Page 1

Ano 12 . Nº 10 . Março| 2015 . R$ 8,00

CARNAVAL

IMAGENS DA FOLIA

HELQUER PAEZ, UM PROFESSOR NOS PALCOS

VIVA’S MODA HOMEM e LOOKS ÓPTICA apresentam

COMO É O FUTEBOL NA ARÁBIA SAUDITA A NOITE DOS 50 ANOS DO TIARAJÚ

EDUARDO MACUGLIA o Modelo da Capa no Valle Verde, por Foto Andréia

Mais ijuienses contam por onde andaram


índice SÁUDE

Terceira turma de residentes médicos se forma no Hospital de Caridade de Ijuí

ESPORTE

Futebolista conta sua experiência como treinador em um time da Arábia Saudita

7 8

ENTREVISTA

15

PRODUÇÃO

17

GENTE

18

Gestora de projetos do Sebrae Lisiani Hampel opina sobre empreendedorismo

Projeto Milho reuniu em Cascavel donos de moinhos brasileiros e alemães

O premiado diretor, ator e professor de teatro Helquer Paez

MODELO DA CAPA

20

CLUbE

27 30

Eduardo Macuglia, no Valle Verde, com moda da Viva’s e Looks Óptica

Associados comemorando o cinquentenário do Clube Aquático Tiarajú

CARNAVAL

Imagens dos foliões no Aruba e na Sogi

É março

ESPECIAL FÉRIAS

stampa@jornaldamanhaijui.com Ano 12 - Nº 10 | Março | 2015 Ano 11 PublicAção - Nº 12 | Maio | 2014 GráficA e editorA JorNAlísticA seNtiNelA ltdA cNPJ: 87.657.854/0001-23 ruA AlbiNo breNdler, 122 - foNe: (55) 3331-0300 98.700-000 iJuí/rs diretor edMuNdo HeNrique PocHMANN edição iArA soAres iara@jornaldamanhaijui.com

42

colAborAdores: cArlos Alberto PAdilHA deise MorAis, clAudiA de AlMeidA JocelAiNe siMão, ceciliA MAtHioNi serGio correA (revisão) iMPressão ciA de Arte (55 3331-0319)

O entusiasmado relato de Milene Montagner e de outros ijuienses em viagens de férias 44| |STAMPA STAMPA

Assinatura semestral: r$ 45,00 - ligue 3331-0300 Informações contidas em matérias comercializadas são responsabilidade integral das empresas e/ou dos profissionais.


Óculos Pochmann escolha o seu estilo Criada em 1952, esta armação grossa de acetato voltou à moda. Além da clássica preta, há versões tartaruga e em outras cores, inclusive incolor Uma aposta ,mais fashion, com lentes arredondadas. O detalhe do “puxadinho” nas laterais da armação lhe renderam o apelido de coruja Criado em 1937, terminou virando um ícone. Possui várias versões, para homens e mulheres, para sol ou grau. Nunca sai de moda e fica bem em todas as ocasiões

Boutique Ninar

O universo do bebê

Boutique Ninar é empreendimento voltado para o universo infantil visando o desenvolvimento do bebê por todas as fases até a primeira infância. O espaço, assim como os produtos passam segurança, aconchego e proteção a todos envolvidos na chegada do bebê, como mamães, papais, avós, madrinhas e tias que são fundamentais nesse processo. A gestante terá tudo organizado através de assessoria prestada pela Boutique Ninar, contando com produtos como berços, carrinhos, cadeiras de amamentação e alimentação, tapetes, lembrancinhas, enfeites para o quarto e porta maternidade, protetores de berço e toda a linha da Chicco, bolsas Masterbag e perfumaria Granado. A futura mamãe também pode deixar sua lista de chá de fraldas na Boutique Ninar, localizada na Rua Jose Bonifácio n°635, sala 1, no centro de Ijuí, telefone 9644-7071. Curta nossa Fan Page no Facebook Boutique Ninar e fique por dentro das nossas novidades.

É o modelo mais indicado para quem realmente não curte usar óculos. Fica o mais invisível possível.

Para quem quer um ar mais contemporâneo, as armações com hastes de madeira são as mais indicadas. É quanto uma linha num tom mais claro precorre a armação pela parte de dentro. Ela ilumina e deixa o olhar mais leve.

Rua do Comércio, 344 | Fone: 3332.1826 | IJUÍ


O

HCI forma terceira turma de residentes médicos A terceira turma da residência médica do Hospital de Caridade de Ijuí (HCI) aprovados no processo seletivo de 2013 receberam dia 20 de fevereiro o título de especialista, em cerimônia realizada no auditório da instituição.Na especialidade cirurgia geral estão: Carolina do Amaral, de Chapecó/SC; Eduardo Sagrillo Santiago, de Santa Maria/RS; Gabriel Godoy Vallim de Porto Alegre/RS; e Rafael Telló Durks, de Ijuí. Na clínica médica, André Luiz Bortoluzzi, de Chapecó/SC; Carla Beatriz Davi, de Chapecó/SC; e Joice Perosa, de Ibiaça/RS; Milene Costa de Menezes, de São Gabriel/RS.

HCI oferece para os residentes um corpo clínico onde todos são especialistas, e um hospital macrorregional que cuida de pacientes com doenças de simples, de média e de alta (grave) complexidade, além de treinamentos que estão de acordo com a comissão nacional de residência médica. “É uma modalidade de ensino de pósgraduação, sob a forma de curso de especialização e caracterizada por treinamento em serviço, funcionando sob a responsabilidade da comissão de residência médica do HCI, chamada Coreme, formada por médicos e gestores do hospital”, explica o coordenador da área da cirurgia geral, médico Robledo Meller Alievi. O presidente do HCI Claudio Matte Martins aproveitou a formatura para reafirmar o compromisso do HCI de apoiar sempre iniciativas pioneiras como a residência médica. “A implantação desta pós-graduação é a prova de que a instituição HCI sempre avança na busca da inovação, mesmo com todas as dificuldades de custeio”, disse. Prestigiaram a cerimônia, os coordenadores da Comissão de residência médica do HCI-Coreme, os médicos Douglas Uggeri, Leonardo Zanatta, Airton Buss Jr. e Robledo Alievi, o diretor Clínico do HCI, médico Fernando Bueno, os diretores da Sepam, médicos Armindo Pydd e Adonis Dei Ricardi, os gerentes de operações e Tecnologia da Informação Douglimar Radaelli e Paulo Felippin, a vice-reitora de Pós-graduação da Unijui Kátia Maria Nering, e o prefeito de Ijuí Fioravante Batista Ballin. Logo depois da solenidade, os residentes, familiares e convidados confraternizam em um jantar no Centro de Eventos Valle Verde. No início de março ingressaram no HCI mais nove residentes aprovados no processo seletivo.

HCI

STAMPA | 7


Trabalhando as múltiplas possibilidades do esporte

Um futebolista no mundo árabe

O

Programa Atleta do Futuro do Serviço Social da Indústria (Sesi ) está em desenvolvimento no Ginásio Walter Müller, no bairro Modelo em Ijuí. O projeto tem como base crianças até os 12 anos, que trabalham e vivenciam várias modalidades esportivas - futsal, basquetebol, voleibol, handebol e atletismo. A partir dos 13 anos, é trabalhada apenas uma modalidade esportiva. O Atleta do Futuro quer oportunizar aos alunos a vivência do esporte educacional e experiências lúdicas em diversas modalidades esportivas, considerando as múltiplas possibilidade do esporte. O coordenador Eduardo Llano explica que o programa tem a participação como um princípio de inclusão, a especialização em idade adequada, a diversificação de modalidades e o jogo como recurso pedagógico. O Atleta do Futuro tem dois núcleos de execução, no Centro Esportivo Arthur Fuchs do Sesi e no Ginásio Walter Müller do bairro Modelo. No dia 28 de fevereiro, no Centro Esportivo Arthur Fuchs, aconteceu uma diversificada programação com participantes do projeto e seus familiares. Também participaram integrantes da Oficina Cultural-Música. Essa atividade marcou o início dos Jogos do Sesi neste ano. A primeira modalidade em disputa foi o futebol sete livre, com 12 equipes participantes, divididas em três grupos. O campeão terá o direito de participar da etapa regional, que acontecerá no dia 27 de setembro, na cidade de Erechim. A primeira rodada envolveu estas equipes: Soberana Alimentos/Metal Ijuí, Gimenez e Cia/Hidroenergia A, Cisbra Farinhas/Cisbra Blocos, Pré Moldados Dreffs/Atual Pneus/Montecielo Artes e Decorações, 3 Tentos B e Fonte Ijuí.

Atleta do Futuro desenvolve atividades no Ginásio Walter Müller do bairro Modelo

8 | STAMPA

Rodrigo Ferrari na sala de troféus do Al Kholoud


O

auxiliar técnico do São Luiz, Rodrigo Ferrari, 37 anos, viveu uma experiência importante na Arábia Saudita, em 2014. Foi treinador profissional no Al Kholoud. Graduado em Educação Física, Pós Graduado em futebol, chegou a iniciar mestrado em gestão esportiva na UNB em Brasília, mas devido a profissão teve que retornar ao Sul. Foi coordenador das escolas do Atlético-PR no Rio Grande do Sul, auxiliar técnico profissional no Lajeadense, Cerâmica de Gravataí e Ypiranga de Erechim. Atuou como técnico em um projeto japonês no Brasil chamado FC Osaka Brasil e treinou o Al Kholoud da Arábia Saudita. Rodrigo Ferrari, ao falar para a Stampa, disse que gerir um grupo de língua e cultura oposta à nossa o fez crescer muito profissionalmente. “Tive a comprovação prática das minhas crenças metodológicas sobre treinamento de futebol. O Brasil está desatualizado nesse aspecto e tem muitas dificuldades para quebrar paradigmas e aceitar o novo. Implantamos trabalhos que gosto de chamar situacionais, onde todos os fatores (técnico, tático, físico e cognitivo) são desenvolvidos dentro de jogos e exercícios que simulem a realidade da partida. Conseguimos conquistar o inédito título regional com 76% de aproveitamento”. A comissão técnica do Al Kholoud era composta por mais quatro brasileiros e todos já tinham trabalhado na Arábia Saudita. De acordo com Rodrigo, a parceria no campo e fora dele foi muito boa. “Formamos um família e até hoje mantenho

Com o sheik investidor do time

contato com esses irmãos que o futebol me deu”, frisou. O profissional chegou àquele país no auge do verão Saudita com temperatura de 48º C e saiu no inverno com frio de 2ºC. “Durante o verão treinávamos à noite e quando solicitávamos dois turnos, treinávamos as 6h da manhã e à noite. Já no inverno trabalhávamos à tarde e quando precisava mais turnos, por volta das 10h da manhã”, salientou. O auxiliar técnico do São Luiz disse que eles estavam ultrapassados em todos os aspectos, mas com calma, educação e gestão conseguiu repassar o seu trabalho de tal forma que a equipe ficou extremamente competitiva. Também foram trabalhadas variáveis táticas e posturas. Rodrigo acredita que a melhor resposta para dizer se sua atuação na Arábia Saudita deu certo ou não foram os números: 14 jogos, 10 vitórias, dois empates e duas derrotas. O profissional disse que no futebol tem que estar sempre aberto a futuras propostas. Claro, se surgisse um novo convite, por agora ter experiência, iria fazer uma série de solicitações que nessa passagem não fez. “Deixei em Porto Alegre minha esposa, filha e demais familiares. Ficar longe das pessoas que amo foi um teste de força interior e fé. Quando estamos distantes em um país de cultura tão diferente da nossa, aprendemos a valorizar os detalhes que normalmente deixamos passar batido. Com certeza, um dos pontos a ser negociado numa possível volta ao mundo árabe, seria poder levar esposa e filha comigo”.

