Issuu on Google+


2

Diário Popular

OPINIÃO

Domingo, 23 de dezembro de 2012

ESPAÇO PÚBLICO

Taxista é preso com 96 quilos de maconha Nesta quinta-feira (20), durante operação realizada na rodovia MG-262, km 19, em Ponte Nova, militares do 8º Pelotão PM de Meio Ambiente e Trânsito perceberam que o motorista de um veículo Fiat Linea, cor prata, ao se aproximar do local da blitz, demonstrava inquietação e conduzia o automóvel muito próximo do carro que transitava à frente. Foi dada ordem de parada ao condutor e os militares procederam à fiscalização. Ao realizarem

FRASES “Ao ver este Mineirão da minha juventude transformado neste belo e moderno estádio, vejo também aqui reafirmada a extraordinária capacidade de realização dos mineiros e dos brasileiros”. Da presidente Dilma Rousseff, durante a inauguração do novo Mineirão, em Belo Horizonte.

“Estou me sentindo em Wembley, nos melhores estádios Europeus”. Coordenador técnico da seleção brasileira, Carlos Alberto Parreira, também sobre o Mineirão.

“Sabíamos que seria uma batalha dificílima” Do ator e diretor Selton Mello, sobre seu longa O Palhaço ficar fora do Oscar.

DIRETOR RESPONSÁVEL Fernando Benedito Jr. EDITORA RESPONSÁVEL Anna Sylvia Rodrigues e Silva (MG 12319 JP) O DIÁRIO POPULAR é uma publicação da A Gazeta Metropolitana Editora e Gráfica LTDA. CNPJ 07.366.171/0001-88 FALE CONOSCO Telefone: 3827-0369. diariopopular.redacao@gmail.com ou diariopopular.comercial@gmail.com ADMINISTRAÇÃO E REDAÇÃO Avenida JK, 1290, bairro Jardim Panorama, CEP 35.164-245. OFICINA Rua Anápolis, 55, Veneza II, Ipatinga.

vistoria no veículo, os policiais encontraram, no interior do porta-malas, noventa e nove barras de maconha prensada, embalada em plástico e fita adesiva, acondicionada dentro de três sacos de nylon, totalizando 96 quilos e 350 gramas da substância entorpecente. O condutor disse que trabalha como taxista na cidade de Mariana e foi fretado por um indivíduo para trazer a mercadoria até Ponte Nova, onde receberia a quantia de R$ 300.

Ipatinga,17 de dezembro de 2012. Prezados Moradores e Moradoras de Ipatinga, João Magno

ARTIGO

O mutirão da violência

(*) José Adir Loiola

Os crimes vão se multiplicando em São Paulo, numa contagem macabra; oito executados num dia, dez no outro, policiais baleados de um lado, bandidos de outro, inocentes caindo em meio a tiroteios, vários ônibus incendiados. Os noticiários vão desfilando a mórbida escalada num terror cada vez mais banal. Em um mês, mais de 250 pessoas foram assassinadas na região metropolitana de São Paulo – e, desde o começo de 2012, quase uma centena de policiais morta em serviço ou no horário de folga. A população vive em pânico. A ordem é puxar o gatilho, desde que a facção Primeiro Comando da Capital (PCC) decidiu mostrar seu poderio a partir de ordens emanadas de dentro dos presídios. Decretou o assassinato de dois policiais para cada bandido morto. E estipulou preço: a quitação da dívida desses facínoras com os chefes de suas quadrilhas. A polícia, diante da truculência dos bandidos, revida na mesma moeda. O fato é que estamos todos condenados nessa guerra aberta. Há mais gente morta em São Paulo nos últimos dias do que no Oriente Médio, onde uma chuva de mísseis atingiu ao mesmo tempo Israel e a Faixa de Gaza. Mesmo antes desta escalada, a criminalidade no Brasil produzia mais vítimas do que a guerra do Iraque. No Rio de Janeiro, a instalação das polícias pacificadoras reduziu a violência nos morros, mas espalhou o terror dos traficantes para outros bairros e cidades brasileiras. Em Florianópolis repete-se a guerra de São Paulo, com policiais e bandidos de arma em punho, num duelo absurdo. Também neste caso a ordem veio de dentro dos presídios, sobre os quais disse recentemente o ministro da Justiça, José Eduardo Martins Cardoso: melhor morrer do que ser encarcerado num deles. Mas o ministro foi corajoso ao explicar que o Brasil precisa parar de jogar a sujeira para debaixo do tapete e enfrentar já o problema carcerário. Boas palavras, embora a questão não se encerre nos presídios. Além do pavor de uma sociedade que não tem para onde nem como fugir, a violência tem um custo social devastador, calculado em 5% do PIB. Segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), os gastos chegaram a R$ 207 bilhões no ano passado, quase a metade com despesas em consequência de homicídios. Este preço é quase o dobro de tudo o que se gasta em saúde pública no Brasil e o mesmo que se investe em educação. Só no ano passado foram assassinadas 43 mil pessoas no País. Um ranking divulgado pelo jornal Folha de S. Paulo, com base em dados do Ministério da Saúde e da ONU, mostra que a cada 9 minutos e 48 segundos uma pessoa é assassinada no Brasil. Nos EUA é registrada uma morte a cada 34 minutos; no Japão, uma a cada 813 minutos e no Canadá, uma a cada 861 minutos. O Brasil, que ocupa a 20ª posição no ranking mundial da violência, deve

Carta aberta à população de Ipatinga

fechar o ano com 53,8 mil homicídios - ou 27 por grupo de 100 mil habitantes. Não se pense, de forma equivocada, que o setor de segurança privada se beneficia desse estado de extrema violência; ao contrário, somos vítimas como qualquer cidadão. Nossas empresas são atacadas em seguidos casos de assalto e ataques, como tem noticiado nossa imprensa. Somos a favor do desenvolvimento da sociedade, em que a segurança privada seja requisitada em seus princípios básicos de proteção à pessoa e ao patrimônio, como nos países mais desenvolvidos. Por tudo isso, chegou um momento decisivo para o País: é urgente um mutirão contra a violência, a união de forças para derrotar o poder paralelo do crime organizado. É preciso, primeiro, uma análise profunda da questão. A partir daí políticos devem esquecer suas bandeiras partidárias e se unir contra o crime, pensar numa legislação apropriada para punir com maior rigor os inimigos da sociedade. Eliminar, por exemplo, esse indulto de Natal, em que bandidos mais perigosos se beneficiam para voltar à criminalidade. Grande parte de todo esse dinheiro do Custo Brasil da Violência pode ser aplicado para melhor aparelhar todas as polícias, em presídios mais decentes e em maior número. É uma guerra a vencer. As idéias para combater o crime são inúmeras, como o trabalho conjunto de polícias estaduais e federais, o combate sem trégua nas fronteiras, maior monitoramento por radar nas áreas mais hostis. Enfrentar o problema dos baixos salários dos policiais, para que se ponham todos ao lado da lei. Executivo, Legislativo e Judiciário podem se reunir num fórum para debater medidas concretas e urgentes, junto com entidades da sociedade civil, como a OAB. E todos os Estados da Federação devem dar sua contribuição, pois se trata de um drama nacional. Será uma luta árdua em cada canto, em cada rincão do País. Aqui, os governos paulista e federal anunciaram uma ação integrada de combate à violência: criação da agência de atuação integrada, ações relacionadas ao sistema prisional (que inclui transferência de presos), ações de contenção nos acessos ao Estado, combate ao crack, possibilidade de criar um centro pericial e criação de um centro de comando de controle integrado. É preciso mais, para que o bandido sinta a autoridade do Estado e nem tente confrontá-lo com facções paralelas. Não se prega a utopia de transformar um país como o Brasil da noite para o dia ou de simplesmente banir a violência. Mas em conferir um pouco mais de paz ao nosso povo, aos homens de bem. Eles merecem esse mutirão.

(*) José Adir Loiola é presidente do SESVESP – Sindicato das Empresas de Segurança Privada do Estado de São Paulo

Com o sentimento de cumprir com o meu dever perante à população de Ipatinga, venho, respeitosamente, por intermédio desta carta, manifestar minha gratidão aos meus familiares, amigos e a toda a cidade. Quero dizer que eu, juntamente com a minha esposa Paré e meus filhos, estamos imensamente alegres com a decisão judicial do Supremo Tribunal Federal, que, finalmente, reconheceu a improcedência daquela acusação contra a minha pessoa perante as leis do nosso país. Somos gratos a Deus, que, além de me mostrar a maneira certa de conviver, no curso destes sete anos com dois julgamentos públicos (um na Câmara dos Deputados e outro no Supremo Tribunal Federal a AÇÃO 470, todos movidos por intensa publicidade, patrocinada pelos meios de comunicação do país) deu-me a condição de ser absolvido em ambos e, sobretudo, de sobreviver. Através de uma persistente fé pude encontrar um norte para cultivar a necessária calma, mantendo normal minha saúde física e mental. Cultivando esta fé e agindo sempre dentro da verdade, através da apresentação das provas de que dispunha, pude demonstrar que os recursos que recebi foram autorizados pelo partido que auxiliei na construção desde sua origem, o PT. Recursos estes usados tão somente para pagar despesas de campanha eleitoral. Assim fui absolvido na ação penal 470, uma ação pesada e volumosa que felizmente no que se refere a mim, passou. Encontrei sempre a força e a orientação necessárias para superar os efeitos daquele julgamento longo e por demais rigoroso, tendo ao final sido absolvido e me livrado da execração pública a que estive sujeito. Destaco que em momento algum do julgamento me senti um “réu”, pois sempre me mantive com a consciência tranquila no sentido de que pautei minhas ações pela verdade, pois jamais recebi algum “mensalão”, nem tampouco usufruí de recursos públicos para benefício pessoal, muito menos lavei dinheiro. Agradeço aos meus advogados, Dr. Wellington Alves Valente e Dr. Sebastião Tadeu Ferreira Reis que desenvolveram os fundamentos de minhas defesas tendo a verdade como o norte de uma estratégia, estratégia esta que se confirmou vitoriosa nos dois julgamentos a que fui submetido. Também expresso minha gratidão ao Bispo Emérito da Diocese de Itabira e Cel. Fabriciano, Dom Lelis Lara, um pastor do amor, fiel à verdade. Finalmente, agora mais fortalecido pelos laços de amizade e consideração a mim estendidos no âmbito desta cidade, sintonizado com a força do nascimento do Menino Jesus, afirmo que continuo na luta, sempre que possível servindo o povo de Ipatinga. Desejo a todos um Feliz Natal e um próspero ano novo de 2013. João Magno de Moura (Ex-prefeito de Ipatinga e ex-deputado federal)


