Page 1

m age Im

s Ilu Imag em Ilu strati

va

a ti v tra

PASSAPORTE

MENU Delícias juninas de milho (Pág. 19)

Turismo e futebol – conheça mais sobre Polônia e Ucrânia, países sedes da Eurocopa 2012 (Pág. 18)

ANO 3 - EDIÇÃO 33

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

GLEBA

Genuinamente Palhano

Jornal da Gleba

Por que morar aqui custa mais caro?

De serviços a produtos, tudo parece custar acima do que é cobrado em outras partes da cidade Jornal da Gleba

PERFIL

ELEIÇÕES

Gleba Palhano representa 1% do eleitorado londrinense (Pág. 08) MEIO AMBIENTE

Água para todos e consciência para poucos (Pág. 14)

Trabalho voluntário de Léo Pires Viana leva obra de Monteiro Lobato a crianças e professores (Pág. 03)

(Pág. 04)

HYPERLINK

Mural digital - Pinterest (Pág. 15)

JUNHO DE 2012


2

JORNAL DA GLEBA - JUNHO de 2012

PONTOS DE DISTRIBUIÇÃO EDITORIAL Junho, mês de temperaturas baixas, Filo, festa junina e novidades no Jornal da Gleba. Faltando poucos meses para as eleições municipais, iniciamos uma série de reportagens sobre diversos aspectos do próximo pleito. Vamos esclarecer algumas dúvidas que pairam em torno desse assunto, além de mostrar o cenário político da nossa cidade e também do nosso bairro. Você já notou que paga mais caro por alguns serviços e produtos só porque mora na Gleba Palhano? Essa é uma queixa que recebemos muitas vezes ao conversar com moradores do bairro. Muitos protestam de uma suposta taxa gleba.

Procuramos entender o porquê dessas reclamações e o que o Procon tem a dizer sobre o assunto. Na editoria Viva, o destaque gira em torno da vacina anti-idade, que promete retardar o envelhecimento e amenizar os efeitos do tempo. Confira também a reportagem da jornalista Bárbara Blanski sobre o uso correto da água usada em nosso dia a dia. Para fechar a edição, trazemos uma deliciosa receita à base de milho, a principal estrela da culinária junina. Boa leitura!

O Jornal da Gleba é distribuído gratuitamente em todos os edifícios e condomínios horizontais da Gleba Palhano e região. Se você não recebe o Jornal da Gleba em casa entre em contato conosco ou retire seu exemplar nos pontos de distribuição:

• EDIF. COM. TORRE MONTELLO Av. Ayrton Senna, 550. • MERCADO PALHANO R. João Huss, 74 • PADARIA DOMENICO Av. Garibaldi Deliberador, 94. • PANETTERIA PALHANO R. Ernani L. de Athaide, 130. • POSTO BELA SUÍÇA Av. Higienópolis, 2685. • VISCARDI PREMIUM Rod. Mabio G. Palhano, 1025. EXPEDIENTE JORNALISTAS RESPONSÁVEIS: Rafael M. Montagnini (MTB 7239/PR) e Talita Oriani (MTB 7358/PR) DIAGRAMAÇÃO:

REVISÃO:

Eduardo Massi

Ana Setti

TIRAGEM:

DISTRIBUIÇÃO:

5 Mil Exemplares

Gratuita

COLABORAÇÃO:

CONTATOS

Eliane Bortolotto e Thiago Ferreira de Andrade

A próxima reunião do Conselho de condomínios residenciais da Gleba Palhano, ConGP, acontecerá no dia 26 de junho, às 19h30, no Residencial Bosque Wilmar Berbet. Rua João Huss, 115. A reunião é aberta a toda comunidade do bairro. Participe!

Fones: (43) 3027-4125 (43) 9976-6417 / 9976-0243 Anúncios: comercial@jornaldagleba.com.br Pautas: redacao@jornaldagleba.com.br Site: www.jornaldagleba.com.br


JORNAL DA GLEBA - JUNHO de 2012

PERFIL

Gleba do Picapau Amarelo

Pertinho da Palhano vive um dos maiores colecionadores da obra de Monteiro Lobato no Brasil Dona Benta, Tia Anastácia, Narizinho, Pedrinho, Visconde de Sabugosa e Emília são vizinhos da Gleba Palhano. Todos esses personagens de Monteiro Lobato habitam a casa e o coração de Léo Pires Ferreira, 71 anos, morador há 37 anos em Londrina. Doutor em agronomia pela Universidade Federal de Viçosa e aposentado pela Embrapa, Léo é um grande colecionador e admirador da obra de Monteiro Lobato (1882-1948). São centenas de livros distribuídos cuidadosamente em seu escritório, alguns em espanhol, mais de 150 teses e dissertações acadêmicas, algumas com 500 páginas, que se somam à sua coleção de artesanato, caricaturas e diversos bonecos da turma do sítio mais famoso do Brasil. Em 1983, esse gaúcho, natural de Rio Grande, de aparência franzina e ideias poderosas, começou a se oferecer para dar palestras a professores da rede pública de ensino. O trabalho voluntário apresentava aos docentes a importância da obra de Lobato na educação. Hoje, aposentado, Léo continua a realizar suas palestras. Prestes a receber o título de cidadão honorário de Londrina, Dr. Léo recebeu o Jornal da Gleba em sua casa, ou, como ele prefere dizer, na sede da Sociedade dos Amigos de Monteiro Lobato: Jornal da Gleba – Qual é a sua emoção ao receber o título de cidadão pé-vermelho? Léo Pires Ferreira – Quando se cria amor por onde se vive, como aconteceu comigo, talvez seja fácil entender o sentimento que aflora ao receber essa honraria. Estou aqui há 37 anos, tempo no qual desenvolvi diversas atividades, principalmente as relativas à preocupação com a educação. Foi o que fiz na difusão da vida e da obra de Monteiro Lobato. Esse título é uma honra, mas implica em mais obrigações. JG – Quando começou sua paixão pelos livros de M.Lobato? LPF – Aos 7 ou 8 anos comecei a ler seus livros infanto-juvenis. Felizmente ou infelizmente, naquela época não havia televisão. O fato é que Lobato fez a minha cabeça. De alguma forma eu sabia que ali havia qualidade intelectual. JG – Lobato também foi um grande escritor com temática adulta. Quais desses livros o senhor destacaria? LPF – Posso

