Page 1

Ano 13 . Nº 1 . Junho| 2015 . R$ 10,00

ENTREVISTA

AS GERAÇÕES, SUAS CARAS E SEUS CONFLITOS

ta 1 revis da dentrosta revi

ESPECIAL

DECORAÇÃO

OS PRÁTICOS E VERSÁTEIS PALLETS ESPORTE

AFUCOPER É BICAMPEÃ NO BOLÃO À MESA

DECIFRANDO RECEITAS ALEMÃS ESPECIAL

CHOPP IJUHY E STAMPA EM NOITE DE LANÇAMENTO

TODOS OS INDICADOS A NOVA CONCEPÇÃO DA OBRA ‘CORUJA’ COMO FOI O 1º PRÊMIO EM 2013


índice ESPORTE

O time de bolão da Afucoper que conquistou o bicampeonato nacional

MEMÓRIA

O Arquivo Ijuí, sob a guarda do MADP, é onde está toda a história do município

ENTEVISTA

Professor de Filosofia da Unijui fala sobre as gerações, suas caras e seus conflitos

8 14 15

CULINÁRIA

Cozinheiro alemão Tim Höpner ensina receitas típicas para grupo de Ijuí, na Casa Alemã

ESPECIAL

O lançamento da nossa edição de maio e das cervejas artesanais do Chopp Ijuhy

CRIATIVIDADE

Os múltiplos usos dos pallets, as versáteis caixas de madeira, na decoração

SOCIEDADE

Clube Ijuí comemorou com noite especial seus 110 anos

MÚSICA

A banda Parada Obrigatória está de volta com nova formação e nova proposta

COMPORTAMENTO

44| |STAMPA STAMPA

19 20 26 28 34

ESTILO

O Fusca da Priscila é exemplo da adesão das mulheres à personalização de carros

35

stampa@jornaldamanhaijui.com Ano 13 - Nº 1 | Junho | 2015 Ano 11 - Nº 12 | Maio | 2014

PUBLICAÇÃO GRÁFICA E EDITORA JORNALÍSTICA SENTINELA LTDA CNPJ: 87.657.854/0001-23 RUA ALBINO BRENDLER, 122 - FONE: (55) 3331-0300 98.700-000 IJUÍ/RS DIRETOR EDMUNDO HENRIQUE POCHMANN EDIÇÃO IARA SOARES iara@jornaldamanhaijui.com COLABORADORES: CARLOS ALBERTO PADILHA CLAUDIA DE ALMEIDA, DEISE MORAIS, MARISTELA MARTINS, JOCELAINE SIMÃO, LEILANE OLIVEIRA, CECILIA MATHIONI IMPRESSÃO CIA DE ARTE (55 3331-0319)

Assinatura semestral: R$ 55,00 - Ligue 3331-0300 Informações contidas em matérias comercializadas são responsabilidade integral das empresas e/ou dos profissionais.


Romanzza: uma loja exclusiva de móveis planejados em Ijuí I

juí terá uma nova opção em qualidade e design no desenvolvimento de projetos de móveis planejados para ambientes residenciais e comerciais. Vem aí uma loja exclusiva da Romanzza, que está sob a direção dos conceituados empresários Gisele Barbi Wild e Fabrício Wild, que já atuam com credibilidade na loja Mobiliário 21. A Romanzza é uma marca de móveis planejados que agora contará com uma loja exclusiva para Ijuí e região. A proposta do belíssimo show room que está sendo montado, é mostrar tudo de melhor e mais atual que existe no universo dos planejados. Partindo dos projetos conceituais e funcionais que poderão ser vistos aos acabamentos, as ferragens e puxadores também são novidades. A Romanzza é uma marca que busca estar sempre atualizada no que existe no universo dos móveis planejados e praticamente todas as suas inspirações vem de Milão na Itália, lugar onde são lançados anualmente acabamentos, ferragens e design. Diferente das outras marcas de planejados que existe no mercado, a Romanzza apresenta alguns diferenciais, como peças editáveis, que são peças produzidas na medida que for necessário para adequar o projeto na medida dos espaços disponíveis, acabamento laca importado e por isso de alta resistência, ferragens de marcas consagradas no mercado, entre outras. Com o slogan “Você Totalmente Satisfeito”, a Romanzza se preocupa tanto com a satisfação do consumidor, que registrou esse compromisso em cartório. A Romanzza trabalha em cima de alguns pilares que sustentam este compromisso e que envolve todo o processo de compra como: atendimento, preço, produto, qualidade e entrega. É uma empresa preocupada com a preservação do meio ambiente, assim toda a madeira utilizada é extraída de florestas manejadas, isso significa que não há exatamente nenhum tipo de desmatamento desordenado. Proteger a natureza e fabricar produtos ecologicamente corretos também é prioridade para a Romanzza, além de deixar seus consumidores totalmente satisfeitos. Em Ijuí, a Romanzza está sendo instalada na Rua Benjamin Constant 655, sala 2, Edifício Apolo, telefone (55) 3333-0464.

Fabrício Wild e Gisele Barbi estão a frente do empreendimento que vai mudar o conceito em móveis planejandos para Ijuí e região


Multicampeão incentiva canoagem Givago Ribeiro defendendo o Brasil

Atletas da Ceriluz

O

multicampeão Givago Ribeiro veio a Ijuí em maio participar das provas de Stand up Padle e Canoagem durante a 7ª Feira de Negócios da Indústria de Ijuí (Fenii). Para a Stampa o atleta disse que a competição realizada no município é de fundamental importância para o desenvolvimento da Canoagem no Rio Grande do Sul. Givago, que é de Santa Maria, afirmou que a Região Central do Estado tem muito a contribuir para esse desenvolvimento. “Ijuí promoveu uma grande competição e provou estar pronto para a continuidade desse esporte”, afirmou. Givago Ribeiro iniciou na modalidade em 2001 através de um Projeto Social chamado Canoagem na Escola, desenvolvido em Santa Maria. Ele fez parte da Seleção Brasileira desde 2005. “Para mim, estar na Seleção é um passo fundamental para quem almeja grandes conquistas na canoagem. Nesses 10 anos de seleção pude treinar e competir em mais de 16 países, disputar três mundiais, ser o número 10 do Ranking Mundial 2009 e conquistar duas medalhas de Bronze em Jogos Pan-Americanos. Além disso estive entre os cinco melhores nos Jogos Olímpicos Universitários (Rússia 2013)”. Givago também compete ao lado do irmão Gilvan e frisou que isso é algo supernatural e uma grande honra. “Conquistamos diversos títulos no barco duplo (k2) e para a família Ribeiro as medalhas vêm em dose dupla.O atleta santamariense disse que em 2016 ele e o irmão irão focar nos barcos individuais(k1). “ O Gilvan volta da Copa do Mundo com o quarto melhor tempo do mundo nos 500m. Isso mostra o real potencial para almejar a vaga olímpica. Por motivos particulares, não participarei da classificatória olímpica. Tentarei somente a repescagem que irá acontecer um pouco antes das Olimpíadas de 2016”. Givago disse que a Canoagem no Brasil, apesar de estar passando por uma de suas melhores fases em termos de Confederação, ainda deixa muito a desejar no incentivo aos clubes e entidades que fomentam a canoagem. Givago Ribeiro tem duas medalhas de bronze em Jogos Pan-Americanos e é o atual vice-campeão brasileiro k1-500m. Em 2009 foi o número 10 do Ranking Mundial.

Irmãos Givago e Gilvan 8 | STAMPA

Givago em Ijuí

Afucoper é bi no bolão A

Sociedade União Afucoper conquistou no dia 3 de maio o título de campeã brasileira de Bolão Master Masculino, Bola 23. A conquista foi diante do torcedor ijuiense durante as finais do Campeonato Brasileiro. A competição promovida pela Confederação Brasileira de Bocha e Bolão reuniu em Ijuí na sede da União Afucoper, 15 equipes do País. A Sociedade União obteve a primeira colocação com uma significativa vantagem em relação aos demais clubes, totalizando 1.749 pinos derrubados. O segundo lugar ficou para a Sociedade Cultural Tiro ao Alvo, de Nova Petrópolis, com 1.698 pinos. A Atalaia Sociedade Esportiva e Recreativa, de Guarapuava (PR), derrubou 1.685 pinos e ficou na terceira colocação. A equipe ijuiense teve ainda os destaques individuais, com os atletas Valdir Atletas Parlon Lüdtke, Gilberto Bohrer e Valdir Steiernagel Steiernagel, Gilberto Bohrer e Parlon Lüdke, recebendo os troféus Braço de Ouro, Prata e Bronze respectivamente. O diretor de bolão da Sociedade União Afucoper disse que a dedicação dos bolonistas nos treinamentos foi fundamental para a conquista. “ A equipe teve uma evolução técnica boa durante as partidas, alcançando, no final, uma diferença expressiva sobre o segundo colocado. O desafio agora é a preparação para os próximos campeonatos”, comentou. Com esta vitória, a equipe Master Masculina está automaticamente classificada para o Campeonato Brasileiro de 2016, quando buscará o tri. Além da vitória nesta última edição, o mesmo título já foi conquistado em 2009. Além dos jogos disputados em maio, a Sociedade União Afucoper irá sediar outras disputas neste ano. A primeira delas será entre os dias 18 e 21 de junho, quando acontece em sua sede, o Campeonato Brasileiro Master Feminino. Entre os dias 30 de julho a 2 de agosto será realizado em Ijuí o Campeonato Brasileiro Feminino Livre. Fora da cidade ainda serão disputados o Campeonato Brasileiro Masculino Livre, em junho, e o Brasileiro de Casais, em setembro. A equipe de bolão Master Masculino da Sociedade União Afucoper alcançou mais um triunfo no último final de semana. No dia 23 de maio os bolonistas de Ijuí venceram a 3ª Taça dos Campeões, no Teresópolis Tênis Clube, em Porto Alegre. Os atletas ijuienses chegaram ao título derrubando um total de 1.756 pinos, deixando na segunda colocação a Sociedade União Assistencial e Cultural Bom Progresso, de Bom Princípio, e na terceira colocação o Clube Recreativo Dores, de Santa Maria.


CENTRO ODONTOLÓGICO INTEGRADO

Visite nosso site e saiba mais: www.coirs.com.br Nossa página no facebook: facebook.com/coirsul

Com a filosofia de um atendimento de excelência, instalações modernas e a mais alta tecnologia disponível no mercado odontológico, o COI – Centro Odontológico Integrado conta com uma equipe multidisciplinar altamente capacitada nas áreas de Clínica Geral, Endodontia, Implantodontia, Ortodontia e Prótese, visando o atendimento completo ao paciente. Contamos com radiografias digitais na própria clínica, com menor exposição do paciente, aliando qualidade e praticidade, bem como a utilização de microscópio odontológico para a realização do tratamento endodôntico e cirurgias de média e alta complexidade. A aplicação do conhecimento das especialidades interagindo e se complementando proporcionam melhores resultados. As especialidades têm suas limitações, mas quando praticadas em conjunto se completam, disponibilizando ao paciente o tratamento completo.

STAMPA | 9


MÚSICA

Eles estão de volta Depois de um stop em 2013, quando foi desfeita, a Parada Obrigatória retorna aos palcos, com nova formação e proposta

H

á sete anos na estrada, a banda ijuiense Parada Obrigatória não está apenas de cara nova, como também investe em novo repertório para os shows, mais abrasileirado, enquanto trabalho no lançamento de seu segundo CD. Com o single Final do Mundo, lançado há 10 meses e com mais de duas mil visualizações no youtube, e mais 11 faixas autorais e inéditas, o novo disco é a afirmação da identidade da Parada, que está mais rock do que nunca. “Em nosso primeiro disco experimentamos muitas coisas, mas ainda não tínhamos uma identidade consolidada, éramos muito novos e só queríamos mostrar o nosso trabalho”, conta o vocalista Alexandre Fontoura, que também é um dos fundadores da banda. Atualmente, composta por Alexandre, no vocal e guitarra, Pablo Max, na guitarra, Tiago Rubert, no baixo, e Guilherme da Rosa, na bateria, a Parada Obrigatória nasceu no final de 2007, parando em 2013, quando a então formação se desfez, para logo depois retornar com uma nova proposta. “Após algumas mudanças na banda recomeçamos e vimos nascer algo novo, natural, mais direto, a estrada nos colocou no caminho certo, e agora com um novo disco, podemos dizer que, sim, temos uma identidade só nossa.” O amadurecimento veio dos caminhos trilhados pela banda, desde o anonimato, passando pelo auge do reconhecimento em 2009, quando tocaram nos consagrados festivais Coca-Cola Parc Festival, em março, que consagrou o rock em Porto Alegre reunindo mais de sete mil pessoas, e o Coca-Cola Vibezone, em agosto, que marcou o encerramento do Festival de Cinema de Gramado, até o segundo semestre de 2013, quando a então formação se desfez. Focado em não deixar a banda morrer, Alexandre traçou um novo projeto e foi em busca de pessoas dispostas a abraçar o mesmo sonho, no caminho ele reencontrou Guilherme, também um dos fundadores da banda. Agora, com a formação completa, eles investem em um novo show, o Rock Brasil. “Tem um repertório amplo, e é uma maneira que encontramos de voltar ao mercado. O Brasil tem muito rock bom desde o surgimento do gênero até aqui. Resgatamos algumas

Pablo, Tiago, Alexandre e Guilherme integram a nova Parada Obrigatória

músicas que achamos legais e fizemos nossas versões mesclando, é claro, com alguns sons internacionais que curtimos”, explica. O novo trabalho, que une o Josiane repertório para Baiotto subiuapresentações aos palcos pela e a gravação do disco, sem data de primeira lançamento, previsto para sair em vez paramas interpretar Marian agosto próximo, tem como proposta principal, justamente, de revelar o amadurecimento da Parada Obrigatória, que deixa de lado a conhecida batida romântica do primeiro disco, para trabalhar em músicas mais imersas na individualidade, passeando pelos anseios da humanidade até chegar a situações do cotidiano. “Dessa vez está sendo diferente, sentimos nas músicas que está com a nossa cara, que fugimos do convencional e estamos prontos para um novo start. Está mais rock do que nunca e não dá para descrever. É muita energia, melodias loucas que falam muita coisa boa e de momentos difíceis, uma lição. Resumindo, é um aprendizado que amadureceu com o tempo com muita humildade e trabalho,” define Alexandre. Proprietário da Produtora Laranjeiras, o vocalista trabalha nos mínimos detalhes do álbum ainda em gestação. Empolgado com as novas portas que estão se abrindo, Alexandre não mede esforços, e palavras, para descrever o momento, afirmando que, hoje, a Parada é o que se esperava quando nasceu e que estão prontos para o que der e vier. “O público pode esperar deste novo trabalho, maturidade e um som forte, como já foi percebido no single Final do Mundo, viemos para quebrar barreiras, falar do que poucos falam e mostrar que a vida é uma só, porque mesmo com as dificuldades, temos que lutar sempre pelo bem”, destaca.

