__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1

Ano 6 - Número 17 R$ 29,90 - Maio/2021

ELAS INSPIRAM Mulheres como Gabriela Dias (foto) mostram, através de suas histórias, por que são inspiradoras e merecem a posição que ocupam. Páginas 24 a 30

ENTREVISTA

Infectologista fala sobre pandemia e seus efeitos.

UNIVERSO PET

Casal conta sobre rotina com filhos de quatro patas.


Editorial

Elas são fortes, cheias de garra, transformadoras por onde passam, acolhem seus triunfos sem deixar de lado seus medos. Elas amam, sorriem, choram e buscam se destacar seja lá qual for o lugar onde pretendem ocupar. São mães, pesquisadoras, escritoras, influencers, donas de si. E o que todas têm em comum é serem mulheres inspiradoras. A Revista Tudo traz nessa edição histórias de mulheres que não medem esforços para mostrar todo o seu potencial e o mundo diferente que pretendem conquistar. Como a escritora Edla Zim, que se reinventa todos os dias e leva suas vivências através de seus livros. Outra história estimulante que os leitores poderão acompanhar é a da delegada Vivian Selig, que hoje é presidente da Adepol-SC e, em seu primeiro livro, procura inspirar outras mulheres. Nas páginas a seguir também destacamos outras mulheres que fazem de suas profissões, e do dia a dia, uma maneira de transformar. Nessa edição, destacamos também que, passado mais de um ano, ainda vivemos com ênfase a pandemia da covid-19. A reportagem da Tudo conversou com o médico infectologista Rogério Sobroza de Mello, que lamentou que mesmo após todo esse tempo “a sociedade ainda não encara bem a situação”. Ainda falando de saúde, médicos alertam para que as pessoas não deixem de fazer um check-up e tratem doenças que podem ser controladas, caso sejam descobertas previamente. E como a pandemia provocou mudanças, amantes de viagens também tiveram que se adequar. O casal Camila e Aloísio conta, na editoria Viajar, como está sendo buscar roteiros diferentes e isolados para que consigam seguir com suas aventuras desbravando Santa Catarina. As vivências deste ano, que mudaram a maneira de ver o mundo, também mudaram hábitos de muitas pessoas. É o caso das jovens Jéssica e Samara. Ambas contam na editoria Cultura como passaram a amar ainda mais as tintas, e transformam, através de desenhos, o olhar de outras pessoas. Ainda nas páginas dessa edição são destaques as dicas sobre quais itens escolher na hora de decorar sua casa para a chegada do frio. E, por falar em casa, contamos a história do casal Karine e Fernando, na editoria Universo Pet, de como eles seguem a rotina do dia a dia com seus três “filhos de patas”.

Boa leitura! Daiane Fernandes Editora

4


Expediente

Equipe de direção: Cristiano Carrador Lúcio Flávio de Oliveira Tomaz Viana de Albuquerque Editora-chefe: Daiane Fernandes Reportagem: Daiane Fernandes Relacionamento com o cliente: Giovani Dal-Bó Daniel Pereira Diagramação: UAW! Comunicação & Design Impressão: Gráfica Coan

Avenida Marcolino Martins Cabral, 1315, 6º piso Praça Shopping - Centro - Tubarão/SC - 88701-105

comercial@diariodosul.com.br | 48. 3631-5024 revistas@diariodosul.com.br | 48. 3631-5011 redacaotudo@gmail.com | 48.3631-5000 w w w. d i a r i o d o s u l . c o m . b r

6


Índice

12. Um Pouco de TUDO 14. Economia 16. Artigo 17. Especial Cidades 21. Educação

8


Índice

24. Reportagem Especial 31. Entrevista 34.Saúde 38.Construção civil

9


Índice

41. Ambientes 54. Cultura 57. Viajar

10


Índice

60. Turismo 62. Universo Pet 64. Mundo Novo

11


Um pouco de TUDO

Juliette fez aumentar venda de vinhos catarinenses Lançado em agosto de 2020, o vinho Juliette, da vinícola catarinense Pericó, de São Joaquim, não foi criado em homenagem à participante do Big Brother Brasil 21, mas teve suas vendas alavancadas em 40% após a evolução da sister no reality. Segundo o CEO da vinícola, Diego Censi, nos últimos meses foi

observado aumento nas vendas dos vinhos. No site da vinícola, as versões moscatel e rosé brut ficaram esgotadas. Ainda é possível encontrar as versões vinho branco brut, e rosé seco. Diego explica que o nome foi escolhido por ter relação com as uvas produzidas pela vinícola.

Rússia produz vacina para animais A Rússia produziu 17 mil doses de uma vacina contra a covid-19 para ser utilizada em animais. A Carnivac-Cov foi registrada em março, depois de vários testes terem revelado que ela gera anticorpos contra o vírus em cães, gatos,

raposas e visons. De acordo com a agência Reuters, o primeiro lote vai ser fornecido em várias regiões do país, mas as autoridades russas dizem que vários países já demonstraram interesse em ter acesso ao imunizante.

Mais de 5 milhões ficaram sem aulas em 2020 O número de crianças e adolescentes sem acesso à educação no Brasil saltou de 1,1 milhão em 2019 para 5,1 milhões em 2020, de acordo com o estudo Cenário da Exclusão Escolar no Brasil - um Alerta sobre os Impactos da Pandemia da Covid-19 na Educação. O estudo é do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), em parceria com o Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec) Educação. 12


Um pouco de TUDO

Estado registra menor temperatura em abril desde 1955 Santa Catarina registrou no dia 27 de abril a menor temperatura em um mês de abril, no Estado, desde 1955. O recorde ocorreu em Urupema, na Serra, que teve -5,4°C às 7h, de acordo com a

Epagri/Ciram. Antes desta data, a mínima registrada em um mês de abril em Santa Catarina tinha ocorrido em Bom Jardim da Serra. Em 28 de abril de 2017 fez -4,9°C no início da manhã.

Catarinenses enviam mensagens de carinho Com a lotação dos hospitais e unidades de saúde em Santa Catarina em março, cinco pacientes catarinenses foram transferidos para um hospital em Serra, cidade do Espírito Santo, para continuar o tratamento de covid-19. Dois meses depois, eles decidiram fazer uma homenagem aos profissionais que os receberam com tanto carinho. A comunidade da Igreja Evangélica de Confissão Luterana do Brasil de Santa Catarina enviou cartas com mensagens de apoio e incentivo para os profissionais do Hospital Dr. Jayme Santos Neves, que é referência no combate ao coronavírus no Espírito Santo.

Geleiras estão derretendo em ritmo acelerado Quase todas as geleiras do mundo estão perdendo massa em ritmo acelerado, mostra novo estudo divulgado na revista científica Nature. Isso pode afetar, segundo a pesquisa, projeções futuras sobre a perda de gelo. O trabalho fornece um dos panoramas mais abrangentes sobre a perda de massa de gelo de cerca de 220 mil geleiras de todo o globo, um grande catalisador da elevação do nível dos mares.

Twitter tem baixo crescimento O Twitter registrou um aumento no número de usuários, mas em volume inferior ao esperado pelo mercado entre janeiro e março. Este desempenho fez suas ações caírem nas transações fora do horário de Wall Street. Os usuários cotidianos ou “monetizáveis” (que viram pelo menos uma publicidade em um dia) situaram-se em 199 milhões no primeiro trimestre - um milhão a menos do que o esperado pelos analistas. Assim, o título da rede social caiu mais de 9% nas transações eletrônicas fora de hora. 13


Economia

INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO Projeto incentiva a formação e o desenvolvimento de pessoas com deficiência intelectual e múltipla

A inclusão das pessoas com deficiência é fundamental para a organização, tanto pela responsabilidade social quanto pela aprendizagem da equipe e por respeito a esse público. Em Tubarão, a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) coloca em prática o projeto que incentiva a formação e o desenvolvimento de pessoas com deficiência intelectual e múltipla, motivando a inclusão laboral através da inserção no mercado de trabalho. Por meio desta iniciativa, recentemente, a Apae contratou o aluno Paulo Marcos Cataneo para a função de auxiliar administrativo na própria instituição. Paulo tem 27 anos e é aluno da Apae desde a infância. Sua maior dificuldade para conseguir uma colocação no mercado era o fato de usar cadeira de rodas. Com isso, ele passa a atuar profissionalmente, uma vez que a estrutura da instituição é adaptada para que ele possa exercer sua função profissional. O projeto é voltado a atender jovens e adolescentes matriculados e com frequência na rede regular, e educandos que se encontram na mesma faixa etária, frequentam a Apae de Tubarão e se enquadrem na mesma perspectiva. Hoje, no município, são 23 alunos ocupando postos de trabalho dentro dos critérios do projeto. Além de promover a profissionalização e trazer experiência de mercado aos alunos, resgatando sua cidadania e autoestima, o projeto contribui com o incremento de renda familiar. Através do seu setor de serviço social, a Apae faz tanto a mediação entre as empresas com vagas e familiares dos alunos quanto a capacitação destes alunos para as vagas disponíveis. 14 14


Economia

Senso de cidadania e inserção De acordo com a presidente da Apae de Tubarão, Leila Saleh Goulart, uma das missões da entidade é trazer cada vez mais o senso de cidadania aos alunos. “E a inserção no mercado de trabalho contribui com isso, porque é uma forma de inserção na sociedade. Tem sido possível criar bolsas de trabalho para os alunos, que possibilitam dar treinamento e capacitação para que, através de suas habilidades pessoais, eles possam ser encaminhados ao mercado”, fala Leila. Além de Paulo Marcos, Wilson Corrêa Elias, de 34 anos, também está inserido no mercado de trabalho. Há 12 anos, ele trabalha como empacotador no Supermercado Giassi. Para isso, ele teve o apoio da Apae. “Através da atividade profissional, ele aprendeu a se comunicar melhor e a se relacionar com as pessoas”, explica Selma Corrêa,

mãe do Wilson. Ela lembra que este processo o ajudou a reforçar qualidades, como ser prestativo e educado com as pessoas, além de minimizar os desafios de ter uma deficiência. “Ver o meu filho se sentir útil e valorizado é muito gratificante”, afirma a mãe. Selma lembra que se não fosse o apoio e o trabalho desenvolvido pela Apae teria sido muito difícil. “Agradeço à direção da Apae e da empresa pela oportunidade e acolhimento”, diz a mãe. Ainda segundo a diretora da Apae de Tubarão, a inserção tem um forte significado. “Contribuindo para que a sociedade também possa vencer as diversas limitações em absorver a mão de obra destes cidadãos. É gratificante ver a alegria, o prazer e o orgulho destes alunos e famílias diante dessa oportunidade”, diz Leila.