Treinador comemorando a conquista com atletas do time árabe

Rodrigo afirmou que aprendeu muito culturalmente naquele país. Desenvolveu o inglês, aprendeu algumas palavras em árabe e conheceu melhor o islamismo. Com essa experiência, segundo ele, pôde atestar que o islã não prega o que essa ínfima minoria de radicais tem espalhado pelo mundo afora. O alcorão prega o amor e o respeito ao próximo. Lembrou que o brasileiro é idolatrado, pois o povo árabe sabe muito da nossa história do futebol. Pelé, Zico, Ronaldo e tantos outros são seguidamente citados nas rodas de assunto futebol. “No meu caso, fui muito bem tratado. Me paravam na rua, pediam autógrafos e fotos. Foram amáveis, cordiais e corretos”, comentou. Rodrigo Ferrari, que integra a comissão técnica do São Luiz ao lado do treinador Leandro Machado, do preparador físico, Fernando Berwig Antes; do auxiliar de preparação física Eduardo Macuglia e do treinador de goleiros Paulo Gilberto de Oliveira (Paulinho) sabe da missão difícil que é colocar novamente o São Luiz na Série A do Campeonato Gaúcho, mas está bastante motivado em um novo desafio na sua carreira.

STAMPA | 9


COMUNIDADE

Amigos do melhor amigo Uma turma de nove amigos fundou o Grupo de Incentivo ao Cuidado com Animais de Ijuí (Gicai) para ajudar a recolher e acolher animais de rua

O

Grupo de Incentivo ao Cuidado com Animais de Ijuí (Gicai) surgiu por meio dos seguidores da página Ijuí Pet do Facebook, que se uniram para formalizar ideias e ações em prol dos animais. Em um ano já auxiliaram mais de 50 animais carentes. “Temos como objetivo enfatizar a importância da posse responsável e, aos poucos, conscientizar as pessoas de que os animais necessitados são responsabilidade de todos nós”, explica uma das idealizadoras do projeto, Camila Hoffmann. Fazem parte ainda Alexandre Reichert, Mariela Abreu, Suzana Luz, Franciele Engleitner, Patrícia Ribeiro, Henrique Schmidtke, Carine Savicki e Celiane Oliveira. Uma das metas do Gicai é a coleta de doações, com destinação para ONGs locais, Canil Municipal e para animais necessitados. A primeira ação do ano foi realizada em fevereiro, por meio de uma Campanha de Arrecadação de Toalhas de Banho que foram repassadas ao Canil Municipal de Ijuí. “Não somos uma ONG, apenas um grupo de amigos dispostos a promover ideias que visam o bem-estar animal. As ONGs e protetores de animais não recebem verba do governo e prefeituras para se manter, elas só existem porque se unem com recursos próprios para ajudar os animais mais necessitados, por isso é muito importante a colaboração de todos”, defende Camila. O grupo já projeta ações ao longo de 2015: continuar a divulgação dos animais que estão para adoção pelo Facebook, iniciar uma campanha de arrecadação de cobertores para o inverno e a produção de material gráfico (folders e cartilhas) com instruções e informações a respeito da posse responsável, da importância da castração. A comunidade de Ijuí pode auxiliar fazendo as Leonice e Pepa - Pepa é uma doações e ainda adotando os animais abandocadelinha idosa que foi encontrada nados, que quando recolhidos são enviados ao pelo grupo dentro do lixo no aterro Canil Municipal. Se não puder adotar, pode-se dar municipal. Encaminhada ao Canil um lar temporário. “Se não puder, apadrinhe. Se Municipal, recebeu atendimento e não puder, doe ração. Se não puder, ajude nas foi adotada por Leonice, que hoje divulgações pela internet. Curta a nossa página no cuida e protege Pepa. facebook: www.facebook.com/grupogicai”.

Camila e Dorinha - Camila encontrou Dorinha ainda filhote abandonada na rua. Não pensou duas vezes e hoje são grandes amigas.

Joice e Lilica - Lilica foi encontrada no lixão com uma ninhada de filhotes. Resgatada pelo grupo foi castrada, os filhotes encaminhados para adoção e foi adotada por Joice. Hoje Lilica é muito feliz com sua nova dona.

Patrícia e Dimple - Dimple foi encontrado no aterro municipal, estava em péssimas condições, por isso Patrícia não se conteve e o recolheu. Foi tratado e adotado por ela, que não se arrependeu. Hoje um não vive sem o outro.


Cerimônia e festa no Valle Verde: opção moderna, prática e elegante

N

um passado não muito distante, a grande maioria dos casamentos seguia um ritual fixo: cerimônia religiosa celebrada na igreja e, a seguir, um buffet para a recepção. Nos dias de hoje, porém, essa tradição tem disputado a preferência dos casais com uma tendência mais moderna: a de fazer tudo num mesmo lugar. E isso, é possível no Centro de Eventos Valle Verde, em Ijuí. Fazer cerimônia e festa no mesmo local traz ótimos benefícios para noivos e convidados: fácil locomoção, economia na hora de decorar o ambiente, já que será usada apenas uma decoração, além de praticidade e comodidade para os convidados, que não precisarão se deslocar de um lugar para o outro. O Valle Verde está adaptado para essa nova realidade, investindo em ambientes diferenciados para a realização da cerimônia e da recepção no mesmo ambiente, sem deixar de lado a elegância, a praticidade e o conforto de cada um dos momentos. Informações podem ser obtidas pelos telefones 8428-0678 e 81185411, e-mail faleconosco@valleverdeijui.com.br. O Valle Verde está localizado na Linha 3 Leste.

STAMPA STAMPA| |29 11


MÊS DA MULHER

A luta agora é por

salários iguais E

mbora os muitos avanços já conquistados pelas mulheres na sociedade brasileira, quando o tema se refere ao mercado de trabalho a igualdade salarial entre gêneros ainda é uma realidade distante no Brasil. Segundo dados divulgados pelo Fórum Econômico Mundial, em um ranking que compara a igualdade de gêneros entre os países, em 2014, no que se refere à equiparação dos salários, o Brasil ficou com a 71ª colocação, caindo nove posições em relação a 2013, quando estava na 62ª. De acordo com o relatório, o país apresentou uma “ligeira queda na igualdade salarial e renda méPatricia Arquette, no Oscar: visibilidade para a causa dia estimada” para o sexo feminino. Essa realidade não se restringe apenas ao Brasil. Quando subiu ao palco para receber o Oscar 2015 de melhor atriz coadjuvante pela atuação em “Boyhood”, Patricia Arquette afirmou em seu discurso: “É nossa hora de ter igualdade de salários de uma vez por todas e direitos iguais para as mulheres nos Estados Unidos”. Da plateia, nomes como Merryl Streep e Jennifer Lopez apoiaram com entusiasmo. Fora do local da cerimônia, o apelo de Patricia também ganhou eco. Hillary Clinton, em pré-campanha eleitoral, ainda sem ser candidata à Casa Branca, e a secretária de Trabalho dos EUA, demonstraram seu apoio às palavras de Arquette. O relatório de Desigualdade de Gênero do Fórum Econômico Mundial coloca o Brasil entre os mais desiguais do mundo, no grupo dos países (acompanhado de Japão e Emirados Árabes) que fizeram investimentos importantes na educação das mulheres, mas que não conseguiram remover as barreiras à participação delas na força de trabalho.

12 | STAMPA

Desigualdade brasileira No ranking geral de igualdade de gêneros, o Brasil ficou em 71º lugar entre 136 países. Mas o que chama atenção é a colocação brasileira nos subíndices relacionados a mulher no mercado de trabalho, onde o país aparece como um dos mais desiguais do mundo. No pior deles, o de igualdade salarial entre homens e mulheres, o país ficou na 117ª colocação, entre os 136 países. Nos demais subíndices, o Brasil se saiu levemente melhor: em participação econômica, ficou em 74º, em participação na força do trabalho, 76º, e em renda estimada, 65º. O relatório destaca ainda outros indicadores que deixam claro a diferença entre homens e mulheres no mercado de trabalho. Por exemplo, enquanto a taxa de desemprego entre os homens é de apenas 6%, entre as mulheres ela chega a 11%. A desigualdade também fica visível na comparação do acesso a bancos: enquanto 61% dos homens têm contas em banco, apenas 51% das mulheres também têm. Mundo No ranking geral, a Islândia ficou com o título de país onde a desigualdade entre homens e mulheres mostrou-se menor pelo quinto ano seguido, seguida por Finlândia, Noruega e Suécia. Entre os Brics, a África do Sul é a melhor posicionada, na 17ª colocação. Já na América Latina, o país melhor posicionado no ranking é a Nicarágua (10º lugar), seguida por Cuba (15º), Equador (25º) e Bolívia (27º).


Inverno à vista!

Mais uma temporada está por chegar. Com todo o seu charme e elegância, a coleção outono-inverno já começa a dar o ar da graça nas vitrines. Não consegue esperar? Não se preocupe, nós também não agüentamos mais a espreita. Vamos adiantar para você [quase] tudo o que vem por aí! Para esta estação mais fria do ano, estarão em alta diversos estilos, estampas e cores, além de mistura de materiais como pelos, metais, cristais, brilho e elas: as franjas! O inverno promete ser colorido [viva!]. Tons de laranja, vermelho, amarelo, violeta, verde, azul, cinza, marrom [guarde esta cor], tons pastel, preto, branco e burgundy estarão em alta e prometem apimentar os looks. A maioria das marcas aposta este ano na moda dos anos 70, uma moda conhecida como “sem restrições e sem regras” [uau!]. Coleções inspiradas no movimento hippie, com pitadas de western. Todos os símbolos seventies voltam com tudo em 2015. As franjas – que romperam a barreira da estação quente – chegam com força em mais uma temporada. O estilo, que nasceu nas décadas de 60 e 70, aparece de forma [lindamente] decorativa em sapatos e bolsas. As botas no estilo anos 60 também se evidenciam, principalmente com salto médio quadrado, sem descartar [é claro] o conforto dos modelos sem salto. Também as over the knee [aquelas acima do joelho] aparecem novamente [oba!], devido à febre mundial que causaram. As sandálias também aparecem, e devem ser usadas com meias, se adequando à estação. Junto com elas, as plataformas, aposta certa para a estação. Para quem não dispensa o conforto e o estilo mais Sport, a volta triunfal dele: o tênis! Pode ser em cano alto ou cano baixo [no estilo jogging, de corrida]...tanto faz. O importante é a leveza e o multicolorido de cada um. O bico fino dos scarpins também retorna, repaginado, principalmente em monocor, com palmilha e salto da mesma cor do cabedal [em nobuck]. Nova Era Calçados. Rua José Bonifácio, 328 – Shopping JB – Ijuí; fone (55) 3332-9967.

NOVA ERA

STAMPA | 13


Yázigi é centro

aplicador do TOEFL

Meu cão envelheceu. E agora? Desde janeiro, o Yázigi de Ijuí se tornou um dos pouquíssimos centros aplicadores da mais respeitada certificação internacional de inglês, o TOEFL (Test of English as a Foreign Language). Esta avaliação é requerida para um estrangeiro ingressar nas universidades ou exercer a profissão em um país de língua inglesa. Conhecer uma nova cultura, aprimorar o inglês e ainda obter um diploma de curso superior ou um mestrado através de uma certificação internacional, é o sonho de muitos brasileiros que desejam estudar fora. Essas certificações têm a finalidade de comprovar o nível de conhecimento na língua e são solicitadas pelas maiores universidades e empresas do mundo. No Brasil, são inúmeras as empresas que exigem essa certificação de seus funcionários ou futuros funcionários. Ou seja, no mercado de trabalho e no mundo acadêmico, ter esta certificação faz toda a diferença, afinal, é o documento que atesta o nível de conhecimento da língua. Com base nas chances oferecidas diante de uma certificação internacional, a escola Yázigi de Ijuí começa a proporcionar aos alunos e a toda comunidade, a oportunidade de fazer este exame internacional. Para os alunos da escola YÁZIGI, a grande vantagem é a chance de colocar seus conhecimentos à prova, confirmando que a escola tem um sistema de ensino sério e de qualidade.

Com o avanço da Medicina Veterinária e a melhor qualidade de vida proporcionada aos animais, tornou-se comum a presença de cães idosos em nossos lares. Os cães idosos têm algumas necessidades especiais, seus corpos começam a ficar mais lentos. Como estamos com eles diariamente, muitas vezes não percebemos a idade chegando, mas precisamos tomar alguns cuidados extras, para assim proporcionar uma melhor qualidade de vida. As visitas ao veterinário devem ser regulares, nas quais possíveis problemas podem ser detectados antes que os sinais clínicos apareçam. As vacinas são tão importantes para cães idosos como para jovens, pois podem ser menos resistentes a doenças e não conseguir superar infecções tão facilmente. Enquanto o corpo envelhece, os órgãos vitais também começam a ficar comprometidos. A paciência terá que ser sua aliada, ele precisará de mais ajuda e companhia, a visão e audição diminuem, passará mais tempo deitado, terá dificuldades para subir e descer escadas, neste caso portões de segurança são importantes para evitar acidentes. A perda de um companheiro nunca é fácil e é difícil aceitar que não irá durar para sempre. Por isso, enquanto estiverem conosco vamos dar muito amor e carinho.


Lisiani Uggeri Hampel

O que é preciso para ser um empreendedor? A pessoa precisa ter um conjunto de habilidades, conhecimentos e comportamentos, tais como iniciativa, capacidade de tomar decisões, assumir riscos de forma calculada, persistência, liderança, determinação, auto confiança, capacidade de planejar e monitorar os resultados, habilidade de negociação e ter uma visão globalizada. O empreendedor é aquele que percebe uma oportunidade de negócio e cria meios para tornar realidade. O empreendedor faz acontecer, ele não espera que os outros façam por ele, ele imagina, desenvolve e realiza a sua visão de futuro. As facilidades de acesso ao crédito facilitam no momento de se tornar um empreendedor? Com o processo da globalização, oportunizando o acesso ao conhecimento de forma generalizada e aliado ao acesso ao crédito, o empreendedor tem, sim, mais facilidade, porém, também tem mais perigo, pois as informações estão disponíveis para todos e a concorrência é cada vez maior. Mas aquele que se preocupa em planejar, fazendo um bom plano de negócios, com certeza ele terá mais sucesso do que aquele que realiza o seu sonho de forma intempestiva.

Ensinando a empreender Com a globalização, o mundo dos negócios ganhou cada vez mais adeptos, se tornando atrativo aos olhos daqueles que buscam na iniciativa de ter o próprio empreendimento sua fonte de renda. Integrante da Gerência Regional Noroeste do Sebrae, Lisiani Uggeri Hampel entende do assunto. Casada, 46 anos, um filho, formada em Direito, pós-graduada em Gestão de Desenvolvimento Regional, certificada em Gestão de Projetos, ela atua no Sebrae há nove anos como Gestora de Projetos atendendo o setor de Comércio e Serviço. Entre suas funções, Lisiani auxilia aqueles que querem ter um empreendimento e é uma das inspiradoras do projeto de revitalização da Rua 15 de Novembro em Ijuí. Atenta ao mercado e suas tendências, ela é taxativa ao afirmar que não basta o desejo de ter o próprio negócio, é preciso informação e estar se reciclando de tempos e tempos, além de uma busca constante por qualificação. A globalização e o acesso ao crédito facilitaram a entrada nesse democrático mundo dos negócios, e por outro lado, aumentaram a concorrência. Por este motivo, Lisiani afirma que o empreendedor é aquele que percebe uma oportunidade de negócio e cria meios para torná-lo realidade. Por Deise Morais

O empreendedorismo é uma característica cada vez mais dominante na população? A pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM) de 2013, mostra que a cada 100 brasileiros que começam um negócio próprio no Brasil, 71 são motivados por uma oportunidade de negócios e não pela necessidade. Em 2002, apenas 42% das pessoas abria uma empresa por identificar uma demanda no mercado, enquanto as outras pessoas tinham o empreendedorismo como única opção, por não encontrar alternativas no mercado de trabalho. De acordo ainda com essa pesquisa ficou comprovado que ter seu próprio negócio é um dos três maiores sonhos dos brasileiros, ficando atrás somente da compra da casa própria e viajar pelo Brasil. Fazer carreira em uma empresa ficou em 8º lugar na pesquisa entre os 10 desejos pesquisados. O perfil do empresário brasileiro também teve alteração de acordo com a pesquisa. Hoje ele está mais escolarizado e também mais jovem. A pesquisa mostra que 50% dos empreendedores com até três anos e meio de atividade têm entre 18 e 34 anos, enquanto nas empresas que estão há mais tempo no mercado apenas 25% são dessa faixa etária. Isso mostra que as pessoas estão empreendendo mais e buscam isso ainda no início da sua vida, porém, elas não devem esquecer da necessidade de se atualizar, buscar uma capacitação e ter um diferencial no seu produto ou serviço. O crescimento do mercado interno na última década gerou uma ascensão das classes C e D. Que impactos teve sobre os pequenos negócios? Com o crescimento dessa classe e a sua entrada no processo de consumo, as empresas >>> STAMPA | 15


viram aí uma nova oportunidade de posicionamento de mercado. Com isso, houve abertura e alterações no foco do público alvo. Tivemos abertura de empresas pensando nesse cliente e criando produtos e serviços focados, principalmente pensando no valor da parcela mensal da prestação. Esse público compra e muitas vezes não observa o preço final, mas sim, se a prestação vai caber no seu bolso e essa estratégia foi e está sendo amplamente usada pelos empresários para atrair esse público.

Não basta ser empreendedor. A pessoa não pode esquecer das habilidades de gerir seu próprio negócio. Empreender significa arriscar, superar barreiras por conta própria, e vencer o medo.

O empreendedorismo é uma alternativa para o desemprego? O desemprego tende a gerar novos negócios por necessidade, contudo é importante que o potencial empreendedor, nessa condição, identifique um desejo ou necessidade do mercado e busque oferecer produtos ou serviços que atenda a essa demanda, virando o jogo e abrindo o seu negócio por oportunidade e não por necessidade da renda mensal. Mais uma vez é importante salientar a importância do planejamento para que não ocorra surpresas nesse processo. Para quem está pensando em ter seu próprio negócio, quais são as alternativas? Saber onde investir, ou reconhecer uma necessidade do mercado, é de fundamental importância. Em seguida, fazer o seu plano de negócios, estabelecer parcerias, ter uma boa rede de relacionamento, buscar a capacitação constante, estar atento para as mudanças que o mercado posiciona. O empresário não deve nunca se acomodar no seu modelo de gerir a sua empresa, hoje tudo ocorre de forma muito acelerada e o que ontem era uma inovação hoje já não é mais. Que espaço as mulheres alcançaram no mundo dos negócios? Hoje 52% dos novos empreendedores (aqueles com menos de três anos e meio de atividade) são de responsabilidade do público feminino. O empreendedorismo das mulheres é maior em quatro de cinco regiões brasileiras, só perdendo no Nordeste, mas elas estão quase lá, pois representam 49% de participação entre os novos empresários ( dados da Pesquisa GEM). Outra pesquisa, feita pelo banco suíço Credit Suisse com 2.360 empresas de todo o mundo, mostra que, as corporações com mulheres na direção tiveram um desempenho bem acima daquelas totalmente dominadas por homens. Os dados chamam a atenção para o crescimento da mulher no mundo corporativo. Em 2005, apenas 41% das principais companhias globais tinham mulhe-

16 | STAMPA

res em sua alta cúpula, já em 2011, esse número já tinha subido para 59%. As mulheres têm conhecimento da alta competitividade dentro das organizações e que precisam adequar-se a esse cenário para alcançar maior destaque no ambiente de trabalho. O que difere homens e mulheres dentro de uma empresa? A diferença entre o sexo masculino e feminino é que elas fazem um misto entre a razão e a emoção e usam suas características próprias para impulsionar o seu espaço nesse mercado, tais como intuição aguçada, o que ajuda para tomar decisões; a persistência, a maioria das mulheres é mais persistente diante das dificuldades e tende a lutar por seus objetivos até que todas as alternativas de solução se esgotem; Comunicação é outra característica desse público, elas tem mais facilidade e habilidade de dosar as palavras em momento de pressão. Unindo todos esses elementos e características próprias do mundo feminino as mulheres estão mostrando ao mundo a sua capacidade de gerenciamento, o que sai da porta de casa e família e entra no mundo empresarial, e elas sabem usar as suas habilidades como ninguém, estão sempre atentas para as mudanças e novas oportunidades, têm um olhar mais focado nos detalhes, que hoje fazem toda a diferença para o encantamento do cliente, e são mais suscetíveis a participar em cursos para ampliar o seu conhecimento técnico, colocando em prática o que aprenderam e ainda, sabem ouvir muito bem o que o mercado aponta, com isso estão sempre abertas para a inovação, ou seja, o fazer diferente. A pessoa nasce empreendedor ou ela trabalha essa característica ao longo da vida? Como já relatei, as pessoas tem diversas razões para empreender. Podem empreender por oportunidade, necessidade ou por que querem aplicar o conhecimento adquirido ao longo da sua vida profissional. Independente da razão envolvida, estas pessoas nasceram com espírito empreendedor ou desenvolveram esta característica ao longo da experiência de vida? Com exceção dos que o fazem por extrema necessidade, eu acredito que todo empreendedor tem este perfil como parte de sua personalidade. Ocorre que cada um tem a sua própria experiência de vida, o que faz tomar ou não atitude empreendedora. Uma pessoa pode ter todas as habilidades e comportamentos requerentes, porém, ela tem um bom emprego e não tem a necessidade de empreender e não se visualiza liderando o seu próprio negócio. Mas é interessante que cada

um faça a autoavaliação. Como fazer essa autoavaliação? Fazendo perguntas para si mesmo. Você sempre pensa em uma ideia de negócio e como seria ter a sua própria empresa? Você gosta de correr riscos? Sempre pensa uma forma diferente de fazer o que o mercado oferece? Sabe trabalhar com planejamento? É persistente? Sabe liderar? Sabe trabalhar em equipe? Delega tarefas ou assume todas as responsabilidades? Quando faz algum trabalho sempre entrega algo a mais ou se preocupa em entregar somente o que foi solicitado? Empreender é ter atitude, nem todas as pessoas nascem com esse comportamento, mas podem, sim, desenvolver. Hoje existem diversos cursos que trabalham o potencial empreendedor. O próprio Empretec, que é realizado pelo Sebrae é uma excelente oportunidade para trabalhar essas características e aumentar o conhecimento sobre a sua personalidade, aumentando o seu nível de confiança. Mas não basta ser empreendedor, a pessoa não pode esquecer das habilidades gerenciais para gerir o seu próprio negócio. Empreender significa arriscar, superar barreiras por conta própria, e vencer o medo. No mundo dos negócios, há espaço para todos? Com certeza o mundo dos negócios é bem democrático. Todo o indivíduo pode fazer a sua própria empresa e entrar no mundo empresarial, hoje temos essa facilidade com a implantação do MEI, Microempreendedor Individual que é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário. Para ser um microempreendedor individual, é necessário faturar no máximo até R$ 60 mil por ano e não ter participação em outra empresa como sócio ou titular. O MEI também pode ter um empregado contratado que receba o salário mínimo ou o piso da categoria. Com isso, muitas pessoas têm formalizado a sua empresa, mas também devem estar atentos ao gerenciamento. Abrir é fácil, o difícil é manter essa empresa ativa no mercado e com crescimento desejável. Sugiro para aqueles que não tem muito conhecimento que o busquem, que nunca abram a sua empresa sem antes fazer um bom plano de negócios, pesquisar o mercado, conhecer as necessidades dos seus clientes, quem são seus concorrentes, quanto precisam investir, qual é particularidade do seu negócio. Não existe uma receita de sucesso, mas se o empreendedor tiver esses cuidados, aliado com a sua atualização constante, bom gerenciamento, tanto na gestão financeira, MKT, pessoas, como na gestão visual da sua empresa ou na diferenciação do seu serviço, ele terá grandes chances de dar certo.


Aperfeiçoando o pão Loide Gaspary, do Moinho Ijuí, participou de evento no Paraná que reuniu empresários e pesquisadores brasileiros e alemães para intercâmbio de conhecimento e experiências

Loide (centro) com o casal proprietário do moinho alemão Schapfenmuehle, de mais de 500 anos. Abaixo, com o grupo de proprietários de moinhos da Alemanha que participaram do encontro em Cascavel

N

o início deste ano, a proprietária do Moinho Ijuí e Soberana Alimentos Ltda Loide Hildebrandt Gaspary esteve em Cascavel, no Paraná, a convite da Faculdade Assis Gurgacz (FAG) para um encontro do Projeto Trigo. Trata-se de um momento que envolve a faculdade, moinhos brasileiros e alemães, pesquisadores e desenvolvedores de variedades de trigo e indústrias que desenvolvem aditivos melhoradores para panificação. A FAG mantém um curso superior de moagem de trigo que tem formado mestres moleiros para moinhos de todo o Brasil. Loide esteve acompanhada de dois colaboradores - Anderson Perobelli, gerente de vendas do Moinho Ijuí, e o Sergio Serves, gerente de vendas das Balas Soberana. Nesse encontro estiveram presentes vários moinhos de trigo brasileiros e um grupo de 35 proprietários de moinhos alemães, o que proporcionou uma experiência fantástica, já que a Alemanha tem uma tradição de muitos séculos na arte de moer trigo. "Para se ter uma ideia, um dos palestrantes é proprietário de um moinho familiar de mais de 500 anos. Evidente que essa indústria está anos-luz à nossa frente em matéria de cultura do trigo. Temos muito a aprender com eles", comenta Loide. Um dos patrocinadores do Projeto Trigo é uma empresa de Passo Fundo que está se revelando uma vanguardista no desenvolvimento de variedades de trigo mais bem adaptadas a cada região e às necessidades da indústria moageira. Outra empresa que patrocinou o evento é especializada em desenvolver aditivos para farinhas, como o ferro e o ácido fólico, que são obrigatórios no Brasil, e outros aditivos que propiciam melhor sabor e aparência ao pão. "Sobre esse ponto, observei uma grande diferença entre o padrão de consumo do pão na Alemanha em contraste com o pão que o consumidor brasileiro exige. Na Alemanha o consumidor busca um produto mais saudável e natural possível, o que força os moinhos a produzirem a farinha sem aditivos e menos refinada, já que o consumidor não valoriza a farinha muito branca por ser menos saudável. Aqui no Brasil, os consumidores exigem que os moinhos se esforcem para fazer farinhas mais brancas. Isso causou perplexidade aos alemães, que viram nessa realidade um contrassenso, uma vez que as farinhas mais inteiras são mais saudáveis e conferem um melhor sabor ao pão", revela Loide. A empresária também visitou a feira agropecuária de Cascavel, onde ficou impressionada com a qualidade dos produtos expostos, especialmente as frutas e os parreirais com uvas de qualidades raras de se ver. "Fiquei animada ao perceber que o Projeto Trigo promovido pela FAG está desenvolvendo muito a triticultura naquela região, com ganhos imensos para os produtores de trigo e para os vários moinhos instalados na cidade de Cascavel. Concluí que precisamos de projetos desse tipo em nossa região para que mudemos nossa mentalidade com relação ao trigo e voltemos a ser líderes nessa cultura tão linda e de tanta relevância na mesa de nossas famílias", ressalta.

STAMPA | 17


H

Mestre dos palcos Atuar e ensinar. Esta é a missão que Helquer Paez assumiu para si, e a cumpre com dedicação e desempenho muitas vezes premiado

18 | STAMPA

elquer Romário Paez, que adotou como nome artístico Helquer Paez, 45 anos, é natural de Rosário do Sul e reside em Santa Maria há 26 anos. Foi para fazer o Ensino Médio e acabou ficando. Formado em Artes Cênicas pela Universidade Federal de Santa Maria, em 1995, ele conta que o gosto pelo teatro começou desde a barriga da mãe. “Lá em Rosário do Sul, minha mãe Olga Paez frequentava o Circo Teatro Serelepe, que vinha à cidade a cada três anos. Ela ia todas as noites, era muito feliz assistindo aos espetáculos. Quando nasci, não havia teatro lá. Quando o Circo Teatro Serelepe ia para a cidade, nós não perdíamos uma noite de apresentação”. Na infância, ele brincava de ser diretor. “Eu encenava e dirigia meus amiguinhos, mas não havia incentivo para isso lá na minha cidade natal, nas escolas. Eu ficava sonhando que, quando crescesse, iria ensinar essa arte, pois eu não tive isso na infância e quero ensinar.” Na adolescência Helquer partiu para Santa Maria com o objetivo de se formar no Ensino Médio e cursar Artes Cênicas. Com o passar dos anos, ele fundou a Cia. Retalhos de Teatro, que neste ano completa 20 anos. O primeiro espetáculo da companhia, dirigido por Helquer, foi Goiabada com queijo, que é a história de Romeu e Julieta de William Shakespeare, sem falas. Foi o primeiro teatro de palhaços de Santa Maria e um dos primeiros do Rio Grande do Sul. Foi o grande boom da Cia. Retalhos de Teatro, quando ficaram conhecidos em diversos festivais, inclusive no Uruguai e na Argentina. Foi também a época em que Helquer foi reconhecido como diretor


Helquer (com a gaita) e seu grupo Retalhos de Teatro e ganhou diversos festivais. Foi convidado para morar e atuar no Rio de Janeiro e em São Paulo, mas preferiu ficar no Rio Grande do Sul. Sua companhia está preparando um novo trabalho para comemorar os 20 anos de fundação. “Estamos preparando uma peça de Nelson Rodrigues, Os sete gatinhos”, adianta. Quando a companhia completou 15 anos, Helquer lançou o curtametragem Às seis da tarde,que lhe rendeu o prêmio de melhor ator. Com a peça Os cegos, do escritor Maurice Maeterlinck, em 2013, a companhia ganhou cerca de 50 prêmios em apenas um ano de encenação do espetáculo. São mais de 200 prêmios que a companhia ganhou durante os 20 anos de atuação. Helquer também já dirigiu grupos de Cruz Alta, Arroio do Meio e de Porto Alegre. “Eu já perdi as contas de quantos prêmios ganhei, mas o que mais me marcou foi o que ganhei em 1999, a nível nacional, no Festival de São José do Rio Preto, em São Paulo, como melhor diretor com o espetáculo As Intrusas. Fui escolhido entre 258 espetáculos inscritos”. Para comemorar os 20 anos da companhia, As Intrusas está sendo apresentado pelo Estado novamente. O professor conta que nunca quis sair do Rio Grande do Sul. “Apesar das propostas, eu sempre quis ficar aqui e mostrar que o teatro pode ser feito no interior”. Questionado se é viável fazer teatro no interior, ele diz que vale a pena, sim, e afirma que se não fosse o teatro no interior, não existiria teatro. “A dificuldade que é fazer esta arte no interior, leva as pessoas a fazer cursos e usar a criatividade, para

Espetáculo de rua Romeu e Julieta dirigido por Helquer superar as dificuldades. Há muitos festivais no interior.” Helquer diz o que dá dinheiro não é o teatro ou cinema, mas a televisão. “Eu vivo disso e sou muito feliz. Ser professor, diretor e ator me faz muito feliz. É preciso levar a alma nisso”. Helquer é professor de teatro no Ceap desde 1998, quando vinha uma vez por semana para dar aula a um grupo de teatro. Atualmente, ele vem três vezes por semana para dar aulas à sete turmas. “O teatro nas escolas é uma necessidade. Tem que ter o teatro como tem que ter a música, ou qualquer manifestação artística. É aí que se vê a diferença. A procura é grande. Não é só o teatro na escola, decorar texto, é muito mais. É convivência. Há uma análise crítica do conteúdo que se trabalha.” Professor Helquer lamenta a alta de apoio em geral ao teatro no Brasil. “É uma pena ser preciso apelar tanto para o teatro comercial. Às vezes, se quer fazer um teatro mais aprofundado, mas não se tem retorno financeiro, aí vai para o lado comercial. Há grandes festivais, onde são discutidas formas de se fazer teatro, mas não aparece, pois a mídia é só televisão. O teatro está perdendo sua força. Virou artesanal. Não é a mesma sensação do cinema, para quem assiste.” Para ele, o que falta são incentivos públicos e privados, porque para vender um espetáculo, querem que seja comercial. “Para mim, o teatro provoca o pensamento. Não posso estar conformado com as coisas. O teatro precisa provocar e comunicar, tanto na escola quanto profissionalmente, fazer as pessoas pensar!”

STAMPA | 19


apresentam Carisma. Esse foi a característica que chamou a atenção dos jurados do Concurso Modelo da Capa quando Eduardo Macuglia subiu à passarela do Clube Ijuí em setembro do ano passado. O Concurso Modelo da Capa, promovido anualmente pela Stampa e Jornal da Manhã, teve testes de passarela e de estúdio para escolher um rosto masculino e outro feminino. O desempenho de Eduardo conquistou o júri, que deu a ele o título e a possibilidade de estar aqui, neste editorial de moda, com produção fotográfica de Andréia Foto e Vídeo. Fotografado nos cenários do Centro de Eventos Valle Verde, Eduardo exibe looks selecionados por Vivas Moda Homem e óculos e relógios da Looks Óptica. Eduardo tem 23 anos, é filho de Tânia Maria Macuglia e Emiliano Macuglia, e irmão de Luciano Macuglia. Com 1,79m e 80 quilos, recém-formado em Educação Física pela Unijuí, Eduardo é preparador físico e personal trainer do Esporte Clube São Luiz.

Eduardo Macuglia Por FOTO ANDRÉIA 20 | STAMPA


Camiseta Calvin Klein, Bermuda Dudalina; solar Dolce & Gabbana, relógio Diesel

Camisa e calça jeans Forum; solar Dolce & Gabbana, relógio Diesel

Traje Raffer; camisa Dudalina; relógio Empório Armani

Camisa polo Tommy, bermuda Convicto; solar Diesel

Bermuda Dudalina, camisa Calin Klein; solar e relógio Diesel

STAMPA | 21


Solar e relógio Diesel; camiseta Convicto, camisa jeans Levi’s

Camisa polo Levi’s, calça jeans Forum; solar Empório Armani e relógio Diesel

22 | STAMPA

Armação Dolce & Gabbana; camisa Convicto


Camisa Dudalina, calça Forum; relógio Orient, solar Diesel

Camiseta Convicto, blazer Raffer, calça Forum; relógio Orient

Relógio Diesel, solar Oakley; calça e camiseta Forum, sapatênis Ferracini Camiseta Forum, bermuda Convicto; solar Mormaii, relógio Diesel

STAMPA | 23


1

5

1. Carol Banda Show comandou a animação na abertura do Carnaval em Ijuí, na Praça da República

9

2. Robin e Lisiane Gomes no Bahan Bakar Pub 3. Silvia Ceccato, Bethina, Claudinei e Henrique dos Santos na Festa da Uva e do Vinho de Santo Antônio 4. Mayara Oliveira e Laura Schrenk no Absoluto 24 | STAMPA

13


5. A ijuiense Natalia Beber, modelo internacional, e a irmã Letícia Costa Beber curtiram o Carnaval do Rio no superbadalado camarote Devassa 6. Nicole Follak e João Paulo Girardi no Absoluto

2

7. Sonia e José Renato Moraes na Sociedade Recreativa

3

4

8. Josemeri e Marcos Fischer na comemoração dos 50 anos do Tiarajú 9. Ana Laura, Rosane, Alexandre e Nadeli na Glasnost 10. O casal de médicos Fernando e Graciela Lucchese, e Jomara de Bittencort e Airton Buss em noite festiva da Unimed Noroeste

6

7

8

11. Leandro e Bruna da Silveira na Glasnost 12. Médico João Batista Zimmermann e Márcia Regina Meneghini em festa da Unimed Nororeste, na Sogi 13. Jerri Drevin com a filha Pietra no Carnaval Infantil da Sogi

10

11

12

14. Larissa Farias, ladeada pelas irmãs Heloisa (D) e Cheila Eickhoff (E), em ocasião de brindes na Clínica Farias 15. Jonatã e Aline dos Santos em confraternização da Escola Francisco de Assis

14

15

16

16. Como soberanas - e com o figurino bem bonito, Vanessa, Marilia, Gabrieli, Monisa e Eduarda, enfeitaram a Festa da Uva da São Geraldo STAMPA | 25


BPW Ijuí recebeu a presidente nacional M

esmo no recesso de verão, a BPW Ijuí - Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais se mobilizou para recepcionar a presidente nacional da ONG. A paulista Eunice Cruz veio na última semana de janeiro e manteve dois encontros com as ijuienses - um festivo, que teve como anfitriã a vice-presidente Tânia Conrad no seu salão La Noche (fotos), e um de trabalho, o primeiro sob a presidência da dentista Julieta Sandri, em um café da manhã no Hotel Ijuí. Participaram como convidadas a primeira-dama Gessy Ballin e a coordenadora adjunta de Educação Ana Maria Spencer, parceiras em eventos conjuntos. A presidente Eunice Cruz informou sobre a agenda do ano, discutiu vários assuntos que integram a pauta nacional e internacional da BPW, e conheceu o principal do trabalho desenvolvido pela BPW Ijuí.

As novas lideranças da BPW Ijuí com a presidente Eunice Cruz: vice Tania Conrad (E), presidente Julieta Sandri e vice Nadine Dubal

Sonia Burtet e Juçara Rotilli

Coordenadora adjunta de Educação Ana Maria Spencer e Cecilia Mathioni, da Stampa

26 | STAMPA

Maria Deckert, Narda Pissinin e Terezinha Tolotti

Joice de Jesus presenteou a presidente Eunice com produtos de sua empresa Bem Natural


Festejando os 50 anos do Tiarajú Uma grande noite festiva reuniu centenas de associados no ginásio de esportes, dia 28 de janeiro, e fez da comemoração do cinquentenário um marco na história do Clube Aquático Tiarajú

Edu Carlan, fundador do clube, Paulo Carlan e Loiva Dallepiane

Claudir Lindemann e Rosiley Aschidamini

Waldir Lima e Leonilda Diniz

Denise e Edenilson dos Santos

Rosane, Marcos e Marcos Arthur Weiler

Bianca Casarotti e Leonardo Mensch

Paula Cavalheiro e Elson Menegazzi Gentil e Leni Zientarski Jandrei Centenaro e Catia Cecchetta, Maria e Ari Mosack

Cesar, Eva e Laisa Pletsch

Caroline Tolotti e Roberto Rafael

Vilmar e Marga Gehm

STAMPA | 27


autorretrato

Natural de Palmeira das Missões, Tatiane Hirsch Caldas Queruz é formada em Enfermagem pela Unijuí (2001), com especialização em Obstetrícia pela Unisinos. Depois de anos dedicada à profissão, mudou de rumo e se tornou uma empresária bemsucedida na área da Educação. Fundou a Educare, escola para crianças, que há dois anos foi ampliada com a Educare Baby. Casada com o advogado Arlindo Queruz, é mãe de Eduardo, 12 anos, e de Isabelle, 6 anos.

Tatiane Hirsch Caldas Queruz

Um lugar: Junto às pessoas que amo Uma conquista: Minha escola Um sonho: Viajar pelo mundo Uma alegria: O nascimento dos meus filhos Uma tristeza: A pobreza e o abandono Uma saudade: Da minha avó Quem é chato: Pessoas mal-educadas O que me tira do sério: Mentira Uma mania: Ser centralizadora

Marca pessoal: Determinação O melhor presente: Minha família Quero ir para: Bahamas Adoraria aprender: A cantar Não vivo sem: Meus filhos Se pudesse, compraria: Um iate Gasto muito com: Calçados e roupas Melhor hora do dia: Final da tarde Prazer à mesa: Frutos do mar Livro marcante:

Violetas na Janela Som preferido: Gosto de vários ritmos Filme inesquecível: Titanic Lazer: Viajar com a família É lixo: A corrupção É luxo: Educação para todos Mulher bonita: Educada e inteligente Homem bonito: Meu marido Se não fosse o que sou, seria: O que sou Ijuí é: Meu porto seguro


Festejando o diploma No último sábado de fevereiro, mais uma turma de formandos de Direito da Unijuí recebeu diploma. A patronesse foi a professora Maristela Heidmann e a amiga da turma, a professora Eloisa Argerich. Na Sogi, os formandos comemoraram com familiares e amigos, em noite animada por Dj Jonas Brendler, da Usina do Som, e pela dupla Sander e Marcos.

Daiane Portella e Naiane Lang

Rainieri da Silva, Liane Breunig, José Renato e Renata Ribeiro

Germano Hickmann e Juliana Lütke

Formandos com as professoras homenageadas (ao centro) Maristela Heidmann e Eloisa Argerich

Mauricio da Rosa e Yasmin de Souza

Eloiza, Maria Luísa e Marlon Hickmann

Mateus Lazari e Jéssica Melo


CARNAVAL ARUBA

30 | STAMPA


STAMPA | 31


CARNAVAL SOGI

32 | STAMPA


SOGI INFANTIL

STAMPA | 33


CULTURA

CCAA no Canadá

Amine Hatem acompanhou o grupo no intercâmbio de 30 dias no Canadá

Em janeiro, a diretora do CCAA Ijui Amine Hatem acompanhou os alunos, entre 15 e 17 anos, em um programa de intercâmbio de estudos a Vancouver, no Canadá, uma das melhores cidades do mundo para se viver, com magníficas montanhas, lagos e florestas, e temperaturas nessa época, entre zero e 10 graus. O programa teve duração de 30 dias, oferecendo curso de inglês, através do programa da Internationalschools, com aulas durante seis horas diárias, combinadas com programas culturais e sociais, nos horários opostos. Os alunos ficaram hospedados em casa de famílias associadas ao programa. A agenda de turismo e passeios proporcionou visitas aos pontos turísticos e museus, shopping, outlets, snow tubing e cinema, e também incluiu viagens a Toronto, Whistler, Victoria, Grouse Mountain, Rocky Mountains e Seattle, nos Estados Unidos. Os diretores do CCAA Hussein e Amine Hatem ficaram muito satisfeitos com o envolvimento e a dedicação de seus alunos. Muitos deles alcançaram o nível máximo na escola em Vancouver.

Vi, li e recomendo Por Valterson Wottrich Músico

34 | STAMPA

A Origem

Filme de Christofer Nolan Pessoalmente, acho a obra de arte da ficção científica moderna, gênero de filmes que muito admiro. Filme de 2010, escrito e dirigido por Christofer Nolan, com grande elenco (Leonardo Di Caprio, Ellen Page, Joseph Gordon-Levitt, Marion Cotillard e outros). Uma gama de efeitos especiais muito bem montados, uma história bastante interessante e atuações excelentes são atrativos desse filme. A história é, basicamente, de ladrões especializados em extrair informações do inconsciente das pessoas. Até que o personagem de Di Caprio tem um novo desafio: Ao invés de “roubar” informações, ele deverá fazer uma “inserção”. “Plantar” uma ideia na mente de um rival de seu cliente. Além de tudo isso, o filme me chama a atenção em virtude de um problema pessoal: tenho problemas com sono. Durmo bem menos do que gostaria e esse filme acaba parecendo um “Oásis” para mim. Recomendo muito.

O Mundo de Sofia De George Orwell

Para mim, esse livro é mais que uma leitura. É uma lição. Independente de qualquer conotação político-partidária. Diz respeito ao ser humano e suas ambições, analisadas do ponto de vista da conotação mais negativa possível. Ambição, quando necessário passar por cima das pessoas, é bastante negativo. O livro conta a história de uma fazenda, onde o dono “explora” todos os animais, até o dia em que esses se organizam e “expulsam” o dono da fazenda para que todos possam ter a autonomia de poder usufruir daquilo que fazem. Liderados pelo porco Napoleão, criam uma nova era na fazenda, onde todos são tratados de forma igualitária. Mas por pouco tempo. As novas “leis” são, de pouco em pouco tempo, modificadas em benefício dos líderes e, a exploração dos bichos da fazenda volta a ser como no período em que a fazenda era administrada por humanos.Tenho para mim que esse livro é um parâmetro que deveria ser seguido por todos para não se deixar levar em relação aos princípios básicos. Infelizmente temos visto isso com bastante frequência nas notícias relacionadas à política no nosso país.


SobreNomes

Premiado O designer ijuiense Conrado Lenz, que integrou o departamento de criação do Jornal da Manhã, foi o vencedor do Dieidi Awards, desafio interno da agência gaúcha GH, de Santa Rosa, onde trabalha atualmente. O prêmio é uma viagem para Nova Iorque. No desafio, programadores web e designers inscreveram projetos considerados inovadores nos quesitos tecnologia, criatividade e originalidade. Após mais de um ano de competição, cada projeto foi submetido ao público externo, e também foi avaliado por um júri especializado. Lenz venceu o 1º Prêmio de Inovação da GH, com 45.7% dos votos.

Viagem Visitar um país árabe era um grande desejo de Tarik El Ammar. Em janeiro, ele teve a chance de realizá-lo na companhia dos pais Ibrahim e Marcia El Ammar e da mana Bruna. Eles estiveram em Dubai, e Tarik relatou a experiência com muito entusiasmo por tudo que viu, aprendeu e experimentou - incluindo o indispensável passeio de camelo pelas areias desérticas que cercam aquela que é a mais moderna cidade do mundo. A família também foi a Paris.

Body shape O ijuiense Paulo André Rodrigues - conhecido como PA Rodrigues, ficou em segundo lugar na Primeira Copa Litoral do RS de Fisiculturismo e Fitness “Miss e Mister Litoral IFBB-RS”, na categoria Body Shape. O concurso foi realizado pela Federação Gaúcha de Fisiculturismo e Fitness, em fevereiro, em Capão da Canoa. PA Rodrigues tem como personal trainer Ângelo Fernandes Zanini e volta a competir em junho em Novo Hamburgo, e em outubro em Santa Maria.

Foliãs

Carnavalescas Narda Pissinin, presidente do Clube Ijuí, e Maria Joice de Jesus, a primeira-dama da Sogi, capricharam no visual para aproveitar a noite de folia que o Clube Ijuí promoveu nesse Carnaval.

As mamães Ana Claudia Ceratti Thomé da Cruz, Silvia Thomé da Cruz e Joseila Gomes introduzindo a alegria e a folia na vida de suas meninas, e se divertindo junto no Carnaval Infantil da Sociedade Ginástica.

STAMPA | 35


Perto ou longe, onde vivem ijuienses

Tatiana Moura

Em campo de marcha no estágio de adaptação da vida na selva

Às margens do Rio Branco; ao fundo a Ponte dos Macuxi, um dos pontos turísticos da cidade

A

No zoológico do 7º Batalhao de Infantaria de Selva

ijuiense Tatiana de Moura é filha de Dolair Pereira e tem três irmãos: Ana Paula, Jeferson, Caél Alan. Em Sapucaia do Sul mora o pai Abel de Moura e outra irmã, a Caroline de Moura. Em 2007, a convite da tia Clair Poerschcke, ela partiu para Boa Vista, capital do Estado de Roraima, cidade com mais de 310 mil habitantes. “É a capital estadual mais setentrional do Brasil, é a única localizada totalmente ao norte da linha do Equador e a mais distante de Brasília”, explica. Ao chegar à cidade, Tatiana começou a trabalhar no hospital. Em 2008, trabalhou na Procuradoria Geral do Estado como assessora de gabinete e nesse período iniciou o curso de Direito na Faculdade Cathedral. Em 2009, se inscreveu para ser sargento de saúde do Exército Brasileiro. Foi aprovada como sargento técnica em enfermagem temporário. Em 2009 assumiu o posto de sargento de saúde no 7º Batalhão de Infantaria de Selva-7 BIS, onde passou o ano de 2009 destacada para um Pelotão de Fronteira chamado Surucucu. “Ali vivi momentos inesquecíveis, convivendo com a cultura dos índios yanomamis. Tranquei a faculdade de Direito para ir morar em Surucucu, região de selva, onde o único acesso era por via aérea. A cada três meses, eu voltava para Boa Vista para uma folga que aqui eles chamam de arejo, pois a selva te deixa um pouco ansiosa”. Retornou a Boa Vista em 2010, período que foi cedida ao Posto Medico do Exército, onde está trabalhando hoje. Retomou o curso de Direito, e estuda na Escola Ministerial Paz (EMP), na igreja onde congrega. Tatiana comenta que a cultura lá é predominantemente nordestina e indígena. Esse predomínio vai desde os gostos musicais - forró é o mais ouvido -, até o artesanato. No entanto, existem núcleos culturais típicos das grandes metrópoles do País, espalhados pela cidade, por iniciativa privada e pública. “O que me chama a atenção é a hospitalidade das pessoas, pois muitos gaúchos vêm tentar a vida em Roraima. A diferença também se dá nos gostos musicais, na comida, onde os temperos diferem um pouco, e os nomes de alguns alimentos. Um exemplo é a mandioca, que aqui a chamam de macaxeira. O inverno é o período de chuvas, e de inverno não tem nada, o calor continua”. Para o futuro, Tatiana almeja terminar a faculdade e a escola ministerial na igreja onde congrega, e futuramente seguir seu chamado missionário pelo Brasil, ou mundo a fora. “Tudo vai depender da resposta de Deus. Iniciei curso de inglês e hebraico para aperfeiçoar e me preparar para o que está por vir”, finaliza.


Perto ou longe, onde vivem ijuienses

Tower Bridge , Londres

Anselmo Cossetim Junior

O

Em Porto, Portugal - ao fundo a Ribeira, bairro antigo. Abaixo, em Dublin, Irlanda - no Phoenix Park, maior parque fechado público da Europa

jovem Anselmo Cossetim Júnior está na cidade do Porto em Portugal. Ele é filho de Maria Salete e Anselmo Cossetim e irmão de Fabio Cossetim, que reside na cidade de São Miguel do Oeste, SC. O jovem nasceu em Ijuí, estudou parte do Ensino Fundamental no Imeab e o Ensino Médio e Técnico na Escola 25 de Julho. Com 18 anos começou a cursar Engenharia Elétrica na Unijuí. Nessa mesma época mudou-se para cidade de Ibirubá, onde residiu por um ano, mudando em seguida para Santa Maria, onde permaneceu por mais seis meses. Ambos os lugares para trabalhar. “Ficou complicado conciliar o curso com o trabalho, então optei por retornar a Ijuí. Logo em seguida comecei a trabalhar na empresa Focking em Panambi, mas dessa vez continuei em Ijuí”. Na primeira vez que se inscreveu para Universidade do Porto, foi aceito, contudo, não foi possível ir. No ano passado, pela segunda vez recebeu a carta de aceitação da Universidade e então após conversar com a família, aceitou a vaga. Em Portugal, Anselmo está desde agosto de 2014, para cursar Engenharia Eletrônica e de Computadores. A universidade em que estuda está entre as 200 melhores do mundo e 100 melhores da Europa. “Com sotaque marcante, bons vinhos e uma ótima comida, o Porto é uma boa cidade para morar. O clima é muito semelhante ao do RS, inclusive suas belas praias. Com toda certeza, quando for embora, sentirei saudade dessa cidade incrível”. No tempo que está lá, ele conheceu muitas pessoas de diferentes nacionalidades e em dezembro do ano passado resolveu pegar uma mochila, levar o necessário e viajar durante três meses. Atualmente ele está viajando pela Europa e Ásia há 72 dias. Durante a entrevista para a Stampa, ele estava em algum lugar da Hungria indo para Viena, na Áustria. “Uma das coisas que mais me chamou a atenção é que no Brasil adoramos falar mal do nosso País, mostrar só o lado negativo e falar que países de primeiro mundo são perfeitos. É verdade que temos muitos problemas, que tem muito a se fazer ainda. Mas todos os 16 países que passei têm problemas com desemprego, trânsito, furtos. A diferença é que eles cobram mais dos seus governantes”. Em dezembro do ano passado ele teve a oportunidade de passar 3 semanas na França, na casa de dois amigos franceses. Na cidade de Trept, próximo a Lyon, ficou durante o Natal e Ano Novo com uma família típica francesa. Essa convivência o permitiu conhecer os costumes e a cultura do País. Já em janeiro, ficou na casa do outro amigo e sua família em Crolle, próximo a Grenoble, nos Alpes Franceses. “Em ambos os lugares as pessoas foram incrivelmente gentis e a hospitalidade não podia ter sido melhor. Como aqui é inverno, as temperaturas estavam muito baixas, chegou a fazer 17 graus negativos, e, claro tinha muita neve, aproveitamos para esquiar muito”. Sobre as viagens, ele conta que a experiência foi única. “Não tenho dúvida de que valeu a pena cada segundo. Pretendo continuar viajando, conhecendo lugares novos sempre que possível”. Esse ano, ele pretende terminar a graduação, porém, não pensa em parar de estudar. Quer fazer mestrado e doutorado.

STAMPA | 37


Alunos Yázigi em intercâmbios “Em janeiro, fiz intercâmbio de um mês no Canadá, com a empresa International Schools. Decidi fazer intercâmbio para aprimorar meu inglês e, felizmente, consegui. Apesar do início ter sido complicado, pois a cultura é muito diferente e a necessidade de ser independente é muito grande, a viagem foi muito boa. Além de ajudar no meu inglês, fez com que eu aprendesse sobre outra cultura e outro modo de vida que são diferentes em vários aspectos, como na alimentação, educação... Hoje, posso afirmar que sou mais independente para realizar minhas atividades e objetivos. E tenho certeza de que essa independência e experiência que adquiri durante o intercâmbio, irá refletir e ajudar no meu futuro profissional e pessoal. Espero, em um futuro próximo, fazer um intercâmbio de 6 meses.

“Participei de um intercâmbio para Londres e escolhi realizá-lo porque seria uma oportunidade única de estudar, e ao mesmo tempo conhecer novos lugares. Como frequento o Yázigi, e acho importante dominar o inglês, escolhi Londres como ponto de referência para realizar meus estudos, me sentindo assim mais segura, já que estava realizando uma viagem para outro continente. Nesse intercâmbio tive contato com uma cultura totalmente diferente, e como fiquei em casa de família, consegui ver como realmente é o dia a dia dos britânicos. Com a vivência nestes dias em Londres, no contato com a família que me hospedou e com as aulas, tive um crescimento significativo do meu inglês. Essa viagem foi muito importante e tenho certeza de que no futuro abrirá portas para uma série de oportunidades. Além desses dias em Londres, também visitei Paris e Edimburgo. Realizei essa viagem através da agência Jump intercâmbios.

“Como estou fazendo curso de inglês no Yázigi há um bom tempo e tenho familiares nos Estados Unidos, aproveitei as férias de verão para fazer um intercâmbio e aperfeiçoar minha segunda língua. Além de especializar meu inglês, eu conheci pessoas novas, novos lugares, novas maneiras de viver, aprendi a “me virar” sozinho, vivi experiências intensas, e até mesmo comi comidas que eu nunca havia provado antes. Tudo isso me proporcionou aprendizados que vou levar pro resto da vida, foram experiências, às vezes árduas, às vezes simples, mas sei que tudo isso serviu para me ensinar algo. 38 | STAMPA

“Fiz intercâmbio para aprimorar meu inglês, conhecer novas culturas e ter novas experiências. O destino escolhido foi Vancouver, Canadá, e a empresa que viajei foi a Internacional Schools. Saber o inglês ajudou muito, tanto no curso, como no dia a dia. Conversação com colegas, professores e amigos, me fez me sentir mais seguro. A experiência de conhecer lugares diferentes, usar somente o inglês no dia a dia, tanto na escola quanto na casa da família que fiquei, nos passeios e compras, aprimorou o meu inglês e também a gramática, nas aulas que tive na escola com excelentes professores. Hoje utilizo o inglês no meu dia a dia, como em jogos, filmes e livros e não preciso de tradutor ou legenda. Saber um segundo idioma é essencial, tanto na vida pessoal, para comunicação com o mundo, como na vida profissional, para qualificação no currículo.


“Faço curso de inglês desde pequena e sempre quis fazer um intercâmbio para aprimorar meu inglês e, ao mesmo tempo, conhecer lugares totalmente diferentes. Visitei a França, Inglaterra e Escócia. Na Inglaterra, além da capital, conhecemos Cambridge, Bath e Stonehenge. Foi um grupo de 57 adolescentes acompanhados pela Jump Intercâmbios. Me senti muito segura, principalmente pelo fato de entender o que as pessoas falavam e conseguir dar respostas imediatas, sem precisar ficar pensando muito. Essa viagem me ensinou a ver o mundo de outra maneira e com certeza vou levar essa experiência pra vida toda. Aprendi a me virar sozinha, lidar com situações diferentes e ser mais independente.

“O destino que eu escolhi foi Vancouver, Canadá, porque é uma cidade que tem dois ambientes muito distintos, tem toda a parte da natureza e a parte urbana. O fato de eu saber falar inglês me deu muita segurança. A experiência de fazer um intercâmbio é incrível, pois de uma maneira ou de outra, você acaba mudando, você fica mais independente, além de melhorar muito seu inglês. A empresa que me auxiliou foi a Yázigi Travel, eles me ajudaram desde o começo, quando eu estava decidindo o destino, ajudaram a tranquilizar meus pais, eles foram incríveis. Essa viagem só vai incrementar boas coisas na minha vida!