CIDADES

Diário Popular

Domingo, 23 de dezembro de 2012

3

PESQUISA

NO VALE DO AÇO, MULHERES SÃO MAIS INSTRUÍDAS QUE HOMENS

Entre os que têm nível superior nas três principais cidades da região, elas são quase 60%

Nível de escolaridade entre as mulheres é mais alto na região: elas ficam mais tempo na sala de aula

QuantidadedegraduadosemIpatinga,FabricianoeTimóteo

39%HOMENS 61%MULHERES

Fabriciano 5.424

41%HOMENS 59%MULHERES

41%HOMENS 59%MULHERES Timóteo 5.725

Ipatinga 16.310

IPATINGA – O número de mulheres graduadas é superior ao de homens nas três principais cidades do Vale do Aço, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados esta semana. O levantamento é referente ao ano de 2010, quando houve a realização do Censo que captou dados a respeito da população brasileira. A pesquisa levou em consideração a escolaridade de pessoas com idade superior a 25 anos e revelou que, em Ipatinga, 16.310 pessoas possuem ensino superior completo, sendo que desse total, 6.731 são homens e 9.579 mulheres. A tendência é seguida nos municípios de Timóteo e Coronel Fabriciano. Na capital do inox foi apontado que 5.725 pessoas terminaram uma faculdade e, desse total, 3.400 são do sexo feminino. Já Fabriciano de 5424 graduados, 2.103 são homens e 3.322 mulheres, ou 61% do total. FALTA DE INSTRUÇÃO No entanto, o número de pessoas com o 3º grau completo é baixo quando comparados com a população com menos instrução. Em Ipatinga, graduados são 11%, já os que possuem o

ensino fundamental completo ou médio incompleto chegam a 18% e os que completaram o segundo grau são 28%. Nas outras cidades, os percentuais são praticamente os mesmos. O índice que mais chama a atenção no levantamento do IBGE é o que mostra o alto número de pessoas sem instrução ou com apenas o ensino fundamental completo. Em Ipatinga, 42% da população com mais de 25 anos possui baixa escolaridade e essa estatística se repete nas outras cidades: em Fabriciano, o Censo apontou 46% de pessoas sem instrução e em Timóteo, 39%. FAMÍLIAS As estatísticas divulgadas essa semana pelo IBGE englobam ainda dados relacionados à família e habitação. Foi apontado, por exemplo, que, em Ipatinga, existem mais de 72 mil moradias, sendo que 99% estão situadas em áreas urbanas. Entre as residências, 79% foram consideradas adequadas para se morar e 21% semi-adequadas. Na cidade, apenas 20 moradias foram caracterizadas como inadequadas pelo Censo, número que representa menos de 0,1% das casas pesquisadas. O levantamento mos-

tra que em 2010 a maioria das famílias ipatinguenses, 32%, eram formadas por três membros. Grupos com duas pessoas vinham em segundo lugar com 27%, sendo seguidos por famílias com quatro pessoas (26%), cinco pessoas (11%) e seis pessoas (4%). O rendimento das famílias também foi levantado pelo IBGE e o resultado mostra que a maior parte dos grupos familiares possui renda de até um salário mínimo por pessoa, atualmente R$ 622. Por outro lado, os dados mostram que 4% das famílias da cidade possuem renda de mais de cinco salários per capita. Os dados se repetem em Fabriciano e Timóteo, que apresentam, respectivamente, 3% e 5% de famílias com altos rendimentos por membro. Com relação às pessoas sem renda, Timóteo registrou 2%, e Ipatinga e Fabriciano possuem 3% de sua população vivendo em situação de miséria. O IBGE reuniu no universo dos sem renda aqueles que recebem apenas benefícios como o Bolsa Família e os que não têm nenhum tipo de assistência monetária do poder público, mas não fez uma contabilidade separada de cada grupo.


4

CIDADES

Diário Popular

Domingo, 23 de dezembro de 2012

REDE SOCIAL

GOVERNO DESASTROSO

Robson se diz vítima de má vontade e preconceito Em entrevista veiculada no Informativo do PPS, prefeito se declara um homem público simples e culpa “oposição raivosa” por sua mal sucedida administração

Facebook muda para facilitar configurações de privacidade BRASÍLIA - A privacidade nas modar?” é a configuração que bloredes sociais foi uma das questões queia aquela pessoa inconvenienque mais sensibilizou os usuários te ou que você não quer mais ver desses sites em 2012. Tanto que no seu perfil. Quando você bloforam frequentes os hoaxes espa- queia um usuário, ele passa a não lhados pelo Facebook ao longo mais existir para você na rede sodo ano, por meio de textos que cial. Ele não vê mais o seu perfil, induzem as pessoas a comparti- nem você o dele. lhar com as outras para garantir uma possível proteção de seus FERRAMENTAS dados. O que boa parte dos usuÉ comum um amigo te deixar ários ignora é que a privacidade constrangido por te marcar nana rede depende deles mesmos: quela foto comprometedora? Para basta configurá-la. E se localizar e resolver o problema, basta clicar fazer essas configurações se reve- em “Ver mais configurações” e, lam tarefas complicadas, a ques- em seguida, em “Linha do tempo tão está com os dias contados: e configurações de marcações”. é que o Facebook implementou Depois, deixe ativado a análise de mudanças para simplificar o con- marcações antes de serem exibitrole das permissões de acesso às das. A configuração que permite suas informações selecionar quem na rede social. A mudança ainda não está pode te adicionar A mudança como amigo (por disponível para todos, ainda não está exemplo, todos mas já chegou a vários ou amigos de amidisponível para todos, mas já internautas no Brasil. A gos) também está chegou a vários in- novidade é que agora há próxima do botão ternautas no Bradas solicitações de um botão de privacidade sil. A novidade é amizade. que agora há um na barra superior do site botão de privaciCOBRANÇA dade na barra superior do site. O Facebook anunciou que coHá também uma nova página meçará a testar, nos Estados Unipara essas configurações. Ao cli- dos, a cobrança para o envio de car no ícone, que é um cadeado, mensagens para pessoas descoo novo modelo faz três perguntas, nhecidas, mesmo as que não esbem simples e diretas: “Quem tão conectadas entre si na rede sopode ver minhas coisas?”, “Quem cial. O valor inicial será de US$ pode entrar em contato comigo?” 1. Atualmente, se um usuário e “Como eu faço para impedir al- que não é seu “amigo” envia uma guém de me incomodar?”. mensagem, ela é direcionada para Em “Quem pode ver minhas a pasta “Outros”. Mensagens encoisas?” é possível definir as pes- viadas por fanpages e grupos que soas que poderão ver o que você você participa também cai nespublica, bem como restringir o se canal. Ele é similar à caixa de acesso de algumas à sua linha do spam dos e-mails. Em comunicatempo. “Quem pode entrar em do, o Facebook explicou que “a contato comigo?” permite confi- imposição de um custo financeigurar quem pode adicionar você ro para o remetente pode ser a como amigo e quem pode enviar forma mais eficaz para desencomensagens privadas para sua caixa rajar as mensagens indesejadas e de entrada. Já em “Como eu faço facilitar a entrega de mensagens para impedir alguém de me inco- que são relevantes e úteis”.

IPATINGA – O prefeito Robson Gomes (PPS) escolheu fazer o balanço do seu governo no informativo do seu partido, um meio de comunicação mais confortável e livre de questionamentos. O jornal impresso, que circulou a partir de meados da semana passada, traz uma entrevista dele feita pelo jornalista Julio Cesar Soares, secretário estadual de comunicação do PPS em Minas. Numa conversa denominada de “franca e aberta”, o atual prefeito de Ipatinga resolveu abrir seu coração para o entrevistador. Ele fez uma breve prestação de contas, falou de instabilidade, mágoas e da má vontade de alguns contra seu governo por ser ele um homem público simples. “Talvez o meu erro tenha sido acreditar demasiadamente nas pessoas. Confesso que, enquanto prefeito, vivo vinte e quatro horas sob pressão, preocupado com as armações feitas pelos adversários. O tempo todo percebi que há um preconceito e uma má vontade de alguns comigo. Má vontade essa, criada pelo discurso covarde dos meus opositores e pela pseudo elite local, que nunca aceitou um homem pobre e de origem simples ter se tornado prefeito de Ipatinga”, declarou.