Os dados da inclusão no Brasil O direito ao trabalho está previsto no Estatuto da Pessoa com Deficiência, instituído pela Lei nº 13.146/2015, e também faz parte da Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (PCD), da qual o Brasil é signatário. No país, toda empresa com 100 funcionários ou mais é obrigada por lei a ter de 2% a 5% dos seus cargos preenchidos por pessoas com deficiência. É o que prevê o artigo 93 da Lei nº 8.213/91, também conhecida como Lei de Cotas.

Como participar do projeto? Empresas interessadas em contratar pessoas com deficiência devem entrar em contato com a Apae de Tubarão pelo telefone (48) 3626-1312 ou pelo e-mail contato@apaetubarao.org.br 15 15


Artigo

O COMPROMISSO DE NÃO SER IGUAL

Falar de inclusão é quebrar paradigmas, é mudar de perspectiva; é construir uma sociedade apta a receber, compreender, aceitar e atender as diferenças inerentes à diversidade humana, assegurando, em especial às pessoas com deficiência, condições para que possam se desenvolver com dignidade e respeito às suas singularidades. Nos dizeres da pedagoga Maria Teresa Mantoan, inclusão “é a nossa capacidade de entender e reconhecer o outro e, assim, ter o privilégio de conviver e compartilhar com pessoas diferentes de nós.” Para poder usufruir deste privilégio, é necessário desconstruir alguns preconceitos com conhecimento e informação. Conhecer as pessoas com autismo para compreender que cada pessoa é dotada de características próprias que a tornam única. Naioki Higashida escreveu em 2007, à época com 13 anos, o livro “O que me faz pular”, no qual, por meio de perguntas e respostas, narra, em primeira pessoa, sua experiência enquanto um adolescente autista. Em um dos questionamentos respondidos na obra, Naioki fala sobre o “ser normal”.

“Eu achava que a melhor coisa que poderia acontecer na minha vida era ser igual aos outros. Mas agora, mesmo que criem um remédio para curar o autismo, acho que vou querer continuar do jeito que sou. Como eu mudei de ideia e passei a pensar assim? Em poucas palavras, aprendi que cada ser humano, com ou sem deficiências, precisa se esforçar para fazer o melhor possível e, ao lutar para conseguir a felicidade, ele a alcança. Veja bem, para nós o autismo é normal, então não temos como saber o que os outros chamam de ‘normal’. Porém, a partir do momento em que aprendemos a nos amar, não sei bem se faz diferença termos autismo ou não”. Com esse objetivo e entendendo que a responsabilidade e a necessidade de promover esta mudança de perspectiva é de todos, o Ministério Público de Santa Catarina lançou a campanha “As entrelinhas do autismo”, por meio da qual pretende levar informação à população, familiares, profissionais da rede de ensino e promotores de justiça sobre o Transtorno do Espectro Autista.

POR LIA NARA DALMUTT

Promotora de justiça

16


Especial Cidades

BRAÇO DO NORTE ABRE PORTAS PARA EDUCAÇÃO SUPERIOR Programa Sua Oportunidade dará bolsas de estudos através de créditos de ISS

O sonho de cursar uma universidade ficou mais próximo de jovens de Braço do Norte que dispõem de vontade de estudar e poucos recursos econômicos. O prefeito, Beto Kuerten Marcelino, assinou decreto que regulamenta a concessão de bolsas de estudos por meio de créditos de ISS. Além disso, está criado o Programa Municipal de Bolsas Universitárias de Estudos, chamado de “Sua Oportunidade”. Na prática, segundo o prefeito, as universidades que geram ISS para o município devem demonstrar interesse em realizar convênio, gerando a compensação tributária. “A universidade interessada vai protocolar na cidade sua declaração de intenção de participar do Programa Sua Oportunidade, juntando a documentação exigida no respectivo decreto. Após a análise do protocolo, será enviado para a Câmara de Vereadores o projeto de lei que autoriza a celebração do convênio entre o Município e a instituição de ensino superior interessada”, completa Beto.

Conforme o secretário de Administração e Fazenda, Ramon Beza, para a concessão das bolsas de estudos serão consideradas a renda familiar declarada pelo candidato e seu histórico escolar. “Será concedida uma bolsa por estudante e o número de bolsas de estudos observará o valor do crédito de ISS a ser compensado”, diz Ramon. O projeto será realizado em parceria entre as secretarias de Administração e Fazenda, Educação, Desporto, Cultura e Turismo e Assistência Social. O reitor da Unisul, Mauri Herdt, durante a assinatura do decreto, entregou ao prefeito o documento que manifesta interesse de participar efetivamente do programa. “O melhor instrumento para o desenvolvimento de um município é o conhecimento. O acesso aos estudos é capaz de transformar a cidade. Além disso, Braço do Norte vai realizar não somente o sonho de uma pessoa, mas em alguns casos de famílias, sendo o primeiro universitário destas famílias”, fala o reitor.

17


Especial Cidades

Oportunidade irá gerar mais conhecimento

Classificação dos candidatos

A assinatura do decreto foi realizada no auditório Luiz Antônio Weber, na Weber Empreendimentos, onde está instalado o polo da Unisul, em Braço do Norte. O ato contou com a presença do reitor da Unisul, Mauri Herdt, do coordenador da Unisul, Rafael Faraco, do sócio da Weber Empreendimentos, Fernando Weber, da presidente da Câmara da cidade, Nívea Willemann Rocha, do presidente da Câmara de Vereadores de Tubarão, Nilton de Campos, vereadores e equipe da prefeitura. Para Fernando Weber, a parceria entre a Weber Empreendimentos e a Unisul nasceu com o propósito de melhorar Braço do Norte, transformando a região através da oportunização do conhecimento. Beto aproveitou a oportunidade para agradecer o vereador Nilton de Campos. “Em uma conversa, o vereador expos sua ideia, em seguida foi procurado pelo Fernando, que também propôs a parceria. O projeto foi amadurecendo, o secretário Ramon estudou a legalidade e, desse modo, chegamos aqui na assinatura do decreto que vai proporcionar as bolsas de estudos”, destaca Beto.

Dos critérios para o candidato se inscrever na bolsa estão:

18


Especial Cidades

1 2

Critério socioeconômico (o candidato deve estar cadastrado no Cadastro Único da Secretaria de Assistência Social)

até 1 salário mínimo de renda familiar mensal = 3 pontos até 2 salários mínimos de renda familiar mensal = 2 pontos até 3 salários mínimos = 1 ponto

Critério do histórico escolar: média geral dos últimos três períodos será transformada em pontos (a avaliação será realizada pela Secretaria de Educação) Resultado: Somatória dos pontos do critério socioeconômico com os pontos do critério do histórico escolar. 1º - Considerando que poderá ocorrer o mesmo fator de classificação entre requerentes, na mesma universidade, mas o crédito do ISS oferecido suficiente apenas para um deles, a concessão da bolsa se dará observando-se os seguintes critérios de desempate:

19 19

Será solicitado histórico escolar do ano anterior e a prioridade será para aquele que apresentar a maior média geral do respectivo ano. Em caso de permanência de empate, o aluno que estudou em escola pública ou particular com bolsa de estudo integral terá vantagem sobre aquele que já estudou em escola particular sem bolsa. Persistindo o empate, o candidato que morar em residência alugada (não própria) terá vantagem em relação aos demais; ainda persistindo o empate, o candidato mais velho será o vencedor; se ainda assim persistir o empate, acontecerá um sorteio com a presença de todos os candidatos.


Especial Cidades

Transformar pela educação ver aos munícipes os impostos gerados dentro de Braço do Norte. “O dinheiro pago ao município através de impostos, ISS neste caso, vai retornar em forma de bolsas de estudos e qualificação. Com isso, a cidade formará mais profissionais que atuarão aqui”, diz. Para Beto, esses profissionais poderão ser novos professores, novos administradores, secretários municipais, vereadores, empreendedores de sucesso. “Que levarão a nossa cidade a outro patamar, transformando e deixando um legado”, diz. Beto também aproveitou para solicitar a abertura de novos cursos na unidade de Braço do Norte.

De acordo com o prefeito de Braço do Norte, Beto Kuerten Marcelino, o programa de bolsas universitárias vai beneficiar, especialmente, jovens que querem uma oportunidade de qualificação, mas que, por causa da falta de recursos, não conseguem ingressar em uma universidade. “Braço do Norte conta, há muitos anos, com o Polo UAB, que oferece cursos gratuitos através de universidades como a Udesc, Instituto Federal e a Federal de Santa Catarina, porém, precisávamos expandir isso e o Sua Oportunidade vai realizar esse sonho”, comemora. Além disso, segundo Beto, é uma forma de devol-

Nossa intenção é que o Programa Sua Oportunidade inicie no segundo semestre deste ano. Com o programa consolidado, iniciaremos conversas para que novos cursos sejam oferecidos, aumentando as oportunidades não só de bolsistas, mas de outros alunos que não precisarão se deslocar do município”, complementa. 20


Educação

EDUCAÇÃO GANHA NOVOS RUMOS COM A PANDEMIA Em Tubarão, alunos e escolas foram preparados para retorno seguro às unidades

Em todo o mundo, a pandemia do coronavírus reescreveu os rumos da educação. Para este ano letivo, mudanças precisaram ser feitas para lidar com o novo cenário. Vencer desafios para adaptar e transformar a educação, além de acompanhar e dar suporte às mudanças em todas as esferas, foi um grande passo. Se em 2020 não tivemos escolha senão repensar planejamentos, projetos e metodologias, a educação também precisou se ajustar para que os alunos, professores e demais pessoas envolvidas fossem orientadas paras as mudanças que enfrentariam neste 2021. Em Tubarão, por exemplo, antes mesmo dos estudantes retornarem, profissionais foram preparados com capacitações. Os treinamentos aconteceram na Arena Multiuso Prefeito Estêner Soratto da Silva e foram ministrados pelo diretor-presidente da Fundação Municipal de Educação, Maurício da Silva. Dentre os temas estiveram: “Quem é o professor on-line?”, “Aplicação dos protocolos vigentes, quanto ao asseio e conservação de ambientes” e “Medidas e protocolos vigentes tendo em vista a pandemia de covid-19, a fim de garantir segurança alimentar às crianças”. Maurício fez uma retrospectiva do ano de 2020 e falou sobre o desafio de iniciar o ano le-

tivo em meio à pandemia. “Tomamos todos os cuidados necessários para que nossos alunos retornassem às escolas, pois muitos sofreram por ficarem longe das salas de aula”, fala. Os danos aos quais o diretor-presidente se refere foram apontados por especialistas das áreas da saúde e educação: prejuízos pedagógicos – muitos alunos desaprenderam o que já sabiam – e psicológicos como depressão, ansiedade, obesidade, entre outros, além das proteções perdidas, como a alimentar, já que para muitos a merenda escolar é a principal refeição do dia, e integridade física, pois é na escola que muitas vezes são identificados e denunciados casos de violência.

