Page 1

EDUCAÇÃO

URBANIZAÇÃO

CE Arlindo Carvalho de Amorim é selecionado no Programa Escola 1000

2

Obras de urbanização vão melhorar qualidade de vida na CIC

3

SAÚDE

Michele Caputo e Greca discutem projetos para saúde

3

Curitiba, Maio de 2018

JORNAL DA CI️C

#9

CONTEÚDO/INOVAÇÃO/CIDADANIA

Página

Foto: Wagner Roger

4

Voluntários constroem casa para idosa afetada pelas enchentes de março SAÚDE

Reabertura da UPA CIC é adiada mais uma vez

6

EDUCAÇÃO

Estudantes tem encontro com embaixatrizes de países europeus

6

CULTURA

Prefeitura recupera playgrounds e canchas de parques do Rio Barigui

7


02 Jornal da CIC EDUCAÇÃO

BOAS NOVAS

Maio 2018

Farol do Saber e Inovação

CE Arlindo de Carvalho de Amorim é selecionado no programa Escola 1000 Por: Larissa Santin

O

Programa Escola 1000 tem o objetivo de viabilizar e acelerar a realização de reformas em escolas da rede estadual. O investimento total do Programa é de R$100 milhões, dividos entre mil colégios estaduais no estado do Paraná. A comunidade escolar é quem deverá definir a utilização dos recursos. O Colégio Estadual Arlindo Carvalho de Amorim foi selecionado para o programa e agora a gestão da diretora Leila Ribeiro é responsável pela aplicação de 100 mil reais em reformas do sistema hidráulico e elétrico do espaço. A empresa contratada é a WHX Construções, de Colombo, e o prazo para entrega da obra é de noventa dias contados a partir de 17 de maio de 2018.

OAB-PR oferece palestras de noções básicas sobre Direito Previdenciário e Assistencial

Alunos do colégio Arlindo Carvalho de Amorim Fotos: Larissa Santin

Diretora Leila Ribeiro assinando o documento que autoriza as obras.

Colaborou: Direito Familiar

Vamos

nos ater a uma situação: onde duas pessoas – que não são casadas – se relacionaram e tiveram um filho. Neste caso, a presunção da paternidade não existe. Portanto, o pai precisa se manifestar em relação ao reconhecimento da paternidade para que a criança seja reconhecida como sua, bem como para constar o nome dos avós paternos no Registro. No entanto, acontece que nem sempre esse reconhecimento ocorre de forma espontânea, ou em alguns casos, as mães sequer sabem onde podem encontrar o então pai da criança. Estas situações fazem com que inúmeras crianças fiquem sem ter um pai registrado. Desconhecer o paradeiro do pai da criança não torna o reconhecimento impossível. Juízes e Promotores de Justiça (Ministério Público) dispõem de ferramentas de buscas que auxiliam na hora de localizar o paradeiro desses pais. Mas é extremamente importante que se tenha o mínimo de informação sobre a pessoa, para que a busca seja feita. Dentre as informações básicas temos: nome completo, CPF (que ajuda muito), nome da mãe, data de nascimento, RG, etc. Não

“Orientamos de maneira objetiva e clara, explicando a diferença entre previdência, saúde e assistência e informando sobre os benefícios. Para nós o importante é que ao final os estudantes saiam satisfeitos, sem dúvidas”, reforçou a advogada Luciane Soares Nascimento, coordenadora da ação na OAB-PR. Durante os encontros, os participantes também recebem uma cartilha produzida pela OAB com orientações básicas. Programação CIC: E. M. PROFª AMÉRICA DA COSTA SABÓIA (11/07) E. M. JOAQUIM TÁVORA (13/09) E. M. VILA SÃO JOSÉ (09/10) E.M. COLÔNIA AUGUSTA (13/11) E. M. TANCREDO NEVES (04/12)

Meu filho não tem pai no registro. E agora?

A revitalização do espaço conta com laboratório de informática, biblioteca e impressoras 3D, onde as crianças poderão imaginar, desenhar e fabricar peças e brinquedos. A inauguração do Farol do Saber e Inovação CIC está previsto para o dia seis de junho.

