Page 1

Ano 13 . Nº 4 . Setembro| 2015 . R$ 10,00

ENTREVISTA

ILOIR DE PAULI, O PRESIDENTE DA 2ª MELHOR COOPERATIVA DO BRASIL VIZINHAS COMEMORARAM 50 ANOS DE CONVIVÊNCIA ESCOLAS

OS PREMIADOS NO 8º CONCURSO DE REDAÇÃO

Paulo e Bruna Brizolim Pai e filha brindam ao sucesso da Looks Óptica

Mittsuo Fotografia

AMIZADE


índice ESPORTE

Ijuí sediou a 1ª edição da Copa Big Esportes, com escolinhas de futsal da região

PROFISSÃO

Advogada ijuiense que cuida de processos de cidadania, em Porto Alegre

TRABALHO

Hospital de Caridade e Senac formam jovens em curso de preparação para o trabalho CAPA

Paulo Brizolim e sua filha Bruna comemoram na Stampa o sucesso de sua parceria também nos negócios, com a Looks Óptica

8 10 12 13

ENTREVISTA

15

ESCOLAS

18

As conquistas e os desafios da Ceriluz na visão de seu presidente Iloir de Pauli

Os estudantes premiados no 8º Concurso de Redação Rotary Club Ijuí e Jornal da Manhã VENCEDORES

Equipe de mecânicos ijuienses da Brasdiesel vence concurso nacional e vai disputar mundial na Suécia

BODAS DE AMIZADE

Há 50 anos morando de frente uma para a outra, vizinhas comemoram a amizade

GENTE

Telmo Frantz, ex-reitor da Unijuí, hoje está à frente da UniRitter, de Porto Alegre e Canoas

MODA & ESTILO

Convidados da Stampa, homens e mulheres revelam o que não usariam de jeito nenhum

44| |STAMPA STAMPA

22

stampa@jornaldamanhaijui.com Ano 13 - Nº 4 | Setembro | 2015 PUBLICAÇÃO GRÁFICA E EDITORA JORNALÍSTICA SENTINELA LTDA CNPJ: 87.657.854/0001-23 RUA ALBINO BRENDLER, 122 - FONE: (55) 3331-0300 98.700-000 IJUÍ/RS

24 25 36

DIRETOR EDMUNDO HENRIQUE POCHMANN EDIÇÃO IARA SOARES iara@jornaldamanhaijui.com COLABORADORES: CARLOS ALBERTO PADILHA CLAUDIA DE ALMEIDA, DEISE MORAIS, MARISTELA MARTINS, JOCELAINE SIMÃO, CECILIA MATHIONI IMPRESSÃO CIA DE ARTE (55 3331-0319)

Assinatura semestral: R$ 55,00 - Ligue 3331-0300 Informações contidas em matérias comercializadas são responsabilidade integral das empresas e/ou dos profissionais.


A importância da decoração no ambiente com móveis planejados I

juí tem duas lojas que se complementam. A Romanzza planeja espaços com móveis de qualidade e produtos das últimas tendências do mundo dos móveis planejados, e a Mobiliário 21 agrega a esse espaço, objetos de decoração sofisticados que dão um toque todo especial ao ambiente. “O resultado é de pura satisfação e completa beleza quando um ambiente é projetado de forma bem pensada unindo criatividade, funcionalidade e solução com planejados de qualidade e finalizado com chave de ouro usando objetos de decor pontuados, bem escolhidos, agregando vida ao ambiente e transformando ele em único, singular”, explica o casal Gisele Barbi e Fabrício Wild que estão à frente da Romanzza e Mobiliário 21. No quesito Planejados, a qualidade do produto tem muita influência na durabilidade e também no visual. Tipo de ferragens, espessuras e escolha dos acabamentos dão as diretrizes e definem o caminho para o resultado final, que, embora na maioria das vezes, nos ambientes predominem os planejados, misturar outras texturas com o MDF, como a madeira na sua forma genuína, cromados, espelhados ou lacas em móveis soltos faz toda a diferença no resultado final e claro, na satisfação. O casal explica que muitas vezes não há necessidade de usar muitas peças decorativas; que poucas, mas boas escolhas, já são o suficiente para transformar um ambiente. Papel de parede, arranjos de flores, telas ou quadros ou até cristais Murano coloridos tem o poder transformador, assim como lustres de cristais e tapetes. Essa funcionalidade, de planejar espaços e ao mesmo tempo decorar, é possível em Ijuí. Conheça as opções na Romanzza, Rua Benjamin Constant, 655, sala 2, telefone 33330464, e na Mobiliário 21, Rua do Comércio, 1802, telefone 3333-0233.

Conferindo as novidades Fabricío e Gisele foram conferir 31 a º ABUP Show, dia 15 de agosto, no Centro de Eventos Pro Magno, e no dia 16, a 51º House & Gift Fair, no Expo Center Norte, ambas em São Paulo. Duas feiras onde todos os lançamentos costumam ser apresentados para lojistas do segmento de decor, com expositores nacionais e internacionais, representados por importadoras.


Encontro de escolinhas integra equipes de futsal A 1ª edição da Copa Big Esportes envolveu escolinhas de futsal da região no Ginásio Municipal Wilson Mânica, em Ijuí

I

juí foi sede em agosto da 1ª edição da Copa Big Esportes de Futsal. A competição disputada no Ginásio Municipal, teve a organização da empresa G7 Esportes. O objetivo dos jogos foi a integração entre alunos, pais, professores e escolinhas da região, oportunizando a participação dos alunos de uma forma educativa e competitiva. O professor Jean Mônaco, um dos organizadores da Copa de Futsal disse que a participação dos atletas nesses campeonatos esportivos, faz com que ele tanto individualmente ou coletivamente deixe de pensar apenas em si mesmo para contribuir para o bem-estar comum. “O campeonato teve a finalidade de reunir somente profissionais formados em curso de graduação de Educação Física, com registro na área no Conselho Regional de Educação Física (CREF), dessa forma, valorizando toda a instituição esportiva participante, os pais, professores, alunos e comunidade em geral “, comentou. Na categoria fraldinha (2006, 2007 e 2008) o torneio foi dividido nas Séries Ouro (nascidos em 2006) e Prata (nascidos em 2007). 24 partidas movimentaram estas escolinhas regionais: GPD e Cometa de Panambi; Grêmio Dimicron e Grêmio Mareli de Cruz Alta, Colégio Sagrado Coração de Jesus (CSCJ), e a Associação Colmeia de Futsal ( ACF), ambas de Ijuí. O campeão da Série Ouro foi o time da ACF que venceu na final o Grêmio Dimicron com uma goleada de 5 a 0. A equipe marcou 30 gols em toda a Copa. O CSCJ conquistou o terceiro lugar. O atleta destaque nesta Série foi o atleta Guilherme, da ACF. Na Série Prata a equipe do GDP de Panambi sagrou-se campeã depois de vencer a ACF por 2 a 0 na decisão. O atleta destaque foi Pedro, do GDP. A competição terá andamento com a disputa de mais três categorias. No dia 19 de setembro a partir das 8h no Ginasião acontecem os jogos do pré-mirim nascidos em 2004 (Série Ouro). Em 10 de outubro será a vez do mirim quem nasceu em 2003 (Série Ouro) e 28 de novembro pré-mirim, nascidos em 2005 (Série Prata). Na etapa deste mês de setembro estão confirmados estes times: Uefa (Ajuricaba), Grêmio Dimicron (Cruz Alta), Cometa (Panambi), GDP (Panambi), União (Ijuí) e ACF( Ijuí).

Vencedores das escolinhas receberam taças medalhas

AAPF na série bronze Time pestanense disputa pela primeira vez o Estadual de Futsal Série Bronze e está entre os primeiros colocados da chave 1

A

Associação Augusto Pestana de Futsal (AAPF) está conquistando bons resultados no Estadual de Futsal Série Bronze. Disputando pela primeira vez competição, o time pestanense, que conta com vários jogadores de Ijuí no seu grupo, fez um bom primeiro turno na primeira fase e no segundo turno se mantém entre os primeiros colocados da chave 1. Os adversários da AAPF são estes times: AFF (Fortaleza dos Valos), Sase (Selbach), Jácqtáqvá (Chapada), E.C.C. Horizontina, ACBF (Cerro Branco), União Independente (Santa Maria), ADCH (Salto do Jacuí), Figueira( Tupanciretã) e Palmeira Futsal (Palmeira das Missões). A agremiação já pensa na próxima temporada onde deve disputar mais uma vez a Taça Noroeste de Futsal em Santa Rosa. Os atletas de Ijuí que jogam pela equipe são: os goleiros Maicon Romero, Daniel Martel e Alex Messa e os atletas de linha: Fernando 8 | STAMPA

Alguns atletas de Ijuí jogam na Associação Augusto Pestana de Futsal Santos, Vanderson Goi, Diego Paz, Pablo Oliveira,Khalil Santos,Cristiano Bessestil e Carlos Henrique.O clube de Augusto Pestana também prioriza as categorias de base e tem uma escolinha coordenada pelo professor Fernando Santos, que é atleta do time que disputa a Série Bronze. No início de agosto a Escolinha recebeu o jogador profissional Fábio Nonemacher (Fabinho), natural de Augusto Pestana. Ele joga pela AGSL de São Luiz Gonzaga o Campeonato da Série Ouro e falou sobre suas histórias no esporte, lembrando que passou dificuldades para atingir às conquistas na carreira. “Não existem somente vitórias e surgirão derrotas no decorrer do caminho. Nem por isso os atletas podem desistir dos seus sonhos”. Fabinho afirmou que os jogadores não podem deixar de lado a dedicação aos estudos e aos treinos. Devem ter humildade e manter os pés firmes no chão.


Núcleos de Ijuí/Cruz Alta e Taquara disputaram rodada no campo do bairro Tiaraju

Genoma Colorado busca novos talentos

A

equipe do Genoma Colorado-Esporte e Cidadania , Núcleo de Ijuí/Cruz Alta participa do 1º Campeonato Gaúcho de Genomas Colorados, Série Ouro. Atuando em seu campo no bairro Tiaraju, a Escolinha coordenada por Marcelino Vieira tem feito bons jogos na competição Estadual. O Campeonato nas categorias pré-mirim, mirim, infantil e juvenil tem na chave A do time ijuiense, equipes de Santa Cruz do Sul, Butiá, Taquara e Caxias do Sul. Nos outros grupos participam da competição times de São Jerônimo, Viamão, Arroio dos Ratos, Novo Hamburgo, Pantano Grande, Candionta, Minas do Leão e Porto Alegre. O Campeonato Gaúcho de Genomas é dividido em Séries Ouro, Prata e Metropolitano. A fórmula de disputa é duas chaves de cinco equipes com jogos de ida e volta. Os dois melhores da

Método Kumon incentiva e dá autonomia a estudantes Matemática, Português e Inglês são disciplinas que costumam dar dor de cabeça para os estudantes e também aos pais, que se desafiam a ajudar os filhos em suas tarefas. No entanto, para os alunos que praticam o método Kumon, essas matérias, que até então eram tidas como pesadelo, acabam tornando-se uma paixão. “O Kumon é uma metodologia que visa incentivar a independência nos estudos, buscando fortalecer o potencial de aprendizado de cada aluno. Por meio de um material próprio e auto instrutivo, trabalhamos habilidades que o aluno necessitará em todas as etapas de sua vida escolar, como a concentração, disciplina e hábito de estudo.” Explica a Orientadora Ana Paula Kaminski. Fundado no Japão em 1958 por Toru Kumon, a franquia Kumon foi eleita pela revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios como a melhor micro franquia de 2012. O ensino fortalece aquilo que o aluno já conhece das disciplinas e trabalha onde estão instaladas as dificuldades. “Começamos de conteúdos básicos para que o aluno adquira autoconfiança e fortaleça a base da disciplina antes de enfrentar os assuntos onde tem maior dificuldade. Nosso material atende desde a criança com três anos até adultos. Alfabetizamos crianças, jovens e adultos”, enfatiza a orientadora. Ana Paula destaca que o aluno que possui uma base sólida consegue acompanhar com mais facilidade e motivação os conteúdos vistos na escola. “Esse é um dos focos do Kumon: proporcionar uma base sólida de estudos”. Com mais de 220 alunos, o Kumon está com matrículas abertas o ano todo e em promoção até o dia 10 de outubro. Para mais informações acesse o site www.kumon.com.br. Ligue e marque uma entrevista: (55)3332.9536. O Kumon é na Rua Floriano Peixoto, 357, sala 1, no centro de Ijuí.

chave disputam a final e os dois de menor pontuação caem para a Série Prata em 2016. “Os atletas estão adquirindo experiência nesta competição que envolve equipes de várias regiões do Estado. É muito bom para eles disputarem jogos deste nível”, comentou o coordenador do Núcleo de Ijuí, Cruz Alta, Marcelino Vieira. Lembrou que a Escolinha está aberta a novos atletas. “Desenvolvemos um trabalho social e esportivo conceituado no Rio Grande do Sul e a maior prova é que atuamos contra equipes de grandes cidades”, comentou. O Programa Genoma Colorado funciona no Internacional desde agosto de 2002. O projeto de descobrimento de novos craques procura expandir o clube para fora do Estado, divulgando ainda mais a sua marca e agregando um número maior de sócios.


PROFISSÃO

Especialista em cidadania A advogada ijuiense Fabrizia Burtet Bazana atua em Porto Alegre e ajuda pessoas a conseguir cidadania em outros países

F

abrizia Burtet Bazana, 40 anos, é uma especialista em processos de cidadania. Vivendo em Porto Tudo começou em 2009 quando Alegre, ela atua no escritório que fundou, a Burtet ela foi à Itália com o objetivo de Bazana & De Souza Advogados Associados S/S. O sócio fazer a sua cidadania italiana Gustavo de Souza cuida das demandas judiciais, restritas a áreas nas quais possui conhecimento e especializações. Fabrizia atua nos contratos, demandas judiciais de jurisdição voluntárias relativas a estrangeiros, documentação, retificações e os processos de cidadania. Seu escritório conta com parceria em São Paulo, Espírito Santo, Santa Catarina e Rio de Janeiro; e também na Europa. O cliente tem o processo completo, totalmente assistido por ela e/ou por parceiros de confiança. Ela atua em processos de cidadania italiana, espanhola, portuguesa, alemã e francesa. Contudo, a maior parte das demandas, em virtude das facilidades e da origem da imigração na região Sul e Sudeste, são de cidadania italiana. Tudo começou em 2009 quando o filho dela, o Luis Felipe, hoje com sete anos, já estava crescidinho. Fabrizia Com os pais Aristeu e Ana Emilia resolveu fazer sua cidadania italiana como forma de dar e irmã Fabiola; e com o filho Luis opção de vida a sua família. E foi à luta. Com a documenFelipe, sua maior paixão tação em mãos, foi para Itália. “Aproveitei para juntar trabalho e cidadania. Fiquei por lá cerca de 30 dias e antes mesmo de conhecer pessoalmente a realidade já estava trabalhando jetória pessoal, desde que saiu de Ijuí. Passou a infância no interior, com isso. Os assessores, quando se deram conta do meu contato para onde teve os primeiros contatos com as letras e os livros aos 4 anos de a solução dos meus problemas e pela experiência em contratos inter- idade, como aluna ouvinte da escola da vila, pois era inquieta e não nacionais, começaram a me solicitar demandas aqui no Brasil. Então, suportava a ausência de informações. É filha de Aristeu e Ana Emília, quando fui para Itália fazer a minha própria cidadania, já comecei a e irmã mais velha de Fabiola. Aventurou-se, inicialmente no sonho trabalhar com algumas pessoas resolvendo questões legais aqui no de ser cirurgiã-dentista, quando prestou vestibular na UFSM. “Mas como as coisas da vida estão escritas antes dos nossos desejos, acabei Brasil.” Fabrizia explica que a cidadania italiana decorrente do vínculo san- por questões financeiras e de educação, retornando a Ijuí para cursar guíneo não limita gerações nem sexo. Inclusive as mulheres italianas direito na Unijuí, curso este que a minha mãe impôs como castigo que tiveram filhos antes de 1947 têm direito a transmitir a cidada- por não ter tido comportamento ideal, segundo ela, enquanto cursava nia através de demanda judicial ajuizada diretamente no tribunal de pré-vestibular em Santa Maria, aos 16 anos de idade”. Recém-formada e com 21 anos, ela foi morar em Porto Alegre para Roma. Nessas condições, de uma maneira geral, qualquer pessoa que conseguir comprovar vínculo sanguíneo com um italiano, nascido na estudar mais e buscar oportunidades. “Momento ímpar de coragem Itália, pode se tornar um cidadão italiano e possuir passaporte euro- e devaneio”. Lá, foi cursar a Escola Superior do Ministério Público à noite. Durante o dia trabalhava na área administrativa de um escritópeu. A advogada revela que a maioria das pessoas que buscam a cidada- rio. Em ato contínuo, iniciou a atuação como advogada na Assistência nia são jovens em busca de oportunidades de estudo e trabalho. “Há Judiciária da UFRGS. Neste ínterim começou a cursar pós-graduação que se observar que ser cidadão europeu não traz benefícios só na Latu Sensu em Direito da Integração Latino-Americana na Ulbra. “O Europa, mas sim no mundo todo em face aos tratados de cooperação que foi uma experiência muito gratificante e significativa na minha que a Europa firma com o mundo. Portanto, ser europeu traz a ga- vida acadêmica e profissional, opção instintiva diante da possibilidade rantia de permanência e trabalho regular em muitos países, que não de efetivação de um mercado comum na América do Sul - Mercosul”. Contudo, a luta como advogada veio, de verdade, quando uma aminecessariamente no continente europeu”. Ela diz que atualmente, diante do distanciamento entre as famílias, ga a chamou para substituí-la no período da sua licença maternidade. e falta de vínculo, quer seja pela distância, quer seja por identificação “Iniciei meu trabalho como advogada em uma empresa de auditoria cultural, a maior dificuldade para os interessados que buscam a cida- de grande porte com clientes especiais e aprendi muito, trabalhei muidania são as informações dos antepassados. “Porém, o escritório tem to, fiz grandes amigos e passei a conhecer o outro lado da vida, como uma rede de informações e faz a pesquisa genealógica completa com pessoa e profissional. Participei de processos de constituição, cisão e o intuito de localizar o estrangeiro que poderá efetivar o exercício do incorporação de empresas importantes no cenário nacional. Amava direito a dupla cidadania. Em suma, como tudo, em todas as profis- o que fazia e minha curiosidade aumentava. Me matriculei em ousões e atividades, para cada caso e situação, existe uma alternativa e tra pós-graduação, desta vez na PUC, através do Instituto Brasileiro um método, sempre em prol da satisfação do cliente e do alcance do de Estudos Tributários (IBET)”. Hoje, na Burtet Bazana & De Souza Advogados Associados S/S, ela se diz uma profissional realizada, mas seu objetivo”. Para chegar até esta realização profissional, Fabrizia conta sua tra- que vive em busca do novo. 10 | STAMPA


