Page 1

Fev. 12 Ano 8 | Número 3 E-mail: jornal.ebsis@gmail.com

Notícias da Escola

Jornal do Agrupamento de Escolas de Viana do Alentejo

Carnaval das Escolas Pág. 8 e 9

Alunos do Pré-escolar, do 1º e 2º Ciclos do Agrupamento Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Viana do Alentejo

Pág. 3 BAILE DE FINALISTAS

Pág. 2

Organização: Associação de Estudantes da EBSIS

- Seminário Nacional Eco-Escolas 2012 - Campanha Papel por alimentos Pág. 4

OFERTA EDUCATIVA

2012-2013

Pág. 12

Escola com saúde, sem amianto Manifestação à porta da Escola

Pág. 5

Atividades

Pág. 6, 7 e 11

Visita de Estudo Autarquia

Pág. 10

Pág. 13

e Educação

Desporto Escolar

Pág.15


2

EDITORIAL Chegados a meio do ano letivo, é tempo de balanço. A viver em plena crise, mas sempre com o mesmo espírito de trabalho e de sacrifício, vamos desenvolvendo iniciativas que nos levantam o moral e a disposição. Prova disso são as atividades que fomos apresentando nos últimos meses: festa de Natal, desfile de Carnaval, que envolveram todo o Agrupamento, visitas de estudo, participação em eventos desportivos, no âmbito do Desporto Escolar, realização de projetos como Eco-Escola, Escola Musical e Clube de Artes, entre outros, que põem o nome da escola nas conversas entre a comunidade. Com grande satisfação nossa, soubemos que foi eleita uma lista que constitui uma nova Associação de Pais e de Encarregados de Educação, a quem pedimos, desde já, a colaboração no Notícias da Escola, desejando que muito trabalho colaborativo possa ser desenvolvido entre o Agrupamento e esta associação. Falta-nos ainda a realização de obras de intervenção na nossa velhinha escola, que substituam os malfadados telhados de amianto e as canalizações emperradas, para que nos possamos sentir mais revigorados no trabalho e no esforço que tanto pedimos a alunos e professores. Com tudo e apesar de tudo o que temos, a vida escolar continua a correr.

Profª Gertrudes Pinto

A Criança e a Família no Contexto da Crise Um tema na ordem do dia, a pobreza está a aumentar em Portugal e a um ritmo sem precedentes. Crise, desemprego e endividamento são palavras que ouvimos e lemos com bastante frequência. Muitas famílias lutam com grandes dificuldades para se alimentarem, e para muitas crianças a instituição de ensino que frequentam constitui o único local onde usufruem de uma refeição quente. As evidências sugerem que as crianças estão desproporcionalmente afetadas e nem sempre o seu bem-estar está na vanguarda das decisões políticas. As pressões laborais e a insegurança são fontes de stresse que interferem negativamente na família e estão associados a outros resultados negativos em termos físicos e psicológicos e destroem a harmonia, o equilíbrio e a paz familiar. Muitas vezes estas situações degeneram em fenómenos de violência, de alcoolismo, de delinquência e de desequilíbrio familiar que contribuem para aumentar as problemáticas relacionadas com crianças e jovens: negligência, maus tratos físicos e psicológicos, exposição a modelos de comportamento desviante, prática de mendicidade, problemas de saúde e ingestão de álcool e exploração do trabalho infantil entre outras. Acontece que muitas famílias vivem com empregos/salários precários, dependem de prestações de apoio social como o Rendimento Social de Inserção, biscastes e ajuda de instituições de solidariedade social. A relação entre a educação e pobreza, de um modo genérico parece tornar-se num ciclo vicioso: as pessoas são pobres porque não puderam investir em si mesmas e importa salientar que as principais razões apontadas pelos próprios alunos para o abandono escolar estão muitas vezes relacionadas

com dificuldades financeiras, intenção de ingressar no mercado de trabalho, e situação de desemprego por parte dos respetivos pais. Assim somos levadas a concluir que o modelo de proteção social deverá estar adaptado a atual realidade e contribuir para uma maior justiça social, protegendo os mais expostos e indefesos: Crianças e Jovens.