21


Educação

Mudanças e apoio das famílias de Educação. Quando retornaram às unidades escolares, os alunos encontraram uma realidade diferente daquela deixada no início de 2020. Tapetes higienizadores, uso de máscara para maiores de três anos de idade, medição de temperatura, carteiras separadas, distanciamento, recreio em horários diferentes e aulas híbridas são parte da vida diária dos estudantes tubaronenses.

Contudo, segundo Maurício, a pandemia trouxe alguns aspectos positivos: “Muitos alunos foram inseridos na era digital e houve um envolvimento bem maior da família no processo de aprendizado dos filhos. A crise mostrou o quanto a escola e os professores são importantes, pois tecnologia nenhuma substitui a capacidade humana de ensinar”, analisa o diretor-presidente da Fundação Municipal

Preparativos garantiram segurança aos estudantes reu nas unidades. Além disso, neste ano, além dos consertos e limpeza, as unidades também foram sanitizadas. Devido à pandemia do coronavírus, os estabelecimentos escolares foram desinfectados e receberam certificado da higienização. E para deixar os ambientes mais aconchegantes nesta nova fase, a decoração também ganhou destaque. Salas foram decoradas com os temas que estão sendo trabalhados, com muita cor e criatividade, para que os alunos se sintam bem, depois de um longo tempo longe da escola.

Antes mesmo dos alunos voltarem às salas de aulas, os espaços foram modificados para que eles pudessem ser recebidos com segurança. As unidades escolares da rede municipal de ensino intensificaram os trabalhos de manutenção das áreas internas e externas. Os reparos nos 32 Centros de Educação Infantil (CEI) e 14 Escolas de Educação Básica (EMEB) foram de serviços de capina, poda e limpeza em geral. A manutenção das redes elétrica e hidráulica e dos equipamentos eletrônicos também ocor22


Educação

Ferramentas digitais são suporte diretores de escola e demais funcionários envidem maiores esforços e se ajudem, mutuamente. “Por isso, a participação de cada um nesse processo é fundamental, pois só assim poderemos resgatar as aprendizagens perdidas, principalmente, no ano passado e acelerar o futuro”, atesta. Nos encontros virtuais, pais e alunos aprendem a utilizar todos os recursos que a ferramenta oferece. “A plataforma tem muitas opções e é importante conhecer todas as possibilidades. Por meio dela, o aluno recebe atividades, pode fazer questionamentos, acessar outros conteúdos e os pais podem também acompanhar o desempenho de seus filhos”, explica o diretor-presidente. Já aos que estão em sala de aula, toda a segurança é garantida. No portão das unidades escolares há medição de temperatura, uso do tapete higienizador para os calçados e do álcool em gel. Lá dentro, as carteiras são separadas. No recreio, o distanciamento deixou com saudades quem estava com uma imensa vontade de dar um grande abraço e/ou de conversar.

O ano letivo de 2021 iniciou cheio de desafios para alunos, pais e educadores, já que há três modalidades de ensino ofertadas. Cerca de 500 alunos de 1º ao 9º ano estudam de forma 100% virtual, por pertencerem a grupo de risco ou por opção dos pais. Já os demais alunos estudam de forma híbrida: em uma semana estão em sala de aula e na outra estão em casa e há ainda o grupo que tem aula integralmente presencial, pois a sala de aula permite o distanciamento de 1,5 metro. Ao longo das primeiras semanas, a Fundação Municipal de Educação enviou aos pais um documento com orientações sobre aulas híbridas e promove reuniões virtuais para orientar sobre as diversas soluções oferecidas pela Plataforma Google Classroom, que permite registrar a participação e o desempenho dos estudantes. O diretor-presidente da Fundação Municipal de Educação, Maurício da Silva, ressalta que em todos os momentos, mas principalmente neste de pandemia, é necessário que professores, pais, estudantes,

23


Especial

ELAS

inspiração SÃO

Mulheres mostram, através de suas histórias, por que são inspiradoras e merecem a posição que ocupam

Elas são fortes, esbanjam sorrisos, são determinadas, sabem onde querem chegar e como ocupar o espaço que lhes cabe. São mães, mulheres, meninas que almejam traçar um caminho que possa transformar as gerações futuras. Acompanharam as mudanças e seguem sendo a metamorfose para outras mulheres. E ainda há quem diga que elas são o “sexo frágil”. Mais do que femininas, elas são empoderadas e mostram por que são inspiradoras. Elas são a Vivian, a Edla, a Gabriela, a Graziele, a Luciane e outras tantas que aqui podem ser representadas. Palestrante há mais de 15 anos, enfermeira, pós-graduada em Obstetrícia e também em Sexologia, além de pós-graduanda em Terapia Sexual, Gabriela Dias é uma dessas mulheres que inspiram. Apresentadora de TV, criadora de conteúdo, influenciadora digital, empreendedora, consultora materna, membro do Grupo Mulheres pelo Brasil de Florianópolis e mãe de três, Gabriela acumula mais de 100 mil seguidores em suas redes sociais, onde fala sobre temas, em sua grande maioria, voltado para outras mulheres. Sua missão tem sido encorajar mulheres a viverem plenamente sua autoestima, saúde, sexualidade, relacionamentos saudáveis, maternidade, etc. Com informação técnica baseada na sua formação profissional e experiência, somada com bom humor e carisma, Gabriela aborda, em alto nível, temas relacionados à saúde, sexualidade, relacionamento, comunicação, motivação, valores da família e ética profissional. 24


“Sou uma mulher normal como qualquer outra e muito sonhadora. Encontrei nas redes sociais uma forma de ajudar muitas mulheres ao mesmo tempo. Demorei muito a entender o que é ser inspiração para outras mulheres. Acho que o fato de sempre ser eu, mostrar a vida real, é o que acaba inspirando as pessoas. Afinal, ninguém dá conta de tudo, e isso, mostro para as pessoas”

“Expire e Inspire-se” traz memórias A pandemia mexeu com muitas pessoas em vários sentidos. Projetos que antes não contavam com o imediato saíram do papel e ganharam vida. É o caso do livro “Expire e Inspire-se”, da delegada Vivian Selig. A obra era um sonho da autora, que foi acelerado pelo momento que estamos vivenciando com a covid-19.

“O livro já era um objetivo antigo. Sempre pensei em escrevê-lo, mas o advento da pandemia acelerou o projeto. Inicialmente, o título ‘Expire e Inspire-se’ foi pensado como um comportamento, de libertar-se de pensamentos negativos, preconceitos e crenças limitantes e inspirar-se em boas atitudes, pensamentos positivos e desafios. Aos poucos foi tomando forma no campo das ideias, fruto das inspirações e das reflexões dos últimos anos”, conta a autora.

Pelas posições que ocupa, Gabriela conta que já foi muito questionada. “Mas acredito que a forma com que a gente lida com tudo isso é que muda completamente a situação. Se eu ficar relutando com os julgamentos, a gente acaba não vivendo a nossa vida. Brinco que passei da fase de me preocupar com que as pessoas falam. A minha preocupação é com a minha família e com o que Deus está achando disso”, complementa.

A obra também fala sobre a energia feminina, a coragem da delegada e a sensibilidade de uma mãe. “O livro não é um autobiográfico completo. Ele é dividido em três eixos que se correlacionam durante a leitura, com reflexões sobre assuntos da contemporaneidade, com base em minhas histórias. Sempre pensei e almejei poder me fazer mais presente na vida das pessoas, pois uma fala constante a mim era: ‘você é inspiração, você me inspira’. E, portanto, por intermédio de um livro, consigo alcançar todos os públicos, especialmente as mulheres, de forma mais sensível e empática”, destaca Vivian. Com o nome “Expire e Inspire-se”, Vivian conta que o título da obra foi fruto da ansiedade e das reflexões que a pandemia causou. “Isso em mim e como em grande parte das pessoas, com a necessidade constante que temos de nos equilibrarmos para mantermos a sanidade física e mental”, descreve.

Motivação para o dia a dia Sempre bem vestida, ditando tendência seja nas redes sociais ou por onde passa, Gabriela procura sempre valorizar a autoestima. “Me arrumo por mim e não por alguém. Faço questão de mostrar isso para outras mulheres. Gosto de me sentir bonita por mim mesma”, comenta, e completa ressaltando que suas maiores inspirações são as mulheres da sua família. Para as mulheres mais jovens, Gabriela deixa um recado. “Não se cobre tanto pelo que os outros vão falar. Siga seu coração, vá em busca dos seus sonhos. Seja você e não queira medir seus progressos com o de outras pessoas”, aconselha a influencer. 25


Especial

Representatividade feminina Com a obra, assim como em sua trajetória, Vivian conta que sente que representa outras mulheres. “Pelo menos ouço relatos constantes e diários desse sentimento das mulheres em face da minha pessoa como profissional, como mulher, esposa, mãe e amiga. Mas sempre foi algo muito natural, sem pretensões, por isso creio que seja tão real”, diz a autora. Vivian acredita deixar um legado como ser humano. “E como mulher será, justamente, servir de incentivo e inspiração, demonstrando, sempre com muito trabalho, transparência e dedicação, que tudo é possível para aquela que não desiste de seus objetivos”, completa. Atualmente, a delegada ocupa a cadeira de presidente da Associação dos Delegados de Polícia de Santa Catarina (Adepol-SC).

Contribuição para o desenvolvimento humano Da britânica Ada Lovelace, que no século 19 criou algoritmos que seriam base para os programas de computadores, sendo a primeira pessoa programadora do mundo, até as brasileiras Ester Cerdeira Sabino e Jaqueline Goes de Jesus, que fizeram parte da equipe que realizou o sequenciamento do genoma do coronavírus, a história está repleta de mulheres que contribuem para o desenvolvimento da humanidade por meio da pesquisa. Por muito tempo, o universo da ciência foi quase que exclusivamente masculino e até hoje a disparidade entre os gêneros na carreira e produção científicas é uma realidade. No entanto, há avanços em direção ao equilíbrio. Segundo o relatório “Jornada do Pesquisador pela Lente do Gênero”, da editora científica Elsevier, publicado em 2020, nos últimos 20 anos houve um crescimento na participação feminina em pesquisa.

Conforme o levantamento, atualmente há uma proporção de aproximadamente 0,8 mulher para cada homem que publica artigos no Brasil, o que significa que entre os cientistas, 44,25% são mulheres e 55,75% homens. O levantamento apontou ainda que, no mundo, a participação feminina na pesquisa científica passou de 29% para 38% em 20 anos. No país, o número inicial era de 35,3% no início dos anos 2000. A reitora da Unesc, Luciane Bisognin Ceretta, que também é professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (PPGSCol), avalia o cenário como de mudanças. “Os desafios são imensos, os mesmos vivenciados pelas mulheres em todos os campos das áreas profissionais. No entanto, o futuro sinaliza para a superação desta desigualdade e para o protagonismo das mulheres na pesquisa”, reforça Luciane.