Foto: Pixabay

Sítio arqueológico na CIC vai virar parque A reserva de interesse geológico e paleontológico tem área de 160 mil m², e fica às margens da BR-277, próxima do Contorno Sul. A criação do parque é resultado de uma parceria entre a Prefeitura de Curitiba e a Universidade Federal do Paraná.

VIa liberada A Rua João Dembinski, na CIC, está liberada para o tráfego desde o dia 16 de maio. A via estava bloqueada no trecho entre as ruas Clemente Ritz e Rio do Sul para uma intervenção da Secretaria Municipal de Obras Públicas.

Bacia do Barigui passa por obras

é necessário ter todos esses dados, mas quanto mais informações, mais rápida e precisa será a busca. Com esses dados, podem ser realizadas buscas junto à Copel, empresas de Telefonia, ao SENASP – Secretaria Nacional de Segurança Pública, onde podem ser feitas buscas por veículos, informações junto à Receita Federal, etc. Através desses sistemas, poderão a p a recer possíveis endereços em que o pai poderá ser encontrado. Mas lembramos: para que tudo isso seja movimentando, é

necessário entrar com um processo de investigação de paternidade. Ainda, se após todas as buscas nenhum endereço for encontrado e realmente não houver informações acerca do paradeiro do possível pai, existe a possibilidade de tentar comprovar o vínculo da paternidade por meio de provas documentais, tais como fotos, mensagens, testemunhas. Não é o meio mais fácil e requer uma análise extremamente cuidadosa acerca da situação, mas ainda assim, é uma forma possível de tentar comprovar a paternidade.

O Departamento de Pontes e Drenagem da Secretaria de Obras Públicas já fez o alargamento de 70% do trecho de 22 quilômetros do Rio Barigui que está em obras A obra inclui o perfilamento do canal (alargamento das margens), alinhamento do fundo, a limpeza das margens e, em alguns pontos, a construção de muros de gabião, que são gaiolas de ferro preenchidas com pedras, para conter as margens, evitar erosão e garantir estabilidade do solo (barranco do rio). A macrodrenagem consiste em complexas obras para o escoamento de grande volume de água dos rios e da chuva. As obras na Bacia do Barigui estão sendo feitas com recursos do Ministério das Cidades (PAC 2). Só este conjunto de obras tem um custo de R$ 14,3 milhões. Elas fazem parte do Plano Diretor de Drenagem de Curitiba.

EXPEDIENTE DIREÇÃO: Larissa Santin 0011466/PR CNPJ:28.650.673/0001-06


Michele Caputo se reúne com Greca e discute novos projetos para a Saúde

O ex-secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto, tem trabalho forte para pavimentar sua pré-candidatura à deputado estadual. Nesta segunda-feira (14), em Curitiba, se reuniu com o prefeito Rafael Greca para tratar sobre novos projetos para a saúde da capital. Mais cedo, já havia se reunido com a secretária de Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak. “Estamos levantando as principais demandas dos gestores e da comunidade. Nosso objetivo é propor ações que melhorem o assistência da população e garanta atendimento ágil e de qualidade para mais perto das pessoas”, explica Michele Caputo. Segundo ele, que também já foi secretário de Saúde de Curitiba por duas vezes, o sistema de saúde da capital tem tudo para voltar a ser modelo para o país. “A equipe de saúde da capital é, sem dúvida, uma das melhores do Brasil. Com estrutura de trabalho adequada, eles podem desenvolver um trabalho de excelência, com benefício direto á população”, enfatiza. Nas próximas semanas, Michele Caputo deve fazer um giro nos distritos sanitários e nas unidades de Saúde para conversar com lideranças comunitárias e ouvir as demandas dos profissionais da atenção primária. Durante as visitas, vai acompanhar também o andamento de obras e investimentos realizados pelo Governo do Estado na saúde de Curitiba, no período em que foi secretário estadual. Destaque para as reformas de 14 unidades de saúde e o conjunto de equipamentos adquiridos para fortalecer o trabalho da atenção primária. Michele Caputo ressalta que a área hospitalar da capital também recebeu atenção especial na época em que foi secretário estadual da Saúde. Exemplo claro disso foi a construção do heliponto do Hospital Cajuru, os equipamentos para o Hospital Evangélico, a construção da oncopediatria do Hospital Erasto Gaertner, os recursos de custeio para o Hospital Pequeno Príncipe e o Anexo da Mulher do Hospital do Trabalhador, que é a maior expansão física da unidade desde sua fundação. “Estamos ampliando a oferta de leitos em Curitiba e também na região Metropolitana, com hospitais parceiros como o Hospital do Rocio e o Hospital Angelina Caron. É desta forma, com trabalho sério, que vamos melhorar o atendimento das pessoas”, detalha Michele Caputo.

