Page 1

Mercado Palhano: um novo conceito de compras e lazer Pág. 04

Saiba mais sobre o famoso chá da tarde inglês Pág. 09

ANO 1 - Outubro de 2009 - Número 1 - Distribuição gratuita

Bem-vindo à Gleba Palhano Uma perfeita contradição

Foto: Bárbara Polezer

Ver o sol nascer por entre as árvores com os raios refletidos nas águas de um lago. Começar o dia tranquilo, mas sem deixar de lado o conforto e as facilidades que o mundo moderno pode te oferecer. Pág. 05

MENU Pad Thai Com muita criatividade e respeito ao meio ambiente empresária utiliza madeira reciclada para criar móveis e objetos de decoração Pág. 08.

IDEIAS E INOVAÇÕES Móveis ecologicamente corretos

Uma mistura rica em cores, cheiros e sabores. A cozinha tailandesa encanta primeiro com os olhos, em um ritual de sequências que sempre acaba na sofisticação do paladar Pág. 10.


2 JORNAL DA GLEBA - Outubro de 2009 EDITORIAL Quando Leon Tolstoi, o grande escritor russo do século XIX, disse que se alguém pretendesse ser universal deveria começar por pintar a sua própria aldeia, era difícil imaginar que, quase dois séculos depois, as palavras do gênio caberiam perfeitamente no mundo globalizado em que vivemos. É com o foco em “nossa própria aldeia” que este veículo foge dos padrões dos noticiários diários de massa que trazem o mundo até você, mas não levam você até o mundo. É exatamente assim, direcionado às histórias da nossa gente, dos nossos parceiros e vizinhos, que nasce o Jornal da Gleba. Nosso único compromisso será com você, caro leitor. Faremos um jornalismo independente e imparcial, tratando aqui de temas globais, voltados, contudo, para sua realidade. Com um perfil ágil e agradável, nosso veículo estará atento ao que ocorre em Londrina e no mundo. Mas o Jornal da Gleba não existe sem você! Por ser um veículo diferenciado, idealizado e pensado somente para este público a participação dos leitores será imprescindível para nosso objetivo ao promover um jornalismo integrado à comunidade. Leia, discuta, envie suas opiniões, críticas e sugestões. Boa leitura!

Arthur

Qual a importância de um jornal para a região Palhano? “É muito importante um veículo de comunicação como este para que haja maior interação entre as pessoas que residem na Gleba Palhano.” Fábio Henrique Santos Empresário “É uma forma prática de conhecer e usar o que está ao nosso redor sem ter a necessidade de se dirigir ao tumulto da região central.” Jéssica Rocha Jornalista

CORREIO DA GLEBA

“Um jornal com este perfil é muito útil para que as pessoas conheçam o comércio existente na Gleba” Kleber Fernandes Comerciante

Demanda e sensibilidade Os três jovens que integram essa idéia têm garra e vão comemorar muitas bodas juntos. Por isso, vida longa à empresa que nasce de olho no mercado e na demanda. Aliás, é a demanda da Gleba Palhano que esse grupo identificou, um local de muitas oportunidades, não somente na área da construção civil. Elaborar um jornal – diga-se pioneiro – que aborde temas atuais com responsabilidade jornalística, num projeto gráfico sofisticado, é estar ligado às tendências de mercado e ser sensível à demanda que muitos vêem, mas que poucos fazem, porque não têm coragem para isso. Parabéns aos três da 4Idéias pela iniciativa. Reinaldo César Zanardi Jornalista e professor universitário em Londrina

EXPEDIENTE

Jornal da Gleba

Produção: 4Ideias Comunicação Ltda. Vitrine

Jornalista responsável Thays Puzzi (MTB 7550/PR)

Quando falamos da Gleba Palhano, estamos falando de um público com poder aquisitivo acima da média, exigente e que desejam informação dirigida. Quando se fala em um jornal exclusivo da Gleba Palhano, que irá tratar dos assuntos específicos do bairro fica ainda mais relevante e porque não dizer interessante, pois é direcionado a moradores que tem suas próprias características. Um jornal que aborda os assuntos da região e informa os serviços prestados por aqui, tem real importância, pois colabora em muito com os moradores, torna uma tribuna local e serve de vitrine para as empresas. Importante lembrar que éramos desprovidos de tal veículo e de serviços personalizados.

