Issuu on Google+

ano|62 número|39 amarante

MARCELO NA INAUGURAÇÃO DA SEDE DA COLIGAÇÃO PSD/CDS

(pag. 12)

gondomar

FEIRA NACIONAL DE ARTESANATO

31 de MAIO 2013

A D A I G U B SOBRADO

(pag. 14)

ermesinde

campo

CÂMARA COMEMORA DIA DO BOMBEIRO

PSD DE VILA REAL FEITO EM CACOS

(pag. 03)

(pags. 08-09)

paredes

destaque

TUDO PREPARADO PARA A CONSTRUÇÃO DO CENTRO DE SAÚDE

CENFIM UMA ESCOLA CHAMADA SUCESSO

(pag. 03)

(pag. 16)

alfena

A CAMINHO DO RECONHECIMENTO (pag. 02) MUNDIAL

VIDA DURA PARA ASSOCIAÇÃO DA AZENHA (pags. 10-11) valongo

CENTRO DE EMPREGO ABRE “VIA VERDE” PARA EMPRESÁRIOS (pag. 05)

ermesinde

EMPRESA HOLANDESA INVESTE 10 MILHÕES

(pag. 16)


Actual Sobrado

aRRanCoU pRoCeSSo De CLaSSIFICaÇÃo Da BUGIaDa peLa UneSCo

Durante dois dias o Largo do Passal, em Sobrado, foi palco de um passo fundamental para a classificação da festa da Bugiada e Mouriscada como Património Imaterial da Unesco. Durante a Conferência “Património Imaterial, Identidade, Recurso e Risco”, que decorreu a semana passada em Sobrado, na qual marcou presença o secretário de Estado do Turismo, Jorge Barreto Xavier, foi firmado o compromisso de apoio ao processo de candidatura. O documento foi assinado pela Câmara Municipal de Valongo, Junta de Freguesia de Sobrado, Casa do Bugio e Entidade Regional do Turismo do Porto e Norte. O presidente da Câmara, João Paulo Baltazar, fez questão de recordar que o processo se iniciou no final de 2009, altura em que assumiu a pasta da Cultura na Câmara Municipal, tendo no ano seguinte convidado Melchior Moreira, presidente do Turismo do Porto e Norte a visitar Sobrado para assistir ao peculiar S. João que ali se celebra. Desde então, disse o presidente, a Entidade Regional de Turismo tem-se empenhado na promoção da festa, de tal for-

ma que a integrou no Festival do Norte que este ano se estende a mais três municípios (Guimarães, Santa Maria da Feira e Espinho). João Paulo Baltazar destacou ainda a relação com a Casa de Bugio e a comunhão de um “caminho que não temos pressa de per-

criar factos de riqueza para Sobrado, Valongo, para o Norte e claro para Portugal”. O autarca não tem dúvidas de que a classificação colocará a Bugiada “entre as criações mais ricas do Homem”. Um marco histórico, foi assim que António Pinto,

classificada e reconhecida internacionalmente”. Também Carlos Mota, presidente da Junta de Sobrado, revelou satisfação pelo importante passo dado, acreditando que a Bugiada vai fazer parte da lista representativa do Património da Unesco.

tância da comunidade manter viva a tradição da festa, enquanto outras perderam as suas tradições. “Em boa hora a Câmara Municipal, em especial o presidente João Paulo Baltazar, e a comunidade desenvolveram esforços para classificar a Bugiada e Mou-

correr”. O autarca destacou ainda a importância do envolvimento da comunidade e da “luta constante” tanto caracteriza a festa. “No dia em que a comunidade manifestar indiferença, a festa morre”, acrescentou. João Paulo Baltazar destacou ainda que a candidatura não deve fazer-se a qualquer preço, mas deve seguir princípios éticos e de salvaguarda. O autarca realçou ainda que com o processo de candidatura “estamos a

presidente da Casa do Bugio, classificou o momento que assinalou a firme intenção de apoiar a candidatura da Bugiada, uma festa que para o “forasteiro é um dia sem par, mas para nós é o clímax de 364 dias”. António Pinto fez questão de deixar claro aos sobradenses que a candidatura e classificação não implicam alterações na festa. “Mas há algo que vai alterar-se para sempre”, disse, referindo-se ao “orgulho de ver a festa

Melchior Moreira, presidente do Turismo do Porto e Norte, frisou que há um ano, juntamente com João Paulo Baltazar considerou-se importante integrar a festa da Bugiada no Festival do Norte que este ano se realiza em Valongo, Santa Maria da Feira, Guimarães e Espinho. Melchior Moreira realçou a importância do momento para a salvaguarda do elemento identitário do património de Sobrado, bem como a impor-

riscada”, acrescentou. Para o início da conferência foi convidado Pedro Felix, membro da equipa científica responsável pela candidatura, que realçou a importância do envolvimento da comunidade no processo de construção da candidatura a apresentar à Unesco. “Contamos com a comunidade para preparar uma inventariação, uma candidatura que se pretende para o mundo”, concluiu. Manuel Pinho, sobradense

e investigador da Universidade do Minho, falou de “um dos mais notáveis rituais que sobreviveu na Europa Ocidental”, esclarecendo que a Bugiada, ao contrário de muitas outras, “não é uma mera festa de arraial, não é uma festa de santo padroeiro. Representa e actualiza uma lenda que fala de relações conflituosas entre dois grupos”. Uma questão que Manuel Pinho não consegue responder na plenitude prende-se precisamente com a origem da festa. Até agora ninguém foi capaz de contar essa história, disse, acrescentando que apenas se sabe ser uma tradição muito antiga. O dia 24 de Maio, primeiro dia da conferência, ficou ainda marcado pelo lançamento público do site Bugiada e Mouriscada, acessível em www.candidaturadabugiadaemouriscada.com, um instrumento versátil e em constante actualização. Para além da história da festa, dos apoios à candidtura, o site dispõe de ferramentas que permitem a participação da comunidade. Esse é, aliás, um dos objectivos do site. A equipa que está a trabalhar na candidatura apela ao envolvimento da comunidade, enviando testemunhos da festa, fotos, vídeos, entre outros.

Amarante

Uma peqUena nota…

Por Adriano Santos*

Que podemos dizer sobre a capacidade de influência de um concelho como o de Amarante a nível regional e nacional? Muito pouco, a não ser que perdeu influência politica, económica e social. É verdade que somos arte e jardim, rio e montanha, cultura e lazer! Apesar disso não temos rentabilizado tanto valor Para isso temos que exigir, por exemplo, uma Estrada Nacional 15 renovada, com pavimento que não coloque em causa automobilistas e peões, uma via sem custos para o utilizador. Necessitamos de uma autarquia influente, irreverente e não acomodada. Amarante não pode con-

2 CD

tinuar com o ciclo de prejuízos iniciados com os custos ambientais da Barragem do Torrão. Sei que Amarante e os Amarantinos são altruístas ao ponto de se prejudicarem em nome do interesse nacional, já o fizeram anteriormente e fá-lo-ão no futuro. Repugna-me é que em nome do povo e do país se omita e não se exija a compensação, necessária e legítima, pelos danos ambientais irreparáveis. Afirmar Amarante é exigir, reivindicar é ter opinião e fazer-se ouvir! Fruto do aumento do preço dos transportes Amarante desde 1995 vem vendo o seu tecido económico prejudicado. Desde 1990 um amarantino, ou um não amarantino,

31 de maio 2013

para chegar do Porto a Amarante mais rápido e com mais segurança é obrigado a pagar portagem. Amarante não gastou fundos comunitários para requalificação urbana, porque não concorreu com projectos… Mas fez uma grande festa em 21 de Março de 2009, comemorativa dos 100 da chegada do comboio a Amarante

AmArAnte ficou sem comboio em 25 de mArço 2009.

Amarante e os amarantinos sentem-se abandonados! O nosso rio está poluído pela eutrofização! Somos obrigados a utilizar uma auto-estrada caríssima porque a estrada nacional N 15 está em elevado estado de degradação

e a ferrovia é inexistente. Amarante ao longo dos anos foi perdendo valências hospitalares e serviços ao ritmo da influência política de um poder local fraco. Apesar disso os discursos políticos voltam-se para a competitividade empresarial, criação de emprego ou a identificação, “tout court”, com as políticas do actual presidente. Amarante não ganha absolutamente nada quando se fala em criação de emprego e estimulo à competitividade sem se apontar caminhos para a fixação de jovens e para criação de empregos, que nos levará à competitividade. Por isso não levo à letra as Bem-Aventuranças muito menos aqueles que, de um dia para o outro, julgaram ter uma revelação. Amarante não ne-

cessita de figuras messiânicas! Amarante necessita de ser ela própria e o concelho necessita que o deixem respirar. Amarante necessita de um Presidente da Câmara e de uma equipa que afirme que o nosso concelho tem gente maravilhosa, afável e um património por descobrir. Amarante não necessita da continuidade, carece, isso sim, de modernidade e coesão social! Para isso Amarante necessita de dar corpo a projectos e procurar não desperdiçar a oportunidade que o próximo quadro comunitário de apoio proporcionará. Por isso a coligação PSD/ CDS-PP vê no Dr. José Luís Gaspar um político com força e energia que conhece o concelho de Robordelo a Vila Meã

de Aboim ao Salvador. O Dr. José Luís Gaspar conhece, como nenhum outro adversário, os dossiers da autarquia e é o único capaz de encabeçar um projecto congregador de vontades concretizadoras de projectos, a curto e médio prazo. Os amarantinos sabem que podem contar que a coligação PSD/CDS-PP, no futuro executivo e com maioria, não irá desbaratar oportunidades ou suspender o sonho de ver Amarante na sua merecida dimensão. A coligação PSD/CDS-PP tem apenas compromissos com o Concelho e os seus munícipes. Advogado e Presidente da Comissão Politica Concelhia do CDS-Partido Popular


Atualidade

••• gondomar

Feira NacioNal de artesaNato

Foi inaugurada no último fim-de-semana mais uma edição da Feira Nacional de Artesanato que decorre até 2 de Junho, no Largo do Souto. A iniciativa é da responsabilidade do Pelouro do Desenvolvimento Económico da Câmara Municipal de Gondomar. A aposta centra-se na divulgação daquilo que é mais tradicional em Portugal. A iniciativa será diariamente complementada com um diversificado programa de

animação cultural e musical. Trabalhos em pedra ou ferro, esculturas em raízes e granito, olaria, latoaria, calçado rural e equestre, artigos em pele ou pintura e talha em madeira, são algumas das “ofertas”. A esta extensa lista juntam-se pinturas em tecidos e vitral, azulejaria, tecelagem, bijuteria, trabalhos em cortiça, brinquedos, decoração infantil ou esculturas. Mas, refira-se, há também artesanato gastronómico disponível para aquisição – com produtos tradicionais de vários pontos do país,

quer a nível de doçaria, quer também de “salgados”. Para além, evidentemente, da tradicional filigrana de Gondomar. A iniciativa conta com trabalhos e participantes de praticamente todo o país. À semelhança de anos anteriores, alguns dos artesãos participantes trabalham ao vivo. Valentim Loureiro, Presidente da Câmara Municipal de Gondomar, falando durante a abertura do certame, classificou o artesanato como “uma riqueza patrimonial que preserva e divulga as nossas mais ricas tradições

e artes”. O autarca afirmou-se “defensor” dos artigos tradicionais, “e daquilo que é verdadeiramente nosso e que nos marca”. Joaquim Castro Neves, responsável pelo Pelouro do Desenvolvimento Económico da Câmara de Gondomar, considera que “aquilo que nos é tradicional, típico e genuíno” só se mantém no tempo se devidamente “apoiado e acarinhado”. Por isso, e este ano pela 25.ª vez, a Câmara Municipal de Gondomar decidiu concretizar a Feira Nacional de Artesanato.