“Estive em Vancouver, Canadá, fazendo intercâmbio na escola de inglês Eurocentres. Fazer intercâmbio, viajar sozinho, enfrentar novos desafios e viver novas experiências sempre foram sonhos que tive, e esse ano tive a oportunidade. Estudo inglês no Yázigi desde muito cedo, e sempre penso em aprimorá-lo, principalmente para o futuro profissional, e por que gosto muito da língua e do que ela proporciona. Me sinto muito orgulhoso em conseguir me comunicar com pessoas de outros países sem dificuldade. Foi uma experiência incrível, conheci lugares de arrepiar, e fiz amigos que nunca vou esquecer. Ajudou muito a aprimorar meu inglês, me sinto muito mais seguro depois desse mês no Canadá. Os professores e o colégio são perfeitos, uma estrutura excelente. Fui pelo Yázigi Travel que me deu todo apoio e suporte do mundo, principalmente depois que perdi dois voos! Só tenho a agradecer a minha família e ao Yázigi por me proporcionarem essa viagem inesquecível!

“O sonho de conhecer a Inglaterra e sua cultura vem de muito tempo. Meus autores e bandas favoritas em sua maioria são ingleses, e sempre que eu fazia contato com seu mundo eu quis poder desfrutar mais dele. Então, quando surgiu a oportunidade de realizar esse sonho, não deixei escapar. Brighton pareceu a escolha certa logo no início. A cidade recebe estudantes de todo o mundo, tem uma cena artística e underground bem forte e respira juventude. Assim que cheguei na terra da Rainha, todas as preocupações que eu tinha sobre compreender e falar o inglês desapareceram. Os ingleses são muito gentis e receptivos e isso ajudou bastante – além de ter uma base bastante sólida da língua. Desde as aulas com os teachers Lucas e Beto, no Yázigi, até os preparativos com a agent travel Bruna, foram essenciais para esse momento. E mesmo estando do outro lado do Oceano Atlântico, tenho recebido seu suporte – e, por isso, sou agradecida do fundo do coração. Acredito que a Língua Inglesa é fundamental para quem busca um lugar no mercado e eu estou agarrando a minha chance. Para registro, escrevo meu diário de viagem no blog: www.coffeeandausten.com

“O principal motivo deste intercâmbio foi a aprimoramento do meu inglês, e sim, fez eu me sentir mais seguro, pois eu poderia me comunicar com qualquer pessoa, caso algo acontecesse. A experiência foi muito boa. Como o Canadá é um país jovem, há pessoas de todos os lugares do mundo, e eu pude conhecer pessoas de diferentes nacionalidades. Por exemplo: a família que me hospedou era filipina, e também hospedava uma menina sul-coreana e uma japonesa, e eu ia para a escola junto com um rapaz do Iêmen. Então, acho que a melhor experiência que eu tive durante esse intercâmbio foi a de conhecer pessoas de diferentes culturas, principalmente porque a prática do inglês era constante, tanto na escola quanto na casa da família. STAMPA | 39


N

O melhor relato Na edição de janeiro, este foi o espaço onde mostramos leitores curtindo lugares bacanas pelo Brasil e pelo mundo. Muitos participaram e cada um descreveu suas vivências e emoções de forma peculiar. Voltamos a dar espaço para mais histórias de férias e de viagens e, para abrir esta segunda etapa, elegemos o relato da farmacêutica ijuiense Milene Cardoso Montagner, residente em Lajeado, onde gerencia a Farmácia São João. Ela viajou com a tia Vera Cardoso, que também é daqui e reside em Porto Alegre, e nos enviou uma deliciosa crônica sobre seus dias de puro lazer e prazer pelo Nordeste. Com muita inspiração e humor, seu relato é ótimo, e vai aí sem retoques de edição - foram mantidas todas as exclamações, letras maiúsculas e figuras de linguagem que ela usou - e onde está toda a graça das aventuras da dupla.

Parceria afinada: Milene e sua tia Vera

Canoa Quebrada Morro Branco

40 || STAMPA

ossas férias começaram em novembro, na tomada de decisão- como vamos iniciar o ano? Resolvemos subir um pouquinho mais este Brasil maravilhoso! Começamos no Rio Grande do Norte, Natal, escolhemos a Praia Ponta Negra ao lado do Morro do Careca, onde a noite promete! Natal é um lugar para tomar banho... águas calmas e quentinhas, característica do Nordeste (justificativa das gaúchas para tomar mais cerveja... kkk!) Com emoção ou sem emoção? Com muita emoção, iniciamos nosso passeio para Genipabu, o passeio de buggy, além das incríveis e emocionantes manobras nas dunas, conhecendo nove praias do roteiro de Redinha a Muriú; mais três lagoas, Genipabu, Pitangui, Jacumã. Com direito a banho de mar e lagoas! Claro que aproveitamos TUDO... as brincadeiras do esquibunda e o inusitado passeio nos dromedários (animais têm até plano de saúde, ótimo!), já apareceram em vários programas de TV, como a novela O Clone e o Casseta e Planeta. Na praia Pirangi do Norte, no município de Parnamirim, conhecemos o Maior Cajueiro do Mundo. A árvore cobre uma área 8.500 m², que produz cerca de 70 a 80 mil cajus na safra. E seu tamanho é o equivalente a 70 cajueiros. Ufa, é enorme mesmo! Para completar o dia realizamos um passeio do Catamarã, encerrando o dia com mergulho no meio do mar, junto aos golfinhos! Vimos somente 1... Não tivemos tanta sorte... Teremos que voltar! Não podíamos deixar de ir para Pipa, eleita pelo Guia 4 Rodas como uma das 10 mais belas praias do Brasil. Lugar mágico, lembrando muito Praia do Rosa/SC e Arraiá d’Ajuda/BA. O melhor de Pipa é a noite!!! Pipa tem a “Sorveteria Real de 14”, com sabores bem diferentes, como coco com gengibre, whiskey, tapioca, capirinha, tangerina com mangericão. Vale a pena provar vários antes de escolher. Uma verdadeira DELÍCIAAAA. Em Fortaleza nos hospedamos em Iracema, perto da feirinha de Meireles, do circuito Banco do Brasil Vôlei na Praia. Fizemos todos os passeios possíveis - três praias em 1 dia - Morro Branco, Praia das Fontes e Canoa Quebrada. Morro Branco, paisagem de novela. Literalmente. Com suas falésias vermelhas e recortadas formando labirintos naturais. As praias que já serviram de cenário para várias novelas e programas, como “No Limite” e abertura do “Fantástico”. Para ter uma visão geral de todas essas belezas com aventura, respondemos: Sim, com emoção! O passeio de buggy nas dunas de areia móveis, foi mais uma vez, com muita emoção, pois além passar pela Praia das Fontes e banhos na Lagoa do Uruaú e na Fonte da Juventude... Saímos de banho com 25 aninhos... kkk... precisamos acreditar!!!! Fomos a famosa Canoa Quebrada, que era uma pacata aldeia de pescadores nos anos 70, descoberta pelos hippies e transformada em reduto “paz e amor”, hoje muito explorada pelo turismo. Realizamos o passeio buggy, entre as falésias, com nuances que vão do branco à terracota, produzindo o artesanato típico da região, as garrafinhas com desenhos de areia colorida. Lembrancinhas para toda família!! Falando em artesanato, não podíamos deixar de ir Mercado Central, com mais ou menos 500 boxes, distribuídos em 5 pavimentos. Tudo que você imagina... Sandálias, sapatos, chapéus, bolsas, malas, rendas e bordados em roupas e em peças de cama, mesa e banho, camisetas, souvenires como minijangadas, bijuterias, joias em ouro, etc. E as rendas de bilro... um trabalho de verdadeiras artistas! Em Cumbuco, realizamos o passeio de jangada... preferimos um único comentário: foi com muita emoção!!!! Fomos ao “Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura”, que leva o nome de um pescador que lutou contra a escravidão no Ceará. Espaço para vivenciar a arte e a cultura do Ceará, com muitas atrações, como muCumbuco seus, salas de cinema, teatro. Uma arquitetura moderna contrastando a parte histórica da capital -fantástico! Não podíamos deixar registrar... O maior ponto de referência cultural de Fortaleza: Teatro José de Alencar, o jardim é encantador, projetado por Burle Marx. Os vitrais... Impossível descrever! Um espaço tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Vir para o Ceará e não ir no Bar do Pirata é como ir a Roma e não ver o Papa! Adriana Calcanhoto, Belchior, Vera Cardoso e Milene Montagner...kkk também marcaram presença na proa do navio, com muitos piratas, valorizando o que tem de melhor de uma cidade: o povo! Para quem gosta de frutos do mar, a gastronomia é “da peste!” (significado- extraordinariamente bom). Camarão, marisco, caranguejo, polvo e a deliciosa lagosta! O que é melhor, fresquinho e bom preço! Nossa meta para 2015 é... Ver o SOL em diferentes lugares... Começamos bem! Somos uma dupla que, ao Elas no maior chegar, já estamos pensando na próxima... cajueiro do mundo


A

A assessora de comunicação da Câmara de Vereadores Cibele Schubert e o seu namorado Cristiano Deckert escolheram Balneário Camboriú, em Santa Catarina, para passar alguns dias de férias, no mês de janeiro. “Cidade linda, com praias maravilhosas, ótima gastronomia, opções variadas de passeios e turismo e vida noturna agitada. Muito bom, recomendo a todos”, diz Cibele. Segundo Cristiano, Balneário Camboriú, a cidade mais visitada de Santa Catarina, não pode ficar de fora do roteiro de quem visita o Estado. Com atrações turísticas interessantes, dez belas praias, uma movimentada vida noturna e proximidade de outros destinos atrativos, Camboriú agrada a todos os públicos, das crianças aos idosos, das famílias aos jovens em busca de diversão.

s férias da Família Torma foram bem tradicionais. O destino foi Meia Praia, em Santa Catarina. O lugar, segundo o advogado Francisco Torma, parece uma filial de Ijuí no verão. “Não é nem um pouco raro encontrar ijuienses passeando pelo calçadão ou pelos bares da orla”. Francisco foi com a esposa Patrícia e o filho Gustavo Torma. “Nessa viagem, tivemos muita sorte com o clima. Não houve nenhum dia de chuva, enquanto recebíamos notícias de que em Ijuí, no mesmo período, chovia quase todo dia.” Ao contrário de outros anos, o objetivo deste veraneio, foi mesmo descansar, por isso evitaram os passeios às outras praias da região. “Passear pelas praias é bom, mas é cansativo e o trânsito causa estresse. Como era a primeira vez que o Gustavo estava na praia em um verão, optamos pelo conforto de ficar nas proximidades do apartamento, assim ele pôde aproveitar bastante o sol e o mar”. Já no Carnaval, o refúgio foi a cidade de Ametista do Sul. Eles foram acompanhados pelos pais dele, Juarez e Edi Torma. Um pequeno município com 8 mil habitantes e roteiros turísticos bem interessantes. “A cidade tem sua economia voltada para a extração da pedra ametista, mas a comunidade foi esperta o suficiente para perceber que esta riqueza natural poderia muito bem ser utilizada para o turismo”, diz Francisco. Assim, surgiram os passeios turísticos às minas preservadas, que ainda contam com geodos de ametista em seu interior. O turista pode conhecer e compreender desde a formação dos geodos até a forma como é feita a extração. Vinícolas perceberam a adequação das minas e sua temperatura constante para o armazenamento de vinhos de alta qualidade, os quais são degustados e comercializados até no subterrâneo.“Passar o feriado de Carnaval em Ametista do Sul foi uma experiência inédita, relaxante, educativa e muito aprazível, sendo esta cidade um destino a ser considerado por quem gosta de viajar”.

STAMPA | 41


O casal de ijuienses Emília e Vilson Thomas, que reside em Brasília, realizou uma aventura de motorhome e um Jimny rebocado, pelo Nordeste do País. Acompanhou o casal nessa aventura a empresária ijuiense Carmem Lucchese, irmã de Emilia. Eles se encontraram em Maceió, Alagoas, e a partir de lá percorreram várias capitais e cidades, aproveitando a estrutura de campings. O fim da jornada, depois de várias centenas de quilômetros rodados, foi em Natal, Rio Grande do Norte. Ao sair da rota dos resorts e hotéis, organizando e aproveitando a viagem, fazendo seu próprio roteiro e horários, foi muito compensador. Eles consideram que assim realmente conheceram os lugares por onde passaram, seu povo, cultura e costumes, vivenciando experiências enriquecedoras.

As férias do casal Daiane Baptista Raugust, 22 anos, fotógrafa, e Leonardo Andrade, 24 anos, estudante de Agronomia, foram movimentadas. No inicío de fevereiro, eles passaram uma temporada com a família de Leonardo em Capão da Canoa. De volta a Ijuí, logo pegaram a estrada novamente, na companhia da família dela. Foram a Florianópolis para o casamento de uma prima. Aproveitaram para visitar as praias Mole, Morro das Pedras, Campeche e Tapera, mas foi a Joaquina, com suas dunas e pedra, que encantou Daiane. No retorno para casa, eles fizeram o trajeto por Porto Alegre, onde foram conhecer o novo Estádio Beira-Rio, do time do casal.

O jornalista João Luís Bindé aproveitou as férias ao lado da esposa Silviane Boufleir e do filho Henri, de 2 anos, curtindo as belezas da Praia dos Ingleses em Florianópolis. Ele diz que escolheu o local para que o pequeno Henri pudesse curtir a praia. “Lugar muito bonito, uma cidade limpa, um excelente local para passar as férias com a família”. 42 | STAMPA

Emeli Merten, 24 anos, estudante de Administração e auxiliar administrativa na União Distribuidora de Bebidas, esteve em Garopaba-SC, na companhia da mãe durante 10 dias. Ela foi no final de janeiro, e enquanto esteve no litoral catarinense, também visitou as praias de Siriú, Gamboa, Guarda do Embaú e Silveira. Sobre Garopaba, Emeli destaca a limpeza da água e a beleza da praia. “Sem contar nas paisagens ao redor, mas o que eu mais gostei foi de fazer stand up paddle e tomar banho em alto mar, e ir a 15 metros de profundidade”, contou.


VIAGEM

Retorno ao País da infância O casal de professores Solange e Diter Siedenberg atendeu ao desejo da filha Caroline, e juntos, voltaram a Alemanha, onde a família vivia quando ela nasceu

O

casal Solange Siedenberg, professora de educação especial na Escola Rui Barbosa Ijuí e Dieter Rugard Siedenberg, professor do departamento de administração da Unijuí, junto com a filha Carolina Siedenberg Montecielo e o marido dela Cristian Montecielo, fizeram uma viagem pela Europa durante as férias de verão. A ideia foi de Carolina, pois queria voltar ao País que nasceu e morou na infância quando o pai Dieter fazia mestrado em Karlsruhe, Alemanha, de 1987 a 1990. Após, Diter fez doutorado em Tübingen, na Alemanha, de 1996 a 2000. “Lá nossos filhos Carolina e Daniel passaram quatro anos de sua infância”, conta Solange. Aproveitando o fato de ainda não terem filhos, Carolina e Cristian planejaram a viagem desde julho de 2014, quando as passagens foram compradas. “Viajamos vários meses através de mapas e fotografias, planejando o que iríamos visitar”. Com antecedência, reservaram alguns hotéis e também alugaram um carro, para poder se deslocar com mais facilidade. “Queríamos a liberdade que um carro oferece, pois planejávamos ir para muitos lugares, e também visitar minhas cunhadas e velhos amigos, que vivem na Alemanha há muitos anos”. Ao todo, passaram por 11 países: Alemanha, Inglaterra, Bélgica, Luxemburgo, Holanda, Bruxelas, França, Austria, Itália, Suíça e Lichtenstein. “Parece muito, mas lá é tudo muito perto, principalmente para padrões brasileiros”. Tiveram a oportunidade de vivenciar novamente lá, o Natal. Na Europa, quase todas as cidades fazem um Weinachtsmarkt (mercado de Natal), na praça principal. Apesar do frio intenso, todos vão para a rua. Tudo é decorado e enfeitado com muitas luzes. “Como escurece às 16h30 da tarde, muitas luzes são ligadas, tornando as cidades muito acolhedoras. Nestes mercados, além de artesanato local, pode-se comer muito bem as comidas típicas do país”, explica Solange. “As casas de lá também são muito acolhedoras, quentinhas apesar do frio que faz do lado de fora. Usam-se muitas velas, para dar mais aconchego ao ambiente”. Nos últimos dias da viagem, a família passou uma semana nos Alpes Italianos, na região das Montanhas Dolomitas, na cidade de Ortisei. Os jovens esquiaram e andaram de snowbord, enquanto que Solange e Diter aproveitaram para fazer passeios pela região. “Alugamos um bonito apartamento pela Internet, que possuía uma linda vista para as Dolomitas. Foram férias para descansar e passear. Perfeitas! Como viajar sempre é muito bom, agora já estamos planejando a próxima”.

Cristian, Carolina, Solange e Dieter, em estação de esqui de Ortisei, Alpes Italianos Solange e Diter no Castelo de Tübingen, cidade onde a família viveu por 4 anos

Solange apreciando a bela vista do apartamento alugado em Ortisei, nos Alpes Italianos

Caroline e Cristian no mercado de Natal em Schwäbisch Haal

STAMPA | 43


NAS ESCOLAS

O que você lê?

““Eu costumo ler às vezes, mas quando leio, os livros que me chamam atenção são os de aventura, pois eles me fascinam e me fazem conhecer outro mundo.” Alexandre Dornelles Dunke - 8º série Ruizinho

““Eu gosto de ler quando estou sozinha em casa, porque leio bastante em voz alta. Os assuntos que chamam a atenção em um livro são coisas relacionadas a romance, como o livro A Culpa é das Estrelas.” Camila Manjabosco, 9º ano, Ijuízinho

“Eu gosto de ler livros que falem sobre a revolução nazista, e outros que tenham algum assunto interessante para me trazer. O último que eu li foi o Diário de Anne Frank.” Kevin Thomas - 8º série Ruizinho

“Os livros que eu leio são sempre ou de drama ou de romance, pois são esses assuntos que eu mais gosto. O último livro que eu li foi A Última Música, que é um livro de romance com uma história bem interessante”.” Martina Neubauer - 8º série, Ruizinho 44 | STAMPA

“Adoro ler livros de romance, porque eles prendem a minha atenção. O último livro que eu li foi A Culpa é das Estrelas, e agora estou lendo Cidades de Papel. Leio basicamente um livro por semana.” Fernanda Appel Endl - 8º série, Ruizinho

“Na semana, eu não tenho muito tempo para ler, por isso reservo o fim de semana para conseguir ler um livro. O último livro que li foi As Aventuras de Pi, que conta a história de um homem e um tigre.” Bruno Silva, 9º ano, Ijuizinho

““Eu não leio muito, costumo ler quando estou em casa, sem nada para fazer. Os livros e os assuntos que eu mais gosto de ler nesses momentos são de aventura. O último livro que eu lembro que li foi A Biblioteca Mágica de Bibbi Bokken”. Amanda Pimentel - 9º ano, Ijuízinho

“Sou fascinado por livros de aventura e mistério. O último livro que eu li foi do Harry Potter, e posso dizer que é a saga que eu mais gosto e que mais me chama a atenção”. John Lennon Dambrós - 9º ano Ijuizinho


BOuTique NiNAR RADiOLAR Carrinho uran Chicco Chapeleira em madeira de - R$ 2.615,45 demolição - R$ 1.833,00

BeBiDAS 24 HORAS Cesta de café da manhã óPTiCA - R$wOLff 148,90 Relógio Michael Kors - R$ 1.579,00, solar Michael Kors - R$ 500,00

NAD NADiNe DuBAL Bolsa Carmim Couro Daphne - 4x R$ 258,50; sandália imitto - 4x 114,90

ANiMALe PeT STORe Toca - R$ 166,90

fOR MeN Camisa algodão - R$ 94,00

BOuTique NiNAR Babá eletrônica Avent - R$ 1.411,00 DeCORPORe Blusa rosa R$ 88,40; leg R$ 86,00

O BOTiCÁRiO Make B. universe Collection - quarteto de DOCe LAR sombras - R$ 66,99 edredom Hedrons Plush Crocco casal R$ 258,00, em até 3x ou R$ 225,00 à vista

HiDROLux Lustre plafon Molise R$ 1.790,00

POCHMANN Le MOND Relógio Technos troca Bolsa Dimy -masculino R$ 331,90;- 10x pulseira cinto - R$ 142,90 deDimy R$ 134,40

GeMA iNfANTiL fOR MeN Lilica Ripilica - R$ 139,90; for Men - CamisaBlusa de algodão - R$ 86,00 saia Lilica Ripilica - R$ 139,90 STAMPA | 45


Humor & Cia

- Linda, sempre penso em ligar pra vc mas tem sempre uma voz q não me deixa ligar - ai q fofo, mais oq diz essa voz que tanto não lhe deixa me ligar - diz seu saldo é insuficiente para completar essa ligação

Colabore com este espaço. Mande temas divertidos para: stampa@jornaldamanhaijui.com

Irmãs loiras Duas irmãs, que por acaso eram loiras, moravam em um apartamento, quando uma amiga vai visitá-las e nota uma queimadura no rosto de uma delas: - Nossa amiga, o que foi isso? - Nem te conto! Estava passando roupa quando o telefone tocou, e no reflexo, acabei atendendo o ferro... Nisso chega a outra loira também com o rosto ferido. - Ué?! E a sua irmã? O que aconteceu? - Ah, é que a ligação era para ela.

A mulher chega para o marido e fala: - Amor, temos que avisar o nosso filho para não se casar com aquela bruxa que ele namora! O marido: - Não vou dizer nada. Quando foi minha vez ninguém me avisou.

Sábio provérbio chinês “Somente quando um pernilongo pousa em seu testículo é que você se dá conta de que sempre há uma maneira de resolver um problema sem usar a violênica.” Sábio chinês SakoinChado

Vai sair? - Pai, tô indo na festa. - Cê vai beber? - Não. - Vai fumar? - Não. - Vai usar droga? - Naão. - Vai transar? - Nãão! - Então, fica em casa.

A mulher fala para o amigo: - Um ménage a trois está entre as suas fantasias? - Claro! - responde ele, todo empolgado. - Então corre pra casa, que acho que ainda dá tempo! O médico para o paciente: - Não consigo encontrar o motivo das suas dores, meu caro. Só pode ser por causa da bebida. - Não tem importância, doutor! Eu volto outro dia em que o senhor estiver sóbrio!

‘‘

ENTRE ASPAS

“Nada é mais difícil, e por isso mais precioso, do que ser capaz de decidir.” Napoleão Bonaparte (1769-1821), imperador francês

46 | STAMPA


Stampa março  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you