“Aqui na Unesc as mulheres pesquisadoras representam um importante contingente da produção científica muito qualificada e este número está crescendo. Hoje elas estão presentes em todos os nossos programas de pesquisa, mestrados e doutorados”, complementa. 26


Exemplos para inspirar as novas gerações “Grandes descobertas científicas já foram e continuam sendo realizadas por mulheres. O reconhecimento delas por esses feitos leva ao conhecimento da sociedade em geral que as mulheres também podem ocupar lugares na ciência. Quanto mais a sociedade entende isso, mais mulheres passam a se interessar por ciência e saber que não é inalcançável estar nessa posição”. A afirmação é da professora doutora em Ciência e Engenharia de Materiais, Sabrina Arcaro. Ela leciona no Programa de Pós-Graduação em Ciências e Engenharia de Materiais (PPGCEM) da Unesc há dois anos, e considera fundamental que o interesse feminino pelo mundo científico cresça. Pesquisadora na área de biomateriais, materiais vítreos e vitrocerâmicos, processamento coloidal e síntese de nanoestruturas para diferentes aplicações, Sabrina caracteriza ciência como apaixonante.

“Entender algo tão complexo dentro da minha área de atuação, ter evidências, obter resultados, entender os fenômenos, ter a comprovação e ver as transformações é maravilhoso. Eu persigo todos os dias o sentimento de êxtase de ser alguém no mundo que descobriu algo novo. Isso é ciência! Isso é ser cientista!”, descreve Sabrina.

Há avanços, mas ainda muitos desafios pela frente dade diminui o ritmo de trabalho, o que é natural, e já reconhecido em outros países. No Brasil existe um movimento, ainda tímido, que reconhece essa questão e que já foi demonstrado em alguns editais de contratação”, diz a professora. Para a doutora em Ciências da Saúde, professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde (PPGCS) desde 2015, Gislaine Zilli Réus, o trabalho na pesquisa vai além do ambiente de laboratório. Ela desenvolve estudos translacionais envolvidos nos aspectos neurobiológicos associados com a fisiopatologia do transtorno depressivo maior e a investigação de novas estratégias terapêuticas para o transtorno.

A doutora em Ciências Farmacêuticas Patrícia de Aguiar Amaral é professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde (PPGCA) e está na Universidade há 19 anos. Ela lembra a importância da luta das mulheres pelo reconhecimento de seu trabalho e considera que ainda há obstáculos a serem superados. Dentre as dificuldades, Patrícia aponta situações como participação em colaborações nacionais e internacionais e continuar avançando no reconhecimento igualitário de gênero no que tange à competência científica, mas reconhecer que a maternidade deve ser respeitada como um momento importante da vida da mulher. “Esta janela de tempo relacionada à materni-

“Uma cientista nunca para e o mais incrível é que ela está ali verdadeiramente por amor. Você observa ela falar com entusiasmo sobre cada um de seus achados”, afirma Gislaine. “É importante incentivar as meninas desde a infância para que saibam do poder da ciência, do poder de estudar e de pesquisar para termos futuras grandes cientistas no Brasil e no mundo”, complementa.

27


Especial

Sem medo de se arriscar Enquanto para muitos a casa dos 30 e poucos anos é momento de já estar consolidado na carreira e na vida, para Edla Zim foi o tempo da virada. Aos 38 anos ingressou no curso superior de Relações Públicas e, logo em seguida, engatou a graduação em Publicidade e Propaganda. No mesmo tempo que cursava a pós-graduação de Gestão Empresarial e Recursos Humanos, cursou Administração.

Aos 52 anos, iniciei minha jornada como palestrante motivacional. Escolhi a área comportamental para dividir minhas experiências vividas”, revela Edla. Mãe de dois filhos com nanismo, Edla sempre foi apaixonada pelo mundo das histórias, e em 2018 entrou para a Associação das Jornalistas e Escritoras do Brasil, devido às crônicas escritas. Foi no mundo da literatura que Edla se encontrou ainda mais com seu propósito de vida. Um ano depois, no seu aniversário, lançou seu primeiro livro infantil “A Casa de Lata Quadrada”. E não parou mais. Em 2020, lançou seu segundo livro, destinado para os pequenos, intitulado “1,2,3,4,5, MIL Cadê Kadu?”. Menos de um ano depois, surge a terceira obra de sua autoria: “Sua Majestade Donna Locomotiva”. Apaixonada pelo universo da literatura infantil, desde que teve os filhos Caio e Marina, resolveu aprimorar sua narrativa matriculando-se em uma especialização de escrita criativa.

Novas aventuras e motivação Ainda para este ano, no bicentenário de Anita Garibaldi, Edla lançará seu primeiro livro destinado ao público juvenil, que se chamará: “O Livro de Anita”, baseado nas histórias escritas da heroína dos Dois Mundos. “Minha vida é constituída de grandes viradas. A maternidade, o retorno aos estudos, a aventura de uma nova profissão, e a mais recente neste mergulho, o mundo das letras”, analisa a escritora. “Minha trajetória como escritora é ainda muito pequena, mas eu sei que é isso que desejo seguir, fortemente, para minha vida. Escrever é sensacional e, ao mesmo tempo, uma grande emoção”, conta Edla. 28


Especial

Arquiteta leva trabalho para fora do país Formada em arquitetura e urbanismo, Graziele de Souza é também uma das mulheres que inspiram. Seus projetos seguem uma linha harmônica entre o clássico e contemporâneo, que mostram a sofisticação e bom gosto dessa profissional que conquista grandes feitos. O mais recente é sua participação na Bienal de Veneza. Grazi, como é carinhosamente conhecida, será a única catarinense que irá participar da exposição internacional de arte, que é realizada de dois em dois anos, desde 1895.

Me sinto honrada por ter recebido esse convite e por ter sido reconhecida pelo meu trabalho. Vou para conhecer outras pessoas. Me sinto privilegiada por ter tido essa oportunidade. É um momento único na minha vida e na vida da minha equipe. Sei o quanto é importante que as pessoas ao meu redor compartilhem dessa experiência. É um sentimento indescritível. Espero ansiosamente por esse momento”, fala a arquiteta. Sobre ser uma mulher inspiradora, Grazi diz que escuta muito das pessoas que está sempre disposta. “Acho que o que ouço me faz acreditar que sou inspiradora. Creio que essa condição de servir às pessoas é muito inspirador. Levamos algum tempo para enxergar essa maneira de entender e ser feliz. Pois, quando estamos à disposição do outro, também nos realizamos”, diz a profissional. Segundo Grazi, ela atua numa área em que as mulheres ainda são muito questionadas por sua competência. “Sempre procuro me colocar de igual para igual com as pessoas. Me coloco a escutar e para aprender. Muitas vezes, por exemplo, chego numa obra e sou questionada por um mestre de obras que atua há mais de 30 anos. Sempre procuro conversar e me coloco a ouvir. Não sou dona da verdade e estou sempre disposta a aprender”, reflete Grazi. 29


Especial

Mãos que levam esperança Um pedaço de tecido, uma tira de papel, tinta por cima, cola do lado, alguns botões, linhas na agulha, e assim, numa cadência generosa, surgem capas dos “Cadernos Fraternos”. Esse é o nome de mais uma das ações da rede de voluntários da organização humanitária Fraternidade Sem Fronteiras (FSF). Por meio de pessoas voluntárias de todo o Brasil, e também de outros países, capas são feitas e decoradas para revestirem cadernos escolares que serão distribuídos nos projetos da ONG Fraternidade Sem Fronteiras na África e também em projetos educativos e de relevância social do Brasil. Com a pandemia, percebeu-se que o caderno poderia ser um bom companheiro não só para crianças

e adolescentes, mas também para pacientes, profissionais da saúde e idosos. Então, os cadernos foram distribuídos em hospitais, casas de repouso e clínicas psiquiátricas, o que fez com que o objeto se transformasse em um companheiro de jornada, onde sentimentos e memórias pudessem ser escritos. Em Tubarão, o projeto é coordenado pela voluntária Deize Regina Rocha. “Cadernos Fraternos é uma ação que tem tocado o coração de muitas pessoas, primeiro pela sua simplicidade, e em segundo, pelo tanto de amorosidade que tem dado um novo sentido a muitas vidas”, diz a voluntária. Para Deize, os Cadernos Fraternos têm possibilitado o despertar de muitos sentimentos e emoções.

Seja na confecção das capas, seja no momento do recebimento dos cadernos. O ato de parar, organizar, pensar, sentir e começar a fazer uma capa tem se mostrado como um impulso para que as pessoas desejem participar cada vez mais na construção de um mundo melhor e, assim, fiquem mais conectadas com a energia de amor, união e fraternidade”, diz.

Palavras que levam conforto Atualmente, segundo Deize, além dos desenhos, os cadernos vêm acompanhados de palavras. “Para que sentimentos positivos sejam espalhados em todos os lugares, não só para a criança que está recebendo, mas também para a pessoa que está ali naquele momento escrevendo a palavra, e assim ela se motive a espalhar mais e mais coisas boas ao seu redor”, afirma.

30


Entrevista

“A SOCIEDADE AINDA NÃO ENCARA BEM A SITUAÇÃO”

Na linha de frente da covid-19 há mais de um ano, o médico infectologista Rogério Sobroza de Mello acompanha de perto o dia a dia na luta contra a doença que assola o mundo. Professor na disciplina de Doenças Infecciosas e Emergentes, médico do setor de controle de infecções do Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC) e do Hospital Socimed, em Tubarão, Sobroza, como é conhecido, afirma que a sociedade ainda não sabe lidar com a situação imposta pelo isolamento social.

31


Entrevista

TUDO - Mais de um ano se passou desde que foi identificado o primeiro caso de covid-19 no Brasil. O senhor acha que a sociedade já aprendeu a lidar com a situação grave que vivemos?

TUDO - A chegada dos meses mais frios é uma preocupação para os especialistas? O que as autoridades recomendam para que não haja um surto de novos casos neste período?

SOBROZA - Apesar deste tempo todo convivendo com o risco, acredito que a sociedade ainda não encara bem a situação. Isso porque, além de haver pessoas cansadas do isolamento social e com baixa adesão às medidas preventivas, setores como o transporte público, o comércio, o entretenimento e a indústria ainda não se adaptaram totalmente à realidade. Além disso, o setor da educação, pelo grande número de pessoas envolvidas e pelo fato de lidar com crianças e jovens, é um grande desafio.

SOBROZA - Certamente. Vírus respiratórios costumam ter comportamento sazonal, com aumento de ocorrências no inverno. Como o isolamento social foi mais intenso em 2020, houve poucos casos de influenza e outros vírus respiratórios, o que nos faz crer que, neste ano, pela falta de imunidade coletiva, teremos mais ocorrências. Quando somamos isso à probabilidade elevada de novos picos de infecção pelo coronavírus, fica fácil perceber o possível impacto em nosso sistema de saúde. Como principais medidas protetivas, recomendamos que as pessoas com direito façam a vacinação completa contra o coronavírus, que aquelas que estão em grupos de risco também se vacinem contra o influenza e que, mesmo entre os vacinados, mantenham-se as medidas de isolamento social.

