Page 1

SAÚDE

UPA CIC: Impasses jurídicos e manifestações

DIREITO

2

Não consigo pagar a pensão alimentícia do meu filho. E agora?

3

ENTREVISTA

“Esse ano temos muito o que comemorar”, diz o prefeito Rafael Greca

4

Curitiba, Fevereiro de 2018

JORNAL DA CI️C

#6

CONTEÚDO/INOVAÇÃO/CIDADANIA

UPA fechada há mais de um ano provoca manifestações CULTURA

Farol do Saber é guia para leitores e internautas

5

TRÂNSITO

Deslizamento de terra na Rua João Dembinski

6

Página

GPS

Onde encontro o Jornal da CIC pelo bairro?

2

7


02

Jornal da CIC Fevereiro 2018

SAÚDE

UPA CIC: em que pé estamos O processo de licitação das OSs deve terminar até maio deste ano, segundo a Secretaria Municipal de Saúde Por: Larissa Santin, jornalista

A UPA CIC foi fechada em novembro de 2016 para

reformas. Em março de 2017 a UPA já estava pronta, contando com 18 leitos e possibilitando o atendimento de 400 pessoas por dia, em média. A Prefeitura informou que a reabertura estava programada para o segundo semestre de 2017, pois, segundo nota oficial, “o fato de a UPA CIC ainda estar fechada remonta problemas orçamentários da gestão anterior, que encontrou dificuldades de custeio para as UPAs e RH”. Em setembro, a Secretaria Municipal de Saúde informou que a UPA CIC seria administrada com um outro modelo, uma espécie de projeto piloto, onde a Unidade seria gerida por Organizações Sociais. O processo de qualificação das OSs para gerenciar a UPA CIC estava em andamento, quando no dia 28 de novembro, o Ministério Público suspendeu o edital de chamamento das OSs, argumentando que o município não havia comprovado necessidade e não esgotou as possibilidades de realizar a administração de forma direta ou indireta. O MP-PR ainda afirmou considerar “obscuras” as razões para a UPA CIC continuar fechada após as reformas. Com o intuito de esclarecer a população, no começo de janeiro, a Regional CIC organizou uma reunião com a superintendente da saúde, líderes comunitários e membros do conselho de saúde da CIC. Porém, como a SMS não pôde prever uma data para reabertura, devido ao impasse com o MP-PR, o clima foi de indignação. No dia 24 de janeiro, o desembargador Carlos Mansur Arida, da 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Paraná, concedeu a decisão favorável ao município, revertendo a liminar do MP que suspendeu o chamamento para qualificação das OSs. O edital foi reaberto e está em andamento, segundo SMS.

Acima: UPA CIC, fechada desde 2016. Abaixo: Manifestantes fecham o cotorno sul Fotos: Larissa Santin

Manifestações O dia 02 de fevereiro foi marcado por manifestações. Dezenas de pessoas marcharam em frente a UPA CIC em direção ao contorno Sul, trecho que foi fechado por várias horas. Houve queima de pneus e carro de som. A demanda não foi somente em relação a falta de previsão para reabertura da UPA, mas também foi questionado o modelo de gestão escolhido pelo município. Diego Torres, da associação de moradias do Sabará, queixa-se da falta de comunicação entre o poder público e comunidade “a gente tá cobrando um posicionamento sobre a terceirização, queremos um diálogo para saber se isso é realmente benéfico pra comunidade, porque é positivo já que eles querem fazer. A gente espera também, principalmente, uma data. Não adianta falar que vai abrir, queremos uma data.”, explica Diego. A vereadora Josete (PT) estava presente na manifestação e criticou a ideia de gestão proposta pela Prefeitura. Sugeriu que os funcionários da UPA fossem contratados via concurso público ou por meio da fundação estatal, segundo a vereadora, um processo mais rápido. É terceirização ou não é? Embora o modelo escolhido para reabertura da UPA CIC seja comumente chamado de terceirização, a secretária Municipal da Saúde, Márcia Huçulak, afirma, em artigo publicado na Gazeta do Povo, em novembro de 2017, que “a unidade que passar a ter seu gerenciamento realizado por uma OS não perderá o caráter público. Portanto, não há de se falar aqui em terceirização de serviços – só há terceirização quando o Estado contrata serviços diretamente