Vi, li e recomendo Por Cláudio de Souza Coordenador Regional de Educação

34 | STAMPA

Uma viagem inesperada

O olho da rua

É a história de Corrine e seus dois filhos gêmeos Stephen e Phillip. Logo no início, o filme mostra o transtorno passado pela protagonista ao descobrir que não existe cura ou tratamento para seus dois filhos autistas. Ela decide então se esforçar para que ela e nem seus filhos fiquem presos à doença. Jornada de Corrine é carregada por empecilhos, como o preconceito da sociedade, a discriminação das pessoas. E, assim, ela decide mostrar ao máximo a capacidade dos seus filhos, destacando que a sua dedicação é maior que qualquer problema que pudesse impedir que seus filhos fossem aceitos pelas pessoas da sua cidade. As mudanças se iniciam quando um dos seus filhos é aceito numa escola e o outro vai para a equipe de corrida de Cross Country. A superação alcançada por eles é incrível. Os irmãos alcançam um sucesso que supera todas as expectativas, demonstrando assim que o amor ultrapassa todos os limites da realidade.

A obra apresenta uma coletânea de matérias editadas e comentadas em um livro publicado em 2008 pela ijuiense Eliane Brum. Ganhadora do prêmio Jabuti de Literatura, Eliane consegue em suas reportagens representar a beleza dos assuntos cotidianos misturando técnica com arte, imagens com palavras, literatura com emoção. Mistura ficção com a realidade muita vezes dura. O livro compila 10 reportagens que Eliane Brum publicou na revista Época. A obra tem mais de 400 páginas, entre reportagens na íntegra, fotos e observações da autora sobre sua visão da mesma reportagem, como também das dificuldades em cobrir a pauta. A sensibilidade e a grandeza das palavras transcendem as páginas. São histórias que de tão reais parecem inventadas.

Filme de Gregg Champion

De Eliane Brum


Conheça as novidades da Karisma para este inverno Neste inverno aproveite as novidades em moda íntima dia e noite, roupas de cama, mesa e banho, de marcas consagradas, tais como: Un.i, Malwee, Houpe, Duloren, Femina, Daniela Tombini e Buddemeyer, que garante seu pós banho agradável. A Karisma trabalha com produtos de fabricação própria, com uma grande linha de roupas de cama e cortinas, modelos exclusivos e sob medida. Para deixar seu ambiente mais agradável, disponibiliza uma vasta linha de aromatizantes. A Karisma atende em horário diferenciado sem fechar ao meio-dia: de segunda à sexta-feira das 8h30 às 18h30, e aos sábados, das 8h30 às 17h.

Fabricação própria da Karisma: cortinas em diversos modelos e estilos


Memória de Ijuí Documentos, textos e fotos que registram a nossa história desde antes de sua colonização estão preservados no Arquivo Ijuí do Museu Antropológico Diretor Pestana

O

Jaqueline e o Arquivo Ijuí: tesouros sobre a nossa história

Museu Antropológico Diretor Pestana (MADP), sob a direção de Stela Mariz Zambiazi de Oliveira, comemorou no dia 25 de maio, 54 anos de existência, dedicados especialmente à preservação da nossa história. De seu Arquivo Documental, organizado na Divisão de Documentação, constituído por documentos textuais, cartográficos e bibliográficos, faz parte o Arquivo Ijuí. Esse setor foi construído ao longo dos anos, por meio de doações, de natureza pública e privada. Está sob cuidados de uma equipe formada pela arquivista Sandra Schinwelski Maldaner, a assistente de pesquisa Jaqueline Bussler Michael Krüger e o estagiário Guilherme Krug Epifanio. Compõem o Arquivo Ijuí documentos desde o período da colonização, entre eles, relatórios de atividades da Comissão de Terras com data de 1890, e o livros dos lotes iniciais distribuídos aos imigrantes que aqui chegaram entre 1890 a 1920. “Esse livro foi digitalizado, tudo foi microfilmado, porque ao dispor para pesquisa o material original, com o manuseio, ele pode se perder”, informa Jaqueline. Nele também estão preservados documentação relativa à administração pública municipal; fichas de registro eleitoral que compõem o Cartório Eleitoral da cidade; documentação genealógica, de famílias Ijuienses e da região, e que atrai hoje a maioria dos pesquisadores que buscam informações de seus antepassados; de casas comerciais e indústriais; da educação; das organizações civis, políticas, religiosas e da saúde. “Um dos assuntos que compõe o Arquivo Ijuí é a prefeitura, com 578 pastas e caixas com documentação, e mais 200 pastas em outro espaço. Por esse motivo, a administração municipal destina uma verba anual para a sua manutenção, que precisa de condições de preservação, como área climatizada, com temperatura e umidade adequadas”, explica a assistente. Complementa a documentação do Arquivo Ijuí, a Hemeroteca, constituída por 40 títulos de jornais, entre eles o Die Serra Post e o Correio Serrano (os primeiros jornais), que foram de grande contribuição histórica para Ijuí, e o Jornal da Manhã, desde sua fundação em 1973. A documentação do Arquivo Ijuí está disponível à comunidade para pesquisa local. No site do Museu também é possível encontrar o código de classificação completo, por assuntos, e a documentação genealógica, organizada em índices (com a descrição do que existe no acervo).


Paulo Rudi Schneider Vivemos um momento de grande avanço científico, tecnológico, mas ao mesmo tempo, de grande angústia diante do futuro comum, seja por conflitos sociais, políticos, econômicos, culturais ou étnicos. As novas gerações, de modo especial as gerações Y e Z, estão sofrendo uma ruptura brusca nas formas de percepção do mundo, principalmente com o advento da Era da Informação. Diante dessa avalanche de novidades e mudança nos conceitos sobre os relacionamentos interpessoais, conversamos com o professor Paulo Rudi Schneider. Ele é graduado em Filosofia pela Unijuí (1981), com mestrado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2002) e doutorado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2005) e Eberhard-Universität Tübingen, Alemanha (2006). Atualmente, é professor Senior da Unijuí no Mestrado de Educação nas Ciências. Nessa conversa, o professor comenta, pelo viés filosófico, qual é o futuro das gerações Y, que compreende pessoas nascidas de 1977 a 2000, e a chamada geração Z, composta por quem nasceu após 2000. Por Leilane Oliveira

Quais são as fronteiras que separam as gerações? Estamos acostumados a pensar a diferença entre as gerações em termos de idade dos membros de uma família. A idade dos avós, dos pais, dos filhos e dos netos. De acordo com esse critério, a diferença geralmente se constitui em 20 Ee 25 anos entre uma geração e outra de modo natural. Além dessa diferença constituída pela idade, supõe-se ao mesmo tempo poder perceber a maior experiência da geração mais velha frente aos problemas da família como um todo, do seu aconselhamento sobre as profissões e do comportamento social como um todo. As novas gerações assim sucederiam as anteriores de modo orgânico e tranquilo. Na atualidade, porém, identificamos uma transformação radical da relação entre as gerações iniciando pela diminuição da diferença temporal entre uma e outra. Num rápido esquema apresentando a diminuição da diferença entre uma geração e outra, teríamos os nascidos entre 1922 e 1945; os Boomers entre 1945 e 1965, assim denominados por terem nascido na explosão de natalidade após a II Guerra Mundial; a geração X nascida entre 1965 e 1977; a geração Y, nascida entre 1977 e 2000, e a geração Z do novo milênio.

Professor Sênior da Unijuí, no Mestrado de Educação nas Ciências

Quais as diferenças entre elas e como são definidas? Cada uma dessas gerações foi determinada pelo impacto de inovações tecnológicas em ritmo acelerado na história da sociedade. É senso comum que toda nova tecnologia num mundo globalizado imprime profundas marcas no modo de compreender e ser dos indivíduos e da sociedade como um todo. As relações na família, na escola, no trabalho e na sociedade transformamse inexoravelmente pela inserção de inovações tecnológicas, sem a possibilidade de suspender tudo em favor da volta simples ao passado. Todos os recursos científicos e seus usos tecnológicos em forma de instrumentos disponíveis simplesmente fazem parte da possibilidade de ser e compreender de todos. A aceleração das inovações principalmente dos meios eletrônicos de comunicação proporciona a incrível simultaneidade de uma avalanche de informações diacrônicas e sincrônicas, isto é, dos relatos históricos de todos os tempos juntamente com a pletora das notícias atuais sobre qualquer área do saber. Como se faz a construção da personalidade de cada geração? A preocupação com a personalidade de cada geração não se deveria

restringir à mera descrição das suas características, mas se estender imediatamente ao seu próprio exame visando encontros para a autocompreensão nesse novo meio. Quer queiram ou não, todas as gerações estão em processo inevitável de uso, envolvidas inexoravelmente pelos efeitos de uma tecnologia da inteligência que veio para permanecer interagindo nas relações familiares, nos estudo, no trabalho e na vida em geral. Vistas pelo ângulo da tematização da inserção necessária de cada geração, mesmo que diferenciada, a questão ética se dá por si mesma. A análise da sua própria situação no uso da nova tecnologia, a descrição e o auto-exame dos efeitos racionais, emocionais e decorrências sociais na família, nas instituições educacionais e nos locais de trabalho configurariam atividades ético-reflexivas de imenso valor para a decisão e a construção de rumos coletivamente elaborados.

É senso comum que toda nova tecnologia num mundo globalizado imprime profundas marcas no modo de compreender e ser dos indivíduos e da sociedade como um todo.

Como poderiam ser descritas as diferenças entre as gerações Y e Z em relação às anteriores? A comunicação interpessoal sobre todos os assuntos pode pender desde a ponderação sóbria até ao delírio mais escabroso. As gerações classificadas como Y e Z são aquelas que já nasceram rodeadas com tais >>> STAMPA | 15


Para o professor, a tecnologia não é ameaça à inteligência da fala ou da escrita

Seria necessário e imensamente benéfico que todas as instituições humanas pudessem darse conta de que o mundo virtual não é apenas mais uma tecnologia.

16 | STAMPA

recursos e o seu uso faz parte do seu jeito de ser, de pensar, agir e decidir. Além das tecnologias da inteligência humana em forma de fala sonora e escrita visual, exercidas durante milênios, agora a tecnologia do virtual soma-se naturalmente às práticas do modo de ser das gerações Y e Z. O uso arraigado, insistente e mecanicamente competente dessa forma de comunicação por parte das novas gerações, então, instaura diferenças fundamentais com as gerações precedentes em termos de comportamento, psicologia, emoção, percepção de mundo e vida. Desse modo, o uso da tecnologia informacional constitui fronteira entre as gerações na atualidade, bem além da simples diferença de idade. Sobre a geração Z, até que ponto a comunicação verbal e os relacionamentos interpessoais são dificultados pela tecnologia, já que esse grupo é conhecido como geração silenciosa, justamente pelo uso excessivo da comunicação online? Precisamente aí, julgamos que se mostra o cerne da questão que diferencia as gerações entre si, no uso da tecnologia pela compreensão do seu significado e pela sua importância social e histórica. Conforme o filósofo Pierre Levy, o ser humano definiu-se como tal pela sua capacidade comunicativa de fala, exercitada por milênios. A organização social humana suplantou todos os outros seres viventes por meio de uma característica fundamental, que podemos denominar como tecnologia da inteligência da fala, indicando por sinais sonoros o distante e o presente, a experiência do que passou e a planificação para o amanhã, o sonho, o desastre, bem como todas as emoções, desde angústias até a felicidade e o amor. Depois de milênios de comunicação pela atividade da fala, há apenas cinco mil anos na Babilônia o ser humano instaurou outra tecnologia da inteligência chamada escrita. Por meio da escrita a organização, a planificação, a administração e as descrições de qual-

quer fato ou coisa tornaram-se mais fixas, duráveis e verificáveis através do tempo. Conforme o filósofo, estamos agora no limiar da terceira tecnologia da inteligência com o mundo virtual, mas ainda não sabemos o que será possível por seu intermédio. Nada mais seríamos do que aprendizes num processo tecnológico, no qual podemos ativar a nossa inteligência para muito além das tecnologias da fala e da escrita, mas sem jamais poder deixar de falar e escrever, pois as três tecnologias apóiam-se mutuamente e cada uma delas deriva das outras. Se nas instituições educacionais em inúmeras áreas observarmos com atenção a retórica barulhenta do dogmatismo ávido de simples repasses de conteúdo sem relação reflexiva, talvez nos encantemos com o contraste do silêncio relacionador e reflexivo de um jovem participante da geração Z. Para as gerações Y e Z a construção da personalidade e dos valores está acontecendo por caminhos muito diversos daqueles tradicionais: família, igreja, escola e TV. Até que ponto isso é saudável? Toda a inovação tecnológica sempre causou surpresas, problemas e soluções. A nova tecnologia da inteligência virtual, porém, exige enorme atenção de todos os seres humanos pelas infinitas possibilidades de uso que oferece e das quais muito pouco ainda sabemos. Esta inteligência já agora nos interliga pelo que nós pensamos, sentimos, compreendemos e somos. O ponto de vista da vantagem na interação, no compartilhamento do diálogo sobre o próprio uso dos meios tecnológicos, poderia possivelmente cativar todas as gerações sempre de algum modo condicionadas e profundamente afetadas pelo mundo virtual. Família, igreja, escola e TV muitas vezes são instituições estruturadas como compreensões dogmáticas, impondo assuntos, comportamentos e entendimentos definitivos, bem como indicando retoricamente em exercício já decidido a própria forma de interligação tecnológica, portanto, bem diferente da participação no agora agregado mundo virtual em que o participante decide de modo crucial os rumos do seu mundo inteligentemente relacional. Certamente todas as instituições são importantes, mas assim como o diário que alguém escreve, mas não fala e nem comenta publicamente, assim também o silêncio ativo online deve ter a sua própria característica e o seu aproveitamento. Quais as dificuldades que a geração Z pode enfrentar na formação de seu caráter e identidade diante da falta de processos de percepções mais tradicionais? Certamente não é recomendável