TUDO - No início da pandemia, imaginava-se que fôssemos viver tanto tempo em isolamento? Era algo que os profissionais de saúde esperavam ou discutiam? Como vocês da área avaliavam isso em 2020?

TUDO - Infelizmente o Brasil se tornou o epicentro da covid e suas variantes. Ao que o senhor atribui essa situação?

SOBROZA - A ideia no início da pandemia era de que, à medida que mais pessoas se contaminassem, fosse gerada uma imunidade coletiva da doença. Essa ideia foi frustrada ao se constatar que poderiam haver reinfecções e o vírus, por sua vez, tinha a possibilidade de sofrer mutações (variantes) que o deixariam mais resistente à imunidade natural.

SOBROZA - Em grande parte à falta de ação do poder público de realizar medidas mais efetivas de vigilância e de controle da pandemia. Levamos muito tempo para receber a informação sobre as novas variantes circulando nos estados e realizamos medidas de isolamento social pouco restritivas comparando a outros países. A fiscalização também foi branda e não houve grandes represálias àqueles que desrespeitaram as determinações do poder público. E, ainda, faltou um discurso das autoridades que deixasse clara a importância e o grau de isolamento social necessário para que fosse evitada a disseminação da doença.

TUDO - Vivemos várias ondas de pico do vírus. Por que, mesmo depois de tanto tempo com o coronavírus em circulação e a vacinação, ainda presenciamos tanta disseminação da doença em Santa Catarina? SOBROZA - Além do fato de Santa Catarina ser um estado com grande turismo e circulação de pessoas, a entrada de novas variantes do vírus também colaborou significativamente nestas taxas elevadas. As ações pouco restritivas do governo nos momentos mais críticos, e a falta de adesão de parcelas da sociedade às medidas que foram tomadas, foram também fatores decisivos na gravidade deste pico de ocorrência da doença.

TUDO - Muito se falou em medicamentos que pudessem prevenir a doença. Como infectologista, o senhor acha que isso foi uma tentativa de encontrar uma solução ou um erro que prejudicou vidas que estavam saudáveis? Qual sua opinião?

32


Entrevista

TUDO - Muitas pessoas ainda têm medo da vacinação. Qual recado o senhor, como infectologista, deixa para a sociedade sobre a eficácia dos imunizantes?

SOBROZA - Hoje já está bem claro que estes medicamentos do chamado ‘kit covid’ não funcionam como tratamento precoce. Mas ainda ouvimos este discurso que tira nossa atenção das ações que realmente deveriam estar sendo tomadas e que são cientificamente comprovadas. Já faz mais de seis meses que estes tratamentos ‘precoces’ são condenados pelas principais sociedades médicas de nosso país e pelos principais órgãos internacionais de controle de doenças.

SOBROZA - Nenhum medicamento é 100% livre de efeitos adversos. Vacinas que já utilizamos, como a da febre amarela e a do sarampo, podem causar efeitos graves. Porém, apenas em uma quantidade muito pequena de pessoas. Assim, a chance de uma pessoa sofrer de trombose a partir da vacina para covid-19 é centenas de vezes menor do que a de sofrer um evento de trombose causado pela própria doença. Isso sem considerar a chance de morte por insuficiência respiratória. Desta forma, recomendo que as pessoas se vacinem assim que tiverem a vacina disponível para sua faixa etária.

TUDO - Mesmo passado mais de um ano de pandemia seguimos com o uso de máscaras e mantendo o distanciamento. O senhor acha que esses protocolos ainda seguirão por muito tempo mesmo com a vacinação? Por quê? SOBROZA - Sim. Calcula-se que, para que haja um controle da transmissão na comunidade, 80% das pessoas necessitam estar imunes. Hoje uma pequena parte da população está vacinada e a eficácia das vacinas que estamos utilizando não é de 100%. Então, ainda utilizaremos máscaras e distanciamento como importantes barreiras protetoras por vários meses.

TUDO - Mesmo depois de tanto tempo convivendo com o vírus, o senhor pode descrever qual aprendizado que a pandemia deixou para o mundo? SOBROZA - Esta pandemia deve nos ensinar grandes lições, embora algumas delas estejamos apenas começando a aprender. Algumas são lições morais, como, por exemplo, o que realmente importa na nossa sociedade: a produção e o lucro ou as vidas humanas? O convívio social ou a empatia? Também nos ensina a empreender esforços conjuntos para resolver problemas; nos ensina o valor dos profissionais de saúde. O valor da verdade e dos meios de comunicação sérios. O quanto podemos colaborar mesmo sem estarmos próximos fisicamente. E, finalmente, nos ensina o quanto somos frágeis e suscetíveis às leis da biologia e da natureza.

TUDO - Seguimos ainda a passos lentos a vacinação no Brasil, enquanto em outros países a imunização já é feita em jovens. Numa avaliação diante da atual realidade, quando o senhor acha que vamos estar todos imunizados? O que é preciso para acelerar este processo? SOBROZA - Acredito que à medida que os outros países estiverem com taxas de imunização mais elevadas, a demanda por vacinas irá reduzir nestes locais, dando ao Brasil a oportunidade de imunizar a população. Por isso, a manutenção dos esforços na compra e aprovação de vacinas, além da participação nos esforços internacionais de controle da doença serão fundamentais. Mesmo que isso não ocorra, existe a produção nacional de vacinas que, embora dependente de insumos estrangeiros, tem aumentado sua capacidade de produção. Assim, acredito que até o início do ano que vem devemos ter a vacina disponível para todos.

TUDO - Para o futuro, podemos esperar mutações desse vírus ou que algo semelhante ao que vivenciamos com a covid-19 possa se repetir? SOBROZA - Certamente. Os coronavírus circulam entre os seres humanos e também na natureza. Em qualquer um destes ambientes podem surgir mutações que desencadeiem novas pandemias.

33


Saúde

CHECK-UP NA PANDEMIA REFORÇA IMPORTÂNCIA COM A SAÚDE Na Provida, o programa é realizado conforme a faixa etária e as possíveis complicações que possam surgir com a idade

enças e das preocupações em mantermos o organismo mais saudável”, avalia o clínico geral do Complexo Médico Provida, Peter da Silva Henrique. Para o médico, o check-up atua na prevenção e na descoberta de enfermidades antes mesmo delas se manifestarem. “Isso contribuindo para que mais cedo possa ser possível atuar no controle e no melhor prognóstico”, explica Peter. O médico destaca que o programa tem a função de diagnosticar doenças em seus estágios iniciais, como também observar e avaliar o estado de funcionamento do organismo como um todo, agindo, assim, na prevenção. “Como ocorre com a nossa atenção à manutenção de imóveis, automóveis e outros bens que consideramos de valor”, diz Peter.

Ser saudável não é apenas estar sem doenças. Conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), é estar em um estado de completo bem-estar físico, mental e social. Essa condição, diante da pandemia da covid-19, pode refletir diretamente no dia a dia das pessoas. Um forte aliado da prevenção é a realização de check-ups. “O Check-up Provida é um programa de avaliações com a realização de exames complementares, laboratoriais e de imagens, que mostram como está a saúde do corpo. Ele é dividido em um conjunto de exames conforme a faixa etária, que são de 20 a 40 anos, de 40 a 60 anos e de 60 anos em diante. Sendo que cada faixa etária corresponde a um programa baseado no que é mais comum na ocorrência de do34


Saúde

Cuidados na pandemia são ainda maiores Ser saudável não é apenas estar sem doenças. Conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), é estar em um estado de completo bem-estar físico, mental e social. Essa condição, diante da pandemia da covid-19, pode refletir diretamente no dia a dia das pessoas. Um forte aliado da prevenção é a realização de check-ups.

O Check-up Provida é um programa de avaliações com a realização de exames complementares, laboratoriais e de imagens, que mostram como está a saúde do corpo. Ele é dividido em um conjunto de exames conforme a faixa etária, que são de 20 a 40 anos, de 40 a 60 anos e de 60 anos em diante. Sendo que cada faixa etária corresponde a um programa baseado no que é mais comum na ocorrência de doenças e das preocupações em mantermos o organismo mais saudável”, avalia o clínico geral do Complexo Médico Provida, Peter da Silva Henrique. de diagnosticar doenças em seus estágios iniciais, como também observar e avaliar o estado de funcionamento do organismo como um todo, agindo, assim, na prevenção. “Como ocorre com a nossa atenção à manutenção de imóveis, automóveis e outros bens que consideramos de valor”, diz Peter.

Para o médico, o check-up atua na prevenção e na descoberta de enfermidades antes mesmo delas se manifestarem. “Isso contribuindo para que mais cedo possa ser possível atuar no controle e no melhor prognóstico”, explica Peter. O médico destaca que o programa tem a função

Saúde em dia, mais chances de melhoras O cardiologista do Complexo Médico Provida, Bruno Medeiros dos Santos, destaca que diante da disseminação do novo vírus é importante saber que, quem estiver melhor de saúde, também terá maiores chances de ter um quadro leve da doença. “Quem estiver com as comorbidades controladas, por exemplo, com a pressão controlada, diabetes compensada, com suas funções vitais bem equilibradas (sendo essas diagnosticadas e adequadamente tratadas), evita-se que o paciente desenvolva doenças e que também contraia a covid com manifestações mais sérias”, diz o médico. Ainda segundo Bruno, outro fator facilitador da saúde é a prática de alguma atividade física regular.

Essa pessoa tem um condicionamento melhor e também apresenta melhores chances de desenvolver o coronavírus de forma mais branda. Além disso, com a realização do check-up, os médicos, diante dos diagnósticos, contribuem com orientações de prevenção e de saúde, estando ou não em uma pandemia”, completa Bruno. 35


Saúde

Prevenção é o melhor caminho rentes. Por isso, a importância de fazer um acompanhamento médico é constante. Os principais exames do check-up são:

Nem sempre o corpo envia sinais de que não está tão bem assim quanto parece. Muitas doenças são assintomáticas, ou seja, não apresentam sintomas apa-

Hemograma – exame de sangue que avalia o estoque de células vermelhas e brancas Colesterol e glicemia – exames que analisam a concentração de gorduras e açúcar na circulação sanguínea Eletrocardiograma – exame que avalia o risco cardiovascular através do uso de eletrodos Ultrassom – exame de imagem que avalia órgãos e tecidos do corpo Mamografia – exame de imagem que avalia a condição das glândulas mamárias

importante lembrar que o médico irá avaliar a necessidade de outros exames mais específicos para cada paciente, podendo também encaminhá-lo para outro especialista.