03

HABITAÇÃO

Obras de urbanização vão melhorar qualidade de vida na CIC Via: SMCS

Uma obra da Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Cohab) vai melhorar a infraestrutura do conjunto Moradias Arroio, na CIC, onde vivem 184 famílias que foram transferidas de áreas de risco. O edital de licitação para contratação de empresa que vai executar serviços de terraplanagem, contenção, pavimentação, iluminação e construção de galerias foi publicado neste semana. A intervenção representa investimento de R$ 2,5 milhões, recursos próprios do município. A obra faz parte do projeto de urbanização da Bacia do Rio Formosa. “O trabalho da Cohab não é restrito apenas à construção de casas. Entre as atribuições da companhia também está a urbanização e regularização de áreas, com obras de infraestrutura que dão mais dignidade à população, uma vez que aumentam a qualidade de vida dos moradores”, afirma o presidente da Cohab, José Lupion Neto. Será implantado um novo sistema viário com a pavimentação de 1,2 km de vias e 60 metros de galerias de drenagem pluvial. A iluminação pública do local será composta por 18 luminárias. Também serão executados 1,4 km de redes de esgoto sanitário

e 1,6 km de redes para abastecimento de água. Para garantir a segurança dos moradores e de quem transita pelo local, será implantado um muro de arrimo com cerca de 200 metros de comprimento e altura variável de um a três metros, em virtude de um grande desnível existente entre as quadras do conjunto. O processo de licitação termina com a abertura das propostas no dia 11 de junho. O prazo de execução da obra é de seis meses. As famílias que vivem no Moradias Arroio deixaram condições precárias no chamado bolsão Formosa, composto pelas vilas Leão, Formosa, São José e Uberlândia, todas no bairro Novo Mundo.

RESPEITO

Via: SMCS

Beto Pires, cidadão que mudou o bairro onde viveu

A

cidade cresce, se desenvolve para todos os lados, regiões mudam de perfil, mas as praças continuam sendo ponto de encontro dos moradores. Na CIC, a Praça Eli Ribeiro da Silva estava sendo pouco utilizada, até Beto Pires, 55 anos, e seus vizinhos resolverem “cuidar” da praça. Beto Pires, personagem principal desta matéria e da ação de revitalização, veio a falecer no mês de maio desse ano. O exemplo de Beto Pires deve ser conhecido e seguido por mais pessoas de Curitiba. Nos 47 anos que vive na CIC, Beto Pires, como Leônidas Alberto Pires, 55 anos, é mais conhecido, viveu as mudanças do bairro – tendo como vista a Praça Eli Ribeiro da Silva, onde crianças brincam no parquinho, jogam bola na quadra de areia ou basquete num espaço que também é cercado por árvores e dispõe de banquinhos. Anos atrás, de seu posto na janela de casa Leônidas notou que o lugar estava ficando mais vazio – as tardes de domingo já não reuniam muito a molecada. Intrigados, ele e quatro vizinhos decidiram agir. Pires lembra que a manutenção (roçada, limpeza) da área era feita, mas queriam mais. “Nós resolvemos melhorar o acabamento de um serviço que já era feito e também contribuir para melhorar a limpeza”, conta ele. “A praça tinha um aspecto feio e abandonado.” O quinteto começou a fazer os retoques no local, tirar lixo com regularidade (fora dos horários da limpeza pública), mostrou, enfim, cuidado com a área, que fica na mesma rua da Escola Municipal Albert Schweitzer. Coincidência ou não, as crianças começaram a voltar, diz Pires. Hoje em dia, antes e depois das aulas, o parquinho fica lotado de novo. Morador atrai morador. “Os pais começaram a levar seus filhos para brincar à noite também”, diz Leônidas, reforçan-