••• póvoa de varzim

40 Mil eM MaNiFestação de Fé à seNhora da saúde No passado domingo, perto 40 mil pessoas participaram na peregrinação em louvor de Nossa Senhora da Saúde, da Igreja Matriz da Póvoa de Varzim até à Igreja de Nossa Senhora da Saúde, na freguesia de Laundos. Percorridos os sete quilómetros e chegados a Laundos, ao recinto do Santuário, celebrou-se a Eucaristia do Peregrino, este ano presidida por D. Manuel da Silva Rodrigues Linda, Bispo Auxiliar

de Braga. Foram convidados a participar desta celebração José Macedo Vieira e Aires Pereira, Presidente e Vice-Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim. Esta é uma das festividades religiosas que, desde há 66 anos, reúne mais devotos, oriundos não apenas do concelho mas também, e significativamente, das terras vizinhas. Com cerca de quatro dezenas de milhares de fiéis a percorrerem os sete quilómetros que separam estas igrejas, a peregrinação conta entre os seus devotos com uma grande parte de pagadores de promessas, principalmente pescadores da Póvoa de Varzim e de Vila do Conde. São estes homens que carregam, habitualmente, o andor da Senhora ao longo do caminho. Esta procissão nasceu de uma sugestão apresentada por Maria da Paz Varzim ao Monsenhor Pires Quesado. Em 1944 começaram as preparações e, dois anos depois, surgiu a primeira peregrinação. Ao longo dos anos foram-se juntando a este momento religioso todas as paróquias do arciprestado.

psd exige fundos Comunitários para parque de ourivesaria em gondomar Os deputados do PSD/Porto defenderam esta semana o acesso a fundos comunitários para obter a conclusão rápida da segunda fase de construção Parque Tecnológico e de Negócios da Ourivesaria, em Gondomar. O parque irá acolher a instalação as indústrias locais. “Estou convicto de que haverá mecanismos financeiros, no novo Quadro Comunitário de Apoio para a realização desse parque de negócios”, afirmou o líder da distrital do PSD/Porto, Virgílio

Macedo, durante uma visita de deputados a duas empresas de ourivesaria em Gondomar. A primeira fase de construção do Parque Tecnológico e de Negócios da Ourivesaria, que inclui a infra-estrutura central, parque de estacionamento, restaurante e arruamentos, estará concluída no último trimestre de 2013. Porém, o PSD quer que a segunda fase, que prevê a incubação de empresas, comércio e instalação de indústria, avance mais rapidamente.

ConCurso para tirar resíduos de s. pedro da Cova reCebe 14 propostas O concurso público internacional lançado em Dezembro para a remoção dos resíduos perigosos nas antigas minas de S. Pedro da Cova, em Gondomar, recebeu “14 respostas”, segundo a CCDR-N. De acordo com o vice-presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), Álvaro Carvalho, foram recepcionadas 14 respostas. O período para

apresentação de propostas ao concurso para a empreitada de remoção, transporte, depósito e tratamento num centro especializado das cerca de 88 mil toneladas de resíduos perigosos ali depositados terminou na quarta-feira. Até ao final da semana ficará concluída a avaliação das respostas sendo depois elaborado um relatório preliminar que identificará as propostas excluídas e as admitidas.

31 de maio 2013

CD

3


Valongo ••• alfena

Presidente da Câmara quer “evitar desculpas” no arranque da empreitada

Tudo preparado para consTrução do cenTro de saúde

A Câmara Municipal de Valongo arrancou, no passado dia 6 de Maio, com a preparação do terreno cedido à Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte para a construção do Centro de Saúde de Alfena. Presente no início dos trabalhos, João Paulo Baltazar explicou que a empreitada tem por objectivo executar o que estava previsto no protocolo de cedência do terreno e evitar “desculpas” no início das obras. Para além da limpeza do terreno a Câmara Municipal de Valongo vai construir as vaias de estacionamento, novos passeios, e proceder ao reposicionamento das infraestruturas de água, saneamento e iluminação pública. Consciente de que ainda não se sabe quando arrancarão as obras, João Paulo Baltazar frisa que a construção do Centro de Saúde de Alfena está em orçamento da ARS

para 2013 e é considerada uma obra prioritária. Por isso, e porque não quer que haja desculpas para a construção do equipamento de saúde não avançar, até porque considera ser uma área que não deve ser prejudicada, decidiu avançar já com a execução da empreitada prevista no protocolo de cedência. “O contexto económico nacional faz com que se tenha de ser selectivo nos investimentos e a Saúde não deve ser prejudicada”, realçou. A acompanhar João Paulo Baltazar esteve Rogério

Palhau, presidente da Junta de Freguesia de Alfena que atestou a importância da empreitada para os alfenenses, uma vez que a construção de um novo centro de saúde é um projecto com quase uma década. Rogério Palhau referiu ainda que, neste momento, há três coisas que são fundamentais para Alfena: a construção do Centro de Saúde, a requalificação do espaço sob a A41 e a construção do Centro Cívico. Se no primeiro caso o arranque das obras depende

agora da Administração Regional de Saúde, no segundo a câmara tem um projecto que prevê a obra de forma faseada mas aguarda aprovação pelo executivo da junta, e o último está prestes a começar. Segundo adiantou o presidente da Câmara Municipal, a preparação do terreno onde nascerá o Centro de Saúde permitirá também a limpeza de um dos troços que fará parte do corredor ecológico que percorrerá as margens do Leça, desde a zona de S. Lázaro e ligará ao futuro centro cívico. João Paulo Baltazar frisou que arrancará em breve a requalificação do terreno junto do viaduto da Avenida Padre Nuno onde nascerá o centro cívico de Alfena. O protocolo para cedência do espaço para domínio público por um período de 25 anos terá de ser aprovado em reunião de câmara, o que deverá acontecer brevemente.

Campo

dia da criança na azenha

A ARCA- Associação Recreativa e Cultural da Azenha, organiza este sábado um dia cheio de festa dedicado especialmente às crianças. Será uma jornada preenchida com múltiplas actividades que irão, de certeza, fazer as delícias da pequenada. E não só porque os adultos também não foram esquecidos. Vale a pena lá ir Sábado – 1 de Junho 2013

PROGRAMA 10h00 – Paintball – Futebol: Pais vs Filhos 14h00 – Insufláveis-corrida de carros a pedais – todo o terreno – Dardos – Tiro com Arco – jogos tradicionais – pinturas faciais – palhaços – modelagem de balões.

Em palco: Espectáculos de dança – magia – canto – grupos de viola – artes marciais OFERTA DE LANCHE A TODAS AS CRIANÇAS 18h00 – Aula de Zumba para todos 19h30 – Início de espectáculo de dança com grupos oriundos do concelho e outros locais do distrito – ARC&Dance – CA Dance – Ginástica acrobática PORCO NO ESPETO – GRELHADOS – BIFANAS – MOELAS – BEBIDAS

22h00 – Início do Grande Arraial com muitos cantores e outros animadores

Valongo

AbertAs inscrições pArA A educAção pré-escolAr e primeiro ciclo do ensino básico A Câmara de Valongo já tem disponíveis os boletins de candidatura para os serviços de refeições escolares, acção social escolar e componente de apoio à família – serviço de acolhimento e/ ou prolongamento de horário na educação pré-escolar

4 CD

e primeiro ciclo do ensino básico. Os documentos, a que se pode aceder (via internet) no site da autarquia, depois de preenchidos deverão ser entregues, com a restante documentação necessária, nos serviços administrativos

31 de maio 2013

do Agrupamento de Escolas a que se refere a candidatura. A Câmara informa ainda que a inscrição nos diferentes serviços é anual e decorre durante o período de matrículas, pelo que o prazo termina no dia 15 de Junho de 2013.

emprego é prioridade da auTarquia O presidente da Câmara Municipal de Valongo elegeu a criação de emprego no concelho de Valongo como uma das suas prioridades. João Paulo Baltazar aproveitou a cerimónia de abertura da quarta edição da VALoriza-te – Mostra de Emprego e Formação do Concelho de Valongo para anunciar que na prossecução deste objectivo está a concluir alguns protocolos que viabilizarão, ainda este Verão, a criação de cerca de uma centena de novos postos de trabalho. João Paulo Baltazar destacou a importância do trabalho em rede que tem vindo a ser realizado com a Câmara Municipal, através da colaboração das entidades formativas e empregadores, adequando as necessidades em ambas as vertentes e potenciando a criação de emprego. Neste momento, frisou o autarca, há a necessidade de haver uma adequação entre a oferta e procura em termos de formação e emprego. João Paulo Baltazar destacou ainda o benefício de ter melhor qualificação para obtenção de emprego e mais qualidade de vida. O autarca revelou-se muito preocupado com a criação de emprego no concelho. Considerando que o emprego mais próximo da habitação aumenta a qualidade de vida, destacou que a autarquia está a desenvolver uma política integrada para atrair a implementação de novas empresas no concelho. A este propósito aproveitou para anunciar às várias centenas de pessoas presentes na inauguração que “ainda no Verão teremos óptimas notícias”. Neste momento a câmara municipal está a finalizar alguns protocolos que vão permitir a criação de uma centena de postos de trabalho. Na inauguração da quarta edição da Mostra de Emprego e Formação, Maria Trindade Vale, vice-presidente da Câmara Municipal e responsável

pelos pelouros da Educação e Acção Social, destacou o elevado investimento realizado nos últimos anos na requalificação do parque escolar, designadamente das escolas do 1º ciclo do Ensino Básico. Considerando que a formação escolar é fundamental para a qualificação e obtenção de emprego, a vice-presidente explicou o trabalho que a autarquia está a desenvolver no sentido de construir o projecto educativo municipal. Aproveitando a abordagem do tema e a presença do secretário de Estado do Emprego, João Paulo Baltazar frisou os “exageros” da Parque Escolar, dando como exemplo o avultado investimento de 17 milhões de euros numa única escola que agora tem candeeiros Siza Vieira mas que nunca são ligados porque são muito dispendiosos. Em contraponto, frisou, as escolas do concelho de Valongo foram prejudicadas e reclamam por obras há muito tempo. O presidente da autarquia espera agora que o Ministério da Educação dê luz verde para o arranque das obras. O secretário de Estado do Emprego, Pedro Roque, destacou a importância da parceria estratégica entre o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), escolas e a própria câmara municipal, neste caso a de Valongo, na preparação das mostras de emprego e formação profissional. Pedro Roque relembrou que Portugal tem uma taxa de desemprego juvenil na ordem dos 38,8 por cento, realçando que “tem de haver uma adequação entre a oferta e procura em termos de formação e emprego”. Perante a vasta plateia que assistiu ao arranque de mais uma Feira de Emprego e Formação, Pedro Roque deixou claro que só será possível “inverter a elevada percentagem de desemprego quando a economia arrancar”.