concordar com o isolamento das crianças e os adolescentes de hoje, no uso excessivo da comunicação online. O que, porém, significaria uso excessivo? Quanto a isso há algo a considerar, pois é a própria sociedade com a sua produção e história que induziu e induz a geração Z a prática de uso supostamente exagerada e ao grande esforço que ela representa. Julgamos que do mesmo modo como a tecnologia da inteligência da fala não foi corrompida pela nova tecnologia da inteligência da escrita, assim também não há a possibilidade de ambas serem corrompidas pelo uso da comunicação online, representando a nova tecnologia da inteligência do virtual. A geração silenciosa e esforçada na prática da nova tecnologia, porém, deve por isso mesmo ser insistentemente convidada para a reflexão coletiva e dialógica sobre o próprio uso em processo, e não apenas para a avaliação repressora sobre o tempo de uso, como se fosse perda de tempo só pelo fato de que outra geração assim o decreta. Pedir diálogo a alguém desprestigiando a atividade comunicativa inteligente em que está, a fim de impor outro assunto, não é muito inteligente. De uma maneira geral, o que podemos esperar para o futuro das gerações Y e Z que são hoje quem define e vai definir as maneiras contemporâneas de construção do conhecimento e, consequentemente, da continuidade da evolução? Estamos no limiar de uma nova tecnologia da inteligência humana. Seria necessário e muito benéfico, que todas as instituições humanas pudessem dar-se conta de que o mundo virtual não é apenas mais uma tecnologia, mas que ela de algum modo consegue englobar, evidenciar e conservar todas as outras. O fato de ela determinar o surgimento, a transformação e o perfil diferenciado das gerações em curtos espaços de tempo, deveria alertar a humanidade para a sua imensa importância. Todas as gerações serão obrigadas a falar, escrever e se ativar no mundo virtual a fim de progredir no aproveitamento das possibilidades que se oferecem. Simultaneidade, transparência bem além dos limites costumeiros, caráter público ilimitado, inevitável obrigatoriedade de reflexão filosófica sobre o que fazer consigo mesmo, com a sociedade, com a saúde, com a doença e com a vida inteira, possibilidade de análise da compreensão humana edificada durante milênios e sua justificação pública, tudo isso emerge apresentando-se pela nova tecnologia da inteligência humana. É claro que medo e pavor, bem como confiança e esperança surgem, gestamse e se justificam. Estejamos atentos e aptos ao grande diálogo sobre o possível.


Câncer de Mama e Hereditariedade

O

câncer é uma doença causada por alterações em algumas funções dos genes. Genes são estruturas dentro das células que definem todas as características de um ser humano, como a cor do cabelo e dos olhos. A maioria das pessoas nasce Dr. Gerson Jacob Delazeri com genes normais. Ao longo da vida, Mastologista por uma ou mais razões, essas estruturas podem se modificar, tornando-se defeituosas. Quanto mais tempo se vive, maior é a quantidade de alterações que podem levar ao aparecimento do câncer. Em alguns casos, um gene alterado pode ser passado para o feto durante a gravidez. Neste caso, a pessoa carrega consigo maior risco de desenvolver um câncer, e a doença tende a aparecer em pacientes jovens. Entretanto, a maior parte dos casos não é hereditária, isto é, não é transmitida de pais para filhos. Cerca de 8 a 10% dos casos de câncer de mama são hereditários. Então, a maioria, aproximadamente 90% dos casos são chamados de esporádicos, ou seja, não-hereditários. O número estimado de novos casos para o ano de 2014 foi superior a 55.000. Muitos destes casos ocorrem em famílias com histórico de câncer de mama e ovário, o que aumenta o risco de câncer hereditário. BRCA1 e BRCA2 são os genes com maior sensibilidade (até 84% dependendo da etnia) na identificação destas famílias, sendo os mais frequentemente analisados. Pacientes com histórico pessoal (tumor antes dos 50 anos) e familiar sugerem a possibilidade de hereditariedade e podem ser submetidos ao exame genético BRCA1 BRCA2 através do sequênciamento dos genes. A informação de que existe uma predisposição genética para o desenvolvimento do câncer, tem aumentado o medo de pacientes e familiares, levando-os a buscar alternativas para conhecer e minimizar os seus riscos. É importante ressaltar que o desenvolvimento do câncer depende da interação entre fatores genéticos e ambientais. Os resultados dos testes genéticos podem ser positivos, negativos ou inconclusivos e dependem de muitos fatores. Como exemplo de teste positivo é a detecção de uma mutação num indivíduo afetado por câncer. As implicações neste caso servem principalmente para avaliar o risco em outros membros da família. Atualmente, os testes estão mais acessíveis e tem aumentado a procura e indicação para a sua realização, mas enfatizamos a necessidade de um aconselhamento médico antes de sua realização.

Decorando com Franco Persianas A

Franco Persianas é uma loja de cama, mesa, banho, papéis de parede e especializada em persianas. Investindo na área desde 2000, ao completar 15 anos em Ijuí, a empresa trabalha agora com a fábrica própria. As persianas da fábrica Franco possuem toda a qualidade e estilo necessária para a sua residência, com materiais importados e nacionais. Entre as vantagens de ser uma fábrica, o prazo de entrega imbatível na cidade e na região, a qualidade, a modernidade, a garantia, todo o auxílio que o cliente necessita no decorrer dos anos, e o preço acessível são os principais destaques. Visite a Franco Persianas na Avenida Coronel Dico, 101, sala B, no Centro de Ijuí e confira todas as opções em persianas horizontal, vertical, rolo, romana, painel e doublevision. O contato também pode ser feito pelos telefones (55) 3332-2973, (55) 8128-7416 e pelo e-mail: contato@ francopersianas.com.br.


Cozinhando em

O

alemão

alemão Tim Höper esteve em Ijuí para ministrar um curso de gastronomia no Centro Cultural 25 de Julho. O curso foi dado a cozinheiros da Casa Alemã, do Hospital de Caridade e Hotel Ijuí. Foram 20 horas de aprendizado sobre a cozinha alemã. No encerramento, houve entrega dos certificados aos participantes, e cerca de 30 convidados provaram dos pratos preparados no curso. Tim mora na cidade de Rodewald, a 20 quilômetros de Hannover. Na cidade de cinco mil habitantes, ele possui um restaurante que abre aos finais de semana. Formado em gastronomia, Tim também é engenheiro agrônomo. Na Alemanha, ele é responsável pelos intercambistas que vão do Brasil, por meio do programa Deula Brasil. Segundo ele, ministrar um curso de alimentos no Brasil foi prazeroso. “Na Alemanha há muita comida tradicional que passa de geração em geração. No Brasil, as pessoas tiram o que há de melhor em cada prato e fazem um só. Eles adaptam a comida alemã. Nossa cozinha alemã é barulhenta e muito séria. No Brasil, é alegre e divertida. Dá prazer cozinhar no Brasil”, diz Tim acrescentando que se assustou ao chegar em um supermercado e se deparar com apenas dois tipos de batatas. Na Alemanha são mais de 60 tipos e cada uma tem uma finalidade. “Temos um tipo de batata para fritar, outro tipo para fazer purê, e assim por diante. O brasileiro usa apenas dois tipos para tudo”. Antes de voltar para a Alemanha, ele visitou o setor de Nutrição e Dietética do Hospital de Caridade de Ijuí (HCI). Ele esteve acompanhado do presidente da Associação Deula-Brasil, professor Erlo Endruweit, que também é diretor voluntário na instituição hospitalar e pelo diretor-executivo João Luiz Leone de Senna. A nutricionista e coordenadora do setor Vanise Prates mostrou toda a nova infraestrutura da cozinha hospitalar para o convidado estrangeiro. Em sua primeira vez no Brasil, o alemão, de 32 anos diz que quer voltar. Tim vislumbrou um País alegre, divertido e trabalhador. “Percebo isso lá na Alemanha, com os estagiários da Deula. Eles transmitem alegria para nós lá, que somos um povo muito fechado. Isso se compara com o curso que ministrei aqui. Os cozinheiros estavam sempre rindo e fazendo brincadeiras. Se eu pudesse, moraria no Brasil para trabalhar”.

Na Casa Alemã: os participantes do curso com seus certificados

No HCI: Vanise Prates presenteou Tim com o cd do Canto de Luz e o livro Medicina de Ijuí


CHOPP IJUHY com a STAMPA Uma noite superconcorrida e alto astral aconteceu em 13 de maio no espaço de eventos do Chopp Ijuhy. Lançar a nossa edição de maio e promover degustação dos produtos Chopp Ijuhy foram as motivações que reuniram empresários, profissionais e lideranças. As cervejas da marca Chopp Ijuhy, produzidas com a qualidade e o sabor das melhores receitas artesanais, acompanhadas do coquetel campeiro de Bebidas e Cia e do talento musical de Roberto Bones, foram os ingredientes que fizeram o sucesso da noite. A Modelo da Capa da Stampa Laura Schrenk circulou entre os convidados recebendo elogios pelo ensaio produzido por Foto Andréia, em que exibe produções combinando lançamentos de Plano B, Nadine Dubal e Looks Óptica.

Os anfitriões da noite João e Walter Moura, proprietários do Chopp Ijuhy, apresentaram as cervejas artesanais

João Moura exibe as cervejas artesanais produzidas pelo Chopp Ijuhy

Looks Óptica: Paulo, Angélica, Luciana, Tamires, Bruna, Lucas e Lucas Marlano

Laura com o namorado Nilton Klein

Taoana Terra, Taciana Schwanke, João Moura, Adriana Pinto e Lu de Almeida

Jomara Arnold, Jordana Machado, Ligia Luchese, Ike Luchese, Charles Bueno, Nadine Dubal e Rafael Terra 20 18||STAMPA STAMPA

Vanessa Beus, João Moura e Mary Sá

Joel e Carolina Leone


Silviane Boufleur, João Bindé e Jaíse Schumann

Diógenes Cadore, Diogo Goergen, Marisa Felippe, Daiana Herther da Silva, Hércules de Oliveira e Mauro Wagi - CarHouse Toyota

Beatriz Panebecker, Caliandra Godoi e Ritieli Freitas

Jorge e Andreia Menegon, Sandra Burtet, Daniela Vargas, Heloisa Eickhoff, Sabrina Steffens, Aline Thomé da Cruz e Lorena Beal Clarice Kelm, Stela Nonnenmacher, Tânia Fortes e Nilton Amaral

Alfonso Conrad, de Bebidas & Cia, que serviu o elogiado coquetel campeiro, e João Cargnelluti

Flávio Friedrich, Romeu Etgeton, Clóvis de Jesus e Ricardo André Miron

Helenise e Sadi Heinen

Lucia Kraemer com a filha Claudia Legonde

Éder Baier, Aline Marques, Mariana Marques, Aline Tizotte, Gabriel Marques, Vilson e Lenir Marques STAMPA || 21 21 STAMPA


Fabiana, Rita, Simone e Leia, da Plano B

Alexandra Palharini e James Coracini, da Ă“tica Vizzu Gilvani Martins, da Pratic Line Candice Viecili e Mauricio Dalla Rosa

Fabricio e Gisele Wild

Vânia Diel, Sofia e Volnei Batistela

Claudia e Claudio Persson


P

roporcionar um momento de congraçamento social, com a principal motivação de reconhecer o trabalho, o talento, o empenho e o sucesso de pessoas, ideias e iniciativas: esta é a essência do Prêmio Stampa. A sua concepção é da Stampa, mas a sua realização é concretizada por empresas, profissionais e entidades que compartilham dos mesmos propósitos e que refletem em si próprios as qualidades que o Prêmio enaltece. Pela presença aqui, pelo reconhecimento que sua parceria confere à Stampa, e por nos proporcionar esse grande momento, nosso MUITO OBRIGADO a: PRODUÇÃO:

PATROCINADORES:


A CONCEPÇÃO ARTÍSTICA DO 2º PRÊMIO STAMPA

A

escultura que preparei para a segunda Edição do Prêmio Stampa é Pop, segundo a definição do curso de Arte Moderna e Contemporânea que frequentei no Museu Brasileiro de Escultura, em São Paulo, que declara Pop o estilo de elaboradas colagens de vida, um movimento de arte do pós-guerra que está mais identificado com signos e comunicação de massa. Pop é o movimento artístico que menospreza a fronteira tradicional entre pintura e escultura. Segundo Herbert Read, em seu livro História da Pintura Moderna(1980): “Essa ambiguidade foi logicamente ampliada às pinturas combinadas, nas quais o artista rompe com a definição bidimensional tradicional de pintura, a fim de combinar áreas pintadas planas com provocantes objetos tridimensionais.” O Prêmio Stampa deste ano, pela escolha que fiz do material - fita adesiva, predominantemente Scotch, é Pop, e por sê-lo, reflete a tendência nostálgica evocada através de seu cubo pedestal. É Pop pela forma arrojada da coruja, do inusitado material em que a realizei, é nostálgico devido ao tratamento do bloco pedestal. O nostálgico, ainda que somente para mim, também está na coruja, pois é fruto da experiência adquirida no concurso nacional de esculturas “Sustentabilidade Scotch, realizado no MuBE(SP), no qual fui uma entre os artistas premiados e expositores. Se para alguns a escolha de madeira como o material do pedestal, formato, dimensões, motivo da pirogravura e pintura possa parecer de difícil combinação com a fragilidade e efemeridade da coruja escultórica em fita adesiva, agarro-me à sabedoria de um grande mestre, o mais famoso especialista no assunto, o crítico de arte australiano Robert Hughes, 68 anos, editor da revista americana Times por três décadas, que em uma entrevista concedida a Marcelo Marthe, declara que em arte será sempre essencial voltar os olhos para os mestres do passado: “A noção de que há uma oposição entre o presente e o passado é estúpida. Trata-se de uma deturpação vulgar do ideário modernista de primeira hora. Ele consistia em questionar o tradicionalismo, mas não a herança dos antigos mestres. Os futuristas italianos, é verdade, chegaram a propor a destruição das obras de arte criadas no passado - como se fosse possível apagar sua influência apenas com sua extinção por meios físicos. Mas o fato é que toda arte digna de nota feita no século XX se baseou no passado. Os modernistas que realmente importam, como Matisse e Picasso, nunca se pautaram por sua rejeição. Muito pelo contrário: as fontes de que extraíram sua inspiração foram os artistas da Renascença e do século XVIII.” A influência do passado no Prêmio Stampa, vem através do inusitado bloco pedestal, inspirado na colorida arte minóica e micênica, e o contemporâneo está na coruja, representante da justiça como companheira da deusa Athena Goddess, na coruja translúcida, tênue imagem, quase uma holografia, empoleirada em seu símbolo que remete a água. Para encerrar este descritivo, cito o mestre Herbert Head, que diz que “O crítico precisa sentir a obra de arte e intuir o seu valor. Essa intuição necessita de uma investigação histórica para validar seu juízo.” Mas contraponho com Bertolt Brecht, que sobre o fazer e a fruição artística, disse: “Nosso teatro precisa estimular a avidez da inteligência e instruir o povo no prazer de mudar a realidade. Nossas plateias precisam não apenas saber que Prometeu foi libertado, mas também precisam familiarizar-se com o prazer de libertá-lo. A obra de arte deve apoderar-se da platéia não através da identificação passiva, mas através de um apelo à razão que requeira ação e decisão. As normas que fixam as relações entre os homens hão de ser tratadas no drama como ‘temporárias e imperfeitas’, de maneira que o espectador seja levado a algo mais produtivo do que a mera observação, seja levado a pensar no curso da peça e incitado a formular um julgamento, afinal, quanto ao que viu: ‘Não era assim que devia ser. É estranho, quase inacreditável. Precisa deixar de ser assim.’” A coruja Stampa é de material efêmero, se não for posta em redoma. Quando findar-se a vida útil do material em que a confeccionei, outro objeto poderá ser colocado sobre o pedestal, que pode durar milênios se bem conservado. A minha proposta para o trabalho artístico que criei e desenvolvi é que enquanto a coruja dure, o premiado pense e defina como será a finalização da obra, como se dará sua interferência, símbolo de vida, com o prêmio que recebe. Receber um prêmio não é deitar-me nas cordas, sobre a vitória conquistada, continuo trabalhando para merecê-lo, honrá-lo.” GIANE PEREIRA SOARES *A Necessidade da Arte - Ernest Fischer; História da Pintura Moderna - Herbert Read; Robert Hughes para a revista O Guardião da Arte; Bertold Brecht é citado, bem como os demais no curso Arte Moderna e Contemporânea - Programa do curso e textos compilados por Flávia Ramos