Arquivo DP

Robson Gomes: “O tempo todo percebi que há um preconceito e uma má vontade de alguns comigo. Má vontade criada pelo discurso covarde dos meus opositores e pela pseudo elite local”, declarou

PERGUNTA -Com tantos proa instabilidade política na cidade não fui eu quem criei. É bom lem- blemas enfrentados até aqui, enbrar as pessoas de memória que quanto ser humano, qual a senem 2008 apoiei para prefeito Chi- sação que o senhor está tendo ao co Ferramenta e ganhamos a elei- deixar o cargo de prefeito no mução. No entanto, o Chico nunca nicípio de Ipatinga? nos falou que a justiça não o deiROBSON - Lamento não ter xaria tomar posse. Depois, vence- podido fazer tudo que queria. mos a eleição exDurante todo temporânea com “Agradeço à população de este período o o voto de quaIpatinga e peço desculpas por que mais me se 75 mil ipatinatrapalhou adnão ter podido fazer mais. ministrar foi a guenses. Desejo boas festas a todos oposição raivosa feita por uma peP E RG U N TA e um ano novo de muita -Quando o se- fraternidade, solidariedade e quena parcela de vereadores e parnhor fala de má amor ao próximo”. Confira alguns trechos da en- vontade e precontidos políticos. trevista. Enquanto ser ceito, a quem está PERGUNTA - O senhor teve se referindo? Poderia citar alguns humano, saio muito machucado. Não sou e nunca serei pessoa que uma participação tímida na eleição nomes? municipal deste ano. Por que preROBSON - A relação com par- me pintaram. Tenho a consciênferiu não se candidatar a reeleição? te da Câmara foi difícil o tempo cia tranquila de que com a miROBSON – Primeiramente, todo. Não gostaria de citar nomes, nha simplicidade, e com as diverquero deixar claro que nunca na mas vou dar um único exemplo, o sas dificuldades que enfrentei, fiz minha vida tive sede de poder. vereador Sebastião Guedes do PT. tudo que era possível ser feito. Sou de origem simples, meu pai, É uma pessoa que conviveu comiPERGUNTA -Qual a mensaque faleceu recentemente, era um go a vida inteira, conhece a minha gem final o senhor deixa para a mestre de obras. simplicidade e o Seria uma ir“Enquanto ser humano, saio meu modo de população Ipatinga? responsabilidaROBSON - Primeiramente, viver. Me atamuito machucado. Não sou de minha pencou de todas as espero que a Cecília possa cume nunca serei pessoa que me formas que foi prir todas as suas promessas de sar em reeleição com os proble- pintaram. Tenho a consciência possível, ele se campanha. Torço para que a ecomas administra- tranquila de que com a minha preocupou em nomia brasileira volte a crescer e tivos e financeiarticular ações a arrecadação do município meros que a cidade simplicidade, e com as diversas para desestabili- lhore nos próximos anos. Agravive. Meus opo- dificuldades que enfrentei, fiz zar nosso gover- deço à população de Ipatinga e sitores consegui- tudo que era possível ser feito”. no. O que eu peço desculpas por não ter podiram implantar acho estranho é do fazer mais. Desejo boas festas no inconscienque ele nunca fez o mesmo contra a todos e um ano novo de muite coletivo um terror administrati- os governos do PT, que hoje car- ta fraternidade, solidariedade e vo que na prática nunca existiu. Ti- regam na justiça um caminhão de amor ao próximo. Obrigado, Ipavemos sim, vários problemas, mas processos. tinga.


6

CIDADES

Diário Popular

Domingo, 23 de dezembro de 2012

AÇÃO SOLIDÁRIA

CARTA AO PAPAI NOEL REFORÇA FUNÇÃO SOCIAL DA ESCRITA

Pedidos de presente vêm acompanhados de relatos emocionais escritos de próprio punho pelos alunos de escolas públicas do município; esse ano, alunos surpreenderam ao pedir cesta de chocolate IPATINGA – Todos os anos, o Correios realiza um trabalho junto às escolas da rede municipal, situadas em locais de vulnerabilidade social, estimulando que os alunos escrevam cartas pedindo presente para o Papai Noel. Além de incentivar na criança o processo criativo, o projeto - batizado de ‘Papai Noel dos Correios’ - tem outra importante força: reforçar a função social da escrita. A coordenadora pedagógica Escola Municipal Paulo Freire, Marli de Fátima Ribeiro, explica como o trabalho é feito. A instituição de ensino está localizada no bairro Planalto. “Todo ano, quando recebemos o comunicado dos Correios de que o projeto começou, a professora da educação infantil faz um trabalho com os alunos dentro da disciplina de português. Ela orienta os alunos como se expressar na hora de fazer o pedido. Mas as crianças ficam livres para escrever o que lhes vêm à cabeça”, explicou. Marli ressaltou que os alunos alfabetizados com idade superior a 6 anos já dão conta sozinhos de produzirem as cartas. Os com 5 anos também participam do projeto, mas fazem um desenho para ilustrar o presente que desejam ganhar. “Esse trabalho é para estimular a parte lúdica das crianças, o sonho e o imaginário são aguçados. Os alunos nos perguntam o que podem pedir na carta, e por vários dias debatemos o formato com eles. Isso é trabalhar a função social da escrita e, quando a professora recolhe as cartas, comprovamos isso, pois muitos pedidos vêm acompanhados de justificativas. Algumas crianças chegaram a relatar nas cartas, por exemplo, que a mãe trabalhava numa creche de Ipatinga, e como não tinha recebido o salário, ela não podia comprar o material escolar”, contou. PEDIDOS A coordenadora revelou que na escola Paulo Freira cerca de 280 alunos participaram do projeto. As cartas começaram a ser escritas no final de novembro e enviadas para o Correio no início do mês. A preferência dos alunos este ano foi a cesta de chocolate, diferente de outros anos em que as crianças pediam celular, a boneca Barbie, bola e até o vídeo game Playstation. Mas a maioria quer material escolar. “Eles ficam nos perguntando que dia o Papai Noel iria chegar. A expectativa é muito positiva e isso ajuda a estimular os alunos. A regra do Correio é que não podemos fornecer o endereço, o que respeitamos à risca. Só que quando os presentes começam a ser entregues, os alunos nos enchem de perguntas, porque eles querem saber quem apadrinhou a carta”, citou. Apesar de todo o cuidado da escola, este

Nadieli Sathler

Marli de Fátima destacou que a produção das cartas é trabalhada dentro da disciplina de português para estimular os alunos a expressar seus sentimentos e sonhos

ano um aluno de 9 anos teve seu presente de tregues na porta da escola. Ainda assim, foi Natal antecipado. Lucas tinha pedido em sua prazeroso ver a alegria dele ao poder dividir carta uma festa de aniversário e uma bola. A com os colegas de sala o bolo, refrigerante, pessoa que apadrinhou a carta dele acabou bala e cachorro quente que foram feitos especialmente para ele. Não descobrindo o nome da “Algumas crianças chegaram a me esquecerei do que o escola em função do papel timbrado da unidade relatar nas cartas, por exemplo, Lucas falou naquele dia: escolar usado para redigir ‘Tia, o Papai Noel realque a mãe trabalhava numa a carta. creche de Ipatinga, e como não mente existe”, confidenciou. Até mesmo os pais “Ela ligou um dia antinha recebido o salário, ela não de Lucas foram até a estes para perguntar pelo Lucas. Só que as pergun- podia comprar o material escolar”. cola em busca de informações que pudessem levar tas foram bem direcioMarli de Fátima, coordenadora à identificação da mulher nadas. Ela se apresentou pedagógica da Escola Paulo Freire e disse que além da bola que apadrinhou a carta pedida na carta ela traria na porta da esco- do menino. Contudo, Marli explicou aos la algumas coisas para a festa de aniversário, responsáveis que isso era contra a regra do por isso precisava do número de alunos. En- projeto. Os presentes começaram a ser entregues tendemos que isso não era um risco e permitimos apenas que os produtos fossem en- na última semana de aula.

300 mil crianças serão beneficiadas pelo projeto (Da Redação) - A Campanha Papai Noel dos Correios encerrou, em nível nacional (com exceção de Mato Grosso e Rio Grande do Sul), o período de adoção de cartinhas e recebimento de presentes. A partir de agora, os Correios farão as entregas para crianças de todo o Brasil. Até esta sexta-feira (21), os números parciais da campanha são de 515.324 cartas cadastradas e 354.858 cartas adotadas. Só em Minas, onde 90% das cartinhas foram apadrinhadas, mais de 100 mil crianças serão presenteadas pela campanha. As fotos de algumas entregas podem ser conferidas na página oficial da campanha na rede social: www.facebook.com/papainoeldoscorreios. Os resultados finais desta grande ação de solidariedade da população brasileira serão consolidados em janeiro de 2013.