Nova turma de Jovem Aprendiz Uma parceria formada entre o Hospital de Caridade de Ijuí (HCI) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial-SENAC de Ijuí, mostra a importância da preparação para o mercado de trabalho, onde cinco turmas já foram formadas. O curso tem a parte teórica no próprio SENAC sobre Aprendizagem em Serviços Administrativos em Instituições de Saúde, com duração de 400 horas de segunda-feira a sexta-feira com uma carga horária de 4 horas diárias. Após esta capacitação, os jovens são acolhidos no HCI, para realizar as práticas educativas com a mesma carga horária, a fim de conhecer a instituição e suas rotinas. A formatura aconteceu no auditório do HCI e contou com a participação do diretor voluntário do HCI Alfredo Brandt. do Líder de Relações com Mercado do Senac Márcio Tiago de Oliveira Mews, da Líder Administrativa da unidade Carine Cristina Finckler, da paraninfa da turma, professora Claudia Guimarães Scherer e da gerente de recursos humanos do HCI Elisabete dos Santos. A quinta turma contou com 19 jovens entre 17 e 23 anos, a maioria filhos de funcionários, cursando o Ensino Médio, curso técnico ou ensino superior. “A avaliação de desempenho foi feita através de encontros mensais

Turma de 19 jovens realizou estágio de 400 horas no HCI com a equipe responsável pelo curso, sistematizando as informações através de relatórios individuais, constando o nível de desenvolvimento, aproveitamento e participação de cada um”, explica a gerente de recursos humanos do HCI Elisabete do Santos. O diretor voluntário do HCI Alfredo Brandt disse que o estágio é o primeiro passo para

um futuro profissional brilhante, com uma formação superior. “É um aprendizado para o resto da vida, pois vocês vão se tornar futuros advogados, administradores, professores e lembrar que o início de tudo foi aqui no HCI, onde receberam as primeiras capacitações para se tornar profissionais e pessoas bemsucedidas”, resume o diretor.

STAMPA | 11


As contradições do direito-dever de convivência dos pais com seus filhos C

ontemporaneamente, não se pode mais falar em tratamento desigual entre homens e mulheres, ao menos no tocante ao direito de família. Nossa Constituição Federal de 1988 equiparou ambos, concedendo prerrogativas idênticas para o exercício do poder familiar, que nunca, independentemente do regime de guarda a ser adotado, é cindido ou de exclusividade de um único genitor. É verdade, contudo, que o Judiciário brasileiro tem forte tendência histórica de conceder maiores prerrogativas às mães quando em conflito de interesses com os pais, mas tal conduta não deve ser tomada como regra e nem sempre se mostra como mais adequada. Diversos estudos apontam que a espécie de convivência sadia e frequente entre ambos os genitores para com os filhos, auxilia sobremaneira na autoestima, na educação e no desenvolvimento emocional da criança. Mas será que é sempre tão simples estabelecer um contato frequente e comungar decisões sobre a vida da criança? A advogada Tania Beatris Arbo Persich (OAB/RS 51.877), especialista em Direito de Família e Sucessões desde 2002, afirma que as mudanças legislativas nem sempre correspondem a uma mudança na prática forense. Durante os anos de sua atuação, afirma que muitas foram as mudanças, especialmente no texto legal.Entretanto,encontram-se dificuldades que fogem da mera disposição legal ou da falta dela. Existem barreiras práticas a serem superadas, e estas, na maioria das vezes, demonstram-se muito mais resistentes do que as barreiras legais, o que chega a causar, em algumas situações, frustração, mas que não abalam a esperança de melhora dos operadores jurídicos e dos próprios jurisdicionados. Para a advogada, alguns exemplos de situações jurídicas causam estranheza. Destas situações, muitas das quais vivenciadas pela profissional em sua trajetória,podem-se citar àquelas que dizem respeito ao direito de visitação dos genitores aos filhos e da própria concessão e exercício da guarda ao genitor(a). “É obvio que para se ter uma análise adequada, é preciso atentar para as peculiaridades de cada situação, sem se esquecer que os direitos de ambos os genitores, seja pai ou mãe, restaram equiparados desde o advento da Constituição Federal de 1988”, explica, acres-

Tania Beatris Arbo Persich Advogada (OAB/RS 51.877) centando que a Lei 13.058/2014 modificou alguns artigos referentes à guarda no Código Civil/02, tornando regra o exercício da guarda compartilhada de filhos menores, sob o regime compartilhado. Este ponto, por outro lado, é o mais contraditório se analisado sob a ótica prática.O legislador, inovando,estipulou a aplicação da guarda compartilhada como regra no direito brasileiro. Contudo, a prática forense labora em sentido contrário. Ao invés de se incentivar a convivência do genitor não detentor da guarda com o descendente, muitas vezes o obsta, fixando visitações quinzenalmente ou, até mesmo, mensalmente. Ora, neste contexto, muitas vezes, terceiros que não possuem qualquer vínculo de parentesco com a criança têm muito mais contato com esta do que o genitor não detentor da guarda, que vê seu filho quinzenalmente ou mensalmente. Como exemplos, podemos citar professores e, até mesmo, vizinhos. A situação, se não frustrante, é revoltante! Questiona-se, assim, se, com tais dificuldades, impostas por aqueles que deveriam fazer cumprir as disposições legais, será possível aplicar satisfatoriamente a regra do compar-

tilhamento da guarda, que pressupõe maior contato/convivência entre as partes. Evidentemente, visou o legislador, com referida disposição, facilitar e incentivar um maior convívio de ambos os genitores com seus filhos menores, o que deve ser considerado salutar para um desenvolvimento saudável e equilibrado do infante. Para mais do que isto, objetivava a frequente participação ativa de ambos os genitores nas decisões que devem ser tomadas sobre seus filhos, de maneira diária e que causarão reflexo em um futuro próximo para a criança. Relembra-se que o direito de convivência é muito mais um dever dos pais e um direito dos filhos, principalmente em ter daqueles afeto e amor, independentemente de desentendimentos ou brigas, judiciais ou não. Todavia, na prática, o que deveria ser regra, vira exceção. “Digo isso com a convicção de quem já atendeu inúmeras situações onde o pai busca, de todas as maneiras, exercer o seu direito de guarda do filho ou filha, mas encontra óbice da outra parte e do próprio Poder Judiciário. Mais alarmantes que isto, ainda, são as situações que dificultam o mero exercício da visitação (inerente à paternidade/filiação), fixando, muitas vezes, visitas quinzenais ou mensais, que justificam muito mais um afastamento do que uma aproximação sadia entre ascendente e descendente, pois impõe obstáculos à convivência que não necessitariam existir. Assim, a regra da convivência a fim de fortalecer vínculos acaba virando exceção, e esta exceção da limitação acaba virando regra.” Por essas e outras situações, vê-se que existem dificuldades que fogem da mera aplicação legal, em especial por ser a resistência às mudanças intrínseca ao Judiciário brasileiro, muitas vezes conservacionista. O ideário do exercício de guarda unilateral e a limitação de visitações não pode prevalecer frente às contemporâneas modificações no cenário legal, pois evidentemente contraria os mais balizares fundamentos da família. Todavia, estas modificações formais não alcançarão seus reais objetivos se a resistência e as atitudes conservacionistas de magistrados e demais operadores jurídicos continuarem a contrariar o intento legislativo para aproximação e fortificação da relação paterno-filial.


Looks Óptica: 6 anos de sucesso

Equipe Looks e a loja: atendimento qualificado em um ambiente moderno e acolhedor

Paulo e a filha Bruna: compartilhando também a trajetória profissional

A

Looks Óptica traz para você o que há de novidade no mundo da óptica, sempre com muito estilo, de maneira divertida e com um olhar de quem está há 6 anos no mercado atendendo com excelência. Assim, apresenta a Promoção 6 Anos Looks Óptica. Na compra do seu óculos de grau, as lentes visão simples Hoya Ultrax com antirreflexo saem de cortesia. Tudo com montagem em laboratório próprio. Além disso, os óculos solares de marcas selecionadas estão com 50% de desconto. Aproveite as promoções de aniversário da Looks Óptica e desfrute de marcas como Prada, Dolce e Gabbana, Polo Ralph Lauren, Colcci, Oakley, Michael Kors, Diesel, entre outros. Sob a direção de Paulo e Bruna Brizolim, pai e filha, a Looks Óptica tem uma clientela variada e isso faz com que a empresa esteja constantemente investindo em produtos de qualidade e na capacitação da sua equipe. O foco está na visão saudável de seus clientes. Experimente os óculos da Looks Óptica e transforme sua forma de ver o mundo, na Rua 15 de Novembro, 290, bem no Centro de Ijuí, fone (55) 3333-1529. Aceita cheques e todos os cartões de crédito, com parcelamento até 10 vezes. “Diferente do que muitos possam imaginar, grandes empresas normalmente não se mantém com grandes ideias, mas sim com pessoas de alto potencial que sabem o que precisa ser feito, como fazer, e principalmente, têm dedicação total para transformar um sonho em realidade. Assim, o elemento mais importante é o seu time”. (Cassio Spina)

STAMPA | 13


Tratamento Cirúrgico do Câncer de Mama O tratamento cirúrgico do câncer de mama passou por grandes transformações nos últimos anos. Inicialmente realizava-se uma cirurgia radical, independente do tamanho do tumor. Com os novos conhecimentos, se percebeu que a evolução da doença é condicionada a fatores biológicos intrínsecos ao tumor. O prognóstico de uma paciente com câncer de mama Gerson Delazeri está ligado ao fato de que ela tenha ou Mastologista não, no momento do diagnóstico, células metastáticas ocultas em órgãos distantes. Sabe-se que a maioria dos tumores segue a regra de que quanto maior o nódulo, maior a probabilidade de metastatizar, porém existem tumores pequenos com capacidade precoce de disseminar células para outros locais. O marco da cirurgia conservadora (em que se preserva a mama) foi um estudo iniciado em 1973 e encerrado em 1980, que demonstrou a eficácia da cirurgia conservadora seguida por radioterapia. O tratamento conservador é considerado o tratamento padrão, pois trata-se de um tratamento seguro do ponto de vista oncológico e apresenta um impacto positivo na qualidade de vida das pacientes, seja físico ou psicológico. Sempre que se busca a cura do câncer de mama, a cirurgia fará parte deste tratamento. Nem sempre será realizada num primeiro momento. Há casos em que se opta pelo tratamento sistêmico pré-operatório (quimioterapia ou hormonioterapia neoadjuvante) com o objetivo de reduzir o tamanho do tumor e conseguir cirurgias com melhor resultado estético. Em muitos casos, dependendo do tamanho da mama e do tamanho do tumor, será necessário a mastectomia, se possível com reconstrução imediata. Atualmente, tem crescido a procura e indicações da mastectomia profilática. Trata-se da ressecção do tecido glandular mamário para prevenir a ocorrência de um câncer de mama. Esta cirurgia pode estar indicada em mulheres com alto risco para desenvolver um câncer de mama, ou em mulheres que já tiveram a doença e nas quais se deseja diminuir o risco de um novo câncer na outra mama. É um procedimento que envolve a reconstrução imediata, geralmente com prótese de silicone. É importante o esclarecimento sobre as opções de tratamento por um profissional qualificado, com experiência e atualizado com as novas técnicas cirúrgicas, inclusive as oncoplásticas, respeitando o desejo e expectativas da paciente.

14 | STAMPA

Assistência Social A atividade especial exercida pelo segurado consiste no desempenho de funções laborais que ocasionam exposição a agentes nocivos causadores de malefícios à saúde ou à integridade física do obreiro, tais como ruído, frio, calor, radiações, agentes químicos, agentes biológicos, dentre outros. Em razão disso, a legislação de regência prevê a possibilidade de Naiara Braatz Garcez o segurado se aposentar em um período reduAdvogada zido, visando reparar financeiramente o trabalhador que atuou exposto a condições de trabalho inadequadas. Milhares de trabalhadores se enquadram na situação de exercício de atividade especial, o que, por si só, torna relevante o debate acerca do tema proposto na medida em que o reconhecimento da atividade especial acarreta inúmeras repercussões nos direitos do segurado, especialmente no que concerne ao tempo necessário para a aposentação, bem como na própria renda mensal do benefício. Com efeito, o reconhecimento da atividade especial junto ao INSS, a depender do caso concreto, possibilitará a obtenção do benefício de aposentadoria especial caso o segurado tenha atuado por 15, 20 ou 25 anos em atividade especial, conforme disposição do art. 57 da Lei 8.213/91. Além disso, outra possibilidade é a obtenção do benefício de aposentadoria por tempo de contribuição com tempo reduzido, na hipótese de o segurado ter trabalhado em atividades especiais e comuns, mediante a conversão do período especial em período comum através da incidência do respectivo fator de conversão no cálculo do tempo de contribuição (1,4 para homens e 1,2 para mulheres), que consiste em acréscimo compensatório em favor do segurado no seu tempo de contribuição. Assim, tanto na aposentadoria especial como na aposentadoria por tempo de contribuição, o segurado que demonstrar o exercício de atividade especial à luz da legislação vigente à época da prestação do serviço irá obter o direito de se aposentar com tempo reduzido em relação aos demais segurados que somente exerceram atividades comuns. Contudo, muitas vezes o INSS deixa de reconhecer a natureza especial das atividades desenvolvidas pelo segurado unicamente pelo fato de constar informação em formulário ou laudo técnico sobre fornecimento de EPI, o que impede os segurados de obter o benefício postulado.Por conseguinte, mostra-se de grande importância analisarmos o presente tema, eis que objetiva avaliar a possibilidade de reconhecimento da atividade especial, ainda que conste a informação de fornecimento e uso de EPI em formulário ou laudo técnico, tendo em vista que deve ser avaliada a real efetividade do EPI quanto à neutralização do agente nocivo, o que na grande maioria das vezes não é realizado pelo INSS, que se limita a indeferir o benefício sem realizar uma avaliação mais detalhada das reais condições de trabalho do segurado.