destacar “Urupês” e “Ideias de Jeca Tatu”, no qual ele faz uma crítica profunda à situação de miséria em que viviam os brasileiros do interior. JG – Recentemente, algumas obras infanto-juvenis foram consideradas racistas por órgãos de educação em todo o país. O que o senhor acha disso? LPF – Nunca entendi assim. Quem ler com mais atenção vai perceber que uma das principais protagonistas, Tia Anastácia, uma negra, representa a sabedoria popular. Quando a boneca Emília age com grosseria contra a tia, ela é logo repreendida por outros personagens. Sempre há o pedido de desculpas. Outro exemplo está no livro “A reforma da natureza”, no qual Dona Benta e Tia Anastácia são convidadas a ensinar o que é a paz aos europeus. Se Lobato fosse racista não daria tanto espaço para o personagem da Tia Anastácia em sua extensa obra. JG – Como são suas palestras? LPF – No Brasil, lê-se muito pouco e o período de alfabetização é muito longo. No passado, uma criança era alfabetizada em um ano. Hoje, leva de 3 a 4 anos. Isso é gravíssimo. Por isso, invisto nos professores, faço minha palestra e, depois, eles repassam o conhecimento para os alunos. Eles fazem redações sobre o tema e só depois volto à escola para ser entrevistado. Passamos de duas a três horas falando sobre livros. E as crianças nem percebem. JG – Quais seus livros preferidos? LPF – Da fase adulta, “Urupês” e “Ideias de Jeca Tatu”. E da infantil, “A chave do tamanho”. JG – E o personagem mais querido? LPF – A cabecinha falante do sítio, a boneca Emília. Ela tem liberdade para falar o que quiser e se retrata quando erra. JG – As obras infantis continuam atuais? LPF – Não tenho dúvidas disso. JG – Qual o peso de Monteiro Lobato para a cultura brasileira do séc. XX? LPF – Ele chegou ao topo. Foi visionário em todos os sentidos. Fundou uma editora para lançar seus livros, numa época em que, em todo o Brasil, havia 32 livrarias. Em poucos meses, ele criou uma rede de 1.600 pontos de vendas nas capitais e no interior. Também foi adido comercial nos Estados Unidos e precursor do debate sobre o petróleo e o ferro brasileiro. JG – De toda a sua coleção, qual é o seu maior tesouro? LPF – A primeira edição de Géca Tatu (naquela época escrito com “G”), de 1919, e a segunda edição de Urupês, de 1918. Monteiro dizia: Um país é feito com homens e livros. JG – Obrigado pela entrevista! LPF – Saudações lobatianas!

Rafael Montagnini

rafael@jornaldagleba.com.br

3


JORNAL DA GLEBA - JUNHO de 2012

Ilustrações: EM

GLEBA

Por que um mesmo serviço, tal como é feito em outro local da cidade, custa mais caro na Gleba Palhano? Não são apenas os edifícios, salas comerciais e terrenos que custam caro na Gleba Palhano. Quem mora aqui já se acostumou a pagar preços mais altos por diversos tipos de bens e serviços. Aluguel, IPTU, seguro, refeições, entregas, lavanderia, chaveiro, encanador, limpeza, tudo parece custar acima do que é cobrado em outras partes da cidade.

Muitos comerciantes, que cobram mais caro para moradores da Gleba, pensam que aqui nós não temos o hábito de cotar preços. Sou briguenta e peço vários orçamentos até encontrar o melhor preço para o meu edifício”, conta. Jornal da Gleba

4

Mas isso é abusivo ou é apenas a lei de mercado? Para o Procon de Londrina, só se configura abuso quando o prestador de serviço tem um valor prefixado e aumenta preço para atender determinado bairro. Não existem leis que obriguem os comerciantes a cobrar um mesmo valor para todos os clientes. Por isso, é muito difícil provar a existência de uma “taxa gleba”. Na maioria das vezes, o prestador de serviço, que sai de outra região da cidade para realizar o trabalho na Gleba Palhano, cobra o valor do trabalho e mais a taxa de deslocamento da distância percorrida. Nesse caso, o valor pode sair um pouco mais alto. Mas existem outros casos, nos quais o deslocamento não é o responsável pelo aumento do preço. Foi o que aconteceu com o empresário Rodrigo Gioffrê, que parou de pedir refeições em um restaurante que cobrava valores diferentes para entregar a mesma refeição. “O restaurante era próximo à Gleba e cobrava mais caro para entregar refeições no bairro do que no centro. Isso é um hábito péssimo. Ninguém que mora por aqui esbanja dinheiro”, disse. A síndica do edifício do August Rodin, Luciana Dantas, é outra que coleciona histórias de preços diferenciados. “Já paguei mais caro por serviços de lavanderia, buffet infantil e envidraçamento.

Luciana Dantas, síndica do edifício August Rodin

O fato é que a Gleba é um bairro novo e muito valorizado, que ainda carece da mão-de-obra de vários tipos de profissionais, e, além disso, muitas pessoas enxergam a região como homogeneamente rica. Por isso, os preços costumam ser mais caros do que em outros locais da cidade. Carlos Neves, coordenador executivo do Procon, diz que a melhor maneira de o consumidor não pagar mais caro só porque mora na Gleba Palhano é identificar quem pratica esse preço abusivo, e mudar de fornecedor, prestador de serviço, loja ou restaurante. “Nesses casos, vale a lei da oferta e procura, busque quem cobre mais barato”.