Para qualquer tipo de enfermidade, o tratamento é mais eficaz e tem maior chance de sucesso quando começa cedo. Por isso, prevenir é sempre a melhor escolha. É

Histórico familiar Conhecer o histórico de saúde familiar é o primeiro passo para a prevenção e a detecção antecipada de doenças. Pessoas que possuem casos na família de doenças cardiovasculares, câncer e diabetes, por exemplo, podem ter maior chance de também desenvolverem essas enfermidades. Nesses casos, a avaliação deve começar cedo, e a realização do check-up uma vez por ano é de extrema importância.

36


37


Construção civil

CHEGADA DO FRIO INSPIRA COMPOSIÇÕES Objetos selecionados para compor ambientes auxiliam na hora de deixar a casa mais intimista

mais aconchego e de ficar mais tempo dentro de casa. Portanto, a aposta é da sensação de “ninho” ao misturar elementos rústicos com o moderno. A mistura de texturas com a paleta de cores acinzentada e terrosa trazem essa vibe de acolhimento tão necessária neste período. Super em alta, os tons terrosos, com pitadas de vermelho e laranja, estão com tudo em 2021. E, para esta época do ano, essas cores são o convite perfeito para criar uma sensação de pertencimento ao lar. Além disso, profissionais da área destacam sobre os itens decorativos. Peças desenhadas à mão trazem elegância e personalidade aos ambientes. Peças cerâmicas, que misturam tons da natureza com linhas orgânicas, fizeram sucesso, por exemplo, na casa do Big Brother Brasil.

Estamos nos meses mais frios do ano. É hora de receber com alegria uma paleta de cores mais romântica e intimista, com tons alaranjados que garantem aquele pôr do sol de tirar o fôlego. Afinal, independente do que está rolando mundo afora, a natureza segue o seu ciclo. Para nós, que vivemos na região Sul e temos o privilégio de termos estações bem marcadas e características, esse acaba sendo um alento, demonstrando que a vida continua, dia após dia, mesmo em meio às incertezas e períodos de isolamento social. Algumas dicas práticas e ideias de como deixar sua casa mais aconchegante para essa época são essenciais. Dentre os itens que devem ser avaliados, a prioridade são os interiores. O outono, com seus dias mais curtos, traz consigo uma vontade imensa de se ter

38


Construção civil

Texturas e mais intimidade com as peças A tendência escandinava fala sobre a importância do minimalismo. O movimento prega escolhas simples, mas nada simplórias. Para alcançar esse aconchego sem pesar no visual, a aposta é em um bom design, daqueles desenhados para surpreender sem perder a sutileza. Além disso, a aposta é para as texturas. É hora de escolher peseiras, mantas e tricôs para espalhar pela casa. Na cama isso se torna ainda mais importante, afinal dormir bem é fundamental para mantermos a saúde e bem-estar em dia. A mistura dos tons de madeira, como a palhinha e o enxoval com pegada de férias, tornam as chances de não querer nem levantar da cama enormes. Almofadas por todos os cantos também são bem-vindas. Elas podem vir em diversos tamanhos e texturas. Tricôs, veludos, pelinhos e estampas são itens obrigatórios quando o assunto é comodidade e estilo. Até mesmo na varanda elas são bem-vindas. E, para finalizar, é claro que não se pode Texturas e mais intimidade com as peças esquecer dos tapetes e carpetes. Cada vez mais tecnológicos e assumindo formatos inusitados, eles estão com tudo, até mesmo nos ambientes corporativos. Mais uma vez, é a mescla de textura e paleta de cores, além das formas orgânicas, que dão bossa para o espaço.

39


CONCESSIONÁRIA DE ÁGUA E ESGOTO ENTREGA RELATÓRIO COM AS REALIZAÇÕES DE 2020 A Tubarão Saneamento nasceu em 2012 com o propósito de ser uma das melhores empresas de saneamento para o Brasil. Desde então, a atuação no município de Tubarão registra índices históricos quando o assunto é saúde e meio ambiente. Para comprovar o trabalho realizado, além dos documentos obrigatórios, a Concessionária prepara, anualmente, um Relatório de Atividades, que é entregue ao Poder Concedente, Agência Reguladora, órgãos ambientais, colaboradores e outros públicos. A distribuição da versão 2020 também está disponível online. Para se ter uma ideia da atuação da companhia, em todos esses anos, a Tubarão Saneamento já investiu mais de R$ 118 milhões, em recursos próprios, no município. Só em 2020 foram aproximadamente R$ 20 milhões em obras de melhorias e expansão do Sistema de Abastecimento de Água e Sistema de Esgotamento Sanitário. Para os próximos cinco anos, estão previstos mais de R$ 160 milhões para a Cidade Azul.

Com pouco mais de um ano em operação, 23,2% da população urbana do município de Tubarão já é atendida com o serviço de coleta, tratamento e destinação de esgoto, além de 100% de cobertura de água na área urbana, índice registrado já nos primeiros anos de atuação. “Nosso sucesso é resultado do profissionalismo e da dedicação dos mais de 100 colaboradores que trabalham na Concessionária. Para possibilitar o crescimento de uma empresa moderna e orientada à inovação, estamos desenvolvendo uma cultura organizacional baseada no protagonismo de cada colaborador e em seu papel de transformação em todos os âmbitos”, revela o diretor, Wagner Souza. De leitura leve, ilustrado com fotos dos trabalhos realizados, o Relatório de Atividades reúne informações sobre os principais investimentos do período, andamento de obras, ações sociais, iniciativas inovadoras, como a empresa tem enfrentado a pandemia, entre outras iniciativas que compõem a rotina da Concessionária.

A versão online está disponível no link: https://tubaraosaneamento.com.br/campanhas 40


Ambientes

COZINHA GANHA DESTAQUE NO ISOLAMENTO SOCIAL

Projeto do arquiteto Gabriel Bordin traz enfoque para o coração das residências na atual realidade

41


Ambientes

42


Ambientes

Contabilizadas as mudanças provocadas pela pandemia, entre quatro paredes, até agora revelam que a cozinha voltou a bater forte como coração da morada. Uma pesquisa da startup Loft revela que 46% das pessoas entrevistadas assumiram as panelas de casa e reconhecem a importância do cômodo na rotina. O arquiteto catarinense Gabriel Bordin, do Studio Gabriel Bordin, também acredita que o comportamento foi impactado pelas medidas necessárias de saúde e segurança. “A cozinha está com mais protagonismo nos lares. Muita gente, que antes não tinha familiaridade com esta área da casa, teve que criar uma relação de uma forma ou outra”, conta o profissional.

Ênfase à integração “Damos ênfase à linha de cozinha, novas cubas, acessórios. Vamos nos apropriar muito da integração dela com o espaço como um todo, a cozinha como extensão da sala, usando as peças da marca inseridas em uma grande ilha de pedra com formato orgânico. Trabalhamos com elementos naturais trazendo o movimento, fluidez e vida da água ao ambiente”, complementa. 43


Ambientes

Minimalismo Conduzido pela temática que permeia e costura todas as mostras de norte a sul do país, a “Casa Original” convida a revisar e revisitar o conceito. Gabriel encara, mais do que nunca, a morada como abrigo seguro e lugar de permanência. A relação do morador com a morada nem sempre foi assim. 44


Ambientes

Casa original “Acredito que em meio a toda essa loucura que estamos vivendo, a casa voltou a ter uma essência que para muitos estava perdida, como um local de segurança, de abrigo e de permanência. A correria da vida moderna fazia com que muitas moradas tivessem uma conotação quase que de mera base de apoio entre rotina agitada, trabalho e viagens. A casa original volta a ser o foco do seu morador, onde o conforto funcional e estético se reflete em qualidade de vida. Mais do que nunca, abundância de luz, ventilação e organização espacial são sinônimos de bem morar”, argumenta o arquiteto. 45


Ambientes

Espaços poéticos A estética e poética nipônica também são referências utilizadas pelo profissional para criar um espaço de experiência cinestésica, aliando um certo ar de mistério e minimalismo.

O profissional Arquiteto e urbanista formado pela Universidade do Sul de Santa Catarina (2013). No período de 2010 a 2011, durante sua graduação, estudou na Universita’ degli Studi di Firenze Facolta’ - Architettura. Em 2014 cursou YArch pela University of Illinois at Chicago. Participou do 10º Seminário de Feng Shui em Tiradentes, Minas Gerais. 46


CLÁSSICO E FUNCIONAL DÃO FORMA A LIVING INTEGRADO

47

Ambientes

Espaço em São José traz espaço que busca integração entre ambientes de apartamento


Ambientes

Uma bela vista da região do bairro Serraria, em São José, e as paredes estruturais foi o que restou da planta original do apartamento de 137 metros quadrados, projetado pela arquiteta Franciele Fantini, da DuoTraço Arquitetura. Todo o restante veio abaixo para dar lugar a um novo layout, com uma área social muito mais ampla. A intenção era criar espaços integrados, sem paredes, para formar uma aconchegante área de convívio para um casal e suas duas filhas. O living, que conta com sala de jantar, estar, varanda gourmet, churrasqueira e cozinha, foi ambientado com mobiliário solto da Masotti Floripa. Para dar vida aos ambientes, a arquiteta optou por referências clássicas com pitadas contemporâneas. “Apesar da escolha dos objetos ter sido feita com a participação dos moradores, dando a eles o sentimento de pertencimento ao novo lar, o resultado foi uma grande surpresa para a família”, explica a arquiteta. 48


Ambientes

Living clássico e atemporal O living dá as boas-vindas a quem entra com uma área de estar e jantar em cores neutras e equilibradas texturas. 49


Ambientes

Sala de jantar traz conforto A sala de jantar recebeu a mesa Platinum com vidro preto e pés em couro croco, além de poltronas cinzas. Já a sala de estar ganhou conforto com o sofá Recreio e uma parede espelhada que acomoda a televisão. Mesas de centro trazem bossa e apoio para quem ali relaxa, além de acomodar o verde que traz a natureza para dentro do espaço.

50


Ambientes

Churrasqueira personalizada Uma das áreas que mais se destaca no living é a churrasqueira, que foi revestida em quartzo vermelho e também recebeu um aparador da mesma cor. O motivo? A paixão do pai pelo time do seu coração, o Internacional. No espaço, onde fica a geladeira plotada com o brasão do Inter, todo o layout foi pensado de maneira que seja possível fazer o churrasco e conferir os lances na televisão, tornando a experiência de acompanhar os jogos muito mais fácil e confortável.

Varanda contempla belezas A varanda gourmet conta com a mesa bistrô Masotti e poltronas Liz, que receberam acabamento em preto, permitindo que se curta uma boa taça de vinho enquanto se contempla as belezas de Floripa. A área ainda abriga uma dupla de poltronas giratórias Canela, que acomodam com conforto quem deseja curtir a vista, ler ou relaxar.