“De fato, só saberemos se é positivo ou negativo na prática” Bruno Meirinho, advogado da iniciativa privada, que os presta em nome próprio, mediante remuneração prevista em contrato. Nos contratos de gestão com as OSs, a UPA continuará pública, com todo o seu patrimônio afeto ao serviço público. Somente o gerenciamento será feito pela OS.” Segundo a SMS, a escolha do modelo de gestão está pautado em estudos sérios. Para o advogado Bruno Meirinho a gestão por OSs realmente não configura terceirização e sim uma subcontratação. Ele entende, porém, que para o cidadão é como uma terceirização, uma vez que o funcionário da Unidade não possui vínculo com o estado. O ponto positivo, segundo Meirinho, seria a contínua avaliação do profissional e sua dispensa caso oferte um serviço de má qualidade. O ponto negativo seria justamente o risco

da rotatividade, que pode trazer insegurança ao funcionário e, por consequência, queda no rendimento. “De fato, só saberemos se é positivo ou negativo na prática”, finaliza o advogado. Pesquisas Um estudo do Banco Mundial (2006) afirma que a gestão por OSs tornam os serviços 30% mais produtivos e 8% mais baratos. Por outro lado, os críticos afirmam que o modelo facilita a fraude e o desvio de verba pública. Previsão O edital para qualificação das OSs está em andamento. A reabertura da UPA CIC, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, está prevista para maio deste ano.


03

DIREITO

Não consigo pagar a pensão alimentícia do meu filho. E agora? Colaborou: Direito Familiar

Inúmeros são os casos de pais e mães que pa-

gam pensão alimentícia, mas, em decorrência de algum contratempo, às vezes, ficam impossibilitados de continuar arcando com a quantia estipulada judicialmente. Isso pode acontecer por diversos fatores. Pode ser que os rendimentos tenham diminuído em razão da mudança de emprego, ou então, as despesas da casa tenham aumentado muito, por exemplo. O resultado? Muitas discussões, dívidas surgindo e, até mesmo, uma determinação judicial decretando a prisão do devedor dos alimentos, bens sendo penhorados, inscrição do nome junto ao SERASA e SPC…. Enfim, muito transtorno! Para tentar evitar situações como essas, é preciso ter em mente que a pensão alimentícia fixada em favor dos filhos deve respeitar a situação vivenciada pelos membros da família. Claro que tudo fica mais fácil quando o relacionamento entre os envolvidos é sadio e existe um bom diálogo entre todos. No entanto, nem sempre isso acontece e nem sempre esse diálogo sadio se mantém. Por isso, quando houver qualquer alteração da situação financeira da pessoa que deve prestar os alimentos, que dificulte o pagamento do valor determinado judicialmente – mesmo que parcialmente – deve ser procurado o advogado (ou o profissional) que a atendeu no processo de alimentos, ou outro que lhe convir, para que entre com um processo chamado de “revisão de alimentos”. Mesmo que os alimentos tenham sido fixados judicialmente, seja por intermédio de um processo litigioso ou por homologação de acordo realizado entre as partes, eles podem ser alterados. Os valores podem ser aumentados ou diminuídos, desde que fique comprovado que houve modificação na situação de quem recebe os alimentos ou na de quem os paga.

OBRAS Em

visita à Associação das Empresas da Cidade Industrial de Curitiba (Aecic), o prefeito Rafael Greca destacou nesta terça-feira (20/2) o plano de recuperação asfáltica programado para este ano em Curitiba. “Viemos aqui para anunciar o asfalto novo nas ruas Senador Accioly Filho e João Rodrigues Pinheiro”, disse. As obras para requalificar as duas vias contemplam um investimento de quase R$ 3,5 milhões. “Essas duas importantes vias de ir e vir da Cidade Industrial vão ser requalificadas entre as primeiras 61 ruas dos 240 km de asfalto que vamos fazer neste ano. Essas duas ruas já estão licitadas e as obras devem começar ainda no mês de fevereiro ou março”, adiantou Greca. Troca de ideias O prefeito falou ainda da importância da reunião para o