Redação Rafael Montagnini (MTB 7239/PR) Talita Oriani (MTB 7358/PR)

Renato R. Martins Professor e profissional de Marketing e Comunicação As cartas podem ser enviadas para redacao@jornaldagleba.com.br com limite máximo de dez linhas em fonte nº 12.

Projeto Gráfico Eduardo Massi Diagramação Carolina Campos Impressão Gráfica Idealiza Tiragem 5 mil exemplares Distribuição gratuita redacao@jornaldagleba.com.br comercial@jornaldagleba.com.br 43 9948-7389 / 9135-1556 / 9102-4545


Outubro de 2009 - Jornal da Gleba 3 OPORTUNIDADES

Um jornal à altura da Gleba Projeto da 4Ideias Comunicação lança um novo olhar sobre a região da Gleba Palhano Jornal da Gleba é o primeiro periódico destinado exclusivamente aos moradores da Gleba Palhano, área nobre da zona sul de Londrina. Idealizado pela 4Ideias Comunicação, o jornal tem a cara da região, um espaço moderno, bonito e inteligente. Feito dentro de padrões de qualidade e design que atendem os requisitos de sofisticação de seus leitores. Equipe de reportagem do Jornal da Gleba: Thays Puzzi, Talita Oriani e O projeto gráfico é do Rafael Montagnini designer Eduardo Massi, que já desenvolveu outras publicaGleba, define bem o ideal do periódico: “Produzireções no Brasil e na Itália. Ele explica que seguiu mos um jornal à altura da Gleba”. padrões clássicos para desenvolver a logomarca e a diagramação do jornal. “Quem caminha pelo lago Igapó 2 e olha em direção à Gleba Palhano reconhecerá imediatamente a nossa marca, com os prédios ao fundo da logo e o lago à frente, representado pela elipse”, ressalta o designer. As cores utilizadas fazem referência à tonalidade da nossa terra e também à bandeira da cidade. Todos os meses serão apresentados editoriais de alta qualidade, mantendo um forte relacionamento, identificação e integração com o público alvo. Com uma linha editorial diferenciada, apresentaremos as mais diversas reportagens de maneira agradável e reflexiva, dentro de temas de interesse dos nossos leitores, tais como: Comportamento, Gastronomia, Moda, Saúde, Turismo, Business, Cidadania e Cultura. A jornalista Talita Oriani, repórter do Jornal da Eduardo Massi: “Quem caminha pelo lago Igapó 2

O

e olha em direção à Gleba Palhano reconhecerá imediatamente a nossa marca” Oportunidades

Reunião de pauta: editoriais de alta qualidade, mantendo um forte relacionamento, identificação e integração com o público-alvo

Sendo uma área em constante expansão e crescimento econômico, o Jornal da Gleba oferece um nicho de mercado com altas possibilidades de ganhos para os nossos parceiros e anunciantes. O Jornal da Gleba não é apenas mais um jornal gratuito, mas também um propagador de oportunidades e um meio que fortalece a marca dos empreendimentos dos nossos clientes.