Rafael Montagnini

rafael@jornaldagleba.com.br


JORNAL DA GLEBA - JUNHO de 2012

5


JORNAL DA GLEBA - JUNHO de 2012

VIVA Divulgação

6

ANTES

DEPOIS

Conheça as promessas da vacina anti-idade Os efeitos do tempo fazem com que as camadas da pele percam aderência. Com as inovações da indústria de cosméticos, já é possível amenizar e retardar esses efeitos de uma forma indolor e não agressiva O mercado da estética não para e, a todo momento, é possível deparar com uma novidade. Há pouco tempo foi lançada a vacina anti-idade, também conhecida como anti-age, uma inovação que vem ganhando cada vez mais adeptos. Por meio de um método indolor, o tratamento é indicado para pessoas com idade acima de 29 anos. Contudo, na época do inverno, ela também é recomendada aos mais jovens, como uma forma de hidratação profunda da pele. Segundo a esteticista Rúbia Muriel, o produto foi desenvolvido a partir de biopeptídeos (moléculas de aminoácidos), que amenizam a função estrutural da pele. "A vacina age por meio de um sistema de multicamadas com princípios ativos, que promovem um processo de reestruturação celular e reconstrução da estrutura da pele, aumentando a hidratação e a presença de colágeno e elastina, além de reduzir as rugas e devolver a integração derme-epiderme. O tratamento faz com que as células reajam contra os agentes causadores do envelhecimento. É a vacina do estresse! Depois de uma aplicação, a pessoa já sai daqui com uma outra expressão, bem melhor", comenta. A empresária Dina Correa Lacerda, 58 anos, fez 3 sessões e está adorando o tratamento. "Já é possível ver os resultados, principalmente

no que se refere aos poros que estavam muito abertos e fecharam. A textura da pele está mais sedosa e as rugas em torno da boca estão mais suaves. A diferença é visível", conta. O tratamento é feito em 4 sessões, uma vez por semana. A manutenção depende muito de pessoa para pessoa, mas o recomendado, para quem tem mais de 40 anos de idade, é fazer uma sessão a cada 30 dias como manutenção. O valor médio da sessão em Londrina é R$ 100.

Talita Oriani

talita@jornaldagleba.com.br

SERVIÇO: Rubia Muriel Micropuntura e Estética Telefone: 3345-1841 / 3324-6175


JORNAL DA GLEBA - JUNHO de 2012

7


8

JORNAL DA GLEBA - JUNHO de 2012

Agência Brasil

eleições

Hora de votar Jornal da Gleba inicia série de reportagens especiais sobre as eleições municipais de 2012 Votar é mais que uma obrigação constitucional, é um direito de todo cidadão brasileiro. É no exercício do voto que podemos mudar boa parte do que está errado na política brasileira. Após anos de escândalos envolvendo a Câmara Municipal, e as últimas três administrações, o eleitor londrinense mostra-se cada vez mais incrédulo com relação a uma mudança positiva. Por isso, iniciamos nesta edição uma série de reportagens especiais sobre as eleições, que escolherão o próximo prefeito e os 19 vereadores da Câmara de Londrina. Nos meses seguintes, vamos explicar o papel do prefeito, seu salário, e as obrigações do cargo. Também esclareceremos o que faz um vereador, sua carga horária de trabalho, e quanto custa o serviço da Câmara para o município. Além disso, entrevistaremos especialistas em eleições, mostraremos a diferença do voto em branco, nulo e o que significa o quociente eleitoral. Como funciona a eleição – Londrina é o segundo maior colégio eleitoral do estado. São 361.245 eleitores aptos a votar, mais 22.607 pessoas que estão com os títulos cancelados e 2.339 votantes suspensos. A cidade é dividida em sete zonas eleitorais, com 1.032 sessões, em 135 locais de votação. Quem organiza as eleições no município é a unidade setorial do Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Neste ano, o coordenador do pleito é o

juiz Bruno Pregoraro, da 189º zona eleitoral. Cada uma das sete zonas eleitorais coordena um quesito da eleição. Uma sessão, por exemplo, é responsável pelo transporte dos eleitores da zona rural até os pontos de votação e outra pune as infrações cometidas pelos candidatos. Aliás, as punições e os recursos devem ser proferidos com rapidez, pois o tempo eleitoral é muito curto. Candidaturas – Até o dia cinco de agosto, todas as decisões judiciais sobre aspectos da eleição, principalmente sobre a elegibilidade dos candidatos, devem estar concluídas. Evitase, assim, o “imbróglio” ocorrido no pleito de 2008, quando um ex-prefeito cassado conseguiu participar e vencer a corrida eleitoral, mas foi impedido pela Justiça de assumir o cargo. Foi necessário um inédito terceiro turno entre o segundo e o terceiro colocados para definir quem seria empossado. Formadores de opinião – Na região da Gleba Palhano moram empresários, advogados, médicos, artistas plásticos, juízes, jornalistas e outros formadores de opinião. Mas, apesar disso, sua força política é quase nula. O conselho do bairro ainda tem pouca expressão, e seu único vereador, eleito no último pleito, afastou-se do cargo após denúncias de dividir e receber os salários de seus assessores. Na época, ele deixou a Câmara para assumir um posto em um órgão estadual. Até o fechamento desta edição, os partidos ainda não

haviam divulgado o nome dos candidatos a prefeito e a vereador, mas uma coisa já se sabe, poucos votam no bairro ou na região da Gleba. Um por cento – Nos dois pontos de votação da Gleba Palhano, Escola Normann Prochet e Unopar (próxima ao Shopping Catuaí), votam 5.316 eleitores, ou seja, apenas 1,4% de todo eleitorado de Londrina. “Como não há imposição para a transferência eleitoral, muitas pessoas, que hoje moram na Gleba, continuam a votar em seus antigos locais de votação”, explica Willian Gallera Garcia, chefe de cartório da 146º zona eleitoral, responsável pelo bairro.