Em todo o Brasil, números parciais apontam 354.858 cartas adotadas

MG recuperou mais de 6 mil km de rodovias O Programa de Recuperação e Manutenção Rodoviária do Estado de Minas Gerais (ProMG), que assegura aos usuários condições satisfatórias de segurança e trafegabilidade, fecha o ano de 2012 com quase 6 mil e 400 quilômetros de rodovias estaduais recuperadas desde sua implantação em 2006. Além do recapeamento das vias, foi reposta toda a sinalização que estava danificada ao longo dos trechos. O investimento total viabilizado pelo Governo de Minas foi da ordem de R$ 1,3 bilhão. Em 2012, algumas das coordenadorias regionais do Departamento de Estradas e Rodagens (DER) foram contempladas e incorporadas ao programa: na região Central, Belo Horizonte, Barbacena, Pará de Minas e Itabira; no Centro Oeste: Oliveira e Formiga; Zona da Mata: Juiz de Fora, Ubá e Ponte Nova; Sul: Varginha, Itajubá, Passos e Poços de Caldas e no Triângulo Mineiro a coordenadoria regional contemplada foi a de Ituiutaba. Os trabalhos executados, dependendo da necessidade de cada trecho, são de recapeamento, reperfilamento, sinalizações, limpeza e caiação dos dispositivos de drenagem superficial, recuperação ambiental e construção de praças de pesagem. Das 40 coordenadorias, 14 estão sob o regime de manutenção permanente. Com relação à manutenção e recuperação por resultado, foram conservados 7.465,45 km de rodovias pavimentadas. Deste total 1.476,08 km estão em fase de projeto para a licitação de novo contrato, que compreende as coordenadorias de Pará de Minas, Poços de Caldas e Itajubá.

Patinação no gelo é atração no Shopping IPATINGA - Uma moderna pista de patinação no gelo foi montada pelo Shopping Vale do Aço para oferecer aos clientes uma gostosa e refrescante alternativa para os dias quentes deste verão que apenas começou. No local, instrutores capacitados darão dicas de patinação, com toda segurança necessária. Os usuários deverão usar capacetes, joelheiras, cotoveleiras e patins especiais. O custo por pessoa é de R$ 22 para 30 minutos, incluído os equipamentos de segurança e patins. O horário é o mesmo de funcionamento da Praça de Alimentação: segunda a sábado, de 10h às 22h e aos domingos e feriados no horário de 11h às 22h.


o

CIDADES

Diário Popular

Domingo, 23 de dezembro de 2012 André Almeida

7

CALENDÁRIO

Descendentes dos maias têm mais problemas que o “fim do mundo” Enquanto uma onda de turistas viaja as nações da rota Maia para conhecer essa cultura tão antiga, as famílias dessa região lutam por comida e por emprego Jovem caiu em emboscada e foi morta com três tiros

Três pessoas são mortas em menos de 8 horas IPATINGA – Dois homicídios e um latrocínio foram registrados em menos de oito horas no Vale do Aço. O primeiro foi em Ipatinga, por volta de 23h, da última sexta-feira (21). O assassinato aconteceu em uma ponte que ligas as ruas Guará e Cardeal, no bairro Vila Celeste. Liliane Aparecida de Souza, 18 anos, morreu a tiros por três indivíduos ainda não identificados. Segundo consta no relato da Polícia Militar, a vítima estava em companhia de uma colega, uma adolescente de 14 anos que teria recebido uma ligação de número confidencial, marcando encontro com as duas jovens no local do crime. Três suspeitos armados foram vistos aproximando das garotas e já atirando contra elas. Liliane foi alvejada com três tiros que atingiram mão direita, ombro esquerdo e costas. Ela caiu morta às margens de um riacho que passa debaixo da ponte. Já a colega dela, a menor, também foi baleada, mas mesmo ferida conseguiu correr e se esconder dos assassinos. Ela foi encaminhada ao Hospital Márcio Cunha por uma

equipe da Polícia Militar, onde permanece internada. No local, foi recolhido um celular. Ainda segundo a PM, informações dão conta de que Liliane estaria sendo ameaçada de morte. Os suspeitos já foram identificados pela polícia e estão sendo procurados. A motivação do crime seria a disputa de ponto de tráfico de drogas. O caso será encaminhado à Delegacia de Crimes Contra a vida. FABRICIANO Por volta de 4h30 da madrugada de ontem, um homem foi executado com seis tiros, na rua Sete, no bairro Santa Inês, em Coronel Fabriciano. Até o início da tarde de ontem, a Polícia Militar continuava em diligência a fim de tentar identificar o suspeito do homicídio. Conforme o relato, alguns estampidos foram ouvidos e em seguida um popular viu o corpo de Edson da Silva Pereira caído e chamou a polícia. O perito técnico da Polícia Civil esteve no local e constatou seis perfurações no corpo da vítima, de munição calibre 38. Autoria e motivação do crime ainda é mistério para a polícia.

BRASÍLIA - Apesar da reiterada expectativa do fim do mundo, os descendentes dos maias têm outros problemas mais mundanos para se preocupar, como dar de comer a seus filhos e buscar emprego. Enquanto uma onda de turistas viaja as nações da rota Maia para conhecer essa cultura tão antiga, as famílias dessa região vivem de maneira difícil, talvez próximos ao fim dos tempos, mas por outras causas. Várias vozes são críticas com referência a essa bagunça, como é o caso da líder indígena guatemalteca Rigoberta Menchú, que não vê de maneira positiva tanta “baboseira” frente ao esquecimento e a marginalização na qual vivem os descendentes diretos desses sábios de outros tempos. Ela está contra o fato da celebração do 13 Baktun do calendário maia (fim de uma etapa e início de outra) ter sido tão promovida de maneira que desvirtua o essencial do ser humano, seu espírito. Outras vozes veem o lado bom da celebração, pois intelectuais maias guatemaltecos consideraram que o Oxlajuj baktun, ou mudança de ciclo em uma longa conta de cinco mil 200 anos de seu calendário, é ocasião para reivindicar a cultura desse povo, que busca retomar a identi-

Creative Commons

Calendário Maia, uma das civilizações mais antigas, é a explicação para o fim do mundo

dade e aprofundar em seu 400 anos; este formato de tos especialistas. exercício, com pleno direi- baktunes, katunes, tunes, No entanto, enquanto. Estatísticas oficiais des- winales e kines é o desenho to uns 200 mil turistas cotacam que 42% memoram esse Enquanto 200 mil turistas comemoram esse Baktun 13 na dos 14,7 milhões de guatemaltecos Guatemala, e Baktun 13 na Guatemala, e outros tantos são indigentes de viajantes no resto da rota Maia, os descendentes outros tantos origem maia. Os viajantes no resmaias na Guate- estão preocupados em alimentar seus filhos, na to da rota Maia, mala, por exem- Guatemala e no resto dos países desse trajeto: os descendentes plo, estão dividiestão preocupaMéxico, Honduras, Belize e El Salvador dos em 22 etnias dos em alimencom destaque para a Kíché, de um calendário que se tar seus filhos, na Guatea mais numerosa com 28%; chama de conta longa, que mala e no resto dos países seguida da q’eqchi, com não termina no baktun 13, desse trajeto: México, Hon19,3%. mas reinicia, segundo mui- duras, Belize e El Salvador. Para o politólogo Ivaro Pop, vice-presidente do ESPECULAÇÕES Foro Permanente das NaApesar de todas as tentativas frustradas de estabelecer um ções Unidas para Questões marco no calendário para o fim do mundo, esta parece ser uma Indígenas, a comemoração curiosidade ainda distante de ser saciada. Se 21 de dezembro de constitui um símbolo e pro2012 era a estimativa mais próxima a ser posta à prova, certava irrefutável da necessidamente não foi a última. “A pergunta sobre o fim do mundo semde de reivindicação e posipre acompanhou a história humana. É uma questão existencial, cionamento da identidade pois o Homem entende que deve haver uma conclusão”, diz Abicoletiva dos maias. mar de Moraes, coordenador do programa de pós-graduação em Teologia da PUC-Rio. Segundo o estudioso, muitas das previOs maias dividiam seu sões feitas decorrem de interpretações literais e anacrônicas dos calendário em ciclos, em textos da Bíblia, que não especifica uma data. períodos de 20 anos ou de

Vítima de roubo é morta a tiros no Veneza IPATINGA – A terceira vitima de violência desta sexta foi um rapaz de 21 anos, perseguido até a morte em um aparente latrocínio. O crime ocorreu por volta de 21h desta sexta-feira (21), na rua Campinas, no bairro Veneza I. Testemunhas contaram à polícia que Syllas de Souza Oliveira estacionava seu veículo, uma Kombi, quando dois indivíduos, um deles armado, aproximaram-se da ví-

tima, anunciando o roubo. Em seguida, um deles efetuou um disparo que atingiu o rosto do motorista. Mesmo ferido, Syllas saiu do carro, correu e conseguiu se esconder em um lote vago na rua João Pessoa. A vítima foi perseguida pelos assassinos que, após achá-lo, ainda efetuaram novos disparos. A vítima foi atingida nas costas. Socorrida ao Hospital Már-

cio Cunha, não resistiu. R$ 6 MIL A polícia foi informada de que Syllas levava no carro uma bolsa com aproximadamente R$ 6 mil, o alvo dos bandidos. Enquanto fugiam, os criminosos foram perseguidos por outra testemunha que estava em um carro e acabaram caindo da moto. Ao tentar fugir a pé, um dos acusados foi atrope-

lado. Trata-se de Thales Pereira da Silva, 19 anos, que se encontra internado com ferimentos leves. O seu comparsa, um adolescente de 14 anos, fugiu com o dinheiro do roubo e está sendo procurado pela polícia. Com o Thales foi recolhido um revólver calibre 32 e a motocicleta Honda CG 125, placa GYY6570, que segundo a polícia seria produto de furto.