4 JORNAL DA GLEBA - Outubro de 2009 CAPITAL

PASSAPORTE

MERCADO PALHANO um novo conceito de compras e lazer Com inauguração prevista para o ano que vem, o empreendimento resultará na valorização imobiliária da região sul de Londrina; o respeito ao meio ambiente será apenas um dos pontos fortes desta iniciativa ecologicamente sustentável

G

astronomia, lazer e cultura. É com esta rica mistura que nasce em Londrina o primeiro mercado ecológico do país. Com inauguração prevista para novembro de 2010, o Mercado Palhano inova no conceito pelo toque de requinte e sofisticação se comparado aos conhecidos e estereotipados mercadões. Com as obras iniciadas no primeiro semestre deste ano, o empreendimento surge numa das regiões mais nobres da cidade, a Gleba Palhano (região sul), sob o comando de investidores locais. Conforme Raul Fulgêncio, sócio e gestor do projeto, além de morador da Gleba, a iniciativa partiu da percepção que teve com relação às

Localizado às margens do Lago Igapó, o Mercado Palhano já está com obras a todo vapor na rua Bento Munhoz da Rocha esquina com João Wycliff

necessidades da região. Foi com base em uma pesquisa realizada com cerca de 400 famílias que moram nos bairros Gleba Palhano, Bela Suíça, Higienópolis, Centro e condomínios horizontais da região sul, que se detectou, por exemplo, o desejo em ter na região um sacolão. A falta

O empreendimento também contará com três restaurantes, além de uma área destinada a eventos culturais

Aprenda a Investir na Bolsa de Valores

23 e 24 Outubro Sexta 19h às 22h30 Sábado 9h às 12h / 13h30 às 17h

Curso para iniciantes que pretendem ter uma visão completa sobre investimentos na Bolsa de Valores.

de padaria, mercearia e açougue também foi apontada na pesquisa pelos moradores. Além disso, o levantamento também apontou que 89% dos entrevistados prezam pela sofisticação do ambiente para o Mercado Palhano. Com 11 mil metros quadrados, para Fulgêncio o Mercado Palhano, além de ser uma futura atração turística para Londrina, valorizará ainda mais a cidade e, principalmente, a região sul. “O empreendimento agregará mais valor à região. Já foi constatado que muitas pessoas compraram um imóvel na Gleba em virtude do Mercado Palhano”, comentou.

Outro pilar de destaque do empreendimento é a preocupação ambiental. O mercado, que contará com cerca de 60 boxes, três restaurantes e uma área destinada para eventos culturais, também será projetado para o aproveitamento da água da chuva e da luz solar, paredes vivas e câmara fria para depósito do lixo. “O Mercado Palhano é um projeto ousado que sai do comum. Será um mercado dentro dos padrões de exigências dos moradores”, salientou Fulgêncio que ainda destacou que o empreendimento irá transformar a “cara de Londrina”.

Ponto de Partida Por Daniela Klebis

A graça de viajar não está apenas em visitar lugares famosos. Incrível mesmo é mergulhar na cultura de cada país, aproveitar a oportunidade e viver, por um breve espaço de tempo, uma vida completamente diferente. Esta é a idéia dessa coluna: levar você além dos pontos turísticos, para descobrir onde reside o charme genuíno e o sabor verdadeiro da vida real nos outros continentes. Curiosidades, lugares inusitados, histórias incríveis ou simplesmente a vida cotidiana, nesta coluna falaremos de tudo que possa servir de inspiração para um roteiro extraordinário ou, pelo menos, para trazer o resto do mundo um pouco mais perto de vocês. Há três anos com passaporte nas mãos, migrando entre Inglaterra e Itália, eu descobri que pouca coisa pode ser mais proveitosa aqui do que sentar e observar: ver como se vestem essas pessoas, o que conversam, o que comem, o que lêem. Pode ser em um fim de semana em uma pequena vila italiana e descobrir ali o melhor sorvete do mundo em uma tarde de domingo, sentado na pracinha sob o som repetitivo dos sinos da Igreja. Ou tomando o chá da tarde inglês em um autêntico e tradicional salão de chá em Londres. Tão bom quanto descobrir uma vida social agitadíssima em meio às infinitas prateleiras de uma livraria em Paris. Aqui você vai saber também das novidades e ficar por dentro das modas curiosas, das tendências e do que é realmente um luxo. Onde estão as melhores bebidas, os melhores hotéis, onde encontrar os famosos, como são feitas a super máquinas e claro, quais os lugares mais especiais para sentar e relaxar. A nossa jornada começa agora no Jornal da Gleba, onde vocês poderão girar o mundo em um virar de página, no aconchego do lugar mais exclusivo de todos: a sua casa!


Outubro de 2009 - Jornal da Gleba 5 ESPECIAL Foto: Bárbara Polezer

Uma perfeita contradição

Q

uando Mauro Nunes, ainda na infância, ia apanhar mangas com os amigos nas extensas terras localizadas na região sul de Londrina, onde atravessava o ribeirão com a bicicleta nas costas, não imaginava que aquele mesmo lugar seria futuramente o reduto escolhido para morar com sua esposa e filhas. Hoje, professor universitário nas áreas de administração e economia, Nunes, natural de Londrina, viveu cerca de 20 anos no município de Cornélio Procópio. Decidiu voltar à terra natal em meados dos anos 2000, desde que encontrasse aqui a tranquilidade. “Na época passei quase um ano vendo apartamentos no centro de Londrina, mas quando encontrei este onde moro me apaixonei pelo local. Aqui tenho uma linda vista para a cidade, além de ter o lago Igapó bem em frente.” A paixão se deu no ano de 2001 com o Edifício Toulouse ainda em fase de construção. Era ainda um dos poucos que apontavam para o céu da Gleba Palhano. Foi em 2006 que Nunes e sua família

começaram a desfrutar da tranquilidade requintada de um bairro que hoje, apenas três anos depois, já é o mais cobiçado da cidade. Há quem se recorde do começo da década dos anos 1990 quando um dos maiores empreendimentos logísticos do sul do país foi inaugurado em Londrina. O Catuaí Shopping não movimentou apenas a economia da cidade, ele mexeu também com a “cara” da região sul. A calmaria das chácaras deu lugar a tranquilidade dos arranha-céus. Uma contradição vivenciada dia-a-dia pelos moradores que encontraram na Gleba Palhano a modernidade a serviço da qualidade de vida. Mauro Nunes ainda contou que no início ele e sua família enfrentaram apenas a dificuldade de não ter pe-quenos comércios na região. “Mas agora já temos o Super Muffato e em breve teremos o Mercado Palhano”, analisou Nunes que ainda sugeriu que as construtoras deveriam investir em pequenos shoppings ao longo da avenida Ayrton Sena. “Ali poderíamos ter salões de beleza,

academias, bancos, imobiliárias, padarias, pizzarias, bares para happy hours, bazares, bancas de revistas, entre outros.” O professor universitário incentiva àqueles que pensam em possuir um imóvel na região. Segundo ele a Gleba Palhano é um bairro com retorno garantido, além de proporcionar uma área de lazer saudável às margens de um dos cartões postais de Londrina, o lago Igapó. Este foi apenas um dos quesitos que chamou a atenção da bancária, Maria Izabel Otaviano, que resolveu investir em um imóvel que lhe trouxesse, além da tranquilidade, um diferencial planejado. “A Gleba Palhano é uma região muito valorizada e única em Londrina com avenidas largas e condomínios modernos”, destacou. Maria Izabel, que se mudará para o bairro com a família em 2012, assim que o Edifício Fernando Pessoa estiver pronto, também aposta na qualidade de vida em uma região arborizada e voltada para atitudes ecológicas.

Ayrton Senna será totalmente ampliada até o dia 10 de dezembro Quem garante é o Secretário de Obras de Londrina, Nelson Brandão, que em entrevista ao Jornal da Gleba afirmou que uma das principais avenidas da Gleba Palhano deverá ser concluída até a primeira quinzena de dezembro deste ano. “Estamos em negociação com um proprietário da região para que possamos dar continuidade à ampliação da Ayrton Senna.” De acordo com o secretário, hoje o trânsito na região é sobrecarregado, mas com o término das obras o tráfego ficará mais tranquilo. Após o término da ampliação da Ayrton Senna, conforme Brandão, vão ser estudadas medidas para a melhoria das condições viárias da João Wycliff, outra importante rua de acesso ao bairro. “A Gleba Palhano é uma região onde estão as melhores construções e aplicações de Londrina, além de ser um bairro totalmente moderno”, salientou o secretário que ainda comentou que a Gleba Palhano vai se tornar um bairro com características de primeiro mundo. “E isso atrairá muitos visitantes para a cidade.”


Outubro de 2009 - Jornal da Gleba 7 ZOOM

O novo agito da Gleba Franquia Salomé Bar chega a Londrina. Localizada na região mais nobre da cidade, o bar promete movimentar a noite dos festeiros de plantão. Confira os clicks da inauguração realizada no dia 28 de setembro.

A Importância do Planejamento Economista e Administrador, formado pela USP, Amyr Klink deu um show durante a palestra realizada dia 21 de setembro no teatro Marista. O público, que lotou o recinto, se divertiu com os relatos curiosos ocorridos durante as diversas viagens que o navegador realiza pelos oceanos, desde 1984. O palestrante Amyr Klink

Carlos Augusto e Mayara Vareschi

Olinto Lemos e Elton Dalan

Amarildo Lopes, diretor da rádio CBN Londrina, com sua esposa Lúcia Amyr Klink e Ralf Dengler, gerente executivo da Fundação Meridional

Os proprietários Marcos Fioretto e Roberto Francisco Ta t i a n a B e n e l l i e F e r n a n d o M e n d o n ç a

Ycaro Martins, Priscila Oliveira e Carlos Eduardo Vieira

As irmãs Melissa e Larissa Calsavara com a amiga Mariana Nardy


8 JORNAL DA GLEBA - Outubro de 2009 IDEIAS E INOVAÇÕES

Casas demolidas se transformam em móveis ecológicos

As histórias da História

Com muita criatividade e respeito ao meio ambiente empresária utiliza madeira reciclada para criar móveis e objetos de decoração

Q

uem olha os bancos, cadeiras, mesas e armários muito bem distribuídos pelo jardim da loja Eco Design, localizada próxima à Gleba Palhano, jamais imaginaria que estes móveis de tão bela aparência um dia foram pedaços de assoalhos, tetos e outras partes de casas de madeiras demolidas. A empresária Ângela Ribeiro (foto abaixo), proprietária da loja, conta que é cada vez mais raro encontrar esse material devido ao longo período de formação do tronco da Peroba Rosa. “Se eu plantar uma peroba hoje, ela estará pronta para ser utilizada só daqui a 200 anos. Por isso, é uma madeira de grande valor atualmente. Por falta de informação ela estava sendo jogada em entulhos após a destruição de construções antigas da re-

gião. Além de reutilizarmos na produção de móveis nobres, evitamos que esse material se perca no meio ambiente”, observou. Há cinco anos trabalhando nesse mercado, Ângela acredita que a tendência de produtos 'ecologicamente corretos' deve crescer à medida que ocorre aumento da conscientização do ser humano, em relação ao meio ambiente. “São muitos os clientes que compram apenas por achar bonito, mas a maioria busca esse tipo de produto pela durabilidade, beleza e preocupação com a natureza”, informou. O engenheiro civil, Marcelo Resquetti, adquiriu algumas peças em madeira de peroba devido à beleza e durabilidade.