Iloir de Pauli A Ceriluz foi fundada em 20 de agosto de 1966, com objetivo de levar energia elétrica a um pequeno grupo de produtores rurais. Desde então, a cooperativa superou desafios no setor energético, aumentou sua capacidade na geração e distribuição de energia, investindo em novas usinas em Ijuí e região, e hoje atende mais de 10 mil unidades consumidoras, em 13 municípios e tem 14,3 mil associados. Em 2013, a Ceriluz foi homenageada na Assembleia Legislativa, e no ano passado conquistou a segunda colocação entre as melhores cooperativas do Brasil, na sua categoria. À frente da cooperativa desde 1995, o presidente Iloir de Pauli tem sua história profissional e pessoal baseada no cooperativismo, onde atua há pelo menos 40 anos. Casado com a empresária Dulce de Pauli, pai de três filhas, ele tem formação na área técnica de energia elétrica e como meta retomar a autossuficiência da cooperativa na geração. Com sua direção baseada no que define de tripé do cooperativismo, integrando direção, colaboradores e associados, Iloir conta que o segredo do sucesso está na missão da Ceriluz, que passa também pelo projeto interno Além da Energia, que leva a cooperativa até o associado por meio de encontros, palestras e debates oferecendo informação e formação. Por Deise Morais

No dia 20 de agosto deste ano a Ceriluz comemorou 49 anos de fundação. Como o senhor avalia essa trajetória? A Ceriluz completou 49 anos de uma bela caminhada, que consideramos vitoriosa, onde nós tivemos grandes desafios superados e,hoje, sua estrutura física se encontra no melhor momento possível pelos investimentos que foram feitos, principalmente em tecnologias, redes, alimentadores, subestações e usinas, fazendo com que a gente possa levar energia de qualidade para nosso associado. Quais elementos permitiram que a Ceriluz superasse seus desafios? Essa caminhada foi obtida na força do conjunto, no tripé do cooperativismo que envolve direção, funcionários e associados. Estamos passando por um momento delicado no setor elétrico nacional, mas juntos somos fortes e com certeza continuaremos avançando. Levamos energia no passado e fizemos pessoas felizes, levamos energia hoje e continuamos a fazer pessoas felizes. Caminhamos rumo aos 50 anos com qualidade, tarifa justa e levando essa ferramenta indispensável que é a energia para a vida. O que a Ceriluz prepara para o próximo ano, quando completará 50 anos? Tivemos recentemente uma reunião

Presidente da Ceriluz Iloir de Pauli atua há 40 anos no cooperativismo

com nosso Conselho de Administração, quando definimos a trajetória que faremos no próximo ano e lançamos o Projeto Ceriluz Rumo aos 50 Anos, que, inclusive, teve início no dia 20 de agosto último, dia que a cooperativa completou seus 49 anos. Nosso objetivo é comemorar de fato esse momento que ocorrerá em 2016. Dentro da programação, teremos ainda este ano a inauguração da Subestação Ceriluz 02, no interior de Santo Augusto, e também será colocada em funcionamento a Pequena Central Hidrelétrica (PCH) Agudo, que está em fase de finalização no município de Zortéia, com inauguração oficial prevista para o início do próximo ano. E no dia 20 de agosto de 2016 teremos o lançamento do livro dos 50 anos da Ceriluz, que está sendo escrito pelo escritor ijuiense Ademar Campos Bindé. Além disso, acontecerão atos em homenagem a pessoas que foram importantes e participaram de forma ativa destes 50 anos. Vamos tentar fazer esse registro da história, chegar o mais próximo possível dele, já que essa história é muito rica. A cooperativa cresceu muito desde a sua origem e a organização desse projeto visa demonstrar esse crescimento por meio de ações que apresentam as principais estruturas da cooperativa, ao mesmo tempo em que homenageiam algumas das pessoas que participaram dessa

história. Queremos que todos se sintam valorizados por meio de nossas iniciativas. E os associados, como participarão dessa comemoração? Este é um dos pontos mais desafiadores. São quase 15 mil associados e o desafio é engajá-los nas ações que vamos realizar, participando dos eventos. Para isso, acima de tudo, temos que ir até eles. É o que a cooperativa já vem fazendo por meio dos encontros de comunidade, levando as palestras do Projeto de Formação e Educação Cooperativista. Esta ação faz parte das comemorações, mas queremos chegar ainda mais próximo, oportunizando eventos culturais que os ajudem a sair da rotina, que lhes permitam interagir conosco. Como a crise no setor energético reflete na receita da Ceriluz? Estamos passando, talvez, pelo pior momento referente à geração de energia no Brasil. E tivemos um reflexo expressivo na Ceriluz em 2014/2015 dessa situação. O prejuízo como geradora em função da falta de geração em âmbito nacional foi em torno de R$ 14 milhões. Esse é o grande desafio. Recentemente, saiu uma medida provisória do governo federal, a MP-688, que está definindo o futuro da situação da geração de energia e a Cooperativa está junto nesse processo. >>>

A Ceriluz cresceu muito desde a sua origem e na comemoração de seus 50 anos vamos demonstrar isso.

STAMPA | 15


assim 101 distribuidoras de todo o País. Somos a segunda melhor cooperativa do Brasil, ficando atrás da primeira colocada por menos de meio ponto percentual. Com uma média superior a 90% de aprovação. A própria ANEEL, que é quem regula todo o setor elétrico, está dizendo em seu relatório que o nosso trabalho é excelente, superando inclusive a aprovação de distribuidoras de países de primeiro mundo.

Recompensa: presidente comemora o reconhecimento da Ceriluz como a segunda melhor cooperativa do País

Precisamos praticar o cooperativismo todos os dias, na vida, em casa, no trabalho, porque este é o caminho mais seguro para vencer todos os obstáculos.

É importante reforçar que a Ceriluz, independente da situação vivida pelo Brasil, ampliou a geração na Usina José Barasuol trocando os rotores das turbinas que funcionam há 10 anos, já que hoje tem tecnologia mais moderna. Investimos R$ 1,2 milhão. A partir disso, conseguimos aumentar a geração em 2,3 megawatts, e mais os 4 megawatts que vamos colocar em operação por meio da PCH Agudo, reflete o crescimento em nossa demanda. Se hoje fossemos construir uma usina nova para gerar estes 2 megawatts , nós gastaríamos aproximadamente R$ 9 milhões, mas com um investimento de R$1,2 milhões, simplesmente trocando os três rotores das turbinas, tivemos um ganho de 2,3 megawatts na produção de energia.

que continue pagando em dia, pois isso tem reflexos no nosso trabalho junto aos associados.

Desde outubro passado o governo deixou de repassar valores às cooperativas. O que isso representou para a Ceriluz em termos de receita? Representou aproximadamente R$3 milhões a menos em sua receita entre outubro de 2014 e o início de 2015. Isso aconteceu porque em 2013 o governo reduziu a tarifa dos consumidores, ele assumiu essa redução da receita, mas não vinha repassando essa receita para as Permissionárias de Serviço Público, no caso, as cooperativas, o que reduziu nosso fluxo de caixa. Nós estamos preparados para enfrentar essa situação, mas com certeza ela nos traz grandes desafios. A Ceriluz precisou repensar suas ações e, inicialmente, reduziu seus gastos operacionais em aproximadamente 30% no período do último ano. É evidente que, considerando os fatos, estamos adiando o início de novos investimentos, no entanto, a Ceriluz tem obras em andamento e elas serão concluídas. O mais importante é que não vamos diminuir a qualidade na prestação dos serviços, apesar das dificuldades, e vamos superar essa situação que, eu tenho certeza, é momentânea. No momento, o governo começa a regularizar essa situação e esperamos

Hoje a Ceriluz é autossuficiente na geração da energia que distribui aos associados? Em agosto de 2012 colocamos em funcionamento a Usina RS-155, terceira PCH da Ceriluz, aqui em Ijuí, com capacidade de geração de 6 megawatts, agora, aumentamos a potência da Usina José Barasuol e em breve entrará em funcionamento a PCH Agudo, e assim voltaremos a ser autossuficientes na geração em relação a distribuição de energia. Isso acontece porque estamos sempre trabalhando intensamente, focando investimentos que geram retorno aos associados, na forma de qualidade na energia, mas que também ampliam e valorizam o patrimônio da Ceriluz.

Diante deste cenário crítico para a energia no País, quais as perspectivas para o futuro? O momento para a geração no País é difícil. Para nós, em nossas usinas os resultados vêm sendo favoráveis. Mas colhemos os reflexos da falta de geração no País. É difícil imaginar o futuro, pois dependemos hoje exclusivamente, da regularização das chuvas no Centro-Oeste e do enchimento dos grandes reservatórios. Estamos na expectativa quanto a isso, mas a Ceriluz está fazendo sua parte, sempre investindo em geração porque sabemos que o consumo sempre vai aumentar.

Ano passado a Ceriluz conquistou a segunda colocação entre as melhores cooperativas do Brasil. O que representa esta premiação? Foi o primeiro ano que as permissionárias de energia elétrica participaram do prêmio IASC quando 38 cooperativas foram avaliadas. Além das permissionárias, a agência também classificou as melhores concessionárias do País entre um total de 63 participantes, avaliando

Qual a importância para a cooperativa da realização de campanhas como a Participação Premiada? A Campanha é promovida pela Ceriluz com o objetivo de avaliar os serviços prestados e consiste na distribuição de uma pesquisa de opinião a ser preenchida pelos associados, junto com uma cartela de prêmios. A partir destes dados podemos buscar avaliar as principais dificuldades e ampliar nossos investimentos nesses pontos, sempre, claro, sem esquecer as áreas onde a energia já está melhor, mas que necessitam da atenção constante. Em julho, a Aneel publicou resolução que define as tarifas que devem ser aplicadas pela Ceriluz. Como a diretoria se posiciona frente a esse reajuste? Conseguimos chegar a um valor de 16,59% de reajuste, valor menor do que imaginávamos inicialmente. Dentro deste aumento, no entanto, a Ceriluz recebe 7% apenas, que é o seu custo operacional, o restante são encargos aplicados pelo governo ou a diferença que teremos que pagar a mais pela compra da energia. Mas é importante entender que a revisão tarifária acontece a cada quatro anos e a nossa aconteceu em 2014. Este ano apenas foi o reajuste tarifário e se nós não tivéssemos os encargos a mais, colocados pelo governo, esse reajuste seria de 7%. As tarifas da Ceriluz vão ficar nesse patamar se não houver acréscimo do governo nas taxas, porque a revisão tarifária só vai acontecer novamente em 2018. Como o senhor define o cooperativismo? Estou há 40 anos trabalhando dentro de uma cooperativa e, a gente, na realidade, tem que praticar o cooperativismo todos os dias. Cada associado deve praticar na sua vida, em casa, e trabalhando junto com sua comunidade, porque esse é o caminho mais seguro, onde unidos conseguimos vencer todos os obstáculos.Queremos também a participação de todos na Ceriluz e esta é uma das propostas gerais do Projeto Ceriluz Rumo aos 50 Anos, aumentar ainda mais a participação do associado na vida da Ceriluz.


Personalize seus espaços com a Ambience Indústria Moveleira A

Ambience está no mercado desde 26 de agosto de 1965, oferecendo aos seus clientes praticidade, fino acabamento, durabilidade, design moderno, materiais de qualidade, aproveitamento de espaço e modularidade, valorizando o conforto e bemestar em móveis sob medida. É uma empresa que realiza móveis personalizados, para que haja um maior aproveitamento do espaço em sua residência ou local de trabalho. Com moderno programa para projetar seus ambientes sem sair de sua casa, a indústria preza pelo seu bemestar em primeiro lugar, com materiais de ótima qualidade, para que você sinta-se satisfeito. Na Ambience você também desfruta de facilidade, pois pode receber seus projetos por email, no conforto de sua residência. A empresa está localizada na Rua dos Viajantes, Centro, Ijuí (próximo ao viaduto da Rua 14 de Julho). Contato pelo telefone: 3333-6543 ou 9942-5278. E-mail: paulomoveis52@ hotmail.com e Facebook Paulo Rotthues. Visite a Ambience Indústria Moveleira e conheça o melhor em móveis personalizados.

Ambience trabalha com materiais de qualidade e personalizados que se adequam ao espaço da casa

STAMPA | 17


8º Concurso de Redação premia vencedores F

oram divulgados no dia 18 de agosto, em cerimônia na Casa da Amizade, os resultados do 8º Concurso de Redação, promovido pelo Jornal da Manhã e Rotary Club de Ijuí. Com o tema “O Rotary por um mundo livre da Pólio” o concurso teve a participação de alunos do Ensino Fundamental e Ensino Médio das escolas públicas e privadas de Ijuí e de toda a área da abrangência da 36ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE), com um total de 411 trabalhos. Compondo a mesa principal estiveram o prefeito de Ijuí, Fioravante Ballin, o coordenador da 36ª CRE, Cláudio de Souza, o presidente do Rotary Club de Ijuí, Armando Petinelli Netto, e o coordenador do concurso neste ano, Bruno Strapazzon, que salientaram a importância da premiação para incentivar a leitura e escrita em um mundo dominado pela tecnologia. Participaram da solenidade os autores das cinco melhores redações das duas categorias, seus professores orientadores, familiares e direção das escolas. O 1º lugar no Ensino Fundamental foi de Lisa Nielsen de Mello, aluna do 8º ano do Colégio Sagrado Coração de Jesus (CSCJ), que teve como orientadora a professora Juliana Scheibner Dellafavera na produção do texto intitulado “Super Rotary vs. pólio”. No Ensino Médio, o 1º lugar foi para a aluna do 3º Ano do Colégio Comendador Soares de Barros, de Ajuricaba, Madalena Karoline Guse, sob orientação da professora Valdete Mülhbeier. O título do texto premiado é “Uma conquista histórica”. Os classificados em 1º lugar nas duas categorias receberam de prêmio um tablet, um kit de O Boticário, medalha, certificado, e tiveram seus textos publicados no Jornal da Manhã. A noite teve ainda o lançamento do Caderno do 8º Concurso de Redação que reúne os 10 melhores textos do Ensino Fundamental e 10 melhores do Ensino Médio, editado pelo Jornal da Manhã e impresso em sua gráfica Cia de Arte. O caderno está sendo distribuído gratuitamente para todas as escolas que participaram do concurso. O 8º Concurso de Redação Jornal da Manhã e Rotary Club de Ijuí foi realizado com o imprescindível apoio da 36ª Coordenadoria de Educação e Secretaria Municipal de Educação, com o patrocínio de CCAA, Ótica Albrecht, O Boticário, Literatus Livraria, Centrosul Informática, Futura MD, Golden Tur, VP Engenharia, MasterCell, e Celtec. 18 | STAMPA

Em pé, as vencedoras do Ensino Médio: Madalena Karoline Guse, (1º), Samantha Lia Ziotti Soares (2º), Heloisa Ruschel Bortolini (3º), Stephanni Pomina (4º) e Tainá de Sena Dressel (5º). Sentadas, as vencedoras do Ensino Fundamental: Lisa Nielsen de Mello (1º), Victória Luisa da Rosa Ribeiro (2º), Carla Andrade Frederich (3º), Taiany Berf Ramos (4º) e Júlia Glowacki (5º)

Vencedora do Ensino Fundamental Lisa Nielsen de Mello, do CSCJ, sua professora orientadora Juliana Scheibner Dellafavera e a diretora Lorena Beal

Vencedora do Ensino Médio Madalena Karoline Guse, com sua professora orientadora Valdete Mülhbeier e o diretor Flávio Foguessato, do Colégio Comendador Soares de Barros

Vencedoras com alguns dos patrocinadores: Margô Petry (MasterCel), Amine Hatem (CCAA), Cristiane Dreher (Futura Mídia Digital), Fabiane Vieira (Óptica Albrecht), Gislene Monteiro (O Boticário) e Nadélio Petersen (Literatus Livraria)


Bebendo bem O ijuiense Fabian Ponzi é um conhecedor de cerveja. Ele fundou o site Bebendo Bem.Com, um dos três maiores blogs cervejeiros do Brasil, onde relata curiosidades da bebida

N

atural de Ijuí, Fabian Ponzi, de 41 anos, se mudou para Porto Alegre em 1995, de onde retornou em julho deste ano. Lá se formou em Publicidade e Propaganda. Há 16 anos é videomaker e há cinco anos se dedica ao estudo das cervejas. “Eu sempre gostei de cerveja, mas como todo mundo, comecei experimentando as mais comuns. Sempre tive curiosidade e sempre aproveitei as oportunidades que tive de beber alguma cerveja diferente”. A história começou em janeiro de 2010, quando Fabian iniciou em um novo emprego, e lá ganhou de presente de boas-vindas um kit com três cervejas artesanais. Ao experimentar uma delas, a Eisenbahn Pale Ale, Fabian conta que teve um estalo e nessa experiência viu que tinha entrado em um caminho sem volta. “Como sempre fui um autodidata e dedicado às minhas paixões, comecei a estudar e experimentar cervejas. De lá pra cá, já provei mais de 1000 rótulos, de praticamente todos os estilos conhecidos”, relata. Segundo Fabian, atualmente o Brasil está bem servido em termos de importações, então, o acesso fica mais fácil. “A santa mala dos amigos também ajuda com que eu experimente muitos rótulos diferentes, quando eles voltam do exterior com uma ou outra cerveja que não existe por aqui”, conta. O provador de cervejas diz que é bastante difícil dizer qual é a melhor cerveja, pois depende muito do momento. “Na companhia dos amigos, num churrasco ou coisa assim, a prosaica loira gelada pode ser a melhor do mundo. Bem como uma cerveja mais elaborada, harmonizada com um delicioso prato, também pode se tornar inesquecível”. Questionado sobre a primeira cerveja que vem a sua mente quando pensa na melhor, ele diz que é a Labyrinth Black Ale, da Uinta Brewing (EUA), uma imperial stout de 13,2% de álcool maturada em barris de carvalho. “O Brasil está com uma produção de cerveja artesanal bastante consistente, tendo melhorado consideravelmente nos últimos dois ou três anos. Atualmente, o consumidor de artesanais pode tranquilamente se satisfazer somente com cervejas nacionais, pois sua qualidade não está devendo nada para a média das importadas”, explica Fabian, acrescentando que para uma cerveja passar por seu aval, é preciso agradar o seu paladar. “Não importa se a cerveja é rara, cara ou exaltada por especialistas. Se ela não combinar com o meu gosto, não passa no meu aval”. Inicialmente, o site criado por ele, o Bebendo Bem, surgiu como um registro de suas degustações. No entanto, em alguns meses online, o foco foi mudando para notícias, curiosidades e opinião sobre o mercado cervejeiro em geral. A mudança resultou num aumento considerável da audiência e hoje é um dos três maiores blogs cervejeiros do Brasil. Fabian conta que ao chegar a Ijuí, se deparou com uma produção local, que, segundo ele, ainda é bastante pequena. “Já tive a oportunidade de provar algumas cervejas caseiras de homebrewers locais e algumas me agradaram bastante. Sou um apoiador e um fã do Chopp Ijuhy. Além dos produtos de qualidade, as novas cervejas estão ótimas, a ideia de comercialização direta em garrafas pet foi sensacional, pela questão de preço e proximidade com o consumidor. Acho que a cidade deveria se orgulhar de ter uma cervejaria local e prestigiar o máximo possível. Infelizmente, não é o que vejo, pois foram poucos os lugares que vi o Chopp Ijuhy à venda. Comparado com Blumenau, por exemplo, onde a cidade abraça suas cervejarias e é possível encontrar cervejas locais em praticamente todos os lugares, aqui não notei esse apoio”, revela. O publicitário apaixonado por cerveja, diz que voltou para Ijuí buscando novas oportunidades profissionais, tanto na publicidade, quanto no ramo cervejeiro. “Acredito que a cidade tem um potencial incrível que ainda não é explorado. Mais especificamente em relação à cerveja. Tenho planos de promover eventos de divulgação da cultura cervejeira e, quem sabe, empreender no setor. Ainda não posso entrar em detalhes, mas a ideia é transformar Ijuí em um pólo cervejeiro do Rio Grande do Sul em breve. Já que somos um pólo de educação e saúde, por que não também um pólo cervejeiro?”, desafia.

Desde que se iniciou no ramo, Fabian já provou mais de mil rótulos da bebida No 4º Concurso Mestre Cervejeiro Eisenbahn, um dos maiores concursos de cerveja do mundo

STAMPA | 19


Intolerantes: doença ou dieta da moda? Aos poucos o mundo vai se adaptando ao diferente, ou à exceção, e é bem no meio dessas mudanças que se encontram os intolerantes. Não estamos falando de comportamento, e sim de alimentação. Eles foram se descobrindo aos poucos, e agora já têm alimentos específicos, sem glúten ou lactose Adaptar a rotina e adotar uma nova alimentação é os primeiros desafios de uma pessoa que se descobre intolerante ao glúten e/ou à lactose. A doença não é nova, há pelo menos 20 anos especialistas têm se dedicado ao estudo das restrições alimentares. Sintomas como azia, má digestão, estufamento gástrico e gases (os chamados flatos) tendem a agravar quando a pessoa ingere glúten ou lactose. O primeiro sinal de alerta é dado pelo corpo humano, e a confirmação vem por meio de exames. A lactose é identificada em exame de sangue e o glúten por meio de colonoscopia com biópsia. O glúten é uma proteína presente no trigo, no centeio, na aveia, no malte e na cevada. A doença celíaca é considerada uma desordem auto-imune, na qual o organismo ataca a si mesmo, e persiste durante toda a vida, tendo uma prevalência de 1% na população. A lactose é o açúcar do leite de Elisia Costa, nutricionista vaca, e a intolerância a este açúcar é caracterizado pela falta da enzima lactase para digerir um tipo de alimento, neste caso, o leite e seus derivados, tais como manteiga, requeijão, queijos, etc. e preparações que contenham leite. A pessoa pode nascer com a intolerância à lactose ou desenvolver em algum momento da vida, já adulta. O primeiro passo é fazer uma desintoxicação alimentar de cerca de 90 dias, eliminando completamente o glúten, leite e derivados e a carne vermelha. A desintoxicação é feita não apenas pelos intolerantes diagnosticados, mas também por aqueles que optam por uma dieta restritiva de redução de peso, nesse caso, a especialista em nutrição Elisia Costa, conta que a retirada de pães e bolos tem efeitos imediatos. “Para trata-

mentos de desconforto gástrico e intestinal, a gente tem essas opções. Pessoas que usavam muito pão, muito bolo, muitas massas quando fazem uma dieta de redução de peso, são retirados isso, e vamos optar pela desintoxicação e ou pela dieta sem glúten. Mas é uma opção, diferente dos que são celíacos, esses não têm opção e o cuidado é muito maior”, explica. Trabalhando há 10 anos no tratamento de desconfortos gástricos, Elisia explica que há os intolerantes, que no caso do glúten tem a doença celíaca,devem ter uma dieta isenta de glúten e/ou lactose; já os sensíveis, apresentam restrições com alguns alimentos ou derivados do leite, e nesse caso tem uma dieta mais específica; e há os alérgicos, que após um tratamento de desintoxicação, conseguem reintroduzir, gradativamente e esporadicamente, esses alimentos por meio de uma dieta equilibrada. A especialista alerta para o cuidado que intolerantes devem ter, porque a retirada dos alimentos servirá para fazer um tratamento interno, de dentro para fora. “Mas não é só a retirada dos alimentos, a pessoa tem que mudar os hábitos. Tem que caprichar na mastigação, tomar água, às vezes tem que cuidar o PH da água também, comer mais frutas que, dependendo do caso, têm que ser cozidas. Não é simplesmente retirar, mas tem que repor o que o organismo precisa, e normalmente, a gente faz as dietas acompanhadas de suplemento de vitaminas e minerais”. Elisia afirma que é possível ter uma vida saudável sem ingerir glúten ou lactose, mas é preciso manter uma dieta equilibrada com todos os nutrientes que o corpo humano precisa. “O que as pessoas têm hoje em dia é uma alimentação muito errada e muito estresse, e esses fatores vão gerando sintomas físicos”, afirma. Em Ijuí, padarias e supermercados já começam a se adaptar e oferecer produtos livres de glúten e/ou lactose, assim como confeiteiras que se especializam na produção caseira desses alimentos. A nutricionista é categórica ao afirmar que a intolerância é uma doença e requer atenção e cuidado permanente.

Glúten - É uma proteína de tamanho grande, formada por duas proteínas menores chamadas gliadina e glutenina. Ele é encontrado junto ao amido, em cereais como trigo, centeio, cevada, triticale e malte. Todos os alimentos derivados desses grãos, como farinha de trigo, cerveja e uísque, também possuem glúten em sua composição. Celíacos - Uma pessoa diagnosticada com doença celíaca não pode comer nenhum tipo de alimento que contenha glúten. Indivíduos com essa doença tem uma reação anormal à ingestão de glúten. O sintoma mais clássico dessa doença é a diarréia crônica, causada pela inflamação no intestino delgado, que passa a apresentar falhas na absorção dos nutrientes.

Lactose - A intolerância à lactose, também conhecida como deficiência de lactase, é a incapacidade que o corpo tem de digerir lactose - um tipo de açúcar encontrado no leite e em outros produtos lácteos. Entre os sintomas estão diarreia, náusea e às vezes vômito, dores abdominais, inchaço.


Tratando com Acupuntura Por Izane Brandão

N

esse breve artigo venho fazer uma explanação sobre tratamentos com a medicina tradicional chinesa, a acupuntura, principalmente a sua eficácia nos casos das algias (dores). Estamos falando de um dos tratamentos mais antigos do mundo, que desde seu início até os tempos atuais vem alcançando resultados muito satisfatórios. A medicina tradicional chinesa trabalha desde a prevenção como o tratamento de doenças. O tratamento com acupuntura vem crescendo cada vez mais em todo o mundo, tanto nos países do oriente, como também em toda Europa, Canadá, Inglaterra, EUA, Brasil entre outros, e com resultados muito positivos. Principalmente nas grandes cidades, vemos que os profissionais de saúde mais bem informados e atualizados tem reconhecido os benefícios desse tratamento, e utilizando-o como coadjuvante em vários casos. Inúmeras doenças podem ser tratadas com acupuntura, principalmente as que causam sofrimento em função de dores crônicas. A grande maioria dos pacientes que recorre a esse tratamento melhoram consideravelmente, mas vale salientar que para se alcançar de fato bons resultados, é necessário que o diagnóstico seja feito corretamente, de preferência a partir da pulsologia, e a seguir trabalhados os meridianos comprometidos, utilizando a técnica adequada. Esses são fatores determinantes para que seja alcançado um resultado rico. Embora a acupuntura trate inúmeras doenças, em algumas situações sua eficácia é mais imediata. Nos casos de dores e problemas emocionais, os pacientes são ainda mais beneficiados, já que o alívio é quase que imediato. Em pacientes que chegam com queixa de dores intensas na coluna, nas articulações do joelho, ombro, dedos das mãos e dos pés, ciático, nevralgia do trigêmeo, enxaqueca, ansiedade, stress, desmotivação, e melancolia, normalmente na primeira sessão já se obtém nitidamente uma evolução positiva. É muito comum o acupunturista receber em seu consultório

pacientes que já se submeteram a inúmeros e longos tratamentos com medicamentos, terapias variadas, e que todavia, não foi alcançado um resultado satisfatório, e que ao conhecer os reais resultados da acupuntura se surpreendem. Esses casos são interessantes, pois consegue-se perceber de forma muito nítida as mudanças no aspecto emocional e alívios de dores a partir do tratamento com acupuntura. O reequilíbrio energético que atua nos canais de energia que estão em desequilíbrio surte um efeito de forma muito direta no organismo como um todo, desinflamando regiões afetadas e diminuindo tensões, equilibrando assim o emocional em seu funcionamento, fazendo com que a energia corporal circule por todo o corpo da forma correta sem excessos ou bloqueios. Esse reequilíbrio energético é realizado de forma sistêmica, através dos meridianos, que são os canais de energia que percorrem o nosso corpo, e que são ligados diretamente aos órgãos, vísceras e regiões corporais. Essa aplicação sistêmica, quando associada com manipulações dos microssistemas, tais como auriculoterapia, moxa, ventosa, eletron, otimizam imensamente o resultado final. Na acupuntura temos também o tratamento intensivo de Craniopuntura, que vem surpreendendo positivamente com seus resultados nos pacientes com sequelas neurológicas, principalmente vitimas do AVC (Acidente Vascular Cerebral). Nesses casos, as aplicações com agulhas devem ser realizadas diariamente em áreas do crânio, e juntamente com o comando de voz, o acupunturista manipula áreas responsáveis pela motricidade, fala e memória, acelerando o processo de recuperação do quadro. É importante lembrar que se faz necessário a realização do tratamento, e não apenas uma ou duas aplicações, mesmo que seja alcançado um resultado já nas primeiras sessões. O tratamento deve ser realizado da forma correta por um profissional apto nessa área e que domine bem todas as técnicas da acupuntura.


Equipe vibra com a vitória brasileira e na etapa regional, na Argentina, quando receberam a notícia que irão para a grande final na Suécia

Prêmio para carimbar o passaporte Mecânicos ijuienses da Brasdiesel estão na final do Scania Top Team 2015, concurso mundial que os levará para a Suécia

C

arlos Eduardo Pimentel Leite, Igor Rafael Menegol, Neilson Goi Freitag, Marcelo Bueno, Felipe Daniel Fogaça, Carlos Alberto Fösch e André Luis Decker são os melhores profissionais de serviços da rede Scania no Brasil. A equipe Btec, da Scania Brasdiesel de Ijuí, está classificada para a final mundial da competição Top Team, que será realizada entre os dias 3 e 5 de dezembro, na Suécia. O Top Team é uma competição promovida pela Scania para valorizar e incentivar a capacitação dos profissionais técnicos da rede de concessionárias em todos os países em que atua. O time da Brasdiesel ganhou a vaga na final regional após vencer o torneio nacional, em março, o que a tornou a melhor concessionária em termos de serviços na rede Scania no País. A final regional do Top Team que aconteceu na Argentina contou com sete equipes, que representaram Argentina, Brasil, Peru, Chile, Uruguai, México e África do Sul. Os dois primeiros garantiram vaga na final mundial. A Argentina venceu em casa, e o Brasil ficou na segunda posição. Para ser a melhor equipe do mundo, a Btec precisará vencer outras 11 concorrentes. As equipes passaram por provas em uma estação teórica e quatro em estações práticas. A prova escrita continha questões de oficina e conhecimentos dos produtos Scania e na parte dinâmica situações diárias de uma concessionária. Para se classificar para a final regional, o time da Brasdiesel venceu 258 concorrentes da rede brasileira. A seleção levou em conta provas práticas e teóricas, simulações do dia a dia na concessionária. Doze juízes da Scania avaliaram o diagnóstico dado pelas equipes, a

22 | STAMPA

reparação, metodologia de trabalho escolhida, o grau de segurança na execução e o tempo gasto nas tarefas. Ao conquistar o título de melhor equipe de serviços da Rede Scania no Brasil, a Btec recebeu R$ 20 mil de premiação. “Nós nos sentimos muito felizes em sermos os vencedores desta competição, pois isto é fruto de anos de trabalho e dedicação à profissão e vem como reconhecimento e realização profissional. Mesmo assim, estamos sempre dispostos a melhorar e continuar nossos estudos para sermos profissionais cada vez melhores”, comenta André Luís Decker. A equipe está intensificando os treinamentos, que são feitos de forma periódica - uma semana de treinamento com instrutores da Scania na Brasdiesel de Ijuí e mais uma semana na fábrica da Scania em São Bernardo do Campo, para cada mês que antecede a viagem. “Além destes treinamentos continuamos estudando nas horas vagas e nos encontrando depois do horário de trabalho para aperfeiçoarmos nosso conhecimento”, conta André. A premiação da final brasileira foi R$ 20 mil, divididos entre o cinco integrantes da equipe e o técnico. Na Regional da Argentina, a premiação foi a própria viagem para a final mundial em dezembro, na Suécia, que premiará o primeiro lugar com 50 mil euros, dos quais 30% vai para a equipe e 70% para a concessionária investir na área de treinamento de seus colaboradores. O grupo, diz André, está entusiasmado com a viagem. “Estamos com muita expectativa com a viagem, serão novos países, novas culturas e também vamos conhecer a matriz mundial da Scania.”


