Page 8

8

CULTURA

Diário Popular

Quinta-feira, 25 de abril de 2013

ANIVERSÁRIO

1º DE MAIO

HIBRIDUS APRESENTA QUATRO SOLOS NO “1, 2 NA DANÇA”

Festa do Trabalhador terá 3 dias de atrações

IPATINGA – O grupo Hibridus Dança estreia seu novo trabalho, composto por quatros solos, dentro da programação do 1,2 na Dança em Ipatinga no dia 25 de abril às 20 horas no Centro Cultural Usiminas. Os solos dão continuidade à celebração dos dez anos do grupo, ocorrido em novembro do ano passado e contam com as colaborações de Dudude Herrmann/ BH, Marcos Nauer/RJ, Marco Paulo Rolla/BH e Marcelo Evelin/PI. Nesta década de vida o Hibridus firmou diversas parcerias e, dentre elas, com o projeto 1,2 na Dança que também celebra dez anos de existência. Acreditando não mais poder perder tempo, o grupo pensa a urgência de praticar outro tipo de relacio-

demarcar inaugurações nos caminhos de sua história.

Solos do Hibridus celebram não só os sucessos, mas experimentações e fracassos

namento e, para comemorar, em parceria com o 1,2 na Dança, estréia os solos que celebram não só o sucesso, mas essencialmente as experimentações dos fracassos

nesses 10 anos, por entender que eles foram mesmo os responsáveis por desestabilizar, perturbar e gerar as crises necessárias para provocar mudanças de direção e

1, 2 NA DANÇA Em abril o 1,2 na Dança, que tem a direção de Jacqueline de Castro e Wagner Tameirão, celebra dez anos de história com seus parceiros, desde 2004, Grupo Hibridus Dança e Usiminas em Ipatinga. Nada mais justo que o mês em que se comemora o dia Internacional da dança, dia 29 de abril, data do nascimento do mestre francês Jean-Georges Noverre. O foco do 1, 2 na Dança é a dança contemporânea e se desdobra em diversos segmentos e ações: apresentações de solos, duos, fórum de discussão, lançamentos de livros, palestras, workshops, exposição de fotos.

EDUCAÇÃO

Teatro nas escolas combate a dengue em Belo Oriente BELO ORIENTE - Para conscientizar as crianças sobre os riscos da proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, bem como de outras doenças causadas por insetos e roedores, a Prefeitura de Belo Oriente recorreu às artes cênicas. A gerência de Cultura da Secretaria de Educação promoveu uma série de apresentações do grupo Renascer, da comunidade de Cocais das Estrelas, município de Antônio Dias, que percorreu os estabelecimentos de ensino com o “Teatro nas Escolas”. Na encenação teatral intitulada “Lixo Amontoado, Rato Assanhado”, os alunos recebem a mensagem sobre o cuidado permanente com a dengue e que

A peça “Lixo Amontoado, Rato Assanhado” transmite aos alunos a mensagem sobre o cuidado permanente com a dengue

umas das formas de evitar a proliferação do mosquito, e por consequência de outras doenças, é

cuidar para que o lixo não fique amontoado pelas ruas, lotes vagos e no quintal de nossas casas.

Os alunos puderam entender de forma lúdica que o Aedes gosta, por exemplo, de água parada e de objetos que acumulam água. O grupo teatral, composto por crianças e adolescentes, vem fazendo uma turnê pelo município, visitando escolas da sede e dos distritos de Cachoeira Escura, Bom Jesus do Bagre e São Sebastião de Braúnas. A programação, que termina nesta quarta-feira (24), passou pelas escolas municipais José Lagares de Lima, Lua de Cristal, Esperança, Boachat, Perpétuo Socorro, Padre Eliseu, Educação Criativa e Bom Jesus do Bagre, além das creches Tia Celeste, Dona Lourdes, José Firmo e Lourival Lopes.