Assim, é possível a revisão da pensão alimentícia anteriormente fixada sempre que houver alteração da situação financeira do alimentante ou das necessidades do alimentado, cabendo àquele que pretende a alteração demonstrar tais circunstâncias por meio da produção de provas em um processo, havendo ainda a possibilidade de as partes realizarem acordo sobre a questão. De acordo com a legislação brasileira, é o autor dessa ação revisional de alimentos (aquele que propôs a demanda) que deve demonstrar no processo que houve alteração na situação financeira das partes (ou seja, no binômio necessidade/possibilidade). Não adianta somente dizer, deve provar satisfatoriamente a alteração que justifique a mudança no valor já fixado. Muitas vezes nos deparamos com processos de cobrança dos alimentos em que a pessoa

executada (devedor) diz que conversou com a pessoa responsável pelo filho, e que realizaram apenas um acordo verbal sobre o pagamento da pensão alimentícia, sem, no entanto, formalizar esse acordo. Geralmente esses acordos tratam de uma diminuição no valor da pensão, diante da dificuldade momentânea que o devedor estava enfrentando. Mas é importante deixar claro que esses acordos verbais não têm valor jurídico, ou seja, por não terem sido realizados da maneira correta, a diferença dos valores não pagos pode ser cobrada em um processo de execução (cobrança). Portanto, é extremamente importante que aquele que paga os alimentos, em havendo alteração da sua situação financeira que reflita no pagamento da pensão alimentícia, entre com um processo de revisional de alimentos, para que, sendo o caso, um novo valor seja fixado e formalizado.

Obras de R$3,5 milhões na Cidade Industrial são confirmadas intercâmbio de projetos entre o município e a Aecic. “Nós viemos aqui também para trocar ideias com esses empresários que representam a força produtiva na nossa cidade, nesse bairro, que tem por administrador regional, o Raphael Keiji”, disse. Greca ressaltou no encontro o debate de ações socioambientais, como soluções para problemas sociais, regularização fundiária da CIC, questões ambientais. “O Dr. Nelson Roberto Hubner, presidente da Aecic, e os demais empresários que estão nessa mesa são participantes do grande pensamento que norteará o futuro de Curitiba daqui para frente”. Na reunião, o presidente da Aecic, Nelson Hubner, destacou o apoio do prefeito Rafael Greca e a sinergia dos projetos entre o município e a instituição empresarial.

“Caminhamos juntos para o desenvolvimento de Curitiba, o fortalecimento do setor produtivo e para melhorar a qualidade de vida dos moradores e trabalhadores da CIC”, disse. O encontro na sede da Aecic teve ainda a presença do vice-prefeito e secretário de Obras Públicas, Eduardo Pimentel; Carlos Gusso, presidente da Risotolândia; João Casillo, presidente do Escritório de Advocacia Casillo Advogados; Alaides Francisco Oliveira, presidente da Itaite Logística; Celso Gusso, presidente da Araupack; João Barreto Lopes, diretor de relações institucionais da ISAE/FGV; Francesco Pallaro, presidente da Italocar; José Ribamar Reis, diretor da CIEE; Duilo Damaso, diretor da Bosch; e Camilo Gonzaga, diretor da Volvo. Oficina Profissionalizante Após a reunião, Greca, o vice-prefeito e secretário mu-

nicipal de Obras, Eduardo Pimentel, e a comitiva de empresários, visitaram o projeto social Oficina Profissionalizante da Vila Verde, na CIC, desenvolvido pelo Instituto Roberto Bosch, Associação Primavera da Alemanha e Associação das Empresas da Cidade Industrial de Curitiba. O projeto atende anualmente, de acordo com o gerente de recursos humanos da Bosch, Duilo Damaso, mais de 4 mil jovens em todo o Brasil. “Na Vila Verde, atualmente, 800 estudantes participam de cursos profissionalizantes em áreas técnicas. A maior parte dos alunos, após a conclusão dos cursos, é encaminhada para o mercado de trabalho e para atuar também nas fábricas da Bosch”, disse Damaso. O prefeito Rafael Greca ressaltou a importância da intersecção entre poder público e iniciativa privada para

o desenvolvimento social da cidade. “Essa empresa (Bosch) que há 40 anos é orgulho de Curitiba, com apoio da Administração Regional da CIC, e de outros órgãos, também forma as nossas moças e rapazes para o mercado de trabalho, pois toda essa turma aqui está na escola, mas está empregada. Esse instituto aqui tem esse condão de ser uma porta para a educação, para o conhecimento, mas uma porta para o primeiro emprego”, destacou Greca.