EDUCAÇÃO | OLIVERCON CURSO DE DIREITO Universidade de Ijuí O Curso de Direito da Unijuí/Câmpus Ijuí recebeu o conceito máximo, cinco (5), no processo de avaliação do Ministério da Educação para fins de renovação de reconhecimento do curso. Foram três as dimensões avaliadas. A primeira, a organização didático-pedagógica, considerou o Plano de Desenvolvimento Institucional, projeto pedagógico do curso e as diretrizes curriculares nacionais. A segunda relacionou-se ao corpo docente, e a terceira dimensão, avaliou a infraestrutura. O conceito 5 representa o resultado do trabalho conjunto entre professores, funcionários e alunos, ao longo dos 29 anos do curso, e a responsabilidade que o curso tem com a sociedade, por meio de projetos de pesquisa e extensão, aliados à atuação do Escritório Modelo e do Balcão do Consumidor. COLÉGIO TIRADENTES Brigada Militar É um dos sete educandários de Ensino Médio existente no Estado dentro da estrutura da Brigada Militar. Tem por filosofia proporcionar ao aluno condições para o desenvolvimento de suas potencialidades, habilidades e capacidades, com ensino baseado na disciplina. O Colégio Tiradentes está dentre as melhores escolas de Ensino Médio no Estado, e em pouco mais de 5 anos de existência em Ijuí, ocupa o 1º lugar no município e região pelos resultados do ENEM, nos últimos 2 anos consecutivos. Hoje, é a 2ª escola pública da rede estadual de todo o Estado, sendo superado apenas por aquela que inicialmente lhe serviu de referência, o CTBM Porto Alegre. No ano letivo de 2015 conta com mais de 200 alunos, e 50 desses vão concluir o Ensino Médio, gerando muitas expectativas positivas. NÚCLEO SOCIAL DE IJUÍ Lar Henrique Liebich O Núcleo Social de Ijuí é um programa social desenvolvido pelo Lar da Criança Henrique Liebich, desde 2008, em turno inverso à escola, para atendimento a crianças e adolescentes com idade entre 6 e 16 anos. Atualmente, atende 70 crianças e adolescentes. O projeto é desenvolvido nas dependências do Lar da Criança, beneficiando famílias moradoras de 11 bairros. A Oficina de Apoio escolar tem como objetivo desenvolver, em parceria com as escolas, atividades voltadas para as dificuldades de aprendizagem de cada participante do programa, buscando sempre a sua autonomia. Cada turma, separada pelo seu nível escolar, tem atividades basicamente voltadas às disciplinas de português e matemática.


CULTURA | COTRIJUI FESTIVAL CANTO DE LUZ Aberto a todos os Estados do Brasil, inclusive os países do Mercosul, o festival destaca os costumes do gaúcho brasileiro e do “gaúcho” argentino e uruguaio. Nasceu na ideia de compositores e músicos ijuienses que avistavam um passado glorioso, quando em oito oportunidades, nos anos 1980 e 1990, foi realizado o Canto Farroupilha. Passados quase 20 anos da extinção daquele festival, surge o Festival Nativista Canto de Luz, nome voltado à história da energia elétrica no município. É uma realização da Prefeitura Municipal de Ijuí, com a Associação Cultural Canto de Luz. Ocorre em quatro noites, entre a fase local e regional. As composições selecionadas compõem o CD e DVD do festival. Sua 4ª edição está agendada para o próximo mês de novembro.

EPOPEIA IJUHY Fenadi 2014 É um documentário emocionante que retrata a saga dos primeiros colonizadores da Colônia Ijuhy, lançado na Expo-Ijuí/Fendi 2014. Em filme, combinado a uma atuação teatral, reúne depoimentos comoventes das diversas etnias formadoras da população de Ijuhy, Primeira Colônia da República no Rio Grande do Sul e considerada Colônia Multiétnica Pioneira no Brasil. Nos primeiros anos de colonização, a partir de 1890, Ijuí recebeu descendentes de 20 etnias. Imigrantes, filhos, netos e bisnetos contam na Epopeia suas histórias e descrevem as emoções, as dificuldades e, principalmente, a coragem dos seus antepassados, desbravadores destas terras.

CENTRO DE ARTE PROFESSOR PARDAL O Centro Municipal de Arte Educação Professor Pardal, mantido pelo Município de Ijuí, através da Secretaria Municipal de Educação, atende crianças em turno inverso às aulas regulares do Ensino Fundamental das escolas da rede pública municipal. Oferece oficinas de arte popular, musicalização, teatro, prática circense, ginástica, dança e arte visual. Desde 2003, o Centro Professor Pardal está sob a direção da professora Sandra Donato, e a Oficina de Prática Circense sob a coordenação do professor Fábio Novello. Nestes mais de 10 anos, a Oficina de Prática Circense cria, produz e apresenta espetáculos com enfoque de diversas temáticas, e neste ano de 2014, tem em cartaz o espetáculo “Liberty” que traduz em suas performances e cenas a essência que a ousada oficina de técnica circense propõe.


SAÚDE | CLÍNICA MATER DEI CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA UNIJUÍ A Clínica Escola de Fisioterapia é um espaço de integração prática e teórica, onde os estudantes de Fisioterapia desenvolvem atividades supervisionadas pelos professores, em prol da comunidade. As ações desenvolvidas vão desde o diagnóstico baseado na funcionalidade e independência até a reabilitação de pacientes pediátricos, adultos e idosos, com diferentes patologias e necessidades. A atuação na clínica escola abrange as áreas de fisioterapia em ortopedia e traumatologia, reumatologia, cardiorrespiratória, oncologia, neurologia e disfunções pélvicas. Também atua na promoção, educação e manutenção da saúde, com atividades em grupos com sujeitos protetizados, amputados e idosos. A população do município de Ijuí e região pode usufruir deste espaço mediante o pagamento de um valor simbólico.

INSTITUTO DO CORAÇÃO Hospital de Caridade de Ijuí O Incor abrange atendimento à uma população estimada em 1,7 milhão de pessoas, em 130 municípios da macrorregião missioneira, com atendimentos em Cardiologia Intervencionista, Eletrofisiologia e Procedimentos Endovasculares, e contando com uma UTI Coronariana. Com o que há de mais moderno em tecnologia e profissionais especializados, garante segurança, conforto e eficiências diagnóstica e terapêutica para prevenir e tratar doenças cardiovasculares. Conta com 25 médicos cardiologistas, especializados em Cardiologia Clínica, Cardiologia Pediátrica, Cardiologia Intervencionista, Cardiologia Intensiva, Cirurgiões Cardiovasculares e Ecocardiografistas.

PASTORAL DA SAÚDE Paróquia São Geraldo A Pastoral da Saúde da Paróquia São Geraldo atua há mais de 20 anos, de forma voluntária. O grupo é formado por 15 mulheres que dedicam pelo menos um dia da semana para a produção de medicamentos naturais. Na cozinha da paróquia, o grupo trabalha na produção de xaropes e tinturas, que ficam disponíveis à comunidade na secretaria da igreja. São comercializados a preços simbólicos, apenas para a compra de novos ingredientes. O objetivo não é substitui a medicina convencional, mas colaborar com ela. Assim, as voluntárias também realizam cursos e palestras para ensinar as pessoas como utilizar os recursos naturais que têm em suas casas na prevenção e tratamento de doenças.


AÇÃO SOCIAL | STILETTO

SABEVE Sociedade de Amparo e Bem-Estar da Velhice foi criada em 1970, no espírito norteador das “Aldeias ÁGAPE” de amor incondicional ao próximo. Acolhe 39 internos que ocupam apartamentos individuais, geralmente mobiliados com seus próprios pertences, o que lhes garante melhor adaptação e manutenção dos vínculos com suas histórias de vida. Atividades diversificadas de lazer e entretenimento são proporcionadas por trabalhos voluntários. Quando, gradativamente, apresentam maior dependência passam a usufruir de cuidados especiais e permanentes, de parte de equipes multidisciplinares. A instituição tem altos custos de manutenção, nem sempre cobertos pelas famílias dos internos, e sua sobrevivência depende muito de ações voluntárias, principalmente (e historicamente) desencadeadas pela Comunidade Evangélica Ijuí, ligada à IECLB, e seus departamentos, como a Ordem Auxiliadora das Senhoras Evangélicas (OASE) e a Legião Evangélica (LELUT). Tais trabalhos são, frequentemente, realizados no anonimato.

FÓRUM PERMANENTE DA MULHER A criação do Fórum Permanente da Mulher (FPM) é o exemplo da implementação de um espaço de debate e ação não-institucional do movimento de mulheres, que permite às instituições e entidades, bem como qualquer cidadão, individualmente, somar-se à luta pelos direitos das mulheres, atuando de forma organizada, e assim, com mais força. Logo nos primeiros encontros verificou-se o crescente envolvimento das representações da Ordem dos Advogados de Ijuí, Ministério Público, Delegacia de Atendimento Especializado da Mulher, Unijuí, 17ª Coordenadoria Regional de Saúde, União Brasileira de Mulheres, 36ª Coordenadoria Regional de Educação, Brigada Militar, Câmara Municipal de Vereadores, Hospital de Caridade de Ijuí e Conselho Tutelar. Em 2008, foi formatado o Protocolo de Intenções, conjunto das entidades e instituições participantes, e desde então, realiza encontros mensais.

AABB COMUNIDADE O programa AABB Comunidade existe há 28 anos, e em Iju, há 17 anos. Desenvolve atividades no turno inverso ao horário escolar, atendendo atualmente 280 alunos dos 6 aos 18 anos incompletos. Oferece 16 oficinas com diferentes educadores, entre elas, música, tênis, xadrez, bijuterias, jogos cooperativos e ginástica. São parceiros do programa a prefeitura, por meio da Secretaria de Educação, e a Fenaabb - Fundação Banco do Brasil, que financiam partes de tudo que é proporcionado: uniformes, alimentação, material escolar e de todas atividades ofertadas, bem como os professores que atuam. Em Ijuí, acolhe educandos das Escolas Estado do Amazonas, Deolinda Barufaldi, João Goulart, Ruy Ramos, Thomé de Souza, Chico Mendes, LuisFogliatto, Emil Glitz, Carlos Zimpel, Centenário, Boa Vista entre outras.


EMPREENDEDOR | ACI GILBERTO WEBER Mundo Doce Proprietário da Empresa Mundo Doce e Weber Distribuidora consolidada há mais de 30 anos no mercado, Gilberto Weber herdou dos pais o gosto por empreender no ramo. Hoje as empresas são referência regional em produtos para consumo e fabricação de doces, chocolates, sorvetes e afins, no varejo e atacado abrangendo uma variedade de mais de três mil itens disponíveis aos clientes. É formado em Ciências Contábeis, e sua marca principal é o entusiasmo com o qual realiza seu trabalho. Na loja, busca inovar e combinando as novidades nacionais e internacionais com os tradicionais doces consumidos no passado. Hoje a Mundo Doce também dispõe de produtos sem glúten, sem lactose, dietéticos e para regimes especiais. JACSON WEICH LEMOS Estruturar Engenharia e Automação Natural de Ijuí, Jacson é casado com Áurea Lisiane de Freitas Teixeira que também é sua sócia. Formado em Engenharia Elétrica pela Unijuí e com mestrado em Eletrônica de Potência pela Universidade Federal de Campina Grande, é proprietário da empresa Estruturar – Engenharia Elétrica. Atua também como professor universitário no curso de Engenharia Elétrica da Unijuí. Antes de se tornar empresário, trabalhou como técnico em eletricidade em empresas de Ijuí, e em uma empresa de automação na cidade de Rhede, na Alemanha, retornando ao Brasil em 2008 para investir em seu próprio negócio, com foco em sistemas para automação residencial e sistemas de áudio/vídeo. Hoje, a Estruturar é a principal referência regional em automação residencial e atua em mais de 20 municípios da região Noroeste, com obras, inclusive, em outros Estados e projetos no exterior.

LUIZ TADEU DORNELES Roda Bem Auto Center O empresário Luiz Tadeu Dorneles, casado com Solange Bertoldo Dorneles, começou a empreender em 1992, quando abriu a Borracharia do Tadeu. Com a aceitação dos clientes, o empresário decidiu investir na ampliação de seu espaço e dos serviços, e em 2011 inaugurou em instalações amplas a Roda Bem Auto Center, em sociedade com a esposa. Colocou em prática a proposta de oferecer uma infraestrutura completa, com profissionais qualificados e capacitados em serviços de manutenção e reparação automotiva. A Roda Bem disponibiliza atendimento automotivo completo - geometria, suspensão, balanceamento, freios, escapamentos, amortecedores e borracharia em geral, e comercializa as melhores marcas de pneus.