do que o local está bem iluminado e seguro. Hoje, ele mantém o reforça da manutenção da limpeza em dia, recolhe o lixo, retira o mato que cresce na areia, cuida de algumas flores. Ações que para ele merecem atenção constante. “É trabalho de todos os dias.” “Como cidadãos, temos deveres e responsabilidades”, diz Pires, para quem todo mundo pode dar uma ajuda para melhorar a cidade. “Ainda mais eu, que gosto tanto dessa região.” Segundo ele, alguns moradores do bairro dizem que ele não deveria cuidar da área como faz, que está é uma obrigação do município. Ele aceita as “críticas”, mas também ouve bastante elogio pela sua atuação na praça. “Enquanto muitas pessoas reclamam, outras fazem algo”, diz. “Eu não me importo em fazer.” Serviço Os serviços municipais podem ser solicitados por todos os moradores por meio da Central 156, que atende pelo telefone e também pela internet.


04

Jornal da CIC

Maio 2018

CIDADANIA

Voluntários constroem casa para moradora afetada pelas enchentes de março Dona Cecília enfrentou a enchente acompanhada apenas de sua cachorra de estimação, Polaca Por: Larissa Santin, jornalista

O trabalho voluntário é uma alternativa para

realização de ações transformadoras em comunidades no mundo todo. Aqui na CIC, um grupo de pessoas decidiu reconstruir a casa de Dona Cecília, uma senhora de 80 anos que foi profundamente afetada pelas enchentes de março de 2018. No dia 20 de maio o Jornal da CIC aompanhou a fase de pintura da casa e conversou com os idealizadores do projeto. O artista visual Paulo César Oliveira, também conhecido como Paulo Auma, nos conta que a história do grupo de voluntários com a da Dona Cecília se cruzou por acaso. Durante as enchentes que afetaram diversas regiões da CIC, toda a comunidade juntou esforços para ajudar os vizinhos, amigos e parentes e para arrecadar doações. Paulo saiu pelas ruas, no dia seguinte a enchente, batendo de porta em porta distribuíndo água sanitária, que coletara nas múltiplas campanhas divulgadas. Quando passou pela casa de Dona Cecília Gonçalves Costa. “Nós vimos uma casa bastante deteriorada e pensamos que não havia ninguém lá. Batemos palma e ninguém atendeu. Continuamos batendo palma até que aparece uma senhora de oitenta anos, apoiada em dois pedaços de pau, andando com muita dificuldade”. O grupo foi convidado a entrar na casa, onde souberam como Cecília havia passado a noite anterior: sozinha, acompanhada apenas de sua cachorra de estimação, a simpática Polaca – a quem teve o cuidado de colocar sobre a mesa durante a enchente, para que não se molhasse. A octagenária havia perdido quase todos os seus pertences, sem condições físicas de tentar salvar o pouco que possuía. “A casa era de madeira e estava inchada, com cheiro de bolor, uma situação crítica”, afirma Paulo Auma. O empresário Vagner Capone conta que se apaixonou por Dona Cecília de imediato, e que, junto com o grupo de amigos, pensou em uma solução para a questão habitacional da senhora de oitenta anos. O evento

Fotos: Wagner Roger

Fotos: Acervo pessoal


05

Vídeo

Dona Cecília Gonçalves e Vagner Capone em frente a nova casa

"A Dona Cecília foi um presente na nossa vida" Vagner Capone

Rock do Bem, promovido por diversas bandas de rock de Curitiba e realizada no Claymore Bar, conseguiu arrecadar mais de 4 toneladas de doações e mais de 25 mil reais para os afetados pelas enchentes na CIC. E parte desse recurso foi destinado para a situação de risco a qual estava submetida dona Cecília. A primeira fase foi de demolição da casa e construção de uma nova fundação, agora mais alta, evitando danos de uma possível enchente futura. Num segundo momento, foi construída uma nova casa de madeira, com sala, cozinha, quarto e banheiro e rampa de acessibilidade, já pensando em adaptar a casa para as necessidaes futuras de Dona Cecília. E na terceira fase os voluntários se concentraram em pintar a casa, construir um espaço para horta e outros detalhes, que deixaram a casa com um aspecto lúdico e caipira, no m e l h o r sentido da palavra. A casa foi pintada de azul, a pedido da moradora, e flores foram pintadas nas paredes e plantadas pelos cantos. Atitudes como as deste grupo, de atenção, de receptividade e carinho dirigidas aos nossos companheiros de bairro que transformaremos a Cidade Industrial inteira.


06

Jornal da CIC

Maio 2018

Estudantes têm encontro com embaixatrizes de países europeus

SAÚDE

Reabertura da UPA CIC é adiada mais uma vez

Via SMCS

Por: Larissa Santin

A Unidade de Pronto Atendimento da CIC, fechada desde 2016 para reformas, continua sem funcionamento. Depois de um embate judicial entre o municípo e o ministério público, que durou meses, sobre a questão do modelo de gestão por organizações sociais, o município conseguiu reverter a liminar do MP e pôde dar continuidade ao edital de seleção e qualificação das organizações. No dia 20/4, a SMS lançou o edital específico para a seleção da Organização Social que atuaria na UPA CIC, para que qualquer uma das entidades já qualificadas pudessem concorrer, mas foi apenas no dia 18/05 que as OS apresentaram suas propostas financeiras. Segundo a secretária municipal da saúde, Márcia Huçulak, a previsão para reabertura da UPA CIC seria em maio. O mês passou e a Unidade continua fechada. Segundo nota da SMS, no dia 15/5 uma das empresas interpôs recurso contra resultado do julgamento da fase de habilitação, o que atrasou o processo de reabertura. E a nova previsão depende do andamento do processo de licitação e a ocorrência ou não de intercorrências como essas.

“Se não tiver mais nenhum atraso, na segunda quinzena de junho a gente estará com a UPA aberta na CIC”, afirmou, durante audiência pública na Câmara de Vereadores na segunda-feira (28), a secretária municipal da Saúde, Márcia Cecília Huçulak.

O

programa Linhas do Conhecimento, da Secretaria Municipal da Educação, promoveu o encontro de estudantes com embaixatrizes e representantes de 19 países da União Europeia. A atividade foi feita na tarde desta quinta-feira (3/5) no espaço cultural A Fabrika, no Alto da XV. As crianças e adolescentes, de 11 a 15 anos, participam do grupo Embaixadores do Futuro da Prefeitura. Os estudantes tiveram momentos de grandes e divertidas descobertas, além de muita imersão cultural. A atividade foi promovida pela Associação dos Institutos Culturais, Embaixadas e Consulados de Países Membros da União Europeia (EUNIC). O objetivo, explica o presidente da EUNIC-Curitiba, e diretor da Aliança Francesa, Bertrand Lacour, foi provocar um intercâmbio cultural entre os estudantes e representantes de 19 dos 28 países que integram a União Europeia. Estiveram presentes cônjuges e representantes das embaixadas da Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Chipre, Croácia, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Grécia, Irlanda, Itália, Lituânia, Luxemburgo, Polônia, Reino Unido, Romênia e Suécia. “Estamos comemorando a 14ª edição da Semana da Europa e a atividade faz parte da programação. Buscamos desenvolver experiências lúdicas e culturais para despertar a curiosidade das pessoas em conhecer a nossa cultura”, disse Lacour. Atividade consular O Embaixadores do Futuro é um programa proposto pela Assessoria de Relações Internacionais (ARIN) da Prefeitura de Curitiba e coordenado pelo Linhas do Conhecimento. O objetivo é promover o conhecimento da atividade consular para estudantes de turmas de 6º ao 9º ano do ensino fundamental. Durante o encontro desta quinta-feira os estudantes puderam conversar com as embaixatrizes, conhecer fatos e histórias dos países, além de assistir apresentações de música e dança. As performances foram feitas por representantes dos institutos Cervantes, Goethe e Aliança Francesa. Os Embaixadores do Futuro foram presenteados com a “Mala de Conhecimentos”, contendo livros, gibis, filmes e outras produções dos países integrantes da EUNIC. Itinerante, a mala percorrerá as escolas da rede municipal de ensino.