“Esse é o modelo para o Brasil que nós merecemos. Meu agradecimento à Bosch e à Aecic por esse modelo, que eu proponho para outros bairros de Curitiba” Rafael Greca, prefeito


04

Jornal da CIC Fevereiro 2018

ENTREVISTA

“Este ano temos muito o que comemorar”, diz Greca sobre os 325 anos de Curitiba Em entrevista exclusiva para os jornais de bairro da capital, o prefeito Rafael Greca destaca as principais realizações do município ao longo do ano e conta como serão as comemorações dos 325 anos da cidade. “No ano que Curitiba provou ser mais forte que seus desafios, temos muita coisa a comemorar neste 29 de Março”, resume o prefeito. Prefeito, qual será a principal comemoração dos 325 anos de Curitiba? Rafael Greca - Uma trajetória tão rica em desenvolvimento e pioneirismo como a que marca a história da nossa Curitiba sempre será motivo de intensa comemoração. Mas, diferentemente do ano passado, quando empossado havia poucas semanas, empenhávamos todos os esforços para buscar saídas e recuperar a cidade de uma situação financeira calamitosa, com ameaças de falta de medicamento e suspensão de serviços, este ano podemos dar glórias a uma Curitiba que se reergueu e agora pode voltar a ter grandes projetos. Aos 325 anos, nossa Luz dos Pinhais volta a brilhar com intensidade. Qual será a programação do aniversário? Rafael Greca - Teremos um mês inteiro de ações, com festas, sim, porque é preciso celebrar a cidade que amamos. Faremos isso nos nossos parques e Ruas da Cidadania espalhadas pelos bairros. Mas haverá também entrega de obras importantes, algumas delas abandonadas pela gestão anterior, que trarão melhores serviços de saúde, lazer, cultura e mobilidade para melhorar a qualidade de vida da população curitibana. (Ver texto ao lado.). O aniversário é da cidade, os “presentes” são para quem faz o município grande: seus moradores. O senhor falou das dificuldades do primeiro ano de gestão e que agora o município terá grandes projetos. Pode citar o que vem por aí para os bairros? Rafael Greca - Conseguimos administrar um rombo de R$ 2,1 bilhões no Orçamento. Não é um rombo é um abismo. Mas estamos saindo dele. Para este ano, a cidade já tem negociados com os governos estadual e federal, além de financiamentos próprios, R$ 495 milhões que serão usados

para dar início a obras em toda o município. Serão obras de mobilidade, como uma nova trincheira, um novo terminal no Tatuquara, asfalto novo em centenas de ruas. Vamos começar a terminar o lote 4 da Linha Verde e finalmente fazer essa estrutura servir a veículos e ao transporte púbico. A zeladoria, que cuida de coisas como tapa-buraco nas ruas e roçada, também está sendo reforçada este ano. Com isso recuperamos o tempo em que as obras não andavam. É este tipo de coisa que eu quero destacar quando eu digo que Curitiba está voltando a ser Curitiba. Que mensagem o senhor deixa sobre os 325 anos de Curitiba?

Rafael Greca - Vou repetir aqui o que escrevi no meu livro “Curitiba – Luz dos Pinhais”: uma cidade com a tradição como a nossa não merece ser definida ou resumida pela desventura. É preciso enaltecer que os incontáveis sucessos tornaram Curitiba exemplo de cidadania, urbanismo e planejamento para todo o Brasil, com reconhecimento mundial. Que os 325 anos ajudem a fomentar em todos os curitibanos, de nascimento ou adoção, a vontade fazer brilhar mais alto a Luz dos Pinhais. Brindo a todos com um copo de gengibirra em mãos, essa bebida que faz parte da nossa alma e com a qual lá atrás brindamos também os 300 anos da nossa cidade. Viva Curitiba!!!

Curitiba comemora aniversário com novos equipamentos e obras concluídas No

dia 29 de março Curitiba completa de 325 anos de fundação. Para comemorar, a Prefeitura prepara uma programação durante todo o mês, com muitas novidades, festas e a entrega de importantes obras. As comemorações acontecerão nas dez Ruas da Cidadania e administrações regionais. O Parque Barigui também vai ter uma programação especial no dia 25 de março. Esporte e lazer - No dia 7 de março acontece a reinauguração da Praça Oswaldo Cruz, o maior equipamento público destinada a esporte e lazer do município, que vai atender mais de 2 mil pessoas. A revitalização da unidade estava praticamente parada e com o cronograma atrasado quando a nova gestão assumiu a Prefeitura, em janeiro de 2017. O espaço agora conta com piscina externa coberta e aquecida, uma nova cobertura para o ginásio esportivo, além da colocação de novo piso de madeira na quadra, vestiários, ban-

heiros e salas de dança e musculação. Obras - Já no dia 14, a Prefeitura entrega as alças de acesso da trincheira do Ceasa, obra que estava parada e foi retomada pelo prefeito Rafael Greca no ano passado. A trincheira vai ligar os bairros CIC e Tatuquara por baixo da BR-116, além de ser uma opção de retorno quase em frente à Ceasa. O investimento da Prefeitura é de R$ 10,6 milhões. A data também marca o anúncio da abertura do Edital do Viaduto na Vila Pompéia, no Tatuquara, que faz a transposição da BR-116. O viaduto foi construído pela concessionária da rodovia e o município ficou responsável por construir alças de acesso, mas a obra estava abandonada há dois anos pela gestão anterior. O projeto prevê a construção de uma alça na via direita de tráfego paralela ao viaduto para dar acesso à BR-116 no sentido Sul. A obra também

irá consolidar a ligação com o bairro. E as vias laterais ao Colégio Estadual Beatriz Faria Ansay serão adequadas para atender com segurança, professores, alunos e pais, sem que eles tenham que utilizar as vias de maior fluxo que ligam à BR. Saúde - No dia do aniversário de Curitiba (29 de março) será a inauguração da ala feminina do Hospital do Trabalhador. O espaço mais de 5 mil metros quadrados dedicado à saúde da mulher. Ao todo serão 88 novos leitos, sendo 30 de UTI e 58 de internamento. Cultura - No dia 24 de março, será celebrado o retorno da estátua do Cacique Tindiquera à Vilinha do Bairro Alto. A obra de bronze de autoria do escultor Elvo Benito Damo, foi transferida para a Praça Tiradentes, no aniversário da cidade do ano passado. No dia 09 de março ocorre a festa de aniversário na Regional CIC, às 15 horas.


05

CULTURA

Nova geração de leitores e internautas do bairro são guiados pelo Farol do Saber Biblioteca pública garante excelente navegação pelo conhecimento Por: Saulo Schmaedecke, jornalista

H

á 21 anos em atividade, o Farol orienta jovens em pesquisas, crianças em jogos de xadrez e pessoas de todas as idades que trabalham nas ruas e que podem se refrescar com água e a temperatura agradável que faz graças ao ar-condicionado instalado na última reforma. “Essa ideia de que a biblioteca é um lugar fechado e escuro e que tem uma bibliotecária braba atrás de um balcão pedindo silêncio, isso não existe aqui!”, conta a professora Débora Gabardo, uma das primeiras agentes de leitura do Farol. Ela determina a importância de “atualizar o público e ter uma mente aberta” para novas culturas durante a formação de novos leitores. Nas palavras de Débora, “a biblioteca é um espaço para todo mundo”. A agente de leitura confirma o gosto da juventude pela literatura de horror, fato levantado na edição de janeiro do Jornal da CIC. “Histórias de Assombração” e “Contos de Terror” são dois títulos que estão no topo da lista de empréstimos. “Às vezes, um best-seller dá acesso ao clássico”, explica a agente. Existe um mural de bilhetes com recomendações de livros por quem frequenta o Farol: “Eu li o livro “O Guia do Mochileiro das Galáxias” ele é um dos livros mais engraçados e criativos que eu li. Uma das coisas que eu acho que ajuda ele ser assim são as perguntas profundas. De onde viemos? Para onde vamos? Vamos comer o que amanhã?” Há também disponível “O Mistério do Cinco Estrelas”, livro escrito por Marcos Rey em 1981 para a Série Vaga-Lume, eterno sucesso editorial entre jovens e adultos. Existe uma caixa com 12 exemplares desta memorável série que ainda alimenta a curiosidade de potenciais detetives brasileiros. Terra à vista Marina é a estagiária de informática e também responsável pela ordem do segundo andar onde ficam os computadores. É lá que acontecem as transmissões de códigos entre internautas e o mundo. Uma das telas de 15 polegadas mostra a pesquisa de um estudante sobre do número Pi. A vista do Farol é fascinante e logo atrás de ondas cinzentas de prédios está a Serra do Mar. Estamos no mirante da torre de dez metros e Leila Loreny, auxiliar de limpeza do espaço, enfrenta o medo de altura e saca histórias e curiosidades da CIC. Ela comenta que não tinha o hábito de ler antes de trabalhar no Farol do Saber e relembra o dia em que o livro “Cinderela Chinesa” apareceu em sua vida e descobriu o prazer da leitura. A programação do Farol do Saber Frei Miguel inclui atividades recreativas como xadrez e contação de histórias. O Jornal da CIC recomenda que você vá até o Farol, escolha um entre os mais de 5 mil livros disponíveis e busque prazer na leitura. Esperamos que você encontre!

Fotos: Saulo Schmaedecke Marina, Débora e Leila: anfitriãs do Farol do Saber

“Eu li o livro “O Guia do Mochileiro das Galáxias”. É um dos livros mais engraçados e criativos que eu li. Uma das coisas que eu acho que ajuda ele ser assim são as perguntas profundas. De onde viemos? Para onde vamos? Vamos comer o que amanhã?” bilhete anônimo no Farol do Saber

Colabore com os níveis de leitura no Brasil! Responda ao questionário: Quantos livros inteiros você leu nos últimos três meses? E no último ano? Qual você gostou mais? Conte sua história com os livros pra gente! Use a hashtag #EuLeioCIC nas redes para localizar o assunto na internet!

Pedro*, 11 anos, pesquisando na internet


06

Jornal da CIC Fevereiro 2018

CULTURA

Bilheteria da 27ª edição do Festival de Curitiba está aberta Serão mais de 400 atrações. Ingressos à venda no site, pelo aplicativo, no Shopping Mueller e ParkShoppingBarigüi Foto: José Luiz Pederneiras

O

Festival de Curitiba começa a transformar a capital paranaense em um palco pela 27ª vez. De 27 de março a 8 de abril, mais de 400 atrações - entre produções teatrais, musicais, variedades, debates, palestras, oficinas e gastronomia - reúnem artistas e plateias, do Brasil e do exterior, em mais de 90 espaços da cidade e da região metropolitana. Teatros, praças, ruas e até uma Kombi e uma garagem se transformarão em ribalta para artistas conhecidos do público, como Denise Stoklos, Denise Fraga, Tuca Andrada, Ricardo Tozzi e Luisa Arraes, Mel Lisboa, Reynaldo Gianecchini, Caio Blat, Renata Sorrah, Malvino Salvador e banda Titãs. Os ingressos para o Festival de Curitiba estão à venda pelo site www.festivaldecuritiba. com.br, pelo aplicativo “Festival de Curitiba 2018” e nas bilheterias instaladas no Shopping Mueller e ParkShoppingBarigüi. O valor dos ingressos varia entre gratuito e R$70. Há 384 sessões grátis e 138 no sistema “pague o quanto vale”, em que o público escolhe o quanto paga.

Deslizamento de terra na Rua João Dembinski

O Festival de Curitiba é composto por: Mostra 2018 – com espetáculos convidados por uma curadoria Interlocuções – integra a Mostra com debates, palestras e eventos que aprofundam a experiência artística para o público, com programação gratuita Fringe – nesta edição traz centenas de atrações com participação espontânea de companhias MishMash - show de variedades. Guritiba – o Festival para crianças Risorama – trazendo o stand up comedy há 15 anos ao Festival Gastronomix - com música e delícias para o paladar.