EMPREENDEDORA | PORTAL IMÓVEIS

ESTELA MARIS HEDLUND Estela Maris Ind. Móveis Alumínio Atua em Ijuí na área da indústria como sócia diretora e fundadora da empresa Estela Maris Indústria de Móveis Alumínio, ramo que escolheu com a disposição de trazer produtos novos, de qualidade e inovadores para a região. Criativa e perseverante, são suas características, tanto na vida pessoal como no trabalho. A empresa pesquisou nos grandes centros do País a tecnologia necessária para a fabricação própria dos seus produtos, e hoje conta com um portfólio variado de móveis, tudo com alto padrão de qualidade e ótimo acabamento, baseado nos conceitos de design, conforto e durabilidade. A empresa também oferece calefatores com sistema de dupla combustão.

ADRIANE KOZENIESKI Le Mond Lojista há mais de 20 anos, Adriane Kozenieski é administradora das lojas Le Mond de Ijuí, Santo Ângelo e Santa Rosa, e proprietária das lojas Thyers Ijuí e Santo Ângelo, e Armazém Biju em Ijuí. Julga-se uma mulher objetiva, profissional, sincera e apaixonada. Seu interesse por moda, bolsas e acessórios surgiu do ofício da mãe costureira. Natural de Tuparendi, já morou em várias cidades e sempre teve lojas. Casada com Luiz Carlos Kozenieski e mãe de Luigi e Geancarlo, Adriane destaca como sua marca pessoal ser apaixonada pelo que faz, e no profissional, sua característica é trabalhar com o objetivo de melhorar sempre. Em 2014, a Le Mond de Ijuí foi ampliada, transformando-se na maior loja de moda e estilo da região.

LETICIA GIOVELLI Aquarella Kids Com formação em Farmácia pela Unijuí e, mestrado em Análises Clínicas pela UFSM, Letícia optou em investir no ramo de eventos. Em 2012, abriu a Aquarella Kids Buffet, por constatar a necessidade das mães de um espaço diferenciado e apropriado para festas infantis, que se tornaram hoje grandes eventos que marcam na vida de cada criança e suas famílias. Oferece uma infraestrutura que inclui o necessário para a realização do aniversário da criança em um único local, exclusivo, especializado e já com variados brinquedos à espera da garotada se divertir e aproveitar, o que ainda não havia em Ijuí. Além da infraestrutura, A Aquarella Kids oferece serviço completo de buffet e uma equipe treinada e qualificada. Seu foco é a cada ano inovar, acrescentando novos brinquedos e novas atrações.


PROFISSIONAL | CARHOUSE TOYOTA

MAURICIO SOUTO Ortodontista Graduado em Odontologia pela Universidade Federal de Santa Maria –UFSM, em 1988, fez curso de Reabilitação Neuro Oclusal (Ortopedia Funcional dos Maxilares) no Instituto Dr. Pedro Planas, em São Paulo, em 1994, e depois Especialização e Mestrado em Ortodontia e Ortopedia Facial pela Universidade Cidade de São Paulo. Mantém participação efetiva e constante em cursos e congressos de sua especialidade. É membro da Sociedade Paulista de Ortodontia. Em suas clínicas, atua exclusivamente na área de Ortodontia e Ortopedia Facial, atendendo crianças, jovens e adultos. Realiza seu trabalho há 27 anos com dedicação e seriedade, utilizando tecnologia de ponta, sempre aliada a novos conhecimentos. Em Ijuí atua desde 1998.

EMILIO ANDARY FILHO Cirurgião Plástico Emilio Andary Filho é médico pioneiro em cirurgia plástica em Ijuí e região. Realizou sua especialização na Clínicas Planas, em Barcelona/Espanha, uma das mais conceituadas da Europa. Atuou em Porto Alegre, Buenos Aires, antes do retorno a Ijuí, nos anos 1980, para abrir a Clínica Andary, a primeira do Estado concebida especificamente para cirurgia plástica, com infraestrutura completa para procedimentos e internações. Entre os principais procedimentos, realiza cirurgias de face, rinoplastia, lipoaspiração, mamoplastia, reconstrução mamária e prótese de mamas. Considera fundamental aliar o conhecimento técnico à psicologia para conseguir os melhores resultados dentro de seu principal objetivo, que é harmonizar corpo e espírito.

CRISTIANO VIECILI Engenheiro Civil Engenheiro Civil formado desde 2003, pós-graduando em Avaliações, Auditoria e Perícias da Engenharia pelo IPOG em Porto Alegre, é diretor/proprietário da Athos Engenharia e Construções. No ramo profissional destaca sua experiência em execução de obras residenciais e comerciais, fiscalização de obras, incorporação, elaboração de contratos, vendas, avaliações de imóveis, projetos, análise de projetos, elaboração de projetos hidráulicos e sanitários, PPCI, orçamentos, planejamento, cotações, cronograma físico-financeiro, compras. Na Athos Engenharia e Construções foi responsável pela execução de mais de 10 mil metros quadrados de obras residenciais e comerciais, individualizadas e entregues.


PROFISSIONAL | CONFRARIA RESTAURANTE

JUSSARA PINTO Médica, empresária É formada em Medicina pela Universidade de Passo Fundo e em Anestesiologia pela Santa Casa de Misericórdia, em 1994. Em 2004 realizou pós-graduação em Intensivismo e em 2006, pós-graduação em Auditoria Médica. Em 1995 passou a atuar na UTI do Hospital de Caridade de Ijuí como plantonista e intensivista, trabalho que exerceu concomitantemente à Anestesiologia durante 16 anos. A partir de 2011, devido a forte demanda de cirurgias, deixou a UTI e passou a trabalhar exclusivamente no Bloco Cirúrgico. Deste 2002, ao lado do marido Mario Jung, atua com sucesso no comércio, com a Óptica Wolff, tendo neste ano aberto a primeira filial, a Ótica Wolfstreet, ambas no centro de Ijuí. LORENA COSSETIN Empresária cultural Professora, produtora cultural, doutora em Ciências da Cultura Física, diretora e proprietária da Academia Movimento e da Casa de Dança, com cursos de aperfeiçoamento em dança no Brasil, Cuba, Argentina, Estados Unidos e Itália e atuação de mais de 30 anos na área. Ministra workshop em escolas, academias e clubes em várias cidades do Estado. É a idealizadora do 1º, 2º e 3º Encontro Estadual de Dança, 1º Dança, Luz e Movimento e do 1º Mercoijui de Dança de Salão, neste ano promove o 4º Encontro Estadual de Dança. São projetos aprovados pelas Leis de Incentivo à Cultura (LIC) e Rouanet, com o objetivo de incentivar, capacitar e democratizar a dança, levando esta arte a todos pela gratuidade das ações desenvolvidas. Também realiza ações para crianças e jovens em situação de vulnerabilidade, promovendo inclusão pela arte e cultura.

ILHANA VENDRUSCOLO Advogada É paranaense de Francisco Beltrão, e reside em Ijuí desde os 17 anos, quando iniciou a Faculdade de Ciências Físicas e Biológicas e Biologia, tendo inclusive iniciado o mestrado em Botânica, na UFRGS. Foi professora de Biologia por cinco anos. Inscrita desde 1999 na OAB/RS, passou a exercer advocacia de forma exclusiva e efetiva. Especializou-se em Direito Processual Civil, obtendo o título de especialista pela Unijuí. Atua na comarca de Ijuí, e sua carteira de clientes é formada na maioria por empresas, em consultoria, contratos e distratos e defesas trabalhistas. Casada com Naur Vendruscolo, tem dois filhos, Tiago e Shana. Hoje dedica entre 10 a 12 horas por dia à profissão, o que faz com muita leveza e satisfação: para ela, advogar é mais que profissão - é uma paixão.


SOCIEDADE ATUAÇÃO | POCHMANN

CENTRO DE EVENTOS VALLE VERDE Inaugurado em 2008, o Valle Verde Centro de Eventos é o mais versátil e um dos maiores centros de eventos da região. São 6 mil metros quadrados de área total que sediam eventos variados, como casamentos, aniversários, formaturas, campeonatos, encontro de famílias, empresas e muito mais. O Valle Verde destaca-se por sua área verde, colocando o evento em total harmonia com a natureza. Situa-se em local privilegiado, com fácil acesso, próximo a BR-285 e a 3 quilômetros do centro de Ijuí. Possui estacionamento privativo para aproximadamente 300 veículos. De propriedade da Família Nonnemacher, é dirigido pelo casal Stela Nonnenmacher e Clóvis Schmidt, e os pais de Stela, Ercí e Osvino Nonnenmacher.

ROTARY CLUB IJUÍ - Baile do Chopp O Rotary Club de Ijuí realizou neste ano a 46º edição de seu tradicional Baile do Chopp, evento que se notabilizou em nossa comunidade por sua capacidade de arrecadação e pelo engajamento social conquistado ao longo destas quatro décadas e meia de atuação. A iniciativa visa arrecadação de recursos que viabilizem os projetos sociais e comunitários em nossa cidade. Historicamente, o clube empenhou seus esforços para projetos relacionados à área da saúde, possibilitando a ampliação de alas hospitalares, aquisição e instalação de equipamentos, compra de utensílios e materiais essenciais para o atendimento médico de base, auxílio na formatação de centros de saúde especializada e projetos de maior complexidade. Neste ano, no entanto, os resultados do evento foram destinados para o atendimento à demanda da segurança pública.

BPW IJUÍ - 10 anos Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais A organização não-governamental BPW foi instalada em Ijuí em outubro de 2005, sob a chancela da entidade de Porto Alegre. A sua fundação foi liderada pela agropecuarista Anelise Baldwing Erig, sua primeira presidente. Com presença em todo o mundo, a BPW dedica-se à troca de experiências entre suas integrantes, promoção de iniciativas conjuntas de valorização pessoal e profissional e de atuação comunitária. Em Ijuí é integrada por profissionais liberais e empresárias de diferentes setores, e tem atuado na promoção de eventos múltiplos, de valorização, de debate, de incentivo e colaboração a entidades. A BPW Ijuí também marca sua presença promovendo ou apoiando iniciativas culturais e sociais. A foto registra ação beneficente no Lar Henrique Liebich, com Anelise Erig, Eliana Chiappetta e Maria Deckert, dirigentes da BPW desde sua fundação. Hoje está na presidência Julieta Sandri.


SOCIEDADE PRESENÇA | PRATIC LINE

NADINE DUBAL Formada em Direito e pós- graduada em Ciências Sociais, Nadine Dubal é pecuarista e empresária. Proprietária da loja Nadine Dubal em Ijuí, comercializando as melhores marcas do mercado em sapatos e acessórios, ela também é consultora de imagem e estilo. Na região das Missões, também teve importante envolvimento com a comunidade quando foi vereadora de São Borja, diretora da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social do RS e secretária municipal da Saúde de São Luiz Gonzaga. Comprometida, exigente, dedicada e responsável com seu trabalho, Nadine busca sempre participar de eventos na comunidade, já que considera importante prestigiar iniciativas locais, primeiramente pelo aprendizado, troca de experiências, e também pelas amizades que se constroem nessas oportunidades. É casada com Rafael Geiss Terra, e mãe de Nelson Marchesan Neto e Mahara Conrad Dubal Terra.

GISELE BARBI WILD Natural de Porto Alegre, mora em Ijuí desde os 4 anos. Farmacêutica e administradora pós-graduada em Marketing, atuou 15 anos como farmacêutica e hoje é CEO das empresas Wild e Cia Ltda e Barbi e Wild Ltda. Depois de três anos da abertura da Mobiliário 21, passou a administra-lá, e acaba de concretizar uma nova loja, a Romanzza. De personalidade forte, acredita muito em seus princípios de vida procurando ter diferentes interesses, porque entende que quanto mais interesses tiver mais interessante a vida fica. Gosta de gente elegante, verdadeira e sincera. Acredita muito na nossa cidade e por isso procura participar de todos os eventos que são proporcionados. Incentiva novos projetos, e quando os considera promissores, colabora de forma a fazer com que eles se concretizem. Gisele é casada com Fabricio Assis Wild e mãe de Leonardo Barbi Walter.

ANA CLAUDIA DOS SANTOS Ana Claudia dos Santos é sócia proprietária, junto com o marido Fabio Cunha, da loja Doce Lar, que neste ano completa três anos. Ana destaca que sua dedicação à loja é em tempo integral, e que a paixão pelo empreendedorismo permite que todos os detalhes sejam planejados minuciosamente, pois é a realização de um sonho. Prestigia e dá seu apoio a eventos e iniciativas empresariais e sociais.


INOVAÇÃO | CCAA Casa [a] Arquitetura e Incorporações Com mais de quatro anos de sucesso, a Casa [a] Arquitetura e Incorporações inicialmente se destacou com projetos inovadores, com ênfase em arquitetura residencial de alto padrão. Comandam a empresa o casal de arquitetos Elso Engleitner Filho e Cláudia Legonde, que prioriza o constante aperfeiçoamento. Os profisisonais são pós-graduados em Arquitetura Comercial e Hospitalar, e atualmente cursam mestrado na Unisinos. Em 2014, a Casa [a] lançou o Solaris Residence, primeiro condomínio horizontal de alto padrão da região, que rapidamente tornou-se um sucesso de vendas. Para a entrega das primeiras unidades, surgiu a ideia de lançar uma Mostra de Arquitetura e Decoração, algo raramente visto longe das regiões metropolitanas. A Mostra Espaço [a] realizada em abril, ofereceu aos visitantes, durante duas semanas, 17 ambientes com o que há de mais moderno e criativo no setor. Com mais de 1.500 visitantes, foi um marco do setor e mostrou à Ijuí e região as excelentes empresas e produtos que aqui temos.

Imobiliárias Coligadas A união de empresas do setor imobiliário de Ijuí deu origem a uma nova força no mercado: Imobiliárias Coligadas, resultado de um estudo iniciado em 2013 e que se concretizou no mês de junho de 2014. O trabalho sério e organizado desenvolvido no mercado local e regional pelas imobiliárias, também caracteriza o trabalho desenvolvido por meio da Imobiliárias Coligadas. Esta nova estratégia apresenta-se como uma rede de parcerias para a realização dos negócios, com maior alcance de mercado para os imóveis disponibilizados, fortalecendo relações com os clientes, que passam a ter um grupo de empresas atuando conjuntamente para alcançar melhores resultados. As empresas também formam um grupo para troca de experiências, análise de mercado e capacitação de suas equipes. Assim, o cliente tem um grupo de imobiliárias trabalhando com o mesmo objetivo: fazer o melhor negócio com seriedade e segurança. Integram a rede Coligadas as imobiliárias: Cittá, Kist, Oca, Portal e Taba.