A secretária municipal da educação, Maria Silvia Bacila destacou a importância da experiência de intercâmbio cultural vivenciada pelos estudantes a partir do encontro com pessoas que vivem culturas diferentes. “Foi um momento extremamente rico, de imersão cultural e diplomacia que o grupo poderá multiplicar nas escolas onde estudam”, disse Maria Silvia. Idiomas O assessor municipal de Relações Internacionais, Rodolpho Zannin Feijó, que acompanhou parte do intercâmbio entre os estudantes e as embaixatrizes, salientou a oportunidade de as crianças poderem, inclusive, interagir com outros idiomas. “Entre as atividades do Embaixadores do Futuro está a organização para participação de cursos em línguas estrangeiras. O contato com representantes diplomáticos foi também um estímulo para aprimorarem essa aprendizagem”, disse Zannin. A estudante Ana Julia Scheibe, de 13 anos, da Escola Municipal Julia Amaral Di Lenna, na Barreirinha, ficou encantada em ouvir o sotaque italiano, idioma que está aprendendo por meio do programa. “Sonho conhecer o mundo e essa tarde foi como uma amostrinha desse meu objetivo. Foi incrível”, disse a estudante. Descendente de ucranianos, a estudante da Escola Municipal Albert Schweitzer, na CIC, Julia Sobenko, de 14 anos, contou que gosta de ouvir sobre a cultura e história de outros povos, especialmente os que colonizaram Curitiba. “Conhecer outras culturas é enriquecedor, ainda mais se as informações são passadas por quem vem desses lugares”, disse Júlia. A responsável pelo programa Linhas do Conhecimento, Scheilla Maria Orlosqui Cavalcante da Silva, afirma que os estudantes integrados ao Embaixadores do Futuro têm oportunidades de participar de ações como desta quinta-feira, que contribuem para a ampliação cultural e o desenvolvimento de atitudes de respeito à diversidade. “Existem diferentes culturas, etnias, gêneros, raças, opiniões, costumes numa mesma realidade. Nós, profissionais da Educação, precisamos zelar pela formação de nossos jovens garantindo acesso à essa diversidade e fomentando o respeito e a valorização de todos os grupos sociais”, disse Scheilla.


Prefeitura recupera playgrounds e canchas de parques do Rio Barigui via SMCS

Q

uatro parques localizados às margens do Rio Barigui, nos bairros CIC, Fazendinha e Campo de Santana, estão sendo preparados para receber as crianças e as famílias nas próximas férias escolares. Com os dias mais frios e a diminuição das roçadas, as equipes de manutenção da Prefeitura trabalham na recuperação das canchas e dos equipamentos de aço dos playgrounds. Já receberam melhorias as áreas nos parques Mairi (CIC) e Guairacá (Fazendinha). Nos próximos dias, os trabalhos serão no Parque Mané Garrincha (CIC) e, em seguida, os serviços acontecem no Parque Yberê (Campo de Santana). Além de recuperar a estrutura dos brinquedos e dos alambrados das canchas, as intervenções consistem na troca e higienização da areia, serviços essenciais e feitos com frequência para garantir a saúde e bem-estar dos frequentadores.

INTERNET Facebook/Jornaldacic www.jornaldacic.com.br

Fale sobre o bairro com a gente! Precisamos de relatos, críticas, palpites, sugestões e até denúncias para que o poder público possa saber e tomar providências. Se preferir, mande sua mensagem por áudio ou vídeo também! Também estamos no WhastApp (41) 99979-1177 Fale conosco e ajude a construir uma rede de boas informações!

ANUNCIE SUA MARCA AQUI

(41) 99979-1177 COMERCIAL@JORNALDACIC.COM.BR


CU R I TI BA TE M U MA DAS E X PE R I ÊN CI A S MAI S CR I ATI VAS D O PAÍS . PALAV RA D E QU E M MAI S E NTE N D E D O AS S U NTO NO M U N DO.

O projeto Farol do Saber e Inovação é uma das 8 experiências inovadoras selecionadas pelo Desafio Aprendizagem Criativa 2018, promovido pela Fundação Lemann e pelo MIT Media Lab, que é uma das maiores autoridades em inovação e tecnologia no mundo.

PARA NOVAS EXPERIÊNCIAS NO FUTURO, CURITIBA TRANSFORMA A EDUCAÇÃO AGORA.

Profile for Jornal da CIC

Jornal da CIC #9  

Edição de maio de 2018

Jornal da CIC #9  

Edição de maio de 2018

Advertisement