Prefeitura vai construir muro de contenção Fonte: Jornal Fazendinha

Fotos: Elizangela Jubanski

Abertura e atrações A coreografia “Gira”, do mineiro Grupo Corpo, abre o Festival e integra o Movva, divisão de dança da Mostra 2018, que inclui os espetáculos “Inoah” e “Corpo Sobre Tela”. Este ano, a Mostra tem 29 atrações convidadas pelo ator Guilherme Weber e pelo diretor Marcio Abreu, em sua terceira participação como curadores. Sete trabalhos convidados são estreias nacionais: “Inoah”, “Denise Stoklos em Extinção”, “Domínio Público”, “Tristeza e Alegria na Vida das Girafas”, “A Ira de Narciso”, “Se o Título Fosse um Desenho Seria um Quadrado em Rotação” e “Cabaret Macchina”, da curitibana Selvática, com participação da cantora Karina Buhr e que se apresenta na Rua da Cidadania da Matriz. Estas duas últimas, mais os espetáculos “Colônia” e “The Machine To Be Another - A Máquina de Ser Outro” são atrações grátis da Mostra 2018. Também há a pré-estreia de “Doze Flores Amarelas, a ópera rock dos Titãs”, de Branco Mello, Sérgio Brito e Tony Bellotto.

O

prefeito Rafael Greca esteve na manhã desta quarta-feira (31/01) na Rua João Dembinski, na Cidade Industrial de Curitiba (CIC), para avaliar o deslizamento de terra que na noite de terça-feira (30/01) comprometeu a ciclovia e parte do pavimento da via. “As equipes da Prefeitura estão trabalhando desde ontem para conter o deslizamento de terra e reconstruir a barreira que caiu pelo excesso de água depois de um mês de prolongada chuva”, afirmou Greca. Acompanhado do vice-prefeito e secretário de Obras, Eduardo Pimentel, o prefeito anunciou a construção imediata de um muro de contenção no terreno. A obra que ainda está sendo orçada pela equipe de Pontes de Drenagem da Prefeitura será executada em parceria com a Sanepar. Eduardo Pimentel explicou que, logo depois do incidente, equipes de obras da Prefeitura sinalizaram o local e cobriram o buraco com uma lona para evitar que o problema au-

mente com novas chuvas. “Com a conclusão do projeto, que já estamos elaborando, vamos imediatamente iniciar as obras de contenção do terreno. Será uma obra de médio porte que contaremos com o apoio da Sanepar”, afirmou ele. Os serviços serão facilitados devido o terreno ser uma reserva ambiental de domínio da Prefeitura. Linhas de ônibus Com a interdição parcial da João Dembinski, sentido Fazendinha, no cruzamento com a Rua José Correia Tramujas, a linha de ônibus Interbairros IV será desviada pelas ruas Clemente Ritz, José Batista dos Santos, Profª Hilda Hanke Gonçalves, Cidade de Laguna e Rio do Sul. Por causa das alterações, os usuários perdem o ponto da João Dembinski com José Correia Tramujas.


07

GPS #6

ANUNCIE SUA MARCA AQUI

(41) 99979-1177 COMERCIAL@JORNALDACIC.COM.BR

EXPEDIENTE Direção: Larissa Santin 0011466/PR jornaldacic@jornaldacic.com.br

jornaldacic.com.br


CONCORRA A R$ 230 MIL EM PRÊMIOS. PEÇA

CADASTRE-SE AGORA: NOTA.CURITIBA.PR.GOV.BR

Você pode pedir a sua nota nos salões de beleza, academias de ginástica, estacionamentos, oficinas mecânicas, serviços gráficos e outros serviços. Mais informações e regulamento no site nota.curitiba.pr.gov.br

Profile for Jornal da CIC

Jornal da CIC #6  

Edição de Fevereiro de 2018

Jornal da CIC #6  

Edição de Fevereiro de 2018

Advertisement