alta qualidade, é fundamental tanto para o próprio produtor, quanto para a coop-

erativa. “Um produtor qualificado, preparado, garante uma cooperativa independente, forte e preparada para crescer. Pois, não podemos deixar de reconhecer que nunca se esteve tão bom para se produzir leite”, comenta o diretor, que chegou a afirma que o preço do leite “nunca esteve tão bom nos últimos 20 anos”. Para qualificar o produtor de leite, a cooperativa está lançando um programa de assistência técnica e extensão rural, chamado Educampo, que, segundo Leandro, deverá suprir grande parte desse déficit “técnico”.


Sexta-feira |9 de agosto de 2013

11

Confira a galeria de fotos dos ex-presidentes da Coopervap

WLADIMIR DA SILVA NEIVA 1963 A 1966

ALBERTO LABOISSIERE 1966 A 1967

ZENON ALVES RIBEIRO 1967 A 1969

HONÓRIO SOUZA MUNDIM 1969 A 1971

ORLANDO BATISTA ULHÔA 1971 A 1978

ANTÔNIO ARQUIMEDES BORG ES OLIVEIRA 1978 A 1987 1993 A 1994

PAULO LABOISSIERE 1987 A 1990

EMILIANO PEREIRA BOTELHO 1990 A 1993

JOSÉ EDGARD NOVAES PINTO FILHO 1994 A 2002

VASCO PRAÇA FILHO 2002 A 2005

FRANCISCO SALES JALES 2005 A 2008

EDMUNDO DE SÁ ATUAL PRESIDENTE


12

Sexta-feira | 9 de agosto de 2013


Sexta-feira | 9 de agosto de 2013

13

Relembre os cartazes que marcaram as edições da Expo Paracatu

1ª EXPO PARACATU

3ª EXPO PARACATU

4ª EXPO PARACATU

8ª EXPO PARACATU

9ª EXPO PARACATU

10ª EXPO PARACATU 11ª EXPO PARACATU 12ª EXPO PARACATU 13ª EXPO PARACATU

5ª EXPO PARACATU

6ª EXPO PARACATU

7ª EXPO PARACATU

14ª EXPO PARACATU 15ª EXPO PARACATU 16ª EXPO PARACATU 17ª EXPO PARACATU 18ª EXPO PARACATU 19ª EXPO PARACATU

20ª EXPO PARACATU 21ª EXPO PARACATU 22ª EXPO PARACATU 23ª EXPO PARACATU 24ª EXPO PARACATU 25ª EXPO PARACATU

26ª EXPO PARACATU


14

Sexta-feira | 9 de agosto de 2013

Áreas comerciais da Coopervap fomentando a economia local com a geração de emprego e renda Do longínquo ano de 1963 até 2013 passaram-se 50 anos e, desde então, naquela época quando 40 produtores fundaram a Cooperativa Agropecuária do Vale do Paracatu (Coopervap) já sa-

biam do sucesso deste novo empreendimento, mas, quem sabiam, não imaginavam na época a grandiosidade que iria chegar e sua representatividade para a economia, não somente de Paracatu,

mas da região. Com faturamento anual de mais de 180 milhões de reais, com quadro social formado por mais de 2 mil associados, a cooperativa emprega 500 funcionários diretos, é fonte de renda para

o estado e município gerando mais de 22 milhões de reais em tributos e encargos sociais. Uma das grandes responsáveis por este faturamento e a geração de emprego e ren-

da são as áreas comerciais que a Coopervap possui, setores estes que atendem a demanda dos produtores rurais, associados e também da comunidade que reside na cidade.

Áreas Comerciais da Coopervap Escritório Central Localizado na área central de Paracatu, é a sede da Diretoria Administrativa e Financeira; Diretoria Comercial, Industrial e dos Departamentos de Recursos Humanos; Marketing, Informática, Financeiro, Contabilidade, Segurança do Trabalho, Social, Custos e Patrimônio. UPL – Unidade de Produtos Lácteos São processados milhares de litros de leite por dia, resultantes de um sistema que monitora desde as pastagens até a ordenha dos animais, garantindo a industrialização do leite e uma gama de produtos lácteos. Além destes cuidados na origem da matéria-prima, a Coopervap realiza análises diárias em seus laboratórios para que nada escape aos critérios de qualidade nos milhões de litros de leite industrializados anualmente. Esse controle de qualidade se repete nos milhares de toneladas de produtos derivados do leite, como os diversos tipos de queijos, além de Bebida Láctea, Leite Condensado, Requeijão, dentre outros.

Postos de Combustíveis A Coopervap possui também, para atender uma necessidade essencial da comunidade local e de quem transita pela BR-040, dois postos de combustíveis. Um, como citado acima, fica localizado na BR-040, anexo ao Restaurante Catuí, próximo da entrada do Parque de Exposições. Já a outra unidade localiza-se na área central na frente do hipermercado. Conforme detalhou o gerente dos postos de combustíveis, Marcos Tadeu Silva Gama, que trabalha há quatro anos no posto, há 29 anos que a cooperativa possui posto de combustível e relatou que abastecimento, troca de óleo de motores e venda de gás de Cozinha (GLP), são os serviços oferecidos por cerca de 23 colaboradores que integram a rede de postos de combustíveis da Coopervap. Segundo Marcos Tadeu, o grande diferencial nos postos de combustíveis da cooperativa é a qualidade e confiabilidade dos produtos e serviços, sendo estes também uma “grande vantagem” do consumidor abastecer em um posto ligado a uma cooperativa. Para o cooperado, Marcos Tadeu destaca a melhor condição de pagamento, pois o cooperado tem ainda um percentual de acréscimo no valor do litro de leite entregue na cooperativa que corresponde até três centavos, dependendo do valor total de compras realizadas durante o mês na empresa. “Temos que agradecer a todos nossos clientes e amigos que utilizam nossos serviços e contamos com apoio de todos para que a nossa empresa possa continuar crescendo cada vez mais”, finalizou Marcos Tadeu. Drogaria

Fábrica de rações A fábrica de rações produz diversos tipos de rações processadas num volume que alcança os milhares de toneladas anuais e garante matérias-primas selecionadas para alimentar os rebanhos de bovinos leiteiros.

Diversos itens compõem o estoque da Drogaria da Coopervap que possui medicamentos, perfumaria com uma linha de produtos de qualidade, aliando tudo isso ao excelente atendimento. Esta unidade fica localizada na área central, ao lado do hipermercado. Hipermercado Um grande supermercado para satisfazer toda família. O Hipermercado da Coopervap tem uma grande variedade de produtos com ótima qualidade no gênero alimentício, limpeza, perfumaria, loja de roupa, hortifruti, açougue, entre outros setores para sempre melhor atender a clientela. O hipermercado conta com uma grande equipe de colaboradores treinados e capacitados para oferecer o melhor serviço.


Sexta-feira | 9 de agosto de 2013

15


Sexta-feira | 9 de agosto de 2013

Expo Paracatu é iniciada, oficialmente, com presença do ministro da Agricultura Foto: Thiago Keller/JD e Gustavo/Dinâmico Produções

– A abertura da 27ª edição da Expo Paracatu aconteceu na última quarta-feira (7), no parque de Exposição Emiliano Pereira Botelho, quando, na ocasião, esteve presente o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Antônio Andrade e o secretário estadual da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Elmiro Nascimento. Além da presença da prefeito municipal, Olavo Condé (PSDB), do presidente da Coopervap, Edmundo Antônio de Sá, do presidente da Câmara Municipal, Glewton de Sá, entre outras autoridades. Também se fizeram presentes prefeitos e vereadores de outros municípios que, assim como Paracatu, também possuem suas festas agropecuárias. A abertura aconteceu após a chegada da cavalgada que, como disse o presidente da Coopervap, Edmundo de Sá, já é “tradição” da cultura local. Também foi entoado o hino nacional e o hino municipal pela banda de música municipal. “Espero que todos se divirtam nesta festa linda, que a Coopervap fez de coração”, destacou Edmundo de Sá, reforçando a tese de que a “festa não é da cooperativa, a festa é da população”. Logo em seguida, o prefeito Olavo Condé (PSDB) fez uso da palavra e após agradecer a presença de todos os participantes da cavalgada, ressaltou que a festa se trata de um “grande momento” para o município. Como ele mesmo destacou, a exposição não se trata apenas de entretenimento, mas também é o momento ideal para o debate sobre os problemas enfrentados atualmente pelo produtor rural. “A presença do ministro e do secretário estadual de agricultora é importante porque é o momento para que, principalmente, os pequenos agricul-

tores reivindiquem melhorias para o setor agrícola”, frisou. Ministro e secretário O ministro Antônio Andrade, também no uso da palavra, reforçou a ideia de que Minas Gerais é um estado importante devido sua produção agrícola. Mencionado várias vezes como estado “celeiro”, pelo ministro, Minas Gerais é, segundo Antônio Andrade, um estado fundamental para o aumento do superávit da balança comercial do país. “Temos aqui uma das maiores produção de café do país, nossa bacia leiteira também é significativamente grande e, agora, começamos a destacar também na produção de grãos”. Segundo ele, o Noroeste de Minas é responsável por quase toda essa

produção. O secretário estadual Elmiro Nascimento, que também é paracatuense, disse que se “sentia em casa” e muito “feliz” por estar participando de uma festa que ele também chamou de “tradicional” não só em Paracatu, mas em todo o Estado. Segundo o secretário, Minas Gerais está atravessando

uma situação “próspera” em relação a sua produção agropecuária. Como exemplo, ele citou a normativa que acaba de ser homologada para a criação de centros de Qualidade do Queijo Minas Artesanal, um projeto da Emater-MG, cujos agricultores familiares poderão comercializar o produto para todo o País, respaldados pela

inspeção do Ima. Festa A exposição vai até domingo (11), quando será encerrada com o show do cantor sertanejo Leonardo. Na noite da abertura, o show foi com a dupla Bruno e Marrone, que arrastou milhares de pessoas ao parque de exposição.


Edição 171