CIDADES

Diário Popular

Domingo, 23 de dezembro de 2012

9

NOVA ORTOGRAFIA

ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS PROPÕE MUDANÇAS EM ACORDO Marcelo Camargo/ABr

Uma das alterações diz respeito à divisão de palavras compostas em duas linhas diferentes do texto, se ela tiver hífen RIO DE JANEIRO – As novas regras ortográficas da língua portuguesa ainda não entraram plenamente em vigor, mas a Academia Brasileira de Letras (ABL) já tem propostas de mudanças e ampliação no acordo. Segundo o acadêmico Evanildo Bechara, as alterações são “coisa muito pequena” diante da abrangência do acordo ortográfico. Uma das alterações diz respeito à divisão de palavras compostas em duas linhas diferentes do texto, se ela tiver hífen. Pelo novo acordo, se o primeiro termo da palavra composta ficar em uma linha de texto diferente do segundo termo, o hífen precisa ser escrito no final da primeira linha e repetido no início da segunda linha. No exemplo do “guardachuva”, se “guarda” ficar na primeira linha e “chuva” na linha seguinte, a pessoa deve escrever “guarda-” e depois “-chuva”. Segundo Bechara, a Academia defende que não seja mais obrigatório repetir o hífen na segunda linha. Nesse caso, a palavra seria es-

Vigência divide especialistas No início de dezembro, o senador Cyro Miranda (PSDB-GO) disse que o novo acordo ortográfico da língua portuguesa deverá ter vigência obrigatória só a partir de 31 de dezembro de 2015. O acordo, assinado em 2008 por sete países da Comunidade de Países de Língua Portuguesa, e que pretende simplificar as regras ortográficas e aumentar o prestígio social da língua no cenário internacional, tem vigência prevista a partir de 1º de janeiro do próximo ano. Segundo o senador, a presidenta Dilma Rousseff disse que pretende emitir um decreto adiando a data. Seja como for, desde a criação, o acordo tem gerado discussões.

crita “guarda-” e depois “chuva”. “Isso é muito difícil de ser obedecido na prática. A imprensa encontra muita dificuldade para obedecer essa regra. Vamos propor que o hífen que partilha de uma linha para outra não seja repetido”, disse Bechara. O novo acordo também prevê que o hífen seja suprimido em palavras compostas, cujo primeiro termo se encerre em vogal e o segundo, nas consoantes “r” ou “s”. As palavras são unidas e o “r” ou “s” é duplicado, como é o caso de “contrarregra”. Mas a ABL propõe que a regra não se aplique a palavras cujo segundo termo seja um nome próprio, caso de “anti-Stalin” ou “anti-Saddam”. Para Bechara, o ideal é que o hífen seja mantido, para que a letra maiúscula do nome próprio seja conservada. Outra proposta é incluir, no acordo ortográfico, a regra dos porquês. No Brasil, por exemplo, escreve-se “porque” (junto) quando é uma conjunção que dá ideia de

Museu da Língua Portuguesa faz reforma para se adequar às novas regras do acordo ortográfico

causa ou explicação. Mas nas perguntas, por exemplo, se escreve “por que” (separado). De acordo com Bechara, isso não acontece em Portugal, já que lá o “porque” é escrito junto mesmo nas perguntas, salvo algumas exceções. “Isso viria muito a facilitar a vida de todo mundo. Vamos discutir esse caso, para ver, porque o acordo não é apenas a unificação [da orto-

grafia], mas também a simplificação. Esse “porque” é tratado pelos acordos ortográficos de 1943 [do Brasil] e de 1945 [de Portugal]. Mas a Academia ainda não tem uma posição [de como essa questão seria tratada]. Isso ainda está sendo discutido”, afirmou. Bechara também defende que o acordo elimine as exceções às regras, uma vez que isso complica, ao invés de

simplificar a ortografia. Apesar de desejar propor as mudanças, o acadêmico defende o acordo. Ele acredita que essas mudanças só devem ser discutidas depois que o acordo estiver plenamente em vigor. Segundo ele, o uso corrente da nova ortografia pode, inclusive, suscitar novas questões e problemas a serem resolvidos.

Professor aponta falhas no acordo ortográfico BRASÍLIA – O maior problema do acordo ortográfico são as regras do hífen, na opinião do professor de língua portuguesa, Ernani Pimentel. Especialista em gramática e autor de livros, o professor já ensinou o idioma para mais de 500 mil alunos. “O grande problema [é que] não se quis pensar na regra. A rigor, o latim nunca teve hífen. Há quem defenda até a inexistência do hífen. A Alemanha acabou com ele. É possível simplificar as regras”, assegura. Dentre o que considera “incoerências” do acordo, o professor destaca palavras como mandachuva, que não tem escreve sem hífen e guarda-chuva, que manteve o sinal. “Como você pode dizer que cor de café, cor de abacate se escrevem sem hífen e cor-de-rosa se escreve com hífen? Faz sentido isso, regras com exceções? Não faz mais sentido”. Outro exemplo é o uso das letras “j” e “x”. “Você estudou que se usa “j” nas palavras derivadas do tupi e do árabe, mas como você vai saber que elas vieram do tupi e do árabe? Você vai

Para o professor Ernani Pimentel, o maior problema do acordo ortográfico são as regras do hífen

escrever com “x” as palavras derivadas do árabe e do africano, mas como saber se a palavra é derivada do árabe ou do africano? Você não tem condição de saber”. No caso das consoantes que não se pronunciam, Pimentel lembra que o aluno aprende que as consoantes não pronunciadas não devem ser escritas, por isso óptimo passou a ser escrito

ótimo quando o “p” deixou de ser pronunciado. “Então, [se] o aluno aprende que as consoantes não pronunciadas não devem ser escritas porque que o “h”inicial não foi jogado fora? Ele é uma consoante não pronunciada. Então existem regras que se contradizem”. Ao citar a palavra super-homem, que é com hífen e com “h”, Pimentel lembra que esse hífen está dizendo

que o “h” é importante, tem que ser mantido. Por outro lado, a palavra desumano é sem hífen e sem “h”, o que significa que o “h” não é importante e pode ser jogado fora. “Qual o critério? O “h” é importante ou não? O italiano já jogou o “h” inicial fora e é uma língua latina. Porque a gente não aproveita isso”? No que diz respeito ao acento diferencial, o professor defende que o da forma verbal para (terceira pessoa do singular do verbo parar no presente do indicativo) deve ser restituído, “porque a pronúncia dele é muito diferente no verbo e na preposição”. Pimental explica que há uma intensidade na pronúncia [do verbo] e essa intensidade tem que ser reproduzida no acento porque muda o significado. No caso do trema, Pimentel é radical: “É absurdo é ter tirado o trema, porque o acordo é ortográfico, só pode mexer na escrita e o trema não é ortográfico, é ortofônico [é um sinal que significa que a letra sobre a qual há tema se pronuncia]. Ele [o acordo] mudou a pronúncia”.


10

CULTURA

Diário Popular

Domingo, 23 de dezembro de 2012

MÚSICA

Divulgação

REVOLUTION Saudações beatlemaníacas!

(*) Ronildo Bacardy

Na semana passada nós falamos aqui da passagem de nossos meninos, por Hamburgo, na Alemanha, os primeiros shows, a interação com o público e as primeiras influências que iriam tirá-los das roupas e jaquetas e entrar nos famosos terninhos. Agora, uma espetacular estratégia de propaganda espalhou anúncios, buttons, adesivos e até perucas dos Beatles pelos EUA. Deu certo: ‘I Want To Hold Your Hand’ finalmente colocou os ingleses no topo da Billboard. A invasão à América iria começar. Boa leitura!

O show ‘Samba de Curimã’ propõe a valorização da cultura afro-brasileira, através do resgate de sambas de partido-alto e pagode de quintal

Curimã comanda roda de samba neste domingo

IPATINGA - O Grupo Curimã retorna ao Vale do Aço trazendo na bagagem um novo projeto musical. O show ‘Samba de Curimã’ propõe a valorização da cultura afro-brasileira, através do resgate de sambas de partido-alto, jongos e pagode de quintal. Trata-se de uma autêntica roda de samba, manifestação muito comum nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, e que começa há algum tempo a ganhar adeptos em Minas, uma forma informal e divertida de tocar e cantar samba, semelhante às jam sessions do jazz. As rodas de samba costumam reunir um grande número de pessoas que cantam e dançam em torno da mesa em que os músicos tocam os instrumentos e cantam. A ideia do Samba de Curimã começou quando Lis Brasil, uma

das idealizadoras do projeto, resolveu unir o útil ao agradável, em outubro deste ano: “A gente queria reunir os antigos companheiros do Nem Secos para tocarmos juntos. E nada mais natural que uma roda de samba, linguagem que a gente ama e sabe fazer melhor. O samba é capaz de unir as pessoas. Neste projeto buscamos leveza e alegria, convidando a plateia para participar, cantando junto, na palma da mão”, explica a cantora. Em Belo Horizonte, as rodas de samba comandadas pelo Curimã acontecem nas tardes de sábado, na Cantina da Ana, próximo do Estádio Independência. Agora, com o apoio do Espaço Cultural Casa Laboratório, o grupo tem a chance de mostrar o trabalho no Vale do Aço, terra-natal de muitos dos integran-

tes da trupe. “Há cerca de 3 anos não nos apresentamos por aqui. Nessa reunião de amigos, o objetivo principal é contribuir para que o samba continue eterno. E tem sempre um gostinho especial quando a gente toca na nossa terra, revendo nossos amigos e familiares. Mas é preciso salientar que não trouxemos o time completo. Originalmente tocamos com uma formação de sete músicos, mas por falta de apoio, não pudemos trazer todos eles. Será uma versão compacta”, esclarece Lis. SERVIÇO Roda “Samba de Curimã” Data: 23/12/12 Local: Tornearia Cultura e Gastronomia Rua Mármore, 190 - Iguaçu Horário: A partir das 15 horas Ingressos: R$ 10 Informações e reservas: 8587-3778/88527540 (O local está sujeito a lotação da casa, que é de 100 lugares)

Ed Sullivan recebe os rapazes em seu palco: o apresentador quis pagar só um cachê simbólico para cobrir despesas da banda.