CEAP - Novo Ensino Médio Levar em conta as características da adolescência ao mesmo tempo em que prepara melhor para o futuro. Aprofundar os estudos, mas, também, eliminar os temas de casa e os trabalhos fora da aula. Estas ideias estão no novo Ensino Médio que o CEAP implementa a partir deste ano. A carga de aulas é significativamente maior. São oito aulas diárias de segunda a sexta, em dois turnos, começando um pouco mais tarde do que os demais alunos, considerando o que as pesquisas mostram sobre a necessidade maior de sono e intervalos dos adolescentes.Resultado de um estudo desenvolvido nos últimos cinco anos pelo CEAP, a proposta é considerada ousada e sem modelos semelhantes em toda a região.


MARCA | UNIMED CREHNOR NOROESTE SISTEMA DE COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Criada em 1996 no município de Sarandi, a Crehnor é um sistema de Cooperativas de Crédito Rural, que está presente nos três Estados do País. Importante aliada na dinamização das economias locais, viabiliza crédito à agricultura, em especial à familiar, trabalhando com princípios de participação, transparência, descentralização, cooperação e ética. Conta com mais de 38 mil associados e possui 53 pontos de atendimento cooperativo, em 310 municípios. A Crehnor atua no ramo de crédito para casa própria, financiamentos agrícolas e microcrédito, além de seguros e consórcios primando pelo conforto e qualidade de vida oferecendo produtos e serviços com menores custos e novas oportunidades para as famílias dos associados. IMASA A indústria de Máquinas Agrícolas Fuchs S.A – Imasa, surgiu em 1922, preocupada em atender as necessidades eminentes do processo de colonização do Noroeste do RS. A modernização tecnológica e a evolução na cadeia produtiva fez com que esta indústria buscasse a superação, permanecendo no mercado por mais de nove décadas. No contexto da indústria nacional, a Imasa sempre teve uma participação significativa. Contribuiu de forma decisiva para o desenvolvimento do plantio direto registrando mais de 50 patentes. Hoje, com uma moderna linha de fabricação de plantadeiras sua equipe de engenheiros atende às demandas dos produtores conseguindo configurar a plantadeira de acordo com o estágio em que se encontra a lavoura, oferecendo um trabalho personalizado. Jalmar Martel é o diretor-presidente há 15 anos. CHOPP IJUHY O Chopp Ijuhy, fundado em abril de 2006, tem como sócios-proprietários Walter e João Moura. Produz dois tipos de chopes, o Pilsen e o Malzbier, elaborados com matérias primas vindas da Europa, respeitando a lei da pureza, sem adição de adjunto químico, sendo fabricados apenas com água, malte, lúpulo e levedura. Recentemente, começou a produzir cervejas artesanais de cinco tipos: Stout Chocolate, Vienna Lager, Weizenbier, Irish Red Ale e American Pale Ale. Também as cervejas são produzidas com matérias-primas importadas para garantir o mesmo padrão de qualidade. Junto à fábrica, o Chopp Ijuhy em um espaço para eventos, onde acontecem concorridas comemorações e festividades.


Artista plástica GIANE SOARES concebeu a coruja

Capa da Edição Especial 10 Anos lançada na festa de premiação

1º PRÊMIO STAMPA | 8 DE JUNHO DE 2013 | SOGI | FESTA DE PREMIAÇÃO | CENÁRIOS LÍBERA MARIN


VENCEDORES 1ยบ PRรŠMIO STAMPA | 2013


EDUCAÇÃO: CSCJ - Projeto Digital Lorena Beal recebe de Paulo e Melina Juswiak

HOMENAGEM ESPECIAL: Líbera Marin

PROFISSIONAL :Izaura Melo de Freitas recebe do juiz Vinicius Borba Leão

SAÚDE: Cacon/HCI Airton Buss recebe de Elso Engleitner e Claudia Legonde

CULTURA: União das Etnias de Ijuí Nelson Casarin recebe de Mario Jung e Jussara Pinto


SOCIEDADE | ATUAÇÃO: Clovis e Joice de Jesus recebem de Gessy Ballin SOCIEDADE | PRESENÇA: Carla Mussi recebe de Camila Marin

EMPREENDEDOR : Samir El Ammar (Unicred) recebe de Jocelia da Silva

PROFISSIONAL : Bruno Wayhs recebe de Mauricio Souto AÇÃO SOCIAL: Liga Feminina de Combate ao Câncer recebe de Ana dos Santos

MARCA: Expo-Ijui - Walter Joel de Moura recebe de Breno Pochmann

EMPREENDEDORA: Dulce de Pauli recebe de Bruno Hass


STAMPA | 23


Inverno 2015 da Lua Morena

T

oda mulher gosta de se vestir bem, cada uma com seu estilo, mas todas gostam de estar antenadas e saber um pouquinho sobre as tendências. Entre as principais tendências do inverno 2015 estão o jeans de cintura alta, as listras, bordados e o couro fake, combinados em uma seleção de cores como o bordô, vermelho, marsala, tons de verde, azul marinho, tons terrosos, mostarda, preto e branco, que estarão em alta nas ruas de todo o Brasil. Entre os estilos principais, encontramos o Boho com inspiração no universo hippie, étnico, folk e romântico com looks despojados, de franjas, tecidos fluídos e um toque artesanal, que fica com um ar sofisticado (BohoChic), combinando peças e acessórios de inspiração mais moderna e conceitual. A calça flare de cintura alta é a queridinha do inverno 2015, com pe-

gada retrô e lavagens mais escuras, valoriza a cintura e alonga a silhueta, proporcionando ao look um ar ‘hippie chic’. O inverno 2015 marca a volta das estampas, com grafismos inspirados nos anos 70. Estampas geométricas, abstratas e muitas listras, principalmente em vestidos e casacos, convivem com a tendência Jacquard, que, com aparência de bordado, traz luxo e glamour para diversas peças. A tendência em acessórios de colares, brincos e pulseiras é barroca e abundante, produzindo uma aparência mais feminina e sensual. A Lua Morena está sempre antenada com o que está na moda, trazendo as últimas tendências de marcas exclusivas e conceituadas no mundo fashion. Visite a Lua Morena, na Rua 14 de Julho, 199; fone 3333-1727.

A calça flare de cintura alta é a queridinha do inverno 2015, com pegada retrô e lavagens mais escuras


Pallets:

versáteis e originais A ideia é simples e não custa caro, o resultado final torna o ambiente mais atraente e é solução para muita coisa. Objetos decorativos feitos de pallets é a nova onda entre as mulheres criativas e antenadas com as novidades

E

les são grandes, desajeitados e ocupam um bom espaço na casa. Mas se reciclados, os pallets ou paletes, se transformam em objetos decorativos e até mesmo móveis. São inúmeras as possibilidades de reutilizar esse material e utilizá-los na decoração de diferentes ambientes, desde dentro de casa quanto em jardins. Na verdade, os paletes são estrados de madeira utilizados em comércios e indústrias para o transporte de mercadorias. Normalmente essas estruturas, depois de utilizadas eram descartadas, já que não havia motivo para guardar material desse porte. Mas com lixas, tintas, verniz, criatividade e muita disposição elas se transformam. Para que a ideia tome forma, basta unir aos paletes outros materiais como vidros, colchões e almofadas. Primos dos paletes, os caixotes de madeiras, também se transformam em artigos de decoração. E esses são ainda mais fáceis de ser construídos. Basta um martelo e alguns pregos e estarão prontos armários, sapateiras, estantes, suporte e porta-revista. Mais difíceis de conseguir, os carretéis também podem se tornar banquinhos ou mesas, dando um toque todo especial aos ambientes. Os cavaletes também são uma opção para decorar com criatividade. Com um tampo em cima, eles viram mesas e escrivaninhas. Esses materiais são fáceis de adquirir, podendo ser encontrados nos supermercados, mercearias e até mesmo na rua. É preciso verificar se estão em bom estado, resistência e se não há fungos ou cupins. É importante lixar o material para retirar as farpas e passar um verniz antes do acabamento final para que tenha durabilidade. A dona de casa Quelen Gohl sempre teve sua atenção despertada para aqueles objetos que ninguém mais quer, e que se utilizados da forma correta, se tornam objetos de decoração; não seria diferente com os paletes e caixotes. Logo na entrada da casa, porta-flor de caixotes de madeiras fazem parte da decoração. Mais à frente, uma cortina de potes de flores feitos de garrafas pets e presos um ao outro fazem a vez de um jardim horizontal. Nos fundos da casa, mais caixotes estão espalhados com flores, dando um colorido ao quintal. “Eu faço artesanato. Aprendi tudo sozinha e hoje posso dizer que

Patricia com a mão na massa: ela fez uma mesa de centro

consigo fazer um trabalho perfeito”, conta Quelen. Para ela, tudo pode ser reaproveitado. Antigos tanques de lavar roupas servem para arranjos de flores, assim como troncos de madeira e pneus usados. As latas de alumínio viram portas-treco, potes para bolachas e aquelas latas de tintas enormes que ninguém sabia para que servem depois de usadas, nas mãos de Quelen se transformam em lixeiras. Apaixonada por MDF e tecidos, ela guarda até mesmo caixas de remédios sem serventia. Mas é na sala da casa que está uma mesa de centro feita de paletes e vidros. “Amo artesanato, acho lindo o trabalho com paletes. É uma coisa tão fácil de fazer, que dá um ar totalmente original e se transforma em algo de valor. Eu dedico meu tempo a personalizar coisas e a satisfação quando termina é enorme”, diz Quelen. Ao ver a mesa na sala da cunhada, a auxiliar de produção Patrícia Bastos não perdeu tempo e tratou de fazer uma para ela. Pegou umas dicas com Quelen, e com pincel e tinta amarela, ela usou o tempo que estava em casa para construir. “Sempre achei legal essas pessoas que fazem esse tipo de trabalho. Um dia, fui à casa do irmão do meu marido, e lá tinha vários desses paletes. Eu estava de atestado por causa de uma conjuntivite e não aguentava mais ficar deitada. Resolvi que ia fazer a mesinha de centro com os paletes. Não tinha o amarelo que eu queria, aí tivemos que mandar fazer a cor, compramos os suportes para pés e fizemos o orçamento do vidro que, por sinal não achei tão caro, R$40. Usei dois paletes, lixei bem os dois no início com ajuda, e depois foram várias mãos de tinta. Levei umas duas semanas para terminar”, relata Patrícia, muito satisfeita com o resultado.

Quelen mostra seu jardim horizontal feito de paletes e garrafas pets 26 | STAMPA


Cineminha BPW

A BPW Ijuí - Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais, promoveu o Cinema Gourmet, combinado com a gastronomia do Gasteiz Vitória, do chef André Sartori do Nascimento e Aline Eickhoff Battú, que serviram os pratos para acompanhar o filme Lady Chatterley. O médico Ari Tech, um apaixonado por cinema, conversou sobre o filme com a plateia feminina.

Festival das Massas O Lions Clube de Ijuí promoveu mais uma edição do Festival das Massas, na Casa da Amizade. A noite teve no cardápio diversos tipos de massas e molhos especiais preparados pelos integrantes do Lions.

Lúcia e Julimar Crescente

Maria Deckert, Ari Tech e a presidente BPW Julieta Sandri

Aline Eickhoff Battú e André do Nascimento

Kevin, Tanize e Marcos Finckler

Tania Sartori, Elizabete El Ammar e Mariane Tech Maria de Lourdes Floriano, Jaqueline e Tania Conrad

Valdir, Maria Luisa e Marli Copetti

Lorena Cossetin e Narda Pissinin

Tania Conrad, Nadine Dubal, Julieta Sandri e Eliana Chiappetta

Mateus Gasparin e Larissa Vendruscolo STAMPA | 27


Clube Ijuí comemora A diretoria comemorou os 110 anos do Clube Ijuí com associados e amigos em uma noite festiva, em 23 de maio. A noite foi de muita interação e diversão entre os participantes, que dançaram ao som da banda Homens de Baile.

Marisa e Gilberto Enriconi Maria Clelia e Aldino Steinhorst

Cesar Luis e Silvana Coppetti

Milton Hermel e Irene Sloczinski

Maria Clenir e Paulo Dill

Vilmar e Ingrid Viecili

Maria Claudia e Ari Mosack

A presidente Narda Pissinin durante o cerimonial, ao lado do secretário Guttenberg e esposa Ingeborg

Ana Rolin e Airton Batista

Silvia Rejane e Elói Tadeu dos Santos 28 | STAMPA

Ivone Burtet Franzen e Lídio Amaral

Elsita e Edevir Weber


Pais e filhos escolheram o Centro de Eventos Valle Verde para festejar o Dia das Mães. Com elas no centro das atenções, as famílias experimentaram um cardápio de muitas delícias elaborado especialmente para assinalar a data especial.

Fernanda, Miguel, Gibran e Lívia El Ammar Ricardo, Naomi e Janni Santiago

Adelair de Lucca Knebel e Angelo Eduardo Knebel

Jossane e Braulio Nonnenmacher, Osvino e Ercí Nonnenmacher, Zilda e Romirtto Diettrich

Allan, Jamille e Cecília Feliciani

Elizabete e Samir El Ammar

Luciano Fuerti, Manoela, Luciana e Romilda Bottega


Na Glasnost

Clericot Beneficente Rotarianas promoveram o 6° Clericot Beneficente, na Casa da Amizade, em ambiente decorado por Líbera Marin Festas & Eventos. A tarde teve desfile da Kika Moda Intíma e Óptica Optigrau mostrando as novidades e tendências para o inverno, e um grupo da Academia Movimento apresentou número de forró e samba. A renda foi destinada ao Cededicai.