“Além de ser bonito, o móvel é durável. É mais satisfatório adquirir um produto desses do que um convencional, pois mesmo com valor um pouco superior, o custo benefício compensa”, disse. Preocupação ambiental, avanço tecnológico e desenvolvimento do design sustentável são elementos principais de fortes tendências da decoração. “O mercado de produtos sustentáveis tem crescido e, hoje em dia, é possível usar os recursos que já foram utilizados sem perder a beleza e a durabilidade”, comentou a arquiteta Cibele Kowalski, que decidiu decorar seu escritório com esse tipo de móveis. De acordo com Cibele (foto ao lado), é possível usar os

recursos que já foram utilizados sem perder a beleza e a durabilidade. Além disso, a madeira seca não empena e não gera dificuldade no momento de ser trabalhada, justamente por ter sido utilizada anteriormente. A arquiteta ressalta ainda que alguns aspectos têm marcado tendência nos últimos tempos. A mistura do rústico com o contemporâneo tem prevalecido na decoração de ambientes, já que essa relação traz harmonia ao espaço. “A madeira é atemporal, nunca sai de moda. É possível deixá-la mais leve, com um aspecto moderno ou deixá-la com aquela aparência bem rústica. Desta forma faz-se uma contraposição com móveis contemporâneos, o que gera beleza e sentido ao ambiente”.

A tão esperada nova narrativa de Francisco Buarque de Holanda foi lançada no início deste ano, trata-se do livro Leite Derramado. Neste seu quarto romance, o autor criou uma trama que já possui seus pares na cultura ocidental: a saga familiar em decadência social e econômica. A narrativa é feita em primeira pessoa. O narradorpersonagem é um senhor muito idoso num leito de hospital. Toda a sua vida nos é revelada através dos diálogos com enfermeira, filha e outros parentes. O pano de fundo das suas intrigas é a história do Brasil nos dois últimos séculos. Portanto, além do prazer desta leitura, ainda é possível relembrar passagens importantes da nossa história recente. Há passagens com seus ancestrais portugueses, barões do Império, senadores da primeira República e chega até a atualidade com seu tataraneto, um playboy do Rio de Janeiro atual. Um dos pontos fortes da obra é o estilo adotado pelo autor. Na construção do discurso de sua personagem, a ordem dos fatos é embaralhada e desorganizada, às vezes repetitiva, para representar o estado psicológico do narrador. Afinal é um homem que está constantemente sobre o efeito da morfina e numa idade já avançada para que as lembranças sejam totalmente confiáveis. Enfim, uma história capaz de te prender ao texto de forma poucas vezes encontrada na literatura nacional. Diversão garantida não só pelo deleite estético de ler uma boa e bem escrita história, mas também pelo prazer de saber que nosso magnífico compositor não deixa nada a desejar ao escritor. Nelson Bulhões Professor de literatura


Outubro de 2009 - Jornal da Gleba 9 CINCO ESTRELAS

Um chá de realeza Definitivamente, a Inglaterra não é o melhor país para os apreciadores de uma boa culinária. Mas uma tradição muito elegante faz valer à pena qualquer percalço gastronômico de quem a visita: o famoso chá da tarde inglês.

S

e a terra da rainha está nos seus próximos roteiros, se prepare para conhecer o melhor da herança aristocrática britânica em um de seus tradicionais salões de chá. Exclusivos e magnificentes, esses locais resistem com muita elegância aos apelos populares das gigantes redes de cafeteria da moderna Londres; e a singularidade de cada ingrediente degustado compensa cada libra esterlina investida. História - A tradição do chá no Reino Unido teve inicio ainda no século XVII com o casamento do Rei Charles II com Catarina de Bragança, Princesa de Portugal que trouxe para a corte inglesa o hábito de beber o chá. Mas foi em 1840 que a bebida foi transformada em evento pela Duquesa Anna Maria Russell, de Bedford. Naquela época, era comum se fazer apenas duas refeições por dia, o café da manhã e, por volta das oito da noite, a janta. Só que no meio da tarde, a duquesa já estava morta de fome e para enganar o estômago, começou a ordenar muito discretamente em seus aposentos uma xícara de chá com algum petisco leve, como um pão com manteiga e bolo. O lanche virou um hábito diário e logo virou uma deliciosa desculpa para reunir as amigas à tarde. O evento ganhou pompa com o passar dos anos, saindo da intimidade dos quartos para as salas de visitas. Na década de 1880, o chá da tarde era já um evento onde as mulheres da alta aristocracia britânica aproveitavam para vestir seus mais ele-

gantes vestidos, chapéus e luvas e lançar moda. Tea Rooms - Embora hoje a cultura do chá da tarde tenha perdido esse glamour, ainda é