51


Ambientes

Interação Para finalizar, a cozinha recebeu marcenaria em tons de cinza, eletrodomésticos com acabamento em inox e uma península que divide o espaço com a sala de estar. Esta distribuição facilita a interação, mesmo que os moradores estejam fazendo coisas distintas. Tudo muito funcional e prático. As escolhas equilibradas, junto à vista deslumbrante do imóvel, certamente promovem uma gostosa interação, fazendo do living um verdadeiro hub de diversão e descompressão. Nada mal para tempos em que o recomendado é mesmo ficar dentro de casa.

A profissional Franciele Fantini é arquiteta e urbanista formada pela Universidade Federal de Santa Catarina. Atuando no mercado de interiores desde 2006, possui vasta experiência em reformas residenciais de grande porte, consultorias de Iluminação e projetos comerciais. Há dez anos comanda seu próprio escritório, o DuoTraço Arquitetura e divide sua agenda profissional entre os atendimentos aos clientes, as visitas às obras e disciplinas nos cursos de graduação em Arquitetura e Design de Interiores.

52


53


Cultura

ARTE MUDA FORMA DE LIDAR COM O ISOLAMENTO Através de trabalhos manuais, as primas Jéssica e Samara Librelato se reconectaram diante do atual cenário

Talvez não seja a primeira vez que você esteja lendo sobre isso, ou talvez, não tenha percebido que muitas pessoas se reinventaram e buscaram formas de vencer as barreiras impostas pelo isolamento social. Dentre as saídas, as primas Jéssica e Samara Librelato encontraram nos trabalhos manuais uma forma de se reconectarem com ‘seu eu’ e também uma maneira de expressar o que estavam sentindo. Publicitária, Jéssica, de 28 anos, diz que pandemia foi ainda mais difícil com a perda de seu pai.

Depois dos primeiros meses de pandemia, e após o falecimento do meu pai, retomei a pintura em roupas como forma de terapia. Era algo que me fazia fugir um pouquinho da realidade, me trazia calma. Isso também incentivou a minha mãe e a minha irmã a olharem mais para este lado também. A mãe retomou o crochê e a minha irmã começou a dançar. Foi uma forma de tentar nos conectarmos e deixar aquele momento um pouco menos doloroso”, relembra Jéssica. 54


Cultura

FOTOS: CERVEJARIA CAMBIRELA/DIVULGAÇÃO/REVISTA TUDO

A jovem conta que desde pequena sempre se identificou com as atividades artísticas e manuais. Desenho, pintura, dança e escrita são os principais. “Tanto é que trabalho com planejamento e criação de conteúdo, que envolve estratégia e criatividade voltada para o marketing. Sempre foi onde me destaquei. Mas com o trabalho, existe a pressão constante por resultado, o que é normal, mas em alguns momentos não é tão prazeroso”, diz. Com a prima Samara, Jéssica já tinha um projeto de reaproveitamento de peças usadas através de customização com pintura, que precisou, no início da pandemia, dar um tempo.

Com o passar dos meses, resolvemos retomar o projeto. A Samara usou a habilidade em desenho e pintura e começou a fazer arte nas paredes da casa dela. Retomamos como forma de terapia. Com isso, as pessoas começaram a ver e pedir encomendas. De roupas até desenhos nas paredes”, comenta Jéssica.

55


Cultura

Hobby se tornou realização Para Jéssica, os trabalhos manuais durante a pandemia começaram de forma despretensiosa. “Mas impactou muito as pessoas e a mim. Acreditamos que elas viram na arte uma forma de tornar suas roupas e seus ambientes com mais vida e personalidade. Algo que, com o momento que estamos vivendo, se torna essencial para dar um pouco mais de alegria aos dias. Nós amamos fazer arte. É algo que nos traz mais vida, mais paz e realização”, fala. E o que era um hobby se tornou realização. Com o passar o tempo, as pessoas passaram a pedir para as jovens realizarem pinturas.

Temos bastante pedidos e só não conseguimos atender todos por conta das restrições da pandemia e também do tempo. É uma atividade que conciliamos com as nossas atividades principais. Mas é algo que temos colocado muito amor, pois nos faz bem e as pessoas ficam muito realizadas quando veem o resultado da arte em suas casas, por exemplo”, afirma. Além da habilidade com pintura, Jéssica também passou a fazer crochê e estudar tarô. “A Samara faz desenhos realistas e aquarelas. Esse tempo tem sido difícil em alguns aspectos, mas tem trazido à tona muito potencial criativo que temos aproveitado, tanto para fazer uma renda extra, quanto para nos reconectarmos conosco, como autoconhecimento”, reflete.

Jéssica conta que recentemente ela e Samara pintaram uma parede de uma casa para uma família que chamou a atenção das duas. “Aquela parede representa um marco na vida deles, com frases e desenhos que irão olhar todos os dias e se identificarem. Onde irão receber amigos e criar memórias. É muito gratificante para nós saber que tem um pouquinho de nós em tantas histórias”, relembra.

56


Viajar

TURISMO DE ISOLAMENTO SE TORNA REFÚGIO Casal procura locais onde possam conhecer e se divertir, sem colocar saúde em risco

57


Viajar

compartilham, dentre tantas aventuras, o amor pelas viagens. Há cerca de dois anos eles dividem na internet, através do @duasmalaseumdestino, como, onde e quais os atrativos para fugir nas horas vagas através das viagens. Contudo, durante a pandemia, precisaram se reinventar e encontraram no turismo de isolamento uma forma de seguir conhecendo lugares por Santa Catarina.

Desde o início da pandemia temos vivido dias de incertezas e foi preciso se adaptar a essa nova realidade. Dentre as opções de lazer, viajar foi uma atividade que ficou por muito tempo fora de questão. Aos poucos, os amantes das aventuras fora de casa foram encontrando caminhos para retomar as andanças por lugares diferentes. Uma das opções foi o turismo de isolamento. Recém-casados, Camila Locks e Aloísio Cechinel

Acreditamos que não dá pra ‘parar o mundo’ à espera de que tudo isso passe. Ainda estamos aprendendo a conviver com o vírus e acreditamos que assim vai ser por mais longos meses. Enquanto isso, procuramos maneiras de viajar sem colocar em risco a nossa vida e a vida de outras pessoas, pois precisamos ter em mente que o turismo sustenta milhões de pessoas no mundo todo. Então, na nossa opinião, é certo e devemos viajar sim, mesmo nesse momento difícil. Claro que sempre tomando todos os cuidados necessários”, comenta Camila. 58


Viajar

Espaços mais isolados são opção com outras pessoas, ter maior aproximação com a natureza, tomar um ar, mudar de ambiente e se desligar de todas essas notícias ruins!”, diz Camila. E assim tem sido as últimas viagens do casal. “Temos procurado nos hospedar em chalézinhos, sítios e pousadas pequenas aqui pela região Sul e a experiência tem sido incrível. Estamos adorando passar esse momento mais próximos da natureza. Além de estar em locais mais reservados, o casal também sugere passeios mais próximos, como, por exemplo, a Serra Catarinense.

De acordo com Aloísio, assim como todo mundo, eles não veem a hora de voltar ao normal. “E poder voltar a botar o pé na estrada de verdade. Mas, enquanto isso não acontece, temos procurado conhecer diferentes locais perto de onde moramos. Uma coisa é certa: o mercado do turismo vem sofrendo e grandes mudanças aconteceram desde então, e com tudo isso, surgiu um novo conceito de viagem: o turismo de isolamento”, fala. O casal conta que esse novo tipo de viagem cresceu nos últimos meses. “A ideia é não se hospedar em grandes hotéis e evitar ao máximo o contato

Queremos encorajar você que não quer viajar para alguma cidade vizinha porque ‘é aqui do lado’, ‘não tem graça’, ‘para outro país é mais chique’. Viajando pela sua região a viagem pode ser feita em um fim de semana, muitas vezes sai mais em conta e ainda ajuda a economia do seu Estado! Todos saem ganhando’, reflete o casal.

59


Turismo

CIDADE VALORIZA ROTEIRO TURÍSTICO Conhecida pelas águas termais, Gravatal investe em melhorias para a cidade receber visitantes

go Deodato Pereira, tudo foi feito para que os visitantes, ao procurarem o comércio, além de encontrar preços acessíveis, pudessem desfrutar de momentos de descontração e levar belas imagens de Gravatal. “Foram ações que deram resultado e estamos buscando novidades que serão divulgadas para o segundo semestre”, fala. A ação é uma realização da prefeitura de Gravatal, através da Secretaria de Turismo, em parceria com o Conselho Municipal de Turismo. “Atuamos no sentido de fortalecer as ações necessárias para que esse movimento aconteça de forma responsável, e também articulamos a conscientização do comércio e setor hoteleiro, turistas e visitantes, para mantermos a população protegida e o turismo aquecido” explica o presidente do Comtur, Giovani Rodrigues.

Nos últimos anos, Gravatal vem fortalecendo as decorações temáticas em datas festivas, para proporcionar novas experiências a turistas e visitantes. Este ano, devido à pandemia, a ideia foi oferecer cenários diferentes e temáticos. Nesses espaços, é possível registrar a passagem do visitante sem risco de contaminação pelo coronavírus. Na Páscoa, coelhos decorativos foram espalhados ao longo da avenida Pedro Zapelini, local onde se concentra o comércio de Termas. Pensando na segurança sanitária, os enfeites foram instalados em pontos estratégicos, com recortes abertos e amplos, para que os visitantes e a população não encostassem nas peças. No Dia das Mães, não foi diferente. Os mesmos espaços foram decorados com o tema. Segundo o secretário de Turismo da cidade, Thia-

60


Turismo

Águas Termais são a principal atração Em Gravatal, a principal atração é a água termal. A cidade é conhecida por suas belezas naturais e turistas procuram os hotéis para o uso terapêutico dos mananciais. A balneoterapia ou imersão, que é a mais tradicional, além de terapias como hidropínico, inaloterapia e emanoterapia. Abastecidas com água termal, as piscinas externas e cobertas se tornaram atração à parte na infraestrutura hoteleira. São opções para o ano todo e fazem parte da programação de lazer interna dos hotéis. Entre as melhores águas do mundo para consumo, Gravatal foi premiada duas vezes consecutivas na Feira Internacional de Turismo Termal (Termatália). A água verte de uma fenda rochosa de aproximadamente 6,7 metros de profundidade e absorve propriedades incríveis até imergir na superfície a 36,7%.

Comércio e gastronomia dão toque especial O município ainda tem dois atrativos para os turistas: comércio e gastronomia. A confecção própria é o diferencial e o comércio é um verdadeiro shopping a céu aberto. São mais de 150 lojas, outlets, confecção própria e centros comerciais que são oferecidos aos visitantes da cidade. Além disso, nas trocas de estação ocorrem os festivais de compras, onde as lojas liquidam as peças da estação anterior e os descontos chegam até a 70%. A gastronomia, por sua vez, é um “prato cheio”. Os restaurantes locais são ótimas opções para completar os passeios na cidade, inclusive, em vésperas de feriados e datas especiais.