Rafael Montagnini

rafael@jornaldagleba.com.br

Nota da redação: O Jornal da Gleba é totalmente apartidário e não recebe dinheiro de publicidade política.


JORNAL DA GLEBA - JUNHO de 2012

9


10 JORNAL DA GLEBA - JUNHO de 2012

Divulgação

ZOOM

Talita Oriani

talita@jornaldagleba.com.br

Internacional Tales Meira Gaspar, aluno do 1º ano do Ensino Médio no Colégio Universitário de Londrina, participou no mês de maio da I-SWEEEP 2012 – International Sustainable World Project Olympiad (Energy, Engineering & Environment), na cidade de Houston, Texas (USA). O estudante mostrou para o mundo o trabalho sobre dejetos caninos, desenvolvido em Londrina.

Happy Hour A Enoteca Jardins by Fasano reuniu alguns convidados para degustar vinhos ao som do Acústico Blues Trio. O fim de tarde agradabílíssimo e com boa música teve registro do fotógrafo Toni Silva.

Isabel C. Kohler e Fátima C. de Sá

Thiago Abelin e Thaisa Bohrer

Birthday

Camilla e Bruno Veronesi

A empresária Keiko Guimarães comemora mais um ano de vida no dia 6. Dia 21 é a vez do jornalista Gelson Negrão assoprar as velinhas. Já no dia 24 quem reúne os amigos e familiares para comemorar nova idade é a empresária Gianne Castello. Congradulations !!!

Domingo na Praça

Se São Pedro permitir, no próximo dia 24 de junho ocorre mais uma edição do Domingo na Praça.

Márcio Mello e Kátia Zanetti

Cris Brasil e Glauco Iwersen

Filo 2012 A edição dos 44 anos do Festival Internacional de Londrina – FILO 2012 – começa dia 8 de junho. A organização estendeu a programação, este ano, para 23 dias, durante os quais a cidade poderá assistir a 115 apresentações de atrações do Brasil e de mais sete países. A abertura (dia 8) será às 20h30, no Teatro Marista, com a grande atriz paranaense Denise Stoklos, em seu mais recente trabalho, o espetáculo “Preferiria Não?”.Para mais informações sobre a programação acesse o site www.filo.art.br.


JORNAL DA GLEBA - JUNHO de 2012 11

ALLA MODA

Bárbara Inocente foi clicada pelo fotógrafo Toni Silva em recente evento de moda na cidade. Além de linda, a jovem mostrou que tem muito estilo e elegância. Confira o comentário da nossa fashionista. “Como todos já devem ter percebido, o grande investimento do momento são as camisas. Elas combinam com saias, bermudas e calças. O truque de amarrá-las dá um ar mais moderno ao look, para isso a camisa deve ser de tecido molinho e ter um bom caimento. Invista sem medo nas camisas, elas são sofisticadas e democráticas, podendo ser usadas por todos os tipos físicos, e por todas as idades! Escolha a cor ou estampa que mais combine com você e se jogue sem medo nessa tendência.”

Luciane Barbosa,

personal stylist, produtora e colunista do blog www.ciadoestilo.com.br

Edo Krause na Kingdom 2800 Um dos mais consagrados nomes da house music nacional, Edo Krause desembarcou mais uma vez na Kingdom 2800 e, como de costume, colocou a geral para dançar com seu set eletrizante. Nas lentes de Toni Silva, flashes de quem curtiu essa grande festa. Edo Krause e Gustavo Murad

Adriana Barbieri e Soyla Pinto João Paulo Carvalho e Gabriela Roncon

Hellen Ukstin e Thatiane Di Marcantonio

Leila Nogueira e Thais Gaviolli


12 JORNAL DA GLEBA - JUNHO de 2012

CLICK

SABER

Mãe... Pai... Afinal de contas, de quem é a responsabilidade?

Madri: Cidade Moderna - Mário Jorge Tavares Envie sua foto para a redação@jornaldagleba.com.br

TIRAS

Nesse maio que passou, uma notícia me chamou a atenção; partindo da informação sobre uma indenização financeira, obtida na justiça, por uma filha, que alegara abandono afetivo. Alguns especialistas afirmaram que a falta do pai não afeta o desenvolvimento da criança, se ela tiver uma figura masculina suprindo a necessidade de atenção. Gostaria da atenção do leitor para trazer à luz duas considerações: na primeira, lembrar a afirmação do filósofo, médico e psicólogo francês, Henri Wallon, para quem o ser humano é “geneticamente social”. Para Wallon, o homem é um todo empírico, portanto constrói sua identidade na interação de sua constituição genética, com a própria realidade que o cerca. Segundo a obra do pensador, não podemos considerar que a constituição do indivíduo é fruto de apenas uma ou duas de suas constituições psicológicas. Não podemos, displicentemente, afirmar que esse ou aquele sujeito humano é assim, porque cognitivamente ou emocionalmente é diferente. Sendo assim, ao entendermos o desenvolvimento da mente do sujeito humano, precisamos considerálo em seus aspectos múltiplos, cognitivo, afetivo, emocional, motor, e por aí vai... Em uma análise determinista, ao abordar apenas um aspecto, colocaremos esse sujeito em sério risco de evidência discriminatória. Feito essa consideração, voltemos à notícia do jornal. Vejo com ressalvas a afirmação de que simplesmente uma figura masculina possa suprir o papel do pai, é preciso estar envolvido no processo de constituição, é preciso construir uma interação social que não vem apenas por estamentos ou decretos (e isso serve também para os pais biológicos que não assumem a sua responsabilidade, participando do processo de educação de seus filhos). Conforme o desenvolvimento da criança, seus questionamentos vão se aprimorando, quase sempre causado pelo fenômeno do espelhamento em relação às outras crianças. Dúvidas comuns começam a surgir: por que meu pai é diferente, por que eu sou diferente, quem é meu pai de verdade? A segunda consideração é de que, se os aspectos psicológicos são construídos na relação social que a criança tem com o pai, não existe relação afetiva sem relacionamento; no caso em questão, quando a filha afirma que se sentiu abandonada afetivamente pelo “pai”, por abandono, provavelmente, mas afetivo não. Aqui há um ledo engano; é impossível ter relação de afetividade sem relacionamento entre o pai e a criança. Caro leitor, não me imagine em defesa deste “pai”, penso que em definição psicológica ou moral, esse termo não se aplica a ele, porém geneticamente sim, também não é o caso de julgá-lo, até porque o STJ a quem compete, já o julgou, mas sim, de elucidar e esclarecer alguns aspectos sobre o entendimento da mente humana e do desenvolvimento da criança, que afinal, é quem sempre “paga o pato”. José Antonio Lima – diretor pedagógico do Colégio Universitário de Londrina. Mestre em Psicologia Educacional pela PUC de São Paulo e consultor da Unesco.