Investimento certeiro

O ano de 1963 já estava quase chegando ao fim. No dia 22 de novembro, os rapazes de Liverpool lançaram no Reino Unido seu segundo LP, With The Beatles, repleto de covers de artistas da Motown. Exatamente no mesmo dia, na distante Dallas, no Texas, o presidente John Fitzgerald Kennedy era assassinado. Depois de um período de luto e confusão, o público precisava de novos heróis – mas nada que fosse pretensioso ou político demais. A Europa tinha caído de paixão por quatro rapazes que pertenciam a um grupo de rock com nome bizarro. Quem sabe a mesma mania não emplacasse na América? Um pouco antes disso, em 5 de novembro, Brian Epstein, o diligente empresário dos Beatles, desembarcou em Nova York. Ele tinha em mente negócios sérios. Depois de uma certa insistência, convenceu John, Paul, George e Ringo a embarcar para uma turnê promocional pelos Estados Unidos. Mas os Beatles foram firmes: só aceitariam quando tivessem uma música no topo da parada. Na cidade, Epstein se encontrou com o onipotente Ed Sullivan, empresário e apresentador de TV que tinha o poder de construir ou eliminar carreiras artísticas. Sullivan, em visita recente à Inglaterra, tinha visto de perto a histeria da beatlemania. Sullivan queria os Beatles em seu show dominical na CBS, mas achava que eles ainda não mereciam ser a atração principal do programa. Epstein foi convincente em seus argumentos e Sullivan cedeu, mas com uma condição: os Beatles receberiam apenas um cachê simbólico para cobrir as despesas. A próxima parada de Epstein foi a sede da gravadora Capitol. Com a beatlemania varrendo a Inglaterra e a Europa (e repercutindo em revistas importantes, como a Time e a Newsweek), ele conseguiu fazer com que o single seguinte sa-

ísse nos Estados Unidos pela empresa. O acordo foi fechado no dia 13 de dezembro. Assim, I Want To Hold Your Hand foi lançada em janeiro deste ano. A Capitol havia decidido investir para valer. A ideia era que os nomes de John, Paul, George e Ringo se tornassem conhecidos antes mesmo que eles pisassem em solo americano. Além de publicar fartos anúncios nas revistas de música, a gravadora engendrou uma ambiciosa campanha de marketing. Os vendedores da empresa receberam uma montanha de buttons, todos estampando os rostos e os nomes dos Beatles. Seriam distribuídos por todos os cantos. Também faziam parte do kit promocional perucas que imitavam os cabelos dos garotos e adesivos com a frase “Os Beatles estão chegando!” A campanha da Capitol funcionou como uma máquina perfeitamente azeitada. No dia 1º deste mês, I Want To Hold You Hand chegou ao primeiro lugar da Billboard, desbancando a antiquada There I’ve Said Again, com o crooner Bobby Vinton. Quando os Beatles desembarcaram nos EUA, uma semana depois, o single já havia vendido 1 milhão de cópias. A imprensa passou a falar do grupo espontaneamente. No geral, as críticas ao disco foram positivas, embora o New York Times achasse pouco provável que a beatlemania fosse exportada com sucesso. Enquanto a Capitol lançava com estardalhaço Meet The Beatles! (uma coletânea produzida sobre fonogramas ingleses), Vee Jay, Swan e MGM entraram na jogada, entupindo o mercado com tudo o que tinham dos Beatles nas mãos. E a mania importada da Inglaterra enfim começava a produzir montes de dinheiro. (continua...) (*) Ronildo Bacardy é jornalista e beatlemaníaco (ronildobacardy@yahoo.com.br)


RESUMO DE NOVELAS MALHAÇÃO Segunda-feira Lobo mantém Lia no estúdio e a menina se apavora. Marcela precisa ser operada às pressas. Gil conta para Lorenzo o que aconteceu com Lia. Ju chega com os amigos ao estúdio de Lobo e conseguem abrir a porta. Lia e Ju se abraçam e a polícia chega. Lorenzo repreende a filha mais velha por se meter em mais uma situação de risco. Ju pede para conversar com Lia. Gil conta para. Ju afirma que nada mais acabará com sua amizade por Lia. Fatinha volta a trabalhar no hostel. Raquel e Tatá veem Lorenzo carregando Marcela para casa, na volta do hospital, e desaprovam. Lia comenta com Ju que não está bem com o namorado. Valentina fala com Dinho sobre a possibilidade de também voltar para o Rio de Janeiro. Terça-feira Dinho explica para Valentina que o envolvimento deles só durou a viagem e que ele vai ficar com Lia. Ju termina de maquiar Lia para publicar em seu blog. Mathias encerra as aulas no colégio e os alunos saem de férias. Ju e Bruno se despedem de Marta e Olavo, que prometem voltar definitivamente para casa em breve. Rômulo aconselha Dinho a não contar nada sobre Valentina. Nando esquece o aniversário de Morgana e faz uma festa para compensála. Orelha divulga a festa de Morgana. Nando pede para Lia e Gil tocarem no palco com ele. Robson chama Rosa para dançar e a beija, deixando Pilha irritado. Fatinha beija Gil e deixa Ju e Bruno incomodados. Quarta-feira Ju tenta esconder seu desconforto e diz para Bruno que não tem nada com Gil. Fatinha e Gil namoram. Marcela comemora com Lorenzo o fato de Gil aceitar a presença do médico em sua vida e eles pensam em assumir o romance para todos. Gil chama Fatinha para sair da festa e ela provoca Bruno ao passar por ele. Mathias sente falta de Rita. Rafael volta de viagem e Morgana fica curiosa para saber as novidades. Tatá se revolta com Lorenzo ao saber que ele e Marcela estão namorando. Dinho pede para Orelha confirmar sua história para Lia. Quinta-feira Bruno discute com Fatinha e ela comemora ser alvo de ciúmes do rapaz. Gil faz insinuações para Ju, que recua. Leandro e Isabela acertam seu casamento no Misturama. Ana pede ajuda a Ju para reconquistar Bruno. Isabela e Leandro convidam Mathias para ser o padrinho do casamento e Robson fica decepcionado. Mário estranha a irritação de Alice. Ana chega para uma reunião do CRAU. Lia sente-se mal e Dinho fica apreensivo. Orelha comenta com Dinho sobre as fotos de Valentina. Rita volta para o colégio e Mathias fica radiante. Tico encontra o teste de gravidez de Alice, com resultado positivo, e Mário e Bárbara ficam atordoados. Sexta-feira Mário supõe que o exame seja de Lia e se preocupa com a possiblidade de ser avô. Rita pede para morar com Mathias e ele aceita na hora. Dinho implora para Orelha não divulgar suas fotos com Valentina. Mário procura Lorenzo e Paulina e afirma que Lia está grávida. Dinho se preocupa com o mal estar da namorada e ela se irrita com suas suposições. Mathias leva Rita para a sala, e os alunos festejam sua volta. Alice pensa em como contar para a família sobre sua gravidez. Mário e Lorenzo procuram Dinho e Lia, respectivamente, e os repreendem pela suposta gravidez da menina. Alice conta que está grávida e Mário percebe a confusão que fez. Lorenzo conversa com Lia. LADO A LADO Segunda-feira Laura e Edgar ficam juntos. Carlota