Valongo

Centro de Emprego de Valongo divulga medidas e apoios do IEFP

“Via Verde” para empresários

No passado dia 8 de Maio o auditório do Museu Municipal recebeu várias dezenas de empresários de Valongo numa iniciativa do Centro de Emprego de Valongo para divulgação sobre as medidas e apoios do IEFP para a criação de emprego. Luís Henriques, director do Centro de Emprego de Valongo, após agradecer à Camara Municipal a cedência do espaço, começou por dizer aos empresários que tinham “via verde” no acesso ao Centro de Emprego que dirige, informando-os da existência de um gabinete de atendimento individual para empresários, e de um sistema de “atendimento célere” para as entidades empregadoras. Relativamente à sessão, e para esclarecer o espirito com que a mesma iria decorrer, clarificou: “nesta sessão não vamos ouvir falar nem de crise, nem de défice, nem de troika”. Reforçou, assim, a ideia da “necessidade de todos sermos pró-ativos! As instituições públicas e os empresários. Porque é isso que também é pedido aos colaboradores/trabalhadores e aos desempregados”. Concluiu, lembrando que, “nada é mais contagioso que o exemplo, e que se tivermos uma estratégia e capacidade de atuação podemos com o nosso exemplo motivar, crescer, inovar”.

Apoio finAnceiro Ao empregAdor Seguiu-se a técnica de emprego e gestora de ofertas, Rosa Branca, que procedeu a apresentação das medi-

das Estimulo 2013 e Apoio à contratação via reembolso da Taxa Social Única (TSU). A técnica começou por explicar como podem ser divulgadas as ofertas de emprego, aproveitando para referir que o IEFP dispõe de um ficheiro com um leque diversificado de perfis profissionais e de recursos humanos e materiais fundamentais para o ajustamento entre a oferta e a procura. Relativamente à medida Estimulo 2013, referiu-se que consiste num apoio financeiro à entidade empregadora pela celebração de um contrato de trabalho a tempo completo ou a tempo parcial com um desempregado inscrito

no centro de emprego. Esta medida destina-se exclusivamente a pessoas singulares ou coletivas de direito privado, com ou sem fins lucrativos. O apoio financeiro consiste em 50% da retribuição base mensal do trabalhador, até ao limite mensal de € 419,22, durante 6 meses (no caso de contratos de trabalho a termo resolutivo certo) e de 50% da retribuição base mensal do trabalhador, até ao limite mensal de € 544,99, durante 18 meses (no caso de contratos inicialmente sem termo). Pode ainda existir um Prémio de Conversão por alteração de contrato de trabalho a termo certo (celebrado ao abrigo

da medida Estímulo 2012 ou 2013) em contrato de trabalho sem termo.

reembolso dA TsU Quanto à medida de apoio à contratação via reembolso da TSU, cujos destinatários são maioritariamente pessoas singulares ou coletivas de direito privado, com ou sem fins lucrativos, Rosa Branca informou que a medida consiste no reembolso, total ou parcial, das contribuições obrigatórias pagas pela entidade empregadora à segurança social quando celebre contrato de trabalho, a tempo completo ou a tempo parcial, com

desempregados com idade entre os 18 e 30 anos de idade. O apoio financeiro passa pelo reembolso da TSU pelo período de 18 meses, da totalidade no caso de contrato de trabalho sem termo e de 75% no caso de contrato de trabalho a termo certo. A técnica bordou ainda outras medidas como a de apoio à contratação via reembolso da TSU + 45 e o apoio à contratação de trabalhadores por empresas Startup.

esTágios e pAssAporTe emprego

trabalho até ao montante de € 196,22. Existe ainda um Prémio de Integração, de 6 vezes o montante da bolsa mensal de estágio, se for celebrado um contrato de trabalho sem termo no prazo máximo de 30 dias a partir da conclusão do estágio. Elisabeth Trindade abordou também a medida Estágios Profissionais tradicionais, esclarecendo-se que também estes passaram a ter uma duração de 12 meses e destinam-se a desempregados (inscritos) com idade entre os 25 e os 30 anos, podendo, em determinadas condições, ser com idade superior a 30 anos. O valor das comparticipações são similares aos da Medida Passaporte Emprego. Estas medidas passam a estar disponíveis para as autarquias locais. Elisabeth Trindade aproveitou ainda para falar da Medida Estagio-Património, explicando que se trata de estágios com duração entre 3 e 12 meses nas áreas da conservação e manutenção do património natural, cultural e urbanístico.

Elisabeth Trindade, também técnica no Centro de Emprego de Valongo, fez a apresentação das medidas Estágios Profissionais e Passaporte Emprego. A técnica começou por falar sobre a medida Passaporte Emprego nas suas múltiplas modalidades – Passaporte Emprego, Passaporte Emprego Economia Social, Passaporte Emprego Agricultura e Passaporte Emprego Associações e Federações Luís He Juvenis e Desportivas nrique sentou – mencionando que se aos em s aprepresár e autarcas trata de estágios profisa anima ios d o dora G abin sionais com a duração de Profissio ete de Inserção 12 meses. Nesta medida n longo, A al (GIP) de Vaespecífica, que se destirmanda Bra ç a , relembr na a jovens entre os 18 e ando qu gang a e estes b in etes os 24 anos inclusive (ou parceria são resultado de até aos 35 anos no caso s realiza das pelo IEFP e do Passaporte Emprego q uma resp ue constituem Agricultura), os apoios osta de p dade no roximifinanceiros para as entia pregados poio a desemdades promotoras podem emprega e a entidades ir até 100% de comparticid dispõe d oras. Valongo e seis dest pação na bolsa, compartinetes, do es gabicipação nos encargos com is e um em em Ermesinde cada um alimentação até ao valor a das outras freg uesias. de € 4,27/dia e ainda comparticipação no prémio do seguro de acidentes de

31 de maio 2013

CD

5


Valongo ••• ermesinde

••• alfena

TeaTroConferênCia – “ViolênCia ConTra pessoas idosas”

A Câmara Municipal de Valongo, através da Agência para a Vida Local, realiza hoje (31 de maio) às 21h30, no Centro Cultural de Alfena, uma invulgar iniciativa de TeatroConferência subordinada ao tema “Violência contra pessoas idosas”. Trata-se de uma original forma de intervenção, em que o tema que lhe dá mote é dramatizado por uma companhia de teatro e posteriormente comentado por especialistas. A teatralização está a cargo da Associação Cultural Cabeças no Ar e Pés na Terra.

No passado dia 12 de maio, decorreu no Fórum Cultural de Ermesinde, a quinta sessão de 2013 da actividade Pais, Mães & Companhia, desta feita, intitulada “Internet (In)Segura para as nossas crianças…”. Esta sessão, realizada em parceria com a ADICE – GAPPTI, foi dedicada às questões ligadas à segurança na utilização da Internet pelas crianças e jovens, e contou com a presença do orador Flávio Oliveira, engenheiro informático e especialista nesta área. Ao

longo da apresentação, que, como já é habitual, decorreu em ambiente muito informal e interactivo, as cerca de 50 pessoas presentes tomaram

conhecimento dos perigos reais da Internet, do tipo de protecções que existem para evitar os malefícios a ela associados e como podemos

rentabilizar os benefícios da Internet. À semelhança das edições anteriores, durante a sessão, pais e mães puderam deixar as suas crianças no Espaço Infantil Imediato, que as acolheu e lhes proporcionou actividades didácticas e divertidas. A próxima sessão está já agendada para o dia 2 de Junho, no mesmo horário e local e intitula-se “Será que as crianças mentem?! Ou Fantasiam?!”. Mais uma sessão a não perder.

João Paulo Baltazar garante que muitas das propostas dos jovens integrarão o seu programa eleitoral

joVens “laranja” aponTam soluções para o ConCelho

Exposição

augusTa roCha e idalina dionísio no CC Augusta Rocha faz a recolha de elementos na observação da natureza, os quais abstractiza e representa em acrílico sobre tela ou em aguarela sobre papel. Idalina Dionísio recorre ao imaginário onde recolhe os temas que desenvolve e transporta para a tela.

“inTerneT (in)segura para as nossas Crianças…”

Duas pintoras, dois olhares e duas maneiras de observar e fazer arte. Estas artistas apresentam o resultado do seu trabalho, numa exposição colectiva que está estará patente ao público até ao próximo dia 16 de Junho, no Centro Cultural de Alfena.

Valongo na roTa das minas

A JSD de Valongo entregou ao presidente da Câmara de Valongo um documento denominado “Valongo 13.17 - Políticas de Juventude”, onde estão compiladas “políticas essenciais a um maior e melhor desenvolvimento do concelho“. Assumindo-se como um “programa de governação da juventude”, que alguns apelidaram de “Bíblia da Juventude de Valongo” abrange diversas temáticas que visam, segundo os autores, não só a promoção do concelho de Valongo “enquanto autarquia de excelência”, mas também apontar soluções da juventude, não só para a juventude, mas para todos, para o concelho como um todo, instando ao compromisso das estruturas governativas do poder local com o constante melhoramento e valorização de Valongo e a solução dos problemas existentes. O documento de mais de 140 páginas foi constituído depois da auscultação dos

jovens valonguenses, cujo contributo foi divulgado em vídeo nas redes sociais e após três brainstormings com três especialistas das políticas de juventude (Dra. Trindade Vale, Dr. Manuel Barros e Dr. José Gonçalo Regalado). Os responsáveis pelo documento realçam que o mesmo até poderia ser designado de “Valongo 13.25”, “tanto por estarmos confiantes mas também por estarmos convictos que cidadania política passa por pensar e trabalhar a longo prazo, não tendo em conta metas meramente eleitoralistas”. Em “Valongo 13.17” estão plasmadas diversas propostas - algumas delas estarão preparadas para pôr de imediato em prática – que tocam as seguintes áreas temáticas: Emprego e Empreendorismo; Participação Cívica; Mobilidade; Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; Voluntariado; Habitação; Associativismo; Desporto; Turismo e Internacionalização;

Combate à Fraude e à Corrupção; Estratégia de Comunicação e Marketing – “Vender” Valongo. O documento pode ser consultado na íntegra em www. valongo.jsd.pt e na página de facebook da JSD/Valongo. O presidente da Câmara e recandidato à liderança da autarquia, João Paulo Baltazar, destacou a consciência de quão importante é ter a contribuição de todos e gerir o concelho para todos, realçando que o projecto do PSD

é inclusivo. Lembrando que Valongo é dos concelhos com mais jovens da Área Metropolitana do Porto, defendeu a necessidade de incrementar políticas de juventude e classificou de “inestimáveis” os contributos da JSD compilados com a participação de centenas de jovens do concelho. João Paulo Baltazar comprometeu-se a “ler atentamente” o documento e verter para o programa eleitoral do PSD as propostas da juventude.