Novidades na Aquarella Kids A Aquarella Kids está com novidades nas festas de Kit Escola. Agora, além de todos os brinquedos e balada teen, as crianças podem escolher fazer a festa somente das meninas ou dos meninos, optando por uma das festas temáticas: Aula de Culinária: um chef de cozinha vai ensinar as crianças a preparar o seu jantar com os amigos, montando suas próprias pizzas e Cupcakes. Curso de Automaquiagem: uma maquiadora profissional estará a disposição para ensinar truques de maquiagem, e cada criança poderá se maquiar e curtir a festa ainda mais bonita. Gincana: muitas brincadeiras serão organizadas por uma recreacionista e no final, além de toda a diversão, os campe-

ões ainda ganham brindes. E para os pais estaremos com descontos especiais e condições de pagamentos facilitadas para as festas de Kit Escola no mês de outubro, Mês das Crianças. Acompanhe também na fanpage aquarellakidsbuffet, datas de eventos, onde todos os amigos e clientes podem se divertir. Em setembro, Bailinho Gaúcho, apresentação de grupos de dança infantil, aula de dança para aprender alguns passinhos e roda de chimarrão. Em outubro, Festa de Dia das Crianças com gincana e brindes. Além de tudo isto, mais novidades estão sendo programadas. Aquarella Kids, onde a festa é garantida! Av. 21 de Abril, 1110, telefones (55) 8146-8888 / 9121-7222/ 9607-2500.

STAMPA | 23


Há 50 anos morando na mesma rua, de frente uma para a outra, Delphina Gabriel e Albina Bigolin dividem histórias, vivências, amores, tragédias e alegrias

A

Amizade que não se abala: Albina Bigolin e Delphina Gabriel são vizinhas há 50 anos

Bodas de Amizade

Festa teve bolo com velinha dos 50 anos, e entre as lembraças, uma caneca com a foto das duas vizinhas inseparáveis

Família unida:em pé, Sandro Gabriel, Oderle Bigolin,Tânia Gabriel Dropa, Diva Bigolin Machado, Sônia Gabriel Knorst, com Albina Bigolin e Delphina Gabriel 24 | STAMPA

migos também comemoram bodas. Delphina Gabriel, de 80 anos e Albina Bigolin, de 95 anos comemoraram Bodas de Vizinhança em julho deste ano. O tempo morando de frente uma para outra na Rua Mato Grosso, no Bairro Assis Brasil, mostrou que, com o passar dos anos, a amizade que surgiu na primeira conversa lá em 1965, na ruela de chão, uma em cada lado da cerca, não durou apenas um dia, um mês, um ano, e sim 50 anos. “E se fortalece cada dia mais. Se uma não abre a janela um dia, a outra já liga para saber se está tudo bem. Elas se cuidam, mesmo estando divididas por uma rua”, conta Oderle Bigolin, a filha mais velha de Albina. No dia 18 de julho, uma festa com as duas famílias marcou os 50 anos de vizinhança, com direito a lembrancinhas personalizadas. Entre elas, uma caneca com a foto das duas. A festa foi chamada de Bodas de Amizade e Vizinhança. A Rua Mato Grosso, hoje está calçada e com muitas casas e apartamentos modernos. Albina, que veio de Bozano há 50 anos, agora mora em uma casa confortável, construída ao lado da humilde casa de madeira que foi sua moradia por quase 50 anos e que criou as filhas Oderle Bigolin e Diva Bigolin Machado. Ela ficou viúva aos 35 anos de idade e nunca mais casou. “Queria que as minhas filhas se tornassem pessoas estudadas e de bem. Eu tive que parar os estudos na terceira série para trabalhar e ajudar em casa. Não queria que elas tivessem o mesmo destino. Fiz de tudo para que o que aconteceu comigo, não se repetisse com elas”, explica Albina, orgulhosa das duas filhas professoras. Ela se emociona ao falar da única neta, Natássia Bigolin Machado, que é médica. “Ela é o orgulho da nossa família”. O falecido marido, Eno Bigolin, era comerciário e atuava na conhecida e extinta empresa Glitz. Oriunda de Linha Floresta, Delphina tem uma história parecida. Depois de morar por quase 50 anos em uma casa de madeira simples, ela se mudou para um moderno apartamento, ao lado da antiga casinha, na Rua Mato Grosso. A modernidade veio para dar conforto às duas vizinhas que não se largam. “Antes morávamos em diagonal uma para a outra. Agora estamos bem de frente e podemos nos cuidar mais”, diz Delphina. Com cinco filhos, ela ficou viúva aos 61 anos. O marido Fredolino Gabriel se dedicou por 42 anos a uma única empresa, a Hugo A. Franzen. Os filhos Tânia Dropa, Sônia Knorst, Adilson Gabriel, Adir Gabriel e Sandro Gabriel lhe deram dez netos: Cristiane, Taiara, Mateus, Gustavo, Ângelo, Luisa, Guilherme, Laura, Rafael e Felipe. “Meu orgulho, minha vida”, derrete-se a vó coruja. Albina acompanhou o nascimento dos filhos de Delphina, ajudou no enxoval e dividem até hoje a mesma paixão pelos trabalhos manuais. “Foram muitas tardes fazendo crochê, uma na casa da outra. Hoje, elas ainda trocam experiências que vão além das vividas por 50 anos. Se uma faz uma sopa ou sobremesa diferente, tem que levar para a outra provar. Elas se cuidam muito”, conta Oderle, que também é responsável por cuidar da mãe e relembra histórias da dupla que não se separa. “Em 1964, nossa casa era de madeira, tudo era potreiro aqui. Daí chegou Delphina. Sua casa chegou pronta e colocara ali. Lá pelas tantas a mãe olhou pro outro lado da rua e viu que havia um varal de fraldas. Ela disse: ‘vou comprar um presentinho e vou até lá dar as boasvindas aos novos vizinhos’. Ali, começou a amizade. Elas são do tempo de pedir coisas emprestadas, uma xícara de arroz, açúcar. Nos dias de temporal, uma ia na casa da outra para se cuidar, se proteger. Nas festas infantis das crianças, cada uma ajudava na festa da outra, fazendo docinhos e enfeitando a festa”. Delphina diz que após se mudarem das casinhas simples que moraram, o conforto veio para as duas. “A felicidade que não precisa mais dobrar, agora é reto”. Já Albina, é toda elogios à vizinha. “Gosto demais da vizinha, somos como irmãs, nunca brigamos, nunca houve fofoca. O vizinho é mais chegado que o parente. Ela sempre foi minha confidente, e será até o fim”.


GENTE

Em família: esposa Lori Maria e as filhas Daniela, Letícia e Silvia Frantz

Falando para os professores da UniRiiter Entrega da Medalha “Cidade de Porto Alegre” por serviços prestados à cidade, com Déborah Villela, secretária municipal de Inovação, e prefeito José Fortunatti

Com as pró-reitoras Márcia Fernandes e Laura Frantz

Quarenta anos na Educação O professor doutor Telmo Frantz, que já comandou a Unijuí, hoje é reitor da UniRitter Telmo Rudi Frantz assumiu em maio de 2013 a reitoria da UniRitter, instituição que integra a rede internacional de universidades Laureate. Com trajetória de mais de 40 anos na educação do Rio Grande do Sul, Frantz substituiu o professor Flávio D’Almeida Reis, que passou a ocupar a posição de chanceler da instituição. Telmo Frantz é doutor em Desenvolvimento Econômico e Social pela Universidade de Paris (Panthéon-Sorbonne), na França, e ocupou o cargo de secretário de Estado da Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul entre 1995 e 1998. Em sua trajetória profissional acumula junto à Unijuí a experiência de reitor por dois mandatos, de vice-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação por oito anos, sendo professor titular. “Assumir o cargo de reitor é uma honra, uma grata surpresa que acolho com responsabilidade e alegria, um momento de maturidade e experiência acumulada que desejo aqui depositar”, declarou o novo reitor na época que assumiu. A UniRitter conta com 8,5 mil alunos distribuídos em dois campi, localizados em Porto Alegre e em Canoas. São 31 cursos de graduação, 33 especializações, quatro programas de Mestrado e um programa de Doutorado. Telmo Frantz nasceu em 27 de abril de 1947, em Santo Cristo. É o primogênito de 10 filhos. Estudou seis anos no Seminário da Sagrada Família de Santo Ângelo, com a intenção de ser um padre missionário e desistiu da ideia em 1965. Dois anos depois fez vestibular na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ijuí (FAFI) para o curso de Licenciatura em Estudos Sociais, o qual concluiu em 1970. Na sequência fez o curso de História na Universidade de Passo Fundo (UPF). Em 9 de dezembro de 1970, casou com Lori Maria Kunz, estudante de Letras da FAFI. Tiveram três filhas: Daniela Frantz, em 1975, Letícia Frantz, em 1982, e Silvia Frantz, em 1984. Daniela é psicóloga, mora em Porto Alegre e tem um filho, o Gabriel, com quase três anos de idade. Letícia é mãe de Sofia, de dois anos e dez meses e é fisioterapeuta do Hospital da Unimed, em Ijuí. Silvia Frantz é formada em Comunicação Social e trabalha como professora na Unijui e, junto com seu marido, tem uma empresa no ramo automotivo. “Somos uma família muito unida, apesar de eu nem

sempre estar tão presente quanto desejaria em virtude das funções que exerci ao longo de minha carreira profissional”, conta Telmo. O professor lembra detalhes de sua formação profissional ao longo dos anos, desde quando foi contratado, em 1971, pela Fidene para coordenar o trabalho de organização de agricultores no quadro de um convênio que havia sido assinado entre a instituição e a Cotrijui. “No ano seguinte fui convidado para ser auxiliar do professor Argemiro Jacob Brum na disciplina de Estudo de Problemas Brasileiros. Desde então estive sempre vinculado à Fidene”. Em 1983, o presidente e diretor Geral dos Centros Integrados de Ensino Superior da Fidene, o professor Adelar Francisco Baggio, o nomeou diretor de Pesquisa e Extensão, cargo que assegurou sua eleição para Reitor da Unijuí, em 1987, o qual exerceu até 1993. Como reitor da UniRitter ele está há quase dois anos e meio. “Está sendo uma experiência profissional e pessoal muito intensa, rica e diferenciada. Por se tratar de uma instituição de ensino privada e vinculada à Laureate International Universities, é uma experiência significativamente diferente da caminhada anterior, a qual sempre ligada a uma instituição comunitária”, explica. A Rede Laureate está presente em 28 países no mundo todo, com 80 instituições de ensino. No final de 2014 a UniRiter recebeu o prêmio Great Place to Work, também obteve ótima classificação no ranking da certificação internacional QS Stars 2015 com três estrelas (de um total de cinco) e, em avaliação recente do MEC, recebeu o conceito máximo no Recredenciamento Institucional, conquistando a nota cinco. “Todos os nossos cursos têm notas entre quatro e cinco, devido ao excelente desempenho de nossos professores e alunos, os quais possuem diversas possibilidades de vivências de internacionalidade. Seja participando de eventos no exterior, por meio de intercâmbios, seja convivendo com professores e estudantes de outras instituições de diversos países. Um ponto alto deste tipo de oportunidade foi a que vivemos em 2013, com a vinda do exprimeiro ministro britânico Tony Blair para uma palestra especial na UniRitter”, finaliza. STAMPA | 25


1

5

1. Encontro de Chefs de agosto, no Clube Ijuí, teve Sergio Avila, Ari Mosack, Fioravante Ballin e Gilberto Enriconi no comando dos espetos

3. Griselia e Cláudio Liebich com o filho Arthur no Confraria Restaurante 4. Tania e Alfonso Conrad prestigiando noite comemorativa na Sociedade Ginástica 26 | STAMPA

6

9

2. Ana Dreilich e Nelson Krüger Junior no Festival de Queijos e Vinhos do Rotary Colmeia

13

2

10


5. Sandra e Daniel Ceolin em evento do Rotary Club Comeia 6. Silvia e Roque Bettinelli na Noite do Risoto, no Salão São Luiz, da Natividade

3

4

7. Formandos do CCAA que receberam seus certificados de Hussein e Amine Hatem em noite festiva na Estação da Mata 8. Douglas Dallosto e Camila Marquezin no Confraria Restaurante 9. Jorge Antonio e Silvia Gomes Monteiro no jantar e baile da 23ª Subseção da OAB Ijuí

7

8

10. Jornalista e escritor Ademar Campos Bindé e Decio Barriquello em comemoração da Sociedade Esportiva Ouro Verde 11. Cristiano e Deise Viecili em noite típica do Centro Cultural Regional Italiano 12. Jorge e Marilise Bertoldo na comemoração dos 60 anos do Banco do Brasil

11

12

13. Gentil e Lenir Zientarski no Encontro de Chefs, no Clube Ijuí 14. Dileta Burtet, Malvina El Ammar, Glecy Kleemann e Ercilia Leindecker no Jantar Rosa da Liga Feminina 15. Cleusa Ferrazza e Milton Zaltron na Noite do Risoto, da Natividade

14

15

16

16. Luciane e Patricia Schepke na Pizzaria Estação da Mata STAMPA | 27


Daniela Todeschini Roehrs Família reúne amigos em linda festa para comemorar o diploma da caçula

D

e azul, a cor preferida e eleita para todos seus grandes momentos, a encantadora Daniela surgiu no aristocrático salão da Sociedade Italiana, em Porto Alegre, para comemorar com familiares e amigos queridos o diploma em Direito, recebido horas antes em cerimônia no Salão de Atos da Pontifícia Universidade Católica. Foi no dia 14 de agosto, ápice de uma trajetória marcada por sucessivas conquistas, em que ela sempre teve o apoio, a torcida e o incentivo de toda família, embora a única a optar por carreira diferente , numa casa só de engenherios: os pais Haraldo Sergio e Maria da Graça e os irmãos Tiago e Rodrigo. Soma-se a força deles, o apoio e a admiração dos avós, tios, primos das famílias Todeschini e Roehrs. A avó Ilse, como fez com os demais netos formandos, prestou uma homenagem emocionada à neta, que alcançou o coração de todos os presentes. Outras duas homenagens especiais a formanda recebeu da turma de amigas inseperáveis e do namorado Renan Segabinazzi, em vídeos criativos e divertidos. Em sua fala, Daniela foi objetiva, embora cheia de emoção, ao agradecer e declarar seu amor à família, ao namorado, aos familiares e amigos que reuniu para festejar. Como todas as comemorações da família Todeschini Roehrs em torno de seus filhos, a festa de formatura de Daniela foi em um clima de muita alegria, de emoções compartilhadas, de brindes e, claro, de muita animação na pista até amanhecer.

Rodrigo, Maria da Graça, Daniela, Haraldo Sergio e Tiago

Primeiros abraços nos pais Maria da Graça e Haraldo Sergio Com Renan, e no centro da pista, com a turma

Com os pais, o namorado Renan e os irmãos Tiago, com Camila, e Rodrigo, com Letícia 28 | STAMPA

Com os avós Haraldo e Ilse, que lhe prestou bela homenagem


Victor Hugo Vione Schwengber Emocionante recepção em Santa Maria marca a conquista de seu diploma de médico

O

herdeiro do médico urologista Victor Luiz Schwengber e da professora doutora Maria Simone Vione Schwengber alcançou em julho a sua maior conquista pessoal - o diploma em Medicina pela Universidade Federal de Santa Maria. A progamação de formatura teve celebração inter-religiosa no dia 23, colação de grau, dia 24, no Ginásio do Clube Recreativo Dores, seguida de comemoração, e baile no dia seguinte, no Avenida Tênis Clube - todos momentos singulares, marcados por muitas emoções, alegrias e felicitações. Com o diploma em mãos, Victor Hugo foi recebido com entusiasmo e calorosos aplausos no salão principal do Itaimbé Palace Hotel, local da elegante recepção oferecida aos convidados da família, que teve esmerada produção e assessoria da empresa Líbera Marin Festas & Eventos. Victor Hugo empolgou a plateia em seu discurso de agradecimento aos pais e às pessoas importantes em sua trajetória vitoriosa. Referiu-se às dúvidas que teve na escolha da profissão, tendo nos pais dois exemplos de profissionais que atuam com tanta seriedade e comprometimento. Maria Simone e Victor Luiz, em seus discursos, destacaram e reconheceram o empenho e a dedicação do filho em perseguir seus objetivos. Os sentimentos de alegria e de incontida felicidade do formando e de seus pais deram o tom da noite festiva, e tocaram de forma muito especial todos os que compartilharam da comemoração. De volta a Ijuí, o médico Victor Hugo passou a atuar no posto Estratégia da Saúde da Família Assis Brasil, e prepara-se para as provas da Residência Médica que deverá prestar no final do ano.

Espirituoso e sensível, Victor Hugo homenageou os pais e lembrou das pessoas e dos fatos importantes em sua formação. Maria Simone e Victor Luiz se emocionaram com o filho

A comemoração do diploma de Victor Hugo teve cenários deslumbrantes no salão principal do Itaimbé Palace Hotel, produzidos pela empresa Líbera Marin Festas & Eventos. STAMPA | 29


Alexandre Moraes Bestetti Supercampeão do vestibular se forma em Medicina na UFRGS

U

m feito sem precedentes, realizado em 2009, fez do ijuiense Alexandre Moraes Bestetti uma celebridade, reconhecida também na Stampa, que contou seu feito em matéria de capa. Filho dos médicos Clovis, cardiologista, e Magda, gastroenterologista, aos 18 anos, ele foi o primeiro colocado do vestibular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, disputando vaga em Medicina, além de ter sido aprovado em todos os demais vestibulares que fez - um total de 10. Em junho, ele concluiu sua formação acadêmica - recebeu o diploma em solenidade realizada dia 19, no Salão de Atos da UFRGS. Na mesma noite, foi festejado pela família e pelos amigos numa bela recepção no Hotel Sheraton, e no dia seguinte, reencontrou a turma para comemorar no Baile de Formatura, no Grêmio Náutico União, em Porto Alegre. Formado, o médico Alexandre retornou para Ijuí, e está trabalhando no posto Estratégia da Saúde da Família Assis Brasil. No final do ano, ele planeja realizar prova para Medicina Interna (clínica médica) nos hospitais de Porto Alegre. O passo seguinte, a Residência Médica, fica na dependência da decisão do serviço militar compulsório para médicos recém-formados, que poderá adiar o início de sua especialização. Sobre seus planos futuros, ele revela: “Tenho como objetivo, futuramente, fazer especialização em Cardiologia, assim como meu pai, e dependendo dos próximos tantos anos de estudos, seguir carreira acadêmica - um sonho.”

Com os pais Clovis e Magda e o irmão Eduardo

Ale tem planos de seguir os passos do pai e também se especializar em Cardiologia

Com a turma: amigos desde os tempos de escola Na festa no Sheraton: sendo homenageado pela família, à mesa, e com os avós maternos Thomas e Lea Moraes

30 | STAMPA


A fábrica de bolacha da Gabi

Fotos: Caroline Brum

Os 4 anos de Gabriela Noronha Marin, dia 1º de agosto, foram comemorados de forma original e com muita criatividade. A mamãe Deise, a vovó Líbera Marin e a dinda Camila, especialistas em festejar da empresa Líbera Marin Festas e Eventos, montaram a Fábrica de Bolachas da Gabi. A aniversariante recebeu suas amigas no jardim da casa dos avós Líbera e Vinicius.

As crianças ganharam touca, avental e panos de prato com o motivo da festa, e confeitaram muitas bolachas. A Doce Art de Cruz Alta foi a responsável pela Oficina de Bolachas. A tarde divertida também teve brinquedos da Brincarolando. O papai Lorenzo, os avós maternos Neio e Marlene Noronha, tios e primos também curtiram o dia feliz de Gabriela.

A festa congelante de Isabelle Queruz Isabelle, a filha mais nova da empresária Tatiane e do advogado Arlindo Queruz, completou 7 anos no dia 6 de abril. Ela recebeu amiguinhos e familiares para uma ‘festa congelante’ da Fronzen, na Aquarella Kids. Isabelle taambém é a alegria dos irmãos Leonardo Antônio e Eduardo Alfredo, dos avós Helenita e José Joaquim e Gisela e Ari. Fotos: Atelier Fotográfico

Com os pais e os irmãos

STAMPA | 31


4º Baile do Chopp da Sogi A 4º edição do Baile do Chopp da Sogi movimentou a sociedade ijuiense na noite de 29 de agosto. A apresentação do grupo alemão Frohe Junged do Centro Cultural 25 de Julho abriu a noite, convidando as pessoas para a pista de dança. Após, a animação foi da banda Os Futuristas, com músicas típicas alemãs, que aproveitou para gravar um DVD.

Grupo Frohe Jugend fez apresentação especial

Cassiana e Lucas Knechtel

Paulo e Taciara Brendler

Ana e Lucas Lima

Carlos Viecili e Mariana Rasia

Ana Cargnelutti e Cristiano Fernandes

Cibele Goi Ceretta e Jocemar de Camargo

Alfonso e Tania Conrad, o casal presidente da Sogi Clóvis e Maria Joice de Jesus, Glaci e Volnei Viau

32 | STAMPA

Mara e Junior Boranga Dilson e Lorena Wirzbick, Losandra e Julio Almeida


Advogados festejam No dia 8 de agosto, advogados integrantes da 23ª Subseção da OAB de Ijuí promoveram jantar e baile, no Salão Nobre da Sogi, para comemorar o Dia do Advogado, transcorrido em 11 de agosto.

Fernanda e Flávio Friedrich, presidente da 23ª OAB Ijuí

Da diretoria: Marilusi Brust, Janete Belinasso, Emmanuelle Malgarin e Adriane Hanke

Gian Franco e Daniela Klimiuk

Maria Isabelle Vaz Bagolin e Miguel Friedrich

Salvador e Izaura Freitas

Géssica Carloto e Eduardo Macgnan

Noite Rosa O tradicional Jantar Rosa da Liga Feminina de Combate ao Câncer em sua 19º edição aconteceu na noite de 15 de agosto, na sede do Lions Clube de Ijuí. A noite teve hinos executados pelo Coral da Liga e apresentação do músico Oséas Machado. O valor arrecadado será destinado às ações da Liga, que dá assistência a portadores de câncer. Elenise, Cenadir e Leopoldo Schonardie

Regina e João Prestes

Nadine Dubal e Rafael Terra

Neiva Brum e Sônia Burtet

Integrantes a Liga Feminina de Combate ao Câncer STAMPA | 33


Almoço polonês

Na Glasnost

No dia 16 de agosto, o Grupo Folclórico Polonês Piast promoveu o Almoço Típico Polonês em sua casa, no Parque de Exposições Wanderley Burmann. A ocasião comemorou 140 anos da imigração polonesa no Rio Grande do Sul e o 28º aniversário do Grupo Piast.

Eloá Portella e Neida Filipim

Flávio Butignol, Andréa e Bruna Pascoal

Laura Feller, Thalia Cargnelutti, Andressa Noviski, Gabriele Karlinski, Laura Bueno, Gabrielli Coelho

Karina Janke e Dioneia Oliveira

Gabrieli Dallabrida e Mateus Ferreira

Ivone Bertoldo e Karine Jacobs

Bernard, Antônio e Sauria Woitchunas

Anderson Kovaleski e Liliane Legonde

Luciane Klein e Fabiano Schneider

Tiago, Pedro e Vanessa Pompeo

Juliane Burtet e Felipe Renz

Fernando Berbaun e Simeia Bencke


Espaço amplo para decorar com criatividade e diversão

Na área externa, o verde da paisagem combina com a decoração para recepcionar os convidados

Valle Verde: opção para festa infantil

Buffet para festas durante o dia é uma boa opção nas festas infantis

Quer inovar na festa infantil do seu filho? O Valle Verde Centro de Eventos tem o espaço ideal para isso. Ambientes climatizados, espaços para colocar brinquedos, buffet de almoço ou jantar e ainda a praticidade de produzir os salgados para a festa. Isso mesmo, no Valle Verde os salgados para festa infantil são feitos na hora e servidos quentinhos. Canapés, pastéis, minipizza, minihambúrguer, batata frita e todos os tipos de salgados de festas infantis você pode encomendar, além de contar com uma equipe altamente qualificada e treinada para personalizar cada evento. O Valle Verde oferece espaço para até 300 pessoas e estacionamento amplo. Informações pelos telefones 8428-0678 e 8118-5411, ou e-mail faleconosco@valleverdeijui.com.br. O Valle Verde está localizado na Linha 3 Leste.


Moda que ‘não me pega’ A moda é pra todo mundo, mas cada um tem um estilo e um gosto. Stampa foi saber de homens e mulheres o que eles não usariam de jeito nenhum

“O que está muito em alta no masculino é o Street Style, com os homens aderindo ao uso de macacão de várias texturas e estampas. Não usaria, porque não faz meu estilo.Um pouco ousado, talvez”. Fabio Cadoná, acadêmico de Publicidade e Propaganda

“Uma acessório que eu acho legal, mas nos outros, e que eu não usaria é um piercing. Acho bonito em mulheres que usam na barriga, no nariz ou nos dentes. Sou adepto a tatuagens, mas piercing realmente não combina comigo”. Luis Henrique Carvalho Bussmann, coordenador de Trânsito “Ano passado, antes da Copa do Mundo, minha cabeleireira disse que o corte com navalha iria bombar, mas em um primeiro momento achei agressivo. Na Copa ele realmente bombou e acabei fazendo duas vezes, ousei e gostei. Mas hoje esse corte samurai que está em alta não me serve, eu não usaria. Pode ser moda, mas para mim não me agrada, desde novo gostei do corte militar, barba feita e cabelo ajeitado.” Roberto Gonçalves, gerente de loja de roupas

“Eu não usaria xadrez de jeito nenhum, porque não combina com meu estilo e acho uma estampa muito pesada. Sou mais básico com um toque especial sempre”. Wagner Campos, cabeleireiro 36 | STAMPA


“O que na moda não me pega, é simplesmente intuitivo... No caso deste inverno, o que tem pipocado nas vitrines é o colete de pele “fake”, que para uma adepta de coletes como eu seria peça coringa do guarda roupa. Contudo, acho que não me favorece. Não acho bonito em mim. Se fica bem em outras pessoas, e fica lindo, nem sempre se aplica a nós. Quando falamos de moda, temos que ter a ciência de que nem toda roupa ou acessório favorece todo mundo. Mas independente disso, o mundo está aí pra todos sermos felizes.” Emmanuelle Malgarim, advogada

“Algumas peças que eu não usaria, como por exemplo, a saia transparente, que é usada com uma saia curta ou shortinho por baixo. Eu escolheria entre a opção curta ou longa, simples assim. Outro modelo de saia que não me agrada muito é a bandage. O que, na verdade, não gosto é a forma como algumas mulheres usam: uma saia super justa, com uma blusa super justa. Se esse tipo de saia for usado com uma blusa mais larga, pode ficar bem bacana. Mas moda, acho que cada um deve fazer a sua.” Diane Johann, designer

“Eu não usaria vestido com pregas ou rodado, com estampas florais ou petit poá, desses acinturados, estilo anos 60. Conforme a estampa e cores, acho brega, e também porque não combina com meu estilo, pois são largos e volumosos. Eu acho legal, e ao mesmo tempo complexo, falar sobre moda, ou melhor, entender a moda. Na minha opinião, no sentido de compreender a moda, ela é importante e essencial para o mundo dos negócios, pois traz mudanças, novidades, estilos, inovações, tendências, enfim, isso aguça, chama a atenção das pessoas. Por outro lado, para usufruir da moda, a pessoa precisa ter estilo próprio, saber usar, saber o que fica bem.” Candice Viecili, corretora de imóveis

“Sou um pouco chata com calçados. Não usaria sneakers, coturnos ou birkens, que apesar de confortáveis, não acho que ficam bem. Adoro salto e bico fino. Acho feminino e charmoso, mas meu dia é bastante corrido, opto por saltos mais baixos e muita sapatilha! A moda é muito versátil e acho que ela está no estilo de cada pessoa. Acho que estar na moda é estar bem consigo mesma. Não vou usar algo só por que está nos desfiles. Algumas dessas peças eu até incluo no meu guarda roupas, mas tenho que gostar muito. No dia a dia sou bem básica. Adoro jogar um lenço, cachecol ou pashmina pra dar um up no visual e ficar bem quentinha. Também não dispenso uma maquiagem básica.” Taisa Schwanke, relações públicas


Desigual agora é a Únnica com marca registrada A loja Desigual mudou apenas o nome: agora é Únnica. Segue com a mesma direção de Rosane Nekel, que conta com a ajuda das colaboradoras Daiani Fabrim e Carine Steffler. A Únnica permanece com o mesmo objetivo de vestir mulheres elegantes e de personalidade, que têm bom gosto e que prezam a qualidade, além de

um atendimento personalizado. Em localização privilegiada, bem no centro de Ijuí, a Únnica oferece ótimas condições de pagamentos. Venha ser Únnica, na Rua 20 de Setembro, 181, fone (55) 3332-3968, ou (55) 8428-0397. Confira a fanpage da Únnica e o blog: www.unnicamodamulher.com.br.

Incremente sua festa com o totem fotográfico O totem de fotografia é uma ferramenta divertida que captura momentos especiais, e seus convidados podem registrar momentos de descontração e alegria de forma fácil e interativa. O estúdio Schmalz agora conta com um totem fotográfico, oportunizando aos seus clientes esta ótima opção para eventos empresariais, corporativos, festas de 15 anos, bodas, casamentos e festas infantis. Além de conseguir imprimir a foto, você ainda consegue, através de um teclado virtual, compartilhar a foto nas redes sociais, de forma prática e rápida. Confira as ótimas opções de pagamento oferecidas, e alugue o totem fotográfico por algumas horas, um dia ou até mesmo por uma semana. Visite a Schmalz na Rua do Comércio, 1038, (em diagonal ao CFC Master), São Geraldo. Contatos: (55) 3332-8791 e 9110-2925. FanPage: www.facebook.com/fotoschmalz. Email: fotoschmalz@gmail.com

38 | STAMPA


Pés brilhantes! A Stiletto Calçados está sempre em busca de inovação e perfeição. Apresenta para Ijuí e região a mais nova coleção de sapatos de festa inspirado em modelos nacionais e internacionais com dicas e toques de estilistas ijuienses. Estar em um evento social como casamentos, festa de 15 anos e formaturas não quer dizer que deve se usar algo básico, traga luxo até mesmo para seus pés. Lançamentos direcionados para Noivas e convidadas que buscam modelos diferenciados com qualidade e excelente bom gosto, dentro destes destacamos cores e modelos nos mais variados saltos e estilos que vão combinar perfeitamente com vestido longos ou curtos, para noite ou para o dia. A cartela de cores e tons é variada e na Stiletto você vai encontrar desde tons de nude, dourado, champagne, azul, rosa, amarelo, vermelho, vinho, cinza, preto e prata nas texturas gliter, acetinado, couro e nobuck. O gliter sai das blusas e vestidos e vai direto para nossos pés em tonalidades, estes vem aliados com belas doses de glamours. Os acetinados são poderosos o suficiente para modificar a aparência de qualquer look. Com isso, apostamos em modelos variados abusando das cores e até em pedrarias. Venha até a Casa Stiletto Calçados aguardamos sua visita na Avenida Coronel Dico, 512, Centro. Contato pelo telefone (55) 3333-2120. Acompanhe todas as nossas novidades e lançamentos pelo Facebook: Melina Stiletto Ijuí. Um arco-íris de modelos que irão deixar você ainda mais deslumbrante.


autorretrato

O empresário Fabricio Assis Wild, 44 anos comanda, junto com a esposa Gisele Barbi Wild, o Mobiliário 21, nome referência em móveis de interiores e decoração, e a Romanzza, loja de móveis planejados recentemente inaugurada no centro da cidade. Dedicado à qualificação pessoal e profissional, atualmente ele cursa Arquitetura e Urbanismo na Unijuí.

Um lugar: Rio Paraná Uma conquista: Mobiliário 21 e Romanzza Um sonho: Pilotar um carro de Fórmula 1 Uma alegria: Satisfação do cliente Uma tristeza: Ver um animal maltratado Uma saudade: Minha vó Quem é chato: A pessoa que bebe e passa do ponto O que me tira do sério:

Fabricio Assis Wild Maltratar os animais Uma mania: Procuro me corrigir Marca pessoal: Falar muito O melhor presente: Família Quero ir para: Amazônia Não vivo sem: Minha esposa Se pudesse, compraria: Um iate Melhor hora do dia: Amanhecer Prazer à mesa: Família reunida

Som preferido: Sou eclético Filme inesquecível: Rocky Balboa Lazer: Pescar É lixo: Corrupção É luxo: Saúde Mulher bonita: Minha esposa Se não fosse o que sou, seria: Exatamente o que eu sou Ijuí é: A “minha” cidade


SobreNomes

Comunicando

Entre celebridades A agropecuarista Jane Andary Kurtz, a engenheira agrônoma Fernanda Andary Kurtz e a advogada Luísa Fiuza Iserhard estiveram em Gramado entre os dias 9 e 12 de agosto, prestigiando o 2º Seminário A Voz do Campo, voltado para produtores rurais. O trio (foto à direita) aproveitou a viagem para curtir também o Festival de Cinema de Gramado, que estava ocorrendo na mesma data. Elas estiveram hospedadas no Hotel Wish Serrano, onde ocorreu o Seminário e onde também estavam hospedadas celebridades, como as atrizes Marília Pêra (com Jane e Fernanda na foto à esquerda), e Mariana Ximenes, o senador Ronaldo Caiado, um dos palestrantes do Seminário, o ministro do Tribunal de Contas João Augusto Ribeiro Nardes e o conceituado médico oncologista Gilberto Schwartsmann.

Mais dois rostos serão selecionados para ser capa da Stampa, dia 23 deste mês, no Clube Ijuí. Rapazes e garotas a partir de 16 anos podem se inscrever gratuitamente, na recepção do Jornal da Manhã, até o dia 18. Com coordenação de Luiz Carlos Leindecker, o Modelo da Capa 2015 tem o patrocínio de Looks Óptica, Nadine Dubal, Pérola Fashion, For Men e Pratic Line. Os dois escolhidos ganham R$ 500, e entre todos os inscritos serão sorteados um smartphone e presentes dos patrocinadores.

A professora do curso de Comunicação da Unijuí, Vera Raddatz fez o lançamento de dois livros no dia 27 de agosto. Ela participou de uma noite de autógrafos durante o Festicom - Festival de Comunicação. Um deles, o livro Comunicação Cultura e Fronteiras, foi organizado em parceria com Karla Maria Müller, professora da UFRGS. O outro livro é Educação e Comunicação para os Direitos Humanos.

Mister Modelo O mais recente exemplo de sucesso do concurso Modelo da Capa da revista Stampa e Jornal da Manhã é Eduardo Macuglia. Ele é o rosto da revista deste ano e fez bonito na semifinal do Mister Rio Grande do Sul 2016, dia 29 de agosto, em Novo Hamburgo. Eduardo representará Ijuí e região na grande final que ainda não tem data para acontecer. Ele concorrerá com mais 41 rapazes, no concurso que anualmente escolhe o homem mais bonito do Estado, e poderá ir ao Mister Brasil.

Garoto esperto Lucas Barbosa Parzianello sempre foi dedicado e focado em seus objetivos. Mas ao decidir - e conseguir - vaga para estudar em uma das mais renomadas universidades norte-americanas, supreendeu até seus pais, os ijuienses Geder e Sandra Parzianello. Lucas estudou o 3º ano de Engenharia na Universidade Federal do Rio Grande (FURG) e foi bolsista de Iniciação Científica do CNPq, tendo obtido as melhores notas e cartas de referências dos professores da graduação, o que somou pontos no processo de seleção federal e resultou em uma vaga para a Universidade de Notre Dame, uma das universidades católicas mais proeminentes dos Estados Unidos e reconhecida pela sua excelência nas áreas de bacharelado, pesquisa e trabalho acadêmico. O campus da Universidade, onde Lucas passa também a residir, está localizado em Indiana, junto à cidade de South Bend. STAMPA | 41


MÚSICA

Os shows de 2015

Dia 9: Humberto Gessinger

Confira as atrações da Expo-Ijuí/Fenadi 2015, de 9 a 19 de outubro, no Parque de Exposições Wanderley Burmann. Tem shows para todos os gostos.

Dia 15: Mano Lima

Dia 16: o ijuiense Thiago e Thaeme, atração nacional

Dia 15: Os Fagundes

Dia 17: Ultramen

Dia 11: Marcos e Belutti

Dia 10: banda ijuiense Vó Gringa

Dia 10: show Internacional com a banda Star Beatles

Vi, li e recomendo Por Gilvane Andreatta Pretto Assessora cultural do Sesc em Ijuí

42 | STAMPA

1930 águas da revolução

Livro de Juremir Machado Toda guerra é uma guerra de versões. E a Revolução de 1930 não é diferente. Neste romance sobre as conspirações, fatos e causas de sua origem, é a voz de um de seus soldados que costura todas as outras. Gabriel d’Ávila Flores, 98 anos, irriga o texto com suas memórias. Entre intrigas de tenentes e estratégias políticas, a vida de Gabriel aparece nas pequenas coisas: a paixão por uma artista de circo, o sonho de entrar para o Colégio Militar de Porto Alegre, e a carreira no exército. Gabriel lutou em 1930 ao lado dos legalistas contra os revolucionários de Getúlio Vargas. Em 1932, engrossou as colunas do exército contra os paulistas. Lutou, viu o Estado Novo chegar, passar. Juremir Machado revela a revolução dentro da revolução. A revolução social dentro da revolução dos conservadores. A revolução que levaria à contrarrevolução e que entraria para a história.

O dia que durou 21 anos

De James Hunter O golpe militar de 1964 no Brasil contou com a ativa par ticipação do governo dos EUA. Numa trama de ação e suspense, o filme revela documentos Top Secret da CIA e áudios originais da Casa Branca, mostrando como os presidentes John F. Kennedy e Lyndon Johnson ar ticularam o plano civil e militar para o presidente João Goular t, eleito pelo voto popular. Durante 21 anos - de 1964 até 1985 - o governo militar brasileiro impôs um regime autoritário que violou os direitos civis e instalou a ditadura em nome da “Liberdade” e da defesa da “Democracia”, com graves consequências para toda a América Latina.


ATUAÇÃO

Fazedora de arte

Ensinar com criatividade e ousadia é o papel que a professora Rosane Hoffmann exerce com muito talento e competência, em múltiplas atividades, dentro e fora da sala de aula

P

ara as crianças, o contato com o mundo dos livros é sempre revelador e marcante. A literatura infantil leva mais que o simples conhecimento sobre histórias ao seu ouvinte. Por meio de atividades como a contação de histórias, por exemplo, um universo de ideias e novos mundos a serem desbravados são apresentados. Assim é o dia a dia da professora pedagoga Rosane Schmidt Hoffmann, 56 anos. Ela é uma contadora de histórias criativas. Há 36 anos trabalha na educação, destes, 27 com Educação Infantil. Ela sabe que essa experiência é indispensável, pois influencia o desenvolvimento das linguagens oral e escrita. Atualmente atuando na biblioteca do Ceap, a contadora de história usa das mais diversas formas de entreter o aluno e chamar a atenção para a história que está sendo contada. O interesse por se dedicar às crianças e o mundo literário surgiu quando ela concluiu o magistério. “Pensei fazer Belas Artes, mas não foi possível, então fiz Pedagogia, especialização em Educação Infantil. Está sendo uma longa trajetória de realizações, emoções e encantamentos”. Rosane tem uma vasta experiência profissional, rodeada de crianças. Trabalhou como professora estadual, na escolinha “GirassoL” e no Ceap já está há 25 anos. “Eu sempre digo: enquanto as crianças me recebem de braços abertos e felizes, vou ficando. Hoje, na escola, trabalho na biblioteca com a Hora do Conto, com a Educação Infantil e Séries Iniciais, o que me faz viajar com eles ao mundo encantado da fantasia”. Rosane se considera uma vencedora. “Como nosso magistério vem numa batalha de sobrevivência desde a minha formação, hoje, como dizem, pinto e bordo, faço de tudo um pouco. Brinco dizendo que tenho algo em comum com Picasso, sou uma mulher de fases. Às vezes desenho, às vezes costuro”. Rosane desenha e pinta em paredes. Já pintou em várias escolas, em casas de famílias, em tela, em caixas, em latas. Na fase pedagógica já fez jogos pedagógicos em madeira, fantasias, máscaras, confeccionou bonecas personalizadas, livros de pano, fantoches, histórias em sequência com diversos materiais. Em biscuit fez noivos para bolo de casamento, enfeite de maternidade, enfeite de cuia, e trabalhos com temas específicos. Na fase escultora trabalhou com isopor em qualquer tamanho, escultura com jornais, com papel machê. Além de tudo isso, é apaixonada por crochê, tricô ou um macramê para enfeitar a casa. “Também tenho a fase gourmet. Quando me pedem, faço congelados, já fiz até jantar em casa de amigos. Ah, tem pizza a domicílio também. Querem torta?...faço, querem cookies?..tenho... bolo, bolachas...”, relata divertida. Ainda há mais coisas na vida dessa contadora de histórias. Na parte da manhã, ela atua na empresa de Líbera Marin Festas e Decorações, onde o exercício da criatividade não esgota e nunca para. A parte da tarde é dedicada às crianças do Ceap e à noite ela usa para suas atividades extras. “Vocês devem achar que eu não sou normal! Não me surpreendo, às vezes eu mesma acho que não sou. Mas o fato é que amo, adoro tudo o que faço e faço com o maior prazer, alegria e satisfação. Acho que não saberia viver diferente, e uma verdade tem que ser dita, só consigo fazer isso tudo porque tenho uma família que me valoriza e me apoia o tempo todo”, finaliza. A Hora do Conto é a mais aguardada pelos alunos

Fantasiada de Senhor Alfabeto, personagem que assumiu para trabalhar com alfabetização para turmas do 1º ano do Ensino Fundamental

Contando histórias para as meninas do Lar Bom Abrigo, quando entregou a boneca personagem que ela mesma produziu e costurou E ela às vezes se fantasia de Amigo Livro, como nesta contação de história em uma Expo-Ijuí. Sempre acompanhada do Senhor Kurt, o carrinho de mercado transformado por ela, para levar livros para salas de aula ou em outras situações

STAMPA | 43


Perto ou longe, onde vivem ijuienses

Marciano Kappaun

Em frente a um prédio da Uppsala Univesitet, fundada em 1477, na Suécia, quando foi fazer pesquisas para seu livro

O

ijuiense Marciano Kappaun, 39 anos, está há 15 anos em São Paulo. Por onze anos, ele morou em Campinas e há quatro anos está na capital, São Paulo. Em Ijuí, ele morou boa parte da infância e da adolescência, e muitas vezes retornou para visitar os avós paternos no bairro São José, Balduino (falecido, funcionário público) e América Kappaun (aposentou-se trabalhando no Colégio 25 de Julho); e no bairro Herval, na casa dos avós maternos Maria de Jesus Antunes de Melo (falecida, dona de casa) e José Antunes de Melo (pedreiro). O tio Euclides Veriato da Cunha foi eleito vereador por três mandatos. Atualmente, a prima Ligia Aline Metz Kappaun, é coordenadora de Turismo na prefeitura de Ijuí. Marciano estudou na Escola Estadual de Ensino Fundamental Luiz Fogliatto e depois no Ruizão. Na adolescência, mudou-se para Jaraguá do Sul/SC, onde vivem atualmente os pais, irmãos, primos e tios que saíram de Ijuí em busca de trabalho e melhores condições de vida. “Migrar parece ser condição básica para quem não possui propriedades e/ou facilidades para sustentar a vida”, disse. O pai Luiz Kappaun e a mãe Clair Kappaun sempre trabalharam muito para sustentar a família. Marciano tem três irmãos, André (38 anos, pedreiro), Cristiano (33 anos, advogado) e Matheus (21 anos, fotógrafo). “Nos mudávamos muito por conta da falta de trabalho para o meu pai e depois para eu e meus irmãos. Uma das máximas de nossos pais era “Estudo ninguém pode tirar de vocês. Entendi o recado”. Em Jaraguá do Sul ele cursou Desenho Técnico Mecânico no Senai, concluiu o Ensino Médio e cursou Técnico em Vendas e Representação Comercial no Senac. Depois, mudou-se para Campinas, em São Paulo para cursar Teologia, e em 2004 foi aprovado no processo seletivo do mestrado em Ciências da Religião na Universidade Metodista de São Paulo – Umesp, que cursou com bolsa integral do Cnpq. Hoje, Marciano é professor e pesquisador na área de Ciências Sociais e Humanas, bacharel em Teologia pelo Centro Universitário Filadélfia– Unifil, mestre em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo, pesquisador do Núcleo de Antropologia Urbana – NAU e Centro de Estudos de Religiosidades Contemporâneas e Culturas Negras – CERNeda Universidade de São Paulo, estagiário na Colégio Presbiteriano Mackenzie e cursa o último semestre da licenciatura em Ciências Sociais. “Meus interesses de pesquisa estão relacionados à cultura, religião, movimentos sociais e história. Tenho pesquisado imigração e a relação dos batistas suecos que chegaram 44 | STAMPA

O ijuiense Marciano Kapaunn está há quatro anos em São Paulo, capital, e publicou o livro Da Suécia ao Brasil, em 2012

em Ijuí e suas práticas sociais no contexto brasileiro”. Tanto que em 2008 ele publicou o livro “A práxis social da igreja”, resultado do seu trabalho de mestrado. No ano seguinte, foi convidado para implantar um arquivo histórico dessa denominação religiosa em Campinas, projeto que durou cerca de quatro anos, os quais fez duas viagens de pesquisa, uma para a região de Ijuí (2009) e outra para Suécia e Noruega (2010). O resultado parcial desse trabalho de pesquisa foi publicado no livro “Da Suécia ao Brasil” (2012), trabalho que organizou com pesquisadores do Brasil, Suécia, Noruega e Finlândia. Marciano está há quatro anos em São Paulo e dedica-se também à pesquisas ligadas a inclusão da história e cultura africana e indígena no currículo escolar, e uma pesquisa etnográfica ligada a luta por moradia na cidade de São Paulo, especialmente a ocupação chamada “Copa do Povo”, ambas ligadas à Antropologia. Segundo ele, viver em uma metrópole como São Paulo não é tarefa simples. “São Paulo está em constante movimento, cheia de atrações culturais, com muitas oportunidades para trabalhar e estudar e abriga pessoas de todo o mundo. “A ideia geral é que as pessoas amam e odeiam essa cidade ao mesmo tempo. Com muitas facilidades, nem sempre é possível desfrutar de tudo”. Apesar de existir um grande circuito de museus, equipamentos de lazer, espétaculos musicais, teatro e cinema gratuito, a população trabalhadora vive muito distante desses locais e o custo de deslocamento é muito alto. “Em geral, para o paulistano, muito perto é um lugar que dá para ir de metrô, ou perto, qualquer coisa a 30 minutos de carro, ônibus ou trem. Sobre o paulista em geral, não são diretos como os sulistas. Para dizer o que pensam de alguém, fazem um grande rodeio, utilizam muitas palavras para falar que alguém é chato. Aqui as pessoas vivem o estresse de uma vida em constante mudança e buscam se adaptarem rapidamente a tudo de novo que aparece. Qualquer novidade no âmbito do comércio, indústria, política e cultura no País e no mundo, logo é sentido e vivenciado por aqui”, comenta. No próximo semestre Marciano pretende se dedicar mais à docência e ingressar no doutorado em Antropologia Social na USP ou Unicamp. Ele já pensa em escrever outro livro para o inicio de 2016 que será sobre as práticas culturais no contexto, a luta por moradia na cidade de São Paulo. Também planeja iniciar uma pesquisa em uma aldeia urbana na cidade de Manaus.


Perto ou longe, onde vivem ijuienses

Sonia Brust

Com o pai Rudi Brust enterrados nas folhas do outono de Danbury, Connecticut

A

ijuiense Sonia Brust se recorda com saudades do tempo que morava em Ijuí. Ela mora em Danbury, no estado de Connecticut, nos Estados Unidos. “Nasci na Colmeia do Trabalho, há alguns anos. Não vou dizer a minha idade, mas, para bom entendedor, ainda recordo da grande nevasca dos anos 60 em Ijuí”, conta. Sonia é filha de Renate Michaelsen Brust e Rudi Brust, que residem em Ijuí. Com diploma em Letras Português/Inglês pela Unisinos, ela trabalhou por alguns anos como professora de Inglês em São Leopoldo e retornou para Ijuí, onde lecionou nas escolas Osvaldo Aranha, Carlos Zimpel, Ceap, EFA e no CCAA. Nesta última, foi sócia-fundadora da escola. Voltou a São Leopoldo, onde ficou até 1996, quando iniciou a grande aventura de ir para os Estados Unidos. “Como vim parar aqui? Bem, nos idos de 1995/96, para quem recorda, tínhamos um governo do Estado que ofereceu aos professores um valor X para cada ano trabalhado, caso desejassem pedir demissão voluntária. Brinquei com meu esposo (namorado na época) Robson Barbosa: com este valor, podemos comprar duas passagens para os EUA e ainda sobra troco”. O que no início soou como brincadeira, foi se tornando uma possibilidade que acabou se concretizando. Assim, Sonia foi para Danbury, Connecticut, também conhecida como “Nova Valadares”, em função do grande número de brasileiros vindos da cidade mineira Governador Valadares. “Para mim, não tinha sido a primeira viagem para os EUA, mas foi muito diferente! Nos lugares em que estive antes não havia muitos brasileiros, e se era forçado a falar inglês. Na região chamada Nova Inglaterra (ao norte da cidade de Nova Iorque), havia muitos brasileiros, pessoas que estavam ali há 10, 15 anos, e não falavam inglês! Isto não entrava na minha cabeça. Trabalhavam com portugueses ou brasileiros, iam na igreja ou lugares frequentados por brasileiros, e ficavam totalmente isolados da cultura local. Isto continua acontecendo até hoje, e creio que só mudará mesmo com a próxima geração”, relata. Em 1996, quando chegou aos EUA, muitos produtos brasileiros já podiam ser encontrados, mas ainda sentia falta de alguns: “Lembro-

Com a mãe Renate Brust

me do chocolate Garoto. Agora temos açougues, mercadinhos, restaurantes com churrasco, clubes, festa de São João, grupos religiosos em português… Enfim, o que você imaginar, menos erva-mate fresquinha!”. Depois de uns cinco anos vivendo lá, conheceram alguns gaúchos e paranaenses, que são o seu grupo por afinidade de cultura até hoje. Inclusive, fundaram um CTG, que promove almoços, bailes e até um Gre-Nal de bombachas, que neste ano teve a sua segunda edição. Sonia fez Mestrado pela Fairfield University, em Fairfield, no Connecticut, mas ficou ainda muitos anos trabalhando como babá de gemêos na casa de americanos, antes de conseguir uma vaga nas escolas públicas, onde trabalha hoje como professora de Inglês. “Gostei demais de trabalhar como babá, onde somos tratadas como pessoas da família. Afinal, estamos cuidando dos bens mais preciosos dos pais. Tenho contato com todos até hoje e boas recordações desta época”. O trabalho de professor nos EUA é bastante diferente do que ela experimentou no Brasil. As turmas são pequenas, no máximo 10 alunos. O professor dá um reforço para o aluno que já fala inglês, mas não o inglês acadêmico, porque a família fala outra língua em casa e não tem condições de auxiliá-lo. Há também as turmas dos que acabaram de chegar de outro País, ou que não tiveram contato com a língua inglesa, mesmo tendo nascido nos EUA. “Parece estranho, mas a grande maioria dos meus alunos são nascidos nos Estados Unidos.” Sobre o futuro no país americano, Sonia diz que apesar do custo de vida mais elevado, a tranquilidade é o que segura sua família lá. “Você pode caminhar nas ruas ou lojas sem se preocupar em segurar bem a sua bolsa, ou não colocar joias por medo de ser assaltado. Até pode acontecer, mas um evento destes estaria no noticiário, mais tarde. Depois de viver até os 18 anos em Ijuí, muitos anos em São Leopoldo, e agora 19 anos nos Estados Unidos, fico bem dividida… posso dizer que cada lugar tem um espaço no meu coracão. Chega a um ponto em que você nao pertence mais a lugar algum, você é cidadão do mundo”, finaliza.

Sonia (de vermelho) com duas amigas brasileiras durante o 2º Grenal de Bombachas de Connecticut

STAMPA | 45


No castelo de Sissi O sonho de Ercí Nonnenmacher era conhecer o castelo onde viveu a Imperatriz Elisabeth e onde foram gravados os filmes sobre ela, na década de 50

N

Cláudia, Stela e Ercí na frente do famoso Palácio Schönbrunn Manuela, Ercí e Cláudia em frente à residência Scholoss Fuschl, onde os filmes da Sissi foram gravados

o dia 24 de abril de 1854, ao toque dos sinos da Igreja de Santo Agostinho, em Viena, na Áustria, Elisabeth Amalia Eugenia von Wittelsbach, tornou-se Elisabeth von Habsburg, imperatriz da Áustria. Para conhecer de perto essa história foi que a empresária de Ijuí, Ercí Nonnenmacher, acompanhada das filhas Stela e Cláudia, e da neta Manuela, passou cerca de uma semana em Viena. Primeiro, acompanhada da filha Stela, Ercí passou alguns dias em Kirchain, na Alemanha, na casa da filha Cláudia e da neta Manuela. Depois, as quatro rumaram para a Áustria. A primeira parada foi na Scholoss Fuschl, uma atração especial da trilogia “Sissi”, os filmes feitos nos anos 50 sobre a imperatriz Elisabeth. Depois, no principal castelo onde Elisabeth viveu, o Palácio de Schönbrunn, elas visitaram os quarenta cômodos que estão abertos ao público. Ercí explica que o nome do castelo significa vertente bonita, e refere-se à uma vertente existente na parte externa. “Me emocionei muito quando vi essa vertente de perto. Ela ainda está lá, conservada e bem cuidada”. Na parte externa do castelo, elas passearam de charrete. Lá foram gravadas as principais cenas dos filmes de Sissi. Ercí trouxe diversas lembranças, principalmente cópias em miniaturas de louças e de outros objetos de uso pessoal da imperatriz Sissi. “A emoção que senti em ver de perto tudo aquilo que foi real um dia, e que foi retratado nos filmes que eu assistia quando era jovem, é maravilhosa. Quando entrei naquele castelo e vi todas as louças, mobília, roupas que Elisabeth usou, fiquei muito emocionada. Foi um sonho realizado”, conta Ercí.

Lembranças da viagem: réplicas de Encontro com objetos da imperatriz a ministra da Cultura

De charrete percorreram a parte externa do imenso castelo

CCAA nos Estados Unidos Grupo de jovens de Ijuí e região guiados por Hussein Hatem e Amine Hatem seguiram aos Estados Unidos em uma excursão que começou em Nova York no dia 20 de julho. Os viajantes puderam conhecer as principais atrações da Ilha de Manhattan, logo após deixar a cidade de Nova York o grupo desembarcou em Orlando para conhecer os parques de Walt Disney, Universal Studios e Island of Adventure, Sea World e Bisch Gardens. A viagem teve duração de 17 dias e contou com a coordenação da Unesul Turismo de Porto Alegre. 7 | STAMPA


Ivo e Rejane nos Canais de Amsterdam

VIAGEM

Juliana, Rejane e Larissa nas Ruínas do Panteon, em Atenas

Giro europeu em família A família Boratti se aventurou por 18 dias pelos principais pontos turísticos da Europa, incluindo famosa ilha grega

O

administrador e advogado Ivo Joel Boratti e a esposa, a professora Rejane Verri Boratti, acompanhados das filhas, Juliana Verri Boratti (turismóloga), Larissa Verri Boratti (advogada e doutoranda em Direito pela University College London); o genro, Marcelo Ilarraz (advogado e doutorando em Direito pela University of London), realizaram uma viagem de férias em família, de 10 a 28 de julho. Eles passaram por diversos países da Europa, começando por Londres, onde reside a filha Larissa e o genro Marcelo. A cidade, segundo Ivo, chama a atenção pelo seu urbanismo, em que coexistem prédios históricos com arquitetura moderna, bem como com os inúmeros parques públicos muito frequentados pelos residentes nos dias ensolarados de verão. “De forma especial, o trânsito com sua mão inglesa é sempre um estranhamento e o eficientíssimo transporte público um aprendizado. Nesse último aspecto, cabe ressaltar a rede de metrô, com 11 linhas subterrâneas sobrepostas, funcionando com absoluta pontualidade, excelente sinalização, ordem e limpeza. Um luxo em termos de mobilidade urbana”. O ponto alto da passagem por Londres foi a participação de Ivo e Larissa em corrida de 10 km pelas ruas centrais e históricas da cidade, com mais de 25 mil participantes (British 10k Race). “Organização exemplar e grande apoio e incentivo das pessoas e famílias ao longo do trajeto”, diz Ivo. De Londres, o destino foi Amsterdam, na Holanda. “Bela e aprazível cidade, com seus canais, museus, cafés, restaurantes. O diferencial, contudo, é a cultura e a legislação mais liberal em relação ao sexo e ao consumo de drogas, por exemplo. O consumo de maconha nos cafés e o Distrito da Luz Vermelha com as suas famosas vitrines inspiram reflexão para os debates sobre políticas públicas no Brasil”, explica Rejane. Em Amsterdam, eles visitaram a fábrica da Heineken, que segundo Ivo, foi surpreendente e inesquecível, um verdadeiro show de marketing. Outra visita emocionante foi a que fizeram à Casa da Anne Frank, perseguida pelo nazismo e morta nos campos de concentração. “Visitar os aposentos onde viveu escondida com a família e consultar o diário que escreveu, dá uma dimensão da brutalidade, desumanidade e horror que o nazismo impingiu aos judeus”, comenta a professora Rejane. Na visita à França, eles passaram pela região de Bordeaux que foi, como todos os lugares, marcante. O destaque é a beleza cênica dos parreirais e vilarejos históricos, a quantidade de Châteaus (vinícolas) e a qualidade dos vinhos e comida local. Para melhor conhecer a região, alugaram um carro e visitaram inúmeros châteaus nos arredores de Pauillac (Região do Medoc) e de Saint Emillion e Pomerol. “Destaque para a visitação ao Château Mouton Rothschild, onde tivemos uma verdadeira aula sobre a história dos vinhos franceses e a forma pela são produzidos”. Atenas eles definem como uma cidade bela, acolhedora e muito viva. A atração principal é a Acrópole, que pode ser vista de vários pontos da cidade, e que oferece uma visão fantástica de Atenas lá de cima. “Apesar do estado de conservação e do fato de que muitos dos elementos dos templos e obras estão expostos em museus mundo afora, já havíamos visto artefatos com origem de lá no Louvre e no British Museum, a visita ao sítio histórico é especial pela sua beleza cênica e rica história”, diz Ivo. Outros sítios históricos nas redondezas são o Teatro de Dionísio, Agora Antiga, Agora Romana e a Biblioteca de Hadrian. A família gastou quatro horas caminhando por ali. De Atenas para as ilhas de ferry-boat, em Mykonos. Lá, a atenção se voltou para o estilo das suas construções, casas brancas com telhados planos em função dos fortes ventos que sopram em boa parte do ano. Outra característica são as ruelas estreitas do centro principal, onde não passam carros, com construções históricas. A beleza única de Santorini, último passeio, encantou os ijuienses. Segundo Ivo, o relevo construído por erupções vulcânicas ocorridas há mais de 3.000 anos, determinaram a forma das lindas encostas. “Neste conjunto de coisas bonitas, o destaque fica por conta da baía formada pelo Mar Egeu, naquilo que é conhecido como caldeira, assim como o estilo das construções, determinado pelas condições geográficas do lugar. Ficamos hospedados em Oia (por do sol mais famoso!) e fizemos passeio de barco pelas hotsprings e praias Branca e Vermelha, com banho de mar.”

Descanso no centro de Bordeaux, na França

Instalações confortáveis à beira da praia da ilha grega de Mykonos

Ivo, Rejane e Larissa, preparados para a corrida de Londres STAMPA | 47


NAS ESCOLAS “Compartilhar se for de alguém que eu não goste, ou que talvez tenha me feito algo ruim, e deletar se for uma fofoca de alguém próximo, algum parente, ou amigo, que a gente goste, e que não quer que seja difamado e que fiquem falando mal.” Andressa Lopes 16 anos, - 2º ano, Imeab

Fofoca na rede: curtir, compartilhar ou deletar? “Deletar, porque não devemos fazer com os outros, o que não queremos que façam com a gente. Eu não sou a favor da fofoca, pois acho que é uma falta de respeito com as pessoas, é algo ruim, e não iria gostar que espalhassem uma fofoca em relação a mim.” Carolina Burtet, 17 anos 3º ano, CSCJ

“Compartilhar, porque sempre é divertido uma confusão ou discussão, no caso da fofoca não ser algo sério. Se o assunto fosse gerar uma situação complicada ou prejudicar alguém que eu gosto, eu deletaria.” Artur Prauchner Padilha, 17 anos – 3º ano, CSCJ

“Se fosse alguma fofoca de um amigo eu não compartilharia, pois sentiria vergonha de fazer isso com alguém próximo. Porém, se fosse alguém que eu não tenho amizade, e que não é próximo de mim, eu compartilharia, com certeza.” Renata Leal Goes, 15 anos – 2º ano, Imeab 48 | STAMPA

“Curtir. Principalmente se fosse alguma fofoca relacionada aos meus amigos, porque sei que eles iriam levar na brincadeira, e eu geralmente sou o mais brincalhão do grupo. Porém, se fosse algum assunto grave, ou que fosse a respeito de alguém próximo, eu deletaria e não iria levar o assunto adiante” Jacson Galdan da Silva Hammastron, 17 anos – 2º ano, Imeab

“Deletar, pois fofoca é uma coisa que não devemos compartilhar, é algo complicado e que quando espalhado acaba perdendo o controle. Pois, quando alguém faz uma fofoca da gente, nós também não gostamos, então o melhor é deletar e não ficar curtindo ou compartilhando”. Giovana Delajustine , 16 anos – 3º ano, CSCJ

“Eu deletaria, pois não é algo certo sair difamando as pessoas de nenhuma forma. Eu sou contra a fofoca, porque acho que cada um precisa cuidar da sua vida e não falar ou ficar cuidando da vida dos outros.” Francisco Willers Junior, 17 anos – 3º ano, CSCJ

“Depende o grau da fofoca, pois tem algumas fofocas que envolvem muitas pessoas, então não devem ser mais compartilhadas. Outras, conforme o teor do assunto merecem ser compartilhadas ou curtidas, principalmente as discussões.” Henrique Dalla Rosa, 16 anos – 2º ano, Imeab


O BOTICÁRIO Glamour Amour - R$ 99,00 BOUTIQUE NINAR Cômoda Ópera Blanc R$2.882,00 UNNICA T-Shirt Sly - R$ 119,90; BOUTIQUE NINAR shorts - R$ 179,90 Carrinho Uran Chicco - R$ 2.615,45

MOBILIÁRIO 21 Set de seis taças bico de jaca Prata Velho - R$ 290,30; jarra bico de jaca Prata Velho - R$ 222,55

LE MOND Bolsa Dimy - R$ 378,80

THYERS Bolsa Lança Perfume - R$ 438,80

HIDROLUX Variedade em porcelanato 62X62 Retificados - R$ 35,90 m²

LOOKS ÓPTICA BEBIDAS 24 HORAS Relógio Michael Kors Cesta de café da manhã R$ 1.978,00 LOOKS ÓPTICA - R$ 148,90 Relógio Technos dourado - R$ 800,00; e relógio Technos rosê com cerâmica - R$ 575,00

LOJAS PARATY Arranjo de flor (completo)- R$ 230,00

NADINE DUBAL Bolsa Loucos & Santos - 4X R$ 202,40 e Scarpin Loucos & Santos - 4X R$ 72,50

NADINE DUBAL Bota Camurça Vicenza - 4x R$ 112,50; bolsa Carmim - 4x R$ 168,50

STILETTO Sandália VIVAS MODAgladiadora HOMEM Camisa e traje - R$ Dudalina 290,00 à vista Carbonelli - look completo - 10X R$ 75,00

BELLA DONNA Camisa Chemiz R$ 149,90

HYDROLUX Mandala Rozone 80x80 - R$ 319,00

POCHMANN Relógio Technos troca ÓPTICA WOLFF pulseira masculino - 10x Solar Tiff any R$ 1.300,00; de R$ 134,40 LE MOND armação Tiffany R$ 950,00 Camisa Dimy - R$ 288,80

DECORPORE Blusa rosa R$ 88,40; leg R$ 86,00

O BOTICÁRIO Make B. Lumina, desodorante Colônia - R$ 119,00

GEMA MODA INFANTIL MOBILIÁRIO 21 Agasalho Fabula- R$ 227,70; DOCE LAR Espelho Lady Like calça Fabula R$ 139,50 - R$ 222,24 Edredom Hedrons Plush Crocco casal R$ 258,00, em até 3x ou R$ 225,00 à vista

FOR MEN FOR MEN Polo Ogochi - R$ 98,00; For LAR Men sapatênis - Camisa em de algodão - R$ 86,00 couro - R$ 246,00 DOCE Edredom Casal Karsten - R$ 254,00 STAMPA | 45 49


Stampa setembro  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you