Baseado nos seguintes artigos/livros: Pobreza e Exclusão Social:Almeida, João da Ferreira ; Exculsão Social - Factores e Tipos de Pobreza em Portugal, Reis, Elisabeth; A Exclusão Social Hoje , Amaro, Roque; Sem Abrigo, Sem Amor, Barreto, António Elias; O Poder Local e Exclusão Social, Ruivo, http://www.banco alimentar.pt; http://www.cnpcjr.pt (...)


3

Baile de Finalistas Organização da Associação de Estudantes

Foi no passado dia 4 de fevereiro que se realizou na discoteca “Zona T”, em Viana do Alentejo, o tão aguardado Baile de Finalistas da

Escola Básica e Secundária Dr. Isidoro de Sousa, organizado, pelo segundo ano letivo consecutivo, pela Associação de Estudantes. Foram várias as semanas de espera, de grande entusiasmo e ansiedade, mas também de muito empenho, trabalho e dedicação, que antecederam o grande dia… Até que por fim ele chegou! E, de facto, o resultado do tão esperado acontecimento não poderia ter sido mais satisfatório, pois foi realmente uma noite magnífica, que superou todas as expectativas, onde foi possível o convívio entre alunos, pais, professores e toda a comunidade (escolar e não só) e onde os momentos de diversão, alegria e boa disposição foram sempre uma constante. Além da

entrega das faixas a todos os finalistas e da tradicional Valsa da Meia-Noite, contámos também com baile abrilhantado por Abel Fava e mais tarde, numa perspectiva mais jovem, foi ainda possível dançar ao som da dupla de DJ’s V-Max e Mav. Foi uma noite absolutamente inesquecível e que ficará certamente gravada na memória de todos os intervenientes! Porém, estamos conscientes de que sem alguns apoios a realização deste baile teria sido bem mais complicada, cabendo-me a mim, em

João Ferrão, 12ºA

nome da Associação de Estudantes, fazer alguns agradecimentos, em primeiro lugar às entidades que contribuíram, monetariamente ou através da cedência de materiais e equipamentos, para uma mais fácil realização do evento. Além disso, não poderia deixar de dar os parabéns a todos os meus colegas da AE, bem como a familiares e amigos, pela disponibilidade e pelo ótimo trabalho realizado. Por último, um muito obrigado a toda a comunidade pela participação, e em especial a todos os finalistas, aos quais desejamos desde já o maior sucesso nas suas vidas futuras! Para terminar, fica apenas a informação de que a Associação de Estudantes vai certamente continuar a realizar diversas actividades na nossa escola, as quais serão, a seu tempo, divulgadas.


4

ECO-ESCOLAS Seminário Nacional Eco-Escolas 2012

A cidade de Beja, de 3 a 5 de Fevereiro, acolheu o seminário nacional Eco-Escolas, promovido pela Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE), com o apoio da Câmara Municipal de Beja. Esta iniciativa teve por objetivo a formação e o enriquecimento da rede Eco-Escolas, e é considerada como um dos eventos mais importante que se realiza anualmente em Portugal no que toca à interligação entre escolas, professores e autarquias com a educação ambiental. No Seminário foram divulgados vários projectos, apresentadas boas práticas em Eco-Escolas e em municípios, ateliers práticos e ainda fóruns de discussão, onde foi debatida a metodologia do Programa Eco-Escolas. O projecto Eco-Escolas é um programa internacional vocacionado para a educação ambiental e cidadania, que pretende encorajar ações e reconhecer o trabalho desenvolvido pela escola em benefício do ambiente.

A Coordenadora do Projeto Profª Cláudia Cruz

Banco Alimentar incentiva troca de papel por alimentos

A campanha Papel por Alimentos é uma iniciativa dos Bancos Alimentares, que conjuga objectivos ambientais com solidariedade. Desta forma, o papel angariado (jornais, revistas, etc.) é convertido em produtos alimentares. A Campanha Papel por Alimentos integra-se num ideal mais vasto de sensibilização para a importân-

Notícias da Escola com o apoio de:

Viana do Alentejo

cia do papel de cada pessoa na sociedade e para a possibilidade de recuperar e reutilizar coisas que parecem não ter valor. Entregue todo o papel de que já não precisa, na nossa escola ou no Banco Alimentar mais próximo de si. O seu papel é essencial na luta contra a fome!