IPATINGA - O Sindipa realiza a cada ano a tradicional Festa do Trabalhador, que atrai milhares de pessoas com distribuição de prêmios e shows. E este ano a programação não ficará restrita apenas ao dia 1º de Maio. Serão três dias com atrações nacionais e regionais. A expectativa é que mais de 300 mil pessoas participem das comemorações. MISSA E SHOW A Festa vai começar no dia 29 de Abril, aniversário de Ipatinga, com missa e show do Padre Reginaldo Manzotti, a partir de 17h30. Já no dia 30, será a vez de atrações regionais animarem o público. Marconi e Diego, Mulher de Banda e Boleros do Samba tocam a partir de 18h. E no dia 1º de Maio, a partir de 15h, a dupla Humberto e Ronaldo promete agitar os presentes. Os eventos acontecem na Avenida Pero Vaz de Caminha, no Bom Retiro. Para o presidente do Sindipa, Luiz Carlos Miranda, a data não serve apenas para comemorações. “Precisamos comemorar o que já conquistamos, sim. Mas esta é uma oportunidade para lembrar as lutas que ainda estão por vir”. SOLIDARIEDADE A Festa do Trabalhador do Sindipa também pretende ajudar a quem precisa. Por isso, a direção do sindicato pede aos participantes que doem 1 kg de alimento não perecível, que será entregue às instituições da região. Postos de coletas espalhados pela avenida receberão as doações. BINGO E em todo 1º de Maio, os associados do Sindipa participam do Bingo do Trabalhador. Sorteios de prêmios como TV’s, Notebook, Computador e 1 carro 0Km serão realizados no Campo do Jabaquara, no Bom Retiro, a partir de 8h. Todo associado em dia com a mensalidade tem direito a uma cartela. Doando 1 Kg de alimento não perecível, recebe outra. As cartelas serão distribuídas até dia 25 de abril, na sala 16. Mais informações pelo telefone 3829-6617.

T E AT R O

Espetáculo Constância marca estreia do Coletivo Emergente IPATINGA – Formado por Camile Gracian, Felipe Ávlis e Léo Coessens, o Coletivo Emergente estreia seu primeiro espetáculo, “Constância”, neste sábado (27), às 20:00h, no Teatro Zélia Olguin (Cariru). Com aproximadamente 60 minutos de duração e classificação de 14 anos, o drama contemporâneo conta a história de quatro personagens: uma dona de casa, um carteiro, um microfilmador e de Dona Constância. Os ingressos promocionais antecipados podem ser encontrados nas lojas Le Postiche (Centro e Shopping do Vale), no valor de R$10,00. Para esse primeiro trabalho, o Coletivo Emergente convidou para a di-

reção, o ator e diretor Didi Peres. O espetáculo se caracteriza por ser uma produção independente que, para sua realização, contou com o patrocínio da iniciativa privada e instituições regionais. O COLETIVO O Coletivo Emergente surgiu de projetos em comum de três artistas independentes do Vale do Aço. Composto por Camile Gracian, Felipe Ávlis e Léo Coessens, o coletivo valoriza a produção autoral e o trabalho de pesquisa, sempre partindo de um questionamento inicial para que, a partir de então, a investigação possa acontecer de forma conjunta, do teó-

rico para o prático. E foi justamente por sentirem necessidade de participarem de todo o processo criativo e de concepção de um espetáculo, que os integrantes resolveram se reunir em um coletivo. “Não somos um grupo ou uma companhia de teatro, somos um coletivo. Ainda nos consideramos artistas independentes, mas como temos muito em comum, artisticamente falando, criamos o Coletivo Emergente para produzirmos projetos em que acreditamos”, explica Felipe Ávlis. MONTAGEM Com interferências e propostas de todos os artistas envolvidos, a par-

tir de um conto escrito por Léo Coessens, que também assina a dramaturgia do trabalho, o Coletivo Emergente desenvolve, com direção de Didi Peres, um espetáculo que, através de metáforas e do nonsense, tem como coluna vertebral o destino. A partir da escolha do tema e da maneira de como dialogar com a plateia, os artistas buscaram referências em trabalhos que se aproximassem dessa linguagem. O movimento artístico Nouvelle Vague, o filme “Corra Lola, Corra”, do diretor Tom Tykwer, os trabalhos da artista Miranda July, o filósofo Jean-Paul Sartre e peças de teatro com dramaturgias contempo-

Constância tem interferências e propostas de todos os artistas envolvidos, a partir de um conto escrito por Léo Coessens

râneas, foram algumas dessas referências que contribuíram com o texto, a direção, figurinos e cenário.

25/04/2013  

25/04/2013

25/04/2013  

25/04/2013

Advertisement