Espeleologistas, bombeiros e manobradores de cordas participam numa arriscada acção de limpeza

JUNHO – MÊS PARCEIROS do Roteiro das Minas e Pontos de Interesse Mineiro e Geológico de Portugal Durante o mês de Junho irão decorrer diversas actividades a nível nacional que visam promover o património mineiro e geológico de Portugal, no âmbito da iniciativa “JUNHO – MÊS PARCEIROS do Roteiro das Minas e Pontos de Interesse Mineiro e Geológico de Portugal”. No Município de Valongo serão realizadas visitas guiadas ao Fojo das Pombas, Museu da Lousa e à Empresa das Lousas de Valongo. Aqui ao lado, Paredes (minas de Castromil) e Marco de Canaveses (museu) também estão no programa.

6 CD

31 de maio 2013

equipa de 12 TéCniCos enVolVidos numa grande inTerVenção no fojo das pombas

Recentemente, a Serra de Santa Justa, mais concretamente a zona junto ao Fojo das Pombas (antiga mina de exploração de ouro do tempo dos romanos), foi alvo de uma série de actos de vandalismo que culminaram com o abate de um número significativo de árvores, algumas das quais atiradas para o interior do fojo. Com o intuito de proceder à remoção dessas árvores do interior do fojo, a Câmara Municipal de Valongo, o Alto-Relevo – Clube de Montanhismo e os Bombeiros Voluntários de Valongo desenvolveram uma arriscada de remoção e lim-

peza de modo a tornar o histórico, novamente, um local visitável. A acção envolveu um vasto conjunto de meios técnicos e humanos.


••• paços de ferreira duas mil Pessoas no “moVimento Para a Vida 2013” Terminou no último domingo, no Parque Urbano de Paços de Ferreira, o “Movimento para a Vida 2013”, iniciativa que o Município realiza todos os anos em maio,

procurando sensibilizar para a importância do exercício física na manutenção da saúde do seu coração, que exige, para além disso, uma alimentação saudável. No último domingo, o “Movimento para a Vida” decorreu em parceria com o Juventude Pacense e “Mexe-te

pelo Teu Coração”. No final de mais uma iniciativa que concilia cuidados de saúde com a utilização dos espaços de lazer do Concelho, a autarquia considera “o

balanço bastante positivo”. Recorde-se que os quatro domingos do mês de Maio foram preenchidos, com actividades ao ar livre nos parques de lazer concelhios por perto de duas mil pessoas, em caminhadas e aulas de aeróbica, incluindo ainda iniciativas solidárias e rastreios de saúde.

Candal

Região Paredes é a Primeira cidade Portuguesa a aderir à rede de cidades Verdes O Município de Paredes aderiu ao Projecto mundial “Green Cities Network” que visa a cooperação entre entidades locais e escolas para o fomento de um futuro sustentável. Autarquia vai disponibilizar zonas para a plantação de árvores pelo menos uma vez por ano. Paredes tornou-se oficialmente, no passado dia 8 de Maio, a primeira cidade portuguesa a aderir ao projecto “Green Cities Network”, do Programa ENO, e à iniciativa “100 Milhões de Árvores até 2017”, reconhecida pela cimeira Rio+20. O Programa Green Cities Network (Rede de Cidades Verdes) foi lançado em 2012

pela escola virtual em rede para o desenvolvimento sustentável ENO (Environment Online) e baseia-se na cooperação educacional entre escolas e administrações locais com o objectivo de fomentar o desenvolvimento sustentável das cidades, tendo por base a consciencialização ambiental e a cidadania activa.

Serão os estudantes os grandes embaixadores ambientais no seio da comunidade de Paredes, explorando temáticas como as mudanças climáticas e a pegada ecológica, participando em conferências mundiais e aderindo a campanhas internacionais. A plantação de árvores pelo menos uma vez por ano

é a principal actividade deste programa, à qual se junta a iniciativa “100 Milhões de árvores até 2017”, reconhecida pela cimeira das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, Rio+20. Para o desenvolvimento da iniciativa, a Câmara Municipal de Paredes disponibilizará zonas para a plantação de árvores, assegurando a protecção destes locais e a cooperação com as escolas que aceitarem a iniciativa. O programa ENO venceu já inúmeros prémios internacionais e conta já com a adesão de mais de 7.000 escolas em 147 países. No projecto Green Cities Network, Paredes é a primeira cidade em Portugal a aderir à iniciativa.

••• paredes

contratos de desenVolVimento desPortiVo

Renovando o seu apoio à actividade desportiva no concelho, o Pelouro do Desporto do Município de Paredes formalizou na terça-feira, 28 de maio, na sede da Junta de Freguesia de Louredo, a assinatura dos Contrato-Programa de Desenvolvimento Desportivo com os representantes dos vários clubes e associações

locais referentes à época desportiva de 2012/2013. O objectivo deste programa do município é estimular e incentivar a prática desportiva junto dos mais jovens, assegurando o Município de Paredes os custos inerentes às taxas de inscrição, exames médicos e seguros dos atletas dos escalões de formação,

num total estimado em cerca de 80 mil euros. O presente Contrato-Programa de Desenvolvimento Desportivo será celebrado este ano por 26 clubes/ associações (mais três que na época anterior), abrangendo um total de 1.981 atletas. Durante a cerimónia desta terça-feira, integrada no programa

da Presidência Aberta que o Executivo está a realizar esta semana na freguesia de Louredo, foi também apresentada a 2ª Gala do Desporto Paredes – Rota dos Móveis, iniciativa que terá lugar no próximo dia 29 de Junho, no Pavilhão Municipal Rota dos Móveis.

secretário de estado e cardeal Patriarca na bênção de 3 Viaturas do centro social O Secretário de Estado da Solidariedade e da Segurança Social, Marco António Costa e o Cardeal Patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, presidiram à cerimónia de Bênção de três novas viaturas adquiridas pelo Centro Social Paroquial da Igreja

do Senhor da Vera Cruz do Candal. Os veículos destinam-se ao transporte dos utentes que servem por via das repostas sociais que o Centro Social leva a cabo. A Segurança Social apoiou com 60% do valor total a aquisição destas viaturas.

31 de maio 2013

CD

7


Entrevista

CENFIM- UMa EsCola ChaMada sUCEsso

Numa altura em que a imensa maioria dos jovens que saem das escolas e universidade têm apenas como opções o desemprego ou a emigração, existe um estabelecimento de ensino em Valongo de onde se sai com emprego garantido. Trata-se do CENFIM - Centro de Formação Profissional da Indústria Metalúrgica e Metalomecânica, que para além do núcleo em

8 CD

Ermesinde tem mais 12 espalhados pelo país e que todos os anos forma milhares de pessoas com níveis de empregabilidade que roça os 100%. Entrevista com Cristina Cabete, a responsável pelos núcleos de Ermesinde e Porto. O que é exactamente o CENFIM, onde está e quais os seus objectivos? O CENFIM – Centro de Formação Profissional da Indústria Metalúrgica e Metalomecânica, foi criado em janeiro de 1985 por protocolo entre o IEFP e as associações do sector, a AIMMAP e a ANEME, com o objetivo de apoiar as empresas, valorizando as pessoas através da formação/

31 de maio 2013

qualificação. O CENFIM tem 13 núcleos distribuídos pelo país, nomeadamente, Arcos de Valdevez, Trofa, Amarante, Porto, Ermesinde, Oliveira de Azeméis, Marinha Grande, Santarém, Caldas de Rainha, Peniche, Torres Vedras, Lisboa e Sines. Há quantos anos está instalado no concelho de Valongo? O CENFIM existe em Ermesinde desde 1987, há portanto 26 anos. Durante esse período, quantas pessoas saíram daí formadas? Concretamente não sei responder, mas entre jovens, activos e desempregados estamos a falar em milhares de pessoas. E quantas com emprego no fim?

Emprego? Todos. A maioria dos jovens qualificados ingressa directamente nas empresas onde efectuaram o seu estágio (que é repartido pelos 3 anos do curso). Alguns por opção procuram outra empresa, outros prosseguem estudos, nos cursos nível 5 do CENFIM ou em instituições de ensino superior e mesmo os que não ficam colocados no final do curso rapidamente encontram trabalho. O nome CENFIM abre muitas portas. Qual a relação do CENFIM com o sector metalúrgico e metalomecânico e como definiria a importância do centro no presente e futuro dessas empresas, designadamente no que toca à sua evolução tecnológica? O CENFIM tem a melhor relação possível com as empresas do setor e não só, a nossa formação é muito transversal, por exemplo o CNC é usado na metalomecâ-

nica, mas também nas madeiras; a manutenção é comum a todas as indústrias e setores, temos jovens a trabalhar na manutenção, na refrigeração/ climatização em hotéis, nas caves do Vinho do Porto, isto para referir áreas que ocorrem menos ao público em geral. Quanto à evolução tecnológica a formação acompanha o individuo toda a vida. Referi mais o público jovem, mas o CENFIM faz qualificação, aperfeiçoamento, reciclagem e até reconversão de ativos. Pode ser consultado o nosso site www.cenfim.pt para mais pormenores. Sendo hoje comum a quase todos os cursos superiores a falta de saídas profissionais para os jovens que os concluem, uma questão se impõe: os alunos que saem do CENFIM têm as mesmas dificuldades, tendo na emigração a única saída possível?

O setor metalúrgico e metalomecânico está a crescer. As empresas necessitam de mão-de-obra qualificada, mais propriamente técnicos intermédios, razão pela qual nos procuram todos os dias. Se mais formandos tivéssemos, mais formandos colocávamos nas empresas. Os nossos formandos “não chegam para as encomendas”. Ainda recentemente disse na [feira] VALORIZA-TE, ao secretário de estado do emprego Dr. Pedro Roque e ao Sr. Presidente da Câmara de Valongo Dr. João Paulo Baltazar, que não temos desempregados. A emigração, claro, é também uma possibilidade, temos alguns jovens a trabalhar na sua área de formação, no estrangeiro. Jovens de Manutenção industrial, de desenho, de soldadura, e outros, na Islândia, Suíça, Luxemburgo, França, Holanda e Croácia. Neste último país que citei um dos primeiros formandos


Entrevista

Cursos e Formações

do CENFIM é um quadro superior de um grande grupo. Em Portugal hoje, arranjar emprego é quase “ganhar a lotaria”. Qual a taxa de empregabilidade para os jovens que optam pelo ensino (técnico) ministrado no CENFIM? Quando referi que os nossos formandos “não chegam para as encomendas”, a taxa está dita. Lamento é que as políticas não ajudem a encaminhar os jovens para a formação profissional, eles ficam retidos nas escolas… outros por comodismo ficam perto de casa. Com as dificuldades que hoje atravessamos o que podemos fazer mais? O CENFIM paga transporte, oferece uma refeição equili-

brada, temos cantina, oferece os manuais, material de apoio ao estudo, aulas de recuperação de Português e Matemática, participação em projetos transnacionais, possibilidade de integrar concursos de várias índoles. Veja-se a quantidade de jovens campeões e medalhados saídos dos dois núcleos que dirijo (Porto e Ermesinde). Pode fazer “um retrato robot” das empresas que recorrem ao CENFIM em busca de trabalhadores qualificados? Todo o tipo de empresas, microempresas, PME, grandes empresas e grupos. Tem sido reconhecido o mérito do CENFIM nesta ta-

refa de formar pessoas? O CENFIM é uma grande instituição. É reconhecido não só em Portugal mas também em Angola e Moçambique, onde estamos representados. Mas o reconhecimento não se fica por aí. Temos um grande histórico, em projectos de cooperação transnacional – estamos precisamente a receber um grupo de formadores e formandos da Hungria e outro de Itália, no âmbito do projeto SMART CITIES. Outro ponto forte a nível internacional é a nossa participação no worldskills. Em julho vamos ter 3 jovens em Leipzig – Alemanha, dois na profissão de mecatrónica e um em desenho industrial CAD.