5

MANIFESTAÇÃO À PORTA DA ESCOLA A Associação de Estudantes da Escola Básica e Secundária Dr. Isidoro de Sousa organizou uma manifestação à porta da escola no dia 12 de janeiro de 2012, que galvanizou todos os alunos e alunas da escola: reivindicavam uma escola com saúde, sem amianto. De facto, existem no Alentejo, ainda, três escolas com telhados com amianto. Dessas três escolas, far-seá uma intervenção para a remoção do telhado em duas. A escola de Viana do Alentejo fica de fora, não estando prevista qualquer intervenção nesse sentido. A preocupação com a qualidade sanitária da Escola Básica e Secundária Dr. Isidoro de Sousa, em Viana do Alentejo levou a que a professora Arlinda Mártires aplicasse o tema “telhado de amianto” e o impacto na saúde na construção de crónicas, no âmbito da disciplina de Português. Alunos e alunas sensibilizados pelo tema, investigaram na internet os efeitos nefastos desta substância, o enquadramento legal que leva à sua supressão nas construções e, a partir das informações recolhidas, escreveram os seus textos, em que manifestaram a sua preocupação e a sua opinião

A equipa da Biblioteca Escolar, da qual faz parte a professora Arlinda assumiu esta causa e publicou no seu boletim os textos produzidos pelos alunos e alunas. Além disso, no Dia das Bibliotecas Escolares fez uma intervenção em todas as salas de aula e outros espaços escolares com a leitura do “Manifesto Anti Telhado”, da autoria de Arlinda Mártires, numa intertextualidade com o “Manifesto Anti-Dantas” de Almada Negreiros. Foi o suficiente para que se alertasse toda a comunidade escolar para o perigo a que estão expostos, tendo a Associação de Estudantes ficado motivada para o desenvolvimento de outras ações junto à comunidade. Esse tema foi, também, levado ao Conselho Pedagógi-

Notícias da Escola com o apoio de:

Junta de Freguesia de Viana do Alentejo

co pelo Coordenador do Departamento das Ciências Humanas e Sociais, que informou que algumas das atividades previstas para este Departamento, a nível de uma intervenção cívica, serão subordinadas à denúncia e alerta para esta questão, junto ao poder autárquico. Profª Rosa Barros


6

Atividades O Inverno

-Eu fui a Leiria. a cavalo numa bacia. -Eu fui à Vidigueira a cavalo numa cadeira. -Eu fui a Lisboa a cavalo numa meloa. -Eu fui ao Outeiro a cavalo num marmeleiro. -Eu fui aos Açores a cavalo em tambores -Eu fui ao Norte a cavalo a trote. -Eu fui à Madeira a cavalo numa cadeira. -Eu fui a Guimarães a cavalo nos meus cães. -Eu fui à Amieira a cavalo numa frigideira. -Eu fui ao Cadaval a cavalo num batatal. -Eu fui a Viana a cavalo numa banana. -Eu fui a Oriola a cavalo numa viola. -Eu fui ao Porto a cavalo num porco. -Eu fui ao Algarve a cavalo numa trave. -Eu fui ao Escoural a cavalo num blusão de cabedal. -Eu fui a Estremoz a cavalo num bago de arroz. Daniel Filipe, 5ºB

No Inverno as árvores já estão quase completamente nuas, apenas uma folhita teimosa aqui e ali ainda resiste. E o sol poucas vezes nos vem visitar. Alguns dias são arrepiantes com a chuva e o vento a soprar muito forte, a bater nas vidraças da janela. Em casa com os pais e irmãos fazemos torradas e bebemos chocolate quente. A lareira espalha quentinho por toda a casa. Há noites em que não consigo dormir com o vendaval e quando adormeço já está quase na hora de ir para a escola, mas sabendo que fora da cama está um gelo… só me apetece ficar lá deitadinha o dia todo. Mas o Inverno é mesmo assim e a vida não pode parar. Bruna Gomes 6ºC


7

Atividades de Enriquecimento Curricular

Foi no passado dia 17 de fevereiro que 94 crianças das escolas do 1º ciclo de Viana do Alentejo e Aguiar se deslocaram ao polidesportivo da Escola Básica

e Secundária Drº Isidoro de Sousa, com o objetivo de passar uma tarde diferente. Esta atividade foi promovida pelo Agrupamento de escolas,

com parceria da CulArtes e o apoio da CMVA, sob a responsabilidade dos professores das Atividades de Enriquecimento Curricular. O polidesportivo estava divi-

dido em três espaços distintos. Dois deles destinados aos Jogos Desportivos para os alunos do 1º/ 2º ano, e de 3º/4º, e ainda um espaço destinado aos Jogos de

Inglês, Música e Expressão Dramática. Os alunos foram desafiados a construir uma máscara em sua casa, e no final da tarde, após o desfile dos concorrentes, foram atribuídos quatro primeiros prémios, muito simbólicos, às mascaras mais originais. Foi uma tarde diferente, vivida com muito entusiasmo, alegria e diversão. As atividades de enriquecimento curricular são uma oportunidade para as crianças adquirirem conhecimentos, vivenciarem experiências diferentes, mas também para “trabalhar” os afetos. Parabéns a todos os professores e auxiliares que colaboraram nesta atividade. Profª Sónia Mendes


8

Carnaval do Agrupamento No dia 17 de fevereiro, o Agrupamento saiu à rua, num cortejo de Carnaval. Envolveram-se alunos do Pré-Escolar e dos 1º e 2 º Ciclos do Agrupamento, acompanhados dos respetivos professores e de alguns pais. O nosso Carnaval Trapalhão foi mesmo a sério. Quem acompanhou o desfile pôde ver toda a criatividade que cada criança pôs nos fatos antigos, nos diferentes arranjos, nas escolhas mais diversas e imaginadas… As ruas de Viana encheram-se de cores, de sons e de movimentos; toda a gente entoava a modinha especialmente preparada para este dia.

Canção Carnaval Trapalhão O Carnaval trapalhão saiu à rua com animação e uma canção, meninos e meninas com suas fantasias distribuíram alegria, divertiram-se todos naquela hora. Viva, este Carnaval que vai ficar para a História!

Projeto de Máscaras de Carnaval Os alunos das turmas dos 5º e 6º anos da EBS Dr. Isidoro de Sousa construíram especialmente para este desfile as suas máscaras de Carnaval personalizadas. O resultado final foi espetacular, cheio de cor e de criatividade. Os alunos desfilaram com os seus pequenos colegas, no dia 17 de fevereiro, podendo, assim, mostrar o trabalho que nas aulas de EVT vão fazendo.


9

A Propósito do Carnaval Trapalhão Alunos e professores do 1º Ciclo fizeram desenhos e textos a propósito do Carnaval Trapalhão. Aqui estão alguns exemplos.

Poema/ Canção Fica-me bem o penteado Com a esponja de um colchão. Com o meu belo sorriso Tem mais pinta o narigão. As orelhas são radares Em qualquer direção. O meu olhar estrambólico É cópia do camaleão. Com muitas bolinhas juntas Assim é meu casacão. Mostro um céu estrelado Em cada palma da mão. Quando olho as pernocas Vejo foles de acordeão. Nos pés em vez de sapatos Tenho asas de avião. Prof. Carlos Piló


10

Visitas de Estudo Saída de campo às pedreiras de Viana No âmbito da disciplina de Geografia, no dia 3 de fevereiro de 2012, a turma do 10ºB, com a professora Maria João Moreira, realizou uma saída de campo às pedreiras de Viana do Alentejo. Realizámos essa saída com o objetivo de observar os locais de extração do mármore verde de Viana. A pedreira apresenta-se bastante fraturada, ainda que não sejam visíveis falhas. Observámos os cortes realizados na rocha, a forma como era extraída, quais os cortes mais recentes e como evolui o aspeto da rocha com a ação dos agentes erosivos. Observámos também o início da formação dos solos nas áreas mais fraturadas das rochas. Relativamente ao enquadramento geológico, as camadas exploradas pertencem à faixa dos calcários cristalinos de Viana do Alentejo Alvito, e encontram-se inseridas numa zona metamorfizada por contacto com rochas dos tipos gabro e diorito. A sua idade geológica é Câmbrica a Ordovícica, têm 500 milhões de anos; 300 anos mais velhas que os dinossauros. Na subida à pedreira, tivemos a oportunidade de observar a paisagem da vasta planície alentejana, uma vez que este ponto mais elevado proporciona um magnífico campo de visão.

Profª Mª João Moreira

Visita de estudo ao Museu do Chiado e ao Museu Coleção Berardo

No dia 12 de Janeiro, os alunos das turmas A e B de 9º ano deslocaram-se a Lisboa e participaram numa visita de estudo ao Museu do Chiado e ao Museu Coleção Berardo no âmbito das disciplinas de Educação Visual, História e Educação Tecnológica. À saída do autocarro, em pleno Chiado, os alunos manifestaram entusiasmo e curiosidade ao caminharem numa das zonas mais bonitas de cidade de Lisboa. A visita ao Museu do Chiado revelou – se

extremamente interessante para os alunos que assim conheceram algumas obras de pintura e escultura de artistas portugueses e estrangeiros contemporâneos, tendo oportunidade de contactar com várias formas de expressão artística e de materiais. Após a visita ao Museu, os alunos não perderam a oportunidade de observar a estátua de Fernando Pessoa, um dos nomes mais significativos da literatura portuguesa. Seguidamente, professores e alunos deslocaram-se para Belém onde almoçaram e onde participaram numa visita guiada ao sempre interessante e enriquecedor Museu Coleção Berar-

do. Esta visita permitiu a interação dos alunos com algumas obras de arte visualizadas, no sentido de os ajudar a analisar e interpretar algumas das pinturas ou esculturas presentes em exposição. Esta visita de estudo não foi só uma forma de possibilitar aos alunos um maior contacto com obras de arte e artistas diversos, contribuiu também para os ajudar a desenvolver o gosto por variadas formas de expressão artística e perceber que a arte em todas as suas manifesta-

ções deve ser uma forma de liberdade, inserida num contexto político, económico, social e cultural.

Profª Fernanda Carrageta


11

Curso Profissional de Técnico de Apoio à Infância Visita de Estudo ao Jardim-de-Infância

No dia 15 de fevereiro as alunas do 11ºD, do Curso Profissional de Técnico de Apoio à Infância, fizeram uma visita ao Jardim de Infância de Viana do Alentejo para festejar o Carnaval! Elaboraram os seus próprios disfarces nas aulas de TPIE e surpreenderam as crianças com as personagens que representaram. Brincaram, cantaram e dançaram, fazendo as delícias dos mais pequenos! As crianças receberam as nossas alunas de braços e sorrisos

bem abertos, tal como a Educadora São Rocha, a quem aproveitamos, mais uma vez, para agradecer. Foi uma manhã muito divertida que, com certeza, voltaremos a repetir!

Profª Raquel Lapa

Concurso de Colheres de Pau

Para comemorar o Dia dos Namorados, a professora de TPIE do 11º D trouxe a Viana do Alentejo uma tradição da sua terra natal – Vila do Conde. A Feira Grande de Janeiro, Feira dos Vinte ou Feira dos Namorados ficou conhecida como uma das feiras que teve origem no século XVIII e uma das mais importantes do Norte do País. Em Vila do Conde ainda se mantém esta tradição! Durante séculos a "Feira dos Namorados" foi o local privilegiado para os jovens encontrarem o seu "par ideal", deslocavam-se até lá nos seus trajes de festa, levando colheres de pau que serviam de "suporte" para escrever versos e rimas de amor às suas amadas. Esta colher servia como tema de brincadeira, tentando os rapazes tirá-la às raparigas, o que provocava correrias e risadas e, por vezes, o início de alguns namoros. Uma outra maneira de iniciar uma relação de amizade, ou até de futuro compromisso amoroso, consistia em o rapaz oferecer à rapari-

ga que tinha "debaixo de olho", a colher que tinha decorado, e esta aceitá-la. Seguindo esta tradição, realizámos na Escola Básica e Secundária Dr. Isidoro de Sousa uma pequena Feira dos Namorados no dia 14 de fevereiro e, ao mesmo tempo, promovemos um concurso de colheres de pau. As alunas do 11ºD decoraram as suas colheres (sem esquecerem as mensagens de amor), colheres estas que foram expostas para que todos pudessem votar, tendo sido vencedora a colher decorada pela aluna Sofia Ribeiro que receberá um prémio! Profª Raquel Lapa Colher vencedora