insulta Celinha e briga com Alice. Catarina fica com raiva ao saber que a bilheteria esgotou para a primeira apresentação de Isabel. Zé Maria fica constrangido ao ler a matéria no jornal difamando Isabel. Catarina sugere a Fernando vender para outra empresa os tecidos que estão sendo fabricados para os americanos, a fim de prejudicar a fábrica. Isabel convence Zé Maria a assisti-la no teatro. Afonso despreza Isabel. Berenice pede a Caniço que consiga um ingresso para o espetáculo de Isabel. Alice fica desolada quando Carlota lhe avisa que ela passará um tempo na fazenda de tia Ambrosina. Terça-feira Laura pede calma a Edgar. Teodoro convida Sandra para sair. Catarina aconselha Neusinha a ficar com Pessoa. Laura diz a Isabel que deseja que as pessoas a respeitem pelo o que ela é, independente de seu estado civil. Elias pede a Tião para levá-lo à cidade. Celinha diz a Alice que elas precisam encontrar um meio de evitar a ida da sobrinha para a fazenda. Teodoro conversa com Umberto sobre Sandra e diz estar encantado com a moça. Albertinho demonstra interesse por Gilda. Isabel percebe Zé Maria deixando o teatro, após a sua apresentação. Quarta-feira Isabel comenta com Jurema que Zé Maria saiu do teatro sem falar com ela. Berenice instiga Elias a se aproximar de Assunção, deixando Constância apavorada. Albertinho aceita ser aliado de Fernando na fábrica, em troca de aumento de salário e ajuda no seu namoro com Esther. Celinha implora a Assunção para examinar Alice, na esperança de ele convencer Carlota a não levar a sobrinha para a fazenda. Zé Maria termina seu relacionamento com Isabel. Albertinho beija Esther. Constância suborna Berenice para não contar a Assunção sobre Elias. Laura desiste de lecionar e resolve procurar emprego em outra área. Celinha festeja ao saber que, por enquanto, Alice não vai mais à fazenda. Constância vai até a casa de Umberto. Quinta-feira Constância e Umberto ficam juntos. Berenice entrega a Zenaide o dinheiro que conseguiu tirar da ex-baronesa. Fernando sugere a Catarina que deixe Melissa com Edgar e fique com ele. Quequé finge ser a tia de Neusinha e Pessoa descobre. Celinha pede a Alice que se alimente, prometendo trazer notícias de Jonas. Edgar avisa a Catarina que ele e Laura reataram. Teodoro manda um bilhete para Sandra. Catarina repreende Neusinha por ter perdido Pessoa e a chance de um futuro promissor. Sexta-feira Neusinha se sente humilhada com o desprezo e as palavras frias de Catarina. Laura consegue outro emprego. Albertinho fica incomodado ao saber que Constância não convidou Laura para a festa do pai. Luciano briga com Pessoa e leva Neusinha, que estava prestes a entrar no carro do comendador. Isabel agenda a apresentação de Catarina no teatro. Diva vê Luciano abraçando Neusinha. Luciano mente pra Diva, dizendo para a mãe que salvou Neusinha de um assalto. Catarina comenta com Fernando que sua vida está ameaçada com o envolvimento de Laura e Edgar. Catarina garante a Fernando que vai separar Edgar de Laura. Sábado Umberto aceita o convite de Albertinho para ir à festa de Assunção. Diva pede apoio a Mario para que Luciano seja aceito pela equipe do teatro. Eulália incentiva Sandra a sair com Teodoro. Constância fica irritada ao ver Umberto na festa de Assunção. Laura é elogiada pelo novo patrão. Mario

Diário Popular

Domingo, 23 de dezembro de 2012

MICROSSÉRIE

Divulgação Rede Globo

Irmãos decidem se alistar para a expedição ‘Roncador Xingu’, criada no governo de Getúlio Vargas

Xingu narra a história dos irmãos Villas Bôas

Na próxima terça-feira, dia 25 de dezembro, estreia na Rede Globo a microssérie Xingu, versão televisiva para o filme de Cao Hamburger. A saga dos irmãos Villas Bôas será contada em quatro capítulos, antes do Jornal da Globo. O telespectador vai conhecer a luta dos Villas Bôas, três irmãos que embarcam numa aventura heróica por um Brasil até então desconhecido e deixaram como legado o Parque Nacional do Xingu, marco na preservação da cultura indígena. No primeiro episódio, se inicia a saga dos irmãos Villas Bôas. Claudio (João Miguel), Orlando (Felipe Camargo) e Leonardo (Caio Blat), três jovens que se alistam na expedição ‘Roncador-Xingu’, criada em 1944, no primeiro governo de Getúlio Vargas, para facilitar o processo de interiorizatenta se aproximar de Luciano. Laura diz a Isabel que enviará o texto que escreveu sobre o seu espetáculo para Guerra, usando um pseudônimo masculino. Celinha avisa a Guerra que assumiu seu namoro para toda a família. GUERRA DOS SEXOS Segunda-feira Carolina leva Lucilene para voltar a trabalhar como secretária da diretoria. Nieta, Dino e Nenê ficam penalizados com o sofrimento de Nando. Juliana se sente culpada por enganar Felipe. Carolina pensa em sua vingança contra Vânia. Juliana conta para Roberta sobre seu caso com Fábio. Charlô manda Olívia fazer um trabalho para ela e Baltazar desconfia. Manoela tenta provocar Fábio. Charlô arma com Olivia para surpreender Felipe e Vânia juntos, mas Otávio descobre o plano e pensa em como acabar com o flagrante. Kiko exige que Roberta fique longe de Nando. Charlô distribui os presentes e aguarda a reação de Felipe e Vânia. Terça-feira Charlô se surpreende ao ver Nando e Roberta na estufa e supõe que Otávio tenha estragado seus planos. Nando tenta falar com Roberta, mas Kiko interrompe a conversa. Ciça é agressiva ao falar para Juliana que não aceitará a namorada de Fábio. Carolina coloca todo o dinheiro de Ulisses na jaqueta de Zenon. Roberta agradece Charlô por tê-la ajudado com Nando. Charlô acusa Otávio de ter trocado os cartões dos presentes de Felipe e Vânia. Zenon implica com Carolina. Felipe finge passar mal para sua mãe não vê-lo com Vânia. Ulisses descobre que seu dinheiro sumiu. Felipe conta para Vânia o plano de Charlô para flagrar os dois juntos. Zenon prende Carolina no elevador. Kiko decide fugir de casa.

ção do Brasil. Por serem letrados, não são aceitos na primeira tentativa, já que os sertanejos eram o alvo do projeto. Se passando por analfabetos, infiltram-se entre os recrutados e seguem sertão adentro para ocupar a região. Depois de um tempo, se dá o primeiro contato com os indígenas, e eles descobrem uma nova civilização. Com sua liderança na expedição, aos poucos ganham a confiança dos indígenas Depois de tantos percalços, em 1971, Claudio e Orlando Villas Bôas têm sua luta reconhecida internacionalmente com a indicação ao Prêmio Nobel da Paz. E, em 1984, com apoio dos Villas Bôas, os índios assumem o controle do parque. Em 2011, o parque completa 50 anos inteiramente preservado, mas constantemente ameaçado.

Quarta-feira Analú afirma a Roberta que Juliana Charlô repreende Nando por não ter falado a verdade para Roberta. Carolina enfrenta Zenon. Juliana lamenta estar envolvida com Fábio. Kiko volta para casa. Fábio fotografa Analú. Carolina sugere que Vânia substitua a pessoa que anuncia as ofertas da loja. Zenon reclama de Carolina para Frô. Vânia inicia os anúncios na loja e Carolina aprende a manipular o controle da sala de som. Manoela vai atrás de Fábio na loja. Felipe encontra Vânia na cabine de som e Carolina liga o microfone da mesa do operador. Todas as pessoas presentes na loja ouvem Felipe e Vânia namorando. Charlô fica furiosa e Carolina comemora. Quinta-feira Charlô invade a cabine de som e surpreende Felipe e Vânia. Todos os funcionários e clientes comentam o escândalo na loja. Vânia não consegue convencer Charlô de que não a traiu. Zenon provoca Carolina. Nenê e Nieta contam para Roberta o que armaram contra Nando, e ela acha graça. Zenon promete se vingar de Carolina. Vânia sai da loja envergonhada. Otávio tenta animar Felipe. Juliana fala para Fábio que ficará sem vê-lo por um tempo. Nando sai apressado de casa para se encontrar com Juliana. Fábio se enfurece com Manoela. Nando e Juliana chegam ao sítio em Itapecerica. Charlô decide demitir Vânia. Zenon conta para Vânia e Felipe que Carolina armou o flagrante dos dois. Sexta-feira Felipe não acredita em Zenon. Fábio explica para Ciça que não deixará de ser seu pai quando se separar de Manoela. Nenê arruma uma luta para Ulisses e Montanha se preocupa. Nando fala para Juliana que terá que passar a

noite no sítio por causa do carro. Analú mostra a Carolina o trabalho que Juliana deixou para ela. Olivia ajuda Charlô a se acalmar. Analú insiste para que Carolina durma no quarto de hóspedes. Nando e Juliana conversam. Roberta pensa em Nando. Fábio chega ao sítio e Nando se irrita. Sábado Fábio e Juliana combinam de conversar com Felipe antes de anunciar que estão juntos. Ulisses se preocupa com Nando. Roberta pede para Nieta chamar Nando para falar com ela. Carolina vê Juliana chegar no carro de Fábio. Roberta se preocupa com Nando. Otávio teme que algo tenha acontecido com seu motorista. Otávio pede para Carolina descobrir quem Charlô convocou para ficar no lugar de Vânia. Vânia recebe sua carta de demissão. Otávio tenta convencer Felipe a se aproximar de Isadora. SALVE JORGE Segunda-feira Berna recebe um telefonema de Wanda e disfarça na frente de Mustafa e Helô. Stênio conta para Helô que encontrou Bianca. A delegada questiona Berna sobre o telefonema de Wanda. Miro acerta com Vanúbia para ela trabalhar na laje com os turistas. Zyah sai para comprar roupas para Bianca e ela acha graça. Ayla se declara para Zyah, que fica abalado. Rosângela pede para Russo e Irina deixarem ela e as meninas ligarem para casa por causa do Natal. Theo dá presentes de Natal para Junior. Morena liga para casa. Áurea não deixa Junior falar com Theo no telefone. Delzuite lamenta a prisão de Pescoço para Lucimar. Terça-feira Lucimar se desespera com o sumiço de Junior. Jéssica e Morena convencem um homem a ficar com elas. Junior procura por Theo pelas ruas. Morena coloca sonífero na bebida do homem e começa a sua tentativa de fuga com Jéssica. Rosângela fica intrigada com o que Morena e Jéssica estão armando e tenta entrar no quarto que elas estão. Lucimar presta queixa sobre o sumiço do neto. Um homem diz para Junior que vai levá-lo até Deodoro. Adam vê Jéssica escapar e conta para Russo e Irina.. Morena se esconde de Russo, mas Jéssica corre para a delegacia. Bianca não leva a sério o pedido de casamento de Zyah. Russo paga a fiança de Jéssica. Lucimar avisa a Theo sobre o sumiço de Junior e Áurea se sente culpada. Haroldo desconfia que Morena saiba quem instalou a câmera de vídeo em seu escritório.