Século XVII: Catarina de Bragança, Princesa de Portugal trouxe para a corte inglesa o hábito de beber o chá. possível reviver os anos dourados em alguns sofisticadíssimos “tea rooms” - salões de chá - remanescentes na Inglaterra. Um dos mais famosos é o do restaurante “Saint James”, na tradicional loja de departamentos Fortnum & Mason, existente desde 1707 no centro de Londres. Ali, tudo é muito protocolar. Para dias da semana,

Tradição e requinte nos salões de chá britânicos

deve-se reservar uma mesa com pelo menos dois dias de antecedência. Mas se você escolher tomar seu chá da tarde aos sábados ou domingos, você terá que esperar até três semanas. E nada de informalidade para se vestir. Muito educadamente, o restaurante recomenda aos clientes que “prefiram vestir-se com elegância”, vetando aos “cavalheiros” chinelos e bermudas. As recepcionistas, estrategicamente posicionadas antes da porta de entrada, serão implacáveis com qualquer gafe em seu traje social. Obviamente, saborear genuinamente esse “afternoon tea” tem um preço. No mínimo você vai gastar £40 (cerca de R$130) se escolher o menu mais simples. Mas se quiser viver uma tarde como um autêntico nobre britânico, você deve optar pela seleção de chás raros, acompanhada por uma taça de champagne, além das deliciosas guloseimas. A brincadeira pode custar até £70 por pessoa (R$220), um luxo que merecemos nos presentear ao menos uma vez na vida, não?


10 JORNAL DA GLEBA - Outubro de 2009 MENU

Os segredos da gastronomia tailandesa Conhecida por sua culinária exótica, a cozinha tailandesa encanta no contraste de cores e sabores

U

Pad Thai 200 gramas de camarões médios 80 gramas de talharim de arroz (reidratado) 20 gramas de mayashi 1 ovo 40 gramas de tofu ½ xícara de óleo de soja de amendoim 1 colher de sopa de real curry paste 1 colher de sopa de molho tamarindo 50 gramas de cenoura 1 colher de sopa de camarão seco 1 colher de sopa de farofa de amendoim Limão, coentro, cebolinha e nan pla a gosto Modo de fazer Aqueça a panela wok com óleo e frite a pasta real de curry. Acrescente os camarões e sangue com nan pla. Frite o ovo na lateral da panela. Acrescente o macarrão, despeje o molho de tamarindo. Coloque os camarões secos, o tofu, o amendoim, mayashi, a cenoura e a cebolinha. Decore o prato com mayashi, folhas de coentro, meio limão, amendoim e pimenta calabresa. *os ingredientes desta receita podem ser encontrados no Varanda Bar e Restaurante.