JORNAL DA GLEBA - JUNHO de 2012 13

ESPAÇO MOTOR Imagem Ilustrativa

A manutenção do ar-condicionado do seu automóvel está em dia? A falta de cuidado com o ar-condicionado aumenta a proliferação de fungos e bactérias, além de reduzir a vida útil e o rendimento do aparelho Com a queda nas temperaturas, é comum não se preocupar com o sistema de ar condicionado do carro, já que não é muito utilizado neste período do ano. No entanto, é justamente nesta época que ocorre a maior contaminação dos sistemas dos aparelhos de ar condicionado. O clima frio e a umidade são fatores que contribuem com a proliferação de fungos, bactérias, vírus e ácaros. São inúmeras as doenças respiratórias que estão relacionadas, por isso é importante fazer a higienização do sistema. Segundo o especialista em manutenção automotiva, Danilo de Azevedo, a revisão do sistema de ar condicionado é indicada a cada 20 mil km ou 6 meses. “Existem dois tipos de limpeza do ar-condicionado, a primeira é por meio do nebulizador, que, com o carro em funcionamento, vaporiza um líquido antibactericida, eliminando uma grande quantidade de fungos e bactérias, além de deixar um agradável aroma dentro do veículo. Esse serviço é mais recomendado para veículos de uso urbano, que não ficam muito expostos a partículas de poeira”, comenta. Já o segundo tipo de limpeza remove a caixa de ventilação e dutos

de ar, para a limpeza completa do pó no interior do sistema. “Esse tipo de procedimento é recomendado para veículos que trafegam muito por estradas de terra ou enfrentam condições adversas de operação, como, por exemplo, jipes e caminhonetes e até mesmo veículos que estão sempre em estradas”, diz. Outro fator curioso é que, no período de inverno, os preços desses serviços estão mais em conta, já que a maioria dos motoristas só se preocupa com o ar na época do verão. “A g o r a , o valor médio de uma rativa higienização fica em Imagem Ilust torno de R$90. Já a limpeza completa fica em R$240, ou seja, o valor sofre uma redução de quase 30%”, observa o especialista. Portanto, vale a pena não descuidar da manutenção e buscar fazê-la na época de inverno, pois, além de gastar menos, a manutenção preventiva aumenta a vida útil do aparelho de ar condicionado. Outra dica importante é ligar o ar pelo menos duas vezes na semana para lubrificar o sistema e evitar danos ao compressor.

Talita Oriani

talita@jornaldagleba.com.br


14 JORNAL DA GLEBA - JUNHO de 2012 E.Massi

MEIO AMBIENTE

Água para todos e consciência para poucos

Economia de água ainda é desafio em condomínios onde o custo total é dividido entre moradores Não é necessário esforço algum. É só abrir a torneira e ela está lá. Ligar a máquina de lavar e ela aparece. Entrar debaixo do chuveiro, virar o registro e, mais uma vez, você a encontra. Ela surge tão facilmente quanto apertar um botão e, por não exigir esforço para usá-la quase nunca percebemos o tamanho do nosso conforto. Assim é a vida urbana: cheia de comodidades. Mas comodidade nenhuma vem de graça. Muito menos é eterna. A comodidade de se ter água encanada saindo diretamente de uma estação de tratamento para o banheiro ou cozinha da sua casa tem preço e ameaça de extinção. Pode ser que esta ameaça dê seus primeiros gritos de urgência ainda em um futuro muito distante, mas já está passando da hora de pontadas de consciência começarem a ser mais freqüentes em nossas comunidades. Em condomínios onde o custo da água utilizada é dividido entre os moradores ainda falta a consciência coletiva de que a economia individual de água faz bem para o bolso de todos. E é claro, para o meio ambiente. Não se deve pensar “se o meu vizinho não economiza, por que devo eu economizar?”, mas sim “começando por mim quem sabe o meu vizinho não começa a colaborar”. E dessa forma o valor da água somado à taxa de condomínio seguramente irá abaixar. Uma boa forma de dar início a essa empreitada