12


13

Autarquia e Educação Conselho Municipal de Juventude de Viana do Alentejo O executivo da Câmara Municipal de Viana do Alentejo aprovou o Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Viana do Alentejo (C.M.J.V.A.). O referido Regulamento será votado na reunião da Assembleia Municipal no dia 29 de fevereiro. O C.M.J.V.A. é um órgão consultivo da Câmara Municipal de Viana do Alentejo que visa estimular a participação dos jovens de Viana do Alentejo, Alcáçovas e Aguiar na vida cívica, cultural e política, bem como proporcionar meios para o estudo, diálogo e partilha de opiniões sobre as diversas temáticas que dizem respeito à juventude. O C.M.J.V.A. é um órgão promotor do envolvimento pro-ativo dos jovens nos processos de tomada de decisão da vida autárquica concelhia, através de um processo de desenvolvimento amplamente representativo das ambições e valores da juventude. O C.M.J.V.A. prossegue os seguintes fins: a) Colaborar na definição e execução das políticas municipais de juventude; b) Assegurar a audição e representação das entidades públicas e privadas que, no âmbito municipal, prosseguem atribuições relativas à juventude; c) Contribuir para o aprofundamento do conhecimento dos indicadores económicos, sociais e culturais relativos à juventude; d) Promover a discussão das matérias relativas às aspirações e

necessidades da população jovem residente no município respetivo; e) Promover a divulgação de trabalhos de investigação relativos à juventude; f) Promover iniciativas sobre a juventude a nível local; g) Colaborar com os órgãos do município no exercício das competências destes relacionadas com a juventude; h) Incentivar e apoiar a atividade associativa juvenil, assegurando a sua representação junto dos órgãos autárquicos, bem como junto de outras entidades públicas e privadas, nacionais ou estrangeiras; i) Promover a colaboração entre as associações juvenis no seu âmbito de atuação. A composição do C.M.J.V.A. é a seguinte: a) O presidente da câmara municipal, que preside; b) Um membro da assembleia municipal de cada partido ou grupo de cidadãos eleitores representados na assembleia municipal; c) O representante do município no conselho regional de juventude; d) Um representante de cada associação juvenil com sede no município inscrita no Registo Nacional de Associações Jovens (RNAJ); e) Um representante de cada associação de estudantes do ensino básico e secundário com sede no município; f) Um representante de cada organização de juventude partidária com representação nos órgãos do

Notícias da Escola com o apoio de: Câmara Municipal de Viana do Alentejo

município ou na Assembleia da República; g) Um representante de cada associação jovem e equiparadas a associações juvenis, nos termos do n.º 3 do artigo 3.º da Lei n.º 23/2006, de 23 de junho, de âmbito nacional.

Programa ECO-ESCOLAS

O Município de Viana do Alentejo assinou um protocolo de parceria com a Associação Bandeira Azul da Europa (A.B.A.E.). A parceria estabelecida, visa o compromisso de colaboração entre a A.B.A.E. e o Município na implementação e desenvolvimento do Programa ECO-ESCOLAS no Concelho de Viana do Alentejo. O Município compromete-se a contribuir com as Escolas do Concelho inscritas no Programa ECO-ESCOLAS e a comparticipar em algumas despesas inerentes à atribuição do Galardão.


14

Desta água não beberei! A qualidade das águas desempenha um papel fundamental na prevenção de surtos de doenças diarreicas, não sendo permitida pelas autoridades competentes, de acordo com a legislação atual, a oferta de água para consumo humano com níveis detetáveis de agentes patológicos. As doenças diarreicas causam cerca de 1,8 milhões de mortes por ano em todo o mundo, estando classificadas, dentro das doenças infecciosas, como a 3ª causa de morte e morbilidade, colocando-se à frente da Tuberculose ou da Malária – sendo as infecções respiratórias e a SIDA/HIV as de maior importância. As crianças são o grupo mais vulnerável e outros grupos populacionais, tais como os idosos também estão particularmente suscetíveis a prognósticos sombrios devido a estas doenças. Muitos dos agentes infecciosos responsáveis pelas doenças diarreicas são potencialmente transmitidos pela via hídrica, através do consumo de águas contaminadas. Existem outras doenças muito perigosas, como por exemplo, as hepatites A e E, a poliomielite, a gastroenterite e a febre tifóide, que também podem ser transmitidas