ma mistura rica em cores, cheiros e sabores. A cozinha tailandesa encanta primeiro com os olhos, em um ritual de seqüências que sempre acaba na sofisticação do paladar. Muito conhecida por seus alimentos exóticos, como espetinho de grilo, o verdadeiro segredo desta gastronomia é encontrar nos alimentos do dia-a-dia o equilíbrio entre o doce, o salgado, o ácido e o picante. Quem revelou a dica foi a chef de cozinha, Ronise Castro, especialista em culinária tailandesa, que foi para Tailândia com a sócia e restaurateur, Soraya Vansan. Lá, elas aperfeiçoaram seus conhecimentos e as técnicas da rica culinária. “Saber harmonizar os quatro elementos é um dos maiores segredos da gastronomia tailandesa. Tudo isso ao mesmo tempo e em toda e qualquer receita esse equilíbrio tem que existir”, contou Ronise que ainda explicou que a base dos pratos é a pasta de curry, uma mistura que leva até 28 tipos de especiarias como pimenta, alho, cebola, gengibre, raiz e semente de cuentro e raiz de capim limão. “É nesta pasta que está todo o perfume da comida.” A utilização da pasta de curry artesanal, conforme Ronise, é muito importante para o resultado final de cada prato. “Muitos usam a pasta industrializada aqui no Brasil e até mesmo na Tailândia. O nosso curry é artesanal e nossas receitas são feitas exatamente como lá. Um dos nossos segredos começa ai”, revelou a chef de cozinha. São nos temperos que podemos encontrar a maior diferença com relação à cozinha brasileira, além de misturas como de camarão e carne de porco em um mesmo prato, muito comum na Tailândia. Esta exótica combinação pode ser encontrada no tradicional arroz frito que leva os dois alimentos temperados na pasta de curry. “A gente trouxe essa curiosidade para que as pessoas possam ter essa sensação. É muito saboroso. É uma sensação fantástica”, sugeriu a chef de cozinha que ainda contou que o gosto pela pimenta é um hábito cultivado na Tailândia desde a infância. Outra curiosidade são as refeições dos tailandeses que, mesmo no café da manhã, envolve sopa, salada, curry com leite de côco e arroz. Há seis meses servindo comida tailandesa em Londrina, como o tradicional Pad Thai, um talharim de arroz com camarões ou frango, Ronise, após a temporada, aumentou o cardápio com pratos como a sopa de camarão, a salada

Soraya Vansan com a sócia Ronise Castro de papaia e o Phad Puk Raum, que é um prato vegetariano. Investir neste tipo de gastronomia trouxe bons resultados para o empreendimento. De acordo com Ronise a aceitação do londrinense foi muito positiva, além disso, a culinária tailandesa está em plena expansão nas cozinhas de todo o mundo. “Hoje a comida tailandesa vem sendo considerada um estouro, assim como foi com a comida chinesa anos atrás. Todos os países a vem explorando.” As sócias passaram 22 dias fazendo cursos na Blue Elephant School, uma renomada escola de culinária tailandesa onde conheceram a cozinha real, ou seja, a alta gastronomia. Além disso, elas também se especializaram na cozinha popular. “Nós fomos para uma aldeia com casas de bambu, onde as pessoas têm o hábito de cozinhar no chão e onde aprendemos receitas milenares com os nativos. Essa temporada na Tailândia foi uma imersão cultural gastronômica.” A paixão pela cozinha asiática continua despertando novos interesses na chef de cozinha. “Consequentemente nossos clientes sempre têm novidades.” Ronise ainda contou que já foi implantado no restaurante pratos exóticos da gastronomia indiana que tem forte influência na comida tailandesa. Este mês o Varanda Bar e Restaurante completa noves anos de sucesso com alegria e muita festa, sempre aliadas a uma ótima gastronomia. Serviço: Varanda Bar e Restaurante Rua Espírito Santo, 1725, esquina com a Paranaguá – Centro. Fone: (43) 3321-9707 Atendimento de segunda a sexta-feira das 17h à 1h e aos sábados das 11h à meia-noite.


Outubro de 2009 - Jornal da Gleba 11 SERVIÇO

comercial@jornaldagleba.com.br 43 9135-1556 / 9948-7389

Consertos e Reformas de Roupas

Benê

Fone: 3334-4857 Av. Madre Leônia Milito, 608 - Jardim Bela Suiça - Londrina PR Horário de atendimento: 8h às 19h - Sábado 8h às 14h

AULAS PARTICULARES - OFICINA LITERÁRIA (UEL, UEM E FUVEST)

Prof. Nelson Bulhões Rua Montevidéu, 358 - Pq. Guanabara

43 3325-5020


12 JORNAL DA GLEBA - Outubro de 2009

JG01 - OUT2009  

MENU Móveis ecologicamente corretos Pad Thai IDEIAS E INOVAÇÕES Com muita criatividade e respeito ao meio ambiente empresária utiliza madeir...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you