é divulgar uma lista de dicas de economia de água, seja ela impressa – colocada em elevadores e halls de prédios – ou digital – enviada por e-mail em forma de newsletter do condomínio ou algo similar. Seguem abaixo algumas dicas da ONG ambiental WWFBrasil que podem ser incluídas nessa lista e colocadas em prática. Juntamente com esta lista, que pode ser encontrada na íntegra no site www.wwf.org.br, não deixe de cobrar vistorias de desperdiço de água no condomínio. Simples atos de vigilância determinam o bem-estar individual e coletivo, além de garantir um planeta mais sustentável. Vazamentos – É uma das principais fontes de desperdício de água na residência, podendo ser evidente (uma torneira pingando) ou escondido (vasos sanitários ou canos furados). Uma torneira mal fechada pode desperdiçar 46 litros de água em um dia. Com uma abertura de 1 mililitro o pequeno fio de água escorrendo será responsável pela perda de 2068 litros de água em 24 horas. Para verificar vazamentos de vasos sanitários jogue cinzas ou talco no fundo do vaso e observe por alguns minutos. Se houver movimentação do pó ou se ele sumir, há vazamento. Quando for reformar, dê preferência às caixas de descarga no lugar das válvulas. Torneiras com aerador (“peneirinhas” ou “telinhas” na saída da água) são melhores por darem a sensação de maior vazão, mas fazem exatamente o contrário. Banho – Feche as torneiras ao ensaboar-se. Não

deixe a torneira aberta enquanto escova os dentes ou faz a barba. Evite banhos demorados. Reduzindo 1 minuto do seu banho você pode economizar de 3 a 6 litros de água. Imagine isso em uma cidade onde vivem aproximadamente 2 milhões de pessoas. Poderíamos ter uma economia de, no mínimo, 6 milhões de litros. Louça – Lave as louças em uma bacia com água e sabão e abra a torneira só para enxaguar. Deixe os talheres de molho na bacia ou na própria pia por alguns minutos antes da lavagem, pois isto ajuda a soltar a sujeira. Utilize água corrente somente para enxaguar. Lave verduras também em uma bacia, deixando-as de molho (pode ser com gotas de vinagre), passando-as depois por um pouco de água corrente somente para terminar de limpá-las. Roupa – Lave de uma vez toda a roupa acumulada. Deixar as roupas de molho por algum tempo antes de lavar também ajuda. Ao esfregar a roupa com sabão use um balde com água e mantenha a torneira do tanque fechada. Use a máquina de lavar sempre com carga máxima e tome cuidado com excesso de sabão para evitar um número maior de enxágües. As lavadoras de abertura frontal gastam menos água que as de abertura superior.

Bárbara Blanski

redacao@jornaldagleba.com.br


JORNAL DA GLEBA - JUNHO de 2012 15

HYPERLINK

Sonhos e ideias em um mural digital Pinterest reúne fãs por todo o mundo ao inovar o compartilhamento de imagens pela internet E-mails, blogs, Facebook, Twitter, LikedIn, Tumblr, Flickr, Instagram... A lista é interminável de websites que funcionam como ralos por onde deixamos nosso tempo escoar diariamente. Com tantas novidades na internet a cada dia, às vezes é comum nos perguntarmos como é que sobra tempo para a vida. Ainda assim conseguimos nos apaixonar por mais um. Desta vez é o Pinterest, que surge como inovação no compartilhamento de imagens pela internet e se torna a terceira rede social mais acessada nos Estados Unidos. A ideia é simples. Como se fosse um mural de fotos daqueles com tachinhas, que todo adolescente um dia já teve, o Pinterest criou um grande mural de fotos onde usuários colocam qualquer tipo de imagem que seja de seu interesse. Daí vem o nome: “pin” de fixar, como se fosse literalmente uma tachinha, e “interest” de interesses. Você fixa seus interesses em um mural digital para o mundo

todo ver. O site é dividido em categorias, de acordo com as preferências – decoração, culinária, saúde, moda, tecnologia, ciência, fotografia e até esportes e carros, para a pequena parcela masculina que também utiliza o Pinterest. A pessoa se cadastra e, então, cria um mural individual, no qual coleciona as imagens que vê pela internet que são do seu interesse e, dessa forma, pessoas com os mesmos gostos são conectadas, compartilham suas imagens, adquirem novas ideias, aprendem novas coisas e recebem inspirações para seus projetos pessoais. A grande maioria dos usuários é feminina. Segundo o The New York Times, a proporção de mulheres que usa o website chega a 80%. Metade dos usuários do Pinterest têm filhos e grande parte deles têm renda alta. Entre os adolescentes, os acessos são baixos. A preferência pelo site é de pessoas entre a faixa etária de 25 e

34 anos, seguidos de pessoas entre 35 e 44 anos. O número de acessos no mês de março chegou a 104 milhões, perdendo somente para o Facebook e o Twitter. Um fenômeno para um site que foi criado recentemente, em 2010, e que vale agora o equivalente a U$ 500 milhões. Segundo a consultora de recursos humanos Carolina Harumi, de 27 anos, usuária do Pinterest, o site facilita o acesso e a organização dos assuntos que são interessantes para o público, dando a praticidade de se encontrar tudo em um site só. “Como odeio abrir milhões de abas na internet quando faço minhas pesquisas, o Pinterest é sempre minha primeira opção na busca de fotos específicas”. Segundo ela, a inovação está em ter tudo à mão e com atualizações constantes, além de não ser necessário ocupar espaço na memória do computador. Suas preferências são as ideias para decoração, maquiagem, penteados e os DIY (“do it yourself ”, ou faça você mesmo), ideias simples de coisas que podem ser feitas em casa, sozinha. Carolina conta que, grande parte das inspirações para o seu casamento, agendado para o mês de junho, foram retiradas do Pinterest.

Bárbara Blanski

redacao@jornaldagleba.com.br


16 JORNAL DA GLEBA - JUNHO de 2012

Divulgação

FOCA

Grupo de caminhada vai a Machu Picchu Na comemoração de três anos do grupo “Londrinapé”, o destino escolhido foi mais do que especial: a trilha Inca

De forma quase acidental, seis amigos que gostavam de caminhar começaram, em 2009, o projeto “Londrinapé”. Eles participavam de caminhadas organizadas por outros grupos, acabaram se conhecendo e montaram seu próprio projeto. As trilhas rurais são os principais destinos escolhidos. Para comemorar os três anos de atividade, os integrantes preparam uma programação especial em Machu Picchu. Foram mais de seis meses de preparação para realizar a viagem. São quatro dias de trilha, seguindo de Cuzco até Machu Picchu. Ao todo, 24 pessoas toparam a aventura. “Serão cinco dias só para nos adaptarmos à altitude de 3.600 metros. Depois, faremos a trilha”, afirma Heverly Morais, uma das fundadoras do grupo. O número de integrantes do “Londrinapé” vem crescendo e hoje há cerca de 40 pessoas fixas e outras que, eventualmente, participam. Segundo a fundadora, já passaram mais de 300 pessoas pelo grupo. Heverly, que é agrônoma e trabalha no setor de meteorologia do Emater, conta que descobre os locais para visitar com colegas de trabalho, amigos e buscas na internet. “Tem toda uma logística, a gente checa o caminho. Precisa ser um lugar que dê para guardar os carros e, muitas vezes, é necessário conversar com o produtor para ver se dá para deixar os veículos no sítio dele.” Uma das novidades do grupo são os enduros. As caminhadas são mais longas

e as dificuldades de percurso, maiores. Segundo Heverly, o grupo já realizou um trajeto entre Londrina e Guairacá que durou 11 horas. Opção pela caminhada - O principal esporte de Jussara Cruciol era a corrida, mas uma lesão no joelho a fez parar. A alternativa encontrada foi a caminhada. A professora, que ficava adiando as caminhadas, juntou-se ao “Londrinapé”. Ela conta que optou por participar porque viu as fotos no site do grupo e admirou os lugares dos trajetos que os integrantes faziam e, também, por se tratar de uma opção diferente, segundo ela, do barulhento lago Igapó. Ela destaca a última caminhada que faz na estrada Serra Morena. “Bem arborizada, uma estrada estreita, nem imaginava que tínhamos – aqui perto de Londrina – um lugar tão lindo”, afirma a professora. “Nós não participamos para competir, nós vamos para haver interação. Todo mundo te recebe muito bem, se preocupa contigo.”

Lucas Fiuza

Jornalismo Supervisão: Profª. Karen Debértolis

Serviço Quem quiser fazer contato, pode acessar o blog do grupo pelo endereço: http://www.londrinape.blogspot.com.br Foca é o nome dado ao jornalista com pouca experiência ou em ínicio de carreira


divã

Diferentemente do que, em geral, se imagina, a felicidade não é privilégio de poucos, e todos têm potencial para serem mais felizes e se sentirem mais satisfeitos com a própria vida. O que devemos fazer para ter uma vida melhor? Como conseguir aproveitar os bons momentos? Como produzir mais? Como ser mais feliz? São perguntas que muitas vezes fazemos, mas para as quais não encontramos respostas satisfatórias ou que nos façam ser diferentes. Essas e outras perguntas são temas comuns em Psicologia Positiva, que tem como tema principal compreender quais são as coisas que fazem a vida valer a pena e encontrar formas de promover o bem-estar nas pessoas. A Psicologia Positiva (PP) é um movimento científico e aplicado que foca seus estudos nas qualidades das pessoas, grupos e organizações, buscando entender o que há de certo nas

Psicologia Positiva

experiências que vivemos. Criada nos EUA, no final do último milênio, a PP tem pouco mais de 10 anos de existência, porém, já conta com a adesão de vários pesquisadores e profissionais ao redor do mundo. No início do movimento, a felicidade era o foco principal da teoria, hoje, contudo, ela é entendida de outra forma, para se evitar o risco de acreditar que todo o comportamento humano tem como objetivo final ser mais feliz. Atualmente, a PP adota o conceito de bem-estar para nortear seus trabalhos. O bem-estar é composto de cinco elementos independentes. Emoção positiva, que está relacionada com o que sentimos em relação ao nosso passado, presente e futuro. A felicidade é um dos fatores desse elemento. Engajamento, que se refere à utilização das nossas forças pessoais em

atividades interessantes. Sentido, que descreve as situações nas quais agimos em prol de algo maior que nós mesmos, ou seja, quando fazemos algo por uma causa maior. Realização, que descreve a busca pelas vitórias e conquistas. Relações positivas, que se referem à manutenção de relações saudáveis com as outras pessoas. Mas por que positiva? As outras são negativas? É claro que não. Mas esse nome ajuda a dar ênfase aos aspectos positivos do desenvolvimento e a estabelecer um equilíbrio na produção científica e na prática da psicologia, dando espaço para a promoção do bem-estar e seus elementos.

Daniel Constantino Cunha Psicólogo cunha_d@hotmail.com

morguefile.com

JORNAL DA GLEBA - JUNHO de 2012 17


Encantos do leste

PASSAPORTE

Estádio Olímpico de Varsóvia O leste europeu não possui o charme e a fama de seus vizinhos ocidentais, mas, mesmo assim, os países da ex-cortina de ferro atraem cada vez mais turistas europeus e de diversas partes do mundo. Neste mês, Polônia e Ucrânia sediam o campeonato europeu de futebol, a Eurocopa 2012. Mais que um evento esportivo, este é um presente do restante do continente aos anfitriões. É o gesto que faltava para a integração completa da Europa. Polônia e Ucrânia foram vítimas das piores tiranias perpetradas no século XX, o nazismo, e, posteriormente, o comunismo. Foram seis décadas de totalitarismo e terror. Mas o que se vê hoje é bem diferente daqueles dias sombrios. Os torcedores que percorrerem as oito cidades sedes, quatro para cada país, verá estádios modernos e cidades organizadas. As sedes polonesas são Wroclaw, Gdansk, Poznan e a capital Varsóvia, que recebeu o jogo inaugural da competição, entre Polônia e Grécia. Os ucranianos recepcionam as partidas nas cidades de Lviv, Donetsk, Kharkiv e no estádio olímpico de Kiev, onde é esperado um público de 70 mil torcedores para assistir a grande final, a ser realizada no dia 1º de julho. Polônia – Além da festa futebolística, os dois países oferecem diversos tipos de turismo, com opções

urbanas ou mais ligadas à natureza. Alguns pontos turísticos são obrigatórios em qualquer viagem à capital polonesa. Não deixe de visitar, por exemplo, as diversas estátuas e lugares favoritos do morador mais famoso da cidade, Frederico Chopin (1810-1849). O compositor clássico viveu os primeiros 20 anos de sua vida na cidade. Visite também o Museu Nacional, conhecido como Museu do Levante Nacional, que conta a história da revolta de Varsóvia em 1944, em sua luta pela independência do país. A cidade é repleta de parques e palácios da realeza dos séculos 16 e 17. Os mais famosos são o Palácio Wilanów e o parque Łazienki Królewskie. Ucrânia – A capital ucraniana é uma das cidades mais antigas do leste europeu. Foi fundada, no século V, por povos eslavos orientais. Kiev é atualmente uma das capitais mais povoadas da Europa, com uma população que chega a 2,5 milhões de pessoas. A cidade possui famosas instituições de educação, um grande parque industrial, empresas de alta tecnologia, além de muitos monumentos históricos. O metrô é considerado bom e ajuda bastante na locomoção de turistas que visitam a cidade. Conheça também o suntuoso Monastério de Kiev-Petchersk e a bela

Catedral de Santa Sofia de Kiev, ambos tombados pela Unesco em 1990, dois dos principais locais da Igreja Cristã Ortodoxa. Além disso, visite o Teatro Nacional, o Palácio de Outubro, o Museu da Segunda Guerra Mundial, e o Palácio de Mariyinsky, residência oficial do Presidente da Ucrânia, localizado às margens do Rio Dniepre. Moedas – As duas economias não possuem o euro como moeda única. As duas moedas nacionais são, respectivamente, o zloty polonês, que custa aproximadamente 0,584736 reais, e o hyvnia ucraniano, que vale 0,248882 reais. Muito bom para os turistas brasileiros, que podem curtir mais e gastar menos do que em outros destinos da Europa Ocidental. Paraná – O estado do Paraná possui as maiores colônias de imigrantes polacos e ucranianos do Brasil. Seus descendentes estão concentrados em Apucarana, Prudentópolis, Castro, Mallet, Ponta Grossa, São Mateus do Sul, Irati, e União da Vitória.

Rafael Montagnini

rafael@jornaldagleba.com.br

Imagem Ilustrativa

18 JORNAL DA GLEBA - JUNHO de 2012


JORNAL DA GLEBA - JUNHO de 2012 19

RECEITA Divulgação

MENU

Milho para todos os gostos Com as festas juninas chegando, o cereal torna-se um ingrediente necessário para fazer pratos saborosos atualmente na chamada ´safrinha´ e com o produto em época de colheita. Então, ele é usado em várias receitas. Mas as pessoas devem tomar cuidado em como e quando usá-lo, pois devem sempre utilizar milho fresco”, alerta. Empresário do ramo há 19 anos, Vilela conta que a ideia de abrir a pamonharia, com as receitas da família, veio de sua irmã Terezinha. “Quando minha avó ia cozinhar no fogão de lenha da fazenda em que morava, toda família ajudava. Minha mãe, tias e todas as crianças ralavam o milho. E, assim, com um tempero maravilhoso, minha avó fazia várias receitas que nos marcaram”, relembra. Sempre presente nas receitas, seja no calor ou n o frio, nas festas ou em casa, em receitas doces ou salgadas, o milho não pode faltar à mesa da família. Confira uma receita disponibilizada especialmente para os leitores do Jornal da Gleba e delicie-se! em

ag

Im

a str Ilu

a tiv

Ele pode ser cozido, com sal, manteiga ou queijo; ser aproveitado em forma de bolo ou até mesmo virar uma sopa. Um item que não falta nos pratos dos londrinenses: o milho. Prático, nutritivo, natural e barato, o cereal ganha destaque nos meses de junho e julho por ser um ingrediente importante nas receitas das festas juninas. O milho é muito consumido, pois existem várias maneiras de utilizá-lo na alimentação. A versão salgada inclui: milho cozido, assado na espiga, sopas, cremes, pães, tortas, farofas e suflês. Já as sobremesas podem ser ainda mais saborosas: curau, pamonha, mingau, bolo, pudim, sorvete e muitas outras. Todas essas delícias, em conjunto com diversos temperos, queijos e carnes, tornam o milho um item popular, pois alcança pessoas de vários gostos. Nas festas juninas, o milho ganha destaque por meio de produtos que agradam todos, como a pamonha, pipoca, canjica, bolo e curau. Segundo o proprietário da Pamonharia Flor de Milho, César Vilela, nesta época do ano as vendas dos produtos com milho aumentam cerca de três vezes. “Estamos

Carolina Chueire

redacao@jornaldagleba.com.br

Torta Paraguaia Ingredientes: 2 litros de milho ralado 2 copos americanos de leite ½ colher de sobremesa de sal 1 copo de óleo 2 colheres de sopa de margarina 1 cebola média ralada ½ copo de cebolinha picada Modo de fazer: Misture todos os ingredientes em uma vasilha e mexa bem até formar uma massa. Unte uma forma pequena com margarina e farinha de trigo. Coloque metade da massa na forma e salpique com 100 gramas de queijo ralado. Coloque o restante da massa e leve ao forno pré-aquecido por 45 minutos. Espere esfriar e sirva!

FONTE: Pamonharia Flor de Milho Fone: 3324-6944


20 JORNAL DA GLEBA - JUNHO de 2012

JG33 - JUN2012  

JG33 - JUN2012

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you