Diversos lugares para visitar Além do atrativo principal, que é a água termal, Gravatal ainda tem uma vasta lista de lugares que podem ser visitados por turistas, tudo em meio à natureza. Mirante, trilhas e cachoeiras fazem parte das belezas. O Mirante Tataywarê, com uma vista privilegiada, é um dos locais mais procurados pelos visitantes e o monumento homenageia a bromélia gravatá, que dá nome à cidade. Além da bela paisagem da comunidade rural de São Miguel e verde intenso do Vale, o local apresenta uma plataforma para admirar a vista panorâmica. O mirante está a 3,5 km de distância das Termas de Gravatal. 61


Universo Pet

“PETERNIDADE”:

animais de estimação conquistam espaço especial Famílias ainda sem crianças veem seus pets como filhos e contam sobre amor dedicado a eles

des, ambos com 30 anos. Sem filhos, o casal tem atualmente três pets: a Fofinha, uma cadela da raça Chow Chow, e o casal da raça Husky, Arthas e a Nyssa. Fofinha foi a primeira a chegar. “Ela foi presente de namoro meu para a Karine. Hoje ela tem nove anos. Depois, no ano passado, a Karine ficou com vontade de ter um cão de porte maior. Era para ser apenas um, o macho chamado Arthas. Mas a Nyssa a conquistou durante as visitas aos filhotes”, revela Fernando. Além do casal, o trio conquistou familiares e amigos de Fernando e Karine.

No nosso círculo familiar e de amigos, os três são muito queridos e o tratamento é muito parecido entre todos. Carinhos, brincadeiras e atenção são rotina. Todos prezam muito o conforto e segurança deles, especialmente da Fofinha pela limitação dela (está cega) e o fato de que não existe nome melhor para representar o comportamento dela com as pessoas”, revela o casal.

Independentemente de passar a ter uma criança na casa nos próximos anos. Nossos três pets estão ali nos momentos bons e ruins. Demonstram empatia nas situações e promovem a alegria na rotina. Se deixarmos, a Nyssa literalmente empurra a cadeira e senta à mesa. Somos responsáveis pelo bem-estar dos três.

E no que depender de Fernando e Karine a família pet pode aumentar. “O Fernando sempre disse que depois da Fofinha não teria outro. Aí vieram o Arthas e a Nyssa e não se desgruda deles. Hoje acho que não temos essa restrição limitada. Não estamos procurando outro pet para nossas vidas no momento, mas uns meses atrás o Fernando quase pegou outro filhote de Husky, irmão da Nyssa e do Arthas, mas de uma ninhada mais recente. Então vai saber, né?”, brinca Karine.

Eles já não são mais simples donos de cachorros. Hoje, muitos que trazem animais de estimação para seus lares preferem chamar seus xodós de filhos. Os pets conquistaram um espaço especial nas famílias e ocupam, na grande maioria, local privilegiado numa relação construída com amor e muito carinho. E já se foi o tempo em que cães e gatos viviam somente no quintal das casas. Atualmente, alguns deles até invadem as cadeiras à mesa de seus tutores. É o caso dos cães dos empresários Fernando Silva e Karine Men-

Tratamento com o trio Pelo amor ao trio, Fernando e Karine não medem esforços nos cuidados com seus “filhos” pets. “As pessoas que não possuem pet, ou que não estão acostumadas a ter um pet inserido na rotina da casa como os nossos estão, nem sempre concordam com situações como alguns gastos, ou levar eles juntos para alguns locais, sendo que eles exigem nossa atenção quando estão com a gente”, fala Karine. Para o casal, o trio é parte da família.

62


Mundo Novo

Logística e dia a dia com os pets Se com os filhos os pais precisam de organização, com os pets não é diferente. “Temos uma atenção especial com a Fofinha. Ela ficou cega em 2020 ao sofrer com glaucoma. Ela fica dentro de casa conosco e temos que constantemente levar ela no pátio para que faça as necessidades. Ela sempre foi muito comportada e, como já é mais velhinha, dorme a maior parte do dia. Como não tem mais a visão, ela tem muito receio dos Huskies fazerem algo e rosna e

tenta morder eles como prevenção de alguma coisa possível. Por isso, na grande maioria das vezes, precisamos manter supervisão ou separar eles dela. Fora isso, é tranquilo”, diz Karine. Já com os lobinhos Arthas e Nyssa a logística já é mais agitada. “Eles são extremamente cheios de energia e bagunçam muito. Tudo é ou se transforma em brincadeira. São animais carinhosos e muito companheiros. A Nyssa é um grude com a Karine. Hoje eles frequentam um espaço

para socialização com outros cães e adestramento, isso ajuda a queimar bastante energia na semana. Nos outros dias fazemos algumas atividades com eles como caminhar, correr, brincar e nadar. Eles vivem soltos no pátio, com bastante espaço, e isso facilita, pois brincam muito entre eles. Alguns dias tiram cochilos dentro de casa enquanto trabalhamos”, revela Fernando. Porém, para sair de casa com o trio, a organização é redobrada.

Há um checklist e uma mochila preparada. Coleira ou peitoral e guia. Alguns petiscos, saquinhos para juntar a sujeira e toalhas, porque os huskies não podem ver uma água que dão um jeito de nadar. Para o carro, capa para evitar sujar muito o banco e cinto de segurança pet”, comenta Fernando.

Alegria marca convívio diário Companheirismo é a palavra que descreve esse convívio dos cães com seus tutores. “Além do carinho e as coisas que eles fazem na rotina que demonstram a personalidade de cada um. São completamente diferentes nesse sentido, mesmo com dois sendo da mesma raça e ainda mais irmãos da mesma

ninhada. É muito legal ver essa personalidade na forma como eles interagem com a gente e entre eles”, fala Fernando. Dentre as estripulias, o casal de lobinhos é o que mais apronta, segundo o casal. “A Fofinha nunca foi de aprontar, mas os lobinhos, com toda a certeza, são cheios de sur-

Tenha paciência, seja responsável e respeite o pet. O que eles buscam é carinho, proximidade e convívio com a gente. Estude as particularidades da raça ou do tipo de animal que você está adotando ou adquirindo. Trabalhe em torno disso e o que precisa ser melhorado na sua rotina. Não adianta ter uma raça dependente e cheia de energia se você fica fora de casa o dia inteiro. Vai rolar tédio e destruição de móveis, sapatos, tapetes etc. Você vai acabar punindo o pet por algo que não é exatamente culpa dele e vai causar estresse para os dois lados. 63

presa. A pior bagunça já feita pelos dois foi comer e arrancar o registro d’água (relógio) e ficarem correndo do Fernando com o registro na boca como se fosse uma brincadeira”, conta Karine. Apaixonados por seu trio, o casal aconselha quem quer adotar um animal de estimação.


Mundo Novo

Inovações Tecnologia Facilidades

>> Yahoo Respostas é desativado O Yahoo Respostas foi desativado após 16 anos tirando as dúvidas mais diversas. Desde 20 de abril, a plataforma só estava disponível no modo leitura, sem permitir mais perguntas e respostas. Ao acessar o endereço do serviço “https://br.answers.yahoo.com”, o usuário é redirecionado para a página do comunicado. Quando o Yahoo anunciou a mudança no início do mês passado, a empresa afirmou que “não haverá alterações em outras propriedades ou serviços ou em sua conta do Yahoo”.

Salão usa tecnologia para prever o visual A Amazon abriu de um salão de cabeleireiro em Londres, no Reino Unido, que utiliza a tecnologia de realidade aumentada (AR, na sigla em inglês) para mostrar uma prévia de coloração no cabelo. Um tablet montado em uma parede utiliza câmera frontal para mostrar aos clientes os resultados em diferentes cores. A loja também irá testar uma tecnologia de “apontar e aprender”, na qual as pessoas poderão indicar um produto em que estão interessados para “saber mais informações e opções de compra”.

>> Inteligência artificial ‘ressuscita’ voz de cantor morto Kim Kwang-seok era um cantor famoso na Coreia do Sul quando morreu, em 1996. Mas recentemente ele foi ouvido cantando uma música que jamais gravou em um programa de TV do país. Como isso foi possível? A resposta está num software de inteligência artificial (IA) que foi treinado para aprender a voz de Kim. Primeiro, o programa aprendeu 20 das músicas do artista, além de captar o jeito que ele falava. Depois, treinou a voz em mais de 700 músicas.

>> Apple supera vendas de iPhones e computadores A Apple divulgou um resultado acima do esperado para o primeiro trimestre deste ano. As vendas da companhia na China quase dobraram e os resultados superaram as previsões de analistas em todas as categorias de produtos. As vendas de iPhones ficaram US$

6,5 bilhões acima do previsto e as de computadores Mac foram cerca de um terço maiores que o esperado. Os resultados vieram apesar da crise global de fornecimento de semicondutores, que atingiu montadoras de veículos, mas parecer ter deixado a Apple ilesa. 64


Mundo Novo

>> Xiaomi faz dois lançamentos Dois novos celulares da Xiaomi chegam ao Brasil: o Redmi Note 10S tem preço sugerido de R$ 2.799, e o Redmi Note 10 Pro sai por R$ 3.299. A fabricante volta a apostar no mercado de smartphones intermediários com recursos de premium. Eles contam com ficha técnica de respeito. A câmera aparece entre os principais atrativos. Enquanto o S faz registros de 64 MP, o Pro chega a 108 MP. Outro ponto de destaque é o potente carregador de 33 Watts.

>> Agricultor belga muda fronteira com a França Um fazendeiro na Bélgica causou comoção nacional depois de “redefinir”, por acidente, a fronteira do país com a França. Uma pessoa, com conhecimento sobre história e as fronteiras dos dois países, estava passeando na floresta entre Bélgica e França quando percebeu que a pedra que marcava a fronteira havia sido deslocada em 2,29 metros. Mas em vez de causar um alvoroço internacional, o incidente foi recebido com sorrisos e piadas em ambos os lados da fronteira.

>> Vinho envelhecido no espaço é colocado à venda Uma garrafa de vinho Bordeaux que passou 14 meses fora da Terra será colocada à venda por cerca de US$ 1 milhão. O preço estratosférico é justificado pela raridade do rótulo, que teve envelhecimento espacial. O Château Pétrus 2000 foi parte de uma experiência realizada pela start-up Space Cargo Unlimited para ver como as condições no espaço afetam o vinho. Ao todo, 12 garrafas foram enviadas para a Estação Espacial Internacional (ISS) e somente uma delas será vendida.

65


PMT

Profile for Jornal Diário do Sul

Revista TUDO - 17ª Edição  

Revista TUDO - 17ª Edição  

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded