Page 1

jornaldevicentepires.com.br ANO 1 - EDIÇÃO 008

14 a 22 de abril de 2018

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

Juros mais baixos para pagar dívida com o GDF O GDF vai mudar a base de cálculo na correção dos valores dos débitos. As dívidas são atualizadas com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) Hoje, esta

t de 13,55% ao ano. Com a mudança na lei, a atualização monetária será calculada por meio da taxa Selic, atualmente em cerca de 6,5% (Página 9).

Polícia descobre depósito de armas em Vicente Pires

Gilberto Camargos é pré-candidato a deputado distrital Armas de uso restrito eram comercializadas em larga escala (Página 4)

Filiado ao PROS, presidente da Associação de Moradores de Vivente Pires concorrerá a uma cadeira na Câmara Legislativa em outubro (Página 5)

Terracap vai regularizar Trecho 2

GABRIEL JABUR/AGÊNCIA BRASÍLIA.

Maior área de Vicente Pires, o trecho 2 é um terreno pertencente à União. Acordo entre os órgãos garante a regularização através do Governo do Distrito Federal. Apenas o Trecho 4 ainda continua sob gestão do Governo Federal (Página 3).


14 A 22 DE ABRIL DE 2018

JORNAL DE VICENTE PIRES

3

Terracap começa a regularizar Trecho 2 GABRIEL JABUR/AGÊNCIA BRASÍLIA.

Terras da União serão vendidas através da Terracap. O Trecho 4, diferentemente do informado pela Terracap, permanece sob responsabilidade do Governo Federal

O

processo de regularização do Trecho 2 de Vicente Pires, gleba da União, passará a ser conduzido pela Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap). A transferência para o Executivo local se deu na tarde desta quinta-feira (12 de abril), por meio de plano de trabalho assinado entre a Secretaria de Patrimônio da União (SPU) e a Terracap. Com a medida, segundo o governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, os processos de regularização e de venda direta desse trecho serão acelerados, como já ocorre com os Trechos 1 e 3. “Quem ganha com isso é a população de Vicente Pires, com a sua regularização e a compra direta do seu terreno, da sua casa, com uma cidade mais legal”, pronun-

nistrativas. O licenciamento ambiental do Trecho 2 e do 4 foi finalizado em 2016, mediante acordo de cooperação técnica da Terracap com o Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. A liberação possibilitou obras de pavimentação e de drenagem.

Regularização

A partir de agora, apenas a Gleba 4 continua sob gestão da União.Regularização das outras áreas deve estar completa em um um ano

ciou-se o governador em rede social. Segundo Rollemberg, o governo promove o maior programa de regularização

JORNAL DE VICENTE PIRES Editor: Rafael Souza (DRT 10260/13)

Reportagem: A  lcir Alves de Souza (DRT 767/80) Endereço: EQ 31/33 Ed. Consei Sala 113/114 71065-315 • Guará • DF

61 33814181

jornaldevicentepires.com.br

fundiária do Distrito Federal. Desde 2015, por exemplo, já foram entregues mais de 47 mil escrituras para moradores de diversas regiões admi-

Circulação

O valor de cada lote será calculado por uma equipe técnica de engenheiros da Terracap. A análise de preço leva em conta toda a infraestrutura urbana (rede de energia elétrica, água e esgoto) mais a valorização do local, que serão abatidas no valor de mercado do imóvel. O montante final a ser pago por lote será divulgado em edital, com o cha-

mamento público aos moradores para a entrega da documentação necessária ao seguimento do processo de compra. A publicação está prevista para 8 de agosto. Estarão habilitados para venda direta moradores que atenderem aos requisitos do edital: não ter outro imóvel residencial no DF e comprovar que ocupava o lote antes de dezembro de 2016. No caso daqueles que não atenderem aos requisitos para a venda direta, será lançado um edital de licitação com prioridade para o morador. Serão mantidas as mesmas condições de preço, deduções de infraestrutura e valorização do edital de chamamento da venda direta, bem como o prazo de financiamento e descontos.

UM PRODUTO

O Jornal de Vicente Pires é um produto da Editora Jornal do Guará, há 34 anos no mercado de comunicação comunitária. A edição impressa semanal do Jornal de Vicente Pires e distribuída aos sábados gratuitamente no comércio da cidade, em padarias, prédios comercias, agências bancárias e grandes condomínios residenciais. Editada por jornalistas profissionais compromissados com o desenvolvimento da cidade, o Jornal de Vicente Pires acredita no protagonismo do jornalismo comunitário.

/jornaldevicentepires

contato@jornaldevicentepires.com.br

61 996154181


4

JORNAL DE VICENTE PIRES

14 A 22 DE ABRIL DE 2018

PM aposentado vendia armas de guerra em “bunker” em Vicente Pires Armamento de grosso calibre, como fuzil 762, era comercializado em larga escala na mansão do subtenente aposentado Décio Gonçalves armas para revender. O subtenente Décio seria o fabricante e comercializador. Mickey e Vilmon são apontados como criminosos que adquiriam o armamento da quadrilha.

POR CARLOS CARONE E FOTOS DE HUGO BARRETO, DO METRÓPOLES

A

pós o cumprimento dos 26 mandados de prisão, busca, apreensão e condução coercitiva durante a segunda fase da Operação Paiol, nio dia 12 de abril, os investigadores da Polícia Civil do DF deram início às apurações para mapear a origem das armas e munições apreendidas na casa do subtenente aposentado da Polícia Militar Décio Gonçalves. A mansão em Vicente Pires, segundo a PCDF, funcionava como uma espécie de “bunker” do crime, onde armamento de grosso calibre, como fuzil 762, era comercializado em larga escala. As centenas de caixas de munição calibre 762 apreendidas na operação chamaram atenção dos policiais. Elas equipam fuzis utilizados em guerras como as do Oriente Médio. Para se ter uma ideia, os cartuchos encontrados na casa do PM aposentado podem atingir alvos a 900 metros de distância. “Se você levar um tiro a uma curta distância, provavelmente não vai nem sentir, tamanha a velocidade da bala”, explicou o delegado-chefe da

A primeira fase da Paiol

Presos após a operação

23ª Delegacia de Polícia (Ceilândia), Victor Dan. Informações que chegaram aos investigadores dão conta que o militar teria costume de viajar para o Paraguai, onde haveria facilidade para adquirir armas pesadas e munições em grande quantidade. “Estamos confirmando algumas possibilidades sobre a casa ter sido usada como ponto de encontro, onde alguns comparsas pegavam os armamentos para serem revendidos a criminosos”, disse Victor Dan. Fuzis, espingardas, pistolas e revólveres foram apreendidos na casa do PM aposentado.

Cerca de 20 mil munições dos mais variados calibres, além de maquinário para recarregar cápsulas deflagradas, foram levados pelos agentes da 23ª DP. Além do subtenente, foram presos: Diego Henrique, Lucas de Araújo, Mickey Dandiny Alves da Silva, Vilmon Rodrigues de Souza e Thiago Ângelo Machado. Eles estavam sendo investigados há um ano, mas agem no DF e no Entorno desde 2015, segundo as apurações. Com base nas investigações, Thiago Ângelo, militar da Aeronáutica, é um dos membros da quadrilha que comprava as

Em 7 de março, cerca de 200 policiais civis cumpriram 32 mandados de prisão, busca e apreensão, além de conduções coercitivas. De acordo com as diligências, os armamentos eram distribuídos para homicidas, assaltantes e integrantes de organizações criminosas da cidade. O principal alvo da operação foi o ex-militar do Exército Brasileiro e ex-policial militar de Goiás Pedro Henrique Freire de Santana. Mesmo preso desde março, ele também teve novo mandado em seu nome nesta quinta (12). A suspeita

é que ele conseguia armas e munição das duas instituições com colegas de farda, até hoje em serviço, e as revendia ou alugava para bandidos. As investigações começaram após um assalto com reféns em uma casa na Ceilândia. Na ocasião, a polícia identificou que armas de uso exclusivo do Exército foram utilizadas.

O esquema era alimentado por cerca de 30 pessoas e cada munição, dependendo do calibre, chegava a ser vendida por R$ 10


14 A 22 DE ABRIL DE 2018

JORNAL DE VICENTE PIRES

5

Gilberto Camargos é précandidato a deputado distrital

O presidente da Amovipe filiou-se ao Partido Republicano da Ordem Social, do senador Hélio José e deputada distrital Telma Rufino, para concorrer a uma cadeira na Câmara Legislativa

“S

erei eu, Deus, minha família e os amigos que acreditarem que esse sonho é possível”, informa o presidente da Associação de Moradores de Vicente Pires e Região. Gilberto diz que está aceitando o desafio porque sabe que, se eleito, estará empoderado para lutar em outro núcleo de poder. “Eu nunca fui político, jamais tive pretensões políticas e por isso jamais disputei uma eleição. Contudo, estou consciente de meu papel, necessito entrar, para fazer ainda melhor o que já venho fazendo em toda a minha vida”, informa. “Nossas lutas sempre foram voltadas para a área social, em creches, hospitais, defendendo os direitos de moradia, por uma regularização justa para todos e contra a força desproporcional do Estado, que insiste em oprimir as famílias do DF”, avalia.

e da Terracap, juntamente com particulares e a então Secretária de Patrimônio da União (SPU), Lúcia Carvalho, teriam adulterado uma nova demarcação das terras da Fazenda Brejo ou Torto, especificamente na área da Colônia Agrícola Cana do Reino (ao lado da Via Estrutural), cuja medição objetivava regularizar o Setor Habitacional Vicente Pires. Pelo que foi denunciado, teria sido repassado uma área extra de 344 hectares do terreno incluindo terras públicas para posseiros e ao espólio dos proprietários da área, que a seguir a venderam para uma construtora por cerca de R$ 300 milhões. Segundo a PF, os laudos técnicos elaborados pela SPU eram irregulares e continham erros (supostamente propositais) na medição. “Investiguei toda a negociação e cumpri o meu papel como jornalista”, diz Gilberto.

Como jornalista, Gilberto também fez denúncias históricas que muitos não sabem, entre elas uma que resultou na chamada “Operação Perímetro”, da Polícia Federal, que se arrasta até os dias atuais. Segundo a denúncia, servidores públicos do Governo Agnelo Queiroz

Gilberto Camargos é daqueles que enfrentam tratores, fecha vias após esgotarem as possibilidades de negociação, não tem medo de nada e não hesita em “mobilizar o mundo” para ajudar pessoas em hospitais, escolas, serviços públicos e em ações sociais. “Está em mim

Denunciante

Líder comunitário

o espirito solidário e minha crença me diz para realizar obras, como ensina a Bíblia”, comenta. tualmente o líder comunitário tem feito palestras por todo o DF sobre a Lei 13.465/2017 (da regularização), em cujo texto ajudou a incluir artigos e incisos fundamentais para regularizar imóveis por todo o DF. Ele também trava uma luta quase solitária para que as obras de infraestrutura de Vicente Pires beneficiem de fato a coletividade (mobilidade urbana e acessibilidade). “Os projetos estão sendo alterados perigosamente pelo governo, com redução de pontes, viadutos e vias duplicadas”, alerta. Em relação ao Assentamento 26 de Setembro, ele participou historicamente do enfrentamento às derrubadas e fez, de 2015 a 2018, muitas reuniões no Congresso Nacional, com ministro do Meio Ambiente, SPU/DF e Nacional, ICMBio e no Governo do DF, para tentar salvar o Assentamento. Com o advento da Lei 13.465/2017, Gilberto diz que a regularização é possível pelo INCRA. “Acabamos de ingressar com uma ação na Vara Federal, para provar que a 26 de Setembro não é invasão. Ela é um assentamento oriundo

O líder comunitpario Gilberto Camargos filia-se ao PROS no gabinete do Senador Hélio José

do Decreto distrital número 17.502, de 26 de setembro de 1996”, informa. Gilberto é presidente da AMOVIPE – Associação de Moradores de Vicente Pires e Região e da OSCIP Organização Verde Brasil. Como ambientalista, fez sozinho em sua juventude uma expedição com um pequeno barco

pelo Rio São Francisco, para provar com fotos e registros às autoridades, que as nascentes do Velho Chico estavam morrendo. Hoje, o Rio dá mostras de que Gilberto estava certo. Em virtude dessa viagem, entrou para o Livro dos Recordes e foi homenageado em sua cidade natal, Bom Despacho (MG).

Venha conhecer.

Drive Thru da Construção

LEROY MERLIN TAGUATINGA. TAGUATINGA - DF - QS 3, RUA 420 - AO LADO DO SHOPPING TAGUATINGA


EntreNesteAbraço

Neste abraço cabe tudo. Cabe proteção para você ser o que é,

carinho que o motiva a continuar e

cumplicidade para alcançar seus objetivos. idealbsb.com.br | (61) 3041-6047

TAGUATINGA do Infantil ao Médio

ÁGUAS CLARAS

do Fundamental ao Médio


JORNAL DE VICENTE PIRES

Falando em Política

14 A 22 DE ABRIL DE 2018

7

Eleição 2018: Rollemberg, Frejat e Izalci serão os protagonistas POR RICARDO CALLADO

O

jogador conhece o jogo pela regra. A regra em uma eleição é clara: o candidato precisa ter voto, partido e história. Não necessariamente nessa ordem. Tampouco precisa dos três requisitos. O momento é de afunilamento das candidaturas. E só três jogadores devem chegar competitivos na disputa pelo Palácio do Buriti. Essa eleição não cabe espaço para surpresas. Os candidatos que irão protagonizar são o atual governador Rodrigo Rollemberg (PSB), o ex-deputado Jofran

Frejat (PR) e o deputado federal Izalci Lucas (PSDB). A partir daí, tudo é perfumaria. Rollemberg tem a máquina do governo; Frejat, os maiores caciques políticos; e, Izalci, a maior coligação. Será uma disputa interessante. Rollemberg tem a maior rejeição; Frejat, o recall da eleição de 2014; e, Izalci, a menor rejeição. Nenhum dos três tem presença garantida num segundo turno, mesmo com uma leve dianteira de Frejat.

Discurso polarizado

A máquina do governo pode abater parte da alta rejeição de Rollemberg, basta

saber usar. A baixa rejeição e o palanque robusto de Izalci pode colocá-lo num segundo turno, mas vai ser preciso de mais empatia junto ao eleitorado. O recall coloca Frejat numa boa, mas os caciques que o apoiam, alguns bem encren-

cados, ao mesmo tempo que atraem votos, também podem manchar a campanha. Rollemberg, Frejat e Izalci também pretendem polarizar o discurso da honestidade na política. Mas só isso não basta, isso é obrigação. Devem apresentar um programa de gover-

no que a sociedade anseia. Teremos ainda uma penca de 5 ou 6 outros candidatos ao GDF. Algumas candidaturas para constar, outras francos atiradoras. Do DCE ao quartel. Da lanchonete a enrolado na Lava Jato. Todos estarão na disputa, mas sem chances.

Rollemberg sai fortalecido após filiações em série já estavam na sigla. “Estabelecemos como estratégia fortalecer a nominata interna. A maioria das pessoas que entraram agora estão no governo desde 2015 e fazem parte de uma coerência, de quem está conosco desde o momento zero. É o caso do Jarjour e da Leila”, afirmou o presidente da legenda no DF, Tiago Coelho.

POR MANOELA ALCÂNTARA E CAIO BARBIERI, DO METRÓPOLES

A

pós o fim do prazo para as filiaões partidárias para quem pretende concorrer nas eleições de 2018, as legendas no Distrito Federal passaram por grandes mudanças em suas composições. O PSDB, por exemplo, perdeu cinco nomes históricos; o PDT filiou o deputado Claudio Abrantes e fechou com o ex-distrital Patrício; o PRB ficou com o distrital Rodrigo Delmasso. Mas foi o PSB, do governador Rodrigo Rollemberg, que saiu mais fortalecido do processo, pois ganhou nomes de peso para concorrer às eleições em outubro. Aceitaram compor a nominata do PSB a ex-governadora do DF e fundadora do PSDB Maria de Lourdes Abadia; o subsecretário de Integração de Ações Sociais do GDF, Virgílio Neto; a secretária de Esporte, Turismo e Lazer, Leila Barros; e o secretário-adjunto

Perdas

Na janela para filiações partidárias, o PSB foi o partido que ganhou mais força para as eleições no Distrito Federal. Nominata para a Cãmara Legislativa é uma das mais competitivas

de Ciência e Tecnologia, Thiago Jarjour. Eles engrossam o conjunto com dois parlamentares na Câmara Legislativa: Luzia de Paula e Juarezão; além de concorrer ao lado de

outros integrantes do Executivo; Igor Tokarski, do Meio Ambiente; Roosevelt Vilela, das administrações do Park Way, Núcleo Bandeirante e Candangolândia; o Secretário

das Cidades, Marcos Dantas; o subsecretário de Mobiliário Urbano e Participação Social, Marlon Costa e outros também testarão os nomes nas urnas pelo PSB. Eles, contudo,

Embora tenha ganhado mais filiados, o PSB perdeu o subsecretário de Educação Básica, Daniel Crepaldi, que optou por se filiar ao PRB, com os distritais Delmasso e Julio Cesar. “Fui da Executiva do PSB, fiquei no partido por oito anos, mas não gostei da forma como fizeram minha substituição. Fui bem recebido no PRB e disputarei uma vaga de distrital”, afirmou Crepaldi, apesar de ter frisado não compor a Igreja Universal do Reino de Deus, a qual a legenda é ligada.


8

JORNAL DE VICENTE PIRES

14 A 22 DE ABRIL DE 2018

Espaço para eventos do Coco Bambu alia requinte à comodidade Salão de eventos do restaurante no DF Plaza, às margens da EPTG, atende desde festas sociais a confraternizações corporativas e atraem com bom custo-benefício

D

e olho em salões refinados, mas sem abrir mão da comodidade, clientes e organizações procuram cada vez mais espaços oferecidos por restaurantes para realizar festas e confraternizações empresariais. O interesse é claro: contar com locais que já incluam cardápios específicos, à la carte ou bufê, e possibilitem ainda fugir de despesas como decoração, manobristas e garçons. Em Brasília, um dos que mais se destacam nesse segmento é o Coco Bambu. A rede conta com áreas para eventos nas três unidades do Distrito Federal: Águas Claras (no DFPlaza, ás margens da EPTG), Brasília Shopping e Lago Sul. Com capacidade para receber de 20 a 300 pessoas, os salões têm a facilidade de reunir, com um único

fornecedor, diversos serviços que, na maioria das vezes, são contratados de forma separada. “É muito mais prático e economicamente atrativo, uma vez que oferecemos uma série de facilidades embutidas, desde garçons e manobristas até a parte de infraestrutura, com mesas, cadeiras, equipamentos de audiovisual (projetor, telão, microfone e mesa de som) e gerador de energia para evitar qualquer imprevisto”, explica Beto Pinheiro, sócio do Coco Bambu. Os clientes podem escolher pratos que fazem parte do reconhecido menu da marca, como frutos do mar, camarões, lagostas, peixes, carnes, aves, sobremesas e bebidas, bem como produtos da adega com mais de 1 mil garrafas de vinhos tintos, brancos, rosés e

No CocoBambu do DF Plaza o salão comporta até 250 pessoas e pode ser reservado pelo número 3262-0559

espumantes. Os pacotes custam a partir de R$ 99,90 por pessoa e contemplam diversas opções de entrada, três tipos de pratos principais (que incluem peixe,

carne e camarão), sobremesa e bebidas (água, refrigerante e café). Crianças de até 5 anos não pagam e as de 6 a 10 anos pagam 50% do valor. O restaurante oferece serviço de aten-

dimento à inglesa, no qual os garçons vão até as mesas para servir os convidados. Segundo Pinheiro, os espaços recebem os mais variados tipos de eventos, de aniversários de 15 anos e festas de casamento a palestras e ações empresariais. “A procura por esse tipo de serviço é cada vez maior e a agenda é bastante concorrida, já que o restaurante e seus funcionários têm a expertise gastronômica e conseguem prestar um atendimento diferenciado aos convidados”, conta. Todos os espaços contam com acessibilidade, ar-condicionado e isolamento acústico. Além disso, as unidades de Águas Claras e do Lago Sul oferecem brinquedoteca gratuita para eventos acima de 100 pessoas. Uma comodidade a mais para os clientes.


14 A 22 DE ABRIL DE 2018

JORNAL DE VICENTE PIRES

9

Juros mais baixos para pagar dívida com o GDF Rollemberg sanciona mudança no cálculo da correção de dívidas. Valores não serão mais corrigidos pelo INPC mais 1% ao mês de juros de mora, mas pela taxa Selic

P

ara pesar menos no bolso do contribuinte e facilitar o pagamento de dívidas com a administração pública, o Governo do Distrito Federal vai mudar a base de cálculo na correção dos valores dos débitos. O governador Rodrigo Rollemberg sancionou o projeto que promove essa alteração. As dívidas, tanto de pessoas físicas quanto jurídicas, são atualizadas com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) mais juros mensais de mora (1%). Hoje, essa taxa de correção seria de 13,55% ao ano — o INPC está em 1,55%. Com a mudança na lei, a atualização monetária será calculada por meio da taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic), atualmente em cerca de 6,5%.

“A partir de agora, tanto para receber quanto para pagar dívidas, usaremos o mesmo índice. A mudança para a Selic vai significar uma redução muito grande na dívida das pessoas. Mais uma medida importante para o desenvolvimento econômico do DF”, disse o governador ao sancionar a nova regra. De acordo com as projeções para este ano, uma parcela no valor de R$ 1 mil em janeiro de 2018 corrigida pela Selic valerá R$ 1.073,14 em janeiro de 2019, enquanto que com a correção pelo INPC mais 1% de juros ao mês o valor fica em R$1.152,20. “Nesse exemplo, verificamos redução de cerca de 7% com a nova regra”, explicou o secretário de Fazenda, Wilson de Paula. Segundo ele, a alteração adéqua Brasília à

“Essa obra vai levar esgoto de milhares de pessoas para tratamento em Samambaia e poupar o Lago Paranoá. Ela traz saneamento e sustentabilidade”, disse Rollemberg.

realidade do País e cria um ambiente favorável a novos parcelamentos. “INPC + 1% dava um valor muito alto, onerava famílias e setor produtivo. Estamos nos adaptando à Selic, usada em vários estados e pela Receita Federal”, disse Wilson de Paula. O fluxo de recebíveis do Distrito Federal, que inclui parcelamentos e dívida ativa, é de cerca de R$ 48 milhões por mês. “Para o contribuinte, é mais vantajoso procurar empréstimo com taxa melhor, de 10% ao ano, de 11%, do que como é feito hoje”, ressaltou o secretário. Líder do governo na Câmara Legislativa e autor do projeto substitutivo ao do governo, o deputado distrital Agaciel Maia destacou que, com a mudança na legislação, “a correção será feita com um índice

com sanção, dívidas com o GDF serão atualizadas pela taxa Selic

compatível com os indicadores da economia nacional”. A mudança na base de cálculo serve também para

restituição e compensação de tributos e de atualização de débitos de natureza não tributária.


14 A 22 DE ABRIL DE 2018

JORNAL DE VICENTE PIRES

www.KENIAGAMA.com.br

11

@KENIAGAMAOFICIAL

O segredo do marketing de eventos O que você precisa saber para seu evento ser um sucesso

U

m evento não é apenas o dia em si do acontecimento, mas sim todo um processo antes para que sua execução e sucesso sejam garantidos. Quando você pensa em viajar, não planeja e organiza a viagem meses antes? O mesmo acontece com os eventos. Você precisa traçar todo um caminho, uma “pré-produção” para que na sua linha de chegada, o final seja perfeito. E um dos tópicos mais importantes para a produção de eventos está no Plano de Marketing. Para que seu evento seja um sucesso, esteja bem divulgado, sua estratégia de marketing precisa estar bem estruturada.

Para quem é seu evento?

Primeiro passo é definir o seu público alvo, ou seja, quem você quer alcançar com seu evento. A partir daí você consegue direcionar todo o seu conteúdo de forma exata. Esse deve ser o seu ponto chave. Tudo vai girar

em torno dessa definição. Você também vai precisar traçar metas para seu público alvo. “O que eu quero que aconteça com meu público se colocar tal atividade no evento?” ou então “Será que

vale a pena gastar toda essa energia? Vai me trazer resultados?”, são coisas que você deve ter sempre em mente. Pois caso contrário, você pode se perder nas ideias que forem surgindo e acabar saindo do foco e objetivo.

Conheça seu público

Um dos pontos essenciais é conhecer e entender como seu público alvo pensa e age. A partir do momento que você aprende o comportamento, você entende o que é necessário para essas pessoas. Tendo essa informação, você saberá o que é indispensável no seu evento. Sua audiência precisa enxergar o que seu evento trará de bom na vida delas. Você precisa fazê-las entender como a vida delas irá mudar, qual seu objetivo com o evento, as estratégias que serão usadas para ela chegar aonde ela precisa. A partir disto, com informações claras sobre tudo o que seu evento irá proporcionar, a tomada de decisão do público alvo será infinitamente mais rápida e posi-

tiva. Nessa etapa do planejamento, a fim de conquistar sua audiência e colocá-las no clima do evento, escolha sempre se comunicar de forma simples e básica. Por que vender eventos vai muito além dos ingressos, você precisa conquistar, encantar e fidelizar sua audiência.

Analise o mercado no qual você está se inserindo

Além de entender como seu público alvo pensa, você precisa entender o mercado. Ou seja, o ramo em que você quer atuar. Alguns dos pontos chave para essa análise é saber se você tem concorrentes, como eles agem e quais são suas ameaças e oportunidades dentro desse ramo. Conforme o resultado, você irá montar o seu planejamento estratégico. Como por exemplo: quais plataformas irei usar para divulgação, qual linguagem irei me comunicar com o público, como será minha identidade visual e etc.

Faça a análise dos dados

Seja aonde e como for que você decidir fazer a divulgação do seu evento, tenha sempre o controle dos dados. Saiba exatamente como está seu orçamento, quantos participantes já efetuaram sua inscrição, quantos estão pendentes, quantas pessoas foram alcançadas; manter seus dados atualizados irá te poupar muito tempo. Com uma gestão de tempo e de pessoas corretamente estruturada, você estará segurado em casos de imprevistos. Por isso é de extrema importância você ter um planejamento e seguir corretamente o cronograma. Por fim, fica fácil dizer e visualizar o quanto um planejamento estratégico antes do seu evento é essencial. Pois ele será o responsável por guiar suas ações e tomadas de decisão, potencializando assim, o impacto do seu evento no público alvo. Kênia Gama é moradora de Vicente Pires, empresária, especialista em desenvolvimento de projetos e negócios, e business mentoring


C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

Jornal de Vicente Pires 008  

14 a 22 de abril de 2018

Jornal de Vicente Pires 008  

14 a 22 de abril de 2018

Advertisement