Mateus e Daiane Stragliotto

Fairuz Castro e Guilherme Pimentel

As organizadoras do 6º Clericot Beneficente

Vívian, Liz e Fábio Branco Leandro e Ildiane Foletto

Maria Helena, Lara, Tâmara e Soraya

Adriana, Felipe e Fernando Bitelbron

Francine e Ruan Zuchetto

Maria de Lourdes Siqueira Saleske, Nara Ligia Meira e Daiane Pias

34 | STAMPA

Janete Basso e Daiane Mazzurana

Juliana Kühne e Rosani Amaral


Jonatan e Carla

Carlan, Mariane e Claudia

Fabiana e Milena

Juliana e Luciana

Maiara e Jeferson

Silvia e Geovani

Eliane, Raquel e Carlise

Rosi, Vilian e Michele

ClĂĄudia e Celso

Felipe e Camila

Eduardo e Poliana

Betina, RaĂ­za, Adana, Paula e Daniele STAMPA | 31


autorretrato

Natural de Criciúma - SC, o médico otorrinolaringologista Marcos Soares, 32 anos, é casado com a ijuiense Gabriela Gomes Mânica, também médica da mesma especialidade. Formado pela Universidade Federal de Santa Catarina em 2007, fez a especialização em otorrinolaringologia, e em doenças dos ouvidos e implante coclear, no Hospital de Clínicas de Porto Alegre - HCPA/ UFRGS. Atualmente, faz mestrado em Atenção Integral à Saúde pela Unijuí/Unicruz, e ao lado da esposa, atua na Clínica Gama em Ijuí.

Um lugar: Meu lar Uma conquista: A que mais me marcou foi a entrada na faculdade de Medicina Um sonho: Uma família sólida e feliz Uma alegria: O dia do meu casamento Uma tristeza: A morte da minha avó Maria, em 2001 Uma saudade: Da minha família, em Araranguá-SC Quem é chato: Serginho Malandro O que me tira do sério: A carga tributária deste país Uma mania: Ficar batucando nas coisas Marca pessoal:

Marcos Soares

Determinação O melhor presente: Um trompete e uma corrente Quero ir para: Um tour na Europa em breve Adoraria aprender: A tocar piano Não vivo sem: Música Se pudesse compraria: Um sítio aqui por perto para passar os finais de semana Gasto muito com: Atualmente, com os estudos. Melhor hora do dia: A noite, quando chego em casa e estico as pernas Prazer à mesa: Jantares do meu amigo Marcellus Livro marcante: Pai Rico, Pai Pobre, por abrir minha

cabeça e mudar muitos conceitos financeiros Som preferido: Rock e Pop-Rock, muito eclético Filme inesquecível: O impossível Lazer: Minha banda MD. Groove e o tênis É lixo: A corrupção deste país É luxo: Poder morar em uma cidade sem congestionamentos de trânsito Mulher bonita: Minha esposa, claro Se não fosse o que sou, seria: Músico Ijuí é: Um lugar especial que me recebeu muito bem, onde fiz e ainda faço grandes amizades


YÁZIGI IJUÍ agora tem SALA DE CINEMA Espaço projetado pela arquiteta Luciana Menegon no andar superior da escola de idiomas tem todas as características de um cinema, como as poltronas e iluminação

T

endo em vista o fato de que nossa cidade não possui cinema, o YÁZIGI IJUI passa a disponibilizar, neste mês, mais um benefício aos alunos, ex-alunos, seus amigos e familiares: O CINE YÁZIGI, uma sala de vídeo, com poltronas, projetor de vídeo e som estéreo. Esta nova proposta busca agregar experiência na prática de línguas estrangeiras, e também é uma opção de lazer, trazendo um pouco mais da sétima arte para a comunidade ijuiense. Como uma ótima opção de entretenimento para todas as idades, buscando a interação sociocultural, o CINE YÁZIGI está disponível para os alunos de segunda a quarta-feira para práticas letivas, na quinta-feira para reservas de grupos e na sexta-feira para sessões fixas, com venda de lanches. Os filmes que estão sendo exibidos são divulgado na FanPage da escola no Facebook (facebook.com/yazigioficialijui). A todos que desejarem marcar uma sessão para um grupo, poderão fazê-la entrando em contato com a escola pelo telefone (55) 3332-9508, de segunda à sexta-feira, nos turnos da manhã, tarde e noite, sem fechar ao meio-dia e aos sábados pela manhã ou venha nos fazer uma visita, na Rua Barão do Rio Branco nº 489.

STAMPA | 37


MÚSICA

Eles estão de volta Depois de um stop em 2013, quando foi desfeita, a Parada Obrigatória retorna aos palcos, com nova formação e proposta

H

á sete anos na estrada, a banda ijuiense Parada Obrigatória não está apenas de cara nova, como também investe em novo repertório para os shows, mais abrasileirado, enquanto trabalho no lançamento de seu segundo CD. Com o single Final do Mundo, lançado há 10 meses e com mais de duas mil visualizações no youtube, e mais 11 faixas autorais e inéditas, o novo disco é a afirmação da identidade da Parada, que está mais rock do que nunca. “Em nosso primeiro disco experimentamos muitas coisas, mas ainda não tínhamos uma identidade consolidada, éramos muito novos e só queríamos mostrar o nosso trabalho”, conta o vocalista Alexandre Fontoura, que também é um dos fundadores da banda. Atualmente, composta por Alexandre, no vocal e guitarra, Pablo Max, na guitarra, Tiago Rubert, no baixo, e Guilherme da Rosa, na bateria, a Parada Obrigatória nasceu no final de 2007, parando em 2013, quando a então formação se desfez, para logo depois retornar com uma nova proposta. “Após algumas mudanças na banda recomeçamos e vimos nascer algo novo, natural, mais direto, a estrada nos colocou no caminho certo, e agora com um novo disco, podemos dizer que, sim, temos uma identidade só nossa.” O amadurecimento veio dos caminhos trilhados pela banda, desde o anonimato, passando pelo auge do reconhecimento em 2009, quando tocaram nos consagrados festivais Coca-Cola Parc Festival, em março, que consagrou o rock em Porto Alegre reunindo mais de sete mil pessoas, e o Coca-Cola Vibezone, em agosto, que marcou o encerramento do Festival de Cinema de Gramado, até o segundo semestre de 2013, quando a então formação se desfez. Focado em não deixar a banda morrer, Alexandre traçou um novo projeto e foi em busca de pessoas dispostas a abraçar o mesmo sonho, no caminho ele reencontrou Guilherme, também um dos fundadores da banda. Agora, com a formação completa, eles investem em um novo show, o Rock Brasil. “Tem um repertório amplo, e é uma maneira que encontramos de voltar ao mercado. O Brasil tem muito rock bom desde o surgimento do gênero até aqui. Resgatamos algumas

Pablo, Tiago, Alexandre e Guilherme integram a nova Parada Obrigatória

músicas que achamos legais e fizemos nossas versões mesclando, é claro, com alguns sons internacionais que curtimos”, explica. O novo trabalho, que une o Josiane repertório para Baiotto subiuapresentações aos palcos pela e a gravação do disco, sem data de primeira lançamento, previsto para sair em vez paramas interpretar Marian agosto próximo, tem como proposta principal, justamente, de revelar o amadurecimento da Parada Obrigatória, que deixa de lado a conhecida batida romântica do primeiro disco, para trabalhar em músicas mais imersas na individualidade, passeando pelos anseios da humanidade até chegar a situações do cotidiano. “Dessa vez está sendo diferente, sentimos nas músicas que está com a nossa cara, que fugimos do convencional e estamos prontos para um novo start. Está mais rock do que nunca e não dá para descrever. É muita energia, melodias loucas que falam muita coisa boa e de momentos difíceis, uma lição. Resumindo, é um aprendizado que amadureceu com o tempo com muita humildade e trabalho,” define Alexandre. Proprietário da Produtora Laranjeiras, o vocalista trabalha nos mínimos detalhes do álbum ainda em gestação. Empolgado com as novas portas que estão se abrindo, Alexandre não mede esforços, e palavras, para descrever o momento, afirmando que, hoje, a Parada é o que se esperava quando nasceu e que estão prontos para o que der e vier. “O público pode esperar deste novo trabalho, maturidade e um som forte, como já foi percebido no single Final do Mundo, viemos para quebrar barreiras, falar do que poucos falam e mostrar que a vida é uma só, porque mesmo com as dificuldades, temos que lutar sempre pelo bem”, destaca.

Vi, li e recomendo Por Cláudio de Souza Coordenador Regional de Educação

34 | STAMPA

Uma viagem inesperada

O olho da rua

É a história de Corrine e seus dois filhos gêmeos Stephen e Phillip. Logo no início, o filme mostra o transtorno passado pela protagonista ao descobrir que não existe cura ou tratamento para seus dois filhos autistas. Ela decide então se esforçar para que ela e nem seus filhos fiquem presos à doença. Jornada de Corrine é carregada por empecilhos, como o preconceito da sociedade, a discriminação das pessoas. E, assim, ela decide mostrar ao máximo a capacidade dos seus filhos, destacando que a sua dedicação é maior que qualquer problema que pudesse impedir que seus filhos fossem aceitos pelas pessoas da sua cidade. As mudanças se iniciam quando um dos seus filhos é aceito numa escola e o outro vai para a equipe de corrida de Cross Country. A superação alcançada por eles é incrível. Os irmãos alcançam um sucesso que supera todas as expectativas, demonstrando assim que o amor ultrapassa todos os limites da realidade.

A obra apresenta uma coletânea de matérias editadas e comentadas em um livro publicado em 2008 pela ijuiense Eliane Brum. Ganhadora do prêmio Jabuti de Literatura, Eliane consegue em suas reportagens representar a beleza dos assuntos cotidianos misturando técnica com arte, imagens com palavras, literatura com emoção. Mistura ficção com a realidade muita vezes dura. O livro compila 10 reportagens que Eliane Brum publicou na revista Época. A obra tem mais de 400 páginas, entre reportagens na íntegra, fotos e observações da autora sobre sua visão da mesma reportagem, como também das dificuldades em cobrir a pauta. A sensibilidade e a grandeza das palavras transcendem as páginas. São histórias que de tão reais parecem inventadas.

Filme de Gregg Champion

De Eliane Brum


Exclusivo é isso Para adaptar o carro ao seu gosto e estilo, estudante ‘veste’ seu Fusca de oncinha, e circula satisfeita, nem aí para as eventuais críticas

E

las estão cada vez mais presentes no trânsito e o toque feminino no carro para muitas mulheres é imprescindível. Quem não se lembra da Penélope Charmosa, no seu carro cor de rosa, com cílios, sombrinha e muitos detalhes? Mas se ter um carro daquele é quase impossível, por que não adotar o estilo na vida real? É o que algumas mulheres estão fazendo. Se antes elas não eram tão ligadas em personalizar os veículos, hoje a realidade é bem diferente, e lojas especializadas surgiram para atender esse público cada vez mais exigente. Foi pensando assim que a estudante Priscila Andréia Correa da Silva, 23 anos, comprou o Fusca ano 1978 e deu início a um projeto que chama a atenção. De estilo ousado, há cerca de seis meses, ela começou a transformar o carro. Hoje, o automóvel é cheio de acessórios, e até envelopamento de onça ganhou. “A estampa de oncinha predomina e está presente também na parte interna do veículo, e futuramente estará nos tapetes, lixeiras e no teto”, conta a Priscila. Durante esse processo a jovem gastou em torno de R$ 2,5 mil em acessórios, e revela que não vai parar por aí: “Quero investir cada vez mais, pois não pretendo vender o meu carro, e sim começar a participar de exposições de carros antigos com ele. Cada dia, ele fica mais estiloso. As pessoas me param na rua para fazer foto. Acho isso um charme”, diz. Priscila garante que a documentação está em dia, mas de vez em quando o carro é parado na estrada. Não pela polícia, mas pelos fãs. “Todo mundo quer tirar fotos do meu carro”, diverte-se. Apesar do ditado que fala que “gosto não se discute”, há quem critique. Priscila diz que, eventualmente, aparecem comentários negativos, dizendo que o estilo é “brega, cafona e exagerado”. Porém, ela é bem resolvida quanto ao assunto: “É para pessoas que têm estilo e não têm vergonha disso”, afirma. E aconselha: “Quem gosta de ser diferente, que vá em frente, e não se preocupe com a opinião dos outros.”

Priscila e seu Fusca 78: “é para quem tem estilo e não tem vergonha disso”


Perto ou longe, onde vivem ijuienses

Michele Borsa Martinez Com o marido Eric Martinez em San Diego

Michele com o irmão Rodrigo Diel Borsa e a mãe Solange Diel durante a festinha de um ano da filha Olivia; e com a numerosa família americana

A

ijuiense Michele Borsa Martinez mora fora desde 2007. Em Ijuí, ficou a família: a mãe Solange Diel, proprietária do Salão Versátil, onde atua no ramo de estética e beleza desde 1996; a tia Vânia Diel, proprietária da loja Pano Leve; a outra tia Emília Diel, que também é da equipe Pano Leve, e a vó Geni Diel. Em 2007, Michele foi morar em Salt Lake Tahoe, na Califórnia com um visto para trabalhar em um cassino e, de lá, se mudou para San Diego, também na Califórnia, em 2008. Em Salt Lake Tahoe ela morou por 10 meses e, assim que o contrato com o cassino venceu, mudou o visto para estudante e se mudou para San Diego, junto com alguns amigos que fezem Lake Tahoe. “Aqui em San Diego comecei a trabalhar em restaurantes e também comecei a estudar na SDUIS (San Diego University por Integrative Studies)”. Em 2008 conheceu o marido Eric Martinez, casaram em 2009 e tiveram a filha Olivia, em 2012. Em termos de diferenças culturais, ela conta que são bem grandes. “Brasileiros são mais extrovertidos, temos um postura mais relaxada com relação a tudo e, definitivamente, somos um povo feliz por natureza, como diz a música. Aqui, as coisas são levadas mais a sério, regras são respeitadas, as cidades são bem mais limpas, o trânsito não é caótico, as estradas também estão sempre em ótimas condições. Tudo tem um ar bem civilizado e organizado, temos segurança e mais tranquilidade no dia a dia”, conta. Michele ressalta que uma das coisas que ela mais sente é o fato de que o dinheiro americano rende muito mais. “A gente tem bem mais poder de compra, tudo é mais acessível, vamos dizer assim, e isso com certeza impacta a qualidade de vida em geral”. Em abril de 2014, ela, o marido Eric Martinez e a filha Olívia se mudaram para Escondido, que fica na região metropolitana de San Diego. Michele trabalha no ramo hospitaleiro desde que foi para os Estados Unidos, sempre em restaurantes. “Aqui, a área da culinária é extremamente forte, o trabalho é bem dinâmico e corrido mas, depois de todos esses anos na área, a gente se acostuma com a correria”, conta a ijuinese que também trabalha em um banco durante a semana, que se chama JPMorgan Chase. “Gosto muito de trabalhar lá”. Outro momento importante foi que, em 2013, ela tornou-se cidadã americana, ou seja, agora tem dupla cidadania. “Meu objetivo agora é cuidar da minha família, continuar trabalhando bastante, com muito foco na minha carreira no banco, pois é uma empresa mundialmente importante, com possibilidades infinitas pra desenvolver uma carreira”, finaliza. 36 | STAMPA

Michele e Eric moram em San Diego, na Califórnia


Perto ou longe, onde vivem ijuienses

Fabrício Figueiró

Durante o programa de doutorado em Biquímica da UFRGS

O

ijuiense Fabrício Figueiró morou em Ijuí até os 18 anos, com a mãe Ivoni Figueiró, as irmãs Sheila Figueiró e Ana Carolina Brozovitzk que continuam vivendo no município. Seus outros dois irmãos, Leandro Figueiró e Elisandro Figueiró saíram de Ijuí quando ele era criança e o pai Dilani Figueiró faleceu quando ele tinha 10 anos. “Saí de Ijuí basicamente porque queria cursar uma faculdade e não tínhamos condições financeiras para pagar uma instituição particular e também porque almejava uma Universidade Federal, além das opções que uma capital oferece”. Aos 18 anos ele rumou para Porto Alegre visando conseguir um emprego e para fazer curso pré-vestibular. Trabalhava de dia e fazia cursinho à noite. Inicialmente morou com os padrinhos Zilá Figueiró e Gilberto Borsato que, segundo ele, foram fundamentais para o seu processo de mudança. Com esforço, passou no curso de Farmácia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), que cursou de 2006 a 2010. Após a graduação, entrou no doutorado no Programa de Pós-Graduação em Bioquímica da UFRGS, que irá finalizar em junho deste ano. Fabrício cursou a pós-graduação em Pittsburgh, Estados Unidos entre novembro de 2013 a novembro de 2014. “Nesse ano nos EUA tive a oportunidade de fazer algu-

mas viagens e conhecer lugares, entre esses, destaco a viagem que fiz com minha namorada Mariana Colombo, para Flórida, visitando diferentes praias e lugares como Savannah, Naples, Miami, New York, entre outros. Foram 13 dias e aproximadamente 5 mil quilômetros”. Durante o ano que morou em Pittsburgh, Fabrício conta que se deparou com uma realidade bem diferente das que havia vivenciado até então, no Brasil. “A começar pela língua e diferenças culturais, podendo conviver não só com americanos, mas com pessoas das mais variadas nacionalidades como Jamaica, Cazaquistão, Cwhina, Suíça, Grécia, Coréia, Espanha, entre outros. No hospital que trabalhei - Hillman Cancer Center - e amigos que fiz, me senti muito realziado”. Desde novembro do ano passado Fabrício está de volta a Porto Alegre. Regularmente, ele visita a família em Ijuí, o que o encanta pelas felizes lembranças que tem da infância. Questionado sobre o futuro, ele diz que no momento é incerto, mas não descarta um retorno a Ijuí. “A cidade e a região oferecem oportunidades para as diversas áreas, inclusive na docência a qual me incluo, como, por exemplo, na Unijuí. Independente da incerteza de retorno, Ijuí faz parte da minha vida e da minha história”, finaliza.

Em Chicago, durante o inverno americano, e na Estátua da Liberdade, em Nova York, com a namorada Mariana

STAMPA | 41


Gian, em Berlin, Alemanha

De mochilão pela Europa Gian Régis Frick, em companhia do amigo Yuri Morales Brito, se aventurou de mochila pela Europa

G

Com o amigo Yuri na prefeitura de Munique, Alemanha, e no Museu do Louvre, em Paris

ian Régis Frick planejou uma viagem há oito meses e, junto com o amigo e colega de trabalho Yuri Morales Brito, escolheu algumas cidades da Europa. A dupla decidiu fazer mochilão, ou seja, levar o mínimo de coisas e assim facilitar a locomoção, pois queriam visitar seis cidades de cinco países, em 18 dias. O roteiro definido foi: Paris (França), Londres (Inglaterra), Praga (República Tcheca), Munique (Alemanha), Berlim (Alemanha), Amsterdam (Holanda) e Paris novamente para tornar ao Brasil. Mochila pronta e jaqueta na mão, a viagem teve início no começo de abril, saindo de Porto Alegre com destino a Paris. “A chegada sempre é o mais emocionante, pois tudo é novo, país, povo, língua e desafios. Como Paris teria duas paradas, dividimos os pontos de visitação, mas a emoção da chegada fez com que caminhássemos quase toda Paris em um dia”. Lá eles conheceram a Catedral de Notre-Dame, Museu do Louvre, Luxor Obelisk, Champs-Élysées, Arco do Triunfo, Torre Eiffel, Rio Sena e o Trocadero. Gian diz que o mês de abril é perfeito para viajar para Europa, pois está começando a primavera. “Não são dias frios e nem exageradamente quentes, excelente para poder caminhar e curtir a paisagem”. A dupla pegou o Eurostar, trem de alta velocidade, e foram para Londres. “A primeira impressão marcante é a mão inglesa no trânsito, pois além de ser na contramão, o lado do motorista também é na direita”, observa Gian. Dali foram de avião para Praga, República Tcheca. “Ao chegar, achamos que não ia ter como se virar por lá, pois o idioma é totalmente incomum para quem está habituado com o português, espanhol e inglês, até as consoantes são acentuadas, mas não foi empecilho algum, pois a infraestrutura de todas as cidades visitadas proporcionam a qualquer pessoa o fácil deslocamento para qualquer ponto com transporte público, apenas usando um mapa para se localizar e orientar”. Depois, seguiram para Munique, Alemanha, onde visitaram uma das cervejarias mais antigas, a Augustiner. Em Amsterdam, Holanda, mais um desafio: o idioma. “Amsterdam é uma cidade muito animada, colorida e com pessoas de todos os cantos do mundo. Não dá para ir à cidade sem visitar o museu do Van Gogh e seu famoso letreiro gigante - Amsterdam, bem como a famosa cervejaria Heineken e curtir a experiência de se tornar uma cerveja e degustar o chopp saído direto da fonte.” De volta à Paris, eles fizeram os últimos passeios. “Erramos o horário do trem e perdemos a locomoção, então entra em cena o desafio do mochilão: como ir para Paris? Após algumas horas correndo e passando um sufoco descolamos uma carona, de ônibus, para Paris, onbde chegamos após 8 horas de viagem. “Assim foi possível aproveitar os últimos três dias da viagem em Paris, de forma mais tranquila, curtir novamente os pontos famosos, e se preparar para retornar ao Brasil”, finaliza Gian.


VIAGEM

No Zoo Luján, Aliny se encorajou a segurar uma jibóia amarela

Nos caminhos do tango A professora de dança e empresária Aliny Minosso foi a Buenos Aires no mês de abril, fez o roteiro turístico e se encantou com as atrações portenhas

A

liny Minosso sempre gostou de viajar. Em abril, seu destino foi Buenos Aires denominada “Pelos caminhos do Tango”. “Não tive dúvidas, adiei alguns compromissos e arrumei minhas malas. Ainda não conhecia a capital Argentina, apenas aos redores, onde também tive minha trajetória em dança”. A viajem lhe proporcionou muitas alegrias, lugares que queria conhecer. Buenos Aires é uma das 20 maiores cidades do mundo e um dos mais importantes destinos turísticos, conhecida por sua arquitetura de estilo europeu e por sua rica vida cultural, com a maior concentração de teatros do mundo, e foi o que Aliny pôde constatar em tão pouco tempo. “Conheci as principais ruas de Buenos Aires, a avenida considerada mais larga do mundo e o ponto mais marcante da cidade, o Obelisco. Fui aos lindos e famosos cafés da capital com ambientes incríveis”. Ela conheceu a histórica Praça de Mayo, onde a cidade começou a ser construída, a Catedral Metropolitana e, ao lado, o prédio onde morava o Papa Francisco, e visitou a Casa Rosada, atual sede do poder executivo da Argentina. Aliny ressalta que não poderia deixar de visitar o colorido bairro de La Boca, fazendo o passei pela rua-museo de Caminito, já aproveitando para dar uma passada na La Bambonera, a casa do clube Boca Juniors. Outro lugar visitado pela ijuiense foi o Zoológico de Luján, onde pôde ter entrar nas jaulas e ter contato direto com os animais, que traduziu como um aexperiência maravilhosa. E tem mais: “O passei ao Delta do Tigre foi algo muito marcante a agradável na minha viagem. A bela paisagem que pude ficará para sempre nas minhas lembranças. Praticamente uma cidade inteira em ilhas, com lindas casas com trapiches, um rio limpo e muito verde”. Um dos lugares que Aliny também descreve como maravilhoso e para onde quer muito voltar é o Señor Tango, a casa de tango mais conceituada do mundo. “O ambiente e o show é de se emocionar, realmente inesquecível. O roteiro de tango superou minhas expectativas, fiz muitas amizades, me diverti muito, a turma foi maravilhosa e quero muito voltar. Quero conhecer os lugares que não deu tempo de conhecer, e olha que são muitos. Buenos Aires é demais, é onde o coração bate mais forte, é onde quero estar outra vez.”

No bairro La Boca

Passeio pelo Delta do Tigre

STAMPA | 43


NAS ESCOLAS

Como você usa a internet?

“Eu gosto de acessar a internet, mas ultimamente não estou acessando, pela falta de tempo. Utilizo quando acredito ser necessário, por exemplo, para pesquisar assuntos interessantes, curiosidades e fazer trabalho da escola. Acho que a internet é uma ferramenta muito interessante, então procuro usar mais para pesquisas do que para entretenimento, como as redes sociais” Renata Schier, 18 anos - 3º Ano – Polivalente

“Sempre que posso me mantenho conectada, porque acho que isso é importante nos dias de hoje. Geralmente, eu acesso à noite, mas sempre dou uma olhada no face e nos sites em geral. Eu uso bastante a internet, mas procuro não me tornar uma pessoa viciada, tento usar com moderação”. Paola Leal Goes, 16 anos - 3º Ano Polivalente 40 | STAMPA

“Procuro ocupar a internet para procurar alguma informação. Na maior parte das vezes eu pesquiso notícias, músicas, novidades em jogos, e dependendo do tempo, passo conectado umas duas horas por dia. Para escolher o que eu vou acessar, eu dou uma conferida se aquele site ou assunto é interessante e relevante, pois se é algo viral, não procuro saber”. Juarez Freitas dos Santos Junior, 17 anos 3º Ano, Polivalente

“Eu acesso à internet controladamente, não tenho um horário estipulado pelos meus pais, mas procuro fazer outras coisas também. No celular, utilizo quando é preciso, muitas vezes para conversar com meus colegas sobre trabalhos e para acessar as redes sociais. Tenho preferência por acessar sites sobre músicas, coreografias de dança e assuntos abordados na escola”. Alicia Christmann Mattioni, 16 anos - 2º Ano, CSCJ

“Eu costumo acessar a internet todos os dias, no horário em que eu estiver livre. Gosto de pesquisar e visitar sites que falem sobre videogame, pois é um assunto que me interessa. Além disso, eu acesso as redes sociais no celular, no mínimo umas três horas”. Arthur Oliveira Cogo, 16 anos - 2º Ano, CSCJ

“Eu uso a internet diariamente, porém não uso muito o computador, na maior parte do tempo fico no celular. Prefiro reservar a tarde e a noite para o uso da internet, pois de manhã estou na escola. Eu normalmente pesquiso assuntos da escola se preciso fazer algum trabalho, músicas e notícias”. Victoria Chechibinelo, 15 anos 2º Ano, CSCJ

“Eu não estipulo um tempo para acessar a internet, mas nas horas vagas eu tenho o hábito de utilizar. Na maior parte das vezes, eu pesquiso sobre a economia no Brasil e no Mundo e notícias em geral, porém também reservo um tempo para interagir nas redes sociais”. Lucas Dummer Neuhaus, 15 anos - 2º Ano, CSCJ

“Quando tenho um tempo livre normalmente fico no computador e na internet. Eu uso a internet para procurar jogos online, vídeos interessantes e engraçados, músicas e pesquisas escolares. O tempo em que eu fico em frente ao computador é em torno de umas seis horas, frequentemente à noite”. George Metz Bier, 15 anos - 1º Ano, Polivalente


NADINE DUBAL Bota Over Morena Rosa - 4x R$ 142,50; bolsa Loucos e Santos - 4x R$ 127,50

O BOTICÁRIO 7 Tentações em forma de fragrância - R$ 89,00 cada

ASPECTUS MODA MULHER Colan S.F. 4x R$ 77,00; saia S.F. 4x R$ 71,00

BOUTIQUE NINAR Carrinho Uran Chicco - R$ 2.615,45

LUA MORENA Blazer Alfaiataria - R$ 189,90

BEBIDAS 24 HORAS Cesta de café da manhã - R$ 148,90 GEMA INFANTIL Camisa Lacoste R$ 191,90 e calça - R$ 154,90 PRATIC LINE Vitamix - R$ 29,90

DECORPORE Blusa rosa R$ 88,40; leg R$ 86,00

POCHMANN Dumont troca pulseiras - 8x R$ 52,90 LE MOND Cinto Lança Perfume - R$ 168,00

DOCE LAR Edredom Hedrons Plush Crocco casal R$ 258,00, em até 3x ou R$ 225,00 à vista

HYDROLUX Bacia com caixa acoplada Incepa - R$ 589,00

FRANCO PERSIANAS Papel de parede Importado medalhão e listado bobina de 5m² - R$ 220,00

POCHMANN Relógio Technos KARISMA troca pulseira masculino - 10x Emocione - FOR MEN Camisola de R$ 134,40 R$ 99,77 ou em 4x R$ 24,95 For Men - Camisa de algodão - R$ 86,00 STAMPA | 45 41


Humor & Cia Colabore com este espaço. Mande temas divertidos para: stampa@jornaldamanhaijui.com

O Google é que nem mulher: antes de terminar a frase, já dá palpite!

- Paiê! Tirei 7.2 no exame! - Que bom filho, parabéns! Mas que exame foi este? - No bafômetro... e ficaram com seu carro!

Mulher é que nem abelha: ou tá um mel, ou tá te ferrando!

‘‘

ENTRE ASPAS

“O cara só é sinceramente ateu quando está muito bem de saúde.” Millor Fernandes (1923-2012), desenhista,

humorista, dramaturgo, escritor e tradutor brasileiro

42 | STAMPA


Stampa junho  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you