11

Quarta-feira Theo conversa com Morena e explica como Junior sumiu da escola. Lucimar fala para Wanda do sumiço do neto. Junior pede ao homem para ir para casa. Preocupada com o filho, Morena desiste de fugir e volta para a boate. Theo afirma a Lucimar que encontrará Junior. Ayla diz que esquecerá Zyah. Helô se irrita por Stênio ter marcado um almoço em sua casa sem a consultar. Morena pensa no filho. Junior foge do homem que o encontrou. Helô convoca Wanda para ir à delegacia. Quinta-feira Helô estranha a mensagem de Morena. Wanda marca um encontro com Lucimar no Alemão. Vanúbia provoca Clóvis. Dois menores do abrigo fogem com Junior. Érica decide ajudar Theo a procurar Junior. Helô conhece Wanda, mas não a reconhece. Jéssica tenta fugir da festa para a qual foi levada. Helô liga para a boate e Russo atende. Theo encontra o abrigo para onde Junior foi levado. Raquel fica interessada em Élcio. Coronel Nunes encontra um bebê no carro de Lívia e a leva para a delegacia. Ayla decide se mudar para a Capadócia. Bianca fala para Zyah que não quer ter filhos. Sexta-feira Theo se emociona ao encontrar Junior. Lucimar mostra a mensagem que Morena enviou e Theo fica indignado. Haroldo acredita que Morena esteja envolvida na instalação da câmera de vigilância no escritório dele. Haroldo avisa a Stênio que convocará Morena para depor. Raquel não gosta dos elogios que Élcio faz a Lívia. Coronel Nunes reconhece Lívia no jantar organizado por Aída. CZyah decide levar Ekram para morar com ele e Bianca. Russo avisa que Morena e Jéssica voltarão para o Brasil em um esquema ilegal. Sábado Morena e Jéssica pensam em fugir quando chegarem ao Brasil. Antônia pede para se divorciar de Celso e sai de casa. Lívia acerta com Russo o esquema da vinda de Morena e Jéssica para o Brasil. Ricardo não gosta de ver Theo na casa de Érica. Sarila não aceita que Ayla vá para a Capadocia. Zyah chega com Ekram na caverna e Bianca não gosta de saber que o menino vai morar com eles Bianca reclama com Maitê da ida de Ekram para a caverna. Helô pede para Berna contar o que sabe sobre a adoção de Aisha, antes que ela mesma descubra. Celso não deixa Antônia entrar em casa. Helô estranha que Lívia conheça o café onde Morena trabalha.

CINE DO VALE DO AÇO

A SAGA CREPÚSCULO: AMANHECER - PARTE 2 (DUBLADO) Sala 1 - Segunda: 14h00 - 16h30 Sala 1 - Terça: 19h00 - 21h30 Sala 1 - Qua. a Domingo: 14h00 - 16h30 - 19h00 - 21h30 O HOBBIT - UMA JORNADA INESPERADA (DUBLADO) Sala 1 - Segunda: 16h15 Sala 1 - Terça: 19h45 Sala 1 - Qua. a Domingo: 16h15 - 19h45 O HOBBIT - UMA JORNADA INESPERADA (DUBLADO) (3D) Sala 2 - Qua. a Segunda: 14h20 - 17h40 O HOBBIT: UMA JORNADA INESPERADA (LEGENDADO) (3D) Sala 2 - Ter. a Domingo: 14h20 - 17h40


ESPORTES

Diário Popular

12

Domingo, 23 de dezembro de 2012

MÓDULO II

Roberto Carlos será o treinador do Social Breno Mendes

Comandante foi apresentado na manhã de ontem no Louis Ensch FABRICIANO - A diretoria do Social confirmou neste sábado (22) o nome do técnico Roberto Carlos para comandar o time na disputa do Campeonato Mineiro do Módulo II 2013. A decisão saiu após uma reunião da diretoria nesta sexta-feira (21), no Estádio Dr. Louis Ensch. Essa será a primeira vez que o treinador assumirá o time profissional desde o início de uma competição, sendo que ele já havia dirigido o time de forma interina no Campeonato Mineiro da 1ª divisão em 2009 e em outras ocasiões. Roberto Carlos chegou ao Social em 1995 como jogador para a disputa da 3ª divisão do Campeonato Mineiro, competição na qual se sagrou

IPATINGA

Roberto Carlos foi auxiliar técnico do Social por muitos anos e trabalhou com treinadores conhecidos

campeão. Em 1996 mais um título conquistado, levava o time mais querido do Vale do Aço à primeira divisão de 1997, ano que o time chegou à semifinal da competição estadual, terminando em 3º lugar. Neste mesmo ano, devido

a uma lesão nos dois joelhos, Roberto Carlos encerrou sua carreira. Logo em seguida, o treinador assumiria todo o trabalho das categorias de base do Social, comandando a escolinha do clube, e a equipe de juniores em diversas competições. No coman-

EQUIPE De acordo com diretor de futebol João Pedro da Silveira, o Pedrinho, o restante da comissão técnica para 2013, será apresentado apenas em janeiro: “Estamos apresentando apenas o Roberto Carlos porque alguns membros que serão da comissão técnica no próximo ano estão viajando, e por isso preferimos apresentar só o treinador. Mas na apresentação oficial do time, em janeiro, todos estarão presentes”, disse. A apresentação oficial da comissão técnica e de todo elenco está marcada para o dia 8 de janeiro, às 9h, no Estádio Dr. Louis Ensch, em Coronel Fabriciano.

FICHA TÉCNICA Nome: Roberto Carlos Jovencio Data de Nascimento: 23/09/69 – 43 anos Carreira como jogador: Ribeiro Junqueira MG (1988 a 1990), Mogi das Cruzes SP (1991), Varginha MG (1991), Tupi MG (1993), CRB AL (1993), URT MG (1992 a 1994), Ideal MG (1994), Três Corações (1995) e Social FC (1995 a 1997).

Atlético fica no Grupo Três da Libertadores

LATO SENSU | 1º SEMESTRE | 2013

Direito Processual

Gestão Escolar

Psicologia da Educação

Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal e Pediátrica Enfermagem em Urgência, Emergência e Trauma Gestão de Negócios

Gestão Financeira

Gestão em Logística

Gestão em Engenharia Ambiental

INSCRIÇÕES ATÉ 18/02

iec.pucminas.br | (31) 3829-9800

IEC

do da base, Roberto Carlos se destacou também em revelar talentos como alguns que já vestiram a camisa oficial do Saci como: Renan (volante do Sergipe), Beto (meia atacante, atualmente na Bulgária), Luisinho (Atacante do Ceará), entre outros.

Nos anos em que foi auxiliar técnico do Social, Roberto Carlos trabalhou com conhecidos treinadores como: Wantuil Rodrigues, Moacir Junior, José Maria Pena, José Angelo “Preca”, Luciano Pascoal, Wagner de Oliveira, entre outros. Para o presidente Djalma Rodrigues, o treinador assume com total confiança da diretoria: “O Roberto está assumindo porque tem qualidade e porque a diretoria tem certeza que ele tem condições de realizar um grande trabalho. Ele já conhece nossa filosofia de trabalho, é funcionário do clube há muitos anos e sabe o que é preciso fazer para que possamos conquistar o nosso principal objetivo, que é o acesso”, disse o presidente.

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA

APRENDER MAIS E SEMPRE

5% DE DESCONTO PARA EX-ALUNOS PUC MINAS E CES/JF

BH - O Atlético está no Grupo 3 da Copa Libertadores da América de 2013, ao lado de Arsenal de Sarandí, da Argentina, The Strongest, da Bolívia, e o vencedor do confronto entre São Paulo e Bolívar, da Bolívia. O sorteio da competição foi realizado na tarde desta sexta-feira, no Centro de Convenções da Confederação Sul-Americana de Futebol – Conmebol, em Assunção, no Paraguai, com a presença do presidente Alexandre Kalil e do diretor de futebol, Eduardo Maluf.

CONFIRA OS GRUPOS: Grupo 1: Barcelona (EQU), Nacional (URU), Boca Juniors (ARG) e Toluca (MÉX)

Grupo 5: Corinthians (BRA), San José (BOL), Milionários (COL) e Tijuana (MÉX)

Grupo 2: Sporting Cristal (PER), Libertad (PAR), Palmeiras (BRA) e Vencedor 1 (Tigre (ARG) x Deportivo Anzoátegui (VEN))

Grupo 6: Independeiente Santa Fé (COL), Cerro Porteño, Real Garcilaso (PER) e Vencedor 3 (Tolima (COL) x Universidad César Valejo (VEN)

Grupo 3: Arsenal de Sarandí (ARG), The Strongest (BOL), ATLÉTICO e Vencedor 5 (São Paulo (BRA) x Bolívar (BOL)) Grupo 4: Vélez Sarsfield (ARG), Peñarol (URU), Emelec (EQU) e Vencedor 6 (Deportes Iquique (CHI) x León (MÉX))

Grupo 7: Deportivo Lara (VEN), Universidad de Chile (CHI), Newell’s Old Boys e Vencedor 4 (Olímpia (PAR) x Defensor (URU) Grupo 8: Fluminense (BRA), Huachipato (CHI), Caracas (VEN) e Vencedor 2 (Grêmio (BRA) x LDU (EQU)


23/12/2012