através das águas não controladas. As fontes e os fontanários fazem parte dos patrimónios histórico, cultural e social das populações e das localidades, pois foram uma das principais razões da sua fixação. Estes pontos de abastecimento de água são hoje em dia, ainda bastante utilizados, sobretudo pela população mais idosa e tradicional. O grande problema é que estas águas, devido ao crescimento das indústrias, redes de esgotos e explorações agrícolas, estão muito mais poluídas do que antigamente e tornaram-se inseguras para a Saúde. Facto comprovado pelas análises realizadas nos últimos anos. Uma vez poluídas, estas águas levam cerca de 20 anos a recuperar a sua qualidade. Foi devido a este perigo eminente

Notícias da Escola com o apoio de:

Junta de Freguesia de Aguiar

para a Saúde da população que o Centro de Saúde de Viana do Alentejo decidiu implementar o projeto “Desta água não beberei!”. Este projeto irá ser realizado em conjunto com a Escola Dr. António Isidoro de Sousa de Viana do Alentejo, com o envolvimento dos alunos do 12º ano e da professora Cláudia Cruz na disciplina de Biologia. Estes alunos irão assumir o papel de agentes de saúde na comunidade e, para além da divulgação da informação às famílias e conhecidos, irão elaborar cartazes de sensibilização sobre o tema, e um filme para ser passado em todas as turmas, televisões dos Centros de Saúde e outros estabelecimentos, e até no Cine-Teatro, antes de cada sessão. Dr. Alexandre Alvarez


15

E B SI S

em

CORTA-MATO DISTRITAL

No dia 15 de fevereiro de 2012 realizou-se no Hipódromo da cidade de Évora, o Corta-Mato da Coordenação Local do Alentejo Central. A atividade contou com a participação de alunos de todas as escolas desta estrutura da Direção Regional de Educação do Alentejo. A EBSIS, como vem sendo hábito, marcou a sua presença no evento, representada por 43 alunos e 3 professores. O comportamento de alguns alunos, chegou mesmo a merecer referências positivas pela estrutura organizativa. A participação desportiva dos alunos da nossa escola é merecedora de louvor para todos. Destaque para o 2º lugar da aluna Cristina Reis, 4º lugar do aluno Paul Roothans e para o 3º lugar colectivo alcançado pela equipa de Juvenis Femininos (Susana Calhau, Nina Roothans, Inês Silva e Ana Flamino).

M ov ime nto do dia 25 de janeiro, o 1º encontro de Badminton do Desporto Escolar. O Grupo-Equipa de Badminton do Clube de Desporto Escolar da EBSIS, inserido na série A, fez-se representar por 12 alunos. A equipa de Juvenis Femininos (Gisela Bagão, Margarida Gomes, Telma Lopes e Daniela Bento) obteve o 2º lugar e a equipa de Iniciados Femininos (Joana Mira, Mafalda Conceição, Marta Lacão e Carolina Torres) obteve o 1º lugar com ausência de adversários. No sentido de proporcionar competição também às restantes alunas (Luísa Sousa e Adriana Ramalhinho), os professores responsáveis decidiram concretizar uma competição individual inteiramente preenchida por alunas da EBSIS. Miguel Sousa e Vitor Ginete alcançaram o 1º e 2º lugares respectivamente, dominando por completo o escalão de Infantis Masculinos. Independentemente dos resultados desportivos, o comportamento dos alunos, bem como a disponibilidade, responsabilidade e competência na arbitragem dos jogos é merecedor de um sincero reconhecimento.

na Janota, Marcos Silveiro e Pedro Gonçalves. O desempenho dos alunos foi bastante positivo, uma vez que preservaram sempre o respeito pelos representantes das outras escolas e mantiveram ou superaram o nível que apresentam nos treinos de ténis de mesa. Estes encontros são importantes para a evolução desportiva dos alunos, visto que os coloca numa posição competitiva diferente da habitual, possibilitando uma competição com outros indivíduos que colocam novas dificuldades à forma de cada um jogar. O próximo encontro vai-se realizar no dia 7 de Março e terá, novamente, lugar na EB 2,3 D. João de Portel. Prof. Pedro Sanina