Se tivesse de fazer “captação” de alunos, o que diria para convencer os jovens a optar pelo CENFIM?

Para jovens com idade igual ou superior a 15 anos e com 6º ou 7º ou frequência do 8º ano Cursos CEF (Educação Formação de Jovens) e Soldadura Para jovens com o 9º ano de escolaridade, até aos 25 anos de idade Cursos de Aprendizagem Técnico/a de Manutenção Industrial (Mecatrónica) Técnico/a de Refrigeração e Climatização Técnico/a de Maquinação e Programação (CNC) Técnico/a de Desenho de Construções Mecânicas Para pessoas com o 12º ano de escolaridade com idade igual ou superior a 18 anos Cursos CET Cursos EFA

Venham visitar-nos e se possível tragam os vossos pais. Diz-se que “uma imagem vale mais que mil palavras” e contra factos não há argumentos… Quem pode frequentar o CENFIM? Há limite de idade? Todas as pessoas, homens e mulheres (a metalomecânica não é um setor exclusivamente masculino) desde que tenham mais de 15 anos e menos de 65, as nossas técnicas de orientação profissional ajudam a encontrar soluções formativas.

A actividade formativa do CENFIM em 2012 traduziu-se nos seguintes indicadores: 15.421 Formandos com um Volume de Formação de 2.278.160 horas assim repartidos: 14.369 formandos em 973 acções com 168.105 Horas e um Volume de Formação de 2.262.492. 2.276 Adultos em Processo RVC (Reconhecimento e Validação de Competências) dos quais 1.052 frequentaram formação complementarem correspondente a um volume de Formação de 15.668.

80% a 90% é o índice de empregabilidade na Formação Inicial - Jovens das Ações de Aprendizagem e Qualificação - inclui os Cursos de Especialização Tecnológica e Educação e Formação de Jovens

31 de maio 2013

CD

9


Campo - Valongo

Vida dura para associação da azenha

A Associação Recreativa e Cultural da Azenha (ARCA) nasceu dois anos depois da Revolução de Abril graças ao denodo das gentes da Azenha (Campo). Quase todos operários, homens e mulheres, foi dos seus braços e suor que, paulatinamente, foi crescendo a associação. Hoje é uma das mais conceituadas instituições do concelho. Mas continua a ter uma vida dura, até por não ser devidamente reconhecida e apoiada por quem devia, como a Junta de Freguesia. Em entrevista, e sem papas na língua, João Miguel Lagoinha Reboredo, presidente da nobre associação, fala-nos do presente e das esperanças que acalenta com a concretização de um projecto que dará à ARCA a dimensão física que lhe é há muito devida.

desde logo. Em 2000 por ironia do destino comprei casa em Campo. Apresentei logo esse ano vários projectos à direcção da ARCA, entre os quais a formação de uma escola de música. Desde de 2010 que está na presidência. Sabendo-se o quão difícil é a vida de uma associação deste género, tem sido fácil mantê-la? Que apoios tem recebido a ARCA? Os apoios são muito escassos, Foram dois anos e meio de muito trabalho e muitas preocupações, pois até os dinheiros públicos dos projectos a que nos candidatamos nunca chegam nas datas previstas. É uma vida de sacrifícios para os que aqui estamos mas com a ajuda de todos vamos sobrevivendo. É assim tão duro? Estivemos estes dois anos sempre quase sozinhos; agradecemos os “miminhos” que a Junta de Freguesia nos tem dado, muito obrigado. Mas uma coisa é certa: deviam ter vergonha pelo tratamento desigual que nos prestam. Ultimamente nem aparecem aos convites que formulamos pois ficam envergonhados ao verem tanto trabalho feito com tão pouco dinheiro e em

Como é que surgiu esta ligação com a ARCA? Fui convidado, em 2008, pelo presidente da assembleia da associação, Joaquim Oliveira, para entrar para vogal do conselho fiscal, assumi a presidência desse mesmo concelho e depois, já numa fase de comissão administrativa (devido a demissão da direcção) fui nomeado como o melhor candidato para voltar a fazer renascer a ARCA. Cheguei a Azenha em 1995, fui muito bem recebido pela população que me acarinhou

10 CD

31 de maio 2013

tão pouco tempo. As pessoas da Azenha, os seus sócios da ARCA, nunca vão perdoar à Junta a falta de investimento no nosso lugar. Como é possível gastar uma fortuna num lavadouro que é utilizado por uma pessoa (perto da GNR de Campo), e o tanque do lugar da Azenha que é utilizado diariamente por várias pessoas fique ao abandono? É

lamentável. Cada vez mais temos, enquanto associação, um papel importante na defesa do nosso lugar. Porque é que a ARCA ficou de fora na dinamização da componente de Apoio à Família? Tínhamos meios para que as crianças não pagassem os valores que actualmente pa-

gam, para ficarem mais tempo na escola com actividades e em segurança. Estes “pormenores” não interessam pois existem interesses instalados e não convém mexer muito neles… Está a queixar-se da Junta de Freguesia. E a Câmara tem prestado apoio? Felizmente. Agradecemos o trabalho institucional que a camara tem desenvolvido no apoio jurídico, urbanístico e mesmo o pessoal que o presidente, Dr. João Paulo Baltazar, nos tem prestado. Estamos também gratos à Dra. Maria Trindade pelo facto de termos cá o curso de desporto e pelo seu empenho – já estamos a trabalhar com ela nisso – para realização de mais dois cursos. Mas nada aqui caiu do céu, como acontece em outros pontos da freguesia. Tive que o procurar, em nome da ARCA, em nome da população da Azenha, em nome de Campo.

Sabe, somos uma associação a prestar apoio, quer à Câmara quer à Junta, sem precedentes. E e gostamos de o fazer, porque gostamos de servir. As populações é que ganham. Temos hoje as obras do parque praticamente prontas. O projecto já esta na Câmara e, a este respeito gostava de deixar claro uma coisa: não vamos permitir que altas patentes da freguesia fiquem a assistir e não contribuam para o nosso peditório. Temos visto várias portas a fecharem-se, negando-se a ajudar na divulgação das nossas actividades junto das crianças das escolas de Campo. Repare que está a tornar-se mais fácil divulgar um espectáculo de circo nas escolas do que as actividades serias que a ARCA desenvolve em prol das crianças. O que é exactamente a ARCA e que projectos tem para o futuro? A nossa associação conta hoje com varias modalidades, e de sucesso, diga-se. Temos nas nossas instalações, durante toda a semana, a frequência de cerca de 150 praticantes distribuídos pela prática de dança jovem, aulas de viola, karaté, hapkydo, ginástica com música, ginástica acrobática, Zumba e atletismo. Recuperamos a credibilidade fora do lugar da Azenha, temos hoje no nosso seio muita gente que, em tempos, jamais pensou estar aqui. Mas nestas coisas há sempre quem seja “do contra”. São poucos e não ligamos a “bocas foleiras”. Respondemos com trabalho, e adoptamos o lema “se as pessoas que falam mal de nós soubessem o que pensamos delas, falariam muito mais”. Está a referir-se a associados ou gente de fora? A ambos pois também temos alguns sócios que eu comparo a abutres, e outros a raposas. Abutres porque nunca fazem nada e apanham a presa


Campo - Valongo

Quem é quem

facilmente, depois de morta. E raposas, aqueles que estão sempre à espera do fracasso para apanhar o que de bom estamos a construir. O nosso caminho é este, têm tentado derrubar-me a mim e a esta direcção, com calúnias e mentiras, mas não tem sido fácil. No que concerne mim, não tenho nada a provar em relação à minha vida associativa, pessoal e profissional. O meu currículo fala por mim. Mas deixemos isso já que

a cargo do arquitecto Mário Eugénio. A este respeito devo dizer que já houve uma reunião aqui nas nossas instalações com o Sr. Presidente da Câmara que nos informou da total disponibilidade de todos os serviços do Município para darmos andamento ao projecto, designadamente às demolições e para que o arquitecto possa trabalhar. Honestamente, às vezes dou por mim a pensar como é possível com tão pouco dinheiro termos feito tanto… Mas não é

safio de liderar a ARCA? Na realidade foi e continua a ser um grande desafio, que continuo a encarar como no primeiro dia. O meu objectivo foi de poder recuperar progressivamente – sem forçar os seus espaços e as suas ideologias – um grupo de amigos com muito em comum (os nossos sócios e residentes) que, por não haver iniciativas locais e de mobilização humana, se estavam a distanciar-se uns dos outros. O meu objectivo era e é po-

o que importa é o futuro. Temos já o projecto, praticamente pronto do complexo desportivo, que inclui o parque e um campo de jogos com um sintético, projecto esse

difícil vencer; o que é difícil é sermos considerados e reconhecidos como vencedores.

der juntar periodicamente os nossos sócios, através de comemorações de datas, actividades, confraternizações, e trazer de volta algum movimento à nossa associação e

Com tantas dificuldades o que o fez a aceitar este de-

lugar. Por isto e muito mais, o cargo que tenho vindo a desempenhar continua a ser o meu grande desafio! Considera que as associações têm um papel importante para a divulgação da cultura? Claro que sim. Só tenho pena é que em Campo exista um presidente de junta que não o considere. Desculpe voltar à Junta mas tenho de o fazer: Durante o carnaval o presidente da junta pediu às associações que se mobilizassem para que tivéssemos o melhor carnaval do concelho. As associações responderam afirmativamente e esse senhor ficou todo contente (mais contente fiquei eu, porque fui eu que o sugeri durante a campanha eleitoral). A Arca fez chegar uma proposta ao executivo da junta nos finais de Março para que se organizasse um Dia da Criança com a dimensão que as crianças merecem. Dissemos também nessa proposta que assumiríamos as despesas da actividade. E sabe o que nos respondeu o presidente Alfredo de Sousa? Exactamente isto: “nem pensar, preferimos ficar na nossa mediocridade, pois não estamos interessados em abraçar projectos de desenvolvimento cultural e recreativo”. Parece-me que a resposta me visava mas se tenho algum protagonismo foi porque trabalhei e consegui-o. Outras e outras também, através do meu exemplo foram protagonistas. O bom trabalho dessas pessoas foi reconhecido. Pediram-me um dia para não confundir a minha profissão com o cargo de dirigente associativo. Tenho vindo a cumprir esse pedido de uma forma digna; não é fácil ser professor, dirigente associativo, politico, encarregado de educação, cidadão comum e músico/animador. Infelizmente aqueles que me pediram isso foram e são os primeiros a confundir estes papéis que tenho.

João Miguel Lagoinha Reboredo nasceu a 27 de Fevereiro de 1976 em Bragança. Passou grande parte da sua vida em Alfandega da Fé, onde fez os seus estudos básicos e secundários. Professor licenciado do ensino básico (2º ciclo) variante de educação musical, exerce actualmente funções na EB1/JI do Outeiro, do Agrupamento Vertical das Escolas de Campo. Leccionou durante 4 anos em São Pedro da Cova na EB1da Covilhã e foi Coordenador dos Professores do 1º ciclo. Leccionou ainda na escola profissional de Gondomar a disciplina de educação musical no curso de animador sócio cultural, onde foi também orientador de Estágio Pedagógico. Com algumas provas dadas na área musical, como por exemplo a gravação de um CD com o grupo Gota de Água do qual foi um dos fundadores. Em Novembro de 2002 é convidado a liderar como maestro (a orquestra Orff ) e professor de educação musical a escola de música da ARC de Silveirinhos em S.P. da Cova. Este seu interesse pela educação manifestou-se cedo, tendo sido monitor de programas de ocupação de tempos livres e treinador de Hóquei em Campo na Associação de Hóquei do Nordeste Transmontano. Actualmente faz parte da Mesa da Assembleia da Federação Portuguesa de Hóquei tendo já passado pelo conselho de arbitragem dessa mesma Federação. Licenciou-se em 2000 pela Escola Superior de Educação Jean Piaget Nordeste em Macedo de Cavaleiros, tendo iniciado a sua actividade lectiva na Região Autónoma da Madeira. Foi mentor do grupo de pais “Partituras Soltas” e “Partituras Junior” onde produziu e gravou 3 CD´s enquanto Maestro e Professor do Agrupamento de Escolas de Campo; os lucros das vendas dos respectivos CD´s reverteram a favor das escolas de Campo. Em 2003 publica o seu 1º trabalho de investigação “ Um cancioneiro em estudo”. Fez uma pós graduação em Educação Politicas Educativas e Ensino Superior e durante este período publicou vários artigos. Foi eleito em 2009 como membro da Assembleia de Freguesia da Junta de freguesia de Campo na qualidade de deputado. É presidente do conselho fiscal da Associação Recreativa e Cultural da Azenha em Campo, acumulando também, a função de director, responsável pelo pelouro da cultura e educação desta associação. Em Novembro de 2010 chega Presidente da direcção da A.R.C.A Conta múltiplas presenças em programas televisivos divulgando os projectos em que se tem envolvido.

31 de maio 2013

CD 11


Regiões •••penafiel

Marcelo Rebelo de Sousa em Amarante

LAGARES AMPLIA CEMITÉRIO COLIGAÇÃO AFIRMAR AMARANTE E INCENTIVA A NATALIDADE INAUGURA SEDE DA CANDIDATURA

A freguesia de Lagares inaugurou no passado dia 19 de Maio a ampliação do cemitério da freguesia, com a presença do Bispo D. António Taipa e do presidente da Câmara de Penafiel. Durante a cerimónia foram atribuídos três incentivos à natalidade, numa iniciativa da Junta de Freguesia Para Belmiro Barbosa, Presidente da Junta de Freguesia de Lagares, “esta era uma das obras mais ambi-

cionadas na freguesia de Lagares. Com este alargamento, o cemitério ganha melhores condições, ficando mais bem enquadrado e com um espaço uniforme e mais organizado”. Porém, segundo o autarca, “também queremos comemorar a vida e associar a esta inauguração a entrega de mais três incentivos à natalidade, aqui na freguesia de Lagares, por entendermos que o nascimento é o princípio da vida, ao invés deste local, o cemitério, que é a ultima morada do ser humano”.

Alberto Santos, presidente da Câmara Municipal de Penafiel, congratulou-se por estar a inaugurar “um equipamento extremamente importante nas nossas comunidades, mas sobretudo a celebrar a vida permanente que ocorre numa comunidade através do seu desenvolvimento”. O autarca salientou a “ boa ideia de homenagear neste dia, através da atribuição de ajudas, os casais que deixam a sua descendência e que ajudam a comunidade a continuar a sua vida”.

PINHEIRO TAMBÉM ALARGA CEMITÉRIO

Recebido com entusiasmo pelos presentes, Marcelo Rebelo de Sousa procedeu ao ato simbólico da inauguração da sede da coligação PSD/CDS amarantinos, num espaço na Av. 1.º de Maio, junto ao café O Conde. No discurso de abertura da sessão José Luís Gaspar, líder da coligação, voltou a denunciar a “falta de iniciativa” da autarquia há muito governada pelo PS e que, acrescentou, “tem levado Amarante a perder a sua centralidade regional, outrora referência para os concelhos vizinhos”. Apontando o desenvolvimento das actividades económicas como factor chave para recuperar o sucesso do concelho, o candidato referiu o seu empenho na apresentação de um Programa Eleitoral capaz de traduzir uma aposta integrada no turismo e na agricultura e floresta, através da valorização dos recursos culturais, arquitetónicos, paisagísticos e naturais do concelho, como alavanca para o muito trabalho que é necessário fazer. Aproveitou para agradecer o trabalho incessante da sua equipa e para valorizar a experiência conquistada ao longo dos últimos quatro anos, que permite um conhecimento profundo das principais dificuldades, assim

como das potencialidades do concelho. Marcelo Rebelo de Sousa, reforçando a qualidade do projecto político de José Luís Gaspar e da coligação, relembrou a sua passagem por Amarante há quatro anos, referindo, numa alusão ao futebol, que o Partido Socialista, em Amarante, tem-se limitado a jogar para o empate. E, como quem joga para o empate arrisca muito, Amarante tem perdido quase sempre. Assim se explica que, em quatro anos todos os concelhos vizinhos se

Coligação e as iniciativas de preparação e negociação de dossiês, isto por contraponto com a pouca experiência do seu adversário político. Marcelo Rebelo de Sousa manifestou também a sua disponibilidade para defender os interesses de Amarante, explicando que se interessa particularmente pela nossa região pelo facto de ser de Celorico de Basto. O Professor terminou com os votos de afirmação de Amarante, lembrando, apesar do momento actual em que o país atravessa tão grave crise

desenvolveram e cresceram, enquanto Amarante continuou parada. Dar um novo rumo a Amarante depende, portanto, da vontade de mudança que os amarantinos apresentarem nas eleições que se aproximam. Sublinhou ainda a experiência da equipa da

económica, que se olhasse aos bons exemplos de governação de tantas autarquias que, com muito menos recursos, continuam a prestar um bom serviço público, sendo seguramente possível, com muito empenho e vontade, fazer um trabalho competente e eficaz.

Póvoa de Varzim

CORRIDA DE CARRINHOS SOLARES No âmbito da Semana da Energia e do Ambiente, o Município da Póvoa de Varzim irá realizar, em parceria com a Adeporto, uma Corrida de Carrinhos Solares – “À Velocidade do Sol”. A iniciativa terá lugar hoje, sexta-feira, na Escola Secundária de Rocha Peixoto. Irão disputar a prova seis carros elaborados pelos alunos da Escola Secundária de Rocha Peixoto com as seguin-

tes designações: Rochinha; Faísca McRocha; Bugati Super Sport; Mega Trator; RPSUN e ESRPDRIVE.

A Semana da Energia e do Ambiente assinala-se ainda com visitas a Estações de Tratamento de Águas, sendo que ontem teve lugar uma Visita à ETAR de Tougues, em Vila do Conde, e no dia 4 de Junho será a vez da ETA de Areias de Vilar, em Barcelos. Entre 29 de maio e 5 de Junho estará patente na Casa da Juventude da Póvoa uma exposição sobre “Prevenção de Resíduos”.

Paços de Ferreira

EXPOSIÇÃO DE LIVROS DE GRANDES DIMENSÕES A freguesia do Pinheiro também inaugurou o há muito esperado alargamento do seu cemitério. Para José Barbosa, presidente da Junta, “esta é uma obra que vem de encontro às últimas obras realizadas na freguesia de Pinheiro. Perante as necessidades futuras e a disponibilidade do terreno, criamos 61 novas sepulturas e uma área destinada a 7 jazigos capela”. Os trabalhos incluíram a demolição parcial do muro de

12 CD

vedação existente assim como a demolição e reconstrução total das instalações sanitárias. Segundo o autarca, “com esta ampliação estamos a oferecer mais dignidade à nossa comunidade”. Para além das 61 novas sepulturas e 7 jazigos capela, estas obras permitiram duas ligações à ampliação, a partir do logradouro da Igreja, uma por escada e outra por quatro rampas com configuração regulamentar para cidadãos com

31 de maio 2013

mobilidade condicionada. Alberto Santos, Presidente da Câmara Municipal de Penafiel, mostrou a sua satisfação em “poder estar junto da comunidade a celebrar mais uma inauguração extremamente importante para a freguesia de Pinheiro. Ao longo destes anos procuramos estar atentos à questão cemiterial do nosso concelho, querendo sempre encontrar a melhor dignidade para o fim da vida terrena.”

Está patente desde ontem, no Parque Urbano de Paços de Ferreira, a exposição “Um Livro Uma Vida”, que resulta de um desafio lançado pelos Serviços Pedagógicos da Câmara Municipal aos Centros de Dia do concelho, para construírem livros em material reciclado, com pelo menos 1,5 metros de altura. Segundo a autarquia, com esta actividade, no âmbito do Ciclo da Literatura e Artes de Palco, pretende-se contribuir

para promover e incentivar à leitura. O resultado é visível, os utentes dos Centros de Dia deram aso à imaginação, para que cada livro fosse um mensageiro. No total são 6 livros (Centros de Dia de Carvalhosa, Figueiró, Modelos, Penamaior, Seroa e Santa Casa da Misericórdia de Paços de Ferreira). Estes trabalhos, ricos em criatividade, vão estar em

exposição nos diversos equipamentos municipais até ao fim do mês de Junho, período em que decorre o Ciclo da Literatura e das Artes de Palco, servindo também de promoção à Feira do Livro, que abre hoje no Parque Urbano.


Regiões

OPINIÂO

CALÚNIAS

Por Rui Santos* A alguma experiência que já vou tendo nestas andanças da política permitem-me, entre outras coisas, já não ficar demasiadamente surpreendido com determinadas atuações. Por muito que me custe dizê-lo, são até bastante previsíveis. Refiro-me concretamente à opção por “campa-

nhas negras” de ataque pessoal e de caráter, numa altura em que se deveriam discutir propostas e ideias para Vila Real. Fiz inúmeros apelos à elevação na intervenção política, à importância de nos respeitarmos pessoalmente num quadro de divergência ideológica, à evidência de sermos cidadãos com vida familiar e social, para além da condição pontual de adversários políticos. Penso ainda que quem me conhece, ou até quem apenas me acompanhe nestes meus escritos, concordará que é precisamente assim que balizo a minha intervenção. É por isso que me entristece ser vítima de um comportamen-

to contrário a este. Não tanto por mim, que infelizmente já conheço estas estratégias baixas, mas pelos meus filhos, família, amigos, que são confrontados com mentiras descaradas e espalhadas a coberto do anonimato. Não sou perfeito, evidentemente. Dificilmente alguém poderá afirmar isso sobre si próprio. Mas sou um cidadão comum, com virtudes e defeitos, que procura levar a sua vida assente em pilares éticos e morais, cuja consciência lhe permite viver uma vida de cabeça erguida. Neste momento, em que me disponho a ser candidato a Presidente da Câmara Municipal de Vila Real, recome-

LAMEGO CAMPEÃO DE FUTSAL

Campeões Distritais da Divisão de Honra da AF Viseu 2012/2013 A equipa Sénior de Futsal do Sporting Clube de Lamego conquistou o seu segundo título em apenas três anos de actividade. Tendo-se sagrado campeão Distrital da Divisão de Honra da Associação de Futebol de Viseu, na próxima época a secção de Futsal do Sporting Clube de Lamego sobe à 3ª Divisão Nacional da modalidade. Com responsabilidades acrescidas, a equipa de Lamego reconhece desde já as dificuldades que irá encontrar numa época em que vai defrontar equipas de enorme valor nas regiões mais no litoral como Maia, Porto, Paredes e ou Sta. Maria da Feira. O Sporting Clube de La-

mego Futsal que logo na sua primeira época (2010/2011) alcançou o seu primeiro título, ao conquistar a 1ª Divisão da AF Viseu, subiu à Divisão de Honra, onde conseguiu a 6.ª posição. Desta vez lutou e obteve o título da Honra. Toda a equipa, patrocinadores, apoiantes e a cidade de Lamego estão de parabéns, ficando aqui, para a posteridade, os nomes dos que ao longo da época trabalharam para conseguir mais este feito: Jogadores – Pedro; Trator; Tibum; João Paulo (GR); Valter; Toni; André; Jovito; Cruz; Cristiano; Márcio; Rui; Fábio; Mauro; Fonseca; Daniel; Rato; Gil; Portela; Roncha e Morais

Treinador: Ivo Pinto Preparador Físico: Roberto Sabença Técnico Guarda-redes: Carlos Gonçalves Massagista: Luís Oliveira e Gisela Sousa Diretores: Paulo Oliveira e André Moura Em fase de celebrações e agradecimentos, Secção de Futsal não se esqueceu de “todos aqueles que já passaram e ajudaram de alguma forma este projecto ficando aqui alguns dos nomes que por aqui passaram entre directores, treinadores e atletas: Diamantino Ribeiro, Paulo F., Jorge Portela, Rogério, Fausto, Octávio, e muitos outros”.

çam a circular as tais informações anónimas. Para aqueles cujos emails ainda não foram brindados com tão pertinentes informações, deixo um sintético apanhado: Que trato muito mal os meus filhos e que tentei assassinar a minha mulher; que tinha em 2009 uma empresa de segurança que usei em contratos na UTAD; que enquanto Presidente da AAUTAD tinha colocado uma fatura em pagamento, referente a clips, no valor de milhares de euros; que o agora meu mandatário só o é porque o ajudei a branquear um problema de um milhão de euros na gestão da UTAD; que tenho dívidas pessoais de milhares de euros;

que não pago a prestação de minha casa e por isso ela foi penhorada; que fui investigado pela Polícia Judiciária e condenado por dolo e peculato; que tenho empresas de construção, entre outras, que pretendo pôr ao serviço do município; que não pago a pensão de alimentos ao meu filho; que tenho na minha posse um conjunto de documentos comprometedores para o Eng. Madeira Pinto e que foi por isso ele não foi candidato; que os meus apoiantes têm interesses nisto e naquilo; que sou má pessoa e vou despedir funcionários da Câmara Municipal! Estas foram apenas algumas daquelas de que tomei conhecimento. São

mentiras, evidentemente. Não é difícil concluir que, se alguma destas alegações fosse verdade, a única candidatura que eu protagonizaria era a residente num estabelecimento prisional! E outra conclusão é também óbvia: só quem não tem ideias e uma estratégia para o concelho de Vila Real, prefere usar a calúnia para o combate político. Para aqueles que gostam de se entreter com este tipo de criações deixo uma frase, cujo autor desconheço, mas que acho bastante divertida: “Se forem falar mal de mim chamem-me! Sei coisas terríveis a meu respeito…”. *Candidato do PS à Câmara de Vila Real

•••régua LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES DISTINGUE PESO DA RÉGUA COM MEDALHA DE SERVIÇOS DISTINTOS Nuno Gonçalves, Presidente do Município do Peso da Régua, foi distinguido pela Liga dos Bombeiros Portugueses com a Medalha de Serviços Distintos Grau Ouro, pelo inexcedível apoio à organização do 41.º Congresso Nacional da Liga dos Bombeiros Portugueses, realizado em Outubro de 2011. A cerimónia decorreu no passado domingo, em Fátima, no âmbito das comemorações do Dia do Bombeiro Português. A Medalha de Serviços Distintos Grau Ouro, proposta pela Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários

do Peso da Régua, distingue, num sentido mais lato, o contributo dado à Associação

para que disponha de condições que garantam a eficácia do Corpo Activo.

•••alijó

VII CONCENTRAÇÃO MOTARD

O Clube Motar “Concelho de Alijó” organizou a 7.ª concentração consecutiva, juntando centenas de aficionados das duas rodas nesta vila duriense.

O Clube Motard Concelho de Alijo, com o apoio da Câmara Municipal, realizou no fim-de-semana de 25 e 26 de Maio, a VII Concentração do Clube Motard do Concelho de Alijó, enchendo a vila com muita animação e adrenalina. Os principais clubes motards do Norte de Portugal

estiveram presentes e para os receber foi preparado um programa à medida destes encontros. Muita música, muita cerveja, bike wash, strip tease e Free Style, entusiasmaram motards ou simples amantes das duas rodas. A animação decorreu sem incidentes/acidentes, tendo a segurança do evento decorrido com a maior normalidade. A experiência motard em Alijó é já uma realidade que se tem vindo a consolidar ao longo das sete concentrações, podendo continuar a levar o nome do clube e do Muni-

cípio de Alijó para além das fronteiras físicas do Concelho.

31 de maio 2013

CD 13


Vila Real OPINIÂO

O PSD De Vila Real eStá feitO em cacOS

Por João Rodrigues

Após o novelesco e atribulado caminho para encontrar o candidato do PSD à Câmara, resolvido o assunto (?) as várias facções dentro do partido começaram a movimentar-se no sentido de alguns dos seus elementos se posicionarem para os lugares que estarão em disputa. Enquanto isso mantêm-se apontados os dedos na direcção de Manuel Martins acusando-o de ser o causador de toda esta fracturante situação, alegadamente devido à inépcia patenteada na condução do processo da sua sucessão. Hoje, diz-se, Manuel Martins lamenta-se pelos corredores do Município de que todos o estão a abandonar e de que são um bando de traidores. Conta-se que no momento mais quente deste período o edil quis abandonar o cargo. A ser verdade – e são várias as vozes a confirmá-lo – essa vontade é o auto-reconhecimento de que, efectivamente ele não era a solução mas sim o problema. Terá sido a intervenção de dois quadros superiores do Município a travar Manuel Martins na sua intenção de abandonar antes do tempo. Por ele – tê-lo-á repetido, “as eleições eram já amanhã”. Manuel Martins, seguro na sua reforma e dos bens que foi amealhando (habitações, áreas comerciais, etc.) tem o seu futuro garantido e não parece perceber aquilo que salta aos olhos de todos e que explicará, em parte, o controverso processo que dividiu o PSD.. Nestas eleições não está apenas em jogo a sua sucessão mas também o futuro (designadamente a situação profissional) de muitas outras pessoas que sempre o acompanharam. O exemplo mais gritante é a situação de Hermano Machado, muito provavelmente o primeiro responsável pela sua eleição em 1993, que o acompanhou ao longo de todos estes anos e que agora foi deixado “entregue às feras”. Tal realidade, para nós, não é de estranhar visto que, ao longo destes 20 anos, Manuel Martins foi semeando o deserto à sua volta. Sintomático é o facto de ter autenticamente triturado todos os seus vice-presidentes. Desde Caseiro Marques a Madeira Pinto, passando por Nazaré Pereira, todos lhe bateram com a porta. Mas estes acontecimentos não são de estranhar conhe-

14 CD

cendo-se a forma como MM chegou à Presidência em 1993. Recordamos que na altura, sendo o vice de Armando Moreira teve um comportamento com ele, num processo sobejamente conhecido, por muitos considerado como “punhalada pelas costas”. Não admira pois que Martins sentisse em todos os seus “número dois” alguém capaz de algo como o próprio fizera ao seu antecessor. Voltando ao presente, Eduardo Varela, actual Director Administrativo e Financeiro da Câmara Municipal, tem a difícil missão de apanhar todos os cacos deste proces-

fosse o seu número 2. Entretanto, após a forçada escolha de Manuel Martins ter recaído neste último, envia um SMS com o seguinte texto: “Companheiros, depois de avaliar o processo de escolha do candidato do PSD só me resta demitir de vários cargos, nomeadamente, membro da Comissão Política de Secção; Vice-Presidente da mesa da Douro Alliance e de vice do grupo do PSD da Assembleia Municipal de VR; de presidente da Comissão Especializada de Educação (etc.) da AMVR e do grupo de trabalho de acompanhamento das listas autárquicas do PSD

tido anuncia aos 4 ventos que Vasco Amorim poderá ser o número 2 de António Carvalho. Mas também a contrainformação diz que, possivelmente, ele não gostará só de política mas também de dar a conhecer aos outros (via telefone) aquilo que os seus olhos vêm nas salas de restaurantes. Homem atento! Dentro dos chamados “Miguelistas” (apoiantes de Miguel Esteves) criou-se o mal-estar por terem passado uma noite a colocar placards em pontos estratégicos os quais foram retirados (logo na manhã seguinte) por ordem da

apostado em como o actual candidato nunca o seria. As voltas que a vida dá! Neste imbróglio kafkiano aparece uma situação que demonstra bem o estado de alma do PSD em Vila Real: o actual Presidente da Junta de Abaças, um dos principais apoiantes de Miguel Esteves, já não se pode recandidatar. Ao que consta, terá obtido em tempos a garantia de Manuel Martins de que a sua esposa seria a candidata à Junta que agora deixa. Porém nesta altura a situação está pouco clara não sendo um dado adquirido que a escolha recaia sobre a sua mulher. Re-

ram, nada garante que Miguel Esteves venha a ocupar este lugar podendo a solução passar pela indicação de um nome feminino. Decorre, neste momento, uma grande campanha no interior da Câmara Municipal tendo em vista o desgaste da sua pessoa criticando mesmo a sua gestão na EMAR. É voz corrente, na cidade, de que este lugar poderia ser ocupado pela cunhada do Dr. Varela a quem confrontámos com a notícia. O interpelado reagiu garantindo que era totalmente falso. Mas o Dr. Varela também nos garantiu

so sendo, neste momento, o homem-forte na preparação das várias listas eleitorais (Câmara, Juntas de Freguesia e Assembleia Municipal). Nos últimos tempos, a informação e contrainformação no seio do PSD imensa, isto no sentido de se promoverem e eliminarem uns aos outros, num processo que, sem dúvida, deixará marcas. Há um grande número de candidatos a tudo e a nada. Por exemplo, o aveirense Vasco Amorim, que no auge desta guerra queria ser o número dois de Pedro Ramos (caso tivesse sido este o candidato), terá a certa altura convidado Madeira Pinto para que este

para as freguesias. Sá Carneiro dizia: a política sem risco é uma chatice, mas sem ética é uma vergonha”. Subscrevo e vivo sob este lema.

própria Câmara Municipal. Entretanto, a contrainformação continua. Um dos principais apoiantes de Miguel Esteves e com responsabilidades acrescidas dentro do partido, tem andado amuado fazendo com que as pessoas se interrogassem sobre as razões de tal. Alguns chegaram à conclusão que se deve ao facto de não ter conseguido colocar um familiar no cargo de gestor financeiro da campanha. Esse cargo, por escolha também de António Carvalho, recaiu no Presidente da Junta da Campeã, personagem que se diz, e por caricato que pareça, terá

agindo, terá feito saber que se lhe faltarem à palavra avançará em Abaças e outras freguesias próximas com listas independentes. Outro “bico-de-obra” é a escolha do candidato à nova freguesia de Vila Real. Manuel Martins gostaria que a escolha recaísse na pessoa de José Rebelo mas está a sentir grandes dificuldades para levar avante o desiderato. Para Eduardo Varela e António Carvalho a situação mais difícil que têm, neste momento, é a escolha do “número dois” da lista ao Município. Aparentemente, e dadas as lutas que antecede-

que a constituição da lista iria ser uma grande surpresa para todos. Há também quem comente a possibilidade de tal lugar ser atribuído a uma Professora do Departamento de Matemática da UTAD. A concretizar-se, esta sim, seria uma autêntica bomba! Temos conhecimento de que toda esta difícil situação, criada por Manuel Martins, está a dar muita dor de cabeça ao PSD nacional. Jorge Moreira da Silva (Secretário Geral e responsável pelo processo autárquico) diz que o partido está atento a toda esta inesperada convulsão surgida em Vila Real.

31 de maio 2013

Saudações democráticas, Vasco Amorim” Poucas horas após ter enviado este SMS aos companheiros, o ferrenho adepto da política apresentou-se na reunião magna da distrital em Mondim de Basto e, usando da palavra para os presentes, defendeu a unidade no Partido. Estamos falados! Neste momento, uma onda maçónica dentro do par-


Passatempos 7 diferenças

CURIOSIDADES A AusênciA do Zero no sistemA de numerAção romAno

Os números criados pelos romanos foram relacionados a letras, enquanto outros povos criaram símbolos na representação numérica de algarismos. Os números romanos utilizavam as letras I, V, X, L, C, D, M na representação dos seguintes valores: 1, 5, 10, 50, 100, 500, 1000 respectivamente. O interessante desse sistema de numeração é a ausência de uma letra relacionada ao número zero. Mas ao criar esse sistema de numeração, os romanos não estavam interessados na realização de cálculos. Queriam números representativos para a determinação de quantidades, como contar objectos, animais, armas e etc. A representação numérica adoptada pelos romanos foi durante muitos séculos a mais utilizada por toda a Europa. Com o desenvolvimento da expansão comercial, a utilização de cálculos matemáticos tornou-se uma questão primordial. Foi nesse momento que os números romanos foram questionados em razão da ausência do zero e da representação de valores por letras. Essas características principais do sistema de nu-

meração dos romanos dificultavam o desenvolvimento de técnicas matemáticas eficazes. Alguns estudiosos romanos tentaram relacionar o sistema numérico com a utilização do ábaco, mas os meios operativos requisitavam conhecimentos complexos. O algarismo zero, ausente no sistema de numeração dos romanos, fora descoberto pelo povo hindu, bem como um novo sistema de numeração semelhante ao utilizado actualmente. Esse sistema consistia em uma base decimal (dez algarismos) que ordenados entre si formavam e representavam qualquer número. O sistema criado pelos hindus fora divulgado por toda a Europa pelos árabes, passando a ser conhecido como sistema de numeração indo-arábico. Esses números contribuíram de forma incessante na modernização dos cálculos matemáticos, em razão de sua praticabilidade simbólica e representação de quantidades. Actualmente, os números romanos são utilizados na representação de nomes de papas e reis, de séculos, nomes de ruas, marcações de relógios, capítulos de livros etc.

Descubra as 7 diferenças nestes desenhos aparentemente iguais.

sudoku

Rir é o melhor remédio Numa aldeia entre Portugal e Espanha, o padre que celebrava a missa tinha horror aos espanhóis e dizia mal deles em todas as celebrações. Depois de muitas queixas por parte quer dos portugueses, que também se sentiam mal com a situação, quer dos espanhóis, o bispo foi falar com o padre, e explicou-lhe que não deveria voltar a mencionar os espanhóis nas suas missas. Na missa seguinte, o padre lê um texto bíblico: - Estava Jesus no monte Sinai e profetizou: Um de vocês irá trair-me! E Judas respondeu-lhe: Péro quien, señor?

Às portas da morte, o marido diz à mulher: - Tenho que te contar algo que me está atravessado na garganta... - Vá, descansa... - Não, tenho que te contar... eu fui-te infiel... - Eu sei. - Sabes? - Claro! Porque é que julgas que te envenenei?

soluções

O homem entra no restaurante e pede um bife. Quando o empregado lho traz, o homem repara que o sujeito tem um dedo em cima do bife e exclama: - Então... A que propósito é que você tem o dedo em cima do bife? - É só para evitar que o bife caia ao chão outra vez...

A mulher diz ao marido: - Querido, estás a coser o botão com o dedal no dedo errado. - Eu sei, querida, eu sei... O dedo certo devia ser o teu...

31 de maio 2013

CD 15


Última Homenagem às cinco Corporações do Concelho

800 Postos de trabalho

EMPRESA hOLANDESA INvEStE PAREDES COMEMORA DIA MUNICIPAL DO BOMBEIRO 10 MILhõES A Câmara Municipal de Paredes assinala neste domingo, 2 de Junho, o Dia Municipal de Bombeiro com a realização de uma Sessão Comemorativa, a partir das 09h30, no quartel da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Baltar. Esta iniciativa, a cargo do Pelouro de Protecção Civil da autarquia, que conta com a participação das cinco Corporações do Concelho de Paredes, tem como objectivo enaltecer o papel de todos aqueles que diariamente se empenham e sacrificam na protecção e socorro das populações, reconhecendo publicamente “o seu sentido de serviço público e solidariedade para com o próximo”. Envolvendo cerca de 300 efectivos das Corporações de Baltar, Cête, Lordelo, Paredes e Rebordosa, as comemorações do Dia Municipal do Bombeiro terão o seu início com a formatura e o haste-

EM ERMESINDE

ar das bandeiras, seguida de uma Sessão Solene no Auditório dos Bombeiros Voluntários de Baltar. Durante a cerimónia, que contará com as intervenções do presidente da Federação Distrital dos Bombeiros do Porto e do Comandante Distrital das Operações de Socorro, o presidente da autarquia de Paredes, Celso Ferreira, vai distinguir as cinco Corporações de Bombeiros do Con-

celho com a Medalha de Ouro do Município de Paredes. Ainda durante a manhã, pelas 11h30, será realizada uma cerimónia religiosa aberta a toda a população. À tarde, a partir das 15h00, o programa prossegue com um desfile apeado pelas ruas de Baltar, encerrando às 16h30 com um desfile motorizado que percorrerá as freguesias da área de intervenção dos Bombeiros Voluntários de Baltar

O presidente da Câmara de Valongo e um representante da European Designe Centre Internacional (EDC), com sede na Holanda, assinaram um protocolo de cooperação que prevê a instalação da empresa no Edifício Faria Sampaio, em Ermesinde. Da assinatura deste acordo resultará a fixação no concelho de uma “empresa âncora” que, brevemente e numa numa primeira fase irá criar cerca de uma centena de postos de trabalho directos, prevendo os responsáveis que a médio prazo os empregos cheguem aos 800. Para além disso, o acordo permite à autarquia o aproveitamento de um edifício que se encontrava por ocupar, iniciando assim a rentabilização e de um investimento até agora sem retorno. O grupo European Design Centre Holding B.V., sedeado em Hertogenbosch, no sul dos

Países Baixos (a cerca de 80 km de Amsterdão) dedica-se fundamentalmente à investigação de projectos inovadores e que possam ser aplicados à economia e produção, na intersecção da alta tecnologia com a criatividade e o Design. Até hoje, já liderou mais do que 50 projectos de R&D, o que representa um investimento de mais de € 100 Milhões. Nos últimos 25 anos, colaborou com mais de 300 parceiros em cerca de 29 Países Europeus, tendo manifestado uma particular atenção por Portugal. Ao que o CORREIO DO DOURO apurou, o grupo

EDC pretende transferir para Ermesinde as seguintes áreas de trabalho: - Medical Simulation Training Advanced Team Medical Simulation Training, um programa de formação que visa aprimorar a qualidade de vida médica; - Serious Games, que envolve a produção, desenvolvimento e distribuição internacional de desafios e aplicações para a indústria médica de segurança e tratamento, entre outros; - Sustainable Fashion (Ajuda e aconselhamento na área das inovações sustentáveis e produtos na expansão da economia global.

Cursos de Aprendizagem – Nível 4 (equivalência ao 12º ano)

Técnico/a de Desenho de Construções Mecânicas Técnico/a de Refrigeração e Climatização Técnico/a de Maquinação e Programação CNC Técnico/a de Manutenção Industrial da M.M. Cursos CEF – Tipo 2 (equivalência ao 9º ano)

Soldadura Cursos CET – Nível 5

Tecnologia Mecânica

Tecnologia Mecatrónica

Apoios: Bolsa de Formação – Subsídio de Transporte e Alimentação – Material Escolar

16 CD

31 de maio 2013


Correio do Douro nº39