FUTSAL

TÉNIS DE MESA

ENCONTRO DE BADMINTON

A Escola Secundária Severim Faria em Évora, recebeu, no passa-

Prof. Vítor Vilela

Realizou-se, no dia 1 de fevereiro, o primeiro encontro de ténis de mesa deste ano letivo, relativo ao desporto escolar. O encontro teve lugar na EB 2,3 D. João de Portel. Além da nossa escola e da escola de Portel, participou igualmente no encontro a EB 2,3/S do Redondo. Participaram na atividade, representando a nossa escola, os alunos Sofia Soldado, Duarte Nunes, Nádia Guerreiro, Sérgio Guerreiro, Tatia-

Ao longo deste 2º período, os treinos dos núcleos de Infantis e Juvenis têm decorrido de forma bastante satisfatória. A assiduidade por parte dos alunos inscritos tem sido bastante positiva. O quadro competitivo do escalão de Infantis só se inicia no mês de março e o de Juvenis teve início no mês de janeiro. O núcleo de Juvenis, já realizou três jogos, com a Secundária Gabriel Pereira, Vila Viçosa e Redondo que decorreram de forma bastante satisfatória.

Prof. João Horta


16

NOVO SITE

DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIANA DO ALENTEJO

Sabias que o Agrupamento de Escolas tem um novo site e que o endereço deste sítio da INTERNET se encontra dentro do teu bolso? Sabes onde? No verso do teu cartão digital do GIAE

Aluno

http://www.aevianadoalentejo.edu.pt/ Podes encontrar informações relativas à Escola, aos Alunos, Professores, Projetos, Clubes, Desporto Escolar, Jornal Notícias da Escola, Associação de Estudantes, Parcerias, Linkes interessantes...Vem visitar-nos! O Agrupamento de Escolas de Viana do Alentejo também navega nas redes sociais: Procura a nossa página em www.facebook.com

Correio sentimental e espiritual Dr.ª Lizette On-line

Conselheira sentimental espiritual

http://www.aevianadoalentejo.edu.pt/

Alunos indignados Escola Básica e Secundária Dr. Isidoro de Sousa Viana do Alentejo Estrada da Quinta de Santa Maria 7090 Viana do Alentejo Tel.: +351 266 930 070 E-mail: jornal.ebsis@gmail.com Publicação da responsabilidade da Professora Gertrudes Pinto, produção gráfica do Professor Francisco Fadista e impressão na EBSIS. Tiragem: 220 exemplares

Somos um grupo de alunos indignados e pretendemos, aqui, expor a nossa indignação relativamente aos professores que temos, que são maus e nos dizem coisas terríveis, deixando-nos abatidos e deprimidos. Por acaso, a Dra. sabia que os nossos professores nos chamam preguiçosos e desinteressados, só porque, logo às 8.30 da manhã, cheios de sono, nós não temos vontade de trabalhar? Sabia que nos continuam a espicaçar, depois do almoço, só porque, de barriga cheia, não temos pachorra para os ouvir? Nunca estão satisfeitos, estão permanentemente a chamarnos a atenção, como se nós tivéssemos culpa dos horários a que nos obrigam a vir para as aulas. Alguns de nós já estão a ficar trau-

matizados e temos a certeza que estes traumas nos deixarão para sempre marcas profundas na nossa personalidade. Estamos a pensar apresentar queixa ao Ministro da Educação. O que acha desta iniciativa? Indignados e futuros traumatizados

Acho bem, façam-no. Desta maneira, talvez o Ministro perceba quem são os alunos da escola de Viana (e não só) e ensine aos professores como resolver estes assuntos tão delicados. Tenho muita pena de todos vós, meus meninos e minhas meninas. Não tenho dúvidas de que são vítimas de incompreensão e de maus tratos gravíssimos. Lutem! Façam-se ouvir! Lizette de Vasconcellos e Sá

Notícias da Escola - fevereiro 2012  

Jornal do Agrupamento de Escolas de Viana do Alentejo